Revista ANP - União Sul-Brasileira

usb.org.br

Revista ANP - União Sul-Brasileira

AR EVISTA

ANO 01 | Nº 01 | AGOSTO/2011

Reavivamento

&Reforma

REFLEXÃO

O Livro “tranca porta”

NOTÍCIAS

Jovens Para Glória de Deus (PGD)

ENTREVISTA

Deputado

Leonaldo Paranhos


Patrícia Ferreira

Quem pode prever os efeitos de um sorriso numa segunda-feira de manhã?Algumas rádios

da capital paulista fizeram um teste para descobrir os efeitos de apenas sorrir.

“Se você está ouvindo isso, olhe para o carro do lado e sorria. Se ele estiver ouvindo irá

sorrir de volta, com certeza”, convidaram os locutores.

O resultado? Quem estava preocupado, relaxou. Aqueles tristes ficaram felizes.

Os desanimados sentiram ânimo. Quem havia desistido, tomou forças.

Por que mudar o padrão de uma segunda-feira desanimadora e deixar a semana toda radiante?

O bom humor e a iniciativa de simplesmente olhar para o futuro

podem mudar a atitude de muitas pessoas.

Quem foi a primeira pessoa a sorrir com a possibilidade de ser rejeitada?

Às 7 horas da manhã, com o trânsito congestionado, a chance de sorrir para o vidro era

grande. Mas um sorriso levou a outro, que se estendeu a outro e ao seguinte.

O ser humano precisa aprender a deixar de lado o medo,

a incerteza e pisar no desconhecido.

Por que mudar o padrão de informativo na Associação Norte Paranaense (ANP)?

Simplesmente para ver você sorrindo, animado e com muita esperança no futuro.

Se você tiver esperança, com certeza transmitirá Jesus. A Revista ANP (RANP)

é uma das poucas existentes no Brasil, neste formato.

Como comunicadora falando, o jornal trabalha mais com o factual e quando o produto

finalizado chega até os membros, já é passado. Às vezes a notícia saiu na televisão,

rádio, internet e após todos estes meios chega ao jornal impresso.

Não quer dizer que a RANP não trará notícias.

A diferença é que serão apenas as mais importantes, em algumas páginas.

A nova cara da ANP é o aprofundamento. A partir de agora você terá em mãos

um material a ser estudado, com mais teor e muitos artigos. Os pastores e obreiros da

instituição escreverão a cada dois meses um texto especialmente para seus departamentos.

A Matéria de Capa será escrita por convidados, como pastor Alberto Tim nesta edição.

Que você tenha mais conhecimento da Palavra de Deus e fique informado quanto aos

acontecimentos mais notórios do norte paranaense com esta mudança. E não se esqueça

de sorrir, isso transmite esperança, tranquilidade e Jesus ao seu semelhante.

ESCREVA PARA:

AR EVISTA

Associação Norte Paranaense da

Igreja Adventista do Sétimo Dia

Av. Carlos Correia Borges, 1336

Jardim Iguaçu - Maringá - PR

Cx. Postal 2525 - 87030-990

Telefone: (44) 3220-7777

www.anp.org.br

REVISTA ANP 02

EDITORIAL

Por que mudar?

Patrícia Ferreira é jornalista na Associação Norte Paranaense

Presidente:

Pr. Ronaldo Bertazzo

Secretário:

Pr. Milton Andrade

Tesoureiro:

Marcelo Bif

Diretor de Comunicação

Pr. Marco Bueno

Jornalista Responsável

Patrícia Ferreira

MTB 8778/PR

Diagramação:

Claudinei Avelar

DZ7 Proejtos Gráficos

dz7projetos@gmail.com

Impressão:

Gráfica Regente

Tiragem:

8.000 exemplares

Entrevista -

Deputado

Leonaldo

Paranhos

O sábio

Rabino

Um coração

acolhedor

O que é

Reavivamento

e Reforma

Espirituais?

Sob

Controle

Missão de

Cantar

O Livro

“Tranca Porta”

Maior

Necessidade

Que nenhum

desses

pequeninos

pereça

Como fazer

um pacto

com Deus

O compromisso

do educador

cristão

Porque os

membros da

igreja não

podem batizar?

ANP News

04

06

07

08

12

13

14

15

16

17

18

19

20


MENSAGEM PASTORAL

Reavivados

“Um reavivamento da verdadeira piedade entre nós, eis a maior e mais urgente de todas as nossas

necessidades. Buscá-lo, deve ser nossa primeira ocupação.” M.E. vol.1, p.121

É possível que você, querido irmão e irmã, já tenha lido e relido este importante texto

várias vezes. Isto é bom, porque mostra que você está buscando crescimento em sua vida espiritual.

Sempre quando alguém fala em reavivamento, não se pode deixar de lado a reforma. Estes dois

conceitos precisam sempre estar juntos, um está interligado ao outro. Mas, qual o significado destes

dois conceitos? Como eles podem interferir em nossa vida espiritual? Como viver diariamente em

comunhão com Cristo? Existe diferença entre reavivamento e reforma?

Ellen White define o significado desses conceitos assim:

“Reavivamento significa renovação da vida espiritual, um avivamento das

faculdades da mente e do coração, uma ressurreição da morte espiritual.

Reforma significa uma reorganização, uma mudança nas ideias e teorias,

hábitos e práticas.” Mensagens Escolhidas, volume1, p.128.

Nestes 2 últimos anos, a igreja tem enfatizado a necessidade de todos os adventistas viverem

de maneira prática a Comunhão e a Missão.

Comunhão: separando um momento especial com Deus na primeira hora do dia, ou tendo

ao longo do dia um momento especial com Deus através do estudo da Bíblia e da oração.

Missão: testemunhar aos amigos, vizinhos, familiares sobre este evangelho maravilhoso de

salvação.

Isto é reavivamento e reforma!

Você agora está sendo conclamado pela Associação Geral, entre o grupo de todos os Adventistas,

para se dedicar ao movimento mundial de reavivamento e reforma através do Espírito

Santo. A Divisão Sul- Americana nomeou esse projeto como: “Apelo Urgente por Reavivamento e

Reforma, Discipulado e Evangelismo.”

Mas “777” é como o Pastor Ted Wilson, presidente da igreja mundial, chama esse apelo à

igreja. Os “setes” representam os Adventistas do Sétimo Dia orando, 7 dias por semana às 7 horas

da manhã e às 7 horas da noite. Que fantástica corrente mundial de oração! Todos os dias de manhã

e de tarde pessoas intercedendo diante de Deus pela chuva serôdia e pela segunda vinda de Cristo.

Busque o reavivamento! Busque a reforma! Busque discipulado e evangelismo! Que Deus

o use diariamente, para que Seu reino seja ampliado e Sua igreja preparada para Seu breve retorno.

Pastor Ronaldo Bertazzo é

Presidente da Associação Norte Paranaense

Ronaldo Bertazzo

03

REVISTA ANP


REVISTA ANP 04

ENTREVISTA

REVISTA ANP: • Não é segredo que sua vida é guiada por

Deus. Como foi o seu encontro com Jesus e qual a mudança

ocorrida?

PARANHOS: Foi durante

uma de minhas campanhas.

Em 2006, durante uma caminhada,

já abatido pelo cansaço,

encontrei um amigo evangélico,

o Jaime Andrade Martins (Jaiminho).

Ele percebeu meu abatimento

e me convidou para subir

ao seu apartamento. Confesso

que aceitei o convite para não perder

o voto do amigo (risos). Mas

lá no apartamento o Jaime fez

uma oração, pedindo a Deus que

assumisse meu fardo. Ao descer

eu senti que Deus falava comigo,

dizendo que até aquele momento

eu havia lutado sozinho, mas que

dali em diante Ele estaria comigo.

Eu perdi as eleições, mas ganhei a

vida eterna.

Leonaldo

Paranhos

Deputado Estadual

Paraná terá dia especial

para o “Vida por Vidas”

Defender o direito a liberdade religiosa e os direitos da família acima de qualquer tradição, são lutas do

Deputado Estadual Leonaldo Paranhos, PSC do Paraná. Ele é autor do Projeto de Lei 386/11 que pretende criar

um dia para o Projeto Vida por Vidas em todo território paranaense. Se aprovado, o projeto de lei vai reunir

mais doadores de sangue nos postos e consequentemente salvar mais vidas.

Atualmente, o Projeto Vida por Vidas é realizado por jovens adventistas em toda América do Sul. De

acordo com o site do projeto, em 2010, por influência direta da iniciativa, 33.750 pessoas doaram sangue no

Brasil. A ação ultrapassou as fronteiras e em países vizinhos como: Argentina, Bolívia, Chile, Equador, Paraguai,

Peru e Uruguai, o número de doadores influenciados foi de 22.420 no ano passado.

Por sua relevância, o projetoVida por Vidas foi homenageado pelo Ministério da Saúde do Brasil no

dia 14 de junho de 2011 e o líder adventista para América do Sul recebeu um certificado de reconhecimento ao

projeto para estímulo à doação de sangue no Brasil.

Conhecido como deputado da família, Paranhos é evangélico e integrante da Bancada Evangélica, ele

luta pela valorização dos princípios éticos cristãos na edificação de uma sociedade justa e igualitária.

Pastor Tomas da Silva e assessor Alecio Espinola a

companham deputado na divulgação do projeto.

• É possível servir a Deus através da política?

Sim, é possível porque Deus nos dá força e discernimento.

Como diz Sua palavra, é

quando nos reconhecemos fracos

que Ele nos faz fortes. São muitos

desafios, obstáculos e tentações,

mas nossa força está nEle. É importante

que as pessoas de Deus

estejam nas estruturas políticas.

Deus não precisa de deputados,

de vereadores ou prefeitos, mas

precisa de pessoas que sejam Seus

instrumentos e seja luz onde estiver.

• Qual é a importância de ter

evangélicos na Assembleia?

Para defender os

projetos que protegem a família

e os valores cristãos. Em todas as

instâncias da política, tem havido

muitas leis que vão contra os va-


lores familiares e de Deus. Nós não ignoramos que existe um

movimento mundial confrontando a Palavra de Deus. E é preciso

que em todos os lugares tenhamos homens que conheçam a

Palavra para enfrentar esse movimento.

• Como tomou conhecimento do Projeto Vida por Vidas?

Foi através de um amigo que é da Igreja Adventista de

Cascavel, o Alécio Espinola. Convidado por ele já participei diversas

vezes do projeto. Tem até uma história curiosa. Certa vez

fui convidado a falar num dos eventos e no caminho pedi a Deus

que me desse o discernimento sobre o que dizer naquele momento.

E Deus me orientou para que eu fizesse uma proposta no

Parlamento, de colocar no calendário oficial do Estado uma data

para comemorar o Vida por Vidas. Com isso, a ação terá muito

mais divulgação.

• O que o motivou a elaborar este projeto de lei?

Exatamente esse convite para participar do evento organizado

pela igreja e percebendo, por orientação de Deus, que

esse projeto poderia dar mais amplitude ao trabalho, que já é

grande. Um projeto maravilhoso, de um enorme alcance social e

também educativo. Na verdade o projeto traz em si uma mensagem

de amor. A mesma mensagem que Deus nos deixou ao dar

ou doar o seu filho a todos nós.

Pastor Elbert Kuhn ao lado do ministro Alexandre Padilha

e o certificado dado ao Vida por Vidas.

• O que falta para o projeto ser aprovado?

Já foi aprovado uma vez em plenário, na apresentação.

Agora o projeto está obedecendo uma tramitação regimental na

Casa, que inclui a análise pelas comissões gerais, pela Comissão

de Constituição e Justiça (CCJ), depois volta ao plenário para

votação final. Vai para a sanção do governador e então vira uma

Lei Estadual.

• Qual o objetivo dessa lei e por que ela é importante?

É importante para dar maior visibilidade ao projeto.

