Aves - Rede Pró-Fauna

redeprofauna.pr.gov.br

Aves - Rede Pró-Fauna

As aves apresentam uma série de características

particulares, são apreciadas pelo colorido das penas, pelos

sons e por inúmeros outros atrativos. São vertebrados

com penas e possuem estruturas modificadas para vôo.

Algumas espécies possuem uma série de comportamentos

sociais. Existem adaptações que são fundamentais para

diferenciar as aves de outros animais, como:

• Bico córneo não maciço, sem dentes;

• Ossos ocos, finos e leves;

• Músculos peitorais bem desenvolvidos;

• Penas modificadas para o vôo; entre outros.


ORDEM

Charadriiformes

Família

CHARADRIIDAE

68

Quero-quero

Vanellus chilensis

Características garais

O quero-quero é muito comum no Brasil, inconfundível pelo seu canto, que parece dizer “queroquero”,

emitido quando se sente ameaçado. Mede cerca de 37 centímetros e possui um topete na

nuca, característica principal da espécie. Para se defender utiliza um esporão vermelho, parecido

com um forte espinho, com o qual tenta atingir o predador através de vôos rasantes. Seus ninhos

geralmente são construídos nos campos, em pequenas depressões do solo, forrados com folhas e

gravetos.

Habitat

Vive em ambientes de pouca vegetação, geralmente em campos e áreas abertas. Podem ser encontrados

em banhados, pastagens, gramados e em praias de muitas regiões do Brasil.

Alimentação

Alimenta-se de animais como crustáceos, moluscos, insetos e minhocas.

Importância na natureza

Colabora no controle das populações de insetos, evitando que sua reprodução descontrolada prejudique

o meio ambiente e afete a agricultura. Também participa da cadeia alimentar, servindo de

alimento para diversas espécies de carnívoros.


69

Charadriiformes


ORDEM

Pelecaniformes

Família

PHALACROCORACIDAE

70

Biguá

Phalacrocorax brasilianus

Características gerais

O biguá apresenta o corpo de coloração negra, com apenas uma pequena mancha branca logo

atrás dos olhos. Nos pés, possui uma membrana entre os dedos que o ajuda a nadar em busca de

alimento. O bico é escuro, com uma curvatura na parte superior, o que também ajuda na captura

de peixes.

Habitat

Espécie muito comum em rios com grande volume de água.

Alimentação

O biguá é piscívoro, ou seja, sua dieta é formada basicamente de peixes. Como estratégia de caça,

reúnem-se em grupos que mergulham quando localizam um cardume.

Importância na natureza

Como as demais espécies com hábitos alimentares semelhantes, o biguá ajuda a manter o ecossistema

equilibrado.


71

Pelecaniformes


ORDEM

Tinamiformes

Família

TINAMIDAE

72

Macuco

Tinamus solitarius

Características gerais

O macuco é o maior representante da família Tinamidae no Sul do Brasil. Pode atingir até 48 centímetros

de comprimento. Ao contrário do que ocorre com a maior parte das aves, o macuco macho

é menor que a fêmea. Pesa de 1 a 1,5 quilo. Possui comportamento desconfiado, quando se sente

ameaçado imobiliza-se instantaneamente, sempre com o pescoço ereto, tentando não chamar a

atenção do seu predador. Muito pesado em relação ao seu tamanho, o macuco levanta vôo apenas

como último recurso. Gosta de tomar banho de sol e de poeira. Por isso, sua plumagem freqüentemente

adquire uma coloração de terra.

Habitat

O macuco pode ser encontrado em muitas regiões do Paraná, freqüentando áreas florestadas, locais

acidentados e de difícil acesso. Sua população vem decrescendo nos últimos anos pois, para viver,

necessita de um ambiente preservado.

Alimentação

Alimenta-se de frutos caídos, folhas, sementes duras, pequenos artrópodes e moluscos.

Importância na natureza

O macuco espalha, através das fezes, sementes de várias espécies, ajudando a garantir a vida em seu

ambiente.


