O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E A ISENÇÃO DA ... - ABCE

abce.org.br

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E A ISENÇÃO DA ... - ABCE

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL E A ISENÇÃO DA RESERVA LEGAL PARA

ÁREAS INUNDADAS PELOS RESERVATÓRIOS DAS HIDRELÉTRICAS

Sérgio Pacheco 1

SUMÁRIO: 1 – INTRODUÇÃO; 2 – MEIO AMBIENTE E ENERGIA:

CONSIDERAÇÕES INICIAIS; 3 – HISTÓRICO DA RESERVA FLORESTAL

LEGAL; 4 - A RESERVA LEGAL NO PROJETO DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

5 – RESERVA LEGAL - FINALIDADE E NATUREZA JURÍDICA; 6 –

PROPRIEDADE RURAL - CONCEITO E A FUNÇÃO SOCIAL E ECONÔMICA; 7 –

HIDRELÉTRICA, RESERVA LEGAL E COMPENSAÇÃO AMBIENTAL; 8 –

CONSIDERAÇÕES FINAIS; 9 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.

RESUMO

O presente trabalho tem como tema de estudo o Instituto da Reserva Florestal Legal. Pretende-se

investigar o contexto histórico, culminando na proposta do Projeto de Lei do Novo Código Florestal

para a matéria. Em seguida será analisada a finalidade e natureza jurídica, bem como os pressupostos

jurídicos para sua incidência. Finalmente, discute-se a legalidade de sua exigência para o caso das áreas

inundadas em virtude do enchimento de reservatórios das usinas para produção de energia hidrelétrica.

PALAVRAS-CHAVE: Reserva Legal, Meio Ambiente, Hidrelétricas.

ABSTRACT

The present work is to study the theme of the Institute of Legal Forest Reserve. It is intended

to investigate the historical context, culminating in the proposed Bill of the New Forest Code to the

matter. Then we will analyze the purpose and legal nature, as well as the legal conditions for

their occurrence. Finally, we discuss the legality of the requirement for the case of the flooded

areas due to the filling of reservoirs of plants for the production of hydroelectric power.

KEY-WORDS: Legal Reserve, Environment, Hydropower.

1 Advogado e Geógrafo, Bacharel em Direito pela UNIFEMM (1997) e em Geografia pela UFMG (2007). Pós graduado em Gestão Estratégia pela

FACE/UFMG (2002) e em Engenharia Sanitária e Meio Ambiente - Área de Concentração: Meio Ambiente pela Escola de Engenharia/UFMG (2003),

Mestrando em Direito Ambiental e Sustentabilidade pela Escola Superior Dom Helder Câmara. Atualmente atua como Advogado na área de Direito

Regulatório na Superintendência Jurídica Executiva da Companhia Energética de Minas Gerais – CEMIG.

1


1 - INTRODUÇÃO

O Instituto da Reserva Florestal Legal, ou Reserva Legal, tem suas raízes históricas na

necessidade de preservar parte do solo de imóvel rural para fins de conservação de cobertura

florestal. No entanto, com o passar dos anos, a Reserva Legal foi assumindo sua nobre função

ecológica de cobertura florestal.

Mais precisamente a partir do início da década de 2000, a obrigação de constituição, e

consequente averbação em Cartório de Registro de Imóveis, da Reserva Legal, que inicialmente

cabia aos proprietários rurais, tem se estendido, também, por força da exigência de alguns órgãos

ambientais estaduais, às outras propriedades localizadas na área rural, apesar de não exercerem

atividades características da propriedade rural. Esse é o caso dos reservatórios de água da indústria

de geração de energia elétrica, que são formados a partir do barramento dos rios.

Este artigo é fruto dos debates das áreas jurídicas e ambientais das empresas do setor

elétrico acerca da questão da averbação da Reserva Legal para áreas de reservatórios,

principalmente em Minas Gerais onde o órgão ambiental estadual passou a exigir a Reserva Legal

como "compensação ambiental" para a liberação das licenças ambientais, assim como para

regularização dos empreendimentos antigos que passam por licenciamento corretivo e também na

renovação de licenças de operação anteriormente concedidas.

Essa situação tem gerado polêmica devido ao atraso no processo de licenciamento

ambiental desses empreendimentos, bem como devido ao fato dessa obrigação gerar novos custos

associados à produção de energia elétrica. A matéria foi submetida recentemente ao judiciário,

que já se posicionou contrário ao pleito dos órgãos ambientais, como será visto mais adiante.

2


O assunto foi levado às entidades representativas das empresas do setor elétrico, tendo sido

discutido, especialmente, no Grupo de Trabalho constituído no âmbito do Comitê de Meio

Ambiente da Associação Brasileira de Companhias de Energia Elétrica (ABCE) 2 .

Em agosto de 2011, sob coordenação da assessora jurídica Adriana Coli Pereira, o assunto

foi discutido na reunião do Fórum de Meio Ambiente do Setor Elétrico (FMASE) 3 , que congrega

entidades representativas de todos os agentes do setor elétrico.

O presente artigo foi elaborado tendo como referência a experiência do autor, advogado

militante na área de Direito da energia e meio ambiente, a trinta anos trabalhando para empresa do

setor elétrico. As discussões acerca da Reserva Florestal Legal foram iniciadas na rotina da área

jurídica e ambiental da empresa, sendo levadas posteriormente para o âmbito do Comitê de Meio

Ambiente da Associação Brasileira de Companhias de Energia Elétrica (ABCE) e do Fórum de

Meio Ambiente do Setor Elétrico (FMASE), que contribuíram para a redação do § 6º do art. 3º do

Projeto de Lei nº 1.876-C de 1999, que estabelece o Novo Código Florestal brasileiro.

No presente artigo resgata-se os argumentos jurídicos que foram construídos ao longo da

discussão, que contou com a genuína contribuição dos pareceres emitidos pelos juristas Alacir S.

Borges, Édis Milaré e Paulo de Bessa Antunes, sobre o assunto.

Inicialmente, tratou-se de contextualizar o tema energia e meio ambiente e o licenciamento

ambiental de empreendimentos hidrelétricos. No capítulo seguinte realiza-se o levantamento

histórico da legislação pertinente à Reserva Legal, culminando com a análise da proposta prevista

no Projeto de Lei do Novo Código Florestal brasileiro 4 . Na sequência, será realizada a análise dos

aspectos jurídicos e a sua função social e econômica da Reserva Legal, bem como a análise do

Instituto da Compensação Ambiental, como forma adequada e legalmente estruturada de

compensação aos impactos provocados pela instalação de hidrelétricas.

2 Disponível em: http://www.abce.org.br/entrevista_mes.php?id=27. Acesso em: 25 abril 2012.

3 Disponível em: http://www.fmase.com.br/FMASE/arquivos/apre_fmase/Dra.%20Adriana%20Coli%20Pedreira%20-

%20Legisla%C3%A7%C3%A3o%20Ambiental%202011.pdf. Acesso em: 25 abril 2012.

4 No momento de fechamento deste artigo, o Projeto de Lei do novo Código Florestal, aprovado na Câmara Federal no dia 26 de abril de 2012, aguardava

a sanção ou o veto da Presidente Dilma Rousseff.

3


Nada obstante à legítima pretensão dos órgãos ambientais de promover a proteção ao meio

ambiente, frente aos inegáveis e relevantes impactos socioambientais ocasionados pela

implantação das hidrelétricas, no presente artigo pretende-se discorrer sobre a recente utilização

do Instituto Reserva Legal, que se acredita não ser o instrumento adequado juridicamente à

finalidade de compensação ambiental.

2- MEIO AMBIENTE E ENERGIA: CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Hodiernamente, as questões energética e ambiental têm se constituído em temas de

bastante relevância na vida das pessoas, na medida em que envolvem a essência das relações

homem/sociedade/natureza. Segundo esclarecem Bernardes e Ferreira 5 :

A compreensão tradicional das relações entre a sociedade e a natureza desenvolvidas até o

século XIX, vinculadas ao processo de produção capitalista, considerava o homem e a

natureza como polos excludentes, tendo subjacente a concepção de uma natureza objeto,

fonte ilimitada de recursos à disposição do homem.

Com base nessa concepção, desenvolveram-se práticas, por meio de um processo de

industrialização, em que a acumulação se realiza através da exploração intensa dos recursos

naturais, com efeitos perversos para a natureza e para os homens.

É neste contexto de busca pelo desenvolvimento industrial que ocorre o barramento dos

rios para possibilitar a formação dos reservatórios de água das usinas hidrelétricas.

As obras hidrelétricas, de uma forma geral, produzem grandes impactos socioambientais,

que são verificados ao longo e além do tempo de vida da usina e do projeto, bem como ao longo

do espaço físico envolvido 6 . Uma usina hidrelétrica demanda a inundação de uma vasta área, para

5 BERNARDES e FERREIRA (2003)

6 Para uma análise detalhada sobre os impactos socioambientais da instalação de usinas hidrelétricas, consultar Zhouri, Laschefski e Paiva (2005).

4


a ocupação de seu reservatório, cuja capacidade de acumular água é responsável por garantir a

oferta de energia mesmo em tempo de poucas chuvas.

A obrigatoriedade de avaliação dos impactos socioambientais das atividades

potencialmente poluidoras e a adoção de medidas de controle ambiental, como é o caso das

hidrelétricas, é um procedimento relativamente recente no Brasil e acompanha a retomada da

democracia, após o término do período autoritário que se instaurou com o golpe militar de 1964.

