ʘ A CRÔNICA NOS PERIÓDICOS SULINOS NO SÉCULO XIX

www2.uefs.br

ʘ A CRÔNICA NOS PERIÓDICOS SULINOS NO SÉCULO XIX

A CRÔNICA NOS PERIÓDICOS SULINOS NO SÉCULO XIX

ISBN: 978-85-7395-211-7

Rosa Cristina Hood Gautério 1

Quando se trata da historiografia literária, a produção escrita em um

determinado período vem a ser o objeto de relevância de investigação. Nesse intento, a

circulação dos periódicos pela cidade do Rio Grande e Pelotas, no Rio Grande do Sul

em meados do século XIX, preenchem páginas da história da crônica no Brasil, quando

de sua relevância em textos narrativos entrelaçados com cenas e episódios da vida

cotidiana que, apontando um caráter literário, perpassaram pelas sensações e emoções

humanas naquele século.

A busca que envolveu a pesquisa, “A crônica nos periódicos sulinos no século

XIX”, assinalou um recorte temporal tomando a segunda metade daquele século com

publicações que se configuraram, num estilo literário, na aproximação entre imprensa e

literatura. As folhas que circulavam seguiam as tendências dos jornais da então capital

brasileira atendendo ao universo de leituras, nas suas especificidades, o perfil do leitor

daquele período.

No primeiro momento, utilizou-se como suporte do material de pesquisa o

acervo coletado a partir de dois projetos: “Dicionário de Autores de Rio Grande no

século XIX” 2 , coordenado pelo professor Artur Emilio Vaz da FURG e “Literatura,

jornal e cultura”: Autores pelotenses – 1851/1889, coordenado pelo professor Rildo

Cosson, então da UFPEL. Compondo ainda o material analisado, o corpus disponível na

Biblioteca Rio-Grandense. No item do material examinado, os jornais pesquisados

compreenderam a região Pelotas e Rio Grande num período entre 1850 até 1882. São

eles: na cidade de Pelotas: O Pelotense (1852 a 1854); Álbum Literário (1881 e 1882);

Diário de Pelotas ( 1881 e 1882); na cidade do Rio Grande: Diário do Rio Grande (

1 Mestranda em História da Literatura da Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

2 O presente projeto tem por interesse aumentar o corpus de trabalho, reunindo, organizando e divulgando

dados existentes sobre autores que ajudaram na formação e consolidação do sistema literário da cidade do

Rio Grande ao longo do século XIX.


1850, 1851, 1854 e 1857); O Rio-Grandense ( 1851 e 1854) ;O Echo do Sul (1859); e

Maruí ( 1880).

Nesses periódicos as crônicas se sustentavam em colunas específicas, ocupando-

se de assuntos econômicos, culturais, políticos e de interesses gerais, assinalando as

tendências dos jornais do centro político do país, principalmente do Rio de Janeiro.

Com isso, a pequena elite rio-grandense buscava sofisticar seus hábitos numa prática

que se constituiu consumidora de cultura, principalmente pelas seções folhetinescas.

O “folhetim” foi a grande sensação no jornalismo do século XIX. Composto de

variedades, a seção tomou as páginas dos jornais do país, não sendo diferente nos

periódicos sulinos. Tais variedades se multiplicaram em colunas como “Notas de Arte”;

“Fatos diversos”; “Balanço literário”; “Revista Semanal”; “A semana”; “Comentários

da Semana” entre múltiplas titulações que correspondiam a curiosidade de uma faixa de

leitores que glosavam a vendagem dos jornais. O folhetim, então, constituía-se num

“espaço vazio”, lembrando a concepção a que lhe dá a professora Marlyse Meyer que

justifica o vazio enquanto espaço sem fronteiras “aberto a qualquer recheio (...) livre o

conteúdo, como é livre e sem impostação da linguagem que o expressa”. (MEYER,

1992, p.105)

