Views
5 years ago

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...

Compreender como as relações são tecidas nos diversos ambientes, constitui-se um trabalho em que para se obter resultado dessa ou dessas análises é necessário que se saibam quem são os componentes sociais desses ambiente e como eles se organizam nesse ambiente. Nossas discussões sobre Gênero e Ambiente ocorrem por meio da interlocução entre duas categorias: Gênero e Movimentos Sociais. Foram através delas que iniciamos um trabalho de pesquisa sobre relações de gênero em assentamentos de reforma agrária no entorno de Porto Nacional- TO. Nossa intenção em discutir tais categorias nesses lócus é a de explicitar através de análises como estão sendo tecidas as relações de gênero nos assentamentos de reforma agrária e de como os movimentos sociais participam disso a partir de suas organizações, sendo elas intrínsecas (como os Coletivos de Gênero) ou paralelas (como o MMTR). Nos Assentamentos Padre Josimo I e II, as relações de gênero com o ambiente sofreram algumas alterações, isso porque nos reportamos as relações em outro ambiente, cujo essas mesmas pessoas estavam inseridas – a do acampamento. Essas relações sofreram alterações que segundo nossas análises não foram tão benéficas já que as mulheres que antes possuíam funções e papéis considerados fundamentais perderam ou deixaram de agir nesse novo ambiente: o assentamento. A necessidade um coletivo de gênero podedenunciar” que tais relações tidas no acampamento devem ser retomadas nos assentamentos Padre Josimo I e II. Isso porque os impasses relacionadas a terra e também as condições das mulheres no campo ainda não foram discutidos com a relativa importância nesses ambiente, daí a preocupação em se discutir tais impasses. A iniciativa do Coletivo Gênero tem um foco relevante, a de avançar para a organização de um movimento que priorize as condições, relações e trabalho das mulheres no campo, apesar de ainda ressaltar ou não se desprender ainda nas suas discussões de alguns valores universais de discriminação das mulheres como os papéis desempenhados pelas mulheres sob o auxilio do coletivo – como a de indicar as mulheres funções ditas femininas (artesanato, cozinha, etc.). Hoje, o ambiente em que as mulheres dos Assentamentos Padre Josimo I e II estão inseridas podem favorecê-las no sentido de melhorar suas condições de vida no campo, além de propiciar melhores relações nesse ambiente. O Coletivo de Gênero Padre Josimo I e II tenta desempenhar tais funções e caminha hoje para uma organização melhor desses objetivos, caminha para o Movimento das Mulheres Trabalhadoras Rurais – o MMTR. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABRAMOVAY, M; CASTRO. M. Gênero e Meio Ambiente. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2005. CHIZZOTTI, A. Pesquisa Qualitativa em Ciências Humanas e Sociais Petrópolis – RJ: Vozes, 2006. 6

CONCRAB. Compreender e Construir: Novas Relações de Gênero. 2ª ed. São Paulo: Peres, 2002. DEERE,C.D. Diferenças regionais na reforma agrária brasileira: gênero, direitos à terra e movimentos sociais rurais. Porto Alegre: UFRGS, 2002. GARCIA, Maria F.; JÚNIOR. Antonio T. Trabalhadoras rurais e a luta pela terra no Brasil: Interlocução entre gênero, trabalho e território. In Terra Livre - Geografia, Movimentos Sociais e teoria. Vol.18 Nº. 19, São Paulo: AGB, 2002. GOHN, M. G. Os Sem Terra, ONGs e Cidadania 3ª ed. – São Paulo: Cortez, 2003. LANG, A.B.S.G. História Oral: Procedimentos e Possibilidades In: Desafios da Pesquisa em Ciências Sociais São Paulo: CERU, 2001. MELUCCI, A. Movimentos Sociais, Inovação Cultural e o Papel do Conhecimento Novos Estudos São Paulo: CEBRAP, nº 40 – 1994. MST, O Coletivo de Gênero do MST In: Cartilha 102, 2006. ORNAT, Márcio José. Pobreza, gênero e deslocamentos espaciais intra-Urbanos em Ponta Grossa – PR. Iniciação Científica. UEPG, Ponta Grossa, 2005. PARENTE, Temis Gomes. Gênero e Memória de Mulheres Desterritorializadas. NEDiG (P. Nal), UFT, 2006. PEDRO, J.M. Traduzindo o Debate: O Uso da Categoria Gênero na Pesquisa Histórica In: Revista História, v.24, N.1, P.77-98, São Paulo: USP, 2005. ROSALDO, M. Z; LAMPHERE, L. A Mulher, A Cultura, A Sociedade In: Tradução de Cila Ankier e Rachel Gorenstein, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004. SCOTT, S. A. Incorporação do Gênero nas Políticas Públicas: Incluindo os Diferentes na Cidadania In: Seminário Internacional Educação, Gênero e Movimento Sociais – Florianópolis: UFSC, 1990. _____________ Gênero: Uma categoria Útil de Análise Histórica In: Educação e Realidade V.1 nº 1 Porto Alegre: UFRGS, 1996. ZANINI, R. BIANCHI, J.; PAIM, E.A. Movimentos das Mulheres Agricultoras (MMA) no Oeste de Santa Catarina. Estudos Humanidades - Movimentos Sociais. V.30 nº 12 p. 2731- 2762 Goiânia: UCG, 2003. 1 Organização Não Governamental em Porto Nacional, TO das comunidades para que os indivíduos marginalizados sócio - econômica e culturalmente assumam seu papel no desenvolvimento pessoal e social, levando como prioridades o apoio a movimentos sociais, políticos e comunitários para as áreas da saúde, educação, lazer, cultura e arte. 7

Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis ... - UFSC
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis ... - UFSC
Fazendo Gênero 8 Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder ...
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Entre a casa e a ...
Corpo, Violência e Poder - Fazendo Gênero - UFSC
Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência E Poder
Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder A mulher sob o ...