É a Vida - Ensino Magazine

historico.ensino.eu

É a Vida - Ensino Magazine

deSign gráfico: rui Salgueiro

Squeeze

Theeze Pleeze

Tem novo Aálbum

ô

<

É a

Vida

EA

SPORTS

FIFA 11

O consumo

de drogas na

adolescência

Optimus

Lisbon

Star Wars

Suplemento do

enSino magazine

outubro 2010

------------------------diStribuição

gratuita

Nos

céus de

Proença-a-Nova

Salto Tandem


SqUeeze

Theeze Pleeze

TêM nOvO álbUM

A bAnDA De COIMbRA SqUeeze Theeze Pleeze RegReSSA eM fORçA COM UM nOvO TRAbAlhO

DISCOgRáfICO. O SIngle RUn RUn RUn PôS fIM A UM PeRíODO De TRêS AnOS SeM A bAnDA gRAvAR

e é O TeMA De AvAnçO DO qUARTO álbUM, PROMeTIDO PARA O fInAl DO AnO. PeDRO ASSAlInO,

O vOCAlISTA, fAlA De UMA OUTRA fACeTA DA bAnDA e De UM DISCO DIfeRenTe, OnDe,

PelA PRIMeIRA vez nA hISTóRIA DOS SqUeeze, hAveRá UM TeMA CAnTADO eM PORTUgUêS.

A julgar pela primeira amostra, o

single Run Run Run que já roda

nas rádios, há alteração na sonoridade

do grupo, uma onda

mais rock e dançável?

Sim. foi uma aposta que não

quer dizer que esteja presente

em todas as músicas do disco.

foi a nossa aposta para o Single.

mostrar às pessoas que os

Squeeze theeze pleeze não fazem

só músicas mais pop, e mais

comerciais. no fundo quisemos

mostrar outra faceta da banda.

o disco vai ter outras músicas

deste género. o disco está praticamente

pronto e vai ter músicas

mais mainstream, mais soft. também

vai ter uma grande surpresa.

não sei se vocês sabem, mas os

Squeeze vão lançar uma música

em português. pela primeira vez

aventuramo-nos nisso.

Trata-se de um enorme desafio

para vocês?

foi mesmo um desafio que

pusemos a nós próprios. o

mercado pede incessantemente

músicas em português.

a partir de alguns anos para

cá começou-se a pensar mais

dessa maneira, e nós pusemos

o desafio, de fazer isso, e fazer

bem. Vamos ver se conseguimos,

ou não. ao princípio foi

um bocado estranho para nós,

ouvir-nos em português, mas

depois acabamos por nos habituar.

acho que o resultado foi

bom. talvez mais um mês e já

esteja aí a música portuguesa a

passar.

O facto de o mercado pedir músicas

na “língua de Camões” não

será uma mudança de moda, ou

seja, o Inglês como língua nas

músicas não terá passado um

pouco de moda?

acho que não, e que isso nunca

vai acontecer. tem haver com ciclos

e tem haver acima de tudo

com políticas. a partir de determinada

altura achou-se coerente

apostar em músicas cantadas

em português. por um lado vejo

isso com bons olhos, por outro,

não me incomoda nada que as

bandas continuem a cantar em

inglês, uma vez que acaba por

ser uma língua universal. cada

vez mais cedo os miúdos têm aulas

de inglês. o inglês começa a

ser a segunda língua, mesmo a

par com a nossa. portanto, vejo

isso mais como uma questão

política. mas tudo bem, estão a

aparecer bandas boas, bons projectos

cantados em português,

não me oponho nada a isso.

A acompanhar o cartão de visita

do quarto álbum da vossa carreira,

o single Run Run Run, surgiram

duas remisturas. Como é

que surgiu esta ideia de apresentar

o tema com uma roupagem

ainda mais dançável?

todos nós somos muito ecléticos

em termos musicais. eu gosto

de todos os tipos de música, inclusive

estive a tirar um curso

de produção e de dJ. não fui eu

que fiz a remistura, mas estive a

tirar o curso. É um mundo que

também gosto, a par do rock e

a par do pop, e no fundo sempre

tivemos essa ideia de poder

lançar um Single com várias re-

misturas. Se elas resultarem em

pistas de dança, tanto melhor.

não sei se este é o tipo de som

ideal para passar numa pista de

dança, mas que tem uma batida

muito cool, tem, e nós estamos

muito satisfeitos.

