Rádio UNIFESP Web – Desenvolvimento de um Modelo para ... - SBIS

sbis.org.br

Rádio UNIFESP Web – Desenvolvimento de um Modelo para ... - SBIS

Rádio UNIFESP WebDesenvolvimento de um Modelo

para a Disseminação do Conhecimento em Saúde

Rilvanda Pereira da Silva 1 , Thiago Martini da Costa 2 , Anderson Diniz Hummel 2 ,

Vicente Gosciola 3 , Ivan Torres Pisa 4

1

Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva,

Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP)

2 Programa de Pós-graduação em Informática em Saúde, UNIFESP

3 Universidade Anhembi Morumbi, Brasil

4

Departamento de Informática em Saúde (DIS), UNIFESP, Brasil

Resumo. Considerando o rádio o veículo por excelência para a disseminação do conhecimento em saúde

como pressuposto, está em desenvolvimento o projeto de mestrado “Rádio UNIFESP Web: construção e

avaliação de um modelo para a disseminação do conhecimento em saúde baseado em rádio na internet”,

no Programa de Pós-graduação em Saúde Coletiva da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). O

objetivo deste artigo é apresentar resultados preliminares da construção e avaliação de um modelo para o

setor de saúde da Rádio UNIFESP Web, aliando a experiência em comunicação dos autores com os recursos

da informática, para disseminar o conhecimento em saúde para o público leigo, por meio de uma rádio

web. O desenvolvimento se deu em duas etapas: 1) levantamento teórico e empírico, sobre o tema “rádio e

saúde”; 2) desenvolvimento da proposta do modelo: definição de conteúdos de saúde, produção dos áudios,

arquitetura do website do projeto, disponibilização para o ouvinte e avaliação do modelo. Já estão concluídos

os levantamentos teórico e empírico sobre rádio e saúde e o material de áudio, para ser veiculado no

website. Em andamento: finalização da arquitetura e dos detalhes do website para que esteja disponível ao

ouvinte. A defesa está prevista para novembro próximo.

Palavras-chave: Rádio, Saúde, Internet, Serviços de Informação, Promoção da Saúde.

Abstract. Considering of the project “Radio UNIFESP Web: construction and evaluation of a radio-based

model for the dissemination of the knowledge on health through the Internet ”, that is being developed as a

dissertation of Master's degree in the Program of Post graduation in Collective Health of the Universidade

Federal de São Paulo (UNIFESP). The objective is to build and to evaluate a model for the sector of health

of Radio UNIFESP Web, combining the experience in communication of the authors with the resources of

the computer science, to disseminate the knowledge on health for the lay public, through a radio web. The

development happened in two stages: 1) theoretical and empirical lifting about radio and health ; 2) development

of the proposal of the model which includes: definition of contents of health, production of the sound

file, architecture of the website of the project, availability for the audience and evaluation of the model. The

theoretical and empirical lifting about radio and health and the material of the sound are concluded and

ready to be conveyed in the website. In progress: the conclusion of the architecture of the website; the conclusion

of the details so that the website is available to the audience. The defense is planned for next November.

Keywords: Radio, Health, Internet, Information Services, Health Promotion.

Introdução

O rádio é um dos veículos de comunicação, que

atinge a maior parcela da população. Ele está

presente em 89% dos domicílios brasileiros [1]

sendo que nas zonas rurais supera a TV, com

83,2 % de penetração [2]. Dessa forma, pode-se

considerar o rádio o veículo por excelência para a

disseminação do conhecimento em saúde.

Esse pressuposto levou à proposta do projeto

“Rádio Unifesp Web: construção e avaliação

de um modelo para a disseminação do conhecimento

em saúde baseado em rádio na internet”,

que está sendo desenvolvido como dissertação

de mestrado no Programa de Pós-graduação em

Saúde Coletiva da Universidade Federal de São

Paulo (UNIFESP). O projeto tem por objetivo

construir e avaliar um modelo para o setor de

saúde da Rádio UNIFESP web, aliando a experiência

em comunicação dos autores, com os recursos

da informática, para disseminar o conhecimento

em saúde para o público leigo, por meio

de uma rádio web.

1


Esse objetivo foi traçado para responder à

questão: “Que modelo de rádio web poderia colaborar

com a disseminação do conhecimento em

saúde para o público leigo?”.

Essa questão foi formulada em função das

considerações sobre as possibilidades de disseminação

do conhecimento em saúde produzido

na UNIFESP, para o público leigo, visando uma

democratização do acesso à informação e ao

conhecimento e, por conseqüência, à melhoria da

saúde da população.

