Descarregar revista electrónica (ficheiro PDF)

emagazine.voegele.ag.net

Descarregar revista electrónica (ficheiro PDF)

RoadNewsfor new roads

> Em acção nos EUA: SUPER 2100-2 reabilita estradas com betão compactado por cilindro (BCC)

> Alargamento da estrada federal B 50 na Alemanha: InLine Pave ® convence peritos em pavimentos asfálticos

> Exemplos práticos: Pavimentadoras compactas VÖGELE

A revista VÖGELE sobre aplicações de pavimentos Edição 17 | Outubro 2009

> Reabilitação da auto-estrada A 61 na Alemanha com uma SUPER 2100-2 com mesa SB 250 TP1:

Pavimentação de 12 m de largura

sem juntas


Pavimentação “quente sobre quente” com boa classificação: conjunto InLine Pave ® numa estrada federal

da região de Hunsrück, Alemanha.

2

04

Reabilitação da A 61:

SUPER 2100-2 com mesa SB 250 TP1

pavimenta numa largura de 12 m.

12

Obra InLine Pave ® na região

de Hunsrück, Alemanha:

alargamento da estrada federal B 50.

16

Relatórios de obra com pavimentadoras

compactas VÖGELE: versáteis, fáceis

de manobrar e potentes.

22

Potência VÖGELE para a corrida de

cavalos: uma SUPER 1900 reabilita

o hipódromo em Lyon, em França.

Páginas centrais: Sugestões e

truques das técnicas de aplicação

Raspador lateral e acabador de bermas

facilitam a pavimentação.

26

Breves: pavimentadoras SUPER

no circuito de Fórmula 1 em Abu Dhabi.

28

Sensores para o NIVELTRONIC Plus ® :

nivelar com sensores mecânicos.

34

Pavimentação de betão compactado por

cilindro (BCC): SUPER 2100-2 reabilita

estradas municipais em Indianápolis, EUA.


Precisão a todos os níveis:

Sensores para o sistema de nivelamento

NIVELTRONIC Plus ®

A escolha variada e prática de sensores para o NIVELTRONIC Plus ® , o sistema de nivelamento

automático da VÖGELE, permite pavimentar com máxima precisão em qualquer situação.

Começámos a nossa série de artigos sobre os diferentes tipos de sensores VÖGELE na última

RoadNews. A primeira parte da série foi dedicada aos sensores sónicos sem contacto. Depois de

termos recebido comentários muito positivos, pela qualidade do artigo e pelo interesse da matéria,

apresentamos nesta edição os sensores mecânicos – que possibilidades há, como funcionam e

quais são as aplicações mais indicadas para cada um.

Nesta edição da RoadNews também relatamos duas aplicações algo invulgares com máquinas

VÖGELE. Na área da grande Lyon, em França, uma SUPER 1900 espalhou, no âmbito da reabilitação

de um hipódromo, ViscoRide – um material composto por fibras têxteis recicladas, por areia e pelo

aglutinante polímero Viscopol. E em Indianápolis, nos EUA, uma SUPER 2100-2 reabilitou estradas

municipais com betão compactado por cilindro (BCC).

Para grandes larguras de pavimentação e pavimentos com perfis exactos, as mesas fixas da VÖGELE

são a escolha certa. Uma realidade provada e mais uma vez comprovada na obra da auto-estrada

de Bornheim, Alemanha. Equipada com uma mesa fixa SB 250 TP1, uma SUPER 2100-2 reabilitou

as duas faixas e a berma numa única passagem, ao longo de uma largura de 12 m. Todos elogiaram

a qualidade da pavimentação.

Como pequeno suplemento, anexamos um poster nesta edição da RoadNews, com uma sinopse

da impressionante gama de pavimentadoras SUPER da VÖGELE.

Desejamos que tenha muito prazer na leitura da revista.

Roland Schug

Director de Marketing

Ficha técnica RoadNews for new roads – A revista VÖGELE sobre aplicações de pavimentos | Direcção: Neckarauer Straße 168 – 228, 68146 Mannheim

Telefone +49 (0) 621 8105-202, Fax +49 (0) 621 8105-469, correio electrónico roadnews@voegele.info, Internet www.voegele.info

Redacção: Roland Schug, Anja Sehr, Martin Hilken | Agência: bilekjaeger, Stuttgart | A reprodução dos artigos está sujeita a consentimento por escrito.

Não assumimos responsabilidade alguma sobre qualquer tipo de envios não solicitados. As marcas comerciais ou marcas registadas pertencem aos

proprietários correspondentes e devem respeitar-se como tal.


Pavimentação com uma SUPER 2100-2 com mesa SB 250 TP1 na auto-estrada A 61 na Alemanha.

Reabilitação duma auto-estrada

com 12 m de largura numa só passagem

Na reabilitação completa de um troço de 5 km da auto-estrada A 61 no Estado da Renânia-Palatinado, Alemanha, uma

SUPER 2100-2 espalhou as duas novas faixas, incluindo a berma, numa única passagem. Depois de reabilitada, esta

auto-estrada terá de suportar um tráfego intenso, com muitos veículos pesados. Foi por isso que a equipa da empresa

de construção Wilhelm Faber GmbH & Co. Bauunternehmung KG optou por uma mesa fixa SB 250 TP1. A mesa garante

uma elevada pré-compactação, sobre toda a largura da via. Para isso muito contribui a experiência e a incomparável

tecnologia de alta compactação da VÖGELE.

5


A A 61 é a auto-estrada que liga a zona sul da Alemanha com a

Holanda e a Bélgica. A auto-estrada começa na bifurcação de

Hockenheim, onde também se encontra o circuito de Fórmula 1

com o mesmo nome e continua na Holanda, com a designação

A 74. Esta importante ligação internacional é muito utilizada por

veículos pesados de mercadorias, com as consequências que

daí resultam para o desgaste e deformação do pavimento.

Por isso, foram abertos recentemente concursos públicos para

obras de reabilitação rodoviária em vários troços da A 61.

Um desses troços começava próximo do nó de Bornheim, no

distrito de Alzey-Worms e tinha 5 km de comprimento. Esta obra

consistia em pavimentar uma camada de base com uma

espessura de 18 a 34 cm (0/32) e uma camada de “binder”

com 8,5 cm (0/16). A empreitada para esta renovação

completa do pavimento, realizada apenas no sentido de

Koblenz, foi adjudicada à empresa Faber.

Pavimentação sem juntas em toda a largura

Para atingir a máxima qualidade possível, as duas novas

faixas de rodagem da A 61 e a berma tiveram de ser produzidas

6

em uma só passagem, sem juntas. Face à grande largura de

trabalho de 12 m, optou-se pela utilização de uma SUPER 2100-2

combinada com uma mesa fixa SB 250. Com uma largura base

de 2,5 m, esta mesa pode ir até uma largura máxima de 13 m,

com extensões fixas e hidráulicas. Mesmo nesta largura

máxima, a estabilidade da mesa é garantida. Uma oportunidade

para demonstrar a principal vantagem desta solução – um

excelente nivelamento em sentido transversal, mesmo com

grandes larguras de trabalho. Um outro ponto forte da SB 250

é a sua elevada capacidade de compactação. Esse factor

também foi importante na reabilitação da A 61, já que garante

que as novas faixas possam aguentar as grandes cargas que

resultam do tráfego intenso. Por isso, a Faber utilizou a mesa na

versão TP1, que dispõe, para além do “tamper”, de uma barra

de pressão adicional.

Tecnologia de alta compactação VÖGELE

O sistema de barra de pressão hidraulicamente pressurizada

é uma particularidade das mesas VÖGELE. Com esta tecnologia,

obtêm-se valores máximos de pré-compactação. Durante

Especialmente nas grandes larguras de trabalho, a combinação com o alimentador móvel MT 1000-1 aumenta

consideravelmente o rendimento diário e a qualidade do pavimento, pois o alimentador garante um fluxo de material contínuo

e elevado, sem contacto. Assim, a pavimentadora consegue produzir pavimentos uniformes e sem juntas.


o espalhamento, a barra de pressão pressiona o material até

que a mistura betuminosa deixe de poder ser comprimida,

ficando assim compactada. É criado um equilíbrio entre a força

exercida pela barra e a contraforça do material compactado.

