Nosso Tempo Digital

nossotempodigital.com.br

Nosso Tempo Digital

ØØ

1I'i

C H! i4iI Páginas lo e 11

Na escuridão,

vizinhos viram

o fuzilamento

do agricultor

Aparece o primeiro suspeito do assassinato

do pioneiro Paulo Cecconello. Página 17

Figurão da alta

sociedade Ilagrado

com a mão no cofre

A fina flor da sociedade

oestina teve um chilique no

início da semana: um de seus

mais proeminentes membros,

"habituê" de colunas sociais e

assíduo frequentador dos melhores

clubes de Cascavel, foi

preso em flagrante na madrugada

de domingo no exato

momento em que - literalmente

- estava com a mão no

cofre.

Linomar Alves, 49 anos,

proprietário de um empresa

de confecção de chaves e consertos

de fogões e cofres, foi

autuado pela Polícia às 2h de

domingo no interior da empresa

Pepsico Produtos Alimentícios

e Refrigerantes,em

Cascavel, quando tentava arrombar

o cofre com um maçarico

a oxigénio. No cofre

estava depositada uma razoá-

vel soma em dinheiro, cujo

montante entretanto não foi

revelado.

Levado para a Delegacia

de Polícia, Linomar Alves

apresentou uma versão um

tanto confusa: disse que há

cerca de quatro anos, quando

começou a trabalhar com chaves,

travou relacionamento

com "Hamilton de tal", que

passou inclusive a ser seu freguês.

Algum tempo depois,

Hamilton teria começado a exigir

de Linomar, mediante ameaças

,que este colaborasse

na prática de certos delitos,

para o que vinha a calhar sua

profissão de chaveiro. Ainda

de acordo com a versão do

autuado, no último sábado

Hamilton lhe comunicara que

à noite haveria mais um "serviço",

ou seja, o arromba-

mento do cofre da Pepsico,

distribuidora dos produtos

Chips. Pouco antes da meianoite,

Hamilton, acompanhado

de mais três elementos, teria

apanhado o chaveiro para

levá-lo até o local do crime.

Este detalhe, entretanto,

não bate com a informação

de uma moradora das proximidades,

que vu Linomar entrar

sozinho no prédio e por

isso mesmo chamou a Polícia.

Quando os agentes de lei

chegaram, o chaveiro já havia

feito dois furos no cofre, com

a ajuda do maçarico. Não deu

outra: prisão em flagrante. As

colunas Sociais silenciaram sobre

o assunto, mesmo porque

trata-se de um fato mais apropriado

para a crônica poli

cial...

PRIMEIRO BEBÊ DE

PROVETA DO BRASIL

PODERÁ SER DE FOZ

Se tudo correr bem conformese espera,poderá ser

de Foz do lguaçu o primeiro bebê de proveta do Brasil.

Pela segunda vez a sra. Clóris Chapinotti Nasser, que é

estéril, tenta gerar um filho através do método de'fertilizaçâo

"in vitro" conforme o jargão médico: ela se encontra

em São Paulo na clínica do médico Milton Nakamura,

em companhia de seu marido Abraão Nasser,para

se submeter aos primeiros exames ginecológicos. Suas

possibilidades do ponto de vista clínico são muito grandes.

Os médicos daquele hospital explicaram que ela permaneceu

por mais tempo grávida (cinco meses) quando

se candidatou a ser a primeira mãe de um bebê gerado

por esse processo, embora tenha abortado em 12 de março

do ano passado. Como se recorda,a primeira mulher

brasileira a se submeter à experiência, em sua fase mais

avançada morreu, quase comprometendo todo o programa.

O médico Milton Nakamura, contudo,não desistiu.

Clóris, que no ano passado foi examinada por três médicos

australianos que estavam colaborando com a experiência,está

aguardando apenas a maturação em seu organismo

do óvulo; assim que isso ocorrer ele será retirado,

coletado e juntado ao espermatozóide do marido para a

fecundação, dentro de uma proveta.

Super-safra

nào salva

coronel

Aroldo

As agruras financeiras do maior

plantador de soja do Brasil.

Página 18

TOLEDO

DEBATE

LSN

O Comitê "Juvéz1cto Mazzarolio"

pela Revogação da Ler de Segurança

Nacional, de 1 olcdo, esta

convidando o público para os debates

a se realizarem dias 21, 22 e 23

no salso nobre do Colégio La Sa!lc,

no horário das 20 h. Hoje, discussão

sobre o tema "A Lei de Segurança

Nacional como instrumento juridico

ilegítimo e sua aplicação"; debatedor:

Osvaldo Macedo, assessor político

do governo Richa. Amanhã,

dia 22. "A Imprensa e a Lei de Segurança

Nacional"; debatedor; Fábio

Campana, da assessoria de comunicação

do governo estadual.

Dia 23, "A luta pela revogação da

LSN"; debatedor: Nelton Friedricli

a nc do I ntcrior


cm

COLOMBELLI:

o inUv515M0

FOI SEPULTADO

Em 1IGUEMBRO

"O jacysismo morreu em

Cascavel. Foi sepultado nas últimas

eleiçôes,vitimado pelo autoritarismo

que caracterizou a gestão

do ex-prefeito Jacy Miguel

Scanagatta. Ë possível que sua

ala sobreviva, mas o grupo jamais

se comporá com Jacy. Será impossível

para ele reaglutínar os

antigos companheiros e, principalmente,

obter a adesão da ala

dita renovadora do partido". Esta

previsão foi feita pelo dirigente

partidário Hilton Colombelli

(PMDB/Cascavel). Tido como

um moderado dentro do partido.

Colombelli não é necessariamente

uma adversário ferrenho de

Scanagatta, com quem mantém

relações cordiais. "Estou tentando

antever o quadro político alterado

profundamente com a vitória

de meu partido em 15 de

novembro. Jacy não chegou a ser

uni administrador incompetente,

mas foi nau político. No momento

de se lançar em busca da

manutenção do poder que enfeixava

em suas mãos, ele acabou

descobrindo que se cercara de

pessoas com as quais se ligara ou

porque detinham algum cargo na

Prefeitura ou possuiam qualquer

vinculo empregaticio. Os candidatos,

em virtude disso, não de-

MI

a 4h,19. A

.L oRoL,ERde

lb'ENIO

IflL_1

tHU j f1 r

monstravam a mesma espontaneidade

e não suavam a camisa

pelo time".

Justiça seja feita, Colombeili

reconhece na gestão jacysista

uma série de méritos. Só que,em

seu entendimento "tiveram pouco

alcance social as obras faraônicas

por ele erigidas. E a população,

infelizmente, precisa ser

atendida nas suas reivindicações

mais elementares".

De outro lado, Colombelli

admite que, agora no poder, o

PMDB vai ter de enfrentar um

processo de desgaste que ele entretanto

considera natural: "Veja

que em Cascavel, por exemplo,

Tolentino assumiu num momento

grave,com inúmeras dificuldades,

principalmente de ordem financeira.

Pior que isso: o Município

nem mesmo pode se socorrer

no Estado, cuja situação é

ainda mais dramática. Teremos

de desenvolver um grande esforço

para conscientizar a população

disso. Nesses sessenta dias

por exemplo está-se procurando

fazer o indispensável. Obras de

maior impacto mesmo só quando

houver uma disponibilidade

maior de recursos;ao contrário

todavia de seu antecessor, Tolentino

está pretendendo dar to-

VILLA ROMANA

Vi LI.

• SAUNA SECA

•SAUNA VAPOR

• MASSAGEM

•PISCINA

Colombelli: Tolentino é um

excelente político

da ênfase em obras de profundo

alcance social. Nada de muito

caro, nada de elefantes brancos.

Conforme o partido defendeu

nos palanques, será dado prioridade

a pequenas obras, mas que

venham de encontro às aspirações

da população, principalmente

da periferia".

O dirigente peemedebista

não esconde sua preocupação

com o desemprego em Cascavel.

Segundo ela prefeito Tolentino

está-se mobilizando. De qualquer

forma, Hilton admite que o chefe

do Executivo não dispõe de

nenhuma fórmula mágica capaz,

da noite para o dia, de encontrar

• BANHO ROMANO

•HIDRO MASSAGEM

•EXECUTIVE BAR

•SALA DE LEITURA

•SALÃO DE REPOUSO

•MÜSICA AMBIENTE

•ESTACIONAMENTO PRIVADO

•SCORT

• CHURRASQUEIRA

HOFLARIO. 1530 às 24.-00 hs.

1 RESERVAS PELO FONE: (0455) 74 3366

S589O FOZ DOIGUAÇU - PARANÁ

ocupação para cerca de 12 mil

pessoas no Município: "E preciso

atrair indústrias, sejam elas

grandes, pequenas, dando-lhes

•ncentivos. O prefeito está contatando

um grupo de empresários

que manifestou interesse em instalar

uma pequena indústria de

macarrão. Creio que a implantação

de pequenas e médias indústrias

é viável, mesmo na atual

crise que o pais atravessa".

Hoje, o relacionamento Tolentino-vereadores

melhorou

muito, segundo Colombeili. Ele

confirma a existência até pouco

tempo atrás de algumas divergências

fruto "da inexperiência

parlamentar de alguns vereadores",

mas assegura que "tudo

agora está superado".

NT quis saber se o vereador

peemedebista Aldo Parzianelo

estava por detrás dessa crise.

Colombelli afirmou positivamente

, justificando: "Ora, os

jornais sempre atribui'ram a AIdo

algumas qualidades, entre elas

a de realizar manobras, articulações.

Dizem que ele estaria fazendo

o jogo do ex-vice-prefeito.

Pode ser que ele esteja tentando

justificar a fama que ganhou.

Mas não creio que seja nada sério.

Ele realmente é bastante habilidoso

e alguns vereadores se

deixaram levar". A escolha dos

nomes para cargos estaduais também

teria provocado algumas rachaduras

no partido, explicadas

pelo próprio Colombelli: "A nomeação

para cargos no Estado

feriu interesses de muitas pessoas,

é claro. Isso é natural. O mesmo

ocorreu com a Prefeitura, onde

não se podia e não se pode, repentinamente,tirar

todo mundo

substituindo as pessoas que lá

estavam por nossos companheiros.

Alguns inclusive às vezes

nem preparados estão. Na

medida do possível foram convocadas

as pessoas para os lugares

certos", insistiu. Hilton Colombelli

não nutre qualquer preocupação

com alguns aspectos da

administração peemedebista.

Sobre a propalada falta de vocação

administrativa do prefeito,

LAJES

Produto de concreto

com alta qualidade.

4 tendemos toda a

io bem como Para2uaie

?ntiva. Fabricamos lages

piso e forros, blocos.

rrões palanques. calçg

S, 1.1nques, bancos

iixas d'ua

meio-fio

Avenida., etc

Brasil 1679

Fones: (0452)

64-1192 e 64-2085

MEDIANEIRA - PR.

'Joàozi nho-

Despachante

OFICIAL O

DETRANI

N,

M

• SEGUROS

• EMPLACAMENTOS

• FOTOCÓPIAS

Av. Iquiiçu, 1197

Fone 651471

Ao Miguel do Iguacu

Paraná

que alguns pedessistas procuram

espalhar para desacreditá-lo, o

entrevistado tem seu ponto-devista

firmado: "Não se esqueçam

esses pedessistas que Tolentino é

excelente político; ele possui um

grande respaldo da comunidade,

dos empresários. De mais a mais,

aos poucos se adaptará s suas

novas funções. Se o problema

for o técnico, o administrador,

o tecnocrata, como costumam

dizer, temos á frente dos negócios

o secretário geral Lauro Venitius

Ghiggi, uma pessoa da

maior competência". Para ele, o

êxito da gestão tolentinista só

não será maior por causa da falta

de um secretário de Estado:

"Devíamos ter alguém nosso no

secretariado de José Richa? Indagado

por NT se houve talta de

expressão do grupo político local,

ou descaso do governador

que subestimou o peso do colégio

eleitoral do Município, Colombelli

foi taxativo: "Foram os

dois fatores, juntos". Dentro

das diretrizes que nortearão o

programa administrativo de

Tolentino, uma preocupação

está aparecendo com nitidez,

conforme Hilton: "Cascavel precisa

intensificar sua ação no campo

educacional. Uma Universidade

Federal para Cascavel é dê extrema

importância. Aliás, o prefeito

esteve na semana passai

da em Brasília com o, diretor da

Fecivel, professor Cantele".

Quanto à Ferrovia da Soja, as

chances se tornam a cada dia

mais remotas: "O governo federal

não disporá de recursos tão

cedo, não nos iludamos".

Instado a apresentar aquela

que poderá ser a primeira obra

deporte do prefeito do PMDB,

Colombelli mencionou a implantação

da rede de esgotos: "Estão

sendo feitos contatos quase permanentes

com o governador Richa.

A obra é vultosa, vai exigir

investimentos maciços, mas é

muito importante para o Município;

tanto em seu alcance

quanto na criação de novas oportunidades

de alocação de mão-de

-obra".

4 r,

A CADA KM

RODADO

A CERTEZA DE

QUE TUDO

VAI BEM


o

J

JUVÊNCIO_NÃO PODE MAIS

CONTINUAR SUPORTANDO

OS HORRORES DO CARCERE

ELE FAZ ENORME FALTA AQUI

FORA, JUNTO AO POVO POR

QUEM SEMPRE LUTOU. SUA PRISA

CAUSA INDIGNAÇÃO E

NOS ENVERGONHA.

ENVERGONHA O DIREITQ,

AVILTA A JUSTIÇA,

CONSPURCA NOSSA PÃTRIA

E PISOTEIA OS

DIREITOS HUMANOS.

(Deputado Sérgio Spada)

TERCIO TRAVESTIDO LIBERTAÇÃO DE JUV NC

EM DEMOCRATA 1 1 ITA nF Tnnn n PARAN

É deprimente ocupar-se de

assuntos menores, mas há momentos

em que não ná como escapar,

então comete-se a fraquezi

de ainda falar de Tércio Albuuerque.

Fazendo coro na sórdid.i

torpe e vil campanha de desestabilização

do governo do

PMDB no Paraná, empreendida

pelo PDS e o grupo de Paulo Pimentel

em conluio com a área

federal, o deputado Tércio Albuquerque

subiu à tribuna da Assembléia

para acusar o governador

José Richa de trair promessas

eleitorais, entre elas a de promover

eleições diretas para

diretores das escolas públicas.

Cacilda, essa promesa é justamente

uma das primeiras que

Richa vem cumprindo! A eleição

dos diretores já está definida,

só faltando uns acertos finais do

governo com a classe do magistério.

É impossível acreditar que

Tércio esteja desinformado sobre

a medida, de modo que só resta

. atribuir ao deputado má fé.

Disse ele que Richa, assim,

vem "sepultando as esperanças

do magistério numa autêntica

democratização do sistema de escolha

de seus diretores".

Logo quem vem falar em democracia!

Logo quem defendeu

a ditadura durante 19 anos e se

arrebentou para perpetuá-la através

da luta eleitoral ensandecida

do POS na última eleição.

Ouvir Tércio acusar o atual

governo de antidemocrata chega

a revoltar. Ele que, com o "mando

político" nesta região, admi-

tia e demitia diretores, delegados,

chefes de repartições - sempre

ao sabor stalinista de seus interesses

pessoais e do seu partido.

Por exemplo, o diretor do

Colégio Agrícola de Foz foi

mantido no cargo por influência

direta de Tércio, em que pese

mais de uma vez alunos e professores

da escola pedirem sua saída.

Contra tudo e contra todos,

Tércio protegeu o diretor no cargo

pelo simples fato de que era

um cabo eleitoral seu e do PDS.

E esse diretor,Wilson Rios, é o

suprassumo do autoritarismo e

da pedagogia através do medo.

Outro caso: lembram da demissão

da diretora da Escola Bartolomeu

Mitre, professora Eva

Terezinha Vera, a mando de Tércio

Albuquerque, em 1.982?

A demissão da diretora provocou

profunda revolta nos alunos, pais

de alunos, professores e em toda a

comunidade. Os alur'os chegaram

a fazer passeata de protesto

pelas ruas da cidade. Mas tudo

foi inútil, porque a professora

Eva se recusou a fazer o jogo sujo

e baixo de servir de instrumento

da politicagem do PDS e

de Tércio Albuquerque dentro

da Escola Barbolomeu Mitre.

Para Tércio e gente de sua

performance fazerem acusações

como as que vêm sendo feitas

pelo reacionarismo derrotado nas

eleições, e por isso inconformado,

precisariam no mínimo, fazer

uma confissão pública de

suas responsabilidades nestes

19 anos de golpe de estado.

"Já fez seis meses que o jornalista

Juvéncio Mazzarollo está

preso, condenado pela Lei de Segurança

Nacional por alegado

crime de opinião. Seu encarceramento

foi o desfecho trágico de

uma feroz perseguição movida

pelas forças antidemocráticas

contra o jornal 'Nosso Tempo',

de Foz do lguaçu. Os responsáveis

por essa injustiça representam

o poder despótico que, através

da violência, da repressão e

da censura, causaram a infelicidade

da Nação brasileira e levaram

o País ao estado de bancarrota

geral que agora nos coloca

todos diante de uma realidade

cruel, nesta crise sem' precedentes

na história do Brasil" - estas

considerações foram feitas pelo

deputado estadual Sérgio Spada,

na última terça-feira, ao manifestar

da tribuna da Assembléia Legislativa

a sua solidariedade para

com Juvêncio Mazzarollo.

Spada disse que "dentre os

males impostos ao País" pelo

regime implantado em 64 o pior

foi o "amordaçamento da imprensa",

responsável pelo desaparecimento

de vários jornais inclusive

no Paraná, vitimados pelo

"terrorismo cultural" desses

"tempos negros de obscurantismo

repressão". Depois de assinalar

que este semanário só conseguiu

sobreviver "graças à bravura

de sua equipe e ao apoio da comunidade",

Spada debitou parte

da ampla vitória da oposição no

Oeste nas eleições do ano passado

"ao trabalho desenvolvido

Carros revisados & aprovados.

O Usado Olsen tem

todas as vantagens que wcê pode

esjx'rar: revisão completa, detalhada.

E depois de testado e aproí rido; tem ainda

entrada J)arcekzda

e financianzento até 24 nwses.

Usados Olsen. O melhor negócio.

Distribuidor Autorizado Padrão

00se/IM

íah72.' C'uc'tila

Filial: .!iliin ei

Foz do lguau:

.-li: Juaïlzn A,djtaluk. 19.1-1 . F 'i:' : ( l55, T1- T122

por 'Nosso Tempo' desde sua

fundação em dezembro de

L980".