Mas falemos de crônica ou folhetim? Sob o foco das “variedades”, o folhetim se

transformou em coluna de sucesso em que o acontecimento era dotado aos serviços de

artigos de consumo na forma de “assuntar” o cotidiano em tempo livre. Tais assuntos

moviam-se entre críticas teatrais e literárias, também política que traziam notícias

partidárias e, principalmente, o mundanismo social; mundanismo esse não concorrendo

ao sentido pejorativo que conhecemos hoje, mas na época destinavam-se as seções sob

as movimentações sociais como os concertos, festas, baile, reuniões em casas de

cidadãos ilustres da sociedade, etc.. A esse etcétera refiro-me a variedade de textos que

perpassavam por um território livre deflagrando a miudeza do cotidiano abrangendo um

misto de assuntos destinados a oferecer um olhar breve ao leitor acostumado a deter-se

em notícias “sérias” que ocupavam grande parte do periódico.

Nos folhetins as crônicas eram sinônimas de “fragmentos do cotidiano” narrados

por escritores que lidavam com memórias e circunstâncias diárias numa forma de pensar

a sociedade onde viviam; fragmentos esses que assumiram formas características e

definiram o surgimento da crônica como estilo literário no Brasil.

4º Encontro Nacional de Pesquisadores de Periódicos Literários, 4., 2010, Feira de Santana. Anais. Feira de Santana: Uefs, 2013.

310


Lidar com fragmentos é pensar nos periódicos rio-grandenses buscando na

memória das páginas folhetinescas a crônica no seu movimento original permitindo

atualizar o discurso da historiografia literária. Nesse modo, a imprensa registrava a vida

urbana incorporado pela linguagem coloquial que apontava uma cumplicidade entre

leitor e jornalista relatando a vida naquelas pequenas sociedades do século XIX.

Nesse contexto, na cidade de Pelotas, o primeiro a circular foi o jornal O

Pelotense. Um periódico “Comercial e Político e de Notícias”, com edições as terças,

quintas e sábados tendo como editores Candido Augusto de Mello e José Antônio da

Silva. O periódico assegurava colunas de informação e entretenimento para os seus

leitores. Assim, a crônica estava também presente às folhas publicadas, mas não com a

mesma freqüência dos jornais da capital. Das edições examinadas, de 1852 a 1854, em

1853 datada em 22 de março consta uma crônica, na forma de uma reflexão, sobre o

casamento, na coluna “Litteratura” sob o título: “A escolha de uma boa esposa” e

assinada por A.J.C.S.J:

Um dos negócios mais importantes para bem estar e felicidade do

homem, é a boa e acertada escolha d’aquella que vai contribuir para

perpetua companhia de sua vida.Portanto nada há mais importante, e

digo de meditação.

(...) Enfim com quem casarei? Com moça? Podera não ser me

conveniente. Com viúva? Que há de aturar modo senhoril? (...) Com

rica? Não há cousa mais insuportável! Com pobre? Essa não me pode

ajudar.(...)

Não é de certo assim que devemos discursar, pois que assim fala bem

mostra, que tem mais tendência para o celibato (...) que seja pia,

pudica (...) ou boa. E quem achar uma neste caso, não desprese o

conselho, ponha-a a bom recado, e bem diga a sua sorte.

Depois, em 07 de dezembro de 1854, a crônica apresentou-se sob forma de

divulgação de um espetáculo, típico da gênese francesa, feito pela companhia Lyrica,

chamado “Ernani”. O jornal homenageia João Caetano dos Santos pela reentrada nos

palcos, segundo o folhetim, aplaudiu de pé pelo público. Cobrindo a importância do

espetáculo, o jornal apresenta ainda, todas as manifestações de homenagens

transcorridas durante o evento como o soneto e uma ode que foram recitados em

homenagem ao ator.

Outro divulgador da imprensa foi o Álbum Literário que se instituía “Periódico

de Recreio e Instrução” e era de propriedade de Virgilino Rodrigues de Azevedo. Em 1º

4º Encontro Nacional de Pesquisadores de Periódicos Literários, 4., 2010, Feira de Santana. Anais. Feira de Santana: Uefs, 2013.