Assim, obtém-se não apenas a máxima exactidão possível em

perfil e regularidade, como também uma melhor rentabilidade

económica.

Equipa de pavimentação impressionada com a mesa fixa

“Já tínhamos trabalhado uma vez com a mesa fixa da

VÖGELE”, afirmou Michael Weirich, o director de obras da Faber.

“Por isso, sabíamos como tudo funciona bem. A precisão do

perfil e o resultado de compactação foram exemplares desde o

primeiro metro espalhado. A pavimentação numa só passagem

ao longo de toda a largura decorreu, por isso, com toda a

tranquilidade.”

Mar do

Norte

Bélgica

Holanda

França

Dados da obra

Bornheim

A61

Suíça

Reabilitação completa de um troço da A 61

em Bornheim, Renânia-Palatinado, Alemanha

Comprimento da obra: 5 km

Dados da pavimentação

Largura: 12 m

Alemanha

ALEmANHA

Berlim

Espessura: camada de base 18 – 34 cm

camada de “binder” 8,5 cm

Material

26.000 t de mistura para camada de base (0/32)

12.000 t de mistura para camada de “binder” (0/16)

Camada de desgaste: mastique asfáltico

Máquinas utilizadas

Alimentadora MT 1000-1

SUPER 2100-2 com mesa SB 250 TP1

Áustria

Cilindros HAMM dos tipos DV 90, DV 85, HD 90,

HD+ 140 e cilindros de pneus

O conceito de comando ErgoPlus ® da VÖGELE

proporciona uma boa visão e facilita o trabalho.

Polónia

República Checa

7


Na reabilitação da A 61, a pavimentadora VÖGELE e os cilindros HAMM trabalharam em equipa.

8

Regulação da altura do sem-fim em toda a largura

traz numerosas vantagens

n Adaptação rápida e fácil a diferentes espessuras de

pavimentação através da regulação da altura do sem-fim

de distribuição ao longo de toda a largura de trabalho

(opcionalmente por via hidráulica).

n Distribuição ideal do material, independentemente de se

tratar da pavimentação de camadas finas e/ou de camadas

com espessuras variáveis dentro de um determinado troço.

n Regulação da altura do sem-fim, incluindo a caixa de

transferência e as chapas limitadoras do túnel do sem-fim,

permitindo uma deslocação para novos troços da obra sem

a necessidade de conversões morosas e dispendiosas.

n Pás do sem-fim de distribuição particularmente grandes,

com um diâmetro de 480 mm, para uma distribuição perfeita,

mesmo em grandes larguras de pavimentação.


A SUPER 2100-2 no modo ECO

Apesar da grande largura de trabalho, a pavimentadora

pôde trabalhar a maior parte do tempo no modo ECO. Neste

modo, o motor diesel de 6 cilindros, refrigerado por líquido,

reduz o seu rendimento de 182 kW para 169 kW e trabalha de

forma particularmente silenciosa. Para seleccionar este modo

de trabalho basta premir o botão situado na consola de

comandos ErgoPlus ® do condutor. O facto de isto ser possível

é prova da grande performance da SUPER 2100-2. Esta

moderna pavimentadora foi desenvolvida para poder executar

de forma eficiente e económica mesmo trabalhos de maior

escala. Com uma largura de espalhamento máxima de 13 m,

é a pavimentadora indicada para a construção de auto-estradas,

aeroportos ou outras grandes áreas.

Pavimentação sobre o velho pavimento de cimento

As novas camadas de asfalto foram colocadas em parte

sobre o pavimento de cimento já existente, e em parte

sobre uma camada de base aglutinada hidraulicamente.

A SUPER 2100-2 produziu a camada de base numa espessura

que variava entre 18 e 34 cm. Para tal, foram necessárias

26.000 t de material. A máquina da VÖGELE avançou bem,

com uma velocidade média de 4 m/min. A camada de “binder”

foi pavimentada com uma espessura de 8,5 cm. Com um

avanço de 5,5 m/min, a pavimentadora sobre rastos espalhou

512.000 t de material para a camada de “binder”. Para o

nivelamento, a equipa da Faber utilizou dois sensores sónicos,

que exploravam um fio de guia e que transmitiram os valores

medidos para o sistema de nivelamento automático

NIVELTRONIC Plus ® da VÖGELE. A camada de desgaste deste

troço de 5 km foi produzida a partir de asfalto mastique.

Frota de cilindros HAmm para compactação

Uma frota de vários cilindros HAMM encarregou-se da

compactação final. Modelos pesados do tipo DV 90, DV 85,

HD 90, HD+ 140 e cilindros de pneus compactaram o

pavimento de asfalto até ao grau de densidade indicado.

Especialmente o HD+ 140 – a nova estrela de 14 t da HAMM –

suscitou entusiasmo: “Este cilindro vale por dois!”, afirmou

Weirich, o director de obras. ,

9


Mesas fixas e extensões hidráulicas da VÖGELE

10

Tamper

com resistência

de aquecimento

Vibração

Chapa alisadora

com resistência

de aquecimento

Barras de pressão

com resistências

de aquecimento

Mesa básica


As mesas fixas VÖGELE podem ser ampliadas

para grandes larguras segundo o princípio modular.

mesas fixas VÖGELE:

especialistas para grandes larguras

As mesas fixas VÖGELE comprovam o seu vigor sempre

que é preciso trabalhar em grandes larguras: tanto na

pavimentação ao longo de toda a largura de uma auto-estrada

até 16 m, com perfil e nivelamento absolutamente exactos,

como também na alta compactação de materiais difíceis de

pavimentar.

As mesas fixas VÖGELE podem ser ampliadas para grandes

larguras segundo o princípio modular. A par de extensões

fixas, estão ainda disponíveis extensões hidráulicas, que

também permitem pavimentações em larguras variáveis.

Extensão

As extensões hidráulicas permitem pavimentar larguras

variáveis, mesmo com mesas fixas. Assim, é possível ter

uma gama de regulação progressiva até 1,5 m.

Para as mesas fixas SB 250 e SB 300 está opcionalmente

disponível a tecnologia de alta compactação VÖGELE,

nas variantes “tamper” e uma barra de pressão (TP1), “tamper”

e duas barras de pressão (TP2), bem como “tamper”, vibração

e duas barras de pressão (TVP2). Com esta tecnologia,

as mesas fixas VÖGELE atingem os mais altos valores de

compactação possíveis para uma pavimentadora.

Extensões hidráulicas:

regulação progressiva economiza tempo e reduz custos

Com as extensões hidráulicas VÖGELE, pode alargar-se o

leque de aplicação das mesas fixas através da regulação

progressiva da largura de pavimentação até 1,5 m. Isto

economiza tempo e custos, pois deixa de ser necessário

colocar e desmontar as extensões fixas sempre que a largura

da faixa muda.

As extensões hidráulicas baseiam-se na tecnologia com provas

dadas das mesas extensíveis da VÖGELE. São disponíveis

nas variantes com “tamper” (T), com “tamper” e barra de

pressão (TP1) ou com “tamper” e duas barras de pressão

(TP2). Podem ser montadas tanto numa extensão fixa com

uma largura de 1 m, como de 1,5 m. A montagem das

extensões hidráulicas pressupõe um alargamento da mesa

de base para, pelo menos, 1,5 m de cada lado.

11


Pavimentação “quente sobre quente” na estrada federal B 50 na Alemanha.

Alargamento de estrada

com um conjunto InLine Pave ®

em trânsito aberto

A inovadora tecnologia da VÖGELE que permite construir as camadas de “binder” e de desgaste numa única passagem,

garantindo maior rentabilidade e qualidade, é procurada por cada vez mais empreiteiros e em cada vez mais obras.

Recentemente, o alargamento da estrada federal B 50 para quatro faixas foi feito com um conjunto de máquinas Line Pave ®

da VÖGELE. Uma oportunidade também para mostrar as qualidades desta técnica perante uma delegação de renomados

peritos em pavimentos asfálticos.

12


A estrada federal B 50 é uma importante via de ligação para

a região de Hunsrück. “Este eixo Leste-Oeste reveste-se de

uma enorme importância em termos económicos e na nossa

malha de infra-estruturas rodoviárias, sobretudo para a

circular sul do Reno-Hunsrück e como ligação ao aeroporto

de Frankfurt-Hahn. Além disso, serve de ligação para os

portos de Antuérpia e de Roterdão”, afirmou Achim Großmann,

Subsecretário de Estado do Ministro Alemão dos Transportes.

