VJ SET 2008 A.p65 - Visão Judaica

visaojudaica.com.br

VJ SET 2008 A.p65 - Visão Judaica

4

* José Roitberg é

jornalista. Fotos:

Divulgação Família K.

A primeira

pentaneta da

família K

VISÃO JUDAICA setembro de 2008 Elul / Tishrê 5768 / 5769

Moritz e Bruce Frommer, ramo perdido da família K

Cerca 280 pessoas da família K reuniram-se em Passa Quatro, em Minas Gerais

Cinco gerações em encontro

de família judaica

José Roitberg *

e 29 a 31 de agosto, os descendentes

de Avraham e Roize

Kasjusz (Polônia, 1850), participaram

pela sexta vez do Encontro

Internacional envolvendo

cinco gerações com parentes na

Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Estados

Unidos, Portugal, França, Itália e Israel.

O encontro acontece a cada dois anos

e foi iniciado em 1998, pelos bisnetos e

idealizadores Jacques Wrona z'l, Mathusalém

Casiuch z'l e Vitalis Moritz.

Este ano integrou 280 pessoas em

Passa Quatro, nas montanhas de Minas

Gerais. Os encontros são registrados

em vídeo e muita fotografia. No último

dia, os familiares podem descarregar os

cartões de suas máquinas: foram quase

5 mil fotos em 3 dias, mostrando a

importância da documentação para a

Família K. No quarto do hotel, um canal

especial mostrou vídeos de encontros

anteriores 24 horas.

Ponto alto foi a presença de um primo

dos Estados Unidos, representando um dos

seis ramos da família que havia se perdido,

recentemente descoberto através de

pesquisa na Internet. Pela primeira vez ele

conheceu sua "nova" família. Ainda se espera

encontrar alguém do quinto ramo,

mas a última referência é Varsóvia 1940...

No show de talentos, um casal de bisnetos

se veste como os patriarcas originais

da família para receber todos os seus descendentes

e neste ano, acolher de forma

emocionante o primo perdido.

Comemorando 10 anos, a Família K lançou

seu primeiro livro, coletânea de crônicas

familiares. Ainda como parte dos produtos

de comunicação, destaca-se o folder

genealógico atualizado a cada dois anos,

crachá com nome, parentesco e cor do ramo

e o site da família (www.familiak.com.br).

Uma árvore genealógica de 20 metros foi

criada este ano, com fotos e informações

de cada membro.

A Família K tem como princípio arrecadar

dinheiro para tsedaká, ajudando instituições

judaicas. Durante o evento é

montado um bazar, onde são vendidos

produtos trazidos pelos familiares, fotos,

artesanato, eletrônicos, camisetas, bijuterias,

etc. A renda deste ano foi para:

Lar da Criança Israelita Rosa Waisman

(RJ), Lar da Velhice Israelita Religiosa do

Rio de Janeiro, Sinagoga Beith Yaacov

(RJ), Ten Yad (SP) e Unibes (SP).

"Pelo andar da carruagem, continuaremos

com a presença de cinco gerações,

já que os tetranetos rapidamente estão

chegando à fase de constituírem família

e já há alguns pentanetos. E como sabemos,

os descendentes Kasjusz são fiéis

cumpridores da recomendação divina

"Frutificai e Multiplicai" (Bereshit,

1:28)", profetiza Vitalis.

Atualmente, a geração mais jovem, de

trinetos e tetranetos é quem organiza o

evento. "O que mais me motiva nesta participação

é a consciência e a satisfação

de estar fazendo algo muito importante

para a família, além da possibilidade do

contato com familiares que, se não fosse

desta forma, eu certamente não teria conhecido."

- confessa o trineto Alexandre,

32, e ressalta: "A emoção que sinto ao término

de cada encontro não me deixa dúvidas

sobre o quanto vale a pena participar."