E justamente por esse trabalho

- de consolidação da democracia,

pelo fim do arbítrio, da

prepoténcia e da corrupção - "o

jornalista Juvêncio Mazzarollo

está preso há seis meses", disse.

"Ele é inocente", sentenciou

o parlamentar, e cumpre

não uma pena de justiça, "mas

sim é vítima de vingança" tendo-se

usado como instrumento jurídico

para condená-lo a Lei de Segurança

Nacional. "O mecanismo

processual que levou Juvêncio

ao cárcere apresentou trâmites

e argumentos que ofendem

qualquer sociedade civilizada,

afrontam o Direito e zombam da

Justiça", resumiu o deputado,

apontando para o fato de Juvêncio

ter sido acusado de infringir

o artigo 14 da LSN, mas acabou

sendo condenado com base no

artigo 42.

Juvéncio, acrescentou Sérgio

Spada, "não pode mais continuar

suportando os horrores do

cárcere. Ele faz enorme falta na

sua missão aqui fora, junto ao

povo por quem sempre lutou.

Sua prisão causa indignação e

nos envergonha; envergonha o

Direito, avilta a Justiça, conspurca

nossa Pátria e pisoteia os direitos

humanos. Sua libertação é

um desafio imediato e forte que

se oferece à nós, parlamentares

e governo do Paraná como um

todo - a nível de Executivo, Legislativo

e Judiciário. Se não

loso

Á

agirmos com presteza e energia,

podemos estar incorrendo no imperdoável

erro da omissão, tornando-nos

cúmplices da indignidade.

E não será em nome de

um acovardamento pacifista que

ficaremos tratando a questão

com amenidades. Estão para serem

apreciados, a qualquer momento,

iecursos junto ao Superior

Tribunal Militar e ao Supremo

Tribunal Federal, impetrados

em favor do jornalista por seus

advogados. Por isso, nossa

posição oficial deve se fazer sentir

urqentemente em Brasília."

Na conclusão do seu pronunciamento.

Spada denunciou

que o procurador Péricles Araújo

Lima de Queiroz, da Auditoria

da 5a, Circunscrição Juiciária

Militar do Paraná, encaminhou

ao STM "um terrível dossiê

contra Juvêncio, valendo-se

de um caudal de mesquinharias

e calúnias contra o preso,no afã

de vê-lo condenado a penas ainda

mais severas".

"Pergunto então - disse o

deputado - se podemos ficar

inertes diante de tamanha arrogância,

arbitrariedade e injustiça".

"Se faço este apelo veemente

é porque sinto profundamente

a angústia dos dias de nosso

companheiro no cárcere. Faço-o,

igualmente, porque confio nas

convicções democráticas e humanísticas

de todos os integrantes

desta Casa, independentemente

de facção partidária."

OFERTA:

Chevette 78 metálico - Cr$ 800.000,00

Monza SLE azul metálico ...... . ano 82

Opala Comodoro marrom ...... . ano 81

Dei Rey marrom .............. ano 82

Passat TS bege ................ ano 80

Kombi diesel branca ........... ano 82

Caravan verde ................ ano 82

Belina álcool vermelha......... . ano 81

Voyage LSverde .............. ano 82

Voiks 1.300 L bege ............ ano 80

V)


Nosso Tempo é uma

publicação da Editora

Liberação Ltda.

Redaçáo e administraçcfo:

Rua Edmundo de

Barros, 830

Fone 72-1863

Foz do Iguaçu - Pr.

Diretores proprietrios:

Juvêncio Mazzarollo

Aluizio Palmar

J. Adelino de Souza

Editores:

Fábio Campana

Elson Faxina

Noemi Osna

CURITIBA.

Rua Jaime Reis, 369

Fone 223-5095

CASCA VI-1:

Rua Maranhão esquina com

Sete de Setembro

Fone: 24-2489

Composto e Impresso

nas oficinas da

1- Lt!I'kLSS()RA 1. il)-1

Rua Gaspar Dutra, 225

Caixa Postal, 1137

Jardim Maria de Fátima

Cascavel - Paraná.

Nelson Mandes: estão "Onde os vereadores do PDS? Jovens pedirem a libertação de Juvõncio.

FORA, CUNHA VIANNA!

«

QUEREMOS ELEGER PREFEIT

No dia 7 de abril foi realizado

em Foz do Iguaçu mais um

ato público do Conam. Aproximadamente

mil pessoas se postaram

desde as 17 horas nas imediações

da Câmara Municipal e

Prefeitura. Estavam ali para mostrar

o seu repúdio ao interventor

municipal e exigir eleições diretas

para prefeito. O Conam (Comitê

Nacional Pró-Autonomia

dos Municípios) naquele mesmo

dia estava realizando idênticas

manifestações em Santa Helena,

Medianeira e São Miguel do

Iguaçu.

O ato público em Foz foi

organizado pelo Setor Jovem do

PMDB com o apoio dos diretórios

do PDT e PMDB. Apesar de

todos os vereadores iguaçuenses

terem sido convidados, juntamente

com outras entidades, ao

ato estiveram presentes somente

Severino Sacomori, Dobrandino

da Silva e Antonio das Graças.

No momento de se iniciar a

manifestação popular alguns problemas

surgiram. Por ordem do

coronel Cunha Vianna houve

proibição dos manifestantes se

postarem na calçada da Prefeitura.

A coordenação do ato público

foi então solicitar à presidente

da Câmara autorização para

realizar a manifestação no pátio

do Legislativo. Entretanto,

Arialba Freire disse não ser "de

sua competência unicamente"

tal decisão e que teria de reunir a

Mesa Diretora. Enquanto Arialba

convocava uma reunião extraordinária

da Mesa os manifestantes

tomaram o pátio e começaram o

ato com os primeiros oradores

falando de cima da carroceria de

um caminhão.

Faixas e cartazes protestavam

contra a intervenção federal no

Município e exigiam eleição para

prefeito. Moças e rapazes do Setor-Jovem

do PMDB abriram

uma faixa que dizia: "Exigimos

a Libertação de Juvêncio Mazzarollo".

Moradores dos bairros ligados

às associações de moradores

portavam cartazes pedindo

eleição para prefeito.

Além de presidentes das associações

de bairros e dirigentes

do PMDB e PDT de Foz do Iguaçu,

subiram ao palanque

improvisado os deputado Sergio

Spada, Caito Quintana, Jose Antonio

Fonseca e Gernote Kirinus,

presidente do CONAM no Paraná

e secretário da Assembléia

Legislativa. Assistindo o ato público

das janelas ou escondidos

atrás de cortinas ,tanto na Câmara

de Vereadores como na Prefei-

tura,estavam aqueles que defendem

a eleição para prefeito nos

gabinetes e não querem se misturar

com o povo.

Como apresentador atuou o

dirigente peemedebista, coordenador

do CONAM-Foz e futuro

Chefe do Distrito Sanitário, Nelson

Mendes.

De cima da carrocerja de um caminhão

os oradores dissertaram sobre

o papel repressivo do sistema político

que mantém importantes municípios

sob a tutela do governo federal. Eis

um resumo do que falou cada um.

FONSECA (deputado estadual

PMDB) - "É urgente que os militares

entreguem o poder aos civis. Nós

queremos eleição direta para presidente

da República. A democracia

defendida pelo sr. João Figueiredo

deve passar pela boca das urnas. Estamos

assistindo a corrupção, aos ladrões

de colarinho branco, aos escândalos

envolvendo altas figuras do governo

federal. Enquanto isso um jornalista

está preso no cárcere da ditadura

e eu me refiro ao Juvêncio Maszarollo.

Povo de Foz do Iguaçu, precisamos

derrubar a Lei de Segurança

Nacional, sensibilizar o Congresso Nacional

para que caia a lei que criou os

chamados Municípios de segurança

nacional. Prefeito imposto não é prefeito".

SACOMORI (vereador -PMDB)-

"Queremos eleger o prefeito para que

acabe a corrupção institucionalizada

existente em nosso Município. Como

vereador estou em contato permanente

com o povo e há um descontentamento

em todos os segmentos de nossa

sociedade. E lastimável o estado

em que se encontra o Município.

Gastaram-se rios de dinheiro e o Município

está abandonado. Hoje Foz

do Iguaçu ostenta uma dívida enorme

a os bairros estão numa situação lastimável.

O prefeito não presta contas

ao povo porque ele não foi eleito.

Fazem e desfazem sem dar o mínimo

de satisfação a esta população trabalhadora

a ordeira. Por isso queremos

eleger prefeito".

ARTHUR MELLO (da Comissão

pró-Associação dos Favelados -

PDT) - "Nós, os trabalhadores que

somos o sustentáculo da nação temos

título da eleitor e não podemos eleger

prefeito( ... ), Área de segurança

nacional foi criada porque este governo

não é do povo. Eu sou favelado

porque as máquinas me expulsaram

do campo. Falam em reforma agrária,

mas é pura demagogia. No dia em que

houver reforma agrária acabam-se as

favelas. Queremos eleger prefeito porque

este que está ai nem sabe

quantos favelados existem em Foz do

Iguaçu". -

CAI TO QUINTANA (deputado

estadual - PMDB) - "Somos obrigados

a engolir os biônicos que ocupam

as Prefeituras. Segurança nacional é

coisa muito mais importante do que

a eleição de um prefeito. Segurança

nacional é a presença física do trabalhador

nos Municípios que fazem

fronteira com Outros Países. Segurança

nacional é feita todos os dias

pelas crianças que vão na escola, pelos

homens e mulheres que trabalhant

pela juventude que busca seu caminho

de pés no chão. Segurança nacional

não se faz tirando do bolso o nome

de um interventor e colocando

numa Prefeitura como se isso bastasse

para dar segurança a uma nação. Não

estamos aqui pedindo a substituição

do interventor em Foz do Iguaçu por

um outro nomeado pelo PMDB. Estamos

aqui pedindo para que os homens

que ocupam cargos públicos

sejam eleitos pelo povo".

ALUIZIO PALMAR (dirigente

do PDT) - "Nós do PDT estamos

aqui hoje para mostar o nosso repúdio

à intervenção federal no Município

de Foz do Iguaçu. Estamos aqui

para mostrar nossa indignação contra

esta situação que perdura por mais de

18 anos. Hoje ainda, apesar do povo

ter repudiado nas urnas a administração

do coronel Cunha Vianna, eles

continuam mandando e aprontando

à revelia do povo. Até quando vamos

ter na Prefeitura um interventor federal

comprometido com ltaipu (da

qual é empregado) e com as emproiteras?

Até quando vamos ter ocupando

a Prefeitura municipal de Foz do

Iguaçu esta administração comprometida

com a corrupção institucionalizada

criada pelos anos de ditadura

militar e que foi repudida pelas urnas.

O povo está perdendo a paciência

e precisamos eleger prefeito antes

que a revolta popular saia do controle

das direções partidárias e outras organizações

populares. Prefeito pra ser

prefeito tem que ser eleito".

DOBRANDINO DA SILVA (vereador

e presidente do Diretório do

PMDB) - "Estamos lutandos aqui pela

democracia no País. Queremos

conquistar nossa liberdade. Queremos

eleger prefeito. Nós fomos eleitos pelo

povo e queremos que o prefeito

também seja; no dia 15 de novembro

o povo de Foz do Iguaçu repudiou o

prefeito nomeado. Ele foi derrotado

nas urnas. Estamos esperando o seu

pedido de exoneração, a sua renúncia

É o mínimo que se se pode esperar.

É ema questão de respeito ao povo".

SÉRGIO SPADA (deputado estadual

- PMDB) - "Povo de Foz do Iguaçu,

apesar de termos vencido nas

eleições do dia 15 de novembro, temos

aí ocupando a Prefeitura o interventor

nomeado pela ditadura até

os dias de hoje. Em nossas andanças

pelos bairros de Foz do Iguaçu temos

assistido o abandono em que se encontra

o município e a revolta da população.

E revoltados estão todas as

forças vivas de Foz do Iguaçu, comerciantes,

industriais, hoteleiros, agricultores

e assalariados. Ninguém mais

aguenta a permanência do coronel

Cunha Vianna no Executivo Municipal

e este ato do CONAM é apenas

um aviso prévio para que ele vá embora.

Este ato público, a presença de

vocês nesta hora e no meio da semana

demonstra que o povo quer eleger

prefeito. Muitos dizem que estes atos

não levam a nada. Mas foi assim,companheiros,

com manifestações em

praça pública, que conquistamos a

anistia, que derrubamos o A15 e que

conquistamos a eleição direta para

governador. Foi o povo protestando

nas ruas que conquistou este espaço

democrático. Não foi da cima para

baixo. Os vereadores do PDS e o deputado

deste partido ligado a estes

vereadores vivem bradando que são

também a favor de eleição para prefeito,

mas dizem isso da boca prá fora.

Na hora de se pronunciar ficam escondidos

atrás das cor-tinas. E na hora

de votar a favor de uma emenda constitucional

que restabelecia eleição

para prefeito, como foi no ano passa-

O!»

do. eles se retiraram do plenário.

É urgente a eleição de prefeito

nos municípios da chamada "área de

segurança nacional", estamos cansados

de interventores inescrupulosos

que não fazem nada e ainda têm a ar

rogáncia de dizer que não tem dinheiro

na Prefeitura. Usam o dinheiro

público sem nenhum critério, gastam

e depois tem suas prestações de coo

tas rejeitadas. Entreguem o cargo

nhores incompetentes. O povo est

cansado de seus desmandos. Queremos

eleger prefeito",

Fonseca: "E urgente que os militares

entreguem o poder para os civis".

.- á1 Alio

Caito: "Somos obrigados a engolir os

biónicos que ocupam as prefeituras".

LI

Aluiz io: Precisamos eleger prefeito

antes que o povo perca a paciência".


S'

c r psi

Polícia de

S .Miguel

prende ladrões

Ao contrário da pol(cia de

Foz do Iguaçu, que está mais interessada

em fazer duelos na

Avenida Brasil e colocar em risco

a vida de pessoas, a Polícia

de São Miguel do Iguaçu tem

mostrado serviço. Na noite do último

dia 7 os agentes daquela cidade

prenderam Dirceu Luiz de

Toledo e os menores O.G.L. e

A.B.M. Os três arrombaram a

residência de José Garcia da Silva,

onde furtaram os seguintes

objetos: uma televisão Philips 16

polegadas, um toca-fita Sharp,

um toca-discos Aiko, várias fitas

K7 e roupas de uso pessoal.

No momento da prisão, os

encontravam-se em compade

Adolfo Linhares da Momais

conhecido como "neguinho",elemento

com passagem

pela Delegacia...

Os menores portavam um

revólver e confessaram à Polícia

que pretendiam assaltar várias -esidéncias

em São Miguel do Iguaçu

e depois vender os objetos

roubados em Foz e no Paraguai.

Para o transporte da "mercadoria"

iriam roubaruma Rural

de propriedade de um verdureiro

residente nas proximidades

do Posto Califa.

Emerson e o

estacionamento

do Estoril

Os proprietários do Hotel

Estoril e do Mirante Hotel, em

Foz, sempre se intitularam "donos"

do trecho da Avenida Republica

Argentina que passa em

frente daquele hotel. Após várias

reclamações de motoristas e

transeuntes que corriam perigo

de sofrer acidentes, o vereador

Emerson Wagner (PDS/Foz) entrou

com indicação ao prefeito

Cunha Vianna, solicitando a

proibição do estacionamento de

veículos naquele local.

Emerson explicou que o local

é impróprio para estacionamento,

pois coloca em risco a vida

de pessoas e disse que é hora

dos proprietários daquele hotel

pensarem em construir o estacionamento

próprio, a exemplo

de tantos outros hotéis da cidade

das três fronteiras.

VEREADOR EMERSON WAGNER

Prefeitura

está jogando

inheiro do pov

pela janela

Na semana passada o vereador

Severino Sacomori (PMDB/

Foz) andava pelos corredores da

Câmara Municipal com a prestação

de contas da Mesa Diretora

anterior daquela Casa e queria

saber onde, como e por quê fora

gasto cada centavo do dinheiro

do povo. Ele reclamou de alguns

telefonemas e também da

exorbitância que é paga à companhia

que aluga a máquina fotocopiadora:

cerca de 90 mil

cruzeiros por mês.

Mas não é só atrás das contas

da Câmara de Vereadores que

Sacomori tem andado. Quem tira

o sono do combativo vereador

são as contas da Prefeitura Municipal,

"Somente no mês de outubro-disse

Sacomori a Prefeitura

gastou mais de 400 mil cruzeiros

em telefonemas". Ele ficou

assustado ao perceber que

somente em um telefonema o

Ginásio de Esportes "torrou

nada menos que 48 mil cruzeiros,

além de notar que durante

o mês da campanha eleitoral (novembro

de 82) a Prefeitura atendeu

38 telefonemas a cobrar.

- Sacomori salientou a necessidade

da união dos vereadores

no sentido de pressionar o coronel-prefeito

a "prestar conta do

dinheiro do povo que está sendo

jogado pela janela".

Sacomori entrou também

com requerimento na Prefeitura

pedindo ao prefeito para que explique

como é feita a pesagem

dos caminhões de lixo cia "Mosca",

empresa que explora (nos

dois sentidos) a coleta de lixo da

cidade. O vereador está desconfiado

de que há mutreta na jogad,a.

Outra preocupação do vereador

peemedebista é saber

quanto a Codefi arrecada com a

exploração do serviço de visitacão

ao canteiro de obras da Itaipu

Binacional.

Neto

decepciona

peemedebistas

1-orari) simpIesmite decepcionantes

as declara( :ões do expresidente

do Diretório do

PMDB de Foz do Iguacu, José

Leopoldino Neto, â revista "Três

Poderes". Já na primeira pergunta

Neto mostrou total inabilidade

ao responder que "não posso

frequentar o Diretório porque

minhas idéias são diferentes dos

demais membros. Não chegamos

a um denominador comum e

muitas vezes nossas divergências

entram no campo da violência

que acaba deturpando e dificultando

o bom relacionamento

entre nós".

Não pararam por aí as desastrosas

declarações do ex-líder

peemedebista: "As convenções

foram somente para inglês

ver" , como se o resultado das

urnas que deu vitória ao deputado

Sérgio Spada não representasse

a vontade popular.

