Cenários e Competitividade na América Latina José Paschoal ...

fdc.org.br

Cenários e Competitividade na América Latina José Paschoal ...

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

O BRASIL NO CONTEXTO POLÍTICO

E ECONÔMICO GLOBAL

Prof. José Paschoal Rossetti

2007

1


1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.1. Megamudanças globais

1.2. Megamudanças Brasil

Direcionadores do posicionamento estratégico.

Evolução do ambiente político: quatro últimas décadas.

A estratégia protecionista dos anos 60, 70 e 80.

O alinhamento do Brasil às megamudanças globais.

A revolução estratégica dos anos 90.

A reorientação política.

A revolução estratégica sob freios.

Mudanças fundamentais.

Uma síntese: a evolução política.

Visão 2007-2010: pluralismo democrático ou retrocesso.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

CONTEÚDO

2


2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

Dimensões da economia global.

Os investimentos como fatores de impulsão.

As dimensões do mundo corporativo mundial.

Os fluxos do comércio mundial.

CONTEÚDO

Os fluxos do investimento estrangeiro direto.

Expansão econômica e preservação ambiental: os riscos.

Pontos fortes e pontos fracos da economia mundial.

CONTEÚDO

3


3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

Dimensões da economia.

As bases para o crescimento: tendências exigidas.

Os obstáculos aos investimentos e crescimento.

Objetivos irrecusáveis.

A questão-chave das transações externas correntes.

Os potenciais das cadeias produtivas.

4. UMA SÍNTESE

4.1. O cenário mundial 2007-2010.

4.2. O cenário Brasil 2007-2010.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

CONTEÚDO

CONTEÚDO

4


◊ IPCA

◊ IGP

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

PROJEÇÕES DA ECONOMIA BRASILEIRA

Indicadores

PIB (% CRESCIMENTO)

INFLAÇÃO ANUAL

Taxa de Câmbio (dez)

Taxa Selic (dez)

Dívida líquida do setor

público

Setor externo

◊ Balança Comercial

◊ Balança de Transações

Correntes

◊ Investimento Estrangeiro

Direto

A visão do mercado

2007

4,7

4,0

5,0

1,85

11,0

43,5

40,0

10,5

30,0

2008

4,5

4,5

5,5

1,90

10,0

42,0

35,0

5,0

25,0

4. UMA SÍNTESE

4.2.Cenário Brasil

5


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

1. O CONTEXTO POLÍTICO

6


Século XX

Três primeiras décadas.

Pós-guerra à transição 70/80.

Anos 80.

Anos 90.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

CONCEPÇÕES POLÍTICO-IDEOLÓGICAS,

GEOPOLÍTICA E ECONOMIA

Século XXI

Primeira década 2001-10.

Grandes Momentos Históricos

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.1 Megamudanças globais

7


Século

XX

MOMENTOS

PADRÕES DOMINANTES

HISTÓRICOS Concepções

Ordem

Ordem

político-ideológicas geopolítica

econômica

Três

primeiras

décadas

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

CONCEPÇÕES POLÍTICO-IDEOLÓGICAS,

GEOPOLÍTICA E ECONOMIA

Construção de

sistemas

antagônicos:

◊ Capitalismo liberal.

◊ Coletivismo de

Estado.

Controvérsias: a

eficácia dos

sistemas.

Definição das

fronteiras nacionais.

Colonialismo

contestado.

Soberania e

segurança nacional:

objetivos

dominantes.

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.1 Megamudanças globais

Economias

nacionais

fechadas.

Surgimento de

grandes

conglomerados.

Novas

indústrias,

novos produtos,

nova gestão.

8


Século

XX

PADRÕES DOMINANTES

MOMENTOS

HISTÓRICOS Concepções

Ordem

Ordem

político-ideológicas geopolítica

econômica

Pós-guerra

àtransição

70/80

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

CONCEPÇÕES POLÍTICO-IDEOLÓGICAS,

GEOPOLÍTICA E ECONOMIA

Valores

radicalmente

opostos: liberdade

versus igualdade.

Exacerbação

dialética.

Confrontação

latente: a Guerra

Fria.

Movimentos

centrífugos: a fuga

para posições

extremadas.

Proteção de

fronteiras.

Alianças militares.

Cortina de Ferro:

o isolacionismo.

Autodeterminação

das nações.

Contradições:

posturas

imperialistas das

superpotências.

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.1 Megamudanças globais

Fim do laissez-faire.

◊ Alongamento das

funções do Estado:

◊ O Estadomilitarista

◊ O Estadoempresário.

◊ O Estado do bemestar.

Nacionalismo,

protecionismo,

estatização.

9


Momentos históricos

Século

XX

Anos 80

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

CONCEPÇÕES POLÍTICO-IDEOLÓGICAS,

GEOPOLÍTICA E ECONOMIA

Concepções

político-ideológicas

Desradicalizações

embrionárias.

Revisionismo:

nova esquerda e

neoliberalismo.

Das confrontações

para a détente.

Padrões dominantes

Ordem

geopolítica

A caminho da

desfronteirização.

O questionamento

do nacionalismo.

Macroalianças: da

gestão à

formalização.

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.1 Megamudanças globais

Ordem

econômica

Questionamento do

protecionismo.

Revisão de

fundamentos

estratégicos.

Revisão dos limites

e das funções do

Estado.

10


Momentos históricos

Século

XX

Anos 90

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

CONCEPÇÕES POLÍTICO-IDEOLÓGICAS,

GEOPOLÍTICA E ECONOMIA

Concepções políticoideológicas

Fim do coletivismo

soviético.

Desmonte da Cortina

de Ferro.

Praxis neoliberal.

Movimentos

centrípetos.

Pluralismo e

multilateralismo.

Padrões dominantes

Ordem geopolítica

A desfronteirização.

A convergência de

estratégias

nacionais.

A reassimilação

Leste-Oeste: fim

dos “dois mundos”.

