15-28 - Universidade de Coimbra

bdigital.sib.uc.pt

15-28 - Universidade de Coimbra

COLLEGIO MONDEGO

Conversação franceza, ingleza e allema

Miss Annie Browne Hamilton

Piano, violino e orpheon

D. Quintina Novaes, do Conservatorio

Augusto Miranda

Medeiros Franco

Noticias de Coimbra de II de Fevereiro de 1911

Desenho e pintura

Dr. Serra da Motta, da Academia de

Bellas Artes

SEGÇAO FEMININA

PATEO. DA INQUISIÇÃO, 14

Lavores e Instrucção primaria

D. Olivia Duque

D. Grajiella Paes

Instrucção secundaria e commercial

Sousa Bergstrom

Dr. Pereira da Silva

Dr. Cesar de

Dr. Serra da Motta

A. Novaes

Diamantino Dinif Ferreira

• v

-V- - v

DIRECTORES - Maria Isabel Ferreira Donato e Diamantino Diniz Ferreira

Minha Irmã Maria

de 12 annos de idade, soffria

de rachitismo, e em tal

estado que já ninguém

contava que a vida se lhe

prolongasse por muito

tempo. Debalde empregava

o meu tempo e dinheiro

em busca de remedio para

o seu mal. Ainda que tarde,

comecei a ministrar-lhe a

Emulsão de Scott, e o seu

resultado foi-se accentuando

á medida que ia tomando

a Emulsão; e hôje

encontra-se bôa, completamente

curada, com bôas

cores, e em nada transparece

a doença que a

torturava.

Testemunho de D. ALEXANDRINA PAES DE

CASTRO, da rua do Miradouro, 61, Porto, em 5 de

Aíostode 1909.

Taes curas são fáceis para o preparado

de Scott. A tremenda energia dos ingredientes

torna impossível um resultado

nullo. Basta para prova a leitura das cartas

recebidas dos paes ou dos doentes, e

que são publicadas continuamente.

Quem experimenta o

PREPARADO DE

SCOTT

depressa se convence de que é inteiramente

differente de todas aquellas outras

emulsões com que a procuram substituir.

Resolvei-vos, quando fordes procurar o

preparado de Scott, a não trazer para

casa coisa que não seja o de Scott.

NOTA: Apezar do Imposto de Sello de 50 reis por

cada frasco, todas as Pharmacias e Drogarias

vendem a Emulsão de SCOTT aos preços antigos,

a saber; SOO reis meio frasco e 900 reis frasco

grande.

AMOSTRA gratuita, contra 200 rei» para franquia,

obtem-se dos Snrs. James Casseis & Cia., Succs., Rua

do Mousinho da Silveira, 85,1°, Porto.

Exigir aempre a Emulsio com a marca — o homem

do peixo — que significa o processo SCOTT.

CAMARA MUNICIPAL

Extracto dá sessão de ante hontem.

Estavam presentes todos os vereadores,

assumindo a presidencia o

sr. Antonio Augusto Gonçalves.

O sr. Albino Caetano declarou

ser a primeira vez que ia á Camara

depois da eleição de presidente e

vice-presidente e que se achava plenamente

satisfeito por essa eleição

ter recaído respectivamente nos srs.

Antonio Augusto Gonçalves e Rodrigues

da Silva.

— Em virtude dum officio da

administração do concelho, resolveu

internar no Hospício duas creanças

filhas de Maria da Silva, já falecida,

e que ficavam ao abandono.

— Lido um officio da sub-delega-

ção de saúde, pedindo o auxilio

dum fiscal de cantoneiros e dum zelador

para as inspecções sanitarias a

que se vae proceder ao norte e sul

do Mondego. Como a lei determina

foi deferido.

— O sr. presidente informou que

havia algumas petições para au

gmento de ordenado e para passes

nos electricos, que ficavam para resolver

opportunamente.

— Deferido o pedido do sr. Alfredo

d'Oliveira para a construcção

dum kiosque, na Avenida Navarro,

para venda de jornaes, tabacos, etc.,

devendo, poiém, indicar o logar

onde pretende fazer a construcção.

— Indeferido um requerimento

para a construcção doutro kiosque

na Praça 8 de Maio. O projecto

foi approvado, podendo ser edificado

noutro ponto.

— Foram deferidos vários requerimentos

para construcções, alinhamentos

e apascentamento de rebanhos.

— Por ter pedido demissão do

logar de mestre da matança do Matadouro

o sr. Antonio Marques Violante,

foi nomeado para o substituir

o sr. Bazilio dos Santos Raposo.

— Resolvido que os concorrentes

para o fornecimento de impressos

apresentem o preço de cada modelo.

— A Camara foi auctorisada a

pagar um chéque na importancia de

6:429^700 réis á casa Thomson-

Houston Ibérica.

— Lido um officio da commissão

dos habitantes da freguezia de S.

Paulo de Frades, agradecendo a

fórma como foi recebida na ultima

sessão camararia, e ainda pelos prometimentos

que lhe foram feitos

para tornar em melhores condições

o caminho para aquella localidade,

visto não poder ser feita agora a

construcção da estrada.

— O sr. Madeira Júnior propoz

que fossem convidados, por meio de

editaes, os indivíduos que estão em

debito á Camara, pelo deposito das

urnas funerarias no jazigo municipal.

Opiniões medicas sobre o

Xarope Farnel

Recebi na epocha a que v, s. se

refere os frascos de «Xarope Farnel»

que empreguei não só n'a minha clinica

como também na minha própria

família.

Devo dizer a v. s. que o resultado

em tosses de bronchite e de grippe

foi maravilhoso.

De V. S. Att.° e Obg.°

Doutor Julio d Oliveira

Pedem-nos que chamemos a attenção

da auctoridade competente

para uns doze curraes mandados

construir recentemente para suinos

na ladeira das Alpenduradas.

Não só esse local se torna encom

modo pelo mau cheiro, mas também

pelo grunhido dos animaes.

* Os Agentes em Portugal

REEMBOLSAM 0 DINHEIRO

a quem não tiver tirado resultado

DWOSITO Gr-RAL

^R. dos Sapateiros, 15,1/-LISBOA y

Contra a greve

Conta grande numero d'assignaturas

o seguinte protesto dirigido ao

sr. governador civil deste districto:

Ex. mo Sr. Governador Civil.— Os abaixo

assignados, como cidadãos portuguezes,

vêem perante v. ex. a condemnar com a

mais formal indignação, esta inoportuna

gréve ferro viaria, decerto maquinada e impellida

pelos inimigos da Republica, no criminoso

intuito de perturbar a tranquilidade

e normal gestão dos negocios públicos

e ferir por todas as formas os mais sagrados

e vitaes interesses do paiz.

Os abaixo assignados protestam, pois,

contra este attentado, que, na actual conjunctura,

consideram como um verdadeiro

acto de perfídia e de traição á Patria.

Digne-se v. ex.» traasmittir ao governo

provisorio da Republica a expressão dos

nossos sentimentos e a affirmação do nosso

apoio decidido e incondicional.

Viva a Republica !

Hontem á noite um numeroso

grupo de populares percorreu as

ruas da cidade em demonstração

também de protesto contra a greve.

Durante o trajecto foram levantados

muitos vivas á Patria, á Republica

e ao Governo provisorio.

A Chave da Saúde

IA '0

Muitas das pessoas, cuja saúde

causa inveja a quem isto lê, devem

o bom funccionamento do seu organismo

e essa bella saúde florescente

ao uso das Pilulas Pink. Logo

que se sentem fatigadas, deprimidas,

abatidas, tomam as Pilulas

Pink, durante alguns dias, e todos

esses symptomas desapparecem.

Estas pilulas são eminentemente

tónicas e depurativas. Fortificam e

purificam.

As Pilulas Pink dão forças, desenvolvem

o appetite, facilitam as

digestões, expulsam os humores e

tonificam os nervos. Uma caixa de

Pilulas Pink representa muitos

mezes de boa saúde.

Pílulas Pink

As Pilulas Pink foram oficialmente approvadas

pela Junta Consultiva de Saúde. Estão

á venda em todas as pharmacias pelo preço

de 800 réis a caixa, 4 $ 400 réis as 6 caixas.

Deposito geral: J. P. Bastos Sc C», Pharmacia

e Drogaria Peninsular, rua Augusta, 39 a 45,

Lisboa. — Sub-Agentes no Porto : Antonio

Rodrigues da Costa & C\ 102, Largo de

S. Domingos, 103.

Tracção electrica

O rendimento da viação electrica

nesta cidade, de 1 a 11 do corrente,

foi o seguinte :

Fm r 181 n6oo

» 2 104^170

» 3 893*3 5o

» 4 8o®43o

1 5 70^990

1 6 90® 170

» 7 69^970

» 8 161 $01 o

» 9 77»>f>8o

1 10 72®53o

» 63$75o-

Representa uma media de g6®5i5

réis por dia.

#

A'cerca da viação elecirica recebemos

o seguinte bilhete postal para

que delle se possa aproveitar o que

fôr possível. E' sempre bom lembrar

alvitres.

.. .Sr. Redactor

Mais uma vez recorro ao seu prestimoso

jornal para tratar dum as-

sumpto que interessa á cidade e por

isso v. .. decerto acolherá com bom

grado.

Trata se da tracção electrica que

padece de dois defeitos importantes:

um o dos horários, outro o dos preços

das zonas.

Succede que quem vier dos Olivaes,

ou sitios proximos, para a

Alta, tem de ficar na Praça da Republica

esperando o carro.

Sae de casa no electrico e fica

sem elle no meio do caminho.

Tudo isto se evitaria combinnndo

um cruzamento do carro descenden

te dos Olivaes com outro ascendente

para a Universidade, na Praça da

Republica.

Com os carros da Estação Velha

succede outro tanto: não tem tras

bordo na Praça 8 de Maio com os

que seguem para a Alta.

Afigura-se nos ser fácil dar remedio

a estes inconvenientes que só

fazem afastar os passageiros com

prejuiso para o município.

Actualmente os carros dos Oli

vaes cruzam com os que vem da

Alta !

O defeito dos preços está no excesso

a que foram elevados.

Da Praça 8 de Maio, por exemplo,

á Universidade paga se 40 réis;

do mesmo local á Praça da Republica,

que é menos de meio caminho,

paga se 3o réis.

Ora o que estava naturalmente

indicado era pagar-se .20 réis e outros

da Praça da Republica á Alta.

Continuando os preços como es

tão afugentam os passageiros de

Santa Cruz.

Pela publicação destas linnas sou

com toda a estima obrigado leitor

assíduo

Fortunato Novaes.

Foi nomeada uma commissão para

apreciar as reclamações sobre a

posse tomada pelo governo dos bens

das extinctas congregações religiosas.

Banda d'inlantaria 23

A banda d'infantaria 23, executa

ámanhã, no coreto da Avenida Navarro,

da i ás 3 horas da tarde

o seguinte programma :

1.* PARTE

Marcha.

«Jubelo, ouverture, de Bach.

«El Fúria», valsas, de Grenado.

«Ronsalhis», rapsódia russa, de

Bernicat.

2. a PARTE

« Rosamunde », ouverture, de

Schubert.

«Les Joyenses Comméres de Windsor»,

de Nicolai.

Hymno Nacional

VERDADEIROS GRÃOS

DE SAÚDE DO D FRANCK

ICONTRA PRISÃO PT VENTRE J

IhM US ANHO» DEXI3TSHC2A

DECLARAÇÃO

Antonio Rodrigues, i.° sargento

d'infantaiia n.° a3, declara, para fins

convenientes, que deixou de ser editor

do jornal O Sargento desde o

n.° 7, por este numero não ter sido

submettido á sua apreciação antes

da sua publicação, nem tão pouco

ter sido consultado sobre alguns artigos

que nelle se publicaram.

Coimbra, 12 de Janeiro de 1911.

Antonio Rodrigues

A' ULTIMA HORA

A commissão dos grevistas ferroviários

resolveu retomar hoje o serviço

depois de garantido o augmento de

100 réis diários a todo o pessoal, regularisacâo

de 9 a 12 horas de serviço

e mantidas as disposições nas ordens

da direcção n. os 77 e 78.

Esta resolução eslã pendente do

conselho administrativo da Compa-

Da Figueira da Foz foi nos hoje

enviado pelo nosso correspondente,

o seguinte telegramma :

Redacção do Noticias de Coimbra,

Coimbra.

Figueira da Fo14, ás 9 h. m.

— Os grevistas da Companhia da

Beira Alta só pedem augmento de

10 contos e a demissão de 3 empre-

: gados dos mais graduados.

ANEMIA

Rodrigues.

Ai Gotas Concentradas de

FERRO ,

BRAVAISI

tit • rindli mb tfflaicutn

I A M C M I A CHLOROSE

A l i C I t I IA DEBILIDADE |

CORES PALUBAS

Tota PtvBiiiai 1 111, mi Uttpttl,

PARIS. Prospecto grátis.

[FAU^HgAJ^FORgA^I

Movimento associativo

Associação de Soccorros Mútuos Monte

pio Conimbricense Martins de

Carvalho.

AVISO

Por ordem do ex. mo presidente da

assembleia geral, são convidados os

senhores associados a reunir no proximo

domingo, i5 do corrente, pelas

to horas da manhã, na séde deste

Monte-pio.

Ordem do dia: — Resolver sobre

í umas escusas enviadas por dois socios

que foram eleitos para membros

: da direcção.

Coimbra, 7 de Janeiro de 1911.

O secretario da assembleia geral,

Gonçalo Maria de Sá.

A V I S O

FiVam avisados os socios da Associação

de Classe das Artes Graphicas,

para se reunirem em assembleia

geral no dia i5 do corrente, pelas

10 horas da manhã, para procederem

á eleição dos corpos gerentes.

Se a reunião se não realisar por

falta de numero, fica transferida para

o dia 22, á mesma hora.

Coimbra, 12 de Janeiro de 1911.

O secretario, Pedro Antunes Paulo

CAIXEIRO

Precisa se para ferro e ferragens.

Rua do Visconde da Luz, 11.

O J l & J L

Precisa se casa pequena ou andar,

saúdavel, até taojpooo réis, não

muito longe da baixa.

Carta a esta redacção, ás iniciaes

A. R.


EMPREGADO

Offerece-se com alguma pratica

coçnmercial, para escriptorio ou cobrança.

Dá boas referencias e fiador.

Para tratar: Tabacaria União —

Sophia — Coimbra.

PADARIA POPULAR

(Antiga padaria do sr. Ignacio Miranda>

12 —Largo da Freiria—13

Manuel Rodrigues da Bella

t& Irmão, proprietários desta

acreditada e antiga padaria,

previnem o publico e os

seus estimados freguezes

que no intuito de Item


ANNO IV QUARTA FEIRA, 18 DE JANEIRO DE 1911 NUMERO 341

noticias de Coimbra

Publica-se ás quartas feiras e sabbados FOLHA INDEPENDENTE Telephone n.° 331

PREÇO DA ASSIGNATURA

Anno, 2#>8OO ; Semestre, I #>400 ; Trimestre, 700.

COM ESTAMPILHA : — Anno, 3Í>o6o; Semestre, ií&53o ;

Trimestre, 765. COLONIAS PORTUGUEZAS :— Anno, 3#>o6o

réis. BRAZII., 3#53o réis.

AS GREVES

3C

No domingo de manhã o silvo

da locomotiva annunciava á ci- j

dade o termo da gréve ferro-via- j

ria e o restabelecimento da cir- |

culação dos comboios.

A noticia, aguardada com justificada

ancicdade, foi recebida i

' ...

Com o maior jubilo, dirigindo-se

logo muitas pessoas á estação ;

do caminho de ferro, umas para :

se informarem do que havia sido

resolvido e outras para seguirem

viagem.

O primeiro comboio que chegou

a Coimbra foi o da Figueira,

vindo mais tarde com algum

atraso o sudexpress ascendente.

A's 4 horas chegava o da Louzã.

A's 7 da tarde era organisaJo j

na estação da Pampilhosa um :

comboio para Lisboa com material

do sud-express, que ali se

achava demorado, e isto em virtude

de constar que o sud-express

vindo do Porto devia trazer

o atrazo dalgumas horas.

E assim se foi restabelecendo j

este serviço, que durante quatro

dias — que foram como quatro j

annos — fez paralysar a econo- j

mia geral do paiz, causando prejuisos

incalculáveis que attingi- j

ram muita gente, sendo as pri- j

meiras viçtimas as Companhias j

e o Estado.

Algumas das gréves téem merecido

a sympathia do publico,

mas esta pelo caracter grave que

assumiu e inoportunidade que

teve, ia alarmando o paiz em

violentos protestos. E como esta,

outras ha que não téem conseguido

colher as boas graças do

publico, que a final é também

uma grande victima destes movimentos.

Não pretendemos affirmar que

os grévistas ferro-viarios não tenham

razão nas suas reclamações;

unicamente achamos ter

sido mal escolhida a occasião

para um movimento tão importante

que affectou profundamente

os mais legítimos interesses

Não se comprehende que tão

alto se apregoe que se não deseja

crear difíiculdades ao governo,

que carece de muita paz

e da cooperação de todos para

se consolidar, e que se succedam

com tão grande frequencia as

Ministro das finanças

Esteve no domingo nesta cidade

vindo de Condeixa, onde foi visitar

seu cunhado o sr. dr. Alberto Navarro,

o sr. José Relvas, illustre

ministro das finanças.

S. ex. a regressou a Lisboa no sud

express do mesmo dia.

O sr. dr. Alberto Navarro encontra-se

em estado muito grave.

Penedo da Saudade

No orçamento ordinário da Camara

Municipal, que deve achar-se

em elaboração, não deve deixar de

attender-se ao bairro do Penedo da

Saudade, onde se torna preciso ir

concluindo a rua principal, para a

Director e Administrador — JOÃO RIBEIRO ARROBAS O O O O O

O O O O O O Proprietários — João Ribeiro Arrobas e João Henriques

_

REDACÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TYPOGRAPHIA — Pateo da Inquisição, n.° 27.

gréves de tantas classes, nas

quaes tem sido preciso intervir

o governo para auxiliar a sua

solução.

Em qualquer outra occasião

poderia ser justificada a opportunidade

desses movimentos, mas

a pouco tempo da mudança das

instituições, para a qual é preciso

um esforço grande de boa

vontade, de paz e de actividade,

é um erro indisculpavel

E' por isto mesmo que a muita

gente se afigura existir um

proposito de crear dificuldades

ao governo para embaraça-lo na

sua obra.

A lei concedeu o direito á

gréve, mas é preciso que ella não

venha a ser um acto injustificado

e abusivo, fóra dos preceitos mais

regulamentares e justos.

O governo fazendo essa concessão

julgou que os interessados

lhe agradeceriam o beneficio,

para afinal ser victima do favor

que lhes dispensou.

Oxalá que todos comprehendam

a sua situação e que sejam

rasoaveis nas suas pretensões,

não exigindo demais de parte a

parte.

E' indispensável que não falte

o respeito pelo bem geral, respeito

que assente nas bases dos

deveres cívicos que a cada um

compete.

Fazemos os mais ardentes votos

por que esteja terminado este

movimento dos grévistas, que já

ia creando uma profunda má

vontade por todo o paiz. Procurem-se

outros meios para a solução

destes problemas sociaes

— a arbitragem por exemplo —

para que o publico, o governo,

o proprio paiz, não venham a

soffrer na sua economia e no seu

bem estar.

Não falte o concurso de todas

as boas vontades para se resolverem

d'ora ávante estes assumptos

pelos meios mais conciliadores

e suasorios.

Estamos atravessando um período

em que é precisa a cooperação

de todos para levar a patria

a bom caminho.

Nada de crear difíiculdades á

vida do governo.

pôr em estado de ser transitada por

carros.

Convém mandar arrancar umas

quatro ou cinco oliveiras do talude

da rotunda para ficar desafrontada

a soberba paisagem que ali se disfructa;

não permittir que se occupe

ali terreno demasiado com o deposito

de pedra, nem que se permittam

ali barracas de madeira de mau

aspecto.

Já que se quer ali fazer um bairro

de luxo, é preciso que tudo satisfaça

para esse fim.

Está para breve a publicação do

decreto referente á creação e distribuição

da guarda nacional republi

cana, por diversos pontos do paiz.

Composto e impresso na typ. do NOTICIAS DE COIMBRA

DR. JOSE FALCAO

A MANIFESTAÇÃO DE DOMINGO

O povo de Coimbra lá foi no passado

domingo em piedosa romagem

ao cemiterio de Santo Antonio dos

Oiivaes juncar de flores o mausoléu

do dr. José Falcão, o grande apostolo

da democracia, prestando assim

um justo preito de homenagem

á sua inolvidável memoria.

Organisado na Avenida Emygdio

Navarro um extenso cortejo composto

por todas as associações de

soccorros mutuos desta cidade, alumnos

da Escola Agrícola, escolas

primarias, auctoridades civis e militares,

corporações dos bombeiros

voluntários e municipaes, banda de

infantaria 23, philarmonica «Conimbricense»,

etc., desfilou em direcção

a Santo Antonio dos Oiivaes entre

calorosos vivas á Republica e aos

sons bellicos da «Portugueza».

Quando o cortejo chegou a Cellas,

foi inaugurada a lapide commemorativa

da rua do dr. José Manso

Preto, fallando neste acto o intelligente

académico, sr. Pedro Ferrão,

correspondente d 'O Mundo, que

num enihusiastico discurso enalteceu

as qualidades do saudoso morto,

que tanto trabalhou pela Republica.

Posto novamente o corte|o em

marcha chegou a Santo Antonio

dos Oiivaes, onde já era esperado

por algumas centenas de pessoas.

Junto ao tumulo do grande de

mocrata e sábio professor, fallaram

os académicos srs. Francisco Victor

Duarte, pelo Centro Republicano

de Santa Clara, que promoveu

esta manifestação, agradecendo

ás auctoridades, ás diversas corporações

e ao povo que nella tomaram

parte; Pedro Palma, pelo Centro

Republicano Académico, e os srs.

dr. Eduardo Vieira, em nome do

Governo provisorio; Adriano do Nascimento,

pela escola republicana de

Santo Antonio dos Oiivaes, de que

é professor, e Antonio Carneiro, que

pozeram em relevo as grandes faculdades

do illustre extincto, o seu

amor pela causa republicana, que

tão denodadamente defendeu, referindo

se também á sua obra que foi

a Cartilha do Povo, que tantos benefícios

prestou ao ideal que hoje

nos governa.

