A Lei Federal de Incentivo ao Esporte - Swisscam

swisscam.com.br

A Lei Federal de Incentivo ao Esporte - Swisscam

Leis de Incentivo

Oportunidades para uma Nação


Jorge Martins Muzy

• Aluno da Escola Preparatória de Cadetes do Ar, em Barbacena-MG

• Piloto da FAB pela Academia da Força Aérea, em Pirassununga-SP

– Bi-campeão de pentatlo militar

– Campeão e Vice-campeão de salto em distância

– Campeão e Vice-campeão de 4 X 100 metros rasos

• Engenharia Elétrica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ

• Especialista em gestão de negócios pela Fundação Getúlio Vargas – RJ

• Especialista em Leis de Incentivo Culturais, Esportivos, Sociais e Educacionais

• Gerente Corporativo da AMIL, Diretor Planejamento Estratégico da EAT Check, Diretor de System Tec da

Ticket (Accor), CEO da TAHO Grupo Marambaia Capital, CEO Grupo Hospitalar do Rio de Janeiro, COO do

IBMEC Business School e Consultor Internacional da UNESCO.

• Fundador e Presidente do Conselho Administrativo do Instituto Liderar, Fundador e Conselheiro do

Instituto Vencer e Presidente do Conselho Curador da OFIBRA Orquestra Filarmônica Brasileira.

• Presidente do Grupo Muzy, que engloba as empresas: Muzy Corp, DNA Filmes, Tenda da Cultura, Class

One Brasil, Vale Cultura Brasil, Lá Em Casa Produções, 1A Comunicação e Investe Brasil (EUA).


Realidade do Esporte Brasileiro

• O esporte é um dos principais indicadores do grau de

desenvolvimento de uma nação.

• O Brasil participou de 20 edições dos Jogos Olímpicos. Só não

foi representado apenas nos jogos na Antuérpia e na Bélgica.

• Resultado do Brasil nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008:

* O COB enviou 277 atletas

* Disputou 32 modalidades

* Trouxe 15 medalhas (apenas 3 de Ouro)

* Ficou na 23ª colocação no quadro de medalhas


Políticas de Governo

Constituição Federal

• Art. 217. É dever do Estado fomentar práticas desportivas

formais e não-formais, como direito de cada um [...]


Política Nacional do Esporte

OBJETIVOS

•Universalização do acesso e promoção da inclusão social

•Desenvolvimento humano

•Ciência e tecnologia do esporte

•Promoção da saúde (esporte e lazer)

•Desenvolvimento econômico

•Gestão democrática

•Descentralização da política


A Lei Federal de Incentivo ao Esporte

• Em 2007 entrou em vigor a Lei nº 11.438/06, ou

simplesmente Lei Federal de Incentivo ao Esporte, que

institui o incentivo fiscal para pessoas físicas e jurídicas a

título de doação ou patrocínio no apoio a projetos

desportivos e para-desportivos.

• A Lei Federal de Incentivo ao Esporte é um mecanismo que

permite a pessoas físicas e jurídicas apoiar financeiramente

projetos desportivos e para-desportivos mediante um

incentivo fiscal.


Quem pode se beneficiar da LIE

• Pessoa Jurídica – pode deduzir até 1% do Imposto de Renda

devido, desde que sejam empresas tributadas com base no

lucro real. No caso das pessoas jurídicas, o benefício não

compete com outros incentivos fiscais. Isso quer dizer que

essa faixa de renúncia fiscal é exclusiva para o setor esportivo.

• Pessoa Física – pode deduzir até 6% do Imposto de Renda

devido. Essa dedução concorre com outros incentivos fiscais,

sem, contudo, estabelecer limites específicos, o que pode

ser aplicado em sua totalidade no incentivo ao esporte. Este

percentual poderia gerar até R$ 4 bilhões anuais para

investimentos no esporte.


Leis Federais de Incentivo

IR e CSLL – Pessoa

Jurídica

Lei Rouanet + Audiovisual + Vale Cultura* =

5%


IR e CSLL – Pessoa

Jurídica

Doação ou patrocínio - Esporte Valor em R$

Valor do Patrocínio/Doação R$ 450.000,00

Lucro Real Apurado R$ 300.000.000,00

Dedução do Investimento (limitada a 1%) R$ 450.000,00

Valor do IRPJ com incentivo R$ 74.526.000,00

Valor do IRPJ sem incentivo R$ 74.976.000,00

Economia tributária R$ 450.000,00

Relação Patrocínio/Doação e benefício tributário 100%


Aplicação tributária da LIE na prática


Comparativo com a Lei Rouanet,

Artigo 18


Leis Federais de Incentivo

IR e CSLL – Pessoa Física

6%


IR – Pessoa Física

Incentivo Fiscal Pessoa Física

Valor patrocínio/doação R$ 6.462,83 R$ 2.502,83 R$ 1.182,83 R$ 329,66

Ganhos tributáveis R$ 500.000,00 R$ 200.000,00 R$ 100.000,00 R$ 50.000,00

Deduções legais R$ 100.000,00 R$ 40.000,00 R$ 20.000,00 R$ 10.000,00

Base de cálculo R$ 400.000,00 R$ 160.000,00 R$ 80.000,00 R$ 40.000,00

IRPF sem incentivo (27,5%) R$ 107.713,83 R$ 41.713,83 R$ 19.713,83 R$ 5.494,30

Patrocínio ou doação R$ 6.462,83 R$ 2.502,83 R$ 1.182,83 R$ 522,83

Valor do IRPF com incentivo R$ 101.251,00 R$ 39.211,00 R$ 18.531,00 R$ 5.164,65

Economia tributária R$ 6.462,83 R$ 2.502,83 R$ 1.182,83 R$ 329,66

Relação benefício tributário 100% 100% 100% 100%


Projetos que podem

receber recursos da LIE

• Os projetos que podem receber recursos da Lei de Incentivo

ao Esporte deverão ter como proponentes instituições sem

fins lucrativos, de natureza esportiva, com mais de um ano de

funcionamento, que estejam em dia com suas obrigações

fiscais.

• A Lei limita o número de projetos aprovados para um mesmo

proponente a 06 (seis) por ano.


Quem pode ser Proponente?