Hoje apenas 6% das pessoas doam sangue. E a gente entende

que doar sangue é doar vida. É algo que Deus deixou para fazermos.

Porque se doamos é para praticarmos esse ato de amor e

fraternidade. Isso nos lembra o sacrifício de Jesus, que derramou

seu sangue para que tivéssemos vida.

• Na prática, como será o Dia do Projeto Vida por Vidas?

Sendo transformado em Lei Estadual passa a ganhar

uma divulgação através de todos os órgãos do estado. Oficialmente

poderá envolver ações que integrem toda a sociedade,

com suporte do Estado. O projeto ganha mais visibilidade e passa

a constar como sendo uma data oficial a ser comemorada.

05

REVISTA ANP


Milton Andrade

REVISTA ANP 06

SECRETARIA

Eu te escolhi

“Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos

designei para que vades e deis frutos, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto

pedirdes ao Pai em meu nome, ele vo-lo conceda.” João 15:16

Israel era a videira de Deus no Antigo Testamento (Sl. 80:8-16, Is. 5:1-7, Jr. 2:21). Infelizmente falhou na missão

de produzir o fruto desejado por Deus. O fruto almejado não se limitava a justiça e a santidade, mas incluía também a

evangelização. No papel de “Israel espiritual” (Gl. 3:29), Deus desafia seu povo a estar ligado a videira (Cristo), tornando-se

ramos frutíferos que não só produzirão frutos, mas frutos que permaneçam. Até o mês de maio deste ano (2011)

a associação era composta por 34 mil 286 ramos, divididos em 173 igrejas e 191 grupos organizados.

É impossível permanecer em Cristo e não produzir frutos. Antes de qualquer metodologia humana, o permanecer

em Jesus é o maior desafio. Permanecendo no Senhor, você permanece com o senso da missão. Permanecendo em

Deus, você permanece com a alegria de servir. Permanecendo em Cristo Jesus, colabora para que os frutos da evangelização

permaneçam também. Permanecendo em Jesus Cristo, verá em cada rosto humano alguém a ser salvo da consequência

eterna do pecado. Permaneça em Cristo!

Faltam estrelas na sua coroa

Os cristãos adventistas são desafiados

por Deus a pregar uma mensagem diferenciada

a todas as nações do planeta. As estatísticas

demonstram que ainda existem 29 países e regiões,

reconhecidos pela ONU, em que não

marcamos presença como igreja. Na América

do Sul, a única região ainda não alcançada pelos

adventistas são as Ilhas Malvinas (FalklandSlands).

Eis alguns dados mundiais:

- Países e regiões do mundo reconhecidos pela ONU: 232

- Países e regiões do mundo nos quais o trabalho adventista está

estabelecido: 203

- Países e regiões do mundo nos quais o trabalho adventista não

está estabelecido: 29

O Sábio rabino

Pastor Milton Andrade

é secretário, líder dos Ministérios

da Família e Missão Global da

Associação Norte Paranaense

Na ANP:

- Número de Municípios que fazem parte do

nosso Campo: 236

- Número de Municípios com a presença adventista:

191

- Número de Municípios sem a presença adventista:

45

Dentre os desafios desta instituição,

as cidades de Florestópolis, Alvorada do Sul,

Japurá, Tupãssi e Formosa do Oeste são alguns exemplos de localidades

que necessitam receber as boas novas do evangelho.

No total dos 45 Municípios são 190 mil 218 habitantes a serem

alcançados para a Canaã Celestial.

Certa vez um rabino perguntou a seus alunos “Como determinar a hora do amanhecer, quando finda a noite e inicia

o dia”.

Um estudante sugeriu: “É quando podemos distinguir um cachorro de uma ovelha à distância”. “Não”, respondeu o

rabino.

“É quando você pode distinguir uma figueira de uma videira?” perguntou um segundo estudante.

“Não”, disse o rabino.

“Por favor, diga-nos a resposta”, instaram os alunos.

O sábio professor disse: “É quando você tem luz suficiente para olhar os

seres humanos no rosto e reconhecê-los como seus irmãos e irmãs”.

A qualidade de nossos relacionamentos humanos reflete a qualidade de

nosso relacionamento com Deus.


COMPORTAMENTO

Um coração

acolhedor

Mirian Bertazzo

Geralmente quando uma pessoa vem à igreja, quer por iniciativa própria ou conduzida

por outro, traz consigo expectativas. Ela avalia a atmosfera e pergunta a si mesma: como

serei tratada? Eles me aceitarão? Será fácil fazer amigos? Será que vou me sentir bem? Serão

satisfeitas as minhas necessidades espirituais e pessoais?

Se forem atentos, notarão que o importante numa festa, curso ou encontro é como

alguém é acolhido. Se o dono da casa se interessa pelas pessoas, se ele cuida que ninguém

fique isolado e se pergunta em que pode ajudar, com certeza todos se sentirão acolhidos. A

atenção e o cuidado dedicados ao visitante traz o sentimento de bem estar.

Uma pesquisa científica sobre a importância da comunicação entre as pessoas chegou

aos seguintes resultados:

1. Para 7% dos entrevistados, o importante são as palavras ditas;

2. Para 38% delas, o tom da voz com que as palavras soam é o principal;

3. Para 55% a linguagem corporal utilizada por quem está se comunicando é o mais importante.

Com isso, pode-se concluir que as pessoas prestam menos atenção no “que” dizemos, e mais,

em “como” dizemos e na linguagem de nosso corpo. Assim, é possível afirmar que as pessoas

retornam à igreja se forem bem recebidas, bem tratadas e amadas. Facilmente perdoam uma

linguagem errada, mas não fazem o mesmo se não se sentem bem vindas e acolhidas.

É preciso ser uma igreja acolhedora e receptiva. Esta tarefa não diz respeito apenas a equipe

da recepção, que fica na porta do templo, mas é uma responsabilidade para todos os membros.

O visitante chegará a rápidas conclusões durante os primeiros minutos em contato com o novo

ambiente. Lembre-se que as primeiras impressões são, frequentemente, impressões duradouras.

O Ministério da Recepção é extremamente vital para a igreja e, talvez, um dos meios mais decisivos para a obra salvadora.

Receber as pessoas com amor, atenção e simpatia é mais que apenas praticar as boas regras de atendimento. Significa representar Cristo no

olhar, no sorriso, nas palavras e nas ações. Isto será fruto de uma íntima convivência com o Senhor.

Por meio de uma vida de íntima ligação com Cristo e seguindo o modelo como Ele se relacionava com as pessoas, todos devem

imitá-lo. Com Seu exemplo, sempre mostrou um coração acolhedor, pronto, amoroso e sincero para com aqueles que o buscavam. Olhe

para o bondoso mestre Jesus e procure seguir seu exemplo, sendo a cada dia, mais semelhante a Ele.

• Mulheres da Bíblia,

aprendendo com elas.

Área Soares

“Portanto recebei-vos uns aos outros, como também Cristo nos recebeu,

para glória de Deus”. Romanos 15:7

Sugestão de livros para leitura:

• Como lidar com

as emoções.

Ellen G.White

Mirian Bertazzo é líder do Ministério da Mulher

e da AFAM na Associação Norte Paranaense

• Vida Plena

de Poder

Jim Hohnberger

07

REVISTA ANP


Alberto R. Timm

REVISTA ANP 08

REPORTAGEM ESPECIAL

O que é reavivamento

O período pós-Conferência

Geral de Atlanta, EUA (junho-julho de

2010), tem se caracterizado por uma

forte ênfase na busca de um reavivamento

e uma reforma espiritual entre

os obreiros e demais membros da igreja.

Tal ênfase é uma resposta humana

positiva ao apelo divino contido na promessa

de 2 Crônicas 7:14: “Se o meu

povo, que se chama pelo meu nome,

se humilhar, e orar, e me buscar, e se

converter dos seus maus caminhos, então,

eu ouvirei

dos céus, perdoarei

os seus

pecados e sararei a

sua terra.” Sem dúvida,

“um reavivamento

da verdadeira piedade

entre nós” é “a maior

e a mais urgente de todas

as nossas necessidades. Buscá-lo, deve ser

nossa primeira ocupação.” – Mensagens Escolhidas,

vol. 1, p. 121.

Ellen G. White acrescenta: “Precisa

haver um reavivamento e uma reforma, sob a

ministração do Espírito Santo. Reavivamento

e reforma são duas coisas diversas. Reavivamento

significa renovação da vida espiritual,

um avivamento das faculdades da mente e do

coração, uma ressurreição da morte espiritual.

Reforma significa uma reorganização, uma

mudança nas ideias e teorias, hábitos e práticas.

A reforma não trará o bom fruto da justiça

a menos que seja ligada com o reavivamento

do Espírito. Reavivamento e reforma devem

efetuar a obra que lhes é designada, e no realizá-la,

precisam fundir-se.” – Mensagens Escolhidas,

vol. 1, p. 128.

Podemos compreender melhor o assunto

se tivermos em mente que reavivamento

é a causa ou motivação e que reforma é o

efeito ou consequência. Ambas devem andar

juntas, pois reavivamento sem reforma é mera

ilusão espiritual; e reforma sem reavivamento

não passa de um formalismo ético. Portanto, é

Reavivamento é a causa ou motivação e que

reforma é o efeito ou consequência.

Ambas devem andar juntas, pois

reavivamento sem reforma é mera ilusão

espiritual; e reforma sem reavivamento

não passa de um formalismo ético.

indispensável que consideremos ambos os conceitos

com suas respectivas implicações.

REAVIVAMENTO

Causa / Motivação)

O conceito de “reavivamento” espiritual

é amplo e multifacetado, com muitos desdobramentos.

Mas, independente do ângulo em que

se aborde o tema, jamais poderíamos perder de

vista quatro de suas características fundamentais.

Reconhecimento da malignidade

do pecado

No mundo em que vivemos,

temos “cerveja

sem álcool”, “café descafeinado”

e supostos

“pecados despecaminados”.

Muitos “terapeutas do púlpito” não mais

estimulam os pecadores a se arrependerem

de seus próprios pecados, mas apenas tentam

ajudá-los a superar os traumas emocionais provocados

pelos pecados dos outros, distribuindo

incontáveis “analgésicos espirituais”. Em outras

palavras, muitos hoje não admitem mais a pecaminosidade

do sua própria natureza humana.

As culturas se transformam ao longo

dos séculos, mas o pecado jamais perde a sua

malignidade com o transcurso do tempo. Isaías

59:2 adverte: “Mas as vossas iniquidades fazem

separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos

pecados encobrem o seu rosto de vós, para que

não vos ouça.” Sem uma clara compreensão da

pecaminosidade do pecado, o pecador nunca

sentirá necessidade de uma genuína conversão

pessoal, pois “os sãos não precisam de médico,

e sim os doentes” (Mt 9:12). Portanto, o verdadeiro

reavivamento destrona o orgulho pessoal,

levando o pecador a reconhecer a profunda malignidade

dos seus próprios pecados.

Sede de Deus

No Salmo 42:1-2 lemos: “Como suspi-


e reforma espirituais?

ra a corça pelas correntes das águas,

assim, por ti, ó Deus, suspira a minha

alma. A minha alma tem sede de Deus,

do Deus vivo; quando irei e me verei perante

a face de Deus?”.

O “Prefácio dos Editores” de

O Desejado de Todas as Nações, p. 13,

declara: “No coração de todo homem,

seja qual for a raça a que pertença ou

a posição que

ocupe na vida,

existe um inexprimível

anseio

de qualquer

coisa que ainda

não possui. Este anseio é implantado na

própria constituição do homem por um

Deus misericordioso, para que ele não

se satisfaça com seu estado atual e suas

consecuções presentes, sejam elas más,

boas ou ótimas. É desejo de Deus que a

humanidade procure o melhor e o encontre,

para bem-aventurança eterna

de sua alma.

