O Acordo Ortográfico - NPPEB

nppeb.wikispaces.com

O Acordo Ortográfico - NPPEB

ESMTG | 7 de outubro

Formador : Luís Fernando Pinto Salema


0. Articulação com a sessão anterior

Competência nuclear, descritores de desempenho, linhas

orientadoras/planos do conhecimento explícito, conteúdos, leitura,

referencial de textos, esclarecimento de dúvidas

1. Escrita

Enquadramento, trabalho prático e conclusões

2. Compreensão e expressão oral

Definição de conceitos, orientações de gestão, representação dos

princípios e pressupostos do programa nas competências do oral, modelos

teóricos e tarefas


ESMTG | 7 de outubro

1

Escrita

Formador : Luís Fernando Pinto Salema


Plano da apresentação

1 • Enquadramento

2 • Trabalho prático

3 • Conclusões

4


1 • Enquadramento

5


Quais são as três maiores

dificuldades dos alunos no

domínio da escrita?

6


Definição da competência


«Entende-se por escrita o resultado, dotado de

significado e conforme à gramática da língua,

de um processo de fixação linguística que

convoca o conhecimento do sistema de

representação gráfica adoptado, bem como

processos cognitivos e translinguísticos

complexos (planificação, textualização,

revisão, correcção e reformulação do texto)»

Programa de Português, p.16


Resultados esperados


1.º Ciclo (p.26)

Recorrer a técnicas para registar,

organizar e transmitir a informação.

Utilizar processos de planificação,

textualização e revisão, utilizando

instrumentos de apoio nomeadamente

ferramentas informáticas.

Escrever, em termos pessoais e

criativos, diferentes tipos de texto,

como forma de usufruir do prazer da

escrita.

Produzir textos de diferentes tipos em

português padrão, com tema de

abertura e fecho, tendo em conta a

organização em parágrafos e as regras

de ortografia e pontuação.

2.º Ciclo (p.77) 3.º Ciclo (p.117)

Escrever para responder a diferentes

propostas de trabalho, recorrendo a

técnicas de seleção, registo,

organização e transmissão da

informação.

Utilizar com autonomia processos de

planificação, textualização e revisão,

com recurso a instrumentos de apoio e

ferramentas informáticas.

Escrever em termos pessoais e

criativos, em diferentes suportes e

num registo adequado ao leitor visado,

adotando as convenções próprias do

tipo de texto.

Produzir textos coerentes e coesos em

português padrão, com tema de

abertura e fecho congruente, com

uma demarcação clara de parágrafos e

períodos e com uso correto da

ortografia e da pontuação.

Escrever para responder a necessidades

específicas de comunicação em diferentes

contextos e como instrumento de apropriação e

partilha do conhecimento.

Recorrer autonomamente a técnicas e processos

de planificação, textualização e revisão,

utilizando diferentes instrumentos de apoio,

nomeadamente ferramentas informáticas.

Escrever com autonomia e fluência diferentes

tipos de texto adequados ao contexto, às

finalidades, aos destinatários e aos suportes da

comunicação, adotando as convenções próprias

do género selecionado.

Produzir textos em termos pessoais e criativos,

para expor representações e pontos de vista e

mobilizando de forma criteriosa informação

recolhida em fontes diversas.

Produzir textos em português padrão,

recorrendo a vocabulário diversificado e a

estruturas gramaticais com complexidade

sintática, manifestando domínio de mecanismos

de organização, de articulação e de coesão

textuais e aplicando corretamente regras de

ortografia e pontuação.


Escrever para

construir e

expressar

conhecimento(s)

Escrever para

aprender a

escrever

Escrever em

termos pessoais

e criativos

11


Experiências de aprendizagem

O 1.º ciclo do ensino básico deve permitir aos alunos o

exercício efetivo da escrita, através da redação de textos

que possibilitem, ora a realização de atividades reguladas

por modelos, ora a escrita pessoal e criativa.