Pessoa Jurídica de Direito Público

Prefeituras (Secretarias e Departamentos

de Esportes)

Governos Estaduais (Secretaria de

Esporte)

Governo do Distrito Federal (Secretaria de

Esporte)

Governo Federal (Ministério do Esporte)

Fundações Públicas

Autarquias Públicas

Associações Públicas

Pessoa Jurídica de Direito Privado

(Fins não econômicos)

COB e CPB

Confederações Esportivas

Federações e Ligas Esportivas

Clubes em Geral

Associações Atléticas e Grêmios

Estudantis

Fundações Privadas

Outras entidades que possuam finalidade

esportiva


O que não pode

• Investimento no desporto de alto rendimento praticado

profissionalmente;

• Aquisição de espaços publicitários;

• Cobrança dos beneficiários;

• Projeto desenvolvido em circuito privado;

• Que apresente comprovada capacidade de atrair

investimentos;


Mecânica de Funcionamento da LIE

PROPONENTE

(Entidade desportiva)

APOIADOR

(Pessoa Físicas e Jurídicas)

Projeto

Desportivo

GOVERNO FEDERAL

(Comissão Técnica)


Projeto Desportivo

• PROJETO DESPORTIVO

Concepção

Destinação

• IMPLEMENTAÇÃO

• PRÁTICA

• ENSINO

• ESTUDO

• PESQUISA

• DESENVOLVIMENTO

• EDUCACIONAL

• PARTICIPAÇÃO

• RENDIÇÃO

Manifestação


Manifestações Desportivas

• Segundo a Lei Federal de Incentivo ao Esporte, os projetos poderão

ser enquadrados em 03 (três) manifestações:

• Desporto de Participação: voltado para a prática voluntária e

recreativa do esporte;

• Desporto de Rendimento: voltado para a prática competitiva

seguindo regras nacionais e internacionais;

• Desporto Educacional: voltado para alunos regularmente

matriculados em instituição de ensino de qualquer sistema.

• Qualquer projeto esportivo é elegível a receber benefícios fiscais,

desde que não seja ligado ao esporte profissional.


Recursos Captados por

Manifestação Desportiva

SNEAR – Secretaria Nacional de Esporte de Alto Rendimento

SNDEL – Secretaria Nacional do Desporto e Lazer

SNEE – Secretaria Nacional de Esporte Escolar


Trâmite dos Projetos no

Ministério do Esporte

Início

Fim


Dados Estatísticos

2007

Renúncia aprovada:

R$ 150 milhões

Projetos aprovados (21):

R$ 64 milhões (42%)

Projetos captados (13):

R$ 51 milhões (79%)

2008

Renúncia aprovada:

R$ 400 milhões

Projetos aprovados (192):

R$ 275 milhões (68%)

Projetos captados (38):

R$ 80 milhões (29%)


Dados Estatísticos

• Em 2009 foram captados R$ 101 milhões dos R$ 438 milhões

aprovados para captação (23%), sendo 98% captados na forma de

patrocínio e apenas 2% como doação.

• Os resultados da LIE entre 2007 e 2010, que captou R$ 258 milhões de

um total de R$ 1 bilhão de renúncia fiscal disponibilizada, refletem a

completa desinformação das pessoas físicas e jurídicas quanto às

oportunidades na utilização da Lei.

• Considerando que 55% dos projetos aprovados e 88% do total da

verba aprovada nesse período foram destinados a projetos de esporte

de rendimento, conclui-se que proponentes representantes dos

esportes de rendimento tem maior receptividade de patrocinadores e

doadores.


Lei Federal de Incentivo ao Esporte

2010

Total aprovado para captação (376 projetos)

R$ 524.123.917,00

Total Captado

R$ 185.541.061,17 (35,40%)

Patrocínio PJ

R$ 183.857.544,17 (96,79%)

Doação PF (+/– 200 contribuintes em todo o Brasil)

R$ 1.683.000,00 (3,21%)


Estados com maior sucesso

de captação Percentualmente - 2010

- Bahia

Total Captado: R$ 2.346.876,24 (70,95 %)

Total aprovado para Captação: R$ 3.307.559,00

- Rio de Janeiro

Total Captado: R$ 64.422.737,37 (54,98 %)

Total aprovado para Captação: R$ 117.166.175,00

- São Paulo

Total Captado: R$ 77.393.872,64 (37,57%)

Total aprovado para Captação: R$ 206.018.101,00

- Minas Gerais

Total Captado: R$ 17.616.207,63 (31,79%)

Total aprovado para Captação: R$ 55.406.854,00

- Rio Grande do Sul

Total Captado: R$ 5.829.156,69 (31,16 %)

Total aprovado para Captação: R$ 18.708.800,00


Estados que

sequer aprovaram projetos

Acre

Maranhão

Mato Grosso do Sul

Pará

Piauí

Roraima

Sergipe

Tocantins


Quem pode usufruir dos

benefícios da LIE

• As empresas que podem utilizar o incentivo fiscal ao esporte

representam:

137.156 instituições

(4,6% do total de contribuintes de pessoas jurídicas)

70% do total arrecadado pela Receita Federal a

título de imposto de renda vem de pessoas jurídicas


Dados Estatísticos

• 1,4% - total de pessoal dedicado à área do esporte nas prefeituras

• 12% - total de escolas públicas municipais que tem instalações

esportivas

• 7,4% - total de municípios tem complexo esportivo (400 X 5.500)

• 67% - total destes complexos concentrados no sudeste

• 95,5% - investimento em futebol e futsal

• 60,5% - investimento em vôlei


Infraestrutura Esportiva

• Construção de quadras de esportes, ginásios, piscinas, pistas

de atletismo, estádios, etc.

• A escritura do terreno tem que estar no nome da entidade

desportiva.

• Vedação de Projeto destinado a aquisição de imóvel.


Estado de São Paulo

Lei de Incentivo ao Esporte


Lei de Incentivo ao Esporte

Estado de São Paulo

• Possibilita a empresas de todo o Estado de SP, que tributam o

ICMS, apoiar projetos esportivos elaborados pela sociedade

civil organizada, por meio de patrocínio ou doação financeira

provenientes da renúncia por parte do Estado.

• As empresas pagadoras de ICMS podem destinar de 0,01% a

3% do imposto devido limitado em 0,2% do total de

recolhimento por parte do Estado.