Sem uma clara compreensão da

pecaminosidade do pecado, o pecador

nunca sentirá necessidade de uma

genuína conversão pessoal

Em vão procuram os homens

satisfazer esse desejo com prazeres,

fortuna, conforto, fama, poder; os que

assim procedem têm verificado que todas

essas coisas, fartando os sentidos,

deixam a alma tão vazia e descontente

como antes. É desígnio de Deus que

esse anseio do coração humano o guie

Àquele que, unicamente, é capaz de o

satisfazer. Vem

dEle esse desejo,

para que

possa conduzir

a Ele, a plenitude

e cumprimento

do mesmo desejo. Essa plenitude

encontra-se em Jesus Cristo, o Filho

do Eterno Deus.”

Nossa civilização ocidental se

caracteriza por uma sede desenfreada

de sexo, violência e misticismo, onde o

amor ao lazer e ao prazer estão suplantando

os valores bíblicos. As pessoas

gastam hoje grande parte do seu tempo

com a mídia e a socialização, sem tempo

para as prioridades espirituais. Mas

o verdadeiro reavivamento leva o ser

humano a ter sede de Deus.

Comunhão com Deus

Isaías 55:6-9 diz: “Buscai o Senhor

enquanto se pode achar, invocai-o

enquanto está perto. Deixe o perverso

o seu caminho, o iníquo, os seus pensamentos;

converta-se ao Senhor, que

se compadecerá dele, e volte-se para o

nosso Deus, porque é rico em perdoar.

Porque os meus pensamentos não são

os vossos pensamentos, nem os vossos

caminhos, os meus caminhos, diz o Senhor,

porque, assim como os céus são

mais altos do que a terra, assim são os

meus caminhos mais altos do que os

vossos caminhos, e os meus pensamentos,

mais altos do que os vossos pensamentos”.

As palavras do texto anterior

suscitam algumas indagações: Como

09

REVISTA ANP


você se sentiria

se seus pensamentos

se

tornassem audíveis?

Como

ficaria sua imagem

pública se, por onde você andasse,

todas as pessoas ouvissem os seus

pensamentos mais íntimos? Mesmo

que os demais seres humanos não conheçam

os nossos pensamentos, Deus

os conhece e deseja colocá-los em sintonia

com Sua Palavra. Para isso, necessitamos

uma conversão diária que nos

faça novas criaturas (2Co. 5:17) com “a

mente de Cristo” (1Co. 2:16). O verdadeiro

reavivamento nos leva a buscar

constantemente a Deus através da oração

e do estudo da Bíblia.

Abandono do desejo de supremacia

Os discípulos de Cristo tinham

dificuldade de entender a natureza do

reino que Ele viera estabelecer. Certa

ocasião eles chegaram mesmo a discutir

“entre si sobre qual era o maior”; e

Cristo lhes advertiu: “Se alguém quer

ser o primeiro, será o último e servo de

todos” (Mc 9:34-35). Em outra ocasião,

Cristo afirmou: “Em verdade vos digo

que vós, os que me seguistes, quando,

na regeneração, o Filho do homem se

assentar no trono da sua glória, também

vos assentareis em doze tronos para julgar

as doze tribos de Israel” (Mt. 19:28).

Motivados aparentemente por esta declaração,

Tiago e João, acompanhados

de sua mãe (Mt. 20:20), pediram a Cristo:

“Permite-nos que, na tua glória, nos

assentemos um à tua direita e outro à

REVISTA ANP 10

tua esquerda.”

Mas Este lhes

disse: “Sabeis

que os que são

considerados

governadores

dos povos têm-nos sob seu domínio,

e sobre eles os seus maiorais exercem

autoridade. Mas entre vós não é assim;

pelo contrário, quem quiser tornar-se

grande entre vós, será esse o que vos

sirva; e quem quiser ser o primeiro entre

vós será servo de todos” (Mc 10:37,

42-44).

Sob a poderosa influência do

Espírito Santo, os discípulos deixaram

de lado todo o desejo de supremacia e

de grandeza, perseverando “unânimes”

(At 2:46). Em outras palavras, “haviam

deixado de ser um grupo de unidades

independentes, ou elementos discordantes

em conflito. Sua esperança não

mais repousava sobre a grandeza ter-

Nossa civilização ocidental se caracteriza por

uma sede desenfreada de sexo, violência e

misticismo, onde o amor ao lazer e ao prazer

estão suplantando os valores bíblicos

o verdadeiro reavivamento gera o abandono

do desejo de supremacia pessoal e promove

a unidade entre os crentes.

restre.” – Atos dos Apóstolos, p. 45. Portanto,

o verdadeiro reavivamento gera

o abandono do desejo de supremacia

pessoal e promove a unidade entre os

crentes.

Uma vez que reavivamento

sem reforma é mera ilusão, é indispensável

considerarmos também a questão

da reforma na vida espiritual.

REFORMA

(Efeito / Consequência)

A reforma espiritual gerada

pelo verdadeiro reavivamento, provoca

grandes mudanças comportamentais

na vida cristã, dentre as quais destacaremos

cinco, que podem ser consideradas

básicas.

Sensibilidade espiritual

O apóstolo Paulo afirma que

“o homem natural não aceita as coisas

do Espírito de Deus, porque lhe são

loucura; e não pode entendê-las, porque

elas se discernem espiritualmente”

(1Co 2:14). Mas “estando nós mortos”

em nossos delitos e pecados, Deus nos

ressuscitou espiritualmente e “nos deu

vida juntamente com Cristo” (Ef 2:1,

5-6). Portanto, a reforma motivada pelo

reavivamento desenvolve maior sensibilidade

para com as questões espiritu-

ais.

Mudança de ênfase

O mundo pós-moderno em

que vivemos estimula a satisfação

dos gostos e instintos pessoais

acima dos princípios divinos. Neste contexto,

muitos cristãos hoje querem ser

salvos nos seus pecados, mas não dos

seus pecados. Devemos reconhecer, no

entanto, que os gostos e instintos pessoais

nem sempre estão em harmonia

com a vontade de Deus (ver Is 55:8-9),

pois “há caminho que ao homem parece

direito, mas ao cabo dá em caminhos

de morte” (Pv 14:12). Por contraste, a

reforma motivada pelo reavivamento

gera uma mudança de ênfase: dos gostos

pessoais para a conformidade com

os princípios divinos.


Redefinição no estilo de vida

George R. Knight contrastou

certa ocasião a pergunta anticristã com

a cristã. A pergunta anticristã é: “Posso

fazer isso no sábado e ainda ser salvo?”

Em outras palavras, a pessoa quer aproveitar

ao máximo o mundo, sem perder

a salvação. Já a pergunta cristã é: “Qual

a melhor maneira de observar o sábado?”

Enquanto a primeira (anticristã) é

a religião das exceções humanas; a

outra (cristã) é a religião dos ideais

divinos. Neste contexto, a reforma

motivada pelo reavivamento promove

uma redefinição no estilo de

vida: das exceções humanas para a

harmonia com os ideais divinos.

Compromisso com a pregação

do evangelho

Cristo definiu o genuíno cristão

como aquele que permite que o Espírito

Santo o guie “a toda a verdade”

(Jo16:13); que vive em conformidade

com “toda palavra que procede da boca

de Deus” (Mt 4:4); e que se dedica a

ensinar os outros “a guardar todas as

coisas que vos tenho ordenado” (Mt

28:20). Cristo instou reiteradas vezes

que o evangelho eterno deveria ser

pregado, em toda a sua abrangência,

“por todo o mundo, para testemunho

a todas as nações” (Mt 24:14); “a cada

nação, e tribo, e língua, e povo” (Ap

14:6); “a toda a criatura” (Mc 16:15); e

isto “até aos confins da terra” (At 1:8).

Sem dúvida, a reforma motivada pelo

reavivamento leva cada genuíno cristão

a um maior compromisso com a missão

global de pregar o evangelho eterno a

todos os seres humanos.

Transição do modelo competitivo para

o modelo cooperativo

O mundo em que vivemos é altamente

competitivo, e seus habitantes

sempre disputam entre si quem é “o

maior” (Mc 9:34). Essa disputa acaba

polarizando os seres humanos entre

um grupo de orgulhosos vencedores e

outro grupo de frustrados perdedores.

Dentro do cenário do grande conflito

Reavivamento e a reforma são um

processo de constante crescimento em

Cristo, crescimento este que prossegue

durante toda a vida.

cósmico entre o bem e o mal, não há

terreno neutro (ver Mt 12:30; Tg 4:4),

e os cristãos devem competir contra o

“império das trevas” (Cl 1:13) e “as forças

espirituais do mal” (Ef 6:12). Mas

mesmo competindo contra o mundo,

os cristãos devem ser unidos entre si e

cooperadores uns com os outros (ver

João 17:20-23). E a reforma motivada

pelo reavivamento estimula a transição,

entre os cristãos, do modelo competitivo

para o modelo cooperativo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O reavivamento e a reforma

precisam andar juntos como a causa e o

efeito, a motivação e a consequência. O

verdadeiro reavivamento espiritual leva

o pecador a (1) reconhecer a malignidade

do pecado; (2) ter sede de Deus;

(3) manter comunhão com Deus; e (4)

abandonar o desejo de supremacia. Por

sua vez, a reforma espiritual, gerada

pelo reavivamento, produz no cristão

(1) maior sensibilidade espiritual; (2)

uma mudança de ênfase: dos gostos

pessoais para os princípios divinos; (3)

uma redefinição no estilo de vida: das

exceções humanas para os ideais divinos;

(4) um compromisso com a pregação

do evangelho eterno; bem como

(5) a transição do modelo competitivo

para o modelo cooperativo.

Todo esse processo é motivado

pelo desejo de ser mais semelhante a

Cristo, e a imitar o exemplo do apostolo

Paulo quando disse: “Não que eu

tenha já recebido ou tenha já obtido a

perfeição; mas prossigo para conquistar

aquilo para o que também fui conquistado

por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a

mim, não julgo havê-lo alcançado; mas

um coisa faço: esquecendo-me das coisas

que para trás ficam e avançando

para as que diante de mim estão, prossigo

para o alvo, para o prêmio da soberana

vocação de Deus em Cristo Jesus.”

(Fp 3:12-14). Portanto, o reavivamento

e a reforma são um processo de constante

crescimento em Cristo, crescimento

este que prossegue durante toda

a vida, até que “este corpo corruptível

se revista da incorruptibilidade” (1Co

15:53). Só então terminará nossa batalha

contra o pecado!

Pastor Alberto R. Timm

é reitor do Seminário Adventista

Latino-Americano de Teologia e

Coordenador do Espírito de Profecia

da sede sul-americana da

Igreja Adventista do Sétimo Dia.

11

REVISTA ANP


Marcelo Bif

O site Paraná Online alertou as famílias com relação a

dívida, como visto na notícia acima. Muitos pensam que o dinheiro

não está ligado a religião, pelo contrário, Deus quer ver

seus filhos sem o peso da dívida. Em cada edição, a Revista ANP

trará uma dica financeira, mas entenda este texto como uma ajuda.

Como mordomos de Jesus, os cristãos devem administrar

bem tudo o que Ele coloca em suas mãos. É muito importante

saber como controlar o dinheiro. Muitos conceitos de economia

e finanças da sociedade atual, curiosamente ou não, estão

há muitos anos, contidos na Escritura Sagrada.

Um desses conceitos escritos na Bíblia pode englobar

tanto o âmbito empresarial como o pessoal, é a aplicação de

orçamentos.Existem muitos tipos de orçamentos. O mais conhecido

deles é a pesquisa de preços buscando o menor custo. Se

você perguntar para a maioria das pessoas sobre orçamento, elas

te responderão algo parecido com isso: “Quando quero comprar

um bem, faço a consulta de preço em várias lojas e opto pelo

mais barato”.

