SHOW CASE DO INPE NO XVI SBSR Título: 40 anos de ... - INPE-DGI

dgi.inpe.br

SHOW CASE DO INPE NO XVI SBSR Título: 40 anos de ... - INPE-DGI

SHOW CASE DO INPE NO XVI SBSR

Título: 40 anos de Recepção de Dados e a Política

de Distribuição Gratuita de Imagens e Softwares

Coordenador: Eng. Luís Geraldo Ferreira.

Apresentações:

1 – Estação de Recepção de Cuiabá - 40 anos de Recepção

de Dados de Satélite de Sensoriamento Servindo o Brasil e

a América do Sul.

An. Sist. Hermann Teixeira - ERG/INPE - 25 minutos

2 - Distribuições sem Custos de Imagens de Satélite de

Sensoriamento Remoto.

Eng. Luís Geraldo Ferreira - DGI/INPE - 25 minutos

3 - Ferramentas Livres para Geoprocessamento – Spring

e a família TerraLib.

Dr. Laércio Massaru Namikawa - DPI/INPE – 25 minutos

4 – Aplicações Geoambientais de Imagens Públicas.

Eng. Valdete Duarte - DSR/INPE - 25 minutos

5 - Plenária com Usuários - 20 minutos


Estação de Recepção e Gravação

INPE/ERG/CUIABÁ

40 Anos de Recepção de Dados de

Satélite

Servindo o Brasil e América do Sul

Hermann Teixeira

hermann@erg.inpe.br

Foz do Iguaçu, 17/04/2013


HISTÓRICO

PROJETO ERTS

Projeto ERTS - INPE adquiriu das empresas

Bendix Aerospace e a Scientific-Atlanta (US$ 5

milhões).

1972-Construção.

Instalação dos Equipamentos: Março/Abril - 1973

Início das Operações: 23/Abril /1973

Foi a 3ª Estação terrena no mundo (1ª no EUA

e a 2ª no Canadá) e 1ª Estação terrena na

América do Sul.


ERG – Breve Histórico

Satélite: ERTS-1

Família: LANDSAT

1º Rastreio

23/04/1973


HISTÓRICO – ERG/CUIABÁ

Porque da localização em Cuiabá

Cuiabá está localizada no centro geodésico da América do Sul.

Possibilita as antenas da Estação a receber imagens de 80% da

América do Sul, aproximadamente.

Significa que a antena cobre:

Todo o Brasil, incluindo as 200 milhas da costa brasileira.

Toda a área do: Uruguai, Paraguai, Bolívia, Suriname e Guianas

Parcialmente: ~60% da Argentina, ~ 50% do Chile,

~40% da Colômbia, ~50% Venezuela,

~10% Equador.


Área de Cobertura das Antenas da ERG


ERG – 1973


1973 – Av. do CPA

ERG – Breve Histórico


ERG/CUIABÁ - MISSÃO

• RECEPÇÃO:

• Rastrear, Receber e Condicionar os Dados

Transmitidos (downlinks) pelos Satélites de

Observação da Terra.

• GRAVAÇÃO:

• Ingerir e Gravar os Dados Condicionados.

• Fazer Backup dos dados em Fita DLT.

• TRANSMISSÃO:

• Transmitir os dados via VPN (34 Mb/s) à CP.


Sistemas de solo

Estação Recepção Imagens Cuiabá

(MT)

Estação Recepção e Processamento

C.Paulista (SP)

Centro de Controle de Satélites

São José dos Campos (SP)


Satélites Rastreados

Landsat-7

UK-DMC 2

Resourcesat-1

AQUA

NOAA

TERRA


Estrutura da ERG/CUIABÁ

1. Subsistema de Recepção:

- 1ª Antena: 11,28m de Diâmetro

Banda-X (8.0 à 8.4 GHz)

- 2ª Antena: 10m de Diâmetro

Banda-S (2.2 à 2.4 GHz e Banda-X)


Sala de Operações - TLM


INPE ERG Cuiabá


Obrigado!