•Garante até R$ 60 milhões de renúncia fiscal

•Não compete com a Lei de Incentivo à Cultura (ProAC)

•Não exige contrapartida financeira


Incentivo Fiscal ICMS - Estado de São Paulo Valor em R$

Valor da doação R$ 128.250,00

ICMS devido em junho/09 R$ 20.000.000,00

ICMS devido em julho/09 R$ 20.000.000,00

ICMS devido em agosto/09 R$ 20.000.000,00

ICMS devido em setembro/09 R$ 20.000.000,00

ICMS devido em outubro/09 R$ 20.000.000,00

ICMS devido em novembro/09 R$ 20.000.000,00

ICMS devido em dezembro/09 R$ 20.000.000,00

ICMS devido em janeiro/10 R$ 20.000.000,00

ICMS devido em fevereiro/10 R$ 20.000.000,00

ICMS devido em março/10 R$ 20.000.000,00

ICMS devido em abril/10 R$ 20.000.000,00

ICMS devido em maio/10 R$ 20.000.000,00

Imposto Anual R$ 240.000.000,00

Limite inferior da faixa de Imposto Anual a recolher (LI) R$ 100.000.000,01

Percentual (PFAIXA) 0,01

Constante (CONSTFAIXA) R$ 1.525.000,00

Índice aplicado pela Secretaria de Finanças 0,641

Valor de ICMS individual e mensal a ser aproveitado em agosto/10 (base maio/10) R$ 20.000.000,00

Valor passível de aproveitamento em agosto/10 R$ 128.250,00

Relação Doação e benefício tributário 100%

Valor anual máximo potencial de aproveitamento (apenas referência) R$ 1.548.990,00


Lei de Incentivo ao Esporte

Estado de São Paulo

• I - Educacional: projetos voltados como disciplina ou atividade extracurricular

desportiva no âmbito da educação básica, fundamental, médio e superior

promovendo atividades no contra turno escolar, objetivando o desenvolvimento

integral do indivíduo;

• II - Formação Desportiva: projetos voltados para a iniciação e desenvolvimento

motor geral de crianças e adolescentes por meio da prática de atividades

desportivas e físicas orientadas;

• III - Rendimento: projetos que finalizem a formação e iniciem o rendimento

desportivo, de forma técnica e metodológica, na área do treinamento desportivo,

atendendo equipes e atletas com idade igual ou superior a 14 anos, vinculadas a

entidades de práticas desportivas e objetivando a formação e especialização,

inclusive de alto rendimento;

• IV - Sócio-Desportiva: projetos que utilizem o desporto como ferramenta de

inserção social, propiciando as pessoas de baixa renda oportunidades para

práticas desportivas;


Lei de Incentivo ao Esporte

Estado de São Paulo

• V - Participativa:

a) projetos voltados para ampla participação de pessoas em eventos

desportivos que evitem a seletividade e a hiper-competitividade de seus

participantes, atendendo crianças, adolescentes, adultos, idosos, pessoas com

deficiências, além de modalidades e respectivos públicos que sintetizem atividades

físicas representativas de valores da nossa identidade cultural;

b) projetos voltados à distribuição gratuita de ingressos para eventos de caráter

desportivo e para-desportivo por pessoa jurídica, para integrantes da rede publica

de ensino ou a integrantes de comunidade de vulnerabilidade social, devidamente

comprovadas na futura prestação de contas;

• VI - Gestão e Desenvolvimento Desportivo: projetos voltados a capacitação,

treinamento, intercâmbios nacionais e internacionais e bolsas de treinamento,

objetivando atender técnicos, atletas e gestores desportivos buscando desenvolver e

aperfeiçoar a gestão sobre a administração, técnicas e equipamentos desportivos;

• VII - Infraestrutura: projetos voltados à construção, reformas e adequação de espaços,

equipamentos e instalações desportivas, desde que situados em próprios públicos.


Quem pode propor projetos

• A pessoa jurídica de direito público ou privado sem fins

lucrativos de natureza desportiva.

• Cada proponente poderá apresentar até 03 projetos, desde

que estes não ultrapassem o valor global de 60.901 UFESPs.

Para 2010, o valor estabelecido é de R$ 999.994,42.


É vedada a utilização de

recursos

• Palestras e cursos de temas não relacionados diretamente

com atividades desportivas;

• Patrocínios em favor de projetos que beneficiem,

diretamente, pessoa física ou jurídica vinculada ao

patrocinador, como o cônjuge, os parentes até terceiro grau,

inclusive os afins, e os dependentes do patrocinador, dos

titulares, dos administradores, dos acionistas ou dos sócios do

patrocinador;


É vedada a utilização de

recursos

• § 4o Não são dedutíveis os valores destinados a patrocínio ou doação em

favor de projetos que beneficiem, direta ou indiretamente, pessoa física

ou jurídica vinculada ao doador ou patrocinador.

• § 5o Consideram-se vinculados ao patrocinador ou ao doador:

• I - a pessoa jurídica da qual o patrocinador ou o doador seja titular,

administrador, gerente, acionista ou sócio, na data da operação ou nos 12

(doze) meses anteriores;

• II - o cônjuge, os parentes até o terceiro grau, inclusive os afins, e os

dependentes do patrocinador, do doador ou dos titulares,

administradores, acionistas ou sócios de pessoa jurídica vinculada ao

patrocinador ou ao doador, nos termos do inciso I deste parágrafo;

• III - a pessoa jurídica coligada, controladora ou controlada, ou que tenha

como titulares, administradores acionistas ou sócios alguma das pessoas a

que se refere o inciso II deste parágrafo.


É vedada a utilização de

recursos

• Pagamento de salário a atletas ou remuneração a entidades

de administração ou de prática desportiva de qualquer

modalidade;

• Despesas de manutenção e organização de equipes

profissionais de alto rendimento ou competições

profissionais;

• Aquisição de espaços publicitários em qualquer meio de

comunicação.


É vedada a utilização de

recursos

PJ da qual o doador/patrocinador

seja titular, administrador,

gerente ou sócio

$

PJ coligada ou que tenha

como titulares,

administradores

acionistas ou sócios

cônjuge

ou parente 3º grau e

dependentes

$ $

PF cônjuge ou

parente

3º grau e

dependentes

$

PF ou PJ

Sem vinculação


É vedada a utilização de

recursos

Remuneração

de atletas

profissionais

Quaisquer

despesas de

organização de

equipes

profissionais de

alto rendimento

Quaisquer

despesas de

organização de

competições

profissionais


Projetos Priorizados

• Apresentarem contrapartida do proponente;

• Apresentarem documentação comprobatória assegurando a

captação do contribuinte patrocinador ao projeto

apresentado;

• Obedeçam às prioridades anuais para aplicação dos recursos,

definidas pelo Poder Executivo;

• Sejam destinados prioritariamente a comunidades em

situação de vulnerabilidade social.


Visão Geral

Sobre a Indústria do Esporte

Movimento anual de R$ 33 bilhões (FGV)


O Brasil como Cenário das Grandes

Competições Mundiais do Esporte

• 2011 – Jogos Mundiais Militares

• 2013 – Copa das Confederações

• 2014 – Copa do mundo de Futebol

• 2016 – Jogos Olímpicos

A Embratur estima crescimento de 340% no número de turistas

chegando no Brasil, 11 milhões até 2020.


Oportunidades para as Marcas

Patrocinadoras do Esporte

• Em 1998 os direitos de transmissão dos Jogos Olímpicos pela

TV foram negociados a US$ 160 milhões.

• Em 2012, nos Jogos Olímpicos de Londres, serão US$ 4

bilhões.

• 57% das parcerias são pagas com serviços, permutas ou

tecnologia, desde fornecimento de mobiliário a limpeza de

banheiros.