Há um velho ditado que diz: “quando não se sabe aonde

se quer chegar, qualquer caminho serve”. Planejar o futuro,

no sentido financeiro, requer um orçamento de entradas, saídas

e resultados. O ideal é que as suas entradas de recursos sejam

sempre maiores que as saídas, o que possibilitará economizar ou

até mesmo fazer uma reserva para um objetivo pessoal e/ou para

família. Quando se sabe quanto tem,você pode prever

aonde chegar.

MODELO BÍBLICO

O conceito de orçamento é encontrado

na Bíblia em Lucas 14:28-30 Jesus

diz: “Qual de vocês, se quiser construir

uma torre, primeiro não

se assenta e calcula o

REVISTA ANP 12

DICA FINANCEIRA

Sob Controle

De acordo com o estudo “Radiografia do Endividamento das Famílias nas Capitais Brasileiras”,

feito pela Federação do Comércio de São Paulo (Fecomercio-SP) entre os meses de janeiro e maio

de 2011, Curitiba possui o maior porcentual de famílias endividadas entre todas as capitais brasileiras.

Na cidade, 88% do total das famílias têm dívidas. O valor da dívida média mensal é de R$

1.608 - correspondente a um comprometimento de 27% da renda das famílias.

preço, para ver se tem dinheiro suficiente para completá-la? Para

não suceder que, tendo lançado os alicerces e não a podendo

acabar, todos os que a virem zombem dele, dizendo: este homem

começou a construir e não pôde acabar”.

Em sua sabedoria infinita, Jesus Cristo orienta a não iniciar

uma construção, um empreendimento ou a simples compra

de uma garrafa d’água, sem antes saber se tem como pagar. Deus

está te ajudando a não ser motivo de zombaria ou até mesmo um

insensato.

PLANEJAR VEM ANTES DE GASTAR

Apenas um conselho, tenha um planejamento financeiro

e que o mesmo seja acompanhado e ajustado quando necessário.

Faça projetos claros e bem definidos:

1) O que será comprado?

2) Quanto custará?

3) Quando será comprado?

4) Como pagar?

DE ONDE SAIRÃO OS RECURSOS?

Quando for comprar algo, defina se o mesmo é necessário

ou é um desejo. Normalmente a maioria das coisas são

compradas sem planejamento, são desejos e nunca necessidades.

Contenha seus desejos e bom orçamento pra você!

Marcelo Bif

é diretor financeiro da

Associação Norte

Paranaense


ESPAÇO PGD

Missão de

Cantar

“A música não conhece fronteiras.” Já ouviu essa frase? Apesar de simples, ela esconde uma

grande verdade. Você já notou como a música está sempre presente na vida humana? Para alguns,

ela é apreciada, saboreada ou quase um objeto de veneração.

Agora o que chama a atenção, é que mesmo aqueles que estão mais distantes do contexto musical, vira e mexe estão cantarolando

algo por aí. Sabe porque isso acontece? Porque a música está sempre presente no cotidiano, tanto em comerciais de TV, em

sites e celulares.

Em especial, as igrejas defendem a música como sendo fundamental em seus cultos. Nas Igrejas Adventistas do Sétimo Dia

a música se tornou uma ferramenta indispensável em qualquer programa.

Não importa se ela é congregacional ou instrumental, se é apresentada por solistas, quartetos ou corais. É unânime a ideia

da impossibilidade em prestar um culto de adoração a Deus sem que a música esteja presente. Um fato interessante é que a música

parece estar mais ligada ao público jovem.

Nem toda música é ouvida ou cantada por jovens, mas quase todos eles estão ligados de alguma forma a música. Está se

formando um número cada vez maior de corais nas IgrejasAdventistas e grande parte do grupo de coristas é jovem.

Mas afinal, por que a música é tão importante? E mais, por que atualmente os Corais Jovens se proliferam tanto nas igrejas?

Como a participação dos jovens nesses corais pode contribuir para o crescimento espiritual desta turma?

O SENSO DE PERTENCER

Todos os membros da igreja precisam encontrar o seu lugar

no serviço de Deus. O coral é o meio mais eficiente de mostrar

ao maior número de pessoas o seu lugar nessa missão. Quando

canta, o jovem sabe que pertence a um grupo de pessoas que estão

remando na mesma direção.

O jovem não tem por natureza ficar parado na igreja, ele

nasceu para trabalhar, tem na veia o sangue de um evangelizador.

Cada um dos jovens coristas enxerga na oportunidade de cantar a

alegria de também poder trabalhar.

AMIGOS DE VERDADE

“Não faça amizade com pessoas grosseiras ou violentas.” Provérbios

22:24

O jovem normalmente não se dá muito bem com a

solidão. Ele precisa estar cercado de movimento, ação, pessoas que

o completem. Conviver com pessoas que desejam colocar seus pés

nas pegadas deixadas por Jesus, aumenta as chances dessa influência

ser positiva.

PRAZER DE SERVIR

“Adorem o SENHOR com alegria e venham cantando até a sua

presença.” Salmos 100:2

Um coral formado por garotos cristãos definitivamente

é um lugar agradável. Cheio de vida, sorrisos e um colorido que

só o jovem possui. Um coral principalmente formado por jovens

abre espaço para servir e adorar a Deus com muita alegria, prazer e

satisfação.

NOVOS CAMINHOS

“Então, aproximando-se o que recebera cinco talentos, entregou

outros cinco, dizendo: Senhor, confiaste-me cinco talentos; eis

aqui outros cinco talentos que ganhei.” Mateus 25:20

Muitos que foram parar em um coral, estão lá porque

são tímidos e preferem participar no anonimato. O coral pode ser

o primeiro passo para levar jovens a descobrirem seus dons. Essa

pode ser uma forma de se expor aos poucos até que se sinta seguro,

para dar passos maiores no trabalho por Jesus.

Marco Bueno

ADORAÇÃO

“Salmodiai a glória do seu nome, dai glória ao seu louvor.” Salmos

66:2

O ser humano precisa estar ligado a algo maior. É fato

que todos têm a necessidade de adorar. O louvor está inserido em

cada momento da existência de um coral. Os ensaios, viagens, encontros

sociais e finalmente apresentações, tudo leva à adoração a

Deus.

A FÉ NA PRÁTICA

“Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os

em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.” Mateus 28:19

Um coral pode e deve ser o primeiro passo para projetos

maiores, que pode ir desde trabalho comunitário, Pequenos Grupos

até projetos mais audaciosos como a participação no Projeto

Calebe, por exemplo. Um exército de meninos e meninas levando

no coração o mesmo objetivo: adorar a Deus por meio da música

e da prática da fé. Um coral jovem de verdade precisa viver o que

prega e nada melhor que a participação ativa nos projetos evangelísticos

da causa de Deus.

Participar de um Coral Jovem é um passo

muito importante para a confirmação da fé.

Por trás de um coral, está a intenção de fazer

amigos, crescer espiritualmente, descobrir

o que mais se pode fazer por Jesus e

como fazer. Usar a música como ferramenta

de adoração é fundamental

não só para quem ouve, mas

também para quem canta,

e se esse cantar acontecer

em um coral, aí tudo

fica bem melhor.

Pastor Marco Bueno

é líder de Jovens,

Comunicação e

Ministério da Música da

Associação Norte Paranaense

13

REVISTA ANP


Arlei Comin

Diz E.G.W.:

“Não sabemos quais podem

ser os resultados de

dar um folheto que contém

a verdade presente.

Manuscrito 127, 1909.”

REVISTA ANP 14

REFLEXÃO

O Livro “tranca porta”

Analfabeta compra livro e transforma neto em Pastor

Até os 19 anos de idade não conhecia a

Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) e tampouco

sabia sobre a volta de Jesus. Criado num

lar católico “não praticante”, já havia me envolvido

com cigarros, drogas e bebidas. O vazio existencial

que enfrentava nesse período era tão grande,

que fui movido a buscar as “coisas de Deus”.

Incentivado por minha esposa, comecei

a procurar uma igreja que seguisse a Bíblia. Certo

dia, em uma visita familiar, percebi que meu

primo usava um livro para “trancar a porta” de

seu quarto. Fiquei impressionado ao ver aquele

livro no chão, tomei nas mãos e passei a ler sua

contracapa. Achei interessante o assunto do livro,

pois falava de um conflito cósmico entre o bem e

o mal.

O título lateral indicava: O Grande Conflito,

de Ellen White. Prometi a mim mesmo: um

dia iria ler aquele livro. Antes de sair, o coloquei

de volta e continuei a vida normalmente. Duas

semanas mais tarde, entrei pela primeira vez na

Igreja Adventista. Era domingo e o pastor pregou

um sermão intitulado “As 2 mil e 300 tardes

e manhãs de Daniel 8:14”.

Quando estava saindo da igreja, um

cartaz no mural de comunicados me chamou a

atenção. Dizia assim: Livro do Ano – O Grande

Conflito, de Ellen White. Pensei: é o livro que

está na casa da minha avó! Corri até a casa dela

para encontrar o livro e passei a ler. Foi naquelas

palavras que encontrei a pessoa maravilhosa de

Jesus, seus planos eternos para mim, a verdade

esquecida sobre o sábado e a veracidade da volta

de Jesus.

Eu e minha esposa passamos a frequentar

regularmente aquela congregação e alguns

meses depois fomos batizados na Igreja Adventista

do Sétimo Dia. Hoje, passados mais de 10

anos do meu encontro com o livro que trancava

a porta, Deus me concedeu a graça de trabalhar

a frente do Ministério de Publicações da Associação

Norte Paranaense (ANP). Sou grato a Deus

e a este ministério da IASD, não só por me alcançar,

mas por ter conseguido estudar e manter

meu lar através da venda dos livros que salvam.

Aquele livro comprado por minha avó,

analfabeta e com recursos financeiros escassos,

nunca foi lido naquela casa. Ele foi jogado de um

lado para o outro durante dez anos e no momento

certo chegou até uma alma que anelava a Deus.

Creio no poder dos folhetos para conduzir almas

à salvação, fui testemunha de como um livro pode

mudar o destino eterno de uma vida. Vi cumprir-se

em mim o que Ellen White profetizou há mais de

um século:

“É certo que alguns dos que compram os livros,

os colocarão na estante ou na mesa da

sala de visitas e raramente os olharão. Contudo

Deus tem cuidado de Sua verdade, e virá

o tempo em que esses livros serão procurados

e lidos. A doença ou o infortúnio pode entrar

no lar, e por meio da verdade contida nos livros

Deus envia aos corações turbados paz, e

esperança, e descanso. Seu amor lhes é revelado,

e eles compreendem a preciosidade do

perdão de seus pecados. Assim o Senhor coopera

com Seus abnegados obreiros” (Testemunhos

Seletos, Vol. 2. P. 532).

Cerca de 150 mil livros missionários são

distribuídos no território da ANP anualmente, mas

se queremos ver Jesus voltar em nossa geração, precisamos

e podemos fazer mais que isso. Estamos

sonhando em distribuir um milhão de livros missionários

em 2012; nosso alvo é colocar um livro

em cada lar no norte do Paraná.

Querido companheiro, nos últimos anos

você tem sido convidado a fazer parte do ministério

de publicações, através da compra e distribuição do

livro missionário do ano. Contudo, quero desafiá-

-lo a se envolver de maneira mais intensa no projeto

de 2012. Por título “A Grande Esperança”, se trata

de um resumo dos 11 principais capítulos do livro

O Grande Conflito. Queremos compartilhar a esperança

que possuímos com outras pessoas e lá no

céu veremos os resultados da leitura do “meu” livro

“tranca porta”.

Pastor Arlei Comin

é líder do Ministério de Publicações

na Associação Norte Paranaense


EVANGELIZAR

Maior Necessidade

Certo dia uma criança entrou num restaurante e solicitou:

“moço, compra uma marmita para mim? Estou com muita

fome”. Todos ficaram surpreendidos com o pedido, já que estavam

almoçando tranquilamente. Antes que alguém pudesse esboçar

uma reação, o gerente percebeu a chegada daquela criança

pedinte e disse que daria um prato de comida a ela.