Distribuições sem Custos de

Imagens de Satélite de

Sensoriamento Remoto

17 de Abril de 2013

Luís Geraldo

lgeraldo@dgi.inpe.br


BRASIL - 40 ANOS DE OBSERVAÇÃO DA TERRA

• Satélites:

•LANDSAT-1973, SPOT1-1988, ERS1-

1991, ERS2-1995, CBERS1-1999,

RADARSAT1-2001, SPOT4-2003,

CBERS2-2003, CBERS2B-2007,

ENVISAT-2009 e IRS_P6-2010;

• 2004 – Projeto CDSR e as imagens

CBERS sem custo pela Internet

• 2006 – Abertura do Catálogo CDSR para

América do Sul

• 2007 – Abertura do Catálogo para o

Mundo

C.Paulista

• 2010 – Estação SR Marinho em Cachoeira

Paulista SP

• 2012 – CDSR assume a estação de

recepção e processamento de imagens

meteorologicas


BRASIL

www.dgi.inpe.br/CDSR

Cuiabá - MT

C.Paulista - SP


CDSR – CENTRO DE DADOS DE SR

• PROJETO CENTRO DE DADOS DE SENSORIAMENTO REMOTO

(2002-2004)

• O Centro de Dados de Sensoriamento Remoto implementa uma política

agressiva, facilitadora do uso de sensoriamento remoto no país.

• Satélites de Sensoriamento Remoto: www.dgi.inpe.br/CDSR

• LANDSAT 1, 2, 3 – MSS, 1973 a 1983

• LANDSAT 7 – ETM+, 1999 a 2003

• CBERS-2 – WFI, CCD e IRMSS, 2004 a JAN 2007

• LANDSAT 5 – TM, 1984 a NOV2011

• CBERS-2B – WFI, CCD e HRC, 2009 a MAI 2010

• ResourceSat-1 - LISS 3 e AWiFS, Dados de set 2009 (FEV2010)

• AQUA e TERRA – MODIS (MOD 09) Reflectância de Superfície – ABR/2011.

• GLS 2005/2007 – Landsat-5 e Landsat-7 (Ortorretificadas)

• Satélites Meteorologicos CPTEC: http://satelite.cptec.inpe.br/

NOOA 15,16,18 e 19, GOES 12 e 13, Meteosat e Aqua e Terra;

TOTAL: 700 PB em Imagens

CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO:

20112 = 1PB - 2017 = 3PB


Política de Distribuição

CENTRO DE DADOS DE SR

• Número de Imagens Distribuidas pelo CDSR:

• 2004 = 50mil;

• 2005, 2006 e 2007= +100 mil ao ano

• 2008, 2009, 2010, 2011 e 2012 = + 300 mil

imagens ao ano;

•Total (17/04/2013- 8:24h)

2.256.679 Imagens*


CDSR – CENTRO DE DADOS DE SR

• ORÇAMENTO:

• 2002-2004 - R$ 2.090.000,00

• (FINEP R$ 1.300.000,00 e INPE - R$ 790.000,00)

• 2005-2006 - R$ 700.000,00 INPE -

• Expansão do Centro de Dados, de 45TB para 140TB e para 280TB.

• 2007 - R$ 200.000,00 INPE

• Melhorar a eficiência do sistema de armazenamento.

• 2008-2009 - + R$ 17.000.000,00 (INPE+FINEP+BR) -

1.100.000,00 NOVA SUBESTAÇÃO DE ENERGIA, 600.000,00 AR

CONDICIONADO, U$ 3.500.000,00 MODERNIZAÇÃO DA ESTAÇÃO DE

CUIABÁ, 4.500.000,00 ANTENA ENVISAT EM CP E MELHORAS NO SISTEMA

DE PROCESSAMENTO.

• 2010 – 2.500.000,00 (1.500.000,00 reforma do prédio e 1.000.000,00

sistema de armazenamento);

• 2011 – 2.700.000,00 (1.500.000,00 sistema de recepção e

1.200.000,00 sistema de armazenamento).

• Investimento anual : R$ 1.500.000,00

CAPACIDADE DE ARMAZENAMENTO:

2012= 1 PB - 2017 = 3PB


NOVOS DADOS

• CBERS-3, previsto para ser lançado em outubro de

2013, e distribuído em início 2014;

• LANDSAT-8, Lançado em fevereiro, já em testes

nos EUA, previsto para início 2º semestre no CDSR;

• UK-DMC – com imagens ortorretificadas em testes

finais do catálogo;

• Retornamos a gravar o Landsat-7 (fev2012);

USGS: http://glovis.usgs.gov/

• Resourcesat-2 – em negociação;

• Se preparando para receber:

• NPP/Virs - substituto do Aqua e Terra – 2º semestre 2013,

• Sentinel 1 (Banda C), 1º semestre de 2014;