Oportunidades para as Marcas

Patrocinadoras do Esporte

• Em 1985 a American Express pagou US$ 4 milhões pelo

patrocínio da Olimpíada de Los Angeles.

• A mesma American Express não aceitou pagar US$ 14,5

milhões pelos jogos seguintes de inverno e verão, no Canadá

e na Coréia do Sul. Naquela época a AMEX era líder de

mercado nas respectivas regiões.

• A VISA aceitou a proposta e fez a seguinte propaganda:

“Se for à Olimpíada, leve o seu VISA, o único cartão aceito.”

HOJE A VISA É LÍDER DE MERCADO


CALENDÁRIO DE EVENTOS

OFICIAIS - SP

• Copa Escolar de Vôleibol – Instituto Vencer

• Jogos abertos da juventude

• 54º Jogos regionais

• 74º Jogos abertos do interior

• Jogos abertos brasileiros

• Olimpíada colegial Jogos escolares do Estado de São Paulo

• Olimpíadas Escolares - JEB 2010 - Copa futsal do Estado de São Paulo

• Copa handebol do Estado de São Paulo

• Talento aquático

• Pró-atletismo

• Copa ginástica rítmica

• Copa de ginástica artística

• Jogos regionais do idoso

• Campeonato estadual de futebol


Carta de Brasília

10 Pontos - 6 de junho de 2010

• Sistema Nacional de Esporte e Lazer

• Formação e Valorização Profissional

Esporte, Lazer e Educação

Esporte, Saúde e Qualidade de Vida

• Ciência e Tecnologia

Esporte de Alto Rendimento

• Futebol

• Financiamento do Esporte

• Infraestrutura Esportiva

Esporte e Economia

• Plano Decenal de Esporte e Lazer “10

pontos em 10 anos para projetar o

Brasil entre os 10 mais”

• Objetivo: formulação e deliberação

das Políticas Públicas de Esporte e

Lazer para o país


Maiores investidores do Marketing

Esportivo no Brasil


Investimento Público


Copa 2010 – Africa do Sul

Marcas mais lembradas

Coca-Cola

Adidas

Nike

Itaú e Brahma

Guaraná Antarctica

Hyndai-Kia Motors, Seara e Vivo

Sony, Visa, McDonald’s e Puma

25%

15%

14%

09%

06%

05%

02%

Emirates, Gillette, Extra,

01%

Volkswagen, Nestlé, Samsung,

Skol, Gatorade, LG, Oi, Bradesco e BB


Oportunidades no horizonte

Com compromissos de longo prazo

Há um ambiente propício para a

construção de caminhos realmente

duradouros


Cenário

Estamos diante de um cenário sem precedentes no Brasil no

que tange o desenvolvimento do esporte.

Este cenário é consequência de uma somatória de fatores que

fazem com que o Brasil protagonize, hoje, o seu melhor

momento macroeconômico e também social.

Brasil se tornou um país cool, com economia dinâmica, que

tem empresas modernas e que está no circuito dos grandes

eventos mundiais de esporte e entretenimento.

Do ponto de vista do marketing e da comunicação, o esporte

tem se mostrado uma grande plataforma para construção e

fortalecimento de marcas.


Exemplos de investimento no esporte

Patrocínio ao Instituto Lançar-se para o Futuro, projeto que

promove a inclusão social de crianças e adolescentes por meio

da prática esportiva.

Atende cerca de 600 crianças na comunidade carente de

Curicica, região carioca que deu origem ao projeto idealizado

pelo professor Paulo Servo.

A iniciativa oferece educação, alimentação, saúde e disciplina

por meio do atletismo a jovens carentes.


Exemplos de investimento no esporte

O embrião do programa surgiu em 1997 com a criação do Centro

Rexona de Voleibol, uma inédita parceria entre a marca Rexona,

o então técnico da seleção brasileira feminina de vôlei,

Bernardinho, e o Governo do Paraná.

O projeto une uma equipe profissional de voleibol a um projeto

sócio-educativo voltado para crianças e adolescentes, aplicando

uma metodologia diferenciada, desenvolvida especialmente

para a iniciação esportiva.


Exemplos de investimento no esporte

Basquete – Patrocínio à Confederação Brasileira de Basquete

(CBB) até 2016

Judô – Patrocínio à Confederação Brasileira de Judô (CBB) até

2016

Natação – Patrocínio à Confederação Brasileira de Desportos

Aquáticos (CBDA)– até 2016


Case


Copa do Mundo e Jogos Olímpicos

Podem mudar o Brasil

• O simples fato de hospedar estes eventos já é motivo de orgulho

para o país, mas será preciso trabalhar de forma estruturada para

que estas oportunidades únicas gerem resultados duradouros:

• Impacto econômico

• Geração de empregos

• Estádios e toda a infra-estrutura construída

• Legados sociais, incluindo educação e saúde

• Legados ambientais e construções sustentáveis

• Os investimentos com benefícios fiscais devem retornar aos

cidadãos através de políticas públicas efetivas, continuadas, com

diagnósticos e avaliações, metas concretas, aumento e transparência

dos recursos utilizados.


Voleibol

Pesquisas


Performance do Vôlei

Brasileiro

QUADRO GERAL DE

MEDALHAS 2004

40 Competições /

47 Pódios

OURO 23

PRATA 11

BRONZE 13

QUADRO GERAL DE

MEDALHAS 2005

47 Competições /

69 Pódios

OURO 30

PRATA 22

BRONZE 17

QUADRO GERAL DE

MEDALHAS 2006

42 Competições /

61 Pódios

OURO 27

PRATA 19

BRONZE 15

QUADRO GERAL DE

MEDALHAS 2007

50 Competições /

55 Pódios

OURO 31

PRATA 12

BRONZE 12

QUADRO GERAL DE

MEDALHAS 2008

52 Competições /

52 Pódios

OURO 24

PRATA 13

BRONZE 15

QUADRO GERAL DE

MEDALHAS 2009

43 Competições /

51 Pódios

OURO 24

PRATA 15

BRONZE 12


Performance do Vôlei

Brasileiro

QUADRO GERAL

DE MEDALHAS

1997 à 2010

OURO 27

PRATA 8

BRONZE 3

BICAMPEÃ OLÍMPICA

1992/ 2004

BICAMPEÃ MUNDIAL

2002/ 2006

ENEACAMPÃ

Liga Mundial


Performance do Vôlei

Brasileiro

QUADRO GERAL

DE MEDALHAS

1997 à 2010

OURO 19

PRATA 7

BRONZE

CAMPEÃ

OLÍMPICA 2008

OCTACAMPEÃ

Grand Prix


Atributos do Voleibol

O 2º ESPORTE

LAZER, PRAZER, SAÚDE, PAIXÃO

ESTIMULO, ARREPIO, VIBRAÇÃO

ALEGRIA, COLORIDO, COMEMORAÇÃO

EQUIPE EM TOTAL E PERFEITA SINCRONIA,

UNIÃO

REVERSÕES DE EXPECTATIVAS, FORTES EMOÇÕES

SIMBIOSE ENTRE A TORCIDA E JOGADORES, PÚBLICO “FAMÍLIA”

TÉCNICA, DEDICAÇÃO, DETERMINAÇÃO, ULTRAPASSAR LIMITES

RPC Pesquisa e Consultoria:

2000


Esporte que mais gosta 2000 vs. 2004

Vôlei

2000 2004

43,0

69,3

+ 26,3%

Em 1996 a distância

era de 21 pontos, em

2000 esta distância

caiu para 18 pontos.