“Estou muito satisfeito com o alargamento da B 50 para quatro

faixas e com o ritmo a que está a decorrer a empreitada.”

No final de 2011, as obras na B 50 entre a auto-estrada A 61

e o aeroporto de Frankfurt-Hahn deverão estar concluídas.

As máquinas compactas do conjunto

InLine Pave ® permitem que a pavimentação

se realize com o trânsito aberto. Isto reduz

consideravelmente o risco de engarrafamento.

Elevada qualidade de pavimentação com a técnica

“quente sobre quente”

Um dos troços da obra ficou entre os nós de ligação de

Büchenbeuren e Nieder Kostenz. Neste troço de 7,3 km,

a empresa Wilhelm Faber GmbH & Co. Bauunternehmung KG,

a quem foi adjudicada a empreitada, optou pelo conjunto de

máquinas InLine Pave ® , que permite construir pavimentos de

asfalto compactos de forma económica e numa única passagem.

O inovador conceito da VÖGELE para pavimentação “quente

sobre quente” é composto por três máquinas: uma alimentadora

MT 1000-1, uma pavimentadora SUPER 2100-2 IP para

espalhar a camada de “binder” e uma pavimentadora

convencional para a camada de desgaste – neste caso,

uma SUPER 1600-2. O elemento principal do conjunto é a

13


As três máquinas do conjunto InLine Pave ® (alimentadora,

pavimentadora para a camada de “binder” e pavimentadora

para a camada de desgaste) também podem ser utilizadas

em trabalhos convencionas.

SUPER 2100-2 IP, uma pavimentadora de série ligeiramente

modificada, com um módulo de transferência especial para

o transporte do material da camada de desgaste. A mesa

de alta compactação AB 600-2 IP produz uma excelente

pré-compactação logo na camada de “binder”. Isto significa

que uma pavimentadora para a camada de desgaste com 40 t,

como a SUPER 1600-2, pode passar sobre a camada de

“binder” ainda quente, sem a danificar. Uma realidade

comprovada e documentada pelas medições de controlo feitas

na obra de Hunsrück, no âmbito das inspecções levadas a

cabo pela empresa e pelas entidades que tutelam o sector

naquela região: a densidade média final da camada de “binder”

foi excepcionalmente alta, situando-se em 101,6 %.

Peritos observam a pavimentação

A utilização do conjunto InLine Pave ® em Hunsrück suscitou

grande interesse por parte dos peritos locais e não só.

O laboratório incumbido da inspecção da obra, o Chemisch

Technisches Laboratorium Heinrich Hart GmbH, visitou várias

vezes o local. Esta empresa ficou conhecida a nível mundial

pela consultoria a empresas exploradoras de autódromos, em

questões relacionadas com a construção de novos pavimentos

(com que mistura asfáltica e qual a técnica de pavimentação

mais adequada). O Prof. Karl-Ludwig Scholl, Director do Centro

de Ensaios de Materiais para Construção de Estradas da

Escola Superior Politécnica de Koblenz, também esteve na

obra. As vantagens do processo “quente sobre quente”, que se

caracteriza por uma camada de “binder” relativamente espessa

e uma de desgaste relativamente fina, convenceram há muito

14

“Há 26 anos que conduzo pavimentadoras”, diz Kurt Schneider,

operador da Faber. “Aprecio sobretudo a ergonomia

e o desenho anti-vibrações das pavimentadoras SUPER

da VÖGELE.”

o Prof. Scholl. Ambas as camadas são produzidas numa única

passagem, o que resulta numa ligação perfeita entre as duas.

Graças a este processo, o material da camada de desgaste, de

alta qualidade e mais caro, pode ser utilizado em menor

quantidade, reduzindo os custos da aplicação. “Interessa-me

especialmente a tecnologia das máquinas VÖGELE, porque

funciona à base de pavimentadoras de série”, afirmou o

Prof. Scholl. Isto reduz os custos de investimento das empresas

de construção, que podem usar as três máquinas do conjunto

InLine Pave ® em qualquer ocasião, em trabalhos de

pavimentação convencionais.

Diferentes tipos de misturas e espessuras de camada

Na B 50, o conjunto InLine Pave ® pavimentou diferentes

tipos de misturas em variadas espessuras. No primeiro troço, a

camada de “binder” foi pavimentada com uma mistura do tipo

AC 16 B S (25/55-55 A), numa espessura de 6 cm e no

segundo troço, com o material AC 22 B S (25/55-55 A), numa

camada de 10 cm. Em ambos os casos, a camada de desgaste,

em asfalto mastique tipo SMA 8 S (25/55-55 A), teve 2 cm de

espessura. Por dia, foram pavimentadas 2.000 t de material ao

longo de 1.500 m.

Equipa de pavimentação satisfeita

com o conjunto InLine Pave ®

Uma vez que a equipa de pavimentação da Faber já tinha

trabalhado várias vezes com máquinas VÖGELE, o alargamento

da B 50 revelou-se um trabalho simples e fácil. “A nossa


O novo cilindro HAMM HD+ 140 VO produziu a densidade

final em apenas duas passagens.

equipa entende-se muitíssimo bem com o conjunto InLine Pave ®

e gosta dos trabalhos realizados com esta técnica”, disse

Thorsten Müller, operador-chefe na Faber. O controlo do

nivelamento também foi conseguido de forma excelente:

um sensor sónico múltiplo explorou o lancil no primeiro

troço da obra e, no segundo troço, a faixa esquerda

recém-pavimentada. O sensor forneceu medições precisas

para o sistema de nivelamento automático NIVELTRONIC

Plus ® . Assim, a regularidade exigida de ≤ 4 mm, medida ao

longo de 4 m, pôde ser cumprida sem problemas.

Cilindro HAmm HD+ 140 com desempenho impressionante

O novo cilindro HD+ 140 VO da HAMM, equipado com

vibração e oscilação, fez um excelente trabalho na compactação

final, atingindo a densidade especificada facilmente. Graças à

sua excepcional capacidade de compactação, só precisou de

duas passagens para completar o trabalho. No sentido da

pavimentadora, o cilindro compactou com o modo de oscilação

e na segunda passagem, no sentido oposto, utilizou o modo

estático. O cilindro, com 14 toneladas, possui a mesma carga

linear estática de um cilindro de 9,5 toneladas, mas possui

rolos mais largos (2.140 mm). Utilizando a direcção tipo

“caranguejo”, a largura de trabalho máxima é de 2,3 m. Além do

HD+ 140, ajudaram nos trabalhos de compactação um DV 90

e um DV 70 da HAMM. ,

Mar do

Norte

Bélgica

Holanda

França

Dados da obra

Hunsrück

Suíça

Alemanha

ALEmANHA

Berlim

Alargamento da estrada federal B 50 para quatro

faixas entre os nós de ligação de Büchenbeuren

e Nieder Kostenz, com a técnica InLine Pave ®

Comprimento da obra: 7.300 m

(por cada faixa de rodagem)

Largura da obra: 1º troço 5,80 m

2º troço 4,50 m

Área total: 75.200 m2 Dados da pavimentação

Largura: 4,50 – 5,80 m

Espessura:

Camada de “binder”: 1º troço 6 cm

2º troço 10 cm

Camada de desgaste: 2 cm

Áustria

Material

Camada de “binder”: 1º troço AC 16 B S (25/55-55 A)

2º troço AC 22 B S (25/55-55 A)

Camada de desgaste: SMA 8 S (25/55-55 A)

Máquinas utilizadas

Conjunto de máquinas InLine Pave ® com:

Alimentadora MT 1000-1

SUPER 2100-2 IP para a camada de “binder”

com mesa AB 600-2 IP

SUPER 1600-2 para a camada de desgaste

com mesa AB 500-2 TV

Cilindros HAMM HD+ 140 VO, DV 90, DV 70

Polónia

República Checa

15


As pavimentadoras SUPER da classe compacta escrevem história de sucesso.

