Views
4 years ago

Escrevendo a história no feminino - Fazendo Gênero - UFSC

Escrevendo a história no feminino - Fazendo Gênero - UFSC

Anais do VII Seminário

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Para a compreensão dos sentidos e significados das práticas corporais Paresí, uma descrição do contexto dos jogos... O evento aconteceu na aldeia Vale do Rio Papagaio, na qual residem índi@s Paresí. Localizada na Terra Indígena Utiariti, construída às margens do Rio Papagaio, próxima à Estrada Nova Fronteira, a aproximadamente 45 km de Sapezal-MT. Foram convidadas todas as aldeias da região, inclusive de etnias diferentes, entre elas os Umutina e os Nambiquara. Segundo Costa (1985, p. 50), Paresí é o termo utilizado desde o século XIX a “grupos distintos que falavam dialetos da língua Aruák”. A autora menciona que já haviam sido identificados três grupos, os Kazíniti, Wáimare e Kozárini, porém ela teve a oportunidade de “encontrar remanescentes de outros grupos denominados Warére e Káwali”. Conforme a autora e o relato de Daniel Cabixi vi , se denominam halíti que pode significar gente ou pessoa. Conforme o mito, aqui descrito de forma muito abreviada, a constituição do mundo dos halíti começou no momento em que um grupo de irmãos saiu do interior da terra, sendo eles: Wazáre, Kamazo, Zakálo, Zalóya, Záolore, Kóno, Tahóe e Kamaihíye. vii O primeiro da lista foi responsável por ajudar os demais a saírem e por nomear as coisas desse mundo, nas palavras de Costa (1985, p. 60), “esta entidade mítica é percebida como ordenadora e conhecedora do novo mundo; ao classificá-lo ela o cria e constrói”, esses seres ancestrais se casaram com as filhas do rei das árvores e geraram filhos originando os grupos acima citados. Os jogos foram realizados em dois dias viii , mas por questões de estrutura física decidimos participar apenas do segundo, destinado aos esportes tradicionais indígenas. Entre eles destaco o Tidimore, o Zikunahiti, Matõe e o Zakatiye. Encontrei formas diferentes de grafia dos nomes dos esportes tradicionais na dissertação de Costa (1985), nos textos d@s acadêmic@s e em outras fontes, mas adotei estas porque mais se aproximam às respectivas pronuncias. O primeiro esporte, o Tidimore, é praticado somente por mulheres, para esses jogos foram confeccionadas duas pistas no solo, de terra bem socada, varrida de tal forma a ficarem bem demarcadas, com aproximadamente 50 cm de largura e 10 a 15 metros de comprimento. Em cada pista foram disputadas partidas distintas. Em cada uma das extremidades da pista foram fixadas duas hastes finas de madeira (palitos) de 15 cm de comprimento e com 15 cm de distância entre elas. O confronto se dava entre duas duplas, cada uma se posicionava atrás das hastes ix . O objetivo do jogo era derrubar ou tocar uma das hastes fixadas no lado oposto da pista com o lançamento uma bola, x isso exigia coordenação e pontaria muito refinadas. Cada acerto era convertido em ponto. Na observação constatei que o critério para a duração 2

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 da partida era por tempo, somente as duplas vencedoras seguiam na competição. As vencedoras recebiam presentes xi ao término de cada partida. O Zikunahiti, também denominado cabeça-bol, é jogado apenas pelos homens, foi disputado no campo de futebol e uma linha imaginária dividia o campo em dois lados, cada lado sendo ocupado por uma equipe. As equipes continham quatro componentes. O objetivo do jogo era devolver a bola em apenas uma tentativa para o lado adversário sempre que a mesma tocava no seu campo de jogo, mas isso só poderia ser feito com a cabeça. A bola, confeccionada com látex, não era muito leve (sic) e quicava, não parecia fácil cabeceá-la para o campo adversário: em alguns lances pudemos testemunhar derrapagens e aterrissagens com o peito e até com o rosto quando o cabeceio era dado muito próximo ao solo. O Matõe, conhecido por peteca, foi disputado entre mulheres e depois entre homens, @s oponentes ficavam posicionad@s frente a frente, sem rede ou barreiras entre el@s, a peteca era jogada para @ outr@ com a mão em supinação, era consignado ponto a cada erro para @ adversári@. O Zakatiye, arco e flecha, disputado entre mulheres e depois entre os homens, cuja forma presenciada só difere da que conhecemos devido ao uso do arco e flecha típico das respectivas etnias. Análise da experiência pedagógica, para além do vivido... Essa rápida abordagem sobre a etnia e a descrição das modalidades possibilita a compreensão, de forma que aponte algumas evidências para entender a disposição das atividades que presenciamos naquele dia dedicado aos esportes tradicionais. Foi a partir dos artigos xii produzidos para a disciplina de Antropologia, embora as de Atletismo, Ginástica, Fundamentos sobre Lutas e Recreação também tenham feito análises e outros trabalhos a partir daquela experiência. Inicialmente, detectei que alguns tiveram o cuidado de buscar fontes bibliográficas mais específicas sobre aquela etnia, fizeram entrevistas e também utilizaram o material estudado na disciplina, porém a grande maioria só utilizou fragmentos extraídos da observação dos jogos. Evidentemente, não tinham como foco e muito menos dariam destaque às questões de gênero, que é o tema intencionalmente eleito para esse estudo. A maioria d@s acadêmic@s descreve as atividades e destacam os esportes menos comuns, o Tidimore e o Zikunahiti, os quais seleciono como centrais para a análise por serem marcadamente separados por gênero. Quando questionávamos alguns índi@s, objetivamente informavam sem mais comentários que se tratam de esportes tradicionais e que o primeiro só pode ser jogado por mulheres e o segundo por homens. 3

Escrevendo a história no feminino - Fazendo Gênero - UFSC
Escrevendo a história no feminino - Fazendo Gênero - UFSC
Escrevendo a história no feminino - Fazendo Gênero
Escrevendo a história no feminino - Fazendo Gênero
Escrevendo a história no feminino - Fazendo Gênero
Escrevendo a história no feminino - Fazendo Gênero 10
Escrevendo a história no feminino - Seminário Internacional ...
Escrevendo a história no feminino - Seminário Internacional ...
1 Simpósio Temático 01 - Fazendo Gênero - UFSC
as máscaras do feminino - Fazendo Gênero 10
Giorgia de M. Domingues - Fazendo Gênero 10 - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Corpo, Violência e Poder - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
MEMÓRIA E ORALIDADE: - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Posturas Femininas em uma Escola Pública de ... - Fazendo Gênero
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC
a escrita feminina de Francisca Clotilde - Fazendo Gênero 10
a presença feminina no cinema brasileiro nos ... - Fazendo Gênero
Download do Trabalho - Fazendo Gênero - UFSC