1 2007.pdf - Escola Secundária de Mirandela

esmdl.org

1 2007.pdf - Escola Secundária de Mirandela

Editorial

Chegados ao ano lectivo 2007/2008, cumpre-nos saudar e

felicitar os responsáveis e os colaboradores deste jornal,

JornalECOS, já no seu terceiro ano de um funcionamento nem

sempre fácil mas muito profícuo para toda a comunidade escolar, em

especial para os alunos.

É estimulante este desafio num contexto de profundas

alterações na vida das escolas, com professores desmotivados e,

consequentemente, enfraquecidos junto dos que mais deles

esperam, os alunos e respectivas famílias; com alunos

desencorajados pelas sucessivas e constantes alterações das

grelhas curriculares e carga horária – (que bem que sabiam os

“feriados!”); com famílias dedicadas às suas actividades profissionais

e, embora nem sempre intencionalmente, confiantes no papel

educativo e formativo da escola, exclusivamente.

Não se pretende com esta caracterização desculpar

professores menos empenhados, alunos mais preguiçosos e

desordeiros, famílias menos vigilantes na formação dos seus

dependentes. O que realmente se pretende é que todos os que dão

voz a este jornal consigam passar e reforçar a mensagem da escola

como um local agradável, em que saberes e aprendizagens são da

responsabilidade de todos e de cada um.

exigência.

JornalECOS

Ano – 03 Número: 1 ESCOLA SECUNDÁRIA DE MIRANDELA Dezembro de 2007

A escola de amanhã exige, hoje, o nosso empenho e

O Conselho Executivo

JornalECOS

Deseja a toda a comunidade escolar um Santo

Natal e um próspero Ano Novo.

CONTEÚDOS

0.40 €

- Noticiando 02

- Cantinho do CEF 05

- Sou escritor! 07

- Natureza literária! 08

- Let’s talk about… 09

- 'Trick or treat' 10

- Viagens no Tempo 11

- Matematicando 13

- Espaço Ciência 14

- Passatempos 16

Versão digital em:

http//www.esec-mirandela.rcts.pt


02 Opinando JE

Corta Mato Escolar

O Corta-Mato é um dos eventos

desportivos com maior tradição e

significado no Desporto Escolar.

Organizados em diversas fases – de

Escola, de Coordenação Educativa,

Nacional e Internacional.

O Corta-Mato Escolar realizou-se no dia 31 de

Outubro pela manhã. O evento decorreu no Parque Dr.

José Gama com o apoio da Câmara Municipal de

Mirandela. Participaram nesta prova 118 alunos

distribuídos pelos diversos escalões, tal como se pode

ver pelo quadro seguinte.

Quadro 2 - Resumo dos participantes Corta Mato

Escolar

Feminino Masculino Total

Infantis B 2 9 11

Iniciados 27 32 59

Juvenis 17 24 41

Juniores 3 4 7

Total 49 69 118

Os vencedores foram:

Infantis B Femininos – Ana Ramos 8ºD

Infantis B Masculinos – Leonardo Teixeira 7ºC

Iniciados Femininos – Jessica Freitas 8ºD

Iniciados Masculinos – Ruben Lemos 8ºE

Juvenis Femininos – Andreia Baía 8ºD

Juvenis Masculinos – Luís Cardoso 9ºD

Juniores Femininos – Sara Roque 11ºC

Juniores Masculinos – João Lopes 11ºG

EU TAMBÉM SOU UM CIENTISTA

No âmbito das comemorações da

semana da ciência e tecnologia (19 a

23 de Novembro), o departamento das

ciências experimentais (Biologia e

Geologia; Física e Química) abriram os

seus laboratórios a meninos e meninas do 3º e 4º ano

do 1º ciclo do ensino básico, das escolas do Concelho de

Mirandela. Realizaram pequenas actividades práticas,

dinamizadas pelos alunos do 12º B, 10º B e CEF;

nomeadamente: “ovo cru ou

cozido?”; “o vulcão bota-fogo”; “seres

vivos do solo e da água”; “pintar uma

flor”; “água que arde”; “o segredo

de Magdeburgo”; “como funciona um

submarino”; “a mensagem secreta”; “a mão gigante”;

“cabelo em pé”; entre outras.

Esta actividade permitiu uma ampla interdisciplinaridade

e dinâmica entre os saberes dos dois grupos

disciplinares, assim como abriu os horizontes científicos

dos nossos CIENTISTAS DE PALMO E MEIO.

Departamento das ciências experimentais

Feira dos Minerais

Nos dias 27 a 30 de Novembro, realizou-se

no Atelier de Ciências a feira dos minerais,

organizada pelos professores do grupo

disciplinar de Biologia e Geologia.

Os visitantes puderam adquirir material de

Geologia, como minerais, rochas fósseis, entre outros;

assim como adquirir bijutaria (anéis, colares, brincos,

…). A adesão foi enorme e foram todos unânimes em

considerar a actividade muito interessante, desejando

que esta se repita mais vezes.

Departamento de Ciências experimentais

Dia Mundial da Alimentação

No dia 16 de Outubro de 2007,

comemorou-se na nossa escola o Dia

Mundial da Alimentação. As actividades

realizadas foram coordenadas pelo

Clube da Saúde e pelo grupo de

Biologia-Geologia.

» Actividades realizadas

- Elaboração e distribuição à comunidade escolar de

um folheto informativo

- Projecção do filme “Super Size Me – 30 Dias de

Fast-Food

- Elaboração de uma ementa

equilibrada e sua aplicação na

cantina da escola

- Venda de fruta nos bares da

escola

- Elaboração e afixação de cartazes temáticos

- Construção em plasticina de

modelos de alimentos

- Jogo interactivo para PC “Descobre

a alimentação saudável”

» Objectivos das actividades

- Promover atitudes promotoras

da saúde

- Alertar para uma alimentação equilibrada

- Divulgar hábitos alimentares equilibrados

- Alertar para as consequências de uma dieta

alimentar errada

A comunidade escolar aderiu razoavelmente as

actividades propostas e estas decorreram

satisfatoriamente.

Professores de Biologia

A NOSSA ESCOLA NA UTAD…

Integrada no Plano de

Actividades do grupo de Biologia e

Geologia e para concretizar alguns

objectivos dos alunos dos 12º A, C, D e

E na Área de Projecto e na disciplina de

Biologia, realizou-se uma visita à UTAD no dia

23/11/07, organizada pelas professoras: Fátima Gomes,

Ângela Araújo, Sofia Alves e

Cristina Cordeiro.

Durante este dia os

nossos alunos participaram

nas actividades do VIII Mini-

Fórum “Ciência Viva” da UTAD.

De manhã, na Aula Magna, após a sessão de abertura,

foram projectados excertos do filme de Al Gore “ Uma

Verdade Inconveniente” e seguiu-se o debate sobre as

questões levantadas pelo filme e

sobre Energias Alternativas,

devidamente orientadas por

professores desta Universidade. Foi

divulgada uma questão baseada no

filme a que os nossos alunos

responderam com entusiasmo e o

aluno Eduardo Fernandes do 12ºA venceu o prémio, no

seu escalão etário. De tarde, distribuídos por grupos

visitaram laboratórios, tais como: Hidrogeologia,

Microscopia Electrónica, Geologia, Recursos Genéticos e

sua Avaliação, e Analisando o DNA, onde puderam

participar em variadas actividades

práticas.

Uma paragem no Dolce Vita

para recuperar energias e um

regresso cheio de animação onde os

“flashes” e as canções foram uma

constante durante o regresso…

A Coordenadora do Departamento de Biologia

M. Fátima Q. P. Gomes


JE Opinando II 03

Dia do Não Fumador

O grupo de

Biologia/Geologia)

comemorou o Dia do Não Fumador

no dia 16 de Novembro (em virtude

do dia 17 de Novembro ser Sábado)

Realizaram-se várias actividades,

salientando-se as seguintes:

Foi solicitado aos alunos que escrevessem uma

mensagem que gostariam de transmitir aos

colegas no Dia do Não Fumador. Das várias

mensagens recolhidas foram seleccionadas as dez

mais originais e, no dia 16, foram lidas durante as

aulas, aos alunos das várias turmas da escola.

Os alunos do 12º C escreveram nos quadros

das salas outras mensagens elaboradas pelos

professores do grupo 520.

No Atelier de Ciências os

alunos fizeram palavras

cruzadas relacionadas com o

tabaco e foi feita (durante

toda a semana) uma

Actividade Experimental (A

Garrafa que Fuma) com o objectivo de alertar os

alunos para os malefícios do tabaco.

Vários cartazes foram elaborados pelos alunos e

expostos no Atelier de Ciências, no bloco 4, no

Polivalente e na Biblioteca.

Aqui vão algumas frases escritas pelos alunos,

bem elucidativas sobre os malefícios do tabaco:

“Acorda para a vida, fumar mata, não

queiras morrer, ainda tens muito para

viver!”

Ana Rute nº4, 8ºD

“Fumar faz deixar de brilhar o teu

sorriso.”

Daniela Fidalgo nº4, 8ºB

“És tu que acendes os cigarros, mas são eles que

te vão apagando a ti!”

Ana Paula nº 4, 8º C

“Porque fumar não é um dever, e viver é um

direito, não fume e viva a vida, uma vida

saudável.”

Andreia Alexandra nº5, 8º D

A luta antitabagista depende de todos.

Faz a tua parte!

Não fumes e exige que não

fumem ao pé de ti!

O tabaco é um dos maiores

inimigos da tua saúde!

Aos jovens:

☺ Aprende a resistir às

pressões de fumar.