311


de março de 1875 fazia alusão ao corte das crônicas devido ao crescimento do número

de colaboradores, entretanto até a edição de 31 de maio daquele ano, continuava a

coluna que se chamava “Litteratura” com a publicação das mesmas. Lê-se em 03 de

maio:

Palavras de um louco

Ri!ri, turba insensata, que julgas que o mundo é um Éden!...

Ri! Emquanto que eu sabendo bem equilibras as peripécias mundanas

nellas não acredito!...

Pobres tolos!varios são elles!

Já tive amores, crenças, fé e bastante resignação para supportar os vaivens

da vida!

Mas Ella, a ingrata G...matou-me o cérebro, e fez do meu espírito o

seu brinco de criança.

Ah!G..hoje te agradeço!Ah!G..hoje te abençôo e bemdigo!...

Agora vejo o mundo e as creaturas debaixo de um só prisma!!...(...)

Triste humanidade!...

Não compreende a vida!(...)

Sabeis o que é felicidade?!(...)

Oh! Insensatos, não vêem que meus lábios secam-se por falta de

vinho?!...(...)

Com a taça cheia, não há dores que se não esqueça!(...)

Entrepida é toda a vida que não se circunscreve no circulo extenso de

goso, do prazer e do deboche!!...

O texto trata de um lamento de quem não tem mais os valores de outrora quando

observa que o mundo não está tão bom como antes de amar “G”: “já tive amores,

crenças, fé e bastante resignação para suportar os vai-vens da vida!Mas Ella, a ingrata

G matou-me o cérebro”. Geralmente as crônicas não tinham autoria e se apresentavam

num tom bastante poético: “Sabeis o que é felicidade?! Oh! Insensatos (...) Entrepida é

toda a vida que não se circunscreve no circulo extenso do gosto, do prazer e do

deboche!!!”; havendo, quase sempre, uma representação muito particular sobre o fato,

aproximando-se bastante das crônicas encontradas nos jornais do centro do país.

Mais um jornal atuante na sociedade foi o Diário de Pelotas que, desde o início

das atividades, apresentou vários proprietários. No período pesquisado, entre 1881 a

1882, consta então o proprietário Ernesto Augusto Gernsgross. O periódico apresenta

em 20 de março de 1881, nas seção folhetim em página 1, a crônica “Um aleijão social”

assinada por Hugo Leal que discorre sobre as condições sociais dos mendigos. No dia 2

de abril, na mesma seção, apresenta a crônica “reflexões sobre o casamento” assinada

4º Encontro Nacional de Pesquisadores de Periódicos Literários, 4., 2010, Feira de Santana. Anais. Feira de Santana: Uefs, 2013.

312


por Rock Júnior. Em 07 de abril, a crônica registra sobre a vida do autor Victor Hugo,

assinada de novo, por Hugo Leal. Em maio, o folhetim apresenta o programa para

concerto oferecido à Biblioteca Pública. Depois somente no mês de agosto reaparecem

os folhetins. Data de 11, desse mês, uma crônica assinada por Manuel Roussado e no

dia 17 uma crônica que versa sobre óperas, por Nahil. No ano seguinte, em 1882, em 22

de maio, o folhetim apresenta a crônica “Remorso vivo” que comenta a morte de um

escravo assassinado na cidade.

Na cidade de Rio Grande, os cronistas se punham a serviço da imprensa que se

destacou tanto pela qualidade, quanto pela quantidade do número de periódicos. Foi

uma das primeiras cidades gaúchas a possuir jornais, sendo superada por Porto Alegre e

seguida pela cidade de Pelotas.

Era o ano de 1859 e o jornal O Echo do Sul que circulava de terça a domingo,

contava com quatro folhas e tinha como redator Pedro Bernardino de Moura. A partir de

15 de maio daquele ano, encontrava-se uma coluna ocupando a seção dos folhetins,

página 1, denominada “Revista Semanal” e, às vezes intitulava-se “Revista Teatral”.

