Orações de sapiência - Universidade de Coimbra

digitalis.dsp.sib.uc.pt

Orações de sapiência - Universidade de Coimbra

PREFÁCIO

e derivados; de e por ae, como em seculum, no lugar de saeculum e derivados; e

de e por oe, por exemplo em effoeminatam, em vez de effeminatam e cognatos.

Igual correcção foi feita na troca do i latino pelo y grego em palavras como

syderum, syncera, ocyus, em vez de siderum, sincera, ocius, em outros cerca de

trinta casos; e, ao contrário, na troca do y por i, como em “ginasio” e Sirtim, em

vez de gymnasio e Syrtim.

Em matéria de consonantismo, foi regularizado o uso do h, em casos como

archanis, charitas, charus, prophani, lachryma e derivados, e em exametris e

Temisthoclem, substituindo-os por arcanis, caritas, carus, profani, lacrima, e

hexametris e Themistoclem, respectivamente, e em mais cerca de outros quarenta

casos. Foram repostas as consoantes geminadas em palavras como littera, litteratura,

litterariae e outras cerca de noventa ocorrências de formas iguais e diferentes da

mesma raiz, e substituídas pela respectiva consoante simples em vocábulos como

litus (e não “littus”) e seus derivados. Por fim, foi normalizada a grafia dos dígrafos

ti+vogal, ci+vogal e si+vogal, frequentemente confundidos entre si, em palavras como

nuntio, pretium, otium, contio, laetitia, negotium, spatium, e outros cerca de sessenta

casos, que substituem nuncio, etc; e, ao contrário, em vocábulos como condicio e

commercium, que corrigem conditio e commertium; e em dissensionibus, correcção

de dissentionibus. Corrigiram-se cerca de quarenta e cinco ocorrências de “autor”

e “author” e seus derivados para a forma auctor e correspondentes. Finalmente, foi

feita a aglutinação de algumas formas como pernecessarium, circumcirca, em vez

de per necessarium e circum circa, e a separação de outras como sed etiam em vez

de sedetiam, verificadas sobretudo na Oração de António Pinto.

Foram mantidas certas formas arcaicas ou arcaizantes e também determinadas

características dos vários níveis do latim que a literatura dos autores clássicos regista,

como sejam as desinências morfológicas em -eis, em vez de -es, v.g. em qualeis,

omneis, cauteis, etc; as grafias de caussa, monimentis, sequutus, prosequuntur e de

outros seus cognatos; as formas sincopadas, tão ao gosto de certos autores romanos,

como laudarit, recusasset, inuitarunt, norant, implesse, intrasse e outras cerca de

sessenta ocorrências do mesmo tipo.

Obra protegida por direitos de autor

sebastião tavares de Pinho

7

More magazines by this user
Similar magazines