Prof. Dr. Fernando Moreira da Silva - Universidade dos Açores

angra.uac.pt

Prof. Dr. Fernando Moreira da Silva - Universidade dos Açores

Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaUNIVERSIDADE DOS AÇORESAMESTRADO EM ENGENHARIA ZOOTÉCNICAManeio reprodutivo/gestão da reproduçãomoreira da silva2008/20101 1


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaDefinições:• fertilidade: (Lush,1970)– fecundidade: é a capacidade da fêmea produzirum ovócito funcional– fertilidade: capacidade de produzir umdescendente vivo1 2


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaDefinições:• infertilidade: não concebem em condiçõesambientais favoráveis, ou ao conceberem não sãocapazes de levar a gestação a termo.– anomalias do ciclo sexual– incapacidade de cópula, concepção edesenvolvimento do concepto– incapacidade temporária-permanente– incapacidade congénita-adquirida1 3


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaInfertilidade• formas: anestro, ninfomania, perturbaçõesna concepção, mortalidade embrionária eabortos1 4


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaDefinições:• esterilidade: infertilidade irreversível• Sub - fertilidade : redução da capacidadereprodutiva (predisposição genética)1 5


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaMedidas da fertilidade• taxa de concepção• taxa de nascimentos• taxa de crias desmamadas1 6


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaEficiência Reprodutiva• eventos importantes: fêmeas– regularidade de cios– ovulação– gestação–partos• aspectos associados:– puberdade, idade ao primeiro parto, intervalo entre partos,número médio de crias produzidos, vida útil1 7


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaEficiência Reprodutiva• eventos importantes : machos– puberdade– capacidade de salto–libido– qualidade do sémen1 8


Mestrado em em Produção Eng. Zootecnica Animal 2003/2005 2008/2010ESACB – Castelo BrancoReprodução - - Moreira da da SilvaAspectos a considerar neste curso:1 – O ciclo sexual2 – Técnicas de sincronização da ovulaçãoa) uso de progestagéneosb) uso de prostaglandinas (ou análogos)3 – Maneio reprodutivo após o parto4 – Técnicas auxiliares de Reprodução5 – Diagnósticos de gestação e de bem-estar fetal1 9


Mestrado em em Produção Eng. Zootecnica Animal 2003/2005 2008/2010ESACB – Castelo BrancoReprodução - - Moreira da da SilvaObjectivos dum Programa Reprodutivo* Início/continuidade da lactação* Substituição/refugo* Novilhas grávidas aos 13 - 15 meses de idade* Partos aos 22 - 24 meses* Vacas grávidas aos 90 - 115 dias de lactação* Partos de 12 – 12 meses1 10


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaAnatomia do aparelho reprodutor na fêmea1 11


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaAspectos a considerar:1 – Ciclo sexual2 – Detecção do cio3 – Técnicas de sincronização da ovulaçãoa) uso de progestagéneosb) uso de prostaglandinas (ou análogos)4 – Maneio reprodutivo após o parto1 12


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaCiclo sexualCiclo ovárico :Dia 0: Estro (cio) dia 1–4: metaestro dia 5–17: diestro dia 18–20: proestro-------------| Fase Luteínica |Fase folicular ------------------- | Fase Progesterónica |Fase Estrogénica--------------- | CL em formação | CL funcional | CL em regressão|--Estro - | ----------------------------- não estro --------------------------------------------|Ciclo uterino:Fase menstrualFase proliferativaFase secretora1 13


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponentes do ciclo sexual:1 – Componente celular2 – Componente hormonal3 – Componente comportamental1 14


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaCorpo lúteoFolículoOvário de vaca onde é visível um folículo e um corpo lúteo1 15


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente celularOvário:* córtex* medula1 16


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaFolículo secundário Oócito I GranulosaFolículos primáriosFolículo terciárioCorpo lúteo em regressãoFolículosprimordiaisFolículo de GraafCavidadefolicularOócito ILigamentodo ovárioCorpo lúteoTecaZona pelúcidaOócito IICorona radiataMedula1 17Desenvolvimento do corpo lúteo