• Meteorológicos: Metop-B (EUA), previsto p/ 24/abril/13


IRS – Indian Remote Sensing Satellite

ResouceSat - 1

• LISS 3 (23,5m) e AWiFS (56m)

FAIXA DE IMAGIAMENTO: 140 M (LISS 3) e 740M (AWiFS)

• O,52-0,59 – VERDE

• 0,62-0,68 - VERMELHO

• 0,77-0,86 – INFRAVERMELHO PRÓXIMO

• 1,55-1,70 – INFRAVERMELHO MÉDIO

Resolução temporal: 24 dias (LISS3) – 5 dias(AWiFS)

• Não está no acordo com o Brasil:

• LISS 4 (5,8m) - Faixa de Imagiamento: 23,9km

• 52-0,59 – VERDE

• 0,62-0,68 - VERMELHO

• 0,77-0,86 – INFRAVERMELHO PRÓXIMO


UK-DMC

Bandas Espectrais

Resolução

Faixa

Imageada

NIR 0,77 – 0,90 22 m 340 km

RED 0,63 – 0,69 22 m 340 km

GREEN 0,52 – 0,60 22 m 340 km

Duas câmaras cobrindo faixa imageada de 600 km (overlap de 40Km)

Bandas Iguais as do LANDSAT-5 (4, 3 e 2) - Infravermelho

próximo: 0,77-0,90; no vermelho: 0,63-0,69 e no verde: 0,52-

0,60.


LDCM - Landsat Data Continuity Mission

LANDSAT-8

Bands

Wavelength

(micrometers)

Resolution

(meters)

Band 1 – Coastal aerosol 0.433 - 0.453 30

Band 2 – Blue 0.450 – 0.515 30

Band 3 – Green 0.525 – 0.600 30

Band 4 – Red 0.630 – 0.680 30

Band 5 – Near Infrared (NIR) 0.845 – 0.885 30

Band 6 – SWIR 1 1.560 – 1.660 30

Band 7 – SWIR 2 2.100 – 2.300 30

Band 8 – Panchromatic 0.500 – 0.680 15

Band 9 – Cirrus 1.360 – 1.390 30

Band 10 – Thermal Infrared (TIR) 1 10.3 – 11.3 100

Band 11 – Thermal Infrared (TIR) 2 11.5 – 12.5 100


Landsat-8 (LDCM) x Landsat 7


CBERS 1, 2, 2B

WFI 260 m (890 km)

IRMSS 80m (113km)

1, 2 1, 2 1, 2

CCD 20 m (120 km)

2B

HRC 2.5 m (27 km)

0.4 0.5 0. 0. 1.1 1.5 1.7 2.3 2.5

7

9

mm


CBERS 3, 4

WFI 73 m (860 km)

IRMSS 40 m (120 km)

MUXCAM 20m (120km)

PANMUX 10m (60 km)

PANMUX 5m (60 km )

0.4 0.5 0. 0. 1.1 1.5 1.7 2.1 2.3

7

9

mm


ACESSO PELA INTERNET

www.dgi.inpe.br


ACESSO PELA INTERNET

www.dgi.inpe.br


ACESSO PELA INTERNET

www.dgi.inpe.br


ACESSO PELA INTERNET

www.dgi.inpe.br


Luís Geraldo

lgeraldo@dgi.inpe.br

OBRIGADO!!


Ferramentas Livres para

Geoprocessamento da Divisão de

Processamento de Imagens

Laércio M. Namikawa

Contribuições

C. A. Felgueiras, E.S.S.Lopes, K.R.Ferreira

L.M.G.Fonseca, L.Vinhas, T. S. Korting, E.F. Castejon


Divisão de Processamento de

Imagens


Divisão de Processamento de

Imagens

Pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico:

Processamento Digital de Imagens

Geoprocessamento

Colabora pós-graduação -mestrado e doutorado- em Sensoriamento

Remoto, Computação Aplicada e Ciência dos Sistemas

Terrestres

Assegurar o domínio tecnológico para a plena utilização do

sensoriamento remoto

Desenvolver sistemas para PDI e Geoinformação

Encorajar a criação de competências em universidades, empresas e para o

público em geral

Participar de projetos de interesse nacional


Divisão de Processamento de Imagens –

Desde 1984

Geotecnologias

SITIM/SGI

SPRING

TerraLib – Aplicações

Processamento de Imagens

Imagens óticas

Radar

Modelagem Ambiental

Estações Terrenas de Sensoriamento Remoto

(CBERS)


