15.04.2013 Views

Cervejarias superam a cri com renovação - Engarrafador Moderno

Cervejarias superam a cri com renovação - Engarrafador Moderno

Cervejarias superam a cri com renovação - Engarrafador Moderno

SHOW MORE
SHOW LESS

Create successful ePaper yourself

Turn your PDF publications into a flip-book with our unique Google optimized e-Paper software.

Mercado

20

Cervejarias Cervejarias superam superam a a cri

cri

com com renovação

renovação

Dados consolidados até o final do primeiro semestre deste ano

apontam que tanto consumo da bebida quanto faturamento

das cervejarias cresceram, apesar das condições climáticas

um pouco adversas, blitz da lei que restringe o consumo

de álcool e dos resquícios da crise. Por isso, as cervejarias

investem em inovações das embalagens e novos produtos

Engarrafador

Moderno


se se e e prosseguem

prosseguem

da da categoria

categoria

Ainda que em um ritmo um

pouco menor que o de

2008, o setor cervejeiro tirou

de letra o ano de 2009, mesmo

com os efeitos da crise, das temperaturas

instáveis e das altas chuvas

registradas durante o ano. Só para

se ter uma ideia, até maio deste

ano, com base em um balanço divulgado

pela Nielsen, o volume de

vendas cresceu 2,9% e o faturamento,

7,6% (para R$ 16 bilhões).

Segundo Ênio Rodrigues, superintendente

do Sindicato

Nacional da Indústria

da Cerveja (Sindicerv),

o desempenho

do mercado foi surpreendente,

em vista

de um ano que

iniciou muito complicado.

"Já no primeiro

trimestre,

apresentamos alta,

no restante do ano

tivemos um bom ritmo

de vendas e devemos

fechar 2009 com crescimento

de 5% a 7%, em relação

a 2008", afirma. "Se batermos

esse índice, passaremos

a Alemanha e seremos

o terceiro maior produtor

e consumidor do

mundo", comemora.

Dezembro/09

Danilo Gonçalves

Fotos: divulgação

O cenário positivo é também justificado

por Ênio pela injeção de

renda no bolso dos brasileiros e

boas vendas no carnaval. "Nosso

setor depende de renda imediata,

por isso fomos favorecidos", diz.

Para 2010, na visão de autoridades

do setor, entre outros fatores, a

Copa do Mundo será um grande

aliado do mercado. "Com esse

evento, além dos três principais meses

do ano [dezembro, janeiro e fevereiro],

seria como se tivéssemos

um novo carnaval, porém

em um mês que

seria de baixo consumo

e temperaturas

baixas", comenta

o superintendente

do Sindicato

com boas expectativas.

Com foco na

Copa do Mundo, as

cervejarias ainda

não adiantam quais

serão as ações, mas

garantem que terão

grandes investimentos.

Ranking do setor

Na briga entre as marcas,

AmBev e Schincariol

ganharam mercado.

A dona das marcas Antarctica,

Brahma, Skol e

21


Mercado

“Se batermos esse índice,

passaremos a Alemanha

e seremos o terceiro

maior produtor e

consumidor do mundo",

Ênio Rodrigues,

do Sindicerv, sobre

as expectativas

de crescimento

do mercado

cervejeiro para 2009,

entre 5% e 7%

Bohemia segue na liderança entre a

preferência dos consumidores com

quase 69%. O Grupo Schincariol, no

período do balanço, subiu de 13,3%

para 12,5%, de maio para junho.

Especialistas atribuem o crescimento

das líderes ao fato delas não

terem diminuído seus investimentos

em mídia, afinal de contas como dizem

por aí "cerveja é mídia" e o

consumidor é influenciado por ela.

Foi o que fez a Schincariol: concentrou

grande parte de seus investimentos

em mídia e trade. Na primeira

frente de ações, segundo Guilherme

Moraes, diretor de marketing

de produto para a categoria de

cervejas do Grupo, foi dada continuidade

aos pacotes de mídia já utilizados

em anos anteriores. "Como

sempre, destacamos Fórmula 1 e

Carnaval, ambos da Rede Globo,

para a marca Nova Schin", explica.

"Além disso, com o portfólio mais

amplo, iniciamos diversas ativações

de trade com o objetivo de aumentar

a cobertura em novas regiões e

canais de venda", completa.

22


Moraes confirma que havia

grande insegurança em relação à

crise, entretanto o mercado reagiu

positivamente com a chegada de novas

embalagens, proporcionando mudanças

no hábito do consumidor. (este

assunto será abordado adiante).

Assim como o Brasil, o mercado

cervejeiro estadunidense resistiu bem

aos efeitos contrários. Os EUA tornaram-se

o maior mercado da ABInBev,

após a aquisição da Anheuser-Busch no

ano passado. Na Europa, o lucro da gigante

do setor responde por apenas 8%

do lucro anual.

Se por um lado AmBev e Schin

cresceram, a Cervejaria Petrópolis e

a FEMSA recuaram um pouco. A

produtora de Itaipava foi de 9,7% para

9,4%; e a FEMSA de 7,6% para 7,2%.

Cervejaria Petrópolis

não desanimou

Mesmo com dados que apontaram

tendência de queda nos níveis

de consumo de seus produtos tradicionais,

a Petrópolis não caiu por

terra com suas expectativas. Arregaçou

as mangas e, apesar de um

ano atípico, na avaliação de Douglas

Costa, gerente de marketing da

Cervejaria, investiu na diversificação

do portfólio da categoria. "Nós

entendemos que, em virtude da crise,

o consumidor se retraiu um pouco,

o que acabou afetando no consumo

no primeiro semestre", confirmou

Costa. "Ainda que com as adversidades,

entendemos que o ano

foi excelente para o setor como um

todo e para nós também", disse.