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente celular:1 – Folículosa) primordiaisb) primáriosc) secundáriosd) terciáriose) de De Graaff) Pré-ovulatóriosg) QuísticosOvócito M II2 – Corpos lúteos:a) em formaçãob) funcionalc) em Regressãod) Quísticos3 – Corpos albicans1 18


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaAnatomia do aparelho reprodutor na fêmeaartéria/veia uterina e ovárica1 19


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva1 20


OvogóniaMestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaMitoses sucessivasFolículo primordialcom célulasfolicularesOvócito IMeiose suspensaDurante a vida fetalInício da meiose IFolículo primárioOvócito IInício do desenvolvimentodo folículo na puberdadeFolículo secundárioOvócito IFolículo terciárioOvócito IFolículo de Graaf1 21


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaTecasGranulosaZona pelúcidaCavidade folicularOvócito IIFolículo de GraafOvócito IOvulaçãoFormação do corpoamarelo ou corpo lúteo1 22


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaFoliculogéneseOvogéneseNúcleoNucléoloCitoplasmaGlóbulo polarZona pelúcidaCorona radiata1 23


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva“O ciclo sexual feminino resulta deum conjunto de fenómenos cíclicos”1 24


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaCiclo OváricoDesenvolvimento do folículoOvulaçãoCorpo lúteoFase FolicularDia 01 25Fase luteínica


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaCiclo UterinoFase menstrualFase proliferativaFase Secretora1 26


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaCiclo UterinoEndométrioFasemenstrualFase proliferativa Fase secretora Fasemenstrual1 27


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaReparativa ou ProliferativaProgestativa ou Secretora1 28


Ciclo UterinoMestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva• ⇒ Fase Menstrual - Quando não há fecundação a parede do úterodesagrega-se sendo destruída cerca de 4/5 mm da sua espessura. Osfragmentos de tecido e sangue proveniente dos vasos que irrigam aparede do útero, são libertados traduzindo-se numa hemorragia emarca o início de todo o ciclo sexual feminino (fase de proestro)• ⇒ Fase Proliferativa - Após a menstruação a mucosa uterina éreconstituída, em que os vasos sanguíneos e tecidos sãoreconstituídos, passando de 1 a 5 mm de espessura (fase de estro)• ⇒ Fase de Secreção - O endométrio enriquece-se de glândulas evasos sanguíneos. As glândulas produzem um muco que éparticularmente abundante na ovulação. Deste modo, o útero estápronto para receber e alojar nesta camada “fofa e esponjosa” umembrião. Caso não tenha ocorrido um fecundação esta camadadegenera, iniciando-se assim um novo ciclo com a fase menstrual1 29(Ocorre na fase de metaestro)


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaO Ciclo Uterino1 30


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaFase folicular/Fase proliferativaFase luteínica / Fase secretoraRegeneração do endométrio:Fenómenos correlacionadoscom a reprodução:-Desenvolvimento do endométriouterino glândulas-Desenvolvimento da rede de vasossanguíneos-Desenvolvimento uterino deglândulas que asseguram a vida livredo embrião durante os primeirosdias de vida1 31


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponentes do ciclo sexual:1 – Componente celular2 – Componente hormonal3 – Componente comportamental1 32


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente Hormonal-Hipotálamo (centro cíclico e centro tónico) produz:- GnRH-Lóbulo anterior da hipófise (centro cíclico e centro tónico) produz:-FSH-LH-Ovário produz:-Estrogéneos (folículo)-Progesterona (CL)-Oxitocina (CL)1 33- Células do lúmen uterino produzem PGF2 alfa


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaEsquema do ciclo sexual(+)(-)1 34


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaTestosterona1 35


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva1 – Variação do tamanho do folículo/CL- Fase folicular- Fase luteínica1 36


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva1 37


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaVariação hormonalao longo do ciclo sexual1 38


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaCentro tónico e centro cíclico no ciclo sexual1 39


