Views
5 years ago

Uma volta pela casa de mil salas paralelas ... - revista Icarahy

Uma volta pela casa de mil salas paralelas ... - revista Icarahy

Uma volta pela casa de mil salas paralelas ... - revista

Revista Icarahy Edição n.04 / outubro de 2010 Uma volta pela casa de mil salas paralelas: colagem e surrealismo em Poliedro, de Murilo Mendes Bárbara Nayla Piñeiro de Castro Pessôa ∗ RESUMO: Baseada na produtividade quase infinita da prática do deslocamento, a colagem surrealista é a estética que privilegia como motor de sua prática os “efeitos de estranhamento sistemático”, próprio da surrealidade, conforme André Breton. Este trabalho tem como objetivo ler o livro Poliedro (1966), de Murilo Mendes, sob a ótica da prática da colagem e de sua recepção crítica do movimento surrealista. Palavras-Chave: Colagem, Murilo Mendes, surrealismo ABSTRACT: Based on the almost infinite productivity of the practice of displacement, the surrealistic collage is the aesthetic that privileges the “systematic defamiliarization effect” which characterizes the surreality, according to André Breton, as a motor of its practice. This work aims to read the book Poliedro (1966), by Murilo Mendes, in the optic of the practice of collage and its critical reception of the surrealistic movement. Key-Words: Collage, Murilo Mendes, surrealism O temporal ao mesmo tempo mostra oculta a realidade. É bem deste mundo mas desvendanos um ângulo outro. Quem é no temporal, quem está? O verbo desarticula-se, o som. Inquietante pensar que o invisível adverte. • Nenhum Dubuffet consegue pintar a matéria do temporal. Serão fluidas todas as coisas? Talvez todas as coisas sejam através (MENDES, 1994: p.1016). Escolho minha porta de entrada nesta “casa de mil salas paralelas” que é Poliedro (1966), de Murilo Mendes. Dentre a oferta numerosa, tomo a que nos entrega seu segredo, “ser através”. Desautomatizando a percepção da nossa lente, os códigos culturais que condicionam nosso olhar para o mundo, “ser através” é a chave que nos abre a porta desta casa, é a oportunidade do olhar que ensaia um outro ângulo de aproximação. ∗ Mestranda em Estudos Literários – Literaturas Hispânicas pela Universidade Federal Fluminense. Bolsista do CNPq.

O SUJEITO EM MIGRAÇÃO DO/NO DISCURSO ... - revista Icarahy
condições de produção do discurso e formações ... - revista Icarahy
RAPOSA SERRA DO SOL NA MÍDIA RORAIMENSE - revista Icarahy
SERIA A CHUVA GENOCIDA? UMA DISCUSSÃO ... - revista Icarahy
ELIZABETH COSTELLO DIALOGANDO COM A ... - revista Icarahy
ENTRE O ENIGMA E O NOIR: O ROMANCE ... - revista Icarahy
um exame através dos gêneros crônica de opinião ... - revista Icarahy