zona Leste - Police Neto

policeneto.com.br

zona Leste - Police Neto

zona Leste

Belém

Distrito recheado de opções de lazer, o Belém vem

recebendo novos moradores e precisa revitalizar

galpões ocupados irregularmente

Saiba mais sobre os Bairros Vivos de SP em: www.policeneto.com.br


Apresentação Utopia na Zona Leste

Transformar a cidade, fazer de

São Paulo um melhor lugar

pra se viver. E todos nós sabemos

de uma coisa: essa mudança só

é possível se nascer do lugar em

que as pessoas realmente vivem:

os bairros, os distritos da nossa

metrópole. Neste livrinho, você

verá como no Belém as deias e

as práticas de um Bairro Vivo vêm

mudando a vida de quem mora lá.

Transformação que surge do conhecimento

da região, de suas praças

e ruas, de seus córregos e parques,

do que existe e do que falta,

do que foi feito e de tudo o que ainda

precisa e pode ser feito. Conhecimento

do passado, do presente e

do futuro. Bairro Vivo.

Antigos prédios subutilizados

podem ganhar novas funções

Um oásis na Zona Leste de

São Paulo, o Belém é uma

das melhores opções de moradia

da região. Opções de lazer

como o SESC e o recém- inaugurado

Parque Estadual do Belém

são exemplos de sua estrutura. O

habitante do distrito dá nota oito

às opções de transporte e tem

um dos dez menores tempos médios

de chegada ao trabalho – 25

minutos, segundo pesquisa DNA

Paulistano, feita pelo Datafolha de

2008.

No nal do século 19, enquanto

outros bairros estavam em pleno

processo de industrialização, o

Belém ainda era um vasto campo

com ares de zona rural. Seu nome

é uma homenagem a São José

do Belém, estendida à paróquia

criada em 1897 – uma divisão da

igreja do Bom Jesus do Brás. Dois

anos depois, o Belém (à época

Belenzinho) foi emancipado do

distrito vizinho.

Apenas no começo do século

20 a região entrou no mapa industrial

da cidade. As pioneiras foram

as fábricas de vidro, conhecidas

por cristaleiras, seguidas pelas

tecelagens. Após a implantação

industrial, o desenvolvimento veio

de forma vertiginosa. No pequeno

espaço de um ano, entre 1910-11,

o número de habitantes triplicou.

Imigrantes italianos, portugueses,

espanhóis e alemães, operários e

comerciantes estabeleceram-se

no distrito e mudaram seu per l.

Para atender à demanda por

lazer foi inaugurado o então moderno

Cine José do Belém, o primeiro

dos arredores, em 1910.

A militância política também era

forte, muito por causa dos anarquistas

e operários imigrantes.

Um dos principais órgãos dos

industriários era o Sindicato dos

Tecelões, com papel importante

na conquista de direitos e de melhores

condições de trabalho.

Em 1911, o projeto de uma vila

operária modelo, idealizada pelo

empresário Jorge Street, começou

a sair do papel. Inicialmente

destinada a 2.100 empregados

da Companhia Nacional de Tecidos

de Juta, levava o nome de

sua lha, Maria Zélia. O empreendimento

foi desenhado pelo arquiteto

francês Paul Pedraurrieux,

com base em exemplos europeus.

A vila contava com moradias, escolas,

comércio e sistema de saúde.

Com a venda da tecelagem e

Fama pela TV

Se há um responsável por tornar

o Belém conhecido em todo o

país, ele é o autor de novelas Cassiano

Gabus Mendes (1929-1993).

Paulistano, ele usou o bairro como

pano de fundo em diversas tramas.

Uma delas é “Ti-Ti-Ti”, de 1985,

regravada em 2010. Nela, o Belém

é o lugar de origem do protagonista

Victor Valentim (Luis Gustavo

na primeira versão, Murilo Benício

no remake). Já em “Meu Bem, Meu

Mal” (1990), que teve várias cenas

gravadas na região, o bairro abrigava

o núcleo de Fernanda (Lídia

Brondi), moça de origem humilde

que era desprezada pela milionária

família de Dom Lázaro Venturini

(Lima Duarte), mas se vingava de

todos no nal.

dívidas trabalhistas, a vila foi desativada

e chegou a virar presídio

político durante o Estado Novo de

Getúlio Vargas. Recuperada, foi

considerada Patrimônio Histórico

e hoje é um importante ponto turístico.