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaDinãmica folicular durante um ciclo sexual1 40


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponentes do ciclo sexual:1 – Componente celular2 – Componente hormonal3 – Componente comportamental1 41


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente comportamental – CIOTécnica primordial de detecção do cio:Observação dos animais por um período de15 – 30 minutos pelo menos três vezes pordia sendo forçosamente uma ao amanhecere outra ao entardecer.Objectivo da detecção do cio:Determinar com exactidão a altura em que afêmea pode ser inseminada ou levada aomacho para monta natural1 42


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaSinais de cio:* Inicialmente a vaca salta todas as vacas da manada* A vaca é realmente considerada em cio quando se deixa montar pelas outras vacas* Abaixamento da produção de leite* Aumento da temperatura corporal* Aumento do metabolismo dos animais* Vocalização* Perda de apetite1 43


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaDuração: em média de 6 – 30 horas* vacas – 8 horas ; * Novilhas – 12 horasDuração do cio (horas)1 44


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaNúmero de saltos por cioNúmero de saltos por cio1 45


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaDistribuição do 1º salto ao longo do dia1 46


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente comportamental – CIOTécnicas auxiliares de detecção do cio:1 – Registos individuais: (cios; anomalias; partos; abortos; ... )2 – Dispositivos especiais (pastas moles; Kamar; tintas com gesso ...)3 – Circuitos internos de TV (obriga a uma boa identificação dos animais)4 – Variação térmica dos animais (leite; pele; vaginal/rectal)5 – Detectores de movimento (pedómetros)6 – Factores de produção (leite)7 – Factores intrínsecos ao animal (eg. Apetite)8 – Calendários de 21 dias9 – Doseamentos hormonais(P4; E2; FSH/LH)1 47


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaTaxa de concepção tendo em conta a hora em que foram inseminadasapós o início do cio (adaptedo de Dransfield et al. 1998).Intervalo entre incio do cio e IA (horas) 1Número de InseminaçõesTaxa de concepção0 a 4 horas 327 43.1>4 a 8 horas 735 50.9> 8 a 12 horas 677 51.1> 12 a 16 horas 459 46.2> 16 a 20 horas 317 28.1> 20 a 24 horas 139 31.7> 24 a 26 horas 7 14.31 - início do cio detectado observação visual1 48


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente comportamental – CIOTécnicas auxiliares de detecção do cio:1 – Registos individuais: (cios; anomalias; partos; abortos; ... )2 – Dispositivos especiais (pastas moles; Kamar; tintas com gesso ...)3 – Circuitos internos de TV (obriga a uma boa identificação dos animais)4 – Variação térmica dos animais (leite; pele; vaginal/rectal)5 – Detectores de movimento (pedómetros)6 – Factores de produção (leite)7 – Factores intrínsecos ao animal (eg. Apetite)8 – Calendários de 21 dias9 – Doseamentos hormonais(P4; E2; FSH/LH)1 49


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente comportamental – CIOTécnicas auxiliares de detecção do cio:1 – Registos individuais: (cios; anomalias; partos; abortos; ... )2 – Dispositivos especiais (pastas moles; Kamar; tintas com gesso ...)3 – Circuitos internos de TV (obriga a uma boa identificação dos animais)4 – Variação térmica dos animais (leite; pele; vaginal/rectal)5 – Detectores de movimento (pedómetros)6 – Factores de produção (leite)7 – Factores intrínsecos ao animal (eg. Apetite)8 – Calendários de 21 dias9 – Doseamentos hormonais(P4; E2; FSH/LH)1 50


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaUso de Kamar na detecção do cio1 – KAMAR2 – Colocação na vaca3 – Não cio4 - Cio1 21 51