As atividades a desenvolver terão como objetivo

proporcionar-lhes a aquisição contextualizada de

regras, normas e procedimentos respeitantes à estrutura,

à organização e à coerência textuais.

12


„ Criação de situações de escrita significativas

„ Dar tempo para escrever

„ Vivência de situações diversificadas, aprendendo a produzir

diferentes tipos de texto

„ Desenvolvimento de competências gráfica, ortográfica e compositiva

„ Apoio explícito aos processos de planificação textualização e revisão

„ Materiais de apoio acessíveis

„ Valorizar as produções dos alunos: jornais de turma, de escola,

blogues...


Ao longo do 2.º ciclo, é essencial que os alunos se

constituam como produtores de textos com crescente

autonomia.

Investir na produção escrita recursos de que se apropriaram

nas atividades de compreensão e de expressão oral e de

leitura.

O trabalho de caráter experimental e oficinal, já

iniciado no 1.º ciclo, organiza-se, executa-se e avalia-se

de forma mais consistente.


«[…] o professor de Português crie momentos específicos de

trabalho de oficina de escrita ou de laboratório de língua,

com recurso aos meios informáticos e a materiais de apoio

diversificado: ficheiros, formulários, dicionários, prontuários,

gramáticas…»

Programa de Português, p.109


3.º Ciclo

„ criação regular de situações de escrita

orientada, em oficina de escrita ou no âmbito

de projetos de trabalho, dando tempo para

escrever e respondendo de forma concreta

às dificuldades dos alunos


3.º Ciclo

• variação dos parâmetros de escrita quanto à

intenção, destinatário, contexto, tempo, ponto

de vista, etc., para alargar o trabalho a nível

linguístico e textual e para balizar o nível de

complexidade e dificuldade das tarefas


3.º Ciclo

• diversificação das atividades propostas aos

alunos, de modo a favorecer a capacidade

criativa, o enriquecimento lexical e o gosto

pela escrita: escrever “à maneira de”, utilizar

dicionários de sinónimos, etc.


3.º Ciclo

• proporcionar mecanismos motivadores de

aperfeiçoamento e regulação da prática da

escrita, privilegiando a perspetiva de que

se escreve para aprender a escrever melhor

• instituição de circuitos de comunicação que

assegurem a circulação dos escritos produ-

zidos (rotinas de leitura de textos à turma,

intercâmbio com outras, página ou blogue

da turma ou da biblioteca escolar)


3.º Ciclo

• elaboração de exercícios de confronto de

textos para tomada de consciência e siste-

matização de marcas distintivas das dife-

rentes tipologias textuais

• avaliação dos graus de correção e de ade-

quação nos próprios desempenhos e nos

dos colegas


2 • Trabalho prático


Atividade 1

a) Analisar a sequência de aprendizagem apresentada (anexo 1).

b) Caraterizar potencialidades e limitações da sequência

analisada, considerando nomeadamente:

- o grau de interação com os pressupostos explicitados no

texto de caraterização do ciclo e nas orientações de gestão

do Programa;

- a articulação entre as diferentes competências.


Atividade 2

a) Analisar textos produzidos por alunos.

b) Caraterizar os saberes e as dificuldades manifestados pelos

alunos em cada um dos textos, tendo em consideração:

- os resultados esperados no domínio da escrita;

- os descritores de desempenho nos domínios da escrita e do

conhecimento explícito da língua.


Atividade 3

a) Analisar textos produzidos por alunos, de modo a

identificar três dificuldades/problemas que justifiquem uma

intervenção prioritária.

c) Descrever cenários pedagógicos que visem a superação dessas

dificuldades e o aperfeiçoamento das produções dos alunos,

fazendo referência:

- aos processos de trabalho a desenvolver em sala de aula;

- aos materiais a utilizar/construir.


