download

brasilcooperativo.coop.br

download

SESCOOPCE

Serviço Nacional

de Aprendizagem do

Cooperativismo no Ceará

Re atório cc

Ccstõo 2010

Fortaleza CE 201 I

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceara SESCOOPCE Página 1


Serviço Nacional de Aprendizagem do

Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Presidente

João Nicédio Alves Nogueira

Superintendente

José Aparecido dos Santos

Conselho de Administração

Representante do SescoopNacional

José Nazareno de Paulo Sampaio

Suplente

Ryan Carlo Rodrigues dos Santos

Representantes das Cooperativas

Francisco Fontenele Meira

Cristiana Tavares Bessa

Suplentes

Carlos Roberto Chagas de Andrade

Helito Pereira da Silva

Representante dos Trabalhadores de

Cooperativas

Luizita Fonseca Leite Pina

Suplente

Maria Cristiane Paiva Braga

Conselho Fiscal

Titulares

Francisco Valdizar Fernandes Luna

Francisca Socorro Holanda e Silva

Joaquim Rocha de Lucena Neto

Suplentes

Ocelo Felipe Cavalcante

Rafael Helinton Pereira Vilela

Francisco Gildenir Rodrigues da Silva

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPcE Página 2


SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO DO CEARÁ

SESCOOPCE

RELATÓRIO DE GESTÃO 2010

Relatório de Gestão do exercício 2010

apresentado aos órgãos de controle interno e

externo como prestação de contas anual a

que esta Unidade está obrigada nos termos

do art 70 da Constituição Federal elaborado

de acordo com as disposições da IN TCU n2

63 2010 da DN TC n2 107 2010 e das

orientações da Controladoria Geral da União

Portaria CGUN2546 2010

FORTALEZA CE 2011

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceara SESCOOPCE Pagina 3


SUMÁRIO

1 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE 5

1 ROL DE RESPONSÁVEIS 6

2 INTRODUÇÃO 12

3 SUMÁRIO EXECUTIVO 14

CAPÍTULO 1 PERFIL INSTITUCIONAL 16

1 CONSTITUIÇÃO E NATUREZA DA ENTIDADE 16

12 RESPONSABILIDADE INSTITUCIONAL 16

13MISSÃO E VISÃO 17

14 FONTE DE RECURSOS 18

15 TIPOS E APLICAÇÕES DE GRUPOS DE DESPESAS 19

CAPÍTULO 2 GOVERNANÇA CORPORATIVA 20

21 OBJETIVOS E DIRETRIZES ESTRATÉGICAS 21

2 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL 22

CAPÍTULO 3 COOPERANDO COM 0 FUTURO 24

CAPÍTULO 4 GESTÃO DE PESSOAS 31

41 POLÍTICAS DE GESTÃO DE PESSOAS 31

42 PERFIL DO CORPO FUNCIONAL 32

43 CAPACITAÇÕ ES 36

4 MOVIMENTAÇÕES DO QUADRO DE PESSOAL 37

45 FOLHA DE PAGAMENTO 37

CAPÍTULO 5 PRESTAÇÃO DE CONTAS 39

51 FORMAÇÃO E CAPACITACÃO PROFISSIONAL 41

52 AÇÕES E RESULTADOS ALCANÇADOS 43

53 RESULTADOS DAS AVALIAÇÕES INTERNAS 87

54 MONITORAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE COOPERATIVAS 89

5 PROMOÇÃO SOCIAL 102

56 GESTÃO DO SISTEMA 109

57 INDICADORES DE DESEMPENHO OPERACIONAL 130

CAPÍTULO 6 EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 133

61 RECEITAS 133

62 DESPESAS 135

CAPÍTULO 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS 136

ANEXOS 137

ANEXO I CARACTERIZAÇÃO DOS INSTRUMENTOS DE TRANSFERÊNCIAS VIGENTES NO EXERCÍCIO DE REFERÊNCIA 138

ANEXO II HISTÓRICO DA COMPOSIÇÃO E DAS DESPESAS COM RECURSOS HUMANOS 141

ANEXO III INFORMAÇÕES SOBRE A GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UJ 142

ANEXO IV RECONHECIMENTO DE PASSIVOS POR INSUFICIÊNCIA DE CRÉDITOS OU RECURSOS 143

ANEXO V INFORMAÇÕES SOBRE CUMPRIMENTO DA LEI N8730 93 143

ANEXO VI INFORMAÇÕES SOBRE GESTÃO DO PATRIMÔNIO IMOBILIÁRIO DE PROPRIEDADE DA UNIÃO 143

ANEXO VII CUMPRIMENTO DAS DELIBERAÇÕES DO TCU ATENDIDAS NO EXERCÍCIO 143

ANEXO VIII RELATÓRIO DE CUMPRIMENTO DAS RECOMENDAÇÕES DO ÓRGÃO DE CONTROLE 143

ANEXO IX INFORMAÇÕES SOBRE ESTRUTURA DE CONTROLES INTERNOS DA U1 144

ANEXO X GESTÃO AMBIENTAL E LICITAÇÕES SUSTENTÁVEIS 146

ANEXO XI OUTRAS INFORMAÇÕES CONSIDERADAS RELEVANTES PARA DEMONSTRAR A CONFORMIDADE E 0

DESEMPENHO DA UNIDADE 148

ANEXO XII DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 160

ANEXO XIII PARECER DO CONSELHO FISCAL 182

ANEXO XIV PARECER DO CONSELHO ESTADUAL DO SESCOOPCE 183

ANEXO XV ATENDIMENTO AO TCU QUANTO AO CONTEÚDO MÍNIMO DO RELATÓRIO DE GESTÃO 184

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 4


1 IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE

l

der eÓião eVincu aç

lril A Executivo

Ó@ãõdë Vinculãçãõ Ministério do Trabalho e Emprego

146 i OI r4 002844 w

y

1

j

I

Denommtrçao completa

r7 f

Denominaçao abreviada

i ao

CearÓ

Serviço Nacional deAprendizagem do Cooperativismo no Estado do

SESCOOP CE

Código SIORG Não se aplico I

CódigõLOA

CódigõSIAFI

Não se aplico

Mose aplica 1

Natõrezcjúridica

Ativo

Serviço SocialAutônomo

Formação Profissional Promoção Social e

Principal atividade

MonitoramentoDesenvolvimento das Cooperativas Brasileiras

r i 404 4 85 99699 1

1 5rlflones Fax de contato 85 3535 3650 853535 3670 85 3535 3677

PÓgiric instittcionaf nointernei jwww ocbce coop br

Endereço 1

completo do sede

Rua lldefonso Albano 1585 Bairro Aldeota CEP 60 115000

Fortaleza Ceará

RPrzurnilitit fintIMMT7 11 74 I

Medida Provisória ng1715 de 03 de setembro de 1998 publicada

Normas de criação e alteração da no DOU em 28 de novembro de 1998 e suas reedições Decreto n

Unidade l

Outros normas infrolegois relacionados

d gestão e estruturo da Unidade

lurisdicionada

Manuais e pulicoções relacionadas 4ás

atividades da UnidadeJurisdicionada

oneda 3017 de 07 de abril de 1999 publicado no DOU em 07 de abril de

1999

UnidadesGésto7ci

CÓdijc SIAFI

Nome

Regimento Interno do SESCOOP CE aprovado na 63g Reunião do

Conselho Administrativo do SESCOOPCE realizada em 05 de

agosto de 2008 registrado no Cartório do 12 Registro de Títulos e

Documentos de Fortaleza

J

Regulamento de Licitações e Contratos Resolução43 2006 Norma

de Pessoal Resolução 300 2008 Norma de Regulamentação de

Benefício de Plano de Saúde Norma de Incentivo ao

Desenvolvimento de Empregados Plano de Cargos Salários e

Carreira

RelócitinadasoUnidodèlõrísdiciónádo

Não se aplica

Não se aplica

Gestôës Rélãciothdãsti UnidaideJurisdicionada

Código SIAFI Não se aplica

1 mira Não se aplica

aCódigo SIAFI daUnidade Gestora

Códig

Rélaeionomentóentrte Unidcdëi Géstãa eGéstões

Não se aplica

SlAFI da Gestão Não se aplica 1

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 5


i Rol de responsáveis

NATUREZA DE

RESPONSABILIDADE

ENDEREÇO

fMUNICIPIO

CA RGO OU

FUNÇÃO

DESIGNAÇÃOM

23 04 2007

IN 57 Art 10 Item I

s contas ao Tribunal

João Nicédio Alves Nogueira

j

Ruo Canuto de Aguiar 300 Apto 2300 Bairro Meireles

f Fortaleza 160120 J CE

Presidente do Conselho Estadual

DOCUMENTO

Termo de Posse dos

Conselhos de

Administração e

Fiscal do

SESCOOPCE

EXONERAÇÃO

Dirigente Máximo do Unidade Jurisdicionada que apresenta

J

roa

ITELEFONE

DOCUMENTO

090166 43320

853219 88353

PER ODO DE GESTÃOM

2010 31 12 2010

NATUREZA DE

RESPONSABILIDADE

CARGO oU

FUNÇÃO

DESIGNAÇÃO

Admitido em

02 04 2001

IIN 57 Art 10 Item 1l

José Aparecido dos Santos

Rua ovino Guedes 60 Apto 1001

Fortaleza

Superintendente

DOCUMENTO

Membro de Diretoria

Aldeota

CEP60 130140 CE

EXONERAÇÃO

fcPa

TELEFONE

054 591 84304 1

85 3272 6954 1ezzaD

DOCUMENTOS WPERIoD0 DE GESTÃOM

2010 31 12 2010

NATUREZA DE

RESPONSABILIDADE

VIGENTE

José Nazareno

IN 57Art 10 Item Ill Membro de órgão colegiado por definição legal regimental

ou e tatutá ia seja responsável por atos de gestão

de Paula Sampaio

ENDEREÇO Rua Jornalista César Magalhães 666 Apto 1502 Bairro Guorarapes

Fortaleza

IMUNICIPIO

rFUNÇ GO FUNÇÃO DU

Conselheiro Administrativo Representante do SESCOOP Nacional

C165 301 52334 1

1 rCEPJr60 810 140 nEiljTELEFONEs 85 4012 1100JfF AXI a

MDESIGNAÇÃO1 DOCUMENTO EXONERAÇÃODOCUMENTO PERIODODE GESTÃO a

0812 009 Resolução N 2010 31 12 2010

511 2009 do

NATUREZ

D

RESPONSABILIDADE

AGENTE

ENDEREÇO

CARGO oU

FUNÇÃO

DESIGNAÇÃOM

08 12 2009

Conselho Nacional

do SESCOOP

I

LIN

DOCUMENTO NI

Resolução N

511 2009 do

Conselho Nacional

do SESCOOP

57 Art 10 Item 111 Membro de órgão colegiado por definição legal

re imental ou estatutóda a responsável por atosdeges 5o

f Ryan Carlo Rodrigues dos Santos na601 751 92120

Terceira Avenida Área Especial 12 Lote A1 Apto 108 Núcleo Bandeirante

Brasília 71720590flori DF TELEFONEI61 3257 16133 0

Membro Suplente do Conselho Administrativo

EXONERAÇÃO

Representante do SESCOOP Nacional

RDOCUMENTOge

MIPER 000DE GESTÃOS

2010 31 12 2010

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 6


NATUREZADEI

RESPONSABILIDADE

IN 57 Art 10 Item II Membro de órgão colegiada por definição legal

regimental ou estatutária seiglespogsável por atos de cestão

01 1 Francisco Fontenefe Meira x071 606 15387 1

MUNICÍPIO

CARGO OU FUNÇÃO

DESIGNAÇÃOIS

23 04 2007

Rua Padre Roma 1389 Bairro de Fátima

FortalezaJ CEP 60 004230 UF 1 CE TELEFONE853214

0795

Conselheiro Administrativo Representante de Cooperativas

W1DOCUMENTO EXONERAÇÃO1TDOCUMENTO

Termo de Posse dos

Conselhos de

Administração e

Fiscal do

SESCOOPCE

FAX

PERÍODO DEGESTÃOJ

2010 31 12 2010

J

0

NATUREZA DE

RESPONSABILIDADE

ENDEREÇO

CARGO OU FUNÇÃOã

DESIGNAÇÃ0 la

23 04 2007

IN 57 Art 10 Item 1 Membro de órgão colegiada por definição legal

regimental ou estatutária se responsávelse gresponsável por atos de

estão

Cristiano Tavares Bessa 461 885 50378

Rua Joaquim Nogueira de Queiroz 36

Bairro Centro

PacajlisJ 6EPa62 870 000J CE

Conselhos de

Administração e

Fiscal do

SESCOOPCE

1185 3348 0675J

TELEFONE

FAX

Conselheiro Administrativo Representante de Cooperativas

filDOCUMENTOIN

Termo de Posse dos

EXONERAÇÃO MDOCUMENTOO PERÍ000 DE GESTÃO

2010 31 12 2010

RESPONSABILIDADE AMETEINel

Rua Benício Chagas 53

Morado Novo

CARGO OU FUNÇÃO

DESIGNAÇÃO

23 04 2007

Bairro Centro

ICEM02

940000 CEITELEFONES 88 3422 1216 ILz

Membro Suplente do Conselho Administrativo Representante das Cooperativos

JJJTDOCUMENTOJM

Termo de Posse dos

Conselhos de

EXONERAÇÃO DOCUMENTO WPERÍ000 DE GESTÃO

2010 31 12 2010

Administração e

Fiscal do

SESCOOPCE

IN 57 Art 10 Item ll Membro de órgão colegiada por definição legal

re imental ou estatutária seja responsável por atos de gestão 1

Carlos Roberto Chagas de Andrade 233 29368

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 7


NATUREZAD

RESPONSABILIDADE

ENDEREÇO 1

IMUNICÍPIOSO

CARGO OU FUNÇÃOf

DESIGNAÇAOMIS

30 03 2009

IN 57 Art 10 Item 111 Membro de órgão colegiada por definição legal

regimental ou estatutária p responsável por atos de gestão

rHelito Pereira do Silva D Jx45 096 68368

Rua José Barcelos 590

Bairro São Gerardo

FortalezaJTCEP 60 450510 CE TELEFONE85 3243 4937 FAXL0

Membro Suplente do Conselho Administrativo

L DOCUMENTOJ EEXONERAÇÃOt DOCUMENTO

Representante de Cooperativas

PER ODO DE GESTA0

Ata da Reunião 2010 31 12 2010

Ordinária do

Conselho de

Administração do

Sindicato e

Organização das

Cooperativas

Brasileiras no Estado

do Ceará

OCBCE

NATUREZADE

IN 57 Art 10 Item 111 Membro de árgão colegiada por definição lego

RESPONSABIUDADE

regimental ou estatutária seja responsável por atos de gestão

Vffdii714 rnaAltina Teixeira Marciano 11061 081 48349 i

rENDEREÇO NI Rua tourival Correia Pinho 344 Bairro Parque Manibura

MUNICÍPIOS 1Fortalezo JI r60 821720 CE ITELEFONES E85 3348 0675jtFAXI

CARGO OUFUNÇÃOa Conselheira Administrativa RepresentantedosTrabalhadoresemCooperativas

DESIGNAÇÃO laroocumEArroseg EXONERAÇÃOa SDOCUMENTO a MPER 000 DE GEST 0ier

03 10 2008 Ata da Reunião 26 07 2010 Ata da Reunião 2010 26 07 2010

Ordinária do

Conselho de

Administração do

Sindicato e

Organização das

Cooperativas

Brasileiras no Estado

Ordinária do

Conselho de

Administração do

Sindicato e

Organização dos

Cooperativas

Brasileiras no

do Ceará OCBCE Estado do Ceará

OCB CE

NATUREZA DE

IN 57 Art 10 Item 111 Membro de órgão colegiada por definição legal

RESPONSABILIDADE

regimental ou estatutário seja responsável por otos de estão

AGENTES ILuizita Fonseca Leite Pina

CPFF1283 171 06420

1

ENDEREÇO

Rua Olímpio Galdino Sousa 601 Apto 25

Bairro Edson Queiroz

Fortaleza 38031 CE TELEFONEI 85 3255 3695 FAXri

MUNIC PO JEZD 60 811

iCARGO OU FUNÇÃOMI Conselheiro Administrativa Representante dos Trabalhadores em Cooperativas

DESIGNAÇÃO stDOCUMENTOM UEXONERAÇÃOUWDOCUMENTOaIIPER ODO DE GESTÃO

26 07 2010 Ata da Reunião 26 07 2010 31 12 2010

Ordinária do

Conselho de

Administração do

Sindicato e

Organização das

Cooperativas

Brasileiras no Estado

do Ceará

OCBCE

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 8


NATUREZA DE

RESPONSABILIDADE

Iffe1 4314 I

CARGO ÓU FUNÇÃO

DESIGNAÇÃO

23 04 2007

ti IN

57 Art 10 Item 11I Membro de órgão colegiada por definição legal

re imentol outstatutária aejo responsável por atos de estão

Sérgio Britto de Castro Figueira 218 311 50353

Rua Dr José Lourenço 781 Apto 604 Bairro Aldeota

IFort6 eza 60

Membro Suplente do Conselho Administrativo Representante dos Trabalhadores de

Cooperativas

gerDOCUMENTO Ii EXONERAÇÃO eltDOCUMENT0101 PER 000 DE GESTÃO

Termo de Posse dos

Conselhos de

Administração e

Fiscal do

SESCOOPCE

1 152 80322 CE TELEFONESr85 32611620 FAXJ Q

26 07 2010

Ato da Reunião

Ordinária do

Conselho de

Administração do

Sindicato e

Organização das

Cooperativas

Brasileiras no

Estado do Ceará

0CB CE

2010 26 07 2010

NATUREZADEI

RESPONSABILIDADE

ENDEREÇO

MUNICÍPIO

CARGO OU FUNÇÃO

DESIGNAÇÃOI

26 07 2010

Maria Cristiane Paiva Braga

Rua Elvira Pinho 188

Membro Suplente cio Conselho Administrativo Representante dos Trabalhadores de

Cooperativas

DOCUMENTOS EXONERAÇÃO SOOCUMENTOS WPER000 DtGESTAOS

Ata da Reunião

Ordinária do

Conselho de

Administração do

Sindicato e

Organização das

Cooperativas

Brasileiras no Estado

do Ceará

JN

57 Art 10 Item 1 Membro de órgão colegiada por definição legal

egimental ou estatutária Sa responsável por atosde cestão

OCBCE

Bairro Montese

CPFJ192 569 223 04

Fortaleza j 60 421000 CE TELEFONEI 85 3296 2100

rPAX1

26 07 2010 31 12 2010

11G íITIrh74 IN Ar t 10

111 Memrã bo de órgo colegiodo por de inição legal

14ilU

regi ou estat Item lYR19L1014 uório a responsável por atos de gestão

Vfe

I Francisco

Valdizar Fernandes tuna 1I 058 322 84372 1

ENDEREÇO Ruo A CS Altos Conjunto Paraíso das Flores Bairro Betânia

IMUNICIPIO Sobral iCEPJ62 100000 CE TELEFONES88 9610 2189 FAXJn

CARGO OU FUNÇÃO Conselheiro Fiscal

DESIGNAÇÃO SOCUMENTOall EXONERAÇÃO gilDOCUMENT01 EIPER ODODE GESTÃO

23 04 2007 Termo de Posse dos 2010 31 12 2010

Conselhos de

Administração e

Fiscal do

SESCOOPCE

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 9


Ifff t1

11 14

I4IfU2L14IffI TJ014

tc14J1I4

ENDEREÇO

IMUNICIPIO

CARGO OU FUNÇÃOa

DESIGNAÇÃO

23 04 2007

IN 57 Art 10 Item 111 Membro de órgão colegiado por de rniçao legal

e imental ou estatutária sejajesponsável por atos de gestão

f Francisca Socorro de Holanda Silvo C221 408 083 04 1

Rua Padre Cícero 96

Cedro

Conselheira Fiscal

OCUMENTOSIO

Termo de Posse dos

Conselhos de

Administração e

Fiscal do

SESCOOPCE

Bairro Centro

JCFPU63 400 000trila UtliTELEFONE188 9959 5857

TFAXI D

EXONERAÇÃO1 MOOCUMENTOIN ITPERIODO DEGESTÃOM

012010 31 12 2010

NATUREZA DE

IN 57 Art 10 Item BI Membro de órgão colegiado por definçao ega

RESPONSABILIDADE

re imental ou estatutária seja responsável por atos de gestão

AGENTES floaquim Rocha de LucenaNeto

1546 225 65315

ENDEREÇO Avenida Abolição 3555 Apto 1501 Bairro Meireles

IMUN CIP O Fortaleza CEP 160 165 081 J UFA FE1 TELEFONE 185 3248 7358 1 FAXi

CARGO OU FUNÇÃO Conselheiro Fiscal

DES

GNAÇÃO1a DOCUMENTO EXONERAÇÃO DOCUMENTO mim ODOÜGESTÃOie

23 04 2007 Termo de Posse dos 2010 31 12 2010

Conselhos de

Administração e

Fiscal do

SESCOOPCE

NATUREZA DE

IN 57 Art 10 Item III Membro de órgão colegiada por dejiniçao lega

RESPONSABILIDADE

re imental ou estatutária seja responsável por atos de gestão

AGENTE

Ocelo Febpe Cavalcante

051 395

ENDEREÇOS Ruo Alemanha 440 Bairro Itaperi

1 UICO 6aJ40800J 21Ei CE

03387 1

TELEFONE 185 3296 2100 FAX me

IMUNICIP10

CARGO OU FUNÇÃO

Fortaleza

Membro Suplente do Conselho Fiscal

DESIGNAÇÃO DOCUMENTO fIEXONERAÇÃOI arDOCUMENTOf tPERIODODE GESTÃOS

23 04 2007 Termo de Posse dos 2010 31 12 2010

Conselhos de

Administração e

Fiscal do

SESCOOPCE

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Pagina 10


NATUREZA DE

RESPONSABILIDADE

a

ENDEREÇOS

IMUNICIP10

CARGO OU FUNÇÃO

DESIGNAÇÃO

IN 57 Art 10 Item 111 Membro de órgão colegiada por definição ega

regimental ou estatutária seja cespoasáj I or atos de gestão

I

Rafael Helinton Pereira Vilela Cr641 151 863 72 1

Rua Manoel Teixeira 891 Caso 10 Bairro Alagadiço Novo

Fortaleza JECE60 830730 Jj7 j CE

1TELEFONES 85 8846 629junj Iri

Membro Suplente do Conselho Fiscal

laDOCUMENTOM EXONERAÇÃO SDOCUMENTO WPERIODOOE

GESTÃOUI

3003 1009 Atada Reunião 2010 31 12 2010

Ordinária do

Conselho de

Administração do

Sindicato e

Organização das

Cooperativas

Brasileiras no Estado

do Ceará

OCBCE

NATUREZA DE

RESPONSABILIDADE

114104 ü4

ENDEREÇO

IN 57 Art 10 Item 111 Membro de órgão colegiada por eImçao ega

re imental ou estatutário seja responsável por atos de gestão

RenatoAlbdquerqueFelipe

MUN CIPlO Fortaleza

CARGO OU FUNÇÃO Membro Suplente

ffilDESIGNAÇAS EINDOCUMÉNTO

Rua 07 Casa 131 Bairro Jardim Castelão

60 867770

do Conselho Fiscal

23 04 2007 Termo de Posse dos 02 2010

Conselhos de

Administração e

Fiscal do

SESCOOPCE

55C 479 407 943 53 J

CE TELEFONE853392 6950 y1

EXONERAÇÃO elliDOCUMENTOa IIIPERIDOODEGESTÃO

Ata da 752 Reunião 2010 02 2010

Ordinária do

Conselho de

Administração do

Serviço Nacionol de

Aprendizagem do

Cooperativismo no

Estado do Ceará

SESCOOP CE

NATUREZADE

RESPONSABILIDADE

rAGENTE

ENDEREÇO

FMUNICIPIO

rcARGObÜ FUNÇÃO

DESIGNAÇÃO

03 2010

Francisco

Rua Vito

IN 57 Art 10 tem 111 Membro de órgão colegiada por definição lego

re imental ou estatutáriajeja responsável por atos de gestão

Gildenir Rodrigues da Silva J

Meireles 219

Bairro Cristo Redentor

ICPFal637 622 26334 1

FortalezaJ 337 260J 31 iFE TELEFONE 1785 3236 0541 C

Membro Suplente do Conselho Fiscal

UDOCUMENTOS NEEXONERA

OS MDOCUMENTOM PER000DE GESTÃOf

Ato da Reunião 03 2010 31 12 2010

Ordinária do

Conselho de

Administração do

Sindicato e

Organização das

Cooperativas

Brasileiras no

Estado do Ceará

OCB CE

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 11


12 INTRODUÇÃO

0 Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará responsável pela política

de capacitação profissional monitoramento acompanhamento e

promoção social de associados e

empregados das cooperativas desenvolveu o seu trabalho em 2010 fundamentado nos objetivos e

metas estabelecidas no seu Plano de Trabalho para aquele exercício com foco no seu público alvo

através de cursos palestras e eventos voltados à profissionalização e qualificação dos trabalhadores em

cooperativas de dirigentes conselheiros líderes familiares e de cooperados das cooperativas cearenses

onde foram repassados e discutidos ternas importantes paro o aprimoramento da gestão dos sociedades

cooperativas Os treinamentos integrados com as entidades congêneres Sistema 5 permitiram o

melhor utilização dos recursos

O presente Relatório de Gestão apresenta os resultados e benefícios alcançados por todos aqueles

envolvidos e se traduzem no profissionalização do setor através do trabalho integrado com as

cooperativos contribuintes e de modo especial aos recursos financeiros aplicados pelo SESCOOPCE na

gestão das ações de 2010 sem os quais não haveria a possibilidade de contribuir para o crescimento

desenvolvimento econômico e social geração de rendo e empregos no Cooperativismo Cearense 0

documento igualmente oferece informações claras colocando o leitor no ambiente em que ocorrem as

atividades do instituição

Aqui está contemplado o cotidiano da instituição estrutura métodos de ação objetivos estratégias

Igualmente o documento relata as linhas de oçãopara a consecução dos seus objetivos de acordo com

as necessidades do públicoalvo fixadas Direção 0 reletório examina o esforço ininterrupto em favor do

aperfeiçoamento da gestão do SESCOOPCE

Mostro por fim os meios com que se aprimoram procedimentos em setores determinantes corno a

administração financeira contábil de pessoas Tal é a busca pela eficácia no provimento de

infraestrutura e recursos tecnológicos no planejamento das ações e na comunicação que propicia

transparência e mobiliza apoios que o conjunto das atividades de gestão se fundem se no final das

contos às ações finalísticas do Sistema de modo o beneficiar as partes envolvidas

Concebido de acordo com as recomendações e especificações quanto á organização forma e conteúdo

determinado pelos Normativos do Tribunal de Contas do União Instrução Normativo TCU 63 2010 e

Decisão Normativa TCU n9 107 2010 e da Controladoria Geral da União o conteúdo contempla as

informações gerais sobre a gestão do SESCOOPCE suo atuação finalística visando atingir os objetivos

institucionais bem corno o prestação de contas informações contábeis do exercício 2010

Ao SESCOOPCE por ser entidade que arrecada e gerencia contribuições parafiscais não se obrigo a

apresentação do Quadro Al

Relacionamento entre as Unidades Jurisdicionadas e os Conteúdos Gerais

itens 4 7 13 e 14 e quanto aos aspectos Contábeis do Relatório de Gestão itens 1 3 e 4 da DN TCU n2

107 2010

Adernais muito embora seja aplicável a natureza jurídico o apresentação de itens do ANEXO 11 não

houve ocorrência quanto ao Anexo IV informações sobre o reconhecimento de passivos por insuficiência

de créditos ou recursos Anexo VI informações sobre gestão do patrimônio imobiliário de propriedade

do União Anexo VII cumprimento das deliberações do TCU atendidos no exercício e Anexo Vlll

relatório de cumprimento das recomendações do órgão de controle interno

O relatório está organizado em capítulos precedido na parte inicial dos dados de identificação da

Unidade Jurisdicionada introdução e o sumário executivo São 6 seis o número de capítulos o saber

Capítulo 1 Perfil Institucional Capítulo 2 Governança Corporativa Capítulo 3 Cooperando com o

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 12


Futuro Capítulo 4 Gestão de Pessoas Capítulo 5 Prestação de Contas e Capítulo 6 Execução

Orçamentária Por fim se dispõe os anexos e respectivas tabelas

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Pagina I3


3 SUMÁRIO EXECUTIVO

O cooperativismo possui importância significativa na economia brasileira sendo um sistema capaz de

alinhar o desenvolvimento humano ao sustentável devido aos seus princípios universais de origem e de

evolução MATOS e NINAUT 2007 Considerandose a influência econômica do cooperativismo no

Brasil os estudos para a sua análise quantitativa se tornam relevantes

O movimento cooperativista brasileiro é diversificado dividido em 13 ramos de atividades distintas

sendo eles Agropecuário Educacional Crédito Saúde Infraestrutura Habitacional Transporte

Turismo e lazer Produção Especial Mineral Consumo Trabalho Segundo Braga e Reis 2002 e

Bialoskorski Neto 2001 há uma forte correlação entre a presença de cooperativas e os índices de

educação e desigualdade na posse da terra concluindo que esse tipo de organização é importante para

promover a distribuição de renda e o estoque de capital social destacando se a agricultura

Os dados do cooperativismo no ano de 2010 assinalam o número de cooperativas de associados e

empregados diretos que servirão de parâmetro nas evoluções observadas nos últimos anos Assim

sendo em 2010 foram observadas 652 cooperativas filiadas ao sistema OCB com destaque para o

ramo agropecuário crédito transporte transporte e saúde pois juntos representam 82 73 do total de

cooperativas Os ramos agropecuário e crédito apresentaram 1548 e 1064 cooperativas

respectivamente seguidos pelo trabalho com1024 cooperativas transporte com1015 e saúde com

852

Entre o ano de 2009 e 2010 observase uma redução no número total de cooperativas em 2010

passando de 7261 para 652 respectivamente o que representa um decréscimo de 92 0

contraponto vem com a evolução do número de associados das cooperativas brasileiras considerando

se o mesmo intervalo 0 número de associados no Brasil mostrou um crescimento de926 no período

passando de825 milhões em 2009 para901 milhões no ano de 2010

0 número de empregados diretos dos ramos do cooperativismo para o ano de 2010 é 298 18 mil

funcionários sendo o ramo agropecuário o principal representante com um total de 146 01 mil

funcionários e participação de48 97 no total Houve um crescimento de875 passando de 274 19 mil

empregados em 2009 para 298 18 mil em 2010

As cooperativas integrantes do Sistema OCBSESCCOPCE tem alcance nos 13 ramos econômicos

Agropecuário Consumo Crédito Educacional Especial Habitação Infra estrutura Mineral Produção

Saúde Trabalho Transporte e Turismo e Lazer muito embora no estado do Ceará só se verificarem a

existência de 9 dos segmentos de cooperativas Agropecuário Consumo Crédito Educacional Infra

estrutura Produção Saúde Trabalho e Transporte Estes segmentos compreendem um universo de

158 cooperativas com aproximadamente 78019 associados e um total de5654 empregados

Os segmentos tom maior número de cooperativas são Transporte 373 Saúde 203 Agropecuário

152 e Trabalho 13 Os demais juntos representam 139 do total

Os dados econômicos das coperativas cearenses têm apresentado resultados estáveis nos três últimos

anos 2007 2009 conforme demonstrado pelo desempenho operacional patrimonial das cooperativas

em seus mais diversos segmentos Tabela 6 Gráfico 7

A evolução do patrimônio líquido das cooperativos cearenses teve crescimento de 48 50 no intervalo

estudado passando de R 142 48 milhões em 2006 paro R 211 67 milhões no ano de 2009

Considerando se os dois últimos períodos 2008 e 2009 a evolução foi de 795

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 14


Cumprenos destacar a ascendência nas cooperativas de crédito que teve um crescimento real de37 02

de 2008 ano para o 2009 Esperase que no encerramento do exercício financeiro de 2010 até então não

apresentado na OCBCE que estes percentuais possam ser ainda mais otimistas e até mesmo na

perspectiva de termos os demais segmentos de cooperativas no Estado apresentando indicadores bem

mais otimististas a exemplo do crédito na consolidação e o fortalecimento da atividade econômica das

cooperativas de um modo geral

O cooperativismo cearense iniciou em 2010 ações voltadas ao planejamento estratégico do ramo

agropecuário onde estão sendo delineadas a situação atual e projeções para o retomada a

modernização e a revitalização das práticas cooperativas para produção em bases sólidas com o uso de

técnicas apropriadas e leis que estabeleçam parâmetros e regras para plantio colheita e processamento

evitandose os equívocos danosos do passado

Corno conclusões um cenário otimista está sendo estruturado com destaque para as cooperativas

ligadas ao agronegócio principalmente de culturas consorciadas do algodão e o gergelim em face do

interesse do Governo do Estado EMBRAPA Algodão da Paraíba EMATER CE e Banco do Nordeste na

implantação de projeto para retomada da produção de algodão

Neste mister já está sendo discutido com os órgãos de agricultura do estado o Programa de

Desenvolvimento do Cooperativismo Agropecuário no Estado do Ceará para tratar do recuperação e

revitalização da cultura algodoeira cearense destacando os aspectos da Gestão Profissional da

Produção e Modelo de Organização Cooperativa uma vez que o Cooperativismo se apresenta corno a

ferramenta econômica ideal para o inserção do pequeno implico em sustentabilidade

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 15


CAPÍTULO 1 PERFIL INSTITUCIONAL

O SESCOOPCE integra o Sistema Cooperativista Brasileiro fornecendolhe suporte em formação

profissional técnico e gerencial A entidade atua também na promoção social dos cooperados

empregados e familiares bem corno no monitoramentodesenvolvimento das cooperativas

Do ponto de vista formal o SESCOOPCE é uma entidade civil de direito privado sem fins lucrativos

constituída sob o regime de serviço social autônomo A Instituição é considerada uma entidade

paraestatat pois desempenha serviços não exclusivos do Estado em colaboração com ele recebendo

incentivos do poder público Por essa razão está sujeito a controle pela Administração Pública e pelo

Tribunal de Contas da União

Os valores das contribuições feitas pelas cooperativas são definidos a partir de um percentual sobre as

folhas de pagamento

Em linhas gerais a Unidade Nacional do SESCOOP é responsável pela normatizaçôo de procedimentos e

pela definição das linhos de atuação a serem adotadas pelas unidades estaduais Estas por sua vez

devem seguir essas diretrizes sem contudo deixar de atender às demandas especificas de sua região

1 Constituição e natureza da entidade

O Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

descentralizado instituído pela Medida Provisória n

SESCOOP CE é um órgão

1715 de 03 de setembro de 1998 e Decreto n

3017 de 06 de abril de 1999 sendo instalado efetivamente em 27 de setembro 1999 É entidade civil de

direito privado sem fins lucrativos constituída sob o estatuto de serviço social autônomo Seus recursos

são de natureza parafiscal originam se das cooperativas que contribuem com um percentual sobre as

folhas de pagamento

0 SESCOOPCE promove atividades capazes de produzir efeitos socioeconômicos condizentes com os

objetivos do Sistema Cooperativista Brasileiro na formação profissional técnica e gerencial e no

promoção social dos cooperados empregados e familiares além de apoiar diretamente a operação das

cooperativos no estado do Ceará

12 Responsabilidade institucional

Com a responsabilidade de suprir as demandas a qual se destino busca estabelecer políticas e traçar

diretrizes educacionais no âmbito estadual executando ações de cunho educativo e compartilhamento

de informações a fim de fornecer instrumentos a todos os cooperados e parceiros atuantes no

Cooperativismo na perspectiva de fortalecer o processo de gestão do conhecimento tão necessário a

sustentabilidade das organizações cooperativas É da alçada do SESCOOPCE enfim garantir a geração

de trabalho e rendo em beneficio da melhoria da qualidade de vida

Os alvos da atuação do SESCOOPCE são as cooperativas seus associados e empregados bem como os

respectivos familiares 0 trabalho da entidade organizase a partir de quatro áreas de atuação São elas

ensino de formação profissional realizado por meio de ações voltadas ao desenvolvimento

qualificação e capacitação dos associados dos dirigentes e dos empregados de cooperativos alicerçados

nos princípios e valores cooperativistas

organização e promoção social tem por finalidade desenvolver ações que possibilitem o alcance da

melhoria da qualidade de vida dos empregados de cooperativas associados e seus familiares Essa ação

se estende também às comunidades em que as cooperativas estão inseridas

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 16


monitoramentodesenvolvimento dos cooperativas processo de orientação constituição

assessoramento e acompanhamento de cooperativas Seus objetivos são desenvolver a qualidade do

gestão preservar a doutrina cooperativista a legalidade de seu funcionamento sua credibilidade

perante a sociedade transparência diante do quadro social e garantia de continuidade ao cumprir seus

objetivos econômicos e sociais

gestão do sistema coordenar a formulação do Planejamento Estratégico do SESCOOP CE o

monitoramento e a avaliação de metas e

os resultados alcançados pelo Sistema frente ao Plano de

Trabalho aprovado o incentivo à atuação em parceria com entidades que tenham o cooperativismo em

suas estratégias de atuação a manutenção do quadro de colaboradores capacitado e motivado etc

As ações do SESCOOPCE para fortalecimento das cooperativas englobam capacitação valorização e

melhor aproveitamento dos cooperados e empregados Desse modo a entidade busca alçálos a

patamares mais elevados de inovação e excelência favorecendo a competitividade dos produtos e

serviços

13 Missão e visão

Definida como uma declaração de propósitos ampla e duradoura que estabelece o papel e a razão de ser

do SESCOOP e o individualizo e distingue de outras instituições sua MISSÃO descreve a identidade seus

atributos de desempenho e o seu papel perante cooperativas cooperados empregados e familiares

assim sendo têm abrangência corporativa sendo válidos para todas as Unidades Estaduais Neste

sentido o SESCOOP definiu em seu Plano Estratégico 20102013 a Missão Corporativa do SESCOOP

Promover o desenvolvimento do cooperativismo de forma integrado e sustentável por meio do

formação profissional da promoção social e do monitoramento das cooperativas respeitando sua

diversidade contribuindo para a sua competitividade e melhorando a qualidade de vida dos

cooperados empregados efamiliares

Já a VISÃO visa estabelecer o perfil para o estado desejado ideal da organização ou seja o que ela

poderá ser e aonde chegar dentro de um período determinado Nesta perspectiva foi desenvolvido no 2

semestre de 2002 a Planejamento Estratégico do SESCOOPCE cujo processo construído de forma

participativa e compartilhado formulou o VISÃO da instituição para o período compreendido entre 2003

a 2007 Hoje o SESCOOPCE preparose para a elaboração do Plano Estratégico do SESCOOPCE como

parte do esforço de consolidação dos estratégias quando do atendimento dos públicos alvo Permanece

até então a VISÃO ainda atual construída à época

Ser reconhecido como sistema de representação e integração do cooperativismo por meio do

implementação de políticas e ações que estimulem o desenvolvimento sustentável das cooperativas

e a disseminação da cultura cooperativista no estado do Ceará

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 17


114 Fonte de recursos

As receitas do SESCOOPCE para o exercício de 2010 na execução de suas atividades foi de R

2035 119 61 Como fonte primeira de recursos destacase os valores provenientes das receitas de

contribuições percentual de25 incidente sobre as folhas de pagamento das cooperativas em 2010

o valor dessa arrecadação representou 62 do total A segunda maior fonte de recursos originase de

