Views
3 years ago

A Igreja de Nossa Senhora da Vitória Irmandade e Hospício (1530 ...

A Igreja de Nossa Senhora da Vitória Irmandade e Hospício (1530 ...

A Igreja de Nossa Senhora da Vitória Irmandade e Hospício (1530

Arminda Mendes Rodrigues A Igreja de Nossa Senhora da Vitória Irmandade e Hospício (1530-1862) VOLUME I e VOLUME II Dissertação de Mestrado em Estudos do Património Orientadora: Professora Doutora Maria Alexandra Gago da Câmara Universidade Aberta Departamento de Ciências Humanas e Sociais Lisboa 2008

  • Page 3 and 4: Siglas e Abreviaturas Agradecimento
  • Page 6 and 7: vi Siglas e Abreviaturas Siglas AML
  • Page 8 and 9: viii Sinopse A Igreja de Nossa Senh
  • Page 10 and 11: x Abstract The Church of Our Lady o
  • Page 12 and 13: xii Résumé L'Église de Notre Dam
  • Page 14 and 15: xiv Introdução Quando nos propuse
  • Page 16: xvi Introdução 2 Grandeza e Abast
  • Page 19 and 20: 1. Trento e o papel das irmandades
  • Page 21 and 22: emontando as suas origens à 1ª di
  • Page 23 and 24: Mas, e ainda para Laurinda Abreu, o
  • Page 25: A teia de relações, muitas vezes
  • Page 28 and 29: 28 Depois da venda das ditas propri
  • Page 31 and 32: 2.2 - Organização da irmandade Pr
  • Page 33 and 34: Dado o carácter socioprofissional
  • Page 35 and 36: 2.3 - A prática da Caridade: O Hos
  • Page 37 and 38: A primeira referência ao hospital
  • Page 39 and 40: apesar da distância entre eles nã
  • Page 41 and 42: 2.4 - A Igreja e o culto “A Ermid
  • Page 43 and 44: Encontramo-la na Estremadura espanh
  • Page 45 and 46: Ora se a origem popular do culto ma
  • Page 47: Posteriormente o culto é ainda ass
  • Page 50 and 51: 50 91 Ao serem abrangidos na nova p
  • Page 52 and 53:

    52 Quadro 1 - Propriedades e Bens I

  • Page 54 and 55:

    54 Como se verifica, a partir do ro

  • Page 56 and 57:

    56 Todas as ajudas económicas eram

  • Page 58 and 59:

    58 superior, se determinasse quem a

  • Page 61 and 62:

    3.2 - Os Compromissos de 1783 e 178

  • Page 63 and 64:

    No conjunto dos capítulos pretende

  • Page 65 and 66:

    lhes falte. Deverá ainda visitar a

  • Page 70 and 71:

    70 II Parte A actual Igreja de Noss

  • Page 72 and 73:

    72 Se o rei optar pela construção

  • Page 74 and 75:

    74 Apresentando referências de est

  • Page 76 and 77:

    76 158 A partir de 1745 assume a di

  • Page 78 and 79:

    78 A estas duas praças será dedic

  • Page 80 and 81:

    80 Apesar de não ter prestado cola

  • Page 82 and 83:

    82 Avisos, Alvarás com força de l

  • Page 84 and 85:

    84 Pombal herda portanto, uma prát

  • Page 87 and 88:

    1.4 - O Enquadramento dos Espaços

  • Page 89 and 90:

    Apesar da planta de Eugénio dos Sa

  • Page 91 and 92:

    Já na composição exterior as fac

  • Page 94 and 95:

    94 Pormenor da Planta da Cidade em

  • Page 96 and 97:

    96 Freguesia S. Julião [Gião] Igr

  • Page 98 and 99:

    98 1 Planta in, A Baixa Pombalina,

  • Page 100 and 101:

    100 Em 1816 sofre um grande incênd

  • Page 102 and 103:

    102 À data do terramoto contava Li

  • Page 104 and 105:

    104 transformação e desvirtuament

  • Page 106 and 107:

    106 Podemos então concluir que o p

  • Page 108 and 109:

    108 Tomando como referência os nú

  • Page 110 and 111:

    110

  • Page 112 and 113:

    112 Todo o processo legal para a re

  • Page 114 and 115:

    114 Decorridos três meses sobre a

  • Page 116 and 117:

    116 Depois de votada a aceitação

  • Page 118 and 119:

    118 Finalmente em 24 de Janeiro de

  • Page 120 and 121:

    120 Poderiam dele dispor livremente

  • Page 122 and 123:

    122 O entulho, tal como previsto, i

  • Page 124 and 125:

    124

  • Page 126 and 127:

    126 É de sua autoria um conjunto d

  • Page 128 and 129:

    128 A cornija pouco saliente, secun

  • Page 130 and 131:

    130

  • Page 132 and 133:

    132 Compõe-se de três espaços pr

  • Page 134 and 135:

    134 Os alçados laterais, encontram

  • Page 136 and 137:

    136 A CAPELA-MOR A Capela-mor (Fig.

  • Page 138 and 139:

    138

  • Page 140 and 141:

    140 Em Portugal a reforma iconográ

  • Page 142 and 143:

    142

  • Page 144 and 145:

    144 Na nave sobre o topo dos alçad

  • Page 146 and 147:

    146 O único altar de temática hag

  • Page 148 and 149:

    148

  • Page 150 and 151:

    150 “Na capital a austeridade do

  • Page 152 and 153:

    152 A figura está representada de

  • Page 154 and 155:

    154 Caracteriza-a pelas amplas comp

  • Page 156 and 157:

    156 querubins. O rodapé bastante a

  • Page 158 and 159:

    158

  • Page 160 and 161:

    160 Caldeireiros e Nossa Senhora da

  • Page 162 and 163:

    162

  • Page 164 and 165:

    164 1788/89 - O novo Compromisso da

  • Page 166 and 167:

    166 1759 - Inventário e imagens, p

  • Page 168 and 169:

    168 OLIVEIRA, Nicolau (Frei), O Liv

  • Page 170 and 171:

    170 OBRAS DE REFERÊNCIA AA.VV., Hi

  • Page 172 and 173:

    172 AFONSO, Luís, «O Projecto Urb

  • Page 174 and 175:

    174 COELHO, António Borges, Ruas e

  • Page 176 and 177:

    176 MADUREIRA, Nuno Luís, Lisboa 1

  • Page 178 and 179:

    178 REAU, Louis, Iconographie de l'

  • Page 180 and 181:

    180 SOBRAL, Luís de Moura, Do sent

  • Page 182 and 183:

    182 NOTA PRÉVIA Como critério de

  • Page 184 and 185:

    184 Doc. 2 (A) Requerimentos para v

  • Page 186 and 187:

    186 Expõem também, que as das por

  • Page 188 and 189:

    188 9. Quatro Paízes de Figuras de

  • Page 190 and 191:

    190 torneiras de Latão que servem

  • Page 192 and 193:

    192 53. Huma Cardencia madeira de p

  • Page 194 and 195:

    194 fl. 7.vº Huma Sanefa grande de

  • Page 196 and 197:

    196 entregar della entregaria resto

  • Page 198 and 199:

    198 haveremos por firme e valiozo.

  • Page 200 and 201:

    200 Doc. 6 (B) Senteça Cível e ou

  • Page 202 and 203:

    202 concideração aos molestos e d

  • Page 204 and 205:

    204 publicos desta cidade e nos Arr

  • Page 206 and 207:

    206 se metia entre a Igreja e a pro

  • Page 208 and 209:

    208 julgarem na edeficassam ou reed

  • Page 210 and 211:

    210 previlegioz os digo os outros p

  • Page 212 and 213:

    212 jurisdissão a tudo o que perte

  • Page 214 and 215:

    214 confrontantes as quaes paredes

  • Page 216 and 217:

    216 Sincoenta e nove/ Rodrigo Xavie

  • Page 218 and 219:

    218 logo sevia e mostrava a informa

  • Page 220 and 221:

    220 Doze de Junho do mesmo anno e m

  • Page 222 and 223:

    222 contheudo escrito e declarado e

  • Page 224 and 225:

    224 fl.38vº não estava obrigado o

  • Page 226 and 227:

    226 do contador da fazenda nam cont

  • Page 228 and 229:

    228 quarenta e duas verso se acha a

  • Page 230 and 231:

    230 para que em sua vida os goze e

  • Page 232 and 233:

    232 outorgavam na dita escritura e

  • Page 234 and 235:

    234 Sam Bento desta cidade e a cada

  • Page 236 and 237:

    236 costumes com tanto que segundo

  • Page 238 and 239:

    238 fl.61vº Dará o meu Testamente

  • Page 240 and 241:

    240 lhe deu certefico o asim em Lis

  • Page 242 and 243:

    242 mim contador Jose António Pere

  • Page 244 and 245:

    244 Tabelião Agostinho de Souza Pe

  • Page 246 and 247:

    246 Livro das adjudicaçoens afolha

  • Page 248 and 249:

    248 Hospital na forma que determino

  • Page 250 and 251:

    250 Meza, para quem se tinhão pass

  • Page 252 and 253:

    252 Doc. 8 (B) Alvará da rainha D.

  • Page 254 and 255:

    254 Doc. 9 (A) Breves do Santo Padr

  • Page 256 and 257:

    256 pax em Jezus Christo. Fazem sab

  • Page 258 and 259:

    258 Doc. 10 (A) Compromisso da Real

  • Page 260 and 261:

    260 precederão Juntas de Irmãos d

  • Page 262 and 263:

    262 §2º Não consentirà que Irm

  • Page 264 and 265:

    264 fl.5 Terá grande Lembrança do

  • Page 266 and 267:

    266 persuadirá com eficaccia, que

  • Page 268 and 269:

    268 §3º Em todos os actos assim d

  • Page 270 and 271:

    270 necessidade para que tendo-a o

  • Page 272 and 273:

    272 Cap.º 12.º Do Mordomo do Hosp

  • Page 274 and 275:

    274 dito Irmão, como tambem tem de

  • Page 276 and 277:

    276 dos sufrágios que alias não s

  • Page 278 and 279:

    278 abrir Pauta. Feita a dita nomea

  • Page 280 and 281:

    280 Irmão Provedor serem horas de

  • Page 282 and 283:

    282 Irmandade vezitallo aplicando-l

  • Page 284 and 285:

    284 alampadas com tanto que nunca s

  • Page 286 and 287:

    286 §5º Haverá de seu ordenádo

  • Page 288 and 289:

    288 Informadores, que com toda poss

  • Page 290 and 291:

    290 §2º Tem de obrigação apromp

  • Page 292 and 293:

    292 Capº.29.º Da solemnidade do L

  • Page 294 and 295:

    294 anno da sua administração com

  • Page 296 and 297:

    295 fl. 25 Índex Dos Capítulos qu

  • Page 298 and 299:

    298 João Raymundo de Sousa Provedo

  • Page 300 and 301:

    300 geral a f 222 vº a Raynha Noss

  • Page 302 and 303:

    302 obrigação de hum Officio em c

  • Page 304 and 305:

    304 Doc. 12(A) Certidão em Publica

  • Page 306 and 307:

    306 Doc. 13 (A) Recibos de obras An

  • Page 308 and 309:

    308 Recebi do Sr. João Ferreira Lo

  • Page 310 and 311:

    310 passado em Nome de Sua Alteza R

  • Page 312 and 313:

    312 independente da vontade ou vida

  • Page 314 and 315:

    314 Doc. 16 (A) Corporação dos Ou

  • Page 316 and 317:

    316 Doc. 18 (B) Cópia da Carta de

  • Page 318 and 319:

    318 Seguem-se outros registos de me

  • Page 320 and 321:

    320 fl.1vº Em quanto á ultima arg

  • Page 322 and 323:

    322 subsequentemente entregar taes

  • Page 324 and 325:

    324 Índice dos documentos que cons

  • Page 327 and 328:

    Nota Prévia

  • Page 329 and 330:

    Fig.1-Olissipo quae nunc Lisboa, ci

  • Page 331 and 332:

    Fig.3-Planta da cidade em 1650. Rec

  • Page 333 and 334:

    Fig.5-Planta de Lisboa arruinada pe

  • Page 335 and 336:

    Fig.7-Planta Topográfica de Lisboa

  • Page 337 and 338:

    - N.S. Vitória Fig.9-Planta da Cid

  • Page 339 and 340:

    Fig.11-Planta Original da Igreja de

  • Page 341 and 342:

    Fig.13-Planta Original do Hospício

  • Page 343 and 344:

    Fig.16-Aguarela da Fachada da Igrej

  • Page 345 and 346:

    Programa Iconográfico Fig.22-Facha

  • Page 347 and 348:

    Programa Iconográfico Fig.30-Front

  • Page 349 and 350:

    Programa Iconográfico Fig.36-Torre

  • Page 351 and 352:

    Programa Iconográfico Interiores F

  • Page 353 and 354:

    Programa Iconográfico Interiores F

  • Page 355 and 356:

    Programa Iconográfico Interiores F

  • Page 357 and 358:

    Programa Iconográfico Interiores F

  • Page 359 and 360:

    Programa Iconográfico Interiores N

  • Page 361 and 362:

    Programa Iconográfico Interiores N

  • Page 363 and 364:

    Programa Iconográfico Interiores F

  • Page 365 and 366:

    Programa Iconográfico Interiores F

  • Page 367 and 368:

    Programa Iconográfico Interiores F

  • Page 369 and 370:

    Programa Iconográfico Interiores F

  • Page 371 and 372:

    Programa Iconográfico Coro-Alto -

  • Page 373 and 374:

    Programa Iconográfico Coro-Alto -

  • Page 375 and 376:

    Programa Iconográfico Sacristia (C

  • Page 377 and 378:

    Programa Iconográfico Fig.131-Sacr

  • Page 379 and 380:

    Imagens N.S. Vitória Fig.135-Gravu

  • Page 381:

    Imagens N.S. Vitória Fig.140-Gravu

  • Page 384 and 385:

    62 Fig.24-Fachada/Janelão (FA) Fig

  • Page 386 and 387:

    64 Fig.95-Capela Mor (escultura San

  • Page 388:

    Universidade Aberta Departamento de

Igreja de Nossa Senhora da Graça do Estreito - Universidade da ...
www3.uma.pt
1 Ref ASSIM DIZ A IGREJA ASSIM DIZ O SENHOR ... - Tabernaculo
mptabernaculo.org.br
Revista Igreja Viva, Março de 2012 - Paróquia Nossa Senhora de ...
fatimasantoandre.com.br
PRIMÍCIAS E PROPÓSITOS - Igreja Amor e Fé
amorefe.org.br
as irmandades de nossa senhora do rosário e - Repositório da ...
repositorio.ul.pt
Compromisso da Irmandade de Nossa Senhora da Lampadosa ...
pensario.uff.br
Um estudo sobre a Irmandade de Nossa Senhora do Rosário da ...
historiadelagarto.com
Irmandade do Senhor Bom Jesus dos Passos - CCHLA ...
cchla.ufpb.br
Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte - UFRB
ufrb.edu.br
1 Os Primórdios da Irmandade de Nossa Senhora da ... - Hospital
hospitaldalapa.com
As Irmandades mineiras de Nossa Senhora da Boa Morte
upo.es
Festa da igreja para os padres, ea festa de Nossa Senhora do ...
snh2011.anpuh.org
Celebrações em Honra do Bem-Aventurado São ... - Irmandade
irmandadesaoroque.pt
Igreja do Senhor Bom Jesus de Matosinhos - Instituto Apoiar
institutoapoiar.org.br
Igreja Nossa Senhora da Ajuda - Covoada A igreja paroquial que ...
portal.ecclesia.pt
A Verdadeira e a Falsa Segurança - Igreja Memorial Batista de Vitória
imbv.org.br
O Cordeiro vencerá, pois é o Senhor - Igreja Batista da Capunga
capunga.org.br
como abençoar o seu pastor - Igreja Memorial Batista de Vitória
imbv.org.br
Parecer final Igreja Nossa Senhora de Fátima - Prefeitura Municipal ...
uberlandia.mg.gov.br
Manual das Indulgências - Paróquia (igreja) Nossa Senhora da ...
paroquiadapiedade.com.br
Esboço- Senhor, Aviva a tua Igreja! - Igreja Batista do Conforto
ibconforto.com.br