Mantendo o tom ameno e a preocupação de chamar a atenção de leitores tão

heterogêneos ”Lince”, o autor, escreve em crônica de 29 de maio sobre a

responsabilidade de assinar um gênero ainda pouco conhecido:

Nós porem aqui ainda vacilhamos se o nosso folhetim corresponde as

exigências (...) estamos perplexos entre o riso, e a seriedade.(...)

Vamos assumir um caráter sizudo, glacial e austero para que o mundo

visionário imagine que nós possuímos a inicial costella britannica!(...)

A tarefa em escrever no Rio Grande uma análise crítica ás ocorrências

que surgem no decorrer dos dias da semana, senão é ardia, pelo

menos, não é fácil!(...)

Raciocinemos:

No Rio de janeiro aonde se aspira mais força vital, aonde a vida

borbulha incandescente nos seres orgânicos, e inorgânicos, há

opportunidades em que as Revistas Semanaes parecem terem sido

traçadas com o pé no estribo.

No Rio Grande, mal desponta na imprensa um escripto, passa-se um

mero golpe de vista pelos soldados nas pelejas do jornalismo, e por

fim (...) O certo é que a esterilidade do acontecimento poderá produzir

a desharmonia entre a epigraphe e a matéria dos folhetins.(...)

E a semana, e a semana?!

Interrogatório ingênuo que alguns caros leitores se dignarão fazer-nos.

Perdão, minhas senhoras, o cavaco do principio do folhetim, é o

transumpto da esterilidade das o corrências hebdomadárias.

Disse nos o que nos era mister para completar o folhetim, porque

tinha-nos forçosamente que dizer alguma cousa.

4º Encontro Nacional de Pesquisadores de Periódicos Literários, 4., 2010, Feira de Santana. Anais. Feira de Santana: Uefs, 2013.

313


A relação íntima com o leitor “interrogatório ingênuo que alguns caros leitores

se dignarão fazer-nos”, ajuda a compor ao que parece o aborrecimento do escritor na

busca da árdua tarefa; tarefa em que “ a esterilidade do acontecimento poderá produzir a

desharmonia”, pois para acompanhar “os dias da semana (...) porque tinha-nos

forçosamente dizer alguma coisa” seriam muito mais fáceis na cidade do Rio de Janeiro

onde “aspira mais força vital” que certamente compõe-se sempre de muitas novidades

sociais a serem prestigiadas pelos cronistas. Escrever em folhetins era ainda um

caminho desconhecido: “Nós porem aqui ainda vacilhamos se o nosso folhetim

corresponde as exigências... estamos perplexos entre o riso, e a seriedade” e acima de

tudo, os escritores que deveriam cumprir a função de historiadores da semana era uma “

tarefa de escrever no Rio Grande uma análise crítica às ocorrências que surgem no

decorrer dos dias...senão é ardia, pelo menos não é fácil”.

A seção dos folhetins era editada somente aos domingos até 19 de junho sempre

assinada pelo mesmo autor, quando se torna irregular tanto do dia , quanto da sua

publicação ou não, mas a coluna é editada só até 7 de agosto em que o escritor queixa-se

do desprestígio dos homem das letras que é visto como um “rabiscador”:

(...) No baile, se é que nesta terra se convida os cultores das letras para

baile, é significativamente indicado como no centro das praças, ou no

perpassar das ruas.(..) Nem pode mostrar a perna fina nas cortezias

d’uma contradança, porque ,se a mostra, immediatamente surge d’um

ângulo da sala o pai da moça, que lhe dá o braço, e os ouvidos desta

lhe diz com tom imperioso, “_ escolha melhor os seus pares” e dito

isto muitas vezes é a conseqüência da cara metade deste ter-lhe dito

energicamente :_” Repara: a nossa filha está dançando com um

litherato, um poeta, um rabiscador de jornaes em fim!”(...)

A arte é nobre, é grande, mas a arte do século é somente aquella que

converte o fumo da glória em pilhas de metal (...)

A alma e o coração educam-se.

Houve já que nos dissesse que as pessoas, que tiveram a aventura de

ser educadas com esmero, eram românticos. (...)