A versão do rádio na web busca acompanhar

a evolução tecnológica. O processo de digitalização

dos conteúdos radiofônicos e a disponibilidade

na internet podem ser entendidos como

uma evolução do rádio. Uma desvantagem apontada

para a rádio web é a exclusão digital, que

significa não apenas não possuir computador ou

acesso à internet, mas, principalmente, não ter

competência para o acesso à informação na internet.

A inclusão digital deve favorecer a apropriação

da tecnologia de forma consciente, que

torne o indivíduo capaz de decidir quando, como

e para que utilizá-la [3]. Mesmo o acesso às TIC

ainda é pequeno no país. Em 2007, 51% da população

brasileira nunca utilizou o computador [1]

No entanto, esse fator não pode ser impeditivo

para a evolução do rádio na web. Ao contrário,

uma rádio web como no modelo proposto

neste projeto, poderá contribuir para a redução da

exclusão digital. Experiências atuais de educação,

através de rádios web [4-8] encontraram

como alternativa, para minimizar as dificuldades

causadas pela exclusão digital, ou pelo menos o

acesso ao material produzido, a disponibilização

de material de áudio e a formação de parcerias

com rádios comerciais, comunitárias e universitárias.

No caso deste projeto, as emissoras de rádio

terão acesso de forma gratuita ao material de

qualidade produzido por uma instituição com tradição

na área da saúde, o que, entende-se, justifica

o seu desenvolvimento.

Métodos

O projeto está sendo desenvolvido seguindo as

seguintes etapas: 1) levantamento teórico e empírico,

estado da arte sobre o tema “rádio e saúde”,

incluindo uma revisão sistemática do tema “rádio

e promoção da saúde”; 2) desenvolvimento da

proposta do modelo o que inclui: definição dos

gêneros radiofônicos e o conteúdo de saúde,

definição dos especialistas que participam do

projeto, arquitetura e construção do website, tipo

de avaliação utilizada para o projeto e disponibilização

para o ouvinte.

Resultados

No levantamento teórico, alguns trabalhos foram

adotados como referências para o projeto como:

Ortriwano [9]; Castells [10]; Barbosa Filho [11-12],

Lévy [13]; Martin-Barbero [14]; Meditsch [15].

No desenvolvimento da proposta do modelo

para a definição dos conteúdos radiofônicos,

tomou-se como base temas de saúde de diversas

especialidades médicas, de interesse da população

em geral e temas de interesse particular da

terceira idade.

O levantamento dos conteúdos da terceira

idade foi realizado a partir de um experimento

com os alunos da Universidade Aberta à Terceira

Idade (UATI) da UNIFESP. Com o consentimento

da direção, os alunos da UATI –Virtual, curso à

distância e alunos do curso de informática presencial

foram convidados a participar da pesquisa.

Numa primeira etapa, eles deveriam enviar

sugestões de temas sobre saúde na terceira idade.

Na segunda etapa, eles serão convidados a

avaliarem o material produzido e, após a audição,

responder um questionário disponível no website

do projeto.

Entre maio e junho de 2008 foram enviados

e-mails contendo uma carta com explicações

sobre o projeto e o termo de consentimento livre e

esclarecido (TCLE) do Comitê de Ética em Pesquisa,

UNIFESP, para 78 alunos da UATI.

Dos 78 e-mails enviados, sete deles retornaram

com mensagens de erro de endereço. Dos

71 e-mails que, provavelmente, chegaram ao seu

destino, somente 6 alunos retornaram sugerindo

os seguintes temas: aspectos psicológicos na

terceira idade, sexualidade, nutrição, atividade

física, prevenção de doenças, memória e reintegração

social.

A partir das definições dos temas, foram

convidados onze especialistas da área médica da

UNIFESP e um professor de educação física para

as gravações de áudio sobre os temas: saúde da

mulher, saúde na terceira idade, saúde da criança,

vida saudável, orientações nas áreas de dermatologia,

oftalmologia e endocrinologia.

Foram produzidos 30 arquivos de áudio nos

gêneros: reportagem, campanha, entrevista, dicas

de saúde e depoimentos especiais. Sendo que

desses 30, 8 são da série especial para a terceira

idade e 4 são campanhas produzidas pelo Ministério

da Saúde, de acesso livre e gratuito, o que

mostra a possibilidade da incorporação de materiais

em áudio produzidos por outras instituições

de referência.

A edição dos áudios foi feita por meio de

um software livre, com uma voz masculina para

as vinhetas e uma voz feminina para as narrações.

Cada áudio tem um resumo e informações

complementares por escrito no website.

A Tabela 1 apresenta a quantidade de áudios

produzidos divididos por gênero e temas.