Ao final da entrevista, Neto

teve a petulância de declarar:

"Já que não existem condições de

termos um prefeito eleito pelo

povo,que pelo menos tenhamos

um prefeito indicado pela Itaipu

ou pêlo governo federal ou estadual,

mas que seja daqui de Foz"

A matéria em questão foi

muito mal recebida pelos autênticos

peemedebistas de Foz do Iguaçu,

que chegam a acreditar

ser esta mais uma das tantas manobras

urdidas pela "troupe" do

PDS, aproveitando-se da ingenuidade

política de Leopoldino Neto.

Neto:

trotando

Lk os pés pelas

mãos.

ODr. Álvaro

W. Albuquerque

• Dr. Agenor

de Paula Marins

Dr.

Cláudio Rorato

Dr. Antonio

•— Vanderli Moreira

Dr. Ademir

O flor

Dr. Santo

aQ!in

no

1

o

(/) R. Benjamim

Constant, 45

0.] Fozdolguaçu

O Profilurb II foi (-onstruido em terreno pantanoso. \li U ou in-

COIlI 1,etencia

Trocaram favela por um banhado

Preocupada com o abandono

em que se encontra o Prófilurb

II, conjunto habitacional

destinado às pessoas de baixa

renda, a vereadora e presidente

da Câmara, Arialba Freire (PM-

DB/Foz), enviou requerimento

ao alcaide Cunha Vianna pedindo

informações sobre as providências

a serem tomadas "com

referência ao saneamento do

Profilurb II".

Para a vereadora,a criação

do bairro visando o desfavelamento

de nada adiantou, "visto

que os barracos situados anteriormente

em terreno seco e central

ofereciam melhores condições

de vida para esse tipo de

população carente, do que agora,

quando residem em casas financiadas,

mas que oferecem péssimas

condições de moradia ".

Arialba mandou bater várias

fotografias e anexou-as ao reque-

rimento explicando que "as

casas forma construídas em local

pantanoso, sem que fosse

feito o trabalho de infra-estrutura

necessário, e em consequência

existe grande quantidade

de água estagnada e contaminada

tanto em vias públicas

quanto nos terrenos das casas,

colocando em risco a saúde dos

moradores".

Arialba

rntrOu na

)riga pelos

'noradores

o ProfiJurb

PONTO DE

ENCONTRO

RESTAURANTE

LANCHONETE

PIZZARIA A LA CARTE

ATENDEMOS ATÉ 2 HORAS

DA MANHÃ

Avenida Brasil, 1010 frente a Prosdócirno)

ao lado da Farmácia Diana - Foz cio Iguaçu Pr

o

-'


Pessoal do PMDB de Cascavel

anda fulo da vida com o(s)

cavalo(s) de Tróia infiltrado(s)

em suas fileiras. Tem gente fazendo

jogo duplo, entregando o

ouro para os bandidos, e a coisa

pode esquentar de uma hora

para outra. Conhecida figura da

praça estaria sendo vista com frequência

confabulando e conchavando

com setores de oposição

ao governo municipal do PMDB.

ço Vai cai r do cavalo, porque traidor

nenhum

hri

4 . ..-'-"-," conseguiu,.'-,- .

z fazer carreira política na dita

Q capital do Oeste. O eleitorado

a. não perdoa.

Lii

pS1U

Tércio:

o fariseu com

cara de anjo

Subitamente o deputado

Tércio Albuquerque (PDS/Foz)

se arvorou em defensor de Paulo

Pimentel e do que ele classificou

de "perseguição política às

empresas do ex-governador".

Sem entrar no mérito da

questão (ler editorial da, edição

passada), Tércio Albuquerque

não tem autoridade moral para

falar em boicote contra órgãos

de imprensa, pois quando ele era

o todo-poderoso ditador de Foz

do Iguaçu usou das mais sórdidas

formas de perseguição ao jornal

NOSSO TEMPO,que insistia

em combater os desmandos administrativos

do biônico Cunha

Vianna bem como as aprontadas

da Itaipu Binacional, Unicon

e Cia. de quem o ilustre deputado

era funcionário.

Só para que os leitores tenham

uma idéia, em 82, durante

a campanha eleitoral,

pessoa que se dizia emissário do

nobre deputado passou em várias

empresas que mantinham

publicidade nas páginas de-NOS-

SO TEMPO, exigindo que o

anúncio fosse retirado sob a

ameaça de "rigorosa fiscalização"

e mesmo "boicote a todo e qualquer

financiamento".

Richa não está usando das

mesmas armas, mas mesmo assim

Tércio Albuquerque farisaicamente

se coloca ao lado de Pimentel

e esquece-se do seu próprio

telhado.

Traidor pode

cair do cavalo

ca Curso

o no SENAC

O SENAC - Serviço Nacional

de Aprendizagem Comercial

N está avisando aos interessados

que será realizado um curso de

1 confeiteiro no período de 25 de

abril a 28 de julho, no horário

das 14 a s 18 horas. Inscrições

e melhores informações poderão

O ser obtidas na Secretaria do

SENAC (Centro Social Urbano)

o Z ou pelo fone 74-1239, em Foz.

Pimentel

já era

Paulo Pimentel tem lá suas

ambições e razões na implacável

campanha contra o governo

de José Richa, , e, por extensão,

contra os interesses do Paraná.

O Richa, efetivamente, exagerou

um pouco ao explodir contra a

nefasta, inglória, injusta e precipitada

investida de Pimentel e

seus meios de comunicação contra

o novo governador.

Contudo, sem mexer nos

méritos da intriga, uma coisa é

certa: Pimentel, decididamente,

passa a se constituir numa péssima

alternativa de governo do Estado

no futuro. O papo dele é

o mais reacionário, o mais imobilista

e retrógrado em circulação

no País. Não tem nada de

novo, nadinha que possa empolgar

o povo. E de uma mediocridade

de causar dó. Não dá nem

para acreditar que tenha sido

eleito governador tempos idos.

Bem, no mínimo estacionou naqueles

tempos e até está fazendo

uma forcinha para recuar

mais um pouco. Sabe de uma

coisa? Vai perder - se já não

perdeu - o bonde da história.

Se é esse o tipo de adversário

que o Rjcha, o PMDB et caterva

tem pela frente, é moleza.

Esse pessoalzinho já era e tá acabado.

PS - O melhor jornalismo

televisivo de Curitiba é feito pelo

Canal 12 - no melhor estilo

"padrão global". Por falar nisso,

parece que a excelente repórter

Sabina Petoviski foi trabalhar na

Globo em São Paulo. Assim não

dá.

Olhai o

Brizola

O que o Leonel Brizola está

fazendo no Rio já vale um governo.

Em menos de trinta dias de

mandato meteu na cadeia onze

assassinos (da polícia) pertencentes

aos famigerados Esquadrões

da Morte. E está com uns cem

mais na alça da mira. Os governos

de oposição que sigam o

exemplo. Temos que acabar com

os bandidos gerados pela ditadura.

A policia, hoje, é um poder

paralelo onipotente e arrogante.

Deus me livre da policia que

com os bandidos eu trato.

«Dino, aqui

é o Richa»

O telefone estridulou na ca

sa do presidente do Diretório

Municipal do PMDB de Foz do

Iguacu, Dobrandino Gustavo da

Silva. Era terça-feira, 7 horas da

manhã:

- O Dobrandino está?

- Está sim. Está tomando

café. Quem está falando?

- E o Richa.

A esposa do presidente do

PMDB levou o recado:

- O telefone é prá você, Dino,

e quem está falando é o governador

José Richa.

- Deve ser brincadeira de

colegas. Richa não iria telefonar

a uma hora dessas.

Dobrandino percebeu que

não era trote ao erguer o aparelho

e reconhecer a voz do governador.

O assunto era o mais espinhoso

de todos: a presidência da

Paranatur. Richa explicou ao

presidente do Diretório que o

nome do indicado seria Alceu

Vezzozzo, integrante da direção

do Hotel Bourbon.

Após muito bate-papo,

ficou acertado que Vezzozzo faria

uma visita imediata a Foz do

Iguaçu onde entraria em contato

com lideranças da cidade para esquematizar

um plano conjunto,

visando incrementar o turismo.

Só assim Dobrandino concordou

em abrir mão da reivindicação

que exigia que o presidente da

Paranatur fosse um iquaçuense.

Pague a dívida

Diversos escalões do governo

têm insistido na participação

do povo "no esforço de recuperação

nacional". Ë a tal coisa:

comeram o filé, enquanto davam

coices e agora atiram o osso para

o povo roer. E tem mais: querem

que este mesmo povo pague a divida

deles. Dívida feita com dêsmandos,

corrupção e negociatas.

Nada feito, nós não vamos pagar

nada. O dinheiro depositado

na Suíça - pelos ladrões -

dá bem pra pagar tudo.

Semancol nele

Em Santa Helena, na margem

do grande lago, foi eleito

um vereador que fala mais que

"o homem da cobra". Em um

mês de mandato já deixou todo

mundo louco. O pior é que não

diz coisa-com-coisa. Já anda correndo

uma lista para comprar

"Semancol" para o dito.

r

o

'LU uhI

Para que tenham uma idéia

do nível de conhecimento da juiza

Maria Aparecida Bianco de Lima,

que nos condenou a pagar

multa porque trabalhamos, aqui

vai um demo nst raçãoz i nha.

Quando conduzia as audiências

das testemunhas de defesa

no processo que nos moveram

pela Lei de Segurança Nacional,

a juíza Maria Aparecida perguntava

assim aos depoentes: "Pode

dizer se os acusados faziam PRO-

SETILISMO ideológico?"

Pois é, além do caráter inquisitorial

e ofensivo da pergunta,

mostrou nem conhecer a papalavra

que usava. Não é "prosetilismo",

mas proselitismo. Se a

juíza não conhece a ordem morfêmica

da palavra, menos ainda

deve conhecer seu significado, e

parece que formulava a pergunta

porque esta fora feita na carta

precatória pela Auditoria Militar

de Curitiba. Não deu para

saber se a palavra veio errada da

Auditoria Militar e por isso não

dá para atribuir o mesmo nível

de ignorância da juíza às autoridades

de lá. Em todo caso, Maria

Aparecida Bianco de Lima,

pupila do Kopytowski, não conhecendo

uma palavra tão elementar,

mostrou também a

quantas anda sua "curtura".

Outro erro crasso que ela

cometia nos interrogatórios era

quanto ao uso do verbo "haver"

no sentido de existir. Exemplo:

'Sabe dizer se HOUVERAM

problemas entre as autoridades

e...?" Ora, o certo é "Saber dizer

se HOUVE problemas...?" A

gramática manda que o verbo

"haver" usado no sentido de

"existir" fique sempre no singular,

mesmo que o objeto direto

seja plural.

E depois o procurador militar

Péricles ainda me pede comprovação

de que tenho curso superior

em Letras... (Ju).

• Moda Infantil

• Moda Feminina

• Moda Masculina

• Moda Esportiva

• Calçados

Pára com isso,

S. Pedro

Ei, São Pedro, como está a

bagunça aí em cima? Quem afinal

está mandando no setor de

relações exteriores da vida eterna?

Quem está no papel de anjo

exterminador, que a toda hor

dá uma passac por nosso desafortunado

Brasil e leva o que há

de melhor?

Ouça-nos, ó Deus. Esqueceu

que a tradição diz que você é

brasileiro? Não parece. Vá ser

implacável assim lá no Pentágono

ou na Casa Branca. Qual é a

tua, Homem do Céu ? Tanto safado

vivendo 70, 80 anos no Brasil

e os "santos" desígnios do

Todo-Poderoso vêm buscar justamente

a Clara Nunes? E isso depois

de ter levado a Leila Diniz

há alguns anos, a Elis Regina há

pouco mais de um ano, o Jardel

Filho e o Garrincha há poucos

meses. Vê se pode? Examina a

consciência aí com teus assessores

encarregados dos assuntos da

face da Terra e chega, tá?

Quando morreu a Leila, um

desastre de avião, também morreu

junto o Filinto Müller. •Mas

ara, para levar a Clara Nunes,

devia levar também, no mínimo,

uns dez efedapê entre a trupe

que inferníza os brasileiros e que

não precisa nem dizer o nome,

porque todo mundo sabe quem

são, e também não se deve dizer

o nome para não cair de novo

nas garras da LSN.

E isso ai', Deus dos Exércitos

(êpa); é isso ai, S. Pedro,

E o protesto que deixo nestas

páginas, porque fiquei muito

triste com a usurpação da encantadora

Clarinha dentre este povo

tão sofrido e melancólico. (Ju).

*

• Promoções

• Boutique

• Show Room

• Moda Jovem

ona azinc

AVENIDA BRASIL, 520 E 530

FONE 73-2394


Falencias,4

estagnação

e luturo

Os vizinhos do lago de Itaipu

agricultores e comerciantes

ribeirinhos - voltarão a reunirse

novamente em assembléia

geral neste sábado, dia 23, em

Santa Helena, para discutir problemas

comuns: a estagnação a

que estão condenadas muitas vilas

e povoados, separados que foram

das respectivas sede municipais

pelas águas do lago; estradas

interrompidas e ausência de pontes;

propriedades e imóveis prejudicados

pelo súbito aparecimento

de vertentes após o enchimento

do lago; e desapropriações

ainda não pagas pela Itaipu

Binacional.

A abertura do encontro está

prevista para as 9h. no Clube

União, e dele deverão participar

o deputado Sérgio Spada, possivelmente

o secretário Nelton

Friedrich (do Interior), e o agricultor

Marcelo Barth, da Comissão

Pastoral da Terra.

SITUAÇÃO DRAMÁTICA

A situação em que se encontram

as comunidades à beira do

lago de Itaipu chega a se dramática.

Em Santa Helena, por

exemplo, a própria Associação

Comercial e Industrial denunciou

que houve uma queda muito

acentuada no movimento comercial

após a desocupação das

terras expropriadas, tanto que

diversas empresas estão fechando

suas portas e há sintomas de desemprego

em massa que estão

deixando as autoridades preocupadas.

Além disso, a clientela

paraguaia que atravessava o Rio

Paraná para comprar no Município

deixou de fazê-lo após a formação

do lago.

Casos de malária já foram detectados,

e povoados como Correa

Porto, Dois Irmãos, Vila Celeste

e São Vicente Chico ficaram

praticamente isoladas; seus

moradores têm de percorrer

grandes distâncias para chegar

até a sede municipal. Marcelo

incerto

Barth, por sua vez, apontou casos

de colonos que hoje são

obrigados a deslocamentos de

até 50 quilômetros - quando

antes a distância era inferior 10.

O comércio de Esquina Rosa,

ainda no Município de Santa

Helena, "está praticamente falido".

No Município de São Miguel

do Iguaçu, as linhas de ônibus

que demandavam a localidades

que hoje são ribeirinhas praticamente

deixaram de ser exploradas,

por terem se tornado deficitárias.

No povoado de Jacutinga

(S. Miguel), o lago atingiu

o sistema de abastecimento d'água.

Já o hoteleiro de São José

do Itavó "está falido",conforme

salientaram os ribeirinhos na assembléia'

realizada em fevereiro.

As populações desses e de outros

povoados também temem a

ação de marginais que estão contrabandeando

carros para o Paraguai

através do lago.

Em São Clemente, no Município

de Santa Helena, agricultores

foram surpreendidos com o

surgimento de vertentes em suas

2PETRO8WAS •

LOTEAMENTO PORTAL IDA FOZ

VIZINHOS DE ITÁIPU

DISCUTEM PROBLEMAS

u ,. » úprio entre

posto da Cotrefal foi invadido

pela água quando o lago atingiu

a cota dos 117,8 metros. Este

mesmo entreposto perdeu 450

associados em função das desapropriações,

e hoje está com capacidade

de armazenamento

ociosa. Também em Entre Rios

lMunic(pio de M. C. Rondon)

registrou-se infiltração de água

em silos.

Os ribeirinhos vão sugerir à

ltaipu, na reunião de sábado,

que lhes seja permitido cultivar

- durante algum tempo - a

assim chamada "área de segurança"

adjacente ao lago. Em troca

eles fariam a conservação desses

trechos com a plantação de árvores

que evitariam a

erosão do solo.

Também voltarão a ser

debatidos, desta vez com maior

profundidade, os problemas que

de um modo geral têm afetado

a todos: desde estagnação do setor

comercial, até a questão do

escoamento da produção,

dificultada pela ausência de pontes

e pela inundação de inumeias

estradas.

À1t

- A

COPPELLI & MILAN LTDA.

Rua Jorge Schimmelpfeng, 440- Fone (0455) 74-1742

CEP85.890 - FOZDOIGUAÇU - PARANÁ

NOBRE ASSESSORIA IMOBILIÃRIA

=

Onças pintadas: muito agressivas

A morte de quatro animais

e a substituição de cinco funcionários

do Parque Municipal de

Cascavel, mantido pela Prefeitura,

foi o que bastou para que setores

de oposição à administração

peemedebista concluíssem

apressadamente que leões, onças,

pássaros e demais habitantes do

mini-200 estavam sendo

sacrificados pela fome e por descaso.

A verdade parece ser bem

outra.

Segundo fonte da Prefeitura

de Cascavel, realmente cinco dos

nove funcionários do parque foram

substituídos, mas por terem

negligenciado o atendimento aos

animais. A dispensa deu-se logo

após o incidente registradono

dia 20 de março,quando uma puma

foi atacada e trucidada pela

onça pintada fêmea do zoo. Pessoa

não identificada abriu - criminosamente

- a portinhola que

separa os felinos e eles se engalfinharam.

Sobreviveu a onça pintada,

mais forte e agressiva.

A morte dos demais animais

- uma leoa, dois macacos e uma

irara - deu-se por doença e intoxicação.

Nenhum morreu de fome,

como reveleram exames posteriores.

A leoa, disse a médica-veterinária

Gladis Dalmina, responsável

pela assistência aos animais,

estava muito velha: tinha 18

anos. Encontrava-se doente há

muito tempo, antes mesmo de

ser remetida do zoológico de Curitiba

para o míni-zoo de Cascavel.

Ainda no capital fora constatado

que ela sofria de alguma

• F;ZBR-277 frente no Rfain Pálace Hotel -Fone 73 4529

e CAS(AVEL AvenHn BnslI. 1.777 - Fone 23-0185

MORTE NO ZOO

GERA POLÊMICA

doença pulmonar, mas mesmo

com o tratamento a que foi submetida

em Cascavel não apresentou

melhora. "Nos últimos

tempos - disse a veterinária -

ela emagreceu bastante e praticamente

não reagia ao tratamento

a que era submetida.