Mas se alguns dos nossos leitores, os menos piíssimos entendem que é

um princípio de loucura escrever sobre matérias abstratas, não pensem

que depomos a Penna e aberrando do stylo quase romântico, por

effeito da esperesa da censura vamos descer até ao limbo escuro das

trivialidades.

4º Encontro Nacional de Pesquisadores de Periódicos Literários, 4., 2010, Feira de Santana. Anais. Feira de Santana: Uefs, 2013.

314


O cronista-folhetinista queixava-se do comportamento da sociedade que via o

literato “apenas um rabiscador de jornaes” que talvez não fosse papel de jornalista, pois

ao homem das letras cabia a “loucura de escrever sobre matérias abstratas”. Mas,

alertava o escritor: “não pensem que depomos da Pena (...) por effeito da esperesa da

censura vamos até ao limbo escuro das trivialidades”. Jornalista ao seu tempo, o

cronista estava atento a narrar às singularidades sociais fazendo da observação o modo

de pensar a sociedade em que pertencia: “A arte é nobre, é grande, mas a arte do século

é somente aquella que converte o fumo da glória em pilhas de metal”.

O Maruí, “Periódico Ilustrado, Satírico e Recreativo”, foi mais um jornal de

destaque em Rio Grande e, em 1880, tinha quatro folhas e circulava uma vez por

semana. Em 4 de Janeiro, o jornal apresentava uma coluna chamada “Chronica”,

mantendo o fito da prosa na qual um autor denominado “Dr. Bristol”, explica o

propósito do “novo gênero” e o fato de tornar-se folhetinista, já que era um químico:

Esta não acontece ao diabo, com licença de Exas.

Pois eu o mais celebrado autor de panacéias o chimico transcendente,

cuja reputação esta acima, muito acima das affamadas cebolas do

Egypto, a escrever semanas!!!!

Horror, trez vezes horror!

(...)

Hoje só não escreve para o publico quem tem demaziado juízo.

Há por aqui muitos folhetinistas que não se fizeram nasceram feitos.

O gênero é novo e a tolerância de VV.EExs. hão de me animar.(...)

Vamos entrar em scena.

A semana não tem corrido tão inútil como disse.Foi uma figura de

rhetorica que V.V. EExs. Desculparão. Pelo contrário, tem havido o

diabo a quatro com licença de VV.EExs.

Bailes, espetáculos, passeios, retratos, preces, festas de natal(...)

Então a terminar as festas e breve voltaremos ao nosso antigo estado d

pasmaceira e incipidez.

Ah! Exmas! Que saudosas épocas de regosijos íntimos, de

enthusiasmos francos e alegres expansões.

Parece-me que ainda estou a saborear aquellas ceias delicadas e

abundantes, regadas de bons vinhos, na convivência de nossa família

ou na companhia de bons amigos, alegres, espirituosos e tagarelas!(...)

Que VV. EExs. Gosassem as mesmas alegrias é o que lhes desejo...

A palavra escrita tem o tom de “rabiscadela”, isto é, a linguagem espontânea de

quem escreve por acaso: “Esta não acontece ao diabo...vamos entrar em cena” mistura-

se, no mesmo tempo, ao tom da informalidade com que dirige-se ao leitor “..o chimico

transcendente, cuja reputação está acima das affamadas cebolas do Egyto, a escrever

4º Encontro Nacional de Pesquisadores de Periódicos Literários, 4., 2010, Feira de Santana. Anais. Feira de Santana: Uefs, 2013.

315


semanas!!!” . Com isso, todo o movimento de ação da palavra passa por um processo de

quem escreve “à toa”, pois ali é uma tarefa de folhetinista e não de um químico.

Entretanto, tenta fortalecer o laço com seu leitor “O gênero é novo e a tolerância de

VV.EExs. hão de me animar”. A mesma autoria assina todas as demais crônicas

encontradas nos dias de Janeiro, 11, 18 e 25, mas os meses a que se seguem até

dezembro, não mais aparece. Nos dias 23 e 30 de janeiro de 1881, uma seção sem

autoria, intitulada: “Chronique” lança mão de comentários sobre acontecimentos

sociais, caracterizada em pequenas crônicas; contudo, desaparece nos meses seguintes.