Sobre a arquitetura do website, privilegiouse

a utilização de tecnologias de software livre

para implementação da infra-estrutura de software

da aplicação e do servidor incluindo: ambiente

Dot Net Framework 3.5; linguagem de programa-

2


ção .Net C# Express; banco de dados SQL Server

Express 2005, servidores para as mídias e

páginas web, rede ethernet Gigabit da UNIFESP

e encoder especializado para áudio streaming. A

tecnologia aplicada também obedece aos critérios

do W3C Consortium (http://www.w3.org), que dita

as normas e padrões a serem utilizados no desenvolvimento

de aplicações web, otimizando ao

máximo a qualidade empregada na tecnologia de

desenvolvimento de soluções. Em relação à usabilidade,

estão sendo seguidas as heurísticas de

Nielsen [16] garantindo que o visitante tenha uma

navegação simples, de forma intuitiva, podendo

interagir com a ferramenta de comunicação sem

complicações.

Gênero Áudios Temas

Reportagem 9

Infarto

Psoríase

Saúde da mulher

Acne

Banco de leite

Catarata

Crescimento Infantil

Terceira idade

Infarto

Dicas 9

Prevenção olhos

Prevenção coração

Prevenção pele

Saúde da mulher

Terceira idade

Entrevista 7

Diabetes

Obesidade infantil

Drogas

Vida saudável

Terceira Idade

Campanha 4

Uso da camisinha

Dengue

Tosse

Parto Normal

Depoimento 1 Terceira Idade

especial

Tabela 1 - Material radiofônico produzido.

O material pode ser ouvido diretamente no

website (streaming) e também pode ser “baixado”

para um tocador individual (download, podcast).

As emissoras parceiras podem baixar os arquivos

e os veicular em suas programações. O portal é

abastecido por material gravado ou ao vivo. Alertas,

ou avisos eletrônicos sobre novos programas

de áudio serão emitidos via RSS e e-mail. Será

criado um endereço eletrônico provisório dentro

da UNIFESP Virtual para hospedar o projeto.

Para acessar o conteúdo do website o usuário

deverá efetuar uma autenticação que irá disponibilizar

a estrutura.

A solução voltada à internet permite o cadastramento

de usuários, apresentando dois tipos

de perfis: 1) o usuário comum (ouvinte), possibilitando-lhe

a escuta e o download de arquivos de

áudio e 2) o usuário administrador, possibilitandolhe

o controle de todos os usuários, do upload

das listas de áudios e de atualização das informações.

Um mecanismo de busca auxiliará o

usuário a encontrar os áudios desejados.

Para avaliação estarão disponíveis no

website dois questionários: um sobre usabilidade,

construído com base no System Usability Scale

(SUS) [17] e outro para avaliação do produto

radiofônico. Ao iniciar a navegação o usuário

ouvirá as reportagens, dicas, campanhas e entrevistas.

Em cada um deles haverá uma escala

simples, com estrelas, onde o ouvinte clicando no

número de estrelas indicará o grau de satisfação

que aquele áudio merece, numa avaliação imediata

que ficará disponível para outros ouvintes.

Desta forma, é possível avaliar o impacto inicial

de cada produto de áudio. Além disso, na página

inicial o ouvinte será convidado a responder aos

dois questionários. Um áudio de apresentação do

projeto e convite à pesquisa estará disponível na

entrada do website. Antes da disponibilização

total do website, serão feitos testes de precisão

com 3 pessoas e praticidade com 10 pessoas.

Portanto, os resultados obtidos até o momento

são: o levantamento teórico e empírico

sobre rádio e saúde; um artigo de revisão sistemática

com resultados de um avaliador; a primeira

etapa do experimento com alunos da UATI

concluída; todo o material de áudio pronto para

ser veiculado. Está em andamento: a finalização

da arquitetura do website, a revisão sistemática

completa com a participação de três avaliadores;

a finalização dos detalhes para que o website

esteja disponível ao ouvinte. A seguir o cronograma

até a defesa da dissertação. Agosto: finalização

da arquitetura do website; testes de precisão

e praticidade; finalização da revisão sistemática

completa. Setembro: website pronto para o

acesso livre; Outubro: análise dos dados e prédefesa

da dissertação. Novembro: defesa.

Discussão

Por ser um projeto acadêmico que indica possibilidades,

foram produzidos somente 30 áudios,

com edição simplificada, o que não invalida o

projeto como proposta conceitual. Na própria

dissertação serão apontados caminhos para um

aperfeiçoamento do modelo. Para esse aperfeiçoamento

sugere-se que outros elementos não

aprofundados neste projeto sejam considerados

como formato e linguagem radiofônicos específicos.

A dramaturgia é apontada como uma estratégia

positiva para a recepção da mensagem [18].

Outro fator a ser considerado na veiculação da

mensagem é a credibilidade e a atratividade da

pessoa que a transmite, levando em consideração

o público alvo [19].