☺ Recusar a oferta de um cigarro é um direito.

☺ São várias as alternativas ao tabaco:

conversar, ouvir música, ler, passear e namorar.

Se achas que fumar está na moda, então quem

não está na moda és tu.

AS VANTAGENS DE NÃO FUMAR INCLUEM:

Bem-estar, respirar sem problemas e sem tosse,

hálito agradável, dentes e dedos sem manchas

amarelas, cheirar a limpo.

Testa os teus conhecimentos

1 2

3

4

5 6

8

10

1 – Doença coronária provocada pelo uso do

cigarro.

2 – Sintoma de privação do tabaco.

3 – Hábito de fumar.

4 – Pessoas que aspiram o fumo libertado pelos

cigarros dos fumadores.

5 – Substância tóxica e cancerígena presente no

fumo do tabaco.

6 – Cancro de

7 – Substância tóxica, altamente cancerígena,

presente na fumaça do cigarro.

8 – O que o tabaco provoca.

9 – Inimigo da saúde.

10 – O fumo está associado a um aumento de

Gente Nossa

Cátia Feliciano, antiga

aluna desta escola, onde

completou o 12ºano em

1998/1999, com média

final de 18 valores, está a

dar cartas na investigação

científica.

Bioquímica de formação

e profissão, com apenas 26

anos de idade, participou, juntamente com outro

colega bioquímico, na identificação de um gene

implicado nos comportamentos obssessivoscompulsivos,

doenças estas que afectam 2% da

população. Esta descoberta foi publicada na

conceituada revista Nature.

É, sem dúvida, um exemplo de sucesso como

este que nos faz sentir orgulhosos e motivados a

dar o nosso melhor e a superar todos os

obstáculos que nos deparamos no nosso percurso

de ensino-aprendizagem.

7

9


04 Opinando III JE

NOTÍCIAS SOBRE A BIBLIOTECA/ MEDIATECA

Aqui estamos, de novo, a dar-vos

notícias sobre as actividades desenvolvidas

pela Biblioteca da nossa escola.

No dia 30 de Novembro completamse

72 anos sobre a morte do poeta da

MENSAGEM - Fernando Pessoa. Vamos

assinalar esta data com a distribuição de alguns dos

seus poemas mais conhecidos como “Mar Português” e

“Autopsicografia”.

Este ano decidimos, tal como no ano lectivo

anterior, organizar uma Feira do Livro que terá lugar

nos dias 3, 4 e 5 de Dezembro, na Biblioteca. Se estás a

pensar nas compras de Natal, um livro é sempre um

belo presente para ofereceres aos teus amigos ou

familiares. Aproveita a ocasião! Tens descontos!

Além destas iniciativas, decidimos implementar

outras, de forma a incentivar os alunos para a leitura.

Assim, resolvemos criar o “LIVRO DO MÊS” – todos os

meses destacamos um livro que, para além da sua

qualidade literária, poderá interessar aos nossos jovens

leitores. No mês de Outubro seleccionámos o livro

Histórias da Terra e do Mar, de Sophia de Mello Breyner

Andresen, que entrou para o Top 10, tendo-se situado

em terceiro lugar nos livros mais lidos do mês. Em

Novembro escolhemos O Principezinho, de Antoine de

Saint- Exupéry, um livro delicioso, tanto para jovens

como para os mais crescidos. Em Dezembro, o lido

seleccionado será Novos contos da Montanha, de Miguel

Torga, será uma forma de homenagearmos o escritor de

S. Martinho de Anta, no ano em que se assinala o

centenário do seu nascimento.

No segundo período vamos lançar, tal como

fizemos no ano lectivo anterior, o Concurso Literário.

Esperamos poder contar com a vossa participação.

Vamos, também, fazer a Maratona da Poesia –

durante uma manhã inteira esperamos ter alunos,

professores, funcionários e, até, encarregados de

educação a recitar poesia.

Estas são apenas algumas das várias actividades

que esperamos desenvolver este ano. Contamos com a

vossa adesão e empenhamento, pois desejamos que a

Biblioteca seja um espaço de estudo e de pesquisa mas,

também, um espaço lúdico e enriquecedor.

Profª. Cândida Castilho

– Relatório -

Escola: Secundária de Mirandela

Autores do Relatório: profs.

Cândida Castilho, Marcelino Gomes e

Rui Pelicano

Actividade no âmbito da disciplina de:

Português

Na cidade do Porto em 05 de Novembro de 07

Com o objectivo de:

1º - melhor compreender o texto dramático, assistindo a uma

peça de teatro;

2º - fazer um relatório do evento, seus antecedentes e

consequentes.

Material de apoio:bloco de apontamentos e máquina fotográfica

Foram organizadores os professores de Português: Rui Pelicano e

Marcelino Gomes

Data do Relatório: 13 de Novembro de 07

1º - SUMÁRIO -Principais momentos:

1. Partida de Mirandela

2. Chegada ao Porto

3. Almoço e tempo livre

Passeio pedestre atravessando

a ponte de D. Luís

4. No teatro

5. Passeio pedestre do Rivoli

à zona da Ribeira e tempo livre

6. Partida do Porto

7. Chegada a Mirandela

Locais visitados:

1. Centro Comercial

Gaia Shopping

2. Ponte de D. Luís I

3. Teatro Rivoli

4. Zona da Ribeira

2º - INTRODUÇÃO -Temática do evento:

- “O Principezinho” – texto dramatizado e levado a palco

Conteúdos programáticos abrangidos

- O texto dramático - O relatório

3º - DESENVOLVIMENTO

1. A viagem - Às 08:20 do dia 05 de Novembro de

2007, concentraram-se, na Central de Camionagem de

Mirandela, os 107 alunos e 10 professores acompanhantes e,

pouco depois, distribuídos por três autocarros, partiam em

direcção à cidade do Porto.

A sensivelmente meio do caminho, fez-se uma

paragem de alguns minutos numa Estação de Serviço da Serra

do Marão, onde muitos aproveitaram para tomar o pequenoalmoço.

Às 11:30, chegava-se ao Gaia

Shopping. Alunos e professores,

livremente conviveram, visitaram

pontos de particular interesse, fizeram

algumas compras pessoais e

almoçaram.

Às 13:30, nos respectivos autocarros, deste Centro

Comercial, os participantes foram transportados à margem sul

da Ponte de D. Luís I. Esta foi atravessada em passeio pedonal,

proporcionando a observação de um dos mais belos panoramas

das cidades de Gaia e Porto.

Chegados ao Rivoli, pelas 14:30, alunos e professores

foram conduzidos por assistentes aos respectivos lugares na

sala de espectáculos.

2. O espectáculo - “O

Principezinho” começou às

15:00. A lotação estava

esgotada.

Ao longo da peça, uma

notável imaginação do realizador na

combinação de efeitos de luz, som e

deo-projecção, tornaram deslumbrante a cenografia do

espectáculo.

Foi impecável e expressivo o desempenho dos

actores: nos gestos, na mímica, e na locução.

O público, na sua grande maioria crianças e

adolescentes, comportou-se, salvo compreensíveis excepções,

com evidente serenidade e atenção.

O espectáculo não demorou muito mais que uma hora.

Os que assistiram patenteavam a sua satisfação em rostos

sorridentes, demonstrando ter sido incontestavelmente útil a

sua deslocação ao teatro.

3. O regresso

De novo a pé, agora desde o Rivoli, todo o pessoal foi

deambulando até à Ribeira e desfrutando de toda a envolvente

beleza panorâmica.

Eram cerca das

16:45 quando os autocarros

então chegaram. Alunos e

professores tomaram neles os

seus lugares e partiam de

regresso. A meio do caminho,

fez-se uma pausa na viagem,

onde a maioria aproveitou para lanchar.

Marcavam os relógios as 19:45, quando o autocarro

mais lento chegou a Mirandela.

4º - CONCLUSÃO

Com o assistir à peça dramatizada de “O

Principezinho”, o primeiro objectivo acima formulado foi

cumprido.

O outro concretizar-se com a elaboração, por parte

dos alunos, dos relatórios (consignados nos conteúdos

programáticos) de tudo quanto envolveu este acontecimento.

Cândida Castilho, Marcelino Gomes e Rui

Pelicano


JE Cantinho do CEF 05

Notícias do CEF-C

Neste ano lectivo teve início um novo CEF na área

do Apoio à Família e à Comunidade e com duração

de dois anos. Estão a frequentar 12 alunas que no

final ficarão habilitadas a trabalhar em infantários,

ATL e lares ou em apoio domiciliário.

Estas alunas já frequentaram duas acções de

formação promovidas pela JohnsonDiversey e pela

Vileda; também visitaram dois infantários onde puderam

observar as condições necessárias para a sua

funcionalidade.

No dia 12 de Novembro as

alunas e professores do CEF-C

promoveram o Dia da Castanha

tendo sido realizadas algumas

actividades relacionadas com a

castanha e o dia de S. Martinho

que tinha decorrido no dia

anterior. As alunas afixaram alguns posters alusivos ao

tema (quadras, lenda de S. Martinho, provérbios,

advinhas e pinturas), fizeram arranjos florais que depois

colocaram em vários locais da escola (entrada,

refeitório, sala dos professores) e distribuíram receitas

com castanhas e um panfleto sobre o valor da castanha

na nossa alimentação.

No dia 16 de Novembro estas alunas participaram em

actividades da Câmara relacionadas com o dia do Não

Fumador (hóquei em campo).

No dia 21, as alunas participaram nas actividades da

semana da Ciência e Tecnologia tendo dinamizado

actividades de pintura enquanto os alunos do 1º ciclo

esperavam a entrada nos

laboratórios.

