(UCLA), a Tractebel Energia

funcitec.rct.sc.br

(UCLA), a Tractebel Energia

Tecnologia Brasileira de Produção

de Energia a partir de Biomassa

(Unidade de Co-geração Lages)

2 o Seminário Catarinense de Mercado de Créditos de Carbono

10/03/2006


Histórico da Tractebel Energia

CHESF

ELETROBRÁS

FURNAS ELETROSUL ELETRONORTE ITAIPU

Desverticalização do Setor Elétrico Brasileiro

5.896 MW

ELETROSUL

Transmissão

de Energia

TRACTEBEL

ENERGIA S.A.

Dez/97

Mar/02

GERASUL

Geração de

Energia

GERASUL S.A.

3.719 MW

Privatização

Set/98


Tractebel Energia (TBLE) – Visão Geral

Maior gerador privado de energia elétrica do Brasil.

Capacidade instalada própria de 5.896 MW em 6 usinas

hidrelétricas e 7 usinas termelétricas.

8% da geração do Brasil e 46% dos estados da Região Sul.

Crescimento de 66% da capacidade de fornecimento de

energia nos últimos 5 anos.


Lages Bioenergética

Suez Energy

Brasil

Consórcio

Estreito Energia

ITASA

SUEZ S.A.

Cia. Energética

São Salvador

100% 48,75%

100%

Lages

Bioenergética

Cia. Energética

Meridional

Suez Energy

South

America

Tractebel

Energia

100%

Tractebel

Energia

Comercializadora


Plantas em Operação

UHE SALTO SANTIAGO

1.420MW

UHE SALTO OSÓRIO

1.078MW

UHE ITÁ (ITASA)

1.450MW

UTE WILLIAM ARJONA

UTE ALEGRETE

66MW

190MW

UHE PASSO FUNDO

226MW

UHE CANA BRAVA (CEM)

450MW

UHE MACHADINHO (MAESA)

1.140MW

UTE JORGE LACERDA

857MW

UC LAGES

28MW

UTE CHARQUEADAS

72MW


Clientes

7 distribuidores

15 comercializadores

95 consumidores

industriais, distribuídos

em 12 estados SP, GO,

PR, RJ, RS, BA, MA, MS,

MT, MG, SC e DF


Estrutura da Apresentação

Potencial de Geração com Biomassa no Brasil

Unidade de Co-geração Lages (UCLA)

Projeto de Redução de Emissões de Metano Lages


Estrutura da Apresentação

Potencial de Geração com Biomassa no Brasil

Unidade de Co-geração Lages (UCLA)

Projeto de Redução de Emissões de Metano Lages


Fontes de Biomassa no Brasil

Bagaço de Cana-de-Açúcar e Álcool

Carvão Vegetal

Lenha e Resíduos de Madeira

Resíduos Agrícolas e Óleos Vegetais

Resíduos Industriais e Municipais


Potencial de Geração de Energia Elétrica

a partir de Resíduos Florestais (Silvicultura)

Fonte: CENBIO 2003


Potencial de Geração de Excedente de

Energia Elétrica no Setor Sucroalcooleiro

Fonte: CENBIO 2003


Potencial de Geração de Energia Elétrica

a partir do Óleo de Palma (Dendê)

Fonte: CENBIO 2003


Potencial de Geração de Energia Elétrica

a partir de Casca de Arroz

Fonte: CENBIO 2003


Potencial de Geração de Energia Elétrica

a partir de Casca de Castanha de Caju

Fonte: CENBIO 2003


Potencial de Geração de Energia Elétrica

a partir de Coco-da-Baía

Fonte: CENBIO 2003


Diagrama Esquemático dos Processos de

Conversão Energética da Biomassa

Fonte: MME


Usinas Termelétricas a Biomassa em

Operação e Potência Instalada por Estado

Fonte: ANEEL 2003


Usinas Termelétricas a Biomassa em

Operação e Potência Instalada por Estado

Biomassa

RS

Capacidade Instalada (MW)

SC PR Sul Brasil

Biogás 0,00 0,00 0,00 0,00 20,03

Licor Negro 47,00 73,82 48,85 169,67 665,57

Carvão Vegetal 0,00 0,00 0,00 0,00 8,00

Casca de Arroz 6,40 0,00 0,00 6,40 6,40

Bagaço de Cana-de-Açúcar 0,00 7,87 103,02 110,89 2.177,84

Resíduos de Madeira 11,80 60,35 23,00 95,15 192,83

Total 65,20 142,04 174,87 382,11 3.070,67

PROJETOS DE GERAÇÃO COM BIOMASSA EM

OPERAÇÃO NO BRASIL (2005)