3 • Conclusões


ESMTG | 7 de outubro

2

Compreensão/expressão

oral

Formador : Luís Fernando Pinto Salema


A compreensão e a expressão orais no novo

programa de Português

1

2

Definição de conceitos

Orientações de gestão

3 Representação dos princípios e pressupostos

do programa nas competências do oral

4

5

Modelos teóricos

Tarefas


“(...) Em rigor, a escola, que tão mal ensina a escrever, não ensina, de todo, a falar. A

aprendizagem elementar da fala e o desenvolvimento da língua estão entregues às

famílias(...) a escola, ao não intervir no processo de edificação da fala demite-se de uma

responsabilidade que deveria ser a primeira a reivindicar e, pelo contrário, vai receber o

influxo negativo dos surtos degenerativos externos, assim «oficializando»,

indirectamente, o vicioso e o errado contra o exacto e o harmonioso.”

José Saramago, 1998,

Cadernos de Lanzarote, Diário V, p.198, Lisboa, Caminho


1

A compreensão do oral e a expressão oral

no Novo Programa de Português para o Ensino Básico

• As competências específicas implicadas nas atividades linguísticas que se

processam no modo oral são a compreensão do oral e a expressão oral; (pág. 15)

Entende-se por compreensão do oral a capacidade para atribuir significado a

discursos orais em diferentes variedades do português. Esta competência envolve

a receção e a descodificação de mensagens por acesso a conhecimento

organizado na memória;

Entende-se por expressão oral a capacidade para produzir sequências fónicas

dotadas de significado e conformes à gramática da língua. Esta competência

implica a mobilização de saberes linguísticos e sociais e pressupõe uma atitude

cooperativa na interação comunicativa, bem como o conhecimento dos papéis

desempenhados pelos falantes em cada tipo de situação; (pág. 16)


2

Orientações de gestão

1º ciclo

No domínio da compreensão do oral, as crianças deverão

desenvolver habilidades de escuta para serem capazes de extrair

informação dos textos ouvidos. É fundamental a realização de

atividades que ensinem os alunos a escutar, a reter e a registar a

informação pertinente a partir de discursos com diferentes graus de

formalidade e complexidade.

A aprendizagem sistemática de vocabulário é indispensável para

compreender os discursos ouvidos. É preciso promover o

alargamento do vocabulário do aluno para que ele compreenda os

discursos da escola, se integre plenamente na vida do grupo a que

agora pertence e na comunidade de que faz parte.

pág. 69


Orientações de gestão

1º ciclo

No domínio da expressão oral, é fundamental que se evolua de

situações de comunicação oral informais para situações

progressivamente mais formais. A criança aprenderá primeiro a utilizar

a palavra para gerir os conflitos e as interações sociais, respeitando as

regras de convivência social e as regras da língua. A seguir aprenderá a

gerir situações de comunicação oral formal, aprendendo a preparar o

seu discurso, a apresentá-lo e a agir em situação, de acordo com as

reações do público.

O trabalho a desenvolver deverá proporcionar aos alunos situações

explícitas de aprendizagem de técnicas de expressão oral e de

mobilização de novos vocábulos ou estruturas que ouviu ou leu e que

deverá integrar nos seus discursos. pág. 69


Resultados esperados – 2º ciclo

pág. 75


Resultados esperados – 2º ciclo

pág. 76


Orientações de gestão

3.º ciclo

Nestes dois anos [8.º e 9.º], o trabalho sobre o texto argumentativo (compreensão e

produção) alarga-se na análise da estrutura argumentativa, do tipo de

fundamentação apresentada e do seu valor (objetivo/subjetivo); importa também

atender à interpretação e à utilização pelos alunos (na oralidade e na escrita) dos

processos de persuasão (justificação, explicação, demonstração, refutação).