Para tanto, três frentes foram as

armas da Cervejaria Petrópolis para

diversificar. A primeira delas, o investimento

no lançamento de uma

linha de cerveja super premium,

mercado que cresce muito. A linha

Petra, no mercado desde o ano passado

ganhou novos produtos, entre

eles a Petra Stark Bier, clássica receita

puro malte pielsen com teor

Engarrafador

Moderno


alcoólico de 8,2% vol, que é uma

cerveja encorpada, de tom dourado

profundo, e atende a paladares mais

exigentes. A embalagem dessa cerveja

também chama atenção. Na

versão 500ml não-retornável, ela é

fabricada em vidro preto com rótulo

dourado.

Já a Petra Aurum é uma cerveja

do tipo Pilsen, feita com puro malte

e ingredientes importados selecionados,

com graduação alcoólica de

6,2% vol. Outro produto da linha é a

Petra Schwarzbier, uma cerveja preta

forte, de baixa fermentação, com

consistência densa e saborosa, também

com teor alcoólico de 6,2% vol.

Cerveja escura, a Petra Bock é

de baixa fermentação e coloração

avermelhada, com 6.2% vol de graduação

alcoólica. E a Petra Weiss

Bier é feita com trigo, tem alta fer-

Dezembro/09

mentação e sabor refinado. Possui

coloração amarelo-ouro, sendo

mais opaca por conter leveduras

selecionadas em suspensão

e graduação de 5,2% vol.

"Além de tudo isso, lançamos

kits, com caixas de

duas unidades das cervejas

especiais, com uma taça

especial vinda da Alemanha",

explica o gerente de

marketing. Segundo ele, a

aposta nessa categoria também

se deve ao fato de que

o brasileiro está mais aberto

para conhecer cervejas

diferenciadas. "Obviamente

que o nosso foco continua

sendo a pilsen, mas percebemos

que começaram a

surgir consumidores com

poder aquisitivo um pouco

maior e pegamos carona", diz.

Ainda nessa expansão da linha

de cervejas especiais, a

Petrópolis relançou a marca

Black Princess, tradicional

desde 1892 no Rio de

Janeiro. Douglas Costa comenta

que essa cerveja

"era uma jóia que estava

parada" e, por isso, a empresa

trabalhou na reformulação

da marca. "Relançamos

a Black Princess

original, em versão escura,

e também na versão pilsen

puro malte", explica.

A segunda estratégia

da Petrópolis para manterse

bem no ano de 2009 foi

o foco na diversificação

de embalagens de sua

linha tradicional de pilsens,

23


Mercado

em termos de formatos, tamanhos,

na busca por atender o consumidor

em diferentes situações. "A diversificação

de embalagens no setor

como um todo é bastante sadia, pois

a partir do momento que todos trabalham

em inovações, cresce a

visibilidade da categoria", afirma.

Por exemplo, as embalagens de

310ml (latas finas e altas) que, segundo

informações da empresa,

gela mais rapidamente e é ideal para

as pessoas que não consomem tanto.

"Estamos colocando agora no

mercado a long neck de 250ml,

também com foco no consumidor

24

individual", adianta.

E a terceira estratégia da empresa,

que não se restringe ao mercado

cervejeiro, é a aposta no segmento

de energéticos, a fim de brigar pela

segunda colocação desta categoria.

"Todas essas ações foram planejadas

em 2008 e possíveis de concretizar

no decorrer deste ano", diz.

Os números

da gigante

Apesar da luta das outras cervejarias

para chegar aos números

da AmBev:

a participação da Companhia

no mercado cervejeiro no Brasil aumentou

para 69,4% no primeiro trimestre

do ano;

Segundo o mais recente balanço

trimestral (referente a julho,

agosto e setembro), as operações

da AmBev tiveram um crescimento

orgânico de 12,6%, com fortes desempenhos

registrados em cerveja.

O volume de cerveja no País

aumentou 12,3% no trimestre, graças

ao crescimento real da renda

disponível do consumidor pelo terceiro

trimestre consecutivo e ao ganho

de participação do mercado.

Engarrafador

Moderno


Mercado

26

BRASIL - CERVEJA

EBITDA normalizado

Volume de venda

Receita líquida

A receita líquida na categoria

cresceu 12,1% ao trimestre, enquanto

que o custo da produção por hectolitro

caiu 1,2% no mesmo período.

Ações de comunicação

que polemizam

Sempre que alguma campanha

publicitária começa a ser veiculada

na mídia, faz sucesso ou pelo menos

chama atenção do público, cria-se

uma polêmica no setor. No setor

cervejeiro, agora foi a vez da FEM-

SA, detentora das marcas Sol e Kai-

A Krones, através da Steinecker,

coloca no mercado uma cervejaria

compacta para os processos

de maceração, filtração e cocção

do mosto chamada de Combi

Cubi B para uma produção anual

de até 150 mil hl.

O novo projeto é dirigido a cervejarias

pequenas e médias que

desejam modernizar suas instalações,

bem como às cervejarias

com produções mais elevadas

mas que desejam produzir cervejas

especiais, separadamente de

suas marcas principais.

A Combi Cube B possui todos

os avanços tecnológicos da Steinecker,

em uma instalação de tamanho

reduzido e que pode ser operada

por uma só pessoa. Sua operação

é simples, composta em mar-

AmBev - resultados 3 o trimestre

Orgânico Reportado

12,8%

12,3%

12,1%

13,7%

12,2%

12,1%

ser, movimentar as discussões entre

os fabricantes.

Lançado em meados de novembro,

o novo comercial da Kaiser é

um filme de 30 segundos que tem

como garoto propaganda o ator

Humberto Martins. Durante o comercial,

o ator apresenta um teste

cego, realizado pelo Instituto de Pesquisa

Datafolha e auditado pela Ernest,

em que consumidores de nove

capitais brasileiras avaliaram e, segundo

o filme, elegeram a cerveja

Kaiser como uma das melhores cervejas

do País. As marcas concor-

rentes, ainda segundo o filme, apresentaram

empate técnico.

