A SAGA DO JORNALISMO LIVRE - Koosb

koosb.com

A SAGA DO JORNALISMO LIVRE - Koosb

A manifestação no shopping foi como o esperado? Os resultados foram atingidos?

A Ida ao Shopping fazia parte de uma semana de manifestações realizada por

movimentos sociais pelos 7 anos da chacina de Vigário Geral . Tinha manifestação na

Rio Branco, Cinelândia, Candelária, etc. Com carro de Som, panfletagem, discurso, ou

seja, os moldes normais de uma manifestação política. Porém, a manifestação do

shopping tinha uma proposta diferenciada: ―Nós, 400 pessoas pobres, vamos ao

Shopping, passearemos por lá, avisaremos a imprensa que vai pronta para cobrir um

arrastão e só encontrará 400 pessoas se posicionando contra aquele templo de consumo

e, mais profundamente, contra o capitalismo‖. E, de fato, ocorreu como o planejado. O

mais curioso, é que chegando lá, a polícia, que foi obrigada a deixar os manifestantes

entrarem, pois já estavam todos os principais canais de Tv cobrindo, foi obrigada

também a mandar os donos de loja abrirem as portas para os manifestantes verem os

produtos. Então temos imagens da contradição, pessoas muito pobres contrastando com

produtos caríssimos, afirmando que a riqueza de uns poucos são o motivo de ―nossa

pobreza‖, com a classe média espantada ouvindo... Isso tudo sendo transmitido em rede

nacional.

Se ela tivesse acontecido hoje, a situação seria diferente?

O pensador já disse que a ―História se repete como farsa‖, porém devemos lembrar que

um shopping como o Rio Sul, gira por dia, muito dinheiro e que um ato desse porte é

um tamanco nessa engrenagem. Então penso que a repressão hoje pode ser ainda maior.

Lembrando também que dois ônibus sem jornalistas foram impedidos de ir ao

Shopping, com vários manifestantes sendo agredidos na Av. Brasil.

Por que certas pessoas demonstram ter tanto espanto ao se depararem com a dura

realidade vivida por grande parte da população?

Acho que temos, hoje, uma demarcação territorial muito definida. Já soube de casos de

moradores da Rocinha com 15 anos e que nunca foram sequer à praia. Então, apesar de

no Rio de Janeiro, algumas favelas escaparem à periferia, não temos um convívio de

vizinhança entre as classes, a não ser de na relação de trabalho. Então os shoppings, por

exemplo, são feitos para cada classe determinada (alguns chamam de classe A, B, C, D

etc). Fora os que são pobres de mais para consumirem. Hoje, por exemplo, o novo

shopping Leblon divide muro com a Cruzada, mas certamente não é um ambiente

convidativo para os moradores dessa favela. Não precisa existir um segurança para dizer

que ali não é para ele, pois ele mesmo já sabe e não vai. A força da manifestação é usar

essa própria distinção como força, nossas roupas, nosso pão com mortadela, nosso

forma de falar, nossa classe é uma forma de violência quando exposto ao lado de uma

vitrine.

Como reverter toda essa situação de desigualdade e essa separação entre os

universos rico e pobre?

É preciso pensar o capitalismo. Localizar nas lógicas de mercado os pontos de

demência, nos códigos das democracias as máquina de miséria, na aceitação dos

direcionamentos dos fluxos as vontades de servidão, enfim, localizar as organizações de

poder e as formas de distribuição contemporâneas. Entender o que se passa já em um

grande passo. Talvez o primeiro passo para se transpor à resistência de fato. Uma coisa

comum aos pensadores e moradores de ocupações sem-teto que entrevistei no meu

último filme, ―Atrás da Porta‖, é que o capitalismo, enquanto modulação, se

encaminhou para os genocídios. Ele não suporta mais a quantidade de gente sem

trabalho ou função. É preciso arranjar formas de diminuição da população mundial. No

26

Similar magazines