Ao longo deste ciclo, sempre em função de contextos significativos e

com objetivos definidos, o aluno deverá testemunhar e realizar exposições orais.

pág. 144


Orientações de gestão

3º ciclo

O trabalho no campo da comunicação oral deve proporcionar o contacto com usos da

linguagem mais formais e convencionais, que exijam um controlo consciente e voluntário

da enunciação, tendo em vista a importância assumida pelo domínio da palavra pública

no exercício da cidadania. É importante que os alunos aprofundem a consciência da ação

realizada através da fala, que implica o conhecimento das especificidades do oral e das

convenções que regulam esta modalidade de comunicação, em termos linguísticodiscursivos,

retóricos e contextuais.

Este trabalho concretiza-se através da observação e da reflexão analítica sobre um

conjunto alargado de textos que integre as práticas orais próprias e as de outros.

Assim, ensinar a língua oral não significa tão-só trabalhar a capacidade de falar em geral,

mas antes desenvolver o domínio dos géneros que apoiam a aprendizagem escolar do

português e de outras áreas disciplinares e também os géneros públicos no sentido mais

amplo do termo (exposição, entrevista, debate, teatro, palestra, etc.).

pág. 145-146


Orientações de gestão

3º ciclo

Para que os alunos atinjam os desempenhos descritos para esta competência, é

necessário criar oportunidades de aprendizagem variadas, p. ex.:

i) Construção de um contexto de aprendizagem cooperativo que ajude o aluno a

tornar-se confiante e competente no uso da linguagem falada;

ii) Escuta guiada de documentos orais de diferentes tipos, representativos de situações

de interlocução autênticas e apresentando usos diversificados da língua, quer em

português padrão quer noutras variedades;

pág. 146


Orientações de gestão

3º ciclo

iii) Exercícios de comparação entre diferentes formas de utilizar a língua oral em

contexto, confrontando os recursos verbais e não verbais utilizados e os efeitos

produzidos;

iv) Envolvimento em atividades diversificadas de comunicação oral, que permitam

ao aluno desempenhar vários papéis, quer em termos do treino da escuta, quer no

campo da expressão oral;

v) Participação em atividades orientadas para o aprofundamento da confiança e

da fluência na expressão oral formal: debate, relato, síntese, exposição oral,

dramatização, etc.;

vi) Avaliação dos graus de correção e de adequação nos seus desempenhos e nos

dos colegas.

pág. 146


• Princípio da progressão (articulação vertical)

3

Compreensão e expressão oral: representação dos princípios

e pressupostos do Programa

1.º ciclo

•Saber escutar, para

organizar e reter a

informação essencial,

discursos breves em

português padrão ...

2.º ciclo

...com algum grau

de formalidade

3.º ciclo

Saber escutar, visando

diferentes finalidades,

discursos formais em

diferentes variedades do

Português, cuja

complexidade e duração

exijam atenção por

períodos prolongados.


3

Compreensão e expressão oral: representação dos princípios e

pressupostos do Programa

• Princípio da progressão (articulação vertical)

1.º ciclo

•Produzir breves discursos

orais em português padrão

com vocabulário e

estruturas gramaticais

adequados

2.º ciclo

Produzir

discursos orais

coerentes em

português

padrão, com

vocabulário

adequado e

estruturas

gramaticais de

alguma

complexidade.

3.º ciclo

Produzir discursos orais

corretos em português

padrão, usando vocabulário

e estruturas gramaticais

diversificados e recorrendo

a mecanismos de

organização e de coesão

discursiva.


• Princípio da progressão (articulação horizontal)

Articular

corretamente

palavras

Apropriar-se

de padrões de

entoação e

ritmo

Usar princípios de

cortesia e formas

de tratamento

adequados

...

