Views
3 years ago

Determinantes industriais do antidumping no Brasil - CNI

Determinantes industriais do antidumping no Brasil - CNI

AD foi “fabricação

AD foi “fabricação de produtos químicos orgânicos (24.2)”, que apresentou coeficiente de importação médio de 21% e diminuição percentual de 44% dessa razão ao longo do período, indicando que a produção doméstica ainda é predominante tem aumentado nessa indústria. Por outro lado, o volume importado do setor CNAE 24.2 é expressivo e cresceu consideravelmente no período (74%), em valores reais. Esse mesmo padrão se repete para outros químicos, com exceção de fios e filamentos (CNAE 24.4) e produtos farmacêuticos (CNAE 24.5) em que houve aumento de IMPSH. O nível tarifário TAR tem efeito estatístico e sinais positivos, com exceção da especificação 06. Esse resultado demonstra que os setores com maior grau de proteção tarifária são também beneficiados pela proteção adicional da defesa comercial, sugerindo a possível capacidade de lobby. Duas variáveis de interação entre o nível tarifário e a concentração setorial (TAR*CONC) e o grau de mobilização (TAR*EMP/UM) foram testadas separadamente nas especificações pooled logit e PA logit. A primeira exerce efeito positivo e estatisticamente significativo a 10% em ambos os modelos; a segunda exerce efeito negativo e significativo a 10% e 1%, respectivamente, sobre a probabilidade do dumping, sugerindo que setores mais organizados e com proteção tarifária não utilizam a defesa comercial. Importante mencionar que os setores com maior emprego/organização são aqueles de produtos industriais elaborados, como automóveis e caminhões. A variável de interação entre o coeficiente exportador e o grau de utilização de insumos (EXSH*IMPT) nas especificações 03 e 04, apresentou coeficiente com sinal positivo esperado, mas estatisticamente insignificante. Portanto, é fraco o argumento que o peso exportador e o grau de utilização de insumos influenciariam os setores a fazer lobby contra a aplicação de medidas AD. As variáveis relativas ao capital físico e humano KAP e SKILL e a razão trabalho-capital KAP/LAB não apresentaram relevância estatística. As variáveis de fatores de produção se mostraram insignificantes e sem os sinais esperados, com exceção de LAB – o conteúdo do fator trabalho – e NAT/EN – o conteúdo de recursos naturais (energia), embora esta tenha o sinal inverso ao esperado. A intensidade do fator trabalho LAB diminui a probabilidade de uma determinação positiva de dumping. Conforme o teorema H-O, as indústrias intensivas no fator relativamente abundante teriam mais capacidade de manter o mercado após a abertura comercial e, portanto, são menos propensas ao lobby, Por outro lado, esse sinal pode indicar apenas a dificuldade de mobilização política dos setores intensivos em trabalho, A interação entre a variável LAB e a variável EMP/UM (LAB*EMP/UM), testada nas especificações 09 e 10, foi significante a 10% em ambas os modelos (pooled logit e PA logit), com sinal negativo, implicando relativa dificuldade dos setores intensivos em trabalho em se mobilizar. É importante lembrar que os setores com o maior nível desse fator são “confecções de artigo de couro” (CNAE 19,2), “confecções de artigos de vestuário” (CNAE 18,1), “confecções de calçados” (CNAE 19,3), setores fragmentados e sem sindicatos fortes.

Outro ponto a ser ressaltado diz respeito à competitividade dos setores intensivos em trabalho, que estaria gerando uma reação contra importações desleais e aumentando a probabilidade de AD. Apesar da tão difundida ideia da invasão de produtos chineses, cujas indústrias têm menores custos trabalhistas relativamente ao Brasil, os dados mostram um quadro um diferente. Não obstante a China ser o país com o maior percentual de determinações positivas na nossa amostra de 74 NCMs (25,68% do total), os produtos chineses afetados não são formados apenas por indústrias intensivas em trabalho. As importações chinesas atingidas por AD incluem produtos intensivos em trabalho, como armações de óculos e lápis, mas também vários químicos e produtos de metal, como o glifosato, o magnésio e peças industriais - produtos com altas escalas de produção (ver Anexo, quadro II), Nesse sentido, é possível também explicar o valor positivo e altamente significativo da variável NAT/EN. Essa variável reflete o consumo de energia em proporção à produção, e é também uma proxy para indústrias com altas escala de produção, Entre os 10 setores com os maiores coeficientes de NAT/EN, incluem-se “produção de ferro-gusa e de ferroligas” (CNAE 27,1),“Metalurgia de metais não-ferrosos” (CNAE 27,4), “fabricação de papel, papelão liso, cartolina e cartão” (CNAE 21,2), típicas indústrias com altas economias de escala e que foram afetados por medidas AD no período. Finalmente, as variáveis referentes ao desempenho econômico, apontam para algumas conclusões parecidas àquelas da literatura econômica sobre a abertura comercial. A variável PCM, a margem de lucro, exerce efeito positivo sobre a probabilidade de antidumping no modelo pooled logit da especificação básica e em todas as especificações com interações, excetuando as regressões 03, 04 e 12, com significância a 5% e 10%. Assim, se sugere que indústrias com margens de lucro mais altas têm capacidade de influenciar a decisão por proteção administrada. Essa constatação vai contra uma das principais argumentações para a alegação de dano à indústria doméstica, que é a diminuição das margens de lucro em decorrência da competição predatória dos importados. Por sua vez, a variável PROD, a produtividade setorial, exerce efeito negativo e significativo a 5% no modelo pooled logit e 10% no modelo PA logit, nas especificações básicas. Nas regressões alternativas, com exceção de 04, essa variável se mostra estatisticamente significativa - a 1% em todas as especificações pooled logit, com exceção de 03. A explicação por trás desses resultados robustos indica que os setores com ganhos de produtividade estariam mais competitivos e aptos a sustentar a concorrência com importados e, portanto, menos propensos a buscar medidas AD. Conforme mencionado, a literatura econômica recente apontou para efeitos positivos da abertura econômica sobre a produtividade das firmas, de forma que estes setores necessitariam menos de mecanismos de defesa comercial. A variável INV, uma proxy para o nível de investimento, a razão entre melhoramentos de capital e capital fixo, exerce efeito estatístico positivo e significante sobre a probabilidade do dumping em todas as especificações, com exceção de 09. Um dos principais argumentos das requerentes por defesa comercial é

Benchmarking Industrial - Movimento Brasil Competitivo
Fevereiro/2017 - Referência Industrial 182
proposta de política industrial para a construção civil ... - Fiesp
Propostas para uma nova Política Industrial, Tecnológica e ... - Abinee
Determinantes dos gastos das famílias com saúde no Brasil - Anpec
Eficiência Energética na Indústria: o que foi feito no Brasil ... - CNI
Determinantes da Pobreza no Brasil - Instituto de Economia da ...
os determinantes dos custos da insolvência financeira
Fatores demográficos como determinantes da criminalidade
Os Determinantes da Desigualdade de Renda no Brasil: Luta de ...
Patrimônio industrial no Brasil
CAPÍTULO 8 Determinantes do investimento Privado no Brasil ...
análise teórica e empírica dos determinantes de corrupção - Anpec
Efeito da inovação e difusão tecnológica sobre a mobilidade ... - CNI
1 2º Encontro Empresarial Brasil-União Européia Declaração ... - CNI
Soluções Industriais - Siemens Brasil
Produto Nacional: uma história da indústria no Brasil - CNI
Sobre o Debate da Falta de Mão-de-Obra Qualificada no Brasil - CNI