Em 2003 a distância

era de 7 pontos e hoje

é de apenas 4,5.

Distância era 7

pontos, hoje é 4,5

Futebol

61,0

73,8

+ 12,8%

Em 4 anos, o voleibol

brasileiro cresceu quase 27

pontos!


Esporte preferido das

mulheres

100,0%

80,0%

60,0%

40,0%

20,0%

77,3

62,9

57,1

87,4

63,1

48,0

40,6 39,1

18,0

47,4

20,2 23,8

Feminino

Masculino

0,0%

Vôlei Futebol Natação Basquete Automobilismmo Tênis

As mulheres decidem as compras. A palavra final é sempre delas!

De 2000 a 2004, houve um aumento de 25% de mulheres

que gostam de Vôlei!


Esporte democrático

80

70

70 72 64

A/B C D/E

70 77 75 57 56

48

60

50

40

39 43 34

40 37

23

30

26 23

13

20

10

0

Vôlei Futebol Natação Basquete Automobilismmo Tênis


O jovem GOSTA do voleibol

80

70

60

50

76 80 60

74 75 53

68 68

57

53

74

49

43

72

42

40

30

20

10

0

12 a 18 19 a 30 31 a 45 46 a 55 56 ou mais

Vôlei Futebol Natação Basquete

76% dos jovens GOSTA de Vôlei!


Case Banco do Brasil

Promoção de Vendas

• 210.085 produtos vendidos

• US$ 27.338.413,38 captados durante a

realização do World Grand Champions Cup

no Japão

Conquista de Clientes

• 1.854 contas abertas durante a realização

do World Grand Champions Cup no Japão

• 15.500 contas abertas durante a realização

das etapas dos Circuito Banco do Brasil

Vôlei de Praia


Case

Olympikus

• A Olympikus e a Confederação

Brasileira de Voleibol iniciaram em

janeiro de 1997 uma parceria que já

rendeu várias conquistas.

• Top of mind - A marca é Top of Mind

desde 1998, lembrando que em 98

estávamos em ano de Copa do Mundo

e concorrendo com Marcas globais.

Em 2001 foram Top Of Mind com 15%.

• Líder de share de mercado % - Em

1996 tinha 2% de participação.

Atualmente tem 12% de mercado,

segundo IBOPE.


Case Supergasbrás

• 1983: Criação da Associação

Atlética da Supergasbrás de

Voleibol Feminino.

• Endomarketing: Motivação da

força de venda com bonificação

por resultados e torcida organizada

dos funcionários, paixão pelo time.

• Reversão do quadro financeiro e

conquista do 1º lugar no ranking

de market share.

• Conquista do tetra campeonato

brasileiro e carioca, obtendo um

excelente recall de marca até os

dias atuais.


Mídia


A mídia para o esporte

• A mídia ajudou a fazer com que algumas das mais belas obras

de arte produzidas pelos diferentes esportes passassem a

fazer parte do cotidiano e da memória coletiva da

humanidade.

Gabrielle Andersen (1984)


A mídia para o esporte

• Visibilidade e Promoção


A mídia para o esporte

• Visibilidade e Promoção


A mídia para o esporte


A mídia para o esporte

• Geração de Conteúdo


Comunidade

• Integração social

Incentivo à prática esportiva


A mídia e o esporte como plataformas

Empresas

Pessoas


Diversidade

Diferentes Relações


Equação

MKT

Controler


Outros Incentivos Fiscais


Outros Incentivos Fiscais Federais

Lei Rouanet – cultura

Lei Audiovisual

• Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente

• Oscip e Utilidade Pública

• Entidades de ensino


Lei Rouanet – Art. 18

• Artes cênicas

• Livros de valor artístico, literário ou humanístico

• Música erudita ou instrumental

• Exposições de artes visuais

• Doações de acervos para bibliotecas públicas, museus, arquivos

públicos e cinematecas, bem como treinamento de pessoal e

aquisição de equipamentos para a manutenção desses acervos

• Produção de obras cinematográficas e videofonográficas de curta e

média metragem e preservação e difusão do acervo audiovisual

• Preservação do patrimônio cultural material e imaterial e

• Construção e manutenção de salas de cinema e teatro, que

poderão funcionar também como centros culturais comunitários,

em Municípios com menos de 100.000 (cem mil) habitantes.


Lei Rouanet – Art. 26

• Teatro, dança, circo, ópera, mímica e congêneres

• Produção cinematográfica, videográfica, fotográfica, discográfica e

congêneres, exclusivamente as produções independentes, bem

como as produções culturais-educativas de caráter não comercial,

realizadas por empresas de rádio e televisão

• Literatura, inclusive obras de referência

• Música

• Artes plásticas, artes gráficas, gravuras, cartazes, filatelia e outras

congêneres

• Folclore e artesanato

• Patrimônio cultural, inclusive histórico, arquitetônico, arqueológico,

bibliotecas, museus, arquivos e demais acervos

• Humanidades e

• Rádio e televisão, educativas e culturais, de caráter não-comercial.