Em nota oficial divulgada à imprensa,

Marcelo Liberado, gerente

de marketing da Kaiser da FEMSA

Cerveja do Brasil, explicou a concepção

da ação. "O objetivo desta

ação é destacar que a Kaiser é uma

das cervejas mais gostosas do Bra-

“ Ainda que com as

adversidades, entendemos

que o ano foi excelente

para o setor como um todo

e para nós também,

Douglas Costa,

da Cervejaria Petrópolis

Evolução: sala de cocção compacta para cervejas especiais

cha breve, reduzindo os tempos de

parada. As fases do processo de produção

de cerveja na sala de cocção

para cocção de 50 até 100 hl estão

sincronizadas tecnologicamente de

forma ótima, graças aos tamanhos

dos equipamentos

perfeitamente

ajustados entre

si.


Engarrafador

Moderno


sil e queremos estimular as pessoas

para que façam o teste cego e verifiquem

a cerveja que realmente

preferem sem considerar o rótulo,

mas sempre bebendo com moderação",

esclareceu.

Mas somente estas explicações

não fizeram com que as grandes

concorrentes, principalmente a Am-

Bev, não se incomodassem com a

ação. Quatro dias após o início da

veiculação, ou seja, dia 17 de novembro,

representantes da Companhia

já declaravam que as medidas

cabíveis iam ser tomadas. O argumento

da AmBev era de que "a

campanha não esclareceria suficientemente

quais as marcas de cerveja

estariam na disputa".

Especulações dos bastidores do

setor também apontam que a iniciativa

da FEMSA visou reposicionar

o produto que já não conseguia mais

superar os níveis de consumo das

concorrentes, ou seja, uma reestruturação

da marca.

No desenrolar da situação, a dona

da Kaiser conseguiu, no dia 27

de novembro, derrubar a liminar

que a AmBev havia conseguido na

Dezembro/09

justiça para tirar a campanha do ar.

O desembargador responsável

pela ação, Baretta da Silveira, da 3ª

Câmara de Direito Privado do Tribunal

de Justiça do Estado de São

Paulo, declarou à imprensa diária

que a publicidade comparativa não

é proibida no Brasil, com a ponde-

ração de que ela só será permitida

caso "regras básicas" sejam cumpridas,

entre elas, a objetividade na

comparação. No início das ações

judiciais, a AmBev avaliou o comercial

como iverossímel e também recorreu

ao Conselho de Autorregulamentação

Publicitária (Conar).

27


Mercado

Vale lembrar que essa não é a

primeira vez que a AmBev consegue

liminar para retirar um comercial

com este perfil do ar. Em 2006,

o Desafio Kaiser, outro teste cego

promovido pela Femsa e realizado

pelo Ibope com auditoria da BDO

Trevisan também foi proibido.

28

A aposta no "litrão"

Na busca por impressionar o

consumidor e atraí-lo em diversos

momentos de consumo, as cervejarias,

com pioneirismo da AmBev em

setembro deste ano, lançaram cervejas

em garrafas de vidro de 1 litro,

inicialmente no Rio de Janeiro,

mas que já tem sua distribuição expandida

em outros locais.

Depois do lançamento das marcas

da gigante em versões maiores, foi a

vez da Cervejaria Petrópolis, em

novembro, colocar no mercado a

marca Crystal com 1000 ml. Neste

caso, a novidade chegou ao mercado

paulista, mas deve se estender ao

sudeste como um todo ainda no verão

e, segundo informações vindas da

empresa, já existem planos de levar

o "litrão" para o norte e o nordeste.

A FEMSA também não perdeu

tempo e lançou recentemente as

versões de Kaiser e Sol em um litro.

Com isso, as quatro maiores

cervejarias do País já comercializam

cervejas em embalagens de um

litro. A Dado Bier, tradicional cervejaria

instalada no Rio Grande do

Sul, também já tem versões de suas

cervejas neste perfil de embalagem.

Cervejas artesanais

brasileiras são

destaque em prêmio

O tradicional Prêmio Paladar de

Produto do Ano, promovido pelo

Caderno Paladar do jornal O Estado

de São Paulo, teve nesta edição na

categoria Produto do Ano a marcan-

te presença das cervejas artesanais.

As cervejarias escolhidas para

representar o prêmio foram a Bamberg,

Colorado e Falke Bier, tradicionais

no segmento.

A Cervejaria Bamberg produziu

sua primeira pilsen artesanal em

2006 e em pouco tempo recebeu o

prêmio de melhor cerveja pilsen artesanal.

Já a Cervejaria Colorado,

fundada em 1995, chega a utilizar

mandioca, mel, rapadura e café em

suas fórmulas, o que já rendeu também

diversos prêmios. Entre eles, o

de cerveja do ano, em um concurso

promovido pela revista Prazeres da

Mesa, em 2007 e 2008, e a medalha

de ouro no European Beer Star 2008.

E, por fim, a Cervejaria Falke

Bier, desde sua inauguração em

2004, busca produzir cervejas como

uma paixão e por isso é responsável

pela produção de cervejas como a

Tripel Monasterium, premiada com

Tecnobebida Award 2008.

Engarrafador

Moderno


Investimento

46

Instalada em uma área de 2 mil m 2 , a nova linha da Cereser

tem capacidade de produção de 26 mil garrafas de bebidas

por hora, 25% superior às maiores indústrias do gênero

Há 83 anos no mercado

de bebidas, a Cereser acaba

de inaugurar a maior

linha de produção de espumantes do

mundo. As instalações estão locali-

Cereser Cereser inaugura inaugura a

a

de de produção produção de de espuman

espuman

Da redação

Fotos: divulgação

zadas na fábrica da empresa em

Jundiaí, interior de São Paulo. Com

2 mil m 2

de área construída e dotada

de tecnologia italiana de ponta, a

nova instalação é capaz de proces-

sar cerca de 26 mil garrafas de bebida

por hora ou 36 mil garrafas de

tamanho individual (entre 250ml e

350 ml), cerca de 25% a mais do

que as maiores fábricas do gênero.