Em novembro, o folhetim apresenta nova coluna sob o título “Arabescos”, cuja

autoria intitula-se Machbet, provavelmente um pseudônimo inspirado nas histórias

shakespereanas. Na primeira página, pequenas e múltiplas crônicas distraem e informam

os leitores desse periódico e em 20 de novembro, o autor buscava a consciência um

problema social da época: a escravidão. Ao mesmo tempo, apresentava a velha

preocupação sobre a responsabilidade e sua “espinhosa tarefa” em assinar uma coluna

diária. Fato comum nas seções que dividiam espaço com vários assuntos. Lê-se:

Caríssimos Leitores:

Convidado por differentes vezes pelo nosso patrão Thadeo, para

rabiscar alguma cousa, sempre me tenho esquivado, porque, não só

falta-me o tempo para isso, como também arreceio-me muito, quando

penso, que vou escrever para vós, amáveis e idolatrados leitores (de

ambos os sexos). Mas hoje, fiz das tripas coração, e ponho de parte as

razões imperiosas que me tem obstado do patrão da casa, vou aceitar

esta modesta, mas espinhosa tarefa (...).

Dito isto, entro no exercício de minhas funções, com vossa licença.

A’um dos dias da semana passada vi em alguns jornaes da terra que o

Sr. Louzada, tinha generosamente concedido carta de liberdade, sem

ônus a um seu escravo, maior de 60 annos.

Achei graça na notícia e na apreciação, mas, ao mesmo tempo,

repugnou-me ver profanada a palavra generosidade , applicada a um

procedimento que, não só nada tem de generoso como também nos

prova a mesquinhez daquelle que, depois de ter recebido os serviços

de uma creatura humana durante o tempo que Ella tinha forças para

lho prestar e agora que se acha na decrepitude, falta de forças, e por

conseqüência impossibilitada de presentar mais serviços, dá-lhe a

liberdade, para aumentar as fileiras, já numerosas, dos mendigos que

infestão as ruas da cidade diariamente.

Não conheço o Sr. Louzada, nem desejo conhecimento, e por isso,

esta minha apreciação é baseada apenas no que ai nos jornaes da terra.

4º Encontro Nacional de Pesquisadores de Periódicos Literários, 4., 2010, Feira de Santana. Anais. Feira de Santana: Uefs, 2013.

316


Num primeiro momento, observa-se um jornalista que, como tal, estava

intimidado com o convite em assinar uma coluna e, de certa forma, não se sentia

preparado: “arreceio-me muito, quando penso, que vou escrever para vós”. Há de se

verificar a fragilidade entre este e outros autores no trato com o novo gênero, pois de

certa forma era uma responsabilidade que fugia ao ofício de um jornalista. Em

princípio, o fato de se aventurar a circular entre assuntos variados mantendo uma

linguagem leve e informal “fiz das tripas coração”, era um desafio constante para

profissional. Desafio, sobretudo de cativar um leitor ávido e aberto a novidades.

Apresentando um eu comprometido com o fato em que narra a alforria de um escravo

velho e doente, Machbet propõe certa crítica sobre a palavra “generosidade”, que era o

tom que lhe cabia a crônica “no exercício de minhas funções”. Essas eram o tom que as

distinguia, pois enquanto umas tratavam de um registro mais crítico e reflexivo, outras

cabiam a ironia e o humor.