A partir do dia 22 de

Novembro as alunas

começaram a ir para os

infantários de forma a

conhecerem melhor o tipo de

funções que terão que realizar.

Com o aproximar do Natal as alunas deste CEF já

estão envolvidas em novas actividades. Mas têm que

esperar para ver…

VALOR NUTRICIONAL DA CASTANHA

Tal como a grande maioria dos seus

familiares, os frutos gordos e amiláceos (noz,

avelã, amêndoa, amendoim, etc), a castanha

é um alimento tipicamente outonal. O que o

torna diferente é, sem dúvida a sua

composição nutricional. É menos calórica que

os restantes frutos gordos e amiláceos, já que o seu

teor em gordura é significativamente inferior, no

entanto, apresenta um teor superior em hidratos de

carbono.

As castanhas são um fruto particularmente rico em

hidratos de carbono complexos. A quantidade de

gordura que apresentam, é em tudo muito semelhante à

dos cereais, e consequentemente, muito inferior à dos

restantes frutos gordos. Por outro lado, o seu conteúdo

em água é de cerca de 50 %. Todas estas propriedades

fazem da castanha um fruto de teor calórico muito

inferior aos restantes frutos de Outono.

Energia (kcal) 185 Vit. A (µg) 11

Água (g) 48,5 Vit. C (mg) 51

Proteínas (g) 3,1 Fosfatos (µg) 61

Lípidos (g) 1,1 Potássio (mg) 500

Glícidos (g) 39,8 Magnésio (mg) 33

Benefícios no consumo da castanha

Se as castanhas são dispensadas do teu regime

alimentar por causa das calorias, não sabes o que

estás a perder! Apesar de muito calóricas, estão

recheadas de nutrientes que trazem vários

benefícios à saúde, como as gorduras monoinsaturada

e poli-insaturada, vitaminas e minerais,

destacando-se os glícidos, o potássio e as vitaminas C e

B.

São uma boa fonte de fibra, pobre em gorduras, ricas

em hidratos de carbono completos sob a forma de

amido e fibras, têm metade das calorias dos outros

frutos secos e um teor de água mais elevado.

Estas oleaginosas, fazem parte do selectivo grupo de

frutos ideais para emagrecer. Estudos indicam que,

quando aliadas a uma dieta, auxiliam na perda de peso,

pois são ricas em gorduras monoinsaturadas,

responsáveis por manter o nível de açúcar no sangue

estável e activar o metabolismo da queima de gorduras.

Graças à sua composição rica em fibras, proteína, cálcio,

ferro, potássio, zinco, selénio, vitamina E, ácido fólico,

entre outros, as castanhas actuam no equilíbrio da

tiróide (evitando oscilações de peso); previnem

tumores; fortalecem o sistema imunológico e protegem

contra a acção dos radicais livres. São ainda poderosas

na prevenção de doenças cardíacas.

Em culinária, é um alimento muito versátil, podendo

ser consumida apenas cozida ou assada, mas também,

utilizada como acompanhamento de pratos (castanhas

assadas, cozidas ou em puré), em base para sopas, na

confecção de molhos e até mesmo em sobremesas e

bolos.

Ao contrário da maioria dos frutos, não é comum,

consumir-se castanha crua pela sua grande

adstringência e dureza.

PROVÉRBIOS

- A cada bacorinho vem o seu S. Martinho.

- A cada porco vem o seu S. Martinho.

- Em dia de S. Martinho atesta e abatoca o teu vinho.

- Martinho bebe o vinho, deixa a água para o moinho.

- No dia de S. Martinho, fura o teu pipinho.

- No dia de S. Martinho, come-se castanhas e bebe-se

vinho.

- No dia de S. Martinho, lume, castanhas e vinho.

- No dia de S. Martinho, mata o porquinho, abre o

pipinho, põe-te mal com o teu vizinho.

- No dia de S. Martinho, mata o teu porco, chega-te ao

lume, assa castanhas e prova o teu vinho.

- No dia de S. Martinho, mata o teu porco e bebe o teu

vinho.

- No dia de S. Martinho, vai à adega e prova o

teu vinho.

- Pelo S. Martinho castanhas assadas, pão e

vinho.


06 Cantinho do CEF JE

A história de S. Martinho

Diz a lenda que Martinho,

nascido na Hungria em 316, era

um soldado. Era filho de um

soldado romano. O seu nome foilhe

dado em homenagem a Marte,

o Deus da Guerra e protector dos

soldados. Aos 15 anos vai para

Pavia (Itália). Em França abraçou

a vida sacerdotal, sendo famoso

como pregador. Foi bispo de Tours.

Certo dia de Novembro, muito frio e

chuvoso, estando em França ao serviço do

Imperador, ia Martinho no seu cavalo a caminho

da cidade de Amiens quando, de repente,

começou uma terrível tempestade. A certa altura

surgiu à beira da estrada um pobre homem a

pedir esmola.

Como nada tivesse, Martinho, sem

hesitar, pegou na espada e cortou a sua capa de

soldado ao meio, dando uma das metades ao

pobre para que este se protegesse do frio. Nessa

altura a chuva parou e o Sol começou a brilhar,

ficando, inexplicavelmente, um tempo quase de

Verão.

Daí que esperemos, todos os anos, o

Verão de S. Martinho. E a verdade é que S.

Martinho raramente nos decepciona. Em sua

homenagem, comemoramos o dia 11 Novembro

com as primeiras castanhas do ano,

acompanhadas de vinho novo. É o Magusto, que

faz parte das tradições do nosso país.

Mais tarde terá tido uma visão de Jesus e

decidiu dedicar-se à religião cristã. Faleceu a 8 de

Novembro de 397 em Tours.

“Quentes e Boas”

O tempo vai refrescando, o

Outono instala-se no dia-adia,

com a natureza a dar os

sinais da época: as copas das

árvores a amarelarem, o Sol

que teima em esconder-se

sobre o manto de nuvens.

Com os assomos do Inverno é reconfortante o

calor proporcionado pela dúzia de castanhas,

escaldando nas mãos, compradas em resposta ao

apelo mais que apregoado do “quentes e boas”.

Consideradas, actualmente, quase como uma

“guloseima” de época, as castanhas, em tempo

idos, constituíram um nutritivo complemento

alimentar, substituindo o pão na ausência deste,

quando os rigores e escassez do Inverno se

instalavam. Cozidas, assadas ou transformadas

em farinha, as castanhas sempre foram um

alimento muito popular, cujo aproveitamento

remonta à Pré-História.

Advinhas

Alto cavaleiro

Quando lhe dá a risa

Cai-lhe o dinheiro?

(R: Ouriço)

QUADRAS

Como é bom comer

Castanhas assadas

E no magusto ver

As meninas coradas

Qual é a coisa, qual é ela,

Que é macho e dá fêmeas?

(R: Castanheiro)

Na rua está um vendedor

De castanhas assadas

É com esforço e amor

Que faz feliz a rapaziada

Todo o dia a apanhar chuva

Coitado do vendedor!

Mas à beira das castanhas

Fica cheio de calor.

O S. Martinho está a chegar

A lareira vou acender

Para as castanhas assar

E contigo as comer.

Que lindo é o Outono!

Que lindo que é!

Uvas e castanhas

Dá-me o avô Zé.

Dia 11 de Novembro

É o dia de S. Martinho

Come-se a castanha assada

E mais o caldo verdinho.

É dia de S. Martinho

É a festa das castanhas

Com o frio a chegar

Em vez de Sol há chuva

A natureza está-se a transformar

Os ouriços a abrir

É Outono ninguém estranha.

Alunas do CEF-C

Para as castanhas apanhar.

Lenda de S. Martinho

Era Outono!

Era uma tarde de Outono!

Mas era Inverno que

fazia!

Martinho, soldado romano

Cavalgava…

E o seu dever cumpria!

Rubra capa o protegia,

De tão grande temporal!

Eis que seu olhar

vislumbra

Alguém que gemendo…

sofria!

Sua alma generosa

Encheu-se de compaixão!

Parou!...

Olhou!...

E, … ternamente

observou!

Martinho ouviu

Com comoção,

Pedidos de auxílio,

De súplica,

Daquele mendigo,

Ali estendido…

No chão, húmido e gélido!

Todo molhado!

Tão mísero!

Tão sofrido!

Martinho,

Sem hesitar,

O meu fruto é mais doce,

Que o milho fabricado

Todos o comem com gosto

Cru, cozido ou assado?

(R: Castanha)

Em sua espada pegou

e… num repente

em duas, a sua capa

cortou!!!

De sorriso nos lábios,

Nas mãos do pobre

deixou

De sua capa a metade

A outra… para si ficou!!!

E, eis que se deu o

milagre:

As nuvens que até aí

Poderosas, no céu

reinavam,

Espantadas de tanta

bondade

Se afastaram!

Afastaram-se para o Sol

ver

Aquele gesto generoso

Daquele nobre soldado.

O Sol também gostou…

Também gostou do que

viu.

E abrindo seus braços

dourados,

O rei dos astros sorriu!

José Pacheco, n.º20, 8ºC

Tenho camisa e casaco

Sem remendo nem buraco

Estoiro como um foguete

Se alguém no lume me mete.

(R: Castanha)

Se me rio… de mim sai donzela

Mais donzela do que eu

Ela vai com quem a leva

Eu fico com quem me deu.