Instituída pela Lei 6.938/81, o procedimento foi consagrado pelo Art. 225 da Constituição Federal

do Brasil de 1988 7 . A Política Nacional de Meio Ambiente tem entre os seus instrumentos de

controle ambiental o procedimento administrativo de licenciamento ambiental, a ser conduzido

pelo Poder Público, através dos órgãos ambientais.

Da jovem experiência do licenciamento ambiental de hidrelétricas no Brasil pode-se

afirmar que quase sempre há conflitos gerados entre os interesses e necessidades dos

empreendedores e os interesses dos atingidos pela instalação da usina. Conforme destaca o

Professor Carlos Vainer 8 , na implementação das chamadas “medidas mitigadoras e

compensatórias” dos impactos ambientais, quase sempre, ocorrem conflitos, em geral não

previstos nos estudos de impactos ambientais elaborados pelos técnicos contratados pelos

empreendedores.

Apesar das polêmicas, o licenciamento ambiental é um dos principais instrumentos de

implantação das políticas públicas de meio ambiente. A finalidade do licenciamento ambiental é

compatibilizar proteção de recursos naturais com o atendimento às necessidades da sociedade,

potencializadas pelo surgimento da chamada sociedade de consumo 9 Encontra previsão legal

genérica no art. 9º, inciso IV e no art. 10 da Lei 6.938/81. Assim, depende de prévia concessão por

parte de entidades vinculadas ao Sistema Nacional do Meio Ambiente – SISNAMA, de licenças

para a construção, instalação, ampliação e funcionamento de atividades utilizadoras de recursos

7 BRASIL (1988)

8 VAINER (1996)

9 FINK et al (2000)

5


ambientais, bem como para os empreendimentos capazes, sob qualquer forma, de causar

degradação ambiental.

O processo de licenciamento ambiental está estruturado fundamentalmente em três

dimensões autorizativas distintas e sucessivas, que acompanham a atividade em suas fases de

planejamento, implantação e operação, correspondentes, respectivamente, às Licenças Prévias -

LP, de Instalação - LI e de Operação - LO. Configura-se Licença Prévia a etapa do procedimento

licenciatório propícia à formação do juízo de viabilidade ambiental, o que, de regra, vincula-se ao

exame do Estudo e do Relatório de Impacto Ambiental – EIA/RIMA, instrumento inscrito no art.

225, § 1º, inciso IV da Constituição da República, dispositivo que o estrutura como requisito

inarredável para a instalação de atividades potencialmente causadoras de significativa degradação

do meio ambiente.

A regulamentação daquele dispositivo constitucional ocorreu com a publicação da

Resolução CONAMA nº 01/1986, que estabeleceu os critérios e diretrizes gerais para elaboração

do EIA/RIMA.

É nesse contexto de sucessivas normas regulamentares que se insere o processo de

licenciamento ambiental dos empreendimentos hidrelétricos e a adoção das medidas mitigadoras e

compensatórias aos impactos ambientais. Mais recentemente, alguns órgãos ambientais estaduais

passaram a exigir a constituição e averbação da Reserva Legal como forma de compensar as áreas

inundadas para formação dos reservatórios das hidrelétricas. Entretanto, como será argumentado

no presente trabalho, o Instituto Reserva Legal tem fundamentação jurídica distinta e não se

confunde com a Compensação Ambiental, sendo inaplicável para o caso dos reservatórios das

hidrelétricas.

3 - HISTÓRICO DA RESERVA FLORESTAL LEGAL

6


O Código Florestal de 1965 foi editado objetivando a proteção de nossas reservas

florestais, na redação original determinada pela Lei 4.771, de 15.09.1965, que estabeleceu, pelo só

efeito da lei, as áreas de preservação permanente e determinou a instituição de uma reserva em

parte do solo de imóvel rural para fins de conservação de cobertura florestal.

A partir daí, em razão do crescente debate sobre a função ecológica da Reserva Legal de

cobertura florestal, a Lei 4.771/65 veio sofrendo alterações, afastando-se cada vez mais de sua

concepção original, até mesmo porque os conhecimentos das especificidades do meio ambiente

apontam sempre para novos rumos ou correções de rota.

Com a Constituição Federal de 1988, passou-se a dar maior relevância ao meio ambiente;

ele é tratado da forma mais ampla possível, sem perder de vista os elementos que o compõem e a

interação existente entre eles. É o que ocorre com a floresta e a biodiversidade a ela relacionada,

assim como a estreita relação entre a floresta e os recursos hídricos, todos estes bens tutelados

como elementos indissociáveis pelo Artigo 225, entre outros dispositivos constitucionais.

Nessa evolução normativa, o atual texto do Código Florestal resulta de redação dada pela

Medida Provisória 2.166-67, veiculada e “congelada” em 24.08.2001, que teve origem na Medida

Provisória 1.511, de 25.07.1996 e que incorporou conceitos de gestão ambiental.

Dessa forma, anunciada como ação para conter o desmatamento na Amazônia, a referida

Medida Provisória aumentou de 50% para 80% a área de Reserva Legal em propriedade rural em

região de florestas na Amazônia Legal. Além disso, proibiu a expansão da conversão de áreas

arbóreas em agrícolas nas propriedades rurais que possuíssem áreas já desmatadas, abandonadas

ou subutilizadas. Também, a utilização das áreas com cobertura florestal nativa, na região Norte e

parte da região Centro-Oeste, passou a ser permitida somente na forma de manejo sustentável.

7


De fato, hoje, com esta nova conformação dada pela Medida Provisória 2.166/2001, a

Reserva Legal encontra-se definida pelo artigo 1º, § 2º, III, do Código Florestal, denotando uma

forte preocupação ambiental, verbis:

Área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, excetuada a de preservação

permanente, necessária ao uso sustentável dos recursos naturais, à conservação e reabilitação

dos processos ecológicos, à conservação da biodiversidade e ao abrigo e proteção de fauna e

flora nativas.

Todavia, não obstante o novo enfoque dado à Reserva Legal, a regra expressada na atual

redação do art. 16 do Código Florestal 10 , em sua essência, é a mesma contida em sua antiga

redação. Ou seja, mesmo com as inovações introduzidas pela Medida Provisória 2.166/01, o artigo

16, caput, do Código Florestal mantém disciplinada a supressão das (i) florestas e demais formas

de vegetação nativa, ressalvadas, é claro, as situadas em área de preservação permanente, e das

(ii) florestas não sujeitas ao regime de utilização limitada ou objeto de legislação específica.

E, ao permitir a supressão, determina que se mantenha obrigatoriamente uma parte da

propriedade rural com cobertura florestal ou com outra forma de vegetação nativa. Para tanto,

delimita a porção a ser constituída como Reserva Legal, no novo percentual fixado para cada

situação descrita nos incisos e parágrafos do atual Art. 16.

Visto isso, é possível perceber a abrangência do Art. 16 do Código Florestal, o qual se

aplica às propriedades rurais com florestas nativas ou plantadas para fins de exploração

econômica, que não estão sujeitas ao regime de utilização limitada ou à proteção específica, mas

que devem respeitar as áreas de Reserva Legal e, se for o caso, as de preservação ambiental.

Em suma, em conformidade com o doutrinador Édis Milaré, a Reserva legal:

10 Lei 4.771/1965 – Código Florestal - “Art. 16. As florestas e outras formas de vegetação nativa, ressalvadas as situadas em área de preservação

permanente, assim como aquelas não sujeitas ao regime de utilização limitada ou objeto de legislação específica, são suscetíveis de supressão, desde que

sejam mantidas, a título de reserva legal, no mínimo: I - oitenta por cento, na propriedade rural situada em área de floresta localizada na Amazônia Legal;

II - trinta e cinco por cento, na propriedade rural situada em área de cerrado localizada na Amazônia Legal, sendo no mínimo vinte por cento na

propriedade e quinze por cento na forma de compensação em outra área, desde que esteja localizada na mesma microbacia, e seja averbada nos termos do §

7 o deste artigo; III - vinte por cento, na propriedade rural situada em área de floresta ou outras formas de vegetação nativa localizada nas demais regiões do

País; e IV - vinte por cento, na propriedade rural em área de campos gerais localizada em qualquer região do País.”

8


(...) é uma limitação inerente ao atendimento da função social no exercício do direito da

propriedade rural, recomendada pela Carta Constitucional de 1988, independentemente da

vegetação ali existente (natural, primitiva, regenerada ou plantada) ou do fato de essa vegetação

ter sido substituída por outro uso do solo. Essa a intenção do Código Florestal de 1965, que

ainda persiste. 11

4 – A RESERVA LEGAL DOS RESERVATÓRIOS DAS HIDRELÉTRICAS NO

PROJETO DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

O Projeto de Lei nº 1.876 de 1999, que estabelece o Novo Código Florestal brasileiro,

propõe grandes mudanças em relação à obrigação de constituição, averbação e manutenção da

Reserva Florestal Legal. Embora tenha ocorrido a votação do texto no Congresso Nacional, se

cogite um eventual veto presidencial, seja total ou parcial 12 . Para melhor entendimento dessas

propostas de alterações, será descrita na íntegra a redação da Seção I do Capítulo IV – Da Área de

Reserva Legal, prevista no Projeto de Lei:

CAPÍTULO IV

DA ÁREA DE RESERVA LEGAL

Seção I

Da Delimitação da Área de Reserva Legal

Art. 13. Todo imóvel rural deve manter área com cobertura de vegetação nativa, a título de

Reserva Legal, sem prejuízo da aplicação das normas sobre as Áreas de Preservação

Permanente, observando os seguintes percentuais mínimos em relação à área do imóvel:

I – localizado na Amazônia Legal:

a) 80% (oitenta por cento), no imóvel situado em área de florestas;

b) 35% (trinta e cinco por cento), no imóvel situado em área de cerrado;

c) 20% (vinte por cento), no imóvel situado em área de campos gerais;

II – localizado nas demais regiões do País: 20% (vinte por cento).