Lei Rouanet

Lei Rouanet Doação - Art. 26 Patrocínio - Art. 26 Art. 18

Valor da doação R$ 4.433.497,54 R$ 5.882.352,94 R$ 1.800.000,00

Lucro Real Apurado R$ 300.000.000,00 R$ 300.000.000,00 R$ 300.000.000,00

Lucro Real Após Doação R$ 295.566.502,46 R$ 294.117.647,06 R$ 300.000.000,00

Percentual da doação a ser deduzido 40% 30% 100%

Limite de dedução do IRPJ devido 4% 4% 4%

Dedução do IRPJ devido R$ 1.773.399,01 R$ 1.764.705,88 R$ 1.800.000,00

Valor do IRPJ com incentivo R$ 72.094.226,60 R$ 71.740.705,88 R$ 73.176.000,00

Valor do IRPJ sem incentivo R$ 74.976.000,00 R$ 74.976.000,00 R$ 74.976.000,00

Economia tributária no IRPJ R$ 2.881.773,40 R$ 3.235.294,12 R$ 1.800.000,00

Valor da CSLL sem incentivo R$ 27.000.000,00 R$ 27.000.000,00 R$ 27.000.000,00

Valor da CSLL com incentivo R$ 26.600.985,22 R$ 26.470.588,24 R$ 27.000.000,00

Economia tributária na CSLL R$ 399.014,78 R$ 529.411,76 R$ 0,00

Economia tributária total R$ 3.280.788,18 R$ 3.764.705,88 R$ 1.800.000,00

Relação Doação e benefício tributário 74% 64% 100%


Lei do Audiovisual

• Art. 1º, adquirir ‘Certificados de Investimento’

(até o ano-calendário 2.010)

• Art. 1º-A: patrocínio à produção de obras cinematográficas

brasileiras de produção independente, cujos projetos tenham

sido previamente aprovados pela Ancine (até o anocalendário

de 2016)


Lei do Audiovisual

Lei do Audiovisual Art. 1º Art. 1º - A

Valor do Investimento R$ 449.326,01 R$ 1.800.000,00

Lucro Real Apurado R$ 300.000.000,00 R$ 300.000.000,00

Lucro Real Após investimento R$ 299.550.673,99 R$ 300.000.000,00

Limite de dedução do IRPJ devido 1% 4%

Dedução do investimento do IRPJ devido R$ 449.326,01 R$ 1.800.000,00

Valor do IRPJ com incentivo R$ 74.414.342,49 R$ 73.176.000,00

Valor do IRPJ sem incentivo R$ 74.976.000,00 R$ 74.976.000,00

Economia tributária no IRPJ R$ 561.657,51 R$ 1.800.000,00

Valor da CSLL sem incentivo R$ 27.000.000,00 R$ 27.000.000,00

Valor da CSLL com incentivo R$ 26.959.560,66 R$ 27.000.000,00

Economia tributária na CSLL R$ 40.439,34 R$ 0,00

Economia tributária total R$ 602.096,85 R$ 1.800.000,00

Relação Investimento e benefício tributário 134% 100%


FUNCAD

Fundos Direitos Criança Adolescente

Descrição Valor em R$

Valor da Doação R$ 450.000,00

Lucro Real Apurado R$ 300.000.000,00

Dedução da doação (limitada a 1%) R$ 450.000,00

Valor do IRPJ com incentivo R$ 74.526.000,00

Valor do IRPJ sem incentivo R$ 74.976.000,00

Economia tributária R$ 450.000,00

Relação Patrocínio/Doação e benefício tributário 100%


Oscip e Entidades de Utilidade Pública

Descrição Valor em R$

Valor da Doação R$ 8.000.000,00

Lucro Operacional R$ 400.000.000,00

Lucro Real antes da doação R$ 300.000.000,00

Valor do IRPJ sem incentivo R$ 74.976.000,00

Doação (limitada a 2% do Lucro operacional) R$ 8.000.000,00

Lucro Operacional após doação R$ 392.000.000,00

Valor do IRPJ com incentivo R$ 72.976.000,00

Economia tributária no IRPJ R$ 2.000.000,00

Valor da CSLL sem incentivo R$ 6.585.840,00

Valor da CSLL com incentivo R$ 5.865.840,00

Economia tributária na CSLL R$ 720.000,00

Economia tributária total R$ 2.720.000,00

Relação Investimento e benefício tributário 34%


Entidades de ensino

Descrição Valor em R$

Valor da Doação R$ 6.000.000,00

Lucro Operacional R$ 400.000.000,00

Lucro Real antes da doação R$ 300.000.000,00

Valor do IRPJ sem incentivo R$ 74.976.000,00

Doação (limitada a 1,5% do Lucro operacional) R$ 6.000.000,00

Lucro Operacional após doação R$ 394.000.000,00

Valor do IRPJ com incentivo R$ 73.476.000,00

Economia tributária no IRPJ R$ 1.500.000,00

Valor da CSLL sem incentivo R$ 6.585.840,00

Valor da CSLL com incentivo R$ 6.045.840,00

Economia tributária na CSLL R$ 720.000,00

Economia tributária total R$ 2.220.000,00

Relação Investimento e benefício tributário 37%


Outros Incentivos

Fiscais Estaduais


Rio de Janeiro

• 4% do ICMS

Lei nº 1.954/1992 - Lei Estadual de Incentivo à Cultura e

esporte

• Previsão de R$ 40 milhões de renúncia fiscal

• Compete com a Lei de Incentivo à cultura que consome

80% do total

• Exige contrapartida financeira


Minas Gerais

Lei 16.318/2006 - concessão de desconto para pagamento

de crédito tributário inscrito em dívida ativa com o objetivo

de estimular a realização de projetos desportivos no Estado

•Desconto de 50% das multas e dos juros de moras, a elas

aplicados relativo ao ICMS.


Bahia

• A lei Estadual nº 7539, de 24 de novembro de 1999,

instituiu Programa Estadual de Incentivo ao Esporte

Amador Olímpico e Para-olímpico – FAZ ATLETA

• Abatimento de até 5% (cinco por cento) do imposto

devido em cada mês, que será descontado do total a

recolher num período único ou em períodos sucessivos,

até atingir o limite de 80% (oitenta por cento) do valor do

projeto.


Outros Incentivos Fiscais Estaduais

• GOIÁS - Lei nº 14.546/2003 - Programa Estadual de Incentivo

ao Esporte – PROESPORTE

• DISTRITO FEDERAL – Lei nº 14.546/2003 - Programa de Apoio

ao Esporte – PAE

• MATO GROSSO - Programa de Desenvolvimento Industrial do

Estado de Mato Grosso – PRODEI, criado pela Lei

5.323/1988

• SANTA CATARINA – Lei nº 13.719/2006 - Programa Santa

Catarina Olímpico


Outros Incentivos

Fiscais Municipais


Porto Alegre

• PROESPORTE - autogestão e autofinanciamento do segmento esportivo –

federações, associações, organizações, sindicatos, clubes e atletas

• § 1º Em se tratando de ISSQN, a redução fica limitada a 40% (quarenta

por cento) do imposto devido no mês, a partir do mês seguinte à emissão

do Certificado de Crédito e enquanto houver saldo.

• § 2º Em se tratando de IPTU, a redução fica limitada a 40% (quarenta por

cento) do imposto devido no exercício seguinte e nos subseqüentes,

enquanto houver saldo.

• § 3º A redução de 40% (quarenta por cento), prevista nos §§ 1º e 2º

deste artigo, somente pode ser aplicada em um único imposto.