(R: Ouriço


JE Sou escritor! 07

A Baú Da Casa Assombrada

Naquele dia o sol, amarelo e

radioso, apresentava um brilho

especial. Para além de toda a

luz que nos oferecia, de todo o

calor que nos fornecia,

libertava litros de coragem e de curiosidade que

atacavam toda a gente.

Foi então, que eu e o Tozé (o meu amigo do

peito) decidimos que era hora de entrar na casa

assombrada, era assim que lhe chamávamos, pois

já tínhamos ouvido rumores sobre aquela casa,

que é melhor nem os mencionar.

Eu é que ia liderar aquela aventura, tínhamos

decidido por sorteio. O Tozé ia comandar o exército

mas, como não tínhamos exército, ele acabou por

ser meu ajudante.

Já estávamos em cima da hora que tínhamos

combinado, por isso entrámos, mas, olhando

sempre para todos os lados, não podíamos saber

se algum fantasma nos iria raptar. Até que,

enfim, chegámos à porta da casa. Esta

encontrava-se partida e apodrecida, o que é

possível explicar, pois ela era feita de madeira.

Entrámos na casa. Tínhamos esperado muito

por este momento, o dia em que iríamos ter

coragem de entrar naquela casa.

Tudo estava sujo e negro, viam-se passar vários

ratos e ratazanas, mas não foi isso que nos

assustou.

Começámos a mexer e remexer nas coisas,

para ver se encontrávamos provas de ser uma

casa assombrada, pois o que queríamos descobrir

era se os rumores ouvidos eram verdade e poder

dizer que tivemos coragem de entrar naquela

casa.

Vasculhámos tudo, revistámos tudo, no

entanto, foi pouco o que encontrámos, então

provas que confirmassem os rumores, não

encontrámos nenhumas, mas não desistimos.

Subimos as escadas que iam dar ao primeiro

andar, como já disse, estava tudo negro e preto,

no entanto, conseguimos perceber que estávamos

no andar dos quartos. Voltámos a procurar

provas, a abrir gavetas, a abrir armários mas não

existia nada naquela casa a não ser, pó e ratos.

Foi então que o Tozé disse:

- Não vamos desistir, custou-nos tanto a chegar

aqui, não podemos desistir!

Estas palavras lembraram-me aquilo com que

sempre sonhei aquilo que sempre quis: entrar

naquela maldita casa.

Subimos outras escadas, desta vez as

que iam dar ao sótão da casa. Quando

chegámos a este, ficámos estupefactos,

um baú totalmente feito de ouro, sem

pó, sem sujidade, chamava por nós.

Com o tempo, tinha-se começado a

abrir, então abrimo-lo totalmente, e o que é que

vimos? Vimos moedas de ouro, vimos quadros

raros, vimos livros. Vimos o futuro diante de nós!

José Pacheco 8ºC n.º20

O Cozinhado Magnífico

Como já viram pelo título, inventei um

cozinhado muito especial que provocou efeitos

que nenhum cozinhado provocara antes.

Eu, Carlos José, filho de um famoso cientista e

de um dos melhores cozinheiros do mundo, sem

querer, num certo dia de Verão, juntei uma

substância chamada “Anti – químico

X “ ao famoso “Chili com carne” da

minha mãe. O resultado, nem

queiram acreditar! Da panela, saíam

faíscas que pareciam fogo – de

artifício das mais diversas cores e quanto à

panela, parecia estar prestes a explodir, como

dinamite junto a um barril de gasolina.

Depois de todo aquele espectáculo, não sei

como, tive a coragem de o provar. Nem sequer

me apercebi do perigo que corria mas, depois de

o provar, achei que tinha um sabor divino!

Não contei nada aos meus pais e, ao almoço,

eles acharam um pouco estranho o cozinhado ter

aquele sabor:

- Querida, o que é que deitaste no “Chili” para

saber assim? Acho que nunca me soube tão bem!

– comentou o meu pai.

- Olha, eu não lhe deitei nada de especial, mas …

Espera aí! Carlos, não lhe deitaste nada, pois

não? – interrogou a minha mãe.

- Eu?! Eu nnnnão ddeitei nnnadda! Juro!!! –

gaguejei eu.

Naquela altura, menti, mas não devia fazer mal.

No entanto, com o passar do tempo,

descobri que aquele cozinhado me

aumentara as capacidades, não só

físicas, mas também mentais e proválo

fazia aumentá-las muito mais e mais depressa.

Quem diria que um cozinhado com massa, carne,

“Anti-químico X” e molho picante iria dar tal

coisa?

Então decidi-me. Fui contar aos meus pais que

anunciaram a descoberta aos jornais, que

comunicaram à televisão, que disseram a vários

cientistas e, assim sucessivamente, até este

cozinhado ser famoso e gerar milhões na venda

do mesmo e da sua receita. Até cheguei a ganhar

um prémio por “Melhor Descoberta do Ano 2007!

Quem iria adivinhar que um simples engano se

iria tornar num produto famoso em todo o

mundo? Eu não, nem vocês, mas se isto algum

dia acontecer a alguém, não importa quem for,

gostaria de ser o primeiro a saber.

Carlos José Moura Dias 8ºC Nº8

Frases sobre a BIBLIOTECA

Desafio lançado pelos dinamizadores da

Biblioteca da nossa Escola. Aqui vão algumas das

frases sugeridas pelos alunos, como resposta a:

O que é a Biblioteca para ti?

- “ Ler torna-se um hábito … e quanto mais

melhor!” Kátia Solange, 11º A

- “ Única e insubstituível!” Maria Novo, 10º B

- “ É um local de concentração onde costumo

estudar.” Daniel Rebelo, 12º F


08 Natureza literária JE

A ANDORINHA

Também fui pastor. Guardava

trinta e tantas cabras. Trinta e

tantas não, trinta e quatro, com

os seus nomes escritos no arquivo

de identificação da minha alma. Guardava-as

como pertença minha, embora algumas fossem de

outros, que não nossas. Amava-as. Identificavame

com elas. Chamava-as uma a uma, pelos seus

nomes, assim como no Evangelho fazia Deus

Nosso Senhor. Era a galana, a mocha, a pernalta,

a rosinha, a mimosa... Não sei por quê, mas era

na andorinha que eu depositava a minha

confiança. À hora do jantar, do jantar beirão, com

o sol em pino, enquanto as outras arrodeavam,

dobradas ao cansaço, ou talvez por reverência ao

seu deus, o sol que as aquecia, a andorinha vinha

ter comigo. E eu, com ela a meu lado, sentia-me

feliz, como se na redondeza, deserta de qualquer

personagem humana, eu escutasse um coro de

vozes que me faziam companhia.

Ela lá estava, atenta sempre ao menor volteio

dos meus olhos, disposta a aceitar as sobras da

minha bondade.

A andorinha era toda esperteza.

Cabeça bem proporcionada. Orelha

atenta. Nada de barbicha, que a

tornaria tão feia como à melra.

Mamilos suaves. Chifres em delta alegre...

Ainda era nova. Ainda não tinha completado um

ano. Ainda era virgem. E, talvez por tudo isso,

olhava-a de outra maneira...

Um dia, porém, o destino bateu-me à porta

para me torcer a vida. Eram imensidades

insuspeitadas que me atraíam, mas que me

desgarravam. Se não fosse a andorinha, que mais

dava? A melra, a bruxa, a galana, a esperta... não

interessava deixá-las. Mas ela, a andorinha, era

diferente. E precisamente então, que lhe estava a

ajeitar um chocalho velho que tinha encontrado

havia pouco. Já tinha badalo. O colar seria o da

refilona que tinha perdido o guizo, a malandra!

Andava a trabalhar na caravelha. As outras não se

adaptavam à que eu idealizara para a

andorinha!...

Todo um sonho que se desfazia. Que decepção!

O ideal fascinava-me. A amizade desfazia-me.

E parti. Não sei, mas dizem que a andorinha

chorou naquele dia!

Bernardino Henriques (professor de E.M.R.C.)

"ET INCARNATUS EST"

Ia alta a noite, quando o vento uivava

no gelado monte, embaciando o luar.

e uma sombra negra vinha desvairada,

matando a esperança, o ser e o cantar...

E, quando a vida não sabia a nada,

e o homem, com medo, sem fé e sem lar,

sozinho na vida, tristeza o minava

num barco perdido nas cristas do mar

revolto e envolto em tão grande procela,

surgiu, fulgurante, a luz de uma estrela

nimbando este mundo de alegre clarão.

E ouviu-se uma voz - era a eterna Palavra –

que ao homem com medo e sem fé

reanimava e lhe dava abrigo, alento e perdão.

Bernardino Henriques (professor de E.M.R.C.)

Douro Vinhateiro

Vai-se às entranhas do globo

Em busca do que está perto,

Ouro fluido, mosto novo,

Brota em mina a céu aberto.

De ambos os lados do Rio,

Por graça de homens e Deus,

Como fonte em fim de estio

Mana vinho e pão dos céus.

Colhido no tempo quente,

Há grandeza em tudo isto…

Começa em suor de gente

E chega a sangue de Cristo.

Cada uma em seu lugar,

Seja de xisto ou granito,

As videiras, nobre altar,

Benzem um povo aflito.

Ao lado duma videira,

Há homens, há sentimentos

E sonhos de vida inteira:

Dores, gozos, pensamentos.

Se entre as parras a tombar

Fica um cacho bem maduro

Perde a esp’rança do lagar,

De ser o vinho mais puro.

Obrigado, ó Sol de Agosto,

Deste Douro vinhateiro,

Transmudas calor em mosto

E as pipas em dinheiro.

Professor Júlio Rocha

NATAL

A acreditar na publicidade e nos

enfeites das ruas das nossas cidades,

ao entrarmos em Novembro

estaríamos no Natal. E no entanto...