Características especiais:

versáteis, fáceis de manobrar, potentes

A VÖGELE lançou há cerca de dois anos as novas pavimentadoras da classe compacta. Entretanto, as pavimentadoras de

rastos SUPER 1100-2 e SUPER 1300-2 e as pavimentadoras de pneus SUPER 1103-2 e SUPER 1303-2 têm conquistado cada

vez mais obras, que requerem a utilização de equipamentos pequenos no tamanho mas grandes na capacidade de trabalho.

Estas pavimentadoras posicionam-se entre as mini-pavimentadoras SUPER 700 e SUPER 800 e as pavimentadoras VÖGELE

de grandes dimensões.

Estas pavimentadoras distinguem-se dos modelos grandes da VÖGELE apenas no tamanho. De resto, têm praticamente

as mesmas características das pavimentadoras SUPER da geração “traço 2”, com destaque para o inovador sistema

ErgoPlus ® . Com uma mesa AB 340, nas versões com vibração ou “tamper” e vibração, as pavimentadoras compactas

garantem excelentes resultados de pavimentação. A RoadNews acompanhou as máquinas na execução de alguns

trabalhos típicos.

16

Pavimentadora de rastos SUPER 1100-2

n Largura máxima de pavimentação 4,2 m

n Capacidade de pavimentação até 300 t/h

n Largura de transporte 1,85 m

n motor diesel DEUTZ com 58 kW

n mesa AB 340 com vibração

n Aquecimento eléctrico da mesa

Pavimentadora de pneus SUPER 1103-2

n Largura máxima de pavimentação 4,2 m

n Capacidade de pavimentação até 200 t/h

n Largura de transporte 1,85 m

n Raio de viragem exterior de apenas 4,8 m

n motor diesel DEUTZ com 58 kW

n mesa AB 340 com vibração

n Aquecimento eléctrico da mesa


As características mais importantes

das pavimentadoras compactas VÖGELE

n Desenho compacto e excelente desempenho.

n Transporte do material como nas pavimentadoras

SUPER grandes.

n Uniformidade da geração “traço 2” reduz custos

de formação.

n mesa AB 340 perfeitamente adaptada, com vibração

para as SUPER 1100-2 e SUPER 1103-2, e com

“tamper” e vibração para as SUPER 1300-2

e SUPER 1303-2.

n modo ECO dos motores ajuda a poupar combustível

e reduz as emissões de ruídos e gases de escape.

n Conceito de comando fácil ErgoPlus ® .

Pavimentadora de rastos SUPER 1300-2

n Largura máxima de pavimentação 5 m

n Capacidade de pavimentação até 350 t/h

n Largura de transporte 1,85 m

n motor diesel DEUTZ com 75 kW

n mesa AB 340 com “tamper” e vibração

n Aquecimento eléctrico da mesa

n Entre quatro e cinco modos de comando diferentes,

seleccionáveis através da pressão de um botão:

Neutro, Deslocar obra, Posicionamento e

Pavimentação. As máquinas de pneus têm um modo

adicional: Circular na estrada.

Pavimentadora de pneus SUPER 1303-2

n Largura máxima de pavimentação 4,5 m

n Capacidade de pavimentação até 250 t/h

n Largura de transporte 1,85 m

n Raio de viragem exterior de apenas 4,8 m

n motor diesel DEUTZ com 75 kW

n mesa AB 340 com “tamper” e vibração

n Aquecimento eléctrico da mesa

17


Dados da obra

Construção e reabilitação de estradas

no recinto de uma fábrica em

Göppingen, Alemanha

Comprimento da obra: 1.000 m

Dados da pavimentação

Largura: 2,0 – 4,2 m

Espessura: camada de base 10 cm

camada de desgaste 4 cm

Material

Mistura para a camada de base (0/32)

Mistura para a camada de desgaste (0/8)

Máquinas utilizadas

SUPER 1100-2 com mesa AB 340 V

Cilindro HAMM HD 10 VT

Fresadora a frio WIRTGEN W 100

01 Relatório

SUPER 1100-2 constrói acessos da nova fábrica

da KLEEMANN

A KLEEMANN, a marca mais recente do Grupo WIRTGEN, está a construir uma moderna fábrica, para a produção de britadores

e crivos móveis e instalações fixas de produção de agregados, numa área com 125.000 m2 , em Göppingen, Alemanha.

O projecto incluía a reabilitação de ruas existentes no recinto da fábrica, bem como a construção de novos acessos. O trabalho

ideal para uma máquina compacta, uma vez que a área a pavimentar passava entre edifícios e incluía curvas apertadas.

Face a estas exigências, a empresa de construções Georg Eichele GmbH optou por uma SUPER 1100-2. A pavimentadora

construiu os caminhos e estradas no novo recinto da fábrica com uma espessura de 10 cm (camada de base) e 4 cm (camada

de desgaste), com uma grande facilidade, sentido prático e economia.

18


Dados da obra

Construção de um caminho rural

em mühlhausen, Alemanha

Comprimento da obra: 500 m

Dados da pavimentação

Largura: 3 m

Espessura: 8 cm

Material

Mistura betuminosa para camada

de base e de desgaste (0/16)

Máquina utilizada

SUPER 1300-2 com mesa AB 340 TV

02 Relatório

SUPER 1300-2 num caminho rural

com várias curvas apertadas

As pavimentadoras compactas VÖGELE são a escolha ideal para a construção de caminhos rurais. O exemplo que nos chega

de Mühlhausen, vila perto de Wiesloch, na Alemanha, onde se construiu um caminho rural, que seguia ao longo de áreas

cultivadas e espaços verdes, é a prova disso mesmo. Uma niveladora espalhou primeiro uma base de brita. Em seguida,

uma pavimentadora SUPER 1300-2 pavimentou a camada de base e de desgaste, com uma largura de 3 m e uma espessura

de 8 cm. A máquina VÖGELE conseguiu fazer os trabalhos sem quaisquer problemas, apesar das curvas apertadas. A equipa

de pavimentação ficou particularmente impressionada pela facilidade com que pavimentou o perfil transversal, com a mesa

AB 340 TV. O perfil variava conforme as curvas, com uma inclinação que variava entre +3 % e -3 %.

19


Dados da obra

Construção de arruamentos no

cemitério principal em Karlsruhe,

Alemanha

Comprimento da obra: 500 m

Dados da pavimentação

Largura: 2,0 – 4,0 m

Espessura: camada de base 10 cm

camada de desgaste 4 cm

Material

Mistura para camada de base (0/32)

Mistura para camada de desgaste (0/8)

Máquina utilizada

SUPER 1300-2 com mesa AB 340 TV

03 Relatório

Construção de um caminho entre árvores antigas

com uma SUPER 1300-2

A empresa de construção Paschmann & Böss recorreu a uma SUPER 1300-2 para fazer a recuperação de caminhos

e arruamentos degradados no cemitério principal de Karlsruhe, Alemanha. E a pavimentadora cumpriu todas as exigências

do dono da obra. Por um lado, a máquina tinha de ser compacta, para não danificar as árvores antigas colocadas ao longo

do caminho. Mas por outro lado, também tinha que ser capaz de trabalhar numa largura de 4 m. Depois da remoção do

pavimento pré-existente e da colocação do novo lancil em granito, a SUPER 1300-2 começou a pavimentar com grande

precisão. A pavimentadora compacta colocou uma camada de base com 10 cm e uma camada de desgaste com 4 cm de

espessura, numa largura que variava entre os 2 m e os 4 m. A equipa de pavimentação ficou bastante bem impressionada com

a pavimentadora, destacando sobretudo a facilidade de controlo e de operação e a visibilidade em toda a volta da máquina.

20


11

RoadNews 17

SUGESTÕES E TRUQUES daS TÉCNICaS dE aPLICaÇÃO

Raspador lateral e acabador

de bermas – maior qualidade

da pavimentação

Na prática, acontece muitas vezes que as margens e as

juntas entre as faixas pavimentadas não ficam tão perfeitas

como deviam. Com o raspador lateral e o acabador de

bermas, a VÖGELE oferece um dispositivo simples e

eficiente que ajuda os utilizadores a resolverem estas “zonas

problemáticas”. Nesta edição das “Sugestões e Truques”

informamos o leitor e utilizador de pavimentadoras VÖGELE

acerca das várias aplicações e variantes destas duas

ferramentas.

andré Felchner, o responsável do departamento técnico de aplicação da VÖGELE, dá regularmente conselhos

para uma pavimentação correcta. Uma vez que conhece perfeitamente as tarefas que derivam da prática da

construção rodoviária, e também as pavimentadoras SUPER, transmite o seu conhecimento em seminários e

cursos da VÖGELE a equipas de construção rodoviária de todo o mundo.