Quando morreu, constatamos

através da necrópsia que ela sofria

de um problema pulmonar

grave, provavelmente tuberculo-

se. O pulmão direito estava de- -

composto, transformado numa

massa esbranquiçada, e o pulmão

esquerdo também encontrava-se

seriamente afetado".

No caso dos macacos e da

irara, exames laboratoriais comprovaram

que eles foram vitimados

por uma toxi-infecção. Bactérias

do tipo "proteus",altamente

patogênicas, foram encontradas

nas vísceras dos animais. GIádis

Dalmina acha que eles podem

ter ingerido água ou comida contaminada.

Muita gente costuma

jogar pipoca, amendoim e outros

comestíveis aos bichos. É uma

atitude que a veterinária condena,

pois predispõe-os a desarranjos

intestinais.

"Há alguns dias atrás - comentou

Gladis - encontramos

até pimenta vermelha na jaula

dos quatis. E o leão africano,

uma das atrações maiores do zoo,

costuma ter diarréia na segundaeira,

porque no domingo, quando

o número de visitantes é elevado,

há pessoas que o provocam

só para vê-lo urrar. Coisas desse

tipo 'mexem' com o animal, tornando-o

nervoso e irritadiço, e a

diarréia é a consequência. Até

pedras nós já encontramos na

jaula."

A médica-veterinária tem vários

planos para o mini-zoo.

Ela que pretende, por exemplo,

implantar um ambulatório

veterinário e adquirir uma geladeira

frigorifica destinada à conservação

de alimentos. A água

servida aos animais está sendo

tratada.

O acervo será ampliado na

medida do possível, através de

convénios com outros zoológicos.

E também sempre existe a possibilidade

de os próprios habitantes

do mni-zoo se multiplicarem.

As esperanças estão depositadas

atualmente na onça fêmea,

que vem de recente lua-de-mel

com seu co'npanheiro.


ao

Lixo de Foz: mau cheiro e milhões de moscas

LIXÃO MUNICIPAL

É UM ESCÂNDALO

Vereadores de Foz do

Iguaçu estão escandalizados com

o assim chamado "aterro sanitário",

local onde é depositado todo

o lixo da cidade e que, por

omissão dos responsáveis,

converteu-se num fenomenal foco

de moscas, além de contaminar

com seu mau cheiro residências

situadas a várias centenas de

metros do local.

Os vereadores Perci Lima,

Severino Sacomori, Justino Bianco,

Carlos Campanha e Sérgio

Lobato foram pessoalmente

comprovar denúncias formuladas

por dezenas de moradores das

proximidades, e chegaram à conclusão

de que o aterramento do

lixo deve ser feito em menor es-

Vereadores foram comprovar denúncias

paço de tempo e a dedetização

intensificada.

Mas o descaso não ocorre

apenas no lixão. O vereador Justino

Bianco denunciou na Câmara

que a própria SUCAM,em

sua luta contra a proliferação da

malária na cidade das três fronteiras,

está sendo obrigada ela

própria a recolher detritos, principalmente

latas e pneus velhos,

objetos onde costuma aninharse

o mosquito transmissor da

doença. Fazendo coro com a SU-

CAM, Biarico solicitou que a Câmara

assuma a bandeira da conscientizacão

da comunidade no

sentido de manter os terrenos

baldios devidamente limpos.

CÁL€ O 15,,

IER 1 '^11:1€Á

AVENIDA BRASIL, 1807

FONE: 234865

CASCAVEL

PARANÁ -

Scanagata vai depor

contra Pedro Muilato

O empresário Jacy Miguel

Scanagatta, ex-prefeito de Cascavel,

vai depor no Forum da Comarca,

dia 26 de abril, às 14 horas,

no processo que a Justiça está

movendo contra o ex-prefeito

e também empresário Pedro

Muffato, acusado do desvio de

verba, pagamento a funcionáriosfantasmas

e desvio de material

de construção pertencente

à Escola Hélio Balarotti, de

Santa Teresa, O processo está

tramitando a pedido do próprio

Scanagatta que, após uma

auditoi ia nas contas de Muffato,

decidiu encaminhar os documentos

ao Ministério Público.

Este apresentou denúncia contra

o ex-prefeito enfim aceita pelo

juiz da 2a. Vara Criminal por entender

que há indícios de irregularidades

que precisarão ser apurados

ao longo da ação penal.

O proceso, dividido em dois

volumes, já possui 403 páginas;

ele foi instaurado em 14 de dezembro

de 1.981 com o recebimento

da queixa-crime, após

conclusão do inquérito policial.

Embora alegue ter sido processado

por Scanagatta, seu conhecido

adversário, em razão de perseguições

políticas, o ex-prefeito

Pedro Muffato poderá enfrentar

problemas se não conseguir

provar que é inocente das acusações

que lhe são feitas. Faz

tempo que o empresário (proprietário

da TV Tarobá e de uma rede

de 12 supermercados) depôs

em juízo: em 13 de outubro do

ano passado. Em menos de duas

laudas, Muffato quase nada

acrescentou que pudesse elucidar

a trama, que, segundo ele, Scanagatta

lhe preparou. O conhecido

automobilista de Fórmula 2

por exemplo, não sabe informar

se houve desvio de parte da verba

repassada pela Fundepar

para a construção da escola em

Santa Teresa, no total de Cr$

450 mil. Quanto aos 17 empregados-fantasmas

em nome dos

quais foram emitidos os cheques

relativos ao tempo em que trabalharam

na construção, ele

nada soube dizer, afirmando

que todos eles foram pagos com

cheque nominal a partir de uma

relação confeccionada pelo empreiteiro

Antonio Saibert, que

não foi localizado e portanto declarado

réu revel. O ex-prefeito

sabe apenas que a verba fora repassada

pelo MEC à Fundepar;

que, no final, de 1,976 compareceu

um técnico do órgão instruindo

a equipe do prefeito

acerca da forma de prestação de

contas do dinheiro. Mas, em 31

de dezembro, ao fechar seu balanço,

o prefeito notou que a escola

não estava ainda pronta. Ele

mandou comprar o material com

a verba e depositou-o no almoxarifado

do Município (na época,

o Ginásio de Esportes). Se

não tivesse adotado aquela providência,

o Município precisaria

devolver o dinheiro que sobrou.

Ocorre que o material sumiu ou

teria sido empregado em outra

Lanchonete

Ipanema

Oseu ponto de encontro em Santa Terinha

Mini lanches, refeições, aperitivos ,etc.

Br 277, Km 518,anexo ao Posto Montemezzo

obra do Município, seis meses

depois,já na gestão jacysista.

TERMOS DUROS

Muffato, na realidade, não

demonstra grande preocupação

com esse processo. O ex-prefeito

está sendo processado com

outras 1 pessoas de sua antiga

equipe: Osvaldo Segalla, da

SVOP, Antonio Saibert e Itelvi'

no do Amaral. O texto da

denúncia, contudo, foi um

pouco duro com o ex-prefeito

porque o promotor escreveu

que ele, Muffato, "entrou em

conluio com os demais" promovendo

"desvio de parte da quantia

repassada ao Município de

Cascavel", para mais adiante esclarecer,

com base nas peças do

inquérito policial já concluído,

que eles, inclusive Muffato, "dividiram

entre si o numerário (dinheiro)".

Muito tranquilo, o ex-prefeito

Pedro Muffato já disse em varias

entrevistas à imprensa que,

ao deixar o cargo em fevereiro

de 1.977, foi alvo de uma feroz

perseguição movida pelo seu sucessor

- no caso, Scanagatta -,

como o possivel intuito de destrui-lo

politicamente. Se a perseguição

existiu, parece não ter gerado

resultados: Muffato consolidou-se

do ponto de vista empresarial

e goza hoje de um prestígio

reconhecido até por antigos

adversários.

S. HELENA: PMDB FISCALIZA PREFEITURA

Mesmo em minoria no Legilativo

e enfrentando um prefeito

nomeado,o Diretório Municipal

do PMDB de Santa Helena

vem conseguindo realizar um

bom trabaho de fiscalização dos

atos do Executivo. Nesse sentido,

tem sido destacada a atuação

do vereador Milton Schulz

(vice-presidente do Setor Jovem

do PMDB), que iniciou o seu

mandato requerendo ao prefeito

biónico Naudé Pedro Prates a

prestação de uma série de informações.

Um das solicitações

prende-se à destinação dada a

uma carga de canos de concreto

que seriam utilizados na am-

pliação da rede de águas pluviais.

O vereador quer saber detalhadamente

se esse material foi

vendido ou não e,em caso afirmativo,o

nome do adquirente,

seu enderçeo, e cópias dos documentos

contábeis relativos à

transação.

Outro pedido de informações

formulado por Milton

Schultz refere-se às verbas eventualmente

destinadas pela Secretaria

de Desenvolvimento dos

Municípios à Prefeitura de Santa

Helena durante o exercício

de 1.982. O vere3dor também

quer saber quanto a municipa-

Vereador

Milton

Schui ti

1 ~

--w

"- !

lidade gastou com combustível

no período de setembro a

novembro do ano passado.

Outro vereador do PMDB,

Juelci Ferrari, quer dados sobre

o quadro de funcionários da Prefitura

e os valores dos respectivos

vencimentos.

Em todos os requerimentos

apresentados, os vereadores fizeram

constar o termo "prefeito

nomeado-,uma irônica inovação

em termos de protocolo...

I 110

FIQUE LIGADO NA

PMM!Á

MARECHAL

CANDIDO RONDON


Laghi exige

terreno de

O prefeito Osvaldo Laghi

(PMDB), de Assis Chateaubriand,

autorizou o

advogado Bolívar Brettas,

assessor jurídico da municipalidade,

a ingressar em juízo

com uma ação de declaração

de nulidade de ato

jurídico contra a Associação

Paranaense de Ensino

Superior, com sede em Apucarana,

no norte do Estado.

O prefeito está exigindo a

devolução ao Município de

Assis Chateaubriand de um

terreno localizado próximo

ao edifício do Paço, com 17

mil 663 metros quadrados,

avaliado em mais de 20 milhões

de cruzeiros. A área

formada de 6 lotes havia sido

doada pelo ex-prefeito

Koite Dodo,do PDS, para

20 anos depois de sua implantação,

a rede de esgotos de

Cascavel será, ao que tudo indica,

ampliada. Cidade com mais

de 100 mil habitantes(o Município

tem 180 mil) espalhados por

um perímetros urbano de 84

quilômetros quadrados, Cascavel

está edificada sobre milhares de

fossas, já que a rede de esgotos

resume-se a algumas poucas quadras

no miolo central da urbe.

Desde o que o então prefeito

Octacilio Mion decidiu, há

duas décadas atrás, dotar a cidade

dessa obra de saneamento,

nenhum outro mandatário atreveu-se

a ampliá-la acompanhando

o crescimento da cidade. A

área urbana expandiu-se, nasceram

dezenas de novos bairros e

loteamentos, mas a rede de esgotos

permaneceu a mesma. Por

dois motivos: ou faltavam verbas

ou, raciocinavam os chefes de

Executivo, não haveria nenhum

retorno político. Afinal, cano

enterrado - ainda mais sendo

de esgotos - não dá voto.

aquela entidade, e teria como

finalidade a instalação

da Universidade Euclides de

Figueiredo (Unijef), lacrada

pela Polícia Federal a pedido

do MEC.

O advogado Bolivar

Brettas, em entrevista ao

"Nosso Tempo-, disse que o

ex-prefeito deixou transcorrer

mais de dois anos para

solicitar a adjudicação do

pedido, atitude que ele interpretou

como sendo uma

demonstração de "negligência"

por parte do prefeito

Koite Dodo. De sua vez o

prefeito Osvaldo Laghi

considera importante a medida

"que possibilitará o

melhor aproveitamento desse

terreno".

A nova administração do

PMDB decidiu-se e quer enfrentar

a parada: a Prefeitura está

apressando a Sanepar para que

execute o projeto técnico o

quanto antes. Depois disso, cori

forme revelou o secretário de

Viação e Obras, Pedro Boaretto,

começará a caçada às verbas e,

finalmente, o inicio das obras.

Boaretto destacou que a

ampliação é encarada como

"obra prioritária" pela administração

Tolentino, e sua execução

constituirá "um verdadeiro

desafio" tanto pelo volume de

recursos necessários quanto pelas

dificuldades de ordem técnica a

serem superadas. Não será uma

tarefa fácil. O secretário calcula

que o esgoto poderia custar, a

preços de hoje em torno de 4 bilhões

de cruzeiros, cifra superior

ao orçamento municipal de

83. No caso, 75 por cento do

ônus caberiam à Sanepar e 25

por cento à Prefeitura.

Não estão delineadas as

árçis de Cascavel a serem bene-

na

ç

Osvaldo Laghi, prefeito de

Asi. ( .lIateaubnan(l

KOITE NÃO COMPARECE

O ex-prefeito Koite Dodo

deverá ser várias vezes

processado para explicar irregularidades

ocorridas em

sua gestão. Uma das ações

ficiadas; isto será definido no

projeto técnico. De qualquer

forma, sabe-se que a ampliação

começará a partir do centro da

cidade.

O próprio prefeito Tolentino,

em sucessivas entrevistas à

imprensa, tem reiterado que vê

a ampliação da rede de esgotos

como meta prioritária de sua administração.

O prefeito acha que

é preciso encarar a questão, pois

a cidade, com seu perímetro urbano

de 85 quilómetros quadrados,

expandiu-se a tal ponto, que

seria "uma afronta às gerações

futuras se postergássemos ainda

mais a solução do problema",

disse Tolentino, "Não é possível

que uma cidade com as dimensões

de Cascavel tenha uma

Justiça

Milhoes

populares que já tramita no

Forum da Comarca o acusa

de ter autorizado o pagamento

de quase 2 milhões

de cruzeiros em "despesas

de fotos coloridas para indigentes";

pagamento de vistoria

de inspeção realizada

em 10 poços artesianos do

Município num só dia,

quando a tarefa só poderia

ter sido executada em 45

dias, depois de 360 horas de

trabalho; sem falar em

viagem para Vilhena do exprefeito

Marcos Pardoncin'

quando se sabe que a cidade

dista 3 mil quilômetros

de Assis; tal viagem jamais

poderia ser custeada pelos

cofres da municipalidade,

que nenhum interesse direto

tem com o distante Estado.

ESGOTA: PREFEITO DE CASCAVEL

RESOLVE ENFRENTAR A PARADA

EM FOZ DO IGUACU,

PARAGUAI E ARGENTINA

TOLDOS E COBERTURAS EM LONA E METÁLICOS

FACHADAS METAL ICAS

LUMINOSOS EM GAS NEON

REFORMAS DE FACHADAS E LUMINOSOS

COMPLETA ASSISTENCIA TECNICA EM

FACHADAS LUMINOSOS E TOLDOS

CASCAVEL TOLDOS

277 F jridr-, d,i Ir irrsigu


OZI

0.

tu

o

1

co

cl

tu

o

o CL

w

1o

o

2

Durante mais de uma hora,

na quinta-feira da semana passada

(dia 14), o governador José

Richa atendeu pacientemente o

repórter do "Nosso Tempo", numa

das mais longas entrevistas

exclusivas concedidas a um Ôrgio

de imprensa depois de sua posse. A

conversa foi ampla: da questão

dos prefeitos biônicos ao problema

dos agricultores sem terras,

passando pela problemática

carcerária e a prisão de Juv'ncio

Mazzarollo. Eis a entrevista:

* A entrevista foi concedida antes do encontro

RIcha-Fugueuredo

—-

N T - Qual o balanço do primeiro

mês de governo?

R ICHA - Nestes primeiros trinta

dias estamos todos trabalhando

até 18 horas por dia, adequando

a máquina do Estado às necessidades

do povo paranaense. Estamos

criando os mecanismos para que

este governo cumpra na íntegra o

seu programa de campanha. Para

tanto uma série de medidas já foram

tomadas neste sentido.

N T -- Está havendo problemas de

relacionamento com os prefeitos da

chamada "área de segurança"?

RICHA - Olha, há alguns Municípios

onde está havendo problemas.

Estes problemas não são criados

por nós, de nossa parte não partiu

nada, mas da parte deles, sim.

Então fica uma convivência difícil

de acontecer.

N T - Quer dizer que as substituições

são urgentes?

RICHA - Eu vou levar ao presidente

esta dificuldade no relacionamento,

principalmente com alguns

prefeitos da chamada "área

de segurança nacional". Mas a solução

do problema depende do presidente(*)

A lei diz que cabe ao

governador nomear, mas cabe só ao

presidente demitir, então eu estou

aqui amarrado. Só posso propor

uma lista tríplice ao presidente para

que ele homologue e depois me

mande para que eu escolha somente

se houver vacância do cargo. Se não

houver estou amarrado, estou impedido.

E o que diz a lei.

N T - E quanto à Paranatur? Foz

do Iguaçu vinha reivindicando um

espaço na direção do órgão, devido a

sua importância como pólo turístico

do Estado.

R ICHA -- Esta questão já está

decidida. O Vezozzo aceitou assumir

a presidência da Paranatur. E

com isso imagino que atendo em

parte o desejo do Diretório de Foz

do Iguaçu, que reivindicava pelo

menos uma diretoria da Paranatur.

Eu desde o início já tinha pensado

nesta solução. De alguém de Foz do

Iguaçu e alguém do litoral estar incluídos

no programa de turismo do

Paraná. E então ficou muito boa a

diretoria. O Alceu atende de Foz do

Iguaçu até o norte do Estado. Ele

tem hotel em Foz do Iguaçu e em

Londrina. Uma diretoria ficou com

alguém ligado ao litoral e outra diretoria

com o Eduardo Pereira, um

técnico em turismo com cursos de especialização

na área, inclusive no

exterior. E um dos maiores técnicos

em turismo que temos aqui no Paraná.

N T -- Que encaminhamentos

pretende dar à questão dos agricultores

sem terra? Só o Mastro (Movimento

dos Agricultores Sem Terra

no Oeste) listou cerca de seis mil

pessoas...

RICHA - Eu já nomeei uma comissão

para analisar genericamente

o problema do desemprego, o problema

dos desajustes. Esta comissão

que foi instalada na segundafeira

me prometeu dar um diagnóstico

da situação em breve.

