Views
5 years ago

Processo discursivo e subjetividade: vozes ... - Maralice Neves

Processo discursivo e subjetividade: vozes ... - Maralice Neves

Processo discursivo e subjetividade: vozes ... - Maralice

1 Processo discursivo e subjetividade: vozes preponderantes na avaliação da oralidade em língua estrangeira no ensino universitário Maralice de Souza Neves Universidade Estadual de Campinas 2002

  • Page 2 and 3: 2 MARALICE DE SOUZA NEVES PROCESSO
  • Page 4 and 5: 4 BANCA EXAMINADORA _______________
  • Page 6 and 7: 6 Só é ensino verdadeiro aquele q
  • Page 8 and 9: 8 SUMÁRIO INTRODUÇÃO............
  • Page 10 and 11: 10 programa e avaliações tradicio
  • Page 12 and 13: 12 aprender sem que o meio que util
  • Page 14 and 15: 14 discurso da Lingüística Aplica
  • Page 16 and 17: 16 então seguido durante quatro an
  • Page 18 and 19: 18 parte de um caminho formalizado
  • Page 20 and 21: 20 Nossas perguntas de pesquisa e o
  • Page 22 and 23: 22 sujeito, assim como também as f
  • Page 24 and 25: 24 nos a voltar ao passado para ver
  • Page 27 and 28: 1.1. Introdução 27 CAPÍTULO 1 O
  • Page 29 and 30: 29 ressalta o autor, o necessário
  • Page 31 and 32: 31 Não encontramos relatos de proc
  • Page 33 and 34: 33 misticismo e de compreensão uni
  • Page 35 and 36: 35 ideal cristão da humildade e da
  • Page 37 and 38: 37 coação e a motivação positiv
  • Page 39 and 40: 39 difusão do dogma. No entanto, a
  • Page 41 and 42: 41 humanidade originariamente boa,
  • Page 43 and 44: 43 sendo substituídas por exames e
  • Page 45: 45 desejo e o julgamento ético, na
  • Page 48 and 49: 48 Utilizando-se do discurso da ped
  • Page 50 and 51: 50 ensino-aprendizagem, cuja inten
  • Page 52 and 53:

    52 palavras de Sousa (1999: 91),

  • Page 54 and 55:

    54 Nos Estados Unidos, Chomsky (196

  • Page 56 and 57:

    56 para refletir a competência com

  • Page 58 and 59:

    58 centraram sua preocupação em a

  • Page 60 and 61:

    60 3. Habilidade de ler prosa mais

  • Page 62 and 63:

    62 escalas já estabelecidas no mer

  • Page 64 and 65:

    64 quanto no discurso de nossos enu

  • Page 66 and 67:

    66 interjeições, etc. Pode-se fal

  • Page 68 and 69:

    68 bem educados. Afinal, faz efeito

  • Page 70 and 71:

    70 semântico que, por sua vez, sã

  • Page 72 and 73:

    72 que o corpus da presente pesquis

  • Page 74 and 75:

    74 alunos e outras formas de coleta

  • Page 77:

    77 PARTE II CONSIDERAÇÕES TEÓRIC

  • Page 80 and 81:

    80 ele distingue discurso de histó

  • Page 82 and 83:

    82 Vale pensar também, no modo com

  • Page 84 and 85:

    84 Cabe ainda contrapor as noções

  • Page 86 and 87:

    86 Vale ressaltar o que se evidenci

  • Page 88 and 89:

    88 desenvolvimento de Pêcheux (199

  • Page 90 and 91:

    90 Mas a essa noção falta a quest

  • Page 92 and 93:

    92 outra forma de tornar a identifi

  • Page 94 and 95:

    3.3. A prática pedagógica e a int

  • Page 96 and 97:

    96 A relação pedagógica, pensada

  • Page 98 and 99:

    98 fazendo com que a subjetividade

  • Page 101 and 102:

    101 CAPÍTULO 4 A VISÃO DISCURSIVA

  • Page 103 and 104:

    103 significantes. O falar põe em

  • Page 105 and 106:

    105 Logo, para ‘se falar’ na LE

  • Page 107 and 108:

    107 culturais, dos modos de funcion

  • Page 109 and 110:

    109 em outras formações ideológi

  • Page 111 and 112:

    111 são por si sujeitas a forças

  • Page 113:

    113 PARTE III DA ANÁLISE: AS REPRE

  • Page 116 and 117:

    116 Para operar como categoria de a

  • Page 118 and 119:

    118 envolvem inicialmente numa rela

  • Page 120 and 121:

    120 Diante das correntes de estudo

  • Page 122 and 123:

    122 de análise discursiva pudesse

  • Page 125 and 126:

    6.1. As condições de produção 1

  • Page 127 and 128:

    127 A Faculdade de Letras é dispos

  • Page 129 and 130:

    07/10/98 129 Queridos colegas do Se

  • Page 131 and 132:

    131 Há ainda uma outra contradiç

  • Page 133:

    133 Como veremos no desenvolvimento

  • Page 136 and 137:

    136 numéricas (o quantitativo), ap

  • Page 138 and 139:

    138 (Scaramucci, 2000: 20), se (con

  • Page 140 and 141:

    140 (2) (...) consigo me expressar

  • Page 142 and 143:

    142 o sentimento de pertencer à cu

  • Page 144 and 145:

    144 que apontam para uma posição

  • Page 146 and 147:

    considerada boa e Roberto, médio.

  • Page 148 and 149:

    148 comunicar-se e...se fazer compr

  • Page 150 and 151:

    150 do normal, do natural. Isso par

  • Page 152 and 153:

    152 7.2.2. Uma representação pred

  • Page 154 and 155:

    154 4) Quais elementos da fala do i

  • Page 156 and 157:

    156 em relação ao Eu, no contato

  • Page 158 and 159:

    158 Maria, se representa familiariz

  • Page 160 and 161:

    160 parece não ser a língua da m

  • Page 162 and 163:

    162 entendemos, como já dissemos,

  • Page 164 and 165:

    164 discurso, proposto por Orlandi

  • Page 166 and 167:

    166 A transferência surge espontan

  • Page 168 and 169:

    168 evento de avaliação não há

  • Page 170 and 171:

    170 quatro elementos, ah...strategi

  • Page 172 and 173:

    172 social que ele estabelece (ou n

  • Page 174 and 175:

    174 7.4.2. A gestão científica, t

  • Page 176 and 177:

    176 7.4.2.1. Condensação de senti

  • Page 178 and 179:

    178 Estes sentidos ressoam na tenta

  • Page 180 and 181:

    180 (39) (...) bom, eu acho que....

  • Page 182 and 183:

    182 avaliar, lógico, a gramática,

  • Page 184 and 185:

    184 (50) (...) e também...que ela.

  • Page 186 and 187:

    186 empenho (do Lat. pignu, penhor,

  • Page 188 and 189:

    188 todos são perfeitos, então te

  • Page 190 and 191:

    190 estabelecem a partir de process

  • Page 192 and 193:

    192 Essa posição mais à vontade

  • Page 194 and 195:

    194 Após os eventos de avaliação

  • Page 196 and 197:

    196 O gesto de interpretação da p

  • Page 198 and 199:

    198 professor fez dos alunos em ger

  • Page 200 and 201:

    200 naquela conformação de evento

  • Page 202 and 203:

    8.1. Introdução 202 CAPÍTULO 8 O

  • Page 204 and 205:

    204 parece ter sido modificado ao l

  • Page 206 and 207:

    206 setor. Nestas, a ‘habilidade

  • Page 208 and 209:

    208 (63a) (...) Como esperado muito

  • Page 210 and 211:

    210 pesquisadora. Enquanto as duas

  • Page 212 and 213:

    212 negação. Trata-se de “pôr

  • Page 214 and 215:

    214 são falantes autorizados da LE

  • Page 216 and 217:

    216 (inconsciente) de estabelecer e

  • Page 218 and 219:

    218 (74) No início, houve muita re

  • Page 220 and 221:

