Edição 38 download da revista completa - Logweb

logweb.com.br

Edição 38 download da revista completa - Logweb

J O R N A LLogWebEDIÇÃO Nº38—ABRIL— 2005A multimídia a serviço da logísticaPublicação integrante do portal www.logweb.com.brPancary lançaseguro livre delimites e restriçõesA Pamcary está lançando o Pamtax. Trata-sede um sistema que, de acordo com AlexandreMauro, diretor de seguros da empresa, torna possívela cobertura total do seguro do transporte decargas sem os limites e as restrições normalmentepraticados no mercado. (Página 4)Execplan apresentasolução para atacadoe distribuiçãoA Execplan está lançando uma nova versãodo Retail Intelligence. Trata-se de uma soluçãoespecífica para atender aos executivos deempresas de varejo/atacadistas e de distribuição.(Página 6)Nova trilateral daBT tem elevaçãopor nitrogênioSegundo a empresa, esta máquina tem, comoinovação, um sistema de elevação da carga e dacabine do operador que utiliza um cilindro denitrogênio para a elevação e a descida, possibilitandoeconomia de até 40% do consumo da bateria.(Página 10)Após a Páscoa,Logistock se preparapara Dia das MãesAtendendo à fabricante de chocolatesSalware, a Logistock movimentou, por conta daPáscoa, o triplo da média do que é habitualmentetrabalhado no restante do ano junto a esse cliente.(Página 11)Pneus IndustriaisInspeçõesperiódicas sãoimprescindíveisAlém disso, itens comocalibragem, condições do piso,conscientização do operador erodízio também sãofundamentais para prolongar avida útil dos pneus industriais.(página 14)Locação de EmpilhadeirasUma série debenefícios, euma frota novaSão vários os benefíciosproporcionados pela locação deempilhadeiras e de paleteiras. O principaldeles, apontado pelos adeptos desta opção, éo fato de contar com equipamentos semprenovos e com uma assistência técnicacompetente. (Página 17)Rodas e RodíziosO cuidadona escolhaé fundamentalA escolha inadequada da roda ou do rodíziopode trazer sérias conseqüências, incluindo ofraco desempenho do equipamento onde estãoinstaladas e até problemas físicos aosresponsáveis pela movimentação desteequipamento. (página 20)Elsys usa Correiospara serviços deassistência técnicaConsiderada a mais nova marca de CDplayers do mercado brasileiro, e já tendo fabricadoprodutos para terceiros, como Sky,Net, Motorola e Multibrás, a Elsys firmouum acordo com a ECT – Empresa Brasileirade Correios e Telégrafos para proporcionaratendimento pós-venda da linha ElsysExtreme Power. (Página 21)Agenda ..................................... págs. 6 e 7Armazenagem Frigorificada .......... pág. 4Artigo ............................................ pág. 22Catálogo ....................................... pág.23Comércio Exterior ......................... pág. 19Entrevista ...................................... pág. 13Internet ......................................... pág.22Livro .............................................. pág.23Rio de Janeiro .............................. pág.12Supply Chain ................................. pág. 5Este jornal e outrasinformações tambémestão no portalwww.logweb.com.br


2 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brExpedienteJORNALLogWebPublicação mensal, especializadaem logística, da LogWeb EditoraLtda. Parte integrante do portalwww.logweb.com.brRedação, Publicidade,Circulação e Administração:Rua dos Pinheiros, 234 - 05422-000São Paulo - SPFone/Fax: 11 3081.2772Nextel: 11 7714.5379 ID: 15*7582Redação:Nextel: 11 7714.5381 - ID: 15*7949Comercial:Nextel: 11 7714.5380 - ID: 15*7583Editor (MTB/SP 12068)Wanderley Gonelli Gonçalvesjornalismo@logweb.com.brMarketingJosé Luíz Nammurjlnammur@logweb.com.brDiretoria ExecutivaValeria Limavaleria.lima@logweb.com.brDiretoria ComercialDeivid Roberto Santosroberto.santos@logweb.com.brRepresentantes ComerciaisSP: Christine Funkecomercial.2@logweb.com.brRJ: comercialrio@logweb.com.brAdministração/FinançasLuís Cláudio R. Ferreiraluis.claudio@logweb.com.brDireção de ArteFátima Rosa PereiraOs artigos assinados nãoexpressam, necessariamente,a opinião do jornal.Varig Logpromoveexportação decouro a partirdo CearáA Varig Log estárealizando operaçõescargueiras de envio decouro bovino do Cearádireto para o mercadoexterno. De janeiro atéagora, já foram exportadas200 toneladas domaterial, especialmentepara os Estados Unidos.Toda semana, cerca de40 toneladas de courosaem do Ceará em trêsvôos operados pela VarigLog. O couro exportado éusado, principalmente,na fabricação de bolsas,sapatos e roupas e, antesde a empresa entrarneste mercado, otransporte era feito porvia rodoviária até SãoPaulo, para depoisembarcar para outrospaíses.


