Views
4 years ago

ST 13. Beatriz Polido - Fazendo Gênero

ST 13. Beatriz Polido - Fazendo Gênero

No conto O decote a

No conto O decote a figura da esposa é independente e erotizada, contrastando com o papel materno que ela deveria exercer. Assim como em O decote, em A humilhada a questão da maternidade relacionada com a contenção sexual feminina é um aspecto central no desenrolar da trama: “_Eu sei que meu marido não presta, não vale nada, mas... É minha filha. Deus me livre que, um dia, minha filha me acuse...” (H). No conto Pecadora o papel da maternidade é igualmente enfatizado: “Por que não me encontrei ainda contigo? Por causa do meu filho! No ‘duro’, ouviu? No ‘duro’! (...) A criança quase não falava. Mas tiranizava a mãe com o simples olhar. Guiomar temia mais o olhar do filho que o próprio Juízo Final” (P). O não arrependimento de Guiomar (P) por ter traído seu marido seguido da ingestão praticamente voluntária de veneno perante o olhar o filho, é uma afirmação de que a personagem admitiu uma culpa gravíssima pelo pecado cometido. Quando ela tomou o veneno, dizendo ao filho que não se arrependia, ela mesma estava se punindo porque deveria estar arrependida, mas não estava. O confronto com o filho a faz admitir a culpa pelo seu mau comportamento. As mortes das protagonistas dos contos Pecadora e O Decote significavam a punição pelo não cumprimento do papel materno e pela busca do prazer pessoal. Por outro lado, nos contos onde não há mortes, há uma tendência para o humor e para a ironia. Conforme Carla Bassanezi, que estudou as piadas publicadas pelas revistas femininas nesse período, a piada, para ser entendida e tornar-se engraçada, freqüentemente baseia-se em idéias preconcebidas, conhecidas e convencionais. O que as torna engraçadas é o reforço (pela caricatura ou exagero) ou a reversão dessas idéias. Assim, o cômico pode atuar como forma de controle, aprovação ou desaprovação de determinadas atitudes ou situações. x Nos contos analisados de A vida como ela é... onde não há filhos e também não há mortes, os contos invertem os valores tradicionais de gênero e de casamento, tornando-se cômicos justamente por isso. Por exemplo, em Casal de três é quando Jupira começa a trair o marido que ela realiza-se no casamento, tornando-se a mais amável das esposas. A ironia dessa história é que o marido resolve viver em pleno convívio com a mulher e o amante, para sua própria felicidade conjugal. Da mesma forma, em Sem caráter o humor do conto se faz pelo papel ridículo a que se dispõe Geraldo, de aceitar a proposta de Jandira de casar-se com ele e ficar com o noivo como amante. A situação do casamento deles reforça a idéia cômica de dois homens praticamente casando-se com a mesma mulher: um no altar e o outro na platéia: “num terno azul-marinho, de cerimônia” (SC). Dessa forma, quando as histórias eram irônicas elas faziam graça com as situações que seriam consideradas ridículas, o que nos permite dizer que reiteravam os modelos sociais estabelecidos. As situações criadas tornavam-se engraçadas ou no mínimo atraentes para os leitores 6