Engarrafador

Moderno


maior maior linha

linha

tes tes do do mundo

mundo

Na unidade de Jundiaí será fabricada

uma quantidade superior a

2,2 milhões de caixas no mesmo período,

o que corresponderá a mais

de 26 milhões de garrafas de bebidas,

reforçando a liderança da empresa

na categoria em que atua.

Deste volume, 16% são exportados

para países da América Latina

(como Paraguai, Uruguai, Cuba e Venezuela),

da África (entre eles, Moçambique

e Nigéria) e Oriente Médio.

Vale dizer que as marcas Chuva

de Prata, Sidra Cereser, Cereser Sabores

e Cereser Zero correspondem

a 30% do faturamento da empresa.

A nova estrutura de produção

está apta a suprir a demanda de

suas marcas que crescem, segundo

dados da empresa, a uma taxa de

8% ao ano. Nessa nova linha serão

envasadas a Chuva de Prata, que

“Apesar das incertezas

dos mercados interno

e externo, a Cereser

apostou no aumento

do poder de compra

de seus consumidores

e conclui a obra,

José Fortelles,

diretor comercial

Dezembro/09


recentemente ganhou uma versão

sem álcool, a tradicional Sidra Cereser,

e suas versões nos sabores Morango,

Pêssego e Uva, todas com ou

sem álcool, e a nova Cereser Zero.

Segundo José Fontelles, diretor

comercial da Cereser, "esta linha

mais do que dobra a capacidade

produtiva atual das marcas citadas.

Tal fato possibilitará otimização do

processo produtivo e a conseqüente

redução dos estoques desses produtos

em nossa empresa", informa.

"Além disso, a indústria expande a

sua oferta de prestação de serviços

de envase para empresas interessadas

em utilizar a expertise da Cereser

para a produção e elaboração

de seus produtos", completa sobre

uma tendência na indústria de bebidas

- o envase terceirizado.

Tecnologia de ponta

Totalmente automatizada, a nova

linha de produção permitirá à Cereser

suprir a sua sazonalidade, fazendo

com que possa atender a sua demanda

de final de ano num período

de apenas 90 dias.

A linha foi produzida e instalada

pela Sidel do Brasil, a partir de modernos

conceitos e projetos desenvolvidos

pela Sidel Itália. Os equipamentos

instalados são Enchedora

Eurostar 2000; Enxaguadora Block-

Rinser; Mixer Starblend Plus; Despaletizador

de garrafas vazias Sweep

Off A/Z; Pasteurizador de garrafas;

Transportador de garrafas.

A enchedora Eurostar 2000 possui

sistema de enchimento isobárico

com válvulas de tubo curto comandadas

através de comandos pneumáticos

descentralizados. Este tipo

de aplicação absorve as variações

de volume intrínsecas às embalagens

de vidro. Foram incorporados

dentro do mesmo bloco de enchimento

dois arrolhadores, promovendo

maior agilidade durante as trocas

de formato e eliminação de partes

sujeitas a desgastes.

47


Investimento

Toda as partes em contato com

produto foram concebidas e construídas

de modo a otimizar as operações

de limpeza e evitar riscos de

contaminação do produto.

O Pasteurizador utiliza um novo

sistema de controle do processo de

pasteurização chamado de PRINCE

(Prediction IN Control Equations),

que foi estudado e aplicado pela Sidel

para aumentar a economia de

energia. De fato, a melhor utilização

do processo de aquecimento e resfriamento

das zonas térmicas, reduz

o consumo de água e de vapor porque

permite:

Evitar variações inúteis de

temperatura da água do banho;

Não aquecer o produto mais

do que o necessário;

Impor ao produto uma única

fase de aquecimento e uma única

fase de resfriamento.

Segundo Carlos Molina, gerente

industrial da Cereser, a etapa de instalação

dos equipamentos é outro

destaque da linha, pois foi realizada

com agilidade e sem ocorrência de

acidentes. "Em tantos anos de experiência,

jamais presenciei tamanha

agilidade e qualidade na montagem

de equipamentos", confirma.

48

Investimento

em tempos de crise

O projeto de instalação da maior

linha de espumantes do mundo foi

concebido em 2007, e prosseguiu

mesmo no auge da retração econômica

no último ano. "Apesar das incertezas

dos mercados interno e externo,

a Cereser apostou no aumento

do poder de compra de seus consumidores

e concluiu a obra", explica

o diretor comercial da empresa.

"Isto permitirá abastecer os pontos

de venda com maior volume de produtos

de melhor qualidade e em menos

tempo", completa.

Assim como todo o complexo da

fábrica de Jundiaí, a nova linha de

“ Esta linha

mais do que dobra

a capacidade produtiva

atual das marcas citadas,

José Fontelles,

diretor comercial


produção está adequada às normas

de segurança alimentar (BPF -

Boas Práticas de Fabricação), segurança

do trabalho e meio ambiente.

Fluxos de água provenientes da

chuva e lavagem são conduzidos à

Estação de Tratamento de Água e

Esgoto para serem reaproveitados.

A fábrica conta com certificação

ISO 9001:2008, e está recomendada

para a certificação APPCC por

obedecer todos os requisitos de controle

de qualidade.

Cereser: Uma história

de mais de 85 anos

Casa fundada em 1926, a Viti-

Vinícola Cereser Ltda. conta com

um portfólio diversificado nos segmentos

de vinhos, sidras, vermouths,

vodkas, aguardentes, conhaques

e outros destilados, além de

sucos prontos para beber e groselha,

que atendem diferentes perfis de

consumidores de todas as regiões

do País. Destaque para o Vermouth

Cortezano, a nova Vodka Kadov, a

tradicional Sidra Cereser e para o

Vinho Dom Bosco que voltam ao

portfólio da empresa.