Transferências ás Unidades Estaduais no total de R590 026 93 ou28 99 do total Tabela 3

Na análise comparativa do total de recursos de 2010 em relação aos anos de 2009 e 2008 verificase um

incremento de711 e 12 63 respectivamente Gráfico 1

Tabela 1 Receitas porfonte de recursos em R100

FONTE DE

RECURSOS

Ano

Total

Receitas de

Contribuições

Receitas

Patrimoniais

Outras

Receitas

Correntes

Outras

Receitas de

Capital

Receitas

FUNDECOOP

12008

1952 720 002115 743

218 051 001806 872 241900 076 742035 119 61

1016 638 00

Fonte Gerência Fin nceira SESCOOPCE

W20091

112 582 00

98 384 00 165 000

185 000

142 426 01 154 825 54 182 848 30

10 00 450 00 600

055 442 07 420 32

I

00 133 364 00 259 706 00

I837 688 001I704

347

X20101

176 745 00

596 000 001

2008IM

11 010 961 72 1129

585 01

00

653 483 96 1

REALIZADAS

X10091

00

F 615 224 12 1

X20107

1261 824 061

00

1 590 026 931

Gráfico 1 Evolução das receitas realizadas por fonte de recursos

1400 000

1200 000

1000

800 000

2008

2009

600 000

2010

400 000

200 000

Receitas de

Contribuições

Receitas Patrimoniais Outras Receitas Receitas FUNDECOOP

Correntes

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 18


15 Tipos e aplicações de grupos de despesas

No cumprimento dos atividades detalhadas no plano de trabalho e do orçamento aprovado para o

exercício de 2010 o SESCOOP CE previu despesas no valor de R2178 851 00 e despendeu efetivamente

recursos da ordem de R1910 856 60 no cumprimento da programação orçamentária aprovada pelo

Conselho do SESCOOPCE e distribuidas por natureza conforme detalhado na Tabelo 2

Comparativamente o total de despesas realizadas corresponde a 87 70 do previsto paro o exercício

Gráfico 2

Tabela 2 Demonstrativo de aplicações por grupo de despesas realizados em R100

TIPO DESPESA

PREVISTAS

REALIZADAS

ANO

TOTAL

PESSOAL E

ENCARGOS

SOCIAIS

2008 2009 2010 1008 2009 2010

1952 720 002115 743

218 051 001236 290 461539 375 83 1910 856 60

609 534 00

858 120 00 906 485 00

766 369

OUTRAS

DESPESAS

CORRENTES

INVESTIMENTOS

INVERSÕES

FINANCEIRAS

Fonte Gerência Financeira SESCOOPCE

1245 986 00 1237 787 001272 366

684 450 00 770 207 071023 906 34

97 200

19 83 600 39 200

97 134 00 2799 00 33 229 6

Gráfico 2

Evolução de aplicações por grupo de despesas

1200 000

1000

800 000

2008

600 000

2009

2010

400 000

200 000

Pessoal e Encargos Sociais

Outras Despesas Correntes

Investimentos

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 19


CAPÍTULO 2

GOVERNANÇA CORPORATIVA

A

estrutura de gestão do SESCOOPCE obedece às melhores práticas de governança corporativa

respeitando os quatro princípios básicos desse modelo de administração

a Transparência não só em relação aos dados contábeis mas a todos os assuntos que possam

gerar conflitos de interesses internos ou externos

b Equidade igualdade de tratamento a todos os grupos sejam eles conselheiros governo

cooperados empregados etc

c Prestação de contas os gestores do SESCOOPCE prestam contas à sociedade ao sistema

cooperativista e ao governo sobre todos os atos praticados no exercício de seu mandato

d Responsabilidade conjunto de ações que garantam a sustentabilidade do negócio o

desenvolvimento do comunidade e a preservação do meio ambiente

A entidade é administrada de forma colegiada e conta com a seguinte estrutura o Conselho

Administrativo Diretoria Executiva composta por um presidente e um superintendente e o Conselho

Fiscal A Presidência da entidade é cargo privativo do presidente da Organização das Cooperativas

Brasileiras no Estado do Ceará

OCB CE

Cabe ao Conselho Administrativo difundir e implementar as políticas diretrizes programas projetos e

normas com estrita observância dos deliberações e decisões do Conselho Nacional contribuindo para

que as atribuições e os objetivos da entidade sejam proveitosamente alcançados

0 Conselho Administrativo integra se por cinco conselheiros que representam

1 0 Sindicato e Organização dos Cooperativas Brasileiras no Estado do Ceará OCBCE

na condição de Presidente nato

11

Por um representante dos empregados em cooperativas

Ill

IV

Por dois representantes de cooperativas contribuintes

Por um representante do Conselho Nacional indicados pelo Presidente do Conselho

Nacional

Todos os conselheiros têm mandato de quatro anos permitida a recondução para igual período

Ao Conselho Fiscal cabe acompanhar e fiscalizar as execuções financeiras orçamentárias e os atos de

gestão bem como examinar e emitir pareceres sobre o balanço geral e demais demonstrações

financeiras dentre outras 0 mandato de seus membros é de quatro anos sendo vedada a recondução

para o período subsequente

À Diretoria Executiva órgão de gestão e administração central compete entre outras funções a de zelar

pelo cumprimento do Regimento Interno das deliberações do Conselho Administrativo e das normas e

diretrizes da instituição bem corno pela implementação das políticas e diretrizes estratégicas

estabelecidas para o Sistema Cabelhe também propor planos de trabalho ao Conselho Administrativo e

zelar por sua execução e ainda estabelecer normas internas de funcionamento da entidade Os atos de

gestão da Diretoria Executiva são acompanhados e verificados tanto pelo Conselho Administrativo

quanto pelo Conselho Fiscal

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 20


21 Objetivos e diretrizes estratégicas

As principais atribuições do SESCOOPCE consolidada em seu Regimento Interno balizase nos eixos de

atuação de suas finalidades finalisticas formação profissional promoção social e o monitoramento Em

síntese as atribuições assim estão definidas

Organizar administrar e executar o ensino de formação profissional o promoção social dos

empregados de cooperativas cooperados e de seus familiares e o monitoromento das

cooperativas no Estado do Ceará

Operacionalizar o monitoromento a supervisão a auditoria e o controle em cooperativas

Assistir as sociedades cooperativas empregadoras na elaboração e execução de programas de

treinamento e no realização da aprendizagem metódica e contínuo

Estabelecer e difundir metodologias adequadas à formação profissional e à promoção social do

empregado de cooperativa do dirigente de cooperativa do cooperado e de seus familiares

Exercer a coordenação o supervisão e a realização de programas e de projetos de formação

profissional e de gestão em cooperativas para empregados cooperados e seus familiares

Colaborar com o poder público em assuntos relacionados à formação profissional e à gestão

cooperativista e outros atividades correlatas

Divulgar a doutrina e o filosofia cooperativistas como forma de desenvolvimento integral das

pessoas

Promover e realizar estudos pesquisas e projetos relacionados ao desenvolvimento humano ao

monitoromento e à promoção social de acordo com os interesses das sociedades cooperativas

e de seus integrantes

Ao longo destes 10 anos de existência o SESCOOP vem desenvolvendo esforços no sentido de aprimorar o

processo de planejamento estratégico da instituição como forma de medir e comunicar os resultados

alcançados junto aos clientes parceiros e a sociedade em geral

Nesse contexto a atuação sistêmica direcionada por políticas diretrizes e objetivos estratégicos é de

fundamental importância no processo de aprimoramento institucional

Assim o SESCOOP Nacional definiu como premissa estratégica para o sistema Considerar a educação e

a profissionalização do gestão a inovação tecnológico e o capacidade empreendedora como fatores

primordiais para o aumento da competitividade dos cooperativas nos mercados externos e intemos

além dos norteadores estratégicos que devem ser observados pelas unidades estaduais na elaboração de

sua programação de trabalho em prol do fortalecimento das cooperativas brasileiras mediante ações de

copacitação e formação profissional monitoromento e desenvolvimento de cooperativas e promoção

social Também foram definidos os objetivos estratégicos que devem ser atingidos pela instituição no

busca da excelência em sua gestão no forma a seguir

Priorizar sua atuação na busca do desenvolvimento sustentável das cooperativas consequentemente

de seus cooperados empregados e respectivos familiares focando o trabalho emprego e a geração de

renda a inclusão social o crescimento econômico e a preservação do meio ambiente alinhandose com

as políticas públicas com modernas práticas educacionais e de gestão

Intensificar parcerias estratégicas com instituições públicas privadas e do terceiro setor visando

olovancar competências conhecimentos mercados e recursos para ampliar a atuação do Sistema

Cooperativista no desenvolvimento do cooperativismo cearense

Intensificar iniciativas voltadas à promoção do bem estar dos associados empregados e seus

familiares

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 21


Priorizar aprimorar e implantar ações e processos inovadores de monitoramento e autogestão no

sistema cooperativista brasileiro

Estruturar e implementar a gestão estratégica no âmbito do SESCOOPCE

12 Estrutura organizacional

A estruturo organizacional SESCOOPCE foi concebido como elemento imprescindível na busca da

competitividade flexibilidade qualidade e produtividade da organização de um lado e da satisfação de

seu públicoalvo de outro e pode ser visualizada no organograma a seguir

Conselho de

Administração

Conselho Fiscal

GERÊNCIA DE

PLANEJAMENTO

E CONTROLE

ERSTCIA

ADMINISTRATIVA

FINANCEIRA

GERÊNCIA DE J

FORMAÇÃO

PROFISSIONAL

GERÊNCIA DE

AUTOGESTÃO

GERÊNCIA

JURÍDICA

GERÊNCIA DE

COMUNICAÇÃO

As principais funções das unidades organizacionais são

Superintendência responde pela interlocução entre os níveis estratégico e

tático do organização

facilitando assim a gestão institucional no que se refere às ações finalísticas e administrativas

Gerência de Planejamento e Controle coordena o planejamento institucional de forma articulada ao

planejamento sistêmico no concernente ò concepção monitoramento e avaliação de resultados

elaboração e acompanhamento do proposta orçamentário e suas reformulações Atua ainda no

acompanhamento preventivo e corretivo das ações desenvolvidos visando ao cumprimento de

dispositivos legais e atos normativos internos e na elaboração das respectivas prestações de contas aos

órgãos de controle

Gerência Administrativo Financeira responde pelo correta administração dos recursos financeiros

recebimentos repasses e demais movimentações e pelo cumprimento das obrigações contábeis e

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 22


financeiro além do suporte operacional e administrativo necessário ao funcionamento do SESCOOPCE e

ações relacionadas à administração de pessoal

Gerência de Formação Profissional coordena as atividades relacionadas à copacitação e promoção

social apoiando as cooperativos no seu desenvolvimento com visto ao alcance de um modelo de gestão

profissionalizada

Gerência de Autogestão tem a finalidade apoiar o desenvolvimento e permanência das cooperativas

nos mercados com competitividade e sustentabilidade por meio de copacitação e monitoramento

Gerência Jurídica oferece respaldo legal à atuação do SESCOOPCE no que se relaciono à elaboração de

instrumentos jurídicos pareceres normativos e acompanha os processos em que a instituição é porte

além de oferecer apoio à representação política institucional Assessora a Comissão Permanente de

Licitação nos processos licitotórios para aquisição de bens e serviços

Gerência de Comunicação zelo pela imagem institucional por meio de informações divulgadas nos

veículos internos e externos de comunicação e assessora os instâncias diretivas no posicionamento ante

diferentes públicos e os formadores de opinião

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 23


CAPÍTULO 3

COOPERANDO COM 0 FUTURO

O cooperativismo é uma importante forço impulsionadora de desenvolvimento do país estando presente

em1407 municípios brasileiros

mais de 25 do total do País Uma das principais demandas do setor é

a capacitação de seus profissionais que buscam ganhar espaço no mercado nacional e internacional

Atento às necessidades dos associados o SESCOOP investe na formação de líderes gestores e

cooperados visando sempre o fortalecimento a qualificação e a sustentabilidade do setor

Definidas em resolução do Unidade Nacional do SESCOOP o públicoalvo da entidade está focado no

segmento cooperativista e

mais especificamente em cada estado nas cooperativas integrantes do

Sistema OCBSESCCOPCE com abrangência dos 13 ramos econômicos Agropecuário Consumo Crédito

Educacional Especial Habitação Infra estrutura Mineral Produção Saúde Trabalho Transporte e

Turismo e Lazer muito embora no estado do Ceará só se verificarem a existência de 9 dos segmentos de

cooperativos Agropecuário Consumo Crédito Educacional Infraestruturo Produção Saúde Trabalho

e Transporte

Estes segmentos compreendem um universo de 158 cooperativas com aproximadamente

78 019 associados e um total de5654 empregados Tabela 3 Gráficos 3 e 4

Os segmentos com maior número de cooperativas são Transporte 373 Saúde 203 Agropecuário

152 e Trabalho 13 Os demais juntos representam 13 9 do total

As atividades econômicos das sociedades cooperativos como já demonstrada estão divididos por ramo

de atividade e de acordo com as suas peculiaridades e especificidades se encontram assim definidas

Agropecuário composto por cooperativas de produtores rurais ou agropostoris e de pesco cujos meios

de produção pertençam ao associado Caracterizamse pelos serviços prestados aos associados como

recebimento ou comercialização da produção conjunta armazenamento e industrialização

Consumo constituído por cooperativos dedicadas à compra em comum de artigos de consumo para seus

associados É o ramo mais antigo no Brasil e no mundo Subdividemse em cooperativas de consumo

fechadas ou abertas Fechadas são as que admitem como cooperados somente as pessoas ligadas o uma

mesma cooperativa sindicato ou profissão Abertas ou populares são as que admitem qualquer pessoa

que queira a elas se associar

Crédito são instituições financeiras autorizadas e fiscalizadas pelo Banco Central do Brasil Realizam

todas e quaisquer operações do mercado financeiro são formadas por empregados empresários ou

profissionais de qualquer categoria econômico do campo e da cidade

Educacional constituído por cooperativas de professores por cooperativas de alunos de escola agrícola

por cooperativa de pais e alunos e por cooperativas de atividades afins que se organizam como

profissionais autônomos para prestarem serviços educacionais de qualidade 0 objetivo deste ramo é a

formação educacional do criança do adolescente e do adulto

Especial são cooperativas de pessoas que precisam ser tuteladas menor de idade ou relativamente

incapaz ou as que se encontram em situação de desvantagem nos termos da Lei9867 de 10 de

novembro de 1999 Neste ramo é necessária a indicação de um tutor pessoa física de preferência eleito

pelos cooperados que assinará todos os documentos em nome da cooperativa Tais cooperativas

portanto não desfrutam de plena autonomia de gestão A atividade econômica mais comum neste ramo

é a produção artesanal de peças de madeira roupas ou artes plásticas

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 24


Habitacional compõe se de cooperativas destinados à construção manutenção e administração de

conjuntos habitacionais para seu quadro social

Infra estrutura o finalidade dessas cooperativas é atender direta e prioritariamente ao próprio quadro

social com serviços de infraestrutura As cooperativas de eletrificação rural que são o maioria deste

ramo aos poucos estão deixando de ser meros repassadores de energia para se tornarem geradoras de

energia

Mineral constituído por cooperativas cuja finalidade é pesquisar extrair lavrar industrializar

comercializar importar e exportar produtos minerais

Produção compõese por cooperativos dedicadas à produção de um ou mais tipos de bens e produtos

quando detenham os meios de produção

Saúde constituído por cooperativas que se dedicam à preservação e promoção da saúde humano em

seus variados aspectos

Trabalho este ramo engloba todas as cooperativas constituídas por categorias profissionais eletricistas

mecânicos professores engenheiros jornalistas costureiras profissionais de informática e outros cujo

objetivo é o de proporcionar a seus associados fontes de ocupação estáveis e apropriadas através da

prestação de serviços a terceiros

Transporte composto pelas cooperativas que atuam no transporte de cargas eou passageiros As

cooperativas de transporte têm gestões específicas em suas várias modalidades transporte individual de

passageiros táxi e mototáxi transporte coletivo de passageiros vans ônibus e outros transporte de

cargas caminhões motocicletas furgões etc e transportes escolares vans e ônibus

Turismo e lazer cooperativas prestadoras de serviços turísticos artísticos de entretenimento de

esportes e de hotelaria Atendem direta e prioritariamente aos respectivos quadros sociais nessas áreas

Geograficamente as cooperativas estão distribuidas nas seis regiões macrogeogróficas do estado em

menor número nas áreas do Sertão Central e CentroSul e proporcionalmente nas demais regiões com

destaque para a concentração de grande número delas na Metropolitana representada por 582 do

total de cooperativas registradas no OCBCE Tabela 4 Gráfico 5

O total de registros concedidos no ano de 2010 na 0CBCE manteve a média de 2007 e 2008 com

destaque para o ramo transporte que têm sido o grande fomentador de novas cooperativas Em 2009

com o advento da regulamentação dos Transportes Complementares no Ceará foram registradas um

total de 21 vinte e um cooperativas só deste segmento culminando em dezembro de 2010 com a

assinatura das ordens de serviço com os cooperativas de transportes e

Sistema de Transporte Complementar de Passageiros no estado Tabelo 5 Gráfico 6

a definitiva implantação do

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 25


Tabela 3 Cooperativas associados e empregados por ramo

RAMOS

N4 COOPERATIVAS

N3 ASSOCIADOS

N DE EMPREGADOS

AGROPECUÁRIO

CONSUMO

CRÉDITO

EDUCACIONAL

INFRAESTRUTURA

PRODUÇÃO

SAÚDE

TRABALHO

TRANSPORTE

TOTAL

Fonte OCBCE 2011

24

1

1

1

10

1

2

1

7

1

2

L 32

1

21

L 59

158

1 7816 1

573

t

3589 29

15 213

564

1 15 813

1

5949

94 8

21 672 2101

7309 1083

78 019

1 170

1

17

J

1

1672

1

5654

Gráfico 3 Distribuição das cooperativas por ramo

373

uz

2o

1

U6

64 13

r

oS kaa Sa aOa CR

P L a Q qc

Aac

Gráfico 4 Distribuição de associados por ramo

PQO

F

0

c5

d

0

dfr

som tb a

ckaz 0

Q

c5

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 26


QTabela 4 Cooperativas por região geográfica

rl CENTRO SÜi

rllrcARIRI 11

VIMETROPCITÃW

Fonte OCBCE 2011

9

3

1 38 1

57

20

J 127

21 13

10

92

158

r 63

J

582

r

100

OGráfico 5 Distribuição de cooperativas por região geográfica

MI I Sertão Central C11 Centro Sul

o III

Cariri

eIV Norte

cV Jaguaribe

D VI

Metroplitana

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 27


Tabela 5 Registros concedidos por ramo

RAMO

REGISTROS CONCEDIDOS

2006 20 07 2008 2009 2010

AGROPECUÁRIO

0 0 0 0 1

CRÉDITO

0

EDUCACIONAL

1

0

0

0

0

SAÚDE

TRABALHO

0

2

TRANSPORTE

TOTAL

3

7

7

21

7

Fonte OCBCE 2011

Gráfico 6 Percentuais anuais de registros concedidos por ramo

ImeeeeN de Registros

2006

2007

2008

2009

2010

Anos

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Pagina 28


Gráfico 7

Evolução do patrimônio líquido de cooperativas por ramo

41

88

87

60

2009 2008 2007

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceara SESCOOPCE Página 30


CAPÍTULO 4 GESTÃO DE PESSOAS

Ao considerar o potencial humano e as competências como pilares da gestão de pessoas e organizações

passose a desenvolver iniciativas no sentido de reconfigurar as condições de trabalho no contexto de

novas arquiteturas Atualmente falose em gestão de pessoas ao invés de recursos humanos 0 que

alterou foi à forma de pensar e considerar os pessoas de uma organização como simples recursos

humanos organizadas considerando atualmente uma nova abordagem Não se trata de administrar

apenas pessoas mas de administrar com as pessoas esto é o nova forma e concepção 0 recurso mais

importante de qualquer organização não pode e não deve ser tratado corno mero recurso

organizacional

141 Políticas de gestão de pessoas

As normas políticas e planos para a área de recursos humanos estão previstas no artigo 82 inciso VI do

Regimento Interno do SESCCOPCE que estabelece o competência ao

Conselho Administrativo em

aprovar o plano de cargos salários e benefícios o quadro de pessoal e a tabela de remuneração

correspondente ã contratação dos empregados do quadro efetivo do SESCOOPCE

0 regime jurídico do pessoal do SESCOOPCE é o da CLT Consolidação das Leis do Trabalho respectiva

legislação complementar e observadas as normas tanto editadas pelo Conselho Nacional quanto

Estadual

Nos processos de admissão contrafação e administração dos cargos e solários de provimento efetivo do

SESCOOPCE são aplicados os princípios e regras estabelecidos no Capítulo V do Regimento Interno na

Norma de Pessoal e no Plano de Cargos e Salários

Aprovado em maio2008 e efetivamente implantado em agosto2008 o Plano de Cargos e Salários está

fincado na necessidade do SESCOOPCE de manter o equilíbrio salarial interno de estabelecer formas de

remuneração oferecer oportunidades de crescimento profissional bem como ferramenta para

conservação de talentos existentes em seu quadro Em dezembro de 2010 por ocasião da 82 Reunião

do Conselho de Administração foi aprovada alterações ao referido Plano tornandoo mais claro

objetivo adotando se o simplificação de conceitos e métodos como formo de facilitar o entendimento e

proporcionando confiabilidade e estabilidade em sua operacionalizoção

Têm em sua estrutura de cargos e funções de confiança os seguintes eixos de carreira gestão técnico

administrativo e operacional 0 eixo de carreira de gestão compreende o área estratégico

superintendência e gerências para o eixo técnico vinculamse os cargos de Técnico de Nível Superior

TNS e Assistente Técnico ATEC no administrativo o corgo de Assistente Administrativo ADDM e no

operacional o Auxiliar de Serviços Gerais AUXSG

e

A estruturo ocupacional está distribuída em funções de confiança e

conforme abaixo descrito

cargos de provimento efetivo

I Eixo de carreira Gestão está distribuído em 07 sete funções a saber Superintendência relacionado

à Área de Gestão Estratégica Coordenadoria de Comunicação Coordenadoria Jurídico Coordenadoria

de Planejamento e Controle Coordenadoria Financeira Coordenadoria de Capocitaçeo e Coordenadoria

de Auto Gestão todos relacionadas à Área de Gestão Operacional

1I Eixo de carreira Técnico dividido em 02 dois cargos de provimento efetivo Técnico de Nível Superior

e Assistente Técnico ambos distribuídos em 12 doze níveis funcionais

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 31


111 Eixo de carreira Administrativo e Operacional com 01 um cargo de provimento efetivo coda

Assistente Administrativo e Auxiliar de Serviços Gerais respectivamente ambos estratificados em 08

oito níveis funcionais

A admissão paro os cargos de provimento efetivo do SESCOOPCE é realizado com a instauração da

competente processo seletivo a cargo de uma Comissão de Seleção designada pela Diretoria Executiva

composto de 3 três funcionários mediante autorização prévia do Conselho de Administração

As etapas do processo seletivo critérios de aprovação quantidade de vagas disponíveis para os

cargo s requisitos mínimos obrigatórios e o perfil is do s profissional is que atenda m às

necessidades do cargoárea ondeos candidato s selecionado

ser ão efetivado s são definidos em

Edital de Seleção amplamente divulgado em jornal de grande circulação no Estado e no site do

SESCOOPCE Os critérios de seleção de caráter eliminatório e

conhecimento análise curriculareou entrevista com o candidato

classificatório constam de provas de

O ingresso e enquadramento do empregado recém contratado nos quadros do SESCOOPCE dãose no

primeiro nível funcional e referência salarial inicial I de cada cargo conforme tabela Cargos de

Provimento Efetivo constante no Anexo Ido Plano de Cargos e Salários e suas atualizações

Referente a benefícios oferecidos aos empregados obedecendo a determinações legais cláusulas de

acordos coletivas de trabalho normas do SESCOOP Nacional e deliberações internas da Entidade são

auxílio refeiçãoalimentação vale transporte plano de saúde e odontológico e incentivos à formação

profissional

A carga horária de trabalho para os empregados do SESCOOP é de 40 quarenta horas semanais com o

sistema de controle de freqüência manual com uso de folha de freqüência onde constam nome

completo cargo ocupado número e série da CTPS ficando ali registradas as assinaturas em 2 dois

turnos cabendo a Gerência AdministrativoFinanceiro o controle e a fiscalização

142 Perfil do corpo funcional

No encerramento do exercício o SESCOOPCE dispunha em sua estrutura de pessoal 16 dezesseis

colaboradores sendo 14 quatorze efetivos e 2 dois estagiários Do universo de colaboradores efetivos

observase um bom nível de qualificação se considerarmos que 53 possuem graduação completa

33 são pós graduados e 13 têm mestrado

No que concerne a questão de gênero a SESCOOP CE tem uma hegemonia quanto ao número de

colaboradores do sexo feminino representa 73 dos profissionais atuantes na instituição sendo que

40 destas ocupam função gerencial Gráfico 9

Quanto à faixo etária a maior concentração dos profissionais encontrase até 35 anos de idade

totalizando 40 do pessoal evidenciando um quadro jovem A faixa seguinte em que se enquadram 20

dos técnicos é de 36 a 44 anos de idade que se somados perfaz 60 do quadro de pessoal do

SESCOOPCE demonstrando a tendência e superioridade na contratação de profissionais com idade

produtiva em alta Gráfico 10

Em 2009 ingressaram simultaneamente no SESCOOPCE 5 cinco novos colaboradores que até então só

possuía no seu quadro efetivo 8 oito profissionais incluído neste número o Superintendente Assim

sendo os percentuais de tempo de casa apontam para 33 de 1 a 2 anos e 267 para 61 a 9 anos

0 percentual de 13 se repete para as faixas de até 1 ano representando 1 um colaborador

contratado em outubro de 2010 e 2 dois outros na faixa de 21 a 6 anos relativas às contratações de

assessora de comunicação em 2006 e do assessorjurídico em 2007 Gráfico 11

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 32


A maior concentração dos profissionais 53 encontrase no faixa salarial entre R 2 mi e R 3 mil

Devese considerar o reajuste salarial de 7 concedido em 2010 por ocasião do database assim como a

necessidade de adotar valores de referência compatíveis com o mercado como estratégia de retenção

da força de trabalho 0 percentual de reajuste concedido equivale se o incremento de receitas diretas

registrado no exercício Gráfico 12

A evolução dos níveis salariais no período compreendido entre 2008

2010 atingiram percentuais de até

21 45 tomandose por base a progressão horizontal dos colaboradores do SESCOOPCE em

conformidade tom os critérios estabelecidos no Plano de Cargos e Salários

Gráfico 8

Colaboradores por níveis de escolaridade

SUPERIOR COMPLETO

PÓS

GRADUAÇÃO

MESTRADO

Gráfico 9

Colaboradores por sexo

Feminino

Masculino

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 33


Gráfico 10

Colaboradores por faixa etária

Até 35 anos

36 a 44 anos

45 a 54 anos

55 a 64 anos

Gráfico 11

Colaboradores por tempo de casa

Até 1 ano

de 1 a2anos

21 a 6 anos

61a9anos

Acima de 9 anos

Gráfico 12

Colaboradores porfaixa salarial

AtéR2000

deR2001

a

R3000

deR3001

a

R4000

Acima deR4001

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 34


Tabela 7 Cargos e salários de colaboradores

ASSISTENTE

ADMINISTRAT IVA

ASSISTENTE

ADMINISTRATIVA

GERENTE

Ar DMINISTRATIVO

FINANCEIRO

GERENTE DE

tNEJAMENTO E

CONTROLE

TÉCNICA DE NÍVEL

SUPERIOR EM

PLANEJAMENTO E

CONTROLE

ffl

GERENTE DE FORMAÇÃO

PROFISSÌONAL

rASSESSORA DE

COM UNICAÇA0

ÃSSESS0R JURÍDICO

TÉCNICA DE NÍVEL

SUPERIOR EM

CONTABILIDADE

ELE

TÉCNICADE NÍVEL

iSUPERIOR EM

AGRRONEGOCIO

G ós

MASCULINO 01 2004 417 43 14 726 66 67

15158

PÓS

GRADUAÇÃO

SUPERIO MGESTÃO DE

OUMIFLEOT

MERCADO MASCULIN01102 03

TÉCNICA DE NÍVEL

SUPERIOR EM FORMAÇÃO

ROF SSIONAL

TÉCNICO DE NÍVEL

SUPERIOR EM GESTÃO DE

MERCADO

ESCOLARIDADE

PÓS

GRADUAÇÃO

POS

GRADUAÇÃO

SUPERIOR

COMPLETO

SUPERIOR

COMPLETO

MESTRADO 1

SUPERIOR

COMPLETO

POS

GRADUA ÇÃO

SUPERIOR

COMPLETO

MESTRADO

SUPERIOR

COMPLETO

COMPLETO

FSUPERIOR

I

SEXO

MASCULINO

FEMININO

FEMININO 01 03 2002

FEMININO 01 2004

FEMININO

FEMININO

FEMININO 02 03 2009 2354 00 2518 78

FEMININO

Fonte Gerência Administrativa e Financeira do SESCOOPCE

ADMISSÃO

02 04 2001

01 10 2001

101

2004

FEMININO 01 02 2006

101 03 20071

FEMININO 02 03 2009

FEMININO 02 03 2009

FEMININO 03 11 2009

30 04

2009

101

2010

DEMISSÃO

SALÁRIOS

C2008 I zo o9 2010

4081 03 4366 70 4672 37

1202 28

1050 12 1

1050 12 123 63 120228

3520 33 3766 75 4275 88

3520 33

2780 57 2975 21 3183 48

3007 47

2010 1 12 354 00 1 2518 78

0

13217 99

3580 98 1

2354 00 2518 78

2354 00 2518 78

2354 00 2518 78

12 51878

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 35


Gráfico 13 Evolução salarial por eixo de carreira

120

10

80

60

40

20

0

Gestão Técnico Adminstrativo

Operacional

I43 Capacitações

A Administração preocupada com o desenvolvimento e crescimento dos recursos humanos da entidade

através da Norma de Incentivo ao Desenvolvimento de Empregados do SESCOOPCE normatizando

procedimentos ao incentivo do desenvolvimento profissional de seus empregados onde estão previstas

as seguintes modalidades de incentivo a para a participação em eventos de longa duração poderá ser

concedida bolsa de estudo em com instituições de ensino devidamente habilitadas e nos valores e

percentuais estipulados na respectiva Norma de acordo com deliberação do Conselho de Administração

b para a participação em eventos de curta e média duração poderá ser concedido o pagamento do valor

do curso c para a participação em eventos modulares poderá ser concedido o pagamento de taxa de

inscrição e mensalidades

O funcionário beneficiário nos Programas de Desenvolvimento e Aperfeiçoamento Humano

compromete se a repassar como agente multiplicador aos funcionários do SESCOOP CE e demais

interessados quando for o caso os conhecimentos adquiridos em prol do SESCOOPCE e seus objetivos

Vários foram às ações de capacitação desenvolvidas e que tiveram a participação efetiva de

colaboradores do SESCOOP CE sendo estas identificadas como necessidades dos colaboradores no

exercício de pleno de suas atividades ou ainda que possa convergir para o seu crescimento pessoal e

profissional o que em última instância trouxe ganhos e resultados institucionais As atividades voltadas

para o desenvolvimento pessoal dos colaboradores são a seguir apresentadas Tabelas 8 e 9

DETALHAMENTO

TREINAMENTOS REALIZADOS

CARGA HORÁRIA TOTAL

PESSOAS TREINADAS

Tabela 8

TREINAMENTOS DE CURTA E MÉDIA DURAÇÃO

Fonte Gerência Administrativo e Financeira do SESCOOPCE

QUANTTTATtVOS

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceara SESCOOPCE Página 36


L

aleliDETALHAMÉNTO

kur illirinam

Tabela 9

teRTÂbltWjej

Fonte Gerência Administrativa e Financeira do SESCOOPCE

i

QUANTITATIVOS

1

R2083 22 1

4 Movimentações do quadro de pessoal

Ainda no 12 quadrimestre de 2010 foi efetuado o desligamento de uma Técnica de Nível Superior em

Formação Profissional e no mês de agosto de 2008 foi dado início ao processo seletivo para contratação

de Técnico de Nível Superior em Gestão de Mercados 0 processo seletivo foi concluído em setembro de

2010 e já para o mês de outubro foi convocado a candidata classificada em 1 lugar

UANTIDAD

i

1 1

rezngur

Tabela 10

Fonte Gerência Administrativa e Financeiro do SESCOOPCE

1

1

145 Folha de pagamento

Para desenvolver suas atividades o SESCOOPCE possui uma estrutura de pessoal composta de 14

quatorze funcionários e 2 dois estagiários Os custos com funcionários contratados no ano de 2010

estão detalhados da Tabela 13 cujo percentual de realização é de 94 17 inclusos despesos de salários

encargos sociais e os benefícios concedidos

Tabela 11 Custos de pessoal

111DETALHAMENTO TOTAL Réal

VENCIMENTOS E

REMUNERAÇAO

SOCIAIS PATRONAIS

lENCARGOS

BENEFÍCIOS

yVA Pl Saúde 5eg Vidaj l

TOTAL

ORÇADO 11 967 450 00

REALIZADO

ORÇADO

REALIZADO

ORÇADO

REALIZADO

ORÇADO

Fonte Gerência Administrativo e Financei a do SESCOOPCE

i

J

11

540 675 03

195 83500

178 888 11

143 200

134 157 66

906 485 001

REALIZADO 853 720 70

jk

95 28

91 34

93 68

94 17

Além da seleção o desenvolvimento pessoal e de carreira deve servir como estimulo para que os

profissionais se preocupem continuamente com o melhoria de suas qualificações profissionais

Imprescindíveis na retenção de talentos o plano de cargos e salários remuneração e benefícios é uma

política organizacional para uma correta avaliação dos cargos e certa adequação salarial diante do

mercado

0 histórico da composição e dos despesas com recursos humanos apresentado no ANEXO 11 Histórico da

composição e das despesas com recursos humanos 20012010 do presente relatório evidencia as

políticas e práticas de recursos humanos com a inserção de 6 seis novos colaboradores no período

compreendido entre 2007 a 2010 o que representa um incremento no quantitativo de pessoal em 75

Tanto as novas contratações realizados em 2009 e o efetiva implantação do plano de cargos e salários a

partir de 2008 foram determinantes para alavancar e consolidar efetivamente o atendimento dos

demandas de natureza finalística do SESCOOPCE além de corrigir as distorções e equiparar as

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOP CE Página 37


emunerações dos técnicos ao mercado resultando em um custo adicional de 87 75 do total de

despesas com recursos humanos considerando além de salários os encargos e benefícios

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 38


CAPÍTULO 5

PRESTAÇÃO DE CONTAS

O SESCOOP CE encarregado de promover a educação cooperativista no Estado é o agente responsável

pelo desenvolvimento do setor atuando na Capacitação e Formação profissional na Promoção Social

no Monitoramento e desenvolvimento de cooperativas e por último na Gestão do Sistema

Os beneficiários diretos das ações do SESCOOPCE são empregados cooperados dirigentes

conselheiros e familiares das cooperativas contribuintes no caso de cooperativas e grupos interessados

na constituição ou em processo de formação de cooperativas Têm ainda como beneficiarios os

familiares de seus associados e também a comunidade onde os cooperativas estão inseridos através de

ações de promoção social 0 atendimento deste universo de beneficiados é realizado através de

planejamento anual realizado pelo Sistema OCBSESCOOPCE visando apoiar as necessidades de

formação por cada cooperativa

Os resultados e benefícios alcançados são comprovados por todos aqueles envolvidos com o

cooperativismo cearense e se traduzem na profissionalização do setor Além de auxiliar na constituição

de novas cooperativas o SESCOOPCE atende ás principais necessidades de formação e qualificação dos

profissionais dos cooperativas proporcionando educação continuado e apoio logístico constante

Visando cumprir as atribuições que lhe são inerentes com maior eficiência e eficácia no aplicação de

recursos o ambiente de Formação Profissional o através da demanda levantada com as cooperativas

realizou em 2010 93 eventos com5908 participações e1851 horasaula

Na Promoção Social foram realizados 128 eventos com a participação de 778 pessoas e carga horária

de 135 horas 0 Projeto Sorrisão realizado em parceria com a UNIODONTO vem atendendo nas diversas

comunidades de Fortaleza crianças de 6 o 10 anos com atividades educativos e práticas de escavação e

higienização bucal Também o Projeto Cooperar paro Viver Melhor executado rio Dia Internacional do

Cooperativismo em 2010 realizado no dia 03 de julho reuniu centenas de pessoas na Praça do

Ferreira através de atividades culturais e atendimentos especializados realizados por diversos

cooperativas e instituições parceiras

Por fim a Autogestão coordenado pela Gerência de Desenvolvimento e Monitoramento de Gestão das

Cooperativas desenvolveu 306 ações dentro dos Programas de Constituição Orientado e do

Monitoramento beneficiando a3104 pessoas e carga horária de 138 horas através de visitas

consultorias estudos e reuniões individuais ou abertas junto às cooperativas análise dos indicadores e

do acompanhamento econômico financeiro como também análises de projetosestudos de viabilidade

econômico financeiro visando apoiar o crescimento dos pequenas cooperativas

A atuação finalistica caracterizase nas linhas de formação e capacitação profissional promoção social e

monitoramento e desenvolvimento de cooperativas

Formação Profissional

Essa linha de atuação é razão de ser do SESCOOPCE na medida em que proporciono aos associados

empregados e familiares a informação transformada no conhecimento que conduz inexoravelmente aos

melhores resultados quando aplicada à atividade empreendedora

A programação pela qual se desenvolve a formação e capacitação profissional é direcionada aos

associados e empregados dos cooperativas e respectivos familiares Fundamenta se nos princípios e

valores do cooperativismo e tem o escopo de apoiar o público alvo na plena realização de suas

potencialidades

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 39


Promoção Social

Aqui o objetivo é o estímulo às ações de promoção ao bemestar e desenvolvimento social da cadeia de

interessados 0 SESCOOP CE atua de maneira segmentada nos públicosalvo A Promoção Social busca

ainda desenvolver e aplicar metodologias de pesquisa social para o cooperativismo e intensificar

parcerias para a ampliação dos recursos e das ações sociais

As atividades de promoção social visam oferecer aos associados aos empregados das cooperativas e a

seus familiares um suporte material básico e ao mesmo tempo motivarlhes a reflexão e contribuir para

a assunção plena da cidadania

Monitoramento e desenvolvimento de cooperativas

Essa linha de atuação visa ao estabelecimento de uma relação que envolva os vários agentes integrados

ao crescimento e progressodo cooperativa seus associados e empregados À medida em que as

cooperativasoprimoram seus processos de gestão maiselas

contribuirão para o progresso de seus

membros e colaboradores A capacitadoo de associados e funcionários capacitados permite lhes

crescerem social e economicamente tornandoa gestão eficaz e favorecendo o sucesso do

empreendimento

O foco das ações em monitoramento e desenvolvimento é a qualidade de gestão das cooperativas