§ 1º Em caso de fracionamento do imóvel rural, a qualquer título, inclusive para assentamentos

pelo Programa de Reforma Agrária, será considerada, para fins do disposto no caput, a área do

imóvel antes do fracionamento.

§ 2º O percentual de Reserva Legal em imóvel situado em área de formações florestais, de

cerrado ou de campos gerais na Amazônia Legal será definido considerando separadamente os

índices contidos nas alíneas a, b e c do inciso I do caput.

§ 3º Após a implantação do Cadastro Ambiental Rural, a supressão de novas áreas de floresta

ou outras formas de vegetação nativa apenas será autorizada pelo órgão ambiental estadual

integrante do Sisnama, se o imóvel estiver inserido no mencionado cadastro, ressalvado o

previsto no art. 32.

§ 4º Nos casos da alínea a do inciso I, o poder público poderá reduzir a Reserva Legal para até

50% (cinquenta por cento), para fins de recomposição, quando o Município tiver mais de 50%

(cinquenta por cento) da área ocupada por unidades de conservação da natureza de domínio

público e terras indígenas demarcadas.

11 MILARÉ (2009)

12 Conforme mencionado, no momento de fechamento deste artigo, o Projeto de Lei do novo Código Florestal, aprovado na Câmara Federal no dia 26 de

abril de 2012, aguardava a sanção ou o veto da Presidente Dilma Rousseff.

9


§ 5º Os empreendimentos de abastecimento público de água não estão sujeitos à constituição de

Reserva Legal.

§ 6º Não será exigido Reserva Legal relativa às áreas adquiridas ou desapropriadas por

detentor de concessão, permissão ou autorização para exploração de potencial de energia

hidráulica, nas quais funcionem empreendimentos de geração de energia elétrica,

subestações ou sejam instaladas linhas de transmissão e de distribuição de energia

elétrica.

§ 7º Nos imóveis com área de até 4 (quatro) módulos fiscais que possuam remanescentes de

vegetação nativa em percentuais inferiores ao previsto no caput, a Reserva Legal será

constituída com a área ocupada com a vegetação nativa existente em 22 de julho de 2008,

vedadas novas conversões para uso alternativo do solo.

Art. 14. Quando indicado pelo Zoneamento Ecológico-Econômico – ZEE estadual, realizado

segundo metodologia unificada, o poder público federal poderá:

I - reduzir, exclusivamente para fins de regularização da área rural consolidada, a Reserva Legal

de imóveis situados em área de floresta localizada na Amazônia Legal para até 50% (cinquenta

por cento) da propriedade, excluídas as áreas prioritárias para conservação da biodiversidade,

dos recursos hídricos e os corredores ecológicos;

II – ampliar as áreas de Reserva Legal em até 50% (cinquenta por cento) dos percentuais

previstos nesta Lei, para cumprimento de metas nacionais de proteção à biodiversidade ou de

redução de emissão de gases de efeito estufa.

Parágrafo único. No caso previsto no inciso I do caput, o proprietário ou possuidor de imóvel

rural que mantiver Reserva Legal conservada e averbada em área superior aos percentuais

exigidos no referido inciso, poderá instituir servidão ambiental sobre a área excedente, nos

termos da Lei 6.938, de 31 de agosto de 1981.

Art. 15. A localização da área de Reserva Legal no imóvel rural deverá levar em consideração

os seguintes estudos e critérios:

I - o plano de bacia hidrográfica;

II - o zoneamento ecológico-econômico;

III - a formação de corredores ecológicos com outra Reserva Legal, Área de Preservação

Permanente, unidade de conservação ou outra área legalmente protegida;

IV – áreas de maior importância para a conservação da biodiversidade; e

V – áreas de maior fragilidade ambiental.

§ 1º O órgão estadual integrante do Sisnama ou instituição por ele habilitada deverá aprovar a

localização da Reserva Legal após a inclusão do imóvel no Cadastro Ambiental Rural,

conforme o art. 30 desta Lei.

§ 2º Protocolada a documentação exigida para análise da localização da área de Reserva Legal,

nos termos do regulamento desta Lei, ao proprietário ou possuidor rural não poderá ser

imputada sanção administrativa, inclusive restrição a direitos, em razão da não formalização da

área de Reserva Legal.

Art. 16. Será admitido o cômputo das Áreas de Preservação Permanente no cálculo do

percentual da Reserva Legal do imóvel desde que:

I - o benefício previsto neste artigo não implique a conversão de novas áreas para o uso

alternativo do solo;

II - a área a ser computada esteja conservada ou em processo de recuperação, conforme

comprovação do proprietário ao órgão estadual integrante do Sisnama; e

III - o proprietário ou possuidor tenha requerido inclusão do imóvel no Cadastro Ambiental

Rural, nos termos desta Lei.

§ 1º O regime de proteção da Área de Preservação Permanente não se altera na hipótese prevista

neste artigo.

§ 2º O proprietário ou possuidor de imóvel com Reserva Legal conservada e inscrita no

Cadastro Ambiental Rural de que trata o art. 30, cuja área ultrapasse o mínimo exigido por esta

Lei, poderá utilizar a área excedente para fins de constituição de servidão ambiental, cota de

reserva ambiental e outros instrumentos congêneres previstos nesta Lei.

§ 3º O cômputo de que trata o caput aplica-se a todas as modalidades de cumprimento da

Reserva Legal, abrangendo tanto a regeneração, como a recomposição e a compensação, em

qualquer de suas modalidades.

10


Art. 17. Poderá ser instituída Reserva Legal em regi-me de condomínio ou coletiva entre

propriedades rurais, respeitado o percentual previsto no art. 13 em relação a cada imóvel,

mediante a aprovação do órgão competente do Sisnama.

Parágrafo único. No parcelamento de imóveis rurais, a área de Reserva Legal poderá ser

agrupada em regime de condomínio entre os adquirentes. (destacamos)

O texto do Projeto de Lei mantém os percentuais de Reserva Legal previstos na lei em

vigor, mas dá a produtores que desmataram antes de 22 de julho de 2008 diferentes oportunidades

de regularizar a situação. Ainda de acordo com o texto, pequenas propriedades não precisarão

recompor a reserva desmatada antes daquele ano. .

Para regularizar as áreas desmatadas até a data limite, os proprietários podem recompor a

área com o plantio intercalado de espécies nativas e exóticas; isolar a área para que ocorra a

regeneração natural; ou compensar a Reserva Legal em outra propriedade. Em qualquer das

possibilidades, será obrigatória a inscrição do imóvel no Cadastro Ambiental Rural (CAR).

As áreas utilizadas para a compensação devem ter a mesma extensão da área de Reserva

Legal a ser regularizada. A compensação pode ser feita em outro estado, mas é preciso que as

áreas estejam no mesmo bioma da reserva desmatada. Para a compensação em outro estado,

também é necessário que a área escolhida seja considerada prioritária. Essa definição de

prioridade pode ser feita pela União e pelos estados, por exemplo, para a conservação e

recuperação de ecossistemas ou espécies ameaçadas.

Para as propriedades de até quatro módulos fiscais, medida que varia de acordo com o

município, as regras são diferenciadas. Essas pequenas propriedades serão regularizadas com a

porcentagem de mata nativa existente em 2008, mesmo que inferior ao percentual exigido na lei.

Outra exceção à obrigatoriedade de recompor a reserva é para as propriedades de qualquer

tamanho que tenham desmatado de acordo com as leis vigentes à época, ainda que o percentual de

reserva esteja em desacordo com as regras atuais.

Entre os pontos polêmicos do novo Código Florestal que foram aprovados pela Câmara

dos Deputados e que tem sido alvo de críticas por parte dos ambientalistas destaca-se a

11


obrigatoriedade de recomposição de 15 metros da Área de Preservação Permanente (APP) em rios

que tenham até 10 metros de largura nas propriedades de até 400 hectares. Para os ambientalistas,

essa medida interfere somente na vida dos pequenos produtores. 13

No tocante aos empreendimentos hidrelétricos, o Projeto de Lei do novo Código Florestal

também trouxe novidades. Cedendo aos argumentos trazidos pelos representantes do setor

elétrico, o novo texto prevê no parágrafo 6º em destaque, a isenção da obrigação da constituição

de Reserva Legal para empreendimentos detentores de concessão, permissão ou autorização para

exploração de potencial de energia hidráulica.

Os argumentos jurídicos que fundamentam a excepcionalidade prevista no § 6º do art. 3º

do texto do PL nº 1.876/99, de isenção da exigência da Reserva Legal para o caso dos

reservatórios das usinas hidrelétrica, serão objeto da análise do presente artigo.

5 - RESERVA LEGAL - FINALIDADE E NATUREZA JURÍDICA

5.1 - Da Finalidade

Contextualizada a Reserva Legal sob o prisma da evolução normativa da legislação

ambiental, cabe verificar – sob o ângulo da interpretação sistemática e teleológica da lei – os

pressupostos que condicionam a análise do tema.