O sr. dr. Eduardo Vieira, no fim

do seu discurso propoz ao povo, o

que foi recebido com muitas acclamações,

que se enviasse um telegramma

ao sr. dr. Paulo Falcão, elogiando-o

pela fórma como tem desempenhado

o elevado cargo de go

vernador civil do Porto, e pedindo

lhe ao mesmo tempo que continuasse

a exercer esse cargo, para bem da

Republica Portugueza.

Todas as associações com os seus

estandartes cobertos de crepes desfilaram

em frente do tumulo do dr.

José Falcão, espargindo sobre elle

flores de verdadeira saudade,sendo

deposta também uma grande corôa

de flores naturaes, do Centro Republicano

de Santa Clara.

Por um grupo de socios do Cen

tro Ramada Curto, foram distribuídos

muitos exemplares da Cartilha

do Povo.

O cortejo dispersou, em seguida

a este preito de homenagem pres

tada ao glorioso propagandista da

Republica Portugueza.

Lei eleitoral

Pelo projecto da nova lei eleitoral,

todos os indivíduos maiores de

21 annos, que souberem ler e escrever,

téem direito ao voto, bem como

os que forem chefes de familia,

vivendo de recursos proprios.

Serão eligiveis todos os maiores

que tiverem, pelo menos, exame de

instrucção primaria.

Fóra dc Lisboa e Porto e no U1

tramar, cada circulo elegerá 4 deputados,

ficando 1 para a maioria.

Lisboa e Porto, cada uma, dá 7.

deputados, com representação proporcional.

Pediu a demissão a Camara Municipal

do Porto, tendo já sido feita

a escolha dos indivíduos que a devem

constituir, e que terá por presidente

o sr. Francisco Xavier Esteves,

engenheiro.

A escolha foi feita pelo governador

civil sr. dr. Paulo Falcão, por

determinação do sr. ministro do interior.

Foi já dada a posse.

Transferencia

Foi transferido para a Relação

de Loanda, o juiz da Relação de

Lisboa sr. dr. Carlos Vellez Caldeira

por ter assignado vencido o accordam

desta Relação,, de 4 do corrente,

fundamentando o seu voto na

incompetência dos tribunaes communs

para julgar os delictos attribuidos

ao sr. dr. Teixeira d'Abreu,

como ministro de Estado.

Créclie

Foram ultimamente offericidos á

Creche, pelos srs. dr. Augusto Barbosa

e Antonio de Moura e Sá, 24

metros de flanella e um cobertor de

papa.

O sr. Daniel Baptista também

affereceu a esta prestimosa institui

ção a quantia de 5®ooo réis.

Elei(ào

Procedeu-se no domingo, no Centro

dr. José Falcão, á eleição da

commissão republicana municipal,

em vista de ter recusado o seu mandato

a que havia já sido eleita.

A nova commissão ficou composta

pelos seguintes srs.:

Effectivos

Dr. Eduardo da Silva Vieira

Dr. Antonio Candido d'Almeida

Leitão

Dr. Augusto Lopes da Costa Pereira

Candido Augusto Nazareth

Gonçalo Nazareth

João Augusto Machado

Manuel José Telles.

Substitutos

José Augusto Pereira de Vasconcellos

Francisco Maria da Fonseca

Ricardo Pereira da Silva

Cypriano de Castro Leão

Manuel Nunes Ferreira

Antonio Ribeiro das Neves Machado

José Bastos dos Santos.

O inverno

O inverno este anno tem sido terrível

pelo frio presistente que nos

atormenta. Ha muitos annos, dizem

os velhos, que não se lembram de

tão baixa temperatura como tem havido

este anno.

Em quasi toda a Hespanha tem

havido grandes nevadas, chegando

a estar interrompida a ligação entre

o norte e o centro de Hespanha.

Paralysou ali o serviço dalguns

comboios por causa da neve.

O tempo conserva se sêco, com

dias magníficos, mas não falta quem

deseje a chuva para se modificar a

temperatura que nos regela os ossos.

Quando os novos se queixam,..

PREÇO DAS PUBLICAÇÕES

Annuncios por linha 3o réis. Repetições 20 réis.

Communicados 5o réis a linha.

Os srs. assignantes téem 5o por cento de abatimento.

Editor: Alfredo Pessoa

«Patria Nova»

Deixou de ser impresso na typographia

do Noticias de Coimbra o

semanario de estudantes monarchicos

Patria Nova.

A direcção da Associação Commercial

de Braga reuniu-se para se

occupar do decreto do descanso semanal,

concordando que elle satisfaz

as justas aspirações do commercio

das províncias, porque estabelece

o principio do descanso semanal,

em regra ao domingo, de 24 horas

seguidas, sem comtudo obrigar ao

encerramento.

Agradecem ao ministro o decreto,

o que tem sido feito também por

outras corporações interessadas.

UNIVERSIDADE

Conferencias

Com grande assistência, que enchia

quasi completamente a sala dos

capellos, iniciou no domingo á noite

a serie de conferencias sobre assumptos

scientificos e pedagogicos, o

illustre reitor sr. dr. Manuel de

Arriaga.

Antes da conferencia fez s. ex. a

a distribuição dos diplomas de prémios

e accessits aos alumnos laureados

no anno lectivo findo, principiando

s. ex. a por fazer o elogio

desses alumnos.

Terminada esta distribuição entrou

o sr. dr. Arriaga na conferencia,

que versou, principalmente, sobre

a sciencia atravez dos tempos,

dizendo que ella, a Razão, a Natureza

e a Humanidade são os grandes

factores do edifício social.

No principio do seu bello discurso

accentuou s. ex. a o facto de não ter

sido a nossa Universidade nunca

lembrada em testamentos para melhorar

as suas condições de existência,

o que é tão frequente ver no

estrangeiro, e o esquecimento a que

ella tem sido votada sempre pelos políticos,

muitos dos quaes vieram receber

nella os seus diplomas litterarios

com que se honram na vida

pratica.

Terminou s. ex. a por dizer aos

mestres que não recusem cousa alguma

do que sabem aos seus alumnos,

porque elles são a esperança

do futuro e é com elles que a Patria

tem de contar para os mais altos

cargos.

O sr. dr. Arriaga foi diversas vezes

muito saudado com prolongadas

salvas de palmas.

A sala dos capellos tinha augmentada

a sua illuminação e encontrava-se

com as suas paredes ornadas

com colchas de demasco. Algumas

tribunas estavam occupadas por senhoras.

Sarau

Promovido pelo Centro republicano

Ramada Curto, realisa-se no

dia 29 do corrente, no salão do Centro

Fernandes Costa, um sarau.

Constará de números variados:

musica, exercícios athleticos, versos

e poesias, projecções luminosas e

solo de violino, uma comedia — A

Redempção,—do sr. Ernesto Donato,

e discursos pelo6 srs. Botto Machado

e dr. Ramada Curto.

Como se vê, é um programma

variado e attrahente.

Contribuições

Acha-se aberto, desde o dia 2 até

ao dia 3i do corrente mez o cofre,

afim de receber todas as contribuições

geraes do Estado, que podem

ser pagas em 2 prestações, menos a

de juros que é paga por uma só

vez.


Eléctricos

E' preciso que a policia acabe

com o abuso da rapasiada que se

dependura nas trazeiras dos carros

eléctricos, quando andam em movimento.

O diabo não quiz nada com rapazes,

mas não se importe a policia

com isso e evite esse espectáculo

que nada tem de edificante.

E' tomar conta da gaiatada que

assim procede e entrega-la na esquadra

para ali dormir uma noite.

Faça isto meia dúzia de vezes e

verá que acaba o mau costume, que

de originar algum desastre.

E demais a mais os rapazes partem

os vidros dos pharoes, riscam

os carros, etc.

Esquadra com a atrevida gaiatada.

O rendimento dos electricos no

domingo foi de 141,75000 réis, sendo

a linha para Santo Antonio dos Olivaes

a que teve maior concorren

cia.

O serviço dos eléctricos está assim

organisado:

Carreiras para a alta — de 16 em

16 minutos;

Carreiras para a estação velha —

á hora dos comboios

Carreira para os Olivaes de hora

a hora.

Os primeiros carros saiem ás 8

horas da manhã e o ultimo para o

bairro alto ás dez e meia da noite.

Aos domingos ha carreiras extraordinarias.

Péssima pratica

Todas as segundas feiras as lavadeiras

acumulam montes de roupa

suja ao principio da estrada da Beira

e no largo de Miguel Bombarda.

São mais de 5o ou 60 trouxas que

ali permanecem durante algumas

horas á espera que as conduzam

aos seus destinos.

Muita dessa roupa apresenta um

aspecto nojento e vergonhoso.

E' um quadro deprimente que a

decencia exige que acabe, principalmente

naquelle local, o mais concorrido

e aprazível de Coimbra.

Estude-se a maneira de pôr termo

a essa pratica, que se não ve em

outras terras.

Como se pratica nesta cidade, é

uma vergonha e um quadro repugnante,

que desacredita Coimbra.

No sabbàdo á noite morreu instantaneamente

no bairro de Santa

'Clara, um< pobre homem que vivia

de esmolas è era natural dos Ca

saes do Gdmpo.

Chamava-se José Villcla e foi colhido

pelo áutomovel do sr. dr. Na

varro, de Condeixa.

O cadaver foi conduzido para a

morgue.

Penitenciaria

Consta nos que a alguns funccionarios

da Penitenciaria de Coimbra

foi facultado serem transferidos para

a de Lisboa, caso queiram, e que

serão transferidos dois ou trez.

Pedimos ao sr. director da Penitenciaria

de Coimbra se digne ponderar

ao governo as difíiculdades

com que luctam alguns empregados

do mesmo estabelecimento por falta

Folhetim do NOTICIAS DE COIMBRA

Duas revoltas de mulheres

Com a auctoridade do frade e

com as explicações delle serenaram

um pouco os ânimos das revoltosas,

que protestavam comtudo matarem

o Lucena, se voltasse á cidade.

O senado e o bispo do Porto D.

João de Valladares, receiosos pelo

futuro daquelle negocio, foram ter

com o fugitivo e pedir lhe que tornasse

ao Porto, affirmando-lhe que

não correria perigo, porque as ordenanças

e justiças estavam em armas

e promptas a rechaçar as amotinadas,

caso houvesse, o que não era

provável, novo ataque. Debalde in

sistiram. O homem assustadíssimo

o que ambicionava era ver se fóra

daquella camisa de onze varas, que

a má sorte lhe andara tecendo com

as malditas das maçarocas.

Partiu pois logo para Madrid.

Ali, ou fosse que a ancia da vingança

lhe movia o animo, ou fosse

dos seus-ordenados do mez findo,

cuja folha não foi ainda processada.

Quasi todos os empregados dali

não téem outros recursos e vivem

com os duros encargos de familia.

E', portanto, uma boa obra apressar

o pagamento dos vencimentos

do mez findo.

Ao sr. governador civil fazemos

egual pedido certos de que seremos

attendidos nesta justíssima pretenção.

Interesses de Coimbra

O sr. Antonio Juzarte Paschoal

publicou e fez distribuir, sob o titulo

Interesses de Coimbra, o officio

que em 12 do corrente dirigiu ao

sr. presidente da Camara Municipal.

De tres assumptos principaes se

occupa esse officio: Caminhos de

ferro—Eléctricos. — Dr. Fernandes

Costa — Carnes verdes.

Sobre o primeiro ponto opina que

a cidade insista pela coostrucção da

rede-ferro-viaria ao sul do Monde

go, no sentido de centralisar em

Coimbra o seu movimento.

Com referencia aos electricos,

presta homenagem ao sr. dr. Fernandes

Costa, que auxiliou muito a

Camara e a animou para levar por

deante a municipalisaçáo deste serviço.

Refere se por ultimo ao decreto

sobre carnes verdes, terminando por

apresentar o seguinte alvitre :

a) A Camara de Coimbra, desde

deve encetar negociações com a

municipalidade de Lisboa, no sentido

do abastecimento, distribuído a

todos os marchantes, na quarta parte

do consumo, de carnes congeladas

da especie lanígera.

b) Organisar, de accorJo com a

Camara de Lisboa, uma especie de

federação, para o efteito, com as

Camaras da Figueira, Aveiro, Porto

e Vizeu, a fim de ser creado em

cada uma destas cidides, um boisim

dos gados bovinos, lanígeros e

caprinos, como existe em Lisboa,

fixando semanalmente os preços, o

mais uniforme possível, das varias

espécies que concorrem ao mercado,

fazendo-se a liquidação, ao agricultor,

em harmonia com a tabella

official. Este accordo deve produzir

eíYeitos seguros, pois abrange as

regiões de noroeste-norte e nordeste

leste, d'onde se abastece, em geral,

a marchanteria das cidades acima

referidas.

c) Estabelecida a tabella de compra

de gados, as mesmas entidades

organisariam a tabella de venda de

carnes, para evitar a exploração,

tendo em conta, evidentemente, os

legítimos interesses de todos os intervenientes

cm tão importante ramo

de commercio.

Agradecemos o exemplar que nos

foi enviado.

Thealro dos Bombeiros Voluntários

Nesta casa de espectáculos que

ultimamente tem passado por grandes

transformações, realisa-se no

proximo domingo um espectáculo de

inauguração do Grupo dos Bombeiros

Voluntários.

Subirão á scena as peças O Canalha,

em i acto, e O Filho da Republica,

drama em 3 actos.

que a phantasia lhe estava carregando

o quadro com as côres que o

medo empresta, narrou o succedido

de modo que exacerbou o mais possível

os ânimos da côrte hespanhola

contra os habitantes do Porto.

O tenue fio das maçarocas mudar-se-ia

certamente em cordas de

forca se não fôra o presidente do

conselho de estado, D. Carlos de

Aragão, e Mendo da Motta Valladares,

irmão do bispo, que, interessados

por este, pediram e afinal poderam

persuadir ao rei que perdoasse.

Mal vae á casa onde a roca man

da a espada, diz um provérbio nosso,

quasi sempre verdadeiro. Não

sei se desta vez mentiu o provérbio.

Doze annos depois sei que o faziam

mentir aquellas duas grandes mulheres,

excepções admiraveis do seu

sexo. que se chamaram D. Filippa

de Vilhena e D. Luiz? de Gusmão.

A outra revolta que me propuz

descrevei, mais notável que a primeira

e sem exemplo até então, foi

a das freiras de Odivellas, no principio

do reinado de D. João V,

Noticias de Coimbra de II de Fevereiro de 1911

Ponto para os actos

.. .Sr. redactor

Rogamos a v. .. o obsequio da

publicação do que segue :

No numero do seu jornal de sabbado,

14 do corrente, lê-se no final

da noticia epigraphada Reunião de

académicos, o seguinte: «Foi egualmente

resolvido solicitar do governo

que aos alumnos da Universidade

seja facultado o ponto para o acto

como já foi permittido aos alumnos

da Escola Polytechnica de Lisboa.»

Ora isto não é expressão fiel do

que se passou.

Tal não foi resolvido, e somente

quando se tratou da sujeição ao artigo

2. 0 do decreto de 23 de Outubro

de 1910, foi ponderada a desegualdade

de situação entre os alu

mnos militares da Universidade, que

concorrem á Escola do Exercito e

os seus collegas da Escola Polyte

clinica de Lisboa, havendo ponto

para estes e não para aquelles.

Mas como, segundo consta, o

ponto nos exames foi promettido aos

alumnos da Escola Polytechnica,

mas ainda não decretado, julgou se

prematura qualquer reivindicação

sobre tal assumpto.

Agradecendo somos de v. . . etc.

Coimbra, i5 de Janeiro de 1911.

Pela commissão,

Antonio de Lemos Vianna

João Francisco Cavaco.

Ima lei velha

E' curiosa uma lei promulgada em

França, em 1670, e que hoje, no

século do luxo, em que se procura

por' todas as formas aperfeiçoar os

requintes da toilette, não deixa de

ter opportunidade reproduzir, pelo

menos este pequeno trecho, que exclusivamente

se refere ás mulheres:

«Qualquer que attrahir aos laços

do casamento um súbdito masculino

de sua magestade, servindo se de

vermelhão ou al vaiado, de perfumes,

de essencias, de dentes e cabellos

postiços, de algodão em rama, de

espartilhos de ferro, de marinaques,

de sapatos de saltos muito altos, e

de anquinhas, sofírerá a pena cor

respondente á feiticeira, sendo tal

casamento considerado nullo, e de

nenhum effeito.»

Que seria das damas de hoje, se

semelhante lei fosse adoptada?...

Informa A Luctx que parece existir

em Lisboa um syndicato, ou quer

que seja, que se dedica a açambarcar

os ovos para lhes fazer o preço.

Se fossem só os ovos. ..

Cá pela província também ha muita

razão de queixa neste sentido.

O governo brazileiro suspendeu

por seis mezes os lentes da Faculdade

de Medicina drs. Miguel Pereira

e Augusto Brandão, o que foi

mal recebido pelos membros da

congregação.

A situação na Faculdade tornouse

de grande balbúrdia. Nenhuma

banca de exames funccionou. De

ram se vários pequenos incidentes,

tendo também havido fortes assuadas.

O governo resolveu mandar para

A historia toma este facto como

um dos meios de avaliar o desordenado

estado de coisas daquelle tem

po, e o agente francez Viganeno

delle dava expressamente conta ao

governo, queixando se dos descon

certos que observava em Lisboa.

Foi o caso no anno de 1713. No

antecedente uma freira de Odivellas,

accusada de judaísmo, tinha si

do presa por ordem do santo officio.

Ao cabo de muitos mezes de martyrio,

condemnada a varias peniten

cias e a comparecer no auto da fé

que teve logar em to de Julho de

1713, saiu a pobre senhora dos cárceres

da inquisição e foi mandada

para o seu convento. Recusaram se,

porém, as outras freiras a recebe-lapretextando

que a sua profissão es,

tava nulla e que por isso a não po

diam admittir na communjdade, da

qual já não fazia parte. O cardeal

inquisidor propoz o caso a el rei, e

decidiu-se ordenar-lhes que a recebessem.

Assim se fez, mas a ordem não

foi cumprida e as freiras, que eram

de antes quebrar que torcer, resol

a Faculdade de Medicina, uma companhia

de guerra da força policial,

cavallaria e infantaria, com ordens

severas, não só para manutenção

da ordem como também para garantir

os estudantes que quizerem

fazer exames.

Moção

Na sessão ordinaria da segunda

feira, da Junta de Parochia da freguezia

da Sé Cathedral, o sr. Adriano

do Nascimento apresentou a seguinte

moção, que foi plenamente

approvada:

«Considerando que o partido re

publicano foi sempre um partido de

ordem e respeitador de todas as

crenças religiosas e politicas;

Considerando que a Revolução de

5 de Outubro proclamando a Republica

Portugueza, proclamou por

consequência para todos os portuguezes

honestos e que queiram o

bem da sua Patria;

Considerando que o titulo de

adliesivos tão inconvenientemente

lançado á publicidade contra aquelles

que tendo sido monarchicos, resolveram

adherir ás novas instituições,

foi o principio de má politica,

pois que todos os adherentea, sendo

homens honrados, téem cabimento

dentro do partido republicano;

Considerando que o partido republicano

tem a hombridade precisa

ppra expulsar todos os deshonestos

e mal intencionados, sem fraquezas

nem hesitações;

A Junta de Parochia da Sé Cathedral,

resolve:

Repudiar o titulo de adliesivos tão

levianamente espalhado por todo o

paiz e proclamar a necessidade urgente

da união de todos os cidadãos

portuguezes para tratar dos altos

interesses da Patria, fazendo tudo

quanto couber nos seus modestos

esforços para a realisação de tão indispensável

obra».

O vogal sr. Manuel Bernardo Ferreira

propoz o seguinte aditamento:

«Que esta moção seja profusamente

espalhada pelo meio da publicação

avulsa, assim como dar-lhe a

maxima publicidade pela imprensa,

e que a despeza seja paga por todos

os membros da Junta»

Estamos d'accordo.

Conferencias

O sr. dr. Caeiro da Matta não

poude hontem á noite fazer a sua

conferencia na sala dos Capêllos.

Hoje realisará uma o sr. dr. Alvaro

Machado Villela sobre «Paz e

Justiça».

Doenças

Está gravemente doente com uma

meningite o filhinho querido do nosso

antigo e prestimoso amigo sr.

Manuel da Cruz Canellas, enfermeiro

do posto medico dos concei

fuados clínicos srs. drs. Cruz Amante,

Luiz Rosette e Armando Gonçalves.

Desejamos as melhoras da innocente

creancinha.

— Também tem estado doente a

sr. a D,. Sophia Julia Dias, obtendo

nestes últimos dias sensíveis melhoras,

com o que muito nos regosijamos,

desejando-lhe o seu breve restabelecimento.

veram ir em corporação representar

a D. João V contra o cardeal.

Saíram pois do convento, caminho

de Lisboa, cento e trinta e quatro

madres de cruz alçada. Quando

chegaram ao palacio da condessa do

Rio, pediu lhes ella que descanças

sem ali, esperando provavelmente

poder dissoadi-las do estranho intento.

Correu logo a nova em Lisboa e

conhecida que foi do rei mandou

alguma tropa de cavallaria para im

pedir-lhes a marcha e faze las retirar.

— Como não obedecessem e os

Conservassem dois dias no palacio

da condessa, mandou-se de novo

tropa com instrucções para as obrigar

com força a recolher-se ao convento.

Então mudaram as coisas de face

O palacio cercado transformou se

em fortaleza ; e as religiosas tractaram

de se defender a todo transe.

Sobre os sitiantes, que buscavam

forçar as portas trancadas, caía uma

contundente e grossa chuva de pa

nellas, de espelhos, de tachos, de

quadros, de todos os moveis emfim.

LIVROS E REVISTAS

O Palimiro, revista quinzenal,dirigida

por J.K. Vieira

de Mello, Rio de Janeiro,

Dezembro de 1910.

