Programa de Comprometimento e Gratuidade (PCG) - Sesc

sesc.com.br

Programa de Comprometimento e Gratuidade (PCG) - Sesc

SESC - Departamento Nacional | Assessoria de Divulgação e Promoção | Janeiro / 2011


SESC

PROGRAMA DE COMPROMETIMENTO

E GRATUIDADE (PCG)

DEPOIMENTOS

DEPARTAMENTO NACIONAL

RIO DE JANEIRO

1 a reimpressão

JANEIRO / 2011


SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO

Presidência do Conselho Nacional

ANTONIO OLIVEIRA SANTOS

DEPARTAMENTO NACIONAL

Direção-Geral

MARON EMILE ABI-ABIB

Divisão Administrativa e Financeira

JOÃO CARLOS GOMES ROLDÃO

Divisão de Planejamento e Desenvolvimento

ÁLVARO DE MELO SALMITO

Divisão de Programas Sociais

NIVALDO DA COSTA PEREIRA

Consultoria da Direção-Geral

JUVENAL FERREIRA FORTES FILHO

LUÍS FERNANDO DE MELLO COSTA

PUBLICAÇÃO

Assessoria de Divulgação e Promoção / Direção-Geral

CHRISTIANE CAETANO

Coordenação Editorial

MARCELLA MARINS MESQUITA

Edição e Redação

GABRIELA VARANDA

Projeto Gráfico

AnA CristinA PereirA (HAnnAH23)

Revisão de Texto

ROBERTO AzUL

Produção gráfica

CELSO MENDONçA

FICHA CATALOGRÁFICA

SESC. Departamento Nacional.

SESC: Programa de Comprometimento e Gratuidade

(PCG) : depoimentos. – Rio de Janeiro : SESC, Departamento

Nacional, 2010.

40 p. : il. ; 27 cm.

isBn 978-85-89336-53-6.

1. Programa de Comprometimento e Gratuidade.

I. Título.

CDD 361.765

Agradecimento aos regionais

AC Francisco Reis da Silva Leite

AL Francisco Grigoli Pereira

AM Odetila Couto Rocha

AP Juliana Alves Coutinho Alexópulos

BA Ivson Vivas Magalhães

CE Caio Henrique Quinderé Castello Branco

DF Nenn Costa e Claudia Cristina Nogueira

ES Daniele Pinto M. Poltronieri

GO Sandra Stefan

MA João Torres

MG Miriam de Fátima Moreira Felício Braga

MS Virginia Helena Pinto Carromeu

MT Joana Munaro e Aroldo Pagels Lima Verde

PA Maria de Lourdes Bezerra

PB Wendell Rodrigues

PE Daniella Monteiro Xavier

PI André Ribeiro

PR Silvia Lima

RJ Paulo Gramado

RN Christianne Ribeiro da Silva

RO Adalberto Lopes Martins Jr. e Keila Alves da Silva

RR José Gilvan da Costa

RS Catiúcia Ruas

SC Debora Murta Braga

SP Paulo Martins

SE Maria Aparecida Freire Onias

TO Renato Klein

EESP Thiago Bazzi

Crédito das fotografias

Acre | Edicley Araújo

Alagoas | Pablo de Luca

Amapá | Maksuel Martins

Amazonas | Edmar Perrone

Bahia | César Vilas Boas

Ceará | Jr. Panela

Distrito Federal | J.R. Neto

Espírito Santo | Renato Vicentini

Goiás | Marco Monteiro

Maranhão | Danilo Pinheiro

Mato Grosso | Damião Sirqueira

Mato Grosso do Sul | Edson Ribeiro

Minas Gerais | Déa Tomich

Pará | Armando Sarubby

Paraíba | Roberto Marcelo

Paraná | Adilson Yoshio

Pernambuco | Rodrigo Moreira

Piauí | Alessandro Costa

Rio de Janeiro e Departamento Nacional | César Duarte

Rio Grande do Norte | Evaldo Gomes

Rio Grande do Sul | João Alves

Rondônia | Edson Jesus Vincentin/FotoStylus

Roraima | Saulo Oliveira

Santa Catarina | Lio Simas

Sergipe | Odília Maria

Tocantins | Andréia Beca

EESP | Thiago Bazzi


O conceito de gratuidade não é novidade para o SESC. Desde sua

criação, na década de 40, os empresários do comércio comprometeram-se

a fornecer os recursos necessários para suas atividades.

Presente em todas as capitais do País e em cidades de pequeno

e médio porte, o SESC é, em muitas delas, a única alternativa da

população para serviços de educação, saúde, cultura e lazer.

Ao longo de sua história, poucas instituições conseguiram sobreviver

preservando valores e concretizando seus ideais fundadores.

Hoje, decorridos 64 anos da criação da instituição, orgulho-me

em dizer que o SESC contribui com a diminuição das desigualdades

e com a construção de um Brasil melhor e mais justo.

Assim, o Programa de Comprometimento e Gratuidade (PCG) firmado

com os Ministérios da Educação, do Trabalho e Emprego

e da Fazenda nos remete ao aprofundamento da reflexão sobre

nossa diretriz maior, que determina que toda nossa ação seja

marcada pela intenção educativa.

Esta publicação conduz o leitor em uma viagem inusitada por

onde o SESC se faz presente, dos mais distantes rincões aos grandes

centros. Relatos de personagens marcantes revelam nas páginas

seguintes como as ações do SESC honram tal compromisso

em todos os estados do Brasil.

ANTONIO OLIVEIRA SANTOS

Presidente

Conselho Nacional do SESC


Um ano depois de implantado, o Programa de Comprometimento

e Gratuidade (PCG) mostra a importância do trabalho

do SESC em todo o país. Oferecer a sociedade serviços

de qualidade sem nenhum custo sempre fez parte da missão

do sesC, desde sua criação, em 1946. Ainda assim, com esta

iniciativa alcançamos um público ainda maior, cumprindo

nosso compromisso de colaborar com o desenvolvimento

do Brasil.

O SESC destinou em 2009 recursos ao Programa, que vão

além do compromisso firmado com o governo federal.

O PCG fortalece a política de gratuidade da Instituição,

beneficiando, de forma especial, sua clientela principal,

seus dependentes e estudantes da rede pública de Educação

Básica, todos com baixa renda.

É importante destacar que cada Departamento Regional

respeitou sua vocação e necessidade na aplicação dos recursos.

O resultado pode ser conferido nas páginas a seguir

que apresentam histórias reais sobre melhoria na qualidade

de vida de diversos brasileiros. Do Oiapoque ao Chuí, o

sesC ratifica seu compromisso social com a sociedade.

MARON EMILE ABI-ABIB

Diretor-Geral

Departamento Nacional do SESC


SUMÁRIO

EM SALA DE AULA:

DA EDUCAÇÃO INFANTIL AO ENSINO MÉDIO 6

EXTRACLASSE:

REFORÇO ESCOLAR E FORMAÇÃO DE

PROFESSORES 13

NOVOS RUMOS:

EDUCAÇÃO E CURSOS DE VALORIZAÇÃO

SOCIAL 20

CORPO E MENTE:

ESPORTE, CULTURA E AÇÃO SOCIAL 28


EM SALA DE AULA:

Da eDucação infantil ao ensino

méDio


Maria de Lourdes

Ferreira da Silva,

60 anos, reside

em Boa Vista,

Roraima.

DR/RR

“Moro com meus netos, Carlos Daniel, 6 anos, e Carla Daniele, 19

anos, e uma filha com deficiência mental. sou aposentada, sem

marido, e não teria como dar uma boa educação para o meu neto,

se pagasse. Consegui a bolsa no CENTRO DE EDUCAçãO SESC há três

anos, e lá ele fez maternal por dois anos, e agora está no 10 ano da

educação infantil.

A escola é maravilhosa, sou muito agradecida ao SESC pela oportunidade.

Há professores, assistentes, psicólogos muito bons e

competentes, a diretora é também uma pessoa fantástica. Além

das disciplinas, o Carlos Daniel faz natação, que ele adora, música,

informática, joga futebol. Vejo ele crescendo muito lá. Ele é um

pouco brincalhão demais, mas é da idade, e na escola ele é bem

acompanhado. Foi no Centro que ele aprendeu a ler e a escrever:

hoje o que ele mais gosta de estudar é Português. só posso dizer

que o SESC é maravilhoso, uma das melhores coisas que aconteceram

para nós.”

O CENTRO DE EDUCAçãO

SESC fICA LOCALIzADO NO

CENTRO DE ATIVIDADES DR.

ANTONIO OLIVEIRA SANTOS,

NO bAIRRO MECEjANA,

EM bOA VISTA. A ESCOLA

OfERECE EDUCAçãO

INfANTIL, ENSINO

fUNDAMENTAL E ENSINO

MéDIO INTEGRAL.

EM SALA DE AULA: Da eDucação infantil ao ensino méDio

Saulo Oliveira

7


8

joão Alves

A ESCOLA DE EDUCAçãO

INfANTIL DO SESC – SESqUI-

NhO ATENDE CRIANçAS DE

3 A 6 ANOS, COM OPçõES

DE MATERNAL E jARDIM DE

INfâNCIA EM TURNO INTE-

GRAL E MEIO TURNO. SãO

14 UNIDADES, COM EqUIPE

qUALIfICADA, ATIVIDADES

CULTURAIS, VIVêNCIAS DE

CIDADANIA, INTEGRAçãO

COM AS fAMíLIAS, EDUCAçãO

CORPORAL E EDUCAçãO

PARA A SAúDE.

