Views
5 years ago

Livro BTS-Humanas.pdf - UFRB

Livro BTS-Humanas.pdf - UFRB

Livro BTS-Humanas.pdf -

  • Page 3 and 4: Baía de Todos os Santos
  • Page 5 and 6: Carlos Caroso Fátima tavares Cláu
  • Page 7 and 8: Sumário Prefácio 9 Introdução 1
  • Page 9: Prefácio o estado da Bahia, ao lon
  • Page 13 and 14: Introdução Carlos Caroso Fátima
  • Page 15 and 16: implantação de outras alternativa
  • Page 17 and 18: estender seus limites às regiões
  • Page 19 and 20: O livro encontra-se organizado em t
  • Page 21 and 22: Referências AGOSTINHO, Pedro. Emba
  • Page 23 and 24: Figura 3 - Saveiros de vela de iça
  • Page 25 and 26: embarcações de pesca e transporte
  • Page 27: Eixo I - Formação Histórico-cult
  • Page 31 and 32: Considerações gerais sobre a ocup
  • Page 33 and 34: Arqueologia, podemos considerar que
  • Page 35 and 36: Não obstante as restrições do es
  • Page 37 and 38: se considerarmos a distribuição e
  • Page 39 and 40: [...] e tomando por este rio abaixo
  • Page 41 and 42: O número de pessoas que habitam o
  • Page 43 and 44: fabricação de objetos domésticos
  • Page 45 and 46: mais ricos, com recursos para adqui
  • Page 47: Referências ANCHIETA, José de. Ca
  • Page 51 and 52: No processo de descobrimento do sé
  • Page 53 and 54:

    Esta providência garantiu ao gover

  • Page 55 and 56:

    A cabeça da Baía A cidade do Salv

  • Page 57 and 58:

    poderia o Brasil dentro em breve es

  • Page 59 and 60:

    ditas águas não banham toda a ext

  • Page 61 and 62:

    se podiam fabricar facilmente nos e

  • Page 63 and 64:

    atacada por uma esquadra comandada

  • Page 65 and 66:

    o mercado externo os diversificados

  • Page 67:

    NICOLÁS, Daniel Hiemaux. Tempo, es

  • Page 71 and 72:

    Ao pensarmos as relações estabele

  • Page 73 and 74:

    da sociedade colonial: outros povos

  • Page 75 and 76:

    opostas, mas complementares. Para o

  • Page 77 and 78:

    Caramuru e Catarina tornaram-se, as

  • Page 79 and 80:

    contacto e às relações de escamb

  • Page 81 and 82:

    Accioli e Amaral, no entanto, atrib

  • Page 83 and 84:

    evoltas dos indígenas e pela possi

  • Page 85 and 86:

    Portanto, apaziguar os indígenas e

  • Page 87 and 88:

    O quadro de tensões e insatisfaç

  • Page 89 and 90:

    entre esses trabalhadores eram os t

  • Page 91 and 92:

    ca de dominação adotada, os índi

  • Page 93 and 94:

    c) Calvário - Carmo - Salvador. Fo

  • Page 95 and 96:

    h) Santiago - Rio Pirajá. Foi fund

  • Page 97 and 98:

    O segundo ato se inicia com a impla

  • Page 99 and 100:

    LAPA, J. R. do A. A Bahia e a Carre

  • Page 103:

    No entorno de Todos os Santos: trá

  • Page 106 and 107:

    Figura 1 - Mapa da região metropol

  • Page 108 and 109:

    Figura 3 - Cais de Nazaré das Fari

  • Page 110 and 111:

    110 | Baía de Todos os Santos havi

  • Page 112 and 113:

    112 | Baía de Todos os Santos O di

  • Page 114 and 115:

    Figura 4 - Cidade do Salvador a par

  • Page 116 and 117:

    116 | Baía de Todos os Santos Exce

  • Page 118 and 119:

    118 | Baía de Todos os Santos Como

  • Page 120 and 121:

    Figura 5 - Saveiro navegando pelas

  • Page 122 and 123:

    122 | Baía de Todos os Santos de u

  • Page 124 and 125:

    124 | Baía de Todos os Santos iron

  • Page 126 and 127:

    126 | Baía de Todos os Santos Anto

  • Page 129:

    A defesa da Baía de Todos os Santo

  • Page 132 and 133:

    132 | Baía de Todos os Santos A hi

  • Page 134 and 135:

    134 | Baía de Todos os Santos cons

  • Page 136 and 137:

    Figura 3 - Carta da Baía de Todos

  • Page 138 and 139:

    138 | Baía de Todos os Santos cort

  • Page 140 and 141:

    Figura 6 - Planta do Forte de Santo

  • Page 142 and 143:

    142 | Baía de Todos os Santos Há

  • Page 144 and 145:

    Figura 10 - Cadastro do Forte de S.

