Views
4 years ago

IDENTIDADES DE/NA FRONTEIRA - Fazendo Gênero

IDENTIDADES DE/NA FRONTEIRA - Fazendo Gênero

Fazendo

Fazendo Gênero 9 Diásporas, Diversidades, Deslocamentos 23 a 26 de agosto de 2010 Nesse curto diálogo entre pessoas de diferentes países ― aparentemente, é a primeira vez que as duas crianças têm contato efetivo com a cultura de sua babá, como se esta não lhes compartilhasse suas experiências de sua terra natal ―, percebemos o quanto do imaginário construído sobre o México há nessa fala. Nesse sentido, Ella Shohat afirma que “O imaginário é muito real e o real é imaginado. Precisamos constantemente negociar a relação entre o material e sua narrativização.” (COSTA, 2001, p. 156). Isso nos leva a refletir o quanto que o imaginário pode determinar o estabelecimento de conceitos para uma identidade nacional (aqui representada pela mexicana). De acordo com Stuart Hall, “a identidade é realmente algo formado, ao logo do tempo, através de processos inconscientes, e não algo inato, existente na consciência no momento do nascimento. Existe sempre algo ‘imaginário’ ou fantasiado sobre sua unidade. Ela permanece sempre incompleta, está sempre ‘em processo’, sempre ‘sendo formada’.” (HALL, 2006, p. 38) Nesse sentido, o exposto por Hall, no que se refere à construção da identidade enquanto sistema em processo, parece-nos ser atravessado mais fortemente pelo imaginário de fronteira. Sobretudo se considerarmos como os mexicanos são historicamente vistos. Além disso, a pergunta de Debbie nos remete ao tropo espacial de profundidade e superficialidade, em que representa a cultura européia (e aqui estendemos à norte-americana) como sendo profunda e a cultura não-européia é representada como sendo superficial, periférica e também perigosa (SHOHAT, STAM, 2006, p. 205). Daí também o receio das crianças em irem para o México com sua babá. Ella Shohat em seu texto A vinda para a América: reflexões sobre perda de cabelos e de memória sintetiza bem a tensão existente na fronteira norte-americana com relação aos mexicanos, especialmente ao usar o termo “de lá”, expressando o sentido de que não pertencem ao espaço norte-americano: Os chicanos/as (...) são sempre tratados pela mídia como ontologicamente, quintessencialmente de fora ('de lá'), apesar de que muitos nem tenham cruzado a fronteira rumo aos Estados Unidos: as fronteiras é que mudaram em torno deles. O primeiro 'estrangeiro ilegal', Colombo, é festejado como um descobridor, enquanto mexicanos nativos são vistos como aqueles que se 'infiltraram' uma fronteira de arame farpado, fronteira que na verdade divide sua terra natal. (SHOHAT, 2002, p. 103) Essa tensão está intimamente relacionada à idéia de que a vida nos Estados Unidos é capaz de garantir um futuro melhor para quem está em terras do “tio Sam” e para seus familiares. Amelia vive há dezesseis anos no país e Rosario (de La misma luna), há quatro. O que as separa de seu país de origem é uma fronteira seca, muito bem monitorada “do lado de cá” a fim de evitar a chegada de novos clandestinos, o que nos remete à guerra entre os dois países ocorrida no século XIX. Como resultado, houve a construção da linha divisória, de cerca de 4.200 km, dividindo os dois países (TORRES, 2005, p. 721). Gloria Anzaldúa fomenta essa discussão dizendo que a fronteira entre 2

Fazendo Gênero 9 Diásporas, Diversidades, Deslocamentos 23 a 26 de agosto de 2010 Estados Unidos e México “es una herida abierta em que o Terceiro Mundo range contra o primeiro e sangra" (ANZALDÚA, 1987, p. 3 apud COSTA, ÁVILA, 2005, p. 699). Sobre isso, no site 50 anos de filmes, uma internauta fez o seguinte comentário após a postagem da crítica sobre La misma luna: Fiquei pensando que as pessoas têm que estar muito desesperadas, desesperançadas ou muito iludidas pra resolverem arriscar a vida numa travessia tão perigosa, levando apenas a roupa do corpo e deixando absolutamente tudo pra trás. Não é porque dá certo pra alguns que vai dar para todos. E mesmo que consigam o tão sonhado green card, vão ser sempre vistos e tratados como latinos, como ‘inferiores’ e acho que vão sempre se sentir como ‘o estrangeiro’, de Albert Camus. 2 A essa assertiva, acrescenta-se as dificuldades enumeradas por Néstor Canclini sobre a condição dos imigrantes o estranhamento, a custosa aquisição de direitos na nova sociedade, a divergência entre formas de pertencimento cultural, jurídico-político e trabalhista. (...) A condição de trabalhador, ao contrário, é a que revela de maneira mais radical o que significa ser estrangeiro. É também aquela em que o trabalho é considerado mais seriamente como um valor. (CANCLINI, 2007, p. 110). É nesse ponto que reside uma das maiores fragilidades da imigração clandestina. Por estar ilegal no país, somado ao receio de ser deportado/a, o/a imigrante ilegal opta por submeter-se a regras estabelecidas por seus patrões os quais não são, necessariamente, amparadas pelas leis trabalhistas. Exemplo disso é o diálogo entre Amelia e Richard em que, além desse aspecto, inclui os financeiros de hegemonia e poder. − Mas hoje é o casamento do meu filho, senhor. − Cancele o casamento. Eu pagarei outro. Pagarei por um melhor. Preciso que faça isso, Amelia. − Está tudo pronto, senhor. Ninguém pode vir cuidar das crianças? É apenas um dia, senhor. − Como você acha que eu encontrarei alguém daqui? Susan ainda está se recuperando, e Rachel não pode cuidar das crianças. − Não pode fazer isso. Espere. − Estamos contando com você, Amelia. Me desculpe, mas você precisa fazer isso. − Mas... − Até logo. Percebemos então o modo como Amelia é remetida à sua condição de mulher, imigrante ilegal que cruzou a fronteira de seu país e que investiu sua vida em uma rota desenhada pela economia global (SCHMIDT, 2009). Com relação a esse aspecto, Rosario, igualmente ilegal, trabalha em dois empregos na tentativa de juntar dinheiro e dar conforto à sua família. Em determinado momento é surpreendida com a demissão, aparentemente injusta, em um dos trabalhos. No diálogo entre patroa e empregada há a reafirmação do poder por parte da Sra. McKenzie (a patroa) sobre Rosario. McKenzie tira proveito da situação clandestina de sua empregada para 2 Sob a Mesma Lua / La Misma Luna. In: 50 anos de filmes. Disponível on-line em: http://50anosdefilmes.com.br/2009/sob-a-mesma-lua-la-misma-luna/. Acesso em 10 de outubro de 2009. 3

Manual de Identidade - Ministério da Fazenda
Esta é a minha Identidade nº1 - Este é o meu Género
Futebol, gênero e identidade feminina: Um ... - Fazendo Gênero
deslocamentos e conflitos - Fazendo Gênero 10 - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero 10 - UFSC
MULHERES INDÍGENAS EM PORTO VELHO ... - Fazendo Gênero