Views
3 years ago

Capitulo 6

Capitulo 6

Capitulo 6 Máquinas CA Rotor em curto Rotor bobinado Os rotores em curto, ou gaiola de esquilo tem a grande vantagem de não possuir contatos elétricos móveis, eliminando-se assim os anéis coletores, escovas e suas constantes manutenções. 6.2.2.1- Esquemas de ligações em um motor trifásico Como o motor trifásico possui três enrolamentos, seu esquema de ligação poderá ser em Y ou ∆, sendo que, se for ligado da última forma as bobinas terão uma tensão maior que em Y, pois a tensão de fase agora é igual a de linha. A figura abaixo mostra as duas formas de ligação. 6.2.2.2- Conjugado em um motor trifásico O conjugado em um motor de indução pode ser demostrado matematicamente como sendo: C=C médio cos Lembre-se que o conjugado em um motor é proporcional ao produto B.I, onde B é o campo magnético produzido pelo estator e I é a corrente induzida no rotor. O ângulo que aparece na expressão do conjugado é a defasagem entre o campo magnético e a corrente induzida. Observe que o conjugado do motor será máximo quando = 0, ou seja, quando a característica elétrica do circuito do rotor for puramente resistiva, pois a f.e.m. induzida nas barras do rotor está em fase com o campo magnético, e como o rotor apresenta características indutivas, a corrente fica atrasada em relação a tensão, e conseqüentemente ao campo magnético. Em contrapartida o valor da corrente rotórica diminui não aumentando Del – UFES 6-8 Professor Vinícius Secchin

Capitulo 6 Máquinas CA significativamente o conjugado final do motor, mas eliminamos o conjugado resistente que existe quando há defasamento entre o campo magnético e a corrente rotórica. Nos rotores do tipo gaiola não podemos acrescentar resistência ao circuito do rotor, porém nos rotores bobinados, por termos acesso aos seus enrolamentos podemos faze-lo. Esta opção também diminui significativamente a corrente de partida. A figura a seguir mostra o gráfico do conjugado de um motor de indução com rotor tipo gaiola em função do escorregamento. Conjugado C máx 25% 50% 75% 100% Escorregamento Observe que o conjugado aumenta rapidamente no primeiro trecho e depois cai lentamente até o motor parar. Temos então nesta curva duas regiões. Na primeira região seu funcionamento é estável, pois uma eventual sobrecarga produz um aumento no escorregamento do motor, aumentando assim sua corrente, reforçando então o conjugado do motor que restabelece novamente o equilíbrio. Na segunda região seu comportamento é instável, pois qualquer sobrecarga produz aumento em seu escorregamento, reagindo assim o motor com uma diminuição no conjugado, diminuindo mais ainda o seu escorregamento, e em pouco tempo levando o motor a parar. Podemos também analisar o conjugado em função da rotação do motor (figura abaixo). Neste diagrama notamos que a região de funcionamento do motor, compreende- se entre a velocidade do sincronismo e a de plena carga. O conjugado que o motor produz com carga nominal, é aproximadamente a metade do valor do conjugado máximo que o mesmo pode produzir. Conjugado C máx Conjugado de carga C carga 25% 50% 75% 100% Velocidade Velocidade nominal em plena carga Del – UFES 6-9 Professor Vinícius Secchin

Capítulo 6. – Organização da Informação - Ibict
Capítulo 6 - Uma Igreja de presença e sinal do Reino - Arquidiocese ...
Capítulo 6, Processos de melhoria contínua, parte B - André Jun ...
5201 Po Sparc IS 6/02 - Sram
Motor de Indução Trifásico (MIT) - IFBA
Máquinas Elétricas para Automação Capítulo 2 – Máquinas ... - Unesp
Capítulo V Máquinas Síncronas - IFBa
S - Programa de Engenharia Elétrica - UFRJ
6- Rendimento dos Motores de CC - Eletronica.org
C13 capitulo 6 levantamentos hidrograficos - Instituto Hidrográfico
Capitulo 6 - Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFMG
Eletrotécnica Comandos Elétricos Ligação de Motores - Intranet ETB
luis cândido tomaselli - Ivo Barbi