Já nos referimos a esta prestimosa e superior

publicação que tão nobremenie honra

o meio litterario brasileiro dirigida, pelo

talentoso escriptor e jornalista J. R. Vieira

de Mello, uma das mais assignaladas intelligencias

do paiz irmão. O presente numero

é dos melhores que nos tem visitado,

não só sob o ponto de vista espiritual, mas

também material. Vem profusamente illustrado

com magnificas e nítidas gravuras.

Oxalá que o nosso querido amigo Vieira

de Mello consiga alcançar a primasia luterana

para a sua bella e'popular revista.

Histoire de la Litterature

Latine, por Alfred Jeanroy

et Aimê Pnech, Librarie

Classique Paul Delaplane,

Rue Mousieur - Le - Prince

Paris. '

Dois professores dos mais distinctos da

faculdade de lettras da Universidade de Paris,

Alfred Jeanroy e Aimê Pnech, acabam

de dar ao mercado litterario europeu a nova

edição, revista, augmentada, inteiramente

recomposta do seu importante trabalho

Histoire de la Litterature Latine. Motivo

de orgulho para todos os seus compatriotas

que veem tão bello livro justamente

acclamado e contentamento para os estudiosos

que encontram mais um tratado de

conhecimentos onde, com tranquilidade e

firmesa, podem tirar duvidas sobre os assumptos

debatidos.

Livro de folego, entremostrando nitidamente

uma erudição ilimitada e intelligencia

poderosa, merece a apreciação dos mestres

no genero e o manuseio' dos que se

inclinam a aprender. Porque todos os estudantes

das escolas, os que não querem

ter uma educação artificial, antes pretendem

retemperar o espirito nas luctas por

desbravar assumptos meditos, todos elles,

repita-se devem compulsar este extraordinário

trabalho que dignifica a seus auctores

entre os que o possam comprehender

e saudar.

E' na verdade completo este importante

e inesquecido tratado. Dividido em períodos

largos esclarecidamente nos mostra o

que foi a litteratura latina através dos tempos.

No primeiro periodo, o archaico, estudam

os primeiros documentos, em prosa

e verso, que mais nos podem assombrar

pela bellesa e superioridade de que eram

revestidas taes primícias em edade tão longínqua;

no segundo, largamente analysa

em especial a epopeia, a tragedia, a comedia,

sendo no entanto notável o capitulo

que nos refere a lucta heróica para a formação

da poesia nacional; no terceiro período,

deliciamo-nos com a descripçáo e a

critica do poesia, eloquencia, erudição, historia;

no quarto, assombram-nos com os

retratos precisos e as analyses perfeitas de

Virgilio, Horácio, Tito-Livio, os poetas ele

giacos, etc.

Como se vê por esta simples e humilde

resenha a Histoire de la Litterature Latine

é um imprescindível trabalho e sobretudo

um manifesto documento da alta capacidade

dos seus auctores, que são dos ornamentos

mais avantajados da moderna critica

e nos quaes a França pode pôr todo

o seu orgulho e veneração.

A edição do importantíssimo volume

pertence á livraria Clássica Editora de Paul

Delaplane, que tem a plena sympathia de

todo um publico agradecido pelas esplendidas

obras, que annualmente lhes dá para

seu deleite e satisfação.

Os proprietários das barbearias

devem reunir se ámanhã, pelas 8 horas

da noite, na Associação dos Artistas,

para tratar de assumptos relativos

ao descanso semanal.

Camara Municipal

Está publicada pela Camara Municipal

um edital avisando os interessados,

dentro de 3o dias, a pagar

a importancia em debito pelo

deposito de cadaveres no jazigo

municipal, sob pena de elles serem

sepultados.

Vencida pelo inimigo a primeira

difficuldade do assalto e dentro já

do palacio a profiada luta continuava

incarniçada. As madres, levantando

pelas avenidas do seu improvisado

Castello tranqueiras de mezas

e contadores e de quanto achavam

á mão, iam resistindo e continuando

a destroçar os moveis da condessa,

que lhes serviam de reducto e também

de projectis.

Reduzidas já ao extremo, entrincheiravam

se ainda nos quartos, vindo

por fim tudo ás mãos com os

sargentos (só com os sargentos) que

esbofeteados, arranhados e mordidos

as levavam, como podiam, até

os coches em que regressaram ao

convento prisioneiras.

Assim acabou esta peleja, que

deveu parecer se com o rapto das

sabinas, á parte já se vê algumas,

circumstancias. As sabinas eram esposas

e filhas do século e as portuguezas

eram do Senhor!

A. PEREIRA FERRAZ JÚNIOR,


mmmmÊ

Meu filho

José Urbano, que em

dois annos de idade era

fraco e rachitico, está

hôje sáclio e robusto, e

o remedio encontrou-o

na Emulsão de Scott. E'

pois com a alma cheia de

alegria ao ver a creança

gorda, com bôas côres e

desenvolvida, que lhes

escrevo esta carta de

agradecimento para lhes

fazer saber mais uma,

para juntar a tantas outras,

das curas maravilhosas

de tão prodigioso

medicamento.

Testemunho de D. MARIA DAMASO PEREIRA,

Travessa de Anselmo Braamcamp, 6, Porto, 19 de

Afiosto de 1909.

Esta alegre narração acha-se repetida

constantemente em todo o mundo, onde

quer que se faça uso da Emulsão de

Scott. A energia invencível, inherente

aos finíssimos ingredientes e robustecida

pelo processo de fabrico único de Scott,

garante um bom resultado, embora a

doença esteja muito avançada.

Desejando experimentar a

EMULSÃO DE

SCOTT

em vosso filho, rejeitae as emulsões que

não sejam de Scott, aliás perdeeis a cura

que sò a de Scott tem o poder de

effectuar.

NOTA : Apezar do Imposto de Sello de S0 reis por

cada (rasco, todas as Pharmacias e Drogarias

vendem a Emulsão de SCOTT aos preços antigos,

a saber : 500 reis meio frasco e 900 reis frasco

grande.

AMOSTRA gratuita, contra 200 reis para franquia,

obtem-se dos Snrs. James Casseis tc Cia., Succs., Rua

do Mousinho da Silveira, 85, I o , Porto.

Exigir sempre a Emulsão com a marca — o homem

do peixe — que significa o processo SCOTT.

OBITUÁRIO

Victimado por uma peneumonia,

apenas em tres dias, finou-se hontem

o distribuidor postal sr. Manuel

Viegas, que ha muitos annos havia

sido transferido de Montemor-o-Velho

para Coimbra.

Fazia a distribuição no districto

de Mont'Arroio, a que pertence

esta redacção.

Dora avante não será sem pezir

que notaremos a falta do pobre e

infeliz Viegas, que era das primeiras

visita*! que recebíamos todos os

dias na nossa ofticina, no exercício

do seu cargo.

Pobre Viegas!

«Annaes do Notariado Portuguez»

Esta importante revista jurídica

que tão largas tradições tem usufruído

na sua travessia por entre o

publicô acaba de fazer mais um anniversario.

O numero presente demonstra

bem, pela sua collaboração superior

e pelo seu aspecto material, que esta

revista é uma das que mais variada

matéria jurídica apresenta, dando

logar aos maiores encomios e sympathias.

Para os que se entregam á boa

interpretação das leis e aos traba

lhos notariaes ella é imprescindível.

Ao seu director-proprietario, sr.

Domingos Curado, digno notário por-

tuense, e ao seu director honorário,

dr. Vladimiro Pappafava, os nossos

parabéns por este anniversario fazendo

votos para que elles se repitam

illimitadamente.

31 de Janeiro

Continuam os preparativos para

a excursão ao Porto no dia 3i do

corrente, em comboio especial.

Parece que a academia se associará

a esta granJe manifestação em

homenagem aos mortos na revolução

de 3i de Janeiro.

O comboio constará de carruagens

de 2." e 3. a classes.

Estão marcadas para este trimestre

duas audiências geraes: No dia

24 para julgamento de Gabriel da

Costa Braga, por ter disparado um

tiro em Maria da Conceição e sua

filha. No dia responde José Po

reira, da Maia, por maus tratos em

sua filha, de 12 annos.

Theatro Avenida

Fez hontem a sua estreia em

Coimbra, com a opera cómica O

Conde de Luxemburgo, a companhia

do Theatro Sá da Bandeira,

do Porto.

Casa quasi cheia.

A peça agradou, embora a musica,

que é bella para os entendidos,

não seja para agradar a todos.

Hoje a Rainha da Laconia e amanhã

a Princesa dos Dollars.

Estrada para S. Paulo de Frades

A' Commissão administractiva

municipal foi dirigido o seguinte

agradecimento:

Ex. ma Commissão Administrativa

do concelho de Coimbra.

A commissão que no dia 5 do

corrente mez de Janeiro teve a hen

ra de depôr nas mãos do Ex. ra " Pre

sidente da Commissão Administrativa

do Município de Coimbra a representação

dos habitantes da fregrezia

de S. Paulo de Frades, pedindo

a construcção duma estrada

de Coselhas até á séde daquella freguezia,

vem hoje penhorada, e no

cumprimento dum dever, apresentar

a tão aistincta corporacão o testemunho

indelevel e cordeal ao seu

reconhecimento pela maneira primorosa

como a recebeu e as afirmações

de tão alentadora esperança

de que — attendendo as actuaes circumstancias

financeiras do município,

a reclamada estrada não seria

desde já feita, mas num futuro mais

ou menos proximo, e que o actual

caminho será provisória e convenientemente

reparado.

Saúde e Fraternidade.

S. Paulo de Frades, 12 de Janeiro

de 1911.

Noticias de Coimbra de II de Fevereiro de 1911

A commissão,

José Fernandes da Cru\

Manuel Soares

Antonio Ribeiro S. Miguel

João Murta

David Fernandes da Cru{

Antonio Ferreira,

VERDADEIROS GRÃOS

DE SAÚDE 00 D FRANCK

| CONTRA PRISÃO PT VENTRE 1

IMP liS ANHOS D'EXIST£NG2A HHMI

Cemitério da Concitada

Foram sepultados neste cemiterio

os seguintes cadaveres :

Maria da Conceição, filha de João José

da Silva e Sousa e Candida da Silva e Sousa,

de Coimbra, de i5 dias, sepultada no

dia i.

Maria Fortunata, filha de Antonio de Jesus

Correia e Maria de Jesus Correia, de

Coimbra, de 43 annos, sepultada no dia 1.

Sophia, filha de João Antunes dos Reis

e Anna Rita, de Coimbra, de 2 annos, sepultada

no dia 2.

Maria da Luz, filha de Antonio Martins

e Terêza Joaquina, de Semide, de 83 annos,

sepultnda no dia 3.

Abilio Ribeiro, filho de José Daniel è Ma*

ria do Nascimento, de Coimbra, de 49 andos.

sepultado no dia 4.

Anselmo Mesquita, filho de Antonio

Fernandes Mesquita e Rita Pereira de Miranda,

da Figueira da Foz, de 65 annos,

sepultado no dia 5.

Maria Braz, filha de Manuel Braz e An»

na do Rozario, de Penacova, de 10 annos,

sepultada no dia 7.

Bernardo Antonio d'01iveira, filho dc

Antonio d'01iveira e Maria do Carmo, d?

Coimbra, de 80 annos, sepultado no dia q.

José Dias Caridade, filho de Antonio

Dias Caridade e Maria do Rozario, de Condeixa,

de 88 annos, sepultado no dia 10.

Maria d'Assumpção, filha de Joaquim

Antunes Barreira è Maria Ritta de Jesus,

de Semide, de i3 annos, sepultada no dia

i3.

Daniel Duarte Areosa, filho de Manuel

Duarte Areosa e Maria da Conceição Oliveira

Areosa, de Coimbra, de 69 annos, sepultado

no dia 14.

Antonio Pedro, filho de Maria Candida

dos Santos, de Coimbra, dc 2 mezes, sepultado

no dia 14.

Cirande parada cvclista em Coimbra

Pelo Sport Grupo Conimbricense

vae ser promovida brevemente uma

parada cyclista nesta cidade.

A direcção desta collectividade

nomeou uma commissão para fazer

a devida propaganda.

As listas da inscripção dos con

correntes á parada, vão ser distri

buidas em diílerentes estabelecimen

tos de Coimbra e demais terras do

paiz.

CARTA DA FIGUEIRA

Figueira da Fo\, 77.

Vimos informar os leitores do

Noticias de Coimbra, dum caso de

que temos de reclamar até onde

seja preciso.

Ha mesmo á entrada da'cidade

uns armazéns de madeira para a

exploração do negocio de pescado,

que muito virão prejudicar o estado

sanitario da cidade, não só por algum

peixe em mau estado que muitas

vezes ali será depositado, mas

pelo mau cheiro dos animaes que

ali prendem, quando o sol ali coin

cide. Quem o paga serão os visinhos

e os transeuntes.

Pedimos providencias a quem

competir.

Temos a cidade quasi toda minada

de canos e alguns proprietários

não se aproveitam da canalisação.

E' um perfeito abuso.

—No largo Tenente Valadim ain

da estacionam carroças e cliarrets.

Não temos zeladores, c se os ha

passam e não fazem o devido serviço.

No principio da rua das Lamas,

pela manhã, está quasi impedido o

transito dos peões, devido á grande

quantidade d'asininos que a-li se

agglomeram, não havendo o respeito

pelo codigo das posturas municipaes.

A' illustre commissão municipal

fazemos este pedido, porque temos

inteira certeza de que o não sabe.

— A junta de parochia, em sua

sessão ordinaria, que effectuou no

dia 15, deliberou telegraphar no governo

contra as gréves por inoportunas,

embaraçando a marcha do

governo.

Louvamos esta deliberação porque

a achamos muita acertada.

— A's 10 horas da manhã devem

seguir para o Carvalhal, freguezia

deste concelho, os materiaes para

desinfecção, devido á grande epidemia

de variola que ali graça.

A commissão municipal mandou

também alugar naquelle logar uma

casa para servir de hospital emquanto

ali durar tão terrível doença,

que se pôde alastrar até á cidade.

E' digna de elogio a commissão.

— A gréve da Companhia da Beira

ficou lograda devido aos grevistas

não a terem annunciado ao governo.

Ouvimos dizer que se repete,

fazendo o pessoal da Beira já o seu

aviso.

O pessoal dos escriptorios em

boa amisade com o chefe da exploração,

foi bem gratificado e augmeritado

no fim do anno, vindo agora o

delegado da Companhia dizer no

relatorio que áquelles que andam

ao sol e á chuva, a Companhia não

lhes podia augmentar o ordenado

devido ás circumstancias dos seus

fundos.

Lembra-nos o Solar dos Barrigas,

que tem dois regedores, um

para fatiar e outro para as pancadas.

..

O molho é para os tocadores.

—No proximo domingo deve rea

lisar se no sumptuoso Casino Peninsular

um espectáculo em favor

da familia do desventurado Ribeiro

Couto.

O programma é attrahente e delle

faz parte uma banda de musica composta

por perto de too executantes.

Aconselhamos a que não deixem

de ir ali ouvir a magestosa banda,

TRADUCÇAO

DO

ENGLISH READING BOOK

POR

(giamantino Diniz (gerreiía

3®C

:PIR,:EÇ!0 SOO R É I S

m i I S I S IBlgg 1 1 1 3 8 ! n

porque decerto tarde se farão ouvir

Os Devaneios das Musas, com a

correcção como já ouvimos nos ensaios.

— O tempo continua bom e segue

a sua marcha até ao dia 22. O frio

pela manhã e á noite é bastante,

comquanto o termometro está a 10.

No coração do dia apparece nos um

sol quente que é muito bom para

os velhos e trigaes.

O barometro fica a 775.

— Hoje affluiu ao mercado bas

tante sardinha, regulando o seu

preço por 180 réis o cento.

Correspondente.

A' ULTIMA HORA

DESCANSO SEMASIL

A Associação Commercial desta

cidade acaba de enviar ao sr. Minis

tro do Interior o seguinte telegram

ma:

Ex. m0 Ministro do Interior, Lisboa

— A Associação Commercial de

Coimbra felicita e agradece a v. ex. a

a lei do descanso de 24 horas seguidas,

sem obrigação do encerramento

que ao commercio da província

muito prejudicava.

Esta Associação espera ainda de

V. Ex. 4 a maxima consideração na

regulamentação das horas do traba

lho em attender a differença radical

entre a vida e costumes das província

e dos grandes centros.

O Presidente,

Moura Marques.

REPTO

Tendo o sr. Rogério de Carvalho

affirmado publicamente que entre

mim e o sr. dr. Luiz Pereira da

Costa houvera entendimentos políticos,

venho por este meio convidado

a que prove a veracidade das suas

affirmações, sob pena de ficar tido

como um desqualificado e calumniador.

Coimbra, 17 de Janeiro de 1911. j

Adriano do Nascimento


QUINTA DA MALAPCSTA

VEM)E-SE

4 vinte minutos da estação

do caminho de ferro da

Pampilhosa, com 32 hectares

de area, tem pinhaes, olivaes,

horta e pomar, asa de

habitação e cocheira.

Fôro, 4$800 réis.

Quem pretender, dirija-se

a E. Pcny Vidal. Itua do Crucifixo,

n.° 19, 2.°, Direito-

Lisboa.

Maria Delphina Ribeiro, Joaquim

Ribeiro, Bernardo Ribeiro, Maria

José Ribeiro, Anna Ribeiro e Abilio

Ribeiro, agradecem por esta forma,

por lhe ser impossível faze-lo pessoalmente,

a todas as pessoas que

se interessaram pela doença de seu

sempre chorado marido e pae, Abilio

Ribeiro, bem como áquelles que

o acompanharam á sua ultima morada.

A todos o seu eterno reconhecimento.

Coimbra, 17 de Janeiro de igii.

XAROPE FAMEL

M TODAS AS PHARMACIAS 00 no DEPOSITO GERAL :

15, RUA doa SAPATEIROS — LISBOA.

FRANCO 01 PORTE COMPRANDO DOIS FRASCOS.

Movimento associativo

Associacào ile Soccorros Muliios Monte

pio Conimbricense Martins de

Carvalho.

2.° AVISO v

Por ordem do ex. ra0 presidente da

assembleia geral, são convidados os

senhores associados a reunir no proximo

domingo, 22 do corrente, pelas

10 horas da manhã, na séde deste

Monte-pio.

Ordem do dia: — Resolver sobre

umas escusas enviadas por dois socios

que foram eleitos para membros

da direcção.

Coimbra, 16 de Janeiro de 1911.

O secretario da assembleia geral,

Gonçalo Maria de Sá.

EXPEDIENTE

Os preços das publicações feitas nesta

folha são:

Commnuicados 50 réis a linha.

Reclames na V pagina 50 réis.

Annuncios na 3. a e 4. a pagina 30 réis

a primeira vez, e 20 réis as repetições.

Os srs. assignantes téem 50 °/0 de

abatimento em todas as publicações.

Annuncios permanentes contracto especial.

Aos srs. annnnciantes pedimos a alta

fineza de indicarem nos originaes o numero

de publicações que desejam.

A ADMINISTRAÇÃO.

As Gottai Concentradas da

FERRO BR AVAIS

são O remédio mais efficaz contra

E,DEBILIDADE

Cores Pallidas, etc.

Em todas Pb" e Drog". Desconfiar dai Imitações j


, ARREMATAÇÃO

annuncio)

No dia 22 do corrente mez de

Janeiro pelas 11 horas da manhã,

á porta do tribunal judicial

desta comarca e pelo processo

de execução que Manuel Antonio,

solteiro, proprietário, de

Bordallo, move contra Adriano

Pama, casado, trabalhador, do

logar da Povoa, freguezia de

São Martinho do Bispo, que

corre seus termos pelo cartorio

do escrivão do quinto officio,

vae pela segunda vez á praça,

por metade do seu valor, e será

entregue a quem maior lanço

oíferecer a propriedade seguinte:

Uma morada de casas terreas,

com cerrado e seu telheiro, curraes

e nmis dependências, sita na

Senhora do Carmo, no logar da

Povoa, freguezia de São Martinho

do Bispo, avaliada em duzentos

e cincoenta mil réis e vae

á praça em cento e vinte c cinco

mil réis.

Pelo presente são citados

quaesquer credores incertos.

Verifiquei a exactidão.

O juiz de direito,

Oliveira Pires

CARNAVAL

Aviso aos srs. revendedores

para que não façam as suas

compras sem verem o importante

mostruário que recebeu o Pitta.

Grande deposito de confetti e

serpentinas.

!!! Ninguém vende mais barato!!!

Remettem se catalogos a quem os

pedir a

Alberto Pitta - COIMBRA

(Pode ser chamado provisoriamente

pelo telephne n.° 266).

"norwich m\m„

Companhia Ingleza

de Seguros contra fogo.

Estabelecida em Portugal em 1824

ESTA Companhia é a mais

antiga de Portugal, e devido

á sua pontualidade e honradez

é uma das que mais seguros possue

em Inglaterra e em Lisboa.

AGENTES EM PORTUGAL:

Jamea Rawes & C. a

Rua dos Capellistas, 35

Correspondente em Coimbra

Antonio Fernandes & Filho — Rua

do Corvo.

ESCOLA NACIONAL

DE

AGRICULTURA

VENDA DE MADEIRA DE SALGDEIRO

Faz se publico que no dia 3 de

Fevereiro proximo, pelas 12 horas

do dia, será arrematada em hasta

publica na secretaria da Escola Nacional

d'Agricultura, a madeira de

salgueiro pertencente á mesma Escola,

e existente nos talhões abaixo

mencionados:

Talhão n.° 7, base de licitação,

1 ia>5oo réis.

Talhão n.° i3, base de licitação,

19^000 réis.

Talhão n.° 14, base de licitação,

43®5oo réis.

Talhão n.° 1 5, base de licitação,

6®ooo réis.

' O corte da madeira é feito por

conta do arrematante sob a fiscalisação

da Escola, e o praso para o

corte até iS do referido mez de Fevereiro.

A madeira pode ser examinada

todos os dias úteis.

Escola Nacional d'Agricultura, 16

de Janeiro de 1911.