Buscase especialmente assegurarlhes longevidade no contexto da função socioeconômico ambiental

inerente a sua natureza bem corno credibilidade entre o público em geral e transparência ante seu

quadro social

Gestão do Sistema

Nesse tópico será mostrado como o SESCOOPCE utiliza o orçamento que recebe anualmente para

administrar seus processos que dão suporte à atividade finalística Em linhas gerais os recursos foram

executados em quatro áreas Aprimoramento do gestão Gestão de pessoas Comunicação e Infra

estrutura

No que concerne a execução das linhas de ação tanto a finalística quanto a gestão do sistema meio

foram previstos no ano de 2010 recursos no valor de R 218 0510 sendo aplicado no período o valor

de R191O 85660 correspondente a 86 15 do programado Tabela 12

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 40


Tabela 12 Recursos previstos e aplicados nas linhas de ação

X1010

fl ATUAÇÃO FINALISTICA

FORMAÇA0CAPA CI TAÇÃ0

PRíOFISSIONAL

O r OÇAO SOCIA

MONITORAMENTODESENVOLVIMENTO

DE COOPERATIVAS

LT4

Fonte Geréncia de Planejamento e Controle

11219 979 401

I

t PREVISTO 1 REALIZADO

I 66 335 90I111

610

IXECUÇÃO

1330 435 09 1964 646 00 1701 596 64 86 61

1810 738 00 1588 910 55 I

87

44 120 09 42 298 00 38 548 00

00 74 138 09 66 42

208 940 44 253 405 00 209 259 96 82 57

74 1

91 13

208 940 44 253 405 00 209 25996 82 57

1539 375833 218 051001910 856 601 86 15

151 Formação e capacitação profissional

Esta linha de atuação tem como objetivo organizar administrar e executar o ensino de formação

profissional dos trabalhadores em cooperativas e dos cooperados As informações tratados neste

capítulo estão em conformidade com as apresentadas pela Gerência de Capacitação que é a área

responsável diretamente pela execução e acompanhamento das ações nessa linha de atuação muito

embora toda a estrutura do SESCOOPCE achese envolvida com o seu desenvolvimento

O SESCOOPCE tem buscado o alinhamento de seus Programas e Projetos baseados nas diretrizes do

Unidade Nacional alicerçados pelos princípios e valores do cooperativismo dentro das áreas de atuação

e linhas de ação cujo foco é a profissionalização da gestão e o atendimento dos demandas das

cooperativas além do fomento de novas cooperativas por meio de grupos interessados

As linhas de ação desta área são executadas pela Gerência de Formação Profissional

Em consonância com as políticas e diretrizes da instituição os objetivos estratégicos estabelecidos pelo

Conselho Nacional que norteiam o atuação do SESCOOP nesta linha são

Priorizar a capacitação e a qualificação profissional voltada ao fortalecimento institucional das

cooperativas e ao desenvolvimento econômico e social do conjunto de seus cooperados e empregados

Estimular o desenvolvimento de ações com segmentação dos públicos alvo frente às suas reais

necessidades e buscando um melhor atendimento

Intensificar parcerias para o desenvolvimento de produtos e serviços que alavanquem competências

recursos e conhecimentos

Estimular a estruturação e implantação de ensino a distância EAD no Sescoop como forma de

ampliar o capacidade de atendimento do instituição

Aprimorar o cadastro nacional de instrutores e consultores

Estabelecer estratégias de aplicação e uso dos materiais instrucionais de forma padronizada por todas

as unidade do Sescoop

Criar mecanismos de atualização periódica e customização dos materiais instrucionais frente às reais

necessidades dos clientes

Desenvolver mecanismos padronizados de gerenciamento e avaliação de resultados

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 41


O montante de recursos para a realização das atividades direcionadas ao desenvolvimento e

qualificação profissional de dirigentes gestores profissionais de cooperativas e associados em 2010 foi

de R1588 910 55 representando 87 74 do previsto para o exercício financeiro

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 42


152 Ações e resultados alcançados

1521

Programa 0101 Qualificação Profissional do Trabalhador

Ação 8952 Qualificação Profissional na Área do Cooperativismo

1521 Palestras Conhecendo a Empresa Cooperativa e suas Especificidades

Tipo de programa

b e ivo geral

Objetivos Específicos

FinalisticoFormação Profissional

Gerente do programa lianaMáriãdé Oliveira MSRiél

mente executivo

Disseminar o cooperativismo como negócio

Analisar as correntes do pensamento administrativo identificando

as principais tendências do gestão de cooperativas e seu papel na

economia e na sociedade

Proporcionar ao participante a compreensão do cooperativismo

corno economia social tanto em relação ao referencial teórico

metodológico quanto às práticas cooperativos

Buscar articulação teórica e prática como elemento de suporte

paro a gestão das cooperativas ativas do Estado

liana Mariade Oliveira Maciel

VR sponsável pelo programo no âmbito da UI rlosé Aparecido dos Santos

Indicadores ouparâmetros utilizadas para Através da participação e envolvimento dos grupos e da avaliação

avaliação do programa

de reação com indicativos de satisfação quanto às informações

metodologia recursos didáticos e logísticos

u coo vo ene ia rios

Associados de précooperativas é de cooperativas instituições

parceiras e alunos universitários interessados em conhecer o

cooperativismo e noções de gestão de negócios

Metas físicas e financeiras

META

PREVISÃO

EXECUÇÃOPREVISÃO

l Físicas

etFinariceifa

11

í 10 a 9091

R1700

R 230 00 13 53

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

1 Diárias e Hospedagens

aTOTAL

R 80 00

R 150 00

R230 00

j

Ressarcimento de despesos com combustível no

realização de palestro

Diárias de técnico do SESCOOPCE para o realização

de palestro no interior do Estudo

Informações complementares

As palestras são essenciais ao processo de conscientização dos participantes com respeito ao próprio

empreendimento sendo previsto sempre um número determinado de eventos no perspectiva de

atender a todas às cooperativas no Ceará Muitos sócios ingressam no cooperativa por diversos meios

sem que tenho o devido conhecimento acerca da empresa As palestras servirão para aproximar o sócio

da sua cooperativa A partir daí ele consegue se enxergar como dono participando do negócio e

compreendendo o que são direitos e obrigações

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 43


15212 Curso Conhecendo a Empresa Cooperativa

Tipo de programa Finallstico Formação Profissional

b e ivo geral Difundir o cooperativismo para promoçõo do desenvolvimento

social e econômico de cooperativas de diversos ramos através da

qualificação profissional do capital humano e o conseqüente

ampliação do rede cooperativista no Estado

Objetivos Específicos

Gerente do programa

crente executiva

Responsável pelo programa no âmbito dam

LU

Disseminar os princípios e valores do cooperativismo

Difundir o cooperativismo no Estado

Divulgar ações de cooperação no Ceará

liana Maria de Oliveira Maciel

lano Maria de Oliveira Maciel

Jose Aparecido dõsSantos

Indicadoresot parámetrosirtilizados para Avaliações diários e conjuntas aos participantes com vistos à

avaliação do programa

superação de dúvidas eou assimilação do conteúdo bem como o

relacionamento com o grupo

Além da proposição acima foram realizadas avaliações escritas de

reação com indicativos de satisfação quanto às informações

metodologia recursos didáticos e logísticos e ao térmico das ações

de capacitação e relatórios conclusivos sob justificativa de buscar a

melhoria da qualidade do trabalho do Sistema cotidianamente

Cooperados deore

cooperativas e de cooperativas interessadosem

conhecer o cooperativismo e noções de gestão de negócios

1

Metas físicas e financeiras

Física

Financeira

c17

I170

R12 370 00 R9184 85 74 25

1

Material

Custos realizados por elemento de despesa

ELEM ENTO DE

DESPESA

de Consumo

Passagense

Locomoções

Mõtr riõis poro

Treinamentos

Serviços Especializados

PI

TOTAL

R1330 50

R 130 83

IR3225 00 1

R 274 52

R4224 00 1

R9184 85

CARACTERÍSTICAS

1

de consumoexpediente e ressarcimento

de despesas de combustível utilizado no

desenvolvimento das ações de capacitação

Material

Despesas de locomoções para deslocamentos de

técnicos do SESCOOPCE

Diárias dos técnicos do SESCOOPCE para as

capacitações demandadas de outros municípios

Material didático necessários à execução das

ações de capacitação

Pagamento de instrutores que ministraram parte

das ações de capacitação

Informações complementares

Esto ação é parte indissociável do Planejamento Organizacional atende a demandas de cooperativas

que na maioria das vezes desejam ampliar seu quadro societário ou mesmo reforçar os conhecimentos

cooperativistas entre seus membros cooperados Outra demanda para este tipo de ação é destinada a

grupos demandantes do Processo de Constituição de Cooperativos Assim sendo por ser esta uma

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 44


atividadefim indispensável ao Sistema sempre terá sua mensuração de execução física a maior razão

por que será sempre possível encontrar disponibilidade para o suo realização

São atendidos grupos de Constituição Orientada cooperativas já filadas ao Sistema Estadual e Projetos

como o ViraVida em parceria com o SESI e o SESCOOP Nacionais A avaliação de reação foi entre

ótimo e bom no conceito relativo ao grou de satisfação

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 45


5213 Curso de Gestão Empresarial de Cooperativas FORMACOOP

Lipo de programa inalís icà r ação Profissiona

retino gera

Objetivos

Espécíficos

Ierenteddprograma

erente executivo

Wisponsáve1 peloproograma

índicadoresodparãmetroiuutilizãdosora

p

avaliaçao do programa

Públicãalvo

beneficiários

Contribuir para a profissionalização do gestão das cooperativas no

Estado

Capacitar Dirigentes Conselheiros Gerentes e Cooperados para o

exercício da função diretiva e gerenciol nos diversos níveis da

estrutura de poder da Empresa Cooperativa

Capacitar os cooperados paro o exercício e prática da

cooperação pela compreensão e integração dos mesmos ao

modelo empresarial cooperativo

tilaria Maria de Oliveira Maciel

liana Maria de Oliveira Maciel

fJosé 4párecido dos Sãntos

Avaliações ç diárias e conjuntas aos participantes com vistas à

superação de dúvidaseou assimilação do conteúdo bem corno o

relacionamento com o grupo

Além da proposição acima foram realizadas avaliações escritas de

reação com indicativos de satisfação quanto às informações

metodologia recursos didáticos e logísticos e ao térmico das ações

de capacitação e relatórios conclusivos sob justificativa de buscar a

melhoria do qualidade do trabalho do Sistema cotidianamente

conselheiros deadministração e fiscal gerentes e

coordenadores de área cooperados e outro

iDirigentés

Metas físicas e financeiras

EXECUÇÃO

EXECUÇÃO

PREVISÃO

FísicaI

Financeira

18 28 1 100

R112 620 00 R100 192 05 88 96

Custos realizados por elemento de despesa

ELEM ENT D DE

DESPESA

1 Diárias e Hospedagens

M7rtériorsporo

Treinamentos

Serviços Especializados

PJ

TOTAL

i

R22 737 32

R15 490 47

R10 650

1

00 1

R 434 26

R50 880 00

1

R100 192 05

Material de consumoexpediente e

destinados aos

dos 18 módulos

alimentação

treinandos no desenvolvimento

Despesas com passagens aéreas para

deslocamentos de instrutores terceirizados

oriundos de outros estados

Diárias dos instrutores paro os módulos definidos

no Plano de Trabalho

Material didático necessários à execução dos

módulos

Pagamento

módulos do cursa

de instrutores que ministraram

Informações complementares

Em continuidade aos trabalhos de 2009 foram executados 02 dois módulos de conclusão de curso de

duas turmas uma do Ramo Saúde e outra do Ramo Transporte

De acordo com o Planejamento foram formadas três novas turmas a primeira direcionada ao Ramo

Crédito composta de 08 oito módulos iniciados ainda no primeiro quadrimestre proporcionou a sócios

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 46


e colaboradores de diversas cooperativas de Crédito do Estado a ampliação de conhecimentos

indispensáveis à gestão a segunda turma direcionada ao Ramo Saúde composta de 05 cinco módulos

atendeu à Cooperativa Unimed Fortaleza através da capacitação de sócios e colaboradores e a terceira

turma contemplando outras cooperativas do Ramo Transporte teve realizados 03 três módulos

estando prevista a continuidade do curso mediante a realização de mais quatro 04 quatro módulos em

2011

A ação permite aos beneficiários adquirem conhecimentos específicos para funções diretivos e gerenciais

da cooperativa levando em conta aspectos primordiais para o exercício e prática da cooperação pela

compreensão e integração dos mesmos dentro da moderna administração de cooperativas

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 47


15214 Curso de Gestão Empresarial para Conselhos de Administração

ripo e programa

IgliffrEr1

be ivo gero

Analisar as correntes do pensamento administrativo identificando

as principais tendências da gestão de cooperativas e seu papel na

economia e no sociedade

jetivos Especr ICas

Gerente do programa

GerenteexecütiÇo

Proporcionar ao gestor o compreensão do cooperativismo corno

economia social tanto em relação ao referencial teórico

metodológico quanto às práticas cooperativas

Buscar articulação teórica e prática como elemento de suporte

para a gestão das cooperativas ativas do Estado

liana Mario de Oliveira Maciel

liana Maria de Oliveira Maciel

LR sponsóvel pelopragroma ncâmbito da UJ4 Cõsé Aparecido dos Santos

lndicãdoies oúppõrômetros ütilizadosporo

avaboçao do programa

Foram realizadas avaliações diariamente e conjuntamente aos

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

do conteúdo bem corno o relacionamento com o grupo

Além do proposição acima foram realizados avaliações escritas

conceituais e mensuráveis ao térmico dos ações de capacitaçõo e

relatórios conclusivos dos processos de consultoria

Público alvd

beneficiórios Dirigentes conselheiros de administração gerentes e

coordenadores de área cooperados

Metas físicas e financeiras

EXECUÇÃO

EXECUÇÃO

CUÇÃOPREVISÃO

Fiitdl ceira

R7630 00 R6238 06 81 76

Í

4114iz1401t1Uq

r1i

EXECUÇÃO I I

iMaterial deConsúmol R1297 10 1 Despesas com alimentação dos reinandos

R1094 49

Custo com passagem aérea do instrutor

1

Custas realizados por elemento de despesa

Passagens e

Locomoçoes

Diárias e

Hospedagens

Materiais para

Treinamentos

Serviços Especializados

PJ

ATOTALA

rI R 900

ttt

R 66 47

R2880 00

R6238 06

111

Diárias paga ao instrutor no período de realização

do curso

Material didático necessários à execução do curso

Despesos com pagamento de horasaula do curso

Informações complementares

0 Curso ministrado no sede da COOTRAPS Cooperativa dos Transportadores Autônomos de Passageiros

do Estado do Ceará teve por públicosalvo dirigentes conselheiros e cooperados do Ramo Transporte e

Trabalho Excelente foi a repercussão entre os participantes que puderam expandir seus conhecimentos

sobre a adequada e moderna administração de Cooperativas gerando a participação dos mesmos em

outros cursos do corrente ano

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 48


15215 Curso de Auditoria e Controle para Conselheiros Fiscais

Tipo de programa Finalístico Formação Profissional

Ipja7 t1S1 71

jeti os Espeaficos

Gerente do programe

Gerentéexecutivo

ponsável pelaprogramano ãmbito da UJJ

Analisar as correntes do pensamento administrativo identificando

as principais tendências da gestõo de cooperativos e seu papel no

economia e na sociedade

Proporcionar ao participante a compreensão do cooperativismo

corno economia social tanto em relação ao referencial teórico

metodológico quanto às práticas cooperativas

Buscar articulação teórica e prática como elemento de suporte

para a gestão dos cooperativas ativas do Estado

flana Maria de Oliveira Maciel

liana Movia de Oliveira Maciel

José Aparecido dos Santos

Indicadores oii parâmetrosuizadóspãra Foram realizadas avaliações diariamente e conjuntamente aos

avaboçao da programo

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

do conteúdo bem como o relacionamento com o grupo

Além do proposição acima foram realizadas avaliações escritos

conceituais e mensuráveis ao térmico das ações de capacitação e

relatórios conclusivos dos processos de consultoria

blicoolva beneficiários Dirigentes conselheiros de administração e fiscal gerentes e

coordenadores de área cooperados

Metas físicas e financeiras

1 1

Físico

Financeira

PREVISÃO

2 2 I 100

49 82 89

R11 210 00 R9291

EXECUÇÃO

CUÇÃOPREVISÃO

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Material de Consumo

Passagens

Locomoções

1 Diárias e Hospedagens

Matériáis para

Treinamentos

Serviços Especializados

121

TOTAL

E

R10710 Despesas com alimentaçã o dos trernandos

R1463 44

R 900

R 97 05

R5760 00

R9291 49

Custos com passagem aérea do instrutor

E

Drenas paga ao instrutor no período de

do curso

realização

Material didático necessários à execução dos

cursos

Despesas com pagamento de horasaula do

curso

Informações complementares

No ano de 2010 foram formadas 02 duas turmas uma direcionada ao Ramo Crédito e outra aos

demais Ramos

A primeira proporcionou o esclarecimento e o discussão de assuntos pertinentes a um grupo significativo

de representantes do Ramo Crédito formado por Dirigentes e Conselheiros 0 momento foi bem

avaliado e significativo para o Ramo contando com a participação inclusive de cooperados do interior

do Estado

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 49


A segunda turma teve sobretudo um elevado número de participantes do Ramo Transporte dentre

outros Ramos proporcionando não só o esclarecimento de dúvidas como também o aprendizado de

meios pertinentes ao Controle e à Auditoria fiscal a fim de maximizar a excelência na administração das

cooperativas do Estado do Ceará

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 50


15216 Curso de Contabilidade de Cooperativas do Ramo Saúde

Tipo de programa

Finalistito Formaçõo Profissional

ie vo gera Capacitar dirigentes conselheiros gerentes e cooperados de

cooperativas do Ramo Saúde poro o exercício da função diretiva e

gerencial nos diversos níveis da estruturo de poder da Empresa

Cooperativa

ObjetivosEspecíficos

Gerentedoprograma

erente executivo

Compreender o funcionamento do contabilidade nas cooperativas

de saúde

Exercitara tomada de decisão a partir do análise contábil

Adotar procedimentos de Auditoria e Compliance

Liana Máriò de Oliveira Mãciél

liana Maria de Oliveira Maciel

Responsável pelo programa no âmbito ddUll losé Aparecidadõs Santos

Indicadoresãüparômetrostilizadospara

ü

avaliaçao do programa

Foram realizados avaliações diariamente e conjuntamente aos

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

do conteúdo bem como o relacionamento com o grupo

Além do proposição ocima foram realizados avaliações escritas

conceituais e mensuráveis ao térmico dos ações de capacitação e

relatórios conclusivos dos processos de consultoria

Público alvo beneficiários Dirigentes conselheiros de administração e fiscal gerentes

contadores e coordenadores de área cooperados

i

Metas físicas e financeiros

EXECUÇÃO

CUÇÃOPREVISÃO

finãnteiraa

1

100j

R8330 00 R 511 95 66 17

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

I

EXECUÇÃO

l

Material de Consumos1R1285 20

Passagens e

Locomoções

Í

R825 69

Diárias e Hospedagens 1 R 450 00

Màterialsporo

Treinamentos

Serviços Especializados

PI

TOTAL

t

R 71 06

R 2 880 00

R511 95

I

Despesas tom alimentação dos treinondosa

Custos com passagem aérea do instrutor

Diárias paga ao instrutor no período de realização

do curso

Material didático necessários à execução do curso

Despesas com pagamento de horasaula do curso

Informações complementares

Realizado no Auditório da UNICRED FORTALEZA o Curso reuniu dirigentes contadores e profissionais

técnicos da área contábil das cooperativas de Saúde do Estado proporcionando a difusão de

metodologias contábeis utilizadas especificamente nas Cooperativas de Saúde sobretudo para a

realização de Auditoria e compliance

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 51


15217 Curso de Contabilidade de Cooperativas Normas Internacionais

Tipo de programa Finalistico Formação Profissional

lenva gera

ObjetrQos

Especificos

Gerente do programa

Gerente execútivo

Responsável peloprogramandâmbitotd UJJriJié Aparecido dos Sõntàs

Indicadõresoüpõrâmetros útilizadõsparo

ovohoçao do programo

Formar contadores e técnicos de cooperativas nos seus diversos

ramos e áreas específicas do cooperativismo

Conhecer a legislação da contabilidade internacional

Compreender os relatórios financeiros sob o égide das normas

internacionais

Adequar o funcionamento contábil das cooperativas às normas

internacionais

lana Maria de Oliveira Maciel

flana Maria de oliveira Maciel

Foram realizadas avaliações diariamente e conjuntamente aos

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

do conteúdo bem corno o relacionamento com o grupo

Além da proposição acima foram realizadas avaliações escritas

conceituais e mensuráveis ao térmico das ações de capacitação e

relatórios conclusivos dos processos de consultoria

Públicaotvóbbneficiários Contadores de cooperativas 1

Metas físicas efinanceiras

1

META

Financeira

EXECUÇÃOPREVISÃO

31 f

R7430 00 R5464 26 73 54

I

Custos realizados por elemento de despesa

1l dgÁ rrJdq

I14Y y3

Material dãConsumol

Passagensé

Locomoções

Diárias e Hospedagens

Materiais paro

Treinamentos

EXECUÇÃO CARACTERÍSTICAS

I 1

R190 O0 Despesas com alimentação dos treinandos J

R1044 09

R 750 00

1

R 80 17

Serviços Especializados

R2400

PJ l

TOTAL

R5464 26

Custos com passagem aérea do instrutor

Diárias paga ao instrutor no período de realização

do curso

Material didático necessários à execução do curso

Despesos

com pagamento de horasaula do curso

Informações complementares

O curso teve a participação de cooperados e contadores de cooperativas de diversos Ramos que na

oportunidade puderam discutir o exercício contábil consoante as situações concretos vivenciadas nas

suas cooperativas bem corno assimilar a legitimidade das Normas Brasileiras de Contabilidade

associadas às Normas Internacionais Contábeis

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 52


15218 Curso de Elaboração de Plano de Negócio

Tipo de programa

r bjehvo gera

Ojetivos spec icos

Gerente doprogramo

erente executivo

FrZNirlinegri

Promover o desenvolvimento social e econômico de cooperativas

de diversos ramos através do qualificação profissional do capital

humano e a elevação do nivel de rendo dos cooperados e o

conseqüente melhoria do gestão e desempenho empresarial das

cooperativas

Estimular práticas de estudos de viabilidade económica do

negócio visando à abertura de novos mercados profissionalização

das práticos de gestão estratégica

Preparar novas lideranças o desenvolver estudos de viabilidade

económica

Permitir uma análise baseada na prática dos resultados coletados

em campo paro promover uma avaliação quanto às reais

necessidades do elaboração de um plano de negócios coerente e

conforme situação local diagnosticada pelo técnico

lano Maria de Oliveira Maciel

liana Maria de Oliveira Maciel

Responsávelpelo programa noómbito da Ul J fosé Aparecido dós Santos 1

Indicddoiesoípdrãmetrosütilizadospara

avaliação do programa

Públicoolvo

beneficiários

Foram realizadas ovalioçães diariamente e conjuntamente aos

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

dos Planos de Negócios para cooperativas

Os resultados do Módulo II subsidiaram no processo avaiiativo

como dados qualitativos atingidos pela iniciativa junto ao grupo

capacitado

Gestores conselheiros cooperados e técnic os ligados a área

Metas físicas efinanceiras

PREVISÃO

EXECUÇÃO

EXECUÇÃO

PREVISÃO

ÇUÇÃOPREVI

Finán cet r

I 1 1 1 100

R11 484 00 R11 483 38 99

Custos realizados por elemento de despesa

ELEM EN TO DE

DESPESA

Material de Consumol

Passagénse

Locomoçoes

Serviços

Especializados

PS

TOTAL

CARACTERÍSTICAS

1

R 2223 00 Despesas com alimentação dos treinondos

R1760 38

Custos com passagem aérea do instrutor

IR1500

1

R6000

R11 483 38j

Diárias paga ao instrutor no período de realização

do curso

Despesas com pagamento de horasaula do curso

Informações complementares

0 Curso capacitou técnicos da Região Nordeste presentes à nossa Sede que puderam além de se

habilitarem para assistirem às cooperativas em constituição ou em processos de reestruturação

compartilhar vivências das atividades desenvolvidas em cada Estado

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 53


No decorrer de todo o Curso foram apresentados instrumentos para estimular as práticas de estudos de

viabilidade econômica do negócio dando suporte para que os mesmos possam ser utilizados na abertura

de novos mercados

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 54


15219 Curso de Estratégias de Negociação de Cooperativas

LTip

de programa

letivo gera Proporcionar a compreensão dos princípios e domínio das

estratégias de negociação para maximizar a eficiência dos trocas

mútuas entre as empresas modernas e o seu públicoalvo segundo

os modernos paradigmas da sociedade cognitiva

Objetivos Específicos

Compreender o conceito de negociação e suas aplicações nas

transações econômicas

Analisar o método de negociação em uma visão sistêmica

Exercitar as diversas formas de negociação através de situações

reais elaboradas em sala de aula

Gerente do programa

Gerente executivo

tResponsável pelo programa no âmbito da UJJ

indicadoresõfiparãmetrosatilizadospora

avaliação do programo

liana Maria de Oliveira Maciel

liana Maria de Oliveira Maciel

rlosé Aparecido dos Santos

Foram realizadas avaliações logo após o curso baseado nas

indicações da matriz de qualificação do MTE e conjuntamente aos

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

dos casos de cooperativas apresentados

Foi ainda avaliado por meio de uma avaliação de reação ao final

do curso pela coordenação

públicoralvo benneficiórioa Gestores conselheiros e cooperados

Metas físicas e financeiras

1

CUM

Financeira

R7050 00 R4797 83

EXECUÇÃO

CUÇÃOPREVISÃO

moo

68 05

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Material de Consumol

Materiaispara

Treinamento

Serviços Especializados

PJ

TOTAL

i

R 154 30 Despesas com alimen tação dos treinandos

R 43 53

R3600

1

R4797 83

Material didático necessários à execução do curso

Despesas com pagamento de horasaula do curso

Informações complementares

Participaram do Curso de Estratégias de Negociação de Cooperativas conselheiros de Administração e

Fiscal gerentes cooperados colaboradores e contadores de cooperativas de diversos Ramos que

puderam compreender os principias e domínios das estratégias de negociação os conceitos e métodos

além de adquirirem conhecimentos sobre o método MARNA Melhor Alternativa à Negociação de um

Acordo

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado da Ceará SESCOOPCE Página 55


Tipo de programa

fettvo gera

ObjetivosiEspeclficos

I I Finolistico Formação Profissional

Propiciar aos participantes os conhecimentos básicos e os aspectos

práticos necessários para contabilização de tributos e contribuições

sociais

Gerente doprograma

l flana Maria de Oliveira Maciel

íGeientëezecútido

sponsóvel pelo proogmma btiámbitd da Ull

r

15210 Curso de Gestão Tributária e Trabalhista de Cooperativas

Compreender os conceitos de cooperativismo ato cooperativo

tributos e contabilidade sob a ótica da gestão tributária e na visão

trabalhista

Analisar através de exercícios práticos os casos específicos da

contabilização tributária nas cooperativas

Demonstrar os conceitos cooperativistas no visão trabalhista

flana Mario de Oliveira Maciel

JoséAparecidadosSantos

Indicadoresolparámetros útilizados para Foram realizadas avaliações diariamente e conjuntamente aos

avoltaçoo do programa

participantes com vistas ò superação de dúvidaseou assimilação

dos exercícios e estudo de caso de cooperativas

Além do proposição acima foi realizada avaliação de reação ao

final do curso pela coordenação

conselheiros cooperados e técnicos ligados a gestão

principalmente financeira

IGesmms

Metas físicas e financeiras

Físicof

aFinanceira

EXECUÇÃO

PREVISÃO

CUÇÃOPREVI

100

R2441 00 R2440

99 98

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

fMaterial de Consumo

Passagens e

Locomoções

1 Diárias e Hospedagens

TOTAL

R 557 94

I R 600

1

R 2440

1

CARACTERÍSTICAS

1 R1282 50 Despesas com alimentação dos treinandos Í

Custos com passagem aérea do instrutor

Diárias paga ao instrutor no período de realização

do curso

Informações complementares

Através do Curso foi possível oferecer aos profissionais vinculados às diversas Cooperativas uma

formação mais especifica e aprofundado dos conceitos de gestão bem como promover a discussão dos

aspectos específicos relacionados à Gestão Tributário e Trabalhista de cooperativas através do

conhecimento do funcionamento da legislação em vigor demonstrando se aplicações da regra legal

vivenciada na prático pelas empresas cooperativas

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 56


15211 Curso de Legislação com Ênfase na Gestão de Cooperativas

ripo de programa

Jeóvo gera

jettvos Especi iras

Fr

Permitir a compreensão da legislação cooperativista fazendo uma

analogia com as principais tendências da gestão de cooperativas

focados nas diversos correntes do pensamento administrativo

Analisar as correntes do pensamento administrativo

identificando as principais tendências do gestão de cooperativas e

seu papel no economia e na sociedade

Proporcionar ao participante a compreensão do cooperativismo

como economia social tonto em relação ao referencial teórico

metodológico quanto às práticas cooperativas

Buscar articulação teórica e prática como elemento de suporte

quanto à legislação cooperativista e a gestão de cooperativas

Gerente do programa liana Maria de Oliveira Maciel

i

erente executivo

I liana Maria de Oliveira Maciel

Responsável poloprogramano âmbito dd UJ1

José Aparecido dos Santos

Indicadorefotparámetrosútilizadosparo Foram realizadas avaliações diariamente e conjuntamente aos

avaliação do programa

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

dos exercícios e estudo de caso de cooperativas

Além da proposição acima foi realizada avaliação de reação ao

final do curso pelo coordenação

Públicoalvo beneficiários

Catares conselheiros cooperados fáncidnóüosee técnico s

Metas físicas efinanceiras

EXECUÇÃOPREVISÃO

Financeira

1 1 1000

R2300

R1245 58 54 16

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMÉNTO DE

DESPESA

Material de Consumo

Materiaisparo

Treinamento

itt f4t

R1214 00

R 31 58

R1245 58

Despesas com aquisição de material de

consumoexpediente e alimentação dos

treinandos

Material didático necessários à execução do curso

Informações complementares

As cooperativas sempre demandam questionamentos quanto à importância da legislação fato que levou

o ambiente de Formação Profissional a prospectar esta ação primando se por informações relacionadas

à inovação nos decisões processuais nas cooperativas nos últimos anos no âmbito do Direito Foi

considerado pelos participantes como bom e ótimo quanto ao grau de satisfação

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 57


15212 Curso de Telemarketing Venda e Cobrança

Tipo de programa

Fina Mico Formação Profissional

Jetrvogera Desenvolver habilidades nas operações de venda e cobrança

através do telemarketing

Objetivos Especificas

Gerente do programo

Géréntéëjec utivó

Estimular o profissional quanto às práticas de vendas e melhoria

do volume de negociação pela mudança de postura por meio do

conteúdo administrado

Demonstrar como é feito o marketing direto e suo importância

para a captação de novos negócios

Apresentar as principais técnicas utilizadas no telemarketing de

vendas e cobrança

lana Maria de Oliveira Maciel

liana Maria de Oliveira Maciel

Responsável pelo programa no âmbito da ui1JoséAparecida dosSantos

IndicadoresõtparãmetroCutilizodospara Foram realizadas avaliações diariamente e conjuntamente aos

ovaliação do programa

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

dos exercícios e estudo de caso de cooperativos

Além do proposição acima foi realizada avaliação de reação ao

final do curso pela coordenação

Cooperados gerentes e funcionários de cooperativas que atuem

nasfunções de venda e cobrança

I

Metas físicas e financeiras

EXECUÇÃO

CUÇÃOPREVISÃO

Física

ISMFinanceira

1

R6530 00 R6521 90 99 88

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

Material deConsümol J

ServiçosEspé ci aliiados

pJ

TOTAL

R2391 90 j

R4130

1 R6521 0090

1

Despesos comgl mentoçãa das treingndos

Despesas com pagamento de horasaula do curso

Informações complementares

Muito bem avaliado o Curso realizado em parceria com o SENAC contemplou além de cooperados os

funcionários de cooperativas de Transporte Trabalho e Saúde usuários do atendimento telefônico como

ferramenta de trabalho

O Curso contou com aulas de laboratório consideradas um diferencial técnico extremamente positivo

oportunizando o excelente aproveitamento dessa metodologia por todos os participantes na perspectiva

de inovaçãoeou renovação das atitudes e processos de atendimento ao cliente

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceara SESCOOPCE Pagina 58


15213 Curso de Fidelização de Clientes

Tipo de programa Finalistico Formação Profissional

Objetivogeral

rObjethios Específcos

Gerente do programa

Gèrenteéxecutiyo

I Ampliar a carteira de clientes do empresa cooperatival

Demonstrar as ferramentas para manter e conquistar

novos clientes

Identificar os necessidades dos clientes e traçar um plano

de fidelização na empresa cooperativa Incentivar ao

máximo as operações com os clientes fidelizados

IlanaMaria de Oliveira Maciel

liana Maria de Oliveira Maciel

iResponsávelpelo programa noõmbitodo OlJ tose Aparecido dos Santos J

Indicadores oúparãmetroslitilizados pãra Foram realizadas avaliações diariamente e conjuntamente aos

avohoçao do programo

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

dos exercícios e estudo de caso de cooperativas

Além da proposição acima foi realizada avaliação de reação ao

final do curso pela coordenação

Públicoralvd

beneficiárias

Cooperados gerentes efuncionários de cooperativos que

atuem

nos áreas afins

Metas físicas e financeiras

EXECUÇÃOPREVISÃO

Físical

Finánieirah

1 1 1000

R3562 00 R3252 00 9130

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Material de Constimol

ServiçõsEs pec ïafizados

pl

TOTAS

EXECUÇÃO

r R190

dgs treinondps

Despesas com pagamento de horasaula do curso

00 Í Despesas com alimentação

R2062 00

R3252 00

t 1

Informações complementares

Através deste Curso cooperados e funcionários de diversas cooperativas ramos Trabalho Crédito e

Transporte tiveram a oportunidade de conhecer as melhores ferramentas para conquistar e manter

clientes verificar maneiras eficazes de divulgação de produtos e serviços do cooperativa conferir

maneiras de motivar as equipes de vendas na busca de entender como melhor posicionar a cooperativa

no mercado através de formas alternativas e econômicos e também como prospectar clientes e os

estimular a adquirirem mais os produtos da cooperativa onde atuam

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 59


15214 Curso de Motivação

Gerente do programa

Falffrir

j Desenvolver estratégias de motivação que envolva toda a equipe

de trabalho de uma empreso cooperativa

Possibilitar a abertura para uma mentalidade balística que

permita aferir em termos conceituais e na prática as questões

inerentes a motivação e liderança

Conferir mecanismos de assertividade em termos motivacionais e

de liderança

Incorporar os segredos do motivação e liderança e

Responsávelplõproogroma nd ãmbito do UJJ

i

Indicadoresouporámetrofutilizadospara Foram realizadas avaliações diariamente e conjuntamente aos

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

dos exercícios e estudo de caso de cooperativas

Além do proposição acima foi realizada avaliação de reação ao

final do curso pela coordenação

Diri gentes conselheiros administra ao e iscai

coordenadores de área cooperados

todos os

aspetos inerentes à necessidade da obtenção de altas

performances de em ambiente corporativo nivel de equipe e

pessoal

pana MãriO dé Oliveirõ Maciel

liana Mana de Oliveira Maciel

f7 osé Aparecido dos Santos

g Ç f gerentes e1

J

Metas físicas e financeiras

META

EXECUÇÃO

EXECUÇÃOPREVISÃO

SFinãnceira

L 1 1

t 100 o

R3065 00 R3061 50 99 89

Custos realizados por elemento de despesa

ELEME NT O DE

DESPESA

Material de Consumol

ServiçosEspeciõlizados

PJ

CARACTERISTICAS

1

R1249 50 Despesas com alimentação dos treinándos

R1812 00

1 R325200 1

Informações complementares

Ministrado paro cooperados e colaboradores do Ramo Transporte foi extremamente relevante pela

abordagem realizada no que tange aos comportamentos motivacionois individuais e sobretudo sociais

significantes para a vivência na empreso cooperativa Também foi possível transmitir aos participantes

os princípios de relacionamento interpessoal de modo o identificar os papéis e características

comportamentais dos pessoas caracterizando elementos técnicas e ferramentas que interferem na

produtividade da equipe no cooperativo

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 60


15215 Curso de Tesouraria e Caixa

Tipo de programa I inallstico ormaçao rofisstona

I jehvo gera Contribuir paro a melhoria da organização cooperativa e

Objetivos

Específicos

Gerente do programa

erente executivo

aperfeiçoamento do gestão do tesouraria e fluxo de caixa

Demonstrar a importância do setor financeiro do

cooperativa

Preparar profissionais paro que exerçam as atividades

pertinentes ao Setor Financeiro

gana Maria de Oliveira Maciel

liana Maria de Oliveira Maciel

Ij ponsóvelpelo programo no âmbito da Ulj José Aparecido dos Santos

In ico ores 43I por metros uti irados Foram realizadas avaliações diariamente e conjuntamente aos

avoltaçao do programo

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

do conteúdo por meio de conversas informais bem corno o

relacionamento com o grupo

Público alvo beneficiários Dirigentes conselheiros de administração e fiscal gerentes e

coordenadores de área cooperados

Metas físicas e financeiras

EXECUÇÃOPREVISÃO

IaFlsical EIME

Fin anceira

1

R3260 00 R3260 00 100

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

MaterioldéConsumo

SeWiçós Especializados

Pl

TOTA

C

EXECUÇÃO

R190 00 Despesas com alimentação dos treinandos 1

R2070 00

R3260 001

Despesas com pagamento de horasaula do curso

J

Informações complementares

0 Curso teve uma participação representativa dos cooperativas do Ramo Crédito por intermédio de seus

cooperados que puderam visualizar métodos e práticas operacionais eficazes para o fluxo de Tesouraria

e Caixa apropriandose de conhecimentos indispensáveis para acelerar o progresso profissional de quem

está atuando na área financeira

Contribuiu ainda para a melhoria do organização e operação dos participantes no sua função e no

atuação preventiva com vistas à solução de problemas na gestão financeira da cooperativo além de

instrumentalizar os participantes com as tecnologias disponíveis

Serviço Nocional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOP CE Página 61


5216 Curso de Matemática Financeira

Tipo de programa

iirr

jetmo gera Ampliar o nível de atendimento quanto à importância da

matemática financeira nas práticas de negociações junto aos

clientes internos e externos

ObjetiJos Específicos

Gerente do programa

Desenvolver competências na utilização da matemática

financeira para as cooperativas de crédito

Estimular a capacidade de compreensão do matemática

financeira como instrumento de integração entre as atividades fins

e meio no cooperativa

Illona Maria de Oliveira Maciel

Metas físicas e financeiras

1

META

Física

Financeira

1 1 11 1000

R418300

EXECUÇÃOPREVISÃO

R4182 60 99

Custos realizados por elemento de despeso

EMENTO DE

DESPESA

Material de Consümol

ServiçosEspeciãlizãdos

PJ

Eb11J4

EXECUÇÃO

CARACTERÍSTICAS

1R2189 60 f Despesas com alimentação dos treinandos

R1993 00

LR4182 60 J

L

Despesos com pagamento de horasaula do curso

Informações complementares

D Curso teve como foco o aprendizado de cálculos matemáticos fundamentais paro os participantes que

vivenciom situações contábeis no ambiente de trabalho

Contou com a participação significativa de funcionários das Cooperativas de Crédito que com o

aprendizado de noções básicas da Matemática Financeira e Análise de Investimentos puderam

compreender os mecanismos do mercado financeiro os formas mais usuais de taxação opções de

investimento sistemas de pagamento análise econômica das propostas de investimento e estruturas de

valoroção dos cooperativas Tais conhecimentos oportunizaram segundo depoimentos dos

participantes uma mudança de atitude quanto à compreensão da atividade financeira