70,9%

6,3% 0,7%

21,7%

0,3% 0,2%

Biogás

Licor Negro

Carvão Vegetal

Casca de Arroz

Bagaço de Cana-de-Açúcar

Resíduos de Madeira


Geração de Eletricidade com Biomassa

53,2%

CONSUMO FINAL DE BIOMASSA POR SETOR (2004)

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE USANDO BIOMASSA

(2004)

4.501 GWh

27%

4.220 GWh

26%

660 GWh

4%

14,1%

12,2%

16,2%

4,0%

0,3%

6.964 GWh

43%

Setor de Energia

Residencial

Comercial e Público

Agricultura

Transporte

Industrial

Lenha

Bagaço de Cana

Licor Negor

Outros Resíduos

Basicamente autoprodução.

Carvão vegetal e álcool não

são usados.

Representa cerca de 43% do

total de eletricidade gerada por

autoprodutores em 2004 (38.000

GWh).

Representa cerca de 4% do

total de eletricidade gerada em

2004 (387.500 GWh).

Fonte: BEN 2005


Projetos de Geração a Biomassa - Potencial

Resíduos de indústrias que já utilizam biomassa em seu processo

produtivo e que estão disponíveis sem custos de transporte (casca de

arroz, bagaço de cana-de-açúcar, resíduos de madeira).

Resíduos que podem ser coletados e transportados a baixo custo.

Setores onde a co-geração é uma tecnologia já aplicada (açúcar e

álcool, papel e celulose, indústrias madeireiras).

Projetos entre 10 e 20 MW usando ciclo a vapor convencional.


Projetos de Geração a Biomassa - Vantagens

Período de construção reduzido (1,5 a 2 anos).

Investimentos em moeda nacional.

Combustível de baixo custo quando comparado a combustíveis fósseis.

Localização próxima ao ponto de consumo com redução nos custos de

transmissão de energia.

Projetos são elegíveis ao Mecanismo de Desenvolvimento Limpo

estabelecido pelo Protocolo de Quioto.


Santa Catarina

Santa Catarina tem 17% do Pinus no Brasil (Pinus Elliottii de

reflorestamentos) e cerca de 3.200 indústrias de processamento de

madeira.

Região de Lages tem cerca de 20% do Pinus em Santa Catarina.

Em 2001, objetivando desenvolver a Unidade de Co-geração Lages

(UCLA), a Tractebel Energia (TBLE) contratou um estudo da UNIPLAC

para identificar o potencial de resíduos de madeira na região.

Estudo identificou cerca de 300 indústrias de processamento de

madeira em um raio de 120 km de Lages, gerando cerca de 90.000

ton/mês das quais 20% não era usada, sendo depositada a céu aberto.


Estrutura da Apresentação

Potencial de Geração com Biomassa no Brasil

Unidade de Co-geração Lages (UCLA)

Projeto de Redução de Emissões de Metano Lages


Co-geração - Conceito

Processo em que a energia química do combustível é

convertida em energia térmica e energia mecânica/elétrica.

Aumento da eficiência: redução de cerca de 20% no

consumo de combustível.


UCLA – Ficha Técnica

Capacidade de Produção de Vapor – 120 ton/h

Pressão do Vapor – 64 bar abs

Temperatura do Vapor – 480°C

Vazão Máxima Vapor Extração – 25 t/h

Potência Nominal – 28 MW

Tensão Nominal de Geração – 13,8 kV

Freqüência Nominal – 60 Hz

Consumo de Combustível (Carga Nominal) – 52 ton/h


UCLA – Modelo de Negócio

Battistella

Captação Rio Caveiras

< 1,7% da vazão mínima do Rio

Água

Vapor de Processo – 25 ton/h

Energia Energia

Geração – 28MWh

Venda – CELESC 22MWh 22MWh

Consumidores Livres 3MWh

Resíduos Madeira – Indústrias e Florestas


UCLA – Diagrama Esquemático (1)

Captação

D’Água do

Rio Caveiras

Silo

Pulmão

===

Biomassa

Caldeira

Tratamento D’Água

Torres de

Resfriamento

A r Condensador

Desaerador

Indústrias

Turbina

a Vapor

de Vapor

Gerador

28 MW


UCLA – Diagrama Esquemático (2)

Silo

Pulmão

===

Biomassa

A r

Caldeira

Tratamento de Fuligem

Aquec.