E a partir daí vamos ver. De

exclusivo

acordo com as sugestões que esta

comissão me trouxer acionaremos

os mecanismos que dispomos para

buscar as possíveis soluções. Esta

comissão é paritária, ou seja estaãk

composta por órgãos do governo e

da comunidade. O presidente da -

comissão paritária é o secretário da

Agricultura. Os outros dois membros

do governo são os secretários

do Interior e de Assuntos Comunitários.

Os três representantes da comunidade

são os presidentes da Federação

da Agricultura do Paraná,

da Federação dos Trabalhadores na

Agricultura do Paraná e um representante

da Comissão Pastoral da

Terra.

N T Existe uma responsabilidade

do governo federal em tudo isto.

O modelo agrícola voltado para

o mercado externo criou profundos

desajustes na área rural aumentando

o número dos sem-terras. O governo

estadual pretende negociar a solução

do problema com a área federal?

RICHA - Esta comissão vai levantar

a situação, enfatizando os focos

de maior tensão,e exatamente

o principal foco de tensão é o Extremo

Oeste. Depois do levantamento

vão me trazer as sugestões.

E aí nós vamos ver o que depende,

o que é da competência do governo

do Estado. Então começaremos

imediatamente a agir. Já o que não

for de nossa competência vamos levar

pra área federal. Este problema

terá que ser resolvido pelos governos

estadual e federal envolven-


do as Prefeituras da área.

N T - Os recursos para a solução

deste problema bem que poderiam

ser os "royalties" devidos por

Itaipu à União. O governo do Estado

vai reivindicar para o Paraná estes

"royalties"?

RICHA - O problema dos

"royalties" pode entrar também na

solução destes problemas, que em

parte foram criados pela construção

das hidrelétricas. Eu já disse ao

presidente da Eletrobrás, que nós

vamos brigar, no bom sentido, com

o governo federal para que estes

"royalties" sejam do Paraná. Nós

achamos que de direito pertencem

ao Paraná. Vamos agora lutar para

que também sejam de fato.

N T - Inclusive é possível vincular

a solução do problema social

com estes "royalties"...

RICHA - Olha, eu até me dispus

a elaborar um programa de

aproveitamento de gestão desses recursos

de uma forma mais ou

menos vinculada ao problema social

gerado por essas desapropriações ou

então aplicar uma parte desses recursos

no próprio setor energético.

Estou com o problema de eletrificação

rural, por exemplo. Nosso programa

é levar energia elétrica a um

número de pelo menos 50 por cento

dos proprietários rurais do Parana.

Hoje está em 15,5 por cento.

Então nosso plano é até um pouco

arrojado.

N T - Este projeto daria uma

solução somente a uma parcela dos

desempregados na região.

RICHA - Não resta dúvida.

Mas o principal aí é ver a eletrificação

como um fator de fixação do

homem no campo e como um fator

de geração de mais empregos. Quanto

melhores condições forem dadas

à propriedade agrícola, mais ela

tem para funcionar e ir abrindo,

ela própria, pela sua melhor utilização,

um potencial de emprego muito

grande. Uma coisa é a propriedade

rural hoje, tocada de forma

. empírica, outra coisa é gerira propriedade

em condições dela se organizar

melhor. Então ela vai ser

melhor utilizada e naturalmente

empregando mais mão de obra. Além

dos empregos diretos, no próprio

programa de eletrificação vão ser

gerados uma série de benefi'cios tais

como a fixação do homem na área

rural.

N T - Mas a concretização deste

programa de eletrificação rural

depende do encontro com o presidente?

RICHA - Praticamente não. O

nosso programa não depende nem ir

ao presidente. Isto está sendo bem

encaminhado pelas áreas do governo

federal. Mas a concretização

em maior ou menor escala desse

programa depende da gente viabilizar

recursos que vão ser divididos

em três partes. Uma parte será do

próprio BID e as outras duas partirão

de recursos próprios e do proprietário

rural. Para aqueles que não

têm condições tentaremos viabilizar

financiamentos. Então, veja

bem, por isso eu disseque este programa

vai ser mais ou menos acelerado,dependencjo

dos recursos que

nós vamos conseguir colocar. São

30 milhões de dólares, dos quais

120 milhões de dólares são de nossa

responsabilidade nesses quatro

anos. E evidente que vou ter muita

dificuldade para conseguir os re-

cursos para viabilizar este programa.

Então é aí que vem a parte dos

"royalties" que estou admitindo jogar

nesse programa.

N T - Como o governo pensa

solucionar o problema dos ilhéus e

de outros flagelados pelas cheias

do rio Paraná?

RICHA - Nosso pessoal está se

reunindo com eles. O Bonfim esteve

lá esta semana, trouxe um

relatório e acertou uma fórmula

de emergência para atendê-los de

forma imediata.

N T - Há uma tese por aí que

diz serem as construções de hidrelétricas

as causadoras destas cheias. O

governo como vê isso?

RICHA - O Procurador Geral

do Estado está em cima do problema

para estudar. Há uma causa e esta

causa envolve também outros governos,

inclusive o de São Paulo.

Nós não queremos, de repente, ficar

donos do problema. Vamos estudar

profundamente a causa des -

tas enchentes. Nós vamos demonstrar

aos interessados que estamos

atentos e que vamos ser os advogados

deles. Vamos jogar o peso político

do governo do Estado na solução

do problema deles. Nós não

queremos é que eles ilusoriamente,

por incompetância nossa, de repente

comecem a gritar que o problema

é nosso. Então nós estamos identificando

exatamente e na proporção

devida os responsáveis pela

coisa. Vamos exigir juridicamente

a responsabilidade de parte dos responsáveis

por estas enchentes.

Então nós queremos que para a solução

deste problema haja a participação

daqueles que estão gerando

este problema. Se os estudos encomendados

constatarem que as represas

de Jupiá (SP) e Itaipu (PR)

são responsáveis pelas enchentes,

iremos conversar com seus diretores

e exigir o ressarcimento dos prejuízos

causados aos ilhéus, pecuaristas,

agricultores e industriais paranaenses.

N T - Como vê a permanência

de Juvêncio Iviazzarollo no cárcere

mesmo depois da vitória do PMDB

no Estado? O que é possível ao governo

fazer em relação ao caso?

RICHA - Não somos os donos

do problema, mas nem por isso estamos

desatentos. Até por uma

questão de natureza moral. O nosso

secretário de Justiça tem estado

atento. O Juvéncio está somente

sob a nossa custódia. Entretanto,

ele conta com a nossa ação no sentido

de verificar o que pode ser feito

por ele a nível do governo do

Estado. O que pudermos fazer será

feito.

N T - O procurador geral da

República pediu mais três anos-para

o Juvêncio. Este pedido, acredita-se,

está ligado à vitória da oposição no

Paraná. Seria uma vingança. Manter

um preso político como exemplo

na verdade o transforma num símbolo.

Uueremos saber se o governo

estadual vai manter alguma gestão

com o governo federal para solucionar

este problema.

RICHA - Pode-se fazer isto.

Aliás,devemos fazer isto. Pedi inclusive

ao nosso secretário de Justiça

que faça um contato com o ministro

da Justiça. Além do problema

Juvêncio, nós temos mil e um problemas

por aí. A questão carcerária

é seríssima. Um pouco antes de

nossa posse tivemos aquela rebelião

que foi uma coisa extraordinária.

Foi a maior rebelião em presídios

aqui do Paraná. Depois disso já houve,

no nosso período, dois problemas

que também nos preocupam

e que decorrem das péssimas condições

carcerárias do Paraná. E pelo

que estou informado há alguns recursos

para este programa. Tanto é

que o Rio de Janeiro está recebendo

um bilhão de cruzeiros para remodelação

de sua estrutura carcerária.

Então já pedi ao Horácio que

fizesse este contato. Que levasse

este problema que me parece tão

grave como o do Rio de Janeiro.

ri 1 - Que medidas o governo

está pensando em adotar contra a

corrupção, tortura e arbitrariedade

que caracterizam a ação policial em

Foz do Iguaçu e região?

RICHA - Nós estamos através

da Secretaria de Segurança tomando

todas as providências para

solucionar este problema. Em nosso

programa de governo com participação

popular quem souberdeum

preso que sofreu qualquer tipo de

tortura ou atos de corrupção deve

procurar o diretório local do PMDB

ou então os mecanismos que possui

a sociedade, e fazer sua denúncia.

O respeito aos direitos da pessoa

humana é para nós um princí -

pio sagrado.


("1

4 Z

-4 a.

ca

tu'

4

tu

o

co

N

«

tu

o

o

a,

tu

1-

o

o

Z

i Iiitt , r'-ri a 1 ra_i1ia

UNIVERSIDADE:

A BRIGA CONTINUA

Depois de ter tropeçado durante

vários meses no acidentado

caminho da burocracia, o processo

de transformação da Fecivel

- Fundação Faculdade de Educação,

Ciências e Letras de Cascavel

-'em Universidade parece

ganhar nova agilidade.

Recebido na semana passada

pela ministra Esther Figueiredo

Ferraz, o prefeito de Cascavel

Fidelcino Tolentino, saiu do gabinete

n. 1 do MEC visivelmente

satisfeito: as perspectivas de criacão

da Universidade de Cascavel

— Univel seriam "animadoras"

segundo o prefeito, que peregrinou

a Brasília justamente para

interceder pela agilização do processo

e levar às autoridades federais

a preocupação com que a

comunidade oestina encara a

questão,

A documentação, por estar

incompleta, foi devolvida a Curitiba,

para lhe ser anexado um

relatório complementar sobre o

ensino de primeiro grau na reyiao.

Cumprida esta formalidade,

') processo será novamente apreciado

pelo MEC e, "não havendo

mais nenhum impedimento de

natureza normativa ou legal, será

finalmente remetido ao presidente

da República para deliberação

final", resumiu o prefeito.

Tolentino sabe que a criação

de novos complexos de ensino

superior tem encontrado resistências

em Brasília, dada a proliferação

inciisciiminada de cursos registrada

nos ultimos anos. Mas,

entende ele, a criacão da Univel

é "uma questão de justiça" paia

com a região, dado o seu potencial

económico (produção de

10 por cento da soja e 17 por

cento do trigo do País, e 25 por

cento do milho do Estado).

Também nos 29 Municípios do

Oeste concentram-se 1,2 milhão

de habitantes. "Nada mais coerente,

portanto, que também tenhamos

a nossa universidade",

sentenciou. -

O senador Alvaro Dias, que

acompanhou Tolentino na peregrinação

ao ,MEC, permaneceu

em Brasília com o título de "embaixador

de Cascavel" junto

àquele órgão público. Missão: ficar

em cima do lance para que o

processo não encalhe mais uma

vez.

MUNDO DOS ESPORTES

Revendedor exclusivo

RAINHA

Ltt- ' it1,iir Rbouçi 74.8 Foz do lyuaçu

UPE reclama bens confiscados

interior O secretário do Nelton

Friedrich recebeu em

iudiéncia na semana passada a

presidente era União Nacional

dos Estudantes, Clara Araujo, o

diretor da regional Sul, Valter

Téli, e o diretor da União Paranaense

dos Estudantes, Paulo

Nietze. Durante o encontro, Nelton

manifestou seu apoio a legalização

das duas entidades estudantis,

argumentando que se

constituem historicamente em

legítimas representantes do estudantado

brasileiro e paranaense.

Clara Araujo veio ao Paraná

buscar o apoio de Nelton Frieclrich

e outras lideranças p011'-

Uma comissão constituída

pelos vereadores Just ino Banco,

Antonio das Graças e Carlos

Campana está percorrendo as escolas

de Foz do Iguaçu, realizando

um levantamento dos problemas,

especialmente na parte

tocante à merenda escolar.

Várias reclamações chegaiam

- Câmara Municipal iguaçuens

iiid contt ili fada de me-

renda nos primeiros meses deste

ano e os vereadores convocaram

a coordenadora da Merenda Escolar

em Foz do Iguaçu, Sebastiana

Martinelli, a prestar esclarecimentos.

A coordenadora alegou

que este ano chegou uma

quantidade "muito pequena" de

merenda e por essa razão está

faltando nas escolas, principalmente

nas mant idas pela Adefi,

ricas pata a campanha em favor

da legalização da UNE, da reivindicação

de destinacão de 12

por cento do orçamento da

União à educação, e solicitou ao

secretário do Interior esforços

no sentido de devover à UPE

seu patrimônio. Como se sabe, o

patrimônio da entidade foi con -

fiscado pelo Estado após 64, e

hoje sua sede é ocupada pela Paranatur.

Nelton Friedrich, que foi

presidente do Diretório Acadêmico

da Faculdade de Direito da

Católica na década de 60, desde

81 vem fazendo levantamentos

sobre a documentação compro-

Sebastiana,que também é secretária

de Educação do Município

de Foz, garantiu aos vereadores

que faz visitas periódicas

às escolas municipais e pediu aos

vereadores para vistoriar as escolas

em sua companhia. Os edis

não concordaram com a idéia,

por entenderem que a presença

da secretária poderia intimidaras

professoras e diretoras,

"Nosso Tempo" acompanhou

os vereadores até algumas

escolas localizadas no loteamento

Portal da Foz e Rincão São

Francisco, Em todas há falta de

merenda e em algumas não há

carteiras, Na Escola Castelo

Branco existe merenda somente

por mais 15 dias, "Este ano só

veio óleo mas no ano passado

chegou a sobrar merenda", explicou

a diretora, Nilse Parise da

Rosa. Em sua escola faltam

também carteiras, uma máquina

de escrever e, vez por outra,

água.

Na Escola Emílio de Menezes,

onde estudam 1.500 alunos,

os vereadores também registraram

a falta de merenda. "Este

ano as crianças estão comendo o

que sobrou do ano passado ",

explicou a diretora. Ela se queixou

também da ausência de iluminação,

pois as lâmpadas queimam

com frequência e não há

verba para a reposição, bem como

do imenso matagal existente

em volta da escola.

Semelhante problema vem

enfrentando a Escola João XXIII.

Lá existem 800 alunos e apenas

750 carteiras, e por essa razão

1

batôtia de propriedade da União

Paranaense dos Estudantes. A

reivindicação dos estudantes tornou-se,

na campanha eleitoral,

um compromisso do governo José

Richa, que deve, em breve,

concretizar a devolução dos bens

Para o secretário do Interior,

tanto a UNE como a UPE, atravês

dos seus dirigentes, vem contribuindo

para o avanço da luta

pela conquista das liberdades políticas,

"e o processo de reconquista

da democracia não pode

prescindir destas formas organizativas

do importante segmento

da nossa sociedade que são os

estudantes".

Vereadores fiscalizam escolas

todos os dias é necessário levar

carteiras para outras salas

jogando com alunos que não

comparecem em determinado

dia. A grande preocupação da diretora,

entretanto, é com a

construção de maior número de

salas de aula, "Aqui muitos alu-

o

nos ficaram sem aula porque não

havia mais vagas". Quanto à merenda,

a exemplo dos outro

colégios, "este ano só veio óleo,

bem ao contrário do ano passado,

quando sobrou merenda".

r''a Escola João XXIII existem

seis banheiros, sendo três para

meninas e três para meninos,

mas apenas dois estão funcionando.

Há falta também de torneiras

e existe uma fossa coberta

apenas com tábuas, exalando um

odor desagradável.

Das escolas visitadas pelos

vereadores no prir'neiro dia, a

que se encontra em pior situação

é a São Miguel, situada no

Rincão São Francisco. Lá os banheiros

estão entupidos, muros

caidos, torneiras com vazamento

e em uma sala de aula, quando

chove, fica impossível a permanência

de alunos e professores.

Um monte de lixo está à porta

do colégio há meses, sem que a

Prefeitura ou a "Mosca" passe

para apanhá-lo.

Sebastiana Martinelli havia

dito que faz "visitas frequentes"

às escolas, mas os vereadores,

em contato com as diretoras,

ficaram sabendo que a última

vez em que a secretária dignouse

ir aos estabelecimentos foi no

ano passado, durante a campanha

política.

,íø doi 10

1..

M— ik

há rrir'ri'rila r---ri)lar i Ialtarrt i:arteira_

1


P1s unción Distribuidora

de Peças Ltda. Engrenagens, Anjs, Pistões, KRa, etc.

MATRIZ:

Av. Juscelino

Kuhitschek. 2447

Fones: 73-1414 e 73-1699

FOZ 1)0 IGUAÇU - PR

INVASAO

Incra diz que observa

conflitos em Matelândia

O INCRA(lnstituro Nacional

de Colonização e Reforma

Agrária), através do Projeto Fundiário

do Paraná sediado em Cascavel,

está tão somente observando

a mobilização dos posseiros

da Fazendas Reunidas Padroeira

do Brasil, localizada em

Matelândia.

Cansadas de serem exploradas

pelos supostos proprietários

da extensa gleba (4 mil hectares)

400 famílias de agricultores, aproximadamente,decidiramocupar

o imóvel, exigindo a titulação

das terras em seus nomes. O

movimento está contando com o

apoio de diversas entidades: ainda

esta semana uma comissão

composta de quatro pessoas viajou

para Curitiba a fim de expor

o problema aos deputados do

PMDB exigindo sua interferên-

-ia em favor da regularização Os oosseiros dizem que estão "cansados de serem explorados"

Sdas

áreas ocupadas.

mento pela desapropriação da garante que os agricultores se

O INCRA em Cascavel tem gleba para que possam habilitar- encontram numa faixa que não

j urna posição um pouco diferente. se à titulação já que são os únicos pertence à área desapropriada.

Segundo o órgão os problemas na que lhe estão dando a destinação Seja lá como for, os colonos

Gleba 3 da antiga Colônia Rio prevista em lei. Para comprovar abriram estradas, piquetearam e

Quarto tiveram origem numa má isto eles citam os 60 mil sacos de ioteararn a terra construindo bar-

alocação dos sub-arrendamentos. milho que estão colhendo nesse racos para nela se fixarem. Estão

Apesar disso o órgão entende ser momento. Para que isto fosse unidos e coesos e, principalmen-

quase inquestionável o domínio possível, em redime de mutirão te conscientes das dificuldades

das terras pelo fazendeiro Fran- os colonos reativaram uma anti- que deverão enfrentar na luta pecisco

de Paula Minolli. Isto quer ga estrada com 22 quilômetros Ia posse do que já consideram

dizer que o extenso latifundio em plena fazenda.

seu. Sempre que algum problema

pertence mesmo ao fazendeiro O ITC(Instituto de Terras e ameaça a todos, eles se reúnem e

que, mansa e pacificamente, es- Cartografia), órgão do governo tomam suas decisões em conjuntende

seu domínio sobre a área, estadual, está preparando um re- to. Uma delas foi efetuar em

explorando-a dentro das suas latório que deverá ser encami- Juizo o depósito de 10 por cento

conveniências. Mais do que isto; nhado ao governador José Richa. de tudo o que produzem,ao inse

existem irregularidades nos Trata-se de um levantamento vês de entregar 30 até 35

contratos de sub-arrendamento

estes devem ser solucionados pela

justiça. Cabe ao órgão, essencialmente

executivo que é, cumprir

as possíveis decisões de caráter

judicial.