O impacto das ações

de Police Neto no

seu distrito

Ao longo de seus dois mandatos

como vereador, José Police Neto

(PSD), que atualmente é também

presidente da Câmara Municipal

de São Paulo, criou diversos projetos

que se transformaram em lei

e que bene ciam a população de

toda a cidade de São Paulo. Veja, no

mapa abaixo, qual o impacto delas

no distrito em que você mora.

5

ISENÇÃO DE ISS PARA A CULTURA

Também é de autoria de Police Neto a lei que isenta

serviços artísticos, como concertos, espetáculos de

dança, peças de teatro, entre outros, do pagamento

do ISS (Imposto Sobre Serviços), um grande incentivo

à arte popular. Com isso, locais que são verdadeiros

polos de cultura, como o Sesc Belenzinho, são bene-

ciados e podem investir mais recursos em melhorias

locais, que atingem toda a população do entorno.

6

LEI DA FICHA LIMPA

Aprova no início deste ano, a lei da Ficha Limpa institui

que os servidores municipais (e de órgãos que mantenham

contratos com o município) devem seguir os

mesmo critérios da Lei federal da Ficha Limpa, como

não ter sido condenado em processos de corrupção.

Os já contratados devem comprovar a inexistência de

débitos com a Justiça. Já os novos, deverão fazê-lo no

momento de sua admissão.

7

VÁ DE BIKE

A cidade já não comporta mais tantos carros como

transporte individual. Police Neto apoia modais de

transportes alternativos, como a bicicleta, por meio de

projetos como as ciclorrotas e o Bike Sampa (www.mobilicidade.com.br),

que empresta bicicletas para uso

em vários pontos de São Paulo. Ele próprio usa bike

diariamente, inclusive no trabalho.

TELECENTROS

A Política Municipal de Inclusão Digital, lei de

autoria do vereador José Police Neto (PSD),

tem garantido a expansão do acesso gratuito

à internet desde sua instituição em 2009. Com

ela, as empresas de Tecnologia da Informação

(TI) podem destinar parte do ISS (Imposto sobre

Serviços) ao Fundo Municipal de Inclusão

Digital, custeando os telecentros existentes e

colaborando com a criação de outros em comunidades

carentes. É a democratização do

acesso à informação.

1

6

4

LEI DO ALVARÁ CONDICIONADO

Com a lei do alvará condicionado, os pequenos

comerciantes poderão abrir suas portas

enquanto aguardam a permissão de nitiva.

Até providenciarem os documentos necessários,

eles poderão operar em prazo máximo

de até quatro anos. Na região do Belém, essa

medida pode contribuir para a regularização

de trabalhadores informais e estimular o desenvolvimento

do comércio, hoje concentrado

na região da Avenida Celso Garcia, para

outras áreas do bairro.

2

1

7

5

2

você

está

aqui

3

READEQUAÇÃO DE EDIFICAÇÕES

DE INTERESSE SOCIAL

O projeto de Police Neto, quando aprovado,

vai estabelecer diretrizes para orientar

o mercado imobiliário na construção

e recuperação de empreendimentos. O

Belém será uma das áreas bene ciadas.

Assim, cará mais fácil reverter o esvaziamento

de alguns lugares onde hoje

há poucas pessoas. Galpões e grandes

terrenos abandonados, onde já existem

diversas moradias irregulares, poderão

ter um melhor aproveitamento e serem

usados para a construção de habitações

populares, por exemplo.

4

LEI DA FUNÇÃO SOCIAL

DA PROPRIEDADE URBANA

A lei de autoria de José Police Neto tem

como objetivo combater a especulação

imobiliária nas Zonas de Interesse Especiais

(ZEIS). Imóveis desocupados

ou subutilizados terão seu IPTU aumentado

progressivamente, em até cinco

anos. Acabado esse prazo, ele poderá

ser desapropriado e destinado a se

transformar em moradias para populações

de baixa renda.


