Views
4 years ago

Questões de gênero na literatura e na produção ... - Fazendo Gênero

Questões de gênero na literatura e na produção ... - Fazendo Gênero

tempo, sem cicatrizes,

tempo, sem cicatrizes, sem história. Vários textos narram e constituem os corpos, articulando discursos e subjetivando-nos, em especial, ao discurso do corpo magro como corpo belo. É importante ressaltar que nas histórias em quadrinhos, como em qualquer narrativa, operam diferentes discursos, que ora se reforçam, ora se opõem. Nas cenas de algumas histórias desfilam noções de beleza diferentes, a exemplo da história Feio ou Bonito. Trata-se de uma narrativa em que Papa-Capim e seu amigo Cafuné estão perdidos na mata e encontram povos nomeados como “esquisitos”. Cada quadro apresenta um biotipo distinto, corpos gordos e magros, altos e baixos, nus e vestidos, e cada qual imprime seu olhar sobre os personagens Papa-Capim e Cafuné, afirmando serem eles feios, estranhos, magros demais, gordos demais, brancos ou bronzeados demais. Embora inicie marcando quem é “normal” e quem é “esquisito”, a narrativa parece deslocar noções estéticas, apresentando enfoques diferentes em culturas diversas. É interessante observar que há certo exagero ao desenhar corpos gordos, altos ou baixos, que serve como marcador da diferença, permitindo pensar que, mais do que registrar, é necessário caricaturá-las, tornando-as exóticas. Nas palavras de Woodward (2000), “o corpo é um dos locais envolvidos no estabelecimento das fronteiras que definem quem nós somos, servindo de fundamento para a identidade” (p. 15). No pólo oposto à identidade são situados os outros, para os quais se reserva os atributos que não desejamos para nós mesmos. Para finalizar, diria que as histórias do Papa-Capim dão o que pensar. Elas fazem pensar nas práticas que nos subjetivam e nos posicionam em relações sociais. Permitem pensar na importância de problematizar, em cada tempo, em cada contexto, em cada sociedade, como/através de quais mecanismos e com que efeitos se constituiu – e se constitui – noções sobre certo/errado, saudável/doente, bonito/feio, estético/grotesco, normal/anormal. Problematizar estas construções discursivas, indagando sobre relações de poder-saber que operam produzindo os corpos, produzindo sujeitos, produzindo identificações (mesmo que transitórias), pode ser uma das maneiras de alargar o foco do olhar. A análise das produções do Papa-Capim me inspirou a pensar, como Homi Bhabha (2003) na importância de nos permitirmos escutar narrativas outras – e de desejarmos que sejam produzidas e que circulem histórias de sujeitos posicionados no pólo fraco da oposição que construímos para ordenar as coisas do mundo, num esforço para estabelecer outras conexões, outras relações, outras formas possíveis de narrar aos outros e a nós mesmos.

