Views
3 years ago

Ler texto - Escola de Arquitetura - UFMG

Ler texto - Escola de Arquitetura - UFMG

Ler texto - Escola de Arquitetura -

André Luiz Mantovani Melhorar para não mudar: ferrovia, intervenções urbanas e seu impacto social em Ouro Preto-MG, 1885-1897 Programa de Estudos Pós-Graduados em História Pontifícia Universidade Católica de São Paulo São Paulo Março de 2007

  • Page 2 and 3: II André Luiz Mantovani Melhorar p
  • Page 4 and 5: IV E aos professores Márcia, Maur
  • Page 6 and 7: VI Folha de Aprovação da Banca Ex
  • Page 8 and 9: 1 INTRODUÇÃO O novo incomoda. Por
  • Page 10 and 11: 3 residiam em Ouro Preto passaram a
  • Page 12 and 13: 5 nesse momento que a proposta de s
  • Page 14 and 15: 7 levou à criação. Para explicar
  • Page 16 and 17: 9 concertos de encanamentos de águ
  • Page 18 and 19: 11 Estas questões serão tratadas
  • Page 20 and 21: 13 importações de escravos. Dos m
  • Page 22 and 23: 15 o passar do tempo eram colocadas
  • Page 24 and 25: 17 Em um futuro que acreditavam nã
  • Page 26 and 27: 19 condição do real, que se empob
  • Page 28 and 29: 21 crescimento de 18 mil quilômetr
  • Page 30 and 31: 23 trabalhar com a porcentagem do c
  • Page 32 and 33: 25 construído em 1883 2.786 quilô
  • Page 34 and 35: 27 Foi proposto construir uma máqu
  • Page 36 and 37: 29 que o combustível utilizado at
  • Page 38 and 39: 31 milho; e ovos, frangos e queijos
  • Page 40 and 41: 33 conseguisse juntar o conheciment
  • Page 42 and 43: 35 trajeto. 80 Para se ter uma idé
  • Page 44 and 45: 37 referência “um dos interessan
  • Page 46 and 47: 39 A ferrovia tinha um sério probl
  • Page 48 and 49: 41 companhias estrangeiras para con
  • Page 50 and 51: 43 crescimento sofreria algumas osc
  • Page 52 and 53:

    45 desenvolver algum empreendimento

  • Page 54 and 55:

    47 por terras devolutas ou ocupadas

  • Page 56 and 57:

    49 Theophilo Ottoni no nordeste de

  • Page 58 and 59:

    51 Outro motivo, apontado por Silva

  • Page 60 and 61:

    53 nos orçamentos para pagamentos

  • Page 62 and 63:

    55 A capital decadente será um mot

  • Page 64 and 65:

    57 importância, porque o malogro d

  • Page 66 and 67:

    59 por forças atuantes sobre ele.

  • Page 68 and 69:

    61 A nossa sociedade está acostuma

  • Page 70 and 71:

    63 Além desses casos, existiram mu

  • Page 72 and 73:

    65 2.1 - A ferrovia e a urbanizaç

  • Page 74 and 75:

    67 A cidade que os portugueses cons

  • Page 76 and 77:

    69 sua igrejas, casarões, as casas

  • Page 78 and 79:

    71 imprensa não deixa que esta lhe

  • Page 80 and 81:

    73 No artigo logo na seqüência,

  • Page 82 and 83:

    75 As ruas continuam e continuarão

  • Page 84 and 85:

    77 essa posição se contrapunha

  • Page 86 and 87:

    79 Não eram apenas as casas antiga

  • Page 88 and 89:

    81 comunicassem os arrabaldes com o

  • Page 90 and 91:

    83 vigilância para a mudança dos

  • Page 92 and 93:

    85 É intuitivo quanto semelhante p

  • Page 94 and 95:

    87 para eletricidade era colocado e

  • Page 96 and 97:

    89 E continua: E assim é que, de c

  • Page 98 and 99:

    91 desembarcadas no ramal ferroviá

  • Page 100 and 101:

    93 também, do mau estado dos encan

  • Page 102 and 103:

    95 de setembro de 1887, os trabalha

  • Page 104 and 105:

    97 entorno da praça da Independên

  • Page 106 and 107:

    99 para questões urbanísticas. Ma

  • Page 108 and 109:

    101 Acredito que o enrijecimento em

  • Page 110 and 111:

    103 efetuá-la com sua autoridade e

  • Page 112 and 113:

    105 com as cotidianas inundações

  • Page 114 and 115:

    107 Os melhoramentos feitos em Ouro

  • Page 116 and 117:

    109 reinante, assim como que sejam

  • Page 118 and 119:

    111 incorporada, a de transferênci

  • Page 120 and 121:

    113 Averiguado a pertinência do ca

  • Page 122 and 123:

    115 água desaguando em chafarizes

  • Page 124 and 125:

    117 de Ouro Preto totalizam 19, tra

  • Page 126 and 127:

    119 fatores estavam interferindo, p

  • Page 128 and 129:

    121 Ouro Preto com mais cinco ocorr

  • Page 130 and 131:

    123 perdoou o pagamento do dinheiro

  • Page 132 and 133:

    125 iluminação pública, até a c

  • Page 134 and 135:

    127 cronista, Ouro Preto ainda cont

  • Page 136 and 137:

    129 alimentos para os homens e anim

  • Page 138 and 139:

    131 de 1865.” 349 O número de mo

  • Page 140 and 141:

    133 estava cuidando desde que chega

  • Page 142 and 143:

    135 cabeça e nas costas, poderiam

  • Page 144 and 145:

    137 Após o golpe dado pelos milita

  • Page 146 and 147:

    139 pessoas que ocupavam cargos ind

  • Page 148 and 149:

    141 revista dos acontecimentos de S

  • Page 150 and 151:

    143 De volta às suas casas, o assu

  • Page 152 and 153:

    145 Porém, não era toda a popula

  • Page 154 and 155:

    147 corrimentos” que se curavam p

  • Page 156 and 157:

    149 problemas do estômago, febres,

  • Page 158 and 159:

    151 exposição de seus “chapéus

  • Page 160 and 161:

    jogo. 406 A “importante Casa das

  • Page 162 and 163:

    155 para prova na Agência Geral de

  • Page 164 and 165:

    157 era a tolerância que a delegac

  • Page 166 and 167:

    159 desacordo com a opinião dos co

  • Page 168 and 169:

    161 constrangimento nem afetação

  • Page 170 and 171:

    163 “quem Deus haja”, e por out

  • Page 172 and 173:

    165 CONSIDERAÇÕES FINAIS A pesqui

  • Page 174 and 175:

    167 procurarem terrenos na região

  • Page 176 and 177:

    169 Relatórios Presidenciais (font

  • Page 178 and 179:

    171 O Jornal de Minas, Ouro Preto,

  • Page 180 and 181:

    173 O Estado de Minas, ano III, nº

  • Page 182 and 183:

    175 ______ A Escola de Minas de Our

  • Page 184 and 185:

    177 MENICONI, Rodrigo Otávio de Ma

pdf - Escola de Arquitetura - UFMG
parque ecológico de catas altas - Escola de Arquitetura – UFMG
SIG - Escola de Arquitetura - UFMG
CURSO TERRAVIEW - Escola de Arquitetura - UFMG
orientador: denise morado | arquitetura e urbanismo | ufmg | jul 2012
PARQUE LINEAR ANDRADAS - Escola de Arquitetura - UFMG
ARQUITETURA E TOPOGRAFIA ALVÉOLO-DENTAIS ... - ICB - UFMG
Segurança Verde: Usando Desafios com Espera Adaptativa ... - UFMG
Ler texto - Escola de Arquitetura - UFMG
Ler texto - Escola de Arquitetura - UFMG
Entre a vida e a morte - Escola de Arquitetura - UFMG
download texto completo - Escola de Arquitetura - UFMG
a superação da ilegalidade urbana - Escola de Arquitetura – UFMG
pdf - Escola de Arquitetura - UFMG
ARTESANIAS CONSTRUTIVAS: - Escola de Arquitetura - UFMG
DISS_ SOARES_WEB - Escola de Arquitetura - UFMG
Déficit habitacional - Escola de Arquitetura – UFMG
“Por uma nova abordagem” - Escola de Arquitetura – UFMG
imagem mental e representação social - Escola de Arquitetura - UFMG
Novas Aquisições - 2010 n° 4 - Escola de Arquitetura - UFMG
i seminário do npgau - Escola de Arquitetura - UFMG
variáveis do clima urbano - Escola de Arquitetura - UFMG
CAPITULO 1 - N - Escola de Arquitetura - UFMG
Princípios Teóricos da Estereoscopia - Escola de Arquitetura - UFMG
Apple Remote Desktop.pdf - Escola de Arquitetura - UFMG
Proposta Manual do Sistema - Escola de Arquitetura - UFMG
Jogando e aprendendo a construir - Escola de Arquitetura – UFMG
a noção de “projeto aberto” - Escola de Arquitetura – UFMG
HORÁRIO 2012/1 - Escola de Arquitetura - UFMG
lista de novas aquisições – 2010 - Escola de Arquitetura – UFMG