73

Tinamiformes


ORDEM

Tinamiformes

Família

TINAMIDAE

74

Perdiz

Rhynchotus rufescens

Características gerais

O perdiz é um dos maiores Tinamídeos campestres. No seu corpo predomina uma coloração parda,

com pintas pretas na região das costas. Possui o bico forte especialmente adaptado para se alimentar

de sementes duras. Suas asas são de cor vermelho-alaranjada, parecida com fuligem. Como não voa

muito bem, é encontrado com freqüência andando pelo chão, onde constrói seus ninhos. Chega a

atingir 37,5 centímetros e pesa cerca de 900 gramas.

Habitat

Habita campos, pastagens e cerrados, muitas vezes se esconde em moitas de capim ou entre a vegetação

rasteira. Há poucos anos era fácil encontrar um perdiz, mas com a caça e o uso freqüente

de inseticidas nas plantações, está cada vez mais raro encontrá-lo na natureza.

Alimentação

Frutas caídas, tubérculos, raízes (mandioca), grãos (principalmente amendoim) e insetos como o

cupim.

Importância na natureza

O perdiz espalha, através das fezes, sementes de várias espécies, ajudando a garantir a vida em seu

ambiente.


75

Tinamiformes


ORDEM

Tinamiformes

Família

TINAMIDAE

76

Jaó-do-litoral

Crypturellus noctivagus

Características gerais

Medindo cerca de 34 centímetros o jaó-do-litoral é também um dos maiores indivíduos da família

dos Tinamídeos. Normalmente encontrado no chão, possui coloração ideal para camuflagem: quase

todo o corpo é pardo-amarronzado, apenas a cabeça é um pouco enegrecida. A região da face é vermelho-alaranjada

(cor de ferrugem). O peito é cinza escuro e as pernas apresentam manchas negras.

Possui cauda curta e robusta. A fêmea é um pouco mais clara que o macho. Na época de reprodução

são formados haréns de onde as fêmeas são fecundadas por um único macho.

Habitat

Habita locais de clima quente, nas regiões Sudeste, Nordeste e Centro-Oeste.

Alimentação

Têm preferência pelos frutos das palmeiras, sementes, aranhas, moluscos e vermes.

Importância na natureza

Além de colaborar no controle do crescimento populacional das espécies de larvas e insetos, dos

quais se alimenta, o jaó participa da cadeia alimentar, servindo de alimento para várias espécies de

carnívoros.


77

Tinamiformes


ORDEM

Tinamiformes

Família

TINAMIDAE

78

Codorna-amarela

Nothura maculosa

Características gerais

Essa espécie de codorna silvestre é muito conhecida nas regiões rurais do Paraná, principalmente

nas lavouras de grãos. Mede em torno de 23 centímetros. É uma espécie terrícola, encontrada caminhando

pelo solo. Sua coloração muda conforme a cor da terra, o que ajuda a camuflar-se, para

escapar de seus predadores.

Habitat

Ocorre na Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil, em ambientes de campos, sendo observada em

plantações de soja, milho, trigo, arroz, entre outros grãos.

Alimentação

A alimentação da codorna é bastante variada, desde frutas, folhas, sementes duras até pequenos

artrópodes e moluscos que se escondem nas folhagens apodrecidas, além dos carrapatos nos pastos

e insetos como o gafanhoto.

Importância na natureza

Através das fezes, espalha sementes de várias espécies pela floresta, colaborando na manutenção da

vida no ecossistema em que habita.


79

Tinamiformes


ORDEM

Ciconiiformes

Família

ARDEIDAE

80

Garça-branca-grande

Ardea alba

Características gerais

Com um andar elegante, passadas longas e cuidadosas a garça-branca-grande pode medir até 75

centímetros de comprimento. Possui coloração completamente branca, só é quebrada pelo amarelo

do bico e pelo negro das patas. Quando voa, estica as pernas e encolhe o pescoço. Desconfiada,

está sempre atenta a possíveis predadores ou a alguma oportunidade de capturar alimento.

Habitat

Pode ser encontrada nas bordas de lagos, rios e banhados, geralmente em busca de alimentos.

