Artes e Ofícios Editora | Catálogo Infantil e Juvenil, 2012 / 2013

antonio.luzzatto

Desde 2005, a Artes e Ofícios vem construindo seu catálogo infantil e juvenil de forma mais sistemática, tendo como elemento norteador a importância da formação de leitores. Produzir livros com qualidade literária para a criança e o jovem, abordando temas de interesse desse público é o objetivo principal da Artes e Ofícios. A seleção de textos, a decisão pelo formato, pelo projeto gráfico mais instigante e a escolha do ilustrador são pontos fundamentais para que o produto livro chegue às mãos do leitor como um objeto que, desde a capa, provoca o desejo da leitura.
Para saber mais, entre em contato com a Artes e Ofícios: divulgaleitura@arteseoficios.com.br ou acesse o site www.arteseoficios.com.br

Finalista do Prêmio

Jabuti 2010

PNBE 2011

DO CORAÇÃO DE TELMAH,

LUÍS DILL

Indicação de leitura: a partir de 12/13 anos

A HISTórIA NASCE A PArTIr DE UMA PErGUNTA

que o autor se coloca: é possível escrever um

romance usando o twitter? Com essa motivação

Luís Dill escreveu a novela, que vem do coração

de Telmah.

Uma história em 500 tweets, que estabelece diálogo

com Hamlet, peça de Shakespeare na qual

a dúvida, a dor e a tragédia estão presentes da

primeira à última linha. Essa também é a história

de Telmah: a dúvida sobre a morte do pai tomando

conta de suas vísceras, alastrando-se por

todo o corpo e, como em Hamlet, levando-a à

loucura. O leitor acompanha cada pulsação do coração

de Telmah através de 500 tweets, nos quais

ela vai contando sua história de vingança e dor.

O livro tem projeto gráfico e fotos de Tatiana

Sperhacke.

O autor Luís Dill nasceu em Porto Alegre em

1965. Formou-se em Jornalismo pela PUC/

rS. Como jornalista, já atuou em assessoria de

imprensa, jornal, rádio, televisão e internet.

Atualmente é Produtor Executivo da rádio

FM Cultura. Como escritor estreou em 1990.

Atualmente tem mais de 20 livros publicados,

além de participações em coletâneas. Também

é colaborador de jornais e de revistas. Já

foi finalista de diversos prêmios literários e

vencedor do Açorianos na categoria conto em

2008 e na categoria juvenil, em 2009, com o

livro De carona, com nitro, da Artes e Ofícios.

Dica para o professor: Proponha que seus alunos

leiam Hamlet, de Shakespeare, a fim de analisar o

diálogo que há entre as duas histórias. Uma atividade

interessante é propor que escrevam, eles mesmos,

uma história em tweets. Quem sabe uma história que

dialogue com outro texto de Shakespeare: Otelo, Rei

Lear, Romeu e Julieta...

INFOrMAÇÕES TÉCNICAS:

14 X 21 cm | 128 págs. | ISBN: 978-85-7421-125-1

PNBE 2011

WHATEVER,

LEONARDO BRASILIENSE

Indicação de leitura: a partir de 12/13 anos

SÃO DEZ CONTOS que retratam os anos de João

Pedro no ensino médio e sua relação com a

escola, os colegas, a família, e principalmente

revelam a forma displicente com a qual ele vai

encarando as situações de seu cotidiano e até

mesmo a necessidade de decidir o que fará no

futuro. Aparentemente, nada é suficientemente

importante a ponto de provocar qualquer reação

em João Pedro. Tanto faz. Nada parece animá-lo

ou dar sentido à sua vida de adolescente classe

média-média. Tudo é igual a tédio e desinteresse.

Whatever... É essa falta de entusiasmo com a

vida e o futuro, que o autor diz observar em

muitos jovens, que o motivou a escrever os

contos. Será a juventude atual uma espécie de

Geração Whatever?

O autor Leonardo Brasiliense nasceu em São

Gabriel, em 1972. Formou-se em Medicina na

Universidade Federal de Santa Maria. Atualmente

trabalha na receita Federal. Como escritor, publicou

O desejo da Psicanálise (1999); Meu sonho

acaba tarde (2000); Desatino (2002); Adeus conto

de fadas (Prêmio Jabuti de Melhor Livro Juvenil

em 2007) e Olhos de morcego (2007).

A ilustradora Juliana Dischke nasceu em Santa

rosa, em 1985, mas vive em Porto Alegre há 8

anos. Graduou-se em Design e vem se especializando

como designer de livros. Para a Artes e

Ofícios, ilustrou também os livros O Horla, A cabeleira,

A mão, O Colar, de Guy de Maupassant, Cartas

do meu moinho, de Alphonse Daudet, e é responsável,

juntamente com Joãocaré, pelo projeto

gráfico dos livros da coleção Papo-cabeça.

Dica para o professor: A partir do questionamento “será

a juventude atual a geração whatever?”, estimule seus

alunos a pensarem sobre o que caracteriza a juventude

de hoje: o que buscam? O que fazem para se divertir?

Como se comportam? Como se vestem? Proponha

também que tracem um paralelo com a juventude em

outros momentos. Convide o professor de história para

dar aos alunos o pano de fundo de cada época.

INFOrMAÇÕES TÉCNICAS:

16 X 23 cm | 128 págs. | ISBN: 978-85-7421-124-4

47

More magazines by this user
Similar magazines