O intérprete deve pesquisar, utilizando-se da técnica teleológica de interpretação, buscando

quais os fins sociais e as exigências do bem comum a que se dirige o conjunto de normas

aplicáveis ao caso, adaptando-o à situação concreta.

13 “Produtores e ambientalistas de MT apostam que código vai sofrer vetos - Recomposição da área de preservação gera impasse entre os setores.

Ambientalistas criticam anistia e produtores alegam segurança jurídica”. – Disponível em: http://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/2012/04/produtores-eambientalistas-de-mt-apostam-que-codigo-vai-sofrer-vetos.html.

Acesso em 26 abril 2012.

12


Ao se tratar de processos complexos e de questões ambientais é preciso cuidar quanto à

aplicação do sentido puramente literal de uma norma isolada. O que se deve buscar, com efeito, é

a sua finalidade, adaptando-a às exigências sociais. Essa mentalidade transluz no artigo 5º da Lei

de Introdução do Código Civil Brasileiro, o qual estabelece diretrizes para a adaptação da lei ao

caso, verbis:

Art. 5º Na aplicação da lei, o juiz atenderá aos fins sociais a que ela se dirige e às exigências do

bem comum.

A bem ver, face à complexidade das questões jurídicas suscitadas no mundo moderno, a

exegese literal, isolada e excessivamente positivista, deve ser substituída por uma interpretação

sistemática que não deixe de considerar a inter-relação, a interdependência, a organicidade do

todo 14 , além da somatória com os demais princípios e direitos fundamentais previstos na

Constituição da República.

A Reserva Legal, de per si, não garante o alcance do fim preconizado pela Constituição,

eis que a sadia qualidade de vida e o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, por

envolverem inúmeros valores, são alcançados pela conjugação dos diversos meios fixados na Lei

Maior.

Também, não é suficiente para garantir a preservação da função ecológica da flora, vez

que isto é alcançado pela conjugação daqueles meios fixados no artigo 225, § 1º, da própria

Constituição, e segundo os citados instrumentos da Lei 9.985/00, que os regulamentou.

Contudo, ressalve-se que, com isso, não se quer dizer que a Reserva Legal não contribua

de forma indireta para a proteção do ambiente, principalmente quando agregada a outro maciço

florestal.

14 ALVES (2005).

13


Atualmente, com a nova conformação dada pela Medida Provisória 2.166/01, o art. 1º, §

2º, inciso III, do Código Florestal, estabelece que a Reserva Legal é “necessária ao uso

sustentável dos recursos naturais, à conservação e reabilitação dos processos ecológicos, à

conservação da biodiversidade e ao abrigo e proteção de fauna e flora nativas”.

Conforme já apontado anteriormente, essa alteração legislativa parece ter sido inspirada na

necessidade de proteção e de aproveitamento sustentável do bioma amazônico.

Dessa forma, o art. 16, § 2º, do Código Florestal, na redação dada pela Medida Provisória

2.166/01, proibiu o corte raso em área de Reserva Legal, permitindo apenas sua utilização sob

regime de manejo florestal sustentável. Pretendeu-se, com isso, evitar a conversão de áreas de

florestas em novas formas de uso alternativo do solo não vocacionados para a região amazônica.

Entretanto, em que pese o fim nobre em que está assentada a Medida Provisória, esta não é

suficiente para viabilizar e garantir o aproveitamento sustentável do bioma amazônico, podendo,

em certa medida, representar um entrave ao desenvolvimento da região e do país.

De fato, a origem remota da proteção da diversidade biológica prende-se ao conceito da

restauração dos processos ecológicos essenciais a que alude o artigo 225, § 1º, inciso I, da

Constituição da República, que ganhou disciplina própria na mencionada Lei nº 9.985/2000,

instituidora do Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza.

Na exata medida em que a Lei 9.985/00 estabelece os meios para a sua efetivação, que é

dar eficácia às correspondentes disposições da Constituição Federal, esgotando a matéria, o

expediente de se utilizar o Código Florestal para proteção da biodiversidade revela-se em medida

insuficiente e ineficaz, até porque este Código tem originariamente outra preocupação e função.

14


Não foi por outra razão que a Lei 9.985/00 revogou expressamente os artigos 5º e 6º da Lei

4.771/65, além dos artigos 5º da Lei 5.197/67 e 18 da Lei 6.938/81, pois tratavam da mesma

matéria.

Com isso, a Lei 9.985/00, muito mais completa e atualizada frente às hodiernas

preocupações relativas à biodiversidade, passou a tratar a matéria de forma sistematizada e

orgânica. Ao Código Florestal, restaram-lhe essencialmente os dispositivos que tratam da

vegetação, e mesmo assim de maneira compartimentada.

Assim, a busca da conservação da diversidade biológica deve ser norteada pelos

mecanismos legais concebidos para esse fim. Pretender alterar o conceito, o conteúdo e o alcance

de norma constitucional significa, em realidade, desvirtuar a sua finalidade, a par de ensejar toda a

sorte de questionamentos e comprometer sua aplicação correta e oportuna.

No que se refere à finalidade da Reserva Legal de servir como abrigo e proteção de fauna e

flora, cabe repisar, o assunto igualmente é objeto do regramento veiculado pela mencionada Lei

9.985/00. Ademais, o atendimento dessa finalidade depende da existência, muitas vezes, de áreas

contíguas formando maciços florestais ligados por corredores ecológicos.

Nesse passo é pertinente enfatizar o correspondente texto da Lei 9.985/00:

“Art. 2º - Para os fins previstos nesta Lei, entende-se por:

(...)

XIX - corredores ecológicos: porções de ecossistemas naturais ou seminaturais, ligando

unidades de conservação, que possibilitam entre elas o fluxo de genes e o movimento da biota,

facilitando a dispersão de espécies e a recolonização de áreas degradadas, bem como a

manutenção de populações que demandam para sua sobrevivência áreas com extensão maior do

que aquela das unidades individuais.” (destacamos)

Decorre da norma, expressamente, que seu fim é possibilitar o fluxo de genes e o

movimento da biota. E este fluxo, à obviedade, somente pode ser assegurado por corredores que

liguem unidades de conservação de ecossistemas representativos, cujas categorias estão

consignadas nos artigos 7º e seguintes da predita Lei 9.985/00.

15


Vegetação que não una unidades de conservação ou maciços florestais de conhecida

relevância ecológica é pouco útil ao fim legalmente preconizado, ou seja, de possibilitar o fluxo

genético.

Ainda, pode aproximar-se de finalidades mais nobres, como a proteção da biodiversidade,

desde que a Reserva Legal seja constituída de forma a compor corredor ecológico ou maciços

florestais ligados a Unidades de Conservação, conforme estabelecido pelo artigo 16, § 4º, incisos

III a V, do Código Florestal, que considera tais circunstâncias ambientais, além do plano de bacia

hidrográfica, o plano diretor municipal e o zoneamento ambiental, para determinar a sua

localização.

Em conclusão, a preservação da função ecológica da flora é alcançada pelos instrumentos

da Lei 9.985/00, que regulamentou o Artigo 225, § 1º, da própria Constituição. Significa dizer que

a proteção da diversidade biológica, ao prender-se ao conceito da restauração dos processos

ecológicos essenciais a que alude o artigo 225, § 1º, inciso I, da Constituição da República,

ganhou disciplina própria na mencionada Lei 9.985/00, instituidora do Sistema Nacional de

Unidades de Conservação da Natureza. Sendo assim, a Reserva Legal de cobertura florestal

parece ter a finalidade de promover o uso sustentável dos recursos naturais, na medida em que

impõe uma restrição ao proprietário do imóvel rural, que fica proibido de desmatá-lo

integralmente, o que racionaliza a exploração florestal e, ao fim e ao cabo, permite, ainda que em

menor proporção, a proteção ao meio ambiente.

5.2 - Da Natureza Jurídica

Atualmente, na nova redação dada pela Medida Provisória 2.166/01, o Artigo 1º, caput, do

Código Florestal, ao declarar toda e qualquer floresta e as demais formas de vegetação existentes

no território nacional como bens de interesse comum a todos os habitantes, incluiu e definiu, no

seu §2º, inciso II, a Reserva Legal como uma das formas de restrição à exploração econômica da

propriedade, justificada pela necessidade de se garantir o atendimento de interesses ecológicos

específicos.

16


Em consonância com o disposto no referido Artigo 1º do Código Florestal, o Artigo 16, já

com a nova redação dada pela Medida Provisória 2.166/01, regulamentou a supressão da flora, nas

hipóteses nele previstas, para permitir o exercício do direito de propriedade do imóvel rural para

usos alternativos do solo. Assim, o uso alternativo do solo e o aproveitamento econômico da

propriedade rural continuam condicionados às limitações definidas para as áreas de preservação

permanente e à restrição advinda com a constituição da Reserva Legal.

Tanto é que a Reserva Legal deve ser averbada à margem da matrícula do imóvel, sendo

vedada a alteração de sua destinação, mesmo nos casos de transmissão, a qualquer título, e de

desmembramento ou de retificação da área, consoante § 8º do Artigo 16, o que bem demonstra a

natureza da Reserva Legal como limitação administrativa (obrigações de fazer e não fazer) que

acompanha a propriedade rural.