1. As megamudanças globais

Ordem econômica

A emergência do

estado neoliberal.

Abertura e

integração de

mercados.

Globalização:

movimento

avassalador.

11


Momentos

históricos

Século XXI

Primeira década

(2001-10)

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

CONCEPÇÕES POLÍTICO-IDEOLÓGICAS,

GEOPOLÍTICA E ECONOMIA

Concepções

político-ideológicas

Liberdade como valor

essencial.

Inclusão, não

igualitarismo, como

objetivo fundamental.

Governança global:

conceitos e práticas

emergentes.

Governança dos

Estados-nação:

◊ Pressões para

aferição e adoção.

◊ Ranking dos países.

Padrões dominantes

Ordem

geopolítica

Macroalianças

continentais.

Civilizações:

crescente

interação.

Contradições:

◊ Movimentos

antiglobalização.

◊ Extremismos e

terrorismo.

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.1 Megamudanças globais

Ordem

econômica

Multipolaridade

competitiva:

◊ Maior número de

países competidores.

◊ Fim de hegemonias

“insuperáveis”.

A ascensão da Nova

Ásia Industrial.

Crescente interconexão

de mercados nacionais.

Desfronteirização:

avanços, não recuos.

12


RELAÇÕES POLÍTICA-ECONOMIA: OS DIRECIONADORES

DO POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO

Fundamentos

Político-Ideológicos

Estratégia Nacional e

Ações de Governo

Impactos no Ambiente

de Negócios

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

Relações internacionais:

◊ Direcionadores dominantes.

◊ Multilateralismo.

◊ Integração regional

Dimensões e papéis do Estado.

Presença do Estado-empresário.

Ambiente institucional e movimentos

sociais.

Projetos de alto impacto.

Origem dos recursos.

Resultados valorizados.

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.2. Megamudanças Brasil

POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO

13


O modelo

autoritário

1964-1984

Movimento centrífugo:

posições ideológicas

extremadas.

Sistema bipartidário.

Estado ditatorial.

Autoritarismo e

centralismo decisório.

Continuísmo: sistema

fechado de poder.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

A EVOLUÇÃO DO AMBIENTE POLÍTICO:

AS QUATROS ÚLTIMAS DÉCADAS

A restauração do modelo

plural e aberto

1984-2002

Reorientação centrípeta:

redução das distâncias

ideológicas.

Sistema pluripartidário.

Estado de direito.

Abertura política:

transparência e poder

compartilhado.

Disputas abertas pelo

poder.

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.2. Megamudanças Brasil

A reconfiguração

da elite política

2003-2010

Centro-esquerda ou centro:

qual a facção modal?

Nova lógica políticopartidária:

interesses

plurais representados.

Estado de direito: vigilância

para sustentação.

Abertura política:

revelações

comprometedoras.

Poder estabelecido:

intenções visíveis de

“perpetuação”.

14


Alta

ênfase

EFICIÊNCIA

COMPETITIVA

(A inserção global)

Baixa

ênfase

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

A ESTRATÉGIA PROTECIONISTA E NACIONALISTA

DAS DÉCADAS DE 1960, 1970 E 1980

Baixa

ênfase

PROTEÇÃO

NACIONALISTA

(A substituição

de importações)

Brasil:

Décadas de

60, 70 e 80

Alta

ênfase

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.2. Megamudanças Brasil

TRAÇOS MARCANTES

Nacionalismo: endividamento

externo, como alternativa ao

IED.

Estatização.

Reservas de mercado.

Alta proteção: tarifa média de

importação superior a 45%.

Lei do similar nacional.

Baixa produtividade:

competitividade

comprometida.

Produto final: “estagflação”.

Perda da corrida para a Ásia:

estratégia oposta.

Substituição de importações:

escalas baixas e custos altos.

15


Alta

ênfase

EFICIÊNCIA

COMPETITIVA

(A inserção global)

Baixa

ênfase

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

A REVOLUÇÃO ESTRATÉGICA DOS ANOS 90:

DA PROTEÇÃO À ABERTURA

Baixa

ênfase

Brasil:

1990-2002

Propósito

Vencedor

Brasil:

Décadas de

60, 70 e 80

PROTEÇÃO

NACIONALISTA

(A substituição de

importações)

Propósito

Vencido

Alta

ênfase

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.2. Megamudanças Brasil

TRAÇOS MARCANTES

Adesão à onda

liberalizante.

Inserção global.

Integração regional.

Abertura: fim das

reservas de mercado.

Privatizações.

Novos marcos: criação de

agências nacionais.

Desmonopolização:

produtividade e

competitividade

expandidas.

Fim da inflação: aumento

da “relação RR/PP”.

16


A REORIENTAÇÃO POLÍTICA, UMA QUESTÃO CRUCIAL:

A EMERGÊNCIA DE NOVAS LIDERANÇAS

Facções Políticas

Conservadores

Centro-direita

Centro

Centro-esquerda

Reformistas radicais

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

10,5

39,2

16,4

4,6

29,3

34,7

18,7

6,2

31,5

27,2

22,5

34,0

25,1

A reconfiguração da elite política:

a chegada ao poder de novas lideranças

7,8

22,8

8,6

35,0

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.2. Megamudanças Brasil

Eleitos, segundo facções: Poder Central e Estados:

Executivo, Congresso Nacional e Assembléias

1990-94

1995-98

8,9

1999-2002

8,5

2003-2006

8,5

8,2

22,3

29,7

2007-2010

49,7 43,6 35,7 31,3 30,5

5,1

34,7

21,0 24,9 30,3 33,7 34,8

17


REVOLUÇÃO ESTRATÉGICA SOB FREIOS:

PLURALISMO NA COMPOSIÇÃO DO GOVERNO DE 2003-2010

Alta

ênfase

EFICIÊNCIA

COMPETITIVA

(A inserção global)

Baixa

ênfase

Baixa

ênfase

Brasil:

1990-2002

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

Brasil:

2003-2010

PROTEÇÃO

NACIONALISTA

(A substituição

de importações)

Alta

ênfase

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.2. Megamudanças Brasil

TRAÇOS MARCANTES

Pluralismo na composição

do governo: estratégia

indefinida.