Ninguém resiste a um pedido como este. Como não

sentir compaixão, pois comer é uma necessidade básica para todos,

uma das maiores e mais importantes. Necessidades existem

para serem supridas. Existem necessidades reais, básicas, prioritárias

bem como existem aquelas que não são fundamentais.

Para dizer que existem necessidades “não reais” já é mais

complexo, pois se alguém sente necessidade de algo, por mais

que não seja importante, isso é um fato. O ser humano é impulsionado

a viver o dia a dia para suprir suas necessidades, principalmente

as básicas: comer, beber, descansar, interagir, amar e

ser amado.

Um dos estudos mais conhecidos sobre “necessidades”

é o de Abraham Maslow, um psicólogo americano. É dele a

frase:”Um músico deve compor, um artista deve pintar, um poeta

deve escrever, caso pretendam deixar seu coração em paz. O

que um homem pode ser, ele deve ser. A essa necessidade

podemos dar o nome de auto-realização”.

Apesar de não estarem explícitas na teoria de

Maslow, as necessidades espirituais estão implícitas na

parte mais importante: a realização pessoal. Ele descreve

a necessidade do divino como algo apenas

a ser suprido. Afirmar que o ser humano tem

a necessidade de adorar a Deus é redundante

para um cristão.

Você está apenas ciente da importância

de suprir as necessidades espirituais, mas

dá prioridade de fato a outras coisas e acaba

se distraindo com elas e as priorizando. O

problema é que geralmente isso se torna uma

rotina e satisfazer as necessidades superficiais,

supérfluas e não espirituais ganham destaque

no dia a dia.

Necessidade não é apenas aquilo que parece

ser, mas o que de fato é. No campo das necessidades

espirituais, existe uma que é individual e

ao mesmo tempo coletiva. Ellen White alertou

a igreja mundial a buscar uma mudança de perfil

nos dias finais da história.

“Um reavivamento da verdadeira piedade

entre nós, eis a maior e a mais urgente de todas as

nossas necessidades. Buscá-lo, deve ser nossa primeira

ocupação. Importa haver diligente esforço

para obter a bênção do Senhor, não porque Deus

não esteja disposto a outorgá-la, mas porque nos encontramos

carecidos de preparo para recebê-la”, Mensagens

Escolhidas, Volume 1 (Português). P. 121.

As palavras da inspiração são bem claras. A

Josias Fonseca

maior e mais urgente de todas as nossas necessidades, individualmente

e como igreja é de “reavivamento e reforma”. É a colocação

de um Deus que conhece tudo o homem precisa.

Você pode e deve se ocupar com trabalho, que dá suprimento

material para viver. Na sociedade atual é necessário o

aprimoramento intelectual, portanto, estudar faz bem. Buscar

reconhecimento e satisfação em conquistas pessoais no campo

profissional não é pecado.

Existem inúmeras outras situações lícitas e que naturalmente

envolvem a vida dos cristãos adventistas que se preparam

para a Volta de Jesus. Mas com que intensidade essas situações

ocupam o tempo? Quanto de energia, recursos e paixão são dispensados

no envolvimento com tudo isso?

O coração do cristão precisa estar ocupado com a principal

busca: o reavivamento e a reforma. O maior presente já

oferecido pelo céu, para que a igreja cumpra seu papel de pregar

o evangelho no tempo do fim, está à disposição. A chuva serôdia,

o derramamento do Espírito Santo deve ser buscado.

“Pedi ao Senhor chuva no tempo das chuvas serôdias”,

Zac 10:1.

Nada é mais importante do que esta primeira opção,

coisa alguma deveria ser mais apaixonante. Não se poderá

enfrentar o poder das trevas sem o poder do céu! Batalha

espiritual se vence espiritualmente. Não se distraia. Não

deixe para amanhã. Redefina sua rotina, suas prioridades.

Crie consciência de sua principal e maior de todas as

necessidades. Busque suprir como sua primeira ocupação.

Agora!

“Devem os fiéis mensageiros de Deus procurar levar

avante a obra do Senhor na maneira em que Ele

determinou. Devem pôr-se em íntima ligação com o

grande Mestre para poderem ser diariamente

ensinados por Deus. Devem lutar com Deus em

fervorosa oração pelo batismo do Espírito Santo,

para que possam atender às necessidades de um

mundo que perece no pecado. Todo poder é

prometido aos que saem com fé para proclamar

o evangelho eterno. Ao darem os servos de Deus

ao mundo uma mensagem viva, que vem pura do

trono de Deus, brilhará a luz da verdade como

uma lâmpada acesa, alcançando todas as partes do

mundo. Assim serão as trevas do erro e da

descrença expulsas da mente dos honestos”,

Testemunho para Ministros e Obreiros

Evangélicos, p. 459.

Pastor Josias Ferreira da Fonseca

é líder do Ministério Pessoal da

Associação Norte Paranaense

15

REVISTA ANP


Élvia Andrade

É correto a mãe advertir o filho pequeno a não atravessar

uma rua movimentada? Se você visse uma criança brincando

no topo de um penhasco, iria adverti-la? O que você faria se visse

uma criança – talvez o próprio filho – manejando uma faca afiada

ou um objeto mais perigoso?

Em cada caso, a ação do adulto preocupado é determinada

pelo perigo que ameaça a criança. Todos têm a responsabilidade

de agir para evitar a ameaça contra o pequeno ser humano.

Você sabia que eles, assim como todos os adultos, estão diante

de uma ameaça constante, de um risco muito maior do que estes

mencionados?

O mundo está piorando cada vez mais, a terrível força

de atração do pecado e suas consequências estão ameaçando

os pequenos. A Bíblia ensina que todos nascidos neste mundo,

possuem uma natureza pecaminosa (Sl. 51:5). Essa natureza irá

muito cedo se manifestar em ações pecaminosas também (Rn.

3:23).

Isto igualmente se aplica às crianças, quer sejam elas

nascidas num lar cristão ou não.

Elas precisam aprender sobre Jesus, aceitar o Seu amor e

o maravilhoso plano da salvação. Para que isto aconteça, alguém

precisa ensinar, os pequeninos precisam ouvir e entender a mensagem

bíblica.

Assim o Espírito Santo pode tocá-los para responder

REVISTA ANP 16

Página da Garotada

Que nenhum desses

pequeninos pereça

positivamente ao seu chamado. Quando viveu entre os homens,

Jesus dedicou parte de seu tempo dando atenção, ensinando,

curando e até mesmo ressuscitando crianças. Certa vez, ao falar

aos seus discípulos sobre a ovelha perdida, Ele disse: “Assim,

pois, não é da vontade de vosso Pai celeste, que pereça um só

destes pequeninos” (Mt. 18:14).

Ao ler este verso e os versos anteriores, pode-se entender

que além de não ser a vontade do Pai que nenhum destes

pequeninos se perca, o Filho veio para salvá-los. É necessário

que você se torne instrumento de Deus a fim de conduzir os pequeninos

a Cristo, livrando-os de sofrer o castigo que em breve

sobrevirá a este mundo. As crianças precisam de ensino!

Elas não nasceram conhecendo a Deus e nunca irão

conhecer ao Senhor, a menos que sejam ensinadas. As crianças

precisam de um Salvador da mesma forma que os adultos. Deus

precisa de você para semear a salvação no coração delas. A palavra

de Deus mostra que os sinais do fim estão pouco a pouco se

cumprindo, o tempo é breve. Busque enxergar as necessidades

das crianças e procure satisfazer essas necessidades. A medida que

leve as boas novas do evangelho até elas, faça tudo o que estiver

ao seu alcance para prepará-las para estar no céu com Jesus.

Élvia Andrade é líder do

Ministério da Criança e do Ministério

do Adolescente da Associação Norte Paranaense


FIDELIDADE

A resposta ao desafio de fazer um pacto com Deus pode

ser simples, mas para ser completa exige a fundamentação adequada.

Para isso o cristão deve ter uma experiência firmada em bases

sólidas. Pacto é o mesmo que aliança, acordo ou compromisso. Envolvendo,

ao menos, duas partes, é uma negociação prévia, onde o

elemento tempo é importante. As expectativas, o compromisso e o

objeto pactual também são pontos relevantes a serem analisados.

Deus manifestou interesse em fazer alianças com seu povo,

considerando a necessidade de mais um canal de bençãos. Como

uma manifestação de Sua graça, pacto é um processo de religação

da criatura com o Criador, através dele se estabelece uma espécie de

coligação espiritual entre o homem e Deus. Por exemplo, a aliança

entre Deus e Noé (Gn 9:9-17) e a com Abraão (Gn 17:2-7) que

envolvia o ato da circuncisão (Gn 17:10-14).

Os passos para iniciar uma relação pactual com Deus:

1. Relacionamento - A comunhão é a base para o estabelecimento

de um pacto.

2. Despertamento - Perceber a necessidade de uma nova experiência

com Deus.

3. Iniciativa - A determinação pessoal de entrar numa relação pactual

com Deus.

4. Oração - Buscar a orientação divina na “negociação” dos termos

pactuais.

5. Compartilhamento - Envolver a família na decisão e detalhamento

do pacto.

6. Planejamento - Definição da regularidade, do período e do valor

do pacto.

7. Ação - O ato de adoração ao dedicar, separar e entregar sistematicamente

determinado valor (o objeto pactual) à causa de Deus.

A RELAÇÃO PACTUAL

A base para a elaboração de uma aliança é a comunhão, por

isso todo tipo de pacto envolverá, pelo menos, dois lados. Como

uma experiência relacional, a aliança deve existir em termos do compromisso

mútuo entre as partes envolvidas. Pactos são estabelecidos

num regime de comunhão seja numa sociedade comercial,

conjugal ou espiritual. Na relação espiritual, o cristão

se compromete com os interesses do reino de

Deus, reconhecendo Sua posse e soberania universal.

Conhece a prioridade divina sobre tudo, todos

e sobre o próprio ser.

O pacto também envolve uma experiência

relacional com Deus, portanto deve ser resultado

de uma comunhão íntima com Ele. É através

dessa comunhão que se conhece a Deus e se passa

a confiar nEle. Ninguém começa uma relação com

quem não tem um nível de confiança. O pacto

do casamento, por exemplo, é estabelecido sobre

a base da confiança. O mesmo pode-se dizer do

pacto comercial. Até quando se contrata alguém

para cuidar da casa e dos filhos.

Em todo tipo de relação pactual é

necessário haver um nível razoável de confiança.

No pacto com Deus a confiança é

um elemento de grande importância e a

Edinaldo Juarez

Como fazer um

pacto com Deus

comunhão é a base. É o relacionamento com Deus, que vai gerar

confiança de conhecê-Lo: como Ele age, como opera, quais são Suas

intenções, Seus planos e propósitos. No desdobramento dessa relação,

quando se percebe as ações de Deus na vida de outras pessoas e

na própria vida, nasce a confiança. Assim são estabelecidas as bases

para uma relação pactual.

O PLANEJAMENTO

Detalhando o planejamento do pacto financeiro sistemático,

nota-se a inclusão de três principais aspectos para diferenciá-lo da

oferta ocasional, dada por impulso:

• regularidade • período • valor

A regularidade do pacto financeiro sistemático tem a ver

com a frequência com que ele será entregue: semanal, mensal trimestral,

quadrimestral, semestral ou anual. Isso deve ser definido

conforme a frequência e regularidade das entradas financeiras pessoais

ou familiares. Quanto maior for a entrada, maior a frequência de

adoração pelo pacto.

O período de duração de cada pacto precisa ser definido

previamente. Um pacto financeiro sistemático pode durar alguns

meses, um ano ou mais, devendo ser renovado para uma esfera de

maior compromisso com Deus e com os interesses de Seu reino.