Ar

Economizador

Aquec.

Ar

Lavador

de

Gases

A r

A r Água

Exaustor

Chaminé


Unidade de Co-geração Lages – UCLA


Unidade de Co-geração Lages – UCLA

Portaria Pátio de Biomassa

Stack Picador


Unidade de Co-geração Lages – UCLA

Alimentação Biomassa Silo Pulmão

Caldeira Lavador de Gases


Unidade de Co-geração Lages – UCLA

Sala de Comando Turbogerador

Torre de Resfriamento Chaminé


Estrutura da Apresentação

Potencial de Geração com Biomassa no Brasil

Unidade de Co-geração Lages (UCLA)

Projeto de Redução de Emissões de Metano Lages


Projeto Lages no MDL

Nome: Projeto de Redução de Emissões de Metano Lages

(“Lages Methane Avoidance Project”).

Tipo: Atividade de projeto de pequena escala.

Metodologia Aplicada: AMS III.E (“Avoidance of methane

production from biomass decay through controlled

combustion”).

Montante de Redução de Emissões (REs): 220.439

tCO2e/ano.

Período de Crédito: Fixo (10 anos).


Redução de Emissões do Projeto Lages

Emissões de GEE

Início do

Projeto

Nível de Emissões SEM o Projeto

Tempo

Nível de Emissões COM o

Projeto

Créditos de

Carbono para

Venda


Redução de Emissões do Projeto Lages

Emissões GEE sem o Projeto Lages resultam de:

1) Emissões de metano (CH4) da decomposição anaeróbica

dos resíduos de madeira depositados a céu aberto.

Emissões de GEE com o Projeto Lages resultam de:

2) Emissões de CH4 e N2O da combustão dos resíduos de

madeira;

3) Emissões de CO2, CH4 e N2O do transporte dos resíduos

de madeira e do transporte das cinzas.

Redução de Emissões: REs = 1 – (2 + 3)

REs resultante da substituição da geração com combustíveis

fósseis por combustível renovável não foi solicitada.


Histórico (1)

Ago/2003 – Começo da negociação com o Prototype Carbon

Fund (PCF) do Banco Mundial e aprovação do Project

Information Note (PIN).

Fev/2004 – Project Concept Note (PCN).

Abr/2004 – Carta de Intenção com o Banco Mundial.

Jul/2004 – Primeira versão do Documento de Concepção do

Projeto (DCP 1).

Fev/2005 – Combinação das metodologias no DCP 1 não foi

aceita pela Entidade Operacional Designada (EOD) e uma nova

metodologia teria de ser submetida ao Executive Board (EB)

do UNFCCC.


Histórico (2)

Mar/2005 – Segunda versão do DCP (DCP 2).

Jul/2005 – Combinação das metodologias no DCP 2 não foi

aceita pela EOD.

Jul/2005 – Terceira versão do DCP (DCP 3) enquadrando o

projeto como pequena escala (DCP e metodologia

simplificados, mais rápida validação, somente 30 dias de

análise pelo EB e taxa de registro reduzida).

Ago/2005 – Comentários públicos do DCP 3 e visita da EOD

ao Projeto Lages.

Set/2005 – DCP 3 foi validado pela EOD.


Histórico (3)

Nov/2005 – Obtenção da Carta de Aprovação da Autoridade

Nacional Designada (AND).

Mar/2006 – Submissão do Projeto Lages para registro junto

ao EB do UNFCCC.


Estimativas de Redução de Emissões

1) Project Concept Note (PCN).

2) DCP 1 (Combinação de AM0004 com AM0015).

3) DCP 2 (Combinação de AM0004 com AMS III.E.

4) DCP 3 (AMS III.E).

(tCO2e/ano)

300,000

250,000

200,000

150,000

100,000

50,000

0

38.500

80.000

Estimativas de Redução de Emissões

46.510

138.903

24.951

241.606

1 2 3 4

Estimativas

Metano Evitado Substituição de Eletricidade

0

220.439


Próximas Etapas

Análise do projeto pelo EB por um período de 30 dias.

Registro do projeto.

Verificação inicial e certificação das Reduções de Emissão.

Negociação das Reduções de Emissão.


Contato

OBRIGADO!!

GABRIEL MANN DOS SANTOS

Desenvolvimento de Negócios

gabriel@tractebelenergia.com.br

Fone: (48) 3221-7147

More magazines by this user
Similar magazines