Mudanças em orientações

fundamentais:

◊ Relações internacionais.

◊ Dimensões e papéis do

Estado.

◊ Presença do estadoempresário.

◊ Modelo das agências

reguladoras.

◊ Inclusão e movimentos

sociais.

Agenda ideológica no seio

do governo: riscos de

percurso autoritário.

18


Diretrizes

RELAÇÕES

INTERNACIONAIS

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

MUDANÇAS EM ORIENTAÇÕES

FUNDAMENTAIS

1990-2002

Adesão à onda liberalizante.

Pragmatismo nas relações

regionais movidas a interesses

recíprocos.

Reprovação de anacronismos

ideológicos.

Integração regional, como

passo para a continental.

Negociações da Alca: esforços

construtivistas.

Relações multilaterais

abrangentes.

Foco nos eixos Sul-Norte.

2003-2010

Ligações estreitas com

movimentos “antiglobalização”.

Relações regionais

confrontacionistas.

Relações regionais sob viés

ideológico.

Limitações da integração regional

à comunidade sul americana.

Negociação da Alca: indiferença e

morosidade.

Relações bilaterais, privilegiando

os grandes emergentes.

Foco nos eixos Sul-Sul.

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.2. Megamudanças Brasil

19


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

MUDANÇAS EM ORIENTAÇÕES FUNDAMENTAIS

Diretrizes

DIMENSÕES E PAPÉIS

DO ESTADO

PRESENÇA DO

ESTADO-EMPRESÁRIO

1990-2002

Retratação do Estado.

Controle do peso

burocrático.

Gestão macro como

missão essencial.

Programa vigoroso de

privatizações:

◊ Indústrias de base.

◊ Infra-estrutura.

◊ Sistema Financeiro.

2003-2010

Reversão do afastamento do

Estado.

Aumento do peso

Ampliação das missões: o

Estado provedor, o indutor e

o gestor.

Fim do processo de

privatizações.

◊ Parcerias públicoprivadas.

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.2. Megamudanças Brasil

◊ Propensão reestatizante.

◊ Fortalecimento das

estatais remanescentes.

20


Diretrizes

MODELO DAS

AGÊNCIAS

REGULADORAS

INCLUSÃO E

MOVIMENTOS

SOCIAIS

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

MUDANÇAS EM ORIENTAÇÕES FUNDAMENTAIS

Novos marcos

regulatórios:

1990-2002

◊ Criação de agências

nacionais.

◊ Autonomia para regulação

negociada.

◊ Descentralização decisória.

Inclusão social:

◊ Orientação para ações

estruturais.

◊ Harmonização dos conflitos

gerados por movimentos de

massa organizados.

◊ Gestão da diversidade:

interação e convivência.

2003-2010

◊ Esvaziamento das agências

nacionais.

◊ Regulamentarismo e

dirigismo.

◊ Centralismo decisório.

Inclusão Social:

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.2. Megamudanças Brasil

Mudanças nos marcos

regulatórios:

◊ Orientação assistencializada

e distributivista.

◊ Apoio explícito do Estado aos

movimentos de massa

organizados.

◊ Exposição da diversidade:

choques e “luta de classes”.

21


Performance

econômica

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

UMA SÍNTESE: A EVOLUÇÃO POLÍTICA E A

PERFORMANCE ECONÔMICA

A restauração do modelo plural e aberto

Satisfatórias

Insatisfatórias

Quadrante A

1968/80

1968/80

Os

Os

anos

anos

do

do

“milagre

“milagre

econômico”

econômico”

Plano

Plano

Estratégico

Estratégico

de

de

Desenvolvimento:

Desenvolvimento:

I

I

e

e

II

II

PND

PND

Quadrante Quadrante B

1981/84

1981/84

A

A

queda

queda

do

do

militarismo

militarismo

III

III

PND

PND

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.3. Uma síntese da trajetória brasileira

Liberdades

Políticas

Quadrante

Quadrante

D

Perspectiva

Perspectiva

2020

2020

Novo ciclo de

Novo ciclo de

mudanças

mudanças

estruturais.

estruturais.

Quadrante C

1985/2006

1985/2006

A

A

restauração

restauração

do

do

pluralismo

pluralismo

democrático

democrático

A

A

reorientação

reorientação

estratégica

estratégica

Restritas Amplas

22


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

UMA SÍNTESE: A EVOLUÇÃO POLÍTICA E A

PERFORMANCE ECONÔMICA

A trajetória superada: construção do modelo autoritário

Performance

econômica

Satisfatórias

Insatisfatórias

Quadrante A

1968/80

1968/80

Os

Os

anos

anos

do

do

“milagre

“milagre

econômico”

econômico”

Plano

Plano

Estratégico

Estratégico

de

de

Desenvolvimento:

Desenvolvimento:

I

I

e

e

II

II

PND

PND

Quadrante Quadrante B

1964/67

1964/67

O

O

autoritarismo

autoritarismo

de

de

ajuste

ajuste

Programa

Programa

de

de

Ação

Ação

Econômica

Econômica

do

do

Governo

Governo

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.3. Uma síntese da trajetória brasileira

Quadrante

Quadrante

D

Pós-guerra/1960

Pós-guerra/1960

O desenvolvimentismo

O desenvolvimentismo

industrialista

industrialista

Plano Salte e

Plano Salte e

Plano de Metas

Plano de Metas

Quadrante C

1961/63

1961/63

O reformismo

reformismo

socializante

socializante

Plano

Plano

Trienal

Trienal

de

de

Desenvolvimento

Desenvolvimento

Econômico

Econômico

e

e

Social

Social

Restritas Amplas

Liberdades

Políticas

23


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

FATORES DE RISCO DO

RECRUDESCIMENTO AUTORITÁRIO

Gigantismo do Estado: inflexibilidades para redução.