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

“A Maria eduarda agora tem 3 anos, mas vai à escola desde os

quatro meses. Soube por uma amiga da bolsa oferecida pela

ESCOLA DE EDUCAçãO INfANTIL DO SESC – SESqUINhO, e fomos eu e

Rodrigo conhecer a instituição antes de optar por ela. Independentemente

da gratuidade, fomos até lá para conhecer o nível de

qualidade e de espaço, como também os profissionais envolvidos.

e verificamos que a infraestrutura é excelente, e que a qualidade

do ensino seria melhor, porque os professores são todos

profissionais formados, e não recreacionistas. então, juntamos o

útil ao agradável.

Maria Eduarda é muito diferente hoje – achamos que ela fala

mais como criança mesmo, menos como bebê, que está mais desinibida.

Inclusive está desenvolvendo o canto, que já aprende na

escola. e, depois dessa experiência, começamos a querer conhecer

melhor o SESC, e estamos nos informando sobre outros serviços.

Pretendemos em breve viajar pelo Turismo Social. Minha

avó era frequentadora, ela integrava o grupo Maturidade Ativa da

Unidade Campestre. O SESC é uma instituição muito séria, muito

responsável.”

Letícia Glauciane

França, 22 anos,

é secretária.

É casada

com Rodrigo

Fernandes.

Residem em Porto

Alegre (RS).

DR/RS


DR/AC

Elissandra

Rodrigues Gama,

27 anos, reside

em Rio Branco,

no Acre. É

atendente.

A ESCOLA SESC, EM RIO bRANCO,

ATENDE 510 CRIANçAS – 165 ESTãO

MATRICULADAS NA EDUCAçãO

INfANTIL, E O RESTANTE NO

ENSINO fUNDAMENTAL, DO 1º AO

5º ANO. A ESCOLA SE DIfERENCIA

PELA qUALIDADE DE ENSINO E POR

DISPOR DE INSTALAçõES DIfEREN-

CIADAS DAS DEMAIS INSTITUIçõES

DO ESTADO, APRESENTANDO

LAbORATóRIOS DE INfORMáTICA E

SALA DE LEITURA. O SESC NO ACRE

TAMbéM OfERECE EDUCAçãO DE

jOVENS E ADULTOS (EjA), CURSOS

SUPLETIVO E PRé-VESTIbULAR.

Edicley Araújo

“A EDUCAçãO INfANTIL do SESC é tudo de

vantajoso para nós. É dez. nosso filho Daniel,

de 6 anos, estuda no sesC Bosque

há dois anos, e há pouco tempo ganhou a

bolsa. Isso ajudou demais a mim e ao meu

marido, Valdemir: além de estudar de graça,

ele ainda recebe material, uniforme,

e tem ônibus que pega e leva ele de casa

para a escola. No começo nós levávamos

ele de bicicleta. Se não fosse a bolsa, este

ano seria uma correria, pois nós dois trabalhamos

muito.

e os alunos ainda têm atendimento médico,

gratuito! Sem falar que o ensino é

muito adequado. O Daniel se desenvolveu

muito rápido, mas muito rápido mesmo;

até a professora se espantou. Quando ele

chegou ao SESC não lia nem escrevia, e falava

muito pouco. Hoje lê, escreve, e está

um menino muito desenvolto. É por conta

do ensino, que é muito bom. Eu mesma

sei, pois fiz supletivo no sesC Centro,

há alguns anos. Por isso nós confiamos

em deixar ele lá, assim como os irmãos:

o mais velho, Felipe, de 12 anos, também

estudou no SESC, e agora está chegando a

vez dos mais novos, o Natan, de 5 anos, e

o João Gabriel, de 3 anos. Com certeza vamos

tentar a bolsa. O sesC é uma bênção.”

EM SALA DE AULA: Da eDucação infantil ao ensino méDio

9


10

Edson Ribeiro

O SESC NO MATO GROSSO

DO SUL OfERECE EDUCAçãO

EM qUATRO ESCOLAS,

NAS UNIDADES hORTO,

CAMILLO bONI, TRêS LAGO-

AS E DOURADOS. NA

EDUCAçãO fORMAL, SãO

700 ALUNOS MATRICU-

LADOS NA EDUCAçãO

INfANTIL, 450 NO ENSINO

fUNDAMENTAL E 250 MA-

TRICULADOS NA EDUCAçãO

DE jOVENS E ADULTOS (EjA).

O PROGRAMA DE COMPRO-

METIMENTO E GRATUIDADE

(PCG) ATENDE ALUNOS NA

EDUCAçãO báSICA, qUE

COMPREENDE A EDUCAçãO

INfANTIL E O ENSINO fUN-

DAMENTAL, ATé A 5ª SéRIE.

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

“O SESC é o que de melhor há aqui para nós. Eu não o troco por

nada: eu e Silvio, meu marido, frequentamos o Camillo Boni desde

que éramos solteiros. Todo mundo nos conhece lá, a nós e nossos

filhos. É como uma família.

A EDUCAçãO é maravilhosa. Meu filho mais velho, o Júnior, de 14

anos, estudou da educação infantil até a 4ª série do ensino fundamental.

Agora o João Paulo, de 9 anos, está na 4ª série. Um detalhe

é que, quando chegou a vez do caçula estudar lá, eu estava

desempregada, não teria condições de pagar mesmo o valor pedido

pelo fundamental. Mas consegui para ele uma bolsa. O que me

deixou mais encantada ainda. Por essas e outras é que não troco

o SESC por nenhuma outra instituição ou clube, por mais que até

possa ser melhor, em temos de espaço. No SESC temos boas instalações,

alimentação saudável, excelente organização. E a escola

é maravilhosa: além de estudar, o João Paulo depois ainda pode

se exercitar – ele agora faz natação. O Júnior, hoje estudando em

escola pública, acaba a aula e vai para o SESC, para fazer esportes.

eu e meu marido deixamos os dois lá com muita confiança.

E tudo o mais: professores muito preparados, tarefas excelentes,

conteúdo muito bom.”

DR/MS

Maura da Silva

Araújo Machado,

44 anos, é

secretária. É

casada com Silvio

Cubel Machado,

de 46 anos, e

reside em Vial

Marly, em Campo

Grande, Mato

Grosso do Sul.


Larissa Pires

Leite, 16 anos,

cursa o 3º ano do

ensino médio no

SESC Cidadania,

em Goiás.

DR/GO

“O SESC CIDADANIA é excelente, em infraestrutura, com espaços

muito bons, uma biblioteca maravilhosa, e com professores de

ótima qualidade: todos são formados, com pós, tem até doutores.

Dá para perceber que sabem transmitir seus conhecimentos

e que vão até além do que a disciplina deles pede. Foi lá que me

apaixonei por Biologia, e foi provavelmente pela forma do ensino

que despertou em mim a vontade de cursar Medicina – estou no

último ano, farei vestibular para ser médica. Quero ser geriatra.

Estudamos em um ótimo laboratório, para Biologia, Química e

Física. Antes estudei Biologia de forma vaga. Venho do interior,

de Montes Claros de Goiás, meu colégio era público e eu não tinha

tido a oportunidade de conhecer uma escola assim. Mas soube

que meus primos Gabriel e Lucas estudavam no SESC Cidadania,

e o ensino era elogiado. Então passei por uma entrevista e fui

selecionada. Eu gosto muito do SESC.”

O CENTRO EDUCACIONAL

SESC CIDADANIA ELIAS

bUfAIçAL NETO, OU SESC

CIDADANIA, é UMA DAS

MAIORES ESCOLAS DA

REGIãO CENTRO-OESTE.

AbRIGA ALUNOS NO ENSINO

fUNDAMENTAL, NO ENSINO

MéDIO, NO CENTRO DE LíN-

GUAS E AINDA EM CURSOS

DE qUALIfICAçãO PROfIS-

SIONAL. A PROPOSTA DA ES-

COLA é INTERDISCIPLINAR,

APROXIMANDO CONTEúDOS

DE EDUCAçãO, CULTURA,

LAzER, MEIO AMbIENTE E VI-

VêNCIAS EXTRACLASSE, EM

AULAS COM PESqUISA DE

CAMPO, EXCURSõES, PAS-

SEIOS CULTURAIS E AçõES

SOCIAIS jUNTO à COMUNI-

DADE. A ESCOLA TAMbéM

INVESTE fIRMEMENTE NA

fORMAçãO CONTINUADA

DOS PROfESSORES.

EM SALA DE AULA: Da eDucação infantil ao ensino méDio

Marco Monteiro

11


12

A ESCOLA SESC DE ENSINO

MéDIO REALIzA UM PROCES-

SO SELETIVO EM TODO O

bRASIL, PROPORCIONANDO

AOS SEUS ESTUDANTES

UMA fORMAçãO DE EXCE-

LêNCIA PARA O INGRESSO

NO ENSINO SUPERIOR, ALIA-

DA à qUALIfICAçãO PROfIS-

SIONAL, DESENVOLVIDA EM

PARCERIA COM O SERVIçO

NACIONAL DE APRENDIzA-

GEM COMERCIAL (SENAC). O

CAMPUS DA ESCOLA AbRIGA

500 ALUNOS, NUMA COMU-

NIDADE RESIDENCIAL qUE

TAMbéM INCLUI PROfES-

SORES, E qUE ENCORAjA E

VALORIzA A CONVIVêNCIA.