Sim, e no entanto, estaria certo se o que

presidisse a tudo isso fosse a fé, já que por ela

todos os dias podem ser Natal. Só que a fé foi aí

destronada pelos interesses económicos! E é pena

que uma festa tão cristã seja substituída pelo

deus "dinheiro"!

O Natal não deixa de ser uma data

comemorativa do nascimento de Cristo que

aconteceu historicamente cinco ou seis anos antes

da nossa era, - paradoxo que resultou de um erro

de cálculo do monge Dionísio encarregado de

elaborar o calendário cristão lá pelo século VI.

Ignoramos, contudo, o dia e até o mês em que

Jesus nasceu. Frio deveria haver, dado o

ambiente literário da narrativa evangélica. A festa

foi, entretanto, colocada no Solstício do Inverno

para emudecer a festa pagã do nascimento do

deus Sol. Não fosse Jesus o verdadeiro sol da

justiça!

Seria bom que todos os discípulos de Jesus

Cristo fizéssemos do Natal uma festa interior que

nos incentivasse a praticar o bem e a evitar o

mal, a fazer as pazes e a desterrar toda a

desavença, a partilhar com quem nada tem aquilo

que possuímos talvez em demasia.

Glória a Deus no mais do céu e paz aos homens

na terra!

Um santo Natal para todos.

Bernardino Henriques (professor de E.M.R.C.)


JE Let’s talk about… 09

16th November International Day for

Tolerance -The six flags of Tolerance

The Spiritual Globe: this flag

represents the Planet Earth, every

single country is represented in this

flag. To us it suggests that they should help each

other.

The Breath of Fraternity: this one

has the blue colour but, that means

the sky and the ocean. This represents

the fraternity between all cultures , religions,

political options and linguistic differences.

The Earth is Our Skin: this flag

represents the fight against the

pollution. It has the green colour and the violet

colour, that represent the Earth and the pollution.

The Balance of Life: it represents the four

elements: air, earth, water and fire. Without

theses elements we can’t live on the Planet Earth.

The Path of the Infinite: the star

represents the five continents and they

walk in many dimensions with the same purpose.

It means that human rights are equal for

everybody.

Harmony and Evolution: this flag represents

the mankind evolution. It has the blue colour that

means hope in the future.

Ana Rita Samões nº2 9ºC

GMFOOD

In my opinion GMFood should be

more commercialized. This kind of

food doesn´t need pesticides, so it

doesn´t pollute. It can be grown the

year long. The most amazing thing is the fact that

it only needs a few drops of water to grow up.

Another fantastic thing about GMFood is the fact

of having an important role in medicine and in the

prevention of diseases. Besides, it can be more

nutritious than traditional food. If this kind of food

had lower prices, it would be possible to help

some African and Asian countries where famine

and disease prevail. It is obvious that in the

future people will think about it and consider its

benefits for the humankind.

João Paulo Inácio, 11ºD Nº 9

A TRIP TO OPORTO

On October 5th our class was invited

to a trip to Oporto to see the play

called “Little Prince” by Filipe La Féria.

It was fantastic! While we were

waiting for the bus, everybody was

happy and curious. During the trip, everybody

was singing, taking pictures, laughing and

playing.

When we arrived, we had lunch in a shopping

centre in Gaia; then, we went for a walk, and we

looked at the shop-windows. Time went by and

we had to leave.

The part I disliked the most was when we

crossed the bridge (D.Luís), because I have

vertigo. It was a bit complicated!

But the principal part was the play. It was a

success. The only thing I didn’t like was the planet

where there was a rose.

I liked everything that was said; each planet

had a story to tell.

The actor I liked most was the boy who acted

the “Little Prince”.

After the play we went for a walk to the Ribeira

where there happened something bad to one of

our mates – two boys stole his cap.

Finally, we arrived to Mirandela with the same

happiness. It was a nice trip.

Thanks to all the teachers and organizers.

Fátima Pereira, 10º F nº 11

OUR CLASS

Our school is called Escola

Secundária de Mirandela.In our class

there are 20 students. All of us are

boys.

We have got eleven school subjects, and they

are all difficult. Our favourite subjects are

Information Technology and Physical Education.

We aren´t very good at English.

Our teacher of Chemistry is nice.

This class is COOL and DREAD!

The Electric CEF-8B

MY FIGHT

I wake up in the morning

Just another day

The sun is a warning

Which tells us our faith

Another bloody thought

That I can bear upon

Every day is a fight

My personal light

The world is cracking, I have to fight

Everything is wrong, I will make’t right

My personal and lonely fight

I’m the lonely angel in the night

The hopes are still living

On the heart of a strong soldier

I will live on, I will fight

A new day was born from the night

I open my eyes

The fight’s still there

I feel so misunderstood

No one seems to care

Tell me where to go

Tell me what to say

I fight against that

I will find my way.

The world is cracking, I have to fight

Everything is wrong, I will make’t right

The world is corrupted

Every morning, every day

Someone has to fight

And I will break away

The world is cracking, I have to fight

Everything is wrong, I will make’t right

Andreia Sofia Martins10º F Nº 6


10 'Trick or treat' JE

History of Halloween

Like any other festival's

history is inspired through

traditions that have transpired

through ages from one generation

to another. We follow them mostly

as did our dads and grandpas. And as this process

goes on, much of their originality get distorted

with newer additions and alterations. It happens

so gradually, spanning over so many ages, that

we hardly come to know about these distortions.

At one point of time it leaves us puzzled, with its

multicoloured faces. Digging into its history helps

sieve out the facts from the fantasies which

caught us unaware. Yet, doubts still lurk deep in

our soul, especially when the reality differs from

what has taken a deep seated root into our

beliefs. The history of Halloween Day, as culled

from the net, is being depicted here in this light.

This is to help out those who are interested in

washing oft the superficial hues to reach the core

and know things as they truly are.

'Trick or treat' may be an

innocent fun to relish on the

Halloween Day. But just think

about a bunch of frightening

fantasies and the scary stories

featuring ghosts, witches,

monsters, evils, elves and animal sacrifices

associated with it. They are no more innocent. Are

these stories a myth or there is a blend of some

reality? Come and plunge into the Halloween

history to unfurl yourself the age-old veil of

mysticism draped around it.

Ruben e Ricardo do 9º B

Halloween

Origem do Halloween: o dia das bruxas é

festejado na noite de 31 de Outubro. Teve origem

nos antigos povos da Grã-Bretanha e Irlanda, que

acreditavam que, na véspera do Dia de Todos os

Santos, os espíritos voltavam para as suas casas.

Significados simbólicos:

O caldeirão: fazia parte da cultura –

como mandaria a tradição.

Dentro dele, os convidados

devem atirar moedas e

mensagens escritas com pedidos

dirigidos aos espíritos.

O morcego: simboliza a

clarividência, pois vêem

além das formas e das aparências, sem

necessidade da visão ocular. Captam os campos

magnéticos pela força da própria energia e

sensibilidade.

A vassoura: simboliza o poder feminino

que pode efectuar a limpeza da

electricidade negativa. Equivocamente,

pensa-se que ela servia como transporte

das bruxas.

A aranha: simboliza o destino e o fio

que tecem nas suas teias, o meio, o

suporte para seguir em frente.

O sapo: está ligado à simbologia do

poder da sabedoria feminina, símbolo

lunar e atributo dos mortos e da

magia feminina.

O gato preto: símbolo da capacidade

de meditação e recolhimento espiritual,

autoconfiança, independência e

liberdade. Plena harmonia com o Universo.

A abóbora: simboliza a fertilidade e a

sabedoria.

A vela: indica os caminhos para os

espíritos do outro plano astral.

José Santos, n.º19, 7ºA

HALLOWEEN

Realizaram-se na nossa escola, no

passado dia 31 de Outubro, das

10h05m às 10h50m, actividades

alusivas ao HalloWeen. Os alunos do

do 11º C e E estiveram á frente da

organização da festa, nomeadamente

na decoração do polivalente onde

decorreu um desfile de máscaras;

uma dança HipHop “ The Band”

(alunos do 7º A).

O melhor cartaz foi dos alunos do 9º B, Ruben e

Ricardo.

O primeiro prémio das Bruxas foi atribuído à

aluna Ana Isabel Pais, do 7º A e a melhor abóbora

foi dos alunos do 7 º F, Francisca, André e

Ricardo.

Após um inquérito realizado aos alunos, o

balanço das actividades foi positivo, salientandose

a boa participação de todos os alunos que

estavam acompanhados pelos respectivos

professores.

Carmo Calvão e Gracinda Monteiro


JE Viagem pelo tempo 11

Nos tempos da Idade Média …

(período compreendido entre a queda do Império

Romano do Ocidente, em 476, e a

tomada de Constantinopla pelos

turcos, em 1453)

- A Sociedade estava organizada

em Ordens:

. Pertencer ao CLERO (Oratores) era

fazer parte do grupo dos que

rezavam…Gozavam de grande

influência e prestígio junto das

populações, dirigiam escolas,

copiavam manuscritos… Papa, cardeais, bispos e

abades eram os elementos mais importantes.

Num patamar inferior estavam os monges e

padres.

.Ser cavaleiro era ser NOBRE

(Belatores), possuir um castelo,

exército próprio, vastos territórios e

gozar de grandes privilégios. A sua

ocupação principal era a guerra e em

tempos de paz, a caça, torneios, banquetes…

.O camponês, artesão ou mercador

pertenciam ao POVO (Laboratores), o grupo

dos que trabalhavam. Suportavam pesados

impostos, realizavam todo o tipo de serviços e

não tinham privilégios. A vida dos camponeses

era árdua, a trabalhar a terra desde o nascer até

ao pôr-do-sol e a maioria vivia na dependência de

um Senhor.

bispos.