Dificuldades para reconstrução do Estado: o aparelhamento da estrutura burocrática.

Desencanto social com classe política:

◊ Projetos de poder claros, projetos de governo vazios.

◊ Corrupção endêmica, atingindo os Três Poderes.

Crises de governabilidade: negociações espúrias como fator de sustentação.

Progressivo afastamento das práticas de boa governança.

Resultados sociais: messianismo populista.

Avanços do populismo autoritário na AL: governo brasileiro complacente.

A divisão da nação em classes:

◊ Privilegiados e excluídos.

◊ Brancos e não-brancos.

◊ Proprietários por “via cartorial” e quilombos.

◊ Latifundiários e sem-terra.

Movimentos de massa organizados: doutrinação revolucionária.

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.4. Brasil: visão 2007-2010

24


Quadrante A

2

Quadrante B

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

ENTRE O RETROCESSO MONOCRÁTICO

E O MODELO PLURAL ABERTO

Movimentos radicais

(Baixa probabilidade)

1

1. Retrocesso institucional: a

radicalização.

Quadrante D

3

Quadrante C

(Posição do Brasil)

2. Reordenamento socioeconômico

autoritário.

3. Reabertura política.

Trajetória de consenso

(Alta probabilidade)

Quadrante A

Quadrante B

4. Transição institucional

Quadrante D

4

Quadrante C

(Posição do Brasil)

Projeto nacional sobrepõe-se a

projeto de poder.

Enfoques pluralistas.

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.4. Brasil: visão 2007-2010

25


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

A TRANSIÇÃO INSTITUCIONAL: A CONSOLIDAÇÃO

DO PLURALISMO DEMOCRÁTICO

Cenário provável

Ampliam-se as políticas sociais.

Pouca profundidade em reformas.

Foco em crescimento:

◊ Juros em viés de baixa.

◊ Spread bancário: redução discreta.

◊ Austeridade fiscal menos enfática.

◊ Câmbio: difícil reversão da apreciação.

◊ Política ambiental: conciliação com

investimentos.

PPPs: esforços para efetivação.

Esforços para viabilizar grandes projetos:

◊ Infra-estrutura.

◊ Indústrias de base.

◊ Bens de capital.

Upgrade na avaliação do risco-país: tendência

para grau de investimento.

Probabilidade presumida: alta

Razões fundamentais

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.4. Brasil: visão 2007-2010

Reações internas a mudanças radicais:

◊ Congresso, Judiciário e governos estaduais.

◊ Classes produtoras.

◊ Mídias.

Sensibilidade do capital externo a:

◊ Diretrizes heterodoxas.

◊ Anacronismos ideológicos.

Boa reação dos mercados à gestão

macroeconômica e aos resultados de 2003–2006.

Respostas a exigências globais:

◊ Atratividade

Competitividade

Amplo espectro político estabelecido: forças

opostas.

Dimensões e importância geopolítica do país.

Desconstrução do modelo militarista autoritário.

26


CHAVISMO: MUDANÇAS INSTITUCIONAIS MOVIDAS A PLEBISCITOS E

PERENIZAÇÃO DA ATUAL ESTRUTURA DE PODER

Cenário provável

Ampliam-se fortemente as políticas sociais.

Foco na manutenção do poder:

◊ Crescimento de mercados finais.

◊ Desarticulação das cadeias de suprimentos.

◊ Pressões inflacionárias.

◊ Deteriorização macroeconômica.

Fuga do capital externo.

Problemas nas contas cambiais.

Riscos de rupturas na gestão da dívida pública.

Rendição a populismo exacerbado.

CSN: integração regional movida a forte apelo

ideológico.

América Latina, porção Sul: isolacionismo

crescente.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

Probabilidade presumida: baixa

Razões fundamentais

1. O CONTEXTO POLÍTICO

1.4. Brasil: visão 2007-2010

Pressões da Executiva do PT.

Condições sociais:

◊ Alta pobreza absoluta.

◊ Alta concentração da renda e da riqueza.

◊ Amplo espaço para assistencialismo

distributivista.

Orientação estratégica 2003–2006

◊ Casa Civil.

◊ Política externa.

◊ Política social.

Linha de atuação dos movimentos sociais:

◊ Ligações estreitas com o PT e seus aliados.

◊ Rede organizada e sob acirrada doutrinação.

Construção da integração regional:

◊ Aversão aos EUA.

◊ Radicalização ideológica.

27


2. O CONTEXTO ECONÔMICO

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

MUNDIAL

28


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

DIMENSÕES DA ECONOMIA MUNDIAL:

CÂMBIO E PPC COMO CRITÉRIOS

Dimensões da economia global em 2006: dois critérios, dois mundos distintos:

◊ Conversão pelo câmbio:

PMB de US$ 48,2 trilhões.

Crescimento anual de 4,5%: US$ 2,17 trilhões.

◊ Paridade do poder de compra:

PMB de US$ 66,6 trilhões.

Crescimento anual de 4,5%: US $2,99 trilhões.

Expansão nos próximos 13 anos, à taxa capitalizada de 3,5%:

◊ Câmbio, US$ 75,4 trilhões em 2020. Expansão de 27,2 trilhões.

◊ PPC, US$ 104,2 trilhões em 2020. Expansão de 37,6 trilhões.

2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

29


% anual

3,0

3,5

4,0

4,5

HIPÓTESES DE CRESCIMENTO DA ECONOMIA GLOBAL

PMB pelo critério taxas de câmbio: US$48,2 trilhões em 2006

2,2

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

Crescimento em US$ trilhões

Anual

1,4

1,7

1,9

Uma década

16,6

19,8

23,1

26,6

2020

22,5

27,2

32,0

37,2

2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

Significado da expansão

NAFTA mais três maiores

economias européias.