• Art. 13. Os contribuintes poderão obter incentivos fiscais limitados a até

70% (setenta por cento) do valor individualmente investido no

PROESPORTE, sendo que o valor individual do projeto não poderá superar

o percentual de 6% (seis por cento) do montante global destinado

anualmente ao projeto por decreto do Prefeito Municipal.


Curitiba

• Fundo Municipal da Cultura

• Art. 5º. O Incentivo Fiscal referido no art. 1º desta lei

corresponde à dedução fiscal no pagamento do Imposto

Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISS e do Imposto Sobre

a Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU, até o limite

de 20% (vinte por cento) do valor de cada incidência dos

tributos, por parte do contribuinte do Município de Curitiba,

através da seguinte ação:

• I - Mecenato Subsidiado: a transferência gratuita de recursos

pelo incentivador ao empreendedor para a realização de

projeto cultural, com finalidades promocionais, publicitárias

ou de retorno institucional.


Itajaí

Lei nº 4513/2005, apoio à realização de projetos esportivos

• § 1º Os recursos financeiros captados junto aos contribuintes

em favor dos projetos, com base nos valores dos Certificados

de Enquadramento, representarão, no máximo, 30% (trinta

por cento) do total do Imposto sobre Serviços de Qualquer

Natureza - ISSQN, devido pelo contribuinte, vedada a

acumulação com o disposto no art. 3º da Lei nº 3.473 de 11

de janeiro de 2000.


São Paulo - Lei Mendonça ISS e IPTU

• Música

• Dança

• Teatro

• Circo

• Audiovisual

• Fotografia

• Literatura

• Artes plásticas

• Artes gráficas

• Cultura popular

• Acervo e patrimônio histórico, arquitetônico e cultural

• Museus e centros culturais


Proponente

Lei Mendonça (Cultural) IPTU ISS

Valor do Certificado R$ 28.571,43 R$ 142.857,14

IPTU total devido em São Paulo R$ 100.000,00 R$ 500.000,00

Percentual de aproveitamento 20% 20%

Valor de dedução do IPTU R$ 20.000,00 R$ 100.000,00

Percentagem de aproveitamento 70% 70%

Valor doado R$ 28.571,43 R$ 142.857,14

Economia tributária R$ 20.000,00 R$ 100.000,00

Relação doação e benefício tributário 70% 70%


DÚVIDAS FREQUENTES


Esporte como ação de

responsabilidade social

• Uma empresa que valoriza sua vizinhança goza de uma boa

relação com a comunidade.

• Seus funcionários atuais e futuros residem na sua vizinhança.

• O esporte possui componentes sociais muito fortes: estimula

ações em comunidade, promove a atitude positiva diante da

vida e da educação.


O que apoiar

• Identifique o que, de fato, é relevante para a localidade no momento.

• Cada território tem sua necessidade e é esta necessidade que permitirá à empresa

colaborar de fato para a superação dos desafios da comunidade.

• Identifique organizações que já usem o incentivo do esporte e outras que podem ser

proponentes.

• A lei é nova, portanto é relevante promover o seu uso entre as organizações que a

desconhecem.

• Invista na formação destas organizações, se for necessário. (Case Petrobras)

• IDENTIFIQUE ORGANIZAÇÕES LEGÍTIMAS NA COMUNIDADE, SÉRIAS E COMPETENTES:

• ESPORTE É COISA SÉRIA, O DINHEIRO DO INCENTIVO FISCAL É PÚBLICO, PORTANTO

SUA MARCA DEVE ESTAR ASSOCIADA À ORGANIZAÇÕES ÉTICAS E COMPETENTES.


O que apoiar

• Recurso pequeno, projeto pequeno. Recurso médio, projeto médio. Recurso

grande: Estabelecer critérios e seleção de projetos: O estabelecimento de critérios

e seleção democratizam a participação, diminuem os riscos de favorecimento de

projetos, permitem identificação de diversos projetos desconhecidos.

• Apóie projetos relevantes segundo seus objetivos empresariais, coerentes com a

demanda da comunidade e que tenham resultados para mostrar:

- Projetos sociais usam o esporte como meio = inclusão social

- Projetos esportivos visam formar desportistas: performance esportiva de atletas.

- Eventos desportivos são eventos de promoção do esporte: Participação, retorno

de mídia identifique projetos.

• Identifique parceiros onde a relação possa ser duradoura: Esporte, assim como a

educação, é uma ação de longo prazo: Parcerias que se desenvolvam ao longo do

tempo.


O que apoiar

• Alinhe valores da marca às ações esportivas apoiadas: Cada marca tem um valor e esse valor

pode ser percebido pelas ações esportivas apoiadas.

• Reserve recursos sem incentivo fiscal para ações promocionais: Todo projeto pode gerar

ações promocionais com clientes, com funcionários, com a comunidade.

• Esteja próximo dos projetos apoiados: quanto mais próximo apoiador e apoiado estiverem,

melhores relações serão promovidas.

• Busque os resultados do projeto junto com a organização: o projeto apoiado tem um

objetivo e ele deve ser atingido e o expert em esporte deve ser respeitado.

• Cada empresa tem ativos (funcionários, fornecedores, etc.) que podem ser utilizados a favor

do projeto.

Lembre-se de se associar a organização séria e competente.

Um bom projeto demora para ter visibilidade, mas um mau projeto tem reflexos sociais

imediatos.


Principais motivos para a baixa

utilização das Leis de Incentivo

• Burocracia envolvida na concessão dos benefícios.

• Desconhecimento das Leis de Incentivo. Além da Lei Federal,

existem cerca de 50 leis estaduais e municipais de incentivo ao

esporte.

• Desconhecimento sobre a utilização das leis em projetos

relacionados à sustentabilidade e responsabilidade social.

• Diversidade de Leis, percentuais, bases de cálculo e de impactos

contábeis e fiscais.

• Falta de articulação entre as áreas da empresa: tributária,

financeira, orçamentária, marketing e responsabilidade social.


Para o uso eficiente das Leis

de Incentivo é necessário

• Identificação dos incentivos potenciais através da contratação

de consultoria tributária especializada.

• Planejamento financeiro dos desembolsos atrelados ao

orçamento corporativo e verbas destinadas a marketing.

• Identificação e seleção dos projetos sob medida e alinhados

ao DNA da marca

• Parceria com instituição capacidade técnica comprovada

para desenvolver e realizar os projetos.