Alimentação

Por se alimentarem de peixes, algumas vezes podem causar danos a piscicultura, sendo portanto

perseguidas. Além de peixes alimenta-se também de anfíbios, répteis e invertebrados, geralmente

capturados dentro da água.

Importância na natureza

As garças participam no controle populacional de espécies das quais se alimenta, ajudando na manutenção

do ambiente.


81

Ciconiiformes


ORDEM

Ciconiiformes

Família

ARDEIDAE

82

Garça-branca-pequena

Egretta thula

Características gerais

De uma coloração completamente branca, difere da garça-branca-grande não só pelo tamanho, cerca

de 54 centímetros de comprimento, mas também por apresentar o bico negro. Outra característica

interessante é que apesar das patas serem negras, os dedos são amarelos. Nos jovens, as patas e os pés

são verde-amarelados.

Habitat

Pode ser encontrada na borda de lagoas, rios, banhados e nas praias de grande parte da América do sul.

Alimentação

A garça-branca-pequena alimenta-se de peixes, caranguejos e moluscos. Como excelente pescadora,

atrai os peixes através de movimentos com os pés.

Importância na natureza

Participa no controle populacional de espécies das quais se alimenta, contribuindo para o equilíbrio ecológico.


83

Ciconiiformes


ORDEM

Ciconiiformes

Família

ARDEIDAE

84

Garça-vaqueira

Bubulcus ibis

Característcas gerais

Essa espécie de garça é originária da África e da Espanha meridional. Ao contrário de outras espécies, a

garça-vaqueira foi introduzida no Brasil naturalmente, através de migrações ao longo dos anos, a partir

do final do século XIX. Tem em média 49 centímetros de comprimento, é muito parecida com a garçabranca-pequena,

porém seu pescoço é mais grosso, parecido com um papo. É totalmente branca, com

o bico, a íris e os dedos pardacentos.

Habitat

É encontrada em campos secos e pastagens, quase sempre na companhia do gado, dai nasceu o nome

popular de garça-vaqueira.

Alimentação

É basicamente insetívora, ou seja, alimenta-se de insetos. Para capturá-los, aproxima a cabeça da presa,

mantendo-a firme enquanto executa movimentos de vai-e-vem do pescoço. É uma ótima caçadora de

gafanhotos, cigarrinhas, grilos, moscas e lagartas.

Importância na natureza

Colabora no controle do crescimento populacional das espécies que geralmente causam incômodo ao

homem e principalmente a produção agrícola. Participa da cadeia alimentar, servindo de alimento para

várias espécies de carnívoros. Caso o número de indivíduos desta espécie diminua, poderá ocorrer a

invasão de pragas na agropecuária.


85

Ciconiiformes


ORDEM

Ciconiiformes

Família

ARDEIDAE

86

Socó-boi

Tigrisoma lineatum

Características gerais

Espécie de grande porte, chega a medir 93 centímetros. Possui bico grande, característica marcante

dos socós. O pescoço do socó-boi apresenta uma coloração castanha, enquanto a região das costas,

chamada de manto, é pardo-acinzentada. Seu fortíssimo canto, emitido nas épocas de reprodução,

lembra o esturro da onça-pintada. Quando se sente ameaçado, o socó-boi estica o pescoço e arrepia

as longas plumas da nuca, lembrando grandes dentes e assim inibindo seus predadores.

Habitat

O socó-boi habita regiões de florestas, onde faz seus ninhos no alto das árvores. Seus ambientes

preferidos são próximos a cachoeiras e regiões de serra.

Alimentação

Come insetos e pequenos peixes.

Importância na natureza

Realiza o controle do crescimento populacional de espécies de insetos e pequenos peixes das quais

se alimenta, contribuindo para o equilíbrio ecológico do ecossistema onde vive.


87

Ciconiiformes


ORDEM

Ciconiiformes

Família

ARDEIDAE

88

Maria-faceira

Syrigma sibilatrix

Características gerais

Considerada uma espécie polícroma, por possuir várias cores pelo corpo, mede cerca de 53 centímetros

de comprimento. Seu principal atrativo está em sua face, composta de várias cores, onde

predomina o azul-claro e destaca-se o bico róseo, colorido que lembra uma delicada maquiagem.