NAFTA mais União

Européia.

NAFTA e Europa

somados.

NAFTA, Europa e Ásia

somados.

30


Economias

segundo níveis de

renda

Alta renda

Renda média alta

Renda média baixa

Baixa renda

MUNDO

Fonte: World Bank. Julho 2007.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

PRODUTO MUNDIAL BRUTO

EM 2006 (a)

Milhões de

habitantes

985

347

2.502

2.690

6.524

Total

36.583

5.316

4.735

1.611

48.245

Câmbio oficial

ajustado

Per capita

US$ ano

37.140

15.320

1.892

598

7.395

2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

Produto em US$ bilhões

Paridade do

poder de compra

Total

35.394

8.665

15.965

6.559

66.583

Per capita

US$ ano

35.933

24.971

6.380

2.438

10.206

31


Continentes e

regiões

NAFTA

Europa Continental

Ásia e Eurásia

Oceania

Oriente Médio e

Norte da África

África Subsaariana

América Latina

MUNDO

Fonte: World Bank. Julho 2007.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

PRODUTO MUNDIAL BRUTO EM 2006 (a)

Milhões de

habitantes

434

804

2.773

30

313

751

441

6.524

Total

Câmbio oficial

ajustado

15.292

18.056

10.475

877

730

709

2.106

48.245

Per capita

US$ ano

35.235

22.458

3.778

29.233

2.332

944

4.776

7.395

2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

Produto em US$ bilhões

Paridade do

poder de compra

Total

15.535

20.429

22.306

804

2.040

1.627

3.842

66.583

Per capita

US$ ano

35.794

25.409

8.043

26.800

6.518

2.166

8.712

10.206

32


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

DEZ MAIORES ECONOMIAS EM 2006 (a)

(US$ TRILHÕES)

CÂMBIO OFICIAL

AJUSTADO

1. Estados Unidos 13,20

2. Japão 4,34

3. Alemanha 2,91

4. China 2,67

5. Reino Unido 2,35

6. França 2,23

7. Itália 1,84

8. Canadá 1,25

9. Espanha 1,22

10. Brasil 1,07

Fonte: World Bank. Julho 2007.

2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

PARIDADE DO PODER

DE COMPRA

1. Estados Unidos 13,20

2. China 10,04

3. Índia 4,25

4. Japão 4,20

5. Alemanha 2,57

6. Reino Unido 2,12

7. França 1,94

8. Itália 1,75

9. Brasil 1,71

10. Rússia 1,71

33


“Quantum” igual. Mas, em valor, magnitude do Produto

Mundial Bruto, critério PPC, 38,1% superior.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

Ásia revelada como maior

Continente Econômico.

China segunda potência

econômica mundial.

Países de baixa renda

com maior global share.

2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

DUAS DIFERENTES VISÕES DO MUNDO ECONÔMICO

34


MUNDO

COMPOSIÇÃO DO PMB POR CONTINENTES E REGIÕES

Níveis de renda

NAFTA

Europa Continental

Ásia e Eurásia

Oceania

Oriente Médio e Norte da

África

África Subsaariana

América Latina

Fonte: World Bank. Julho 2007.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

Câmbio

31,7

37,4

21,7

1,8

1,5

1,5

4,4

100,0

2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

Estimativas (%) PMB 2006

PPC

23,3

30,7

33,5

1,2

3,1

2,4

5,8

100,0

35


OS INVESTIMENTOS: FATORES DE IMPULSÃO

(Critério taxa de câmbio: PMB/2006 = US$48,2 trilhões)

Mantendo-se a relação I/PMB de 23%:

◊ Investimento global anual bruto de US$ 11,09 trilhões.

◊ Por dia: US$ 30,4 bilhões.

Impulsores:

◊ Crescimento econômico.

◊ Dinâmica sociodemográfica.

◊ Objetivos de inclusão.

◊ Inovações tecnológicas.

◊ Grandes emergentes.

◊ Fluxos interfronteiras.

Investimentos / PNB e crescimento maiores nos países emergentes.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

36


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

FLUXOS DO COMÉRCIO GLOBAL:

RITMO SUPERIOR AO DO PMB

Sustentação do crescimento do comércio global em relação ao PMB:

◊ Ritmo duas vezes mais veloz (entre 7 e 8% anuais).

◊ Progressão consistente, tanto de mercadorias quanto de serviços.

Provável superação, em 2020, do patamar de 50% em relação ao PMB:

◊ Relação sem precedentes históricos.

◊ Nova divisão internacional do trabalho.

Razões da expansão projetada:

◊ Continuidade do processo de desfronteirização.

◊ Consolidação e expansão das áreas regionais de integração.

◊ Pressões políticas e sociais por comércio mais aberto.

◊ Crescimento econômico puxado por emergentes.

◊ Avanços tecnológicos em áreas-chave (comunicações e transportes).

2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

37


Anos

1970

1980

1985

1990

1995

2000

2005

2006

Projeções

2010

2020

FLUXOS DE COMÉRCIO:

CRESCIMENTO CONSISTENTE EM RELAÇÃO AO PMB

Fontes: (a) World Bank.

(b) e (c) UNCTAD.