Serviço Nacional de Aprendizagem da Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 62


15217 Curso de Matemática Financeira com Uso da HP 12C

letivo gero

Ob etiwos

Especlficos

Gerente do programo

Gerenteeiecúthio

J

Finalistico

Formação Profissional

Ampliár o visão quanto ao uso de equipamentos eletrõnicos nos

processos internos das cooperativos

Desenvolver competências na utilização do matemática

financeira para as cooperativas de crédito

Estimular a capacidade de compreensão da matemática

financeira como instrumento de integração entre as atividades fins

e meio no cooperativa

flana Mario de Oliveira Maciel

liana Maria de Oliveira Maciel

Responsável peloprogramo no ãmbito ddU11 José AparecidõdõsSantos

lndicodõ e lTpãrãmetrossitilizado para

avaliação do programa

Foram realizadas avaliações

diariamente e conjuntamente aos

participantes com vistas à superação de dúvidaseou assimilação

do conteúdo

Além do proposição acima foram realizadas avaliações

mensuráveis como exercícios estruturados utilizando a tecnologia

disponível

a funcionários e cooperativos de cooperativas que jál

atuem na área afim

Destinado

Metas físicas efinanceiras

EXECUÇÃO

EXECU

ÇÃOPRE

VISÃ O

ss

Fislcal

Financeira

1 1 1 100

R4920

00 R4918 00 99 96

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Material de Consumei

1 R2261

Serviços Especializados

R2657

00

PJ

111TOTALi

1 1

00 1 Despesas comglimen

toçõodostrein andos

Despesas com pagamento de horasaula do curso

R4918 00 1r 1

Informações complementares

Cooperados de diversos ramos sobretudo Crédito atuantes nos áreas financeira comercial e

administrativa aprenderam a utilizar os conceitos de Matemática Financeira juntamente às funções da

calculadora HP12C e da planilha EXCEL na perspectiva de aplicação no mercado financeiro

Puderam assimilar o passo a passo dos operações das mais simples às complexas como por exemplo

calcular facilmente juros simples e compostos a fim de tomarem decisões financeiras com segurança e

decidir qual investimento trará mais rendimentos à cooperativa onde atuam

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 63


I

15218 Curso Conhecendo os Produtos Bancários

Tipo de programa

I Finallstico Formação Profissional

jetivogera Proporcionar a compreensão dos procedimentos quanto à

movimentação bancário

Objetivos Específicos

Gerente do programa

Gerente executivo

Promover a adequado compreensão aos participantes acerco do

funcionamento de Instituições financeiras tais corno bancos

financeiras distribuidoras de valores corretoras de valores e

demais instituições autorizados a funcionar pelo Banco Central

Entender as principais operações realizados no âmbito dos

produtos bancários de empréstimos captação de recursos e fundos

de investimento nos bancos de vareja

flana Mario de Oliveira Maciel

liana Maria de Oliveira Maciel

Responsável peloprogramo no âmbitodom Vosé Apareeidãdos Santos

indicadoresouparõmetros utilizadospara

ovabaçao do programa

Lúblicoolvõbneficiôrios

Foram realizadas avaliações de reação conjuntamente aos

participantes com vistas a mensurar as percepções quanto às

dúvidaseou assimilação dos casos ligados aos produtos e serviços

oferecidos pelas cooperativas de crédito

Gerentes e cooperados de cooperativas de crédito

Metas físicas e financeiras

META

I PREVISÃO EX ECUÇÃ 0PRE V15ÃO J

Financeira

1 e1 100

R2762 00 R2752 00 99 64

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

BMoterial de Consumol

Serviços Especializados

P1

hWf110

1

R190 00 Despesas com alimentação dos treinondos

R1562 00

Despesos com pagamento de horasaula do curso

81751 00 1

Informações complementares

Demandada por cooperativas do Ramo Crédito a ação proporcionou aos participantes adequada

compreensão acerca do funcionamento de instituições como bancos financeiras distribuidoras de

valores corretoras de valores e demais instituições autorizados a funcionar pelo Banco Central

entendendo as principais operações realizadas no âmbito dos produtos bancários de empréstimos

captação de recursos e fundos de investimento nos bancos de varejo fazendo a adequada relação com

as operações realizadas pelas cooperativas de créditos focadas nas práticas mais simples e cotidianas

Serviço Nacional de Aprendizagem da Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 64


5219 Curso de Análise e Concessão de Crédito

Flnallstico

Formação Profissional

Objetiiõs

Específicos

Responsávelpelo programa no âmbito da UJJ

Públicoalvo beneficiários

Proporcionar aos participantes a oportunidade de despertarem

quanto aos aspectos que auxiliam a análise de concessão de

crédito em cooperativas de crédito

Discorrer sobre os pontos importantes que envolvem a concessão

do crédito

Apresentar e conceituar as operações de crédito formas

estruturas e riscos envolvidos

Montar relatório fino analisando a concessão ou não de crédito e

discutir sobre as formas de cobrança

flana Maria de Oliveira Maciel

flana Maria de Oliveira Maciel

José Aparecido dos Santos 1

Foram realizados avaliações de reação conjuntamente aos

participantes com vistas a mensurar as percepções quanto às

dúvidas eou assimilação dos casos ligados a análise e concessão

de crédito aos clientes

Cooperadasde cooperativas e funcionários que desempenham

atividades ligadas ao atendimento do público interno e externo da

cooperativa

J

Metas físicas e financeiras

EXECUÇÃO

PREVISÃO

Fisica

SFinanceiraa

1 1 100

R276200 R275200 99 64

Custos realizados por elemento de despesa

ELEM ENTO DE

DESPESA

EXECUÇÃO

Material de Consumo

ServiçosEspécidlizõdos

pl

arorAL

R190 00

R1562 00

1 R2752 00

Despesas com alimentação dos treinandos

Despesas com pagamento de horasaula do curso

Informações complementares

Mais urna vez os cooperados do Ramo Crédito que atuam diretamente com análise de crédito puderam

aprender a avaliar o potencial de retorno do tomador do crédito bem como os riscos inerentes à

concessão Também assimilaram através desse procedimento a possibilidade de identificar os clientes e

cooperados que futuramente poderão não honrar com suas obrigações acarretando uma situação de

risco de caixa à cooperativa

Como esto ação tem como foco a melhoria dos processos opostase na máxima aplicação prática destes

conhecimentos como afirmou os alunos no momento de conclusão

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 65


152120 Curso de Secretariado Intermediário para Cooperativas

Tipo de programa

r letivo gera

Objetados Específicos

Proporcionar ferramentas para que o profissional de

secretariado redefina seu papel frente às tendências e as

exigências do mercado atual

Formar profissionais na perspectiva de desenvolvimento do

trabalho de secretariado numa visão holística e prootiva

Conscientizar homens e mulheres da sua força da sua

importância dos diversos papéis que desempenha de como

manter o autoestima saudável e a celebrar a vida e as 5u0s

escolhas

Geren e o programo fana Mario de Oliveira Maciel

crente executivo

J flana Maria de Oliveira Maciel

gponsóvelpelo programa no âmbito do UI rlosé Aparecidõdõs Santos

IndicadoresobparómetrosFutilizadospara Avaliações diárias e conjuntos aos participantes com vistas ó

avahoçao do programa

superação de dúvidaseou assimilação do conteúdo bem corno o

relacionamento com o grupo

Foram realizadas ainda avaliações escritas conceituais e

mensuráveis ao térmico do ação de capacitação sob justfcativa

de buscar a melhoria da qualidade do trabalho do Sistema

cotidianamente

Público alva beneficiários

Funcionários que desempenham atividades ligadasáoatendimento

do público interno e externo da cooperativa que já tenham

participado do curso básico de secretariado de cooperativas bem

como dirigentes ocupando o cargo de secretário quando houver

interesse

Metas físicas e financeiras

EXECUÇÃO

CUÇÃOPREVISÃO

FisicaS

Financei

R7230 00 R6160 22 85 20

I

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Material de ConsumorR190

Pãsstigén3 e

Locomoçoes

EXECUÇÃO CARACTERlSTICAS

I

00 Despesas com alimentação dos treinandos

R 129 14

Diárias e Hospedagens I

1

R 900

Mateiiaispira

Treinamentos

R 61 08

1

Custos com passagem aérea do instrutor

arras paga ao instrutor no período de

realização

do curso

MeteriaI didático necessários à execução do curso

Serviços Especializados

R2880 00

PJ 1 1 Despesas com pagamento de horas aula do curso

R6160 22

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 66


Informações complementares

Os participantes deste Curso inicialmente funcionários de cooperativas acorreram à demanda de

cooperados de diversas cooperativas além dos cooperados que ocupam cargos de secretariado Através

da capacitação eles puderam aprender a utilizar ferramentas para redefinir seus papeis frente às

tendências atuais desenvolvendo habilidades de relacionamento com as pessoas para conseguirem

resultados que permitam impulsionar a cooperativa Tal ação teve avaliação entre bom e

satisfatório

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 67


152121 Curso de Excel Básico e Intermediário

Tipo de programa

f letivo gera

t

ObjetïvosEspecíficos

Gerente do programa

Gerente executivo

fDifundir

a tecnologia da quanto aos softwares

existentes no mercado para auxiliarem no gestão da cooperativa

Possibilitar o leitor aprender de forma prática o Excel 2003 com

extensões atualizadas

Estimular o desenvolvimento de habilidades dos conhecimentos

necessários para trabalhar com os recursos Básicos do Excel 2003

Propiciar uma maior fundamentação focada no Exceli 2007 e

conseqüentemente preparar todos as pessoas para fazer o curso

avançado

plana Maria de Oliveira Maciel

flana Maria de Oliveira Maciel

iResponsávelpelo programo no ámbitõdajJ José Aparecido dos Santos

Indicadoresouparâmetros btilizodospara

avahaçao do programa

Públicoalvõbeneficiários

Avaliações diárias e conjuntas aos participantes com vistas à

superação de dúvidaseou assimilação do conteúdo

Além da proposição acima foram realizados avaliações

mensuráveis como exercícios estruturados utilizando a tecnologia

disponível

Cooperados e funcionários de cooperativas

Metas físicas e financeiras

META

Financeirafl

1 1

100 0

R9831 00 R9711 50 98 78

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Material de Consumo

Serviços

Especializados

Pl

TOTAL

r

R3986 50 3 Despesos tom alimentação dos treinandos

R5725 00

9711 501

Despesos com pagamento de horasaula do curso

1

Informações complementares

Realizado em parceria com o SENAC tendo como público cooperados e funcionários de cooperativas dos

diversos ramos o Curso repercutiu de forma bastante positiva em face da excelência das aulas

ministradas

Através desta capacitaçõo os participantes aprenderam a realizar cálculos com a utilização de fórmulas

e funções elaborar planilhas e gráficos utilizar recursos de proteção além de trabalhar com

ferramentas de produtividade e trabalho colaborativo com outros usuários ligados ou não à cooperativa

As aulas de laboratório contribuíram em muito para este resultado

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 68


152122 Curso de Especialização em Gestão de Cooperativas Turma ll

Tipddeprograma

I molistico Foraç oro usionol

te Ivo gera

Objetivos Específicos

Disseminar o cooperativismo no Ceará tendo como premissa o

ensino em nível avançado e atualizado com as mais modernos

tecnologias de gestão de empreendimentos cooperativos

Formar Multiplicadores no cooperativismo

Disseminar o cooperativismo no Ceará

Profissionolizar gestores e gerentes no âmbito do cooperativismo

e da gestão de cooperativas

Capacitar gestores e gerentes no âmbito do cooperativismo e da

gestão de cooperativas

Gerente dd progroma

flana Maria deOliveira Maciel i

Gerente executivo

liana Maria de Oliveira Maciel

Responsável pelo programa no âmbito do UJ rJosé Aparecidõdos Santos

IndicadoreCoiparâmetrosütilizadospara Avaliação de Reação com indicativos de satisfação quanto às

ovahaçao do programo

informações metodologia recursos didáticos e logísticos

Consto ainda relatório do instrutor e provas ou trabalhos formais

solicitados e emitidos pelos professores responsáveis

Públicoalvo

beneficiários

Executivos diretores e gerentes envolvidos na administração de

cooperativas vinculadas o Organização dos Cooperativas

Brasileiras no Estado do Ceará OCBCE Destinase também a

funcionários e cooperados interessados em participar dos destinos

de suo cooperativa

Metas físicas e financeiras

PREVISÃO

EXECUÇÃO

PREVISÃO

CUÇÃOPRE

Físico

Financeira

L 9 9 1 100 J

R44 170 00 R35 727 79 80 89

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

EXECUÇÃO

CARACTERÍSTICAS

Material de ConsumorR8523 48 Despesas com alimentação dos treinandos

Passagense

Locomoçoes

Diárias e Hospedagens

Materiaisp

Treinamentos

Estagiárias

Encargos sobre

Serviços de Terceiros

Serviços Especializados

PF

1 Despesas Financeiros

MEIPETOTALI

1

L

Custos com passagens aéreas de docentes

R2364 05 oriundos de outros Universidades

R2100

R315 26

R6120 00

R2672 00

Diárias pagas aos docentes poro deslocamentos

de outros estados

Materiais técnicodidáticos utilizados por módulos

específicos

Pagamento de bolsaestágio a estudante de

Pedagogia nas atividades pedagógicas do Curso

INSS devido sobre o pagamento dos serviços da

atividade de docência de pessoas físicas

R13 360 00 Despesas com docentes referentes às horasaulas

11 específicas por módulos

R 273 00

LR35 727 791

Custos financeiros debitados à conta do Projeto

FUNDECOOP

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 69


Informações complementares

A 2g turma de Curso de Especialização em Gestão de Cooperativas já encerrou as atividades presenciais

iniciados que foram os prazos paro o elaboração e entrega de monografias

A avaliação desta turma deixou a desejar em rendimento assiduidade pontualidade e principalmente

no conceito de avaliação

Outro ponto foi à evasão considerada alta para os indicadores Alguns alunos não concluíram o que no

ato da matrícula acordaram ao assinar um Termo de Compromisso e uma Carta de Intenções da própria

CooperativaInstituição a qual os indicava

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 70


I

L

152123 Curso Como Organizar Assembléias Gerais na Cooperativa

ipo de programa

1 Finolistico Formação Profissional

jetivogera

letivos

speci ecos

Gerente do programa

Gerente exl

Formar capital humano em técnicos de estruturação de

assembléias gerais na cooperativa

Capacitar Dirigentes Conselheiros Gerentes Cooperados e

Funcionários no elaboração dos atos constitutivos para realização

de Assembléias Gerais Ordinários e Extraordinárias

Capacitar os cooperados para o exercício e prática da

cooperação pela compreensão e integração dos mesmos

lana Maria de Oliveira Maciel

flana Maria de Oliveira Maciel

Lponsóvel peloprogramãno àmbitodo UJ rJo é AparecidadósSãntos

lhdiCodõresëipãrámetrasútilizadosparo

avaliaçao do programa

Avaliações diárias e conjuntas aos participantes com vistas à

superação de dúvidaseou assimilação do conteúdo

Além da proposição acima foram realizadas avaliações escritas

conceituais e mensuráveis ao térmico das ações de capacitaçõo e

relatórios conclusivos sob justificativa de buscar o melhoria da

qualidade do trabalho do Sistema cotidianamente

Públicoalvo beneficiários Dirigentes conselheiros de administração e fiscal gerentes

cooperados e funcionários

Metas físicas e financeiras

Física

Financeira

100

R1720 00 R1716 30 99 78

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Material deConsumol

R171630

R1716 30

1

CARACTERÍSTICAS

1

Despesascom alimentação dos treinandos

Informações complementares

Com a presença de cooperados de diversos Ramos a capacitaçõo objetivou prepará los paro atividade

de realização e condução de Assembléias Gerais Ordinários e Extraordinários com o aprimoramento

entre outras da elaboração dos documentos necessários á realização segura de uma assembléia

possibilitandolhe a execução através dos caminhos mais adequados ao exercício da gestão democrática

pelos membros um dos princípios fundamentais do Cooperativismo 0 grau de satisfação da avaliação

ficou entre bome ótimo

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCDDPCE Pagina 71


152124 Seminário Cearense de Cooperativismo

ripo de programa Finallstico Formação Profissional

yebvo gera

ObjetiiosEspecíficos

Gerente daprograma

Promover ampla

jdas coopemtivos

mobilização e participação ativa dos associados

ce

6 o congresso nacional

arenses para levantamento de demandas para

Mobilizar as lideranças cooperativistas cearenses para o cenário

económico sócio e político nacional

Buscar formas de aprimorar as diretrizes e horizontes da relação

política institucional e legal do sistema cooperativista cearense

Definir propostas para o fortalecimento e sustentabilidade

econômicofinanceira dos cooperativas para o XIR Congresso

Brasileiro do Cooperativismo

lana Maria de Oliveiro Maciel

erente executivo

I lana Maria de Oliveira Maciel

Responsávelpelo programo ha ãmbitodd UJJ José Aparecido dos Santos J

Iridïcãdoresdúpprômetrasütilizodospara

avaliação do programo

Irjrriri

Avaliação de Reação com indicativos de satisfação quanto às

informações metodologia recursos didáticos e logísticos

Será avaliado por meio de uma avaliação diagnóstico sistemática

pelos técnicos envolvidos questionário elaborado pelo gerência de

capocitação sobre avaliação de reação e conversa informal

Dirigentes e lideranças da Cooperativismo e Técnicos do Sistema

OCBSESCOOPCE no Estado do Ceani

Metas físicas e financeiras

1

META

Financeira

PREVISÃO

EXECUÇÃO

PREVISÃO

1 1 11 100

R35 960 00 R35 959 02 100

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

EXECUÇÃO lSa

DESPESA I

R13 701 00

Material de Consumo 1

Passagens e

Locomoçoes

Diárias e Hospedagens

Outras Despesas de

Viagens

R 681

R14 250 00

R116 98

Locações R100

i

lSa

tLifi sCÜ

Despesas com combustível e alimentação dos

participantes

Custos com passagens aéreas do facilitador do

Seminário

Diárias pagas a técnicos do SESCCOPCE ao local

do evento e ao facilitador cujo deslocamento é de

outro estado

Ressarcimento técnico do SESCOOPCE para

deslocamento em veículo próprio

Serviços de locação de equipamento de projeção

no evento

Materidis p Aquisição de pastos personalizadas para o evento

R1920 00

Treinamentos

Serviços e Divulgações

Institucionais

Serviços Especializados

P1

Serviços de

Transportes

TOTA L

I

R139 20

1

Serviços de confecção de banners

R3700

Despesas com facilitador do evento relativas às

horasconsultoria

R1350 00

Serviços prestados de frete de microônibus paro o

local do evento

R35 959 02

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 72


Informações complementares

Realizado em Beberibe contou tom a participação de dirigentes de 32 trinta e duas cooperativas de 05

cinco Ramos Agropecuário Crédito Saúde Trabalho e Transporte

0 evento teve como objetivo promover uma ampla discussão sobre o Cooperativismo no Ceará mais

especificamente identificar proposições do Cooperativismo Cearense para o XII CBC bem como eleger

os delegados para este mesmo Congresso acontecido em Brasília Neste Seminário os trabalhos

seguiram os princípios do Enfoque Participativo com ênfase no intercâmbio de experiências e

conhecimentos tendo como ferramentas metodológicas a visualização apresentação problematização

documentação trabalhos em grupos e sessões plenárias

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 73


152125 Capacitaçõo do Transporte Complementar de Motoristas

Tipo de programa Finallstico Formação Profissional

letivo gera Capacitar à tripulação habilitandoa a melhor prestação dos

serviços viabilizando o conhecimento e a observação das

disposições contidas nos seus regulamentos

jetivos speci ecos

Gerentedo programa

crente executivo

Sensibilizar o motorista no aprimoramento de atitudes e

habilidades relativas ao otendimento aos usuários do transporte de

passageiros com atenção especial para pessoas idosas gestantes

e portadores de deficiência física

Cumprir a legislação vigente no que se refere ao regulamento do

sistema de transporte

Proporcionar condições para que o motorista desenvolva

habilidades e atitudes adequadas ao bom desempenho

profissional através da qualidade no atendimento 0o público

plana Maria de Oliveira Maciel

Ilana Mario de Olivaira Maciel

Wespons6vel peloproogmmõno âmbitõdti UlJ lõsé Aparecido dos Santos 1

Indicadoreso parâmetros utilizadosporo

avohaçoo do programo

rjfúblim alvo

beneficiórios

Avaliação por meio de provo ao final da capacitação onde foram

atribuídas notas de acordo com o sistema de avaliação dos órgãos

que estão autorizados a ministrarem estos copocitações conforme

o GB

Foram realizadas ainda avaliações escritas conceituais e

mensuráveis ao térmico das ações de capacitação

Motoristas associados às cooperativas de transporte licitados

DETRAN que assinaram contrato com o referido órgão

pelo

Metas físicas e financeiras

EXECUÇÃOPREVISÃO

alFísico

financeira

6 6 100 0 1

R65 051 00 R65 050 07 10

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Passagens e

Locomoções

fbiáridseHospédagensl

Serviços Especializados

P1

TOTAIS

CARACTERÍSTICAS

1

Custos com deslocamentos de técnico do

R 370 07

F

1 SESCOOP CE para acompanhamento das ações

R 125 00 Diárias ao técnico do SESCOOPCE

4 R 61555 00 1

Despesas com pagamento de horas510 das

cursos

R65 050 07

Informações complementares

Realizada em parceria com o SENAT capacitou motoristas cooperados do Ramo de Transporte

Complementar de Passageiros do Estado que com a participação no Curso estão melhor capacitados

para o atendimento ao usuário seguindo normas estabelecidas pelo Legislação de Trânsito Além disso

com a certificação expedida os permissionários puderam concorrer ao processo licitatório realizado no

Estado para a regulamentação do Sistema de Transporte Complementarintermunicipal

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 74


I52126

ICCPENCE

Tipo de programa

letwo gero

ebvos spe r iras

Gerentédoprograma

crente executivo

I Congresso da Cooperativa dos Profissionais em Enfermagem do Estado do Ceará

mercado

Disseminar o cooperativismo e ações da COOPENCE no

de trabalho da saúdeenfermagem

Contnbuir para a construção do processo de conscíentização dos

constantes inovações no mercado de trabalho

Congregar todas os categorias da enfermagem graduandos

técnicos e auxiliares

Contribuir para o aprimoramento técnico cientifico dos

profissionais de enfermagem do nosso Estado

plana Mario de Oliveira Maciel

liana Mario de Oliveira Maciel

2ponsdvel Perloprogramo no ámbitoda U11 rosé Aparecido dos Santos

Indicadoireroipbiôirietr osritilizadospara

ovoàaçoodo rograma

rfrrilrl

Avaliação de reação com indicativos de satisfação quanto às

informações metodologia recursos didáticos e logisticos

éores

conselheados iros

ermeiro estudantes de

eGnf sf ermagem

técnicos

e representantes de institu

siçeões parceiras

Metas físicas e financeiras

META

aFisica

Iffie rFinonceira

EXECUÇÃO

PREVISÃO

R17 400

R16 442 58 945

100

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Passagens e

Locomoçoes

IDiáriasee Hospedagens

Serviços e Divulgações

Instttúnanms

Serviços

Especializados

P1

aTOTAL

R2302 38

1

CARACTERÍSTICAS

Custos com passogens aéreas do palestrante do

Congresso

R1800

Diárias pagas ao palestrante

1

R7940 20

Serviços gráficos de materiais de divulgação ao

evento

R400

R16 442 58j

Honorários do palestrante do evento

1

Informações complementares

Tendo como tema O Profissional do Futuro e o Futuro Profissional Mercado de Trabalho e Macro

tendência o Congresso promovido pelo Sistema OCBSESCOOPCE e a Cooperativa dos Profissionais de

Enfermagem do Ceará Ltda COOPEN reuniu diversos profissionais de Enfermagem do Estado com

uma programação de cursos e oficinas de grande utilidade paro a categoria

A palestra motivacional de abertura foi ministrado com foco no categoria que é determinante para a

sociedade Os trabalhos tiveram como meta contribuir para que se tenham profissionais capacitados

respeitados valorizados dignificados na carreira que abraçaram Com esta ação conseguiu se trazer

para perto do Cooperativa o profissional de Enfermagem Enfermeiros Técnicos Auxiliares Estudantes e

Acadêmicos Direção da COOPEN e categoria partilharam das conquistas e dificuldades troçando rumos

para um futuro processa sucessório na gestão da Cooperativa

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceara SESCOOPCE Página 75


152127 Simpósio de Cooperativismo de Crédito do Ceará

Tipo de programa

yetivo gero

Wj tsïtt tala

Gerente do programa

Gerenteexecúthio

Propiciar aos participantes assimilar conhecimentos atualizados

sabre o gestão de cooperativas e a troca de experiências entre

cooperativas pertencentes ao ramo crédito

Promover a qualidade da administração dos cooperativas

de crédito com a participação dos melhores especialistas

executivos e técnicos da área

Apresentar as realidades atuais do mercado de trabalho

suos demandas exigências e oportunidades

Incentivar a construção de uma rede informal de

relacionamentos entre estudantes e profissionais

contribuindo paro solução de problemas através do

conceito de inteligência coletiva

liana Maria de Oliveira Maciel

liana Maria de Oliveira Maciel

Responsável peloproogrom a no õm bitoda UJJ JoséAparecido dos Santos

Avaliação de reação com indicativos satisfação quanto às

informações metodologia recursos didáticos e logísticos

Indicadoresocparámetrostilizadospara

avaliação do rogramo

Públicoralva

beneficiários

I Dirigentes cooperados gestores funcionários lideranças do

cooperativismo de crédito local e regional e representante de

instituições parceiras

J

Metas físicas e financeiras

META

EXECUÇÃO

CUÇÃOPREVISÃO

Física

Fin an ceira

R42 500

R9056 00 21 31

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

EXECUÇÃO

Máte iais para

Treina mentos

Serviçoseálgações

Insntucronars

1

R 500

1Ipara o evento

R7200

Aquisição de pastas personalizadas para o evento

R1356 00

1

R9056 00

Aquisição de material de consumoexpediente

Serviços evento

gráficos de materiais de divúlgação ao

Informações complementares

A proposta deste Simpósio é ser realizado a cada 2 anos e tem o intuito de formar uma cultura científica

acerca do Cooperativismo de Crédito no Ceará Foi considerado sucesso pelos participantes como

também brilhante foi o performance do comissão Julgadora dos Projetos enviados que selecionou 06

seis trabalhos o serem apresentados dentro do perfil exigido no Regulamento

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 76


152128 Programa de Desenvolvimento de Lideres PDL

Tipo de programa

jetivo gero

Objetivos Especiftos

Gerente do programa

ereiitëexecútivo

1

rFinalistïta Formação Profissional

Promover o desenvolvimento de competências e habilidades

gestão e liderança para os gestores da Unimed Fortaleza

Direcionar os lideres para uma atuação estratégica e eficaz

Capacitar cada colaborador para desenvolver seu potencial de

liderança

Fortalecer as habilidades essenciais necessárias para atingir as

estratégias mentais e as atitudes comportamentais de liderança

eficaz envolvendo o estabelecimento de empatia o

desenvolvimento do estilo pessoal de liderança fixando resultados

e lidando com as dimensões de trabalho e relacionamento dentro

da dinômica de equipe

pana Maria de Oliveira Maciél

lona Maria de Oliveira Maciel

Responsável pelo programa noâmbito do UJ rlasé Ãpaiecido dos Santos

Indicodoresbu

parómetros Ltilizadospara

avaliaçao do programa

Públicoalvo

beneficiários

dee

Avaliações conjuntas aos participantes com vista s6 superação de

dúvidas eou assimilação do conteúdo bem corno o

relacionamento com o grupo

Através da participação e reflexão sobre os ternas expostos

fazendo com que ocorra urna mudança no comportamento dos

lideres como fonte geradora do aprendizado

Gestores e lideres da UNIMED Fortaleza dasáreas Operadora

Hospital Regional da Unimed CIAU Centro Integrado de

Atendimento da Unimed Laboratórios Medicino Preventiva

Unimed Lar e Unimed Urgente

Metas físicas e financeiras

PREVISAO

EXECUÇÃOPREVISÃO

aFísico

Finalicéiraa

1 1

r 100

R96 000

R79 000

82 29

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Serviços Especializados

PJ

floTALINEEEN

LR 79 000

00 i

R79 000

CARACTERÍSTICAS

Despesas com pagamento de horasaula dó

programa

Informações complementares

O Programa de Desenvolvimento de Lideranças foi uma demanda da UNIMED Fortaleza sendo

considerado prioridade na gestão da referido Cooperativa

Os participantes inscritos foram negligentes quanto à assiduidade que infelizmente desencadeou

evasão A UNIMED Fortaleza porém justificou que ocorreu um choque de agendas dos Gerentes em

relação às reuniões de Planejamento Estratégico atreladas ao processo de implantação de indicadores

do 85C Balanced Scorecard e tomada de decisões junto a Diretoria

Serviço Nacional de Aprendizagem da Cooperativismo 110 Estado do Ceara SESCOOPCE Página 77


Tipo de programa Finolistico Formação Profissional

I

152129 Programa de Desenvolvimento Gerencial PDG

jebvo gera

Objetivos Especificoi

Promover

o desenvolvimento de competências e habilidades

gerenciais para os diretores e altos executivos do Unimed Fortaleza

Aperfeiçoar as habilidades dos lideres paro tomada de decisões

Capacitar os dirigentes quanto à utilização de ferramentas

gerenciais de alto impacto

Fortalecer as habilidades essenciais necessárias para atingir as

estratégias mentais e as atitudes comportamentais de liderança

eficaz envolvendo o estabelecimento de empatia o

desenvolvimento do estilo pessoal de liderança

Compreendera importância dafixação de resultados e dimensões

de trabalho na gestão da empresa cooperativo

Gerente do programa

flana Maria de Oliveira Maciel 1

LGerente eXecútiv 2111

lana Maria de Oliveira Macief

Responsável peloprograma noâmbito do UlJ rosé Aparecido dos Santos

Indicadoresoüporãmetros Utilizadospara

avaliação do programa

Públicralvolbennejci

Avaliações conjuntas aos participantes com vistas à superação de

dúvidas eou assimilação do conteúdo bem corno o

relacionamento com o grupo

Através do participação e reflexão sobre os temas expostos

fazendo com que ocorra uma mudança no comportamento dos

diretores e executivos como fonte geradora do aprendizado

rios Diretores e altos executivos da Unimed Fortaleza J

Metas físicos efinanceiras

EXECUÇÃOPREVISÃO

Físicas

Financeira

100 o

R127 700

R96 000

75 18

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Serviços Especializados

p

TOTAL

R96 000

1

R96 000

Despesos com pagamento de horasoula do

programa

Informações complementares

Os participantes gestores da UNIMED Fortaleza compareceram em sua totalidade não ocorrendo

evasões A participação na realização dos módulos da formação foi efetiva A avaliação esteve entre

bom e ótimo quanto ao grau de satisfação

A ação foi considerada exitosa na sua totalidade conforme os gestores do cooperativa e seu corpo de

assessores ora certificados pelo IBEMECOCBSESCOOPCE

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 78


152130 Curso de Formação Básica de Inglês paro Taxistas

Tipade programo

I Finalistico Formação Profissional

ie rva gera

Objetivos Específicos

Formar os taxistas filiados às cooperativas quanto a capacidade de

comunicação no língua inglesa para o recepção dos turistas em

nossa cidade

Desenvolver o capacidade de comunicação no língua inglesa com

foco na instrumentalização para a prática do turismo de negócios

no Estado

Desencadear processos que permitam desenvolver habilidades de

leitura e interpretação de textos em língua inglesa propiciando ao

aluno a aplicação de diferentes técnicas de leitura para ampliação

da compreensão de textos com destaque poro os recursos

gramaticais neles utilizados

Gerente da programa

liana Maria de Olivèiro Maciel 1

Gerente executivo

1

Ilana Maria de Oliveira Maciel

Responsável pelaoroogroma no âmbito da Ulj posé Aparecido dos Santos

Indicadores ouporámetrosútilizadospara

avalzaçao do programa

Públicoolva

beneficiários

Avaliações diárias e conjuntas aos participantes com vistas b

superação de dúvidaseou assimilação do conteúdo bem corno o

relacionamento com o grupo

Foram realizados ainda avaliações escritas conceituais e

mensuráveis ao térmico da ação de capacitação sob justificativa

de buscar a melhoria da qualidade do trabalho do Sistema

cotidianamente

Associados e funcionários de cooperativas principalmente do ramo

transporte

i

Metas físicas e financeiras

PREVISÃO

1

EXECUÇÃOPREVISÃO

Fisica

IIMFinanceiroo

4

4 100 0

R10 000

R10 000

100

Custos realizados por elemento de despesa

ELE MENTO DE

DESPESA

Serviços Especializados

PJ

1 tOVA

EXECUÇÃO

R10 000

1

R10 000

00 1

1

CARACTERÍSTICAS

Despesas com pagamento de horasaula do curso

Informações complementares

O curso iniciado em 2010 com a segunda fase de realização prevista para 2011 contempla cooperados do Ramo

Transporte que atuam no serviço de táxi da capital que estão tendo a oportunidade de adquirirem conhecimentos

no desempenho dos quatro habilidades da língua inglesa ler escrever ouvir e falar com ênfase no comunicação

oral abordando os principais aspectos do estruturo do idioma e das atividades profissionais necessárias à área de

atividade visando sobretudo à copacitaçaào profissional indispensável ó recepção do turismo já crescente e do turismo

previsto paro a Copa do Mundo de Futebol de 2014 visto que nosso capital será sede dosjogos

Esta ação foi solicitada formalmente pelas cooperativas Rádio Táxi Ceará e COOPERTAXI Aeroporto com

sugestões de 105 pessoas para 04 quatro Cursos simultaneamente com o intuito de preparar os sócios

taxistas para a recepção e emissão de turistas na Copa de 2014

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 79


152131 V Encontro de Qualidade e Tecnologia do Transporte Urbano

Tipo de programa

letivo gera

Objetivos Específicos

Gerentedó programo

Gerenteexecutiva

Apresentar novas tecnologias e projetos que tragam melhorias e

qualidade ao transporte urbano com foco principal nos

investimentos do poder público nos projetos TRANSPOR e METRÔ

de FortalezaCE

Promover a participação dos cooperados da FECOOPACE no

discussão de temas ligados ao setor de transporte

Proporcionar aos participantes um amplo conhecimento dos

oportunidades que envolvem os otividades dos negócios do

Transporte

Identificar os ações que as instituições ligadas ao setor têm para

ser desenvolvidas

Fortalecer o papel institucional da FECOOPACE juntos as

cooperativas associadas e dar viabilidade as suas ações em 2010

Promover a integração dos microempresários do segmento de

transporte dos diversos regiões do Estado que terão a

oportunidade de trocar informações e experiências durante o

evento

lona Maria de Oliveira Maciel

flana Mario de Oliveira Maciel

Responsável peldprogramo hoámbitd dd Ul rTosé Aparecidados Santos

fndic dõresoupaparámétrosutilizadosporo

avalraçao do programa

Através da participação e reflexão sobre os temas expostos

fazendo com que ocorra uma mudança no comportamento dos

diretores e executivos como fonte geradora do aprendizado

Dirigentes cooperados gestores funcionários lideranças do

cooperativismo de Transporte de Fortaleza e instituições parceiras

j

Metas físicas efinanceiras

META

Física

Financeira

EXECUÇÃOPREVISÃO

1 3 1 jI00 o 1

R7500

R7500 00 100

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DÉ

DESPESA

Serviçose Divulgações

institucionais S

1 16 1141k 1

IR 7500

R7500

CARACTERÍSTICAS

Locação de espaço para estande de cooperativas

de transporte no evento

Informações complementares

Foi realizado com sucesso o impacto na sociedade ecoou Os dirigentes das cooperativos do Ramo

Transporte compareceram em grande número as autoridades e órgãos de representações do Ceará

puderam compartilhar experiências e dificuldades quanto ao processo de amadurecimento da nova

versão de empresa tendo em vista a concessão de permissões dos espaços público de transporte

complementar de passageiros no Estado do Ceará no interior e na capital Fortaleza

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceara SESCOOPCE Página 80


ipo de programa

r

152132

Curso de PósGraduação em Gestão da Promoção e Assistência à Saúde em

Cooperativas Operadoras de Planos de Saúde

Jetovo gera

movas

spec fitos

Ir

Formar profissionais para atuarem no mercado de trabalho das

operadoras de saúde suplementar paro os novos desafios do

setor

com uma visão focada no nova lógica assistencial de prevenção a

saúde no âmbito das cooperativos

7f

Discutir o Sistema de Saúde no Brasil Público e Privado e a

participação das cooperativas em tal contexto

Compreender o modelo cooperativo de atuação das cooperativas

integrantes da Unimed do Ceará e elaborar estudos para seu

aperfeiçoamento

Capacitar para o importância das ferramentas de apoio o gestão

das operadoras no cenário cooperativo

Gerentédoprograma

plana Maria de Oliveira Maciel j

Gerente executivo

Lponsóvel pelo programa no âmbito da UJ

Indicõdores aúparómetroffutilizõdõsparo

avaliaçao do programo

Público olvdbeneficiários

liana Maria de Oliveira Maciel

José Aparecido dos Santos

0 modelo de avaliação da aprendizagem levará em consideração

os diversos ritmos de aprendizagem acompanhará os alunos no

desenvolvimento de graus mais complexos de competências

cognitivas habilidades e atitudes permitindolhes alcançar os

objetivos propostos Desta forma a disciplina será avaliada através

da participação e entrega das atividades propostas conforme a

orientação do docente

Profissionais médicos enfermeiros assistentes sociais

fisioterapeutas nutricionistas terapeutas ocupacionais

profissionais de educação física psicólogos com interessem em

compor equipes multiprofissionais com atuação em planos de

saúde

Metas físicas e financeiras

1

Física

Firiánceira

EXECUÇÃO

PREVISÃO

R15 300

R 00 0

Informações complementares

0 Curso em nível de especialização não ocorreu devido à necessidade de uma análise aprofundada do

projeto encaminhado pela UNIMED Ceará no que tange a conteúdos envolvendo a Disseminação do

Cooperativismo e a Importância da Gestão e Legislação do Empresa Cooperativa 0 fato demandou

tempo maior para ajustes e adequações especialmente quanto à necessidade de se criar um módulo a

mais cujo tema é Educação Cooperativista

Somente em dezembro do corrente ano foi possível finalizar as negociações de ordem técnica e

pedagógica assim impossibilitando o inicio dos atividades Ficou acordado pelas partes que seria

somente em 2011 a amplo divulgação e execução deste Curso considerado prioridade no atual Gestão

da UNIMED Ceará frente ao cenário pujante a exigir profissionais capacitados para atuarem no

mercado de trabalho das operadoras de saúde suplementar relativamente aos novos desafios do setor

para onde estáfocada o nova lógico assistencial de prevenção à saúde no âmbito das cooperativos