A realidade, contudo, parece

ser outra. Os ex-arrendatários

manifestam-se dispostos a permanecer

na propriedade que estão

reivindicando para si. Querem,

em outras palavras, a titulação

definitiva em seu favor, depois

de descobrirem que a fazenda

não possui dono legítimo,

pois o filho, Francisco, a pleitea

contra seu pai, Pedro Minoili;

este, por sua vez, permite que

sua amásia Gladis Seixas Duarte

emita contratos colocando mais

gente na propriedade. Nem um e

nem outro vêm ocupando toda

a fazenda e plantando regularmente.

Com base nisso, os arrendatários

estão fazendo um movi-

por

cartorial destinado a conhecer cento aos supostos donos da faem

profundidade as transcriões zenda, como faziam antigamente.

imobiliárias existentes e seus be- O advogado Domingos Bordin,

neficiários.

contratado pelos colonos, está

preparando a petição da ação de

Seja lá como for, apoiados depósito de parceria que deverá

dar entrada nos próximos dias

eComissão

m diversas Pastoral da Terra entidades visando assegurar como os direitos dos a

agricultores da Padroeira. Ele te-

(CPT). Mastro (Movimento dos sumiu numa palavra a situação

Trabalhadores sem em Terra Matelândia:"Aquilo do Oes- é uma

te do Paraná) e sindicatos,os

lonos não terão grande dif icu Ida- escravidão

autos de desapropriação

branca. Já solicitei

da gleba

os

des

em ver assegurados seus direitos.

O INCRA teria dois cami- para estudar a fundo o problema

nhos: requerer a desapropriação e verificar qual o encaminha meno

to que daremos ao caso. De qualda

gleba em virtude da constata- quer forma, os agricultores estão

ção de uma situação de tensão ou sendo explorados. Ingressaremos

promover o assentamento das

na Justiça, através do Sindicato

400 famílias em outra área. Com J dos Trabalhadores Rurais de Ma-

2 mil alqueires, as Fazendas Reunidas

Padroeira do Brasil, de Ma- telândia, e faremos o depósito

telàndia, já tiveram parte de seu dos 10 por cento para que esta

território desapropriado, mas o decida

direito".

a quem deve pertencer de

projeto fundiário em Cascavel

Avenida

Maripá, 1094

Fone: 52-4075 - o

Peças AcesÚi OS para Vo:u:s, Riarneritos

Correras, Bater as, Rodas, Amortecedores,

TOLEDO - PARANÁ

^2"

.,\wniçi Brisil. 727

Fone: 23-0423

FAS('AVEI. PARANÁ

r

t t i ç,1i

Fábio Rosso, presidente da Coopervale

COOPERVALE NO MATO GROSSO

ROSSO

CONSOL

Depois de ostentar entre as

empresas rurais brasileiras, para

não se referir apenas às cooperat ivas

agropecuárias, uma posição

'de nítido destaque ("Exame" a

considerou a 9 maior do país,

em 1981), a Coopervale, sediada

em Palotina, está ajustando

seus programas de expansão à

realidade econômica brasileira. O

agricultor Fábio Rosso, eleito

presidente em 10 de março último,

acha que o clima não

está necessariamente propício à

realização de investimentos de

grande porte". Enquanto não começarem

a soprar suficientemente

fortes os ventos da bonança

indicando que a tempestade recessiva

dissipou-se de vez, a cooperativa

de Palotina pretende

adotar uma política cautelosa na

programação de seus investimentos

em infra-estrutura. Para

quem apresentou em 1.982 um

faturamento bruto da ordem de

23,7 bilhões, o mais elevado

entre as 7 cooperativas singulares

que integram a Cotriguaçu, isso

não deverá representar qualquer

impacto.

O presidente Fábio Rosso,

que recebeu gentilmente

na semana passada o repórter

de NT, opinou que a Coopervale

vai consolidar suas

posições no Mato Grosso, onde

sua área de ação se estende nada

menos por 120 mil quilômetros

quadrados, na região de Diamantino.

Ali, os 467 associados da

Cooperativa recebem assistência,

orientação e fomento na mesma

proporção de seus colegas paranaenses.

A impetuosidade dos

"colonos" oestinos que lá se

encontram, entre os quais Jacy

Scanagatta, Roberto Wypych,

Arlindo Carelli e Octacílio Mion,

já está trazendo dificuldades

1 para a cooperativa palotinense.

Como preparar em tempo recorde

a infra-estrutura de armazenamento

para a produção

anual de arroz, que cresceu

de 121 toneladas em 81 para

27 mil toneladas no ano

passado? Os silos e armazéns

comportam hoje 55 mil toneladas,

mas nos cálculos não estão

computadas as projeções de

colheita de soja que este ano

deverá se situar na faixa dos 300

mil sacas. Ainda se fosse possível

contornar este problema,

os associados da Coopervale,

precisariam ter também estradas

em boas condições para

realizar o escoamento até Cuiabá.

Rosso, contudo, estima para

breve a pavimentação da princi -

pai rodovia na área: "Temos

informações de que faltam ape-

:r

PREVÊ

IDAÇAO

nas 40 quilómetros para a

interligação do Município 'á

malha rodoviária pavimentada".

Ainda no entendimento do

presidente Fábio Rosso, os associados

matogrossenses da Coopervale

têm o regime de chuvas

como uma espécie de madrasta:

"Como chove 8 meses para

apenas 4 meses de clima regulai

a cultura da soja restringe a

atividade do agricultor a uma

colheita por ano". O dirigente

cooperativista está inclinado

a acreditar que "a substituição

do arroz pela soja parece

irreversível", mencionando

que "este ano os agricultores da

área de abrangência colheram 60

sacos por hectare de soja plantada,

indices considerados muito

bons até em relação à produtividade

no Oeste do Paraná

, onde a soja encontrou

condições de solo e clima

ideais".

FASE DE EXPERIÊNCIA

Ao enfatizar que os silo:

graneleiros em Papagaios (MT

distam 2.280 quilómetros d

sede (Palotina), Fábio Rossc

acentuou que nesse momento

cooperativa está atravessandc

uma fase de experiência e

conhecimento do Mato Gross,

onde qualquer grande investi

mento poderia ser desacon

selhável, agora:

- Estamos procurando no

adaptar a culturas diferentes

Torna-se necessário adquirir ex

periéncia através da vivência di

nossos associados naquela regiã

além do estudo aprofundado do

mercados para a colocação dos

produtos ali cultivados. Find )

esse período, buscaremos um

consolidação definitiva pois ai i

lá nossas bases em territóric)

matogrossense estarão bastant e

sólidas".

4.

-j

.,

aL

Wypych: investindo

bém no MT.

tam

i

4

z

-4 o.

a.'

w

o

4

w

o

N

4

o

aw

'o

o 2


4

q?Oi

pS

5'

-AL,Ok

Não existe consenso em

Cascavel acerca do número de

pessoas desempregadas. O prefeito

Fidelcino Tolentino tem

alertado o governador José

Richa, do PMDB, para a gravidade

da situação, sustentando

que 12 mil pessoas procuram

emprego no muncipio, sem qualquer

perspectiva de êxito. Filas

de pessoas passam o dia inteiro

no SINE(Sistema Nacional de

Empregos) em busca de uma

oportunidade de trabalho, mas o

órgão, em suas estatísticas remetidas

diariamente para a Secretaria

da Indústria e Comércio,

não reconhece a dramaticiadade

da questão. Isto é, atento aos

números, o SINE cientificamente

não pode atestara existência

de desemprego em massa em

Cascavel. O mais estranho é que

o órgão federal ligado ao Ministério

do Trabalho e Previdência

Social não só confirma a situação

de estabilidade de empregos

com vai mais além: na cidade

haveria mais pessoas sendo

admitidas no mercado de trabalho

do que sendo dispensadas.

Incrível, não é mesmo?

OS NÚMEROS

Mas vamos aos números:

a Prefeitura de Cascavel alega

que 12 mil trabalhadores estão

€., subempregados ou totalmente

co

sem trabalho, mas em março deste

ano foram dispensados de

seus empregos 1.386 trabalhadores,

ao mesmo tempo em que

foram admitidos 1.384. O que

quer dizer: apenas 2 pessoasfica-

O ram temporariamente sem poder

co trabalhar.

4 Isto não faz parte de uma

estatística isolada, ao contrário

do que se poderia supor. Fosse

1 assim, durante todo o ano paso

sado não teriam sido admitidos

16.317 trabalhadores, contra

apenas 13.983 pessoas que foo

ram parar no olho da rua, como

se diz. Dá para entender?

o

z Os dados acima parecem

PAPA

FIO F

W6

1 /;000^

ø:;) flI

1

11111111119

estar acima de qualquer suspeita.

O responsável pelo posto do

MTPS, advogado Roberto Bitencourt,

que tem facilitado o

trabalho dos lornalistas quando

necessitam ter acesso a estas

informações, disse que pode permitir

até que esses profissionais

assistam à conferência da relação

que as firmas se obrigam a fornecer

ao Ministério contendo as

demissões e admissões de funcionários

dentro de cada mês.

O SINE é o local onde as

pessoas se dirigem sempre que

estão necessitando trabalhar.

Ora, se os patrões podem manipular

suas relações, o órgão do

governo estadual - o SINE - não

teria qualquer interesse em deixar

de registrar o número de

pessoas que buscam vagas no

mercado local de trabalho.

A falta de sintonia nos relatórios

oficiais e a realidade do mercado

de trabalho em Cascavel

salta aos olhos. Bares lotados em

plena luz do dia, pessoas que batem

às portas das firmas à procura

de emprego, comentários de

pessoas em lotações. E, principalmente,

muitos jovens deixando

a cidade em busca de colocação

e salários. Cascavel jamais

viu uma crise tão aguda, sem

qualquer perspectiva de solução,

pois a agricultura atingiu sua

fronteira máxima. Na cidade só

a expansão do setor de prestação

de serviços não basta para empregar

tanta gente, tantos jovens.

GGÓ2

ei•ov

DESEMPREGO

EM CASCAVEL NÃO EXISTE,

DIZEM ÓRGÃOS DO GOVERNO

Vende-se uma panificadora e

confeitaria situada no ponto

mais privilegiado da cidade, com

ótima clientela e venda menal

superior a 8 milhões. Negócio de

ocasião. Preço baixo. Interessados

deverão entrar em contato

pelo fone 72-1965 em Foz do

Iguaçu.

1,,,-

Trentin e Turra foram conversar com Richa

-..

/JiT1 J. g

PRESIDENTE DA AMOP COM RICHA

Recebido em audiência pelo

governador José Richa no último

dia 12, o prefeito de Corbélia e

presidente da AMOP, Delso José

Trentin, apresentou ao chefe do

Executivo uma série de reivindicações

em prol de Corbélia e

dos Municípios integrantes da

AMOP. Richa demonstrou especial

interesse em saber da situação

em que se encontram os novos

Municípios do Oeste, e Trentin

aproveitou a oportunidade

"Não compactuo com o

presidente da Paranatur no caso

da mudança de local do Centro

de Eventos. O Dr. Colassuono

não cumpriu com a sua palavra,

pois as verbas do Centro ainda

estão trancadas em Brasília."

As palavras foram proferidas por

Sérgio Lobato Machado, vereador

de Foz do Iguaçu,

durante uma das últimas sessões

da Câmara.

Lobato criticou ainda os

construtores da Ponte da Fraternidade,

que ligará o Brasil à

Argentina, uma vez que estes

contrataram mão de obra em

outras cidades, "não observando

os milhares de desempregados

existentes em Foz do Iguaçu".

Denunciou que os proprietários

da área desapropriada para a

construção da ponte ainda não

para solicitar que o governo ceda

pelo menos uma motoniveladora

a cada uma destas comunas recém-instaladas.

Outras solicitações

apresentadas ao governador

e demais órgãos estaduais: instalação

de uma unidade da Defesa

Sanitária Animal em Corbélia;

liberação de verba para pagamento

de 150 professores e serventes;

instalação de equipamento

odontológico completo no

posto de saúde; liberação de ver-

receberam o que tinham direito,

dizendo ser isto "um verdadeiro

absurdo".

A principal crítica de Lobato,

entretanto, é com relação á

construção de um alambrado na

estrada que irá até a ponte, que

se constituirá numa "afronta à dignidade

do povo de Foz do

Iguaçu", sugerindo que "estas

empresas que vêm de fora

para construir obras aqui

devem, antes de elaborar o

projeto, consultar o prefeito eas

lideranças da cidade". Segundo o

vereador,o alambrado se constituirá

"numa tela de 10 metros que

ficará parecido com o muro de

Berlim".

Para resolver o problema

com a construção do alambrado,

o verador Lobato enviou requerimento

ao Ministério dos

bas do Prossafras; e equacionamento

dos problemas de erosão

urbana em Corbélia. Finalmente,

junto à Sanepar, o prefeito assinou

convênio para a instalação

da rede d'água no Distrito de

Penha.

O prefeito Delso Trentin

esteve em Curitiba acompanhado

pelo ex-prefeito Laudem ii

Turra. p

Ponte terá «muro de Berlim))

OFERTAS

VÁLIDAS PARA ABRIL

Tinta acrilex fosca para tecido ------- Cr$ 198,00

Tinta fluorescente ....... . ........ Cr$ 234,00

Aparelho p/durex ......... ...... .Cr$ 980,00

Carbono Pelican ........ ........ CrS 240,00

WA DI P E L

- Livraria e Papelaria

- Centro de cópias

A MELHOR QUALIDADE PELO MENOR PREÇO

Avenida Brasil, 805 - Foz do lcivacu

Transportes solicitando a construção

de uma estrada com 17

metros de largura, marginal ao

trevo da Rodovia das Cataratas

po nte

- $

Vradnr S#rnin Lnhatn

/


'..-

voa? ,

& s-4=_à

LI

-r

Nelton Friedrich questão dos bóias-frias é dramática

B Irias

GOVERNO CRIA COMISSÃO ESPECIAL

Coma presença de dezenas

`líderes sindicais, de associações

de moradores de bairros e

ntidades comunitárias foi ofilrnente

instalada, na

Secretaria da Agricultura , a

Comissão Especial do Trabalhador

Volante no Paraná. Em 45

dias, a Comissão fará um levantamento

da situação do bóiafria,

encaminhando ao governador

soluções indicativas para o

problema.

Fazem parte da Comissão os

secretários da Agricultura, Claus

Germer, do Interior, Nelton

Friedrich, Antenor Bonfim, dos

Assuntos Comunitários, os presidentes

da Federação dos Trabalhadores

na Agricultura, Antenor

Beni, o presidente da Federação

da Agricultura, Mário Stadler de

Souza, e Jorge Cantos, da Comissão

Pastoral da Terra.

Para Claus Germer, os 450

mil trabalhadores volantes exisentes

hoje no Paraná constiuem

um dos mais graves prol)

lemas sociais de momento e é

preciso que Se tomem iniciativas

urgentes "tanto para minorar

seus sofrimentos como para

buscar alternativas de solução

que sejam concretas e não paliativas".

Falando também no ato, o

secretário Nelton Friedrich'do

Interior, reconheceu que se enfaixam

nas mãos do governo

federal boa parte das possibilidades

de solução para o problema.

No entanto, assegurou, o governo

do Paraná se recusa a ficar de

braços cruzados, imobilizado.

E a própria criação da Comissão

já é um passo no sentido de se

buscar alternativas.

Friedrich destacou ainda

que a composição da comissão,

com a presença de representantes

de trabalhadores rurais, já demonstra

o propósito do governo

de ouvir aqueles mais diretamente

envolvidos pela questão. Da

mesma forma, afirmou, indo ao

interior para se reunir com os

bóias-frias e seus representantes,

a comissão deixa 'os gabinetes

para ganhar a realidade do dia a

dia do trabalhador, descendo até

ele para saber de suas reivindicações,

sugestões e ansiedades".

SER HUMANO

Por sua vez, Antenor Bern,

presidente da FETAEP, com

muita emoção, relatou as condições

sub-humanas em que vivem

hoje os trabalhadores volantes,

"tratados mais como animais

que como gente, pois eles se privam

até mesmo da ração mínima

necessária à sobrevivência".

Beni fez ainda um apelo para

que o trabalho da comissão

não resultasse apenas "em papéis

e documentos e sim em medidas

concretas, mesmo a gente sabendo

das dificuldades do governo

José Richa, para intervir nesse

problema",

campo para a cidade.

Da mesma forma o presidente

da FAEP, Mário Stadler

de Sou, advertiu: quando terminarem

as colheitas de verão

e o plantio de inverno, milhares

de trabalhadores volantes não

vão ter o que fazer no campo e,

certamente, irão procurar nas cidades

o emprego que lhes falta.

Logo, afirmou, são necessárias

medidas urgentes, antes que a

crise social ganhe contornos mais

graves.

REUNIÕES

LANGE NO ITC

O BIÓLOGO QUE FOI VÍTIMA DO "FACÃO"

ELEITORAL DA ITAIPIJ ESTÁ NOITC

Lange

/a

coordenar

o grupo

que

estuda a

implantação

do Parque

Maru mb i.

LÍDERES SINDICAIS

Depois da fala dos integrantes

da comissão, vários lideres

sindicais e comunitários apoiaram

a iniciativa do governo José

Richa, colocando-se inclusive

à disposição para contribuir no

diagnóstico e na formulação de

propostas de solução.

Segundo esses líderes, o problema

do bóia-fria diz hoje respeito

também ao trabalhador urbano,

pois o êxodo rural continua

transferindo o problema do

No dia 30 deste mês, a Comissão

se desloca para as cidades

de Francisco Beltrão e Cascavel,

reunindo-se com bóias-frias, líderes

sindicais e outras entidades,

levantando o problema. As

mesmas reuniões se repetem no

dia sete de maio, em Jacarezinho

e Apucarana. No dia 11, a reunião

será em Curitiba, já examinando

a situação do bóia-fria na

cidade No dia 25 de maio, Dia

do Trabalhador Rural, será

entregue o relatório conclusivo

ao governador José Richa.