Comercializado até 2004, o Dom

Bosco retorna ao mercado para

atender a demanda dos consumidores

das regiões Sudeste, Nordeste

e Norte. "A marca foi um sucesso

de vendas no passado e constatamos

que, apesar da produção ter sido

suspensa por cinco anos, ela

sempre esteve presente na memória

dos consumidores desse tipo de bebida,

por isso decidimos relançar o

produto", afirma José Fontelles.

Os produtos chegam a todo o

território nacional por meio de um

sistema de distribuição, sendo também

exportados para mais de 40

países na América Latina, África e

Ásia.

Engarrafador

Moderno


Internacional

30

Qualidade Qualidade e e inova

inova

protagonistas protagonistas da da 23 23a

edi

edi

Durante cinco dias,

empresas de vários

países marcaram

presença no SIMEI

para expor as

principais inovações

tecnológicas

do setor de bebidas

Carlos Donizete Parra

Fotos: divulgação

Aconteceu entre os dias 24 e

28 de novembro, em Milão,

Itália, a 23 a

terceira edição

do SIMEI (Salão Internacional de

Máquinas para Enologia e Engarrafamento).

Nascido em 1963, como

uma feira bienal extremamente especializada,

o SIMEI é realizado no

futurístico Centro de Feiras de Milão,

com acesso fácil tanto para os

visitantes que chegam à cidade de

carro como para quem se utiliza do

transporte público (metrô, trem e

ônibus). Com 54.545 visitantes qualificados,

tendo uma grande porcentagem

vinda de diversos países de

todo o mundo, o SIMEI mantém sua

característica de feira Global.

Em uma superfície de 100 mil metros

quadrados mais de 850 expositores

procedentes de 28 países, en-

Engarrafador

Moderno


ção ção são são os

os

ção ção do do SIMEI

SIMEI

tre eles o Brasil, que contou com mais

de 120 visitantes, foram verificar as

principais inovações do setor de bebidas

apresentadas pela principal feira

do segmento realizada na Itália.

A 23 a

edição do SIMEI apresentou

uma grande variedade de máquinas

e equipamentos para enologia

e também para outros tipos de bebidas

como sucos, destilados, água

mineral, cervejas etc.

Paralelamente, aconteceu a 7 a

edi-

Dezembro/09

ção do ENOVITIS (Salão Internacional

das Técnicas para Viticultura

e Olivicultura), exposição dedicada a

viticultura e olivicultura, apresentando

uma mostra de equipamentos, produtos

e serviços desde práticas de manejo

até modernos sistemas de tratamento

fitossanitários.

Outro aspecto positivo do evento

são as palestras e seminários que fazem

parte do congresso e que proporcionam

uma ampla troca de in-

formações entre visitantes e especialistas

que apresentam seus estudos

e experiências na área de bebidas.

Acompanhando as tendências do

mundo moderno, a cidade de Milão,

palco da 23 a

edição do SIMEI, caminha

em um ritmo acelerado, em

constante crescimento. Milão é a

segunda maior cidade da Itália com

cerca de 1.300.000 habitantes, média

de idade de mais de 45 anos,

sendo que de 1931 até 2008 o censo

mostra que a média de idade do milanês

está aumentando, ou seja, a

cidade está ficando mais velha.

Mais da metade da população tem

acima de 36 anos e o número de crianças

até um ano é de apenas 16

mil. A boa notícia é que o milanês

vive mais, no entanto, o número de

nascimento é menor ao longo dos

últimos 70 anos.

31


32

Durante os cinco dias de evento

os grandes protagonistas foram,

sem dúvida, a inovação tecnológica

e sobretudo a qualidade. Qualidade

que deve ser entendida como um

processo extenso e articulado: qualidade

de produtos, qualidade dos

processos produtivos, bem como a

qualidade de fazer a empresa agregar

valor, inovar e acima de tudo ser

sustentável.

Destaques do SIMEI

O Grupo AMS apresentou uma

gama completa de equipamentos

para análise de bebidas em geral. O

Smartchem 100 permite a análise

rápida e de rotina de diversos componentes

do vinho como os ácidos

málico, lático, acético, sórbico, ascórbico

entre outros, bem como

controles de frutose, ferro, acidez

total, ph, SO2 etc. O equipamento

é totalmente automático e possibilita

a execução de até 100 testes por

hora. Outro equipamento apresentado

pela AMS foi o Infrascan+ para

determinação da graduação alcoólica

(de 0% a 100%) e do teor de

açúcar (a partir de 20g/L) de bebidas

alcoólicas. Em 40 segundos, é

possível obter a graduação alcoólica

do vinho analisado e, em caso de

análises simultâneas, o resultado pode

ser obtido em até 60 segundos.

Com 35 anos de atividades, a Tradex

apresentou no SIMEI 2009 o marcador

K-1060 SHS para etiquetas,

cartões, PET, vidro e outros materiais,

com velocidade de 575 m/minuto,

além do Linux 7300, projetado para

reduzir os custos de codificação das

indústrias de bebidas em geral.

O Grupo Bisaro apresentou o

equipamento SterilBox para esterilização

e enchimento de bebidas em

bag in box. O Sterilbox possibilita o

envase de bags de 1 L a 20 L com

capacidade de produção de 200 a

1200 bags por hora, dependendo do

“A parte mais interessante

da feira foram

as tecnologias

apresentadas para

viticultura, entre elas

a mecanização da produção

de uva com máquinas

que colhem, tombam terra,

e que podam a seco,

tecnologia que

só existe na Europa.

O mais interessante é

a inteligência dessas

máquinas, pois elas

fazem todo o trabalho.