O Director,

Antonio Pliilippe da Silva

• A , i

—-JLJ

COMPANHIA UE SEGUROS

BONANÇA

SÉDE EM LISBOA

Esta Companhia é uma das mais

antigas e acreditadas do paiz, recommendando-se

pela escrupulosa

seriedade que preside a todos os

contractos. Toma seguros contra

i o risco de fogo sobre prédios, mo-

! bilias, estabelecimentos e também

sobre riscos marítimos,

j Correspondente em Coimbra, dr.

José Araujo de Sousa Nazareth, ou,

na sua ausência, João Mendes, que

presta todos os esclarecimentos na

rua Ferreira Borges, n.°* 20 a 26.

C< >IMBRA

EMPREGADO

Individuo, casado, com o 5.° anno

dos lyceus, offerece-se para escriptorio

ou outra collocação decente,

dando fiador. Não faz questão de

ordenado.

Para tratar nesta redaccão.

COMPANHIA DE SEGUROS

FIDELIDADE

Fundada em 1835—Séde em Lisboa

Capital: 1.8M:000$000 — Fundo de reserva: 505:211$041

Fundo de reserva de garantia, depositado na caixa geral de depósitos

80:000^000

Noticias de Coimbra de II de Fevereiro de 1911

Total réis... S85;2H#041

- Indemnisaçôes por prejuízos pagos até 31 de Dezembro de 1009

3 . 9 4 7 : 1 6 2 1 0 1 1

Esta companhia a mais antiga e a mais poderosa de Portugal,

toma seguros contra o risco de fogo, sobre prédios, mobílias, estabelecimentos

e riscos marítimos.

® e ® ® 9

Correspondente em Coimbra: Basilio Xavier d'Andrade, Snccessor

Rua do Corpo de Deus, n.° 38.

t7Tm?m?T?T??T?Tmm?m????T???????T??Tmm??


cr»


T3

TAGUS

©

2> 1877—LISBOA 0

• II • Ml I • ! IIIMIB—I•

de em Lisboa — Rua da Alfan

dega, 160-1. 0

Effectua seguros terrestres sobre

prédios, mobílias, estabelecimentos

e fabricas.

Correspondente em Coimbra

José Joaquim da Silva Pereira

Praça do Commrcio,14, 1.°

AGUA Di) BARREIRO

( B E I R A A L T A )

Estimula fortemente o appetíte;

cura radicalmente a anemia e chlorose,

as doenças do estomago facilitando

ao mesmo tempo a digestão;

purifica o sangue e, no período catamenial,

é infallivel reguladora das

funeções delicadas das senhoras.

Deposito em Coimbra.

Manuel Fernandes dAzevedo k Comp. a

Praça 8 de Maio e Praça da Republica

MARÇANO

Precisa se sem pratica, que tenha

i3 a 14 annos.

Nesta redacção se diz.

EMPREGADO

OfFerece se com alguma pratica

commercial, para escriptorio ou co

branca. Dá boas referencias e fiador.

Para tratar: Tabacaria União —

Sophia — Coimbra.

PADARIA POPULAR

(Antiga padaria do sr. Ignacio Miranda,

12 — Largo da Freiria —13

Manuel Rodrigues da Bella

«& Irmão, proprietários desta

acreditada e antiga padaria,

previnem o publico e os

seus estimados freguezes

que no intuito de liem os

servir tem na referida padaria

pão de boui fabrico e de

todas as especies, taes corno:

Pão abiscoitado, bolacha.

Pão d'agua, hespanhol, para

todos os preços.

Pão de SO e »« réis o kilo.

Todo este pão é fabricado

com agua filtrada.

O estabelecimento pode

ser visitado por todas as pessoas

que assim o desejarem

vendo mesmo o fabrico do

pão.

Pão quente, de manhã, das

6 horas ao meio dia; e de

tarde das 8 em deanfe.

COMPRA DE CASA

Compra-se uma casa, que tenha

quintal. Não se deseja muito grande,

mas em bom local.

Carta fechada para esta redacção,

com as iniciaes J. G.

Empregado para escriptorio

Admitte-se um com alguma pratica.

Nesta redaccão se diz.

TRIPA

Deposito da casa Anjos e C. a

Jofio Vieira da Silva Lima

VENDE-SE

Um piano horisontal, em muito

bom estado de conservação, proprio

para estudo.

Para ver e tratar na rua da Mathematica,

3i.

to

DE

MAIA, SIMOES & C. A

SUCCESSORES DE

Manuel Marques dos Santos

27, Rua da Mathematica, 29 A

COIMBRA

Os actuacs proprietários

desta accrcditada e antiga

padaria, participam aos seus

amigos e freguezes, e ao publico

em geral, que uo intuito

de bem servir uo fabrico

do pão, com todos os preceitos

da higiene, fizeram

acquisição de um (Filtro

Ilalier Prucelauod',%miaute,

systema Pasteur) único systema

qme ganhou o maior

premio na Hxposição Franceza

de l»OG, que filtra SãO

litros de agua por dia.

Frabicam pão de toda a

qualidade e para todos os

preços, segundo o regulamento

dos Productos Agrícolas,

sendo o fabrico feito

com farinhas de a. a qualidade.

Pão quente a toda a hora.

Este estabelecimento cstã

bem montado, e com todas

as condições hygienicas exigidas

pelo regulamento dos

Productos Agrícolas.

Pode ser visitado por

qualquer pessoa e a qualquer

hora.

Quinta das sete fontes

Vende-se esta magnifica quinta

que se compõe de casas nobres

com bastantes acommodações e commodidades,

cocheira, selleiros, cavallariça,

curraes, jardins, terras de

semeadura, pomares de espinho e

caroço, tanques e muita abundancia

de agua, situada proximo a Cellas,

e a 5 minutos de caminho no electrico.

Trata se com J. A. Gabriel e

Mello, rua da Sophia, g3—Coimbra.

TRESPASSE

Em virtude da dissolução da sociedade

d'alquilaria que nesta cidade

grava sob a firma Soares & Garcia,

trespassa-se a antiga e acreditada

alquilaria Soares, sita á Avenida Navarro,

pelo seu proprietário Manuel

José da Costa Soares Júnior, não

poder estar á testa do mesmo estabelecimento.

Trata-se nesta cidade, com o proprietário

ou com o solicitador Francisco

Mendes Pimentel.

QUINTA DAS FONTES

NA

MEALHADA

Vende-se esta quinta que comprehende

cerca de 320:000 metros quadrados

de terreno com grande oli

vai, pomar, terra de horta, pinhaes

e casa grande de habitação e cocheira.

Para informações, na Mealhada,

Alvaro Rodrigues Breda.

Em Coimbra, José Augusto Pereira

de Vasconcellos, no cartoiio

do dr. Vieira, rua da Sophia, 53.

Aos agricultores

£oâo fieira da (Silva féima

Rua Paço do Conde — COIMBRA

Enxofres e sulfato de cobre

Chegaram os adubos chimicos

compostos para todas as culturas,

assim como os elementares, Nitrato

de sodlo, Sulfato d ammonio,

Chloreto de potássio,

Sulfato de potássio,

Phosphato Thomaz e outros.

Armazém de azeite, farinhas, mer

cearia e muitos outros generos, o

aue tudo vende a preços muito re

duzidos.

REFINAÇÃO DASSUCAR

"Collegio Portugaez,,

Praça da Republica

(Aniigo Largo D. Lui{, n." 32)

COIMBRA

Recebem-se, a partir de i de Janeiro

de 1911, educandas internas,

semi internas e externas.

TERRENOS

Vendem-se em muito bom local e

com lindas vistas, alguns lotes de

terreno com 10 metros de frente no

bairro de Cellas, proximo á entrada

de Santo Antonio dos Oiivaes. Não

tem escavações a fazer e são servidos

pela linha electrica.

Para tratar com Antonio Nunes

Correia, Praça 8 de Maio, 33 a 37.

VENOEM-SE

Vendem se as portas interiores de

5 janellas de sacadas, novas, de pinho-

Preço muito resumido. Tratase

na rua de S. Pedro, n.° 4.

ARMAZÉM

Arrenda-se um grande armazém

nos baixos do Collegio Mondego, no

Pateo da Inquisição.

Mede 3bo metros quadrados.

Para tratar: Diamantino Diniz Ferreira.

CASA

Arrenda-se uma casa, nova, com

um andar, aguas furtadas e quintal,

em Montes Claros.

Tem 10 divisões e uma varanda

para o quintal.

Trata-se com José Ribeiro, na

mesma casa.

José Antnnes (filho)

Professor da orquestra do extincto

Real Theatro de S. João d'Opera

Lyrica, do Porto, sócio e musico

da Associação de Lisboa dos Músicos

Portugueses e professor de musica

no Collegio Ursulino, lecciona

sulfejo, rudimentos, bandolim, banjolim,

violão, violino, (rabeca), banjo,

piano, violoncello, contra-basso, etc.

Toma parte em tudo que diga

respeito á musica. Grande archivo

de sexteto e orquestra. Compram-se

pianos.

Dourador e prateador.

Galvanisação pelos mais

modernos processos.

Rua da Manutenção militar, n. oí

9 e 11 — Coimbra.

LEI DO INQUILINATO

Joaquim Aibino Gabriel e Mello,

antigo solicitador encartado, encarrega-se

da administração de prédios,

fazendo arrendamentos, recebendo

rendas e dar mensalmente para as

repartições de fazenda as respectivas

relações para evitar multas aos

senhorios, segundo a nova lei do

inquilinato.

A sua longa pratica de solicitador

e de serviços fazendarios, são prova

da sua competência. Agencia muito

resumida.

Escriptorio, rua da Sophia, 93,

i.°, Coimbra.

CASA

Vende-se uma em Santo Antonio

dos Oiivaes, com agua canalisada.

Passagem d'electricos á porta.

Nesta redacção se diz.

V E N D E - S E

Trez potes de lata para azeite, de

diversos tamanhos, comportando o

maior 1:200 litros.

Um fogão de ferro, para sala;

uma balança de braços, em bom estado,

podendo pezar 200 kilos.

Uma mobilia de sala, de mogno,

em bom uso.

Uma escrivaninha de nogueira.

Um piano horisontal, em muito

bom estado, proprio para estudo.

Para ver e tratar na rua da Mathematica,

n.° 3i.


ANNO

noticias

IV SABBADO,

de

21 DE JANEIRO DE

Coimbra

1911 NUMERO 348

Pnblica-se ás quartas feiras e sabbados P O L U A IlsriDEFElsrnDElSrTE Teleplione n.° 351

PREÇO DA ASSIGNATURA

Anno, 2#>8OO ; Semestre, i #400; Trimestre, 700.

COM ESTAMPII.HA : — Anno, 3iS>o6o; Semestre, i#>53o;

Trimestre, 765. COLONIAS PORTUGUEZAS :—Anno, 3#o6o

réis. BRAZII., 3#530 réis.

HAJA MUITA PRUDÊNCIA

Estamos atravessando um regimen

transitorio para que é preciso

trabalhar muito e bem.

Carece o paiz do concurso de

todas as boas vontades para levar

por deante a sua obra de

regeneração. Nada de crear attri-

Ctos nem difficuldades. Nada de

preparar mal a opinião duns contra

os outros dentro da grande e

generosa família portugueza.

Ainda ha pouco reproduzimos

um brilhante artigo da Lucta,

em, que se aíflrmava que a Republica

precisa do apoio de todos

os portuguezes que, com as

melhores intenções, se alistam no

partido democrático.

E assim é.

Ha muita gente que foi sempre

monarchica e outra indifferente

aos manejos da politica.

Reconheciam que a governação

publica corria de mal a peor e

que o credito do paiz andava

profundamente abalado no estrangeiro.

Anceavam, como bons patriotas,

que uma grande transformação

se operasse nos nossos costumes

políticos para levar a Patria

a melhores dias. Queriam

ver Portugal voltar aos seus áureos

tempos de paz e felicidade,

embora lhes perturbasse um pouco

o espirito o receio da transição

do regimen.

Essa transformação operou-se

no dia 5 de Outubro e, felizmente,

sem essas grandes ondas

de sangue que muitos receavam.

Implantado o novo regimen, o

paiz recebeu-o sem desgosto, antes

pelo contrario com o applauso

que téem sempre as ideias

novas e esperançosas.

Muitos dos adeptos da monarchia

e dos taes indifferentes foram

os primeiros a acceitar sem

reluctancia e até com agrado a

grande mudança politica com a

esperança de ver a sua patria

entrar em melhores dias de felicidade

pela paz, pela ordem, pela

liberdade, pela justiça e pela boa

administração publica

Erradamente, porém, pensam

alguns que esses monarchicos de

hontem, embora bons patriotas

e sinceramente dedicados á nova

causa, devem ser hostilisados

num accentuado movimento de

repulsão

Não é assim que se captivam

adeptos nem se ganham sympathias.

Ao proprio governo não

agrada esta orientação desacer-

Quintanistas de direito

Os quintanistas de direito desistiram

de levar a effeito a recita de

despedida, por faltarem em Coim

bra alguns académicos que deviam

entrar no espectáculo.

Talvez realisem uma excursão á

Batalha.

O sr. Antonio da Fonseca e Costa

Júnior, atirador classificado da carreira

de tiro de Coimbra, actual-

3C-

Director e Administrador — JOÃO RIBEIRO ARROBAS O O O O O

O O O O O O Proprietários — João Ribeiro Arrobas e João Henriques


tada que alguns acceitam e seguem

como boa.

Num regimen de liberdade e

de justiça não faz bom sentido

envolver o paiz em discórdias

para não termos de supportar

uma lucta civil, que seria o peor

de todos os males.

Comprehende-se que haja excepção

para os que, pelos seus

actos e pela propaganda das suas

afirmações publicas se mostram

contrários ao novo regimen. Sejam

estes afastados dos que sentem

verdadeiro amor pela causa

republicana; mas envolver tudo

e todos no mesmo numero para

considera-los inimigos irreconciliáveis

das novas instituições, é

um erro indesculpável que pôde

originar consequências terríveis.

Ha tempo um pequeno grupo

de indivíduos entrou na egreja

do Loreto, em Lisboa, e praticou

ali um desacato de tal ordem que

mereceu a justa reprovação de

toda a gente sensata. Como essa

egreja pertence aos italianos, foi

pedida a intervenção do respectivo

ministro, que ali compareceu

com o sr. ministro da justiça.

Apreciados os factos e trocadas

as explicações devidas, julgou-se

o caso resolvido, sem outras

consequências; mas não

aconteceu assim. A noticia dessa

lamentavel occorrencia saiu as

fronteiras de Portugal e correu

mundo, augmentada, como sempre,

por excessos de reportagem.

O governo italiano ordenou

agora a vinda do couraçado Roma

para proteger os seus súbditos

em Portugal.

Deu-se importancia de mais

ao facto e a tal ponto que aquelle

governo tomou aquella resolução,

que se evitaria se tudo e

todos se mantivessem em boa

paz e boa ordem sem crear attrictos

de especie alguma ao governo

da Republica.

Por parte da imprensa republicana

tem-se abordado ultimamente

este assumpto. Vae-se

assim modificando a opinião

publica, no que se presta um

grande serviço ao novo regimen

e ao bem estar do paiz.

Filhos todos da patria portugueza,

vivamos todos em boa

paz e tranquilamente, sem resentimentos

nem agravos duns para

os outros.

E' isto que o bom senso aconselha.

mente soldado em infantaria 23, vae

ter baixa do serviço activo do exercito

logo que complete 100 dias de

alistamento, por se encontrar ao

abrigo das faculdades que a lei confere

aos atiradores civis classificados.

Notas falsas

Dizem que andam por ahi notas

falsas de 203&000 réis.

Cuidado com ellas.

REDACÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TYPOGRAPHIA — Pateo da Inquisição, n.° 27.

Composto e impresso na typ. do NOTICIAS DE COIMBRA

DR. FERNANDES COSTA

A SUA DESPEDIDA

Chegou na quarta feira á noite a

esta cidade o sr. dr. Fernandes

Costa, que foi esperado na estação

do caminho de ferro por grande numero

de amigos e admiradores que

lhe fizeram uma recepção muito af

fectuosa.

No tribunal

O sr. dr. Fernandes Costa foi

hontem ao tribunal para a defeza

duma causa commercial e aprovei

tou este ensejo para fazer as suas

despedidas deste tribunal, onde s.

ex. a fez a sua estieia e do qual leva

as mais gratas recordações.

Tendo de se ausentar do reino

não se esquecerá nunca nem dos

funccionarios do tribunal desta comarca,

a quem presta a sua homenagem

de reconhecimento, nem desta

terra muito sua, pois aqui viveu largos

annos e aqui conta muitas relações

pessoaes.

O meritissimo juiz do tribunal e

os advogados srs. drs. José Alberto

dos Reis e Antonio Garrido referiram

se ao sr. dr. Fernades Costa,

elogiando-o pelo seu talento e caracter.

A sessão solemne

Foi brilhantíssima a sessão solemne

promovida pela direcção do

Centro dr. Fernandes Costa em

honra do seu illustre patrono, que

por algum tempo se vae afastar do

seu paiz tão querido para exercer a

alta e espinhosa missão de cônsul

geral de Portugal no Rio de Janeiro.

A vasta sala deste Centro estava

completamente cheia, vendo-se representadas

todas as classes sociaes

por quem o vulto eminente do sr.

dr. Fernandes Costa é tão querido.

Presidiu a esta festa o sr. dr.

Cerqueira Coimbra, illustre chefe

deste districto, secretariado pelos

srs. Francisco Villaça da Fonseca e

Francisco Antonio dos Santos, membro

do centro.

O sr. dr. Cerqueira Coimbra depois

de ter agradecido o ser escolhido

para presidir a esta festa em

honra dum dos seus maiores amigos,

abriu a sessão, discursando os

srs. dr. Antonio Leitão, dr. Eduardo

Vieira, Gualberto Mello,'dr. Angelo

da Fonseca, dr. Luiz Rosette e

Marques Guedes, que tiveram para

o sr. dr. Fernandes Costa palavras

as mais elogiosas, pondo em relevo

as suas brilhantes qualidades, o seu

amor pela Republica, por que tanto

se tem sacrificado, e quanto estre

mece Coimbra, que considera como

sua terra natal.

Alguns oradores foram entusiasticamente

acclamados e os seus

discursos foram por vezes interrompidos

com palmas e successivos vivas.

Depois de tantas palavras amigas

e justas referencias dirigidas ,ao sr.

dr. Fernandes Costa, disse s. ex. a

que, no intuito de bem servir o seu

paiz, o vae abandonar, assim como

sua familia e os seus amigos, que

tanto o estremecem, mas que fiquem

certos que lá fóra saberá levantar a

patria portugueza, e fazer desapparecer

a má impressão que a maior

parte dos nossos compatriotas possue

ainda, de que as actuaes instituições

são de desordem e immoralidade.

Elie ali está para agradecer

a grande prova de sympathia e amizade

que o povo de Coimbra lhe

está prestando.

A apresentação do sr. dr. Fernandes

Costa provocou em toda a numerosa

assistência a mais ruidosa e

vibrante manifestação.

Agradeceu muito Commovido a

sincera homenagem que o povo de

Coimbra lhe estava prestando, a

quem é tão grato e está ligado pelos

mais affectuosos laços.

Cada conimbricense, disse s. ex. 4 ,

tem em mim um verdadeiro amigo,

e dentro ou fora do meu paiz pode

contar com o seu auxilio, em

bora insignificante.

Estima muito Coimbra, pois foi

aqui que aprendeu a ser homem,

onde se desenvolveu a sua intelligencia,

e foi com os republicanos de

Coimbra que aprendeu a ser soldado

da Republica e a ter por ella o

amor que hoje está entranhado no

seu espirito.

De todos se despedia muito reconhecido,

com um saudoso e frater

nal abraço, porque sempre nesta

terra recebeu provas de estima, con

sideração e pura amisade que sem

pre o acompanharão.

As palavras do sr. dr. Fernandes

Costa foram coroadas com vibrantes

salvas de palmas e freneticos

vivas á Patria, ao Governo Provisorio,

á Republica, etc., terminando

assim a despedida aftectuosa do sr.

dr. Fernandes Costa, á qual nos associamos

também

O orpheon feminino do Collegio

Mondego, que abriu esta simpathica

festa, foi muito applaudido devido á

correcção como as creanças executaram

alguns números, entre elles a

Sementeira, que foi ouvida com

grande empenho por não ser ainda

ouvida nesta cidade.

As nossas felicitações ao regente

e ensaiador, o académico sr. Medeiros

Franco, assim como ao nosso

amigo sr. Diamantino Diniz Ferreira,

que com todos os seus alumnos se

associou também á sessão de des

pedida dum dos grandes amigos de

Coimbra.

A' sessão, entre outros, assistiram

os srs. coronel Rego Chagas, major

Bandeira, capitão Brito d°AImeida e

tenente Costa Cabral.

Os srs. João Correia Ayres de

'-Campos e dr. Sidonio Paes, que não

puderam assistir á sessão solemne,

aquelle por motivo de doença, enviaram

cartas ao sr. presidente, declarando

associarem-se sinceramente

á homenagem em honra do sr.

dr. Fernandes Costa.

*

O sr. dr. Fernades Co$


Sociedade de Defeza e

Propaganda de Coimbra

Sessão ordinaria, em 16 de Janeiro.

Presentes : dr. Carlos d'Oliveira,

dr. Rodrigo Araujo, Pedro Fiandeira,

José Antonio dos Santos e Albino

Caetano da Silva.

Lida e approvada a acta antece

dente.

— Leitura do expediente: Convite

da Sociedade Thomson Houston

Ibérica para assistir á inauguração

da tração electrica em Coimbra.

Resolveu-se agradecer e dizer que,

pela ausência de Coimbra nessa

occasião do presidente e vice presi

dente, não poude a sociedade fazerse

representar como era seu desejo.

— Officios da Associação de Soccorros

Mutuos Monte Pio Conimbricense

M irtins de Carvalho, da Associação

de Soccorros Mutuos dos

Artistas de Coimbra, da Camara

Municipal de Coimbra, do Coimbra

Centro, da Cooperativa de Pão «A

Conimbricense», da Junta de Paro

chia da Sé Cathedral, do Grémio

Littcrario e Recreativo, da Junta de

Parochia da Sé Velha, d i Associação

Commercial, do Atheiuu Commercial,

da Associação de Classe

dos Officiaes de Barbeiro e Cabel

leireiro, da Federação das Associações

Operarias, da Associação de

Classe dos Carpinteiros Civis e da

Junta de Parochia de S. Bartholo

meu dando parte da nomeação dos

delegados que representarão essas

colectividades na reunião que a Socidade

de Defeza e Propaganda de

Coimbra tenciona realisar para as

ouvir sobre os interesses de Coim

bra.