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOP CE Página 81


I

152133 Cooperativismo no Ceará Sociedade História e Memória

Tipo de programa Finalistico Formação Profissional

yehvo gera

Objetivos Especificas

contextualizandol

Consolidar o Sistema Cooperativista no Estado

historicamente a sua origem e evolução

Resgatar a história do cooperativismo no Ceará proporcionará a

resignificação da memória por meio de ferramentas de grande

expressão

Formalizar registro e contação da história para a sociedade

cearense e brasileira de como se fundamentou a origem e evolução

do cooperativismo cearense

Gerente do programo

liana Maria de oliveira Maciel J

Gerente executivo

Responsável pelo programa noRmbito da UI

IndicidõresõUpa âmetros utilizódospara

avaliação do programa

Públicoalvobeneficiários

flana Maria de Oliveira Maciel

JoséÁparecido dós Santos

Produção de um livro de um vídeo institucional de uma revista em

quadrinhos de um roteiro e de um texto roteirizado para

encenação de uma peça de mamulengo

Diretos Conselheiras dirigentes gerentes executivos funcionários

e familiares de cooperativas

Indiretos Instituições parceiras Instituições de ensino estudantes

professores e sociedade

Metas físicas e financeiras

META

PREVISÃO

EXECUÇÃO

EXECUÇÃO

CUÇÃOPREVISÃO

Financ eira

3 3 Ì 100

R30 416 00 R28 560 66 93 90

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO D

DESPESA

Serviços Especializados

PJ

Encargos Sobre

Serviçosde Terceiros

Despesas Financeiras

V11J1

R24 806 00

1

R3720 90

1

CARACTERÍSTICAS

Despesas

com honorár ios de consultores externos

no realização do Projeto

Pagamento de encargos sobre os serviços de

terceiros

R33 76 Despesas financeiras da conta convênio

R28 560 66

informações complementares

Por ser uma experiência inovadora e

com dimensões e abrangência em todo o Estado observouse

dificuldade no elaboração do Edital de Licitação que culminaria com a contratação de empresa

especializada para realização em

todas as suas etapasfases da pesquisa e por conseguinte dos

produtos resultantes da mesma Concluída a licitação e a efetiva contratação foi possível dar início às

etapas preliminares da Projeto com o execução física somente o partir de outubro e a execução

financeira no final do mês de novembro de 2010 Dado a imprevisibilidade que resultou no atraso

verificado elaborouse juntamente com a empresa contratada um novo cronogroma físico que se

estenderá até30 12 2011 Daifoi necessário a prorrogaçâo da vigência cio Termo de Ajuste

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 82


Tipo de programa

Objetivo geral

Disseminar o cooperativismo no Estado junto a grupos produtivos 1

Objetivos Específicos

Gerente do programa

Geren e execu ovo

Responsável pelo programo no âmbito da

W

52134 Oficinas do Projeto Vira Vida

indicadores õüparâmetrosutilizadosporo

avaliação do programa

Público alvo benefldários

Capacitar os jovens futuros cooperados para o exercício e prática

da cooperação pela compreensão e integração dos mesmos ao

modelo empresarial cooperativo

Orientar os jovens para vivência do cooperação baseado nos

princípios que norteiam a prático cooperativista

flana Maria de Oliveira Maciel

flano Maria de Oliveira Maciel

losé Aparecidodoi Santos

t

Avaliações diários e conjuntas aos participantes com vistos à

superação de dúvidas eu assimiloçâo do conteúdo bem como o

relacionamento com o grupo

Foram realizadas ainda avaliações escritas conceituais e

mensuráveis ao térmico da ação de capacitação sob justificativa

de buscar a melhoria do qualidade do trabalho do Sistema

cotidianamente

f Jovens que integram o Projeto ViraVida que optaram em ou se associar a uma cooperativa

constitui

Metas físicas e financeiras

PREVISÃO

EXECUÇÃOPR EV7SÀO

Física

FinÕilceiràà

51 6

120017

00 00 0

Informações complementares

Ação delineada no Plano de Trabalho do SESCOOPCE o execução deveu se à parceria desde 2009

formalizada com o SENAICE para o atendimento dos jovens do Projeto ViraVida com a participação dos

técnicos desta instituição não havendo pois custo direto na execução da atividade

As atividades do Projeto são consideradas como relevantes pelo alcance social e pela parceria de

entidades do Sistema S notabilizandose o SESCOOPCE como o efetivo formador da cultura da

cooperação e do cooperativismo

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Pagina 83


Tipo

52135 Oficinas de Capacitação do Ramo Crédito OCBDGRV

programa

eivo gera Proporcionar aos dirigentes das cooperativos de crédito

capacitoção que fortaleça a gestão e a governança das

cooperativas de crédito visando o desenvolvimento e expansão do

cooperativismo de crédito regional

Objetivos

Especificos

Gerente do programa

Responsável pelo programa no âmbito daj

Ui

Indicadores ou parâmetros atilizodos para

avaliaçao do programa

Público alvo benefidórios

Treinar os competências e técnicos mais efetivas em vendas e

negociação para que esta possa atingir e superar suas metas

melhorar a relação com clientes e parceiros efetuar mais e

melhores negócios

Desenvolver as competências e técnicos mais efetivas em ANÁLISE

DE CRÉDITO e MICROFINANÇAS para que se possa elevar a

qualidade no gestão da carteira de empréstimos e efetuar mais e

melhores negócios

flana Mario de Oliveira Maciel

flano Maria de Oliveira Maciel

José Aparecido das Santos

Foram realizadas avaliações escritas conceituais e mensuráveis ao

térmico do ação de capacitação sob justificativa de buscar a

melhoria da qualidade do trabalho do Sistema cotidianamente

Presidentes Dirigentes Conselheiros Sócios Gerentes Técnicos e

Colaboradores dos Cooperativos de Crédito do Estado do Ceará

profissionais que possam se dedicar a multiplicação e atuação nos

áreas de crédito e análise

Metas físicas e financeiras

Ititt

1

Finosira

PR SÃO EXECUÇÃOPREVISÃO

2 100 0

00 00 0

Informações complementares

Ação considerado de muita relevância foi realizada em parceria com a OCBSESCOOP Nacional e DGRV

com o intuito deformar profissionais na Gestão de Cooperativas de Crédito Deixou a desejar quanto à

participação dos reais interessados devido à impossibilidade de estarem presentes o dia todo face ao

número reduzido de empregados e a baixo dedicação dos dirigentes à gestão dos cooperativas de

crédito no Ceará

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 84


Gráficos Comparativos de metas físicas de ações de formação profissional 2008 2010

Evolução do Número de Eventos

Gráfico 14 Fonte Geréncia de Formação Profissional

Evolução da Carga Horária Utilizada

Gráfico 15 Fonte Geréncia de Formação Profissional

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 85


Evolução do Número de Participantes

8000

7000

6000

5000

4000

3000

2000

1000

0

2008 2009 2010

Gráfico 16 Fonte Gerência de Formação Profissional

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 86


53 Resultados de avaliações intemas atendimento aos objetivos propostos

GRAU DE SATISFAÇÃO DOS BENEFICIÁRIOS EM RELAÇÃO

A CLAREZA DOS CONTEÚDOS MINISTRADOS EM 2010

Bom

17

Satisfatório

2

Regular

1

Ótimo

75

Gráfico 17 Fonte Geréncia de Formação Profissional

GRAU DE SATISFAÇÃO DOS BENFICIÁRIOS EM RELAÇÃO A

METODOLOGIA ADOTADA NOS CURSOS MINISTRADOS EM

2010

Bom

20

Satisfatório

4

Regular

1

Ótimo

75

Gráfico 18 Fonte Gerência de Formação Profissional

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 87


GRAU DE SATISFAÇÃO DOS BENEFICIÁRIOS EM RELAÇÃO AOS

APARELHOS EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DOS CURSOS EM 2010

Regular

0

Gráfico 19 Fonte Gerência de Formação Profissional

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estudo do Ceará SESCOOPCE Página 88


154 Monitoramento e desenvolvimento de cooperativas

k

541 Programa 0773 Gestão politica execução financeira contábil e controle

Ação 8979

Monitoramento supervisão auditoria e controle de cooperativas

Tipo de programa

J I170 15 ico r on toromento

le rvo gera Fortalecer o cooperativismo no Estado investindo na

profissionalização da gestão dos cooperativas registradas no

Sistema por meio de informações atualizados e formação

continuada de novos grupos

Objetivos Específicos Orientar os novas grupos quanto à organização formal de

cooperativas alicerçados nos princípios cooperativistas bem como

Gerentedo programa

crente execut vo

Responsável pelo programo no âmbito dom

UI

Indicadoresoiparâmetrosinilizados para

avaliação do programa

realizar a análise de viabilidade do negócio

Propiciar a capocitação no âmbito do cooperativismo para as

cooperativas nos aspectos doutrinários legais e econômicos

Promover ações que gerem um diagnóstico real do negócio dos

cooperativas do Estado do Ceará

Promover a profissionalização do gestão das cooperativos

objetivando o crescimento socioeconámico dos empresas

cooperativas

Vátio Araújo Ribeiro

José Aparecido dos Santos

Kátia Araújo Ribeiro

Orlando Filho Bezerra Borges dos Santos

Para o Programa de Monitoramento os indicadores de efetividade

que serviram de instrumento para aferição dos resultados efetivos

do programa nas cooperativas foram avaliados pela comparação

do diagnostico das visitas técnicas inicias tom os resultados

apontados nos relatórios dos visitas de acompanhamento Tais

instrumentos de análise constituíram se dos seguintes

dados

informações

Ações realizados pelas cooperativos após a assessoria com

resultados registrados por relatórios fotos eou outros tipos de

registros possíveis de comprovação

Quadro comparativo dos registros da OCBCE dos dois anos do

projeto

Questionário com perguntas elaboradas poro mensurar o nível de

assimilação dos conteúdos desenvolvidos nos cursos

Públicaalvo beneficiários Constituição Orientado Grupos interessados em constituir

cooperativas realmente viáveis no ponto de vista do negócio por

meio do assessoria técnica e capocitação cooperativista

Apoio ao Desenvolvimento da Gestão da Cooperativo

Cooperativas associados ao sistema OCBSESCOOP CE e seus

gestores executivos técnicos e cooperados para profissionalizarem

a gestão no Estado

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 89


1541 Programa de Constituição Orientada

ipo de Progro o ma s tco rani ora ento

ma o e

Orientar os novos grupos quanto à organização formol dei

cooperativas alicerçadas nos princípios cooperativistas bem corno

realizar a análise de viabilidade do negócio

Propiciar o capacitaçóo no âmbito do cooperativismo para as

cooperativas nos aspectos doutrinários legais e econômicos

escnçao 0 trabalho de constituição orientada é bastante completo e

oferece todo o suporte necessário para a formação de uma

cooperativo bem sucedida desde que atendidas todas os etapas do

Unidade responsável pelas decisóes

estratégicos

1Coordenàdor estadual dõoçâo

rnn odes executoras

Áreas dentro da UJ responsáveis por

gerenciamento ou execução da ação

Competências institucionais requeridos

poro o execuç8o do ação

processo

0 trabalho oferece sucesso pela amplitude de suas etapas

englobando o capacitação estudos aprofundados do negócio e

apoio no elaboração dos atos constitutivos Após o trabalho do

constituição orientada nasce uma cooperativa forte e sólida com

boas perspectivas para atuação no mercado com poucos chances

de dissolução do mesmo

SESCOOP CE

Cátia Araújo Ribeiro

rléSé Aparecido doi Santos

Cátia Araújo Ribeiro

Orlando Filho Bezerra Borges dos Santos

Metas Físicas

Metas Financeiras

Estudo de viabilidade do negócio

Metas físicas e financeiras

Fisica

Financeira R2900 00 R 779 00 26 86

analaELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO

Física

Financeira 1

Fi ãnceira

14

EX

Ne lpiC PREV SÃO

1 1q 1tL3id1la494fIrLf4Prlial 7Y1Õr I94tafirld

Físico

36

39

108 33

Financeira

R725 00 1ER5031 72 JE 65 13

75 85 113 33 1

15 107 14

R9300 00 11 R6764 60 172 73

ELABORAÇÃO DE ATOS CONSTITUTIVOS

11 f 8 7272

R3550 00 R1490 64 41 98

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 90


I

I

ELEMENTO DE

EXECUÇÃO CARACTERÍSTICAS

DESPESA

I 111i

111

12I17t 711Mili alitfI G Itirir1494J rilrl3

I

Despesas com combustível nos deslocamentos dos

Moteriol de Consumo R 190 11 técnicos para realização de palestras em

municípios do interior do Estado

Passagens e

Locomoções

Diárias e Hospedagens

Outras Despesas de

Viagem

aTOTAL

Moteriol de Consumo

1 I r

Diárias e Hospedagens 1 1

R 513 01

R2825 00

R 503 60

R5031 72

ilt4iT1911 01

Despesos de passagens nos deslocamentos de

técnicos para realização de palestras em

municípios do interior do Estado

Diárias dos técnicos do SESCOOPCE para

deslocamentos aos municípios

Despesas de viagem em veículos próprios dos

técnicos do SESCOOP CE para deslocamentos a

municípios do interior para ministrar palestras

Despesas com combustível nos deslocamentos dos

R 329 00 técnicos para realização de atendimentos em

municípios do interior do Estado

dos técnicos do SESCOOPCE para a

R 450 00

ÌÌÌ 11 Diárias de atendimentos

I

Custos realizados por elemento de despesa

TOTAL

Material de Consumo

Passagense

Locomoções

Diárias e Hospedagens

TOTAL

I

R779 00

ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIO

trealização dtendimentos em outros municípios

Despesas com combustível nos deslocamentos dos

R1413 53 técnicos para realização de consultorias em

R 251 07

R5100

Rí51

ELABORAÇÃO DE ATOS

Material de Consumo R 274 01

Passagens e

Locomoções

I

R21 00

municípios do interior do Estado

Despesas de locomoções para deslocamentos de

técnicos do SESCOOPCE nas atividades de campo

Diárias dos técnicos do SESCOOP CE nos

deslocamentos para outros municípios

CONSTITUTIVOS

Despesas com combustível nos deslocamentos dos

técnicos para realização de consultorias em

municípios do interior do Estado

Despesos de locomoções para deslocamentos de

técnicos do SESCOOPCE nas atividades de campo

Diárias dos técnicos do SESCOOP CE nos

Diárias e Hospedagens R1025 00

1 deslocamentos para outros municípios

Despesas de viagem em veículos próprios dos

Outros Despesos de

R 170

Viagem

TOTAL

63 técnicos do SESCOOPCE para deslocamentos a

municípios do interior para realizar consultoria

R149044

Informações complementares

O programa de constituição orientada de cooperativas tem por finalidade esclarecer e orientar no

processo de constituição de uma empreso cooperativa além de difundir o cooperativismo nos seus

aspectos históricos e doutrinários Este processo possui etapas bem definidas que seguem desde o

atendimento a pessoas e grupos passando por palestras informativas elaboração de plano de negócio

capacitação cooperativista finalizando com a elaboração de atos constitutivos como detalhado a seguir

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 91


Atendimento é uma ação que tem por objetivo informar esclarecer e orientar

no processo de constituição de uma empresa cooperativa

Palestra sobre cooperativismo Proporcionar aos participantes a compreensão

do cooperativismo como economia social tonto em relação ao referencial teórico

metodológico quanto às práticas cooperativas

Elaboração do Plano de negócio ferramenta que tem por finalidade verificar a

viabilidade econômica e social passando pelos aspectos mercadológicos administrativos

operacionais financeiros e da gestão dos negócios das futuras cooperativas

Elaboração dos atos constitutivos orienta o grupo a respeito dos procedimentos

necessários para se constituir uma empreso cooperativa desde a elaboração aprovação do Estatuto

Social eleição dos Conselhos de Administração e

orientação sobre os registras nos órgãos competentes

Fiscal formatação da Ata de Constituição até a

Sendo assim no ano de 2010 foram realizados 85 atendimentos dos 75 previstos totalizando 113 dos

ações Quanto às palestras foram realizadas 39 das 36 previstas totalizando 108 das ações enquanto

para a elaboração de plano de negócio foram executadas 15 ações dos 14 planos de negócio previstos

totalizando 107 da ação Já para a elaboração de atos constitutivos foram realizadas 8 ações dos 11

previstas finalizando em 73 Abaixo seguem as informações mais detalhadas

Gráfico 20 Composição das ações realizadas no Programa de Constituição Orientada

Dentro dos ações do Programa de Constituição Orientada foi observado que os atendimentos superaram

as ações previstos em 113 enquanto a palestra sobre cooperativismo resultou em 108 das ações

previstas As ações de elaboração de plano de negócio alcançaram 107 do previsto já a elaboração

dos otos constitutivos ficou com 73 do esperado No prático observase que dos 85 atendimentos

realizados apenas 8 ações resultaram em elaboração de atos constitutivos com a constituição de 6

cooperativas

Senda assim seguem os grupos que resultaram na constituição de cooperativas com os respectivos

municípios e nomes fantasias

Grupo de produtores rurais em Acaroú AGROBEM

Grupo de produtores rurais em Novo Oriente AGROAPIS

Grupo de taxistas em Aquiraz COOPERDUNAS

Grupo de produtores rurais em Quixeramobim QUILEITE

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 92


Grupo de produtores rurais em Senador Pompeu PROLEITE

Grupo de confecção de Fortaleza CAXANGÁ

ACARAI

FORTALEZA

SENADOR POMPEU

QUIXERAMOBIM

AQUIRAZ

NOVO ORIENTE

No ano de 2010 observase que as ações para a constituição de cooperativas do ramo agropecuário

foram as que mais se destacaram como sendo a AGROBEM AGROAPIS PROLEITE e a QUILEITE As

demais foram as cooperativas do ramo transporte como a COOPERDUNAS seguida do ramo confecção

com a constituição da CAXANGÁ

Outros grupos porém apesar de cumprirem com as primeiras etapas do programa não obtiveram êxito

na constituição da cooperativa eou não chegaram a concluir as etapas em 2010 como foram os

seguintes grupos

Confecção do Centro de Fortaleza

Mineradores da cal em Sobral

Confecção de Tejuçuoca

Produtores rurais de Quixadá

Taxistas do Centro de Convenções de Fortaleza

Paro a realização das atividades do Programa de Constituição Orientada foram destinados recursos no

total de R14 065 96

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 93


1542

Programo 0773 Gestão política execução financeira contábil e controle

Ação 8979

Monitoramento supervisão auditoria e controle de cooperativas

5421 Apoio ao desenvolvimento da gestão cooperativa

I rpo e rogra a

mallstico Til Tfiar rnczIS

iria r a e

Descrição

Promover ações que gerem um diagnóstico real do negócio das

cooperativas do Estado do Ceará

Promover a profissionalização da gestão dos cooperativas

objetivando o crescimento socioeconômico das empresas

cooperativas

Unidade responsável pelas decisões

ISESCOOP CE

estratégicas

CÕardenadoi esestócIAI dõação Kótia Araújo Ribeiro

0 trabalho de monitoramento é de fundamental importância para

as cooperativas pois tem corno objetivo analisar as vantagens

bem como as desvantagens do sociedade apresentando

posteriormente orientações acerca da cooperativa Tal trabalho

ajuda bastante no desenvolvimento de qualquer empresa

A assessoria englobo trés áreas de fundamental importância quais

sejam gestão contábil e jurídica Além disso tal projeto divulga os

diversos serviços cursos e capacitações ofertados pelo

SESCOOPCE

A instituição utiliza se de mecanismos didáticos para estimular e

esclarecer junto aos sócios a importância da participação e

interação de todos em relação à organização Durante todo o

assessoria há um reforço e uma reeducação aos sócios bem como

à diretoria do papel que cada um representa

m odes executoras José Aparecido dos Santos

1

1Áreas dentiodaUJJ iespoáVéis por

Ierencramento ouexecu5doo

Competências institucionais requeridas para

aexecuçaod0çao

Kótia Araújo Ribeiro

Orlando Filho Bezerra Borges dos Santos

Metas Físicas

Metas Financeiros

Indicadores de impactos na cooperativa e sócios

Metas físicas e financeiras

EXECUÇÃOPREVISÃO

ATENDIMENTOS ESPECIALIZADOS

FísicaSS

financeiro

117 R620000 92 rR2355101 78 63

37 98

VISITAS TÉCNICAS DIAGNOSTICAS

Física

Financeira

7

R2300

12

R1795

65

171 42

78 07

1 Arnzi7VD11Td4a019124

714frIJ 1UrTt WYl 4111 1

22

23

104 54

R6200001 R 508 66 11 88 84 j

finonceireS

AÇíPir r s 1

Financeiro

R3800

R 811 00 21 34

1

RFísico

Fin ance ira

1 12

R532500 ir 16

R151935 133

1853

3 i 4 r 133 331

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOP CE

Página 94


Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

EXECUÇÃO CARACTERÍSTICA

I

ttt

Material de Consumo

Passagens e

Locomoçoes

Diárias e

Hospedagens

Despesas com combustível nos deslocamentos dos

R 715 03 técnicos para realização de atendimentos em

municípios do interior do Estado

R 140 07

R1500

Despesas de locomoção para deslocamento de

técnica do SESCOOPCE nas atividades de

atendimentos

Diárias dos técnicos do SESCOOP CE nos

deslocamentos para outros municípios

TOTALa I R235510 T

Material de Consumo I

R 175

Passagens

Locomoçoes

com combustível nos deslocamentosdos

65 técnicos paro realização de visitas em municípios

do interior do Estado

Despesas

Despesas de locomoções para deslocamentos de

R120 00 técnicos do SESCOOPCE nas visitas

Diárias e Hospedagens t R1500 00 1 Diárias dos técnicos do SESCOOPCE nos

TOTALe

Material de Consumo

Passagense

Locomoçoes

I Diárias e Hospedagens

R1795 65

deslocamentos para outros municípios

ACOMPANHAMENTOOPERAC ONALDA

COOPERATIVA

R1324 96

R 283 70

R3900

Despesas com combustível nos deslocamentos dos

técnicos para realização de acompanhamento em

cooperativas em municípios do interior do Estado

Despesas de locomoções para deslocamentos dé

técnicos do SESCOOPCE no acompanhamento

operacional

Diárias dos técnicos do SESCOOP CE nos

deslocamentos para outros municípios

TOTAL R 508 66 1

j

Material de Consumo R 211 00

Diárias e Hospedagens R 600

TOTAL Ì R 81100 J

Material de Consumo R 464 16

Passagens

Locomoções

Diários e Hospedagens

JS1 MatIl 7ktl4i iiL 1PV

R 204 55

R 800

I

Despesa com combustível no deslocamento do

técnico paro realização de consultoria em

cooperativa em município do interior do Estado

Diárias do técnico do SESCOOPCE nos

deslocamentos paro município no interior do

Estado

Despesas com combustível nos deslocamentos dos

técnicos para realização de assessorias em

cooperativas em municípios do interior do Estado

Despesas de locomoções para deslocamentos de

técnicos do SESCOOPCE paro realização de

assessorias especializadas

Diárias dos técnicos do SESCOOP CE nos

deslocamentos para outros municípios

Despesas de viagem em veículo próprio do técnico

CE para deslocamento a município

do interior para realizar assessoria

Outras Despesos de

R50 64 do SESCOOP

Viagem

IETOTAL R1519 35 l

1

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 95


Informações complementares

O apoio ao desenvolvimento dos cooperativas passa por assessorias e consultorias nas áreas de gestão

contábil jurídica e técnica visando estimular 0 desenvolvimento da gestão dos cooperativas de acordo

com as seguintes ações

Atendimento Especializado tem por objetivo proporcionar às cooperativas e a seus associados

consultoria nas áreas da gestão jurídica contábil social econômico e técnica

Visitas Técnicas Diagnósticos as visitas buscam diagnosticar possíveis falhas e lacunas

ocorridas nas ações da cooperativa tanto nas áreas gerenciais e técnicas identificando as

ações prioritárias a serem realizadas bem corno dor os encaminhamentos para a solução de

problemas

IGráfico

21

Cooperativas

Acompanhamento Operacional tem a finalidade de proporcionar aos dirigentes e sócios das

cooperativas um acompanhamento nas ações e planos de trabalho a fim de orientá los na

melhor execução e operacionalização dos atividades

Assessorias Especializados são caracterizadas por ações que intervém de forma mais efetivo

orientando dirigentes e associados nos questões relacionadas às áreas administrativas sociais

jurídicas contábeis técnicas e outras de interesse dos cooperativas

Composição por ação do Programo de Apoio ao Desenvolvimento de

Atendimento Especializado

Assessoria Especializado

Visita Técnica Diagnóstica

Acompanhamento Operacional

Plano de Negócio

Planejamento estratégico

Profissionalização da gestão

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 96


No que se refere às atividades de Apoio ao Desenvolvimento dos Cooperativas em 2010 a ação de Visito

Técnica Diagnóstico foi o que mais atendeu às expectativas superando em 171 as ações previstas

Este aumento da demanda pode ser justificado por apenas as cooperativas do ramo agropecuário e

transporte constituídas em 2009 e inicio de 2010 demandarem esta ação No entanto as cooperativas

COACE RADIO TAXI CEARÁ COOPTAF e COOPANEI não estavam previstos para esto atividade que se

concentrou mais no segundo e terceiro quadrimestre atendendo as seguintes cooperativas

COOPERDUNAS AGROAPIS COAF COACE RADIO TAXI CEARÁ COQUILEITE COOPTAF AGROBEM

COOTRECE COOBAM e COOPANEI

Em seguida a Assessoria Especializado e a Elaboração do Plano de Negócio obtiveram um ótimo

desempenho superando em 133 o esperado Com relação à Assessoria Especializada apenas as

cooperativas CORGIL COSENA e a COOPEND seriam previsivelmente contempladas com esta ação No

entanto a cooperativa de panificação COEPAN solicitou a assessoria nos procedimentos de dissolução

da cooperativa obtendo assim um resultado maior que o previsto Quanto à elaboração de plano de

negócio as cooperativas que solicitaram esta ação foram a COSENA e a COOTRECE sendo que nesta

ultima cooperativa as ações demandadas foram maiores que o previsto Dando seqüência as ações de

Acompanhamento Operacional superaram em 105 o previsto onde foram atendidas as seguintes

cooperativos COAF COQUILEITE AGROAPIS COSENA CORGIL e AGROBEM do ramo agropecuário

COOPTRANSCRAT e COOTRECE ramo transporte COOPERFASHION e CAXANGÁ do ramo produção

Apenas no COOPERFASHION foi necessária uma ação de acompanhamento fora do esperado o que

elevou em 5 o total do previsão

Por fim o Atendimento Especializado foi a ação que obteve o resultado menor com 79 do previsto

Isto pode ser justificado pelo fato de ser uma ação de demanda espontânea e onde a procura se verificou

maior no segundo quadrimestre em detrimento do terceiro reduzindo em 21 o previsto

No geral o quantitativo das ações de 2010 foi no sua maioria acima do esperado Não só isso alguns

impactos gerados pelo Programa de Constituição Orientada podem ser observados como melhor

entendimento da doutrina cooperativista maior clareza do negócio cooperativo bem como uma maior

participação dos associados nos processos decisórios da futura cooperativa desde a sua fase inicial até a

constituição propriamente dita Quanto ao Programa de Apoio ao Desenvolvimento das Cooperativas os

resultados também têm sido bastante positivos Percebese que as cooperativas têm buscado uma

gestão mais profissionalizada passando por processos gerenciais administrativos e técnicos além da

necessidade de organização e participação do quadro social

Para a realização das atividades de apoio ao desenvolvimento de cooperativas o SESCOOPCE direcionou

recursos no valor de R11 989 76

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 97


1543 Programa de profissionalização da gestão de cooperativos

Tipo de Programa na sbco r ondora esto

ino na e

Descriçao

Unidade

responsável pelosdecisãesSESCOOPCE

estratégicos

Coordenodorestodúalda óCca

Unidadesexecutoras

áreas identrodoUf esponsáJeispor

gerenciamento ou execuçaodoo

Competências institucionaisrequeridos poro

a execuçao do açoo

Organizar a cooperativa conforme seus princípios cooperativistas

focando na formação dos cooperados buscando a sua organização

em todos os seus setores

Trabalhar a formação dos núcleos de cooperados buscando uma

maior participação e interação dos destes nos processos decisórios

da cooperativa

Aprimorar o conceito do cooperativismo

Formor multiplicadores na metodologia de trabalho

Será realizada uma metodologia no âmbito da construção

participativa sendo consolidada em cada etapa do trabalho

conforme necessidade de aprendizagem 0 programa constará de

seis etapas

I Diagnóstico da Cooperativo sensibilização e aprovação do

projeto por parte do diretoria e dos sócios

11 Visito aos cooperados in loco e repasse metodológico aos

funcionários da cooperativa e do equipe técnica do SESCOOP

CE

111 Reunião de Constituição dos Núcleos 01 02 e 03 e repasse

metodológico aos funcionários do cooperativa e da equipe

técnico do SESCOOP CE

IV Reunião Ordinária dos Núcleos 01 02 e 03 e repasse

metodológico aos funcionários da cooperativa e da equipe

técnica do SESCOOPCE

V Reunião de Constituição dos Núcleos 04 05 06 e repasse

metodológico aos funcionários do cooperativa e da equipe

técnica do SESCOOPCE

VI Reunião Ordinária dos Núcleos 04 05 e 06 e repasse

metodológico aos funcionários do cooperativa e da equipe

técnica do SESCOOP CE

Kótia Araújo Ribeiro

Tosé AparecidodosSantos 3

Cátia Araújo Ribeiro

Orlando Filho Bezerra Borges dos Santos

Metas Físicos

Metas Financeiras

Estudo de viabilidade do negócio

Metas físicas e financeiras

EXECUÇÃOPREVISÃO

financeira

9 1 9 100

R49 100

R40 672 37 82 83

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Passagens e

Locomoçoes

IDiáriásë Hospedagens

R7927 37

R7800

R24 900

1

R40 672 37

Despesas de deslocamentos de consultores

externos

Diários dos consultores externos

Despesas com honorários de consultores externos

na realização do Programo

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOP CE Página 98


Informações complementares

O Programa de Profissionalização da Gestão de Cooperativas tem como objetivo principal o organização

do quadro social e o controle da gestão econômicofinanceira Quanto à organização do quadro social a

ação realizado contemplou visito aos cooperados em seu local de trabalho seguido da criação de

núcleos de discussão entre associados com o objetivo de aproximá los das decisões da cooperativa

Quanto aos aspectos econômico financeiras esta etapa não foi concluída por um contratempo da

diretoria da COOPED o que se referia à aplicação dos questionários sócio econômico junto aos

cooperados e por ter inicialmente priorizado a parte do quadro social com a criação dos núcleos Como a

fase econômica e financeira não foi finalizada as ações foram postergadas especificamente nesta área

para o ano seguinte com precisão para ser finalizada no primeiro quadrimestre de 2011

Os resultados deste programa ainda não puderam ser visualizados na sua totalidade mas porte deles

pode ser percebida conforme justificativa acima

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 99


154 Consultoria para o planejamento estratégico de cooperativas

TipodePrograma na Istico onitora ento

mak ode

escriçaa

Unidade responsável pelas decisões

estratega as

LCoordenodor estadual do ação

Unidades executoras

Áreas dehtrodõ UJisponsóQeisÃor

erenciomento ou execuçaodrao

Competências institucionais reqúeridos para

o execuçao da ação

Planejar o empresa cooperativa no perspectiva da

profissionalização da gestão

Levantar dados sobre a gestão do Cooperativa

Definir a missão e visão de futuro do negócio da Cooperativa

Planejar os ações estratégicos para os anos seguintes

considerando novos tendências de mercado

A consultoria se constituiu no ótica do construção participativa

através de diagnóstico oficina de planejamento e consolidação de

resultados utilizando instrumentos e técnicas que permitam uma

reflexão sobre o nivel em que os participantes se encontram seus

referenciais de planejamento concebidos nas cooperativas

ISESCOOP CE

Araújo Ribeiro

flósé Aparecido dos Santos

Cátia Araújo Ribeiro

Orlando Filho Bezerra Borges dos Santos

Metas Físicas

Metas Financeiras

Estudo de viabilidade da arriaria

Metas físicas e financeiras

1

META

Finïnceirai

EXECUÇÃOPREVISII0

L 3 j 100

R15 210 00 R7410 00 48 71

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

1

CARACTERÍSTICAS

R 210 00

1

Aud itoria e Gonsult ario

TOTAL

R7200

7410 00 1

Despesas com fornecimento de lanches para

participantes de oficina de planejamento

Despesas com consultorias externas na

elaboração do PE

1 3

Informações complementares

De acordo com o Programa de Apoio ao Desenvolvimento de Cooperativos em 2010 foram demandadas

três consultorias para o planejamento estratégico dos seguintes cooperativas UNISOCIAL UN DENTAL e

cooperativas do ramo Agropecuário alcançando 100 do previsto Como resultado desta ação as

cooperativas atendidos puderam apontar e planejar ações de integração dos associados na tomada de

decisão da cooperativa maior aproximação entre cooperado e diretoria profissionalização da gestão da

cooperativa e dos recursos humanos desenvolvimento de programas de capacitoção bem corno

prospecção de mercado envolvendo outras cooperativas

No caso das cooperativas do ramo agropecuário a consultoria ocorreu com a presença de cerca

de 30 lideranças das cooperativas Desse planejamento estratégico coletivo foram apontadas as

principais linhas estratégicas

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Pagina 100


Fortalecimento institucional das cooperativas agropecuárias

Desenvolvimento empresarial profissionalização e capacitação

Desenvolvimento tecnológico e dos padrões de qualidade

Capitalização

Desenvolvimento comercial

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 101


5 Promoção social

1

51

Programa 0108 Melhoria da Qualidade de Vida do Trabalhador

Ação 8954 Atividades Desportivas e SócioCulturais

I51 sobre as experiências do COOPERJOVEM

Disseminando o cooperativismo nas escolas

publicação e lançamento do livro

Públicoalvo beneficiários

Gerente ddo Programo

RUesponsável peloprogramãnoámbito

fdóil

Indicadoresoú

parómetrosutilizados

para avaliação do programa

Disseminar a cultura do cooperação por meio de ações que estimulem a

cooperação o cooperativismo para a promoção do desenvolvimento

social e econômico das comunidades e por meio de uma proposta

metodológica de educação baseada na relação ensino aprendizagem

construída a partir de valores que embasam a doutrina do

cooperativismo e as experiências do COOPERJOVEM

Disseminar a cultura do cooperação por meio de ações que estimulem

a cooperação o cooperativismo paro promoção do desenvolvimento

social e econômico das comunidades escolares por meio de uma

proposta metodológica de educação baseada na relação ensino

aprendizagem

Fortalecer o prático cooperativa o partir de valores que embasom a

doutrina do cooperativismo como justiço social solidariedade

participação liberdade igualdade e autonomia

Consolidar a experiência do COOPERJOVEM em livro para publicar em

nível nacional

Direcionada aos educadores instituições de ensino cooperativos

Unidades Estaduais Técnicos do Sistema OCã SESCOOPCE e educandos

dos Escolas do Ensino Fundamental contemplados pelo programa

flano Maria de Oliveira Maciel

José Aparecido dos Santos

Cecília Rosa Lacerda

SESCOOPCE

Livro elaborado e impresso com lançamento oficial pelo Sistema OSB

SESCOOP CE

Metas físicas e financeiras

1

atila

Física

Financeira

EXECUÇÃO

CUÇÃOPREVISÃO

0 t 1L 100j

R 00

R6925 20 0

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Serviçose Divulgações

Institucionais

TOTAL

CARACTERÍSTICAS

1

R6925 20 1

Despesas com locação de salão e fornecimento de

lanches no lançamento do livro

R6925 20

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOP CE

Página 102


Informações complementares

A ação desenvolvido pela Gerência de Formação Profissional com o assessoramento técnico pedagógico

da Profa Cecília Roso Lacerda que com base na experiência vivenciado no ano de 2008 junto ao

Programa COOPERJOVEM junto às Escolas de Ensino Fundamental co Ceará foi elaborado a publicação

EDUCAR PARA COOPERAR PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COOPERATIVISTAS E A FORMAÇÃO DE

PROFESSORES NO PROGRAMA COOPERJOVEM contendo 174 páginas e que versou sobre os aspectos

teóricos para a educação cooperativista e os impactos quanto ao planejamento de práticas nos espaços

escolares 0 livro teve ainda a colaboração de professores de pedagogia da Universidade Estadual do

Ceará

Muito embora a publicação já estivesse pronta para o lançamento desde o final do exercício de 2009 só

foi possível realizar o seu lançamento quase um ano após sair do prelo por entender que seria

fundamental a mobilização dos envolvidos e junto aos órgãos de educação na perspectiva de se

disseminar a educação cooperativista no Ceará por meio do COOPERJOVEM

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 103


152Programa Melhoria da qualidade de vida do trabalhador

Ação 8978

0108

Assistência médica e odontológica para

cooperados e dependentes

trabalhadores

1521 Projeto sorrisão

191 7Rlid7T 71

bjetivos Especi tos

Pública alvo beneficiários

LGer entëdõPrdgramal

Responsável pelo programonoâmbito da

U1

Indícodoiesotiparámetros utilizados

paro ovabaçao do programo

Promover a saúde bucal de crianças e jovens por meio dos sócios da

cooperativa

Orientar os alunos de escotas públicas dos procedimentos paro a

prevenção de doenças bucais

Divulgar os serviços odontológicos do cooperativo

Direcionada aos educandos das Escolas Públicas de Ensino

Fundamental contemplados pelo programa e projetos com portadores

de deficiência

lana Maria de Oliveira Maciel

Plosé Aparecido dos Santos

SESCOOPCE

Aplicado ficha de inscrição e conversa com os pais alunos e

professores

Metas físicas e financeiras

em

1

PREVISÃO

EXECUÇÃOPREVISÃO

Financéiit

120 127 105 83

R17 410 00 R13 660 00 78 46

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

Materiais para

Treinamentos

TOTAL

1 R13 660 00 1

R13 660 00

Aquisição de 5000 kits de higiene bucal para

crianças e adultos

Informações complementares

Fruto de parceria realizada desde 2008 entre o SESCOOPCE e a UNIODONTO Fortaleza o Projeto

Sorrisão é um programa de promoção social que realizo atendimentos odontológicos em crianças de 3

a 16 anos de idade dos Escolas Públicas de Ensino Fundamental contemplados pelo Programo

COOPERIOVEM e com portadores de deficiência

0 projeto que objetiva promover a saúde bucal das crianças em idade escolar teve uma cobertura de

3954 beneficiados Nos atendimentos são repassadas pelos próprios profissionais odontólogos da

cooperativa orientações sobre os procedimentos para a prevenção de doenças bucais além do entrega

de um kit de escovação creme dental escova fio dental e de cartilhas especialmente elaboradas para

o projeto

Nesta parceria coube a UNIODONTO Fortaleza disponibilizor os profissionais e fornecer todo o material

necessário nas atividades de prevenção Na maior porte das visitas realizadas nas escolas cooperativas