  • Page 146 and 147:

    Figura 12 - Planta e elevação do

  • Page 148 and 149:

    148 | Baía de Todos os Santos Toda

  • Page 150 and 151:

    150 | Baía de Todos os Santos conf

  • Page 152 and 153:

    Figura 15 - Particular da gravura d

  • Page 154 and 155:

    154 | Baía de Todos os Santos Pelo

  • Page 156 and 157:

    156 | Baía de Todos os Santos p. 1

  • Page 158 and 159:

    158 | Baía de Todos os Santos Não

  • Page 160 and 161:

    160 | Baía de Todos os Santos cons

  • Page 162 and 163:

    Figura 24 - Desenho do futuro sarge

  • Page 164 and 165:

    Figura 27 - Fortim de S. Francisco,

  • Page 166 and 167:

    166 | Baía de Todos os Santos O ca

  • Page 168 and 169:

    Figura 30 - Representação do fort

  • Page 170 and 171:

    170 | Baía de Todos os Santos Não

  • Page 172 and 173:

    172 | Baía de Todos os Santos Sant

  • Page 174 and 175:

    Figura 37 - Planta e elevação do

  • Page 176 and 177:

    176 | Baía de Todos os Santos os n

  • Page 178 and 179:

    178 | Baía de Todos os Santos Fort

  • Page 180 and 181:

    180 | Baía de Todos os Santos O ve

  • Page 182 and 183:

    182 | Baía de Todos os Santos Bern

  • Page 184 and 185:

    184 | Baía de Todos os Santos A pr

  • Page 186 and 187:

    186 | Baía de Todos os Santos long

  • Page 188 and 189:

    188 | Baía de Todos os Santos Defe

  • Page 190 and 191:

    190 | Baía de Todos os Santos que

  • Page 192 and 193:

    192 | Baía de Todos os Santos que

  • Page 194 and 195:

    194 | Baía de Todos os Santos Taes

  • Page 196 and 197:

    Figura 46 - Planta das fortificaç

  • Page 198 and 199:

    Figura 48 - Situação atual do For

  • Page 200 and 201:

    200 | Baía de Todos os Santos Refe

  • Page 202:

    202 | Baía de Todos os Santos SAMP

  • Page 207 and 208:

    Até onde vai o Recôncavo? A pergu

  • Page 209 and 210:

    passando por São Gonçalo dos Camp

  • Page 211 and 212:

    de marginalização frente às nova

  • Page 213 and 214:

    área de 10.400 km 2 . Este tem sid

  • Page 215 and 216:

    Eram aldeias constituídas por um a

  • Page 217 and 218:

    de 1614, Capuame passou a ser conhe

  • Page 219 and 220:

    parte das boiadas do São Francisco

  • Page 221 and 222:

    urbanas sub-regionais. Existiam, co

  • Page 223 and 224:

    casas ou sobrados contínuos. Por e

  • Page 225 and 226:

    No Litoral Norte, como já vimos, c

  • Page 227 and 228:

    egionalmente. A estas duas tendênc

  • Page 229 and 230:

    não se limitou ao Seminário de Be

  • Page 231 and 232:

    As tipologias religiosas A arquitet

  • Page 233 and 234:

    deste século, mas com planta assim

  • Page 235 and 236:

    a matrizes e igrejas de irmandades

  • Page 237 and 238:

    está na tulôsse, planta sagrada h

  • Page 239 and 240:

    A arquitetura civil Um complexo eng

  • Page 241 and 242:

    O exemplar mais nobre dessa tipolog

  • Page 243 and 244:

    casas-engenho Em meados do século

  • Page 245 and 246:

    Nas margens do Paraguaçu e do Jagu

  • Page 247 and 248:

    no seu pórtico se publicavam os ed

  • Page 249 and 250:

    O Recôncavo possuiu casas de câma

  • Page 251 and 252:

    ______. ______. Salvador: SIC, 1982

  • Page 255:

    A Baía de Todos os Santos na reali

  • Page 258 and 259:

    258 | Baía de Todos os Santos Nest

  • Page 260 and 261:

    260 | Baía de Todos os Santos que

  • Page 262 and 263:

    262 | Baía de Todos os Santos e à

  • Page 264 and 265:

    264 | Baía de Todos os Santos A de

  • Page 266 and 267:

    266 | Baía de Todos os Santos BAHI

  • Page 269:

    A contribuição da Baía de Todos

  • Page 272 and 273:

    272 | Baía de Todos os Santos fora

  • Page 274 and 275:

    274 | Baía de Todos os Santos O de

  • Page 276 and 277:

    276 | Baía de Todos os Santos O hi

  • Page 278 and 279:

    Figura 1 - Operações com contêin

  • Page 280 and 281:

    280 | Baía de Todos os Santos O TP

  • Page 282 and 283:

    282 | Baía de Todos os Santos Send

  • Page 284 and 285:

    Figura 4 - Terminal Portuário Migu

  • Page 286 and 287:

    286 | Baía de Todos os Santos Conc

  • Page 288:

    288 | Baía de Todos os Santos ROSA

  • Page 293 and 294:

    A Baía de Todos os Santos: espaço

  • Page 295 and 296:

    Relatos sobre esta idade da Baía d

  • Page 297 and 298:

    esorts. Santiago do Iguape e São F

  • Page 299 and 300:

    [...]. Após as leis e as práticas

  • Page 301 and 302:

    Além da suposta conivência de aut

  • Page 303 and 304:

    altamente diversificados na BTS, da

  • Page 305 and 306:

    A Tabela 1 reúne a relação de mu

  • Page 307 and 308:

    Mas a participação de jovens meno

  • Page 309 and 310:

    De acordo com os dados contidos no

  • Page 311 and 312:

    Assim, o beneficiamento quando exis

  • Page 313 and 314:

    6,00 para atravessadores, incluindo

  • Page 315 and 316:

    Quadro 1 - Produção (toneladas) d

  • Page 317 and 318:

    Quadro 2 - Número de locais de cap

  • Page 319 and 320:

    de dezenas de localidades, vendem d

  • Page 321 and 322:

    egra para muitas comunidades pesque

  • Page 323 and 324:

    ______. Pescadores artesanais: natu

  • Page 327:

    A ambiguidade dos meios: ensaio erg

  • Page 330 and 331:

    Figura 2 - “Deixa falar”, Cacha

  • Page 332 and 333:

    Figura 5 - Vela morcegueira, Torrin

  • Page 334 and 335:

    Figura 7 - Criação artesanal de o

  • Page 336 and 337:

    Figura 9 - A madeira fresca do vinh

  • Page 338 and 339:

    338 | Baía de Todos os Santos móv

  • Page 340 and 341:

    Figura 12 - A seta, Torrinha, Cairu

  • Page 342 and 343:

    Figura 13 - Pescador leva pescado p

  • Page 344 and 345:

    Figura 15 - Homens tratam das canoa

  • Page 346 and 347:

    Figura 18 - Canoas à espera de rev

  • Page 348 and 349:

    348 | Baía de Todos os Santos Conc

  • Page 351:

    Um contraponto baiano de açúcar e

  • Page 354 and 355:

    354 | Baía de Todos os Santos Perc

  • Page 356 and 357:

    356 | Baía de Todos os Santos O a

  • Page 358 and 359:

    Figura 2 - Cortadores de cana. Foto

  • Page 360 and 361:

    360 | Baía de Todos os Santos foi

  • Page 362 and 363:

    362 | Baía de Todos os Santos melh

  • Page 364 and 365:

    364 | Baía de Todos os Santos nem

  • Page 366 and 367:

    Figura 4 - Trabalhadores de usina.