É de ressaltar que a limitação administrativa só pode atingir uma parcela da propriedade,

para condicionar o uso e gozo deste direito ao bem-estar e a paz social através de imposições de

ordem pública (obrigações de fazer e de não fazer), cuja desobediência pode acarretar ao

proprietário a aplicação de sanção administrativa, como multa, interdição ou suspensão de

atividade.

“Limitação administrativa”, no dizer sempre preciso de Hely Lopes Meirelles, “é toda

imposição geral, gratuita, unilateral e de ordem pública condicionadora do exercício de direitos

ou de atividades particulares às exigências do bem-estar social.” 15 Outro tanto, prossegue o

renomado mestre:

...as limitações administrativas hão de corresponder às justas exigências do interesse público

que as motiva, sem produzir um total aniquilamento da propriedade ou das atividades

reguladas.(...) Só são legítimas quando representam razoáveis medidas de condicionamento do

uso da propriedade, em benefício do bem-estar social (CF, art. 170, III) e não impedem a

utilização da coisa segundo sua destinação natural.

15 MEIRELLES (2008)

17


Portanto, somente se justifica a restrição ao pleno exercício dos poderes inerentes ao

direito de propriedade quando objetivarem o bem-estar social, mote que deve permear toda e

qualquer atuação do Poder Público.

Diante disso, pode-se concluir que a exigência de Reserva Legal é limitação administrativa

que deve ser observada para o uso e ocupação da propriedade rural (usos alternativos do solo), sob

pena das correlatas sanções administrativas e penais, criadas pela Lei 9.605, de 12.02.1998 16 , e

pelo Decreto 6.514, de 22.07.2008 17 . A bem ver, é uma limitação administrativa à propriedade

que, com isso, vem atender à sua função social.

Outra característica da Reserva Legal é que trata-se de uma obrigação que recai

diretamente sobre o proprietário do imóvel, independente de sua pessoa ou da forma pela qual

tenha adquirido, conforme os ensinamentos de Paulo de Bessa Antunes 18 :

Efetivamente, a reserva legal é uma característica da propriedade florestal que se assemelha a

um ônus real que recai sobre o imóvel e que obriga o proprietário e todos aqueles que venham a

adquirir tal condição, quaisquer que sejam as circunstâncias. Trata-se de uma obrigação “in

rem”, “ob” ou “propter rem”, ou seja uma obrigação real ou mista.

6 - PROPRIEDADE RURAL - CONCEITO E A FUNÇÃO SOCIAL E

ECONÔMICA

O Código Civil brasileiro de 1916, dispunha sobre o direito de propriedade, estabelecendo

que “a lei assegura ao proprietário o direito de usar, gozar e dispor de seus bens, e de reavê-los

do poder de quem quer que injustamente os possua” (art. 524).

16 Lei 9.605/1998 - “Art. 48. Impedir ou dificultar a regeneração natural de florestas e demais formas de vegetação: Pena - detenção, de seis meses a um

ano, e multa (...) Art. 68. Deixar, aquele que tiver o dever legal ou contratual de fazê-lo, de cumprir obrigação de relevante interesse ambiental: Pena -

detenção, de um a três anos, e multa. Parágrafo único. Se o crime é culposo, a pena é de três meses a um ano, sem prejuízo da multa”.

17 Decreto 6.514/1998 - “Art. 51. Destruir, desmatar, danificar ou explorar floresta ou qualquer tipo de vegetação nativa ou de espécies nativas plantadas,

em área de reserva legal ou servidão florestal, de domínio público ou privado, sem autorização prévia do órgão ambiental competente ou em desacordo

com a concedida: Multa de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) por hectare ou fração.”

18 ANTUNES (2002)

18


O Código Civil de 2002, a par de abraçar o novo conceito social da propriedade,

estabeleceu, de forma inovadora, no §1º do seu Artigo 1228, que a propriedade também deve

cumprir com a sua função econômica, além de dar especial atenção à preservação ambiental.

Confira-se:

“Art. 1.228 (...)

§1º - O direito de propriedade deve ser exercido em consonância com as suas finalidades

econômicas e sociais e de modo que sejam preservados, de conformidade com o estabelecido

em lei especial, a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio ecológico e o patrimônio

histórico e artístico, bem como evitada a poluição do ar e das águas.”

Significa dizer que o Código Civil de 2002 realmente recepcionou a função social da

propriedade, dando-lhe, ainda, a função econômica, desde que sempre se respeite o meio

ambiente.

Ao lado da função social da propriedade, há a finalidade econômica que deve ser

perseguida, a fim de que se alcance definitivamente o pleno desenvolvimento sustentável,

garantindo o desenvolvimento econômico e, ao mesmo tempo, a preservação do meio ambiente.

Esse é, de fato, o corolário do artigo 1.228, §1º, transcrito acima.

Nesse passo, à luz da Constituição Federal e do novo Código Civil, é certo sustentar que a

função social da propriedade e a premente necessidade de preservação ambiental não anulam a

sua função econômica, valendo notar, desde já, que as propriedades ocupadas por reservatórios de

água para produção de energia elétrica cumprem com a função econômica, ao exercer a atividade

de interesse nacional e de utilidade pública de geração de energia elétrica, ao mesmo tempo em

que cumprem a sua função social e ambiental, ao compensar e mitigar os impactos causados ao

meio ambiente.

Por conseguinte, a conclusão preliminar que se quer chegar nesse ponto, é que,

hodiernamente, ao lado da sua função social, a propriedade também pode ter de cumprir com uma

função econômica, o que, todavia, não segue em detrimento da preservação ambiental, que, sob

qualquer viés, deve sempre ser perseguido.

19


7 – HIDRELÉTRICAS, RESERVA LEGAL E COMPENSAÇÃO AMBIENTAL

7.1 - Da utilidade pública e interesse nacional da atividade de geração elétrica – o

cumprimento da função econômica da propriedade com observância da preservação

ambiental

Cediço que, a atividade de geração de energia elétrica é de interesse nacional e de utilidade

pública, razão pela qual as propriedades que ocupa cumprem com a sua função econômica, ao

propiciar a execução de uma atividade de elevada importância para todo o país.

Com efeito, a vida moderna seria impensável sem energia elétrica. Bem por isso, aliás, é

que o Artigo 176, §1º, da Constituição Federal considera a produção energética como de interesse

nacional.

Outro tanto, a legislação ambiental, especificamente o Código Florestal, conceitua as obras

essenciais de infra-estrutura destinadas a serviços públicos, dentre elas as de energia, como de

utilidade pública. Confira-se:

Art. 1° (...)

§ 2º Para os efeitos deste Código, entende-se por:

(...)

IV - utilidade pública:

a) as atividades de segurança nacional e proteção sanitária;

b) as obras essenciais de infra-estrutura destinadas aos serviços públicos de transporte,

saneamento e energia; e

c) demais obras, planos, atividades ou projetos previstos em resolução do Conselho Nacional de

Meio Ambiente - CONAMA;

Nessa toada, vale observar que a Resolução CONAMA 369, de 28 de março de 2006 19 ,

regulamentando o Código Florestal, estabelece sobre os casos excepcionais de utilidade pública,

19 Resolução CONAMA 369/2006 - “Art. 2º O órgão ambiental competente somente poderá autorizar a intervenção ou supressão de vegetação em APP,

devidamente caracterizada e motivada mediante procedimento administrativo autônomo e prévio, e atendidos os requisitos previstos nesta resolução e

noutras normas federais, estaduais e municipais aplicáveis, bem como no Plano Diretor, Zoneamento Ecológico-Econômico e Plano de Manejo das

Unidades de Conservação, se existentes, nos seguintes casos: I - utilidade pública: a) as atividades de segurança nacional e proteção sanitária; b) as obras

essenciais de infraestrutura destinadas aos serviços públicos de transporte, saneamento e energia; c) as atividades de pesquisa e extração de

20


interesse social ou baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de

vegetação em Área de Preservação Permanente – APP.

Desse modo, salvo questões de absoluta excepcionalidade, o desenvolvimento da geração

de energia elétrica deve ser prioritário. Bem por isso, aliás, é que o Poder Público, após a

concessão de outorga ou autorização para implantação de empreendimentos hidrelétricos, emite

Declarações de Utilidade Pública - DUPs para a desapropriação dos imóveis necessários à sua

execução.

De efeito, consoante a Lei federal 9.074, de 07 de julho de 1995, que trata da outorga e

prorrogações das concessões e permissões de serviços públicos, compete à ANEEL a emissão de

declaração de utilidade pública nas hipóteses de desapropriação ou instituição de servidão

administrativa de áreas necessárias para a implantação de instalações de concessionários,

permissionários e autorizados de energia elétrica. Confira-se:

Art. 10. Cabe à Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL, declarar a utilidade pública,

para fins de desapropriação ou instituição de servidão administrativa, das áreas necessárias à

implantação de instalações de concessionários, permissionários e autorizados de energia

elétrica.” (Redação dada pela Lei nº 9.648, de 1998)

Nesse mesmo sentido, sobreveio o Decreto 2.003, de 10 de setembro de 1996 20 , e, ainda,

não menos importante, a Resolução ANEEL 279, de 11 de setembro de 2007, que estabelece

justamente os procedimentos gerais para requerimento de Declaração de Utilidade Pública - DUP

para a desapropriação ou instituição de servidão administrativa de áreas necessárias à implantação

de instalações de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica, por concessionários,

permissionários e autorizados.

substâncias minerais, outorgadas pela autoridade competente, exceto areia, argila, saibro e cascalho; d) a implantação de área verde pública em área

urbana; e) pesquisa arqueológica; f) obras públicas para implantação de instalações necessárias à captação e condução de água e de efluentes tratados e; g)

implantação de instalações necessárias à captação e condução de água e de efluentes tratados para projetos privados de aquicultura, obedecidos os critérios

e requisitos previstos nos §§ 1º e 2º do art. 11, desta Resolução. (...)” (Grifamos)

20 Decreto 2.003/1996 - “Art. 30. A requerimento justificado do interessado, o poder concedente poderá declarar a utilidade pública, para fins de

desapropriação ou instituição de servidão administrativa, de terrenos e benfeitorias, de modo a possibilitar a realização de obras e serviços de implantação

de aproveitamento hidráulico ou de usina termelétrica, cabendo ao produtor independente ou autoprodutor interessado promover, amigável ou

judicialmente, na forma da legislação específica, a efetivação da medida e pagar as indenizações devidas.”