PMB Produto

Mundial

Bruto (a)

3,3

11,2

13,9

21,8

27,0

31,2

44,3

48,2

55,3

78,0

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

US$ trilhões correntes

Comércio mundial

Mercadorias

(b)

0,3

1,3

2,0

3,4

5,0

6,0

9,4

10,7

14,3

31,7

Mercadorias

+ Serviços (c)

0,4

1,5

2,4

4,3

6,2

8,1

11,6

13,2

18,0

41,2

2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

(b)/(a)

9,1

11,6

14,4

15,6

18,5

20,5

21,9

22,1

25,8

40,6

Relações %

(c)/(a)

12,1

13,4

17,3

19,7

22,9

26,0

27,0

27,4

32,6

53,7

38


US$ bilhões

(Médias anuais)

3150

2850

2550

2250

1950

1650

1350

1050

750

450

150

130

290

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

650

920

1.560

1984-89 1990-95 1996-99 2000-05 2010 2020

3.090

2. O CONTEXTO ECONÔMICO MUNDIAL

2.1. Registro do panorama econômico

A EXPANSÃO PROJETADA

DOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS DIRETOS

Períodos

1984-89

1990-95

1996-99

2000-05

2010

2020

Relação

% com

PMB

1,04

1,24

2,18

2,67

3,00

4,00

IED por

dia útil

US$

bilhões

0,5

1,1

2,6

3,7

6,3

12,4

39


3. O CONTEXTO ECONÔMICO

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

BRASILEIRO

40


CAPITAL NATURAL

Abundância

Diversidade

Extração sustentável

Renovabilidade

Sistema educacional

Capacitação

RECURSOS ECONÔMICOS

Condições de acesso

CAPITAL HUMANO

Dinâmica demográfica

Propensão a inovação, flexibilidade e

adaptabilidade

CAPITAL FÍSICO

Infra-estrutura

Capacidade produtiva instalada

Padrões tecnológicos e P&D

Diversidade setorial

Articulação das cadeias produtivas

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

RECURSOS ESSENCIAIS

PARA O CRESCIMENTO

Alta

Alta

Precário

Baixa posição no ranking

global

Altas

Atualizada

Altos por absorção

Alta

Riscos de desarticulação de

suprimentos

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

QUALIFICAÇÕES ATUAIS E TENDÊNCIAS EXIGIDAS

2007

Embrionária

Estimulada

Restrições em alta

Em transição

Gargalos

2020

Alta

Alta

Estabelecida

Praticada

Normatizada

Padrões de países em

desenvolvimento

Padrões mundiais

Defasagens

em recuperação

Altas

Investimentos em curso

Atualizada

Altos por absorção

Alta, em transição

Investimentos em curso

dos setores de base

41


POLÍTICAS E LEGAIS

Estabilidade das regras

Enforcement

Marcos regulatórios confiáveis

Eficiência do Estado

Duro combate à corrupção e ao crime

ECONÔMICAS

Liberdade transacional

Direito e proteção à propriedade

Estrutura tributária

Estímulos e barreiras para empreendedores

Preservação da concorrência

Estrutura e funcionamento dos mercados

Informalidade

SOCIAIS

Crenças e valores

INSTITUIÇÕES

Conscientização pública

Poder da opinião pública

Convivência civilizada

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

BASES QUALITATIVAS

PARA O DESENVOLVIMENTO

2007

Riscos de mudanças

Baixo

Confiança enfraquecida

Muito baixa

Revelações impunes

Satisfatória

Graves desrespeitos pontuais

Complexa e pesada

Custo-país muito alto

Sob vigilância

Insatisfatórias

Muito alta

Esforços construtivistas

Em formação

Crescente

Ausência de conflitos

étnicos e religiosos

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

QUALIFICAÇÕES ATUAIS E TENDÊNCIAS EXIGIDAS

2020

Sob maiores garantias

Maior rigor

Confiança estabelecida

Em transição

Maior efetividade

Restrições normatizadas

Garantias constitucionais

Reformada, mais eficiente

Menor custo-país

Efetivamente estabelecida

Melhorias institucionais

Reduzida

Avanços qualitativos

Fator instituído de pressão

Alto

Acirramentos sob controle

42


Recuperação do

crescimento

histórico

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

INVESTIMENTOS & CRESCIMENTO

Setor privado

Empresas

(capital nacional e estrangeiro)

70%

85%

= f

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

Reativação dos

investimentos

produtivos

Composição dos investimentos produtivos, segundo agentes econômicos

(Composição para economias de mercado)

Pessoas

físicas

15%

Setor público

Três esferas

de governo

15%

43


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

OBSTÁCULOS AOS INVESTIMENTOS NO BRASIL

1. Empresas de capital nacional

Grandes grupos tornando-se global players: US$27,3 bilhões de investimentos no

exterior em 2006.

Insuficiência de fundings de longo prazo no país.

Diminuta expressão do mercado de capitais.

Alavancagem por exigíveis externos sob risco cambial.

Ônus tributários sobre bens de capital.

Gargalos em suprimentos básicos.

Burocracia: complexidade desmotivante.

Restrições crescentes da política ambiental.

Competitividade global do país em queda pelo “custo-país”.

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

44


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

OBSTÁCULOS AOS INVESTIMENTOS NO BRASIL

Atratividade comparada mais alta:

◊ De grandes emergentes.

2. Empresas de capital estrangeiro (I)

◊ De pequenos emergentes (Bálticos, América Central, Ásia e África).

◊ Da Europa Central e do Leste.

◊ De megamercados globais.

Taxa de câmbio valorizada:

◊ Remessas de lucro competem com novos ingressos.

◊ Retardamento de decisões de investimento.

Insegurança

◊ Jurídica – lentidão, questionamento de decisões.

◊ Contratual – Judiciário refém de “doutrina social”.

◊ Regulatória – mudanças nas regras do jogo.

◊ Pessoal e patrimonial – crime organizado, violência.

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

45


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

OBSTÁCULOS AOS INVESTIMENTOS NO BRASIL

Interrupção das privatizações.

2. Empresas de capital estrangeiro (II)

Baixos níveis de crescimento nos últimos 25 anos:

◊ 1/2 da média mundial.

◊ 1/3 dos emergentes.

◊ 1/4 dos grandes emergentes.

Risco-país ainda alto: abaixo do “grau de investimento”.

Instabilidade política e ressurreição de correntes nacionalizantes e estatizantes

na AL.

Projeto de integração regional sob viés ideológico.

Resistências à constituição da ALCA.