Essa tecnologia pode

sim ser aplicada no Brasil,

mas teria que ser importada,

Loiri de Villa, Supervisor

Técnico da Miolo

Wine Group


Engarrafador

Moderno


equipamento utilizado. O equipamento

lava, esteriliza e enche bags

evitando problemas de contaminação

com segurança e facilidade ao

operador. O Grupo Bisaro fornece

ainda máquinas para enchimento de

barris, sistemas de filtração tangencial

etc.

Tradicional fornecedor para a

área vinícola, o Grupo Della Toffola

apresentou o sistema de filmação

tangencial de membranas com elevada

capacidade de filtração e com

respeito ao meio ambiente. A empresa

apresentou ainda prensas

pneumáticas, bombas, equipamentos

para osmose reversa, estabilizadores

e autoclaves.

A Robino & Galandrino mostrou

um novo sistema de encapsulamento

para vinhos e espumantes, além

do monobloco rekord T, para mé-

Dezembro/09

dias e altas produções. Práticos e

compactos, os equipamentos são

dotados de controles eletrônicos

com supervisão por PLC totalmente

automatizados.

A VBC Systems apresentou sua

linha de dosadores de CO2 e nitrogênio

para bebidas em geral. O do-

33


Internacional

sador de nitrogênio é aplicado na indústria

de bebidas visando o aumento

do shelf life do produto na prateleira,

bem como a manutenção das

características de sabor e cor. Com

mais de 50 anos no mercado, a VBC

dispõe de assistência técnica e peças

34

Piemonte

Vale de Aosta

Lombardia

Trentino Alto Adigio

Veneto

Friuli Venecia Giulia

Liguria

Emília Romana

Toscana

Umbria

Marche

Lacio

Abruzzo

Molisa

Campania

Apulia

Basilicata

Calabria

Sicilia

Cerdeña

Itália

Produção de vinho e mosto na Itália (milhares de hectolitros)

2007

2.724

18

1.099

1.221

7.799

1.029

89

6.253

2.824

998

757

1.840

2.205

319

1.652

5.668

221

406

4.574

862

42.559

de reposição em todo o mundo.

A Omar mostrou sua linha completa

de equipamentos, com destaque

para a enxaguadora / esterilizadora

de garrafas, de simples operação.

As garrafas podem ser posicionadas

facilmente pelo operador

sobre uma roda que gira alimentada

por um motor. Fabricadas em aço

inox 304 e PVC alimentício de alta

resistência, a esterilizadora pode utilizar

diversos tipos de líquidos para

limpeza dos vasilhames.

2008

2.480

* Para 2009, estimativa Ismea / Uiv (setembro de 2009)

Fonte: Serviço de Estatísticas e previsões do Ministério de Alimentação, Agricultura e Pesca da França.

17

1.250

1.140

8.119

1.014

71

6.340

2.800

843

871

1.797

3.054

319

1.768

6.949

208

445

6.180

582

46.245

Para tecnologia de reciclagem, a

EFFE3TI apresentou equipamentos

para prensagem e compactação de

garrafas PET e caixa de papelão

com uma força de compactação de

4T a 40T. Outro equipamento apresentado

foi o Liquidrainer, que per-

2009*

2.600

19

1.220

1.200

8.330

990,4

75

6.660

2.890

950

810

1.930

2.830

280

1.950

6.250

218

460

6.180

625

46.470

Variação % - 2009* / 2008

+ 5

+5 / +10

0 / -5

+5

0 / +5

0 / -5

+5

+5

0 / +5

+10 / +15

-5 / -10

+5 / +10

-5 / -10

-10 / -15

+10

- 10

+5

0 / +5

=

+5 / +10

= / +1

Engarrafador

Moderno


mite o esvaziamento dos restos de

líquido e a perfuração da embalagem

para posterior reciclagem.

A SEW mostrou aos clientes

brasileiros no SIMEI sua linha Movitrans

que consiste em um sistema

de transmissão de energia sem contato,

através do princípio de transmissão

de energia por indução. O

Movitrans é indicado para aplicação

no transporte de produtos em longos

trechos de deslocamento em alta

velocidade. Entre as vantagens estão

a baixa manutenção e a utilização

em áreas molhadas e úmidas.

Líder no segmento de equipamentos

agrícolas na Alemanha, a ERO

destina mais de 40% de sua produção

para exportação. Especialistas em

equipamentos para viticultura, a ERO

apresentou no SIMEI uma vasta gama

de produtos, entre eles a colheitadeira

e a desfolhadeira. Os equipamentos

são construídos em aço ino-

Dezembro/09

xidável, com design moderno e funcional

que permitem ao operador caminhar

pelo centro das fileiras do vinhedo

fazendo o trabalho com rapidez

e alta produtividade. Disponíveis em

diversas versões, os equipamentos podem

ser adaptados de acordo com as

necessidades dos clientes.

O setor italiano

de vinhos

Se as previsões se confirmarem,

com a colheita de 2009, a Itália voltará

a ocupar o segundo lugar no ranking

dos produtores de vinho, com a

França em primeiro e a Espanha em

terceiro lugar. A Itália espera uma produção

de 46,5 milhões de hectolitros

para a safra 2009, segundo estimativas

do Ismea e União Italiana de Vinhos.

Além do crescimento em volume,

a boa notícia fica por conta da

excelente qualidade, prevista em praticamente

todas as regiões de plantio,

sendo que em muitas áreas as previsões

são de produtos de extrema excelência.

As abundantes reservas hídricas

acumuladas durante um ano de

inverno bastante chuvoso compensaram

o calor e a falta de precipitações

do verão. Para ajudar ainda mais a

35


Internacional

excelente safra prevista para este

ano, não foram registrados problemas

fitossanitários.