O REGIME DE hORáRIO INTE-

GRAL POSSIbILITA A OfERTA

DE ATIVIDADES EDUCATIVAS

EM SALAS DE AULA E EXTRA-

CLASSE, EM ESPAçOS COMO

O TEATRO, LAbORATóRIOS,

OfICINAS, bIbLIOTECA E

COMPLEXO ESPORTIVO.

César Duarte

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

“Desde que ingressei na ESCOLA SESC DE ENSINO MéDIO venho crescendo

mais a cada dia. É uma experiência maravilhosa e inovadora.

Um sonho que se tornou realidade. Durante três anos, desenvolvi

potencialidades que me ajudaram em minha realização pessoal.

Com certeza é uma oportunidade ímpar para um aluno, já que possuo

uma educação de excelência. O ambiente escolar e residencial

é um diferencial, que garante uma experiência para a vida toda.

Além disso, a Escola SESC me proporcionou a oportunidade de

aperfeiçoar o meu papel de cidadão, tornando-me um líder servidor,

capaz de transformar o nosso entorno, dei aulas de reforço

de Português e recreação em comunidades vizinhas, nos bairros

do Anil e da Gardênia Azul. Com essa vivência, pude ter mais contato

com a área e acabei me apaixonado pelo trabalho, servir ao

próximo é uma dádiva e acho que a possuo. Sendo assim, pretendo

cursar Serviço Social na universidade, e espero ser um ótimo

profissional, pois gosto do que faço. Com os cursos técnicos profissionalizantes,

oferecidos em parceria com o senAC, também já

me sinto apto a ingressar no mercado de trabalho. Poderia atuar

na área de recursos Humanos ou Fotografia. todas as atividades

desenvolvidas na Escola nos preparam para a vida lá fora.”

Departamento

Nacional

Wesley Santos

do Vale, 17 anos,

natural de Boa

Vista (RR), é aluno

do 3º ano da

Escola SESC de

Ensino Médio, no

Rio de Janeiro (RJ).


EXTRACLASSE:

RefoRço escolaR e foRmação De

PRofessoRes


14

Odília Maria

O PROjETO CARAVANA DA

ESPERANçA PROMOVE UM

TRAbALhO DE RESPONSAbILIDADE

SOCIAL jUNTO A

COMUNIDADES CARENTES,

COM AçõES DE NATUREzA

EDUCATIVA. DESENVOLVIDO

EM PARCERIA COM ASSO-

CIAçõES DE MORADORES E

IGREjAS, ATENDE CRIANçAS

DE 7 A 10 ANOS, COM

ATIVIDADES DIáRIAS DE

hAbILIDADES DE ESTUDO

(REfORçO ESCOLAR),

OfICINAS DE ARTES, AULAS

DE MúSICA, RECREAçãO,

ENTRE OUTRAS. ATUAL-

MENTE SãO bENEfICIADAS

CERCA DE 400 CRIANçAS

EM CINCO COMUNIDADES

DE ARACAjU: MOSqUEIRO,

PONTO NOVO, AGAMENON

MAGALhãES, PENTECOSTES

E COqUEIRAL.

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

“Na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, estudo, aprendo e

brinco muito de zé-pereira, mas o que eu gosto mesmo é de estudar.

Adoro Matemática, fazer continha, brincar com os números.

Sou boa aluna e sempre tiro dez. Por isso quero ser professora de

Matemática, sempre quis, e a minha irmã, Ingrid, que estuda comigo

lá, quer ser professora de Português. Gostamos de estudar.

Entramos na CARAVANA DA ESPERANçA há dois anos, porque a mamãe

nos colocou. Gosto dos colegas e dos professores, eles são

bons, ensinam bem. Estou estudando melhor, minhas notas melhoraram.

eu e minha irmã também aprendemos flauta doce, mexemos

com tintas e artes.”

Alice Brito dos

Santos, 7 anos, e

Ingrid Brito dos

Santos, 9 anos,

são inscritas no

projeto Caravana

da Esperança, na

comunidade de

Mosqueiro, em

Sergipe.

DR/SE


DR/PR

Taciana Carolina

da Conceição

de Oliveira, 10

anos, mora em

Apucarana, Paraná.

Passou pelas

atividades do

PROGRAMA

SESC

EDUCAçãO DE

REfERêNCIA

(SER).

Adilson Yoshio

“Fiz teatro, música, jogava vôlei e basquete

na quadra, pintava quadro, usava

muitas tintas, tudo isso com o SESC

na minha escola, por quase um ano. Fiz

também provinha de desenho. Adorei.

Minha escola é a Escola Municipal Papa

João XXIII. Todos os amigos do SESC

eram muito legais. Mas o que eu mais

gostava mesmo era a biblioteca do SESC,

muito cheia de livros. Na minha escola

não havia biblioteca assim. Eu sempre

gostei de ler. As minhas histórias preferidas

eram, por exemplo, do Chapeuzinho

Vermelho e do Lobo Mau, e da Barbie. A

que eu mais gosto, até hoje, é a do Menino

Maluquinho. Mas nunca tinha visto

uma biblioteca daquela.

Hoje, então, chego em casa, tomo banho,

troco de roupa e vou logo ler. Também,

depois do SESC, comecei a pedir livros

emprestados para minha tia Lúcia, porque

a casa dela é cheia de livros. O que é

melhor quando eu leio é que as imagens

aparecem na minha cabeça, eu faço como

peças de teatro na minha imaginação.”

O SER é REALIzADO fORA

DO hORáRIO ESCOLAR, COM

ATIVIDADES CONCENTRADAS

NAS áREAS DE CULTURA,

CIêNCIA E TECNOLOGIA E

CORPO E MOVIMENTO. EM

APUCARANA A INICIATIVA

COMEçOU COM O PROjETO

IGUALDADE NA DIfERENçA,

ONDE SãO TRAbALhADOS

CONTEúDOS DE PREVENçãO

à VIOLêNCIA NA ESCOLA.

EXTRACLASSE: REfORçO ESCOLAR E fORMAçãO DE PROfESSORES

15


16

“Fiquei sabendo do reforço do SESC com

uma prima, a Valesca, que também tem

11 anos. Fui eu que quis entrar, não foi

minha mãe quem pediu. Estudo lá todas

as manhãs, e de tarde vou às aulas,

na Escola Experimental Colégio Nossa

Senhora Auxiliadora, no Centro. Tenho

uma bolsa na Escola.

Gosto bastante de Português, mas tinha

muita dificuldade em Matemática. Os

professores são bons à beça: perto das

provas da escola eles passam atividades,

revisam matérias, tiram todas as dúvidas.

Além disso, o SESC é ótimo porque

lá eu também jogo bola, brinco de vôlei,

faço passeios, tem teatro, desenho. O reforço

vai me ajudar a ser o que eu quero,

quando crescer: veterinário. Eu sempre

soube o que eu queria ser. Não preciso

de reforço em Ciências, mas eles oferecem

assim mesmo. E lá ainda tenho contato

com muitos bichos.”

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

O PROjETO hAbILIDADES DE

ESTUDO (PhE) NA PARAíbA é

REALIzADO EM TRêS CIDADES:

PATOS, SOUSA E CAjAzEIRAS. O

PROjETO OfERECE EDUCAçãO

DE qUALIDADE PARA CRIANçAS

SEM CONDIçõES DE PAGAR POR

REfORçO ESCOLAR. ALéM DO

INCREMENTO AOS ESTUDOS, A

INICIATIVA PROMOVE ATIVIDADES

CULTURAIS, RECREATIVAS E DE

LAzER, DESENVOLVENDO NAS

CRIANçAS hAbILIDADES PARA

MELhORAR OS ESTUDOS E VIVER

EM SOCIEDADE. AS ATIVIDADES

NO SESC ACONTECEM SEMPRE

NO hORáRIO OPOSTO AO qUE AS

CRIANçAS ESTUDAM NA ESCOLA

REGULAR.

Roberto Marcelo

Caio Vinícius

Pinheiro Abrantes,

11 anos, é aluno

do projeto

hAbILIDADES

DE ESTUDO,

em Sousa,

no interior da

Paraíba.

DR/PB


DR/MA

Robson Silva

Correa, 25 anos,

reside na Casa

do Estudante do

Maranhão. Ele é

de Santa Luzia

do Tide, a 280

quilômetros de

São Luís (MA).

“Falar sobre o SOS VESTIbULAR é uma forma de agradecer ao SESC

a acolhida em São Luís. Sou do interior; o SESC é minha segunda

casa aqui na capital. estou no primeiro período de Design Gráfico,

na Universidade Federal do Maranhão, graças ao sesC – fiz meu

primeiro curso SOS Vestibular em 2008, e agora estou no segundo,

pois quero cursar também algo em sistema de informação.

Procurei o projeto pelo sucesso que ele fazia: as pessoas falavam

muito do índice de aprovação, e fui conferir. O curso começou

numa salinha no SESC Deodoro, sem muita gente, e hoje há até

lista de espera. Apesar da necessidade de ajustes que todo curso

tem, de atualização constante, é uma das melhores equipes de

preparatório aqui da cidade, com os melhores professores de São

Luís, que nos cobram e incentivam o estudo – que, aliás, faço todas

as tardes na biblioteca do SESC Administração. Outro aspecto

muito bom é que o projeto é um dos que mais tentam se adequar

à unificação do enem com as provas das universidades federais,

o que tornou o vestibular muito mais exigente em raciocínio. Enfim,

o sOs Vestibular é uma referência em educação.”