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente comportamental – CIOTécnicas auxiliares de detecção do cio:1 – Registos individuais: (cios; anomalias; partos; abortos; ... )2 – Dispositivos especiais (pastas moles; Kamar; tintas com gesso ...)3 – Circuitos internos de TV (obriga a uma boa identificação dos animais)4 – Variação térmica dos animais (leite; pele; vaginal/rectal)5 – Detectores de movimento (pedómetros)6 – Factores de produção (leite)7 – Factores intrínsecos ao animal (eg. Apetite)8 – Calendários de 21 dias9 – Doseamentos hormonais(P4; E2; FSH/LH)1 52


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente comportamental – CIOTécnicas auxiliares de detecção do cio:1 – Registos individuais: (cios; anomalias; partos; abortos; ... )2 – Dispositivos especiais (pastas moles; Kamar; tintas com gesso ...)3 – Circuitos internos de TV (obriga a uma boa identificação dos animais)4 – Variação térmica dos animais (leite; pele; vaginal/rectal)5 – Detectores de movimento (pedómetros)6 – Factores de produção (leite)7 – Factores intrínsecos ao animal (eg. Apetite)8 – Calendários de 21 dias9 – Doseamentos hormonais(P4; E2; FSH/LH)1 53


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaAvaliaçãoPor temperaturacorporal1 54


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente comportamental – CIOTécnicas auxiliares de detecção do cio:1 – Registos individuais: (cios; anomalias; partos; abortos; ... )2 – Dispositivos especiais (pastas moles; Kamar; tintas com gesso ...)3 – Circuitos internos de TV (obriga a uma boa identificação dos animais)4 – Variação térmica dos animais (leite; pele; vaginal/rectal)5 – Detectores de movimento (pedómetros)6 – Factores de produção (leite)7 – Factores intrínsecos ao animal (eg. Apetite)8 – Calendários de 21 dias9 – Doseamentos hormonais(P4; E2; FSH/LH)1 55


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaColocação do pedómetroNa pata da vacaAvaliação da actividade na sala de ordenha 2 x diaPedómetros1 56


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaAvaliação dos resultados da eficiência reprodutiva da manada usando opedómetro como técnica de detecção do cioNúmero de animais avaliados = 82Taxa de IA’s fora de cio 40,65%Taxa de IA’s em animais gestantes 2,44%Taxa de animais em gestação após IA1 21,95%Taxa de animais com ME 34.17%Taxa de animais com abortos 0%Intervalo (em dias) entre o parto e a 1ª 102,0 ± 26,8IA1 57


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente comportamental – CIOTécnicas auxiliares de detecção do cio:1 – Registos individuais: (cios; anomalias; partos; abortos; ... )2 – Dispositivos especiais (pastas moles; Kamar; tintas com gesso ...)3 – Circuitos internos de TV (obriga a uma boa identificação dos animais)4 – Variação térmica dos animais (leite; pele; vaginal/rectal)5 – Detectores de movimento (pedómetros)6 – Factores de produção (leite)7 – Factores intrínsecos ao animal (eg. Apetite)8 – Calendários de 21 dias9 – Doseamentos hormonais(P4; E2; FSH/LH)1 58


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaComponente comportamental – CIOTécnicas auxiliares de detecção do cio:1 – Registos individuais: (cios; anomalias; partos; abortos; ... )2 – Dispositivos especiais (pastas moles; Kamar; tintas com gesso ...)3 – Circuitos internos de TV (obriga a uma boa identificação dos animais)4 – Variação térmica dos animais (leite; pele; vaginal/rectal)5 – Detectores de movimento (pedómetros)6 – Factores de produção (leite)7 – Factores intrínsecos ao animal (eg. Apetite)8 – Calendários de 21 dias9 – Doseamentos hormonais(P4; E2; FSH/LH)1 59


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaHormonas doseadasProgesterona: valores inferiores a 0.5 ng/ml de plasma = cioEstradiol: Valores superiores a 100 pg/ml = cioFSHLH1 60


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaAlguns valores do maneio reprodutivo1 – 5 – 15% das vacas são inseminadas fora do cio2 – Vacas gestantes à primeira IA: 45%* qualidade do sémen* fertilidade das vacas* inseminador (local onde é deixado o sémen)* momento da inseminação3 - Vacas gestantes à segunda IA: 40%4 – Abortos – 15%1 61