21


Por conseguinte, incide sobre a totalidade do espaço dos imóveis ocupados por hidrelétrica

para formação do reservatório o ônus da utilidade pública, razão pela qual as propriedades já

cumprem sua função econômica ao serem desapropriadas para permitir a execução de uma

atividade de absoluto interesse nacional.

Sublinhe-se que a desapropriação se deu sobre as áreas estritamente necessárias para a

geração de energia elétrica. Significa dizer, portanto, que não sobram áreas em que se pudesse

prever a implementação de uma Reserva Legal, de modo que, também por esse motivo, inexiste

razão para se impor essa exigência, sobretudo ao se considerar a função econômica que já se deu a

todo espaço da propriedade em razão da utilidade pública da atividade que ali será implantada.

É oportuno destacar, todavia, que ao cumprirem essa função econômica, ao permitir a

geração de energia para propiciar o adequado desenvolvimento nacional, não se deixa de lado os

interesses socioambientais; ao contrário, é justamente por meio de medidas compensatórias que se

harmonizam as agendas econômica e ambiental.

De fato, quando da implantação da hidrelétrica exige-se a adequação da exploração do

potencial às exigências técnicas capazes de compensar os impactos socioambientais. É o que se

faz por meio do processo de licenciamento ambiental, em que são impostas as medidas

compensatórias necessárias para o bem da preservação do meio ambiente, valendo citar, como

exemplo, os programas de educação ambiental, a criação de bancos de germoplasma, a

revegetação de uma área de igual qualidade ambiental, a edificação de instalações de

infraestrutura urbana, escolas etc., como também mediante o cumprimento das medidas

compensatórias exigidas por lei. Dentre essas últimas, citem-se de forma exemplificativa: (i) a

compensação florestal; e (ii) a compensação ambiental instituída pela Lei do Sistema Nacional de

Unidades de Conservação (Lei 9.985/00).

No tocante à Lei 9.985/00, merece destaque os artigos 36 e 48, que introduziram,

respectivamente, a compensação ambiental, não inferior a meio por cento dos custos totais

previstos para a implantação do empreendimento e a contribuição financeira pelos benefícios

trazidos ao reservatório pela proteção oferecida por uma unidade de conservação, in verbis:

22


Art. 36. Nos casos de licenciamento ambiental de empreendimentos de significativo impacto

ambiental, assim considerado pelo órgão ambiental competente, com fundamento em estudo de

impacto ambiental e respectivo relatório - EIA/RIMA, o empreendedor é obrigado a apoiar a

implantação e manutenção de unidade de conservação do Grupo de Proteção Integral, de acordo

com o disposto neste artigo e no regulamento desta Lei.

§ 1º O montante de recursos a ser destinado pelo empreendedor para esta finalidade não pode

ser inferior a meio por cento dos custos totais previstos para a implantação do empreendimento,

sendo o percentual fixado pelo órgão ambiental licenciador, de acordo com o grau de impacto

ambiental causado pelo empreendimento.

§ 2º Ao órgão ambiental licenciador compete definir as unidades de conservação a serem

beneficiadas, considerando as propostas apresentadas no EIA/RIMA e ouvido o empreendedor,

podendo inclusive ser contemplada a criação de novas unidades de conservação.

§ 3º Quando o empreendimento afetar unidade de conservação específica ou sua zona de

amortecimento, o licenciamento a que se refere o caput deste artigo só poderá ser concedido

mediante autorização do órgão responsável por sua administração, e a unidade afetada, mesmo

que não pertencente ao Grupo de Proteção Integral, deverá ser uma das beneficiárias da

compensação definida neste artigo.

Art. 48. O órgão ou empresa, público ou privado, responsável pela geração e distribuição de

energia elétrica, beneficiário da proteção oferecida por uma unidade de conservação, deve

contribuir financeiramente para a proteção e implementação da unidade, de acordo com o

disposto em regulamentação específica.

Acrescenta-se, ainda, que, no caso dos proprietários ou possuidores das áreas relocadas,

por força da instalação dos reservatórios, estes são compensados com novas áreas, com título de

propriedade e documentação regularizada, inclusive com a constituição e averbação em cartório

da área de Reserva Legal, independente se essas existissem nas áreas antigas.

Por conseguinte, é corolário do quanto exposto neste item que as propriedades ocupadas

por hidrelétricas cumprem com sua função econômica ao serem desapropriadas, oportunizando a

execução de uma atividade de utilidade pública e interesse nacional, que, embora não abrindo

espaço para a Reserva Legal, não seguirá em detrimento da preservação do meio ambiente, na

medida em que o seu processo de licenciamento ambiental deverá prever as medidas

compensatórias – legais, constituídas no processo de negociação com proprietáios ou impostas

pela Administração Pública – pelos impactos socioambientais por ela causados.

7.2 - Os imóveis destinados à geração hidrelétrica não se submetem ao conceito de

propriedade rural.

23


Embora acredita-se que tenha ficado claro que todo o espaço ocupado nas propriedades das

empresas geradoras de energia serve a uma função econômica, não havendo razões para se exigir

o cumprimento da função social ou limitação administrativa da Reserva Legal, é preciso ainda ter

claro que aqueles espaços, igualmente, não se submetem ao conceito de propriedades ou imóveis

rurais, que é pressuposto para a incidência desse Instituto.

De fato, tendo em vista que o Código Florestal define a natureza jurídica da Reserva Legal

como uma limitação administrativa a ser aplicada em área localizada no interior de uma

propriedade ou posse rural, deve-se apurar ainda se as áreas destinadas à geração de energia

elétrica se enquadram em uma destas modalidades. Para tanto, serão verificados os conceitos de

imóvel e propriedade rural segundo a legislação específica e a atual jurisprudência sobre a

matéria.

Enfatize-se, para evitar dúvidas, que a Reserva Florestal Legal é uma porção de área de

imóvel rural, não obrigatória, portanto, para imóveis localizados na zona urbana ou de expansão

urbana. Assim, exigência de constituição de Reserva Legal só tem cabimento no caso de

“parcelamento, para fins agrícolas, de imóvel rural localizado fora de zona urbana ou de

expansão urbana”, conforme estabelecido no item 4 da Instrução 17-B do Instituto Nacional de

Colonização e Reforma Agrária – INCRA, de 22.12.1980. 21 Tem-se aqui, uma relação direta entre

uma norma ambiental e uma outra específica de direito agrário.

Buscando, em um primeiro momento, o correto conceito de propriedade ou imóvel rural,

aponte-se inicialmente a Lei Federal 4.504, de 30.11.1964, que instituiu o Estatuto da Terra,

definindo, em seu Artigo 4º, o imóvel rural como o prédio rústico, de área contínua, qualquer que

seja a sua localização, que se destina à exploração extrativa agrícola, pecuária ou agro-industrial,

quer através de planos públicos de valorização, quer através de iniciativa privada.

21 Nos termos da Instrução 17-B do INCRA, para o parcelamento para fins agrícolas de imóvel rural localizado fora de zona urbana ou de expansão urbana,

deve ser apresentada uma planta do loteamento, que traga: “e) legenda completa, localizada à direita e abaixo da planta, contendo: número e somatório das

áreas dos lotes, somatório das áreas das estradas (especificando largura e comprimento), somatório das áreas de reserva florestal, somatório das demais

áreas e a área total do loteamento e a do imóvel (que deverão conferir com as que constam da planta geral do imóvel e dos memoriais descritivos)”.

24


De forma análoga, a Lei 8.629, de 25.02.1993, regulamentou os dispositivos

constitucionais relativos à reforma agrária e conceituou, em seu Artigo 4º, imóvel rural como o

prédio rústico de área contínua, qualquer que seja a sua localização, que se destine ou possa se

destinar à exploração agrícola, pecuária, extrativa vegetal, florestal ou agroindustrial.

Nota-se, portanto, que a legislação agrária utiliza o critério da destinação da propriedade

para qualificar a mesma como rural ou urbana. Todavia, a legislação tributária utiliza-se do

critério geográfico, bastando ver que a Lei 9.393, de 19.12.1996, ao dispor acerca do Imposto

sobre a Propriedade Territorial Rural - ITR, trouxe a seguinte definição aos imóveis rurais:

Art. 1º O Imposto sobre a Propriedade Territorial Rural - ITR, de apuração anual, tem como

fato gerador a propriedade, o domínio útil ou a posse de imóvel por natureza, localizado fora da

zona urbana do município, em 1º de janeiro de cada ano.