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

Resultado: redução da participação do Brasil nos fluxos globais de IED

46


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

INVESTIMENTO ESTRANGEIRO DIRETO NO BRASIL

(US$ Milhões)

47


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

REMESSAS DE LUCROS E DIVIDENDOS

(US$ Milhões)

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

48


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

OBSTÁCULOS AOS INVESTIMENTOS NO BRASIL

4. Governos

Restrições orçamentárias estruturais:

◊ Crescimento dos dispêndios correntes.

◊ Superávit primário < juros da dívida: déficit nominal.

Destinações improdutivas da alta carga tributária (38,9% do PIB):

◊ Juros da dívida pública.

◊ Estrutura burocrática.

◊ Previdência social.

Dificuldades de implementar PPPs:

◊ Viés ideológico.

◊ Contrapartida do setor público.

◊ Governança dos projetos.

Limitações:

◊ Capacidade de endividamento.

◊ Capacidade de tributação.

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

49


9,6%

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

EVOLUÇÃO DAS DESPESAS CORRENTES

DO GOVERNO CENTRAL (% DO PIB)

1991 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06

Fonte: IPEA.

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

18,3%

50


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

HORIZONTE DE LONGO PRAZO:

OS OBJETIVOS IRRECUSÁVEIS

INFLAÇÃO

RASTEJANTE:

PADRÕES

MUNDIAIS

CRESCIMENTO

VIGOROSO

DO PIB: ENTRE 6 E

7%, A MÉDIA DOS

EMERGENTES

SUPERÁVIT EM

TRANSAÇÕES

EXTERNAS

CORRENTES DE NO

MÍNIMO US$30

BILHÕES

Visão alinhada às mudanças globais.

“Ressurreição” do planejamento de longo prazo.

Determinação na redução dos pontos fracos.

Gestão competente das cadeias produtivas.

Aumento significativo da relação Investimento/PIB.

Soluções equilibradas e rápidas para questões de impacto ambiental.

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

51


A QUESTÃO-CHAVE DO MEGASSUPERÁVIT

EM TRANSAÇÕES CORRENTES: MACROOBJETIVO ESTRATÉGICO

US$ Bilhões

Resultados prováveis 2007

1. Superávit comercial. + 40

2. Déficit em serviços. - 33

3. Transferências unilaterais. + 3

SALDO CORRENTE + 10

4. Amortizações da dívida. - 10

5. IED líquido. + 20

ACUMULAÇÃO DE RESERVAS + 20

EXPRESSIVA REDUÇÃO DA

VULNERABILIDADE EXTERNA E DO RISCO-

PAÍS

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

Macroobjetivo

1. Superávit comercial. + 65

2. Déficit em serviços. - 30

3. Transferências líquidas positivas. + 3

SALDO CORRENTE + 38

4. Amortizações da dívida externa. - 10

5. Investimentos diretos líquidos. + 15

ACUMULAÇÃO DE RESERVAS + 43

OBTENÇÃO DE “GRAU DE INVESTIMENTO”:

PADRÃO DOS EMERGENTES DE ALTA

ATRATIVIDADE

CONDIÇÃO COMPLEMENTAR: REDUÇÃO DA

RELAÇÃO DP/PIB

52


Água

◊ Bacias hidrográficas

◊ Mananciais de subsolo

◊ Pluviosidade

Grandes áreas planas

Sol

Hidroeletricidade

Biodiversidade

Minerais

Petróleo

Mão-de-obra

◊ Adaptabilidade

◊ Flexibilidade

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

POTENCIAIS DO BRASIL PARA INSERÇÃO

GLOBAL COMPETITIVA

RECURSOS

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

CADEIAS PRODUTIVAS COM INEQUÍVOCAS

VANTAGENS COMPETITIVAS

Primárias

◊ Agro (grãos e fibras)

◊ Produção animal (pequeno, médio e

grande portes)

◊ Mineração

Industriais

◊ Álcool e biodiesel

◊ Alimentos processados

◊ Celulose e papel

◊ Siderurgia

◊ Têxteis, calçados e couro

◊ Madeira e móveis

◊ Materiais de transporte

53


Características

Excedentes

exportáveis

UMA AMPLA VISÃO DAS CADEIAS PRODUTIVAS COM

INEQUÍVOCAS VANTAGENS COMPETITIVAS

Cadeias

Competitividade

global

Capacidade de

produção

Dependência de

importações

Relação

capital/produto

MACROOBJETIVOS

Agro

Alta

Alta

Altos

Média

Média

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

Primárias

Animais

Alta

Alta

Altos

Baixa

Baixa

Mineração

Alta

Alta

Altos

Média

Média

Expandir exportações

Álcool e

biodiesel

Alta

Alta

Altos

Baixa

Média

Alimentos

Alta

Média

Médios

Baixa

Média

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

Celulose e

papel

Alta

Alta

limitada

C. altos

P. baixos

Baixa

Alta

Industriais

Siderurgia

Alta

Baixa

NL. Altos

L. baixos

Baixa

Alta

Têxteis

calçados

e couro

Média

alta

Alta

Altos

Baixa

Baixa

Investimentos para expansão

Expandir exportações

Madeira e

móveis

Média

alta

Média

alta

Baixos

Baixa

Baixa

Materiais

de

transporte

Alta

Alta

Altos

Média

Alta

54


UM EXEMPLO DE UMA DAS CADEIAS PRIMÁRIAS: AGRO

Potenciais para triplicar

Em exploração, no Brasil, 45 milhões de hectares.

Expansão da fronteira explorada: mais 100 milhões de hectares.

Em contrapartida:

◊ EUA, Europa Ocidental e Japão: no limite e com subsídios.

◊ China e Índia: escassez crescente de água.

◊ Outros países com grandes territórios: desertificação.

No Brasil, a produção agro pode triplicar: grãos, fibras, combustíveis renováveis.

Grãos, como exemplo:

◊ Demanda mundial atual: 2 bilhões/t.

◊ Produção brasileira: 125 milhões/t (share de 6,25%).