  • Page 368 and 369:

    Figura 5 - Estandarte do Raízes de

  • Page 370 and 371:

    370 | Baía de Todos os Santos vez

  • Page 372 and 373:

    372 | Baía de Todos os Santos qual

  • Page 374 and 375:

    374 | Baía de Todos os Santos BRUB

  • Page 377:

    Baía de Todos os Santos: uma visã

  • Page 380 and 381:

    380 | Baía de Todos os Santos Sua

  • Page 382 and 383:

    Figura 1, 2 e 3 - Representações

  • Page 384 and 385:

    384 | Baía de Todos os Santos Um s

  • Page 386 and 387:

    386 | Baía de Todos os Santos dele

  • Page 388 and 389:

    388 | Baía de Todos os Santos da p

  • Page 390 and 391:

    390 | Baía de Todos os Santos Rela

  • Page 392 and 393:

    392 | Baía de Todos os Santos A pr

  • Page 394 and 395:

    394 | Baía de Todos os Santos de 1

  • Page 396 and 397:

    396 | Baía de Todos os Santos à d

  • Page 398:

    398 | Baía de Todos os Santos SILV

  • Page 403 and 404:

    Escrever sobre o tema Baía de Todo

  • Page 405 and 406:

    papel da pesquisa científica tem s

  • Page 407:

    Chama-se Recôncavo, a região que

  • Page 411:

    Ocultações e espelhamentos: proce

  • Page 414 and 415:

    414 | Baía de Todos os Santos prot

  • Page 416 and 417:

    416 | Baía de Todos os Santos e va

  • Page 418 and 419:

    418 | Baía de Todos os Santos mari

  • Page 420 and 421:

    420 | Baía de Todos os Santos proj

  • Page 422 and 423:

    422 | Baía de Todos os Santos i) B

  • Page 424 and 425:

    424 | Baía de Todos os Santos Figu

  • Page 426 and 427:

    426 | Baía de Todos os Santos Cec

  • Page 428 and 429:

    Figuras 16, 17, 18, 19, 20, 21, 22

  • Page 430 and 431:

    Figuras 24 e 25 - Explorando textur

  • Page 432 and 433:

    Figura 31 - Exposição marítima.

  • Page 434 and 435:

    Figura 33 - Casa de pescador - Baia

  • Page 436:

    436 | Baía de Todos os Santos Refe

  • Page 441 and 442:

    A Bahia de Todos os Santos é a por

  • Page 443 and 444:

    golfo. Como este - ou melhor, como

  • Page 445 and 446:

    esperamos que seja logo corrigida e

  • Page 447 and 448:

    Esse grande calendário festivo tem

  • Page 449 and 450:

    Não são poucos os que acham difí

  • Page 451 and 452:

    O problema consiste em saber se é

  • Page 453 and 454:

    Isso não significa que falte o rec

  • Page 455 and 456:

    A Festa de Nossa Senhora da Boa Mor

  • Page 457 and 458:

    é cultuada pela Irmandade desde o

  • Page 459 and 460:

    Dizem que este costume principiou p

  • Page 461 and 462:

    múltiplas direções. Tem muitas f

  • Page 463 and 464:

    No seu uso corriqueiro, “exótico

  • Page 465 and 466:

    desenvolvido ao longo dos anos de 2

  • Page 467 and 468:

    marcantes, singulares, de seu curso

  • Page 469 and 470:

    Em Salvador, essa festa tem propor

  • Page 471 and 472:

    (ALiB), iniciativa nascida na Unive

  • Page 473 and 474:

    culturais” do Recôncavo da Baía

  • Page 475 and 476:

    por mercúrio e chumbo; cresce a po

  • Page 479:

    Diversidade, visibilidade e dimens

  • Page 482 and 483:

    482 | Baía de Todos os Santos cont

  • Page 484 and 485:

    Bahia / Município Total (1) 484 |

  • Page 486 and 487:

    486 | Baía de Todos os Santos O ca

  • Page 488 and 489:

    Figura 2 - Atlas da filiação reli

  • Page 490 and 491:

    Figura 3 - Distribuição dos terre

  • Page 492 and 493:

    492 | Baía de Todos os Santos Por

  • Page 494 and 495:

    494 | Baía de Todos os Santos Quan

  • Page 496 and 497:

    496 | Baía de Todos os Santos A li

  • Page 498 and 499:

    498 | Baía de Todos os Santos espa

  • Page 500 and 501:

    500 | Baía de Todos os Santos real

  • Page 502 and 503:

    502 | Baía de Todos os Santos Outr

  • Page 504 and 505:

    504 | Baía de Todos os Santos no q

  • Page 506 and 507:

    506 | Baía de Todos os Santos dos

  • Page 508 and 509:

    508 | Baía de Todos os Santos BARA

  • Page 510 and 511:

    510 | Baía de Todos os Santos CAST

  • Page 512 and 513:

    512 | Baía de Todos os Santos GOME

  • Page 514 and 515:

    514 | Baía de Todos os Santos MARQ

  • Page 516 and 517:

    516 | Baía de Todos os Santos PORT

  • Page 518 and 519:

    518 | Baía de Todos os Santos SANT

  • Page 520 and 521:

    520 | Baía de Todos os Santos ANEX

  • Page 522 and 523:

    522 | Baía de Todos os Santos f) F

  • Page 524 and 525:

    524 | Baía de Todos os Santos ANEX

  • Page 526 and 527:

    526 | Baía de Todos os Santos Fest

  • Page 529:

    Festas na Baía de Todos os Santos

  • Page 532 and 533:

    Figuras 2 e 3 - Devoção religiosa

  • Page 534 and 535:

    534 | Baía de Todos os Santos O te

  • Page 536 and 537:

    536 | Baía de Todos os Santos A pr

  • Page 538 and 539:

    538 | Baía de Todos os Santos A co

  • Page 540 and 541:

    540 | Baía de Todos os Santos assu

  • Page 543:

    Revisitando a Baía Literária Pedr

  • Page 546 and 547:

    546 | Baía de Todos os Santos Kiri

  • Page 548 and 549:

    548 | Baía de Todos os Santos Nunc

  • Page 550 and 551:

    550 | Baía de Todos os Santos topo

  • Page 552 and 553:

    552 | Baía de Todos os Santos idei

  • Page 554 and 555:

    554 | Baía de Todos os Santos com

  • Page 556 and 557:

    556 | Baía de Todos os Santos da B

  • Page 559:

    A Baía de Todos os Santos em Mar M

  • Page 562 and 563:

    562 | Baía de Todos os Santos [...

  • Page 564 and 565:

    564 | Baía de Todos os Santos O po

  • Page 566 and 567:

    566 | Baía de Todos os Santos para

  • Page 568 and 569:

    568 | Baía de Todos os Santos em t

  • Page 570 and 571:

    570 | Baía de Todos os Santos perd

  • Page 572:

    572 | Baía de Todos os Santos SOUZ

  • Page 577 and 578:

    “Onde fica mesmo o Brasil, sabend

  • Page 579 and 580:

    epresentação espacial da Ilha de

  • Page 581 and 582:

    (Ilha dos Frades onde o romance sit

  • Page 583 and 584:

    padres, é “[...] a antropofagia

  • Page 585 and 586:

    herói da independência, o alferes

  • Page 587 and 588:

    pelos representantes das elites do

  • Page 589 and 590:

    como destacou Utéza (1999) 11 - o

  • Page 591:

    HOLANDA, Sérgio. O mito americano.

  • Page 595 and 596:

    Sobre os autores Carlos Caroso PhD.

  • Page 597 and 598:

    Luydy Abraham Fernandes Graduado em

  • Page 599 and 600:

    de Comunicação e Artes da ECA/USP

Projetos de Pós-Graduação em Engenharia Naval - UFRB
Baixe o livro em pdf (1.926 KB) - Marxists Internet Archive
A inesgotável Misericordia de Deus - Livros evangélicos
O livro das lagrimas; legendas da vida de Santo Antonio de Lisboa
Primeiras páginas - A Esfera dos Livros
Miolo livro ATELIES.pmd - Lappis
Catalão e Caldas Novas livre do coronelismo
Livro das Pesquisas Premiadas (PDF) - CNPq
Estatuto do Desarmamento - Livros Grátis
O livro do Fogo Sagrado - Flor da Alma
O ENSINO DA FILOSOFIA NO LIMIAR DA ... - Universia Livros
o-jornal-da-cidade-online-edicao-03-2014
Acesse o livro aqui - EBC - Empresa Brasil de Comunicação
Jorge-Luis-Borges-Livro-dos-Sonhos-pdfrev
O que vocês pensam do Cristo? - Livros evangélicos