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaCustos da má detecção do cio:1 – Perda de leite2 – Gastos na alimentação dosanimais3 – Menos bezerros para vender4 – Aumento dos custos daexploraçãoCustos por dia:< 100 dias = 0101 – 120 = 0.5 euros vaca/dia121 – 142 = 1 euro vaca/dia143 – 163 = 1.5 euros vaca/dia164 – 184 = 2 euros vaca/dia185 – 205 = 2.25 euros vaca/dia> 205 =2.5 euros vaca/dia1 62


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaAspectos a considerar neste curso:1 – O ciclo sexual2 – Técnicas de sincronização da ovulaçãoa) uso de progestagéneosb) uso de prostaglandinas (ou análogos)3 – Maneio reprodutivo após o parto1 63


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaDefinição:O controlo farmacológico do ciclo sexual consistena administração de hormonas que controlam aovulação.Estes tratamentos podem ser usados em animaisindividuais ou em grupos.1 64


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaVantagens:Facilidade no uso da IASistemas intensivos de produçãoFacilidade de detecção do cioConcentração da detecção do cioUtilizado mais frequentemente em novilhasVacas boas produtoras (prolactina)Partos sincronizados em intervalos pequenosControlo dos partos mais rigorosoDesvio dos partos para uma época do ano que mais convenhaAlimentação dos animaisInteresse particular em grupos de pouca atençãoRacionamento da mão de obraEvita perdas de cioSuperovulação / transferência de embriões(...)1 65


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaDesvantagens:CustosMão de obra especializadaNão compatível com o maneio de algumas exploraçõesEm explorações de leite o uso de prostaglandinas obriga à eliminação doLeite pelo menos 3 dias1 66


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva365 días85 dias 280 diasTempo de gestação45 dias 40 diasInvolução uterina Período para IA1 67


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaProgestagéneos: PRID; NORGESTOMET; CRESTAR ; ...Princípio Fisiológico:1 – Administração de agentes luteolíticos (sais de estradiol)2 – Simulação dum corpo lúteo funcional pela administraçãode progesterona, seguida dum abaixamento abrupto2 – Aumento das hormonas gonadotrofinas4 – Cio5 - Ovulação1 68


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva• COMPOSIÇÃO:• Implante : 3 mg de norgestomet.• Injecção : 3mg de norgestomet• 5 mg de valerato de estradiol.1 69


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaMODO DE ACÇÃO:A INJECÇÃO:1 - Assegura que rápidamente se inicie a lise do CLLa fase lútea2 – O estradiol activa a actividade do ovárioO IMPLANTE:Permite uma constante libertação de P4 na correntesanguínea até ser retirado1 70


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaTÉCNICA DE APLICAÇÃO:1- Desinfectar o material2- Imobilizar o animal3 - Preparar a injecção4 – Colocar o implante5 - Aplicar a injecção (2ml).1 71


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaSincronização de novilhas e vacasIMPLANTEREMOVE O IMPLANTEINJECÇÃO9 OU 10 DIASDETECÇÃODOCIOI.A.DIA 01 72


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva141 – Corpo lúteo funcional2 – Início do tratamento3 – Final do tratamento4 – Crescimento folicular e cio2 31 73


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva• Aspectos a considerar aquindo da sincronização daovulação:• A- Condição corporal• B- Avaliação sanitária• C- Inseminação Artificial ou Monta controlada.• D- Sistema de Registos• E – Boa alimentação• G- Flushing Energético1 74


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaPRID:Esquema do prid e sua aplicação1 75


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaProstaglandinas F2 alfa ou seus análogosPrincípio Fisiológico:1 – Administração de agentes que induzem a luteolise2 – Luteolise prematura3 – Progesterona desce para níveis basais (30 horas)4 – Aumento das hormonas gonadotrofinas5 – Cio6 – Ovulação1 76