SPRING

PDI e SIG de propósito geral

Versão corrente 5.2.2

Português, Espanhol, Inglês e Francês

Open Source - Linux e MS-Windows (32 e 64 bits)

179201 usuários cadastrados (em 14/abr/2013)

Processamento de Imagens e Mapas Temáticos, Análise

Espacial, Modelagem de Terreno, Consulta a Banco de

Dados Espaciais, Análise de Redes

Estensível por Plug-ins


SPRING – Versão 5.2.2


www.dpi.inpe.br/spring


SPRING - Estatísticas

Aplicações

Est. Ambientais

40000

Outros

Geografia

30000

Cartografia

Graduação

20000

Agricultura

Pos-Graduação

10000

0

Est. Integrados

Cad. Urbano/Rural

Geologia

Recursos Florestais

Oceanografia

60000

50000

40000

30000

20000

10000

0

Serviços

Projetos

Ensino Médio

Federal

Municipal

Estadual

Internacional

Outros

ONG


SPRING – Novidades da Versão

Registro Automático

5.2.2

Ortorretificação de imagens a partir de arquivos RPCs (Rational

Polynomial Coefficients) e MNTs

Vetorização automática e semi-automática de imagens

Reestruturação do Scarta - interno ao SPRING

Visualização de bancos TerraLib com criação de PIs SPRING

Uso de Plugins para inserção de funções externas no SPRING

Plugin para acessar e prover dados em padrão OGC (Open Geospatial

Consortium) - WMS (Web Map Service) e WFS (Web Feature Service)


SPRING – Open Source

www.spring-gis.org


TerraLib 4.2.2

Biblioteca C++ para desenvolvimento

de aplicações geográficas

Open Source : LGPL

Uso do SGBD -MySQL,

ADO, Postgresql,

PostGIS, Oracle (Spatial),


www.terralib.org

Usuários customizam sua

solução- Desktop,

Distribuída ou Web


Aplicativos TerraLib

TerraView

TerraMA 2

TerraAmazon

TerraME

TerraPixel

GeoSUAS


TePDI – Algoritmos

Filtros: Lineares por convolução, morfológicos, detectores de bordas, radar

Contraste, Modelo linear de mistura, Segmentação por crescimento de regiões

Estatística por polígonos, Aritmética de imagens, Transformação no sistema de

cores IHS RGB, Componentes principais

Blending em multi-resolução e euclidiano

Mosaico, Extrator de informação de textura, Vetorizador

Classificadores: ISOSeg, Expectation maximization, K-means

Registro de imagens, Correlação e geração de pontos de controle

Simulação de resolução de sensores

Decomposição/Recomposição Wavelet

Fusão: Garguet, IHS, Ventura


TePDI – Projetos

InterImage

Framework para interpretação automática de imagens

TePDI OPERATORS


Aplicativo TerraView

SIG construído usando TerraLib, livre e de código fonte

aberto

Jfddfjh gfsdfgdfssf

Jfddfjh gfsdfgdfssf

sdfsdf

Jfddfjh

sdfsdf

gfsdfgdfssf

sdfsdf

fsdf fsdfsd

fsdf fsdfsd

fsdf fsdfsd

TerraLib

SGBDs


www.dpi.inpe.br/terraview


TerraView – Plugins

Extensão do TerraView na forma de um plug-in

Exemplo: Interface gráfica para os algoritmos de PDI

implementados na bibliotecaTerralib


www.dpi.inpe.br/geodma

Geographical Data Mining Analyst

Plugin TerraView

Geo-DMA


Geo-DMA

trees

roofs

buildings

streets

others


Plugin TerraView

TerraHidro

Modelagem Hidrológica: Fluxos, bacias, upscaling


TerraHidro - Resultados

SRTM – 90m

ArcGIS


Aplicativo para

prototipação de

funções para

processamento de

imagens

Plugin’s

Funções: segmentação,

mosaico,

georreferenciamento

TerraPixel

www.dpi.inpe.br/terrapixel


TerraME

Modelagem Dinâmica

Espacial


TerraME

Modelos

Modelos Hidrológicos

Propagação de Queimadas

Modelos LUCC


TerraMA 2

Monitoramento, Análise e Alerta

www.dpi.inpe.br/terrama2


TerraMA 2


Observações Finais

Contínuo desenvolvimento de ferramentas e tecnologias

Open Source e Treinamento

SPRING: www.dpi.inpe.br/spring www.spring-gis.org

TerraLib: www.terralib.org

TerraView: www.dpi.inpe.br/terraview

Geo-DMA: www.dpi.inpe.br/geodma

TerraPixel: www.dpi.inpe.br/terrapixel

TerraMA 2 : www.dpi.inpe.br/terrama2

TerraME: www.terrame.org


www.dpi.inpe.br


Obrigado!