. O Poder do Papa, em 1075,

segundo o Papa Gregório VII:

“- O Papa não pode ser

julgado por ninguém.

- Só ele pode depor e repor os

- A Igreja de Roma nunca errou nem

nunca errará até ao fim dos tempos.

- O Papa é o único homem a quem todos

os reis beijam os pés.

- O Papa pode depor os imperadores.”

. O Castelo era o principal

símbolo do poder senhorial.

Inicialmente, eram de madeira mas, a

partir do séc. XI, tornaram-se

poderosas construções de pedra, situados

geralmente, em lugares elevados e de difícil

acesso. À sua volta eram levantadas altas

muralhas e cavado um fosso profundo. Em

ocasiões especiais, os nobres davam nos seus

castelos grandes festas, sendo das mais

apreciadas os torneios, combates “amigáveis”,

mas muito violentos, entre dois grupos de

cavaleiros.

… a alimentação

Nos grupos sociais ricos da nobreza

e clero havia duas refeições principais

– O jantar e a ceia. A base da

alimentação era a carne, que se comia

predominantemente assada no espeto.

Comiam o peixe e a carne sobre

grandes metades de pão, porque não

usavam pratos. As colheres eram pouco usadas, a

faca era de uso pessoal, por isso cada um que a

usasse limpava-a à toalha e guardava-a.

.” As pessoas do povo, em

França, bebem apenas água e comem

maçãs com pão escuro de centeio. Não

comem carne, salvo, algumas vezes,

um pouco de toucinho ou as tripas e a

cabeça dos animais que matam para os nobres e

para os talhantes.”

. Sabias que….

. Nas cidades medievais

uma boa parte das casas de

habitação eram de madeira. Água

corrente e esgotos era coisa que

nenhuma tinha. Havia fontes

públicas e o pavimento das ruas era inclinado, de

modo a que, a meio, corresse uma pequena

regueira. Era comum despejarem para as ruas

todo o tipo de detritos como estrume,

excrementos, água do banho e até animais

mortos.

. Aos bens do Clero chamava-se bens de

mão-morta, pois não mudavam de mão, isto é,

ficavam sempre na posse dos mesmos

proprietários (os mosteiros, bispados, etc.)

. Cerca de noventa por cento da

população medieval era constituída por

camponeses, que maioritariamente, trabalhavam

nas propriedades dos grandes Senhores (do Clero

e da Nobreza).

. Os Cruzados eram

guerreiros cristãos originários de

vários países da Europa que

participavam em grandes expedições

militares (as Cruzadas) destinadas a

combater os muçulmanos. O nome

de cruzados deveu-se ao facto de

usarem cosida no vestuário uma grande cruz de

pano.

. Calcula-se que, cerca do séc. X, por cada

semente de cereal lançada à terra, raramente

se colhiam mais de duas ou três. Actualmente,

nas zonas mais férteis da Europa, são frequentes

níveis de produtividade trinta vezes superiores à

quantidade de cereal semeado.

. O hábito de cantar as janeiras, no início

de um novo ano, que muitos associam a um

costume cristão é, na verdade, uma tradição

germânica.

. Foi de Portucale que veio o

nome de Portugal. O nome de

Portucale foi inicialmente atribuído ao

lugar da margem esquerda do Douro,

onde se fazia a travessia do rio, junto de uma

antiga povoação romana (Cale), que corresponde

à actual cidade de Gaia.


12 Viagem pelo tempo JE

…DOS ÁRABES

.A fuga de Maomet da cidade de Meca

para Medina, em 622, ficou conhecida como

Hégira e foi assinalada pelos Muçulmanos como o

primeiro ano da Era Islâmica.

. Algumas palavras portuguesas de

origem árabe: acepipe, açorda,

açúcar, açude, albufeira, alcaide,

álcool, aldeia, alarido, alface,

alfândega, alfazema, alferes,

algarismo, algodão, alicerce,

almocreve, argola, armazém,

arrabalde, arsenal, atum, azeite,

chafariz, laranja, nora, oxalá, xarope, café...

. Desempenharam um importante papel

de intermediários culturais, divulgando muitos dos

conhecimentos e técnicas de outros povos. Foram

os muçulmanos quem divulgou na Europa:

. os algarismos. Aliás a própria palavra é

árabe, não é, porém, verdade que os algarismos

sejam árabes. Surgiram na Índia, talvez no séc.

VI, os muçulmanos tiveram, no entanto, o mérito

da sua divulgação. Entre outras originalidades,

este novo sistema de numeração

incluía o uso do zero ( até aí

completamente desconhecido ). A

sua criação é considerada, por

alguns autores, a maior descoberta

matemática de todos os tempos.

. a bússola que trouxeram da China

e o astrolábio,

instrumento que

permite determinar a

latitude através da

medida da altura dos astros.

. a picota e a nora, como

novas técnicas de irrigação.

. o arroz, a laranjeira, o limoeiro, o

damasqueiro…

Com histórias se aprende a HISTÓRIA…

“Os amores de Inês e Pedro”

Inês de Castro era filha

de D. Pedro Fernandez de

Castro e veio para Portugal,

para a corte, como dama de

honor de D. Constança, esposa

de D. Pedro.

Diz a lenda que D. Inês era muito formosa

e D. Pedro ficou profundamente apaixonado por

ela. Desse grande amor nasceram dois filhos , D.

João e D. Dinis.

Este romance não era bem visto por alguns

membros da nobreza, que temia,m a influência

política dos irmãos de D. Inês.

Então o rei D. Afonso IV, pai de D. Pedro, depois

da morte de D. Constança, mandou matar D.

Inês, que foi degolada no dia 7 de Janeiro de

1355, em Coimbra.

Quando subiu ao trono, D. Pedro, para

vingar a morte da sua amada, mandou matar os

algozes e obrigou os súbditos a beijarem-lhe a

mão depois de morta.

Reza a lenda que a Quinta das Lágrimas, em

Coimbra, era o local onde Inês e

Pedro se encontravam, existindo

lá uma fonte, onde as algas

vermelhas são interpretadas como

sendo o sangue da linda Inês.

Os seus sepulcros encontram-se

no Mosteiro de Alcobaça, em

frente um do outro e fazem

recordar a todos os que o

visitam o seu grande amor.

Natércia Crisanto

Dicas para a preparação do teste

escrito:

. Deves começar a estudar com

antecedência.

. Procura construir um calendário mensal,

no qual apontes a data da realização das

avaliações escritas e de outras, para poderes

planificar o estudo.

. Reúne o manual, o Caderno de

Actividades e o caderno diário; delimita em cada

um deles a matéria a estudar.

. Estuda, utilizando técnicas como:

sublinhar, elaborar esquemas, resumos …

.Anota todas as dúvidas que te surgirem e

coloca-as ao professor.

Dicas para a realização

do teste escrito:

. Chega a horas e traz

todo o material necessário.

. Ouve atentamente as

indicações do professor e faz anotações a lápis, se

julgares necessário.

. Lê todo o teste antes de começares a

responder.

. Começa por responder às questões mais

fáceis, deixando para depois as mais difíceis ou

trabalhosas.

. Calcula o tempo que dispões para

responder a cada questão e tenta respeitá-lo.

. Lê atentamente cada questão e ordena

mentalmente a resposta; nas questões de

desenvolvimento elabora um rascunho com os

tópicos que deves focar.

. Está atento aos verbos que iniciam as

questões (ex: referir, definir, explicar, analisar,

justificar, identificar, relacionar…), uma vez que te

ajudam a compreender o que é pedido na

pergunta.

.Antes de entregares, revê todas as

respostas, corrige eventuais erros e mantém a

calma.

Se seguires todas

estas sugestões o

resultado vai ser um

sucesso!!!


JE Matematicando 13

Como ser enganado por um empregado de

mesa

Esta história passou-se com um amigo meu…

Ele e mais duas pessoas foram

jantar a um restaurante e a conta a

pagar era de 30 euros. Dividiram a

despesa e deram 10 euros cada.

Quando o empregado de mesa levou o dinheiro ao

patrão, este ao olhar para a conta reparou que se

tinha enganado em 5 euros e disse ao empregado

que fosse devolver o dinheiro. Só que o

empregado era um “xico” esperto resolveu pôr 2

euros ao bolso_ Até porque assim as contas eram

mais fáceis de fazer! Agarrou nos 3 euros que

sobraram e deu um euro a cada um dos

convidados que agradeceram a honestidade.

Passados uns tempos voltaram ao mesmo

restaurante e desta vez foram atendidos pelo

patrão que lhes pediu imensa desculpa pelo

engano de 5 euros que tinha cometido da última

vez que lá estiveram. Só que não se lembravam

de nenhum engano de 5 euros, mas sim de um

engano de 3 euros e chamaram o empregado à

atenção. Quando se sentaram os 5 à mesa

chegaram à conclusão que não tinha

havido nenhum engano de 5 euros, nem de 3

euros mas sim de um euro!

Passo a explicar:

A conta era de 30 euros.

Deram 10 euros cada.

O patrão dá 5 euros para devolver

aos clientes.

O empregado mete 2 euros ao bolso e dá um euro

a cada um.

Logo cada cliente pagou 9 euros! (10-1 = 9)

Se cada um dos 3 clientes pagou 9 euros (o que

faz um total de 27 euros) e o empregado pôs 2

euros ao bolso (total de 29 euros), onde raio é

que pára o euro que falta?