REFERÊNCIAS BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: UFMG, 2003. FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 8 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999. HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções de nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, jul./dez., 1997. p. 15-46. LARROSA, Jorge. Tecnologias do eu e educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu. O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994. LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 3ªed. Petrópolis: Vozes, 1997. MEYER, Dagmar E. Escola, currículo e produção de diferenças e desigualdades de gênero. In: SCHOLZE, Lia (Org.)Gênero, memória e docência. Porto Alegre: Prefeitura Municipal de Porto Alegre, Secretaria Municipal de Educação, 2001. p. 29-34. ______. Educação, saúde e politização da maternidade: olhares desde a articulação entre Estudos Culturais e Estudos de Gênero. In: SILVEIRA, Rosa H. (Org). Cultura, poder e educação: um debate sobre Estudos Culturais em educação. Canoas: Ed. ULBRA, 2005. pp.145-163 SANT’ANNA, Denise B. Transformações do corpo: controle de si e uso dos prazeres. In: rago, M. Orlandi, L.B.L. e Veiga-Neto, A. Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. p. 99-110. SANTOS, Luís Henrique S. Um olhar caleidoscópico sobre as representações culturais de corpo. Porto Alegre: UFRGS, 1998. Dissertação ( Mestrado em Educação) – Programa de Pós Graduação em Educação, Faculdade de Educação, UFRGS, Porto Alegre, 1998. WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução histórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, Vozes, 2000. p. 7-72. REVISTAS EM QUADRINHOS ANALISADAS NESTE TRABALHO: CASCÃO (almanaque). A visita. Rio de Janeiro: Globo, n. 75, 2003. CHICO BENTO. O talento de cada um. Rio de Janeiro: Globo, n. 222, 1995. ________.O encrenqueiro. Rio de Janeiro: Globo,n. 224, 1995. ________. O melhor caçador da aldeia. Rio de Janeiro: Globo,n. 227, 1995. ________. Quando crescer. Rio de Janeiro: Globo,n. 372, 1997. ________(almanaque). Presente ideal. Rio de Janeiro: Globo,n.62 , 2001. ________(almanaque). Estilo selvagem. Rio de Janeiro: Globo,n. 63, 2001. ________(almanaque). Perdidos. Rio de Janeiro: Globo,n. 64, 2001. ________. O grande caçador. Rio de Janeiro: Globo,n. 370, 2001. ________. O mistério. Rio de Janeiro: Globo,n. 371 , 2001. ________. Pega o tatu. Rio de Janeiro: Globo,n. 412, 2002. ________(almanaque). Papa-Capim encontra Chico Bento. Rio de Janeiro:Globo,n.82 , 2004. ________. Pagando o maior sapo. Rio de Janeiro: Globo,n. 83, 2004. ________(almanaque). Roubo do fogo. Rio de Janeiro: Globo,n. 85, 2004. ________. Sonhos que sonhamos dormindo. Rio de Janeiro: Globo,n. 432, 2004. ________. A imagem. Rio de Janeiro: Globo,n. 438, 2004. ________. Esse rio é perigoso. Rio de Janeiro: Globo,n. 441, 2004. ________. Cuidado com o Mbãe-Tatá. Rio de Janeiro: Globo,n. 442, 2004 . ________. Um ursinho para Jurema. Rio de Janeiro: Globo,n. 445, 2005. ________. Potira. Rio de Janeiro: Globo,n. 338, ? MAGALI (almanaque). O pequeno Cauí. Rio de Janeiro: Globo,n. 47, 2005. MÔNICA (almanaque). Feio ou bonito? Rio de Janeiro: Globo,n.17, 2002.

Questões de gênero na literatura e na produção cultural para ...
Gênero na Literatura e na Mídia. ST. 4 ... - Fazendo Gênero
De amor e romances: a censura, a literatura, o ... - Fazendo Gênero
O Estado Brasileiro e a questão do aborto: A ... - Fazendo Gênero
O que os alunos pensam sobre questões de ... - Fazendo Gênero
A construção de gênero e sexualidade no currículo - Fazendo Gênero
Desmistificando medéias - Fazendo Gênero 10
1 Questões de gênero e educação – ST 58 ... - Fazendo Gênero
Questão de gênero e raça: o desempenho ... - Fazendo Gênero
1 Gênero no Texto Visual: a (re)produção de ... - Fazendo Gênero
Violência sexual: uma questão de gênero - Fazendo Gênero 10 ...
Relações de gênero e suas representações na ... - Fazendo Gênero
Gênero, memória e narrativas - ST 41 Lucia M. A. ... - Fazendo Gênero
Violência; Gênero; Ciências - Fazendo Gênero
Cecil Jeanine Albert Zinani - Fazendo Gênero 10
Entre o público e o privado: Interpretações sobre ... - Fazendo Gênero
GÊNERO, MASCULINIDADE E DOCÊNCIA: - Fazendo Gênero