Sua vocalização (som emitido pela ave) também é muito diferente, sendo repetida várias vezes em

tom de melodia. Em vôo a maria-faceira apresenta o pescoço menos encolhido que os demais indivíduos

da família Ardeidae e bate as asas com movimentos curtos e rápidos.

Habitat

Pode ser encontrada em locais de campos secos e arrozais de grande parte do Brasil.

Alimentação

A maria-faceira alimenta-se de várias espécies de artrópodes, como besouros e aranhas, além de

sapos, rãs e cobras.

Importância na natureza

Além de ajudar no controle do crescimento populacional de espécies das quais se alimenta, evitando

a invasão de pragas na agricultura, a maria-faceira participa da cadeia alimentar, servindo de alimento

para várias espécies de carnívoros.


89

Ciconiiformes


ORDEM

Ciconiiformes

Família

THRESKIORNITHIDAE

90

Curicaca-comum

Theristicus caudatus

Características gerais

Espécie de grande porte, possui o bico longo, fino e curvo. Mede cerca de 70 centímetros. Possui

coloração clara por quase todo o corpo. Suas asas são largas, com grande mancha branca na região

de cima, e inteiramente negra na região de baixo. Seus gritos são fortes, curtos, do timbre parecido

com uma galinha-de-angola. Ave de hábitos diurnos, costuma planar em grandes altitudes.

Habitat

É encontrada no cerrado e em campos gerais, principalmente onde há queimadas, pois aproveita o

desespero dos insetos que fogem do fogo para capturá-los.

Alimentação

Gafanhotos, aranhas, centopéias, lagartixas, cobras e ratos.

Importância na natureza

Colabora no controle do crescimento populacional das espécies de roedores, gafanhotos e aranhas,

que geralmente causam “incômodos” ao homem.


91

Ciconiiformes


ORDEM

Ciconiiformes

Família

THRESKIORNITHIDAE

92

Colhereiro

Platalea ajaja

Características gerais

O colhereiro é ave com características únicas no reino animal. Uma delas é o bico em forma de

colher. Essa adaptação ocorre devido à sua alimentação e ao modo com que captura seu alimento.

Mede cerca de 90 centímetros e possui coloração rosada; o bico e as patas são pardacentos. Em vôo,

o colhereiro estica o pescoço para frente melhorando assim a sua performance, intercalando batidas

de asa com longas planadas.

Habitat

É encontrado em todo o sul do Brasil, habitando praias lamacentas e manguezais.

Alimentação

A sua coloração rosada tem origem na alimentação rica em crustáceos os quais apresentam forte

pigmento vermelho. Pode ser visto também pescando em grupos.

Importância na natureza

Com esse hábito alimentar, o colhereiro é muito importante para o equilíbrio ambiental, realizando

o controle do crescimento populacional de espécies das quais se alimenta.


93

Ciconiiformes


ORDEM

Phoenicopteriformes

Família

PHOENICOPTERIDAE

94

Flamingo

Phoenicopterus ruber

Características gerais

Com patas finas e compridas e pescoço alongado, o flamingo, com seus 90 centímetros, está entre

os grandes pernaltas do Brasil. O corpo apresenta coloração rosa com as penas da ponta das asas

pretas. A extremidade do bico também é preta e apresenta acentuada curvatura.

Habitat

Pode ser encontrado em regiões litorâneas e em manguezais.

Alimentação

São ótimos pescadores, capturam suas presas em águas rasas. Com o bico curvo, filtram o alimento

composto de minúsculos animais aquáticos, como larvas de moscas, moluscos, algas e pequenos

crustáceos, alguns deles ricos em carotenóides, o que dá ao flamingo a cor rósea.

Importância na natureza

Como outras espécies de hábito alimentar semelhante, o flamingo realiza o controle do crescimento

populacional de espécies das quais se alimenta, ajudando no equilíbrio ambiental.