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaTécnicas de uso de Prostaglandinas:1 – Conjuntamente com palpação rectal2 – Conjuntamente coma observação dos animais durante 7 dias3 – Método 1 ½4 – Método 2 + 21 77


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaFactores que intervêm no sucesso:1 – Maneio alimentar2 – Boa condição corporal3 – Factor sanitário4 – maneio em geral dos animais5 – Boa identificação e registo dos animais6 – Boa IA/monta natural7 – Boa qualidade do sémen1 78


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaFalhas de sincronia após o uso de prostaglandinas1 – Falha da luteolise completa2 – Administração incorrecta da PGF2 Alfa (em vez deIntramuscular pode ser na gordura ou nos ligamentos)3 – Fase folicular demasiado longa após a injecção de prostaglandinas4 – Vacas acíclicas1 79


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaControlo reprodutivo pós parto:- Anestro pós parto- Anestro de lactação- Influência da perda de peso na actividade ovárica- Influência da facilidade de parto na actividade ovárica1 80


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaActividade imunitária e Reprodução-Influência da repodução de neutrófilos e actividade imunitária-Aparecimento de metrites-Formas de tratamento1 81


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaAspectos a considerar neste curso:1 – O ciclo sexual2 – Técnicas de sincronização da ovulaçãoa) uso de progestagéneosb) uso de prostaglandinas (ou análogos)3 – Maneio reprodutivo após o parto4 – Técnicas auxiliares de Reprodução5 – Diagnósticos de gestação e de bem estar fetal1 82


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva- Transferência de embriões- Clonagem-Clonagem de embriões-Clonagem de indivíduos adultos- Fecundação in vitro- Produção de gémeos e de quimeras- Sexagem (Sémen e de embriões)1 83


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva- Transferência de embriões- Clonagem-Clonagem de embriões-Clonagem de indivíduos adultos- Fecundação in vitro- Produção de gémeos e de quimeras- Sexagem (Sémen e de embriões)1 84


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaEtapas da Transferência de embriõesEscolha das fêmeasObservação do cioSuperovulaçãoRecolha dos embriõesTransferência dos embriões1 85


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaEscolha dasfêmeas dadorase receptoras numprograma de TE1 86


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva1 87


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva1 88


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaAspectos a considerar neste curso:1 – O ciclo sexual2 – Técnicas de sincronização da ovulaçãoa) uso de progestagéneosb) uso de prostaglandinas (ou análogos)3 – Maneio reprodutivo após o parto4 – Técnicas auxiliares de Reprodução5 – Diagnósticos de gestação e de bem estar fetal1 89


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaReconhecimento materno de gestaçãoEarly Pregnancy FactorProgesteronaInterféron tauGonadotrofina CorionicaProteínas Específicas ou Associadas à Gestação1 90


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaFecundação1º dia2º diaImplantaçãoEndométrio4º dia6-7º dia9º diaCamada superficial de célulasEstádio deMórulaMassa celularinternaParede uterinaBotãoembrionárioCavidade doblastocistoTrofoblastoEstádio deBlastocistoCavidade uterina1 91


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaFecundação1 92


12 horasMestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva1célula1 93


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva24 horas2 células1 94


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva45 horas4 células1 95


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva72 horas16 células1 96


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva1 97


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva1 98


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva1 99


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva1 100


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaSinais embrionários da gestaçãoEmbriãoUnidade feto-placentáriaSo1 101


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaSociété Française de Buiatrie, Paris, 29-31 Oct 20021 102


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaInterféron tauTrofoblastina = Interféron tau (IFNτ) Emitidas pelas células do trofoblasto Durante o início da gestação Acção local … Sinal antiluteolíticoMartal et al. 19791 103


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaIFNτ Sinal anti-luteolítico Manutenção do corpo lúteo Não detectável no sangue peperiféricoDiagnóstico de gestação pelo doseamento daprogesterona no sangue ou no leite1 104


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaPerfil plasmático da ECGSociété Française de Buiatrie, Paris, 29-31 Oct 20021 105