O SOS VESTIbULAR DO

SESC fACILITA A ENTRADA

NA UNIVERSIDADE DOS

jOVENS MARANhENSES. A

EqUIPE DE PROfESSORES

é qUALIfICADA E A CARGA

hORáRIA é COMPATíVEL

COM O EXAME NACIONAL

DO ENSINO MéDIO (ENEM) E

OS EDITAIS DAS UNIVERSI-

DADES. qUEM CONCLUIU O

ENSINO MéDIO, OU CURSA

O 3º ANO DO ENSINO MéDIO

NA REDE PúbLICA, E POSSUI

RENDA DE 1 A 3 SALáRIOS

MíNIMOS PODE SE INSCRE-

VER GRATUITAMENTE NO

SOS VESTIbULAR.

EXTRACLASSE: REfORçO ESCOLAR E fORMAçãO DE PROfESSORES

Danilo Pinheiro

17


18

Edmar Perrone

O CURSO DE IDIOMAS DO

SESC AMAzONAS OfERECE

A COMERCIáRIOS E SEUS

DEPENDENTES O ENSINO DA

LíNGUA INGLESA E DA ESPA-

NhOLA, COMPREENDENDO

AS fASES DE INGLêS/ESPA-

NhOL báSICO, INTERMEDIá-

RIO E PóS-INTERMEDIáRIO.

O CURSO fUNCIONA NAS

UNIDADES DO CENTRO E

bALNEáRIO EM MANAUS,

E NO MUNICíPIO DE

PRESIDENTE fIGUEIREDO,

DISTANTE DA CAPITAL 107

qUILôMETROS.

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

“Gosto demais dos CURSOS DE IDIOMAS do SESC. Para mim é um

desafio, uma necessidade. É muito importante aprender outras

línguas, pois só assim se sobrevive no mercado de trabalho. Terminei

o curso de inglês e comecei o de espanhol. O último ano de

inglês já foi como bolsista; e o de espanhol será todo pelo PCG.

entrei no inglês do zero, não sabia nada. Mas consegui, graças

aos professores, que são realmente interessados no ensino, e se

esforçam para que os alunos aprendam.

No mais, o método do SESC é diferente dos outros cursos, acredito,

porque eles dão ênfase às quatro principais etapas do aprendizado

da língua estrangeira: ouvir, escrever, falar e ler. Não é

objetivo do curso que o aluno decore frases, mas que ele se comunique

nas mais diversas situações. O SESC é tão bom que minha

família inteira frequenta os cursos: minha esposa Marinelda

e minha filha mais velha, Mairla, fazem agora o inglês; a caçula,

Maria Vitória, está no ensino fundamental, mas já começa a ir às

nossas aulas aos sábados também. Mas o que eu queria mesmo

é que, com essa qualidade toda, o SESC oferecesse também aulas

de japonês. seriam ótimas.”

Pedro Elias

Martins Moreira,

38 anos, é

comerciário do

setor moveleiro

e reside em

Manaus (AM).

DR/AM


DR/MG

Luciana Ferraz, 27

anos, é professora

da Creche Casinha

da Vovó, em Belo

Horizonte (MG).

Termina em 2010

a formação em

Pedagogia. Cursou

o Trem de Histórias

Uai na unidade

SESC Biblioteca

Central.

O TREM DE hISTóRIAS UAI é DESTINA-

DO A EDUCADORES E PROfESSORES

DA EDUCAçãO INfANTIL, DO ENSINO

fUNDAMENTAL, DO ENSINO MéDIO E A

INTERESSADOS EM GERAL. O PROjETO

CAPACITA EDUCADORES PARA SEREM

MULTIPLICADORES DA ARTE DE CON-

TAR hISTóRIAS, DANDO SUbSíDIOS

AOS EDUCADORES PARA CRIAçãO E

CONSTRUçãO DE NOVAS ALTERNATI-

VAS EM SEU DIA A DIA, POR MEIO DE

DINâMICAS, LEITURAS, INTERPRETAçõES

E CONTAçõES DE hISTóRIAS. O

ObjETIVO MAIOR é CONTRIbUIR COM O

PROCESSO EDUCACIONAL, TRANSfOR-

MANDO A SALA DE AULA EM UM MO-

MENTO PRAzEROSO DE ENSINAMENTO

E DE APRENDIzAGEM.

Déa Tomich

“Posso dizer que minha formação como

educadora não vem apenas do currículo

da escola, mas, graças a Deus, dos cursos

de formação do SESC. Do início de 2009

até meados de 2010, fiz vários desses

cursos, onde aprendi sobre educação

crítica, brinquedotecas, hábito de leitura,

educação inclusiva, musicalização, temas

transversais, artes plásticas. O mais

recente foi o TREM DE hISTóRIAS UAI, onde

se aprende a desinibição, a presença de

palco, a expressão de várias linguagens,

como contador de histórias.

Na verdade, os professores aprendem

a verbalizar ali muitos conteúdos que

servem tanto à vida pedagógica quanto

à vida cotidiana. e esse aprendizado é

tão necessário! A arte-educação, principalmente,

agrega conhecimentos que

são fundamentais a qualquer trabalho

com as crianças. E o melhor dos cursos

do SESC é a alegria de conhecer pessoas

a fim de levar a mesma mensagem – acabamos

formando uma grande rede, para

além das aulas. Com o SESC também me

tornei uma multiplicadora: com a minha

iniciativa levei muitos colegas aos cursos

gratuitos, além de apresentá-los à escola

pública onde fiz minha formação no

magistério. Hoje eles praticamente são

integrados à formação de muitos professores

que passam por lá. E acho que

isso precisa se ampliar, com a divulgação

cada vez maior desses cursos gratuitos

aos professores. O SESC é um grande

ponto de encontro, e também um ponto

de partida para educadores.”

EXTRACLASSE: REfORçO ESCOLAR E fORMAçãO DE PROfESSORES

19


NOVOS RUMOS:

eDucação e cuRsos De

valoRização social


Silvana Carvalho

de Andrade, 31

anos, residente

em Florianópolis

(SC), cursa a

Educação de

Jovens e Adultos

do SESC.

DR/SC

“Parei de estudar há treze anos, na 8ª série, porque casei, tive

filho, e decidi me dedicar ao lar. Mas há um ano e meio retomei,

porque sempre tive o sonho de fazer Pedagogia. Cursei o primeiro

e o segundo anos do ensino médio na EDUCAçãO DE jOVENS E

ADULTOS do sesC à noite, e agora estou no último ano. e vou tentar

passar para a Universidade Federal de Santa Catarina. Voltei a

me animar para a faculdade porque ajudo minha filha Kauany, de

7 anos, nos estudos, e porque sempre gostei mesmo do ensino, de

lidar com crianças. Venho de uma família de professores.

O sesC tem uma metodologia muito interessante, com muita flexibilidade,

bem voltada para o público que não tem tempo para

estudar, que trabalha fora, pessoas mais velhas. Os professores

são muito pacientes, fazemos sempre trabalhos em sala de aula,

em duplas ou grupos. Sem falar da gratuidade do curso, o que é

um atrativo. Para mim, por exemplo, que estou fora do mercado

de trabalho, seria bem difícil tentar sem essa facilidade.”

A EDUCAçãO DE jOVENS

E ADULTOS DO SESC é

DESTINADA A PESSOAS

COM MAIS DE 15 ANOS DE

IDADE. ELA OfERECE

ALfAbETIzAçãO E ESCOLA-

RIzAçãO AOS PARTICIPAN-

TES. OCORRE EM CENTROS

DE ATIVIDADES DO SESC

PELO PAíS E NOS CENTROS

EDUCACIONAIS DO SESC

LER. A EjA SESC PERMITE

AO ALUNO O ACESSO

GRATUITO A DIfERENTES

LINGUAGENS E fORMAS

DE SAbERES, E ELE AINDA

PODE PARTICIPAR DE

AçõES EM TODAS AS áRE-

AS DE ATUAçãO DO SESC.

NOVOS RUMOS: EDUCAçãO E CURSOS DE VALORIzAçãO SOCIAL

Lio Simas

21


22

Edson jesus Vincentin/fotoStylus

Maria de Fátima

Ferreira da

Silva Viana, 41

anos, reside em

Presidente Médici,

a 346 quilômetros

de Porto

Velho, capital

de Rondônia.

Trabalha numa

cooperativa

de serviços de

limpeza.

DR/RO

O SESC LER é UM PROjETO

DE ALfAbETIzAçãO DE

jOVENS E ADULTOS. é DE-

SENVOLVIDO EM CENTROS

EDUCACIONAIS DO SESC

IMPLANTADOS NO INTERIOR

DOS ESTADOS bRASILEI-

ROS, COM PROGRAMAçãO

SOCIOEDUCATIVA, DE

CARáTER INTERDISCIPLINAR

E PARTICIPATIVO. ALéM DA

EDUCAçãO DE jOVENS E

ADULTOS (EjA), O SESC LER

OfERECE TAMbéM ATIVIDA-

DES DE CULTURA, ESPORTE,

SAúDE E LAzER AOS hAbI-

TANTES DAS COMUNIDADES

ONDE ATUA. EM RONDôNIA,

há CENTROS EDUCACIONAIS

EM CINCO CIDADES: NOVA

MAMORé, ARIqUEMES,

jI-PARANá, PRESIDENTE

MéDICI E VILhENA.