O biólogo Roberto Ribas

Lange, 2o. suplente de vereador

em Foz do. Iguaçu, acaba de assumir

importante cargo no ITC

- Instituto de Terras e Cartografia

do Estado. Ele foi designado

coordenador do grupo executivo

encarregado de levantar e propor

soluções ao problema do Parque

Marumbi, na Serra do Mar.

O Parque Marumbi é uma

antiga aspiração dos paranaenses

e, após o estudo, poderá

aparecer a solução para que o

parque saia do papel.

"A serra - diz Lange -, barreira

entre a ponta do mar e novas

regiões produtoras do Estado

- influenciou e influencia nossa

história e economia. Por isto

mesmo a serra está profundamente

associada à vida dos paranaenses;

é uma das características

do Paraná, assim como é a

bacia de Paranaguá. Vila Velha.

Caratas do Iguaçu..."

O biólogo está preocupado

com o desmatamento da Serra

do Mar, que "pode provocar sérias

consequências, como os acidentes

de Tubarão (1977) e outros.

Os governos anteriores criaram

o Parque apenas legalmente,

no papel. Falta agora resolver a

grave questão decorrente desta

implantação demagógica".

Considerado um dos biólogos

mais competentes do Paraná,

Lange era funcionário da

Itaipu Binacional e foi vítima do

"facão eleitoral" por ter sido

candidato a vereador pelo PMDB

nas últimas eleições, quando obteve

946 votos. A indicação de

Roberto Lange para integrar a

equipe do ITC obteve integral

apoio do Diretório do PMDB de

Foz, que viu assim um modo de

compensar a injustiça praticada

pela Binacional.

DIRETOR OR POLICIA CIVIL

PROMETE MORRUZHR, DELEGACIA

O novo delegado geral da de ladrões de carros,daqueles que mento com um remo e o afoga-

Polícia Civil, Rubens de Quadros passam tóxicos, dos ladrões e as-

confiança que estas secretarias

mento são torturas usuais na

Ribas, prometeu ao deputado sassinos, a polícia faz vistas gros-

possuem na cidade fronteiriça.

6a. SDP de Foz do Iguaçu.

Sérgio Spda uma "limpeza geral" sas. Rubens de Quadros Ribas se

Foram também mantidos conta-

na Delegacia de Polícia de Foz A prostituição em Foz do

tos com os diretores da Ceasa,

comprometeu a moralizar a Ciretran e IPE.

do Iguaçu. Spada, acompanhado Iguaçu, principalmente depois da Policia e pediu, durante audiên-

pelo presidente e secretário do desaceleração das obras de Itaipu, cia mantida com os peemedebis-

Uma das audiências mais

diretório do PMDB de Foz, le- cresceu assustadoramente. O tas de Foz, que o povo fiscalizas-

produtivas foi a mantida com o

vou ao novo delegado geral um maior proprietário de casas de se os policiais e que todas as re-

secretário Nelton Friedrich, Du-

informe bastante amplo sobre a prostituição, as famosas "zonic 1amações fossem enviadas até

rante mais de uma hora foram

escalada de violência e denunnhas', é Michel Lawder,que du- ele via Diretório Municipal do

tratados minuciosamente todas

as questões ligadas à pasta do Inciou

a participação direta e indirante anos mandou e desmandou PMDB ou pelo deputado Sergio

reta de elementos do aparelho na Delegacia . Estas "lanchone- Spada.

terior. Além de Spada, Dobrandino

e Lucas, participou da reu-

policial em vários delitos cometites" e muquifas tanto rio centro Ainda esta semana tomarão nião o ex-candidato a deputado

dos na cidade fronteiriça. e periferia da cidade pagam, posse os novos delegados da 6a. estadual Francisco Fo Itrani Frei-

Desde que tomou posse, o vezes até por semana, "pedágio" SDP, Almery Kochinski e Hildere. O deputado Sérgio Spada co-

novo secretário de Segurança, a certos policiais que dividiram brando de Souza, que foi delegalocou as inúmeras reivindica-

Luiz Felipe Mussi,vem fazendo a cidade entre eles, no melhor do em Ponta Grossa.

ções do município e a necessida

um levantamento dos focos de estilo cinematográfico, imitando Os dirigentes peemedebistas de de serem ocupados os cargos

corrupção e violação dos direitos os "garigsters" de Chicago. que estiveram em Curitiba nos de chefia a nível estadual, em

humanos nas Delegacias de Poli'- Dentro da repartição poli- das 13 e 14 mantiveram também Foz, por homens do PMDB "que

cia. A Delegacia de Foz tem sido cial inocentes são espancados e contatos com os secretários do estejam dispostos a dar o máxi-

apontada como um dos piores há denúncias de que só depois de Interior, Indústria e Comércio, e mo de si para a moralização do

cancros no aparelho policial do pagarem uma quantia a certo Educação. Levaram as reivindica- poder público e o bem-estar do

Estado. Enquanto a Ponte da chefe de departamento são ções de Foz e indicações de no- povo".

Amizade é um corredor natural postos em liberdade. O espanca- mes para ocupar os cargos de

In

4

2

(

-4

C')

co

as

-J

co

4

w

co

Iw

o

w

1o

o

2


Bertoni, diretor-presidente

da Colonizadora Aripuan

do Oest

CASCA VEL - Cinco anos depois,

a Cotriguacu - Coopera ti

va Central Regional /guaçu,com

sede nesta cidade, está pronta

para realizar o assentamento de

agricultores sem terra do Oeste

do Paraná e de outras regiões em

imóvel de sua propriedade no

Mato Grosso. A gleba soma 1 milhão

de hectares,o equivalente a

um estado brasileiro das dimensões

territoriais de Sergipe, ou

nossa micro-região, compreendida

pelos 29 municípios do Oeste

paranaense. Com a assistência de

uma cooperativa que a Cotriguaçu

pretende implantar na área,

os colonos iniciarão a derrubada

da mata desde já se capitalizando

com a sua comercialização e cultivarão

cacau, milho, arroz, café,

feijão, guaratá, abandonando em

definitivo o binô mico do trigo e

soja, que de certa forma foi a

causa principal de seu empobrecimento

aqui. Será uma aventura

de onze anos mas a Cotrigaçu

dispõe de um sócio importante:

o próprio governo federal.

Três empresas foram escolhidas

para atuar como consorciadas

no projeto carreando para lá

sua experiência e solidez financeira;

são a Indeco , Andrade

Gutierrez,e Juruena.

Em principio de maio es

tas empresas já estarão na área

iniciando coma Cotriguacu a implantação

definitiva do projeto.

Está tudo descrito num amplo

relatório que circulou em Cascavel

entre os dirigentes do consórcio

cooperativista em 28 de março

na Assem bléia Geral que decidiu

pela permanência de José

da Luz Ochôa na presidência da

central. O documento inexplicavelmente

está inédito e pela

primeira vez aparece na imprensa,

através de NT.'

O exercício de 1.982 foi fundamentalmente

decisivo para a

Colriyuaçu Colonizadora do Ar puanã

5/A, já que todas as pendências

de ordem política, jurídica e administrativa

que até ent.ío bloqueavam

o andamento normal da Empresa foram

removidas às custas de um trabalho

de empenho pessoal da Diretoria

Executiva, o que dá à Empresa,

atualmente, as condições essenciais

para que possa desenvolver-se atravês

da implantação do pro j eto de colonizço

e, definitivamente, auto

-emancipar-se da tutela econômica da

Cooperativa Central.

Dentre o elenco de providências

que culminou com a solução satisfatona

de todos os problemas, citamos:

a) Acordo com o Governo do

Estado de Mato Grosso e aSsinatura da

escritura publica de re . ratrficação onde

o Governo prorrogou o prazo de

colonização por mais 12 (doze) anos.

)I

( *—.,

José da Luz Ochôa, presidente

da Cotriguaçu

Cinco

e preparícbI

Assinatura do termo de reescalonamonto

da divida junto ao Banco

do Brasil em condições mais favoráveis

(ao invés de operação 63 em

dólares, a divida passou a 12 anos de

prazo com 6 de carência, juros de

6 por cento ao ano e 50 por cento do

valor da correção monetária).

c) Contratação das Empresas de

Colonização: lndeco 5/A. Construtora

Andrade Gutierrez S/A e Juruena

Empreendimentos de Colonização

Ltda., que em regime de prestação

de serviços se incumbirão da implantação

da infra-estrutura física do projeto.

dl Resgate da divida junto aos

Irmãos Douer, com a consequente

liberação das cotas e ações das empresas

coligadas,

e) Venda antecipadã ao INCRA

- Instituto Nacional de Colonização

e Reforma Agrária, de 1.000 lotes de

aproximadamente 100 hectares cada,

cujos recursos possibilitaramo acerto

com o Governo do Estado de Mato

Grosso e Irmãos Douer,

f) Obtenção de linha de crédito

no valor de 655.000 ORTN5 para serem

repassadas às prestadoras de serviços

e poderem dar inicio as obras de

i nf rees tru tu ra.

Mesmo tendo levado a bom termo

a desobstrução dos obstáculos

e entraves existentes, a Diretoria Executiva

obteve as assinaturas formais

somente em 31.07.82. Consequente

mente, sem tempo hábil para dar micio

físico ao projeto, já que dependendo

de elaboração e aprovação por

parte do INCRA. do Ante Projeto e

Projeto definitivo da área, aliado aos

prepa rativos básicos, fatalmente com -

cid iria com a temporada de chuvas na

região, que vai de início de novembro

até o final de março/abril.

Imediatamente após os atos jurídicos

que deram configuração legal

de atuação da empresa, passou-se à

elaboração do Ante-Projeto Global de

Colonização, trabalho que, devido à

sua complexidade e coordenação conjunta

das três empreiteiras, somente

foi entregue ao INCRA no início do

mês de novembro- Referido trabalho,

face ao quadro reduzido de técnicos

na colonizadora, teve o auxílio de alguns

técnicos da Cooperativa Central,

o que evitou o dispêndio de recursos

na contratação de terceiros.

Paralelamente, medidas foram

tomadas no sentido de ativar o Núcleo

Anel, tendo em vista preparar a

Empresa para a obtenção de quatro

objetivos essenciais:

1 - Dotar o Núcleo pioneiro das

condições necessárias para servir como

apoio logístico a todo o empreendimento-

2 - Iniciar uma produção agr

cola e pecuária visando eliminar no

menor espaço de tempo possível a dependência

econômica junto à Cooperativa

Central.

3 - Formar um campo de demonstração

e multiplicação de mudas

e sementes próprias para a região. a

fim de abastecer as necessidades da

queles colonos que lá se instalarão.

4 - Munir-se da tecnologia ne

cessánia às condições especiais e

peculiares da Amazônia, com o objetivo

de prestar serviços de qualidade

a custos menores, a esses mesmos colonos.

Mesmo deparando-se com d

culdades crescentes, tais como: u

A Gleba Aripuanã terá toda a infra-estrutura necessária e os agricultores deixarão de

cultivar apenas soja e trigo, partindo para a diversificação.

anos depois, colonos

im-se para colonizar

tempo exíguo, locomoção precária,

dificuldades de acesso a informações

sobre economia regional, equipe extremamente

reduzida e, principalmente,

operando com recursos escassos

1é que não tem fonte de renda

própria, referidos objetivos foram

perseguidos, iniciados e, sem dúvida

alguma serão alcançados raidamente.

A conjuntura econômica atual

do Pais oferece motivos a reflexões

bastante sombrias, não havendo o

menor motivo para previsões otimistas

no próximo exercício.

Porém, se não há motivos para

euforia apesar da satisfação com o

dever cumprido, também não há motivos

para pessimismo:a crise na qual

estamos envolvidos pode e deve ser

ultrapassada.

A Empresa, face á situação em

que se encontrava e, após a operação

de desobstrução, riSo tem nenhuma

outra alternativa a não ser tocar o

empreendimento da melhor forma

possível, visando tirar o melhor proveito

da situação, já que não há a

menor margem de manobra para protelar,

alterar ou ajustar as regras do

jogo no momento presente.

lNl 'ClO DE ATIVIDADES

1 - Conclusão das obras do novo

acampamento que, iniciado por

Diretorias anteriores e não concluído

em virtude da ação de sequetro das

terras, estava sendo coberto pela mata.

2 - Levantamento topográfico

do perímetro da gleba, obra iniciada

em novembro/81, foi dada Continuidade

durante ao exercício de 1.982.

Presentemente, o referido trabalho

encontra-se em fase final de conclusão.

3 - Abertura de picadões com

15 metros de largura em todo o penimetro

da gleba. Referido trabalho

LANCHES

\\\\\\\\\\\\\ 5«1 L

HOTEL

\\\\\\\\\\\N e

COMPLETO SERVIÇO

1 DE RESTAURANTE

Avenida Brasil, 74- Fone 73-1341

\ \ A LA CARTE FOZ DO IGUAÇU

AUTO ELETRICA'

Troca - Reformas - Cargas

Consertos de Baterias

Dínamo - Partida - Alternador

RAPIDEZ

ESTRELASE PERFEIÇÃO

SETE

GARANTIA

Avenida Juscelino Kubitschek, s/n

Foz do Iguaçu - Paraná

Aripuanã

acompanha imediatamente atrás o

serviço de topografia.

4 - Produção de 130.000 tijolos

e 46.000 telhas para a utilização em

obras, por ocasião da abertura do lo.

Núcleo Urbano.

- Confecção própria dos rr.o-

1 vais para o acampamento (25 camas.

8 beliches, 12 mesas para o refoit -

rio, 48 bancos, mesas e bancos

ra os quartos, cabides, pratele s'.

armários, etc.

6 - Derrubada e queimada de

484 hectares, dando início ao proces.

so de implementação de atividade

renda dentro do Nucleo Anel.

7 - Abertura de 6 carreadores

(5.900 ms) na área derrubada, com

a finalidade de acesso para o plantio

e colheita.

8 - Construção de 3 açudes Próximos

à área de experimentos e viveiro,

possibilitando a retenção de água

para uso no período das secas.

VENDE - SE

Restaurante na Avenida

Brasil'Õtimo ponto commercial.

Excelente movimento.

Aceita-se carro no

negócio.

Interessados tratar na Avenida

Brasil, 1010 - frente

à Casas Pernambucas em

Foz do Iguaçu.


A MORTE DE PAULO CECCONELLO

Testemunhas revelam

MEDIANEIRA - Ainda permanece

sem solução oassassínio do

agricultor Paulo Ceconelio, encontrado

morto em Matelândia no

início do mês. O primeiro suplente

de delegado desta cidade,

Milton Festugatto, disse a "NT"

que tomou o depoimento do

agricultor Danilo Tess,que arrendou

14 alqueires para a vítima.

Embora existam rumores de que

o crime se deu em virtude de um

problema na partilha do arrendamento,

o delegado-adjunto

no quis informar se o agricultor

é suspeito do assassínio.

"Não temos dados concretos,

ainda", observou.

Apesar das poucas inform3cões

da polícia, dois agriculmies

que preferiram no ser

dentificados assistiram toda a

cena do crime em seus menores

detalhes. Eles contaram a este se-

detalhes do crime

manário que três homens que estavam

num Corcel II, branr.o,fecharam

o trator em que Ceconello

se encontrava; tentaram primeiro

sequestrá-lo forçando-o a

entrar no veículo. Como estivessem

usando de violência, o agricultor

resistiu. Os assassinos fizeram

um disparo à queima-roupa

próximo ao ouvido do agricultor,que

acabou levando outro

tiro na cabeça, morrendo no local.

Os três o colocaram dentro

do carro e, em seguida, um desceu

para levar o trator, que acabou

abandonado em Vera Cruz

por causa da falta de combustível.

Embora possa parecer um

latrocínio, a polícia no acredita

nesta hipótesç, achando que

tentaram, com isso despistar as

autoridades.

As duas testemunhas ocula-

res dos fatos poderiam ser úteis

no desvendamento do crime pois

viram inclusive quando um dos

assassinos recusou-se a continuar

dirigindo o trator, por causa da

falta do farol que tornava perigoso

o ato de dirigir. O que estava

na direção do Corcel passou a

conduzir o trator.

CoMtiidde Nossa Scohora Meoeira

MlAWFm2. - PARANÁ

Paulo Cecconeilo:

agricultor, pioneiro e

Irder comunitário.

Nome do Loritrtbuiote

/----

Data de Naar.linezsto

Comtinade

CASCAVEL ESPORTE CLUBE ASSASSINATO

BERNARDINI PROMETE EM MEDIANEIRA

«BOTAR A CASA EM ORDEM))

Se depender da nova diretoria

do Cascavel EC, a população do Oeste

vai ganhar urna agremiação de futebol

com uma estrutura pelo menos

razoável, em condições de edificar as

bases de um clube sólido com

património, quadro social ativo e boa

credibilidade, fatores indispensáveis

ao sucesso de qualquer empreendimento

desta natureza.

Caetano Bernardini. que assumiu

no final de fevereiro, está se

orçando para situar-se no emararihdo

de irregularidades que acabou

n'centrando no clube. Ele mal está

sibendO a situação financeira do Clube.

Mas isso não o preocupa. Já em

punho o Cascavel retorna aos gramados

para disputar o Campeonato Paranaense;

antes disputa alguns amistosos

Cestão falando no Internacional,

de Porto Alegre). Seu raciocínio é

mais ou menos fácil: "Se o time estiver

bem, vai receber o apoio da torcida

e dos empresários. Faremos todos

os esforços para que o Cascavel

faça uma campanha brilhante".

Antes de resolver os problemas

dentro de campo, o Cascavel terá de

regularizar sua situação com os credores.

Comenta-se que o Cascavel deve

perto de 100 milhões a seu ex-presidente

Nelso Vettorello, mas Bernardini

parece não querer tomar

conhecimento desse assunto: "Ele

que prove que devemos tudo isso".

Se o Cascavel vai poder pagar esta

divida, caso o débito fique comprova.

do,é outro problema e o novo presidente

nem ao menos cogita falar em

pagamnto.

'Estou aqui desde fevereiro e

não me disseram nada". O ex-diretor

Benedito Leme da Silva e seus amigos

de diretoria teriam levantado empréstimos

nos bancos em suas contas pessoais.

Algo em torno de uns 5 milhões.

Caetano desconhece igualmente

esses empréstimos: "Eles dizem

que têm para receber do clube, mas

ainda não conversamos sobre isso"

O que Caetano não pode (e nem

deve) ignorar é uma Cobrança judicial

de CrS 3 milhões que dois antigos

jogadores estão fazendo contra o

clube: "É, disso ai eu fui notificado".