Faltando ainda receber resposta a

24 dos officios enviados a outras

associações, no mesmo sentido, de

liberou-se solicitar de novo resposta

dessas entidades.

— Pelo sr. Albino Caetano da

Silva foi dito que estava já em preparação

o n.° 6 da Coimbra Pittoresca,

o qual poderia ser publicado

muito brevemente.

— Pelo thesoureiro foi apresentado

o balancete relativo ao semestre

findo em 3i de Dezembro, o qual

accusa um saldo em caixa de réis

53&68o.

— Pelo vice-presidente foi communicado

que elle e o sr. Antonio

Augusto Gonçalves como presidente

da sociedade, dr. Fernandes Costa,

se tinham avistado com os ex. m< "

ministros da Justiça, Interior, Fomento

e Estrangeiros, aos quaes entregaram

a representação assignada

pela direcção da Sociedade de Defeza

e Propaganda de Coimbra, Secção

de Archeologia do Instituto e

Escola Livre das Artes de Desenho,

em que se pedia ao governo que fossem

desde )á confiados á guarda da

Secção de Archeologia do Instituto

de Coimbra os objectos de arte que

se encontram dispensos pelos extin

ctos conventos desta região, emquanto

não houvesse installação

apropriada para a creação de um

museu em Coimbra.

Que os ex. m "' ministros a quem

se dirigiram tinham manifestado opinião

inteiramente favoravel á repre

sentação, promettendo tratar immediatamente

do assumpto em conselho

de ministros, onde apoiariam o

pedido feito na representação.

Que com o ex. in0 ministro da Justiça

tinha já ficado assente quaes os

membros que constituiriam uma commissão

encarregada de escolher os

objectos que merecem figurar no

futuro museu.

Nada mais havendo a tratar foi

encerrada a sessão.

A representação enviada ao Governo,

é a seguinte:

Ao governo da Republica.

1

Ex. mo Sr.

Na tarefa immensa da reorganisação

da sociedade portugueza, que

o governo da Republica se impõe,

figura a restauração da Arte, que

na civilisação actual, na evolução

mental e na vida economica dos

povos cultos desempenha uma funcção

preponderante.

Em Portugal o abandono deste

complexo e difficil problema, sempre

descurado e incomprehendido,

produziu as nefastas consequências

que, sob multiformes aspectos, tem

Causado e aggravado a nossa depressão

e a nossa ruina.

isto é um logar commum, repeti-

do milhares de vezes, mas que, nem

assim, conseguiu impressionar as

capacidades dirigentes do velho regimen

duma maneira efficaz.

O esforço governativo para a educação

do critério publico em matéria

de arte foi de facto nullo, porque

até o pouco, que apparece nos

programmas officiaes das escolas, é

simples e anodyna mystificação.

A verdade é que falta tudo. E

faltam principalmente escolas bem

organisadas, museus e incentivos á

estimação dos monumentos de arte,

onde todas as classes sociaes encon

trem, desde a edade infantil, noções

intuitivas, que a lição das bellas cousas

desperta, para a purificação do

sentimento e elementos e suggestões

úteis para a vitalidade da producção

manufactora.

A creação, pois, de museus regionaes

ou provinciaes não pode deixar

de ter cabimento, como um dos

mais instantes e fecundos factores

de progresso e aperfeiçoamento moral,

no plano da educação geral e

da regeneração e valorisação do trabalho

na vida portugueza.

Em Coimbra existe, desde muitos

annos, -— O Museu cie antiguidades

do Instituto, que -— não obstante

parecer ignorado — é um núcleo

importante Dara futuros desenvolvimentos;

é um testemunho energico

e eloquente de quanto pode a tena

cidade desinteressada e a convicção

duma boa obra, embora desajudada

dos favores officiaes, talvez mesmo

muitas vezes hostilisada pelos despeitos

da burocracia formalista.

Seria uma injustiça e um erro,

que o governo da Republica engeitasse

esse fructo do trabalho e dedicação

de alguns poucos adeptos,

que pacientemente e sem alardes,

desde longe, accumularam esse modesto

pecúlio de cousas valiosas e

instructivas.

O que é preciso, porém, é que

esses museus a crear sejam installados

em alojamentos apropriados e

condignos.

Ora esta difficuldade, em Coim

bra, afigura-se que poderá ser satisfactoriamente

resolvida pelo apro

veitamento de algum estabelecimento,

que porventura o governo tenha

em mente supprimir, ou pela modificação

judiciosa do projecto de algum

edifício em construcção.

Nesta ordem de ideias, seja-nos

licito formular o nosso pedido, cujo

alcance submettemos á illustrada ponderação

de v. ex. a , e que decerto

não podedeixar de merecer rápido

deferimento, como decisão de

interesse social e de melhoramento

inadiavel para a cidade de Coimbra.

Nas casas occupadas pelas associações

religiosas, ultimamente expulsas,

ha objectos d'arte, que aqui

devem permanecer e que seria uma

defraudação e uma iniquidade, offensiva

dos direitos e brios da cidade,

se fossem augmentar as collecções

doutras localidades.

Pedimos, portanto, que desde já,

a titulo de deposito provisorio, sob

as vistas e amparo do Govecno, sejam

confiados á guarda e vigilância

da Secção de Archeologia do Instituto

de Coimbra, a cuja provada so

licitude está entregue o Museu de

Antiguidades, — publico, como depoimentos

das phases históricas da

nossa arte nacional.

E justificamos a urgência desta

deliberação, sendo certo que. taes

como se acham, esses objectos, mal

guardados, sem fiscalisação permanente,

e em péssimas condições de

conservação; sujeitos a infinitas e

inevitáveis contingências e desastres,

facilmente serão deteriorados nas

condições de accumulação e desamparo

em que se encontram.

Tal é, sr. Ministro, rapidamente

exposto, o pedido, que em nome e

no interesse de Coimbra confiadamente

dirigimos a V. Ex. a ; e que,

estamos certos, será acolhido com

complacência benevolente pelo Governo

da Republica.

Porque confiamos na justiça que

nos assiste e na sympathia qu


LIVROS E REVISTAS

Peregrinações, por Sousa Bandeira,

da Academia Brazileira, edição

da Livraria Chardron.de Lello

& Irmão, rua dos Carmelitas,

Porto.

Lello & Irmão, afamados editores portuenses

que, diga-se de passagem por constituir

justiça e verdade, são os que mais

honram o meio litterario portuguez apresentando

obras do mais fino quilate, entregaram-se

á louvável tarefa de nos favorecerem

com a leitura das mais acclamadas

producções br-azileiras.

Hoje vamos referenciar um livro admiravel,

pela forma litteraria e pela ideia

scintillante, — reunião das mais privilegiadas

composições do emerito escriptor sr.

Sousa Bandeira, membro eminente da Academia

do seu paiz.

Peregrinações se intitula a distinguida

producção inteilectual e nella encontramos,

descriptas por um pincel de verdadeiro

e completo artista, passagens dum

colorido exquesito, novas para a nossa

apreciação.

São paginas escriptas com toda a singeleza

e tranquillidade ao passar por os logares

que visitou e que a sua rotina abrangeu

e impressionou; mas por serem assim

elaboradas nem por isso deixam de ter um

fino sabor litterario e por vezes até um

modo de ver originalíssimo que nos faz

enthusiasmar. E assim entre os que mais

nos prenderam a attenção pela maravilha

da prosa e pelo cnlor das suas hossanas

levantadas á natureza, não podemos encobrir

a nossa calida admiração p. lns descripções

do lago de Genebra ou do monte

Gervino, que nos deliciaram em extremo e

o nosso mais puro e acrisolado affecto pelo

artista que tão eloquentemente soube levantar

o seu pulso e a sua alma para a

perfeitíssima creação d'essas verdadeiramente

inimitáveis paginas Em Bayrenth,

A cidade do Sonho, A casa de Dante, O

Carvalho de Tasso, A poesia da Bruma,

Em ('intra, sufficientes, por si só, de consagrar

duma vez e para sempre um litterato.

Peregrinações é um livro soberbo que

bem dignifica a arte brazileira, podendo-o

esta apresentar como amostra das melhormente

lavradas filigranas esthetiças da sua

litteratura. Sousa Bandeira, o primoroso

cultor das lettras, pôde á vontade orgulhar-se

com a sua obra, que apesar de pequena

em paginas, é das maiores em relevo

inteilectual.

Opiniões medicas sobre o

Xarope Farnel

Augusto José Ramos,

Medico e director do Banco Eborense

Agradece a sua remessa do seu

magnifico cXarope Farnel o que lhe

deu optimos resultados na experiencia

que fez numa pessoa de sua família.

Descanso semanal

Évora.

Reuniram-se na quinta feira os

proprietários de barbearias para tratar

do descanso semanal.

Foi resolvido convocar uma reunião

para a qual serão convidados

os officiaes de batbeiro, a fim de

ser combinado entre todos qual deve

ser o dia do descanso para essa

classe.

Dum ppteo em Santa Clara foram

ante-hontem furtados um cavallo e

um burro pertencentes á companhia

gymnastica e de feras que trabalha

num salão da Estrada da Beira.

Passaportes

Durante o anno findo foram re

quisitados no governo civil deste districto,

3:009 passaportes para o Brazil

e 53 para outros paizes e 27 bilhetes

de identidade.

Caiu na noite passada em Coimbra

a maior camada de geada deste

inverno.

Os telhado?, campos e algumas

ruas, ao meio dia, ainda se viam

cobertos de geada.

Recitas

A companhia de opera cómica de

Alfredo Mendonça, do Porto, deu

na quinta feira a ultima recita com

a peça Princesa dos Dollars, que é

a que teve aqui melhor desempenho.

O scenario, guarda roupa e musica

bons.

A'manhã realisa-se no Theatro

dos Bombeiros Voluntários o espectáculo

de inauguração pelo grupo

dramatico da mesma corporação.

Toma parte a distincta amadora

Laura Rodrigues e representam se

as peças O Çdnalha e O Filho da

Republica,

Meu filho Alvaro

de 8 annos de edade, era

muito escrofuloso. SofFria

horrivelmente, andava

fraco e abatido, parecendo

mesmo rachitico.

E' pois com grande satisfação

que lhes participo

que meu filhinho se

encontra perfeitamente

restabelecido desde que

tomou com optimos resultados

a Emulsão de Scott.

Testemunho de D. ANNA LOPES, da rua

Barão de S. Cosme, 286, Porto, em 4 de

Agosto de 1909.

O leitor não consentiria, não é verdade ?

que seu filhinho continuasse a soffrer,

podendo evital-o. De certo que não. Pois

bem, a Emulsão de Scott, segundo provas

colhidas por milhares de médicos, parteiras

e paes, é um remedio infallivel para a

escrófula e para o rachitismo.

Noticias de Coimbra de II de Fevereiro de 1911

U L S Ã O D E

COTT

Eis o remedio para os padecimentos de

seu filho ; cabelhe a obrigação de lh'o

applicar.

Quando procurar o preparado de Scott,

que não pode deixar de curar, recuse terminantemente

acceitar outras emulsões

que não podem curar.

NOTA : Apezar do Imposto de Sello dc 50 reis por

cada frasco, todas as Pharmacias e J)roí;. rias

vendem a Emulsão de SCOTT aos preços antigos,

a saber: 500 reis meio frasco e 900 reis frasco

grande, 0

AMOSTRA 6ra'ui'a, contra 200 reis para franquia,

obtem-se dos Snrs. James Casseis Sc Cia., Succs., Rua

do Mousinho da Silveira. 85, 1", Porto.

Exigir sempre a Emulsão com a marca — o homem

do peixe — que significa o processo SCOTT.

c<

EXPLICAÇAO

Sobre a promulgação da lei do

descanso semanal, expedi a s. ex. 4

o sr. ministro do interior um telegramma,

que foi publicado neste

mesmo jornal, agradecendo e felicitando

o pela publicação da referida

lei determinando 24 horas seguidas

de descanso sem obrigação de encerramento

dos estabelecimentos.

A'cerca deste telegramma téemse

feito e estão se fazendo vários

commentarios, havendo até um grupo

de socios da Associação Commercial,

que nos termos dos seus

estatutos, requereu a convocação

duma assembleia geral para apreciação

daquelle telegramma.

Nestes termos, venho a publico

dizer da minha justiça, antecipandome

a dar as explicações devidas,

como é proprio do meu caracter.

Publicada a lei do descanso, e

tendo feito delia uma leitura rapida,

fiquei convencido de que o descanso

ao pessoal era obrigatorio, deixando,

no entanto, a faculdade aos patrões

de abrirem ou fecharem os

seus estabelecimentos, visto que por

esta forma era garantido o descanso

ao pessoal e ao mesmo tempo garantida

0 liberdade de commercio

aos patrões.

Conciliavam-se assim os interesses

de todos, por uma forma justa

e liberal. Porém, depois da publicação

do meu telegramma neste jornal,

alguém chamou a minha atten-

ção para o facto de eu não ter interpretado

bem a lei, mostrando me

que ella determina que o encerramento

aos domingos seja obrigatorio,

com as excepções na mesma lei

indicadas.

f|Fiquei surprehendido, por isso que

era convicção minha que tinha dado

a verdadeira interpretação á lei. Dc

boa fé fiz um JUÍZO que agora vejo

era errado. Equivoquei-me, mas com

a mesma boa fé com que assim procedi,

egualmente venho, com toda a

lealdade, como é proprio de quem

tem o máximo respeito pela verda

de, declarar, sem falsa modéstia, o

meu erro e a minha má interpretação.

De resto, quem ha que não se

engane ? E muito mais quem, como

eu, não está habituado a lidar com

leis. Errar é fácil e proprio dos homens,

mas o que todos não fazem

é confessar e emendar o erro quando

deste são conhecidos.

Acresce, que nesta questão, não

fui só eu que errei; muita gente deu

á lei a mesma interpretação que eu

lhe dei e a própria Associação Commercial

de Braga assim o entendeu

também, pelo que enviou ao sr. ministro

do interior um telegramma

de agradecimento e felicitações concebido

pouco mais ou menos nos

mesmos termos daquelle que eu expedi.

O erro, pois, não foi só meu, e

isto mostra que em assumptos desta

ordem é fácil o equivoco. Tenho a

consciência tranquilla de ter procedido

de boa fé e da mesma forma

aqui deixo estas explicações leaes e

sinceras, para elucidação dc todos.

Coimbra, 21 de Janeiro de 1911.

João Rodrigues de Moura Marques.

Acção commercial

Foi hontem julgada uma acção

commercial do sr. Fructuoso da

Costa Alemão, contra o sr. dr. Francisco

Afra de Sousa Vasconcellos e

sua mulher D. Maria da Luz Pimentel

Osorio, por dividas por letras no

valor de 9:80036000 réis.

Foi advogado do auctor o sr. dr.

Fernandes Costa e dos réus os srs.

drs. Antonio Garrido e José Alberto

dos Reis.

A acção foi dada a favor do auctor.

Mercados

Os generos no mercado de Coimbra,

correm pelos seguintes preços,

(compra):

Trigo branco (i3,i6 litros) . . . 56o

ooo e 3#ioo.

Libras, 4Í&820: ouro graúdo, 6 */2 ouro °/o!

meudo, 5 %•

EXPEDIENTE

Os preços das publicações feitas nesta

folha são:

Commnnicados 50 réis a linha.

Reclames na V pagina 50 réis.

Annuncios na 3. a e 4. a pagina 30 réiá

a primeira vez, e 20 réis as repetições.

Os srs. assignantes téem 50 °/0 de

abatimento em todas as publicações.

Annuncios permanentes contracto especial.

Âos srs. annunciantes pedimos a alta

fineza de indicarem nos originaes o numero

de publicações que desejam.

A ADMINISTRAÇÃO.

ALVIÇARAS

Dão-se alviçaras a quem entregar

nesta redacção uma pequena chave

de ouro que adornava um broche e

que foi perdida no domingo de Santo

Antonio dos Olivaes a Cellas.

TRADUCÇAO

DO

ENGLISH READING BOOK

POR

diamantino Diniz (gerreua

-0»C-

P R E Ç O 5 0 0 R É I S

Não comprem a olhos fechados

— • —

Não comprem a olhos fechados o medicamento

com que desejam curar-se. Se ha

um caminho em que nunca se deva andar

ás apalpadellas, é O caminho da saúde.

Abram bem os olhos, abram. Informemse,

perguntem se o medicamento que téem

tenção de tomar, cura, e principalmente

se tem dado provas de curas. Se não obtiverem

os bons esclarecimentos desejados,

se não lhes forem dadas provas evidentes,

tomem as Pilulas Pink. Essas sim, que todos

os dias estão dando provas das suas

curas. Consultem os jornaes da semana ou

do mez e encontrarão na maior parte dos

números do seu jornal attestados das curas

realisadas pelas Pilulas Pink, em bons

e valiosos documentos, não assignados com

as iniciaes X, Y, Z, mas com os nomes,

appellidos e moradas completas das pessoas

curadas, como este que vamos dar

em seguida.

O sr. Antonio Luiz, de S Martinho do

Porto, acaba de nos escrever esta carta:

«Uma terrível dyspepsia me fazia soffrer

immenso do estomago, e isto ha muitíssimo

tempo já. Nenhum dos remedios a que

tinha recorrido, com o desejo de me curar,

ou de encontrar, pelo menos, um allivio,

me dera resultado, Soffria sem descanco.

As minhas digestões eram sempre

do mesmo modo penosas, e de dia para

dia ia enfraquecendo cada vez mais. Foi

então que comecei a tomar as Pilulas

Pink, as quaes me deram logo um grande

allivio e por fim me curaram completamente.

Nunca me cançarei de recommendar

este excellente remedio a todos áquelles

que soffrem do estomago.»

As Pilulas Pink activam as digestões, ao

mesmo tempo que tonificam, fortalecem e

purificam o estomago, até que este orgão

tenha recuperado o poder de desempenhar

as suas funcçóes, sem outro auxilio qualquer.

Os effeitos das Pilulas Pink são rápidos,

certos e duradouros. A cura, uma vez

obtida, é permanente. Estas Pilulas dão

resultados notáveis, mesmo quando a doença

tenha resistido a todos os outros tratamentos.

As Pilulas Pink estão a venda em todas

as pharmacias pelo preço de 800 réis a caixa,

4#>400 réis as 6 caixas. Deposito geral:

J. P. Bastos & C. a Pharmacia e Drogaria

Peninsular, rua Augusta, 39 a 45, Lisboa.

— Sub agentes no Porto: Antonio Rodrigues

da Costa & C.", 102, Largo de S. Domingos,

io3.

QUINTA SA MALAPCSTA

V E M D E - S E

4 \inle minutos da estação

do caminho de ferro da

Pampilhosa, com 32 hectares

de area, tem pinhaes, olivaes,

horta e pomar, casa de

habitação e cocheira.

Fôro, WM réis.

Quem pretender, dirija-se

a t Perry Vidal. Ilua do Crucifixo,

n. 19, 2.°, Direito-

Os Agentes em Portugal

REEMBOLSAM 0 DINHEIRO

a mu

a quem não tiver tirado resultado

DEPOSITO G HAl.

dos Sapateiros, IS, 1, -LIáBOA y

Fonographos-Pathé

Vendem-se dois com algumas musicas.

Preço: 6.»ooo réis e io®ooo

réis. Rua da Manutenção Militar,

N.° 9 e II, Coimbra.

VENDE-SE

Na Praça da Republica, n.° 28,

antigo Largo D. Luiz.

Magnifico prédio de construcção

moderna que se compõe de rez dochão,

2 andares e aguas furtadas.

E' situado no melhor local do

Bairro de Santa Cruz, e tem electrico

á porta.

Tem poço com agua nativa, gaz

e agua canalisada, pateo, jardim e

quintal.

Para tractar com seu dono no

mesmo prédio, ou com Joaquim Maria

Martins, successores, na rua do

Visconde da Luz.

Facilita-se o pagamento.

TYP0GRAPH0

Precisa-se de meio oflicial na typographia

d'A Comarca de Arsa-

«//-ARGANIL. *

OE EDUCAÇÃO E

PARA MENINAS

26 — Pateo da Inquisição — 26

Instrucção primaria, bordados, musica,

piano, línguas, admissão á Escola

Normal.

E

DIRECTORA —Beatriz Julia _

rofessora diplomada e legalmente haililada

para o magistério,


QUINTA DAS FONTES

NA

MEALHADA

Vende-se esta quinta que comprehende

cerca de 32o:ooo metros quadrados

de teireno com grande oli

vai, pomar, terra de horta, pinhaes

e casa grande de habitação e cocheira.

Para informações, na Mealhada,

Alvaro Rodrigues Breda.

Em Coimbra, Jo*é Augusto Pereira

de Vasconcellos, no cartoiio

do dr. Vieira, rua da Sophia, 53.

''Collegio Portuguez n

Praça da Republica

(Antigo Largo D. Lui\, n.° 32)

COIMBRA

Recebem-se, a partir de i de Janeiro

de 1911, educandas internas,

semi internas e externas.

TERRENOS

Vendem-se em muito bom local e

com lindas vistas, alguns lotes de

terreno com 10 metros de frente no

bairro de Cellas, proximo,á entrada

de Santo Antonio dos Olivaes. Não

tem escavações a fazer e são servidos

pela linha electrica.

Para tratar com Antonio Nunes

Correia, Praça 8 de Maio, 33 a 37.

Aos agricultores

goâo fieira da (Silva &ima

Rua Paço do Conde COIMBRA

Enxofres e sulfato de cobre

Chegaram os adubos chimicos

compostos para todas as culturas,

assim como os elementares, citrato

de sodio, Sulfato d'ammonlo,

Chloreto de potássio,

Sulfato de potássio,

Phosphato Thomaz e outros.

Armazém de azeite, farinhas, mercearia

e muitos outros generos, o

3ue tudo vende a preços muito re

uzidos.