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

“O SESC LER é excelente. Para mim e todos que estudam lá. Nós temos

o sentimento de que os professores trabalham mesmo para a

gente, de que se esforçam bastante até que nós possamos aprender,

de verdade. Mesmo tendo feito até a 1ª série do fundamental,

cheguei ao SESC sem saber ler e escrever direito. Não me sentia

preparada, eu só lia soletrando, e tinha até vergonha de dizer que

não sabia. Não é fácil não saber: eu não conseguia me virar em situação

nenhuma, sem conseguir ler e escrever. Precisava de todo

mundo, sempre, para ajudar a ler as coisas.

Foi como começar tudo de novo. Mas eu consegui. Estou muito

melhor do que há um ano atrás, e tenho grande incentivo dos

meus filhos e das pessoas do meu trabalho, para que eu não pare

de jeito nenhum. No ano que vem termino o fundamental, e vou

fazer o ensino médio. Depois, quem sabe, até faculdade – tenho

vontade de estudar Pedagogia. Quem me dera! A vontade é grande.

Não vou desistir. O SESC me ajudou nisso, na vontade. Todos

os alunos gostariam de continuar a estudar lá, a cursar o ensino

médio no SESC LER.”


DR/MT

Laudelina

Magalhães

da Silva, 55

anos, reside

em Poxoréu,

Mato Grosso. É

aposentada.

“Agora vejo o mundo de forma diferente. Já surgiu tanta coisa

boa depois que aprendi a ler e escrever. Agora posso viajar, posso

assinar sem ter medo de errar, posso ir a lugares que eu não ia

antes, consigo decorar meu número de telefone. E, principalmente,

posso estudar música e poesia, que eu sempre quis, mas não

tinha como, antes. Eu sempre adorei poesia.

O SESC LER caiu do céu. Sou de Rondonópolis, vim para Poxoréu

com 4 anos de idade. nunca fiz alfabetização porque, primeiro,

não tinha recursos e oportunidade, a vida inteira trabalhando em

fazenda; depois, quando tinha recursos, não tinha tempo. Não

havia chance para nada. Mas consegui. Já estou quase no fim, no

segundo ciclo – estudo há sete anos no SESC. Em geral as pessoas

levam até três anos, mas, por problemas de saúde, demorei um

pouco mais. estudo à noite, e de dia ainda posso cuidar da minha

neta, Beatriz, que já está com 12 anos, e do meu companheiro,

João Bezerra. Olha, posso dizer que com a escola eu nasci de

novo. É vida nova, o tempo todo.”

NO MATO GROSSO, O

SESC LER ACONTECE EM

CENTROS EDUCACIONAIS

EM POXORéU, CáCERES

E ALTA fLORESTA. ALéM

DA EDUCAçãO DE jOVENS

E ADULTOS (EjA), OS

CENTROS EDUCACIONAIS

TAMbéM OfERECEM O

PROjETO hAbILIDADES

DE ESTUDO (PhE), DE

REfORçO ESCOLAR.

NOVOS RUMOS: EDUCAçãO E CURSOS DE VALORIzAçãO SOCIAL

Damião Sirqueira

23


24

“O curso é uma porta que se abre principalmente

para donas de casa que não

podem trabalhar fora por conta do excesso

de tarefas no lar. Para mim, que

tenho quase a responsabilidade toda

de criar meus três filhos, Carlos, José e

Karine, foi muito bom, porque posso me

preocupar com o desenvolvimento deles

e ainda ter uma renda extra – mesmo

sem ter completado o segundo grau (era

como se chamava na minha época).

Trabalho há mais de dez anos com artesanato,

fazendo bijuterias, montando

bonecas de pano, biscuits. Mas nunca

tinha ouvido falar sobre customização;

não sabia o que era. Aí durante um CUR-

SO DE CORTE E COSTURA NO SESC uma professora

apresentou a técnica, e convidou

as alunas para participar de aulas novas.

Então descobri que eu já fazia isso, em

casa mesmo, reformando a roupa dos

meninos: é aplicar um material que

combine com o tecido em que você está

trabalhando, pode ser outro tecido, ou

botão, ou tinta. É reaproveitamento, restauração.

Mas com a técnica é outra coisa.

Hoje a customização está rendendo

também, junto com o artesanato.”

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

Alessandro Costa

O CURSO DE CUSTOMIzAçãO

DE ROUPAS é OfERECIDO PELO

SESC PARNAíbA. OS CURSOS DE

VALORIzAçãO SOCIAL OfERE-

CEM AULAS EM ATIVIDADES qUE

PODEM GERAR RENDA PARA CO-

MERCIáRIOS E USUáRIOS. ALéM

DA GERAçãO DE RECURSOS, O

PROjETO TAMbéM GARANTE O

RESGATE DA AUTOESTIMA DOS

PARTICIPANTES, POR MEIO DE

ATIVIDADES DE ASSISTêNCIA.

NO PIAUí SãO OfERECIDOS OS

CURSOS DE bISCUIT, bORDADO

A MãO E CUSTOMIzAçãO DE

ROUPAS.

Marcilene Santos

Nascimento, 38

anos, vive em

Parnaíba, a 336

quilômetros de

Teresina (PI).

DR/PI


EESP

Eloiza Nila da

Costa, 35 anos,

é moradora

de Poconé, no

Pantanal Mato-

Grossense. Ela

faz o Curso

de Bordado

no Centro de

Atividades do

SESC.

“Sou cuidadora de idosos, mas trabalhar com arte manual sempre

me ajudou nas rendas extras: sei fazer pintura em tela, em tecido,

entalhes de madeira, ponto de cruz, ponto oitinho. Uma amiga

minha que trabalha no SESC me falou que eles iriam ensinar de

graça o ponto-russo, que é bordado em linhas. Eu já conhecia,

mas não aprendi bem. E eles ainda dão o material todo de sala de

aula. Então me inscrevi no CURSO DE bORDADO. Soubemos também

que seria dado um curso de violão, então meu filho Danilo Gabriel,

de 9 anos, também aproveitou. Mal comecei e já estou com

várias encomendas!

Foi uma grande oportunidade. Aliás, o SESC em Poconé é uma

ótima oportunidade para as pessoas daqui aprenderem e trabalharem,

estudarem, e com isso conseguirem mais recursos. Antes

não tínhamos onde aprender essas coisas. É muito bom para

quem quer continuar a se aperfeiçoar. No meu caso, que preciso

criar meu filho sozinha, é realmente uma chance.”

O CURSO DE bORDADO

INTEGRA OS CURSOS DE

VALORIzAçãO SOCIAL. AS

TURMAS NO CENTRO DE

ATIVIDADES DE POCO-

Né SãO DE TAMANhOS

VARIADOS, GERALMENTE

20 ALUNOS. TAMbéM SãO

OfERECIDOS CURSOS DE

PINTURA EM TECIDO, MA-

NICURE E PEDICURE, ARTE-

SANATO EM PATChwORk,

PINTURA EM TELA, TRICô,

ARTESANATO EM TEAR,

CORTE E COSTURA, ENTRE

OUTROS.

NOVOS RUMOS: EDUCAçãO E CURSOS DE VALORIzAçãO SOCIAL

Thiago bazzi

25


26

“Ainda estou terminando o curso de COR-

TE E COSTURA no SESC Doca, mas já me

inscrevi no de Malharia! Agora vou em

frente: nunca encontrei uma aula onde

eu aprendesse tão bem, pois o SESC dá

tudo: do lápis e papel ao tecido e à máquina,

com a professora por perto, sempre

vistoriando. Fiz vários cursos básicos

de costura industrial, em São Paulo,

todos com molde de papel, mas em nenhum

aprendi tão rápido e tão prático.

No SESC estou sempre na frente da turma,

sou sempre a primeira a entregar as

tarefas.

trabalho já com enxoval para bebês e

cortinas, mas faltava fazer roupas. Principalmente

as minhas, pois tenho 1,56

metro e peso 40 quilos, sou bem pequenininha,

e por isso comprava sempre em

lojas de roupas para crianças. Desde o

começo do curso, em abril, já fiz calça

comprida, camisa, vestido, saia... Falta

agora um blazer. Minhas sobrinhas – são

12 – não param de me pedir peças.

O SESC faz parte de uma grande virada

na minha vida. Em São Paulo eu era laboratorista

de lentes, mas não era o que eu

gostava mesmo. Fiquei desempregada,

e foi a melhor coisa que me aconteceu,

hoje é que vejo: porque aí procurei o que

eu gostava, que era costurar. Vim para

o Pará, pois minha família toda mora

aqui (seis irmãos), para ajudá-los, mas

aí conheci o curso do SESC, o que foi um

ponto para ficar. sinto saudades de são

Paulo, mas aqui, fazendo as roupas, está

muito bom. A gente não sabe os desígnios

de Deus.”