Dois mundos

O

passado industrial, embora

cada vez mais longínquo,

deixou características marcantes

no Belém. Galpões e plantas fabris

desativados foram abandonados

por seus proprietários e, atualmente,

são ocupados de maneira irregular.

Cerca de 27% dos cortiços

da Subprefeitura da Mooca estão

na região. O número corresponde

a 194 imóveis, que abrigam 1.926

famílias. Ao mesmo tempo, a pesquisa

“DNA Paulistano” aponta que

10% dos moradores do distrito

possui renda entre 10 a 20 salários

mínimos, o terceiro maior índice da

Zona Leste.

Essa parcela privilegiada dos

moradores é o público-alvo de

lançamentos imobiliários voltados

para as classes média e média alta

e fazem parte do renascimento do

local. Após o “boom” do século

20, a taxa de crescimento populacional

cou negativa até o começo

dos anos 2000 – tendência comum

nos antigos polos industriais. E

agora tem se mantido na casa dos

1,29% anuais, segundo a Secretaria

Municipal do Planejamento

(Sempla).

O Poder Público já começou a

se mexer para acabar com essas

A Prefeitura já

começou a mapear

áreas que podem receber

habitações populares

diferenças e ampliar a qualidade

de vida da população de baixa

renda. No Belém, já foram mapeadas

Zonas de Interesse Especiais

(ZEIS), áreas propícias à reforma

de prédios subutilizados ou vazios.

Existe a proposta de transformá-las

em Habitações de Interesse

Social (HIS). A Lei da Função

Social da Propriedade Urbana,

de autoria do vereador José Police

Neto (PSD), veio para complementar

a iniciativa. Ela determina

que os donos desses imóveis sejam

noti cados e tenham um prazo

de cinco anos para readequá-

-los e, nesse período, o IPTU será

progressivamente aumentado.

Caso nada seja feito, ele poderá

ser desapropriado.

Outra ferramenta defendida

por Police Neto é a elaboração de

planos de bairro, previstos no Plano

Diretor do Município e realizados

pelos cidadãos com o auxílio

de especialistas em urbanismo e

da Prefeitura. Dessa forma, o levantamento

de problemas e soluções

passará pelas mãos daqueles

habitam e vivem no distrito,

captando todas as suas peculiaridades.

A experiência já foi posta

em prática em Perus e está sendo

discutida na Vila Madalena, Bela

Vista e Santana.

Renascimento

belenense

O

largo São José do Belém,

onde ca a igreja homônima

– marco inicial do distrito –,

está em pleno processo de revitalização.

A área da praça, com 3.700

m2, foi reformada pela Subprefeitura

da Mooca e recebeu mosaicos

reutilizados da Avenida Paulista.

Com isso, a área verde disponível

e a acessibilidade aos pedestres

aumentaram. Em junho deste ano,

também foi inaugurado o Parque

Estadual do Belém no terreno onde

outrora funcionou o Complexo Tatuapé

da extinta Fundação Estadual

do Bem-Estar do Menor (Febem).

Em seus 210 mil m2 podem ser encontradas

quadras poliesportivas,

pistas de corrida e skate, ciclovia

de 1,5 km, fábrica de cultura e, futuramente,

uma biblioteca.

Quem conhece a cidade,

transforma a cidade

Transformar a cidade a partir de quem

conhece a cidade. Esse é o grande desa-

o de quem vive em São Paulo, uma grande

metrópole, habitada por mais de 11 milhões

de pessoas. Cidade pensada e administrada

desde há muito de cima para baixo. Mas São

Paulo não é só isso. É também um conjunto

de comunidades, onde vive quem conhece,

e muito bem, a megacidade: seus habitantes.