REFINAÇÃO D ASSUCAR

DE

MAIA, SIMOES & C. A

SUCCESSORES DE

Manuel Marques dos Santos

27, Rua da Mathematica, 29 A

COIMBRA

Os actuaes proprietários

desta aecreditada e autiga

padaria, participam aos seus

amigos e freguezes, e ao publico

em geral, que no intuito

de bem servir no fabrico

do pão, com todos os preceitos

da higiene, fizeram

acquisição de 11 in (Filtro

Slalier Prucelanod'Ainiante,

systema Pasteur) único systema

qme ganhou o maior

premio na Exposição Francesa

de 1900, que filtra «50

litros de agua por dia.

Frabicam pão de toda a

qualidade e para todos os

preços, segundo o regulamento

dos Producios Agrícolas,

sendo o fabrico feito

com farinhas de i. a qualidade.

a*áo quente a toda a hora.

liste estabelecimento está

bem montado, e com todas

as condições hjgieuicas exigidas

pelo regulamento dos

Productos Agrícolas.

Pode ser visitado por

qualquer pessoa e a qualquer

hora.

VENDEM-SE

Vendem-se as portas interiores de

5 janellas de sacadas, novas, de pinho-

Preço muito resumido. Trata

eç na rua de S. Pedro, n.° 4.

Vejam a importante casa

' de mais de 100:000

artigos quasi de graça.

: FREIRE-GRAVAOOR

M58-RUA 00 0UR0-164

Pegam catalogo grátis

Noticias de Coimbra de II de Fevereiro de 1911

A única Fabrica de

Carimbos completa

na Europa é a grande

casa Freire-Gravador,

premiada cora 3 medalhas de ouro

no Brazl), •« eom fabrica âe cha-

pas é lattras esmaltadas, cfllctnas

gráphtcas, etc., etc. Peçam catalo-

|go grátis eom preços lixos e desenhos

de toda. R. Oura. 1B8 & 161.

Tolopbnno 043.

Í

0 BARBEIRO EM CASA

A

s únicas machlnas

para fazer barba

sSo as registadas de Freire

Gravador, as quaos

, duram toda a vida, aflan-

[do-se sempre que seja

ireciso c por Isso barafIssimas,

em aço superior,

especial para esta

casa, fazendo aDarbaem

4 mlnutossem perigo nenhum.

Grande deposito ds todos estes arti-,

gos, 138 a 164. Rua do Ouro.—Casa de muitos

artigos. Freire Gravador. Peçam catalogas. .,

Typographia

sw No Freire»

Gravador impressos

feito»!

com arte e ; :nblomas

allogorlcos aos

commerclaotes (- industrtaes

cm bons papeis.

1000 bilhetes de

loja 800 rftls

SOCO faoturaS... i$'50

tOOO memoranduns

lOOOcnveloppes

cotnmeixlaes

100 bilhetes

bons de visita

® ® e ® ® ® ® ® ® ® ® ® »oni fabrico c de

todas as especies, taes eomo:

l*ão abiscoitado, bolacha.

Pão d'agua, liespanhol, para

todos os preços.

Pão de MO e »« réis o kilo.

Todo este pão é fabricado

com agua filtrada.

O estabelecimento pode

ser visitado por todas as pessoas

que assim o desejarem

vendo mesmo o fabrico do

pão.

Pão quente, de manhã, das

6 horas ao melo dia; e de

tarde das s em deante.

EMPREGADO

Offerece se com alguma pratica

commercial, para escriptorio ou cobrança.

Dá boas referencias e fiador.

Para^tratar: Tabacaria União —•

Sophia — Coimbra.

TRESPASSE

Em virtude da dissolução da sociedade

d'alquilaria que nesta cidade

grava sob a firma Soares & Garcia,

trespassa-se a antiga e acreditada

alquilaria Soares, sita á Avenida Navarro,

pelo seu proprietário Manuel

José da Costa Soares Júnior, não

poder estar á testa do mesmo estabelecimento.

Trata-se nesta cidade, com o proprietário

ou com o solicitador Francisco

Mendes Pimentel*

rilto DE

DE BACALHAU

TERRA MOVA

Importador directo, João P. A. Ferreira

Rua dos Bacalhoeiros

L I S B O A


Este oleo, o mais puro no seu genero,

recebido directamente da «Terra

Nova i e de inarca registada, é

vendido em garrafas de meio litrooitavo,

capsulas e avulso, aos pie,

cos de Lisboa.

Descontos convidativos para pharmacias

e drogarias.

Deposito em Coimbra :

Antonio Fernandes & Filho

RUA DO OORVO

ARREMATAÇÃO

(2." annuncio)

No dia 22 do corrente mez de

Janeiro pelas i i horas da manhã,

á porta do tribunal judicial

desta comarca e pelo processo

de execução que Manuel Antonio,

solteiro, proprietário, de

Bordado, move contra Adriano

Pama, casado, trabalhador, do

logar da Povoa, freguezia de

São Martinho do Bispo, que

corre seus termos pelo cartorio

do escrivão do quinto officio,

vae pela segunda vez á praça,

por metade do seu valor, e será

entregue a quem maior lanço

offerecer a propriedade seguinte:

Uma morada de casas terreas,

com cerrado e seu telheiro, curraes

e mais depcndencias, sita na

Senhora do Carmo, no logar da

Povoa, freguezia de São Martinho

do Bispo, avaliada em duzentos

e cincoenta mil réis e vae

á praça em cento e vinte e cinco

mil réis.

Verifiquei a exactidão.

®

O juiz de direito,

Oliveira Pires

TAGUS

1877—LISBOA Q

de em Lisboa

, 160-1. 1

E3

(3b

Rua da Allan

Efectua seguros terrestres sobre

prédios, mobílias, estabelecimentos

e fabricas.

Correspondente em Coimbra

José Joaquim da Silva Pereira

Praça do Oommroio,14, 1.°

AGUA DO BARREIRO

( B E I R A A I T A )

Estimula fortemente o appetíte;

cura radicalmente a anemia e chlorose,

as doenças do estomago facilitando

ao mesmo tempo a digestão;

purifica o sangue e., no período catamenial,

é infallivel reguladora das

funcções delicadas das senhoras.

Deposito em Coimbra.

Manuel Fernandes d Azevedo &. Comp. a

Praça 8 de Maio e Praça da Republica

ARMAZÉM

Arrenda-se um grande armazém

nos baixos do Collegio Mondego, no

Pateo da Inquisição.

Mede 3bo metros quadrados.

Para tratar: Diamantino Diniz Ferreira.

José Antunes (filho)

Professor da orquestra do extincto

Real Theatro de S. João d'Opera

Lyrica, do Porto, socio e musico

da Associação de Lisboa dos Músicos

Portugueses e professor de musica

no Collegio Ursulino, lecciona

sulfejo, rudimentos, bandolim, banjolim,

violão, violino, (rabeca), banjo,

piano, violoncello, contra basso, etc.

Toma parte em tudo que diga

respeito d musica. Grande archivo

de sexteto e orquestra. Compram-se

pianos.

Ikoiirador c prateador.

t.alvnniwação pelos mais

modernos processos.

Rua da Manutenção militar, n. u "

9 e 11 — Coimbra.

EMPREGADO

Individuo, casado, com o 5.° anno

dos lyceus, olíerece-se para escriptorio

ou outra collocação decente,

dando fiador. Não faz questão de

ordenado.

Para tratar nesta redacção.

TRIPA

Deposito da casa Anjos e C. 4

João Vieira da Silva Lima

LEI 00 INQUILINATO

Joaquim Albino Gabriel e Mello,

antigo solicitador encartado, encarrega

se da administração de prédios,

fazendo arrendamentos, recebendo

rendas e dar mensalmente para as

repartições de fazenda as respectivas

relações para evitar multas aos

senhorios, segundo a nova lei do

inquilinato.

A sua longa pratica de solicitador

e de serviços fazendarios, são prova

da sua competencia. Agencia muito

resumida.

Escriptorio, rua da Sophia, g3,

i.°, Coimbra.

CARNAVAL

Aviso aos srs. revendedores

para que não façam as suas

compras sem verem o importante

mostruário que recebeu o Pitta.

Grande deposito de confetti e

serpentinas. -

I!! Ninguém vende mais barato!!!

Remettem se catalogos a quem os

pedir a

Alberto Pitta - COIMBRA

(Pode ser chamado provisoriamente

pelo telephne n.° 266).

VENDE-SE

Um -piano horisontal, em muito

bom estado de conservação, proprio

para estudo.

Para ver e tratar na rua da Mathematica,

3i.

COMPRA DE CASA

Compra-se uma casa, que tenha

quintal. Não se deseja muito grande,

mas em bom local.

Carta fechada para esta redacção,

com as iniciaes J. G.

P

OSTAES ILLUSTRADOS-O que ha

de melhor e mais bonito, só tem a Tabacaria

União, Rua da Sophia, Coimbra

"NORWICH INI0N,,

Companhia Ingleza

de Seguros oontra fogo.

Estabelecida em Portugal em 1824

ESTA Companhia é a mais

antiga de Portugal, e devido

á sua pontualidade e honradez

é uma das que mais seguros possue

em Inglaterra e em Lisboa.

AGENTES EM PORTUGAL :

J a m e s Rawes A C.*

Rua dos Capellistas, 35

Correspondente em Coimbra

Antonio Fernandes & Filho — Rua

o Corvo.


ANNO IV QUARTA. FEIRA 25 DE JANEIRO DE 1911 NUMÉRO 549

iíoticias de Coimbra

Publica-se ás quartas feiras e sabbados F O L H L A - I I X T Z D I B Z P E I I X R I D E I S R T E Telephone n.° 351

PREÇO DA ASSIGNATURA

Anno, 2$>8oo ; Semestre, i #400 ; Trimestre, 700.

COM ESTAMPILHA : — Anno, 3#o6o ; Semestre, i#53o ;

Trimestre, 765. COLONIAS PORTUGUEZAS :—Anno, 3#o6o

réis. BRAZII., 3#53o réis.

PROTECÇÃO ÁS GREANCAS

E' pouco tudo quanto se faça

em beneficio das creanças, quer

ellas se encontrem abandonadas

por falta de pessoas de familia

que as sustentem e vigiem, quer

ellas sejam lançadas no caminho

que muitas vezes as leva ao vicio

e á perdição pelos proprios paes.

Em qualquer dos casos é sempre

triste, deplorável, a situação

dos menores desprotegidos da

sorte.

Não pôde deixar de despertar

em todos os corações bem formados

um sentimento de dôr, a

sorte desses pequenos seres que

vagueiam por essas ruas estendendo

as mãos á caridade

publica.

Quem ha que se não condôa,

nestas noites frias de inverno

rigoroso que vamos atravessando,

ao ver as creanças mal agasalhadas,

esqualidas, descalsas,

com o rosto a denunciar a fome e

a miséria que existem em suas

casas!

O quadro é dos mais tristes e

desoladores e daquelles que mais

devem merecer a consideração

das almas boas e generosas.

E' certo que não falta ao nosso

povo o sentimento da caridade

e que alguma cousa se tem feito

cm Portugal ácerca da assistência

publica.

Em Coimbra, por exemplo, temos

a Misericórdia e asylos para

velhos, enfermos e creanças pobres,

mas não chegam para tão

grande numero de infelizes que

deviam ser ali recebidos.

Sc houvesse casas de beneficência

bastantes, desappareceriam

das ruas da cidade esses

bandos de creanças que, principalmente

de noite, vagueiam por

ahi no peditorio compungido e

impertinente, Umas vezes porque

lhes falta em casa com que mitigar

a fome, e outras porque alguém

pretende explora-las,

aguardando todos os dias que

ellas lhe entrem em casa com o

desejado obulo.

Alguns jornaes noticiaram ha

dias terem ficado orphãs umas

pobres creanças a quem a cólera

do Funchal arrebatou os paes,

que eram pobres.

Foi o bastante para apparecerem

logo bemfcitores, expontaneamente,

a offerecer o seu obulo

em favor dessas infelizes. Quer

isto dizer que o bom povo portuguez

não é indifferente á sõrte

cruel que flagella os que mais

precisam.

Mas é sempre mau esperar

pelo dia d'ámanhã para dar remedio

a tanta desgraça. Deseja-

Iocendio e morte

Na loja n.° 36 da Couraça dos

Apostolos, manifestou-se no domingo

de tarde incêndio. Achavam-se

ali então uma pobre velha, cega,

Gestrudes de Jesus, e seu neto Manuel,

de 3 annos, filho de Antonio

M«ria>

X

Director e Administrador — JOÃO RIBEIRO ARROBAS O O O o o

O O O O O O Proprietários — João Ribeiro Arrobas e João Henriques


ríamos ver creados asylos bastantes

para receber os menores

que luctam com a miséria, e que

nem sequer comprehendem a penosa

situação em que se encontram.

Quereríamos que a assistência

publica não esquecesse as creanças

para não lhes faltar com o

pão e roupas nem com os cuidados

de educação, para delias

se poderem fazer cidadãos prestáveis

e úteis.

Uma creança acostumada a

esmolar desde tenra edade, adquire

facilmente o horror ao trabalho,

tornando-se viciosa e incorrigível.

A auctoridade prestaria um

grande serviço procurando indagar

se todas essas creanças que

andam por ahi estendendo as

mãos á caridade publica precisam

effectivamente de usar deste

meio para mitigar a fome e para

não lhes faltar o agasalho, ou se

algumas, como é voz corrente,

exercem esse mister obrigadas

pelos paes ou pelas mães, a quem

não faltam as condições de saúde

para ganhar os meios de subsistência.

Será isto uma grande obra de

saneamento moral.

Infelizmente ha muita pobreza

em Coimbra e dalguns casos temos

nós conhecimento que nos

inspiram a mais pungente comiseração.

Ainda hontem soubemos

que bem perto de nós se

debate no leito com uma doença

terrível e incurável um chefe de

familia que tem em volta de si a

viuva e tres filhos para os quaes

não pôde obter já os meios para

a sua parca alimentação. Mas

nenhuma dessas creanças se apresenta

nas ruas a implorar uma

esmola. Vale a essa desgraçada

familia o favor dos visinhos, que,

ainda que pouco e mesmo os que

mais precisam, a soccorrem todos

os dias.

E' uma situação deplorável e

insustentável. E' um quadro aterrador.

Mas emquanto estes vão tendo

quem lhes vá minorando a

sorte, quantos ha por ahi que

estão a debater-se com a miséria

que lhes arruina a existência e

lhes rouba a alegria do lar!

Não se esqueçam das creanças

aquelles a quem compete a

solução deste problema social e

os que pódem dar-lhes protecção.

Abram-lhes as portas dos asylos

e dê-se-lhes pão, conforto e

luz para o espirito.

E' uma grande obra de câridade

e beneficência.

A pobre creança ficou muito queimada,

tendo sido levada para o hospital,

onde falleceu no dia seguinte.

A infeliz cega também ficou com

as mãos muito queimadas, sendo

curada por alguns bombeiros.

A infeliz creança entretinha-se a

acender phosphoros quando se lançou

fogo á roupa da cama.

REDACÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TVPOGRAPHIA — Pateo da Inquisição, n.° 27.

Composto e impresso na typ. do NOTICIAS DE COIMBRA

D. Rosa Martins de Carvalho

Fez no ultimo domingo 5 annos

que falleceu nesta cidade a sr. 4 D.

Rosa Miranda Pinto Martins de Carvalho,

esposa amantíssima do illustre

general sr. Francisco Augusto

Martins de Caivalho.

Commemorando esta triste data,

desfolhamos sobre o seu ataúde uma

saudade orvalhada de sentidas lagrimas,

no cumprimento dum dever

de gratidão para com a memoria

dessa virtuosa senhora.

Dr. Angelo da Fonseca

Foi nomeado director geral de

instrucção superior o sr. dr. Angelo

da Fonseca, administrador dos hospitaes

da Universidade.

Congratulamo-nos com a nomeação

de s. ex. 1 para tão elevado

cargo.

Os inimigos da Universidade, os

que dizem que nella até faltam professores

competentes, não hão de

gostar que venham escolher no corpo

docente desse instituto funccionarios

para exercerem cargos dos

mais importantes, como é o de director

geral de instrucção superior.

E' mais uma prova da injustiça

com que os inimigos da Universidade

apreciam os professores deste

estabelecimento scientifico.

Decretos

O Diário do Governo publicou

os dois seguintes decretos relativos

á Universidade:

0 Governo Provisorio da Republica

Portugueza faz saber que

em nome da Republica, se decretou

para valer como lei o seguinte :

Artigo i.° E' supprimido o exame

de licenceatura na Universidade,

bem como o exame de conclusões

magnas, mais conhecido pela defeza

de these na sala dos capellos.

Art. 2. 0 O exame para se obter o

grau de doutor estará sujeito, no

emtanto, ás seguintes provas :

1 De uma dissertação impressa

sobre um ponto importante para a

sciencia da escolha do candidato;

2.* De um argumento de meia

hora sobre tres assumptos funda

mentaes para a respectiva sciencia,

sendo um delles da escolha do candidato,

de entre tres propostos pela

Faculdade.

Art. 3.° Os candidatos que já tenham

grau de licenciado apenas ficarão

sujeitos á defeza da dissertação

e á de uma matéria por elles

escolhida entre tres que lhes serão

apresentadas na própria occasião do

acto.

§ único. As trez matérias a que se

refere este artigo, e das quaes o candidato

terá de escolher uma no acto

do exame, serão tiradas de quinze

que estarão expostas na Secretaria

e Geraes da Universidade, com

quinze dias de antecedencia.

Art. 4. 0 Fica revogada a legislação

em contrario.

Determina-se, portanto, que a to

das as auctoridades a quem o conhecimento

e execução do presente

decreto com força de lei pertencer,

o cumpram e façam cumprir e guardar,

tão inteiramente como nelle se

contém.


O Governo Provisorio da Republica

Portugueza faz saber que

em nome da Republica, se decretou

para valer comó lei o seguinte:

Art. i. B E' extincto o culto religioso

na capella da Universidade de

Coimbra.

Art. 3.® Ao pessoal effectivo da

mesma capella são mantidos os seus

actuaes vencimentos e regalias, conforme

as condições expressas no

presente decreto.

Art. 3." O edifício da Capella c

considerado monumento nacional e

nelle se installará um «museu de

arte», ao qual ficarão desde já pertencendo

os objectos do thesouro

da mesma capella.

Art. 4. 0 A direcção desse museu

ficará a cargo do director do archivo

da Universidade, sem direito a qualquer

remuneração por esse serviço.

Art. 5.° O serviço da secretaria

do museu será confiado ao actual

capellão thesoureiro, com o venci

mento que ora percebe de 200$000

réis.

Art. 6.° O actual moço do orgão

ficará encarregado da guarda e limpeza

do museu, aula de musica e archivo,

com o vencimento annual de

i38.»ooo réis

Art. 7. 0 Aos actuaes copellães

alumnos são mantidas todas as dispensas

de propinas e sellos, que lhes

estavam garantidas pelo decreto de

i5 de Abril de 1845.

Art. 8." E' mantida a aula de musica,

que continuará a ser regida

pelo actual professor, com o vencimento

annual de 3ooaf>ooo réis.

Art. 9. 0 No orçamento privativo

da Universidade será incluída a verba

indispensável para as despezas

de installação do museu o expediente

do mesmo.

Art. 1 o.° Fica revogada a legislação

em contrario.

Determina-se, portanto, que todas

as auctoridades, a quem o conhecimento

e execução do presente decreto

com força de lei pertencer, o

cumpram e façam cumprir e guardar

tão inteiramente como nelle se

contém.

UNIVERSIDADE

Conferencias

O sr. dr. Costa Lobo, distincto

lente da Faculdade de Mathematica,

realisou no domingo á noite uma

conferencia na sala dos capellos,

que tinha numerosa assistência.

Presidiu o sr. reitor dr. Manuel

d'Arriaga.

O illustre professor principiou por

agradecer a s. ex. a ter-se lembrado

delle para conferente, manifestando

também o seu reconhecimento a todos

que ali se achavam para o ouvir.

A ideia das conferencias por pro

fessores e alumnos da Universidade

tivera-a elle também, congratulando-se

em ser este também o desejo

do illustre reitor. Quando estiver

concluído o palacio para o Club

Académico, pode o salão nobre, dessa

casa ser destinado a essas conferencias.

Referindo-se ás accusações que

se fazem á Universidade, diz serem

falsas. Elle tem tido occasião de

conversar com muitos professores

de escolas superiores de Lisboa e

Porto, e sempre lhes ouviu dizer

que os alumnos da Universidade vão

daqui bem preparados. Agradeceu

ao sr. dr. Julio Henriques, um dos

professores mais considerados deste

instituto, o seu brilhante artigo de

defeza da Universidade, muito especialmente

da sua faculdade.

Entrando depois na conferencia,

disse que o objecto delia era o Sol.

Sobre este interessante assumpto

se demorou s. ex. à quasi uma hora,

fallando dos pontos essenciaes que

mais téem merecido o estudo e

observações dos astronomos, desde

os tempos primitivos dos caldeus,

gregos, egypcios, índios e chinezes

que fizeram estudos muito apreciáveis

e de largo alcance para essas

épocas.

Referiu-se muito ao que se conseguiu

dos sábios no século 17. 0 sobre

distancia, densidade e reconhecimento

das manchas solares, eclipses, etc.;

as importantes observações feitas na

índia em 1868, riscas observadas no

PREÇO DAS PUBLICAÇÕES

Annuncios por linha 3o réis. Repetições 20 réis.

Communicados 5o réis a linha.

Os srs. assignantes téem 5o por cento de abatimento.

Editor: Alfredo Pessoa

espectro solar; a influencia do sol

sobre a terra e sua acção biologica,

phisica e até moral e intellectual na

humanidade; fallou do culto de certos

povos pelo Sol e dos resultados dos

congressos de astronomia solar que

téem sido realisados annualmente.

O sr. dr. Costa Lobo, que foi

saudado com uma grande salva de

palmas, não poude apresentar algumas

projecções luminosas, por desarranjo

na machina respectiva.

Hontem 5. a conferencia, ás 7 4 /í

horas da noite. Conferente o sr. João

Marques Ferreira da Costa, alumno

de direito.

Thema: Direitos políticos da mulher.