(...)

§ 2º Para os efeitos desta Lei, considera-se imóvel rural a área contínua, formada de uma ou

mais parcelas de terras, localizada na zona rural do município.

No mesmo sentido segue o Código Tributário Nacional, prescrevendo, em seu artigo 29,

que o imóvel rural é aquele “localizado fora da zona urbana do Município”. 22

É necessário frisar, no entanto, que o Decreto-lei 57, de 18.11.1966, que, dentre outras

questões, alterou dispositivos sobre lançamento e cobrança do Imposto sobre a Propriedade

Territorial Rural – ITR, determina, em seu artigo 15, que o Imposto sobre a Propriedade Predial e

Territorial Urbana – IPTU não incide nos imóveis que, embora situados em zona urbana, tenham

finalidade rural, qual seja, de exploração extrativa vegetal, agrícola, pecuária ou agro-industrial,

incidindo, sobre esses, o ITR. Confira-se:

Art. 15. O disposto no art. 32 da Lei nº 5.172, de 25 de outubro de 1966, não abrange o imóvel

de que, comprovadamente, seja utilizado em exploração extrativa vegetal, agrícola, pecuária ou

agro-industrial, incidindo assim, sobre o mesmo, o ITR e demais tributos com o mesmo

cobrados.

22 Código Tributário Nacional - “Art. 29. O imposto, de competência da União, sobre a propriedade predial e territorial urbana tem como fato gerador a

propriedade, o domínio útil ou a posse de bem imóvel por natureza, como definido na lei civil, localizado fora da zona urbana do Município”.

25


É bastante lógico, portanto, que os imóveis localizados em zona rural que, no entanto, não

tenham vocação rural, ou seja, que não sejam utilizados para exploração extrativa vegetal,

agrícola, pecuária ou agro-industrial, não podem ser considerados como propriedades rurais.

Por conseguinte, faz-se necessário conciliar os dois critérios para a definição da

propriedade como rural – critério da destinação x critério geográfico – a fim de que não se gerem

conflitos na hora de aplicar a lei ao caso concreto. Sobre o tema vale citar as observações de

Roxana Cardoso Brasileiro Borges 23 , em sua obra Função Ambiental da Propriedade Rural:

Assim, no Direito Agrário, afasta-se o critério geográfico para a distinção entre imóvel rural e

imóvel urbano. Pelo critério geográfico, seriam urbanos os imóveis situados no perímetro

urbano e nas áreas de expansão urbana. Seriam rurais os localizados fora dessas áreas.

O Direito Agrário substitui o critério geográfico pelo da destinação. Tal destinação (exploração

agrícola, pecuária, extrativista vegetal, florestal ou agroindustrial) é o que submete o imóvel ao

regime da legislação agrária. Dessa forma, imóveis situados na cidade que se dediquem à

floricultura, para o Direito Agrário, são imóveis rurais.

No mesmo sentido é a jurisprudência do Tribunal de Justiça de Minas Gerais que, de fato,

já se manifestou sobre a discussão acerca do correto critério a ser utilizado para definir a natureza

da propriedade, entendendo que, mesmo em matéria tributária, o critério geográfico muitas vezes

não é suficiente, devendo ser aplicado conjuntamente o critério da destinação. Senão, vejamos:

AÇÃO DECLARATÓRIA - IPTU - ITR - PROPRIEDADE LOCALIZADA NA ZONA

URBANA - EXPLORAÇÃO PECUÁRIA - PREVALÊNCIA DO CRITÉRIO DA

DESTINAÇÃO ECONÔMICA SOBRE A LOCALIZAÇÃO - INTELIGÊNCIA DO ART. 15,

DO DL 57/66.

- O critério topográfico previsto no art. 32 do CTN deve ser analisado em face do comando do

art. 15 do DL 57/66, de modo que não incide o IPTU quando o imóvel situado na zona urbana

receber quaisquer das destinações previstas neste diploma legal.

TJ/MG - Processo nº 1.0694.04.017796-6/001 - Rel. Des. Silas Vieira - j. 19/04/2007

(destacamos)

Outro tanto, há que se salientar que, justamente por não ter vocação de propriedade rural, o

Imposto Territorial Rural - ITR não incide sobre áreas alagadas para fins de usinas hidrelétricas,

consoante dispõe o artigo 10 da Lei 9.393, de 19.12.1996 (alterada pela Lei 11.727, de

23.06.2008).

23 BORGES (1999).

26


Nesse passo, sob o prisma analisado e, sobretudo, levando-se em conta o que dispõe a

legislação agrária e o Decreto-lei 57/66, os empreendimentos hidrelétricos, ainda que se localizem

em zona rural, não podem ser considerados como propriedade rural, na medida em que sua

destinação não pode ser caracterizada como exploração extrativa vegetal, agrícola, pecuária ou

agro-industrial. Ao contrário, a atividade desenvolvida nas hidrelétricas consubstancia-se em

serviço público de geração de energia elétrica, e a sua posse sobre os imóveis decorrem de

concessão pública, o que, além de implicar isenção tributária às áreas alagadas e aquelas utilizadas

exclusivamente para fins de geração e transmissão de energia elétrica, dá às áreas respectivas uma

característica de bem público que se diferencia sobremaneira das propriedades rurais.

De fato, em um segundo momento, há ainda que se explorar a característica de bem

público que se revestem as áreas em que onde se executa as atividades de concessionária de

prestação de serviço público de geração de energia elétrica. De fato, para o caso, não há que se

falar em imóvel ou propriedade rural, e não só porque inexista o critério de destinação ou o

critério da localização, mas sobretudo porque o bem público em questão se reveste de outra

natureza jurídica.

Neste ponto, é oportuno relembrar que o regime geral de concessão de serviço público

consiste, em suma, em permitir a um agente do setor privado que exerça uma atividade

essencialmente de interesse da coletividade, de modo que se associam os interesses privados com

a prestação de serviços públicos.

Nos exatos termos do Artigo 175 da Constituição Federal, incumbe ao Poder Público a

prestação dos serviços públicos, diretamente ou “sob regime de concessão ou permissão”. Dessa

forma, nas palavras de Alexandre de Moraes, “a concessão é contrato administrativo unilateral e

precário, pelo qual o Poder Público concede ao particular a execução de serviço público ou de

obra pública, ou lhe cede o uso de bem público, para que o explore por sua conta e risco.” 24

24 MORAES (1972)

27


O instituto da concessão pública ainda foi regulamentado por meio da Lei 8.987, de

13.02.1995, que dispõe sobre o regime de concessão e permissão da prestação de serviços

públicos e define, em seu Artigo 2º, a concessão de serviço público da seguinte forma:

Art. 2º Para os fins do disposto nesta Lei, considera-se:

I - poder concedente: a União, o Estado, o Distrito Federal ou o Município, em cuja

competência se encontre o serviço público, precedido ou não da execução de obra pública,

objeto de concessão ou permissão;

II - concessão de serviço público: a delegação de sua prestação, feita pelo poder concedente,

mediante licitação, na modalidade de concorrência, à pessoa jurídica ou consórcio de empresas

que demonstre capacidade para seu desempenho, por sua conta e risco e por prazo determinado;

III - concessão de serviço público precedida da execução de obra pública: a construção, total ou

parcial, conservação, reforma, ampliação ou melhoramento de quaisquer obras de interesse

público, delegada pelo poder concedente, mediante licitação, na modalidade de concorrência, à

pessoa jurídica ou consórcio de empresas que demonstre capacidade para a sua realização, por

sua conta e risco, de forma que o investimento da concessionária seja remunerado e amortizado

mediante a exploração do serviço ou da obra por prazo determinado;

IV - permissão de serviço público: a delegação, a título precário, mediante licitação, da

prestação de serviços públicos, feita pelo poder concedente à pessoa física ou jurídica que

demonstre capacidade para seu desempenho, por sua conta e risco.

Ainda sobre o assunto, vale lançar mão do que ensina Marçal Justen Filho 25 , para quem:

(...) concessão de serviço público é um contrato plurilateral, por meio do qual a prestação de um

serviço público é temporariamente delegada pelo Estado a um sujeito privado que assume seu

desempenho diretamente em face dos usuários, mas sob controle estatal e da sociedade civil,

mediante remuneração extraída do empreendimento, ainda que custeada parcialmente por

recursos públicos.

À luz dos dispositivos supracitados, conclui-se que o bem explorado para geração de

energia elétrica, por meio de concessão pública, compreende-se em um bem público da União

que, ademais, constitui propriedade distinta do solo.

Por conseguinte, ao serem concedidos os bens públicos para fins de geração de energia

elétrica, é certo que não se estará falando de imóveis rurais, pois isso se caracterizaria o solo, mas

sim de bem público de natureza específica, que, à luz do Artigo 176, caput, da Carta Magna, se

diferencia da propriedade do solo.

Desse entendimento não dissente o Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul, que vem

assim se manifestando:

25 JUSTEN FILHO (2003)

28


E M E N T A – APELAÇÃO CÍVEL – AÇÃO CIVIL PÚBLICA – MINISTÉRIO PÚBLICO

– CERCEAMENTO DE DEFESA – INEXISTENTE – INDENIZAÇÃO EM PECÚNIA À

POPULAÇÃO E AO MEIO AMBIENTE PELA PRIVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS

INUNDADOS – DESCABIMENTO – EXIGÊNCIA DE AQUISIÇÃO DE ÁREA PARA

AVERBAR RESERVA LEGAL – IMPOSSIBILIDADE – RECURSO IMPROVIDO.