◊ Crescimento de demanda horizonte 2020: 3 bilhões/t.

◊ Share Brasil de 12%: produção triplicada.

Biocombustíveis: Brasil concentra maior potencial mundial.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

55


MEGAMUDANÇAS GLOBAIS JOGAM A FAVOR DO BRASIL:

DESAFIOS E RESTRIÇÕES SÃO INTERNOS

MEGACONDIÇÕES

Deslocamento espacial da produção

básica.

Crescimento econômico e escalas

sem precedentes.

Inclusão da “base de pirâmide”:

expansão explosiva dos mercados

básicos.

Mudanças na matriz energética:

◊ Fim da “era petróleo”.

◊ Questões ambientais.

Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

3. O CONTEXTO ECONÔMICO BRASILEIRO

DESAFIOS E RESTRIÇÕES

Desafios

Definição de projeto estratégico.

Megaprojetos:

◊ Infra-estrutura como um todo.

◊ Indústrias de base.

◊ Integração física regional.

◊ Acessos ao Pacífico.

◊ Aquadutos Norte–Nordeste.

Trinômio projetos–recursos–prazos

Restrições

“Nós” que prendem investimentos.

Avaliações de impacto ambiental.

Passagem por reservas indígenas.

56


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

4. UMA SÍNTESE

57


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

O CENÁRIO MUNDIAL 2007 – 2010

Condições favoráveis

Expansão econômica sustentada, mas inferior à dos últimos anos.

Sustentação das correntes mundiais de comércio.

Alto ritmo dos investimentos.

Escalas sem precedentes históricos.

◊ Suprimentos.

◊ Plantas.

◊ Mercados finais.

Alta liquidez e juros “palatáveis”.

Mobilidade de capitais.

Maior dispersão espacial do crescimento.

4. UMA SÍNTESE

4.1.Cenário Mundial

Fundamentos macroeconômicos:

◊ Fim da inflação.

◊ Ondulações conjunturais menos intensas.

◊ Recessões mais curtas: instrumentos mais eficazes e rapidez na resposta dos agentes

econômicos.

58


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

O CENÁRIO MUNDIAL 2007 – 2010

Condições desfavoráveis

4. UMA SÍNTESE

4.1.Cenário Mundial

Ameaças de ataques terroristas.

Riscos de pandemias.

Hipóteses de guerras localizadas.

Estado macroeconômico dos Estados Unidos.

Pontos fracos dos grandes emergentes:

◊ China: degradação ambiental e insuficiência de capital natural.

◊ Índia: infra-estrutura, castas sociais e questões fronteiriças.

◊ Rússia: baixa diversidade produtiva e aversão ao empreendedor de sucesso .

Protecionismo e subsídios: G-8 versus G-20.

Gigantismo das escalas.

Velocidades assimétricas dos investimentos: menor rapidez nas indústrias base, frente às de

produtos finais.

Potenciais para altas (ainda que não explosivas) nos preços de produtos básicos:

◊ Desarticulação de suprimentos.

◊ Rigidez ambientalista para exploração de capital natural virgem.

59


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

O CENÁRIO MUNDIAL 2007 – 2010

Um síntese conclusiva

4. UMA SÍNTESE

4.1.Cenário Mundial

Crescimento, mas menos intenso

que o do triênio 2004 – 2006:

4% ao ano, com desvio de + ou – 0,5 %.

60


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

O CENÁRIO BRASIL 2007 – 2010

Condições favoráveis (I)

Setor Real

Dimensões atrativas (10º economia mundial).

Estrutura produtiva diversificada.

Potencial para grandes projetos.

◊ Infra-estrutura.

◊ Indústria de base.

Auto-suficiência em petróleo e bons potenciais para fontes alternativas de energia.

Cadeia de produção com vantagens competitivas globais.

Atualização tecnológica das empresas.

Impacto do PAC na reativação dos investimentos.

Setor financeiro

Sistema financeiro forte.

Mercado de capitais em reativação consistente.

4. UMA SÍNTESE

4.2.Cenário Brasil

61


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

O CENÁRIO BRASIL 2007 – 2010

Condições favoráveis (II)

Setor externo

Dispersão das correntes de comércio exterior do país:

◊ Por produtos.

◊ Por empresas.

◊ Por países.

Vulnerabilidade das contas cambiais sob controle

Risco-país em baixa.

Setor Governo

Amadurecimento macroeconômico.

Foco na recuperação dos índices históricos de crescimento.

4. UMA SÍNTESE

4.2.Cenário Brasil

62


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

O CENÁRIO BRASIL 2007– 2010

Condições desfavoráveis

Institucionais

Justiça: complexidade e lentidão processual.

Tolerância com desvios em relação às boas práticas econômicas.

Política ambiental: rigidez e lentidão na avaliação de impactos.

Crises políticas potenciais e governabilidade complexa.

Composição pluralista do governo, dificultando definições estratégicas.

Socioeconômicas

Baixo crescimento nos últimos 25 anos: 1/2 do mundial, 1/3 dos emergentes e 1/4 da China.

Baixa poupança interna e baixa relação investimentos / PIB

Investimento direto estrangeiro retraído.

Pressão tributária: complexidade, carga excessiva e destinação para gastos de custeio.

Infra-estrutura: precária e insuficiente.

Condições sociais: educação, pobreza e violência.

Fundings de longo prazo insuficientes.

Crédito: volume ainda reduzido e altos custos.

Baixa capacidade de produção da indústria de base.

4. UMA SÍNTESE

4.2.Cenário Brasil

63


Material preparado e de responsabilidade do professor J. P. Rossetti

O CENÁRIO BRASIL 2007 – 2010

Um síntese conclusiva

4. UMA SÍNTESE

4.2.Cenário Brasil

Dificuldades ainda presentes

para acelerar fortemente o crescimento

e alcançar o ritmo dos

grandes emergentes

64

More magazines by this user
Similar magazines