36

Máquinas

e equipamentos

Em uma conjuntura econômica

bastante delicada e difícil em 2009,

a indústria italiana de máquinas e

equipamentos procurou, principalmente,

manter a qualidade de seus

produtos já reconhecida em todas as

partes do mundo. Em 2008, segundo

dados do Islat, todo o setor de máquinas

e equipamentos registrou um

faturamento de exportação de 1,4

bilhão de euros, o que corresponde

a um crescimento de 17% em relação

ao ano anterior. Enquanto isso,

as importações do setor foram de

aproximadamente 111 milhões de

euros, registrando um saldo positivo

de quase 1,3 bilhão de euros.

Um segmento bastante efervescente

foi o de tratores com potência

entre 59 Kws e 75 Kws, em que as

exportações cresceram aproximadamente

67% em 2008, com um valor

de mais de 890 milhões de euros,

dobrando praticamente os números

registrados em 2006 e 2007 (res-

pectivamente 453 e 535 milhões de

euros).

O que contribuiu para este crescimento

foi a venda de pulverizadores,

nebulizadores e sulfatadores de

grandes capacidades, registrando

mais de 20% de aumento. As colheitadeiras

registraram vendas de aproximadamente

2 milhões de euros

(mais de 600% na comparação com

2007), recuperando amplamente as

perdas registradas em 2006 e 2007.

Os valores verificados parecem

sinalizar uma constante propensão à

mecanização dos vinhedos na Itália.

Analisando o destino das máquinas

e equipamentos fabricados na

Itália, verifica-se que durante o ano

de 2008, os países europeus, principalmente

França, Alemanha, Espanha

e também Polônia, Áustria e

alguns países do leste como Bulgária,

Hungria e República Checa são

os principais compradores, sempre

com uma tendência de crescimento.

No segmento de equipamentos de

alta tecnologia representado, por exemplo,

pelos tratotes com potência entre

59 Kws e 75 Kws, os crescimentos

são verificados em países como

Austrália, Nova Zelândia e Canadá.

Observando o mercado de colheitadeiras,

percebe-se que a Itália conquistou

em 2008 vendas para novos

países como Brasil, Uruguai, Líbano,

Áustria, Suíça, Chipre e México.

Engarrafamento

e enologia

Mais de 1,7 bilhão de euros é o resultado

registrado pela exportação em

2008 do setor industrial especializado

“ Destaque da feira

foram as tecnologias

para a colheita de uva,

entre elas, uma máquina

que possui garfos

que passam no

corredor da plantação

e faz com que as uvas

caiam em uma esteira.

Outro equipamento

interessante foi

o maquinário para

encher bags, bastante

diferente do que temos

disponível no Brasil.

Além disso, as sacolas

para garrafas, com

designs coloridos,

bastante diferentes

das que são vistas,

César Augusto

Zanotto, diretor

da Vinícola Campestre


Engarrafador

Moderno


em tecnologia aplicada a enologia e

engarrafamento de bebidas. Nada

mal para um ano durante o qual se

começou a sentir os efeitos da crise

econômica mundial (que afetou drasticamente

o país italiano em 2009). Em

2008, as importações diminuíram em

comparação a 2007 (393 milhões em

comparação aos 418 milhões de euros

registrados em 2007), sinalizando um

saldo positivo de 1,3 bilhão de euros.

Desde máquinas de engarrafamento

até equipamentos para filtração,

passando pelas cubas, barris e tinas,

a performance comercial de 2008

confirmou a saúde e vivacidade desse

segmento industrial da Itália.

Em 2008, os equipamentos mais

exportados pelas empresas italianas

foram as enchedoras, tampadoras, rotuladoras

e encapsuladoras de garrafas,

com um valor de faturamento de

1,12 bilhão de euros, representando

este grupo de equipamentos cerca de

65% do fluxo comercial total. Mesmo

assim, já havia no faturamento de

2008 sinais claros de problemas no futuro,

o que resultaria em um pequeno

decréscimo de 2% nas exportações

italianas destes produtos.

Equipamentos para filtração de

bebidas mantiveram-se estáveis em

2008 com vendas de 249 milhões de

euros, enquanto que as importações

italianas desses equipamentos resultaram

em 213 milhões de euros.

Contrariando os grupos anteriores,

mostrou-se bastante dinâmico o intercâmbio

comercial dos equipamentos

Dezembro/09

para preparação e fabricação de bebidas

registrando um crescimento de

124% em relação a 2007, atingindo

faturamento de 14,5 milhões de euros,

em comparação a 6,5 milhões de euros

registrados em 2007. Do mesmo

modo, cresce as exportações italianas

de máquinas para lavar e secar garrafas

(aproximadamente 50 milhões

de euros, 22% de crescimento em

relação a 2007).

O segmento de cubas, barris e

tinas, mesmo dependendo fortemente

das importações, continua a obter

crescimento de cerca de 10%.

Analisando o setor como um todo,

França, Alemanha e Espanha continuam

sendo os principais compradores

dos equipamentos italianos. Outros

parceiros comerciais importantes

na Europa são Reino Unido e Suíça,

além de Estados Unidos e Austrália

em outros continentes.

Cabe ressaltar o crescimento das

exportações para os países do Oriente

Médio (Qatar, Emirados Árabes,

Cazaquistão, Azerbaijão e Irã),

e da África do Norte (Argélia, Egito,

Tunísia e Líbia).

As máquinas de encher, fechar,

rotular e capsular representam mais

da metade das exportações italianas.

Os principais parceiros comerciais da

Itália neste segmento são Estados

Unidos, França, Rússia, China, Espanha,

Alemanha, Brasil, Turquia, México

e Reino Unido. É interessante o crescimento

da Índia, Tailândia, Argentina,

Argélia e Qatar.

