Sistema Nervoso - Profa Cecilia H G Ferreira - marchioli

miltonmarchioli.com.br

Sistema Nervoso - Profa Cecilia H G Ferreira - marchioli

Sistema Nervoso

Aula I

Profa. . Dra. Cecília

Helena de A Gouveia Ferreira

Departamento de Anatomia, , ICB, USP


Sistema Nervoso

Conceito

É o sistema que controla e coordena as funções de todos os

sistemas do organismo e, ainda, recebendo estímulos aplicados à

superfície do corpo animal, é capaz de interpretá-los e desencadear,

eventualmente, repostas adequadas a estes estímulos.

Propriedades do SN

Irritabilidade (detecção de modificações)

Condutibilidade (resposta)


Divisão anatômica

Dentro do

esqueleto axial

(crânio

e canal

medular)

Cérebro

Telencéfalo

Diencéfalo

Encéfalo

Cerebelo

Sistema

Nervoso

SNC

Medula

Tronco encefálico

Mesencéfalo

Ponte

Bulbo

SNP

Nervos (cranianos e espinhais)

Gânglios (sensitivos e motores viscerais)

Terminações nervosas (sensitivas ou motoras)


Músculo

estriado

somático

Sistema Nervoso

Divisão funcional

visceral

Glândulas,

músculo

liso ou

músculo

cardíaco

aco

vida de relação

vida vegetativa

movimentos

voluntários

constância do meio

interno


Divisão funcional

Somático

Aferente (sensitivo) - receptores periféricos

ricos

Sistema

Nervoso

Eferente (motor)

Visceral

Aferente - visceroceptores

Eferente = SN autônomo

Simpático

Parassimpático


Divisão com base na segmentação

Sistema

Nervoso

Segmentar (SN Periférico+medula rico+medula espinhal+tronco encefálico)

-conexão com nervos

-substância cinzenta por dentro da branca

Supra-segmentar

(cérebro+cerebelo)

-substância cinzenta por fora da branca


*

*

* Neuro-eixo

eixo


Neurônios


Neurônios

Neurônio aferente ou sensitivo - corpos estão nos gânglios

sensitivos e conduzem ‘a a medula ou tronco encefálico impulsos

originados nos receptores situados na superfície (pele) ou no

interior (vísceras, músculos m

e tendões) do animal

Neurônios eferente ou motor -

-do SN somático

- corpos estão situados dentro do SNC (e.g.

coluna anterior da medula espinhal)

-do SNA - corpos estão situados em gânglios viscerais (fora

do SNC) e inervam os mm. lisos, cardíaco aco ou glândulas

Neurônio de associação ou internunciais - corpos estão dentro

do SNC (complexidade do SNC)


Sinápse

Ponto de contato entre o botão

sináptico

e membrana neuronal

(corpo

celular ou dendrito).


Nervos - cordões esbranquiçados ados constituídos por feixes de fibras

nervosas reforçadas por tecido conjuntivo, que une o SNC aos órgãos

periféricos.

ricos.

nn. . cranianos - união com o encéfalo

nn. . espinhais - união com a medula espinhal

Função

ão- conduzir impulsos nervosos do SNC p/a periferia (ii(

ii.

eferentes) e da periferia para o SNC (ii(

ii. . aferentes)

Características:

-bainhas conjuntivas- epineuro (nervo), perineuro (feixes) e endoneuro

(fibras)

-vascularização- altamente vascularizados

-quase totalmente desprovidos de sensibilidade

-origem real (corpos dos neurônios) e origem aparente (local de

entrada no SNC)

Nervos


Condução

dos ii. Nervosos

Aferentes:

-através s do prolongamentos periféricos ricos dos neurônios sensitivos

-neurônios sensitivos:

•corpos nos gânglios das raízes dorsais dos nn. . espinhais e nos gânglios de

alguns nervos cranianos

•prolongamento

perifério

rio (morfologicate=axônio e funcionalt

lte=dendrito)

