Views
5 years ago

Ruídos na Representação da Mulher ... - Fazendo Gênero

Ruídos na Representação da Mulher ... - Fazendo Gênero

Alimentar o mito do

Alimentar o mito do 'cabra macho' é contribuir para a permanência, inclusive, da violência contra as mulheres e, ao mesmo tempo, alimentar um modelo de masculinidade, que tenta manter um tipo de relação entre homens e mulheres que viria desde o período colonial e que, por isso mesmo, é vista como natural, como eterna. Este modelo vitima os próprios homens, já que os coloca em constantes situações de risco e deles exige renúncias afetivas e emocionais importantes, como a do exercício da paternidade e da expressão de sentimentos e emoções. Em outras palavras, a macheza nordestina faz os homens infelizes (p.36) A menção no argumento acima à obra euclidiana faz com que tragamos à tona mais um exemplo de caracterização de uma essencial valentia na mulher nordestina em mais uma chanchada, Sai Dessa, Recruta (RJ, 1960), dir. E. Ramos. Antes de uma seqüência em que será obrigado a demonstrar publicamente a sua valentia, um cabo do Exército ( Mário Tupinambá) antecipa o seu desempenho, citando historicamente as mulheres nordestinas: - Na Bahia, a gente acostumamos (sic) a acordar as criança com tiro de garruncha e dar bala pra ela chupar. E, na guerra de Canudos, Antônio Conselheiro, que o Senhor do Bonfim o tenha em bom lugar, precisou implorar pras mulheres baianas pra não sentar praça porque a mulher baiana não tem apenas a beleza de Marta Rocha, tem muita corage e se as mulher (sic) tem muita corage, o que não dirá da corage do soldado baiano? IV É claro que nordestinas nas chanchadas não se resumiram a valentonas, interpretadas por Nancy Wanderley, Violeta Ferraz ou por Sônia Mamede. Havia as "mocinhas" sobre as quais nota Dias (1993:91) A mocinha das chanchadas será a expressão da ambigüidade das personagens femininas, pois estarão inseridas no universo público: trabalharão fora, serão atrizes, cantoras, funcionárias públicas. No entanto, em termos de padrões morais e comportamentais, essa mocinha será presa aos estereótipos da mulher recatada, jovem, alegre, ingênua, cândida, prestativa, amorosa. Eram esses os requisitos indispensáveis a todas as mocinhas das chanchadas da década de 50. Dias (op. cit) também já apontou para o fato de que, apesar das estereotipações de nordestinas nas chanchadas, a recepção dessa migrante no Rio de Janeiro é vista como positiva, pois é na metrópole, entre outras coisas, que ela, sendo artista, obtém sucesso e reconhecimento. Mas ela faz uma importante ressalva: Isto não significa que as chanchadas falassem de um Brasil que não existia [mas sim] que a sociedade presente nas chanchadas articulava um mundo oposto aos das classes e elites dominantes desse País na década de 50 (102). No entanto, Chaia (1980:96) já havia ressaltado a especificidade desse "sucesso": Na chanchada, configura-se quase sempre o

trabalho marginal. Ou se é trabalhador marginal ou descaracterizado ou desempregado. Não há valorização do trabalho como fator de produção capitalista. Voltando ao problema que se procurou destacar, a representação estereotipada de nordestinos e nordestinos, como valentes, "cabras machos", "paraíbas" ou "feroz pernambucana", em nosso entendimento, essa hegemonia caricatural nas chanchadas pode tender a acentuar em uma leitura, mesmo que no campo das artes, de um recusa por parte dos estereotipados aqui a um mínimo de racionalismo, a um mínimo de uma postura conciliatória, o que, entre outras coisas, pode justificar, nas telas, uma dominação também do lado de fora dos cinemas. Referências ALBUQUERQUE JR., D. Cabra da peste! Nossa História, Rio de Janeiro, II, 17, mar. 2005, p.32- 36. BASTOS, M. Tristezas não Pagam Dívidas (Cinema e política nos anos da Atlântida). São Paulo:Olho D'Água, 2001. BOURDIEU, P. A identidade e a representação: elementos para uma reflexão crítica sobre a idéia de região. In O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. CHAIA, M. O Tostão Furado. São Paulo: FFLCH-USP, mimeografado, 1980. DIAS, R O Mundo como Chanchada. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993. FERRO, M. O filme, uma contra-análise da sociedade? In LE GOFF, J. (dir.) História: Novos Objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2002. HALL, S. Quem precisa de identidade? In SILVA, T. (org.) Identidade e Diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. LIPPMANN, W. Estereótipos. In ROSENBERG, B. (ed.) Cultura de Massa. São Paulo: Cultrix, 1973. STAM, R. Estereótipo, realismo e representação racial. Imagens, 5, 1996, p.6-11. 1996. STARFIELD, P. Le Stéréotype au Cinéma. Paris: Universidade de Paris VII, 1993.

Ruídos na representação da mulher ... - Fazendo Gênero
Ruídos na representação da mulher ... - Fazendo Gênero
1 Ruídos na representação da mulher - Fazendo Gênero 10
1 Ruídos na representação da mulher - Fazendo Gênero 10
representações visuais das mulheres nos ... - Fazendo Gênero
Gênero: multiplicidade de representações e ... - Fazendo Gênero
1 Gênero: multiplicidade de representações e ... - Fazendo Gênero
Gênero: multiplicidade de representações e ... - Fazendo Gênero
Gênero: multiplicidade de representações e ... - Fazendo Gênero
Relações de gênero e suas representações na ... - Fazendo Gênero
Ruídos na representação da mulher: preconceitos e estereótipos na ...
MULHERES INDÍGENAS EM PORTO VELHO ... - Fazendo Gênero
Ruídos na representação da mulher: preconceitos e estereótipos
Ruídos na representação da mulher: preconceitos e estereótipos na ...
Mulheres Negras - Participação Política - Identida - Fazendo Gênero
Confissões da 'loucura': narrativas de mulheres ... - Fazendo Gênero
As mulheres trabalhadoras na justiça do trabalho ... - Fazendo Gênero
MULHER SURDA: LUTAS E TRAJETÓRIA - Fazendo Gênero
Violência nas mulheres e violência das mulheres ... - Fazendo Gênero
O confinamento doméstico de mulheres em ... - Fazendo Gênero
A MULHER NO ESPAÇO DO FUTEBOL: UM ... - Fazendo Gênero
Simpósio Temático “Práticas e Representações” - Fazendo Gênero 10
História das mulheres na guerra do Paraguai - Fazendo Gênero 10
Famílias Chefiadas por Mulheres - Fazendo Gênero 10
Mulheres aprisionadas : Entre a subordinação ea ... - Fazendo Gênero
A mídia e as mulheres de “bom senso” Um ... - Fazendo Gênero
mulheres ortodoxas ucranianas: mudanças ... - Fazendo Gênero