A professora Adozinda Ferreira

Um problema para resolveres:

Quanto tempo leva um comboio,

de um Km de comprimento para

atravessar um túnel de um Km de

comprimento, andando a 1 km por

minuto?

A disputa entre o Um e o Zero

"Eu valho muito pouco, sou

sincero, dizia o Um ao Zero. No

entanto, quanto vales tu ? Na

pratica és tão vazio e

inconcludente quanto na

matemática. Ao passo que eu, se

me coloco à frente de cinco zeros bem iguais a ti,

sabes acaso quanto fico ?

Cem mil, meu caro, nem um tico a menos nem

um tico a mais. Questão de números. Aliás é

aquilo que sucede com todo ditador que cresce

em importância e valor quanto mais são os zeros

a segui-lo "

(Trilussa, poeta italiano. Viveu no tempo de Mussolini)

Curiosidades numéricas

12345679 x 9 = 111111111

12345679 x 18 = 222222222

12345679 x 27 = 333333333

12345679 x 36 = 444444444

12345679 x 45 = 555555555

12345679 x 54 = 666666666

12345679 x 63 = 777777777

12345679 x 72 = 888888888

12345679 x 81 = 999999999

1 x 9 + 2 = 11

12 x 9 + 3 = 111

123 x 9 + 4 = 1111

1234 x 9 + 5 = 11111

12345 x 9 + 6 = 111111

123456 x 9 + 7 = 1111111

1234567 x 9 + 8 = 11111111

12345678 x 9 + 9 = 111111111

ORAÇÃO MATEMÁTICA

Aos heróis que se dedicam e aplicam nas

competências matemáticas:

Mestre matemático que estais na sala,

Santificada seja a Vossa prova,

Seja de Álgebra ou de Geometria,

O zero de cada dia não nos dai hoje,

Perdoai as nossas bagunças,

Assim como perdoamos os Vossos Teoremas,

Não nos deixeis cair em recuperação,

Mas nos livrai da reprovação,

Amém.

Calculando

mentalmente

A seguir

apresentaremos

exemplos que

ilustram

algumas técnicas

interessantes e

vantajosas para

realizar adições

mentalmente.

Estas técnicas

são

comummente

usadas por

comerciantes,

por pessoas que

calculam pontos

de um jogo, etc

Ave matemático cheio de malícias,

O temor esteja convosco,

Bendita seja a prova de vossa cabeça,

Socorro!!!

Santa cola, mãe do aluno,

Rogai por nós agora

E no choro da má sorte,

Amém.


14 Espaço Ciência JE

Prémio Nobel

Prémio Nobel vai para pesquisa com HDs

O francês Albert Fert e o alemão Peter Gruenberg

venceram o Prémio Nobel de Física de 2007.

A dupla desenvolveu tecnologia que levou à radical

miniaturização de discos rígidos, disse a Real Academia

Sueca de Ciências.

O prémio de 10 milhões de coroas suecas (1,54

milhão de dólares) reconheceu a descoberta por Fert,

69, e Gruenberg, 68, da magnetoresistência gigante,

uma inovação que abriu caminho para uma das

primeiras aplicações da nanotecnologia.

"Aplicações deste fenómeno revolucionaram técnicas

para se retirar dados de discos rígidos", afirmou a

academia em nota.

"A descoberta também tem importante papel em

diversos sensores magnéticos, assim como no

desenvolvimento de uma nova geração de electrónicos."

Este foi o segundo Nobel concedido no ano. O prémio

agracia feitos da ciência, literatura, economia e paz.

Um pouco de história…

Os Prémios Nobel ou Prémio Nobel foram

instituídos por Alfred Nobel, um industrial sueco,

inventor da dinamite, em seu testamento.

Diploma concedido a Lech Wałęsa

São atribuídos anualmente

no dia 10 de Dezembro,

aniversário da morte de

Alfred Nobel, às pessoas

que fizeram pesquisas

importantes, inventaram

técnicas pioneiras, ou

deram contribuições

destacadas à sociedade.

Alfred Nobel ficou chocado

ao ver a edição de um

jornal que noticiou a

morte de seu irmão como

sendo a sua, e inventou

uma forma de ser

lembrado. Criou prémios

para que fossem concedidos àqueles que serviram ao

bem da Humanidade, mais propriamente àqueles que

proporcionaram à Humanidade benefícios no campo da

física, química, fisiologia ou medicina, literatura e paz.

Nobel nunca criou um prémio para economia, embora

muitos economistas famosos afirmem terem recebido o

Nobel de Economia (essa confusão acontece devido ao

Prémio de Ciências Económicas em memória de Alfred

Nobel).

O testamento de Alfred Nobel

"Todo o meu património deverá ser tratado da seguinte

maneira. O capital será investido pêlos meus executores

em títulos seguros e deverá constituir um fundo, a

participação onde deverá ser distribuído anualmente em

forma de prémio para aqueles que, durante o

precedente ano, deverá ter conferido o grande benefício

para a humanidade.

A dita participação deverá ser dividida em cinco partes

iguais, onde deverá ser aplicado como se segue: uma

parte para a pessoa que deverá ter feito a mais

importante descoberta ou invenção no campo da física;

uma parte para a pessoa que deverá ter feito a mais

importante descoberta química ou aperfeiçoamento;

uma parte para a pessoa que deverá ter feito a mais

importante descoberta no domínio da fisiologia ou

medicina; uma parte para a pessoa que deverá ter

produzido no campo da literatura o mais impressionante

trabalho de uma tendência idealista; e uma parte para a

pessoa que deverá ter feito mais ou melhor trabalho

para a fraternidade entre as nações, para a abolição ou

redução de exércitos permanentes e para conservação e

estímulos de congressos de paz.

O prémio para físicos e químicos deverá ser entregado

pela Swedish Academy of Sciences; o de fisiologia ou

trabalhos médicos pelo Caroline Institute em Estocolmo;

o de literatura pela Academy em Estocolmo; e para os

campeões da paz por um comitê de cinco pessoas ainda

para ser eleito pela Norwegian Storting. É o meu desejo

expresso que quando entregue os prémios nenhuma

consideração deverá ser feita para a nacionalidade dos

candidatos, para que o mais qualificado deverá receber

o prémio, seja ele escandinavo ou não."

- Paris, Novembro 27, 1895

-Alfred Bernard Nobel

A primeira entrega dos prémios

A primeira cerimónia que concedeu os Prémios em

literatura, física, química e fisiologia ou medicina

ocorreu no Conservatório Real de Estocolmo em 1901,

tendo o Prémio Nobel da Paz sido entregue em Oslo.

Desde 1902, os prémios são formalmente concedidos

pelo Rei da Suécia. No entanto a entrega do Prémio

Nobel da Paz continua a decorrer em Oslo, sendo

presidida pelo Rei da Noruega.

Stockholm Konserthuset (Concert Hall),

onde acontece a cerimónia de entrega dos

prémios Nobel

Os prémios são concedidos numa

cerimónia formal em Estocolmo,

anualmente em 10 de Dezembro, a

data em que Alfred Nobel faleceu.

Entretanto, os nomes das pessoas

laureadas são anunciados em

Outubro pelos diferentes comités e instituições que

realizam a escolha para os prémios. A Fundação Nobel,

a entidade administradora dos fundos do prémio, com

sede em Estocolmo, não está envolvida na selecção dos

vencedores.

O prémio consiste numa medalha de ouro, um

diploma com a citação da condecoração e uma soma em

dinheiro que varia de acordo com os rendimentos da

Fundação Nobel, mas que ronda os 10 milhões de

coroas suecas (mais de um milhão de euros ou dólares).

O propósito original era permitir que as pessoas

laureadas continuassem a trabalhar ou pesquisar, sem

pressões financeiras.

Os prémios são concedidos anualmente desde 1901

para realizações em:

Prémio Nobel da Física (decidido pela Academia Sueca

Real de Ciências)

Prémio Nobel da Química (decidido pela Academia Sueca

Real de Ciências)

Prémio Nobel da Fisiologia ou Medicina (decidido pelo

Karolinska Institutet)

Prémio Nobel da Literatura (decidido pela Academia

Sueca)

Prémio Nobel da Paz (decidido por um comité designado

pelo parlamento norueguês)

O Prémio Nobel é concedido sob várias condições: um

prémio pode ser ganho individualmente ou repartido

entre até três pessoas no máximo, ou pode não ser

concedido em determinado ano, o que permite a

concessão de dois prémios da mesma categoria no ano

seguinte. Além disso, o prémio, num determinado

campo, pode ainda não ser concedido por um certo

número de anos, caso que ocorreu mais frequentemente

com o Prémio Nobel da Paz .

Origem: Wikipéd


JE Espaço Ciência 15

A possível destruição do Planeta

Terra...Poderá acontecer? E se acontecer,

como será?

Até há poucos anos, ninguém pensava que a Terra

estaria em perigo de ser atingida por um objecto vindo

do espaço. Mas o impacto do cometa Shoemaker-Levy 9

em Júpiter mostrou que os impactos ainda acontecem

no Sistema Solar. De repente, a Terra já não parece ser

tão segura quanto se pensava. Um longo caminho tem

sido percorrido, o que nos permite perceber que os

meteoritos não são mais do que pedaços de asteróides,

bocados da Lua, de outros planetas, fragmentos de

cometas que acabam por cair na Terra... O estudo dos

meteoritos constitui uma oportunidade única de se

poder conhecer o passado mais longínquo do nosso

Sistema Solar e de todo o Universo, bem como a sua

formação.