Participar em

atividades

orientadas

de expressão

oral,

respeitando

regras e

papéis

específicos


4

Compreensão e Expressão oral: modelos teóricos

Processo de compreensão

reconhecer

sons

palavras


selecionar

sons,palavras

expressões

ideias

relevantes


interpretar

Compreender

o conteúdo

do discurso

Compreender

a forma do

discurso

intenção comunicativa;

significado global;

ideias principais;

entender ambiguidades;

captar a ironia, o humor

...

estrutura ou

organização (diferentes

partes)

identificar palavras que

marcam a estrutura:

abertura,

encerramento; mudança

de tema


antecipar

Saber ativar a informação de

que dispomos sobre a pessoa

ou tema, para preparar a

compreensão do discurso

Saber antecipar o que vai

ser dito a partir do que já

se disse


inferir

Saber interpretar os

códigos não verbais

Perceber ideias

implícitas

Retirar conclusões


eter

Recordar palavras, frases

e ideias durante uns

segundos para poder

interpretá-las

Reter na memória a longo

prazo os aspetos mais

importantes

Utilizar os diferentes tipos

de memória (visual,

auditiva) para reter

informação


econhecer

selecionar

interpretar

contexto

objetivos

tema

antecipar

inferir

reter


Modelo de expressão oral

1. Planificar o discurso

preparar o tema

usar suportes escritos (guiões, notas)

identificar conceitos/ palavras-chave


2. Conduzir o discurso

2.1 Conduzir o tema

iniciar ou propor um tema

desenvolver um tema

dar por terminada uma conversação


2.2 Conduzir a interação

manifestar que se quer intervir

escolher o momento adequado para intervir

ceder o turno de palavra no momento adequado


2.3 Negociar o significado

saber avaliar a compreensão do interlocutor


3. Produzir o texto

simplificar a estrutura da frase

eliminar palavras irrelevantes

autocorrigir-se

precisar o significado do que se quer dizer

repetir e resumir ideias importantes

articular de forma clara


4. Aspetos não verbais

controlar a voz

usar códigos não verbais adequados

dirigir o olhar para os interlocutores


Atividades de compreensão/expressão oral

Do ponto de vista exclusivo da disciplina, dada a complexidade da

comunicação oral, que associa os códigos verbal, paraverbal e não

verbal, torna-se imperativo conceder a este domínio um estatuto autónomo

no processo de ensino-aprendizagem, embora em articulação com os

domínios da leitura e da escrita. Deverão ser introduzidos nas aulas de

Língua Portuguesa espaços de ensino-aprendizagem da língua

portuguesa padrão, do oral refletido e de géneros públicos e formais do oral,

tanto ao nível da compreensão como da produção, instituindo o aluno como

ouvinte ativo e locutor de pleno direito.


Atividades de compreensão/expressão oral

COMPREENSÃO ORAL

Enunciados simples

Enunciados de complexidade média

Enunciados complexos

EXPRESSÃO ORAL

Fonologia / paraling. Correcção Organização Adequação contextual

Voz Léxico Sequência Adequação comunicativa

Entoação Sintaxe Coerência Cooperação e cortesia

Dicção Coesão Pertinência Máximas conversacionais

Ritmo … Criatividade

Expressividade …


Atividades de compreensão oral

COMPREENSÃO ORAL

identificar a intenção comunicativa do interlocutor;

saber escutar e compreender géneros formais e públicos do oral;

saber escutar criticamente discursos orais, identificando factos, opiniões

e enunciados persuasivos.


Atividades de compreensão oral

Estruturação da atividade em três etapas:

‟ pré-escuta/visionamento

‟ escuta/visionamento

‟ pós-escuta/visionamento Estratégias de escuta:

‟ global

‟ seletiva

‟ pormenorizada

Registo de notas a partir de:

‟ enunciados orais

‟ observação de factos e experiências

‟ pensamentos


Atividades de compreensão oral

Entrevista

Crónica Debate

.Regulamentos…;

.Registos autobiográficos;

.Registo áudio de poemas,

.Videoclips;

.Documentários.

Publicidade Documentários

Discurso político

.Documentários…

.Excertos de filmes;

.Programas áudio e

audiovisuais humorísticos;

.Produções áudio e

audiovisuais diversas.

Debate

.Registos áudio e

audiovisuais diversos;

.Documentários;

.Excertos de filmes;

.Registos áudio e

audiovisuais;

.Entrevistas.