O Cascavel Esporte Clube deve

e, um passivo que se situa na faixa

de 25 milhões, de acordo com a con-

Miilidade do presidente Bernardini:

"Foram negócios mal feitos de Verto.

'elIo que assinava nota promissória a

ki

É.

Bernardini: todos os esforços para

uma campanha brilhante

torto e a direito. Eram prémios de jogadores,

luvas, tudo pego em excesso,

uma orgia". Para sanar esses graves

problemas e colocar a "casa em ordem",

o Cascavel vai sofrer uma profunda

reestruturação:

- Pretendemos concluir logo o

levantamento da situação dos sócios

que seriam em torno de 3 mi). Determinamos

a suspensão na venda dos

titulos patrimoniais para iniciar sua

total regularização e moralização,

também na emissão desses títulos que

só serão recolocados à venda quando

for reestabetecida a confiança na direção

do clube. Fala-se em 3 mi) só.

cios, mas contribuindo mesmo estão

apenas 300. Pretendemos conquistar

de novo a confiança do torcedor e

trazé-Io de volta conosco.

Com a arrecadação proveniente

do pagamento das mensalidades dos

titulos, o Cascavel vai realizar investi

O assassínio do agricultor

provocou uma revolta muito

grande em sua família,que está

exigindo maior pressa nas investigações

- A polícia acha que a

família procurará incriminar o

agricultor que arrendou a terra

para Ceconello. Por coincidência,

segundo o escrivão Paulo Pereira

da Costa, Danilo Tess este- -

ve no sítio no dia do crime sob

a alegação de que precisava resolver

um problema de partilha

de rendas.

mentos em sua sede social, segundo

anunciou Bernardini:

- A agremiação possui um terreno

onde pretende construir sede social

e equipamentos de lazer para seus

sócios. Este terreno tem uma área de

31.150 metros quadrados, o suficiente

para implantarmos um complexo

esportivo. Estamos iniciando as obras

da sede social ,mas sem pressa, sem

um cronograma de obras pré-fixado.

O que for entrando das contribuições

dos sócios iremos investindo na sede.

Outras fontes de renda da

diretoria são a venda das placas de

publicidade do Estádio, uma percentagem

no rateio da Loteria Esportiva

e os ingressos. A promoção "Serpente

de Ouro" foi cancelada pelo clube,

pois, conforme Bernardini, "estava

trazendo uma imagem muito negativa

para o Cascavel Esporte Clube".

As cadeiras cativas são um problema

da Codevel, explicou o presidente,

e o clube nada tem com a autarquia,

"só para desfazer algumas

confusões—.

EM CAMPO

Pelo menos metade do time do

Cascavel está pronto. E os contratações

do restante deverão começar

logo, conforme previsões de Bernardini.

Não passou de especulação a' informação

sobre o retorno de Zico, o

goleiro do Cobrado. Negando

fornecer o salário médio dos atuais io'

gadores do Cascavel, o presidente dá

como definitiva as permanéncias de

Manoel, Denivaldo, Zé Antonio, VaI'

decy, Evans e Nealir. Disse não ter

ninguém em vista no momento, embora

o assunto esteia sendo estudado

com os demais membros da diretoria

(o vice Armando Busato, Mauro Bara'

ter, secretário, Luiz Carlos Ranzu, o

'Pin",diretor de futebol,e o técnico

Moacir Eleutério).

Os salários dos jogadores, em torno

de 400 mil, estão sendo pagos em

dia. O plantel não será formado com

nenhuma grande estrela do futebol

pois o time não pode se dar o luxo

de contratações dispendiosas. Sernardini

garante que está encerrada

aquela fase em que Fernando Comes,

da TV loca), escalava jogadores, intermediava

contratações e despedia técnicos.

O próximo jogo amistoso vai

ser com o Pato Brango, domingo, naquela

cidade do sudoeste.

Sergio Gnoato: mais um taxista

assassinado.

A polícia de Medianeira está

investigando mais um crime

de nuances misteriosas. Trata-se

do assassinato do taxista Sergio

Gnoato, ocorrido na estrada velha

de Guarapuava-São João.

Gnoato pegou dois passageiros

no ponto da rodoviária, em Medianeira

e não mais voltou.

Ele esteve brincando com

seus filhos até as 11 h30min do

último dia 6, quando dois elementos

entraram em seu carro.

Sérgio mandou os filhos para casa

e disse que logo voltaria para

almoçar, não sabendo porém o

que o destino reservara para êle.

Uma hora depois de ter saído do

ponto, foi encontrado morto na

estrada velha Guarapuava-São

João por dois colonos da região.

Levou dois tiros, um na coluna

vertebral e outro no crânio. Os

assassinos levaram o seu carro,

um táxi Corcel II, e todos os

seus documentos além da féria

do dia. Em sua mão direito havia

uma inscrição à caneta. Primeiro

estava anotado número

4045100 e abaixo 9.649. A polícia

suspeita de que este primeiro

número seja a quilometragem e o

seguinte o valor pago quando ele

abasteceu pela última vez.

A população está apavorada

com estes crimes que vem se

alastrando em Medianeira. Há

um descontentamento com a falta

de policiamento. Por outro

lado, os policiais dizem que há

falta de funcionários na delegacia.

"A cidade está crescendo e

nós aqui continuamos com o de- -

legado e um escrivão. Não temos

sequer um investigador ou agente

para fazer investigações", disse

um dos funcionários lotados

na DP.

Doyou

speak

inglês?

cac/eInffl

La1yzici

Rua Jorge Sanwais, 654

Edifi'cio Nagib - Sobreloja

Fone 73-5163

Foz do Iquaçu - Paraná


Z

Ç,.)

w

o _J

w

COI

1'a

w

o

o

ui

o

o 2


COMITÊ JUVENCIO MAZZAROLLO EM CASCAVEL

TOLENTINO SUGERE

A VISITA DE UMA

rãjal Iffiki-jáW11 ki rj á

Depois de Curitiba, Foz do

Iguaçu, Londrina e Toledo, foi

também constituído em Cascavel

o Comitê Juvêncio Mazzarollo

pela Revogação da Lei de Segurança

Nacional.

O comité, formado por

integrantes de vários partidos

políticos, jornalistas, estudantes,

advogados e rei igiosos,iniciou suas

atividades no dia 9 de abril com

a realização de uma reunião na

Câmara de Vereadores e posterior

distribuição de um manifesto

criticando duramente o

enquadramento de Mazzarollo

na LSN. No último sábado, dia

16, o Comitê voltou a reunir-se

para deliberar sobre uma série de

atividades a serem desenvolvidas

até o final do mês.

Inicialmente foi proposta a

realização de um ato público, seguido

por uma passeata no dia

21 de abril, mas devido ao curto

espaço de tempo para a organização

da manifestação foi decidido

que o ato será no próximo

dia 26, terça-feira, precedido de

uma caminhada pela Avenida

Brasil.

Ontem (quarta-feira) foi armada

uma barraca na Avenida

Brasil visando inteirar a população

da prisão arbitrária de Mazzarollo

e para a arrecadação de

fundos para a confeccção de material

de divulgação. No dia 21

(hoje) será distribuído um manifesto

à imprensa pedindo que todos

se engajem na luta pela libertação

de Juvéncio "fato que

vem envergonhando a sociedade

brasileira".

Todos os sábado o Comitê

se reúne no plenário da Câmara

Municipal a partir das 16 horas a

fim de eleborar a pauta de trabalhos

da semana seguinte. Todos

estão convidados á participar.

Na reunião de formação do

REGIONAL

Comité em Cascavel, o p, efeito

Fidelcino Tolentino se fez presente

e colocou-se à disposição

"para o que der e vier". Ponderou

que a luta pela revogação

da Lei de Segurança Nacional deve

prosseguir mesmo após a libertação

de Juvêncio Mazzarollo,

"de quem sou amigo pessoal'; e

sugeriu a formação de uma caravana

integrada por toda a região

Oeste com o objetivo de levar a

solidariedade ao diretor do jornal

Nosso Tempo e protestar

contra a Lei de Segurança Nacional,

"Eles precisam saber que o

povo da região Oeste não engole

esta lei espúria e exige a imediata

libertação de Juvêncio Mazzarollo",

afirmou Tolentino,

LONDRINA

A Câmara de Vereadores de

Londrina enviou correspondência

a Mazzarollo, manifestando

"incontida revolta contra a

humilhante, descabida e injusta

prisão do honrado cidadão", asseverando

que "é doloroso

observarmos, impotentes, a tragédia

que se abate sobre as vidas

de profissionais honestos, dotados

de elevados sentimentos e de

preocupações e responsabilidades

sociais, porque bem cumpriram

seus deveres de informar o

povo—.

—E essa dor - sentencia a

correspondência - se transforma

em indignação e revolta quando

vemos que, ao mesmo tempo,

nada se faz para conter a violência

crescente que apavora o País,

e a corrução que grassa, que permeia

e perpassa todas as instituições

nacionais".

A correspondência está assinada

pelo presidente da Casa,

José Maurício da Costa,e endossada

pelo lo, secretário, vereador

Luiz Aranda Fenoy.

l

Quinto Deilazeri

UMA MARCA DE SUCESSO

A MAIOR CASA NOTURNA

DO SUL DO PAÍS

Rua Almirante Barroso com Jorge Sanwais Fone /42027

Agora também em Camboriú

Super safra

é a esperança

do Coronel Àroldo

Apesar de uma abundante

safra de soja que lhe

poderá render Cr 1,5 bilhões

computados os resultados

da colheita de 24 mil

hectares em três Estado

(Pi. MT, MS), o agricultor

Aroldo Cruz - o coronel

Aroldo - de Cascavel, um

dos maiores produtores individuais

de soja do país deverá

ter problemas, segundo

previsões de fontes bancárias

e do setor agropecuário,

para superar o grave

impasse financeiro em que

,se meteu: a soma de seus débitos

seria superior a 1,5 bilhão

praticamente vencidos.

nas agências do tradesco,

Nacional e um outro,

que não foi revelado, as dívidas

do coronel (reformado

',-

da PM) ultrapassam 300 milhões.

A IAP, que comercializa

adubos, está tentando

sem sucesso a amortização

de 200 milhões. O exprefeito

Jacy Miguel Scanagatta,

avalista do agricultor,

pagou ainda recentemente

quase Cr 100 milhões mas

recebeu uma propriedade

agrícola em troca,

Aroldo Cruz reflete o

drama de agricultor moderno:

em quatro Estados ele

possui 75 mil hectares de

terras que, somados a

outros bens (loteamentos,

principalmente e cerealista)

representam um patrimônio

de 10 bilhões de cruzeiros.

Sufocado pela falta de liquidez

e pressionado pelos credores,

Cruz tentou com DeI-

Delazeri com Richa

O prefeito de Palotina,

Quinto Abraão Deliazeri

(PMDB), foi recebido na semana

passada pelo governador

José Richa a quem fez

um amplo relato da situação

do Município, reivindicando

recursos para a ampliação

do sistema de abastecimento

de água para Pérola Independente,

Candeias e São

Camilo. Esteve reunido com

o secretário Nelton Friedrich,

do Interior, para convidá-lo

a comparecer à iriauguração

da Delegacia de Polícia

e Cadeia Pública do

Município e outras obras,

nas próximas semanas. Em

sua estada na capital, o prefeito

palotinense firmou diversos

convênios entre os

quais a Fundepar, para a

construção de escolas no interior

e Sucepar. No seu giro

pelas diversas secretarias

foi ciceroneado pelo deputado

estadual Sabino de

Campos.

fim Neto um empréstimo a

juros diferenciados da ordem

de 1 bilhão, sem sucesso,

acabou obtendo apenas

300 milhões, insuficientes

para realizar o "saneamento"

mais imediato das suas

finanças. A um jornal paulista,

no final do ano passado,

teria confidenciado que

um bi não bastaria e que os

credores teriam que "esperar

na fila".

Nesse momento ele se

encontra em Dourados (MS)

envolvido na colheita da soja.

Nem mesmo as benesesses

de uma safra farta conseguirão

impedir o pior, vaticinam

os especialistas. Por

isso, a apreensão no mundo

financeiro de Cascavel é muito

grande.

DRAGÃO

ERMELH

ACADEMIA SIPALKI-DO

KUNG-FU COREANO

Aulas 2, 4, e 6 das 5 as 9 h.

da noite.

MASCULINO E FEMININO

Professor João José Mendonça

Ed. Metrópole, ao ladodo Coluna

AGUA NA

SHOW

BOCA

Avenida

Brasil

1056

em frente AO VIVO

as

c ,, TODAS

Pernambucanas

AS NOITES


EN

Pouco mais de quatro meses

depois de ter assumido o controle

acionário da TV Tarobá, canal

6, o empresário Pedro iuffato

pode orgulhar-se de ter imposto

uma nova diânmica à emissora

cascavelense. A começar pelo

noticiário, que deixou de servir

aos interesses de uma minoria

para abranger todos os segmentos

da comunidade local e

oestina. A "aberturá" chegou à

Tarobá, com reflexos positivos

nos índices de audiência.

•5I

Secretário l)enySchwartz,

dos Transportes, é aguardado dia

29 em Cascavel. Vem pariticipar

de um encontro com prefeitos

da AMOP e debater questões

afetas à sua Pasta, entre elas

a reivindicação recentemente

apresentada pelo prefeito Fidelcino

Tolentino no sentido de

tie sejam pavimentadas as es-

kr;idis

Cascavel - Assis Chateauind

e Cascavel - Boa Vista da

Aparecida/Nova Prata. Junto

com o secretáio dos Transportes

virá o diretor do DER, engenheiro

Oiívio Zan('iia.

•SS

Que tipo de oferenda pode

conter uma caixa caprichosamente

embalada em finíssimo

papel? As vezes, uma hilariante

surpresa, como ocorreu com o

radialista Paulo \lartins (Independência/Cascavel),,

que na semana

da Páscoa recebeu uma

original batata-doce de presente.

Nada de mais, se a raiz não tivesse

uma inequívoca forma fálica

e não fosse acompanhada de

um bilhete impublicável. Autor

do presente": o ex-candidato a

a vereador Lino Rodrigues

DS), que retribuía na mesma

noeda uma brincadeira feita pelo

radialista semanas antes das

eleições de novembros. Acometido

de mal súbito, Lino teve de

hospitalizar-se, e Martins

aproveitou a oportunidade para

jogar no ar o boato de que o

candidato a vereador teria sido

vítima da sanha de três tarados,

daí a necessidade de tratamento

médico hospitalar. Cascavel

inteira divertiu-se com a história,

e Lino jurou vingança: deu o troco

na semana da Páscoa. Que

ninguém espere um desfecho trágico

nessa história: ambos sâo

amigos e têm espírito esportivo.

IS.

Filho de peixe peixinho é,

diz o ditado. Seguindo a trilha

do pai, o jovem Paulo D4-Iazeri

vem realizando intenso trabalho

político o que lhe valeu a indicação

para integrar o Diretç5rio

Regional do Setor Jovem do

PMDB do Paraná. Paulo é filho

do prefeito Quinto 1 )elazeri. de

a lot i na.

'SI

Hilton Coiombelli, ex-candidato

a vice-prefeito pelo PMDB,

é o novo relações públicas da

Prefeitura Municipal de Cascavel.

Vai atuar sobretudo na área política,

que é o seu forte.

'II

L)ivinnmente maravilhosa a apresentação do manequim

Xuxa, semana passada, em Foz do Iguaçu. Foi

no Country, numa promoção de Marcus Joalheiro,

Calçados Rosa e Pagot Ma gazine. Além de Xuxa,

desfilaram mais seis mises Uin raro espetáculo.

IS'

A fina flor da sociedade cascavelense

reuniu-se dia 15, na

Igreja Santo Antonio, para o casamento

de Teima Krug e

Newton \\ e nd iiau'n. Ela, filha

de Lucia e João Batista Kruger;

ele, de Ancelma e Henor Wendhauser-i.

Mesmo o pequeno incidente

registrado com o padre

Boleslau Bliy não tirou o brilho

da cerimônia: inconformado

com o atraso da noiva, o religioso

simplesmente abandou o altar

e só voltou com a intervenção de

um dos padrinhos 20 minutos

mais tai de.

1.1

O renomado apresentador

Flávio Cavaleanti conseguiu lotar

o Ginásio Costa Cavalcanti, em

Foz do Iguaçu, e o Ginásio de

Esportes de Cascavel, na sexta e

sábado passados. Público prestigiou

em massa as edições oestinas

do "Boa Noite Brasil", chefiadas

pelo maior comunicador

do momento. Com Flávio vieram

ainda Chiquinho Scarpa, Helô

Pinheiro e Alice de Freitas. Coube

a Pedro Muffato e Fernando

Gomes, da TV Tarobá, recepcioná-los,

Sérgio Bottega e Ana Maria, viajaram para Cuiabá e

Campo Grande.. Retornam ainda esta semana para

comandar a famosa churrascaria.

l"'

Flash do jantar de confraternização dos diretores

e funcionários do Grupo Deltamar. Foi no restaurante

do Rafahim Pálace.

Dr. Antonio Roberto/Jussara Fava em recente

jantar realizado no Clube Hípico de Foz do Iguaçu

IS.

Presidente do Clube Hípico

de Foz, Roberto Da:ache, informando

que a entidade conta

atualmente bom 80 associados,

e um número cada vez maior de

sócios-esportistas que começam

a se dedicar ao nobre e salutar

esporte. "O clube - salientou

Roberto - conta com área de

60 mil metros quadrados, pista

de areia para saltos e aprendiza

do, sede social com restaurante

privativo, além de 28 cocheiras

onde os sócios podem manter

seus animais". E para a criança

da existe até uma escolinha de

equitação. Bola Branca.

0.S

E por falar em hipismo: Fo2

será representada no Campeona.

to Brasileiro de Saltos: Erin(nio

ji sócio do Clube Hípico, cedeu

um de seus animais ao unete

Fidel Segovia.

Dr. Roberto Daccache, presi

dente do Clube Hípico

lF rfl'

Este Chcvette categoria Hott Car, -____ conquistou o terceiro

lugar, cm sua primeira corrida realizada em Cascavel. A "n1quina

foi preparada por Ademir Fedumenti e pilotada por Dário Freitag.


HEITOR

3Á 5E1.

VAMOS cr

More magazines by this user
Similar magazines