95

Phoenicopteriformes


ORDEM

Anseriformes

Família

ANHIMIDAE

96

Tachã

Chauna torquata

Características gerais

Medindo cerca de 80 centímetros, o tachã possui um grande topete localizado na cabeça de cor

parda com tonalidade cinza-escura. O pescoço é contornado por uma gola negra realçada por uma

segunda penugem branca. A região de cima da asa é negra, com uma grande área branca visível

durante o vôo. Sua vocalização lembra a dos gansos e pode ser ouvida a mais de três quilômetros

de distância. Seu vôo parece ser desajeitado, pois suas pernas ficam soltas como se estivessem

penduradas.

Habitat

É encontrada em banhados no Rio Grande do Sul, São Paulo e Mato-Grosso, raramente no

Paraná.

Alimentação

Folhas de plantas aquáticas, cupim, artrópodes e pequenos animais mortos.

Importância na natureza

As espécies que possuem esse hábito alimentar, são importantes para o equilíbrio do ambiente,

realizando o controle do crescimento populacional das espécies.


97

Anseriformes


ORDEM

Anseriformes

Família

ANATIDAE

98

Irerê

Dendrocygna viduata

Características gerais

Este pequeno marreco com cerca de 40 centímetros, de porte ereto, é de fácil identificação por

possuir um tipo de máscara branca na cara. Suas asas são largas, cerca de 20 centímetros e negras, o

bico e os pés são cinzentos e o pescoço avermelhado. Pode ser observado pela manhã e no final da

tarde. À noite, sobrevoa as cidades assoviando de forma estridente, especialmente durante a chuva.

Ao voar, alinha-se em triângulo junto a outros indivíduos do grupo.

Habitat

É encontrado em ambientes alagados, como banhados e campos inundáveis, onde captura seu alimento

e permanece a maior parte do tempo.

Alimentação

Alimenta-se de pequenas sementes e folhas, aprecia o arroz. É excelente apanhador de vermes,

larvas, insetos e pequenos crustáceos, dentre eles o caranguejo.

Importância na natureza

Além de realizar o controle do crescimento populacional das espécies de vermes, larvas e insetos,

que geralmente causam incômodo ao homem, o irerê participa da cadeia alimentar, servindo de alimento

para várias espécies de carnívoros. O desaparecimento desta espécie poderá ocasionar uma

invasão de pragas na agricultura.


99

Anseriformes


ORDEM

Anseriformes

Família

ANATIDAE

100

Marreca-caneleira

Dendrocygna bicolor

Características gerais

Seu tamanho é de 48 centímetros, o que lhe confere o porte de um pequeno ganso. A marrecacaneleira

possui corpo curto com pescoço longo e bico um pouco comprido, enquanto as pernas

e as asas são largas. Possui também uma coloração pardo-acinzentada, com as plumas escuras do

lado do pescoço. O bico e os pés são cor de chumbo. É facilmente observada nas primeiras horas

da manhã e nos finais da tarde.

Habitat

Como o irerê, a marreca-caneleira é encontrada em banhados e áreas inundáveis.

Alimentação

Sua principal fonte de alimento são os vegetais aquáticos, como os suculentos brotos retirados da

água mediante um mergulho.

Importância na natureza

A marreca-caneleira realiza o controle do crescimento populacional de espécies das quais se alimenta,

colaborando para o equilíbrio do ambiente.


101

Anseriformes


ORDEM

Anseriformes

Família

ANATIDAE

102

Pé-vermelho

Amazonetta brasiliensis

Características gerais

Espécie pequena e de aparência magra, mede cerca de 40 centímetros e pesa em torno de 500

gramas. Possui pés pequenos, vermelhos. A região das asas (chamada de espelho), pode apresentar

uma coloração negra, verde ou azul brilhante, conforme a incidência de luz. Macho e fêmea diferenciam-se

pela cor do bico, vermelho no macho e azulado na fêmea. Seu pescoço é preto. Na face e

na garganta, ostenta duas manchas claras.

Habitat

É encontrado em banhados, açudes e em vegetação de florestas baixas e densas.

Alimentação

A principal fonte de alimento dessa ave são os vegetais aquáticos, como os brotos, retirados de águas

rasas.