A coluna continuou a ser escrita durante o mês de dezembro e na seção do dia

25, Machbet expõe aos seus leitores a necessidade de superar a si mesmo no ato da

criação tendo que circular entre os acontecimentos e as peripécias da vida. São elas os

objetos de criação de uma crônica, assomando ao texto informal, ficcional ou não que se

utiliza de todos os recursos de linguagem numa “porção determinada de palavras

gramaticalmente arrumadas”, que registra, num espaço conhecido, o testemunho da

miudeza da vida e a “obrigação” de partilhar e fortalecer laços com o leitor. Assim ele

escreve:

A mais árdua, a mais difficil tarefa, a mais espinhosa, a mais insipita,

a mais exquisita, a mais tola das tarefas, é a de escrever para vós

leitores, é a de dar-vos, semanalmente, uma porção determinada de

palavras, grammaticalmente arrumadas, representando idéias,

pensamentos, censuras, elogios, commmentarios ou apreciações.

(...)porque entã,o temos que lançar mão da imaginação para podermos

desquitar-nos do nosso compromisso. A imaginação!... A imaginação,

quando não é Alexandre Dumas, Poson, Verne, Montepin, Castello

Branco e outros d’este quilate, é fraco ou quase sempre cahimos nos

logares communs do insipidez, semsaborias ou totima.

Estas reflexões foram-me suppridas, n’este momento o ver-me a

braços, com a difficuldade de achar assumpto para encher o espaço

que o patrão Thadeo concede ao seu Marui, ao humilde Machbet, que

semanalmente vos importuna com os seus arabescos.

4º Encontro Nacional de Pesquisadores de Periódicos Literários, 4., 2010, Feira de Santana. Anais. Feira de Santana: Uefs, 2013.

317


Em 1882, os “Arabescos” então na página 4, continuavam circulando

esporadicamente pelos acontecimentos do dia. Em 5 de março, o autor, após introduzir

com um “Amigos leitores”, comenta que “Há bastante tempo que não tenho a honra de

conversar com S.S e, para fallar a verdade tenho tido minhas saudades, porque como

sabem, o ‘costume faz a lei’ ou o hábito é a segunda natureza”. Machbet considera

escrever nos Arabescos “a mais exquisita das tarefas”, pois conjuga o lirismo como uma

“invenção desnecessária” que obriga ao compromisso da “Imaginação!... A

imaginação”, fazendo queixumes ao leitor: “porque então, temos que lançar mão da

imaginação para podermos desquitar-nos do nosso compromisso” referindo-se ao

compromisso um jornalista. Depois dessa data a coluna não aparece mais.

Para concluir essa pequena pesquisa, ainda que tenha se limitado a um número

reduzido de jornais, procurou-se fazer um recorte ao longo de três décadas do século

XIX, motivo pelo qual com o desenvolvimento da imprensa começaram a aparecer nos

jornais do Brasil textos muito parecidos com os praticados nos folhetins franceses. Dos

jornais pesquisados, o Diário do Rio Grande e O Rio- Grandense, nas respectivas datas

examinadas, não havia uma seção de comentários definia como a crônica que se

produzia na época.

Faz-se importante compreender o conceito de literatura nesse período, pois os

jornais que se enunciavam “literário”, “Científico”, “Recreativo”, “Instrução”,

“Satírico” ou “Político”, o termo “literatura”, explícito ou não, era sinônimo de cultura

englobando um conjunto amplo de escritos. Portanto, independentemente de ser um

jornal político, científico ou qualquer outro preceito, literatura vinha sempre associada

ao caráter informativo, recreativo, humanístico, etc. que era característica própria do

jornal, configurando-se assim, uma aproximação entre imprensa e literatura.

O periodismo que por diferentes épocas atenta para a complexa relação entre

literatura e sociedade construídas pela história do jornalismo, toma para si o autêntico

papel que, oferecendo condições materiais, foi testemunho legítimo como essência

pragmática na vida social brasileira, não só como porta-voz desta, mas também como

responsável pela afirmação de um público leitor de literatura. Nas páginas diárias, o

cronista representou um fenômeno de aceitação popular e foi ele o elo de junção entre o

jornalismo e a literatura que definiu posteriormente a ratificação da crônica como estilo

4º Encontro Nacional de Pesquisadores de Periódicos Literários, 4., 2010, Feira de Santana. Anais. Feira de Santana: Uefs, 2013.

318


literário particularmente brasileiro que se consolidou num dos gêneros mais lidos na

atualidade.