Produção de outras provas além daquelas constantes nos autos é faculdade do julgador, pessoa a

quem as provas são direcionadas para a melhor elucidação da causa, de modo que dando-se por

satisfeito com o conjunto probatório carreado aos autos, pode dispensar as demais provas a

serem produzidas, atém mesmo aquelas que requeridas, sem que tal fato implique em

cerceamento de defesa.

Não há qualquer razão o pedido do Município em requerer a indenização ao “meio ambiente” e

à “população”, pois já houve medidas adotadas pela apelada neste sentido, além do que, a

indenização pecuniária paga ao Município, por si só, não seria capaz de reparar os danos

causados ao meio ambiente.

Não se verifica a possibilidade de exigir a aquisição de área e averbá-la como reserva legal, já

que, não bastasse a alagação se dar em razão de concessão da União para a prestação de serviço

essencial e não exploração agropecuária, não se cogita a hipótese de exigir reserva legal fora da

área da qual se tem a posse ou propriedade.

(TJMS, apelação Cível nº 2008.037122-6/0000-00 – Brasilândia, Rel. Des. Vladimir Abreu da

Silva, DJ de 30/04/2010)”. (Grifo Nosso).

Significa dizer, portanto, que as áreas (lago, barragem, instalações administrativas,

subestações, linhas de transmissão etc.) utilizadas para fins de geração, transmissão de energia

elétrica não podem ser equiparadas aos imóveis e propriedades rurais, na medida em que são bens

da União e se diferenciam da propriedade do solo. E, por conseguinte, não há como se pretender a

implementação de Reserva Legal nessas áreas.

8 - CONSIDERAÇÕES FINAIS

Conforme exposto, demonstrou-se que a Reserva Legal é uma restrição (limitação

administrativa ou função social da propriedade) que incide sobre o exercício do direito de

propriedade rural, independentemente da vegetação ali existente (natural, primitiva, regenerada ou

plantada) ou do fato de esta vegetação ter sido substituída por outro uso do solo.

Outro tanto, o Artigo 225, §1º, inciso I, da Constituição Federal foi regulamentado pela

Lei 9.985/00, define que são as Unidades de Conservação – e não a Reserva Legal – que têm a

capacidade de “preservar e restaurar os processos ecológicos essenciais e prover o manejo

29


ecológico das espécies e ecossistemas.” Significa dizer que, embora seja irrecusável que a

Reserva Legal tenha cunho ecológico – de proteção à flora e, por decorrência, à biodiversidade –,

não é essa a sua principal vocação, sendo possível que a preservação ambiental se dê por outros

meios (seja por meio de Unidades de Conservação interligadas, seja por meio de medidas

compensatórias exigidas no decorrer do licenciamento ambiental).

Ademais, é indisfarçável que os recursos naturais devem ser tratados sob a ótica do

desenvolvimento sustentável, tal como dispõe o Artigo 2º da Lei 6.938/81 26, de modo que é

realmente indispensável preservar o meio ambiente, porém não sem propiciar o adequado

desenvolvimento econômico.

É oportuno destacar, todavia, que, respeitando o disposto no §1º do artigo 1.228 do Código

Civil de 2002, ao se cumprir a função econômica – mediante a geração e transmissão de energia

para propiciar o adequado desenvolvimento nacional, não se deixa de lado os interesses

socioambientais, ao contrário, é justamente por meio de medidas compensatórias, exigidas no

decorrer do processo de licenciamento ambiental, que se harmonizam as agendas econômica e

ambiental. Nesse sentido, são essas medidas compensatórias que propiciam a preservação

ambiental, e não a Reserva Legal.

Outro tanto, a aludida desapropriação se dá sobre as áreas estritamente necessárias para a

geração e transmissão de energia elétrica. Significa dizer, portanto, que não sobram espaços em

que se pudesse prever a implementação de uma Reserva Legal, de modo que, também por esse

motivo, inexiste razão para se impor essa exigência, sobretudo ao se considerar a função

econômica que já se deu a todo o espaço da propriedade em razão da utilidade pública da

atividade que ali será executada.

Além do mais, os empreendimentos hidrelétricos se inserem em áreas que não podem ser

caracterizadas como propriedade rural – que é pressuposto necessário para a exigência da Reserva

26 Lei 6.938/1981 “Art. 2º - A Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação, melhoria e recuperação da qualidade ambiental, propícia

à vida, visando a assegurar, no País, condições ao desenvolvimento socioeconômico, aos interesses da segurança nacional e à proteção da dignidade da

vida humana atendidos os seguintes princípios [...]”.

30


Legal – vez que não têm vocação típica de imóvel rural (ou seja, não se destinam à exploração

extrativa agrícola, pecuária ou agro-industrial) e, além disso, são bens públicos da União que

servem à concessão do serviço público de geração e transmissão de energia elétrica, o que

também descaracteriza o imóvel como rural.

Por decorrência, o Projeto de Lei do novo Código Florestal acerta no tocante a isenção dos

empreendimentos hidrelétricos da obrigação da Reserva Legal. Sob qualquer prisma que se

observe, fica claro que a Reserva Legal não deve ser exigida às áreas alagadas pelo reservatório de

hidrelétricas, haja vista que a atividade desenvolvida é a geração de energia elétrica.

9 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. ALVES, Alaôr Caffé. Fundamentos do Direito e Meio Ambiente. Curso Interdisciplinar de

Direito Ambiental. Arlindo Philippi Jr. e Alaôr Caffé Alves (editores). Barueri: Manole, 2005.

p. 309.

2. ANTUNES, Paulo de Bessa. Direito Ambiental. 6ª ed., Rio de Janeiro: Editora Lúmen Júris,

2002, p. 399.

3. BERNARDES, J.A.; FERREIRA, F.P.M. Sociedade e Natureza. In: A Questão Ambiental:

diferentes abordagens. organizadores CUNHA, S.B.; GUERRA, A.J.T. Rio de Janeiro:

Bertrand Brasil, 2003 p. 17-40;

4. BORGES, Roxana Cardoso Brasileiro. Função ambiental da propriedade rural. São Paulo: LTr,

1999;

5. BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em

5 de outubro de 1988. Contém as emendas constitucionais posteriores. Brasília, DF: Senado,

1988. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm>.

Acesso em 21 abril 2012.

6. BRASIL. Decreto-Lei nº 4.657, de 04 de setembro de 1942. Lei de Introdução às normas do

Direito Brasileiro. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decretolei/Del4657.htm.

Acesso em 27.04.2012.

31


7. BRASIL. Lei nº 4.504, de 30 de novembro de 1964. Institui o Estatuto da Terra. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L4504.htm. Acesso em 27.04.2012.

8. BRASIL. Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o novo Código Florestal. Disponível

em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4771.htm. Acesso em 27.04.2012.

9. BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Institui Política Nacional do Meio Ambiente.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L6938.htm. Acesso em 27.04.2012.

10. BRASIL. Lei nº 9.074, de 07 de julho de 1995. Estabelece normas para outorga e prorrogações

das concessões e permissões de serviços públicos. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9074cons.htm. Acesso em 27.04.2012.

11. BRASIL. Lei nº 9.393, de 19 de dezembro de 1996. Dispõe sobre o Imposto sobre a

Propriedade Territorial Rural - ITR. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9393.htm. Acesso em 27.04.2012.

12. BRASIL. Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Lei de crimes ambientais. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9605.htm. Acesso em 27.04.2012.

13. BRASIL. Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de

Conservação da Natureza.Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9985.htm.

Acesso em 25.04.2012.

14. BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil . Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm. Acesso em 25.04.2012.

15. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA. 1996. Resolução Conama nº

01. Disponível em:< http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res86/res0186.html>. Acesso em

27.04.2012.

16. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA. 2006. Resolução Conama nº

369. Disponível em:< http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=489.html>.

Acesso em 27.04.2012.

17. FINK, D.; JUNIOR HAMILTON, A.; DAWALIBI, M. Aspectos jurídicos do licenciamento

ambiental. São Paulo: Forense Universitária, 2002, p.66.

18. FIORILLO, Celso Antônio Pacheco. Licenciamento ambiental. São Paulo: Saraiva, 2011.

19. JUSTEN FILHO, Marçal. Teoria Geral das Concessões de Serviço Público. São Paulo:

Dialética, 2003, p. 96.

20. MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Malheiros, 2008, p.

639.

32


21. MILARÉ, Édis. Direito do meio ambiente: a gestão ambiental em foco: doutrina,

jurisprudência, glossário. 6ª ed., São Paulo: Revista dos Tribunais, 2019, p.752.

22. MORAES, Alexandre de. Constituição do Brasil Interpretada. 5ª ed., São Paulo: Atlas, 2005, p.

1972.

23. VAINER, C. População, meio ambiente e conflito social na construção de hidrelétricas. In:

MARTINE, George. (org) População, meio ambiente e desenvolvimento. Verdades e

contradições. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996.

24. ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K. & PAIVA, A. Uma sociologia do licenciamento ambiental: o

caso das hidrelétricas em Minas Gerais”, in Andréa Zhouri, Klemens Laschefski e Doralice

Pereira (orgs.), A insustentável leveza da política ambiental: desenvolvimento e conflitos

socioambientais, Belo Horizonte, Autêntica, 2005.

33

More magazines by this user
Similar magazines