Os novos temas poderão ter influências

da Dance Music?

não. Vamos é fazer exactamente o

que fizemos com o run run run,

ou seja, poder ter as remisturas

dos Singles em versão dançável.

os temas do disco que mais vocação

tenham para isso, penso que

vamos ter. agora o disco em si, as

próprias músicas, não.

O vosso projecto já está com dez

anos, uma década de carreira com

vários discos, também muitos

concertos. Até esta altura o balanço

da carreira é bastante positivo?

É como tudo, teve altos, teve

baixos. agora estamos a levantarmo-nos

outra vez. estivemos

há volta de três anos, sem gravar

discos. mas estamos no percurso

de ascensão outra vez.

tem sido assim o circuito: grava-se

um disco, o disco perde

a “validade”- entre aspas - tem

de se gravar um novo disco.

É um pouco assim a situação

das bandas. depois também se

mistura com a nossa vida pessoal.

três músicos da banda

foram pais este ano, o que fez

com que estivéssemos um bocadinho

parados. mas está tudo

a correr bem. o ciclo mau acabou

e agora vai começar o bom.

Uma das dificuldades do vosso

projecto para se conseguirem im-

por ainda mais não terá sido a

vossa localização, ou seja, o facto

de viverem na zona de Coimbra

não terá dificultado as coisas?

Sem dúvida que sim. É difícil

porque cada vez que precisamos

de qualquer coisa temos de ir

para lisboa. o centro de decisão

é lá. É bom estar em lisboa, vês

as pessoas, estás com as pessoas,

podes ir tomar um café com

elas. nesse aspecto sim. depois

quando aparece uma música que

ultrapassa isso tudo, torna-se

mais simples. em todos os discos

tivemos um Single que acabou

por quebrar essas barreiras

todas. independentemente onde

estejas, as músicas tornam-se de

todos, e a partir daí as barreiras

deixam de existir. agora no processo

negocial é tudo muito mais

complicado, estamos fora do centro

de decisão. mas no fundo se

houver músicas boas, hits na rádio,

isso tudo é ultrapassado.

O ano de 2007 foi provavelmente

um dos anos mais positivos da

vossa carreira, com o último trabalho

a atingir bastante sucesso, nomeadamente

com dois Singles a ter

muito destaque nas rádios, e um

dos temas chegou mesmo a fazer

parte da banda sonora de uma conhecida

série juvenil da televisão?

É verdade. Hoje em dia é quase

indissociável, as bandas precisam

dessa montra chamada

novelas, chamada televisão, para

chegarem às massas muito mais

rapidamente. a malta jovem ouve

a música na série televisiva, automaticamente

vai procurar o clip

na net e acaba por tudo funcionar

muito mais rápido. e de facto

isso é muito bom para nós. em

todos os discos tivemos músicas

em novelas e isso ajudou sempre

muito, muito mesmo.

Depois do sucesso do último trabalho,

não sentem o peso da responsabilidade

agora que estão a

terminar o quarto registo da vossa

banda?

a responsabilidade está inerente a

qualquer trabalho. cada vez que

se vai andado, se vai crescendo,

se vai gravando discos. estamos

um bocadinho mais velhos, mais

maduros, e neste momento não

sentimos o peso dessa responsabilidade

porque estamos confiantes

no trabalho que vamos continuar

a fazer. não vai ser muito

pior, não vai ser muito melhor, vai

ser continuação. no fundo somos

os mesmos músicos, um pouco

mais experientes. esperamos é

que as músicas que façamos sejam

do agrado do maior número

possível de pessoas.