Evolução de Investimentos

Pessoas Jurídicas


Evolução de Investimentos

Pessoas Físicas


Você pode fazer a DIFERENÇA

JEAN MARC ROBERT NOGUEIRA BAPTISTA ETLIN 28/12/2010 215.000,00

JOSE RIBEIRO DE MENDONÇA 01/09/2010 200.000,00

MAURICIO DAL AGNOL 24/05/2010 150.000,00

MARIO SILVEIRA TEIXEIRA JUNIOR 30/12/2010 70.000,00

ANDRE DE AZEVEDO PALMEIRA 21/12/2010 50.000,00

MAURICIO DAL AGNOL 27/07/2010 50.000,00

MILTON MATSUMOTO 15/12/2010 40.000,00

ALEXANDRE DE AZEVEDO PALMEIRA FILHO 21/12/2010 32.000,00

GERALDO RIBEIRO DE MENDONÇA 04/10/2010 30.000,00

MÁRIO DA SILVEIRA TEIXEIRA JÚNIOR 15/12/2010 24.141,95

ADEMIR COSSIELLO 15/12/2010 20.000,00

ALEXANDRE DA SILVA GLUHER 15/12/2010 20.000,00

ALFREDO ANTONIO LIMA DE MENEZES 15/12/2010 20.000,00

ANDRE RODRIGUES CANO 15/12/2010 20.000,00

ANTONIO BORNIA 15/12/2010 20.000,00

ARNALDO ALVES VIEIRA 15/12/2010 20.000,00

AURÉLIO CONRADO BONI 15/12/2010 20.000,00

CANDIDO LEONELLI 15/12/2010 20.000,00

CARLOS ALBERTO RODRIGUES GUILHERME 15/12/2010 20.000,00

JOSÉ ALCIDES MUNHOZ 15/12/2010 20.000,00

JOSUÉ AUGUSTO PANCINI 15/12/2010 20.000,00

LAÉRCIO ALBINO CEZAR 15/12/2010 20.000,00


Você pode fazer a DIFERENÇA

LUIZ CARLOS TRABUCO CAPPI 15/12/2010 20.000,00

LÁZARO DE MELLO BRANDÃO 15/12/2010 20.000,00

MARCELO DE ARAÚJO NORONHA 15/12/2010 20.000,00

MARCO ANTONIO ROSSI 15/12/2010 20.000,00

MÁRIO HELIO DE SOUZA RAMOS 15/12/2010 20.000,00

NILTON PELEGRINO NOGUEIRA 15/12/2010 20.000,00

NORBERTO PINTO BARBEDO 15/12/2010 20.000,00

ODAIR AFONSO REBELATO 15/12/2010 20.000,00

SERGIO ALEXANDRE FIGUEIREDO CLEMENTE 15/12/2010 20.000,00

SÉRGIO SOCHA 15/12/2010 20.000,00

LAZARO DE MELLO BRANDÃO 05/02/2010 20.000,00

LUIZ CARLOS ANGELOTTI 15/12/2010 15.000,00

PEDRO DE ANDRADE FARIA 24/12/2010 15.000,00

RICARDO CASTELLAR DE FARIA 29/12/2010 12.000,00

ALEXANDRE PEREIRA RODRIGUES DE SA CASTANHEIRA 23/12/2010 10.000,00

HERMAN KARLY 26/05/2010 10.000,00

GUILHERME FIGUEIREDO 29/12/2010 10.000,00

ALEXANDRE JADALLAH AOUDE 27/12/2010 10.000,00

EDUARDO SILVEIRA MUFAREJ 24/12/2010 10.000,00

WALTER BEISER 30/12/2010 9.000,00

MAURICIO BORGES SAMPAIO 30/09/2010 8.300,00


Você pode fazer a DIFERENÇA

RAFAEL PIRES VALDIVIA FILHO 28/12/2010 8.000,00

CARLOS EDUARDO DE FREITAS MAMEDE 29/07/2010 7.000,00

GUSTAVO FERRANTI TEIXEIRA 30/12/2010 7.000,00

ALOISIO WOLFF 06/01/2010 6.958,96

ALEOCIODIO BSLZANELO 30/12/2010 6.600,00

MAURICIO BORGES SAMPAIO 30/11/2010 5.711,00

PAULO ARMANDO BORN 23/12/2010 5.460,00

MAURICIO BORGES SAMPAIO 29/10/2010 5.255,00

THEREZA CAVALCANTI SAMAJA 12/02/2010 5.000,00

HERMINE LEH 30/06/2010 5.000,00

ARISTIDES CIMADON 30/12/2010 5.000,00

ELIZABETH BEISER 30/12/2010 5.000,00

JOSÉ MARIA SOARES NUNES 15/12/2010 5.000,00

MARCOS BIER HERRMANN 07/05/2010 4.650,00

SERGIO JOSE ZANCANARO 30/12/2010 4.583,00

CLACI PEDRO ZANCANARO 30/12/2010 4.417,00

LUCAS THADEU ORIHUELA DA LUZ 29/12/2010 4.000,00

PLINIO LUIZ GIACOMINI 30/12/2010 4.000,00

JEFERSON JOSE DA FONSECA VINHOLES 29/12/2010 3.600,00

MARCIO MEDEIROS 16/12/2010 3.600,00

GIULIANO GUGLIELMI 17/12/2010 3.500,00

BENO LEO ROCKENBACK 29/12/2010 3.300,00


Você pode fazer a DIFERENÇA

MICHAEL SCHNEIDER FLACH 29/12/2010 3.000,00

FRANCEISCO RODRIGUES DE OLIVEIRA 30/12/2010 3.000,00

DECIO DA SILVA 17/12/2010 3.000,00

HARRY SCHMELZER JUNIOR 30/12/2010 3.000,00

MAURICIO BORGES SAMPAIO 30/12/2010 2.749,00

UBIRATAM JURANDI DE OLIVEIRA VARGAS 28/12/2010 2.500,00

RICARDO HENRIQUE DA FONSECA RODRIGUES 30/12/2010 2.500,00

ARISON JUNG 25/06/2010 2.500,00

ALIDOR LUERDES 30/12/2010 2.500,00

ENECIO ADOLFO MICHAELSEN 29/12/2010 2.000,00

IRTON JOSE BONI 27/12/2010 2.000,00

LEODOVI DAMETO 28/12/2010 2.000,00

PROTASIO BOCCHESE GUAZZELLI 21/12/2010 2.000,00

SERGIO PARIZOTTO 17/12/2010 2.000,00

SIEGAHARDT JOHANN KLEINFELDER 30/06/2010 2.000,00

JOSÉ RICARDO SCARELLI CARRIJO 30/12/2010 2.000,00

CAMILA COELHO DE SOUZA DANTAS 20/12/2010 2.000,00

SERGIO LUIZ SILVA SCHWARTZ 30/12/2010 2.000,00

EDUARDO SILVA LOGEMANN 28/12/2010 2.000,00

CARLOS JACK SOMACAL 28/12/2010 2.000,00

JOSE ALVEAR PIZOLOTTO 30/12/2010 2.000,00

MANOEL CARIOCA MARTINS DE ARAUJO 31/12/2010 1.950,00

More magazines by this user
Similar magazines