O valor estabelecido para este concerto financeiro vai depender

da percepção das bênçãos de Deus na vida e das reais limitações

financeiras de cada um. Uma boa sugestão é começar com 5%,

mirando a marca dos 10%, como um segundo dízimo. A igreja tem

registros de pessoas que chegam a entregar 25% ou mais de seus

rendimentos, além dos dízimos.

Quando firmar uma aliança com Deus, lembre-se que Ele

já fez tanto pelos homens que até mesmo Sua “inércia” seria uma

bênção. Afinal de contas “nós O amamos porque Ele nos amou primeiro”

(1Jo 4:19). Se seu pacto for feito com o Criador, você sempre

estará em débito, jamais se aproximará daquilo que Deus já fez

por você, menos ainda se adicionar o que Ele ainda pode e deseja

fazer.

Deus não convida você a fazer acordos com Ele para tirar

proveito, compensar Suas “perdas” ou levar vantagens. Ele o faz

para abençoá-lo, fazendo do pactuante um canal de bênçãos para

outras pessoas e para Sua igreja. No campo das finanças,

cada um deveria fazer um pacto específico com

Deus determinando valores, período e regularidade.

Fica a sugestão para que você viva sobre

a plataforma de diversas alianças com

Deus. Especialmente experimentando o

pacto financeiro, cumpra-o e quando terminar

o período estabelecido renove-o. De

pacto em pacto, você irá fortalecer cada vez

mais seus laços de comunhão com Deus e verá

sua vida sendo cada dia mais, um canal de bênçãos

para outras vidas. “Oferece a Deus sacrifício

de ações de graças e cumpre os teus votos para

com o Altíssimo” (Sl 50: 14).

Pastor Edinaldo Juarez Silva

é líder de Mordomia Cristã na

Associação Norte Paranaense

17

REVISTA ANP


Marta Balbé

Na Bíblia, o ensino cristão é considerado

um ministério. Paulo afirma que

pregar está no mesmo patamar de ensinar

(Efésios 4:11). Na igreja primitiva não

havia distinção entre os dois. O propósito

era o mesmo, o conteúdo era o mesmo, a

única diferença era o método. A educação

cristã crê que toda verdade encontra seu

centro e unidade em Deus. Ela é comunicada

ao homem por meio de Jesus Cristo

e sua revelação inspirada, a Bíblia.

A Bíblia deve ser o grande educador

em cada sala de aula, pois é impossível

estudar suas páginas sem ter o intelecto

disciplinado, enobrecido, purificado e

refinado. A Palavra de Deus deve ocupar

o lugar mais importante dentre os livros

educativos e deve ser tratada com reverência

(Pedagogia Adventista, p. 40).

Segundo Ellen White, escritora

cristã, “a Bíblia contém todos os princípios

que os homens necessitam compreender

a fim de se habilitarem tanto para esta

vida como para a futura. E tais princípios

podem ser compreendidos por todos”.

Por isso, considera-se fundamental que o

educador apresente diariamente a Palavra

de Deus, para que as crianças e os adolescentes

reconheçam o Criador, Mantenedor

e Sustentador de todas as necessidades

humanas.

Ao familiarizar os estudantes

com a Bíblia, o educador terá a ajuda dAquele

que sempre auxiliou Seu povo desde

a fundação do mundo, auxiliando nos trabalhos

da Terra e modificando caracteres.

Para White, “há tempo para instruir as

crianças e tempo para educar; e é essencial

que essas duas coisas sejam combinadas

em alto grau na escola”. Salomão afirmou

há séculos: “instrui o menino no caminho

em que deve andar; e até quando envelhe-

REVISTA ANP 18

EDUCAÇÃO

O compromisso do

educador cristao

“Vós sois as minhas testemunhas, diz o Senhor, o meu servo, a quem escolhi” (Isaías 43:10).

O educador cristão foi chamado por Deus para auxiliar na educação das crianças e adolescentes. Ele representa para Deus uma

poderosa luz, que deve brilhar e ajudar na realização do sonho de Jesus: ver crianças e adolescentes no reino dos Céus. “Vós sois a

luz do mundo”, disse Cristo (Mateus 5:14).

cer não se desviará dele” (Prov. 22:6).

De acordo com a Pedagogia

Adventista “o educador é representante

de Deus como embaixador das verdades

eternas”, portanto sua missão é Educar e

Salvar. E para cumprir plenamente a sua

missão ele precisa compreender os seguintes

princípios:

1. A formação de crianças e adolescentes é

um processo cooperativo em que são juntamente

responsáveis: os pais, a igreja e a

escola. O estudante sente que é parte de

uma comunidade com história e destino,

na qual pode cooperar.

2. A Bíblia constitui a base e o ponto de

referência nas atividades educativas. Todo

o programa escolar e extra-classe reflete a

cosmovisão e os princípios das Escrituras.

3. Jesus Cristo ocupa um lugar privilegiado

na vida da Instituição. Sua vida perfeita,

morte expiatória, ressurreição gloriosa

e intercessão amorável asseguram a salvação

de todos os que se achegam a Ele com

fé. Os educadores vivem os princípios do

cristianismo e os estudantes são animados

a aceitarem a Jesus como Salvador.

4. Os educadores promovem o desenvolvimento

integral de cada estudante

levando em conta a dimensão mental, espiritual,

física e social de cada um deles.

Tomando como exemplo o desenvolvimento

equilibrado de Cristo, despreza-se

todo dualismo entre alma e corpo, teoria e

prática, pietismo e ativismo.

5. O objetivo principal de cada educador

é orientar e capacitar os estudantes para

que desenvolvam um caráter nobre. Todo

o programa escolar tem como propósito

restaurar ao ser humano a condição ideal

em que Deus o criou.

6. Os educadores e os estudantes reconhecem

que toda verdade autêntica tem sua

origem em Deus e que todos os campos

do conhecimento oferecem oportunidades

de ampliar e aprofundar sua compreensão

da verdade total, guiados pelo Espírito

Santo.

7. O serviço em favor de outros seres humanos,

motivado pelo amor de Deus e

utilizando os talentos que Ele confiou, é o

ideal supremo da existência.

8. Os estudantes são estimulados a desenvolver

um pensamento informado, independente

e responsável a fim de tomarem

decisões baseadas em princípios bíblicos.

9. Os alunos aprendem a apoiar e tomar

parte ativa na missão evangelizadora e restauradora

que Jesus Cristo confiou à sua

igreja.

10. Os estudantes são capacitados a serem

cidadãos úteis, para continuar seu desenvolvimento

integral ao longo da vida. O

objetivo é animá-los a prepararem-se para

uma educação contínua na eternidade

com Deus.

Portanto, a oração do educador

cristão deverá ser a mesma de Davi

quando escreveu o Salmos 71:18: “Não

me abandones, ó Deus, para que eu possa

falar da tua força aos nossos filhos, e do

teu poder às futuras gerações”. Ellen White

escreveu que “a salvação dos alunos é

o mais elevado interesse confiado ao professor

temente a Deus. Ele é colaborador

de Cristo e seu especial esforço deve ser

salvar almas da perdição e ganhá-las para

Jesus Cristo”.

Que naquele dia glorioso cada

educador cristão esteja pronto para dizer

a Deus “Eis-me aqui com aqueles que me

foram confiados”.

Marta Balbé é líder da Educação

Adventista na Associação Norte Paranaense


Porque os membros da

igreja não podem batizar?

Sandro Fagundes

BOA PERGUNTA

a sua consciência de tudo aquilo que julgava ser pecado. A Bíblia

fala sobre o assunto no livro de Reis. Conta a história de um

general chamado Naamã que após mergulhar sete vezes no Rio

Jordão recebeu a cura (2 Rs 5:14).

O batismo foi introduzido primeiramente por João Batista

(Jo 1:28) no cristianismo e foi com este movimento que o

ato de mergulhar tomou outro aspecto. Com o surgimento das

primeiras comunidades cristãs, o batismo passou a ter o significado

de iniciação do novo adepto na comunidade de fé.

Batizar-se, no cristianismo, tornou-se prerrogativa para

o ato de pertencer a uma determinada comunidade. A diferença

do batismo cristão em relação aos rituais antigos está no fato de

ter passado a ser feito uma única vez. Não mais como ritual de

purificação, mas como ritual de iniciação. Com o passar dos séculos

o batismo sofreu mudanças na sua forma original do cristianismo

primitivo.

A igreja cristã se tornou a religião oficial do império romano

no ano de 313 d. C. e com o tempo o relacionamento entre

o clero e os leigos ficou desequilibrado por

distorções que emergiram. Mas Lutero, líder

do movimento protestante, restaurou o

conceito bíblico do sacerdócio universal, revelando

os erros cometidos na interpretação

bíblica.

Rompendo com os dogmas católicos

da confissão auricular e da mediação dos

santos, Lutero ensinava que todos os crentes

tinham pleno direito de orar diretamente ao

Pai por meio de Jesus Cristo (Jo 14:6; I Tm

2:5) e também de testemunhar a outros as

boas novas da salvação (At 1:8). Lutero não

eliminava a necessidade de um ofício ministerial

organizado.

A importância do ofício ministerial

dentro da comunidade dos crentes é enfatizada

tanto no Antigo Testamento, por meio

da instituição do sacerdócio levítico (Êxodo

O batismo tem sido praticado por diversas religiões ao longo da história. Não é de hoje

que fiéis e devotos percebem na água uma função mística e sagrada de ligação com o transcendente.

A palavra batismo vem do grego “baptizo” e significa imergir ou afundar. Simultaneamente,

assume o sentido de purificar ou lavar.

Nas religiões da antiguidade, as pessoas praticavam rituais de mergulho na água como

forma de purificação. Alguns exemplos são: os rituais gregos a Baco e Ísis, os banhos dos egípcios

no Rio Nilo e dos babilônicos no Rio Eufrates. Até nos dias de hoje, os hindus, conhecido no

Brasil como Movimento Hare Krishna, têm o ritual de lavagem no Rio Ganges para purificação.

Nas sociedades antigas havia uma aspiração inerente a todo homem, o desejo de purificar

28), como no Novo Testamento, através do ensino apostólico.

Paulo é claro em afirmar que o próprio Cristo concedeu “uns

para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas e

outros para pastores e mestres...” (Ef 4:11 e 12).

Isso significa que nem todos são chamados a exercer

as mesmas funções dentro da igreja. Além disso, o Novo Testamento

atesta que o rito do batismo não era ministrado por

todos os crentes da igreja primitiva. Por exemplo, o batismo de

arrependimento que preparava o caminho do Messias era ministrado

especificamente por João Batista. Aqueles que aceitavam o

evangelho, durante o ministério de Cristo, eram batizados pelos

Seus discípulos (Jo 4:1 e 2). Já o livro de Atos revela que, após

a ascensão de Cristo, esse rito era oficiado pelos apóstolos e por

outros líderes da igreja (At 2:38-41; 8:12,35-39; 9:18; 10:44-

48).

Embora o imperativo de “ir e fazer discípulos de todas

as nações, batizando-os” (Mt 28:19), fosse dado originalmente

aos onze discípulos, ele se aplica a todos os cristãos, de todas

as épocas e lugares. Todos os crentes têm,

portanto, a solene responsabilidade de testemunhar

do evangelho aos descrentes, incentivando-os

a uma experiência genuína com

Cristo que culmine com o batismo.

Isso não significa que todo crente

deva oficiar pessoalmente o batismo de seus

conversos; pois essa cerimônia deve ser ministrada

apenas por aqueles que foram escolhidos

como ministros do evangelho. Não

são todos que podem batizar no sentido

formal desta palavra, mas todos receberam

dons necessários para ajudar na grande obra

cristã.

Para responder a pergunta o autor utilizou

a revista chamada “Sinais dos textos”

de 1998.