Apesar de uma década de carreira,

aquela vontade de subir ao

palco, de compor, continua igual,

ou o bichinho ainda está mais

activo?

continua igual. É difícil perder-se

esse bicho. a banda precisa de

palco, tivemos este ano praticamente

parados. É o que falta,

e é por isso que nós andamos

aqui. o palco é muito bom, tocar

as nossas músicas e ver que as

pessoas gostam delas. no fundo,

como todas as bandas, nós queremos

é tocar. i

entrevista: Hugo rafael

texto: eugénia Sousa

fotos: direitos reservados


é a vida

Após um primeiro encontro desastroso, aquilo que holly berenson (Katherine

heigl) e eric Messer (Josh Duhamel) menos pretendem é voltarem

a encontrar-se. A única coisa que une berenson e Messer é o amor que

sentem pela sua afilhada, Sophie. Mas quando os pais de Sophie falecem

num acidente, estes dois são tudo o que resta à criança. Para cuidar da

criança terão de colocar as suas diferenças de lado, conjugar as suas ambições

profissionais com este novo elemento e encontrar algo em comum

para poderem viver sobre o mesmo tecto. i

Data de estreia: 2010-10-28 Título Original: Life as We Know It Realizador: Greg Berlanti

Actores: Katherine Heigl, Josh Lucas, Christina Hendricks, Jean Smart, Josh Duhamel,

País: EUA Género: Comédia

Please give

o filme conta a história de três personagens: Kate (catherine Keener) e

as irmãs mary (amanda peet) e rebecca (rebecca Hall). Kate trabalha

com o marido num negócio de móveis usados e raros, comprados geralmente

a preço muito baixos em liquidações de inventários. rebecca

cuida da sua avó nonagenária e da irmã mais velha, que trabalha numa

clínica de beleza e tem uma queda inacreditável para a futilidade. i

Data de estreia: 2010-10-28 Título Original: Please Give Realizador: Nicole Holofcener Actores:

Catherine Keener, Elise Ivy, Oliver Platt, Rebecca Hall País: EUA Género: Comédia/ Drama

EA SPORTS FIFA 11

a ea SportStm (fifa 11) vai redefinir a autenticidade dos jogadores na

playStation®3 e na Xbox 360®. a nova funcionalidade personality+ vai

permitir que as capacidades individuais dos jogadores sejam reflectidas

no jogo. esta novidade oferece uma diferenciação mais clara de todos os

jogadores e em todas as posições no campo, a um nível de sofisticação

tal que dá a sensação de que os nossos futebolistas têm desempenhos

de verdadeiros indivíduos. as novidades não ficam por aqui! pro passing

é uma nova funcionalidade onde a precisão do passe é determinada

pela capacidade do jogador, assim como novos tipos de passes. passes

sinuosos permitirão aos jogadores fazer jogadas mais seguras e eficazes.

género: desporto m/3 Jogadores: 1-22 data de lançamento: 1 outubro

2010 i

Passámos por…

teatro estúdio mário Viegas em lisboa, onde se encontra em

cena, todas as 4 a feiras, até 27 deste mês, a peça Hamlet da Silva,

com encenação de eduardo condorcet. está um lindo dia, tudo

a correr bem e, de repente, tudo muda. como reagimos, quer

sejamos tímidos ou seguros, habituados a vencer ou a perder?

a festa do avante confirmou, uma vez mais, ser a festa de encerramento

dos grandes festivais de verão. da música ao teatro, dos livros à ciência,

novos e velhos, no palco e fora dele, de todas as ideologias, fazem a festa.

momento de ternura a participação da fadista celeste rodrigues, irmã de

amália rodrigues, ao lado de tim dos Xutos, no palco principal da festa.

finalmente Samuel Úria, uma das novas promessas da música ligeira

portuguesa, esteve no auditório Jorge Sampaio, em Sintra. i

texto e foto: João Vasco

Optimus Lisbon Star Wars

a optimus lança no mercado um

telemóvel low-cost inspirado na saga

Star Wars, o optimus lisbon Star Wars.

o modelo tem ecrã táctil, câmara

fotográfica, rádio, leitor mp3, ranhura

para cartão de memória e bluetooth.

o design é marcado pela imagem de darth Vader na tampa

traseira e vem acompanhado de cinco wallpapers, cinco

crachás e quatro ringtones da famosa saga de george lucas.

o preço aproximado é de 69,90 euros. i

Asus Cine Vibe

Sempre à procura das

“melhores vibrações”, a

asus desenvolveu uns

auscultadores que vibram. o

headset uSb, asus cine Vibe,

vibra quando assitimos a

um filme ou a um jogo com

mais acção e movimento, sendo a vibração gerada a partir dos graves

provenientes do filme ou do jogo. o preço aproximado é de 70 euros. i

As mais

da discoteca

David guetta & Chris Willis

and fergie – getting over you

Yolanda be Cool & D Cup

We no speak Americano

Swedish house Mafia

One (Your name)

