GOLEADA DOS TRABALHADORES! - Sintraturb

sintraturb.com.br

GOLEADA DOS TRABALHADORES! - Sintraturb

A assembléia foi bastante tumultuada.

Lamentavelmente alguns companheiros

acham que “na base do grito” a gente vai decidir

nosso futuro. Temos um dos sindicatos

mais organizados do país, então vamos VA-

LORIZAR A NOSSA ORGANIZAÇÃO, nunca

fazendo a coisa na base da aventura. Sindicalista

sério e comprometido com a classe

trabalhadora pensa responsavelmente em

todas as possibilidades, nos prós e contras

de uma decisão.

Mas RESPEITAMOS QUEM PENSA DIFE-

RENTE. O que não vale é ficar falando pelas

costas e fazendo acusações pessoais mentirosas.

Nem ficar gritando e atrapalhando a

assembléia.

Sempre garantimos o direito de todo

mundo falar e ser ouvido, até de não sócios.

Se alguém fala algo que você não concorda,

é só ir lá, pegar o microfone e falar diferente,

fazer crítica, o que quiser.

Mas ao final, TODOS DEVEM ACEITAR A

DECISÃO DA MAIORIA, se não é bagunça.

COM GREVE SERIA MELHOR?

Quem poderia afirmar isso? NINGUÉM.

Para iniciar a conversa é bom lembrar que na

Assembléia de 4ª feira só tinha METADE do

pessoal que estava na primeira assembléia.

Esse foi o principal argumento da maioria

dos companheiros que defenderam a aceitação

da proposta patronal. Uma coisa chamou

a atenção de todos: o pequeno número

de companheiros da Biguaçú e da Transol.

Juntas tem mais de 1.600 empregados(as),

mas na assembléia não somaram 100 presentes.

É claro que SEMPRE PODE SER ME-

LHOR, mas ninguém tem bola de cristal. Entre

o risco de se perder onze anos de ganhos

indiscutíveis e garantir o MAIOR AUMENTO

REAL que já tivemos nos últimos anos, OP-

TAMOS POR DEFENDER a proposta.

FIZEMOS A NOSSA PARTE

NUNCA ACEITAREMOS as acusações de

vendidos, cagões e outras coisas. Porque a

Diretoria e a assessoria do sindicato se prepararam

para a luta. Mais de 100 COMPA-

NHEIROS do MST e de outros sindicatos

Publicação do Sin tra turb

Periodicidade men sal

Rua Barão do Rio Branco, 918 - Centro, Palhoça, SC

Fone/Fax: (48) 3286 5300

E-mail: sintraturb@terra.com.br

A indignação de alguns!

BASE TERRITORIAL: Águas Mor nas, An ge li na, Ani tápo

lis, An tô nio Car los, Bi gua çu, Ca ne li nha, Flo ri a nópo

lis, Gov. Cel so Ra mos, Pa lho ça, Pau lo Lo pes, São

estavam ao nosso lado. Comida, comunicação,

comando, transporte, tudo estava

preparado. Se a categoria quisesse e

tivesse decidido pela greve, toda a infraestrutura

estava preparada.

ACORDO SEM GREVE

DEMONSTRA

A NOSSA FORÇA

Sempre falamos que o nosso objetivo

NÃO É A GREVE, mas ter melhores

ganhos e uma vida melhor. Se a gente

arranca uma proposta boa sem a greve,

É MUITO MELHOR.

Quando os patrões viram mais de

1.200 na primeira assembléia, a população

avisada e a categoria mobilizada,

recuaram e apresentaram uma proposta

bem próxima das nossas reivindicações.

Acordo sem greve é que demonstra

força. Um livro da sabedoria dos guerreiros

chineses, diz que a grande vitória

de um exército é ganhar a batalha sem

disparar um só tiro e sem perder um só

soldado.

E foi isso que conseguimos: ganhar

esta batalha sem DISPARAR nossa

mais poderosa arma: a greve.

Bo ni fá cio, São João Ba tis ta, São José, Santo Amaro

da Im pe ra triz e Tijucas.

SECRETÁRIO DE OR GA NI ZA ÇÃO:

Mar ci a no Ro dol fo da Sil va

SECRETÁRIO DE CO MU NI CA ÇÃO E IM PREN SA:

Vilmar Alves Nunes

EDIÇÃO: Quorum Co mu ni ca ção

Claudio Lucio DRT/SC 02475 JP

ILUSTRAÇõES: Rico Ma nha es

TIRAGEM: 1.600 exem pla res

IMPRESSÃO: Agnus

Junho - 2 0 0 8

Trabalhadores sem-terras fotografia de Sebastião Salgado

2 0 0 8 - Junho

Vamos avaliar a proposta

Terminada a campanha salarial, é

hora da gente começar a avaliar o seus

resultados e preparar a próxima.