Atividades de expressão oral

EXPRESSÃO ORAL

. adequar o discurso ao objetivo comunicativo, ao assunto e ao

interlocutor;

. exprimir pontos de vista;

. fazer exposições orais com guião.


Atividades de expressão oral

Estruturação da atividade em três etapas:

PLANIFICAÇÃO

‟ construção do tópico

‟ determinação da situação e objetivos de comunicação

‟ determinação do tipo de discurso e de texto

‟ elaboração de um plano-guia

EXECUÇÃO

‟ construção do enunciado (continuidade, progressão, coesão, coerência), de

acordo com o plano elaborado

AVALIAÇÃO

‟ utilização de instrumentos de auto e heteroavaliação


Atividades de expressão oral

Reconto Textos de apreciação

crítica

Relato de vivências/

experiências

Textos publicitários

Entrevista Debate Debate

Descrição/retrato Exposição Exposição

.Relatório de atividades; .Reclamação/ protesto; .Recitação;

.Descrição e interpretação .Comunicado;

.Dramatização.

de imagens;

.Autorretrato;

.Leitura expressiva de

poemas.

.Dramatização.


Atividades de oralidade estruturada (expressão)

1. Exposição


Atividades de oralidade estruturada (expressão)

* Exposição de opinião acerca da realização de protestos públicos

coletivos, tendo em conta:

a. motivações;

b. efeitos;

c. consequências diretas e/ou indiretas.

* Fundamentação de ponto de vista, recorrendo a argumentos

relevantes e ilustração com exemplos significativos.

* Planificação do trabalho de forma cuidada e elaboração de um

guião de exposição.

* Avaliação.


Atividades de oralidade estruturada (expressão)

2. Texto publicitário

Ria por último

Com o novo sistema de segurança

automóvel, recebe e envia alertas

em caso de furto, comunica para o

interior do veículo e até o pode

parar à distância com um simples

SMS. Ah, e ainda inclui um sensor

de impacto.


Atividades de oralidade estruturada (expressão)

* Muitos anúncios recorrem à modificação de provérbios como

forma de cativar o público e estabelecer com ele uma empatia

pelo recurso a uma linguagem previamente conhecida.

Quer petiscar sem arriscar? (Montepio Geral)

O gás, quando nasce, é para todos. (Galp Energia)

Cá se fazem, cá se compram. (Compro o que é nosso)

* Apresentação de um produto a publicitar e sugestão da

adaptação de dois provérbios que pudessem constituir o slogan

/ título da campanha de divulgação.

* Construção de anúncio publicitário.

* Planificação;

* Elaboração de anúncio;

* Avaliação.

32


Atividades de oralidade estruturada (expressão)

3. Reclamação / protesto

O serviço de Internet instalado em tua casa recentemente não

está a funcionar convenientemente… As especificações

enunciadas no contrato não correspondem à realidade.

* Construção, em pares, de um

diálogo (assistente do fornecedor

do serviço e reclamante).

* Representação da reclamação

/ protesto.

* Avaliação.

http://www.youtube.com/watch?v=fIH_L5H6oS0

33


Atividades de oralidade estruturada (compreensão)

1. Texto publicitário

http://www.bbdo.pt/home.html


Anúncios radiofónicos / anúncios televisivos

* Pré-escuta / visionamento

* Escuta / visionamento

Marca/empresa/instituição

Título da campanha

Slogan

Estratégias linguísticas persuasivas

Argumentos

Expressividade de banda sonora e/ou imagem

Aspetos mais positivos e mais negativos

Outros aspetos relevantes


* Pós-escuta / visionamento

37


Histórias tradicionais

> Atividades de compreensão oral

> Atividades de expressão oral (reconto, dramatização)

http://www.youtube.com/watch?v=pzNMzWivvV4&feature=results_main&pla

ynext=1&list=PLFF97D26FCCCF6E39

http://www.youtube.com/watch?v=mxQGD2xDHJE&feature=related

37


Novos Programas de Português

do Ensino Básico

Similar magazines