Pastor Sandro Fagundes é evangelista

na Associação Norte Paranaense

19

REVISTA ANP


Jovens “Para Glória de Deus”

Quando se fala em energia e força, logo vem a mente atividades que só jovens

fariam. Seja em escaladas ou em caminhadas noturnas, jovem é sinônimo de determinação.

A sede da Igreja Adventista para o norte do Paraná está realizando um projeto para

despertar nos jovens o espírito missionário. O projeto intitulado Para Glória de Deus,

ou simplesmente PGD, pretende preparar os jovens para a missão dos últimos dias. O

plano consiste em uma série de atividades para salvar pessoas.

A escritora norte-americana, Ellen G. White, afirma que nunca houve uma

época em que tão importantes resultados dependessem de uma geração. “Pesadas responsabilidades

recaem sobre a juventude. Deus espera muito da juventude que vive

nesta geração de luz e conhecimento grandemente aumentados. Ele quer usá-los para

dissipar o erro e a superstição que estão obscurecendo o entendimento de muitos. Os

jovens devem disciplinar-se adquirindo para si cada jota e til de conhecimento e experiência”,

livro Mensagens aos Jovens, página 199.

O projeto se divide em dois passos de atividades, no primeiro semestre cerca

de seis mil jovens receberam palestras sobre reconsagração e no segundo semestre eles

devem transmitir a verdade que receberam. De acordo com o líder jovem da Associação

Norte Paranaense, pastor Marco Bueno, os jovens passam o que recebem. “Não tem

como passar aquilo que você não recebeu, eles primeiro receberão poder para depois

serem testemunhas do evangelho”, afirma.

Nos primeiros seis meses do ano de 2011, o Ministério Jovem da ANP investiu

em espiritualidade para os jovens. Começando com a Missão Calebe em janeiro, passando

por uma série de treinamentos nos vários segmentos da área jovem e findando em

duas maratonas espirituais, mais conhecidas como vigílias.

Gisele Zen, jovem de Cascavel, participou da Campal Jovem em 2010 e decidiu

voltar aos caminhos de Deus. Ela estava afastada da igreja há alguns anos. Durante a vigília

do PGD ela foi batizada e seu exemplo está mudando a vida de sua amiga Andressa

Lopes. De acordo com o pastor Ely

Borges o testemunho de Gisele emocionou

Andressa. “Ela ficou muito

feliz com a decisão da amiga. Após o

batismo a primeira pessoa que Gisele

abraçou foi Andressa, mesmo molhada”,

relata o pastor de Jardim Clarito,

em Cascavel.

Vanessa Paz, aluna do Colégio

Adventista de Cascavel e filha de ex-

-adventista, teve interesse pela igreja

devido a aulas e amigos adventistas.

Ela também foi batizada na maratona

espiritual e hoje esta participando da

REVISTA ANP 20

ANP


igreja juntamente com a mãe Ana Janete. “A mãe de Vanessa,

irmã Ana Janete, ia à igreja esporadicamente e hoje com o batismo

da filha está muito animada e vai frequentemente,” conta o

pastor Carlos Ramos, responsável pelas igrejas de Vila Claudete.

“Este é o despertamento dos jovens no sul do Brasil”,

afirmou Elmar Borges, pastor líder de jovens para a região sul

brasileira. Dentre as várias áreas de ação do Ministério Jovem se

destacam os seguintes projetos: Semana de Oração, Domingos

especiais, Quando eu Amar e Primavera de Esperança. Somando

6 mil jovens, o projeto Para Glória de Deus agora tem uma

grande equipe na pregação do evangelho. Um time com camisetas

iguais, unidos em uma só voz e um só objetivo: formar uma

geração de jovens reavivados no sul do Brasil.

Semana de

Oração Jovem

Após investirem na

consagração, através das

Maratonas Espirituais, a

juventude está indo a campo

para falar do amor de

Jesus. A “Semana de Oração

Jovem” movimentou

as igrejas, de 09 a 16 de

julho.

Na igreja de Neva,

em Cascavel, o programa

foi realizado pelo saxofonista

Josias Cardeal.

De acordo com Marcelo

Lima, líder local, os participantes

se emocionaram

com um batismo especial

na sexta-feira. “A Semana

de Oração Jovem foi um

sucesso total. Todas as

noites a igreja esteve lotada e durante a semana o número de

visitas superou a média de 10 por dia”, afirmou.

Em Jacarezinho, divisa com o Estado de São Paulo, algumas

visitas souberam da semana através da internet. “Vi que

está acontecendo uma programação especial e resolvi participar”,

contou uma das visitantes.

Quando Eu Amar

Este plano consiste em visitar pessoas, orar, distribuir

presentes e convidá-los a assistir palestras exclusivas sobre a lei de

Deus nos cultos de domingo. “Os jovens irão orar e fazer amizade

com os vizinhos da igreja. A amizade é um aspecto importante

para a salvação de almas”, lembra o pastor Marco Bueno, líder de

jovens da ANP.

Em Mamborê, região centro ocidental paranaense, uma

grande quantidade de pessoas assistiu o programa especial sobre

os 10 mandamentos. “Esta sendo uma experiência muito boa.

Logo no primeiro domingo a igreja estava cheia, que tudo isso

seja realmente Para Glória de Deus (PGD)”, ressaltou Eder Souza,

regional de Desbravadores.

Alguns jovens não se contentaram em trabalhar no próprio

território e decidiram aparecer na cidade vizinha. Foi o caso

dos “PGDs Calebes de Inajá”. Uma cidade com poucos adventistas,

Cruzeiro do Sul, foi o ponto de chegada para a combi

e mais carros cheios de esperança. “Reuni um grupo, pegamos

a combi emprestada e fomos evangelizar Cruzeiro. Entregamos

500 DVDs e mais de

mil folhetos abordando

a Lei de Deus. A população

foi convidada para

assistir um culto especial

feito especialmente

pelos jovens. Estamos

dispostos a ser usados

por Deus”, conta Elias

da Silva Júnior, líder jovem.

21

REVISTA ANP


Concílio da AFAM

motiva mulheres

na ação missionária

Clima aconchegante, energia

contagiante, muitas lágrimas e palestras

incríveis. Se fosse para resumir

o Concílio da Área Feminina da Associação

Ministerial (AFAM) seria esta

a descrição exata. Aproximadamente

90 pessoas participaram do encontro

que ocorreu no Ody Parque Resort

Hotel, em Iguaraçu, há 30 quilômetros

de Maringá.

O concílio aconteceu de 23

a 26 de junho e teve por tema central,

“Mulheres nas mãos de Deus”. De

acordo com Mirian Bertazzo, coordenadora

da AFAM para a região norte

do Paraná, o principal objetivo do

encontro foi o reavivamento para a

missão. “O propósito fundamental do

concílio foi conscientizar as participantes

da urgente necessidade do um

reavivamento espiritual”, afirmou.

Foram vivenciados momentos

de grande emoção no local. Como

foi o caso de Romana Fagundes, ela

tem uma doença degenerativa nos

olhos. Na manhã de sábado Romana

e mais duas mulheres acordaram de

madrugada, foram a um local reservado

e oraram a Deus por cura. Após a

oração Romana conseguiu ler a Bíblia

após muitos anos sem fazê-lo. Ela foi

ungida pelos pastores Ronaldo Bertazzo

e Milton Andrade. “A unção não

é feita apenas no leito de morte, ela

significa um pedido de cura e entrega”,

esclareceu o pastor Bertazzo.

REVISTA ANP 22

A cidade de Foz do Iguaçu, extremo

oeste do Paraná, foi sede para um grande

encontro de pastores que trabalham em oito

países sul-americanos. De 24 a 28 de maio

deste ano mais de 4 mil pastores assistiram

palestras e planejaram ações para o reavivamento

da igreja.

O evento intitulado “Concílio Unidos

na Esperança” discutiu assuntos

diversos e importantes para meio pastoral.

O tema do reavivamento espiritual

foi destaque na reunião. Os líderes

foram estimulados a uma reforma espiritual

juntamente com suas famílias.

Todos os líderes mundiais da

Igreja Adventista estiveram no encontro,

inclusive o pastor Ted Wilson, líder

mundial da denominação. De acordo

com o líder adventista para a América

do Sul, pastor Erton Köhler, esta foi a

primeira vez que a igreja, com 1 milhão

e meio de membros somente no Brasil,

reuniu toda a sua liderança em uma região

para refletir sobre o papel dos pastores na so-

Foz do Iguaçu é

sede para Concílio

Ministerial inédito

ciedade.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia

é formada por quase 17 milhões de membros

em mais de 200 países do mundo. O pastor

Köhler espera que o concílio motive e dê

rumo aos líderes adventistas. “O resultado esperado

deste grande e inédito encontro é uma

liderança motivada e focada a fazer mais pelas

pessoas ao redor de suas igrejas “, confia.

No sábado à tarde, todos os participantes

saíram às ruas para demonstrar a prática

cristã. Foram entregues 48 mil exemplares

do livro chamado “Ainda Existe Esperança”,

escrito por Enrique Chaij. O livro aborda o

ministério de Jesus Cristo desde Seu nascimento

até Sua morte. Os livros foram distribuídos

aos moradores das cidades de Foz do

Iguaçu e Santa Terezinha de Itaipu.

Os pastores e líderes da Associação

Norte Paranaense (ANP) assistiram ao programa

e ficaram felizes em receber tantos mi-

nistros em “casa”. O presidente da ANP, Ronaldo

Bertazzo, afirmou que a escolha do local

foi decidida devido a tríplice

fronteira de Foz do Iguaçu.

“A decisão de realizar o concílio

em nosso território foi

da própria Divisão. O fato de

receber tantos pastores foi um

privilégio para nós”, confessa.

Além de receber tantos convidados,

a ANP foi beneficiada

com a distribuição do livro

missionário. “Agora estamos

continuando o trabalho em

Foz com séries evangelísticas

para alcançar almas para Cristo”,

conta o presidente.


Escritor de best-sellers fala a alunos

do Colégio Adventista de Maringá

O escritor Laurentino Gomes realizou uma

palestra no Colégio Adventista de Maringá, dia 19

de abril. Formado em Jornalismo pela Faculdade Federal

do Paraná (UFPR), ele é autor dos best-sellers

1808 e 1822. Em sua palestra, Laurentino destacou

um dos principais assuntos de seus livros: o contexto

histórico brasileiro no período entre a descoberta e a

independência. O autor foi presenteado com a coleção

de livros sobre a Educação Adventista da autora

norte-americana Ellen G. White e com o livro Mente

Positiva do autor Julián Melgosa. Telma Alexandre,

diretora do Colégio Adventista, afirmou que o principal

objetivo da palestra foi ajudar os alunos na preparação

para o vestibular, tal como informá-los sobre

o assunto. Para finalizar o programa foi organizada a

distribuição de autógrafos com alunos, professores e

funcionários.

Mãe do jornalista Galvão Bueno

recebe livro Ainda Existe Esperança

Mildred Galvão Bueno, mãe

do jornalista da Rede Globo Galvão

Bueno, recebeu no dia 16 de

abril, o livro “Ainda Existe Esperança”.

A entrega aconteceu na

Igreja Adventista Central de Londrina,

na programação especial

que recebeu amigos visitantes. A

mãe e mais 250 pessoas aproximadamente

visitaram a igreja em

Londrina. O presidente da Associação

Norte Paranaense (ANP),

Ronaldo Bertazzo escreveu uma

dedicatória para Galvão e ela entregou

o livro ao filho. A mídia

local esteve presente.

Jovens realizam

primeira distribuição

do livro

“A Grande Esperança”

Aconteceu no Instituto

Adventista Paranaense (IAP), de 16

a 18 de julho, o encontro de filhos

de obreiros da União Sul Brasileira

(USB). Intitulado “Identificados pelo

Pai”, o evento reuniu 145 jovens com

idade inicial de 12 anos. O palestrante

oficial do evento foi o pastor Rafael

Santos, líder de jovens adventistas

para o Estado de Santa Catarina. Ele

falou sobre consagração de maneira

atraente e descontraída.