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaPerfil de PAG em bovinos desde a IA até ao parto1 106Zoli et al. 1992


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva20PAG (ng/ml)151050RIA 1RIA 2RIA 30 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 60Dias após IAPerenyi et al. 20021 107


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaMortalidade embrionária1 108


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaMortalidade fetal espontãnea806040200RIA 1RIA 2RIA 3Dia1440 20 40 60 80 100 120 140 160 180 200Perenyi, 20021 109


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaFactores que influenciam a reprodução1 - AlimentaçãoNíveis de azotoBalanço energéticoMicro/macro elementos (Dr. Carlos Pinto)2 - Factores genéticos3 – Maneio3 - Doenças infecciosas1 110


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaEfeito de 3 níveis de proteína em parâmetros reprodutivosTeor deProteína12,7% 16,3% 19,3%Dias em aberto 69 96 106Dias até primeirocioServiço/concepção36 45 271,47 1,87 2,471 111Jordan & Swansson, 1999


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaRelação entre perda de condição corporal(balanço energético negativo) e nutrição (Guthrie , 1999)Diminuição do score corporal(balanço energético negativo)Baixo Médio ElevadoVacas (número) 17 64 121 o ovulação pós-parto (dias) 27 31 421 o serviço (dias) 48 41 62Concepção 1 serviço (%) 65 53 17Serviços/concepção 1,8 2,3 2,31 112


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaFactores genéticos:• aplasia ou hipoplasia dos ductos genitais• hipoplasia das gônodas• espermatozóides anormais, defeitos cromossómicos• anomalias embrionárias = genes letais e subletais• defeitos funcionais: falta de libido, ovulação silenciosa,ovários quísticos1 113


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva• Maneio– maneio de pastagens– estação de monta e desmame– reposição– maneio do touro– uso de I.A. e T.E– aspecto administrativo: carência de dados dorebanho = causas dos problemas1 114


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaAspectos sanitários: (redução de 25%natalidade)•brucelose• leptospirose• rinotraqueíte infecciosa bovina (IBR)•BVD• Neospora canina• metrites, retenção de placenta1 115


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaCausas da infertilidade em bovinosCausaAlimentar 67,16 %Infecciosa 21,13 %Outras 11,71 %Fonte: NUNES, 19801 116


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaDoenças infecciosasBrucellaabortus- aborto com 6 ou mais meses.- placenta com edema e necrose doscotilédones- soro- leite- placenta- feto (estômago)Leptospirapomona eL. hardjo- aborto com ou sem febre- aborto com 5 ou mais meses- placenta sem vascularização- feto- urina- soroVírus IBR- Aborto na segunda metade dagestação- autólise do feto- sintomas respiratórios ou conjuntiviteaté 3 meses antes do aborto- placenta- feto- soroVírus BVD- aborto no meio da gestação- retorno do cio- bezerros com defeitos congênitos- feto- soroTricbomonasfoetus- aborto com 2 a 4 meses- piometra- infertilidade: retorno do cio após 4 a 5meses- estômago do feto- exsudato uterino- muco cervicalCampylobacterfoetus- taxa de aborto baixa- aborto com 4 a 6 meses- invertilidade temporaria: diestroirregular- estômago do feto- placenta1 - exsudato uterino 117- muco cervical


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da Silva• Bibliografia:• McDONALD, L.E.; D.V.M.; Ph-D.; 1975. Veterinary endocrinology andreproduction. 2nd Edition Lea & Febiger. Philadelphia.• THIBAULT, C.; LAVASSER, M.C.; 1991. La reproduction chez lesmammifères et l’home. INRA – France.• GORDON, I.; 1994. Laboratory production of cattle embryos.Biothecnology in Agriculture 11. CAB Internacional.• Curtis, J. L. (1991). Cattle Embryo Transfer Procedure. AcademicPress, Inc., Harcourt Brace Jovanovich, Publishers.1 118


Mestrado em Eng. Zootecnica 2008/2010Reprodução --Moreira da da SilvaFIM1 119

More magazines by this user
Similar magazines