Raspador lateral VÖGELE

Raspador lateral vertical Raspador lateral com ângulo de 90º

Raspador lateral

Para produzir bermas e juntas perfeitas, é necessário ter um contra-apoio na obra, que pode ser um lancil ou

o raspador lateral.

Há um raspador lateral vertical e um raspador lateral de 90º. Devido à reduzida área de contacto, com apenas

10 mm, a variante vertical é particularmente indicada para as seguintes aplicações: pavimentação “quente

sobre quente” de camadas de desgaste, produção de juntas exactas e trabalhos de pavimentação paralelos e

muito próximos dos lancis. O raspador de 90°, com uma superfície de contacto de 45 mm, monta-se

normalmente na chapa lateral da mesa e é apropriado para quase todos os trabalhos de pavimentação.


11

RoadNews 17

SUGESTÕES E TRUQUES daS TÉCNICaS dE aPLICaÇÃO

Acabador de bermas VÖGELE

Acabador de bermas, de 52º

Com os acabadores de bermas produzem-se

extremidades perfeitas e sólidas ao longo do

pavimento. Para além disso, estas placas contribuem

para uma compactação elevada e uniforme em toda

a largura de pavimentação.

As bermas da camada de asfalto são chanfradas pelo acabador de bermas ao longo de todo o pavimento.

Moldar

Compactar

Camada de desgaste

Camada de binder

Camada de base

Banqueta de brita

Os acabadores de bermas

VÖGELE destinam-se

a moldar e compactar

as bermas do material

pavimentado.


SUGESTÕES E TRUQUES daS TÉCNICaS dE aPLICaÇÃO

Os acabadores de bermas estão disponíveis em vários tamanhos, para qualquer tipo de aplicação.

Espessura de

pavimentação

Ângulo de 52º 52°

Utilização com mesas de alta compactação

11

RoadNews 17

A utilização dos acabadores de bermas justifica-se sobretudo em mesas de alta compactação, uma vez que

evita o desperdício de material para os lados, devido à força de compactação. Assim, consegue-se a máxima

compactação, mesmo nas extremidades do pavimento.

Opcional: resistência de aquecimento

Para melhorar as propriedades de deslizamento e

produzir margens perfeitas, o raspador lateral e o

acabador de bermas podem ser equipados com

resistências de aquecimento.

A utilização dos raspadores laterais ou dos acabadores

de bermas aquecidos permite a construção de juntas

perfeitas numa camada de desgaste ou a pavimentação

com misturas asfálticas modificadas com polímeros, já

que estas tendem, normalmente, a colar nos raspadores

laterais ou nos acabadores de bermas.

Vantagens dos raspadores laterais e dos acabadores de bermas

n Moldagem perfeita de margens verticais e chanfradas.

4 – 6 cm 6 – 12 cm 12 – 18 cm

n Compactação elevada e uniforme até às extremidades do pavimento.

n Superfície perfeita através de aquecimento eléctrico (opção).

n Montagem simples e rápida devido ao sistema de engate rápido VÖGELE.

Resistência de

aquecimento


SUGESTÕES E TRUQUES daS TÉCNICaS dE aPLICaÇÃO

Tecnologia exclusiva VÖGELE:

trocar rapidamente o raspador lateral e o acabador de bermas

Para se adaptarem rapidamente às necessidades no

local da obra, o raspador lateral e o acabador de

bermas podem ser trocados em poucos minutos,

graças a um sistema de engate rápido, exclusivo da

VÖGELE. Exemplo prático: numa primeira fase, a

pavimentação é realizada ao longo de uma valeta e foi

A troca é fácil:

1.

Retirar o conector

para o aquecimento

eléctrico do raspador

lateral (quando

equipado com

resistência opcional).

3.

Rodar a manivela

para levantar a chapa

lateral.

5.

Montar o acabador de bermas.

Apertar o parafuso de fixação.

Ligar o conector para o aquecimento eléctrico.

Fazer subir a chapa lateral até á altura pretendida

com a manivela.

2.

Soltar o parafuso

de fixação.

4.

Retirar o raspador

lateral.

11

RoadNews 17

colocado um raspador lateral na chapa lateral da

mesa. Depois, o ambiente da obra alterou-se e a

pavimentação passou a decorrer ao longo de uma

área livre, sem limites laterais, recomendando-se a

utilização do acabador de bermas, para garantir a

forma e compactação pretendidas.


Dados da obra

Reabilitação do tabuleiro de uma

ponte em Heidelberg, Alemanha

Comprimento da obra: 410 m

Dados da pavimentação

Largura: 1,7 – 3,4 m

Espessura: 4 cm

Material

Asfalto “Split mastique” SMA 11 S

(25/55-55 A)

Máquinas utilizadas

SUPER 1303-2 com mesa AB 340 TV

Cilindro HAMM DV 70

04 Relatório

SUPER 1303-2 na reabilitação do tabuleiro de uma ponte,

faixa a faixa, com o trânsito aberto

A ponte “Ernst Walz” em Heidelberg, Alemanha, é uma das principais pontes que atravessam o rio Neckar e uma das mais importantes

ligações entre o centro histórico e o campus universitário, de Neuenheimer Feld. Por isso, o tabuleiro só pôde ser reabilitado faixa a

faixa, com o trânsito a passar ao lado da obra. Para isso, o Serviço de Obras Civis da cidade de Heidelberg contou com o apoio de

uma pavimentadora de pneus SUPER 1303-2. A pavimentadora VÖGELE espalhou uma camada de desgaste com uma largura que

variava entre 1,7 m e 3,4 m e com uma espessura de 4 cm. A opção por uma pavimentadora compacta de pneus no momento da

compra, justifica-se pelas formas compactas, característica importante para este tipo de trabalhos municipais, em espaços apertados

e pela maior mobilidade da pavimentadora, o que permite uma deslocação rápida na obra e na estrada, a uma velocidade até

20 km/h. Uma enorme vantagem para o Serviço de Construção Civil da cidade, pois assim não tem que transportar a pavimentadora

num reboque. Para além da pavimentadora VÖGELE, também esteve na obra um cilindro HAMM do tipo DV 70.

21


Aplicação diferente de uma VÖGELE em Lyon, França.

Pavimentadora SUPER

reabilita um hipódromo

A presença das pavimentadoras SUPER numa obra rodoviária é algo habitual. mas encontrar uma máquina VÖGELE

num hipódromo já não é tão normal assim. Por ocasião da reabilitação de uma destas pistas na área da grande Lyon,

a empresa construtora Perrier TP, uma filial da Colas, decidiu inovar e espalhou o ViscoRide, um material novo,

especial para hipódromos, com uma SUPER 1900. Teve a sua recompensa: o novo pavimento do “Hipódromo de

Lyon” superou os materiais convencionais e a construção da pista com a pavimentadora VÖGELE obteve um resultado

excelente.

22


Reabilitação total do “Hipódromo de Lyon”

As corridas de cavalos são populares em toda a França,

revestindo-se também de grande importância económica.

Só na área da grande Lyon situam-se dois hipódromos, sendo

um deles o de Villeurbanne, explorado pela France Galop.

A pista de cavalos e toda a área envolvente foram completamente

recuperadas. Um projecto completo e integrado, que

contemplava a construção de um centro comercial, novas

tribunas, acessos e áreas de entrada, bem como, naturalmente,

a renovação da própria pista.

Reabilitação de 27.000 m 2

O hipódromo era composto por um relvado, como é habitual

nestes circuitos. No entanto, a conservação e a disponibilidade

de uma pista de relva em todas as estações do ano e em todas

as condições meteorológicas, é um problema. Por isso, a

France Galop decidiu-se por uma tecnologia de recuperação

inteiramente nova, e lançou o desafio à empresa Perrier TP,

do Grupo Colas.

Superfície em ViscoRide com alta capacidade de drenagem

A escolha recaiu sobre o moderno material têxtil ViscoRide.