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOP CE Página 104


tidos como madrinhas de algumas instituições beneficiárias arcaram com os custos de deslocamentos e

alimentação dos profissionais Já ao SESCOOPCE coube a aquisição dos kits odontológicos e o

fornecimento de cartilhas reproduzidas em 2009 cujo conteúdo foi elaborado e adaptado por estes

profissionais

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 105


152 Projeto cooperar é viver melhor

Tipo de Programa

I je Ivo erol

Objetivos Específicos

Público alvd

beneficíórios

cõatédôProgranid

jjf

Disseminar o cooperativismo no Estado

Disseminar o cooperativismo no Ceará

Incentivar a aplicação dos princípios do cooperativismo como a

Intercooperação e o Interesse pela Comunidade entre as cooperativas

dos diversos ramos

Promover a integração entre cooperados familiares e comunidade

Comemorar o Dia Internacional do Cooperativismo

Realizar a arrecadação de alimentos para serem distribuídos aos

desabrigados dos chuvas em todo o Estado

Possibilitar a divulgação dos produtos e serviços dos cooperativas

participantes

Realizar a prestação de serviços sócio culturais educacionais e de

saúde à comunidade

Fortalecer o papel institucional do Sistema OCBSESCOOPCE junto às

cooperativos e instituições parceiras

Promover a integração entre os cooperativas dos diversos ramos do

cooperativismo cearense e dos vários regiões do Ceará propiciando a

troca de informações e experiências

Associados de cooperativasfamiliaresidososcriançasfuncionamos

do Sistema OCBSESCOOPCE e pessoas que desejem participar do

evento

lana Maria de Oliveira Maciel

GerenteExecutivos sé Aparecido dos Santos

Responsável pelo progrõmõnoárribitõdá

uJ

Indimdoresouparómetrosutilizados

poro ovobvçao do programa

SESCOOPCE

Ofícios

das cooperativas informando público volante lista de

freqüência de visita as tendas armadas durante a manhã

Metas físicas e financeiras

EXECUÇÃOPREVISÃO

Físlca

Financeirõ

0

R 24888 00 R24 888 00 100

Custos realizados por elemento de despesa

ELEMENTO DE

DESPESA

EXECUÇÃO

I

CARACTERÍSTICOS

RMoteriol de Consumo 1

Locações

Inst

Serviços e Divulgações

Institucionais

Serviços de

Transportes

Outro s Serviçosde

Terceiros

TOTAL

PJ

RL

R5868

00 1 Despesas com alimentaçãó e combustível

R6280 00

R 2000

Locução e montagem de tendas no local do

evento

Material promocional e de divulgação do evento

Locação de ônibus para deslocamento de crianças

membros do coral do SESI

R 2300

j Serviços de filmagem fotografia limpeza e

segurança no local do evento

R24 888 00

III

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 106


Informações complementares

0 Dia Internacional do Cooperativismo DIC comemorado no primeiro sábado de julho que em 2010

ocorreu no dia 37 é um evento produzido e organizado pelo Sistema 003SESCOOPCE por meio do

Assessoria de Comunicação que consiste no realização de uma manhã de apresentações culturais e de

prestação de serviços à comunidade Todos os anos o evento segue a temática definida pela Aliança

Cooperativa Internacional ACI que em 2010 foi A mulher e o cooperativismo conquistas e desafios

para o empoderamento feminino

Cerca de duas mil pessoas passaram pelo Praça do Ferreira local de realização do evento tendo 0

oportunidade de fazer teste de glicemia medição de pressão massoterapia emissão de RG entre outros

serviços além de assistirem a diversos apresentações artísticas de dança e música

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 107


Tabela 13

Detalhamento das metas físicas de ações ftnalísticas

1

RESUMO DAS ATIVIDADES FIM SESCOOPCE 2010

ATIVIDADE FIM

FORMAÇA

PROFISSI ONA L

FORMAÇAO

PROFISSIONAL

FUNDECOOP

PROMOÇÃO SOCIAL

CRIENT ORIENTADA UIÇAA

MONITORAMENTO

TOTAIS

Fonte Gerência de Planejamento

1QUANTIDADEDEAÇÕESJ

CARGA HORÁRIA 1l BENEFICIÁ RIOS

PREV

85 81 95 1444 1401 97

12 12 100

L

121

I 136

173

527

Controle

TOTAIS

LEALIZ 1LJ

128

159

0

106

108

92

I

450 450 100 3124 3110 100

135

n

1REALIZ

135

1466

721 672

QTD

QTD

0

PRELA

fREALIZ

3081 2798 91

100 6241 778

100 955

93 695

2100

1004

1 I

125

220 1

144

110096 13 21711 3124 1 I 97 114 096 116 790 1 119 1

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 108


56 Gestão do sistema

Conforme mostrado 0o longo deste relatório a atuação do SESCOOPCE engloba quatro linhas

prioritárias de atuação Três delas estão relacionadas à missão da entidade por isso são classificados

como áreas finalisticas São elas Formação e Capacitação Profissional Promoção Social e

Monitoramento e Desenvolvimento de Cooperativos

A quarta e última área de atuação trata do organização e gestão do sistema ou seja dos processos

que dão suporte às áreas finalisticas visando atingir os objetivos institucionais do SESCOOPCE Confira

a seguir o orçamento previsto e o efetivamente realizado pela entidade no ano de 2010 por linha de

atuação

Tabelo 14 Recursos previstos e aplicados nas linhas de atuação

rlATUAÇÃO

FINALÍSTIcA

FF0R MAÇAOCAPAGITAÇÃO

PRfOF ISSIONAL

PROMOÇÃO SOCIAL

MONITORAM NTODESENVOLVIMENTO

DE COOPERATIVAS

fll GESTÃO DOSTEMAO

rcf innlaitMffli

1 U ince or ár

TOTALO

Fonte Geréncia de Planejamento e Controle

1 tlif hJ

PREVIST O

1964 646 00

1810 738 001

42 298 00

1 111 610 00 I

REALIZADO

1701 596 64

55

1

38 548 00

1588 910

1

E 74 138 091

253 405 00 209 259 96

EI

EXEWUÇÃOS

86 61

87 74

1

91 13

66 42

1

I153 405 00r 209 259 96r 8257 I

i218 051 oo E 1910 856

82 57

60 8616

561 Gestão intema

Toda e qualquer formo de atuação do SESCOOPCE na consolidação das suas diretrizes e ações

finalisticas seja elo a formação profissional o monitoromento e o desenvolvimento de cooperativas e

por fim a promoção social está alicerçada em estrutura de recursos humanos físicos tecnológicos e

materiais

Dentre estes o mais essencialmente responsável pela transformação de diretrizes institucionais

estratégicas em práticas cotidianas é sem sombra de dúvida aquele que aglutina pessoas em torno de

objetivos comuns sedimentar a cultura da cooperação alavancar competências e conhecimentos e

desenvolver ações e processos inovadores de monitoromento e autogestão Nesse contexto tornouse

imprescindível definir uma política de remuneração equilibrada e atrativa capaz de identificar as

competências essenciais à organização e aquelas específicas aos cargos e funções

Neste mister é que mais e mais buscamos nos nossos colaboradores o exercício da capacitaçãa

continuada seja através de cursos mais técnicos e específicos dentro da área de conhecimento e

atuação no SESCOOPCE seja com cursos em nível de Pós Graduação ao qual na turma já concluída ou

naquela que está em andamento neles se inserem além de técnicos do Sistema os seus Dirigentes

O Capítulo 4 Gestão de Pessoas trata detalhadamente todas as diretrizes políticas e programas

pertinentes ao tema

Órgão máximo deliberativo do SESCOOPCE o Conselho de Administração reuniu se em 2010 em 8

oito ocasiões sendo que 6 seis ordinariamente e 2 duos extraordinariamente cujos decisões

versaram na maioria sobre a análise e aprovação de balancetes reformulação orçamentária e

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Pagina 109


espectivos planos de trabalho desligamentos de Conselheiros com a indicação de outros para a

recomposição do Conselho autorização para aberturas de processos seletivo para contratação de

funcionário proposta de reajuste salarial na database dos funcionários

O Conselho Fiscal seguindo o mesmo esquema do Conselho de Administração esteve reunido à mesma

quantidade de vezes tonto ordinariamente quanto extraordinariamente sendo que as reuniões

ordinárias aconteceram para o efetivo acompanhamento e fiscalização a execução financeira e

orçamentária do SESCOOPCE lá as reuniões extraordinárias tiveram o objetivo de proceder à análise da

reformulação do orçamento de 2010 realizada em27 08 2010 além da proposta orçamentária e o

plano de trabalho para o ano de 2011 que aconteceu em18

2010

A Diretoria Executiva é o órgão gestor da administração do SESCOOPCE e é composto pelo Presidente

do Conselho e pelo Superintendente cabendo ao primeiro a representatividade do Sistema perante

órgãos parceiros e instituições em geral divulgando a política e diretrizes de atuação programas e

projetos do SESCOOP CE dentre outras atribuições que lhe competem e regimentalmente definidas Ao

Superintendente cabe a coordenação supervisão e operacionalização da execução dos programas e

projetos de formação profissional gestão cooperativista e da promoção social para o atendimento dos

objetivos institucionais finalísticos bem corno a gestão do sistema A ele estão subordinados todos os

gerentes assessores e técnicos do SESCOOPCE

O SESCOOPCE está instalado em adequada estrutura física pertencente à OCBCE com área total de

ocupação de 302m

subdivididos em 9 salas 1 almoxarifado 1 auditório 1 sala de treinamentos e 1

garagem coberta conjuntos de banheiros com total acessibilidade para pessoas portadores de

necessidades especiais rampas e elevador hidráulico que permite acesso 0o andar superior

A sede do OCBCE passou por ampla reforma e ampliação em 2008 especialmente no que diz respeito às

redes de distribuição de energia elétrica de computadores e telefonia para investimentos que foram

realizados em tecnologia servidor e computadores ligodos em redes central telefônica inteligente no

break com capacidade para dar sustentação a todos os equipamentos de informática dentre outros

além da parte estética que hoje contempla moderna fachada e entrado

0 ponto de estrangulamento nos dias de hoje é a falto de espaço para o estacionamento dos carros dos

públicos internos funcionários dirigentes do Sistema OCBSESCOOP CE e externos visitantes

treinandos e público em geral uma vez que não há espaço físico que atenda a esta necessidade Há

interesse dos dirigentes da OCBCE em adquirir terreno em área próxima para viabilizar um parque de

estacionamento em curto prazo

A gestão da cessão e uso do imóvel bens e serviços inerentes a infraestrutura utilizada conjuntamente

pelas entidades OCB e SESCOOPCE está disciplinada nos Contratos de Gestão celebrados entre as

portes e definida a contrapartida financeira do SESCOOPCE proporcional a área utilizada e de acordo

com estudo de consultoria imobiliária que definiu o valor do metro quadrado do imóvel para fins de

locação levandose em consideração a localização do mesmo a estrutura física bem corno os bens e

serviços a ele agregados Os custos mensais referentes à contrapartida financeira do SESCOOPCE pela

utilização da infra estrutura da OCB são compostos de uma parte fixa área ocupada e outra variável

bens e serviços na proporcionalidade de 82 referente a despesas de consumo energia elétrica

serviços de comunicação

telefonia e internet água saneamento e esgoto segurança e vigilância

eletrônica zeladoria seguro de imóvel Por fim a utilização do Banco de Dados de Cooperativas ativas e

regulares no Sistema

O total de recursos financeiros para fazer frente a estas despesas em 2010 totalizou R 190 730 87

sendo R 77 633 80 na conta orçamentária aluguel R 59 447 07 no conto condomínio e R

53 650 00 pela disponibilizoção e utilização do banco de dados de cooperativas da OCBCE

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estudo do Ceará SESCOOPCE Página 110


1561 Gestão de TI

A área de Gestão de TI do SESCOOPCE é executada através de empreso especializada tendo como

competências estabelecidas na prestação de serviços o planejamento aí inseridas atividades como plano

de substituição de computadores segurança da informação treinamentos dos usuários além da

manutenção em computadores servidores equipamentos de rede e pontos lógicos e suporte ao

usuário 45 atividades de planejamento de tecnologia são desenvolvidas sob a coordenação da

Superintendência e as operacionais são supervisionadas por funcionário do SESCOOPCE

Por haver restrições de recursos humanos do quadro efetivo do SESCOOPCE com a devida habilitação e

qualificação para atuar na área de TI e principalmente por entender que as custos para manter em

quadro próprio funcionário para tal finalidade não serio compatível com a realidade da instituição uma

vez que há outras necessidades eminentemente urgentes mas temporariamente não condizentes com a

capacidade financeira adotou se a terceirização dos serviços de TI

Atualmente o SESCOOPDE dispõe de estações de trabalho em todos os postos sendo que 13 com 1 ano

de uso e 23 com 2 anos e meio Todas possuem sistema de proteção elétrica o que reduziu

drasticamente defeitos de hardware Á partir de outubro2011 será necessário programar substituição

de computadores mais antigos

Os resultados alcançados quanto à tecnologia são sentidos na redução de incidentes de hardware pela

confiabilidode maior velocidade no tráfego de informações na rede e redução no consumogasto com

energia As ações de melhorias futuras que serão intentadas são o controle de login do usuário e o

backup diário automatizado

0 ANEXO 111 apresenta informações e avaliação sobre a gestão de tecnologia do informação do

SESCOOPCE

15612 Gestão de patrimônio

O ativo imobilizado e intangível do SESCOOP CEfoi objeto de estudo e análise de avaliação que definiria

o valor residual e o prazo de vida útil bem como verificar se havia indicação de desvalorização destes

bens

O trabalho ficou a cargo de Comissão de Inventário e Patrimônio especialmente nomeada para este fim

que realizou vistorias físicas de todo o conjunto de bens existentes das contas contábeis de Mobiliário

Biblioteca Veículos Máquinas e Equipamentos Equipamentos de Informática Equipamentos de

Comunicação Outros Bens Móveis e suas respectivas característicos físicas operacionais e estados de

conservação A data base é31 12 2010

Ao final o resumo geral dos grupos de bens avaliados apresenta os seguintes valores

VALOR AQUISITIVO

VALOR DEPRECIADO

VALOR AMORTIZADO

SALDO

Tabela 15 Fonte Geréncio de Planejamento e Controle

R178 012 67

R 570 06

R128 328 4

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 111


5613 Controles internos

O SESCOOPCE aperacionaliza as atividades de controles internos através da Gerência de Planejamento e

Controle e têm por objetivos proteger seus recursos assegurar que seus registros contábeis e financeiros

são precisos e confiáveis promover a eficiência de seus funcionários encorajar o cumprimento de suas

determinações

A atuação da Gerência quanto aos controles internos podem ser classificadas como de natureza

preventiva detectiva ou corretiva A primeira é realizada com a finalidade de evitar a ocorrência de

erros desperdícios ou irregularidades enquanto a segunda são aquelas paro detectar erros desperdícios

ou irregularidades no momento em que eles ocorrem permitindo a adoção de medidas tempestivas de

correção e por fim o controle corretivo são os projetados para detectar erros desperdícios ou

irregularidades depois que já tenham acontecidos permitindo a adoção posterior de ações corretivas

Os controles de natureza preventiva são aqueles que mais exaustivamente são trabalhados uma vez que

todas as áreas do SESCOOPCE são capacitadas para o entendimento e aplicabilidade na rotina da

instituição dos normativos a que esto se submete desde os objetivos e finalidades declarados no seu

Regimento Interno e dos competências e atribuições dos órgãos deliberativo e de fiscalização além da

Diretoria Executiva até as portarias editadas de forma mais frequente e sistêmica

As normas internos mais usuais são de pessoal bens patrimoniais aquisição e uso do veículo reembolso

de plano de saúde incentivo ao desenvolvimento compra simplificada e fundo fixo A aplicação de todas

elos é de responsabilidade dos funcionários especialmente designados através de portarias pela

presidência do SESCOOPCE onde todos os demais funcionários a estas normas ficam submetidos e

operacionalizam as atividades meio ou finalística do SESCOOPCE Dai a necessidade de bem conhecê

las

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 112


Em 2010foram editadas 9 nove portarias de finalidades diversas o seguir relacionadas

001 2010

Nomeia a Comissão de Avaliação para

Ascensão Funcional dos empregados

SESCOOPCE

05

2010

05 04 2011

002 2010

Determina o cumprimento do resultado

da Avaliação para Ascensão Funcional dos

empregados SESCOOPCE

31 03 2010

003 2010

Designa a funcionária Sandra Andréa

Gomes Costa Pereira do SESCOOPCE para

responsabilizarse pelo cumprimento dos

objetivos da NR 5 Comissão Interna de

Prevenção de Acidentes no âmbito do

SESCOOP CE

L

05 04 2010

05 04 2011

004 2010

Designa a funcionária Ana Paula Cunha

Campeio do SESCOOPCE para

responsabilizarse pelo controle FUNDO

FIXO DE CAIXA do SESCOOPCE

05 04 2010

05 04 2011

005 2010

Regulamenta o pagamento de diárias

passagens e demais despesas de viagens

aos membros dos Conselhos

Administrativo e Fiscal aos empregados

prestadores de serviços e convidados do

SESCOOPCE

05 04 2010 05 04 2011

006 2010

Nomeia a Comissão de Avaliação de bens

patrimoniais do SESCOOPCE

05 04 2010

05 04 2011

007 2010

Altera os membros do Comissão

Permanente de Licitação

r

05 04 2010

05 04 2011

008 2010

Designa a funcionária Sandra Maria

Sombra Moreira do SESCOOPCE para

responsabilizarse pelo uso guardo

manutenção e controle do veiculo do

SESCOOPCE

05 04 2010

05 04 2011

Nomeia Comissão de Seleção em Processo

Seletivo para contratação de novo

empregado SESCOOPCE

Tabela 16 Fonte Gerência de Planejamento e Controle

05 07 2010

í 05 07 2011

Todos os processos de compra de bens e serviços do SESCOOPCE passam por rigoroso fluxo de processo

que se inicia na unidadegerência demandante e encaminho se para a autorização pela

superintendência após o que é realizado o enquadramento quanto à modalidade limites e tipos de

licitação de acordo com os Art 5 e 6 da Resolução n43

2006 concorrência convite concurso leilão

ou pregão Mais usualmente o convite e a concorrência são adotados nos processos de compras de bens

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Pagina 113


ou serviços sendo realizados no exercício de 2010 um total de 9 nove processos de licitação 3 três na

modalidade convite e 6 seis concorrência conforme detalhado nas Tabelas 17 e 18

A Comissão de Licitação do SESCOOPCE é composta de 3 três membros titulares e 1 um

suplente Todos funcionários capacitados com permanência de 1

rodízio

um ano após o quê acontece um

Já os processos por dispensa de licitação em 2010 totalizaram 43 quarenta e três e são formalmente

estruturados dentro dos princípios enumerados no capitulo I da resolução de licitações e contratos

Neste sentido e só após o autorização pela superintendência da requisição pela demandante é que se

formaliza as empresas no mínimo 3 três e que atendam ao objeto da aquisição e que estejam em

situação de regularidade perante o Caixa Econômico Federal CRFFGTS e da Receita Federal do Brasil

relativas à Tributos Federais e Dívida Ativa da União além das Contribuições Previdenciárias CNDINSS

a solicitação de cotação de preços com os característicos do produto ou serviço além das condições e

prazos de entrega e pagamentos Em se tratando de produto de natureza mais técnica e especialmente

serviço é anexado um Projeto Básico que contempla todo o detalhamento e especificidade da compra ou

contratação A tabela a seguir detalha as dispensas realizadas com respectivos objetas base legal e

valores Tabelo 19

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 114


O

O3

C

G

O

ç

OU

b

0

W

IO U

LO

rd

O

W

O

j

4 Ú

I

Cl

10

R

O

1 rrt

O

0ti CO

CO

O

o2 OU

O

ã

ó


ICC

é

r

1 9

j

2

2

CSPRO

Centrd

de

Sl

stemos

e

Projetos

LTDA

O

105 cc

k

à

0

III

CG

t

go

O

f

28

m

os

e 001089

6I

N

00

L8

8LZ

d

7V1O1

e

g

j

O

é

CO

CO

cc

2

00

008

EP

H

00

8EE

Z8E

H

7V1O1

O

0 mi JÇ

ck r

Cu

Cu

ak

o

oOÌ m

2u

ta 22

wCs

e

o

t2J

b

ia okog4r EOa

O2

lE

ÌaoOi

E

Ç

g

na

e

iE

k

mie

encadernações

er

de

iços

de

materiais

prod

çõo de

a

ne

11

presto

õo

de

serviços

de

re

rodu

õo

de

cóplos

l

CO

o

ct

O

Serviço

Nacional

de

Aprendizagem

do

Cooperativismo

no

Estado

do

Ceará

SESCOOP

CE


1

o

tci

00

los t3

1

i0 k7

tts

o

Çu

CO

toa

1


0

001

OJ

t1 EE 0

CbE t

Cn

CC

en

co

cc

1

cc

8

p

f

n0

1

o o

cc

001000 313 oo 30

Cc

Fr

o

e

CS 0

031

oo

kZ

kcZ

oo

Ea8O

ul

IQ

O0 uS

12C3

k

14

tele

10

2

k S2 NP

U

Ço

N

Cri

O

o

S

Ne

CTI

c


co

É

CA cc

n1

0í mlo

01

o

cu of

o

C 2 2 o et2cco

4Cct

to

k

o m e

o

n

E

CL

O

itu

f

O

o

co so

k

i @

Eli

R aO k

f O1 a to o

i7

JE3

f O

grk

o

Ca

kO

13 o

Ca

bra

O

O

o

702

Pta

u

Surtiu

CY

o

N

IN

O

cn

kCO

k

o

CD

Ca

CO


Cu

c

o

Cn

ou

ka

0

o

O

o

o

o

o

CC

cc

2

8

8

2

cc

ec

1

cc

Ltzi

up

k

tf

E

VI

çn

o

0c 3 12 2

lo E

t

E

Ç3Ol

0

Cs

o

o

oo

o

VI

coN

rei

O

o

CO


IE E

Q

ó

do J

Io

1a

dC

Ot

Ú O

CON

0 I eO 11 O 1 1 O

3 7

N o o N O

CN C N

ói

Ca

ó

O p O Cl CO

Se Si 2

ao

7 7 1

O O W O O b O o O o O b

g ro o g N O N M 0 N O

la O U a

C Óc C N o C N c C N

O O OI O

b rei k0 T b rtj b rei

O Q O Q O Qj O O

1 0

O 2N NÓ

O p

z

o

a

á9

a

p

nO 0

O 0

r0 0 E


0

0 O

o 0

ou

u y F h á ú a o 01 2 w c

y o c ói m ó

n uaUa UN ú u

O

CO

COn

CO Co 1 O O 0 a

a

a

o

asN G

O

O

e

á

0

as

O w

á

E o

Elap Z Ó O

E

á L N

O

O

Ó

á õ

n o

O v a O a

E V O F G a

O Ó a

y N 4t j Ú tO tp

E

Cr

mC u p ui agi O NO N

O

a

o a y o 0 ó á c ó

Q

á o jh u

a a E

á7 WN O Nf

O

eu a a w 9 v é ó

o 0C

u

O

ry a

o 0a O

p

N xo ú S á a çI ó N o 0 S o ó

a b C y a O Cu E a a

a ó e u

Ol U 0 1

O

Ó

Ó

O

0 P

á 0

W

N

é

j

O O

y

I0E

E

ka

ç

E

Ú

a 0

ó É

0 ti

áá

O

u E

h0 O m o51 ao

G

C

áMC YNÓ u CoO J

o C E O H O O

è 0 ég o ã á ó

Eo

4n

0a

2c

i

O c Z

a o

g Ca Et1T0

0 0 J O O

e

Ú Eti 9 u Sá


Óm

0 o a u

2

ny u p n y O 8 C

c 7 a o Q

a c t óéFg

óá ognceá

Ú

p c o y

I oe l

O

Ó

Ó

O

Ó

Óesi

m

ti

2

O

ó

ó

OC

ó


ó


oúp

dóY

3

Q

Q

d NH

1 g

P w

Ia

ate

O Op

J E

j o i á

ç mco

G

01 CO

1Cb

8

b

8

Z35

O

0

N

cc O

b ct O Ó

Q t 2

0

0 u3

y 40O

Os CC

mO

O Q

Q 1 Z

C

1

C

L O Z E

E

v

O

ò

e O

cgd OL 10 0 q

o

E

c

ã U E

O 4z235 I

GO

uO

ó

O O W u 0 O

o i

M

o

O 1C Uo N O O a O

ã m i Z O w Cu Cl c

O O y Ó M I N E

C823 aái v

p

O

a a

n E y

O p W p

0 p 2 á r

w w

y õ a o O

c O ó á é N

O n N á U W O n Ó 8 O

Ó C p 0 Ó y 8 O Ú C c

o o ó a a E a 0 o ó 0 É

O o

ó a á 0 v É ú ó ó E

O á 0a á

O E o o ó

m

O c

ó O

co E En

01 c

1

OM

Oti

Oti

Oti

Ó

Tti

N

C3 O

0

Ó

M


O Controle de Patrimônio responsável pelo ativo imobilizado e intangível do SESCOOPCE é exercido

pela Comissão de Inventário e Patrimônio e coordenada pela Gerência de Planejamento e Controle e está

descrito no item5612 Gestão de Patrimônio do presente Relatório

A norma de aquisição e

Licitação em caso de alienação do bem e

uso do veículo é caracterizado por ser operacionalizada pela Comissão de

de aquisição de veículo novo e ainda pelo funcionário

designado e responsável pelo uso manutenção guarda e controle do veículo de propriedade do

SESCOOPCE A manutenção é realizada preventiva de acordo com a manual de revisões e assistência

técnica do veículo e corretivamente sempre que necessário 0 controle de soída e chegado do veículo

também é exercido pela funcionária que registra no mapa todos os dados do condutor percurso

quilometragem data e horário consumo de combustível servindo o mapa utilizado para o

monitoromento quanto ao consumo e despesas com combustível além de identificar o condutor quanto

aos registros futuros quanto às infrações de trânsito onde caberá ao mesmo assumir os custos gerados

das multas O funcionário é instado ao pagamento das multas mediante notificação e encaminhamento

do auto de infração e pagamento pela Gerência de Planejamento e Controle que após o pagamento

arquivará o mesmo

Ainda com relação ao veículo do SESCOOPCE é feito a renovação de seguro com cobertura total de

110 contra danos materiais furtos roubos e colisões e corporais morte e invalidez mediante

processo de dispensa de licitação através da apólice de seguros n03 31 2380280 da Allianz Seguros SA

com vigência de07 02 2010 até07 02 2011 Desde a sua implantação até as dias atuais não houve

registros de sinistros

Os controles de pessoal são realizados pela Gerência Administrativa e Financeira e atende a requisitos

corno pastas de funcionários com a documentação exigida pela Norma de Pessoal entre os quais estão

os exames admissionais periódicos e os demissionais É também esta Gerêncio que são feitos os

controles de freqüência dos funcionários com

licenças

os devidos registros de faltas atestados médicos e

Ainda com relação aos recursos humanos do SESCOOPCE estes contam com os benefícios de vale

transporte valealimentaçãorefeição plano de saúde e odontológico 0 desenvolvimento humano do

pessoal do SESCOOPCE está previsto em Norma própria que incentiva a capacitação e a qualificação

através da concessão de taxo de inscrição e bolsa de estudo para os diversos níveis graduação pós

graduação e mestrado e que após a conclusão dos mesmos serão apresentados para fins de

proporcionar aos colaboradores oportunidades e perspectivas de ascensão funcional definida no Plano

de Cargos e Salários da instituição Anualmente é realizo estudo por Comissão de Ascensão Funcional

especialmente designada através de portaria para realizar a progressão dos funcionários que se

submeteram no ano imediatamente anterior a programas de capacitaçãoeou qualificação

A Gestão de Contratos e o seu efetivo controle de execução são realizados pela Assessoria Jurídica

conjuntamente com a Gerência de Planejamento e Controle e visa o cumprimento de as obrigações

contidas nos termos de contratos formalizados pelo SESCOOPCE recebimento do objeto prazos

garantias vigência custos alterações através de aditivos acréscimos ou supressões inexecução do

objeto sanções e penalidades A Gestão de Contratos além dos aspectos legais na execução torna se

imprescindível para o planejamento da instituição urna vez que o acompanhamento destes

instrumentos antecipa a instauração dos processos licitatórios no perspectiva de que o SESCOOPCE não

comprometa a realização das suas atividades

Os pagamentos referentes aos contratos de prestação de serviços eou fornecimento de materiais só são

autorizados pela Superintendência e Presidência mediante a conferência dos documentos fiscais e de

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 123


liquidação validados pelas Gerências Administrativo Financeira e de Planejamento e Controle desde de

que esteja atestado o seu recebimento no verso do nota fiscalfatura pela unidade recebedora sendo

esta a mesma que requisitou a contratação ou o fornecimento do material No coso de materiais de

consumoexpediente após o recebimento e atesto é encaminhado para o almoxarifado do SESCOOP CE

para fins de registro de entrada e controles de saídos futuros 0 SESCOOPCE mantém local apropriado

paro a guardo destes materiais

Os controles internos relativos ás questões de ordem financeira e contábil é

de responsabilidade da

Gerência Administrativo Financeira e viso dar precisão e confiabilidade aos informes e relatórios

contábeis financeiros e operacionais na geração de informações adequadas e oportunas paro a

compreensão dos fotos e eventos relevantes garantindo assim um espelho da situação econômico

financeira da instituição Na instrumentalização destes controles o Gerência dispõe de ferramentas de

lançamentos contábeis e financeiros especialmente desenvolvidos para o SESCOOP o ZEUS 0 Programa

ZEUS dispõe de vários módulos orçamentário contábil financeiro patrimonial

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 124


O562 Divulgação

Comunicação

As ações da Assessoria de Comunicação se diversificaram em 2010 Muitas foram as realizações e

participações em eventos do Sistema OCBSESCOOPCE que tiveram o suporte deste setor ou que foram

encabeçados pelo mesmo

Coube a Assessoria de Comunicação o acompanhamento e orientação do confecção de materiais

institucionais gráficos e de divulgação dando direcionamento ao design e construindo conteúdos

específicos para os peças criadas ou adaptando os às necessidades existentes como no caso do

acompanhamento da reedição da cartilha do Projeto Sorrisõo em formato de revista em quadrinhos

reeditada com o intuito de ser distribuída nos locais onde o projeto foi desenvolvido

Também foi de responsabilidade da Assessoria de Comunicação o acompanhamento gráfico de mais

uma edição do folder institucional o

qual contém

informações gerais sobre o cooperativismo e as

ações desenvolvidas pelo Sistema peço de divulgação

distribuída em diversas ocasiões 1105 eventos em que

estivemos presentes

Outro produto gráfico acompanhado foi o folder do

setor de Autogestão

produto elucidativo para as

cooperativas que contém os programas

desenvolvidos e as suas diversas etapas

Ano passado foi lançado o Catálogo de Cursos do

Sistema contendo todas as ações de Formação

Profissional ofertadas pelo SESCOOPCE desde a suo

fundação até 2010 A finalidade desta ferramenta

era possibilitar que os cooperativas instituições

parcerias e grupos interessados em constituir

cooperativas pudessem conhecer o leque de ações

ofertadas e assim terem a chance de solicitar o

realização dos mesmos coso tivessem interesse

A Assessoria realizou ainda o acompanhamento do folder com a programação dos cursos do ano de

2010 para divulgação dos mesmos junto ao público interessado

COOPCE

SEPCOOP SES000P CEmeSES

C SES000 PItf COOPKE7

SESCOOP T

curstn garanta

a ma pal

IFolder com a programação de cursos 1

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 125


A participação do Sistema OCBSESCOOPCE em eventos de grande destaque na cidade foi uma das

estratégias de divulgação de suo marca e de seus produtos e serviços Tais eventos contam sempre com

a coordenação da Assessoria de Comunicação que realiza o acompanhamento da montagem dos

estandes a divisão da escola de participação dos funcionários entre outras atividades Em tais ocasiões

eram distribuídos folders institucionais apresentados vídeos sobre cooperativismo sorteios de livros

entre outros Os estandes serviam de ponto de apoio para os interessados em saber mais ou tirar

dúvidas sobre questões relativas oo cooperativismo

Foi o que aconteceu no XIV Seminário Nordestino de

Pecuária PECNORDESTE 2010 no qual foi montado

um estande que esteve à disposição das cooperativas

para que também pudessem divulgar suas atividades

produtos e serviços 0 PECNORDESTE 2010 aconteceu

no período de 14 a 17 de junho no Centro de

Convenções do Ceará

Outro evento que contou com o participação do

Sistema foi a 56g Exposição Agropecuária e Industrial

do Ceará

Expoece que aconteceu de 19 a 26 de

setembro no Parque de Exposições Governador César Cals No

estande

Estande montado no PECNORDESTE 2010

ocasião

também foi montado um

O Sistema 0CB SESCOOPCE também foi parceiro das cooperativas na realização de eventos

importantes como 0 11 Simpósio do Cooperativismo de Crédito do Ceará realizado no auditório do

SEBRAECE entre os dias 11 e 12 de novembro e o 19 Congresso da Cooperativa dos Profissionais de

Enfermagem do Ceará CCPENCE

A Assessoria de Comunicação se responsabilizou pelo acompanhamento das peças produzidas poro tais

eventos como folders cartazes banners e lonas além da divulgação e cobertura jornalístico gerando

notícias para os veículos de comunicação do Sistema e mídia em geral

0 Dia Internacional do

Cooperativismo DIC comemorado

no primeiro sábado de julho que

em 2010 ocorreu no dia 37 é um

evento produzido e organizado pelo

Sistema OCBSESCOOPCE por meio

da Assessoria de Comunicação que

consiste no realização de uma

manhã de apresentações culturais e

de prestação de serviços à

comunidade Todos os anos o

Quadrilha Arraiá do Bairro Ellery durante o Dia Internacional

empoderamento feminino

do Cooperativismo na Praça do Ferreira

evento segue a temática definida

pelo Aliança Cooperativa

Internacional AC1 que em 2010 foi

A mulher e o cooperativismo

conquistas e desafios para o

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Pagina 126


fré 9

am Julho

Internacional

2010

Cooperativismo

Comemore com a gente

das 08 As ithOamantTâ na Pcái do Ferreira

ssao cl tarlevaCde Trabalhão RG massoterapi

avidades od nt loas q adnlha Oiti ost

TUDO GRÁTIS

www

brasilcooperatívo

A mulher e o cooperativismo 1

ce6monea J

1

Arte do Topdoor que circulou pela cidade em 32 vons

1

Cerca de duas mil pessoas passaram pelo Praça do Ferreiro local de realização do evento tendo a

oportunidade de fazer teste de glicemia medição de pressão massoterapia emissão de RG entre outros

serviços além de assistirem a diversas apresentações artísticas de dança e música

O referido evento teve boa repercussão de mídia espontânea gerando sete matérias nos dois principais

jornais da cidade Diário do Nordeste e 0 Povo além de ser pauta do site Avo Antônio Viana Online e

do Blog do Mocário entre outros veículos eletrônicos e ainda foi destaque na Câmara de Vereadores do

Estado com um pronunciamento feito pela vereadora Amélia Bezerra PTNCE Os principais canais de

TV também fizeram cobertura do evento

O Sistema em parceria com as

cooperativas investiu em midia paga

por meio radiofônico com o

veiculação de spots na FM 93 no

Disque Toque programa de maior

audiência no horário e em mídia

exterior com a produção de topdoors

que circularam na traseira de 32 vons

da cooperativa de Transporte

Complementar COOTRAPS

4r

t

InyntlInflarti

Rfptiinfi nmo i

sfim Uóvfi rti

tt iRr br

ãRf

Visto da frente do palco montado na Praça do Ferreira Centro

da cidade durante o Dia Internacional do Cooperativismo

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 127


JIM

A mulherioot

coopermMsno

I

Squeeze

1

Para o DIC 2010 foram produzidas várias peças

especificas tais como camisetas squeezes banners

laterais de palco e faixas para as tendas montadas na

Praça do ferreira no Centro da Cidade

Em 2010 a Assessoria de Comunicação ficou

responsável pela coordenação do projeto pioneiro

intitulado Cooperativismo no Ceará Sociedade

História e Memória cuja finalidade é realizar uma

vasta pesquisa que possibilite o registro dos principais

fatos do cooperativismo cearense desde os primórdios

até á contemporaneidade 0 projeto resultará na

confecção de um livro um vídeo institucional uma

revista em quadrinhos e uma peço de teatro de

mamulengos

É também de competência da Assessoria de

Comunicação o manutenção da Homepage

institucional do Sistema OCBSESCOOPCE sendo de

sua responsabilidade a atualização dos conteúdos e a

inclusão diária de noticias além da criação de layouts

para os banners de divulgação de eventos e licitações

entre outros

rnno 4ie e sna ers

nìee ia

1 Site do Sistema OCB SESCOOPCE 1

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 128


0 atendimento à imprensa com fornecimento de releases e

dados solicitados é outra das atividades desenvolvidas pelo

Assessoria de Comunicação bem como a divulgação interna e

externa das ações desenvolvidas pelo Sistema

S

Também é parte do trabalho da

Assessoria de Comunicação a execução

Informativo

eletrônico do Sistema do informativo eletrônico semanal do

OCBSESCOOPCE Sistema que ano passado publicou 39

edições indo do n2 138 publicado no dia

15 de janeiro de 2010 até o n2 177 de 17 de dezembro de

2010

mau mmwroa nv mc ana4 019

em Pernambuco

A Assessoria de Comunicação do Sistema começou a fazer

parte integrante do Conselho Editorial da revista do SESCOOP

Saber Cooperar participando de discussões e reunião sobre

o conteúdo da revista Também participou de encontro com

profissionais de comunicação da região nordeste realizado

Muitas das atividades desenvolvidas pelos outros setores contam com o suporte da Assessoria de

Comunicação na discussão de estratégias específicas e no desenvolvimento de conteúdos com vistas à

melhor eficácia dos trabalhos realizados

Muito embora se tenha dar urna grande visibilidade na comunicação externa do Sistema como um todo

neste último ano especialmente nas ações inerentes ao Dia Internacional do Cooperativismo além das

demais ações finalísticas como Seminário do Crédito lançamento do livro Educar para Cooperar

relatando às experiências do COOPERJOVEM na Estado dentre outros não menos importante os custos

destas não são lançados dentro do programo Divulgação de ações institucionais e sim dentro de cada

centro de custo específico da atividadeação finalistica

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceara SESCOOPCE Página 129


57 Indicadores de Desempenho Operacional

571 Indicadores de Eficácia

Nome índice de Aplicação dos Recursos

IAR

Descritivo calculo o percentual de investimento total realizado em relação ao previsto excluindo se

recursos provenientes do FUNDECOOP

Fórmula Investimento total realizado

Investimento total previsto

ÉLEMENTOS

INVESTIMENTO TOTAVR EAL IZADO

rNVESTIMENTO

TOTALtPREVISTOa

N0ICE DE APLICAÇAO DOS

RECURSOS IAR

Nome Média de Participantes por Evento

2008

MPE

Descritivo calcula o número médio de participantes por evento

2009

2010

1 1007 489 44 1330 435 091r 1701 596 641

1631 490 00 1818 591 00 1964 64600

61 75

r 1 73 151

1 86 611

Fórmula Total de participantes

Total de eventos

ISELEMENTOS

ITOTAL DE PARTICIPANTES

MEDIA DE PARTICIPANTES POR

EVENTO MPE

Nome índice de Aceitação de Apontamentos

1 15 881

IAA

2009

12 22811 15 22011 16 7901

770 376 526

1

40 47

Descritivo calcula o percentual dos apontamentos que foram acatados pelas unidades estaduais

auditadas

Fórmula Apontamentos acatados

Apontamentos realizados

X2 010

1 31 921

ELEMENTOS

APONTAMENTOS ACATADOS

APONTAMENTOS REALIZADOS

INDICE DEACEITAÇAO DE

APONTAMENTOSIAA

2008

L

5i

1 71 431

7

2009

66

1

1 1

I

0

1

Para fins de mensuração do total de apontamentos re lizados e os que foram efetivamente acatados

foram considerados aqueles realizados pelas Auditoria Internas do SESCOOP e pelas Externas Não

foram realizadas nos períodos em referência apontamentos eou recomendações pelos Órgãos de