•prolongamento central (morfologica(

e funcionalmente=axônio)

Eferentes:

-do corpo celular para o efetuador através s do axônio


Terminações

Nervosas

Sensitivas ou Aferentes (receptores)

Motoras ou Eferentes


Terminações

Nervosas Sensitivas: Receptores

1. Especiais

-órgãos especiais dos sentidos (visão, audição e equilíbrio, gustação e

olfação)

-localizados na cabeça

2. Gerais

a-Livres:

-ii.. dolorosos e táteis t teis (folículos pilosos)

b-Encapsulados:

-Corpúsculos de Meissner (papilas dérmicas d

das mãos e pép

- tato)

-Corpúsculos de Vater-Paccini

(distribuição ampla - pressão)

-Corpúsculos de Krause (derme - frio)

-Corpúsculos de Ruffini (derme - calor)

-Fusos

Neuromusculares (mm. estriados - reflexo miotático

tico ou

de estiramento)

-Órgãos

Tendinosos de Golgi (tendões - tensão no tendão)


Classificação fisiológica:

-Exteroceptores:

•superfície externa do corpo

Terminações

Nervosas Sensitivas: Receptores

-Proprioceptores:

•profundamente nos mm., tendões, ligamentos e cápsulas c

articulares

•ii.. conscientes (cinestesia(

-sentido de posição ou movimento)

•ii.. inconscientes (regulação reflexa da atividade muscular)

-Interoceptores

(visceroceptores)

•vísceras e vasos

•originam diversas formas de sensações viscerais (fome, sede, dor

visceral e prazer sexual)

•ii.. inconscientes (e.g. teor de O2 e pressão ósmótica

no sangue e P.A.)


Terminações

Nervosas Motoras ou Eferentes

Terminações nervosas motoras:

-Somáticas (junções

neuromusculares) ) => m. estriado esquelético

-Viscerais (m. liso, glândulas e m. estriado cardíaco)

aco)

Terminações eferentes somáticas (colin(

colinérgicas):

-placa motora

-fenda

sináptica

(separa axolema do sarcolema)

-vesículas

sinápticas

(armazenam acetilcolina)

-mediador químico (acetilcolina(

acetilcolina)

Terminações eferentes Viscerais (colin(

colinérgicas

ou adrenérgicas

rgicas):

-mediadores químicos (acetilcolina(

ou noradrenalina)

-fibras terminais apresentam varicosidades ricas em vesículas

contendo os mediadores químicos


Terminações

Nervosas Motoras ou Eferentes

Unidade Motora: Conjunto de um neurônio motor e das fibras

musculares por ele inervadas.

-i. nervoso = contração de todas as fibras musculares inervadas pelo

neurônio motor

-aumento do recrutamento de unidades motoras = aumento da força

-proporção fibra nervosa/fibras musculares nas unidades motoras:

- ↓ => força a (m. bíceps b

braquial)

- ↑ => movimentos delicados (mm. interósseos)


Medula Espinhal

-condução de sinais

-circuitos para movimentos

-centros superiores (sinais

analíticos e de comando)

forame magno

bulbo

intumescência cervial

(plexo braquial)

L2

intumescência lombar

(plexo lombo-sacral

sacral)

cone medular

cauda eqüina

filamento terminal


Fascículo

culo

cuneirforme

Fascículo culo grácil

Sulco mediano

posterior

Sulco intermédio

posterior (cervical)

Funículo posterior

Canal central

da medula

2

Sulco lateral

posterior

Comissura

da sub. cinz.

Funículo lateral

Comissura

da sub. branca

3

1

1- coluna ant.

2-coluna post.