O conferente de hontem tratou o

assumpto com elevação e muitos

conhecimentos, merecendo as mais

lisongeiras referencias e justos applausos.

Principiando por descrever a Verdade,

fallou da educação feminina,

dizendo que a mulher caminha para

a liberdade, missão nobre e bella;

dá conta dalguns dados estatísticos

da baixa nupcial em alguns paizes

mais adeantados, o que attribuí á

differença de castas, ao falso conceito

que muitos fazem do casamento,

ao sentimento religioso, etc.

Existe uma grande desproporção

antre a população masculina e feminina.

Em Portugal, por exemplo,

por cada 1:000 homens ha 1:091

mulheres.

A mulher caminha a par do homem

e em alguns paizes algumas

até se lhe tem avantajado, como

acontece nos Estados Unidos.

Citou dados estatísticos para mostrar

o grande numero de mulheres

que em França exercem empregos

públicos com magníficos resultados,

fazendo neste ponto a apologia da

mulher para o exercício das funeções

politicas.

A mulher portugueza sabe soffrer

e amar — são estes os dois grandes

sentimentos que a dominam. Pena

é que os nossos políticos se tenham

esquecido tanto do sexo feminino,

para o qual muito pouco ha legislado.

No grande numero d'analphabetos

em Portugal contam se mais de

2 milhões de mulheres. Ha portanto

uma grande falta delias nas escolas

e a razão é também notar-se a falta

destas para ellas.

Nos paizes mais adeantados, na

França, Bélgica, Suissa e até no Japão,

existem escolas profissíonaes

só para mulheres.

Fazendo referencia a uma phrase

dum escriptor allemão em 1834, fez

uma bella invocação ás damas, aos

mestres e alumnos, para que trabalhem

todos pelo resurgimento da

Patria.

O académico sr. Marques da Costa

foi muito feliz na sua conferencia.

A 6.® conferencia é no dia 27.

Conferente o sr. dr. José áe Mattos

Sobral Cid.

Thema: A Faculdade de Medicina

desde a Reforma Pombalina até

á proclamação da Republica.

7. 1 conferencia, no dia 29. Conferente

o sr. dr. Anselmo Ferraz de

Carvalho.

Thema : Constituição interior do

Globo.

No dia a de fevereiro, encerramento

das conferencias e despedida

do actual reitor.

A hora marcada para estas conferencias

é ás 7 e meia da noite.

Promovido pelos estudantes da

Universidade naturaes das ilhas portuguezas,

vae realísar-se no Theatro

Avenida um sarau em beneficio

das creanças que no Funchal ficaram

orphãs em virtude dos paes

lhes terem fallecido victimados pela

cholera.

Bem merece toda a protecção

esta sympathica ideia,


Dr. Fernandes Gosta

Realisou-se no sabbado no magnifico

Hotel Avenida um jantar em

honra do sr. dr. Fernandes Costa,

offerecido pelos magistrados, advogados,

funccionarios judiciaes e solicitadores

desta comarca.

O banquete foi de 32 talheres,

sendo deslumbrante o aspecto da

sala pela profusão de luzes e flores,

decorrendo no meio da maior animação

e cordealidade.

O menu foi o seguinte:

Potage creme Laitius

Petits bouchés à la Diene

Medaillon de poisson Beray

Fileis de baeuj à la Doumont

Noix de veait financière

Galanline de chapon truffé

Chouxfleurs au gralin

Dindonneaux à la broche

Napolitain à la creme

Pàtisserie variée

Vins varies

Champagne et café

Ao loast foram feitos muitos brin

des ao nosso actual cônsul geral

no Brazil, sendo estes iniciados pelo

sr. dr. Oliveira Pit es, juiz da comarca,

que felicitou aquelle funccionario

pela sua illustração, intelligen

cia e honestidade, seguindo se na

mesma ordem de ideias os srs. dr.

Abilio d'Andrade, deleg ido do pro

curador da Republica; dr. K luardo

Vieira, como presidente da commissão

municipal; dr. Sousa Bastos, co

mo advogado presente mais antigo;

dr. Gaspar de Mattos, dr. José Alberto

dos Reis, dr. Antonio Leitão,

dr. Macario da Silva e dr. Agapito

Rodrigues, o escrivão Perdigão e o

sollicitador Arnaldo Ferreira.

O sr. dr. Fernandes Costa agradececeu

de forma enthusiastica e

commovente.

Houve também brindes especiaes

dirigidos aos srs. drs. Oliveira Pires,

Eduardo Vieira, Alberto dos

Reis e Sousa Bastos.

Durante o jantar tocou um sextetto

regido pelo sr. Luiz Macedo.

Sob proposta do sr. dr. Eduardo

Vieira, calorosamente apoiada, foi

enviado um telegramma ao presidente

do governo provisorio, felicitando-o

pela acertadíssima escolha

do sr. dr. Fernandes Costa para o

alto cargo de que foi recentemente

investido.

Caso triste

No domingo falleceu repentina*

mente em Cernache o sr. José Lucas

e poucos minutos depois morria

também sua esposa, realisando-se o

funeral dos dois no dia seguinte,«no

mesmo cortejo, a que concorreu

muita gente.

Eram Casados ha muitos annos,

deixando um único filho.

Grande parada cyclista

Já estão distribuídas por differentes

estabelecimentos de Coimbra as

listas para a inscripção dos concorrentes

á parada que se deve realisar

no dia 12 de Março proximo,

Folhetim do NOTICIAS DE COIMBRA

As pateadas d'outr'ora

A celebre bernarda de calcanhar

que ha dias fez andar em pulverosa

muitas das mais respeitáveis capaci

dades lyricas desta capital, sugeriume

a ideia de dizer alguma coisa ao

meu respeitável publico a respeito

do que foram as pateadas em Lis

boa, no tempo dos nossos paes.

Julgam taivez os tenros rebentões

da moderna geração, que os nossos

avós eram sujeitos muito comedidos

e tementes a Deus, incapazes de

arrancharem a uma troça qualquer,

e fazerem andar em bolandas os

empresários theatraes e os auctores

dramaticos! Pois enganam se. Os

nossos avós eram de peite do diabo!

Querem saber o que era uma pateada

em 1812?

Ouçam a descripção que delia faz

o sapientissimo e chistosissimo padre

José Agostinho de Macedo, no

seu magnifico folheto As pateadas no

theatro, hoje raro:

«Pateada, diz o padre, é um movimento

espontâneo nos pés, bordões,

cadeiras, taboas, assobios, feito

na plateia pelos senhores espectadores;

de que resulta uma assoada,

promovida pelo Sport Grupo Conimbricense.

Ha grande enthusiasmo. Já estão

muitos concorrentes inscriptos.

No proximo domingo realisa-se a

eleição dos corpos gerentes desta

collectividade.

FALLECIMENTOS

Depois dè atroz soifrimento falleceu

na noite de domingo o innocente

Antonio, filhinho querido do

nosso presado amigo sr. Manuel da

Cruz Canellas, e da sr. a D. Rosa Augusta

Canellas, estimados enfermeiros

do posto medico dos srs. drs.

Amante, Rosette e Armando.

A infeliz creança foi victima de

uma meningite, que em 8 dias, e

entre o maior soffrimento, poz termo

d sua vida que para todos que o

conheciam era tão querida.

Tomando parte na dor que neste

momento opprime o coração de seus

paes amantíssimos pela perda do

seu filhinho para quem fugiam todos

os affectos e carinhos, enviamos lhes

as nossas mais sinceras e sentidas

condolências.

O funeral da infeliz creança realisou-se

na segunda feira, sendo uma

verdadeira homenagem prestada ao

sr. Manuel Canellas e a sua dedicada

esposa, que contam nesta cidade as

maiores sympathias, devido não só

ao modo affavel que possuem no

desempenho das suas funcçÕes, como

pelas bellas qualidades de que

são dotados.

Sobre o pequeno athaúde foram

depostas muitos bouquels e coroas,

com as seguintes dedicatórias:

«Ao nosso sempre lembrado Antonio

— Ultimo beijo de teus paes.»

«Ao menino Antonio Canellas.

Virginia d'Assumpção.»

«Ultima saudade de Maria Justa

Vieira e Antonio Dias Vieira Machado

— Ao innocente Antoninho.»

«Ao Antoninho -- Um beijo da

sua creada Josephina.»

«Ao filhinho querido dos meus

padrinhos. Um beijo do Manuel.»

«Ultimo beijo da tua amiguinha

Manuela Maria Barreto.»

«Ao menino Antonio Canellas —

De Maria de Almeida Martinho.»

«De Joaquina Cruz e. seu filho

Abrahão Coelho — Ao menino Antoninho.»

«De Maria de Jesus Berarda —

Ao Antoninho Canellas.»

«Lagrimas e saudades — Das tuas

amiguinhas Anna Machado, Conceição

dos Santos, Ermelinda Branco

e Maria José.»

• «A' saudosa memoria do Antoninho

— Os empregados do Theatro

Avenida.»

«Ao Antoninho—Ultimo beijo da

ama Encarnação.»

«Ultimo beijo ao meu Antoninho

— De tua tia Maria da Cruz Canellas.»

«Ao seu querido Antonio — Com

profunda saudade José Augusto e

seus paes.»

«Maria da Luz Barroso da Veiga

açogaria, matinada e ingrezia confu

sa dada nas bochechas aos comicos,

para se lhes dizer, com toda a civi

iidade, que o que estão representando,

ou acabam de representar, é uma

completa parvoíce, uma manifesta

pouca vergonha, ou um solemne destempero.»

Que tal, ein? Que tal eram os ratões?

E dizem que a humanidade

progride ! Que grande peta !! Pode

haver progresso, quando o nervo do

enthusiasmo está cada vez mais

frouxo e a troça bravia resona a

bom resonar! Aquilio é que eram

portuguezes!

Havia por áquelles tempos, va

rias castas de pateadas que já hoje

se não conhecem. V. gr. A pateada

comprada, da qual o padre Macedo

nos falia assim:

«E' verdade que eu ouvia fallar

em pateada comprada... Stultus

ego: Dizia comigo, a pateada

dá-se, e se se dá como se compra t

Achava contradição; mus o que é a

imperícia e a ignorancia ! A politica

de uma pateada Comprada escapou

ás vistas calculantes de um Luchesini,

de um barão de Thugut! Eu

vou fallar delia Com aquella bocarra

redonda, de que as muzas fizeram

presente aos gregos poetas e professores.»

Depois conta-nos, o bom padre,

o que eram as emulações artísticas

naquellas saudosíssimas eras em

Noticias de Coimbra de II de Fevereiro de 1911

Leal Gonçalves— Offerece ao Antoninho.»

«Ao meu Antonito — Ultimo beijo

do teu amigo Custodio José Costa.»

«Ultimo adeus do amigo Manuel

Marques — Ao Antonio Canellas.»

«Ao Antoninho em prova de muita

saudade —Offerecem Isaura Assumpção

Carvalho Lobo e Marianna da

Natividade Lobo »

«Um beijo ao seu Antonito — De

Joaquim Cardoso Marques.»

«Ao Antonito Canellas — De Alice

Ferraz da Cruz Amante.»

«Ao seu amigo Antoninho—Augusto

Duarte da Cunha.»

«O ultimo beijo dos seus amiguinhos

Joaquina Cardosa Marques Pereira

e José Marques Pereira.»

«Ao seu nunca esquecido sobrinho

e afilhado Antonito — Angelina

Augusta Cabral »

«Ultimo beijo—Ao meu Antonio,

offerece Maria, Laura dos Reis.

Dois ramos de flores de Maria

Florinda da Costa. «Ao seu querido

Antonito.»

Uma rosa branca de Isabel Machado.

Um amor perfeito. «Ao seu querido

Antonito — Leonor Campos.»

Palma de martyrios de Virginia

de Carvalho.

A chave do caixão foi levada pelo

sr. José Marques Pereira.

O cadaver que ficou depositado no

jazigo de familia do sr. dr. Luiz

Rosette, em Santo Antonio dos Olivaes,

foi conduzido em, um coche

dourado seguido de muitos trens

com pessoas que acompanharam á

ultima morada a saudosa creancinha.

O funeral foi feito pelo sr. Jorge

da Silveira Moraes.

Também falleceu o menino Mário,

dilecto filho do estimado typographo

sr. Antonio Borges de Mello.

Avaliando a sua grande dor pela

perda do seu filhinho querido, enviamos-lhe

a expressão do nosso pezar.

Espectáculo

Com a inauguração dum novo grupo

realisou-se no domingo no theatro

dos Bombeiros Voluntários um

espectáculo que decorreu muito animado.

subindo á scena o drama militar

O filho da Republica, sendo os

interpretes muito applaudidos, pois

desempenharam muito regularmente

os seus papeis.

Agradecemos o convite.

Exoneração

A sr. a D. Izilda Affonso do Patrocínio

requereu a exoneração de

professora ajudante da escola central

de Santa Cruz.

Principiaram já os ensaios para a

recita dos quintanistas.

A peça intitula-se Forte Venit e

tem 3 actos.

que duas actrizes rivaes se descompunham

e jogavam até o socco nas

bochechas do contra-regra; resultando

dessas inqualificáveis Iuctas

artístico dramaticos a pateada comprada!

Nas noites de pateada com

prada o salão de theatro apresentava

o aspecto de um campo de batalha,

ou da porta de uma egreja,

em dia de eleições... Os chefes

passavam revista aos seus subordi

nados, que entravam depois aos

poucos e misturados para a plateia,

e depois os caudilhos iam observar

a firmeza de suas tropas formadas

em escalões ao longo dos bancos.

O aspecto era medonho. Quando

havia ordem de carregar, a bomba

rebentava e agora o verás! «A batalha

de Trafalgar, diz o padre,

descrevendo uma memorável pateada

comprada, o bramido, das ondas,

o berro dos canhões, a buzina de

Mozzarredo e o godéme dos bre

tões, a explosão dei Médio mundo

e de la Trinidad, a palavra ouverbo

auxiliar a toda a hora prompto na

bocca dos hespanhoes (hoje com

efteito homens honrados!) os gritos

da Maria Pinheira, que estava escrevendo

em um beliche da ré a

favor dos sebastianistas, tudo isto e

o mais que a imaginação mais ardente

se pôde fingir, foi menos que

as primeiras descargas dos dois espalhados

batalhões numero tal e

tal,

Écos DA SOCIEDADE

Foi visitado pelo sr. Bispo Conde, o reverendo

parocho da freguezia de Santa

Cruz, sr. José Mendes Saraiva, que conti

nua doente.

Acha-se enfermo, com doença de cuidado,

o nosso amigo sr. Antonio Francisco

do Valle, thesoureiro da Misericórdia.

Também se acha gravemente doente o

sr. Plinio Martins, ourives desta cidade.

Tem obtido consideráveis melhoras o

sr. dr. Alberto Navarro, de Condeixa,

cunhado do sr. ministro das finanças.

Na egreja da Sé Velha foi celebrado o

consorcio do sr. José das Neves Silva Carneiro,

director superior da alfandega de

Lourenço Marques, com a sr." D. Maria de

La Salete Castro Neves e Silva, filha do

antigo escrivão de direito desta comarca,

sr. José Norberto das Neves.

Passa um pouco encommodado o meretissimo

juiz desta comarca sr. dr. Oliveira

Pires.

Acha-se em Lisboa, com pouca demora,

o sr. dr. Marnoco e Sousa.

S. ex. a foi ali tratar da organisação dos

pontos para o concurso para a vaga de

professor da cadeira de Economia Politica,

na Escola Polytechnica.

O sr. dr. Marnoco e Sousa é um dos

membros do jury.

Descanso semanal

Foi distribuído nesta cidade o seguinte

aviso:

Previne se o commercio desta cidade

de que as modificações feitas

á lei do descanso semanal só come

çam a vigorar em Coimbra e nas

demais terras da província i5 dias

depois de ter sido feita a regulamentação

para Lisboa. (§ 6.° do art.

7 do decreto de 9 de Janeiro de

1911).

A regulamentação, não só para

Coimbra como para as demais terras

da província, pertence ás Camaras

municipaes, de accordo com as

associações respectivas e ouvidos os

presidentes das juntas de parochia,

e será baseada tanto quanto possível

no regulamento que para o concelho

de Lisboa fôr elaborado. (Art.

7 e § i.° do decreto de 9 de Janeiro

de 1911).

Assim, pois, até que seja feita a

nova regulamentação, continua em

vigor a existente.

Coimbra, 21 de Janeiro de 1911.

A commissão de vigilancia.

#

Telegramma

Ao ex. m0 ministro do interior. —

Lisboa.

O pensamento do legislador estabelecendo

a obrigatoriedade do encerramento

dos estabelecimentos,

embora não esteja expresso em ne-

A balbúrdia foi tanta que o emprezario,

mais morto que vivo, teve

de deitar a cabeça de fóra da gaiola

do ponto e bradar: «Digam os senhores

o que querem para se acabar

o divertimento desta infeliz noite

? Ponham ahi o Tartufo, respondeu

uma voz.»

«Então a o:chestra mais desassombrada,

abrindo as caixas das

sanfonas, tocou o minuete da embaixada,

com que tudo se aquietou

alguma coisa !»

Ahi está o que era uma pateada

comprada, no anno de 1812. Vejam

e pasmem !

Falla-nos tamberri o padre Lagosta—

era assim a sua alcunha —

da pateada real, a qual caiu com o

absolutismo— pois o systema cons

titucional não admitte pateadas

reaes! e da pateada redonda, que

era quasi a mesma coisa. «A paleada

redonda, diz elle, é pachorrenta,

espera a consumação da peça ;

é terrível sim, nos seus symptomas,

mas não é apressada a sua crise: a

pateada real tem mais fogo e impaciência.

Na proximidade de uma

pateada real, até caem sem ningtrem

lhes mecher, os cartazes das

esquinas, como envergonhados de

terem anmtnciado a peça. Dias antes,

chega a levantar o papel moeda

pela influencia dos que querem

comprar bambús na fórma da lei.

Começâ de ser objecto das mais se-

nhum artigo da lei, deduz-se claramente

da disposição do n.° 2 do §

i.° do art. 2. 0 do decreto de 9 do

corrente, o que é justo, e assim os

abaixo assignados, commerciantes

de Coimbra, condemnam os pedidos

que em sentido contrario téem

sido dirigidos a v. ex. a e pedem que

a lei seja modificada estabelecendo

a obrigatoriedade do encerramento

ao domingo em todo o paiz.

A disposição que auctorisa as Camaras

a permittir o encerramento

em dias diversos, tem inconvenientes

graves que o superior espirito

de v. ex. a deve ponderar.

Alberto Duarte Areosa

Hermínio Bernardo Loureiro

Abilio Lagoas

Ricardo Pereira da Silva

João Cerveira Nunes

Francisco Villaça da Fonseca

Antonio da Silva Braga

Manuel Joaquim Villaça

Viuva de Jeronymo José Pereira,

Filho

Manuel Paes da Silva

Francisco Rodrigues da Cunha Lucas

Manuel Neves Barata

Antonio Augusto Neves

José Sebastião d'Almeida

Florêncio dos Santos Ribeiro

Antonio Marques Seabra

José Teixeira

Antonio Francisco de Brito

Bernardino Carvalho

Pereira d'Almeida

Adelino Ferreira Matheus

Guimarães & Lobo

Manuel Villaça da Fonseca

Joaquim Maria Martins, successores

Manuel Ferreira Matheus

Dantas Guimafôes

Joaquim Mendes Macedo

Bento Carlos da Fonseca

Francisco Borges

José Barriga Cerveira

José d'Almeidá Teixeira

Luiz d'Almeida Júnior

José Maria Teixeira Fânzeres

Roque d'Almeida Mariano

José das Neves Carneiro

Manuel Simões

Ventura Baptista d'Almeida

Augusto dos Santos Gonçalves, successor

José Henriques Pedro

Luiz Augusto Teixeira

Augusto d'Almeida

Zacharias Neves

João Mendes

Joaquim Pessoa

Ernesto Ferreira Lopes

Ernesto Lopes de Moraes

Antonio Marques da Silva Eloy

Jayme Lopes Lobo

Augusto da Silva Fonseca.

Snllragios

A sr. a D. Julia de Paiva Telles de

Vasconcellos mandou rezar na Capella

da Tocha, em Monte São, no

dia 23 do corrente, duas missas, uma

suffragando a alma de sua saudosa

prima e madrinha, a sr. 1 D. Maria

da Piedade Machado, e a outra por

alma do seu inolvidável e chorado

marido, o sr. Elisio Telles de Vasconcellos.

rias conversações geraes pelos botequins.

Pinta se com cores palidas

a consternação e o assombro pelos

focinhos dos comicos ; todos sabem,

todos esperam o golpe da desgraça

imminente. Noites antes, os mesmos

entes brutos e insensíveis do theatro

dão funestos presagios do proximo

terremoto; o cão do ponto

uiva desconformemente; não ha

agua raz que baste a fazer pegar e

acenderem-se as velas de cebo, que,

depois de grandes esmorramentos,

dão uma luz sepulchral e moribunda.

O poeta do theatro fica em casa

iom repentinas câmaras. O carpinteiro

machinista, atonito com os

symptomas da futura conflagração

geral, engana se e se ha de puchar

um bastidor de vista, da fachada

do mal cosinhado, pucha o bastidor

dos tumulòs de Verona, e a primeira

cantatriz, se ha de empurrar

a cavatina de Mironton, engrola a

ultima aria de Julieta a expirar nos

braços de Romeo! Estes são, para

fallar investigadoramente, os avancoureurs

da pateada real, ultima

desgraça da empreza dramática, e

que pelas suas complicadíssimas

circumstancias, não entra na classe

dos acontecimentos vulgares, na

grande historia do mundo!»

(Continua).


Estudantes de medicina

.. .Sr. redactor

O Avante, semanario de Estudantes

Portuguezes, com séde em

Lisboa, publicou em o n.° 7 um artigo

meu, em resposta a outro que,

sob o titulo — O protesto dos Estudantes

da Faculdade de Medicina

de Coimbra, já tinha publicado em

2 5 de Dezembro proximo passado.