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

Armando Sarubby

NO PARá INTEGRAM TAMbéM

OS CURSOS DE VALORIzAçãO

SOCIAL OfERECIDOS PELO

PROGRAMA DE COMPROMETI-

MENTO E GRATUIDADE (PCG)

OS CURSOS DE APRESEN-

TAçãO PESSOAL (ESTéTICA

E bELEzA) E TRAbALhOS

MANUAIS. AS TURMAS NãO

ULTRAPASSAM 30 ALUNOS.

DR/PA

Sonia Lucia

Carrera de

Rezende, 58 anos,

é amapaense.

Morou 28 anos em

São Paulo e vive

em Ananindeua,

na região

metropolitana de

Belém (PA).


DR/BA

Ilma Rodrigues

Jesus, 32 anos,

é moradora da

comunidade

Tancredo Neves,

em Salvador,

Bahia. Ela

frequenta o

curso Tranças

com Mega.

O CENTRO DE fORMAçãO ARTESANAL DO

SESC, EM SALVADOR, DESENVOLVE CUR-

SOS E OfICINAS DE VALORIzAçãO SOCIAL

E ARTESANATO, PARA O AUMENTO DA

SOCIAbILIDADE E DA AUTOESTIMA, ALéM

DE PROPORCIONAR GERAçãO DE RENDA.

A CADA EXERCíCIO, REALIzA EXPOSIçõES

DOS TRAbALhOS DOS ALUNOS. ATUA EM

COMUNIDADES CARENTES, UTILIzANDO

AULAS DE ARTESANATO, CULINáRIA,

CORTE E COSTURA, TRAbALhOS MANUAIS

E APRESENTAçãO PESSOAL COMO fERRA-

MENTAS DE PROMOçãO SOCIAL. ALCANçA

62 COMUNIDADES COM bAIXO íNDICE DE

DESENVOLVIMENTO hUMANO (IDh), UM

UNIVERSO DE 9 MIL ALUNOS INSCRITOS,

DISTRIbUíDOS EM 312 TURMAS.

César Vilas boas

“Faço tranças desde cedo. Na verdade

cursei técnica de enfermagem, mas nunca

trabalhei em enfermagem oficialmente,

de carteira assinada, porque esse trabalho

com cabelos aprendi em família, e

até hoje faço. tenho uma clientela fixa,

forte, e atendo em casa. Há muito tempo

eu sentia necessidade de aprimorar meu

trabalho: ficava bom, mas podia ser melhor,

se eu soubesse as técnicas usadas

nos salões. Mas esta técnica é difícil, e os

cursos eram sempre muito caros para

mim; eu nunca poderia pagar.

Então o CENTRO DE fORMAçãO ARTESANAL

do SESC ofereceu as aulas de Tranças

com Mega aqui na associação de moradores,

de graça. Estou achando maravilhoso

e aproveitando ao máximo. E

minhas clientes também, porque o resultado,

que já era bom, está cada vez

melhor. As aulas são ótimas, e a professora,

perfeita. Vou ao curso uma vez por

semana e, por minha experiência grande,

sou considerada uma das melhores

da turma. Ao final do ano devemos fazer

uma exposição de tranças, aqui na comunidade.”

NOVOS RUMOS: EDUCAçãO E CURSOS DE VALORIzAçãO SOCIAL

27


28

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

CORPO E MENTE:

esPoRte, cultuRa e ação social


Jéssica Letícia

Vasconcelos

Lisboa, 12 anos,

mora em Brasília,

Distrito Federal.

É aluna da 6ª

série do ensino

fundamental do

SESC 4.

DR/DF

“Vou ao PROGRAMA ESPORTIVO SOCIAL E CIDADANIA, segundas, quartas

e sextas à tarde, para fazer vários esportes: handebol, voleibol,

tênis, natação. Podemos praticar mais de um esporte por dia,

mas também fazemos passeios e temos palestras sobre muitos

assuntos interessantes: já aprendemos sobre drogas, sobre sexo,

sobre prevenção a doenças. Nos passeios vamos a exposições –

algumas no próprio SESC – e lugares como o zoológico, por exemplo.

Gosto muito de lá, fiz muitos amigos, minhas notas na escola

melhoraram também um pouco por conta disso. As notas estão

altas porque aprendo um pouco de cada coisa lá, e quando temos

dúvidas nas matérias da escola os professores ajudam a gente. E

ainda temos médico e dentista.

O engraçado é que quando fui sorteada na escola não dei muita

importância, mas hoje eu adoro. É tão bom que minha mãe colocou

meu irmão Douglas também no programa. Por conta dele,

muitas pessoas são ajudadas, pessoas sem recursos, que não teriam

condições financeiras para pagar o que eles oferecem.”

O PROGRAMA ESPORTI-

VO SOCIAL E CIDADANIA

(PESC) ATENDE CRIANçAS

DE 7 A 12 ANOS EM ESTADO

DE VULNERAbILIDADE

SOCIAL. ATIVIDADES

ESPORTIVAS E CULTURAIS,

LAzER, INfORMAçõES

SObRE MEIO AMbIENTE,

TURISMO CíVICO, REfORçO

ESCOLAR, OfICINAS E

ACOMPANhAMENTO MéDI-

CO, NUTRICIONAL E ODON-

TOLóGICO SãO AS AçõES

DESENVOLVIDAS. AS

CRIANçAS PARTICIPANTES

DO PESC DEVEM ESTAR MA-

TRICULADAS EM ESCOLAS

PúbLICAS DAS CIDADES DO

GAMA, VILA ESTRUTURAL

E TAGUATINGA SUL. TODO

O MATERIAL UTILIzADO PE-

LAS CRIANçAS, INCLUINDO

A ALIMENTAçãO, é CEDIDO

PELO SESC.

CORPO E MENTE: ESPORTE, CULTURA E AçãO SOCIAL

j.R. Neto

29


30

Renato Vicentini

O PROjETO ESPAçO

CIDADãO E ORIENTAçãO

ESPORTIVA (PECOE) DESEN-

VOLVE UM TRAbALhO DE

EDUCAçãO COMPLEMEN-

TAR, VISANDO à MELhORIA

DA qUALIDADE DE VIDA

DE CRIANçAS E ADOLES-

CENTES, COM ATIVIDADES

EDUCATIVAS, CULTURAIS,

DE PREVENçãO à SAúDE,

ORIENTAçãO à CIDADANIA

E ESPORTIVAS. A INICIATIVA

CONTA COM EqUIPE MUL-

TIDISCIPLINAR, COMPOSTA

POR PROfISSIONAIS DAS

áREAS DE EDUCAçãO

fíSICA, SERVIçO SOCIAL,

PEDAGOGIA E ARTES.

ATUALMENTE OS jOVENS

SãO ATENDIDOS NO SEGUN-

DO TEMPO DAS ATIVIDADES

ESCOLARES, NAS UNIDADES

DO SESC DE COLATINA,

DE VITóRIA, DE CARIACICA

(CELC) E VILA VELhA.

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

“Entrei para o PROjETO ESPAçO CIDADãO E ORIENTAçãO ESPORTIVA em

2009, no início do ano, mas tive de sair, porque precisei ficar em

casa às tardes com o meu irmão mais novo, Marcus Vinicius, para

que minha mãe pudesse ir trabalhar. Fiquei muito triste, porque

lá fazemos esportes e temos palestras sobre muitas coisas interessantes:

política, corpo humano, educação sexual, prevenção de

doenças, funcionamento da polícia, como respeitar os pais. Agora

em agosto voltei, pois prometi voltar.

Gosto muito de lá, tenho muitos amigos. No esporte hoje sei mais,

em handebol, basquete, vôlei, futebol. E com as palestras posso

aprender sobre assuntos que a escola não dá; nunca tive chance

de falar sobre estas coisas na escola. no sesC cada mês é um tema,

e é como se fosse uma aula mesmo. Me sinto diferente hoje por

isso: porque sei de coisas que antes não sabia. E também porque

aprendi com os professores, que são muito gentis, que na vida

nada se consegue respondendo – preciso escutar os outros.

Kezia Raysnah

Machado

Correia, 12 anos,

é aluna da 5ª

série do ensino

fundamental da

Escola São Vicente

de Paulo. Reside

no bairro Piedade,

em Vitória (ES).

DR/ES


O PROjETO fUTSAL SESC PROMOVE

ESPORTE E INCLUSãO SOCIAL PARA

CRIANçAS E ADOLESCENTES DE fAMí-

LIAS DE bAIXA RENDA, EM fORTALEzA.

hOjE EXISTEM NúCLEOS NOS bAIRROS

DE PIRAMbU, VILA UNIãO, fARIAS bRITO,

DIAS MACEDO E CENTRO. CADA NúCLEO

ATENDE A 100 ALUNOS, DE 8 A 17 ANOS.

PARA DAR VISIbILIDADE AOS ALUNOS

E POSSIbILITAR A ELES A ENTRADA NO

MERCADO PROfISSIONAL DE fUTSAL,

O PROjETO CRIOU AS SELEçõES SUb

15, 17, 18 E 20. fORMAçãO DE VALORES,

EDUCAçãO, SOCIALIzAçãO E MELhOR

qUALIDADE DE VIDA PARA OS jOVENS ES-

TãO ENTRE OS ObjETIVOS DO PROjETO.

A INICIATIVA DESENVOLVE PARCERIAS

COM DIVERSAS INSTITUIçõES: COLéGIO

LOURENçO fILhO, SESPORTE, fACULDA-

DE fAMETRO E MESA bRASIL SESC.