porque existia um reconhecimento da inversão da sociedade retratada e, como considerou Aristóteles xi , na comédia rimos daquilo que consideramos o feio. Nesse sentido, as histórias de A vida como ela é... insinuavam como a vida não deveria ser. O nome da coluna, elaborado pelo próprio Nelson Rodrigues, era uma ironia, uma provocação ao leitor, pois o relatado nas histórias era justamente o contrário do que era socialmente aceito e valorizado. Assim, essas histórias relatavam as “abjeções” humanas, sendo, portanto, uma forma dos leitores e leitoras reconhecerem o errado, o feio, o desprezível. Dessa forma, concluímos que esses contos estavam de acordo com as normas comportamentais de gênero do período e que em seu cerne havia uma visão conservadora das relações amorosas. Referências ARISTÓTELES. A poética clássica. 7ª ed. São Paulo: Cultrix, 1987. BASSANEZI, Carla. Virando as páginas, revendo as mulheres: revistas femininas e relações homem-mulher, 1945-1964. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996. BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 2ªed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. CASTRO, Ruy. O anjo pornográfico: a vida de Nelson Rodrigues. São Paulo: Cia das Letras, 1992. CORRÊA, Mariza. Os crimes da paixão. São Paulo: Brasiliense, 1981. OLIVEIRA, Pedro Paulo Martins de. A construção social da masculinidade. Tese, Doutorado em Sociologia, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2002. PRIORE, Mary Del. História do amor no Brasil. São Paulo: Contexto, 2005. RODRIGUES, Nelson. A vida como ela é...: o homem fiel e outros contos. São Paulo: Cia das Letras, 1992. i Este texto faz parte da dissertação de mestrado intitulada “Imagens do casamento e do amor em Nelson Rodrigues: um estudo das representações de gênero na literatura publicada em jornal entre 1944 e 1961” (defendida em março de 2006 no Curso de Pós-graduação em História da Universidade Federal do Paraná), em que foram analisados oito contos da coluna A vida como ela é..., além de folhetins e de um correio sentimental do mesmo autor. Os contos da coluna A vida como ela é... analisados na dissertação foram: Uma senhora honesta (SH); Sem caráter (SC); Pecadora (P); O decote (D); A dama do lotação (DL); A humilhada (H) e Casal de Três (CT). As siglas foram utilizadas para facilitar a referência aos personagens e a indicação das citações. Neste texto as referências a cada conto tiveram que ser significativamente reduzidas devido ao espaço delimitado. O jornal Última Hora encontra-se no Arquivo do Estado de São Paulo e na Biblioteca Nacional; com exceção do conto Pecadora, os demais contos também podem ser acessados em RODRIGUES, Nelson. A vida como ela é...: o homem fiel e outros contos. São Paulo: Cia das Letras, 1992. ii CASTRO, Ruy. O anjo pornográfico: a vida de Nelson Rodrigues. São Paulo: Cia das Letras, 1992. p. 238. iii BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. 2ªed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. p. 18. iv BASSANEZI, Carla. Virando as páginas, revendo as mulheres: revistas femininas e relações homem-mulher, 1945- 1964. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1996. p. 364 v CORRÊA, Mariza. Os crimes da paixão. São Paulo: Brasiliense, 1981. p. 26. vi PRIORE, Mary Del. História do amor no Brasil. São Paulo: Contexto, 2005. p. 265. vii BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina... Op. Cit. p. 64. viii Ibidem. p. 20. ix OLIVEIRA, Pedro Paulo Martins de. A construção social da masculinidade. Tese, Doutorado em Sociologia, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2002. p. 85. x BASSANEZI, Carla. Virando as páginas... Op. Cit. p. 449. xi ARISTÓTELES. A poética clássica. 7ª ed. São Paulo: Cultrix, 1987. p. 23. 7

1 Gênero e Religião ST. 24 Joice Meire ... - Fazendo Gênero
Ana Beatriz Rodrigues Gonçalves - Fazendo Gênero
gênero, idade média e interdisciplinaridade ST ... - Fazendo Gênero
Gênero Ciência e Tecnologia. ST 22 Claudia ... - Fazendo Gênero
Gênero e Religião – ST 24 Nadia Maria Guariza ... - Fazendo Gênero
Gênero na Literatura e na Mídia. ST. 4 ... - Fazendo Gênero
gênero, idade média e interdisciplinaridade. ST ... - Fazendo Gênero
1 Gênero , Ciências e Tecnologia. ST. 22 Auri ... - Fazendo Gênero
Gênero, memória e narrativas - ST 41 Lucia M. A. ... - Fazendo Gênero
Gênero e sexualidade nas práticas escolares. ST ... - Fazendo Gênero
Violência de Gênero ST.5 Ana Luiza dos Santos ... - Fazendo Gênero
A questão racial no Brasil e as relações de gênero. ST 18 Beatriz ...
1 Gênero, raça/etnia e escolarização. ST 23 Ana ... - Fazendo Gênero
Práticas corporais e esportivas. ST 21 Silvana ... - Fazendo Gênero
História, gênero e trajetórias biográficas – ST 42 - Fazendo Gênero ...
ST 38 Márcia Maria Severo Ferraz Vera Lúcia ... - Fazendo Gênero
Gênero e Religião ST. 23 Erica Piovam de Ulhôa ... - Fazendo Gênero
Gênero, violência e segurança pública ST. 39 ... - Fazendo Gênero
Gênero e sexualidade nas práticas escolares ST ... - Fazendo Gênero
Gênero, Ciência e Tecnologia. ST 22 Maria de ... - Fazendo Gênero
- 1 - ST 49 – A Construção dos Corpos: Violência ... - Fazendo Gênero
Genêro e Religião – ST 24 Maria Cristina Leite ... - Fazendo Gênero
Gênero e Religião – ST 24 Sônia Cristina Hamid ... - Fazendo Gênero
Gênero, Ciência e Tecnologia. ST 22 Isabel ... - Fazendo Gênero
1 Questões de gênero e educação – ST 58 ... - Fazendo Gênero
Gênero e Religião. ST 24 Clarice Bianchezzi ... - Fazendo Gênero
mulheres e canções. ST 3 Márcio Ferreira de ... - Fazendo Gênero
Gênero, memória e narrativas ST. 41 Pedro ... - Fazendo Gênero
Sujeitos do feminismo: políticas e teorias - ST 06 - Fazendo Gênero