Rio

One heart

lucenzo feat. big Ali

vem dançar kuduro

Pedro Cazanova

My body and my soul

Alex gaudino

I´m in love

Pete Tha zouk & Abigail

I am back again

bob Sinclair & ben Onoho

Rainbow

Axwell

nothing but love

Scissor Sisters

night work

Katy Perry

Teenage dream

hurts

happiness

Muse

The resistance

linkin Park

A thousand suns

brandon flowers

flamingo

Taio Cruz

Rockstar

eminem

Recovery

Marron 5

hands all over

linkin Park

A thousand suns


nos céus de Proença-a-nova

veRAS e CAnDeIAS

ARRASAM COnCORRênCIA

José Veras voltou a voar mais alto na quarta

e última etapa do SkySurf protour 2010,

que foi disputado nos céus de proença-anova

no final de Setembro. a equipa portugal

SkySurf team, constituída por Veras e o

cameraflyer luís candeias, arrasou a concorrência,

conquistando o protour com grande

vantagem em relação aos adversários.

o segundo lugar do pódio na final coube à

SkySurf extreme team do aeroclube de Évora

e o terceiro aos all Stars SkySurf team.

nesta competição as pontuações são

atribuídas pelos juízes com base na observação

das imagens captadas pelos

cameraflyers durante a queda livre. a execução

das coreografias, dificuldade, expressão

artística e desempenho do cameraflyer

são os critérios analisados. i

O consumo de drogas na adolescência

cada vez é mais comum assistir a adolescentes

que têm consumos de drogas activos. desde

o álcool consumido de maneira desmesurada,

ao tabaco e até ao abuso de substâncias

mais pesadas, contacta-se frequentemente

com uma imagem degradada da juventude.

normalmente situações destas ocorrem dentro

do grupo de amigos. como pode ser evitado?

alertando as nossas crianças para as reais

consequência, não dizendo apenas que “faz

mal”. pois a questão que muitos não sabem,

prende-se com os processos internos que se

escondem na ingestão deste tipo de substâncias.

aquilo que denominamos de “ressaca”,

trata-se do cérebro a enviar uma mensagem

aos restantes órgãos de que necessita mais

álcool, daí a sensação de secura na boca. para

além disso, o consumo de tabaco, cannabis,

haxixe, ecstasy, tem uma influência directa

ao nível sináptico no cérebro, influencia directamente

a forma como este transmite

informação ao corpo, entre outras reacções

bastante ofensivas ao organismo. no cérebro

de um adolescente, que ainda está em

formação e crescimento, o consumo de

psicotrópicos pode alterá-lo para sempre, e

conduzir a episódios de esquizofrenia ou mania,

após um único consumo. estima-se que,

derivado a inúmeras situações abusivas que

esta geração tem criado, os casos de demência

e doenças como parkinson tenham um

aumento exponencial em idades compreendidas

entre os 20 e os 30 anos, o que na

actualidade é um fenómeno raro. i

andreia ribeiro

(estudante de psicologia na universidade de lisboa)

Salto Tandem

Sporting fala mais alto

a sócia n. o 6 do Sporting clube de portugal,

maria de lourdes borges de castro, bateu

este domingo o recorde da mais idosa a

praticar o Salto tandem, no passado mês

de Setembro, em proença-a-nova. “o recorde

anterior estava nos 80 anos e a maria

de lourdes superou, uma vez que tem

87 anos”, afirmou José Veras, skysurfer e o

piloto que conduziu a sportinguista neste

salto. a aventura decorreu em proença-anova,

centros de pára-quedismo local, e

maria de lourdes respondeu ao desafio da

prima marta black, também ela pára-quedista,

e que transportou uma das câmaras

que registaram este salto. José eduardo

bettencourt, presidente do Sporting, marcou

presença na iniciativa e acompanhou

todas as etapas por onde passou maria de

lourdes, que se mostrou perfeitamente àvontade

e confiante. “medo não tenho…

pode ser um bocadinho de irresponsabilidade,

mas quando se chega à minha idade

de que é que temos medo?”, questionou,

perante os jornalistas. i

Similar magazines