37


Evento

38

Feira realizada na Colômbia apresentou as principais inovações tecnológicas

no setor de embalagens para bebidas, alimentos, produtos farmacêuticos

e cosméticos, de limpeza, agrícolas, entre outros

Entre os dias 3 e 6 de novembro,

na capital colombiana

Bogotá, a Associação

Colombiana de Embalagem (Acolpack),

promoveu uma das mais importantes

feiras da área de embalagens

da América do Sul, a Andina-

Pack 2009.

A Andina-Pack foi criada em

1992 pela Pafyc Ltda. e, em 2009,

chegou à sua décima edição, sendo

realizada a cada dois anos. Em

2007, contou com a participação de

676 marcas e expositores, e a presença

de mais de 18 mil visitantes,

Andina-Pack Andina-Pack reúne reúne princi

princi

tecnologia tecnologia para para embalagens

embalagens

Da redação

Fotos: divulgação

profissionais de 27 países.

Só para se ter uma ideia de como

esse setor movimenta os países

da América Latina, dados divulgados

pela organização do evento demonstram

que as vendas de embalagens

na Colômbia ultrapassam os

US$ 2 bilhões e a indústria de alimentos

e bebidas é responsável por

60% desse valor. Em 2011, a feira

acontecerá no mesmo espaço de 1

a 4 de novembro.

Este ano, Andina-Pack contou

com mais de 600 máquinas e equipamentos

expostos e em operação,

expositores de 27 países da Europa,

Ásia e Américas. "A décima edição

da feira foi uma oportunidade para

os diferentes setores manufatureiros,

quando o foco é a tecnologia

de quarta geração para empresas

que apostam nas embalagens como

uma estratégia de sucesso para o

posicionamento de seus produtos",

declarou Patrícia Costa, a nova diretora,

anunciada durante a feira,

da Organización Pacyn, promotora

do evento.

Além da exposição, congresso e

palestras, a Andina-Pack 2009 tam-

Engarrafador

Moderno


pais pais fabricantes fabricantes de

de

da da América América Latina

Latina

bém foi uma oportunidade para geração

de negócios. Isso porque 50

profissionais de empresas compradoras

dos produtos expostos visitaram

a "Rodada de Negócios", beneficiando

assim quase 100 expositores.

Com isso, a expectativa é que sejam

gerados mais de US$ 17 milhões em

negócios nos próximos meses.

Dezembro/09

Diversas áreas

Esta edição da Andina-Pack

congregou em um mesmo espaço

pavilhões especializados em diversas

áreas, como alimentos e bebidas,

farmácia, cosméticos, entre outros.

Paralelamente ao evento também

aconteceu o Congresso da

União Latinoamericana de Embalagem

(Ulade) que apresentou cases

de empresas da América Latina e

palestras sob os temas inovação,

desenvolvimento tecnológico, relação

produto-embalagem.

Durante a feira também foi promovido

o IX Concurso Andino de

embalagens que elegeu o melhor

design de embalagens de produtos,

desenvolvidas por empresas do bloco

de países, além de conferências

técnicas comerciais entre visitantes

e expositores.

A feira foi dividida em sete pavilhões,

organizados por categorias:

Drink-Pack, com novas tecnologias

em automação e robótica, materiais

com altas barreiras, propostas para

maior eficiência na distribuição dos

produtos e redução no peso das em-

balagens; Food-Tech, com soluções

para toda a cadeia produtiva de alimentos

frescos e processados; Pharma

& Cosmetic, com tecnologias de

última geração para manufatura,

envase e empacotamento de medicamentos

e cosméticos; Andina-

Pack Design que apresentou embalagens

diferenciadas, rígidas e flexíveis,

com desenhos estruturais etc.;

Convert and Print-Pack, onde os expositores

mostraram máquinas de

injeção, sopro, extrusoras, equipamentos

periféricos, moldes, tecnologias

de impressão, codificação, entre

outras aplicações.

No espaço Eco-Pack, foram

apresentadas as soluções em reciclagem

com foco na sustentabilidade

ambiental. Materiais como bioplástico,

máquinas que ajudam a reduzir

o consumo energético, programas

de incentivo, além de cases na

área de responsabilidade ambiental.

Já no pavilhão Pack Services,

estavam as empresas que prestam

serviços de logística e distribuição

de produtos, equipamentos e sistemas

para eficiência do último processo

da cadeia.

Expositores

A preocupação com embalagens

amigas do meio ambiente foi grande

foco das tecnologias expostas, tanto

que a organização do evento elegeu

alguns projetos como destaques.

Entre embalagens e tecnologias

modernas aplicadas à indústria de

bebidas, cabe destacar a participação

da colombiana Peldar que apresentou

uma nova linha de soluções

em vidro negro para diversas aplicações.

Trata-se, segundo informações

da empresa, de uma tendência

do mercado mundial que está chegando

na América Latina.

Esta cor, reconhecida universalmente

por ser elegante e sofisticado,

é a tonalidade que marca a pauta

dos mercados internacionais. A

empresa informou durante a feira

que esta nova opção é ideal para

cervejas, licores, bebidas carbonatadas,

e até para o envase café.

Além disso, outra vantagem das

embalagens de vidro negro é a proteção

do produto dos raios ultravioletas

e não é nocivo ao meio ambiente.

A higiene é um fator essencial

nos processamentos de produtos alimentícios,

comésticos e farmacêuticos,

porque estes requerem uma

limpeza correta de todos os elementos

- depósito, tubos e bombas. Para

responder a essa necessidade, a

Inoxphal apresentou durante a Andina-Pack

os equipamentos para

limpeza CIP que são desenhados de

acordo com as necessidades do cliente,

conforme cada instalação.

Outras empresas apresentaram

soluções em rótulos auto-adesivos,

também tendência no mercado, máquinas

de envase, trituradores de

grãos, encaixotadoras, entre outras.

39

Hooray! Your file is uploaded and ready to be published.

Saved successfully!

Ooh no, something went wrong!