Download

neef.ufc.br

Download

AVALIAÇÃO DO BALANÇO DE ENERGIA E DE NITROGÊNIO EM FUNÇÃO DA INCLUSÃO DO

SUBPRODUTO DO MARACUJÁ 1 .

SÉRGIO LUIZ MOREIRA RIBEIRO 2 , MARCOS CLAUDIO PINHEIRO ROGÉRIO 3 , IRAN

BORGES 4 , NORBERTO MÁRIO RODRIGUEZ 5 , ELOISA DE OLIVEIRA SIMÕES SALIBA 4 , JOSÉ

NEUMAN NEIVA 7 FERNANDO H. M. A. R DE ALBUQUERQUE 8 , GILBERTO DE LIMA MACEDO

JÚNIOR 6 , ANDRÉ GUIMARÃES MACIEL E SILVA 6

1 Projeto finaciado pelo CNPq/PROCADI. Trabalho pertencente a tese de doutorado do terceiro autor.

2 Estudante de mestrado da escola de veterinária da UFMG, Belo Horizonte, MG. ribeiroslm@yahoo.com.br Bolsista

Capes

3 Professor assistente da UVA, CE. Bolsista CNPq.

4 Professor adjunto do Departamento de Zootecnia da Escola de Veterinária da UFMG. Bolsista CNPq

5 Professor Titular do Departamento de Zootecnia da Escola de Veterinária da UFMG, bolsista CNPq.

6 Estudantes de doutorado da Escola de Veterinária da UFMG, bolsistas CNPq.

7 Professor da Universidade Federal do Tocantins, TO. Bolsista CNPq.

8 Estudante de mestrado da escola de veterinária da UFMG, bolsista CNPq

RESUMO: O presente estudo foi conduzido objetivando avaliar a influência da inclusão do subproduto do

processamento de maracujá (Passiflora edulis) avaliando-se o balanço de energia e de nitrogênio das referidas dietas

experimentais. Vinte ovinos machos, inteiros foram distribuídos em quatro níveis de inclusão do subproduto (zero; 18%;

31%; 47%), em delineamento inteiramente ao acaso, com cinco ovinos para cada um dos quatro tratamentos. O

subproduto de maracujá apresenta potencialidade como alimento para ruminantes, entretanto houve prejuízo na

disponibilização de energia e proteína dietéticas quando a inclusão do subproduto foi superior a 18% do total dietético.

PALAVRAS-CHAVE: dieta, fibra, frutas, nutrição, ovinos, ruminantes

NITROGEN AND ENERGY BALANCE IN DIETS CONTAINING DIFERENT LEVELS OF PASSIONFRUIT BY-

PRODUCTS.

ABSTRACT: The work was carried out to evaluate the influence of the inclusion of the by-product of the passion fruit

processing (Passiflora edulis) being evaluated the swinging of energy and nitrogen of the referred experimental diets

containing the passion fruit by-product. Twenty male ovine, integers were distributed in four levels of inclusion of the subproduct

(0 ; 18%; 31%; 47%), in entirely at random, with five ovine for each one of the four treatments. The passion fruit

sub-product presents potentiality as food for ruminant; however there was damage in the available of energy and protein

dietetics when the inclusion of the sub -product was superior to 18% of the dietary total.

KEYWORDS: diets, fiber, fruits, nutrition, ovine, ruminants

Voltar

Página 1 de 4

INTRODUÇÃO

O gênero Passiflora, da família Passifloraceae, contém mais de 500 espécies tropicais, sendo o

file://D:\8_Ruminantes\1549.htm

17/08/00


Página 2 de 4

Brasil o centro de origem da maioria delas. O maracujá amarelo (Passiflora edulis f. flavicarpa,

Deuger) é a principal variedade cultivada, sendo responsável pelo fornecimento de matéria-prima

para indústria processadora, bem como para comercialização de frutas frescas (Lousada Júnior,

2003). O maracujá, por exemplo, apresenta amplo potencial de aproveitamento de seus subprodutos

principalmente a casca que representa alta proporção em relação ao total do fruto. É na casca que

se encontra a pectina, um nutriente de alta digestibilidade e disponibilidade rumenal. A literatura cita

comparações entre a casca de maracujá e o farelo de abacaxi destacando também o fato da

digestibilidade da proteína das cascas de maracujá ser três vezes maior do que a digestibilidade da

proteína do farelo de abacaxi.

As sementes perfazem, em média, 11,8% do fruto. Atenção especial deve ser tomada com relação a

essa inclusão, na medida em que os altos níveis de extrato etéreo (7-9% da matéria seca da dieta)

presentes podem inibir a digestibilidade das frações fibrosas.

O presente estudo foi conduzido objetivando avaliar a influência da inclusão do subproduto do

processamento de maracujá (Passiflora edulis) sobre o balanço de energia e proteína das dietas

experimentais contendo o subproduto de maracujá.

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi realizado na Embrapa Caprinos, em Sobral, Ceará, zona fisiográfica do Sertão

Cearense, no período de 21 de outubro a seis de novembro de 2002.

O subproduto agroindustrial de maracujá (Passiflora edulis) utilizado foi obtido da Cajubrás S.A.