3-col. IML (tor(

torácia

e lombar)

Fissura médiam

anterior

Funículo anterior

Sulco lateral

anterior


Vias Medulares

Vias descendentes:

3

1

5

4

6

4

2

1 2

3

6

4 5

Sistema Piramidal

(mov.. voluntários)

1-Tracto

córtico-espinhal

lateral

2-Tracto

córtico-espinhal

anterior

Sistema Extrapiramidal

(mov.. automáticos, ticos, tônus e postura)

3-Tracto rubro-espinhal

4-Tracto retículo

culo-espinal

5-Tracto

olivo-espinhal

6-Tracto vestíbulo

bulo-espinhal

Vias ascendentes:

1-Fascículo culo grácil (af(

af. . dos mm. superiores e 1/2 sup. . do tronco)

2-Fascículo culo cuneiforme (af(

af. . dos mm. inferiores e 1/2 inf. . do tronco)

3-Tracto

espino-talâmico

anterior (sensibilidade tátil) t til) (fun.. anterior)

4-Tracto

espino-talâmico

lateral (dor e temperatura) (fun.. lateral)

5-Tracto

espino-cerebelar

anterior (propriocep(

propriocepção

inconsciente) (fun.. lateral)

6-Tracto

espino-cerebelar

posterior (propriocep(

propriocepção

inconsciente) (fun.. lateral)


Medula Espinhal

Sulco lateral

anterior

Fissura médiam

anterior

Filamentos

radiculares


Nervos Espinhais

corpos dos neurônios

sensitivos pseudo-unipolares


(mistos)


mm. e pele da região

dorsal do tronco, nuca

e região

occipital

tronco do n. espinhal

mm., pele, ossos e (misto)

vasos dos membros e

região ant.-lat. do pescoço e tronco


31 pares de nn. Espinhais


Cauda Eqüina

L2

-As raízes dos últimos

nn.

espinhais dispostas em torno do

cone medular e filamento

terminal, constituem, em conjunto

a cauda eqüina.

-rítmos diferentes de

crescimento longitudinal, entre

medula e col. vertebral


Cauda Eqüina

4 meses de vida

intra-uterina

nascimento


cervical torácica lombar


Topografia vértebro-medular

-C2-T10

⇒ processo espinhoso + 2 = processo

medular adjacente

-processos espinhosos de T11-T12

T12 = 5 segmentos

lombares

-processo espinhoso de L1 = 5 segmentos sacrais

*importância clínica


Dermátomo: Território

cutâneo inervado por

fibras de uma única

raiz dorsal. Recebe o

nome da raíz que o

inerva


-Dura-máter

-mais externa e mais espessa

-prolongamentos laterais embainham as raizes do nn.

espinhais

-saco

dural (fundo de saco ⇒ S2)

-Aracnóide

(intermediária)

ria)

Envoltórios

da Medula

(meninges)

-Pia-máter

-mais interna e delicada

-adere-se intimamente ao tecido nervoso

-penetra na fissura mediana anterior

-continua-se como filamento terminal (perfura o saco dural,

vai até o hiato sacral, , recebe prolongamentos da dura-máter

= filamento da dura-máter espinhal ⇒ se insere na

superfície dorsal do cóccix c ccix = ligamento coccígeo

geo)

-ligamento denticulado (dispõe-se se entre as raízes dorsais e

ventrais dos nn. . Espinhais e se insere na aracnóide e duramáter)=elemento

de fixação da medula


Envoltórios

da Medula


Espaços

meníngeos

ngeos

Espaço Situação Conteúdo

Epidural

(Extra-dural)

Subdural

Subaracnóideo

entre a dura e o

periósteo do canal

vertebral

espaço virtual

entre a dura e a

aracnóide

entre a aracnóide e

pia-máter

tecido adiposo e plexo

venoso vertebral interno

pequena quantidade de

líquido

líquido cérebro espinal

(ou líquor)


-L2

⇒ fim da medula espinhal

-S2

⇒ terminam saco dural e aracnóide

-L2-S2


- > espaço aracnóideo

(> quantidade de líquor)

-filamentos terminais e raízes

-não háh

perigo de lesão medular

-local de introdução de agulhas:

-retirada de líquor

-medir a pressão do líquorquor

-anestesias raquidianas

More magazines by this user
Similar magazines