    220 como Grupo 1. E a outra é prop

  • Page 222 and 223:

    222 Nesta seqüência, ela contrap

  • Page 224 and 225:

    224 As avaliações qualitativas do

  • Page 226 and 227:

    226 moral (relativa adequação de

  • Page 228 and 229:

    228 8.4.1. Condições de produçã

  • Page 230 and 231:

    230 alunos. Tivemos acesso também

  • Page 232 and 233:

    232 Good pace Well planned and rehe

  • Page 234 and 235:

    234 suas posições são tomadas mu

  • Page 236 and 237:

    236 Portanto, entendemos que vale a

  • Page 238 and 239:

    238 C: /Who?/ A: ...nephew B: /he i

  • Page 240 and 241:

    240 o que extrapola a questão de s

  • Page 242 and 243:

    242 de avaliação dos protagonista

  • Page 244 and 245:

    244 lingüísticos, principalmente

  • Page 246 and 247:

    246 Ao mesmo tempo, no que se refer

  • Page 248 and 249:

    248 modulação que chamamos Perfei

  • Page 250 and 251:

    250 preciso conviver com a diferen

  • Page 253 and 254:

    253 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AL

  • Page 255 and 256:

    255 CELANI, M.A.A. Transdisciplinar

  • Page 257 and 258:

    257 ______ The study of second lang

  • Page 259 and 260:

    JOHNSON, K.; JOHNSON, H. (Ed.) Ency

  • Page 261 and 262:

    261 NASCIMENTO, M. C. F. Z. Os disc

  • Page 263 and 264:

    263 PÊCHEUX, M.; FUCHS,C. A propó

  • Page 265 and 266:

    ______ Formações discursivas e pr

  • Page 267:

    267 SUMMARY In this thesis I study

  • Page 270:

    270 12) Você acha que a avaliaçã

processos identificatórios na formação de - Maralice Neves
uma análise discursiva do sujeito e seus movimentos - Celsul.org.br
A VOZ DISCURSIVA DE BOB DYLAN NA CENOGRAFIA ... - FaFEM
“as vozes que calam no deserto” e que, na verdade, nunca calar
repercussões da neurolingüística discursiva na ... - Celsul.org.br
34 - A dêixis discursiva - GELNE
Os processos de referência e suas funções discursivas - Atilf
ÇÃO: UM OLHAR DISCURSIVO SOBRE O TRABALHO DE ... - Unifra
A constituição da subjetividade no processo de autoria - UninCor
A inter-relação de aspectos discursivos em processos ... - GEL
A CONSTITUIÇÃO DA MEMÓRIA DISCURSIVA DO ... - fflch
Processos de deslocamento de sentidos em discursos ... - UNIPAM
UMA ANÁLISE DISCURSIVA DA TERMINOLOGIA DO ... - GELNE
inclusao, subjetividade e producao de sentidos sobre o aluno com ...
A dinâmica discursiva na sala de aula e a apropriação da ... - SciELO
experiências discursivas na universidade - Psicanálise & Barroco
vozes em embate no discurso do sujeito - Instituto de Letras e ...
Processos comunicativos e subjetividade: desafios para o ... - Cebela
O Sujeito Discursivo Contemporâneo: um exemplo - ufrgs
SENTIDOS E SUBJETIVIDADE: POR UMA ÉTICA DA ... - Letras Libras
O SUJEITO ENUNCIADOR E O PROCESSO DE ... - Uesc
o movimento dos gêneros discursivos na escola - Celsul.org.br
BARBARA ABIB NEVES MATTOS O DISCURSO ... - Unisul
3- a crítica ao cientificismo expressada pela análise discursiva da ...
O mascaramento discursivo na mídia impressa: deslizes e derivas ...
Em que sentido está(ria) a verdade? Uma análise discursiva ... - Latu
A dualidade de bem/mal e belo/feio na construção discursiva de ...
análise discursiva do telecurso 2000 - Unisul
Uma Análise Discursiva - Diego Vieira Braga.pdf - Universidade ...
subjetividade e processos de _re_construção ... - PUC Minas