Controles Internos

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Pagina 130


572 Indicadores de Eficiência

Nome Investimento Médio por Participante

IMP

Descritivo calcula o valor médio investido em eventos por participante

Fórmula Investimento total

Total de participantes

fINVESTIMENTO TOTALl1

ITOTAVDE PARTICIPANTES

INVESTIMENTO MÉDIO

PPARTICIPANTEIMP

2008

82 39

L

Nome Investimento Médio por Evento Realizado

Descritivo calcula o valor médio investido por evento

IME

2009

1007 489 441 1330 435

09 1701594

12 228 15 120 16 790

87 41 101 34

1 1 1

Fórmula Investimento total em eventos

Total de eventos realizados

ELEMENTOS

INVESTIMENTO TOTAL EM

EVENTOS

ITOTALTDE EVENTOS REALIZADOS3

rINVESTIMENTO PEVENTOREALIZADO

MÉDIO

1007 489 441

770

1308 42

1

X2009 1

1330 435 091 1 1701 596 64I

376

r 3538 391

526

3 234 97

1

15 13 Indicadores de Efetividade

Nome Índice de Fortalecimento do Sistema

IFS

Descritivo calcula relação entre o valor investido pelo SESCOOPCE em ações finalísticas e a variação

do valor arrecadado pelo SESCOOPCE no último período em relação ao período anterior

Fórmula Voriacão do valor arrecadado

Valor investido

el

VARIAÇAO DO VALOR

ARRECADADO

ÍNDICE DE FORTALECIMENTO DO

SISTEMAIFS

358 806 46

1007 489 44

1

035614

2009112010

1 118 623 291

1330 435 09

1

08916 I

1 132 239 05 1

1701 596 64

1 07771 1

Nota Observase que o índice encontrado resultante da variação entre o valor arrecadado e o valor

investido pelo SESCOOPCE nos ações inalísticas ficou abaixo de R100 Entretanto este desequilíbrio

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 131


entre a receita de arrecadação e aos investimentos realizados foi compensado pela captação de recursos

de parceiros via Termos de Transferências de Recursos eou Convênios formalizados especialmente com

o Unidade Nacional do SESCOOP bem como de receitas oriundas de aplicações financeiras e do

superávit acumulado de exercícios anteriores

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 132


CAPÍTULO 6

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

A gestão orçamentária e o planejamento institucional do SESCOOPCE têm por finalidade contribuir para

a transparência e o aperfeiçoamento das práticas de governança corporativa

O

programa de trabalho orçamento do SESCOOPCE na forma da reprogramação aprovada pelo

Conselho Nacional envolveu recursos no total de R 218 051 00 As receitas atingiram o valor de R

2035 119 61 o que representou variação de negativa de85 em relação ao previsto

As aplicações alcançaram o montante de R1910 856 60 correspondente a86 15 do previsto para o

exercício

161 Receitas

Na decomposição do receita total a receita de contribuição proveniente do contribuição mensal

compulsória oriunda das cooperativas receita direto foi de R1261 824 06 e constituise um

percentual de 62 98 da arrecadação líquida da unidade estadual Este valor efetivado sofre uma

variação de 723

em relação à estimativa

lá o receita patrimonial sofreu ligeira variação negativa de 16

entre o previsto e o realizado por

tratarse de receito cuja estimativa atrelase a índices e percentuais econômicos variáveis

As transferências correntes são compostas pelo valor do repasse suplementar de recurso do FUNDECOOP

Resolução n 387 09 de17 03 2009 SESCOOP de R540 000

e os valores referentes à execução dos

Projetos Especiais FUNDECOOP n 018 2008 Projeto de Formação em Cooperativismo no Ceará Curso

de Pós Graduação Lato Sensu TURMA 11 e 011 2010 Projeto Cooperativismo no Ceará Sociedade

História e Memória R25 187 17 e R24 839 76 respectivamente

0 valor de R 420 32 creditado ã Outras Receitas Correntes Diversos referese à conta recuperação de

despesas dos cheques de n 180 708 e 180 714 emitidos em24 10 2008 e não compensados segundo

orientação da auditoria externa realizada no início do exercício de 2010

Por fim a previsão de outras receitas de capital seriam aquelas oriundas de saldos de exercícios

anteriores que se estimava complementar o total das receitas para o cumprimento do conjunto de

ações detalhadas no Plano de Trabalho cujo valor de R 259 706 00 não foi efetivamente utilizado em

decorrência de fatores com a contração de ações finalísticas com valores bem abaixo do estimado e

resultante de processos licitatórios de maior valor especialmente quanto ao Programa de

Desenvolvimento de Líderes PDL e do Programa de Desenvolvimento Gerencial PDG cujo custo total

do contratação sofreu uma redução de 21 77 além do 11 Simpósio de Cooperativismo de Crédito do

Ceará com custo a menor de 78 69 Ressalte se a inexecução do concessão de bolsas de estudos aos

dirigentes da Unimed Ceará no Curso de Pós Graduação em Gestão do Promoção e Assistência à Saúde

em Cooperativas Operadoras de Planos de Saúde prorrogada paro 2011

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 133


1 12aaa rf

C ITA E

RUBRICAS

CONTRIBUIÇÕES

1 RECEITAS PATRIMONIAIS

1 RECEITAS DE SERVIÇOS

r

TRANS RÉNCIAS

CORRENTES

OUTRAS RECEITAS

CORRENTES

ALIENAÇÃO DE BENS

TRANSFERENCIAS DE

CAPITAL

OUTRAS RECEITASDE

CAPITAL

RESULTADO

Tabelo 20 Fonte Gerência Administ

1

ORÇAMENTO ROPOSTO 1l 111 ECU 0 ORÇAMENTÁRIA 1

ARIA

R

R

176 745 00

185 000

834

596 000

26 87

600

1

259 706 00 11 71

tive e Financeira do SESCOOPCE

53 05

I

03

r

1261 824 061 62 01

182 848 30 898

590 026 93 28 99 100

420 32

1

E 218 051 001I1

1l 2035 119 61 1

Y 02

723

16

100 1I825

0

29 95

1

100

Gráfico 22 Execução orçamentária das receitas

e Receitas de Contribuições

OTransferências Correntes

Receitas Patrimoniais

IN Outras Receitas Correntes

02

28 99

62 00

898

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 134


162 Despesas

0 total de despesas foi de R1910

856 60 e represento um percentual de 86 15 em relação ao

previsto e se distribuem

Pessoal e Encargos Sociais Pagamento de salários e encargos sociais aos funcionários do

SESCOOPCE no valor de R853

720 70 representando44

67 do total dos despesos no exercício

Outras Despesas Correntes

É composto de despesas paro manutenção do funcionamento das

atividades meio e fim do SESCOOPCE cujo aplicação totalfoi deR1023

906 34

Investimentos

Refere se a aquisiçãoeou atualização de equipamentos de informática necessários

para suprir às deficiências tecnológicas do SESCOOP CE

ORÇAMENTO PREVISTO 9 ORÇAMENTO REALIZADO

RUBRICAS I VARIAÇÃO

PESSOAL E ENCARGOS

OUTRAS DESP ESAS

CORRENTES

INVERSÕES FINANCEIRAS

RESULTADO

t1 1 218 051

Tabelo 19 Fonte Gerência Administrativa e Financeira do SESCOOPCE

R

582

906 485 001 40 87 1 853 720 7011 777 44 67 1

1272 366 00 1 57 36

1

L

1

174 r

1 r

0011 100 11 1910 856 6011 100 I 13 85 1

Gráfico 23

Execução orçamentária por elemento de despesa

ORÇAMENTO REALIZADO

Pessoal e Encargos Sociais Outras Despesas Correntes a Investimentos

174

44 68

53 58

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estada do Ceará SESCOOPCE Página 135


CAPÍTULO 7

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A busca incessante no exercício de 2010 de efetivamente alcançar os resultados satisfatórios em

consonância com os objetivos do SESCOOPCE onde os esforços foram concentrados na harmonização

dos recursos administrativos humanos físicos orçamentários e financeiros estão claramente

demonstrados no presente relatório

A constatação do grau de eficiência e efetividade das ações mostra que as iniciativas focalizadas no

qualidade da capacitação de pessoas envolvidas nos empreendimentos cooperativos cooperados

dirigentes e funcionários do Ceará proporcionaram em diversos momentos do ano o destaque de tais

empreendimentos no cenário estadual

Ainda assim 0 SESCOOP CE tem observado fragilidades na gestão de diversas organizações

cooperativas e entende que poderão ser superadas Providências adequadas nos aspectos relacionados à

gestão dessas organizações poderão resultar no modificação desse quadro Entendese por oportuno e

necessário a execução de trabalho em médio prazo que promova a modernização da gestão das

organizações cooperativas na perspectiva de que possam contribuir para elevar os níveis de geração de

riqueza trabalho e rendo no Estado do Ceará

Desta forma desenhase para os próximos anos um conjunto de ações na consolidação da experiência

até aqui desenvolvida e do aprofundamento de estratégias que possam contribuir para que sejam

adotados modelos de gestão profissional através da formação profissional dos públicosalvo capazes de

equacionar os entraves para a elevação dos receitas dos cooperativas da efetiva participação dos

cooperados e consequente impacto na economia local dos municípios e regiões onde estão localizadas

A elaboração do Plano Estratégico do SESCOOPCE 2011 2013 é a preparação para este esforço de

construção de um futuro promissor para o cooperativismo com o seu fortalecimento e crescimento

sustentável o que certamente irá exigir grande capacidade de mobilização e execução adequando se a

novos desafios para o atendimento com qualidade para quem sabe um horizonte muito além das 158

cooperativas hoje registradas e atuantes seus 78 019 associados e5654 empregados

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 136


IANEXOS

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceard SESCOOPCE Página 137


o

E

ti

1

S

t

0

3

2

O

o

e

ë

Ú

OU

Cu

O

O

N

y O

N co W Ó O

á a

C d n na D ã o

FãEEae

i E

á 0

O

0 ó x v á

8 U W Q

eb

o

V

O

N

asn 1 N m

O h b n

1ko

C

W

V

0 ú

v

Sn

Ó

C

QO

j

C

O

o

n

W

CO

tuN

g

ó

tu

E

V

e


hl

oa

O

M

m

tei

e

3

X

2Q

4O

O

W

b

oO u

2j

te

0

O O p

w c n

2 obb

m 0 0 0 0

á O O m d 1

a

Ó

02 N N m Q


ó

C

C

N

oE

cc

0

LuOW

0

W

O

N

CO

r

W

Ó

O

sei

ti

L

J

APEILA

N

2

i

oN

E

O

CO

al

02d

Cl

C

4 h á

2

O

N

C

N

W

H

O

o

W

u

rMPAI

L

ó

i0

co

cc

cri

ti

l

N

W

cc

LLI

cc

W

4

0

C


IResumo

da prestação de contas sobre transferências concedidas pela UJ nas modalidades

de convênios e de contratos de repasse

A Unidade não realizou transferências na modalidade de convênio e de contratos de repasse em 2010

Visão geral das prestações de contas de convênio e de contratos de repasse

A Unidade não realizou transferências nos modalidades de convênios e de contratos de repasse nos anos

de 2008 2009 e 2010 razão pelo qual não há prestações de contas

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 140


ANEXO 111

Informações sobre a gestão de tecnologia da informação da UJ

1

QUESITOS A SEREM AVALIADOS

J

1 1S11 e4771

1Há

planejamentoinstitücional em vigor otexisteárea queffazoplanejamentoda

ffir garmattii27

121Há PlonejõméntãEstrdtégico paro o árecdê TI émvigor

3 Hácõrnit@ qúedecidasobrecipri iscçãodas açõeseini estimentosdeTI para

RECURSOS HUMANOS DE TI

4TQUantitatigodësërvidõres édê terceirizadosatundõnááreadéTl

15THácárreiras es etílicas para a áreaderTl niplanode corgos d5óigõõEntidãde7

1 píriaa Qr1UJL7dI YiriPG

específica responsabili ades definidas para lidar

estrategicamente com segurança da informa ão

ExistiPolíticadëSégirançadãinformaçãã PSIêriivigorquetenhasidõinstitúídá

mediante documento específico

a DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO DE SISTEMAS

8 ÉefetáadaTavaliãçãoParávérificar seos rectirsos de TI sãõcoaipotNeiscomas

ry

i u

970 desenvolvimento de sistemas ãandõfeitonaUlseguemetõdõlõiãdéfinida

LI

Ultfetuaragestão de dcordos de níveis de serviço dos solúçães de TI dó

rrgaoEntidade oferecidas aos seus clientes

111 Noséàntsbicelétirodospele Ul ëexigidoac cidevivei deseviços

CONTRATAÇÃO E GESTÃO DE BENS E SERVIÇOS DE TI11

12 NIVeI Bile participaçõõrdete eGizãoTde bens e serviços de TI em re õçãoo

desenvolvimento interno do próprio til

12 elaboração do projeto t ásico dos contratações de Tt são explicitados os

benefícios da controtação em termos de resultado para Ul e não somente em termos

T

AVALIAÇÃO

DLLDD

ECOO

1

2

1

tx DD

0E00

MO MC

3 O órgãoEntidade adõta trabalho formalizo do ou possui área

X

especifica de gestão de contratos de bens e serviços deiTI

14Há

transferénciodeconhecimentoparo servidoresdõórgãoEntidodereferente

a produtos e serviços de Tl terceirizados

CONSIDERAÇÕES GERAIS Os itens integrantes dos quesitos PLANÈJAMENTO I IP HU ANOS e

CONTRATAÇÃO E GESTÃO DE BENS E SERVIÇOS DE TI envolveram a Superintendência e a Gerência de

Planejamento do SESCOOPCE uma vez que não existe ambiente especifico na estruturo quanto à Gestão de

Tecnologia bem como funcionário contratado Demais quesitos como SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E

DESENVOLVIMENTO E PRODUÇÃO DESISTEMAS tiveram o opp p dótécnico de TIda empresa terceirizada

LEGENDA

X

X

0Q

61 11r0

fNiveisdë avaliação

1 Tõtãlmentê inválida Significa que a afirmativa é integralmente NÃO aplicada ao contexto da Ui

2Significa que a aft

sua minoria

sua maioria

90

RIO

C

motiva é parcialmente aplicado ao contexto do UI porém em

3 Neutra Significa que não há tomo afirmar a proporção de aplicação do fundamento descrito na

Afirmativa no contexto da Ul

4 Par lalmente válida Significa que a afirmativa é parcialmente aplicada ao contexto da UI porém em

5 Totalmente válida Significa que a afirmativa é integralmente aplicado ao contexto da UI

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 142


ANEXO IV

Reconhecimento de passivos por insuficiência de créditos ou recursos

1 JU4fr fàLTel 7S ÓRür lat9 1í4 1

MCÓDIGO 514P1

NÃO APUCÁVEL

L

NÃO APUCÁVEL

HFIN Jd7 11JY

CREDOR

CNPCPF

SALDO

FINAL EM

31 12 2009

MOVIMENTO

DEVEDOR

MOVIMENTO CREDOR

SALDO FINAL

EM

31 12 2010

ANEXO V

Informações sobre cumprimento da Lei8730 93

O SESCOOPCE em cumprimento dos obrigações estabelecidos na Lei n8730 de 10 de novembro de

1993 relacionados à obrigatoriedade no entrega e ao tratamento das declarações de bens e rendas

informa aos órgãos de fiscalização e controle que todos os agentes relacionados no Rol de Responsáveis

encontramse em dia com tais obrigações

ANEXO VI

Informações sobre gestão do patrimônio imobiliário de propriedade da União

A unidade não é gestora de patrimônio imobiliário classificado como Bens de Uso Especial de

propriedade da União ou locado de terceiros

ANEXO VII

Cumprimento das deliberações do TCU atendidas no exercício

Não houve deliberações por parte do TCU a serem atendidas pelo SESCOOPCE no exercício de 2010

Situação das deliberações do TCU que permanecem pendentes de atendimento no exercício

Não há situações de deliberações pendentes de atendimento pelo SESCOOPCE no exercício de 2010

uma vez que estas não foram registradas por parte do TCU

ANEXO VIII

Relatório de cumprimento das recomendações do órgão de controle interno

Não foram registradas recomendações por parte dos órgãos de controle a serem cumpridas pelo

SESCOOPCE no exercício de 2010

ISituação

das recomendações do órgão de controle interno que permanecem pendentes de

atendimento no exercício

Não há situações de recomendações pendentes de atendimento pelo SESCOOPCE no exercício de 2010

uma vez que estas não foram registradas por parte do órgão de controle interno

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 143


ANEXO IX

informações sobre Estrutura de controles internos do UJ

eASPECTOS 00 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

1 IJiWF114 94rlãtiLifftJ 1

1 Os altos dirigéntesrda UIrpërcebit õs controles internos como vessernciois à

consecução dos objetivos unidade dão suporte adequado e

f

os servidores e fupionbros nosdiversosn1és da estruturado unidade

2 Osmecanismos gerais decontrole instituídos pela Uisão percebidos por todos

13 VA rnWlicãçõõdéntrõdã UJ é cdequadãéeficiente

r4 uxistecádigõformalizadddeéticaoude conduto

5 Os procedimentos instruções opérãcioiidis são padrãnizãdos

postosem documentos formais

metas da unidade

estão

Há mecanismosquegarantemõúincentivam a participação dos fünclonários e

servidores diverso estrutura 0 UJ 1112 elaboração dos X

procedimentos das instruções operacionais ou código de ética ou conduta

7 Anélegáçõesdéãutorrda déécõmpëténciósão acompõnhõdasdëdéfiniçõés

claras das responsabilidades

18 TExisteidegãada segregação de funçõesnos processos docompetênciãdaW 1E

Osmnt7olés internosãdotados tkontribõémporáõconsecuçãodos resultãdãs

planejados pela UJ

AVALIA ÃO DE RISCO

rJci3

f10 Osõbjetivosémeiardaunidõdejãrrsdicionddáestãoformalizidei

11fH6 clara identificação dosprocessofcríticosparodconsecuçãõdosobjetivose

12 tt ráticádaúnidãdëodiagnósticodosriscosde Wigemititema ou extemaj

envolvidos Cal processos estratégicos bem como 0 identificação da

probabilidade de ocorrência desses riscos e a consequente adoção de medidas

para mitigálos

13Éprática dajunid odej

definição de niveis de riscos operacionais de

informaçõese ddeconformidade que podem ser assumidos pelos diversos níveis

AVALIAÇÃO

mrijrijrijuj

X

0E10

rflccc

X

J

X

m

XX

DCJUÓ

X

X

avaliação 0 riscos feita

mudanças 0 perfil Cb risco CD

W

orma

contínua

ocasionadas

modo

transformações

enti icar

X

1S1rOs riscos identificados são mensurados e classiiimdas de modo a serem

trotados em uma escola de prioridades e a gerar informações úteis ó tomada

16 Existéhistóricodefraudeseperdasdecorrentes defragilidadesnosprocessas

internos da unidade

17Y siga ocorrência de fraudesedesvios7é práticodounidadeinstaurarsindicância

es e sor 05

18 Há normaoüregulamentoparaásatividadesdegüardaaestogúéeinventárió

de bens e valores de responsabilidade da unidade

PROCEDIMENTOS DE CONTROLE

19 Existem políticas e ações de natureza preventiva ou de detecção para

diminuir os riscos e alcançar os objetivos da UI claramente estabelecidas

20 As atividades de controle adotadas pela Ul são apropriadas e funcionam

rozo

217AsatMGidddè deèontolëadotadaspelo U1 possuemctsto apropiãdo coh el

ort r

de bene Idos que possam derivar de sua aplicação

27As atividades de controle adotadas pela W são abrangentes e razoáveis e

estão diretamente relacionados com os objetivos de controle

X

D

D

EIDEDH

X

un

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 144


Ih734 lUter P tJ 34

23A informação relevante para UJ é devidamente identificada documentada

armazenado e comunicada tempestivamente às pessoas adequados

24 As informações consideradas releõentes pela U1 são dotddds de qúdlidadé

suficiente poro permitir ao gestor tomar as decisões apropriadas

2A informação disponível à UI é apropriado tempestiva atual preciso e

26A Info7tha ão divulgada internãmënte atendfJàstexpeectotiúas dos diversos

grupos e indivíduos da Ul contribuindo para a execução das responsabilidades

rfn

27A comunicaçãodas

informações perpasseiodosos niveis

hierárgtiicosdaW

todas CD direções todos CD Min componentes toda Cl MD

rnff tl7 1i

1

2810 sistema de controle interno da Ul é constantemente monitorado para

avaliar sua validade e qualidade ao longo do tempo

2970 sistema de controleintemõdcFUJ tem sidoconsíderodoodeqrodoefetivd

30 Osistemade controle interno doJJtemicontribúídopara ramelhoriadeseü

n 0

0000

X

0000E

LLL E

ÒÓÓÔ

moo

CONSIDERAÇÕES GERAIS Para os itens 1 a 10 e 16 o 27 foram respondentes o presente anexo a

Superintendência e a Gerência de Planejamento e Controle do SESCOOPCE com base nos processos e fluxos

de controles internos já implantados no U em atendimento ao cumprimento às determinações do órgão

deliberativo e de fiscalização Conselhos de Administração e Fiscal naquilo que é competência de cada

Conselho além das recomendações do órgão de controle interno da Unidade Nacional do SESCOOP á os itens

12 13 14 15 28 29 e 30 são controlados e monitorados pelo Assessoria de Auditoria e Controle da Unidade

Nacional eporrtonto

foramresçpj didas com base na matriz de risco da mesmo

G NA

Níveisde Avaliação

1 Totalmente inválida Significa que o fundamento descrito na afirmativo é integralmente não

aplicado no contexto da UI

2 Parcialmente inválida Significo que ofundamento descrito na afirmativa é parcialmente

aplicado no contexto do UI porém em sua minoria

3J Neutra Significa que nõo há tomo afirmar a proporção de aplicação do fundamento descrito na

afirmativa no contexto da Ul

4 Parcialmente válido Significa que o fundamento descrito na afirmativo é parcialmente aplicado

no contexto da UI porém em sua maioria

5 Totalmente válido Significa que o fundamento descrito na afirmativo é integralmente aplicado

X

Serviço Nacional de Aprendizagem da Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 145


n ANEXO X

Gestão ambiental e licitações sustentáveis

OSSi AGSTA AMB

LICITAÇÕES SUSTENTÁVEIS

1 AUJ teminlúidocritériosdesustëhtãbilidãdeam biental éhsuaslkìtã ções que

elZa CGD consideração processos extração fabricação utilização O

descarte dos produtos e matérias primas

rl m houver concordância 621D e afirmação

ficados

COMO critérios

Emumaanálisédasãgüisiçõés dosúltimoscincõanos Tosprodútosotúalrnérité

são produzidos com menor consumo de matériaprima e

maior uantidade de conteúdo reciclovet

A aquisição de produtos unidãde féita dando se preferên cia acue

fabricados por fonte não poluidora bem corno por materiais que não prejudicam a

natureza ex produtos de limpeza biodegradáveis

4 Nosprãcëdin ie ntoslicitatárioscealizodos pélamidãde tëmsidoconsiderada

existência certificação ambiental por

empresas participantes

produtoras e ISO tomo critério avaiiativo ou mesmo condição no aquisição de

produ os e serviços

Q houve concordânciaa com a

acima qual certificação ambiental

tem sido considerada esses procedimentos PAPEL RECICLADO

61 CDultim

oexercício a unidadeYãdqúiriuflbenspr odútos que colaboram para o

menor consumo energia água torneiras automáticas lâmpadas

econômicos

Se houver concordância com a afirmação acima qual o impacto da aquisição

desses produtos obre consumo agua energia TORNEIRAS

6 No último exercício a biiidãde adquiriu bensprodútos reciclados ex pé

reciclado

qr1 m houver concordância GOMO afirmação acima foram produtos

WAVALIAÇÃO

nTiri lr13175

X

1r

X

X

X

Inffip

X

X

7 N5últim oexerc íciõãã institúiçüocdquiriivéíctilosautomotoresmaiseficientes e

menos poluentes ou que utilizam combustíveis alternativos

s houver concordância O afirmação GOMO critério específico

8 Existe uma preferência peio aquisição de bensprodutos passíveis de

reutilização reciclagem ou reabastecimento refileou recarga

Ot 0D houver concordância GUEI a afirmação cima corno essa preferência te

sido manifestada nos procedimentos Rotatórios

9 Para a aquisição de bénsprodútos é levada CM

conta CD aspectos dê

durabilidade e qualidade de taisbens produtos

107Os projetos básicos au execútiJos na contrdtãção de obras e serviços de

engenharia possuem exigências COO MO O economia manutenção o

operocionalização edificação redução consumõ energia agua 00

utilização de tecnologias e materiais que reduzam o impacto ambiental

1 o uni a ocorre seporoçao dos resíduos recrclaveis descarta os

sua destinoção como referido no Decreto n25940 2006

2

COM

12 Nosúltimosexercíciosra UJ prornoveucampanhãs entrosser ridõrefvisandoa

diminuir o consumo de água e energia elétrica

lgJ m houve concordânciaCiiq afirmação acima CO procedeu O

campanha palestras folders comunicações oficiais etc

1 Nos últimos exercícios 8 promoveu campanhas conscientização

necessidade proteção OSM ambiente preservação lGb recursos naturais

voltadas paro os seus servidores

Q houver concordância

eme afirmação Cama como procedeuOD

n I r fol de rs comum ç ciais etc

Lea

n

u

X

X

X

X

X

X

X

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 146


CONSIDERAÇÕES GERAIS artfciparam a ova fação do gestão ambienta e icrtaçoes sustentaveis a em do

erintendênciq a Assessoria Jurídica e membros da Comissão de Licitação do SESCOOP CE