O programa foi intenso e

com diversas atividades. Pôr de sol

especial, dinâmicas, encenações, fogo

do conselho, jantar temático (preto e

branco) e distribuição de livros. No

sábado à tarde, os participantes foram

até a cidade de Floresta, quase 15

quilômetros do colégio, para entregar

o livro missionário “A grande Esperança”.

“Para um verdadeiro reavivamento

acontecer na vida da igreja. Ele

primeiro precisa acontecer na vida do

pastor e na família do pastor. Hoje,

estamos incentivando os filhos de

obreiros a uma reforma espiritual”,

esclareceu o pastor Rafael.

Aproximadamente 1.700

casas foram alcançadas por mais de

60 duplas, formadas pelos filhos de

obreiros da USB. Com sorriso nos lábios,

os jovens saíram para fazer a diferença

na vida do semelhante. “Esta

provavelmente é a primeira distribuição

organizada do livro evangelístico

no território da Divisão Sul-Americana”,

afirmou o pastor Antônio Moreira,

organizador do evento e líder

ministerial da USB.

23

REVISTA ANP


Desde o ano de 2004 a Festa das Primícias está ganhando mais público. Ela

leva caravanas de todo o Paraná até a pequena região de Mamborê Sítio, cerca de 150

quilômetros de Maringá. Neste ano, a festa ocorreu no dia 07 de maio, reunindo mais

de 3 mil pessoas. Este programa é realizado anualmente e tem por fundamentos: o

reconhecimento da soberania de Deus na Terra, a gratidão pela providência divina nos

campos e a fidelidade. As famílias que frequentam a igreja local entregam a Deus as

primícias da colheita e dos campos. Num momento único, cada integrante das famílias

caminham até o altar para depositar simbolicamente 10% de sua colheita. Esteve

presente no local a cantora Iveline

e também músicos da região norte

paranaense. O orador oficial deste

ano foi Erton Kohler, presidente

da Igreja Adventista do Sétimo

Dia para a América do Sul. Ele

falou sobre a importância de uma

festa especial de agradecimento a

Deus. “É preciso ser grato a Deus

em qualquer circunstância, mas parece

que existem dias que agradecemos

com mais alegria, hoje é um

desses dias. Não é a terra que nos

dá os frutos, o leite e os animais: é

Deus”, afirmou o pastor Kohler.

REVISTA ANP 24

Honra a Deus

com as primícias

Exército brasileiro realiza pioneiro

Curso de Sobrevivência Vegetariano

As margens do Lago de Itaipu, em Foz do Iguaçu (PR), 89 líderes de Desbravadores

enfrentaram o chamado “Curso de Sobrevivência” organizado pela Associação Norte Paranaense

em parceria com o Exército Brasileiro. Foram quatro dias de combate aos “Três efes”,

ou seja, enfrentando a fome, o frio e a fadiga. Comandados pelo subtenente José Vicente

Garonce, os jovens aprenderam a procurar alimento na mata, se localizar utilizando a bússola,

transportar feridos e sobreviver comendo apenas uma vez por dia alimentos vegetais. Normalmente

cursos como este têm atividades de caça, mas o Curso de Sobrevivência promovido

pelos oficiais do Exército Brasileiro

da Tríplice Fronteira foi único

devido ao cardápio. “Este foi o

primeiro curso de sobrevivência

exclusivamente vegetariano que

realizamos”, conta o subtenente

Garonce.


Deus protegeu

Evandro dos Reis testemunhou o milagre que envolveu

sua filha Isabela em um programa especial para os “Amigos da Esperança”

no Colégio Adventista de Maringá (CAM). A van onde

Isabela, aluna do colégio, estava sofreu um grave acidente na PR

317. A van colidiu de frente com um caminhão e teve perca total.

Quatro pessoas saíram ilesas do acidente e pela misericórdia de

Deus, uma delas foi Isabela. O pai se emocionou durante o testemunho

e fez com que os pais presentes sentissem a importância de

Deus na vida.

Adventista recebe resposta

à oração após 30 anos

No dia 19 de maio de 2010 a Igreja Adventista na América do Sul participou

do projeto Lares de Esperança. Na casa do pastor Arno e Lídia Voos,

em Cruzeiro do Oeste, não foi diferente. Eles convidaram seus vizinhos para um

jantar e se iniciou uma amizade com a família Barbosa. No mesmo momento

foram oferecidos estudos bíblicos para o casal e sua filha e eles aceitaram. A sede

de conhecer as verdades bíblicas traduziu-se em questionamentos, com isso o

estudo se estendeu por cinco meses e era realizado todas as quintas-feiras à noite.

A professora Dejanira Barbosa, vizinha do pastor Arno, foi a Maringá assistir ao

vivo o encerramento do evangelismo realizado pelo pastor Luís Gonçalves, no

mês de outubro do ano passado, bem como o programa de batismo dos “Homens

e Mulheres de um Minuto”. Este evento auxiliou no propósito de Dejanira servir

a Deus de todo o coração e também de se tornar adventista. Desde então ela começou

a frequentar a igreja e se preparar para o batismo. Por 30 anos a prima de

Dejanira, Hortência, orou para que a família se entregasse a Jesus. Sua oração foi

atendida no dia 19 de março deste ano com o tão esperado batismo.

“Chicão da Sanfona” se entrega a

Jesus em Arapongas

O músico Francisco Batista da Silva, mais conhecido

como Chicão da Sanfona, foi batizado no dia

29 de abril na Igreja Central de Arapongas. Ele é musico

profissional e faz parte da Associação Brasileira de Música e Artes (ABRAMUS). Durante

muitos anos, Chicão animou festas e tocou em bailes no Brasil. Ele desenvolveu

o prazer pela música desde cedo e hoje é o único afinador de Acordeom do Estado do

Paraná. Ele conheceu a Jesus devido ao trabalho de Jânio Dias, missionário adventista

na cidade. Após receber estudos bíblicos, Francisco marcou seu batismo para o mês de

abril, contudo, o contrato que fizera com a Prefeitura de Arapongas assumindo a responsabilidade

de tocar nos bailes da terceira idade, não poderia ser rompido. No mesmo

mês, ele sentiu o toque do Espírito Santo e ao ouvir o anúncio do próximo batismo

procurou o pastor do distrito afirmando seu desejo de entregar o coração a Jesus. Ele

rompeu o contrato com a prefeitura para seguir a Jesus.

25

REVISTA ANP


JANEIRO A ANP teve a maior quantidade de jovens participando

da Missão Calebe no sul do Brasil. Foram 104 pessoas que passaram o

mês de janeiro evangelizando. 19 jovens realizaram o projeto em Assis

Chateaubriand, ao final, uma série evangelística foi iniciada.

FEVEREIRO Foi mês de Treinamento Integrado em todo território. Todos

os departamentos instruíram líderes locais.

MARÇO Com objetivo de preparar os noivos para o matrimônio,

o Ministério de Lar e Família da ANP organizou dois “Cursos de Noivos”,

dias 26 e 27 de março. Cerca de 120 pessoas participaram.

ABRIL

O Projeto Vida por Vidas ganhou destaque na mídia paranaense.

No dia 30 de abril a cidade de Cascavel cadastrou mil e quinhentos

doadores e foi destaque no site CGN.

• • • • •

Aconteceu no dia 30 de abril a organização da igreja de Engenheiro

Beltrão, juntamente com a ordenação de anciãos, diáconos e diaconisas.

• • • • •

Desde o dia 7 de abril a cidade de Santa Helena, no interior do Paraná,

está acompanhando a programação da TV Novo Tempo em canal

aberto.

REVISTA ANP 26

Ministério da Prisão muda

vida de 72 encarcerados

“Em cada lugar deste mundo existe um preso que

chora em busca da liberdade aos homens ele implora. Queria

voltar a ser livre, viver com seus familiares. Mas vai se

encontrar num presídio sofrendo atrás de uma grade. Prisioneiro,

Jesus vai te visitar. Na cela do seu coração, vai tirar

a prisão que te faz chorar.”, é o que diz a letra de uma música

cantada por prisioneiros.

O Ministério da Prisão foi criado quando através

de uma carta um preso pediu aos adventistas que o visitassem

e também seus sete filhos que moravam com a avó. A

carta chegou a Igreja Adventista Central de Maringá e ficou

parada durante 40 dias. Num sábado à tarde, Ruth Tesche,

então líder do Ministério da Mulher, soube da existência de uma carta empoeirada de um detento.

Ela foi tocada pelo Espírito Santo e aceitou o convite para visitá-los, tanto a família quanto o encarcerado.

Ali surgiu um trabalho de evangelismo que perdura por 17 anos. Atualmente um grupo de sete voluntários

realiza assistência espiritual em todos os presídios da região de Maringá.

Um batismo interessante aconteceu no Centro de Detenção Provisória de Maringá, no mês de abril. Foi

a vitória contra o passado de 22 presos que ao passarem pelo batismo iniciaram uma nova jornada. Esta entrega

foi realizada pelo pastor Nilton de Oliveira, da Igreja Central de Maringá. “Nestes quatro anos em que realizo este

trabalho, Deus transformou 180 pessoas e hoje temos uma igreja dentro desta prisão”, explica o pastor Nilton.

Além de visitar os encarcerados, este ministério leva mensagens de conforto, carinho e esperança aos detentos

através de várias literaturas. No dia 06 de maio foram distribuídas revistas, estudos bíblicos e mil Bíblias na

unidade penal. “Nosso objetivo é levar o evangelho de amor e o conhecimento da salvação aos abandonados pela

sociedade. Um dia eles sairão daqui do Centro de Detenção Provisória, mas serão novas criaturas transformadas

pelo poder de Deus”, expõe a mãe Ruth.

O Centro de Detenção Provisória conta com 12 celas evangélicas, mas conhecidas como igrejas e 72

adventistas. O evangelista Marcos Roberto está preso a mais de três anos e conta como Deus o tem usado dentro

da unidade prisional, ele foi transformado por Deus enquanto estava preso. “Jesus me tocou dentro do cárcere e

eu nunca encontrei nada tão verdadeiro na vida. Ele mudou a minha vida. Este batismo foi maravilhoso pra mim,

pois muitos que como eu, estavam no crime, decidiram pelo batismo”, conta Marcos.

ACONTECEU...

MAIO A ADRA estabeleceu uma data especial para arrecadar

ofertas para auxiliar países que sofreram catástrofes. Em todos os países

do mundo, 14 de maio foi o “Dia da Oferta para o Fundo Mundial de

Emergência”.

JUNHO Mais de 180 pessoas participaram do Encontro do Ministério

da Mulher, no dia 11 de junho. O distrito de Vila Operária, Maringá,

organizou uma série de palestras da temática feminina no auditório

da FAP, em Ivatuba.

• • • • •

O Ministério da Mulher de Jacarezinho promoveu, dia 3 de junho, a vigília

“Mostre-me o Salvador”. Com programação diferenciada o evento

chamou a atenção de quem participou.

• • • • •

No dia 18 de junho a Igreja Central de Cascavel foi reinaugurada e

dedicada ao Senhor. Além da construção, a igreja recebeu também um

sistema de ar condicionado, sistema de som para o salão dos jovens e

um piano de calda.

JULHO Tramita na Câmara de Campo Mourão, um projeto de lei

que pretende instituir o Dia Municipal dos Desbravadores e deverá ser

comemorado no quarto sábado do mês de abril.

• • • • •

O bairro Jardim Brasília, em Marialva, dedicou um templo a Deus, no

dia 16 de julho. A cerimônia contou com a presença de 350 pessoas. A

“Capital da uva fina” recebeu o adventismo em 1947.


VEM AÍ...

More magazines by this user
Similar magazines