Este material compõe-se de fibras recicladas especialmente

seleccionadas, areia e Viscopol (polímero ligante). Graças à sua

excepcional drenabilidade (permeabilidade à água), o ViscoRide

mantém-se elástico e estável em todas as condições

meteorológicas. “O ViscoRide é um material cientificamente

desenvolvido e específico para superfícies percorridas por

cavalos. Em Villeurbanne, a permeabilidade mínima exigida era

de 150 mm em 12 segundos, que podemos assim cumprir”,

afirmou Sébastien Raymond, director de aplicações especiais

da Colas.

Espalhamento com a pavimentadora SUPER

O ViscoRide confere, sem dúvida, ao circuito de Villeurbanne

um toque muito especial. Mas como é que se lida com este

material? “É mais uma questão de espalhamento do que de

pavimentação” afirma Raymond. “Não existem máquinas

especialmente desenvolvidas para estas aplicações, um tanto

exóticas.” A versatilidade e fiabilidade da pavimentadora

SUPER 1900 foram, portanto, factores decisivos para que a

empresa optasse a favor de uma máquina VÖGELE, em vez de

outros equipamentos e soluções.

23


24

Oceano

Atlântico

Espanha

Dados da obra

Paris

França

FRANçA

Lyon

Reabilitação do »Hipódromo de Lyon«

em Villeurbanne, França

Comprimento da pista: 1.425 m

Largura da pista: 13 – 18 m

Área total: 27.000 m 2

Dados da pavimentação

Espessura: camada de base 20 cm

camada intermédia 5 cm

camada de desgaste 13 cm

Material

Camada de base:

8.000 t de arenito calcário poroso (20/40)

Camada intermédia:

2.700 t de gravilha betuminosa (0/14)

Camada de desgaste: 5.000 t de ViscoRide

Máquina utilizada

SUPER 1900 com mesa AB 500

Villeurbanne

Alemanha

Suíça

Itália

Só foram necessárias pequenas modificações

Os requisitos técnicos das máquinas em Villeurbanne,

variavam, em alguns aspectos, da configuração convencional

para trabalhos rodoviários. Por exemplo, a mesa AB 500. Para

evitar que a mesa afundasse, já que o material é muito flexível

e incapaz de suportar uma carga, a mesa não pôde funcionar

no modo de flutuação, sendo, por isso, fixada mecanicamente.

Também a alimentação da pavimentadora foi diferente. Esta

tarefa foi assumida por um camião equipado com uma pá,

especialmente adaptada para a alimentação contínua de

material.

Espalhamento de 5.000 t de ViscoRide

A obra no “Hipódromo de Lyon” previa o espalhamento de

5.000 t de ViscoRide. E se a colocação do material exigiu

bastante “know how” técnico, o trabalho com a pavimentadora

foi igual ao de uma pavimentação convencional. A SUPER 1900

deu voltas ao hipódromo, em passo acelerado e sem

dificuldades. Após uma última passagem com a grade rotativa,

para espalhar regularmente o ViscoRide, a pista de corrida

a galope ficou pronta – para grande satisfação dos cavaleiros

e jóqueis franceses.

Camada de base e intermédia permeáveis à água

Numa primeira fase, as camadas de base e intermédia

foram colocadas do modo convencional. Em ambas as

camadas, os parâmetros foram dimensionados de forma

a garantir uma excepcional drenabilidade. ,

O material ViscoRide proporciona uma maior aderência

e um desprendimento mais rápido dos cascos, assim como

maior controlo e maior estabilidade nas curvas.


Graças à pavimentadora VÖGELE, foi possível cumprir

os critérios exigidos, mesmo no espalhamento de um

material um tanto exótico, como o ViscoRide.

A SUPER 1900 espalhou, de forma rápida e sem problemas,

5.000 t de ViscoRide.

A pista exterior, prevista para as corridas a galope, com um comprimento de 1.425 m e uma largura de 18 m,

foi completamente reabilitada.

25


+++ breves +++ breves +++ breves +++ breves +++ breves +++ breves +++ breves +++

26

VÖGELE no Circuito de

Fórmula 1 do Golfo Pérsico

Já há décadas que a VÖGELE é sinónimo de qualidade na

construção de pistas de corrida. Pela perfeita regularidade

da superfície, pela extrema qualidade da pavimentação e

pela perfeita aderência da pista. O exemplo mais recente é

o autódromo de Fórmula 1 “Yas Marina Circuit” em Abu

Dhabi, no Golfo Pérsico (ver última edição da RoadNews).

A firma Bickhardt-Bau celebrou um contrato que previa a

construção do autódromo completo, incluindo as zonas de

desaceleração, as boxes dos pilotos e as vias de

emergência, bem como todas as vias de acesso e as áreas

de estacionamento. Para esta obra, a empresa apostou na

tecnologia e na capacidade de trabalho dos equipamentos

VÖGELE – entre estes, duas SUPER 1900-2 com mesas

extensíveis AB 600-2 TP2. Assim, foi possível realizar todos

os trabalhos no tempo predeterminado e em conformidade

com os elevados requisitos impostos à construção de

autódromos. No final da temporada, o campeonato mundial

de 2009 desta prestigiada modalidade internacional do

desporto automóvel decidiu-se neste novo e moderno

circuito de Fórmula 1. Um final em grande. ,


+++ breves +++ breves +++ breves +++ breves +++ breves +++ breves +++ breves +++

27


Sensores do Sistema de Nivelamento Automático NIVELTRONIC Plus ® .

Nivelar com precisão

em todas as situações

Os sistemas de nivelamento VÖGELE são uma referência no mercado. Com uma gama ampla e diversificada de

sensores, o inovador sistema de nivelamento automático NIVELTRONIC Plus ® da VÖGELE, tem o sensor certo para

todos os tipos de aplicações. Depois da apresentação dos sensores sónicos na última edição da RoadNews, o segundo

artigo desta série é dedicado aos sistemas de sensores mecânicos.

28

Resumo das vantagens do NIVELTRONIC Plus ®

n Característica ímpar: o sistema de nivelamento está

disponível directamente a partir da fábrica.

n Isto garante uma compatibilidade perfeita da tecnologia da

máquina com o sistema de nivelamento e, por conseguinte,

um óptimo resultado de pavimentação.

n Os cabos e ligações estão integrados no veículo tractor

e na mesa.

n Grande variedade de sensores garante um emprego flexível

do NIVELTRONIC Plus ® para todas as finalidades.

n A detecção automática dos sensores ligados ao sistema

facilita a configuração.

n Comando e monitorização particularmente fáceis de todas

as funções do NIVELTRONIC Plus ®.

n Símbolos lógicos e auto-elucidativos permitem aos

utilizadores no mundo inteiro aprender as funções

independentemente da sua língua.

n A integração do sistema NIVELTRONIC Plus ® no comando

da máquina dispensa a necessidade de formação adicional.


24-6256-0026

PARTE 2

SENSORES

MECâNICOS

Made in Germany

A gama de sensores mecânicos VÖGELE é composta pelo

sensor mecânico variável e pelo sensor de inclinação. São

soluções de contacto directo com a respectiva referência.

As alterações na posição do sensor ou da mesa são registadas

mecanicamente durante a monitorização da referência e são

convertidas em sinais eléctricos. Estes sinais são transmitidos

para o sistema NIVELTRONIC Plus ® , que faz a devida correcção.

medição visível, tecnologia robusta

A grande vantagem dos sensores mecânicos reside no facto

de serem imunes a influências externas, como humidade, vento,

raios solares, variações de temperatura ou turbulências do ar

causadas pelo movimento do tráfego. Uma outra vantagem é

que a medição é feita de forma “visível”. Isto significa que é

muito fácil verificar se o sensor mantém um contacto “estável”

com a referência ou não. Assim, é possível reconhecer-se, de

imediato, o ponto em que a referência está a ser explorada.

29


1. Sensor mecânico variável

30

Sensor mecânico variável

com uma gama ampla de

medição de ± 10 cm

O sensor mecânico variável, desenvolvido pela VÖGELE,

combina as vantagens de um sensor sónico (RoadNews 16)

com a elevada precisão dos sensores mecânicos.