1141W1

Níveisde Avaliação

1 Totalmente inválido Significa que o fundamento descrito no afirmativo é integralmente não

aplicado no contexto da W

2 Porcialmente inválida Significa que o fundamento descrito no afirmativa é parcialmente aplica o

no contexto do UJ porém em suo minoria

3 Neutra Significa que não há como afirmar a proporção de aplicação do fundamento descrito na

afirmativa no contexto da UJ

4 Parcialmente válida Significo que o fundamento descrito na afirmativa é parcialmente aplicado no

contexto do UJ porém em suo maioria

5 Totalmente válida Significa que o fundamento descrito no afirmativa é integralmente aplicado no

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 147


I

14 Demonstrativo dos despesos correntes realizadas por grupos e elemento de despesa

GRUPOS DE 4riLllTríixi 1

DESPESA

IDESPESAS DE PESSOAL

X2009 2010

R766 369

R853 720 70

VENCIMENTOS E REMUNERAÇÕES 1 R492 244 9rR540 675

ENCARGOS SOCIAIS PATRONAIS

INDENIZAÇ ES TRABALHISTAS

REMUNERA ÕES VARIAVÉIS

BENEFlCIOS SOCIAIS

BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS

2 JUROS E ENCARGO Í

13OUTRAS DESPESAS CORRENTES

I

R160 313 92 R 178 888 11

11

R113 810 94 1

1 11

R770 207

R134 157 561

R1023 906 34

I DESPESASWM 61RIG NTES E CONSELHEIROS

R 9825 07 1 R 181 703

OCUPd O E SERVIÇOS PÚBUCOS R 135244 49 R137 080 87

DESPESAS DE COMUNICAÇAO

R7287 82 1 R4585 871

MATERIAL DE CONSUMO

R151 650 81 R99 240 38

MATERIAL DE CONSUMO DURÁVEL

1W675 11 R1000 761

PASSAGENS ELOCOMOÇÕES R43 143 78 R50 984 23

DIRIAS E HOSPEDAGENS

1 R80 009 50j R91 875 00

OUTRAS DESPESAS O VIAGEM

LO

ÇOES

MATERIAIS E DIVULGAÇÃO

IMATERIAIS PARA TREINAMENTO

PREMIAÇOES 1

SER VIÇOS DE DIVULGAÇAO NSI7TUCIONAI

AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTE

1

AUXILIOS EDUCACIONAIS

AUDITORIA E CONSULTORIA

SERVIÇOS ESPECIALIZADOS

PI

J L

I

L

I

R13 881 83 1

R16 749 5611

R20 294 8011

R474 52

R300 0011

R9774 80

R131 904 55r

R 841 85

R6380 001

R24 768 821

R58 760 40 1

R2083 22

R32 100

R466 903 50

SERVIÇOS DE TRANSPORTES R 5768 66 R6560 33

RVIÇO GERAIS PI

R 3769 75 1 R2667 611

ESTAGIARMOS

R16 307 50

OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS PE 1 11

1OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS PI

R13 544 68

ENCARGOS SSERVIÇOS DE TERCEIROS

R758784 1

1SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PF R27 760

SERVIÇOS GERAIS PF

R 583 28 I

IMPOSTOS TAXAS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS

IMPOSTOS TAXAS E CONTRIBUIÇÕES ESTADUAIS 1 R133 38 t

IMPOSTOS TAXAS E CONTRIBUIÇÕES MUNICIPAIS

OUTRAS DESPESAS TRIBUTARIAS

rDESPESAS FINANCEIRAS

CONVENIOS COMÁ UNIÃO

GULAMENTARES

1 R88 0011

R11 220 00

R5643 08

R6522 16

00 R13 360 00

R 999 62

CONVENIOSINST PI AE t r á E

1 1

R83 801

R 132 691

R 200

R 730 07

R61 641 58 1 1

1

1

1

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 150


1

5 Demonstrativo de despesas de capital por grupo e elemento de despesa

GRUPOS DE

DESPESA

1

1 R1900 001

1ila PIiLì i

RS 899 00 R33 229 56

11 71 pI94aSIfils GLR441T4 1 r

1 J

6OUTRAS DESPESAS DE CAPITAL

VALORES PAGOS

2009

1

2010

R2799 00 R33 229 56

16 Demonstrativo da evolução de gastos gerais

2MAMAS E RESSARCIMENTO DE DESPESAS

EM VIAGENS

t35R VIÇOS TERCEIRIZADOS

L21VIGILÂNCIAyLIMPEZA

EÇONSERVAÇÃO

3 TECNOLOGIA DA

INFORMAÇÃO

34OUTRAS TERCEIRIZAÇO S

4CA RTÃO DE PAGAMENTO DO GOVERNO

FEDERAL

5SUPRIMENTO DE FUNDOS

1 temal 1

1

L

2008

I

2009

1

l

R61 899 19 R42 022 58

R32 805 00

rR 17 600 001

r

R 1871 90

R149 641 11

íR80 009 5011R91

875 001

1 R26 400 001

1

R9067 74

1

2010

R50 390 43

R29 465 021 1 R20 294 8011R58

760 401

1 R24 112 001

1

R7184 11

R177 794 621fR232

321 941

e

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 151


8 Resumo das programações de despesas

ORIGEM DOS CRÉDITOS

ORÇAMENTÁRIOS

EXERCÍCIOS

DOTAÇÃO PROPOSTA PELA

Ul

ORÇAMENTO APROVADO

ORÇAMENTO

REFORMULADO

TOTAL

DESPESAS CORRENTES

R878 667 00

R878 667 00

R1855 520 00

R1536 138 00

S1536 138 0

R2095 907 00

kg3612 854 92j JUS5168 183 00

DESPESAS CAPITAL

R41 500

R20 500

R41 500

R ZOSMQOo

R97 200

R19 836 00

180 200 0011136

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 153


10 Quadro Despesa por modalidade de Contratação Créditos originários do UJ

MODALIDADE DE

CONTRATAÇÃO

eL CITAÇA40

1

fDESPESACOMPROMETIDA INDESPESA PAGÃ

EZD 2009

CM

373 291 551r 201 100

CONVITE

001 208 555 301

201 100

CONCORRÊNCIA 46 800

416 613 00 00 231 861 80

PREGAO

CONTRATAÇÕES DIRETAS

rDISPENSA

lNEXIGIBILIDADE

REGIME DEEXECUÇAO

ESPECIAL

111 J 1 1

1 80 031 75r222 643 901 74 491

80 211 596 70

SUPRIMENTODE FUNDOS

9067 74 7184 11 9067 74 7184 11

U4GAM NTODE PESSOALI1 1 11 L 1

MENTO

PAGA EM FOLHA 552 00 567 450 00 492 244 90 540 675 03

jl

DI RIAS

OUTRAS

C 158 080

00f1 126 125 00H

X80 009 5011 91 875 001

I11 Quadro Despesa por modalidade de Contratação Créditos recebidos da UJ

convênios e FUNDECOOP Projetos Especiais

MODALIDADE DE

CONTRATAÇÃO

LICITAÇÃO

PREGAO

CONTRATAÇÕES DIRETAS

REGIME D EREECUÇAO j

DESPESA

COMPROMETIDAIDESPESA TPÃGÃ

C

CONVITE 1 1

CONCORRÊNCIA 1 208 780 00

DISPENSA

lNEXIGIBILIDADE

E

9 11 11

1 48 825 60J 14 080 00 47 785 603

L

jSUPRIMENTO

DEFUNDOS

PAGAMENTO DE PESSOAL ir A 1

PAGAMENTO EM FOLHA

1

Dl S

1

il

24 806 00

1

14 080 001

1 JI L 1

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 155


1

Quadro Despesas correntes e despesas de capital por grupo e elemento de despesa

Créditos recebidos da UI convênios e FUNDECOOP Projetos Especiais

IGRUPOS

1 DESPESAS DE PESSOAL

DESPESA

VENCIMENTOS E REMUNERAÇ ES

t

1ENCARGOS SÕCIALS PATRONAIS

1 DENIZAÇOES TRABALHISTAS

REMUNERAÇÕES VARIÁVEIS

BENEFÍCIOS SOCIAIS

BENEFICIOzsTENTizsS

I0 P r

DE

r DA

317 OUTRAS DESPESAS CORRENTES

I DESPCDIRIGENTES É CONSELHEIROS

OCUP AÇ ÃO E SERVIÇOS PUBUCOS

VALORES PAGOS

1

2009

11

2010

C

1

1

R

11

11

Ir

11

172 011 91 R

C

64 288 45

DESPESAS DE COMUNICAÇÃO

r

11

1

I MATERIAL DE CONSUMO

R 19 725 05 R 8523 48

MATERIAL DE CONSUMO DURÁVEL

L

11

1

PASSAGENSE LOCOMOÇ ES

R 12 754 45 R 2364 05

IDIARIASEHOSPEDAGENS

I R

14 000 0011R 100 001

OUTRAS DESPESAS DE VIAGEM

LOCAÇÕ S R

6894 73 C i

MATERIAIS E DIVULGAÇÃO

R

1609

315 261

MATERIAIS PARA TREINAMENTO

I PREMIAÇÕES

SERVIÇOS DEDIVULGAÇAO INSTITUCIONAL

AUXILIO FINANCEIRO AÉS ri

rAUX1LIOS ÉDUCACIONAIS

AUDITORIAECONSULTORIA

SERVIÇOS ESPECIÁLIZADOS PJ

1 SERVI ÇOS DE TRANSPORTES

SERVIÇOS GERAIS

PI

1 ESTAGIÃRIOS

OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS PF

OUTROSSERVIÇOS DE TERCÉIROSPJ

ENCARGOS S SERVIÇOS DE TERCEIROS

SERVIÇOS ESPECIALIZADOS

SERVIÇOS GERAIS PF

IMPOSTOS TAXAS E CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS

MPOSTO SECO l UIÇÕES ESTADUAIS 1

IMPOSTOS TAXAS E CONTRIBUIÇÕES MUNICIPAIS

rOUTRASDESPESASTRIBUTARIAS

DESPESAS FINANCEIRAS

PF

1

F

1

1

1

1

1

R

1I

11

0

11

11

11

ir

11

li

410 00 R

306 76

1

1

1

j

1

i

1

3

1

1

I

i

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 156


TRANSFERENCIAS REGULAMENTARES

CONVÊNIOS COM A UNIAO

CO VENTO INST PRIVADAS S FINS LUCRA TIVOS1

47INVESTIMENTOS

BENS INTANGIVEIS

L

R

61 641 581 1 1

1

E

1

1 i

OBRASEINSTALAÇOES

ENS MÓVEIS

AQUISIÇÃÔ DE IMÓVEIS

I AQUISIÇAO DE BENS P REVENDA

16 OUTRAS DESPESAS DECAP TAa

1

I

1

1 J 1 1

1 1 1

I

j

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 157


I2

Quadro Despesas correntes e despesas de capital por grupo e elemento de despesa

Créditos originários da UJ

GRUPOS DE

VALORES PAGOS

DESPESA

2009 2010

I r

1DESPESAS DE PESSOAL

R 766 369

R

LVENCIMENTOSEREMUNERAÇÕES

ENCARGOS SOCIAIS PATRONAIS

INDENIZAÇ ES TRABALHISTAS

r REMUNERAÇÕESVARIAVEIS

I BENEFICIOSSOCIAIS

BENEFTCIOSASSISTENGAIS

3OUTRAS DESPESAS CORRENTES

DESPESAS COTO DIRIGENTES E CONSELHEIROS

OCUPAÇÃO E SERVIÇOS PUBUCOS

DESPESAS DE COMUNICAÇAO

MATERIAL DE CONSUMO

1 R

r

R

CR

492 244 901C R

160 313 92

11

113 810 94 11

1 tt

R

CR

R

CR

R

Cr

600 994 16

9825 07

135 844 49

7287 82

131 925 76

MATERIAL DE CONSUMO DURAVEL 6881 25 R

PASSAGENS ELOCOMOÇÕES R 30 389 33

R

R

R

CR

R

L

R

R

R

R

R

R

474 52

300 0011

9774 80

114 257 551

5768 66

3769 7511

11 010 00

13 544 68

11

315 84jr

583 28

R

R

R

R

R

R

R

R

R

R

R

R

R

R

R

R

R

853 720 70

540 675 031

178 888 11

134 157 56

992 847 45

181 70

137 080 87

4585 87

716 90

1000 761

48 620 18

DIARIAS E HOSPEDAGENS

CR 66 009 5031

R 89 775 00

OUTRAS DESPESAS DE VIAGEM

R 841 85

LOCAÇÕES

MATERIAIS E DIVULGAÇÃO

rR 6987 10 I

R 6380 001

IMATERIAIS PARA TREINAMENTO

R

15 139 961

R

24 453 561

PREMIAÇ ES

1

SERVI ÇOS DEDIVULGAÇg0INS77TUGONA

R

20 294 80 ir

R 58 760 401

AUXÍLIO FINANCEIRO A ESTUDANTE1

AUXIUOS EDUCACIONAIS

4UDITORIAECONSULTORIA

SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PJ

i SERVIÇOS DETRANSPORTES

rÊi4

ESTAGIÁRIOS

OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS PF

1 OUTROS SERVIÇOS DE TERCEIROS PJ

ENCARGOS SSERVIÇOS DE TERCEIROS

SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PF

SERVIÇOS GERAIS

PF

IMPOSTOS TAXAS E CONTRIBUTÇà ES FEDERAIS

1 IMPOSTOS TAXAS E CONTRIBUIÇOES ESTADUAIS

IMPOSTOS TAXAS E CONTRIBUIÇÕES MUNICIPAIS

OUTRAS DESPESAS TRIBUTÁRIAS

1DESPESASFINANCEIRAS

1

R

88 001

R

133 38 R

589 62

R

R

2083 22

32 100

442 097 501

6560 33

1

2667 611

5100

5643 08

129 26j

83 80

132 691

200

423 31

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 158


TRANSFER NCIAS REGULAMENTAR 5

I CONVÉNIOS COM A UNIÃO

rCONVENIOS INST PRIVADAS 5i FINS LTJt AT1VDÓ1

BENS lM VÉIS

1

OBRAS EINSTAZAÇOÈS

rBENS MÓVEIS

5 INVERSÕES FINANCEIRAS

AQUISIÇÃO DE IMOVEIS

AQU15 ÇAO DE BENS P REVENDA

1

6rOUTRAS DESPESAS DE CAPITAL

r 1

r L 1

R 2799 00 R 33 229 56

R 1900

R

R 899 00 R 33 229 56

1

1

1

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Pagina 159


OX

2

Q

EM

III

ANEXO

X11

Demonstrações

Contábeis

o

O

ão

ti

e

Eai

Serviço

Nacional

de

Aprendizagem

do

Cooperativismo

no

Estado

do

Ceará

SESCOOP

CE

Página

160

La

c9G1cr

ae

e6L

tfIL

losELRL

a99e

IOlel

m

LSOLLTs

rendlagem

do

Cooperativismo

o

Orçamentado

Tm9w

a

Despela

CESPESAS

CORRENTES

YtSSUAL

hrEAMUUS

S11UAIS

OIITRAS

CPSPF

Sag

CCRRF

Ml

FF

Cf5R5As

De

CAPITAL

INVESTIMENTOS

INVCNOòCO

rinmccINAo

allnyeaans

VISOR

1Y101

RL

lr8ml

LWel

ltmL

mLSnnuz

EIIOIaaa

VEIOS


oesu Contabilidade

1 I Dezembro 2010

4 2010 BALANÇO FIN RECEITA

Página I

75 03 201 I

suco pcs CARÁ Serviço Nac Aprena latem 66

AI NC Ere I

10 27 59

Código ConIAGI

Descrição da Conta

Realização

ORÇAMENTÁRIO

01 RECEITAS CORRENTES

411

RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES

4 1 2 RECEITAS PATRIMONIAIS

414 OUTRAS REGERAS CORRENTES

415 TRANSFERENCIAS CORRENTES

2935 119 61

2035 119 61

1261 824 06

182 848 30

420 32

593 026

RECEITAS EXTRA ORÇAMENTARIAS

CRÉDITOS DE VALORES A RECEBER

11PR VISAO PARA PERDAS

ADIANT E OUTR VIAS A RECEMPR

ADIANT E OUTR VLRS A REG TERCE

OUTROS CRÉDITOS

CAUÇÕES E DEPÕSITOS EM GARANTI

ALMOXARIFADO

CONVÊNIOS ACORDOS E PROJETOS

DESPESAS ANTECIPADAS

REALIZÁVEL A LONGO PRAZO

FORNECEDORES

VALORES A PAGAR

ENC E CONSIGNAÇÕES DE TERCEIRO

IMPOSTOS E TAXAS A RECOLHER

FOLHA DE PAGAMENTO

RECEITAS DE CONTRIB A REPASSAR

OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS

PROVISÕES

OUTRAS OBRIGAÇÕES

OBRIG POR CONV ACORD E PROIET

VARIAÇÕES FINANCEIRAS

AUMENTO DO ATIVO

REDUÇAO DO PASSIVO

1431346 45

00

oa

116 906 92

00

00

00

00

00

79 597 03

00

262 207 24

300

41 157 38

00

671 075 60

00

00

131 365

125 169 60

00

3747 03

00

SALDOS DO EXERCICIO ANTERIOR

101 NUMERÁRIO DISPONÍVEL

102 CONTAS BANCÁRIAS VISTA

103 CONTAS BANCARIAS A VISTA CONVÉNIOS

1 Oi APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ IMEDIATA

5105 APLICAÇÕES DE LIO IMEDIATA CONVÉNIOS

1919341 21

00

638 35

15 993 90

1851447 46

14 261 50

TOTAL

5386 007 27

João Nicedio Alves Nogueira

José Arilo Carneiro Pereira

Contador

09016643320

5129

Zeus 20

Balancete Resumido

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 161


oeeiea

Contabilidade

3 2010 BALANÇO RN DESPESA

Página 1

A Dezembro t 21111

aESCOCnci CEARÁ Serviço Nor Aprendizagem do C

Modr Em 11

25033 201 1

10 26 55

Código Contábil

Descrição da Conta

Realização

ORÇAMENTÁRIO

31

311

314 01

312

DESPESAS CORRENTES E OPERACONAIS

APLICACOES PRETAS PESSOAL E ENCARGO

APLICAÇÕES PRETAS PESSOAL

OUTRAS DESP CORRENTES E OPERACIONAIS

APLIC DIRETAS DESPESA ADMINISTRATIVA

APLIC DIRETAS DESPESAS INSTITUCIONAIS

APLIC DIRETAS SERVIÇOS DE TERCEIROS

APLIC DIRETAS DESPESAS TRIBUTÁRIAS

APLIC DIRETAS DESPESAS FINANCEIRAS

1910856 80

1877877 04

853 720 70

853 720 70

1023 906 34

385 790 66

91 992 44

545 060 48

332 69

730 07

DESPESAS DE CAPITAL

APLICAÇOES PRETAS INVESTIMENTOS

APLICAÇÕES PRETAS INVESTIMENTOS

33 228 50

33 229 56

33 229 56

DESPESAS EXTRA ORÇAMENTARIAS

CRÉDITOS E VALORES A RECEBER

PROVISÃO PARA PERDAS

APANT E OUTR VIAS A RECEMPRE

ADIANT E OUTR VLRS A RECTERCE

OUTROS CRÉDITOS

CAUÇÕES E DEPÓSITOS EM GARANTI

CONVÊNIOS CONCEDIDOS

ACORDOS DE COOPERAÇÃO TÉCNICA

PROJETOS ESPEGIFICOS

ALMOXARIFADO

DESPESAS ANTECIPADAS

CRÉDITOS DE LONGO PRAZO

CONTAS A PAGAR

FORNECEDORES

CONSIGNAÇÕES A RECOLHER

IMPOSTOS E TAXAS A PAGAR

SALÁRIOS A PAGAR

OBRIGAÇÕES SOCIAIS A RECOLHER

PROVISÕES

OUTRAS OBRIGAÇÕES

OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS

OPERAÇÕES INTERNAS E EXTERNAS

VARIAÇÕES FINANCEIRAS

CANCELAMENTOS

ATIVO

INSCRIÇOES PASSIVAS

SALDOS PARA 0 PROXIMO EXERGO

101 NUMERÁRIODISPONIVEL

102 CONTAS BANCÁRIAS À VISTA

103 CONTAS BANCÁRIAS À VISTA CONVÊNIOS

L1OS

TOTAL

APLICAÇÕES CE LIOJIDEZ IMEDIATA

APLICAÇÕES DE LIOIMEDIATA CONVÉNIOS

1374 713 63

00

00

111 489 46

00

00

00

00

00

00

00

80 072 37

00

300

265 007 24

37 492 21

00

660 356 92

00

165 279 80

50 994 53

m

00

00

3731 30

2100436 64

00

401 45

8226 30

1991 594 92

96 214 17

5366801 77

Zeus 20

Balancete Resumido

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 162


ocmJcE Contabilidade 3 2010 BALANÇO FIN DESPESA

Onenbm 2010

EEicooPAa CEARÁ SerrtNn Apmdimum doC

Página

25 03 2011

Muda Kat 1 10 26 55

Código Contábil

Descrição da Gania

Realização

Cancelamentos

Ativo

3731 30

João Nicedio Alves Nogueira

09016643320

José Arilo Cameiro Pereira

Contador

5129

Zeus 20

Balancete Resumido

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 163


1

1

6001

@4 G 4

B

9

km

a

Ionarssoz

0101

5

a k w5 k

E619I5fl2

4

e

8

o o

0

kge

e

00mi e

OnKSVd

6001

E

kn k 0

4

f 8

n

2

k k

onlssvaoaBocal

ffi E

ookae d á Ék

k

4 NO

kewer0

nen

oi19ES90Z

5

e

o

0101

4743 ui aQc o 1

4

0

m

4

2 55m

B

E6 191 9itt

o

a

SESCOOP CE

Ceara

do

Estado

no

o

OAUV

21

1

k 0

f 28 5

n f

kJ cia


f

o

ATIVO

DO

TOTAL

Cooperativismo

do

Aprendizagem

de

Nacional

Serviço


caccfcr Contabilidade

YJ Dezembro 2010

1 2010 VAR PAT ATIVA

Página 1

25 03 201 1

nniZóànc a

CF ARÁ Serviçn Nac Aprendizagem dn C

oraram

am1 r

10251

Código Contãbil

Descrição da Conta

Realização

ORÇAMENTARIA

2089 349 17

RECEITAS

2035 119 81

RECEITAS CORRENTES

411

412

414

415

RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES

RECEITAS PATRIMONIAIS

OUTRAS RECEITAS CORREM ES

TRANSFERENCIAS CORRENTES

2835 119 81

1261 824 06

182 848 30

420 32

590 026 93

RECEITAS DE CAPITAL

00

VARIAÇÃO PATRIMONIAL

61 1

RESULTANTES EXEC ORÇAMENTARIA ATIVA

6It01

MUTAÇÕES PATRIMONIAIS ATIVAS

33228 59

33 229 56

33 229 56

INDEPEND DA EXEC ORÇAMENTARIA

AUMENTO DO ATIVO

3747 03

3747 03

SOMA DAS VARIAÇÕES ATIVAS

2072á19820

RESULTADO DO EXERCICD

DEFICIT NO EXERCÍCIO

00

TOTAL DAS VARIAÇÕES ATIVAS

2072 098213

João Nicedio Alves Nogueira

09016643320

José Arib Cameiro Pereira

Contador

5129

Zeus 20

Balancete Resumido

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 165


Contabilidade

Oca CE Denenbm 2010

2 2010 VAR PAT PASSIVA

SEK001 ct CEARA Serviço Nac Aprendlmurm da C

amima ame t 1

Página 1

25 031 011

IO k16

Código Contábil

Descrição da Cont

Realização

ORÇAMENTARIA

1910856 80

DESPESAS

1810856 00

DESPESAS CORRENTES E OPERACIONAIS

APLICAÇÕES DIRETAS PESSOAL

APLIC DIRETAS DESPESA ADMINISTRATIVA

APLIC DIRETAS DESPESAS INSTITUCIONAIS

APLIC DIRETAS SERVIÇOS DE TERCEIROS

APLIC DIRETAS DESPESAS TRIBUTARIAS

APLIC DIRETAS DESPESAS FINANCEIRAS

1877621 04

853 720 70

385 790 66

91 992 41

545 060 48

332 69

730 07

DESPESAS DE CAPITAL

APLICAÇÕES DIRETAS

INVESTIMENTOS

33229 56

33 229 56

VARIAÇ PATRIMONIAIS PASSIVAS

42 703 00

RESULTANTE EXEC ORÇAMENTARIA

42 763 00

RESULT EXEC ORÇAM PASSIVA 00

51 01 01 Bens Imóveis 00

Std0L02 Bens Móveis 00

51 01 03 Bens Intangíveis 00

510104 Alienaçãode Investimentos 400

51 01 05 Inscrição Empréstimos Concedidos 00

51 01 99 Outms Variações Palamoniais Passivas 00

61DEPEND EXEC ORÇAMENTARIA 42 763 00

REDUÇÃO DO ATIVO 42 753 00

AUMENTO DO PASSIVO 00

DESPESAS EXTRA ORÇAMENTARIAS 00

SOMA DAS VARIAÇÕES PASSIVAS

1853 619 60

RESULTADO DO EXERCICIO

SUPERAVIT NO EXER CICIO

118 476 00

TOTAL DAS VARIAÇÕES PASSIVAS

247289620

João Nicedio Alves Nogueira

09016643320

José Arilo Cameiro Pereira

Contador

5129

Zeus 20

Balancete Resumido

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 166


sescoo PicE

SERVIÇO NAOONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO NO ESTADO 00 CEARÁ SESCOOPCE

DEMONSTRAÇÃO DOS BUXOS DE CAIXA MÉTODO INDIRETO

EM 310E DEZEMBRO DE 2010

Vaiam expressos em ReMs

2010

FLUXO DE CAIXA PROVENIENTE DM OPERAÇÕES

Saperávit Défidt líquido doexerddo A 118 47460

Ajustes para recondliar o superá t déficit do exercido com

recursos provenientes de atcidades aperad anais

Depredação e amortização 39031 70

Balsas do ativo imobilizado

Baixas do ativo intangível

Soma 157508 30

Redução aumento nos caos

Outros créditos 8 5417 46

Estoques 8

Despesaspflas antecipadamente 8 475 34

Convênios acordos eprojetos 8

Realizável a longo prazo 8

Soma B 4942 12

Aumento redução nos Pastos

Comas a pagar C 2800

Salários encargos sodals e imposto a pagar C 14 383 85

Prosls6es trabalhistas a pagar C 33594 15

Outrasobrigaçôes C 74 105 07

gdgações de longo prazo

C

Soma C 51 87477

RECURSOS LÍQUIDOS GERADOS NASAT11nDADES

OPERACIONAIS A8C 214325 19

ROXO DE CAIXA UTILIZADO NAS ATIVIDADES DE

INVESTIMENTOS

Adçôes ao ativo permanem e D 33 229 56

Adçbes ao ativo Intangível

RECURSOS LIQUtDOS UTILIZADOS NAS ATIVIADADES

DE INVESTIMENTO Soma 3122RS6

D

FLUXO DE CAIXA UTILIZADO NASATMDADES DE

FINANCIAMENTO

Adç6es em empréstimos

Baixas em empréstimos

RECURSOS UQUIDOS UTILIZADOS NAS ATMADADES

DE FINANCIAMENTO

E

E

Soma E

AUMENTO NO CAIXA E EQUIVALENTES

0a8Ka0 E 181 095 63

DIsponlblidades no final do exercido F 2180 436 84

W 04sponibiiidades na inicio do exercido F 1919 341 21

AUMENTO NO CAIXA E EQUIVALENTES Soma F 181 09553

Jazo Nicédo Alves Nogu eira

José Arilo Carneiro P seira

Presidente Contada CRCCE5129

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 167


SESCOOPCE

Serviço Nacional de Aprendizagem do

Cooperativismo ao Estado do Ceacd

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO

EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

1 CONTEXTO OPERACIONAL

Em 3 de setembro de 1998 a Medida Provisória n 1715 criou o Serviço Nacional de

Aprendizagem do Cooperativismo Sescoop 0 Decreto n23017 de 6 de abril do ano seguinte

complementou o ato inaugural e instituiu os regulamentos e demais dispositivos que lhe

balizam a atuação

O Sescoop integra o Sistema Cooperativista Brasileiro e fornece lhe suporte em formação

profissional técnica e gerencial e na promoção social dos cooperados empregados e

familiares além de apoiar diretamente o operação das cooperativas

Seus recursos são de natureza para fiscal originamse das cooperativas que contribuem com

um percentual de2S sobre as folhas de pagamento

As responsabilidades sociais da instituição evidenciamse particularmente na ênfase conferida

às atividades capazes de produzir efeitos socioeconômicos condizentes com os objetivos do

Sistema Cooperativista

O Sistema Sescoop opera em todo território brasileiro Compõese de uma Unidade Nacional

a SESCOOP

UN com sede em Brasília e de 27 unidades estaduais que atuam nos 26 estados

do Federação e no Distrito Federal Conta em função dessa estrutura com grande

capilaridade o que entre outros vantagens confere lhe flexibilidade ímpar no atendimento às

cooperativas

0 SESCOOP está sujeito ainda a auditoria externa e tem sua execução orçamentária sob o

crivo do Tribunal de Contas da União o qual tem poderes para efetuar fiscalizações contábil e

financeira além de inspeções e auditorias operacionais e patrimoniais nos termos dos artigos

70 e 71 da Carta Magna e artigos 1g e 52 da Lei n8443 92 Lei Orgânica do Tribunal de

Contas da União

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 168


SESCOOPCE

SeMS Nacional de Aprendfragem do

Coepennivivno no Estado do Ceara

2

BASE DE PREPARAÇÃO E APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

As demonstrações contábeis foram elaboradas e estão apresentadas em conformidade com as

disposições contidas na Lei4320 64 e adaptadas aos regulamentos instituídos pelo Serviço

Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo

Cabe salientar que como a Instituição recebe recursos à Conta do Orçamento Fiscal e da

Seguridade Social esta fica obrigada a apresentar a execução da referida parcela de acordo

com a Lei4320 64 conforme estabelecido no art 101 que descreve que os resultados do

exercício serão demonstrados no Balanço Orçamentário Balanço Financeiro Balanço

Patrimonial e na Demonstração das Variações Patrimoniais

3 RESUMO DAS PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS

a Aplicações financeiras

Estão registradas ao custo acrescido dos rendimentos auferidos até a data do balanço e não

excedem o valor de mercado As receitas de aplicação financeira de convênios são lançadas na

conta valores a comprovar quando houver

b

Imobilizado

O imobilizado é demonstrado ao custo de aquisição menos depreciação e amortizações

acumuladas As depreciações e amortizações foram calculadas pelo método linear com base

em taxas determinadas em função do prazo de vida útil estimado dos bens

c

Passivos circulantes

Os passivos circulantes estão demonstrados por valores conhecidos acrescidos quando

aplicável dos correspondentes encargos e variações do exercício

d

Provisão para contingências

O SESCOOPCE não possui provisão para contingências

e Apuração do resultado

É adotado o regime de competência para registro das despesas e o regime de caixa para as

receitas conforme estabelece a lei ne4320 64

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Pagina 169


SESCOOPCE

ratMsmo no toda do Ceará

Servfço Madona de

do

f Receitas patrimoniais

Representam as receitas auferidas com rendimentos de aplicações financeiras

g Outras receitas correntes

Destinam se a registrar as receitas auferidas por indenizações e restituições de valores

h Transferências correntes

Registram as receitas auferidas por meio dos convênios firmados com entidades parceiras

4 CAIXA E BANCOS

São disponibilidades imediatas em caixa e contas correntes bancárias cuja posição nos

exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009 se encontra a seguir descrita Ressaltase

que a rubrica de Caixa representa os valores constituídos a título de Fundo Fixo

2010 2009

Contas bancárias à vista

Banco do Brasil

401 35 638

Contas Bancárias Convênios Banco do Brasil 8226 15 994

TOTAL 12 627 51 632

Os valores das contas estão devidamente conciliados conforme demonstrativos arquivados no

setor Contábil

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo na Estado do Ceará SESCOOPCE Página 170


SESCOOPCE

Serviço Madona de Aprendizagem do

CooperatMsmo no Estado do Ceara

5 APLICAÇÕES FINANCEIRAS

Estão registradas ao custo acrescido dos rendimentos auferidos até a data do balanço e não

excedem o valor de mercado

Instituições financeiras

Modalidade da aplicação 2010 2009

Banco do Brasil Liquidez Imediato

BB CDB Dl

1991 595 1853 448

Banco do Brasil Liquidez Imediata

Convênios

96 214 14 261

TOTAL

2087 809 1867 709

6 OUTROS CRÉDITOS

O grupo é formado por créditos diversos o

seguir

receber conforme composição apresentada a

2010 2009

Adiantamentos e Outros Valores o Receber

Empregados

5417

TOTAL

5417

7 DESPESAS PAGAS ANTECIPADAMENTE

2010 2009

Seguros a Apropriar 371 355

Despesos com Pessoal o Apropriar

603 6144

TOTAL

6974 6499

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCO0PCE

Página 171


SESCOOPCE

Sentço Nacional de Aprendizagem do

Cooperativismo no Estado do Ceará

8 PERMANENTE

81 Imobilizado

Taxas anuais cie

depreciação 2010 2009

Mobiliário 10 36 056 36 056

Veículos 20 47 990 47 990

Máquinas e equipamentos 10 84 520 84 520

Equipamentos de informática 20 135 826 102 596

Equipamentos de comunicação 10 530 00 530

304 922 271 692

Depreciação

177 925 139 273

TOTAL DO IMOBILIZADO 126 997 132 419

Adições e Baixas do Imobilizado

2010 2009

Aquisições Baixas Aquisições Baixas

Equipamentos de Informática 33 230 899 12 962

TOTAL 33 230 899 22 962

Serviço Nacional de Aprendizagem do Caoperadvismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 172


SESCOOPCE

Serviço Nacional de Apremtlzppem de

CooperandSme ne Estada do Ceará

82 Intangível

Abaixo demonstramos a composição do ativo intangível conforme determinado no CPC 04 e

NBC T 19 8 Resolução CFC n 139 08

Taxas anuais de

Direitos de Usa de Softwares

Amortização acumulada

amortização 2010 2009

10 1900 1900

570 190

1330 1710

Adições e Baixas do Intangível

2010 2009

Aquisições Baixas Aquisições Baixas

Sistema aplicativos software 1900

TOTAL 1900

9 FORNECEDORES

São obrigações componentes dos compromissos assumidos por conta das aquisições de bens e

serviços para manutenção das atividades finalísticas e meio da Entidade cuja posição analítica

nos exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009 estão descritos a seguir

2010 2009

Fornecedores

Fornecedores

Pl

PF

2800

TOTAL

2800

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 173


SESCOOPCE

xcooppe

10 ENCARGOS SOCIAIS E IMPOSTOS A PAGAR

mo de Esqdo

do

Ceore

Os valores desse grupo de contas representam as obrigações decorrentes da folha de

pagamento dos funcionários e demais pessoas jurídicas e físicas prestadores de serviços cuja

posição e comentários analíticos estão descritos a seguir

2010 2009

Encargos e Consignações de Terceiros a Recolher

Folha de Pagamento

Impostos e Taxas a Recolher

5633

31 695

1968

20 976

TOTAL 37 328 22 944

101 Encargos e Consignações de Terceiros a Recolher

11 PROVISÕES TRABALHISTAS

São obrigações com a provisão de férias abono pecuniário adicional de 13 dos férias

adicional de 13 do abono pecuniário e encargos sociais incidentes cujos valores são

provisionados mensalmente e baixados pela ocasião do concessão das férias bem como

provisões paro contingências e outras

2010 2009

Provisão de férias 24 963 50 497

Provisão de INSS 5férias 5906 11 968

Provisão de FGTS 5férias 1997 4040

Provisão de PIS5férias 249 505

TOTAL 33 115 67 010

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 174


SESCOOPCE

Serviço Nacional de Aprendlrapem do

Cooperativismo no Enodo do Ceará

12 CONVÊNIOS

2010 2009

Curso de Especialização 11 FUNDECOOP

Coop No CE Soc História e Memória

FUNDECOOP

6110 30 255

98 330

TOTAL

104 440 30 255

A conta registra as obrigações decorrentes de convênios acordos de cooperação técnica e

projetos firmados com entidades de direito público ou privado em que o SESCOOPCE seja

convenente

O aumento do saldo da conta refere se ao inicio do convénio Cooperativismo no Ceará

Sociedade História e Memória

13 PATRIMÔNIO SOCIAL

O Patrimônio Social é composto substancialmente de superávit e ou déficit acumulados Os

valores demonstrados abaixo se referem aos resultados dos exercícios de 2010 e 2009

2010 2009

Resultado Patrimonial Acumulado

Superávit do exercício

1942 377 1618 673

118 476 323 704

TOTAL

2060 853 1942 377

14 RECEITAS DE CONTRIBUIÇÕES

2010 2009

Contribuições SESCOOP

Contribuições Adicionais

1261 824 129 585

TOTAL

1261 824 129 585

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 175


SESCOOPCE

Serviço Nacional de Aprendizagem do

Cooperativismo no Estado do Ceará

15 RECEITAS PATRIMONIAIS

2010 2009

Receitas Imobiliárias

Receitas de Valores Mobiliários

Outros Receitas Patrimoniais

182 848 154 825

TOTAL

182 848 154 825

16 OUTRAS RECEITAS CORRENTES

2010 2009

Multas e Juros de Mora

Indenizações e Restituições

Recuperação de Despesas 420

442

TOTAL 420

442

17 TRANFERÊNCIAS CORRENTES

2010 2009

Transferências às Unidades Estaduais

Transferências de Projetos Especiais

540 000

50 026

540 000

75 224

TOTAL

590 026

615 224

18 VARIAÇÕES ATIVAS MUTAÇÕES

2010 2009

Bens móveis

Bens intangíveis

33 229 899

1900

TOTAL

33 229 2799

0 aumento na conta de Bens Móveis referese a aquisições de equipamentos de informática

feitas em 2010 pelo SESCOOPCE

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperadvismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 176


SESCOOPCE

Serviço Modorra de Aprendizagem do

Cooperativismo no Estado do Ceará

19 VARIAÇÕES ATIVAS INDEPENDENTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

2010 2009

Baixa de depreciação de bens móveis

Inscrições ativo 3747

22 581

3607

TOTAL

3747 26 188

20 APLICAÇÕES DIRETAS PESSOAL E ENCARGOS

2010 2009

Vencimentos e Remunerações

Encargos Sociais Patronais

Benefícios Sociais

540 675

178 888

134 157

492 245

160 314

113 810

TOTAL

853 720 766 369

21 APLICAÇÕES DIRETAS DESPESAS ADMINISTRATIVAS

2010 2009

Despesas com Dirigentes e Conselheiros 182 9825

Ocupação e Serviços Públicos 137 081 135 844

Despesas de Comunicação 4586 7287

Material de Consumo 99 240 151 651

Material de Consumo Durável 1000 6881

Passagens e Locomoções 50 984 43 144

Diárias e Hospedagens 91 875 80 009

Outras Despesas de Viagens 842 00

TOTAL

385 790 434 641

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 177


SESCOOPCE

Serviço Nacional de Aprendhogem do

Cooperanvlsme no Estado do Ceard

22 APLICAÇÕES DIRETAS DESPESAS INSTITUCIONAIS

2010 2009

Locações 6380 13 882

Materiais para Treinamento 24 769 16 749

Serviços e Divulgações Institucionais 58 760 20 295

Auxílios Financeiros a Estudantes 2083 474

TOTAL

91 992 55 400

23 APLICAÇÕES DIRETAS DESPESAS DE TERCEIROS

2010 2009

Auditoria e Consultoria 32 100 9775

Serviços Especializados RI 480 263 159 664

Serviços de Transportes 6560 5769

Serviços Gerais 2668 3769

Estagiários 11 220 16 308

Outros Serviços 5643 13 545

Encargos sobre Serviços de Terceiros 6522 7588

Serviços Gerais PF 84 583

TOTAL

545 060 217 001

24 APLICAÇÕES DIRETAS DESPESAS TRIBUTÁRIAS

2010 2009

Estaduais

Outros Despesas Tributárias

132 133

200 88

TOTAL

332 221

25 APLICAÇÕES DIRETAS DESPESAS FINANCEIRAS

2010 2009

Despesas Bancárias

730 999

TOTAL

730 999

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 178


SESCOOPCE

Serviço Nacional de Aprendi em do

Cooperadvhmo no Estado do Ceara

26 DESPESAS CORRENTES E OPERACIONAIS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

2010

2009

Transferências Regulamentares

61 641

TOTAL

61 641

27 DESPESAS DE CAPITAL INVESTIMENTOS

2010 2009

Bens Intangíveis

Bens Móveis

33 229

1900

899

TOTAL

33 229 2799

Referese Os aquisições ocorridas de equipamentos de informática no exercício de 2010

28 VARIAÇÕES PASSIVAS INDEPENDENTES DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

2010 2009

Variações Passivas de Bens Móveis 22 962

Amortização de Bens Intangíveis 380 190

Inscrição de Depreciação de Bens Móveis 38 652 39 272

Cancelamentos Ativo 3731 3560

TOTAL

42 763 65 984

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 179


SESCOOPCE

SeMS Nacional de Aprend m do

Cooperativismo no Estudo do ãeata

29 SEGUROS

0 SESCOOPCE possui os seguintes seguros de Bens Patrimoniais e veículo para os quais

apresentamos a posição nos exercícios findos em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Descrição do BEM Seguradora Data inicio

Data Importâncias Valor do

término Seguradas Prêmio

Merivaloy HYC0408 ALLIANZ 07 02 2009 07 02 2010 47 990 00 2120 26

Merivaloy HYC0408 ALLIANZ 07 02 2010 07 02 2011 47 990 00

Bens Patrimoniais ALLIANZ 07 02 2009 07 02 2010 223 701 81 1487 38

Bens Patrimoniais ALLIANZ 07 02 2010 07 02 2011 256 931 37

30 INSTRUMENTOS FINANCEIROS

Em atendimento ao Pronunciamento CPC 14 e NBC T19

Resolução CFC n 153 09 os

saldos contábeis e os valores de mercado dos instrumentos financeiros inclusos no balanço

patrimonial em 31 de dezembro de 2010 estão identificados a seguir

Valor Contábil

Valor de Mercado

Disponibilidades

12 627

12 627

Aplicações financeiras

curto e longo prazo

2087 809

2087 809

2100 436 2100 436

31 ASPECTOS TRIBUTÁRIOS

Do ponto de vista tributário o SESCOOP é uma Entidade isento do Imposto de Renda Pessoa

Jurídica por ser uma associação civil sem fins lucrativos que presta serviços paro os quais foi

instituída conforme Medida Provisória n91715 de 1998 e Decreto n3017 de 6 de abril de

1999

Está fora do alcance do tributação somente o resultado relacionado com as finalidades

essenciais das entidades sem fins lucrativos Assim os rendimentos e os ganhos de capitais

auferidos em aplicações financeiras de rendo fixo e variável não são abrangidos pela isenção

em conformidade com a Lei n9532 97 art 12 2 e art 15 2

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 180


SESCOOPCE

Serviço Nacional de Aprendizagem do

CoopeMbixmo no Esado do Come

De acordo com o inciso I do art 12 do Decreto n23048 de 06 de maio de 1999 com as

alterações introduzidas pela Lei n 9732 de 1998 o SESCOOP está isento também da

Contribuição Social

32 Quanto à elaboração da Demonstração do Resultado Econômico é facultativo para o

SESCOOP de acordo com a portaria n2 749 do STN de 15 de dezembro de 2009

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 181


ANEXO XIII Parecer do Conselho Fiscal

41

SESCOOPCE

PARECER DO CONSELHO FISCAL

Relatório de Gestão e Prestarão de Contas do Exercício de 2010

Analisando o Relatório de Gestão do Exercício de 2010 do Serviço

Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará

SESCOOP CE contemplando informações gerais sobreagestão das negócios

atividades finalísticas e a prestação de contas de acordo com os normativos do

Tribunal de Contas da União TCU emitimos parecer FAVORÁVEL à aprovação

do Relatório de Gestão do Exercício de 2010 juntamente com a Prestação de

Contas recomendando assim sua aprovação pelo Conselho Administrativo do

SESCOOPCE

Fortaleza CE 25 de Março de 2011

Joaqu v Rócha de Lucena e

o

an

Valdiz

Fe Landes

una

Francisca Soco

Holanda Silva

Rua ildefonso Albano n1585 Aldeota Fortaleza Ceará CEP60 115 000

Fone Fax 853535

367013535 3666

Emoli ocbce@ocbce coop bn sescoopee6 oebee

br Sitewww ocbce 000p br

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 182


ANEXO XIV

Parecer do Conselho Estadual

47

SESCOOPCE

do

n

PARECER DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Relatório de Gestão e Prestação de Contas do Exercício de 2010

Analisando o Relatório de Gestão do Exercido de 2010 do Serviço Nacional de

Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOP CE contemplando

informações gerais sobre a gestão dos negócios atividades fmalisticas e a prestação de contas

de acordo com os normativos do Tribunal de Contas da Uniam TCU emitimos parecer

favorável à aprovação do Relatório de Gestão e a Prestação de Contas do Exercício de 2010

A

r üG a

Luizita Fonseca Leite Pina

C

J ciai tfr

Cristianó Tavares Elesta

Rua Oderonso Mano n

1585 Aldeota Fortaleza Ceará CEP60 115000 Fone Faz 85 3535 3670

Web sitewww ocbce coop br

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 183


IANEXO XV

ATENDIMENTO AO TCU QUANTO AO CONTEÚDO MÍNIMO DO RELATÓRIO DE

GESTÃO DN TCU N9 107 DE 2710 2010

INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE AGESTAO

aigfilffn

Q

Informações de identificação da unidade jurisdicionada contendo Poder e órgão

de vinculação ou supervisão nome completo denominação abreviada código

SIORG código na LOA situação operacional natureza jurídica principal

atividade econômica telefones de contato endereço postal endereço

eletrônico página no Internet normas de criação normas relacionadas à gestão

e estrutura manuais e publicações relacionadas às atividades da unidade

códigos e nomes das unidades gestoras e gestões no Sistema SIAFI

1ldentificação da

Unidade

O

Informações sobre o planejamento e gestão orçamentária e financeira da

unidade considerando o atingimento dos objetivos e metas físicas e financeiras

bem como as ações administrativas consubstanciadas em projetos e atividades

contemplando

a Responsabilidades institucionais do unidade

I

Competência Institucional

a Capítulos12 e

II Objetivos estratégicos

21

b Estratégia de atuação frente às responsabilidades institucionais b Capitulo 2

I Análise do andamento do plano estratégico da unidade ou do

órgão em que a unidade esteja inserida

11 Análise do plano de ação do unidade referente ao exercício a que

se referir o relatório de gestão

c Programas de Governo sob a responsabilidade da unidade c Capítulo 5

L

Execução dos programas de Governo sob a responsabilidade da

UI

II Execução física das ações realizadas pela UJ

d Desempenho Orçamentário e Financeiro d Capítulo e 53

Programação Orçamentária das Despesas

11 Execução Orçamentária dos Despesas

Ill Indicadores Institucionais

Q

Informações sobre o reconhecimento de passivos por insuficiência de créditos ou

recursos

Anexo 1V

O

e

O

O

Informações sobre a movimentação e os saldos de Restos a Pagar de Exercícios

Anteriores

rInformações sobre recursos humanos da unidade contemplando as seguintes

perspectivas

a Composição do quadro de servidores ativos

b Composição do quadro de servidores inativos e pensionistas

c Composição do quadro de estagiários

d Custos associados à manutenção dos recursos humanos

e Locação de mão de obra mediante contratos de prestação de serviços

f Indicadores gerenciais sobre recursos humanos

Informação sobre as

transferências mediante convênio contrato de repasse

termo de parceria termo de cooperação termo de compromisso ou outros Anexo 1

acordos ajustes ou instrumentos congêneres vigentes no exercício de

referência

Declaração da área responsável atestando que as informações referentes a

contratos e convênios ou outros instrumentos congêneres estão disponíveis e

atualizadas respectivamente no Sistema Integrado de Administração de

Serviços Gerais SIASG e no Sistema de Gestão de Convênios Contratos de

Repasse e Termos de Parceria SICONV conforme estabelece o art 19 do Lei n9

12 309 de 9 de agosto de 2010

Não se aplica

quadro Al DN TCU

n9107 2010

Capítulo 4 e Anexo 11

Não se aplica

Qoadro A1 DN TCU

n 107 2010

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo no Estado do Ceará SESCOOPCE Página 184


eInformações

10

11

12

13

14

sobre o cumprimento das obrigações estabelecidos na Lei n98730

de 10 de novembro de 1993 relacionadas à entrega e ao tratamento das

declarações de bens e rendas

Informações sobre o funcionamento do sistema de controle interno da UI

contemplando os seguintes aspectos

a Ambiente de controle

b Avaliação de risco

c Procedimentos de controle

d Informação e Comunicação

F e Monitoramento

Informações quanto à adoção de critérios de sustentabilidade ambiental na

aquisição de bens materiais de tecnologia da informação TI e na contratação

de serviços ou obras tendo como referência a Instrução Normativa n912010 e

a Portaria n9 2010 ambas da Secretaria de Logística e Tecnologia da

Informação do Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão e informações

relacionadas à separação de resíduos recicláveis descartados em conformidade

com o Decreton95940 2006

Informações sobre a gestão do patrimônio imobiliário de responsabilidade da Ul

classificado como Bens de Uso Especial de propriedade da União ou locado de

terceiros

Informações sobre a gestão de tecnologia da informação TI da Ui

contemplando os seguintes aspectos

a

b

c

d

e

Planejamento da área

Perfil dos recursos humanos envolvidos

Segurança da informação

Desenvolvimento e produção de sistemas

Contratação e gestão de bens e serviços de Tl

Informações sobre a utilizaçãode cartões dè pagamento do governo federal

observandose as disposições dos Decretos n95355 2005 e6370 2008

Informações sobre Renúncia Tributária contendo declaração do gestor de que os

beneficiários diretos da renúncia bem como da contrapartida comprovaram no

exercício que estavam em situação regular em relação aos pagamentos dos

tributos juntos à Secretaria da Receita Federal do Brasil SRFB ao Fundo de

Garantia do Tempo de Serviço

FGTS e à Seguridade Social

Informações sobre as providênciasadatodas para atender às deliberações

exaradas em acórdãos do TCU ou em relatórios de auditoria do órgão de

controle interno a que a unidade jurisdicionada se vinculo ou as justificativas

para o não cumprimento

Informações sobre o tratamento das recomendações realizadas pela unidade de

controle interno caso exista na estruturo do órgão apresentando as

justificativos para os casos de não acatamento

Outras informações considerados relevantes pela unidade para demonstrar a

conformidade e o desempenho da gestão no exercício

Anexo V

Capitulo52 e Anexo

IX

Capítulo52 e Anexo

X

Anexo VI

Capítulo 52 e Anexo

1

Não se aplica

Quadro Al DN TCU

n9 107 2010

Não se aplica

Quadro Al DN TCU

n9107 2010

Anexo VII

Anexo Vlll

Anexo XI

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperadvismo no Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 185


ITEM

INFORMAÇÕES CONTÁBEIS QUE DEVEM COMPOR 0 RELATÓRIO

Declaração do contador responsável pela unidade jurisdicionada atestando que

os demonstrativos contábeis Balanços Orçamentário Financeiro e Patrimonial e

o Demonstração dos Variações Patrimoniais previstas no Lei n4320 de 17 de

março de 1964 e o demonstrativo levantado por unidade gestora responsável

UGR válido apenas para as unidades gestoras não executoras refletem a

adequada situação orçamentária financeira e patrimonial do unidade

jurisdicionada que apresento relatório de gestão

Demonstrações contábeis previstas no Lei n4320 64 incluindo as notas

explicativas conforme disposto na Resolução CFC n133 2008 NBC T16

Demonstrações contábeis previstas na Lei n 640476 incluindo os

explicativos

notas

Informações sobre a composição acionária do capital social indicando os

principais acionistas e respectivos percentuais de participação assim como a

posição da Ul como detentora de investimento permanente em outras

sociedades investidora

Parecer da auditoria independente sobre as demonstrações contábeis quando a

legislação dispuser a respeito

REFERÊNCIA

Não se aplica ao

Quadro Al DN TCU

no 107 2010

Anexo XII

Não se aplica ao

Quadro Al DN TCU

n9 107 2010

Não se aplico ao

Quadro Al DN TCU

n107 2010

Anexo

XII

Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo na Estado do Ceará

SESCOOPCE

Página 186


0

SESGOOP

Sere lia Nodenol de Aprendi agrm

de Ceepfelì Wm

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO

ASSESSORIA DE AUDITORIA E CONTROLE

PARECER REFERENTE A 2 ANÁLISE DO RELATÓRIO DE GESTÃO

EXERCÍCIO 2010

PARECER DA AUDITORIA

Unidade CEARA

Presidente João Nicedio Alves Nogueira

Analisamos o Relatório de Gestão da Unidade Estadual acima identificada

quanto a composição das peças obrigatórias e observação dos itens exigidos na

legislação especifica

Os trabalhos basearam se sobre a seguinte legislação

Decisão Normativa TCU n 107 e 110 2010

Portaria TCU no 277 2010

Instrução Normativa TCU no 63 2010

Documento Orientações Complementares para Elaboração do Relatório de

Gestão emitido pela CGU

Conclusão do Parecer

Concluímos pela razoabilidade do Relatório de Gestão da Unidade Estadual

Atenciosamente

Migue eubern

Assessor de Audr ria e Controle

Jack Batista

A Jtor

Documento Confidencial Somente para uso interno Página 1 de 1

More magazines by this user
Similar magazines