(Sucos Jandaia) localizada em Pacajús - CE. Era composto basicamente pela casca e sementes

após a extração do suco e, após secagem ao sol, picado grosseiramente. A dieta formulada e sua

composição química e energética constam na Tabela 1. Houve dificuldade para, com os alimentos

utilizados, se atingir o requerimento de energia. Desta maneira, procurou-se estabelecer um nível de

fibra dietético máximo, idêntico para os quatro tratamentos, de modo que os níveis de energia se

aproximassem do prescrito pelo NRC, (1985). Foram utilizados 20 cordeiros machos e inteiros com

seis meses de idade e peso vivo médio de 28,5 kg,. Os ovinos foram previamente everminados e

alojados em gaiolas de metabolismo com bebedouros, comedouros e saleiros plásticos e

dispositivos apropriados para colheita de urina e fezes. O período de adaptação dos animais às

dietas e às gaiolas foi de 10 dias, sendo o período de colheita (experimental) de 7 dias. Os 20

carneiros foram pesados no início do período de adaptação. O peso foi utilizado para o cálculo do

consumo em gramas por unidade de tamanho metabólico (kg 0,75 ). As dietas foram divididas em

duas refeições iguais e oferecidas bem misturadas aos ovinos, às 7 h e 30 min e a outra às 18 h e

30 min. A colheita total de fezes também foi diária. A produção total teve o peso registrado e foi feita

a reserva de uma alíquota de 20% deste peso. O volume total de líquido foi pesado retirando-se para

cada carneiro uma alíquota de 20% do volume total colhido a cada dia. O delineamento experimental

utilizado foi DIC, com quatro tratamentos (quatro níveis de inclusão do subproduto) e cinco

repetições (animais) por tratamento. As análises estatísticas foram feitas mediante o uso dos

softwares SAEG (Sistema de Análises Estatísticas e Genéticas) .As médias foram comparadas

utilizando-se os testes t e SNK, em nível de 5% de probabilidade.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os consumos de EB diferiram apenas entre as dietas com 18 e 47% do subproduto de maracujá,

pois as outras tiveram valores intermediários e equivalentes entre si, é possível notar uma tendência

de respostas entre o consumo de EB e de MS, fato muito comum de ser observado nesse tipo de

ensaio, tendo-se em conta que geralmente a MS é altamente carburante e fornece sempre valores

muito similares de EB, independentemente da partição da mesma, demonstrando-se assim como é

difícil usar o consumo de EB para quaisquer indicativos além de aferir com o de MS.

A similaridade no consumo de ED resultou da relação intrínseca dos consumos de EB, que mostrouse

diferente entre as dietas, com os coeficientes de digestibilidade da energia bruta. Os dados de

consumo de EM foram bem correlacionados com o balanço energético das dietas experimentais

file://D:\8_Ruminantes\1549.htm

17/08/00


Página 3 de 4

(r=0,9675; P


Limusa, 1987. 438p.

3. LOUSADA JÚNIOR, J.E. Digestibilidade aparente de subprodutos do processamento de

frutas em ovinos. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2003. 94p. Dissertação

(Mestrado em Zootecnia) – Universidade Federal do Ceará, 2003.

4. NATIONAL RESEARCH COUNCIL. Nutrient Requeriments of Sheep. 6.ed. Washington DC,

USA: National Academy Press, 1985. 99p..

5 VAN SOEST, P. J. Nutritional ecology of the ruminant. 2.ed. Ithaca, New York (USA): Cornell

University Press, 1994. 476p.

Tabela 2 - Médias de consumo e equação de regressão da energia bruta (EB), digestível (ED) e

metabolizável (EM) em relação à unidade de tamanho metabólico dos ovinos (kcal/kg0,75 ),

coeficientes de digestibilidade aparente da energia bruta (CEB), energia digestível (CED), energia

metabolizável (CEM), balanço energético (BE) e teores de energia digestível (ED) e de energia

metabolizável(EM) por quilo de matéria seca ingerida (kcal), nitrogênio ingerido (NI), nitrogênio fecal

(NF), nitrogênio urinário (NU), balanço de nitrogênio (BN) e nitrogênio retido (NRET) das dietas

contendo quantidades crescentes de subproduto de maracujá fornecidas a ovinos

Variáveis 0% 18% 31% 47% Equação de CV (%) R

Regressão

2 (%)

CEB 513,72ab 566,26a 435,58ab 426,31b 20,64

CED 355,04 a 362,58 a 287,93 a 284,02 a Y:NS 22,04

CEM 317,81 ab 337,31 a 241,24 ab 227,32 b 26,63

CDIG (%) 68,97 a 63,92 a 66,27 a 66,38 a Y:NS 5,20

BE 3,89 ab 4,17 a 2,99 ab 2,80 b 29,41

ED/kd de MS 3055,0 a 2892,2 a 3054,2 a 3130,3 a Y:NS 5,24

EM/kg de MS 2736,0 a 2669,1 a 2536,3 a 2464,0 a Y:NS 9,21

NI (g/dia) 27,56 ab 30,41 a 23,99 ab 22,37 b 22,26

NF (g/dia) 11,89 ab 13,63 a 9,48 b 8,89 b 24,93

NU (g/dia) 4,26 a 5,26 a 5,70 a 5,21 a Y:NS 28,24

BN 11,41 a 11,53 a 8,82 a 8,27 a Y:NS 22,64

NRET (%NI) 41,07 a 35,24 a 36,41 a 35,84 a Y:NS 24,65

a Médias com letras iguais na mesma linha não diferem significativamente pelo teste t (P>0,05).

Tabela 1. Composição centesimal e bromatológica das dietas contendo subproduto de maracujá e ofertadas a

ovinos em base de matéria seca

Tratamentos

Propostos

Capim

Elefante

Milho Torta de

Algodão

%MS %PB %NDT

1 Estimado segundo Cappelle et al. (2001)

1 %FDN

0% 31,28 49,47 19,25 70,33 14,72 69,56 38,80

15,31% 20,85 47,43 16,41 76,89 14,72 68,59 38,80

30,61% 11,62 40,50 17,27 82,26 14,72 66,53 38,80

45,92% 0 43,35 10,73 90,03 14,72 66,67 38,80

file://D:\8_Ruminantes\1549.htm

Página 4 de 4

17/08/00

More magazines by this user
Similar magazines