Coloquemos a seguinte situação hipotética: o impacto

de um meteorito com 10 quilómetros de diâmetro, que

se desloque à velocidade de 30 quilómetros por segundo

é comparável com os seguintes aspectos: o volume de

todos os edifícios dos EUA a embater contra a Terra a

uma velocidade 100 vezes superior à de um avião a

jacto; a energia libertada seria equivalente a 10.000

vezes o total do arsenal nuclear existente no pico da

Guerra-Fria; a onda de choque produzida seria tão

intensa que parte chega a fundir ou vaporizar as rochas

atingidas; se o meteorito caísse no oceano, iria provocar

uma onda de dimensões gigantescas (tsunami) que se

iria deslocar a uma velocidade vertiginosa, alagando

vários quilómetros de costa de numerosos países; se

caísse em terra, iria levantar quantidades enormes de

poeiras que se iriam espalhar por toda a atmosfera

terrestre, impedindo a passagem dos raios solares, o

que levaria a que as temperaturas diminuíssem

bastante, até que as poeiras assentassem.

Os cientistas crêem que a maior ameaça provém dos

cometas. Porém, tanto os cometas como os asteróides

iriam provocar a mesma quantidade de estragos. Como

os asteróides orbitam o Sol perto da Terra, é-nos

possível utilizar telescópios de forma a monitorizá-los e

calcular as suas órbitas no futuro, o que dará um bom

avanço de vários anos para tentar arranjar soluções. Os

cometas, por outro lado, passam a maior parte das suas

órbitas muito longe do Sol, estando muito distantes de

forma a serem observados por telescópios. Desta forma,

não nos é possível descobrir os cometas até que eles

viajam no Sistema Solar interior – geralmente, menos

de um ano antes da sua passagem pela Terra. Daí que,

no caso de um cometa estar em rota de colisão com a

Terra, teríamos poucos anos de antecedência para

preparar possíveis planos de salvaguarda da vida na

Terra.

Esses planos poderiam passar pelo lançamento de

ogivas nucleares contra o cometa de forma a tentar

desviar a sua rota. Destruir o cometa em pequenos

pedaços não é aconselhável uma vez que todos esses

milhares de pedaços iriam cair na Terra ao mesmo

tempo e com a mesma quantidade de energia, o que

levaria a que a atmosfera aquecesse imensamente,

matando toda a vida na Terra.

Resolvido o mistério da Cratera do Arizona

O meteoro que embateu no solo e provocou a cratera

do Arizona, afinal embateu no planeta Terra a uma

velocidade muito mais baixa do que aquela inicialmente

prevista.

O grande buraco no solo - cerca de 200 m de

profundidade e 1250m de diâmetro - foi feito há cerca

de 50 000 anos por um asteróide com cerca de 40 m de

diâmetro.

Cálculos anteriores estimavam que o embate se dera

a uma velocidade de 15 km/s e estavam baseados nas

velocidades a que se vêem os grandes meteoros atingir

a Terra actualmente. Porém, um novo modelo

computacional mostra que o objecto teria perdido

velocidade durante o seu trajecto pela atmosfera, tendo

parte sido desfeita formando uma nuvem de fragmentos

de ferro antes do impacto com o solo. Inicialmente com

300 000 toneladas, após a passagem através da

atmosfera apenas cerca de metade terá chegado ao solo

e atingido o planeta a cerca de 12 km/s, de acordo com

o referido por Jay Melosh, o investigador principal da

Universidade do Arizona.

http://teknospace.no.sapo.pt/impacto.htm

Como ser um astronauta

Gostava de voar pelo Espaço…

Bem, não será fácil. Mas se quisesse fazer alguma

coisa fácil, não quereria voar pelo Espaço…

Se está seriamente interessado, não desista! Da

última vez que surgiu uma oportunidade de emprego,

houve cerca de 22 000 candidatos. Cerca de 5000 deles

tinham boas qualificações.

Mas existem apenas poucas pessoas que são

actualmente membros do Corpo Europeu de

Astronautas.

Todos os astronautas

Europeus se destacam pela

profundidade e amplitude da

sua experiência profissional,

assim como pela sua

excelente forma física. Por

exemplo, Umberto Guidoni,

que foi o primeiro astronauta

da ESA a habitar a Estação

Espacial Internacional em

Abril de 2001, é um Físico de Plasmas de reputação

internacional. Mas é também um oficial de reserva da

Força Aérea Italiana e um entusiasta de natação e

voleibol. O seu colega e compatriota Paolo Nespoli é um

distinto Engenheiro Aeroespacial – mas no seu tempo

livre é um piloto privado e pára-quedista e como

membro da Força de Elite Especial Italiana .

A maior parte dos astronautas tem formação em

Física e todos trabalharam na sua especialidade em

graus Universitários avançados. Alguns deles –

particularmente Claudie Haigneré – têm formação em

Medicina com interesses aeroespaciais muito fortes.

Claudie começou a sua carreira em Reumatologia e

Trauma do Desporto, tendo-se posteriormente dedicado

à Medicina Aeroespacial. Actualmente é uma especialista

em Fisiologia Humana em Microgravidade.

De facto, determinação e motivação são duas grandes

qualidades partilhadas pelos astronautas Europeus. Não

são super-homens – ou super - mulheres. Mas, qualquer

que seja a sua carreira anterior, todos demonstraram

níveis de dedicação paciente muito para além do

normal. Por cada hora que poderão estar no espaço,

sabem que vão ter centenas e talvez milhares de horas

de treino. Eles pensam que vale a pena : se se quiser

juntar a eles, terá que pensar o mesmo.

http://www.esa.


16 Gargalhadas ao rubro JE

Risadas

1- O filho para o pai:

-Ó pai, porque é que as mulheres não

podem ser electricistas?

-Porque as mulheres demoram nove

meses a dar à luz.

2- Uma vez um homem chega a casa do trabalho e vai

tomar banho, passado um bocado chama a mulher e diz:

- Mulher onde está o champô para o cabelo?

- Está aí, é esse Pantene.

Ele diz:

- Oh! Mas este é para cabelos secos e o meu já está

molhado.

3- Estavam três homens no deserto, e um encontrou uma

coisa no chão e pegou nela e entretanto sai de lá um génio

e diz:

- Peçam 1 desejo cada um de vos.

O primeiro pediu para voltar para casa e o outro a seguir

também pediu o mesmo. Só faltava o outro e ele disse:

-O meu desejo é que os meus dois amigos venham para

perto de mim para comemorarmos as suas chegadas a

casa.

O génio realizou o seu desejo e os três

voltaram a ficar novamente no deserto.

Andreia e Miguel – 7ºF

4- No ginásio:

O responsável pelo ginásio afixou um letreiro à porta que

dizia:

“O Centro de treino de pingue-pongue abriu as inscrições.

Cursos à segunda-feira e quinta-feira para pingue; terçafeira

e sexta-feira para pongue.”

Tiago, n.º19 – 7ºF

1- Uma senhorinha

Muito assenhorada

Nunca sai de casa

Está sempre molhada.

Jessica – 7ºF

Adivinha lá!

2- Nada valho sem cabeça.

Mas eis meu triste fado:

Se eu cabeça não tivesse

Não morreria queimado!

Cristina – 7ºF

3- Sou corpo de muitas línguas

E com elas todas falo.

Quando estou com quem me entende

Por dar gosto não me calo.

Os meus amigos são dez

E com todos bem me dou,

São eles que me procuram,

Que eu procurá-los não vou!

Daniela – 7ºF

Soluções Adivinhas 1- Língua; 2- Fósforo; 3- Piano.

Sopa de Letras de “Os Lusíadas

Quem encontra palavras alojadas na vertical,

na horizontal e na diagonal em todos os

sentidos relativas a Os Lusíadas?

Suicídio bem divertido

Foi encontrado, no bolso de um cadáver, quando

se preparava a autópsia, a seguinte carta.

“ Ex.mo Senhor Delegado do Ministério Público.

Suicidei-me… Não culpe ninguém pela minha sorte; Deixei

esta vida porque um dia a mais que vivesse acabaria por

morrer louco.

Eu explico-lhe, Senhor Doutor: Tive a desdita de me

casar com uma viúva, a qual tinha uma filha; se soubesse

jamais teria casado.

Meu pai, para maior desgraça, era viúvo e quis a

fatalidade que ele se enamorasse e se casasse com a filha

da minha mulher.

Resultou daí que a minha mulher se tornou sogra do

meu pai.

A minha enteada ficou a ser minha mãe e o meu pai, ao

mesmo tempo, meu genro.

Após algum tempo, a minha filha pôs no mundo uma

criança, que veio a ser meu irmão, porém neto da minha

mulher, de maneira que fiquei a ser avô do meu irmão.

Com o decorrer do tempo, a minha mulher pôs também

no mundo um menino, que, como irmão da minha mãe,

era cunhado do meu pai e tio do meu filho, passando a

minha mulher a ser nora da própria filha.

Eu, Senhor Delegado, fiquei a ser pai da minha mãe,

tornando-me irmão dos meus filhos; a minha mulher ficou

a se a minha avó, já que é mãe da minha mãe; assim,

acabei sendo avô de mim mesmo.

Portanto, antes que a coisa se complicasse mais, resolvi

acabar com tudo de uma vez.”

Ficha Técnica:

Coordenadores: Sílvia Saraiva, Maria José Miranda, Maria José

Neves e Marcelino Gomes

Colaboradores: Toda a comunidade escolar.

Impressão: Reprografia da Escola

Tiragem: 500 exemplares

More magazines by this user
Similar magazines