DR/CE

João Pedro

Bernardo Ferreira

Batista, 14

anos, é morador

de Guaiuba,

na região

metropolitana de

Fortaleza (CE).

jr. Panela

“Faz um ano e meio que estou no PROjE-

TO fUTSAL SESC. Posso dizer que mudou

tudo na minha vida. Não só no esporte,

mas no relacionamento com as outras

pessoas, na disciplina. Ao invés de ficar

pela rua, fazendo coisa errada, eu e os

outros meninos estamos aqui – meus

pais mesmo têm muita confiança no pessoal

do SESC. Eu era mais encrenqueiro.

Venho para o futsal todos os dias, de segunda

a sexta, pela manhã, depois tomo

banho, almoço (eles dão refeição) e vou

para a escola. Inclusive ganhei bolsa no

colégio por conta de convênio do sesC

com a escola. Da minha casa até o SESC

leva cerca de uma hora e vinte minutos,

mais ou menos.

Participo do projeto desde o início, desde

o piloto. Quando começaram as seletivas

para os Núcleos e para as seleções, concorri

com mais de 200 outros meninos,

e passei, entre 25. Hoje jogo na seleção

Sub 17, e jogo no Campeonato Cearense

de Futsal. Quero ser jogador de futsal

profissional, mas também quero cursar

uma faculdade, de Engenharia Civil.”

CORPO E MENTE: ESPORTE, CULTURA E AçãO SOCIAL

31


32

Andréia beca

UM DOS PROjETOS

ESPORTIVOS MAIS

IMPORTANTES DO SESC

TOCANTINS, EM PALMAS,

é O TêNIS SESC. O

PROjETO REúNE ALUNOS

COM IDADES ENTRE 5 E

14 ANOS, EM AULAS GRA-

TUITAS TRêS VEzES POR

SEMANA. O SESC Dá TODA

A ESTRUTURA NECESSá-

RIA, COMO RAqUETES,

bOLINhAS, REDE E A

qUADRA. UM DOS PROfESSORES

é wALTEILDO

ANTUNES AYRES DE LIMA

SEGUNDO, O “TODINhO”,

PRIMEIRO NO RANkING

TOCANTINENSE.

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

“Entrei para o TêNIS SESC para passar o tempo: fui sorteado na

escola, dentre 32 alunos, para uma bolsa no curso, e decidi conhecer.

A bolsa foi por conta de uma parceria entre o meu colégio,

Santa Rita de Cássia, e o SESC. Não dava nada pelo esporte, mas,

depois de um mês, comecei a gostar. e, olha só, hoje sou considerado

o melhor tenista de 16 anos do sesC, e um dos melhores

do estado. Já ganhei três vezes o campeonato interno do sesC,

e acabo de ser campeão em Catalão, Goiás, e vice-campeão em

Redenção, no Pará, na categoria da minha idade.

isso tudo me despertou a vontade de ser professor de tênis. Minha

meta agora – coloquei na cabeça – é ensinar tênis. Vou fazer

vestibular para Educação Física e dar aulas do esporte. Minha

família agora me apoia; mas como eu mesmo, no começo, não ligavam

muito, até que as vitórias foram acontecendo. O fato de

ser gratuito ajuda muito. E os professores são ótimos, educados,

sabem ensinar.”

Israel Oliveira

Ramos, 16 anos,

mora em Palmas,

Tocantins. É aluno

do 1º ano do

ensino médio.

DR/TO


DR/RN

Raiane Simplício,

12 anos, é

aluna do 6º

ano do ensino

fundamental da

Escola Estadual

Fernando

Machado, em

Ponta Negra,

Natal (RN).

VIDA NA VILA é UM PROGRAMA DE

INCLUSãO, DESTINADO A jOVENS

ENTRE 12 E 16 ANOS EM SITUAçãO

DE RISCO SOCIAL. é REALIzADO

NA VILA DE PONTA NEGRA, bAIRRO

DE NATAL, ANTERIORMENTE COM

ALTOS íNDICES DE PRObLEMAS DE

AbUSO E EXPLORAçãO SEXUAL

DE MENORES. O SESC OfERECE:

EDUCAçãO DE jOVENS E ADULTOS

(EjA), ATIVIDADES fíSICAS E DE

LAzER, COMO ESPORTES E DANçAS,

REUNIõES PARA RESGATE DA IDEN-

TIDADE SOCIAL E CULTURAL DA

COMUNIDADE EM ESPAçOS PúbLI-

COS COMPARTILhADOS, AçõES DE

EDUCAçãO AMbIENTAL, EDUCAçãO

INfORMAL E COMPLEMENTAçãO

ESCOLAR, NO ESTíMULO à LEITURA.

Evaldo Gomes

“Gosto muito do xilofone. Tocar relaxa a

cabeça. Toda terça, quinta e sexta estou

lá no VIDA NA VILA, dois dias para tocar

e a sexta para recreação. Antes ficava

às tardes sem fazer nada, vendo televisão.

Mas tive o exemplo do meu irmão,

Reginaldo, de 18 anos, que aprendeu e

tocou xilofone por um bom tempo lá. Então

me animei, e quando ele saiu para ir

para a Marinha o xilofone dele passou

para mim. Quando eu sair será a vez do

instrumento ir para o meu irmão mais

novo, o Reinaldo, que está com 9 anos. O

Reginaldo era melhor do que eu tocando,

mas eu pretendo ir em frente com a

música, não vou parar não. Vamos ver no

que dá.

somos 35 na banda. Fazemos apresentações

onde convidam – a última foi no

McDonald’s. Tocamos Asa branca, Caicai

balão, várias músicas assim populares.

Reparei que ando diferente. Tem um

ano que estou no projeto, mas estou me

soltando mais na escola, com os amigos,

em tudo.”

CORPO E MENTE: ESPORTE, CULTURA E AçãO SOCIAL

33


34

Rodrigo Moreira

O GRUPO DE ChORO

INfANTOjUVENIL DO

SESC SANTO AMARO é UM

PROjETO qUE OfERECE

EDUCAçãO MUSICAL PARA

jOVENS ENTRE 8 E 17 ANOS,

EM SUA MAIORIA PERTEN-

CENTES à COMUNIDADE DE

SANTO AMARO E bAIRROS

ADjACENTES. ALéM DE

ENSINAR AOS INTEGRANTES

O DOMíNIO DE INSTRUMEN-

TOS MUSICAIS, O PROjETO

TAMbéM ACOMPANhA

SEU DESENVOLVIMENTO,

COM AULAS DE REfORçO

E ACOMPANhAMENTO

PSICOLóGICO. O CONjUNTO

COLECIONA PARTICIPAçõES

EM EVENTOS MUSICAIS E

CONGRESSOS.

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

“Vale muito a pena. Depois que comecei a estudar música fiquei

mais tranquilo, com mais educação, mais civilizado. Mais maduro,

acho. Agora já tenho mais consciência da vida. Minhas notas na

escola também melhoraram muito, porque o professor fala muito

em educação, que quem não tira nota boa nos estudos não toca.

Teve até um menino, que tinha repetido duas vezes o mesmo ano,

que começou a passar direto! Precisamos mostrar os boletins da

escola.

Fui parar lá porque pedi à minha mãe para me colocar em algum

curso à tarde, depois da escola. ela estava passando na rua e viu

uma placa grande do SESC falando das aulas. O GRUPO DE ChORO

INfANTOjUVENIL DO SESC começou há três anos e meio, mas estou

lá há dois anos e meio. Somos 20, comigo.

Agora me interesso também mais por instrumentos e músicas

diferentes. Aprendo principalmente chorinho no Grupo, mas já

estou mais ligado em outros tipos de música, porque antes eu só

ouvia as músicas de rádio, pagode e brega. Quero também aprender

violão e guitarra, já. Eu tinha feito há muito tempo aulas de

futsal no SESC Casa Amarela, mas depois saí. Hoje conheço muitas

unidades do SESC, porque nos apresentamos em várias delas,

com o Grupo.”

Matheus

Oliveira, 12

anos, aprendeu

cavaquinho no

Grupo do SESC

Santo Amaro, no

Recife (PE).

DR/PE


“Sempre gostei de música, acho que tenho potencial para ser cantora.

Sou contralto. No curso de INICIAçãO AO CANTO estou conhecendo

a música com mais profundidade: já sei o que é necessário

para alguém cantar bem. Aprendi que não é qualquer pessoa

que pode cantar. Conheço agora estilos diferentes de música, os

instrumentos. Aquilo que antes eu gostava hoje já sinto de outra

maneira. Também estou aprendendo teclado. E muitos e muitos

detalhes que antes eu não sabia. Comecei a ver a música com outros

olhos.

Fiquei sabendo do curso pela minha avó, Oscarina, que cursa a alfabetização

para idosos no SESC Araxá. Ela me incentivou – trouxe

os papéis de inscrição. Sempre fui uma pessoa tranquila, delicada,

e acho que a música está me tornando ainda mais. Ainda

não sei que faculdade irei fazer, mas sei que vou ser cantora. Em

gospel, pop rock ou apenas pop.”

O CURSO DE INICIAçãO AO

CANTO é UMA INTRODUçãO

MUSICAL. NELE, OS ALUNOS

APRENDEM A PARTE báSICA

DA MUSICALIzAçãO, COM

NOçõES DA PARTITURA E

êNfASE EM TéCNICAS VO-

CAIS, POSTURA, hARMONIA

E SUAVIDADE NO CANTO.