Importância na natureza

Como as demais espécies que possuem hábito alimentar semelhante, o pé-vermelho colabora para

o controle do crescimento populacional de espécies das quais se alimenta, contribuindo para o equilíbrio

do ambiente.


103

Anseriformes


ORDEM

Anseriformes

Família

ANATIDAE

104

Pato-do-mato

Cairina moschata

Características gerais

O pato-do-mato se diferencia muito dos demais indivíduos dessa família por possuir a cabeça grande

em relação ao corpo. Mede cerca de 85 centímetros. O macho adulto pode pesar de 3 a 4 quilos.

Tanto o macho quanto a fêmea possuem topete, sendo maior no macho. Sua plumagem é negra

com algumas manchas brancas nas asas. O bico apresenta uma faixa esbranquiçada. Suas unhas compridas

e afiadas são utilizadas para empoleirar-se nas árvores e em brigas com outros indivíduos.

Habitat

Ocorre no Sul e no Leste do Brasil, geralmente nas proximidades de rios com grande volume de

água.

Alimentação

Caracóis, crustáceos, pequenos peixes, moluscos e sementes.

Importância na natureza

O pato-do-mato realiza o controle do crescimento populacional de espécies das quais se alimenta,

evitando que aumentem em demasia, desequilibrando o ambiente.


105

Anseriformes


ORDEM

Cathartiformes

Família

CATHARTIDAE

106

Urubu-rei

Sarcoramphus papa

Características gerais

Digno do nome que lhe foi dado, o urubu-rei é bela e poderosa ave de rapina que voa a grandes

altitudes, em movimentos circulares, usando sua boa visão para localizar os alimentos. Mede cerca de

80 centímetros e pesa em torno de 3 quilos. É facilmente identificado quando voa, pelo esbranquiçado

de suas penas e pelas asas serem grandes e largas. O pescoço sem plumagem é cinza-chumbo

e nas proximidades da cabeça, apresenta um tom avermelhado.

Habitat

Habita florestas e campos, longe das grandes cidades. No Brasil é muito perseguido por caçadores.

Por ser uma ave poderosa, é utilizada como troféu de caça.

Alimentação

É consumidor de animais mortos e sobras de animais já abatidos, mesmo que já em putrefação, pois

seu organismo é resistente a bactérias.

Importância na natureza

Seu hábito alimentar lhe confere importante papel de saneador na limpeza do ambiente.


107

Cathartiformes


ORDEM

Cathartiformes

Família

CATHARTIDAE

108

Urubu-comum

Corag yps atratus

Características gerais

Essa espécie de urubu mede cerca de 60 centímetros, pesando em torno de 1,6 quilo. Possui a

cabeça e o pescoço nus, com uma coloração cinza-escura. Ao voar, tem o hábito de planar, vez por

outra, batendo as largas asas adornadas com algumas penas brancas nas extremidades.

Habitat

É encontrado em campos e áreas florestadas de várias regiões do Brasil.

Alimentação

Como o urubu-rei, o urubu-comum alimenta-se de animais mortos e sobras de animais já abatidos,

mesmo que em putrefação.

Importância na natureza

Devido a esse hábito alimentar, o urubu-comum desempenha importante papel como saneador do

ambiente.


109

Cathartiformes


ORDEM

Cathartiformes

Família

CATHARTIDAE

110

Urubu-de-cabeça-vermelha

Cathartes aura

Características gerais

Mede cerca de 55 centímetros e pesa entre 1,2 a 2 quilos. Na cabeça e no pescoço possui uma

coloração rósea ou avermelhada, de onde nasceu o nome popular de urubu-de-cabeça-vermelha.

A cauda é mais comprida e estreita que a do urubu-comum. Voa rápido, com as asas batendo lentamente

e levantadas em forma de V.

Habitat

Vive fora das grandes cidades, geralmente em campos e florestas distribuídas por várias regiões do

Brasil.

Alimentação

Como as demais espécies de urubu, o urubu-de-cabeça-vermelha alimenta-se de animais mortos e

sobras de animais já abatidos.

Importância na natureza

Desempenha importante papel como saneador do ambiente.


111

Cathartiformes

More magazines by this user
Similar magazines