O princípio é simples: na monitorização de uma referência,

os movimentos para cima e para baixo da régua ou do arco,

são transmitidos para o sensor. Se surgirem desvios em

relação ao valor nominal, a posição da mesa é corrigida

automaticamente pelo sistema NIVELTRONIC Plus ® .

medição de ± 10 cm

A amplitude da gama de medição do sensor mecânico

variável, com ± 10 cm, é muito grande para sensores

mecânicos e apenas comparável à de um sensor sónico.

A configuração deste sistema de monitorização também é

semelhante à dos sensores de ultra-sons da VÖGELE,

bastando o simples premir de um botão: ao ser ligado à consola

de comando da mesa ErgoPlus ® , o sensor é reconhecido

automaticamente pelo sistema NIVELTRONIC Plus ® . Com o

simples premir de um botão, fica zerado e pronto para ser

utilizado.

Várias combinações possíveis

O sensor mecânico variável da VÖGELE pode ser

combinado de muitas formas. Pode ser equipado, para a

monitorização do solo, com patins de 30 cm, 1 m ou 2 m

de comprimento. O patim de 30 cm é especialmente

adequado para a construção de estradas com curvas

A monitorização do solo faz-se com

réguas de diferentes comprimentos.

Para a monitorização do fio de guia,

a régua é substituída por um arco

apertadas e para rotundas, pois não condiciona a manobrabilidade

da pavimentadora. Com este patim, mais curto, a referência é

copiada quase à escala real 1:1, sem fazer o nivelamento de

irregularidades. Para compensar pequenas irregularidades na

referência, recomenda-se a utilização da régua de 1 m ou de

2 m. No caso de maiores irregularidades, a ferramenta mais

indicada é a régua de nivelamento de 7 m.

Aplicação da régua de nivelamento de 7 m

O sensor mecânico variável, combinado com a régua de

nivelamento de 7 m, em que se utiliza o arco para tomada de

referência, consegue nivelar lombas grandes, facilmente e

com qualidade. A régua utiliza-se sobretudo em troços de

estradas sem curvas apertadas.

Pavimentação precisa com fio de guia

O sensor mecânico variável também é uma boa solução para

garantir uma pavimentação precisa ao longo de um fio de guia

tensionado, combinado com um arco. O fio de guia utiliza-se

sobretudo quando não existe uma referência adequada ou

quando é expressamente solicitado pelo dono da obra.

A combinação do fio de guia com o sensor mecânico variável

resulta em trabalhos de pavimentação e nivelamento

extremamente precisos, face à grande capacidade de

monitorização e ao rigor do sensor, com uma tolerância de

apenas ± 0,5 mm.


Patim com 30 cm de comprimento para curvas apertadas. Com o patim de 1 m são compensadas irregularidades

mais pequenas.

Para o nivelamento de irregularidades pequenas a médias:

patim de 2 m.

Para superfícies onde é exigida uma grande regularidade:

régua de nivelamento de 7 m.

Há um amplo leque de acessórios

disponíveis para o sensor mecânico

variável.

Pode ser combinado com uma régua

de nivelamento de 7 m, equipado com

um arco para monitorização do fio de

guia ou com patins de 2 m, 1 m ou

30 cm de comprimento.

31


2.

32

Sensor de inclinação transversal

O sensor funciona

como um nível de

bolha de ar electrónico

24-6256-0026

Quando é exigida regularidade horizontal, ou quando se

pretende uma elevação num lado – o sensor de inclinação

transversal determina com precisão o perfil transversal

actual, que reproduz na medida exacta, durante a

pavimentação.

Precisão de ± 0,05 %

A inclinação transversal da mesa é medida com um

sensor, com líquido, semelhante a um nível de bolha de ar.

Graças à alta resolução, o sensor de inclinação é muito

preciso e mede inclinações transversais com uma variação

de ± 10 %. A barra onde o sensor é instalado está protegida

contra vibrações, o que garante medições exactas em

todas as condições de obra. Isto resulta numa grande

capacidade de medição, com um rigor de ± 0,05 %, o que

corresponde a uma tolerância de apenas 0,5 mm numa

largura de 1 m. Como referência, serve a posição da mesa.

Combinação com um sensor de altura

Made in Germany

O sensor de inclinação transversal pode ser utilizado,

sem problema, juntamente com qualquer outro sensor de

altura, até uma largura de pavimentação máxima de

6,5 metros. A altura medida num lado da mesa, combinada

com a inclinação transversal, resulta num pavimento uniforme

e de perfil exacto, em toda a largura de trabalho.

O sensor de inclinação trans-

versal pode ser combinado

com todos os sensores de

altura da VÖGELE

Combinação de dois sensores de altura e um sensor

de inclinação transversal

No sistema NIVELTRONIC Plus ® da VÖGELE, é possível

ligar ao mesmo tempo dois sensores para a medição de

altura, mais um sensor de inclinação transversal, embora

sejam necessários apenas dois sensores para um

nivelamento exacto. Desta forma, é possível combinar,

durante a pavimentação, o sensor de inclinação transversal

com qualquer dos sensores de altura, ligados à esquerda

ou à direita, através de uma simples comutação, sem ser

preciso fazer qualquer tipo de conversão ou mudar de ficha.

Isto proporciona uma grande variedade de opções para a

monitorização das referências existentes. E a propósito …

quando são utilizados sensores de altura à esquerda e à

direita, aparece automaticamente nos ecrãs das consolas

de comando de mesa ErgoPlus ® a inclinação transversal

actual, mesmo quando não se utiliza o sensor de inclinação

transversal para o nivelamento.


Matriz de selecção: O sensor ideal para cada aplicação

Mecânico

1.

2.

Sensor Aplicação

Sensor mecânico variável

particularmente recomendado

recomendado

adequado

- medição com fio de guia

- medição do solo

- Tubo de nivelamento

Sensor de inclinação transversal

Acústico

sem contacto

Sensor Sónico Simples

Sensor Sónico múltiplo

- medição com fio de guia

- medição do solo

Régua multiPlex

Óptico

sem contacto

Receptor de laser

Sistema 3D

NAVITRONIC Plus ®

Estradas municipais

Zonas residenciais com

limitadores de velocidade

Rotundas

Estradas municipais

Estradas nacionais

(nova construção)

Auto-estradas

Praças e áreas de grande

superfície

Aeroportos

(nova construção)

Aeroportos (reabilitação)

Autódromos

(nova construção)

Autódromos (reabilitação)

PARTE 2

SENSORES

MECâNICOS

PARTE 1

SENSORES ACúSTICOS

SEM CONTACTO

,

33


Oceano

Pacífico

Canadá

34

EUA

México

Indianápolis

Golfo do

México

Nova

Iorque

Oceano

Atlântico

EUA

RCC

appRoved

SUpeR pavIMeNTaC, ao

BeTao CoMpaCTado

~

poR CILINdRo

~


SUPER 2100-2 com mesa de alta compactação AB 600 TP2 reabilita estradas municipais com betão compacto por cilindro (BCC)

e asfalto em Indianápolis, EUA.

A VÖGELE garante

máxima pré-compactação

A tecnologia das pavimentadoras e mesas VÖGELE proporciona resultados perfeitos na pavimentação de asfalto e não

só. Também é necessário um sólido know how para pavimentar betão compactado por cilindro (BCC), de forma

particularmente económica e com alta qualidade. Prova disso é o exemplo que nos chega de Indianápolis, EUA, onde

uma SUPER 2100-2 com mesa de alta compactação AB 600 na versão TP2, pavimentou tanto o asfalto como o BCC.

Dado que, neste processo, a pré-compactação se reveste de extrema importância, a tecnologia VÖGELE era a mais

indicada para a tarefa.

35


A rentabilidade é um dos critérios mais importantes na

construção rodoviária. Uma empresa de construção que

consiga pavimentar vários materiais com uma só combinação

de equipamentos tem uma clara vantagem. Foi exactamente

esta vantagem que a empresa Calumet Civil Contractors Inc.,

de Whitestown no Indiana, explorou na reabilitação de estradas

em Indianápolis. Numa largura de 6 m, era preciso pavimentar

uma camada de BCC com uma espessura de 12,5 cm. Para

cumprir as exigências em termos de regularidade e aderência,

foi necessário pavimentar ainda, sobre a camada de BCC, uma

camada de desgaste de 3,8 cm com asfalto convencional.