3


Conclusões

O projeto, em fase final de desenvolvimento, reforça

as pesquisas sobre rádio e saúde. Chama a

atenção para as grandes possibilidades que a

UNIFESP, ou qualquer outra instituição de ensino

superior, tem para disseminar o conhecimento

acadêmico em saúde produzido por elas, para o

benefício da população, através do rádio.

Agradecimentos

Agradecemos à direção e alunos da Universidade

Aberta à Terceira Idade (UATI) da UNIFESP, aos

editores dos áudios Fábio Portela e Léo Almeida,

ao Departamento de Informática em Saúde (DIS)

UNIFESP especialmente aos servidores Alberto

Cebukin, Leonardo Beraldo, Paulo Lopes e Reinaldo

Gimenez.

Referências

[1] Comitê Gestor da Internet no Brasil. Pesquisa

sobre o uso das tecnologias da informação e da

comunicação no Brasil TIC: domicílios e TIC empresas

2007. São Paulo: 2008. Disponível em:

http://www.cetic.br/tic/2007/indicadores-cgibr-

2007.pdf. Acessado em 17/07/2008.

[2] Brasil. Senado Federal. Comissão de Ciência,

Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática.

2007. Disponível em:

http://www.senado.gov.br/web/comissoes/cct/ap/A

P20071122_MinCom_RobertoPintoMartins.pdf

Acessado em 17/07/2008.

[3] De Luca C. O que é inclusão digital? In: Cruz

R. O que as empresas podem fazer pela inclusão

digital. São Paulo: Instituto Ethos; 2004.

[4] EMBRAPA. Prosa Rural

http://hotwebsites.sct.embrapa.br/prosarural

Acessado em 17/07/2008.

[5] SEBRAE. Educação via Rádio.

http://www.sebrae.com.br/momento/quero-abrirum-negocio/acesse/programas-de-radio

Acessado em 17/07/2008.

[6] Brasil. Ministério da Educação. Rádio MEC.

http://www.radiomec.com.br/70anos

Acessado em 17/07/2008.

[7] Brasil. Ministério da Saúde. Rádio Saúde.

http://portal.saude.gov.br/saude/area.cfm?id_area

=1302. Acessado em 17/07/2008.

[8] Oboré.Rede de Comunicadores pela Saúde

http://www.obore.com.br/cmsconteudo/96_rede_comunicadores_pela_saude.asp

Acessado em 17/07/2008.

[9] Ortriwano GS. A informação no rádio; os grupos

de poder e a determinação dos conteúdos.

4ªed. São Paulo: Summus; 1985.

[10] Castells M. A sociedade em rede; a era da

informação: economia, sociedade e cultura. 2ªed.

São Paulo: Paz e Terra; 1999. v.1.

[11] Barbosa Filho A. Gêneros radiofônicos; os

formatos e os programas em áudio. São Paulo:

Paulinas; 2003.

[12] Barbosa Filho A, Piovesan A, Beneton R.

orgs. Rádio; sintonia do futuro. São Paulo: Paulinas;

2004.

[13] Lévy P. Cibercultura. 2ªed. São Paulo: Ed.

34; 1999.

[14] Martin-Barbero J. Dos meios às mediações;

comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro:

UFRJ; 2007.

[15] Meditsch E. O rádio na era da informação;

teoria e técnica do novo radiojornalismo. Florianópolis:

Insular; UFSC; 2007.

[16]Nielsen, J. Heuristic evaluation. In: Nielsen J,

Mack RL (Eds.). Usability Inspection Methods,

John Wiley & Sons. New York, NY, 1994

[17] Brooke J. SUS - A quick and dirty usability

scale. 1986. Available from:

http://www.usabilitynet.org/tools/r_questionnaire.h

tm Accessed on 07/17/2008.

[18] Panford S, Nyaney MO, GradDip, Amoah SO,

Aidoo N. Using folk media in HIV/AIDS prevention

in rural Ghana. American Journal of Public Health.

2001;91(10):1559-156. Available from:

http://web.ebscohost.com/ehost/pdf?vid=5&hid=5

&sid=c1ea3d5d-4cb8-4e04-af87-

be11aef9be21%40sessionmgr3

Acessado em 17/07/2008

[19] Porto MP. Lutando contra a AIDS entre meninas

adolescentes: os efeitos da Campanha de

Carnaval de 2003 do Ministério da Saúde do Brasil.

Cad. Saúde Pública. 2005; 21(4):1234-1243.

Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/csp/v21n4/26.pdf

Acessado em 17/07/2008.

Contato

Rilvanda Pereira da Silva, (011) 2973-1810/ 9295-

9719. E-mails: vanda-pg@dis.epm.br, thiagopg@dis.epm.br,

andersonhummel@yahoo.com.br,

vgosciol@uol.com.br, i-

van.pisa@unifesp.br.

4

More magazines by this user
Similar magazines