Ora como a referida prosa vem

publicada com ligeiras modificações

que lhe alteram o sentido, e truncada

em phrases que eu reputo fundamentaes

para a justa apreciação

do meu pensamento, peço a v...

um logar modesto no seu apreciado

jornal, para a publicação do referido

artigo, tal qual o escrevi.

De v... etc.

José da Silva Neves

0 protesto dos estudantes da

Faculdade de Medicina de

Coimbra

E' sempre deveras penoso defron

tar companheiros de lucta pela mes

ma causa, sobretudo quando, como

no actual momento, essa causa

grandiosa e unanimemente sympathica—o

aperfeiçoamento da instrucção.

Constrange-nos por isso vir a

publico anaíysar e retutar a apreciação

feita, no jornal A 'vante, ao

protesto convite que os alumnos da

Faculdade de Medicina lançaram aos

seus collegas de Lisboa e Porto.

Antes de tudo, é profusamente

lamentavel que o Avante, fundado

e arvorado em defensor do aperfeiçoamento

do ensino em Portugal,

tomasse para nós, collaboradores no

seu ideal, uma attitude hostil tratando

em estylo chocarreiro, e repassado

d'ironia, um assumpto d'im

portancia capital.

Parece-nos que o caminho mais

sensato a trilhar nestas questões é o

da maxima correcção e grande au

ctoridade, a par da verdade absoluta

produzindo convicções.

A moção aprovada pelos alumnos

da Faculdade de Medicina, nem de

fende os seus mestres, nem preconisa

a superioridade da escola de

Coimbra.

Protesta, sim, contra as accusações

abstractas feitas ao seu ensino,

e convida os que se arvoram em

juizes, a conhecerem o corpo de de

íicto para depois imparcialmente ou

absolverem ou condemnarem mas

com conhecimento de causa. Foi

isto e nada mais que se teve em

mira, porque insinuar, accusar vagamente

nada ha mais fácil.

Quando, de quê e onde é que os

estudantes da Faculdade de Medicina

accusaram os seus collegas de

de Lisboa e Porto ?

Ainda bem que o A 'vante, classificando

de injustas essas imaginarias

accusações, declara não ter procuração

dos estudantes de Lisboa para

os defender; e ainda bem, porque

seria absurdo e até contraproducente,

quererem defender o ensino medico

da Escola de Lisboa com a

existencia de laboratórios, clinicas e

Consultorios que nada tem que ver

com a educação profissional que o

estado tem o dever de ministrar.

Pois o que se debate actualmente?

E' ou não o ensino official, as suas

condições, insufficiencia, orientação

e competencia do professorado?

Doutra maneira, levados pelo raciocínio,

nada ha a exigir em favor

do ensino medico em Portugal, por

quanto os que quizerem aprender,

aproveitam ainda mais que em Lisboa,

frequentando as clinicas de

Pozzi, Bier, Albarran, Lejars, Faure,

Eiselsberg e tantos outros. E'

uma questão de dinheiro e boa vontade.

E' o que se deprehende da

Erosa que vimos analysando. E em

isboa assim é

Não faltam ahi especialidades e

clinicas particulares. Já assim o dizia

o governo no Diário «pondo emfim

termo á velha pobreza de um

estabelecimento que se via tão mal

dotado de apetrechamento necessário

para a technica didactica

«Por um esforço espontâneo da

Classe medica se introduziram ha

muito entre nós essas especialidades,

algumas das quaes se indivi-

dualisaram já nos serviços hospita

lares.

Importa agora que se integrem

abertamente no ensino official, de

modo a preencher a lacuna tantas

vezes notada na habilitação geral de

um clinico, e que por outro lado

sirvam de aljofre nacional a futuros

especialistas.»

De resto, a deficiencia do ensino

official é grande nas tres escolas.

«Se Coimbra tem difíiculdades

hospitalares, Lisboa está hoje pouco

mais ou menos nas mesmas condições

em que ha vinte annos se encontrava

o Porto

A escola daquella cidade (Porto)

padecia de mal tão grave e tão fun

do que se dizia incurável

Mas o que importa ser aqui apre

ciado é a situação difficil em que a

escola se encontra hoje para o seu

ensino clinico. Tendo junto a si um

hospital com centenas de doentes,

vê-se a todo o momento a braços

com dificuldades.

Já aqui alguma coisa dissemos

desta situação deplorável.

O remedio procura-o a escola, em

caminho parecido com o que a fa

culdade de Coimbra parece desejar,

e consegui lo ha, porque entre satisfação

duma necessidade publica

e o voluntarioso querer duma auctoridade

não ha espirito imparcial que

possa hesitar. Ultimamente as coi

sas ainda se aggravaram. Já não é

só o doente, é também o cadaver....

O caso é que a escola de Lisboa

atravessa uma verdadeira crise e o

seu futuro está cheio d'ameaças. As

coisas apparecem como se uma vasta

rede se estivesse lançando sobre

ella. Nem doentes nem cadaveres,

ou antes, para a verdade Iitteral,

doentes poucos, difficeis d'aprovei

tar, cadaveres pouquíssimos, ainda

mais difficeis de arrancar.

Para o futuro ainda peor. Está se

fazendo, annexo ao hospital, um

instituto anatomo pathologico, que,

nas circunstancias actuaes, tem uma

tal ou qual apparencia de escola

medica rival. O que será da que

hoje existe quando a sua competidora

entrar na actividade aspiratoria

dos cadaveres do hospital? Terá de

fechar as portas ou que ensinar anatomia

e clinica em bonecos de pasta.

A Escola Medica de Lisboa arrazada!

Talvez um ideal!...

Ora esperemos que antes disso

venha algum terramoto que faça arrasamento

menos damnoso».

Assim se exprimiu o saudoso professor

Bombarda no editorial da

Medicina Contemporânea de 24 de

Abril proximo passado, sobre a Escola

de Lisboa.

Felizmente para nós todos, as esperanças

do insigne mestre realisaram-se

na manhã de 5 d'Outubro.

Liquidem-se, pois, uma vez para

sempre as questões suscitadas, promova-se

a confraternisação das escolas

do paiz e teremos assim conseguido

uma obra altamente moralisadora.

José da Silva Neves

Alumno do 4.° anno medico em Coimbra

Conferencia

A convite do director do Collegio

Mondego, efíectua em 5 de Fevereiro

neste estabelecimento uma conferencia

o illustre pedagogista sr.

dr. João de Deus Ramos, subordinada

ao thema: A tradição jesuítica

em Portugal. Vantagens da inicia

tiva particular.

Partido republicano

Sempre se realisa no dia 3i do

corrente a excursão dos republicanos

de Coimbra ao Porto.

O Centro académico republicano

resolveu já tomar parte nessa mani

festação politica e convidar para ella

o reitor e lentes republicanos.

O mesmo Centro vae publicar um

manifesto ao paiz e mandar fazer

uma bandeira.

Mais resolveu protestar contra a

nomeação dos monarchicos srs. Arthur

Fevereiro e Cardoso de Menezes

para o Tribunal Administrativo

e contra a condemnação do professor

japonez Kotoku, sua mulher e

mais dez anarchistas, que hontem

foram justiçados em Tockio por tentarem

contra a vida do imperador

do Japão.

Noticias de Coimbra de II de Fevereiro de 1911

Minha filha 1

Albertina, de 6 annos de

edade, soffria de lymphatismo.

Não vendo allivio

algum para a sua moléstia

nos outros preparados

que lhe ministrei,

resolvi-me, por conselho

de um medico distincto a

dar-lhe a Emulsão de

Scott, e esta, dentro de

poucos mezes deu tão

magníficos resultados que

ella se encontra completamente

restabelecida.

Testemunho de MANOEL AUGUSTO PINTO, da rua

Rocha Pereira, 24,Villa Nova de Gaia, em 13 de Agosto

de 1909.

Porque é que os médicos mais eminentes

persistem em receitar a Emulsão de Scott

para o tratamento do lymphatismo ? Porque

a expenencia, em casos repetidos,

tem mostrado que a Emulsão de Scott

sempre cura o lymphaúsmo, e porque

sabem que esta virtude i;;fa!livel é devida

aos ingredientes poderosíssimos empregados

sempre no fabrico

EMULSÃO DE

COTT

pelo processo especial de Scott.

Quando pedirdes o preparado de Scott,

não acceiteis emulsão alguma que não seja

a d: Scott. As outras são fracas e inteiramente

inúteis para acuradolymphatismo.

NOTA : Apezar do Imposto de Sello de 50 reis po

cada frasco, todas as Pharmacias e Drogarias

vendem a Kinulsão de SCOTT aos preços antigos,

a sajei' : 500 reis meio frasco e 900 reis frasco

granic.

AMOJTKA. (ratuita, contra 200 reis para franquia,

obtem-st! dos Snrs James Casseis & Cia., Succs., Rua

do Mousinho da Silveira, 85, 1°, Porto.

Exibir sempre a Emulsão com a marca — o homem

do peixe — que significa o processo Scott,

"0 Académico„

e os ex-seminaristas

Quem ler um artigo publicado no

n.° 2 d 'O Académico intitulado Ideias

dos Seminaristas ficará, talvez convencido

de que é verdade tudo

quanto nelle se diz.

E' por isso que eu, ex-seminarista,

venho publicamente defender os

meus collegas e a mim proprio, das

falsas accusações que nos são dirigidas

nesse artigo, por gente, que,

sem critério e sem conhecer a orga

nisação do ensino nos seminários,

pretende aviltar-nos simplesmente

porque queremos que se nos faça

justiça.

Noção de justiça não tem quem

diz que a pretensão de revalidação

do nosso curso por que ha tempo

vimos luctando é injusta, allegando

falsamente a insufficiencia dos nossos

conhecimentos litterarios, para

comprovar a sua affirmação. E' a

isto que visa o alludido artigo ; e é

para provar a falsidade desta affirmação

que eu roubo aos leitores do

Noticias de Coimbra um bocadinho

de espaço.

Depois de varias affirmaçÕes referentes

aos seminaristas, vem com

esta o auctor do citado artigo: Patria

?! Não a tinham! Nem téem!

Já viram maior insulto ? Isto não

merece uma resposta. Comtudo direi

ao auctor do artigo já que elle

mostra conhecer a biblia: Bem aventurados

os pobres de espirito...

Mas, pondo de parte esta e ou-

TRADUGÇAO

DO

ENGLISH READING BOOK

POR

(Diamantino §iniz $erreua

-3®C-

^ i ^ E Ç J O B O O ZEÒIÉXS

tras calumnias do mesmo calibre,

vamos ao ponto culminante do artigo.

Diz assim: «Homens que conti

nuadamente estão encerrados nos

seminários, educados segundo uma

crença donde não podem fugir, co

mo se pôde comprehender que tenham

uma educação litteraria sufficiente

para se compararem aos alu

mnos do 7. 0 anno dos Lyceus ? Só

estudam por livros que pódem expli

car os factos, segundo uma maneira

religiosa, mas muito longe da verdade,

como é costume».

Ora vejam que argumento! Affirmar,

mentir e nada mais. E chama

nos hypocritas e sotainas! Isto é que

é hypocrisia ; isto é que é de sotaina.

Diz o auctor do artigo que nos só

estudamos por livros que pódem explicar

os factos duma maneira re

ligiosa muito longe da verdade.

Pois olhe, meu caro amigo, no

Seminário de Coimbra, que frequentei

durante 7 annos, estudava

se: Na cadeira de portuguez a

grammatica de Vasconcelloz e a selecta

de J. Brandão; na de francez

a grammatica de C. Cabral e a selecta

de Teixeira Botelho; na de

sciencias naturaes a phisica de Ri

beiro Nobre, chimica de Sousa Gomez,

zoologia de Bernardo Ayres,

botanica de Pereira Coutinho e geologia

de G. Guimarães, e assim em

todas as outras cadeiras, á excepção

das de philosohphia, historia e

geographia em que não eram adoptados

os mesmos livros que nos

íyceus. Mas, á excepção destas tres

em todas as outras se davam os

mesmos livros que nos lyceus. Ora,

isto o que quer dizer? Quer dizer

que O Académico mente descaradamente.

Então, senhor Académico, os livros

citados e outros que poderia

citar são os livros que só pódem ex

plicar os factos duma maneira religiosa

muito longe da verdade ?

Mas, s. ex.\ estuda por elles, e

comtudo s. ex. A não explica os factos

duma maneira religiosa muito

longe da verdade!

Oh sempre a mentira ! E nós é

que somos sotainas!

Pelo que respeita á nossa educa

ção litteraria, eu e os meus collegas

com o curso preparatório completo,

não temos receio algum de nos su

geitarmos a uma prova publica da

nossa competencia. Mas, dir-se ha,

então porque não querem sugeitarse

a ella, e pedem a revalidação do

seu curso ? A resposta é simples. E'

porque não sendo, como julgo ter

demonstrado, a nossa educação litteraria

inferior á do nosso Académico,

não é justo que se nos negue

o que pedimos, e mesmo s. ex. a não

acharia justo que passando deste

para outro Lyceu, ahi lhe exigissem

provas publicas de matérias de que

apresentava documentos arranjados

como cada um quer pensar.

E, finalmente, porque a maior

parte dos ex seminaristas depois de

terem gasto centenas de mil réis

para tirar o curso preparatório dos

seminários, não pôde gastar outro

tanto para tirar o dos lyceus.

Basta. Mas creia o meu amigo que

me encontrará sempre prompto a

defender a minha dignidade e a dos

meus collegas, quando ella for injusta

e mentirosamente rebaixada

por falsas accusações como estas.

Que os leitores do Noticias de

Coimbra me perdoem esta desafronta,

mas a minha dignidade e o

meu caracter não me permittiam

que me calasse á vista de semelhante

accusação.

Um ex seminarista.

Contribuições

Í O sr. presidente da Associação

| Commercial entregou hoje ao illustre

governador civil deste districto

uma petição para que seja prorogado

até ao fim de Março o prazo para

o pagamento voluntário das contribuições

do Estado.

Achamos de toda a justiça a annuencia

a este pedido, que é fundamentado

em considerações dignas

de ser attendivel.

As Gottas Concentrada» de

FERRO BRAVAIS

• ao o remedio mais «facas contra

Em todas Ph" e Drofi". Desconfiar das imitações

Foi absolvido o tenente Djalme

hontem submettido a novo julgamento

em Paredes.

Está em cobrança a côngrua parochial

da freguezia de Santa Cruz.

—•

Declarou se em gréve todo o pessoal

menor das fabricas de lanifícios

da Covilhã.

EXPEDIENTE

Os preços das publicações feitas nesta

folha sào:

Commnnicados 50 réis a linha.

Reclames na V pagina 50 réis.

Annuncios na 3. a e pagina 30 réis

a primeira yez, e 20 réis as repetições.

Os srs. asslgnantes téem 50 °/0 de

abatimento em todas as publicações.

Annuncios permanentes contracto es-

Aos srs. annnnciantes pedimos a alta

fineza de indicarem nos originaes o numero

de publicações que desejam.

A ADMINISTRAÇÃO.

XAROPE FAMEL

eu TODAS Al PHARMACIAS ou no OCKIITO flf/ML í

16, RUA doa SAPATEIROS — LISBOA.

MANCO DI POBTI COMPRANDO DOIS NUtCO«

Fonographos-Pathé

Vendem-se dois com algumas musicas.

Preço: 6®>ooo réis e io»ooo

réis. Rua da Manutenção Militar,

n.° 9 e u, Coimbra.

DINHEIRO

Empresta-se a juro sobre hypotheca

i :6oo.J>ooo réis, preferindo no

concelho de Coimbra. Nests redacção

se dão informações.


José Antunes (filho)

Professor da orquestra do extincto

Real Theatro de S. João d'Opera

Lyrica, do Porto, socio e musico

da Associação de Lisboa dos Músicos

Portugueses e professor de musica

no Collegio Ursulino, lecciona

sulfejo, rudimentos, bandolim, banjolim,

violão, violino, (rabéca), banjo,

piano, violoncello, contra basso, etc.

Toma parte em tudo que diga

respeito á musica. Grande archivo

de sexteto e orquestra. Compram-se

pianos.

Donrador e prateador.

Galvanização pelos uials

modernos processos.

Rua da Manutenção militar, n. 08

9 e 11 — Coimbra.

CARNAVAL

Aviso aos srs. revendedores

para que não façam as suas

compras sem verem o importante

mostruário que recebeu o Pitta.

Grande deposito de confetti e

ser pentinas.

!!! Ninguém vende mais hanlo!!!

Remettem se catalogos a quem os

pedir a

Alberto Pitta - COIMBRA

(Pode ser chamado provisoriamente

pelo telephne n." 266).

V E N D E - S E

Um piano horisontal, cm muito

bom estado de conservação, proprio

para estudo.

Para ver e tratar na rua da Mathematica,

3 1.

COMPRA DE CASA

Compra-se uma casa, que tenha

quintal. Não se deseja muito grande,

mas em bom local.

Carta fechada para esta redacção,

com as iniciaes J. G.

OLEO PURO M FÍGADO

M BACALHAU

TERRA MOVA

Importador directo, João P. A. Ferreira

Rua dos Bacalhoeiros

L I S B O A

, Este oleo, o mais puro no seu genero,

recebido directamente da «Terra

Nova » e de marca registada, é

vendido em garrafas de meio litrooitavo,

capsulas e avulso, aos pre,

ços de Lisboa.

Descontos convidativos para pharmacias

e drogarias.

Deposito em Coimbra:

Antonio Fernandes & Filho

RUA DO OORVO

QUITA DAS FONTES

NA

M E A L H A D A

Vende-se esta quinta que comprehende

cerca de 320:000 metros quadrados

de terreno com grande olival,

pomar, terra de horta, pinhaes

e casa grande de habitação e cocheira.

Para informações, na Mealhada,

Alvaro Rodrigues Breda.

Em Coimbra, José Augusto Pereira

de Vasconcellos, no cartotio

do dr. Vieira, rua da Sophia, 53.

"TRESPASSE

Em virtude da dissolução da sociedade

d'alquilaria que nesta cidade

grava sob a firma Soares & Garcia,

trespassa-se a antiga e acreditada

alquilaria Soares, sita á Avenida Navarro,

pelo seu proprietário Manuel

José da Costa Soares Júnior, não

poder estar á testa do mesmo estabelecimento.

Trata-se nesta cidade, com o proprietário

ou com o solicitador Françisco

Mendes Pimentel.j

Noticias de Coimbra de II de Fevereiro de 1911

AGUA DO BARREIRO»* M * k W i t W j & i W é t è í W è

(BEIRA ALTA)

Estimula fortemente o appetíte;

cura radicalmente a anemia e chlorose,

as doenças do estomago facilitando

ao mesmo tempo a digestão;

purifica o sangue e., no periodo catamenial,

é infallivel reguladora das

funcçôes delicadas das senhoras.

Deposito em Coimbra.

Manuel Fernandes d Azevedo & Comp. a

Praça 8 de Maio e Praça da Republica

PADARIA POPULAR

(Antiga padaria do sr. Ignacio Miranda;

12 —Largo da Freiria—13

Manuel Rodrigues da Bella

«fc Irmão, proprietários desta

acreditada e antiga padaria,

previnem o publico e os

seus estimados fregueses

que no iutuito de l»cm o*

servir tem ua referida padaria

pão de Imiui fabrico c de

todas as especies, taes como:

l*ão abiscoitado, holaelia.

I»fu> «Paglia. Iiewpauhul, para

todos os preços.

l»ão de NO e «O réis o kilo.

Todo este pão é fabricado

com agua Qltrada.

O estabelecimento pode

ser visitado por todas as pessoas

que assim o desejarem

veodo mesmo o fabrico do

pão.

Pão queute, de mauliâ, das

B horas ao melo dia; e de

tarde das » em deanle.

"Collegio Portaguez,,

Praça da Republica

(Antigo Largo D. Lui\, n.° 32)

COIMBRA

Recebem-se, a partir de i de Janeiro

de 1911, educandas internas,

semi-internas e externas.

LEI DO INQUILINATO

Joaquim Albino Gabriel e Mello,

antigo solicitador encartado, encar

rega-se da administração de prédios,

fazendo arrendamentos, recebendo

rendas e dar mensalmente para as

repartições de fazenda as respecti

vas relações para evitar multas aos

senhorios, segundo a nova lei do

inquilinato.

A sua longa pratica de solicitador

e de serviços fazendarios, são prova

da sua competencia. Agencia muito

resumida.

Escriptorio, rua da Sophia, g3,

i.°, Coimbra.

EMPREGADO

Individuo, casado, com o 5.° anno

dos lyceus, offerece-se para escriptorio

ou outra collocação decente,

dando fiador. Não faz questão de

ordenado.

Para tratar nesta redacção.

TRIPA

Deposito da casa Anjos e C. 4

Jofio Vieira da Silva Lima

IS 1)0 NOTICIAS DE COIMBRA

PATEO DA INQUISIÇÃO

C O I M B R A

Nesta typographia executam-se com perfeição e

rapidez todos os trabalhos typographicos, taes como:

Memoriaes, memoranduns, circulares, prospectos,

programmas, recibos, facturas, bilhetes para estabelecimentos,

talões, mappas, papel timbrado, enveloppes,

livros de quotas, avisos, relatorios, etc.

Composição e impressão de Jornaes.

Bilhetes de visita Participações de casamento

. PREÇOS COMMODOS

TTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTTT

[Vejam a importante casa

de mais d» 100:000 ç

artigos quasi de graça.

: FREIRE-GRÍVAOOR

1158-RUA 00 0UR0-164

Pegam catalogo grátis.

A unlea Fabrica d*

Carimbos completa

na Europa é a arando

oasa Freire-Gravador.

premiada cara 3 medalhas de ouro

no-Brazil,eom fabrica de chapa?

d lettras esmaltadas, ofDefbas

- graphicas, etc., etc. Peçam eatalo-

lÉELZaJlS? P^Us eom preoos Ozoa e de»

IfflSSSr lhos de todo. R. Ouro. tSS * registadas de Freire

Gravador, as quão»

l duram toda a rida, aílanldo-se

sempre qne seja

reclso e por isso bara-

Rsslmas, em aço superior,

especial para esta

casa, fazendo a barba em'

t minutos sem perigo nenhum.

Grande deposito de todos estes artl-,

gos, o metros quadrados.

Para tratar: Diamantino Diniz Ferreira.

More magazines by this user
Similar magazines