Essa é a proposta que transparece nestes

cadernos, nestes retratos dos Bairros Vivos

de São Paulo: alguns de seus problemas e

muitas de suas soluções. Que passam pelas

leis produzidas e votadas pela Câmara Municipal,

mas que sempre nascem do conhecimento

que os habitantes de São Paulo têm

do seu bairro. Leis como a que trata do uso

da propriedade e de seu principal fundamento,

a função social. Ou a lei que permite uma

organização maior das atividades produtivas,

através do Alvará Condicionado. Ou a que

tornou permanentes os Telecentros, fonte de

informação e conhecimento, base do processo

de inclusão moderna, digital. E é no bairro

que essas leis adquirem vida. Bairro Vivo.

Sou e quero continuar sendo um agente

a serviço dos habitantes de cada bairro, para

que, juntos, possamos transformar para melhor

o espaço em que as pessoas moram e

convivem. Contem comigo sempre: um parceiro

para ajudá-los nessa empreitada.

José Police Neto


serviços

Dados estatísticos de BELÉM

População total 45.057 habitantes

Densidade

demográ ca

7.510 habitantes/ km2

Área geográ ca total 6 km2

Índice de

0,897 (26º lugar entre

Desenvolvimento os 96 distritos

Humano (IDH)

da capital)

fonte: Censo IBGE, 2010.

Telefones úteis no distrito de BELÉM

Unidade Básica

de Saúde (UBS)

(11) 2694-2697

Belenzinho Marcus

Wolosker

Subprefeitura da

Mooca

(11) 2292-2122

8° Distrito Policial (11) 2694-3384

Batalhão da Polícia

Militar Metropolitano

(BPMM)

Guarda Civil

Metropolitana

Posto de Bombeiros

(PB) Belém

Telecentro: Avape

Belenzinho

Expediente

Jornalistas | Regina Terraz (mtb 50144/SP)

André Vargas

Arthur Guimarães

Camila Belotti

Danilo Rodrigues

Ivan Torraca

Marianna Sanfelicio

Fotogra a | Maurício Maranhão

Ricardo Bakker

Design editorial | Daniela N. Secondo

Design on-line | Débora Ferro

Mariel Meira

(11) 2796-7594

(11) 2697-2999

(11) 2796-3133

(11) 2081-3847

Participe de nossa campanha e ajude a

construir uma cidade mais justa

Escritório político

Edifício Praça da Bandeira

Rua Santo Antônio, 184 - 18º - sala 181

CEP 01314-000 - São Paulo - SP

tel: (11) 3105-9966

site: www.policeneto.com.br

ouvidoria: ouvidoria@policeneto.com.br

e-mail: policeneto@policeneto.com.br

• /josepoliceneto • /policeneto

Telefones úteis em SP

Acidentes de trânsito ................................................156

Ambulância ................................................................192

Auxílio à lista ..............................................................102

Bombeiros ..................................................................193

CET .......................................................................... 1188

Guarda civil metropolitana ..........................3396-5830

Correios ..................................................0800 725 7282

Defesa civil ................................................................199

Delegacia de defesa da mulher ..................2742-1701

Delegacia do idoso .......................................3237-0666

Disque-denúncia .........................0800 156 315 ou 181

Disque saúde .............................................................136

Hora certa ..................................................................130

Informações de trânsito ............................................156

Ouvidoria da câmara .............................0800 322 6272

Ouvidoria do município ..........................0800 175 717

Polícia civil .................................................................147

Polícia militar .............................................................190

Prefeitura ....................................................................156

Previsão do tempo ....................................................132

Procon ........................................................................151

PSIU ...................................................156 ou 3101-3737

Receita federal...........................................................146

Vigilância sanitária........................................3397-8278

AES Eletropaulo ...................................0800 72 72 196

Sabesp........................................................................195

Itinerários de ônibus .................................................156

Metrô .......................................................0800 770 7722

CPTM .......................................................0800 055 0121

Mande suas sugestões e reclamações, participe!

Nome:

Tel: End:

Sugestões

Impressão 05.755.600/0001-83 – Contratação 16.174.681/0001-44 – Tiragem 2.000 exemplares

More magazines by this user
Similar magazines