AS AULAS SãO TEóRICAS E

PRáTICAS, E SãO REALIzA-

DAS àS TARDES NA UNIDADE

SESC ARAXá. OS ALUNOS

fORMAM UM PEqUENO

CORAL MISTO DE CRIANçAS

E ADOLESCENTES, PARA

APRESENTAçõES.

DR/AP

Abigail Ágape de

Jesus Amaral, 14

anos, é aluna da

8ª série do ensino

fundamental na

Escola Marechal

Castello Branco,

em Macapá (AP).

CORPO E MENTE: ESPORTE, CULTURA E AçãO SOCIAL

Maksuel Martins

35


36

Piu Dip

O SE LIGA! é UM PROjETO

DE EDUCAçãO NãO fORMAL

NA áREA DE ARTES E

ESPORTES, VOLTADO PARA

ADOLESCENTES DE 12 A 18

ANOS. O PúbLICO é MAjO-

RITARIAMENTE DE jOVENS

CARENTES qUE VIVEM EM

COMUNIDADES DO ENTOR-

NO DO SESC SANTO ANDRé.

O PROjETO COMPREENDE

CURSOS SEMESTRAIS ONDE,

ALéM DOS CONTEúDOS

ESPECífICOS, PROCURA-SE

TRAbALhAR A SOCIAbILIzAçãO

DOS jOVENS.

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

“Conheci o SE LIGA! há um ano, foi minha irmã Franciele que

me falou do projeto. Nós moramos bem pertinho do SESC

santo André. Faço dois cursos aqui, um de Grafite e Poesia,

e outro de teatro. Adoro grafitar, a professora Val traz para

os encontros poesias e textos de literatura para nos inspirar,

enquanto o professor Tota ensina a fazer os desenhos,

os moldes, e depois a preenchê-los com tinta. É muito legal.

Hoje gosto até mesmo de ler, fico também procurando textos

em livros...

no curso de teatro, no semestre passado, fiz parte do grupo

de Teatro do Oprimido. Foi muito bom ver o dia a dia

da turma no palco, sabe? As histórias que nós encenávamos

eram reais, do nosso cotidiano. Escrevi até uma peça

sobre pessoas que não querem ouvir sua família e acabam

passando por dificuldades. É muito importante escutar a

opinião de quem realmente gosta de você.”

Renato Matheus

de Freitas Ferreira

tem 14 anos,

estuda e vive

em Santo André

(SP). Cursa a 8ª

série do ensino

fundamental.

DR/SP


O PROjETO CALENDáRIO POPULAR é UMA DAS

INICIATIVAS DO SESC RIO DE jANEIRO VOLTADAS

à DIMENSãO SOCIAL DA CULTURA. NA UNIDADE

MADUREIRA SãO OfERECIDAS AO LONGO DO ANO

OfICINAS DE DANçAS bRASILEIRAS. A CADA fIM

DE SEMANA OS INSCRITOS APRENDEM SObRE

CACURIá, jONGO, SAMbA DE RODA, DANçAS DO SUL,

DANçAS AfRO, MARACATU, COCO, CIRANDA, LUNDU,

SIRIá, CARIMbó E TAMbOR DE CRIOULA, EM OfICI-

NAS E DEMONSTRAçõES DE PROCESSOS CRIATIVOS

DE OITO GRUPOS DE DANçARINOS CONVIDADOS.

A INTENçãO é PROMOVER A REfLEXãO SObRE A

DIVERSIDADE CULTURAL DO PAíS, ESTREITAR RELAçõES

COM LIDERANçAS E ORGANIzAçõES LOCAIS, E

AMPLIAR PARCERIAS, DIfUNDINDO E fORTALECEN-

DO A CULTURA POPULAR.

DR/RJ

Aedda Mafalda,

29 anos, mora em

Piedade, no Rio

de Janeiro (RJ).

Estuda Dança

na Universidade

Federal do Rio de

Janeiro.

César Duarte

“Nossa, o SESC facilitou muito a minha

vida! Depois que descobri os projetos

culturais gratuitos, como o CALENDáRIO

POPULAR, não parei mais. Fiz meu cadastro

no site do SESC, para saber das programações.

É que, em geral, as pessoas

que já trabalham com cultura é que divulgam,

umas às outras. e há tanta gente

que se soubesse poderia ir, pessoas

que moram perto, que gostam de cultura

e não têm acesso. Comigo foi assim:

um amigo me contou das oficinas, mas

eu não pude ir, o mês era de tambor de

crioula. Mas depois soube que as aulas

continuavam e desde então estou frequentando

muito – inclusive remanejei

as aulas de sábado na faculdade para poder

ir às oficinas.

Agora aprendo mais sobre o samba de

roda. Como estudante de Dança, quero

trabalhar exatamente com isso, ritmos

e cultura populares. Os encontros me

trouxeram novos amigos, novos projetos,

e ajudam a me preparar melhor para

o tema com o qual pretendo lidar. Quero

ainda aproveitar as muitas outras programações

voltadas à cultura popular

oferecidas pelo SESC.”

CORPO E MENTE: ESPORTE, CULTURA E AçãO SOCIAL

37


38

Pablo de Luca

SERVIçO SOCIAL DO COMéRCIO

O TRAbALhO SOCIAL COM

IDOSOS ATENDE MAIS DE 150

MIL PESSOAS, EM TODOS OS

ESTADOS bRASILEIROS. ATI-

VIDADES DE SOCIALIzAçãO,

EDUCAçãO, DESENVOLVIMEN-

TO ARTíSTICO, GERAçãO DE

RENDA E CONVIVêNCIA INTER-

GERACIONAL SãO OfERECI-

DAS à TERCEIRA IDADE, PARA

RESGATE DE SUA AUTONOMIA

E AUTOESTIMA.

DR/AL

Jaete Lopes

Rodrigues, 71

anos, residente

em Maceió

(AL). Baiana, é

moradora de Poço

desde que sua

família foi para

Alagoas, há 67

anos.

“Continuo indo ao SESC todos os dias,

mesmo depois de aposentada – trabalhei

35 anos lá, no sesC Poço, como cozinheira.

Hoje participo do coral, do folclore e

do projeto era Uma Vez. Os três fazem

parte do TRAbALhO SOCIAL COM IDOSOS.

Posso dizer que frequentar o SESC assim

é um renascimento para mim. Desde pequena

só fiz trabalhar; praticamente não

tive infância, não tive brincadeiras. Porque

para mim essas atividades são como

brincar. imagina, eu que tenho quatro filhos,

sete netos e agora vou virar bisavó.

No SESC, temos o acompanhamento de

assistentes sociais, que nos tratam com

muito carinho, que estão sempre por

perto, além dos professores, de teatro,

de música, de dança. Quando viajamos,

para apresentações do coral ou do grupo

de folclore – que apresenta muitos pastoreios

e reisados –, é uma festa! É um

clima muito bom. É por isso que hoje em

Alagoas inteira são mais de 800 idosos,

no total. No congresso que o SESC faz

todo ano, é muito bonito de se ver o resultado

desse trabalho.”


DEMONSTRATIVOS DE VALORES APLICADOS PELO SESC NO PROGRAMA DE

COMPrOMetiMentO e GrAtUiDADe (PCG) | 2009

DDRR

VALORES

COMPROMETIMENTO

VALORES GRATUIDADE TOTAL REALIZADO NO PCG

AM 10.051.849,00 6.098.627,00 16.150.476,00

PA 0,00 2.524.389,18 2.524.389,18

TO 256.043,06 237.494,90 493.537,96

AC 125.851,00 125.851,00 251.702,00

AP 97.964,53 355.919,00 453.883,53

RR 0,00 146.063,09 146.063,09

RO 337.364,58 337.364,58 674.729,16

MA 0,00 2.682.138,57 2.682.138,57

PI 420.188,97 420.188,90 840.377,87

CE 3.427.645,00 1.752.580,00 5.180.225,00

RN 0,00 1.270.215,75 1.270.215,75

PB 5.070.105,41 727.948,18 5.798.053,59

PE 4.777.330,72 2.539.012,19 7.316.342,91

AL 747.559,71 363.819,73 1.111.379,44

SE 416.626,62 419.821,30 836.447,92

BA 1.717.869,31 4.191.075,19 5.908.944,50

ES 0,00 2.856.943.47 2.856.943,47

MG 17.027.098,33 33.541.658,12 50.568.756,45

RJ 43.505.678,76 66.734.452,26 1.10.240.131,02

SP 98.171.962,34 166.085.171,91 264.257.134,25

PR 11.798.753,89 5.432.998,58 17.231.752.,47

SC 7.606.524,35 4.756.219,67 12.362.744,02

RS 17.236.991,14 20.630.763,75 37.867.754,89

MT 3.215.874,00 2.936.674,39 6.152.548,39

MS 638.877,00 638.878,00 1.277.755.,00

GO 9.865.112,00 4.729.514,00 14.594.626,00

DF 8.309.154,75 5.531.634,45 13.840.789,20

AN* 0,00 61.408.450,14 61.408.450,14

B R A S I L 244.822.424,47 399.475.867,30 644.298.297,77

* Administração Nacional

valores em reais

More magazines by this user
Similar magazines