Mais do que a pretensão de comprovar a participação dos periódicos do sul na

formação e consolidação da crônica, resgatando textos considerados importantes por

serem documentos fundadores de um gênero literário dentro da História da literatura

brasileira, a pesquisa registrou, através das crônicas, o aspecto social de uma época

reconstruída dia-a-dia. Com isso, observou-se a formação de um público leitor cativo de

uma coluna que trazia o testemunho de um tempo; o tempo do século XIX nas

sociedades do sul do Brasil.

RESUMO

A presente pesquisa visa promover o resgate de crônicas nos periódicos do século XIX,

por meio da análise de jornais de Pelotas e Rio Grande, num período que se estende

entre 1850 até 1880, assinalando o papel relevante dos jornais sulinos no momento de

fomentação do gênero. Configurando-se na estreita ligação entre imprensa e literatura,

os jornais e folhetins que circulavam na região seguiam as tendências dos jornais da

então capital brasileira. Mais do que a pretensão de comprovar a participação dos

periódicos do sul na formação e consolidação da crônica, resgatando textos importantes

por serem documentos fundadores de um estilo literário brasileiro, a pesquisa registrou,

através das crônicas, o aspecto social de uma época reconstruída dia-a-dia. Com isso,

observou-se a formação de um público leitor cativo de uma coluna folhetinesca que

trazia o testemunho de um tempo; o tempo do século XIX nas sociedades do sul do

Brasil.

PALAVRAS-CHAVE: Crônica. Periódicos sulinos. Século XIX.

ABSTRACT

The present research it seeks to promote the ransom of chronicles in the newspaper of

the century XIX through analyses of newspapers to Pelotas and Rio Grande City in a

period that extends among 1850 to 1880 marking the importance paper of the

newspapers of the south in the moment of fomentation of the gender. Being configured

in the narrow connection between the press e literatures, the newspapers and pamphlets

that circulated in the area it fallowed the tendencies of the Brazilian captain’s

newspapers. Plus than the pretension of proving the participation of the newspapers in

the South in the formation and consolidation of the chronicles, rescuing important texts

of they be documents of Brazilian literary style, the research registered the social aspect

of a time built day by day. Than it was observed an reader captive public of the

newspaper that brought the testimony of a time, the time of the century XIX in the

society of the South of the Brazil.

KEYWORDS: Chronicles. Newspapers oh the South. Century XIX.

4º Encontro Nacional de Pesquisadores de Periódicos Literários, 4., 2010, Feira de Santana. Anais. Feira de Santana: Uefs, 2013.

319


REFERÊNCIAS

ALVES, Francisco das Neves. A pequena imprensa rio-grandina no século XIX. Rio

Grande: FURG, 1999.

BARBOSA, Socorro de Fátima Pacífico. Jornal e Literatura: a imprensa brasileira no

século XIX. Porto Alegre: Nova Prova, 2007.

CESAR, Guilhermino. Primeiros cronistas do Rio Grande do Sul 1605-1801.Porto

Alegre, edições da faculdade de filosofia da UFRGS,1969.

COUTINHO, Afrânio. Crítica e Teoria Literária. Rio de janeiro: Tempo Brasileiro,

1987.

GALVANI, Walter. Crônica: o vôo da palavra. Porto Alegre: Meditação, 2006.

MEYER, Marlyse. Folhetim: uma história. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

MOISÉS, Massaud. A crônica. In: MOISÉS, Massaud. A criação Literária. Prosa. São

Paulo: Cultrix, 1985, p. 245-258.

MARTINS, Dileta A. P. Silveira. História e tipologia da crônica no Rio Grande do

Sul. Porto Alegre, 1984. [Tese de doutorado] PUCRS.

SÁ, Jorge de. A crônica. São Paulo: Ática, 1987.

4º Encontro Nacional de Pesquisadores de Periódicos Literários, 4., 2010, Feira de Santana. Anais. Feira de Santana: Uefs, 2013.

320

More magazines by this user
Similar magazines