ESTÁ ERRADO pensar só no bolso,

achar que tudo se resolve no grito e que

“arrumaremos a casa” de uma vez só.

Nós não estamos sozinhos atuando durante

uma campanha salarial. Tem outro

lado. Temos inimigos grandes e fortes.

Os patrões Têm armas como: polícia,

leis, os Chupins Patronalis jogando a

categoria contra o sindicato. A imprensa

joga a população contra a gente. É uma

verdadeira guerra.

SALÁRIOS

Arrancamos o maior AUMENTO REAL

dos últimos 5 anos. A inflação foi de 5,91%

e tivemos 8% de aumento, ou seja, 2,09%

de aumento real.

O aumento de 8% vale também para os

salários de todas as demais funções existentes

nas empresas.

TÍQUETES-ALIMENTAÇÃO

Nossa reivindicação era de R$ 280,00

para todas as funções. Arrancamos R$

275,00 para motoristas, cobradores e

agentes de terminal. Aumento de 10%,

ou seja, 4,09% acima da inflação. Para as

demais funções ficou em R$ 235,00. Aumento

de 30,5%, ou seja, 24,59% acima da

inflação. A diferença entre os dois valores

de tíquetes caiu de R$ 70,00 para R$ 40,00.

A maioria destes trabalhadores(as) NÃO

RECEBIAM NADA até 3 anos atrás.

FERIADO DE CARNAVAL

Apesar de ser feriado na prática, legalmente

é ponto facultativo. Então a

patrãozada não pagava este dia como

feriado. A partir de agora quem trabalhar

neste dia receberá dobrado.

MANUTENÇÃO DA PL E

DOS ANUÊNIOS/TRIÊNIOS

No Brasil a lei obriga negociar a CCT

inteira todos os anos. Portanto, nada é

direito adquirido em definitivo. Queríamos

o fim dos triênios e aplicação de

anuênio. Os patrões não queriam saber

desta conversa. Na última rodada admitiram

a mudança para anuênio, mas queriam

em troca uma mudança da cláusula

da PL, piorando muito este benefício.

Não aceitamos nenhuma mudança

na PL. Então os patrões não aceitaram

mudar só para anuênio.

DESCONTO ASSISTENCIAL

EM FAVOR DO SINDICATO

TODOS(AS) SE BENEFICIAM de nossa

luta e do trabalho do SINTRATURB.

Até agora os patrões se negavam a descontar

o auxílio financeiro do sindicato

nos salários dos não sócios do sindicato.

Mas agora, o DESCONTO ASSITENCIAL

PARA A CAMPANHA SALARIAL VAI

SER DESCONTADO DOS SALÁRIOS DE

TODOS(AS) TRABALHADORES(AS).

Mas a lei garante o direito de quem

NÃO QUISER CONTRIBUIR e o sindicato

é obrigado a devolver o dinheiro. O sindicato

estará aberto para as solicitações de

NÃO DESCONTO por parte daqueles que

não quiserem contribuir. Posteriormente,

divulgaremos a listagem contendo os nomes

de quem não admitir esta contribuição

para a nossa luta.

FIM DAS HEPS

As HEPs não poderão mais fazer parte

de nossa CCT. Os patrões insistiram

para mantê-las, mesmo com o alerta do

Ministério Público de que não aceitaria

2 3

esta cláusula. Eles podem correr o risco

de processos judiciais e de multas

porque ganham muito dinheiro com as

HEPs, mas o sindicato não se dispôs a

correr o risco de uma ação judicial do

Ministério Público.

As empresas tem 60 dias para planejarem

novas escalas de trabalho SEM

AS HEPs.

FIM DAS 3 HORAS

A jornada de 3 horas tem se mostrado

muito problemáticas para nós. Defendemos

o seu fim. Diante da impossibilidade

do fim das HEPs e das 3 horas ao

mesmo tempo, foi acertado que as 3 horas

deverão desaparecer com o tempo.

Elas NÃO PODERÃO MAIS SER USA-

DAS aos Sábados e no início do dia antecipando

escalas de 6:40 hs. Com isso a

companheirada de 6:40 hs não terá que

iniciar sua jornada no meio da manhã e

sair no final da tarde.

DEMAIS CLÁUSULAS

As demais cláusulas da CCT anterior

serão renovadas, devendo ter algumas alterações

de redação para deixa-las mais

claras e sem duplo entendimento.

More magazines by this user
Similar magazines