laercio@dpi.inpe.br


HISTORICO DE APLICAÇÕES DAS IMAGENS

DE SENSORIAMENTO REMOTO

ANOS: 1978 a 2013

XVI_SBSR abril 2013


(ANALÓGICO)


(ANALÓGICO)


NO PASSADO :

TELEGRAFO, FAX, CORREIO, TELEFONE FIXO

Conjunto de imagens registradas manualmente

( correção geométrica coordenadas geográficas extraída de cartas topográficas )

NO PRESENTE :

INTERNET, E-MAIL, CELULAR, GPS, SIG

Conjunto de imagens registradas automaticamente

( correção geométrica de sistema e ortorretificação = MNET + Coord. Geod. )


INTERPRETAÇÃO VISUAL NA TELA DO

COMPUTADOR

PORQUE ACREDITAMOS NESTA

PROPOSTA

* AVANÇOS TECNÓLOGICOS : * SATÉLITE

* SIG

* GPS

* EDIÇÃO MATRICIAL


EDIÇÃO MATRICIAL

Permite ao interprete:

INTERPRETAR DIRETAMENTE NA TELA DO COMPUTADOR

INTERFERIR NO MAPA FINAL GERADO NA CLASSIFICAÇÃO

O MAPA FINAL CORRIGIDO É AVALIADO SOBRE A IMAGEM


METODOLOGIA

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Coordenação Geral de Observação da Terra - OBT

Programa Institucional Amazônia - AMZ

Divisão de Sensoriamento Remoto - DSR

Divisão de Processamento de Imagem - DPI


PRODES DIGITAL

ORRESPONDEM À 182 IMAGENS

LANDSAT DO ANO DE 1997


RESUTADO FINAL PARA O ESTADO DE MATO GROSSO

“Observar o local e a quantidade de nuvem existente”

= 1.418 Km 2

= 222.273 Km 2

= 245.997 Km 2

= 18.817 Km 2


COOPERAÇÃO TÉCNICA

PISTA 2

LATITUDE = 02 0 31’ 45” sul

LONGITUDE = 66 0 04’ 57” oeste

COMPRIMENTO = 1.506 m

MUNICÍPIO DE FONTE BOA


APLICAÇÕES ESPECÍFICAS

POLICIA FEDERAL

( Plantacoes ilícitas e

Boi no pasto )

GOVERNO DE SAO PAULO

( Paulipetro )


AGRONEGÓCIO

O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO

SUSTENTADO

USO DA TERRA /

PRESERVAÇÃO DOS

RECURSOS NATURAIS

GEOTECNOLOGIAS

ZONEAMENTO ECOLÓGICO-

ECONÔMICO

ORDENAMENTO TERRITORIAL

DESERTIFICAÇÃO


MONITORAMENTO GLOBAL DE TODA FLORESTA TROPICAL ÚMIDA DA AMÉRICA DO SUL,

UTILIZANDO AS IMAGENS MODIS

http://www.dsr.inpe.br/panamazon.htm

Equipe Técnica:

V. Duarte;

Y. E. Shimabukuro;

R. M. de Freitas;

E. Arai

Coordenador do

Projeto:

Paulo R. Martini


MAPA DA VEGETAÇÃO DA AMAZÔNIA DA AMERICA DO SUL


METODOLOGIA DO PROJETO PANAMAZONIA II

PARA MAPEAR AS ÁREAS QUEIMADAS_MT_2010


IMAGENS DO SATÉLITE MODIS/TERRA OBTIDAS NO MÊS DE AGOSTO DE 2010 Parque das Emas – TO em 12 de agosto de 2010

Parque das Emas – TO em 13 de agosto de 2010

Parque das Emas – TO em 14 de agosto de 2010

PROJETO PANAMAZONIA II


OBRIGADO !

www.dsr.inpe.br/panamazon/pana_resultados.html

http://www.dsr.inpe.br/laf/panamazonia/dados.html

More magazines by this user
Similar magazines