Para assegurar a máxima qualidade de pavimentação de

ambas as camadas, a empresa Calumet recorreu a uma

pavimentadora de rastos SUPER 2100-2 e à mesa de alta

compactação AB 600 TP2 da VÖGELE.

A SUPER 2100-2 no seu habitat

A pavimentadora SUPER 2100-2 fez um excelente trabalho

na pavimentação da superfície de betão compactado por

cilindro. O conceito global desta pavimentadora, bem como os

componentes para o transporte de material, foram concebidos

para permitirem grandes volumes de espalhamento, mesmo

com materiais especiais, tais como camadas de base

hidraulicamente aglutinada ou BCC de grandes espessuras.

Graças ao modo ECO, que permite reduzir o consumo de

36

Especificações da SUPER 2100-2

n Largura máxima de espalhamento 13 m

n Capacidade de espalhamento até 1.100 t/h

n Espessura máxima de espalhamento 30 cm

n Largura de transporte 2,55 m

n Velocidade de espalhamento até 25 m/min

n Velocidade de transporte até 4,5 km/h

n motor diesel DEUTZ com 182 kW

n Conceito de comando ErgoPlus ®

n Tejadilho rígido

combustível e o desgaste, a SUPER 2100-2 trabalha de forma

excepcionalmente económica. E no que respeita às emissões

de gases, a SUPER 2100-2 também marcou pontos: satisfaz

as rigorosas normas COM 3a e EPA 3.

Valores de pré-compactação até 98 %

Para atingir uma perfeita qualidade de pavimentação,

sujeita ao rigoroso olhar das autoridades de Indianápolis,

a Calumet apostou na tecnologia de alta compactação das

mesas VÖGELE. A escolha recaiu na mesa de alta

compactação AB 600 TP2, que faz pleno uso das suas

potencialidades na exigente pavimentação de BCC.

Com este material, as mesas têm de garantir um elevado grau

de pré-compactação. De outra forma, são necessárias várias

passagens com cilindro, que podem originar estragos nas

bermas e transições insatisfatórias, o que tem um efeito

negativo na regularidade da camada de desgaste. Além disso,

demasiadas passagens com o cilindro podem prejudicar o

perfil da estrada. A mesa AB 600 TP2 está equipada com

“tamper” e duas barras de pressão. A pressão das barras

pode ser regulada, progressivamente, de 40 a 130 bar.

Em Indianápolis, devido às propriedades do material

pavimentado, optou-se por uma pressão de 90 bar. Deste

modo, conseguiu-se alcançar uma compactação até 98 % e a

compactação final pôde ser feita com apenas um pequeno


cilindro de 3,5 t, a operar em modo estático. O resultado foi

excelente – máxima regularidade e precisão do perfil da

camada de desgaste.

Testado na prática

Os responsáveis da Calumet Civil Contractors ficaram

bastante satisfeitos com a combinação da pavimentadora

SUPER 2100-2 com a mesa AB 600 TP2. Iniciados os trabalhos

em Agosto de 2009, a meio de Setembro já tinham sido

pavimentados o BCC e a camada de asfalto, sobre toda a

largura de 6 m, em quatro estradas. Steve Sweet, director de

vendas de BCC na Calumet, está entusiasmado: “Temos

actualmente muitas encomendas para a pavimentação com

BCC. Mas já estamos a pensar também em pavimentar asfalto

com a potente tecnologia da VÖGELE, no âmbito de grandes

projectos.” E por último, mas não menos importante: os exigentes

representantes da cidade de Indianápolis também ficaram

muito satisfeitos com os resultados da pavimentação. ,

Dados da obra

Reabilitação de estradas municipais

em Indiánapolis, EUA

Dados da pavimentação

Largura: 6 m

Espessura: camada de base 12,5 cm

camada de desgaste 3,8 cm

Material

Camada de base: betão compactado por cilindro

(BCC)

Camada de desgaste: asfalto

Máquina utilizada

SUPER 2100-2 com mesa de alta compactação

AB 600 TP2

Pressão das barras de pressão: 90 bar

Visão perfeita graças ao sistema ErgoPlus ® : o operador da mesa pode controlar todas as funções importantes da mesa

com facilidade e conforto; para além disso possui uma visão livre sobre o resultado da pavimentação.

37


Betão compactado por cilindro (BCC):

Ideal para a tecnologia de alta compactação

Sobretudo nos EUA, o betão compactado por cilindro (BCC) é

uma alternativa comum ao asfalto. O BCC é composto por

agregado britado ou não britado, aglutinantes hidráulicos e,

por vezes, aditivos de betão. É misturado em tambores

misturadores na obra ou nas proximidades desta. A mistura

é transportada por camiões convencionais e transferida para

a pavimentadora, que espalha o material em camadas até

25 cm de espessura. Por fim, procede-se à compactação da

camada de betão com cilindros.

Uma vez que a mistura de BCC contém pouca humidade, é

necessário pulverizar a camada cuidadosamente com água,

logo depois da sua colocação. Numa primeira fase, deve optar-se

por uma pulverização fina da água, para se evitar a erosão

da superfície. Depois, durante pelo menos 3 dias, vai-se

adicionando humidade, para permitir o assentamento do

betão. O BCC endurece e torna-se sólido. Em muitos casos,

fazem-se juntas, para evitar que se formem fendas.

38

RCC

appRoved

SUpeR pavIMeNTaC, ao

BeTao CoMpaCTado

~

poR CILINdRo

~

O material de BCC é suficientemente rígido para poder ser

compactado com cilindros de vibração. No entanto, é

importante reduzir as passagens do cilindro ao mínimo, para se

alcançar a melhor estabilidade, regularidade e estrutura da

superfície. Isto é garantido pela mesa de alta compactação

AB 600 TP2 da VÖGELE. A par de um “tamper”, a mesa dispõe

de duas barras de pressão pressurizadas hidraulicamente por

impulsos. A VÖGELE é o único fabricante que disponibiliza o

sistema hidráulico por impulsos. O gerador de impulsos

integrado no sistema gera impulsos de pressão de alta

frequência. Estes permitem que as barras de pressão

mantenham um contacto permanente com o pavimento e,

desta maneira, empurrem a mistura betuminosa constantemente

para baixo, até que deixe de poder ser mais compactada.

Graças a esta tecnologia, atingem-se os valores de

compactação máximos e possíveis numa pavimentadora. As

passagens de cilindro são, assim, reduzidas a um mínimo

absoluto. E muitas vezes, é suficiente realizar apenas

passagens estáticas.

Dicas para a pavimentação

Para obter resultados perfeitos na pavimentação de BCC, é importante ter em

consideração uma série de factores, relativamente às propriedades do material

e às configurações da mesa.

O teor de humidade do betão é determinante para que se consigam atingir valores

de pré-compactação máximos. Se o teor de água for baixo, não é possível

compactar o betão de forma ideal. Se for muito alto, existe o risco de a mesa se

afundar no material. Por isso, para determinar o teor ideal de humidade,

recomenda-se que se faça um teste de pavimentação na obra.


O gerador de impulsos gera impulsos de pressão de alta

frequência. Isto faz com que as barras de pressão mantenham

permanentemente contacto com o material. O resultado:

o material está sempre comprimido. Com esta tecnologia,

as mesas VÖGELE atingem os resultados mais altos de

compactação, possíveis numa pavimentadora.

Configurações da mesa

n Curso do tamper: 7 mm

n Velocidade do tamper: 1.500 – 1.800 rpm

n Pressão da barra de pressão: 80 – 100 bar

(dependendo das propriedades do betão)

As barras de pressão estão localizadas na traseira da mesa.

Nesta posição, atinge-se uma melhor compactação, uma vez

que o material não pode sair para a frente, nem para os lados,

por estar limitado pelas chapas laterais.

39


Estrada em Cap de Formentor, Maiorca, Espanha.

RoadNews na Internet

Encontrará na Internet todas as edições da RoadNews disponíveis sob a forma digital e, além disso, novidades sobre

os produtos e tecnologias da VÖGELE: www.voegele.info

Pode dar-nos o seu feedback sobre a RoadNews. Sugestões e comentários são muito bem-vindos. Por favor, escreva-nos para

roadnews@voegele.info

PT 2143819

More magazines by this user
Similar magazines