www.logweb.com.brn EDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005n nLogWeb 3EditorialLocação,pneus,rodas erodíziosMais que ficarinventando nomes,resolvemosdenominar uma das matériasprincipais desta ediçãosimplesmente de “locação deempilhadeiras e depaleteiras”. Afinal, locação élocação, e não acreditamosserem necessários modismospara destacar toda aimportância que tem nalogística atual. Vale ressaltarque nesta matéria deLogWeb, o ponto de vista édo usuário, do profissionalque está do outro lado,operando os equipamentoslocados, o que representauma análise bastante realistadesta atividade.Mas, também outrosequipamentos do setormerecem destaque nestaedição. São os pneus, asrodas e os rodízios. Algunsdos especialistas nestesequipamentos mostram asconseqüências do usoindevido e o que fazer paraconservá-los bem, entreoutros assuntos.A cada edição, procuramoslevar ao conhecimentodos nossos leitores umpouco deste grande universode assuntos que integram osetor de logística, procurando,realmente, mostrar toda acadeia de abastecimento.Wanderley Gonelli GonçalvesEditorjornalismo@logweb.com.br


4 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brSeguro do transporte de cargasPancary lançasistema livre delimites e restriçõesFornecedora logísticaRyder recebeprêmio da GMdo BrasilAPamcary está lançandoo Pamtax. Trata-se deum sistema que, deacordo com Alexandre Mauro,diretor de seguros da empresa, tornapossível a cobertura total do segurodo transporte de cargas semos limites e as restrições normalmentepraticados no mercado. “Onovo sistema não impõe medidasde gerenciamento de riscos, quemuitas vezes exigem custos elevadoscom escoltas ou rastreamentos.Além disso, não há mais limites demercadorias por viagem e, por isso,as cargas não precisam serfracionadas. O cliente agora estálivre para trabalhar a sua logísticacom segurança”, diz Mauro.Ele explica que estes benefíciosestão sendo possíveis porque,com o Pamtax, a seguradora podeavaliar, separadamente, os riscos decada uma das viagens, fixando ovalor da taxa do seguro correspondente.Antes deste lançamento, ovalor das taxas de seguro no setorde transporte de cargas era calculadocom base na relação entre ossinistros reclamados e o total deprêmios arrecadados pelas seguradoras.O impedimento de analisaros riscos de cada viagem obrigavaas companhias a impor medidasseveras de gerenciamento de riscos,a fim de prevenir prejuízos.”Esta prática não apenas obrigavaa observação de limites e restrições,como também socializava o custodo seguro entre todos os usuários,penalizando as cargas de menorrisco”, diz o diretor.Para permitir a fixação do valorda taxa do seguro de cada viagem,o Pamtax trabalha com umagrande quantidade de informações,que leva em conta o histórico decerca de 10 milhões de viagens realizadas.Os principais fatores analisadossão as condições das estradas,o interesse das quadrilhas pelamercadoria transportada, as medidasde gerenciamento de riscosadotadas, o perfil do motorista e doproprietário do veículo, entre outrasvariáveis.Mauro destaca, ainda, que “asmedidas de gerenciamento de riscosagora estão a critério do transportadore embarcador. A seguradorase limitará a calcular o valordo risco antes de cada embarque demercadoria e fornecer o custo correspondentedo seguro. Isso evitarágastos desnecessários com segurançae viabilizará vários novos negóciospara o mercado de transportee logística, sobretudo para as pequenase médias empresas”. ■Asubsidiária brasileira daRyder foi uma das vencedorasdo 32º Certificadode Mérito da GeneralMotors do Brasil. Ela foi reconhecidacomo a melhor fornecedoralogística da montadora nopaís em 2004.A GM levou em consideraçãoquatro critérios - qualidade, serviços,tecnologia e preço - paraeleger os vencedores em seis categorias:Químico, Elétrico, Metálico/Powertrain,Material Indireto,Logística e Peças e Acessórios.A Ryder conquistou o méritona categoria “Logística”.A Ryder é responsável portoda a logística de abastecimentoprogramado (milk-run) dasplantas da General Motors localizadasem São Caetano do Sul,SP, São José dos Campos, SP, eGravataí, RS, no Brasil, e emRosário, na Argentina. A empresa,especializada em logística integrada,também opera os Centrosde Consolidação de Materiaispara as plantas de Rosário eGravataí e executa a exportaçãode produtos e o transporte internacionalrodoviário de componentesprodutivos entre as plantasno Brasil e na Argentina. ■ArmazenagemfrigorificadaDânicaparticipa donovo armazémda SadiaA Sadia inaugurou, em março último,seu Centro Logístico de PontaGrossa, PR - um projeto com investimentode R$ 30 milhões, e cujas obrasforam concluídas em tempo recorde:desde a fase de planejamento até aconclusão das instalações, foram apenas18 meses.A Dânica participou do empreendimentocom o fornecimento do sistematermoisolante para as câmaras frigoríficas,dentre outros do segmento.A unidade tem 8 mil m² de áreaconstruída e capacidade para 11.000posições de paletes ou 10 mil toneladasde produtos. O Centro Logísticoda Sadia é voltado à estocagem deitens destinados ao mercado externoe, segundo informações da empresa,mais da metade dos embarques é feitanos portos de Paranaguá eAntonina, ambos no Paraná. ■


www.logweb.com.brn EDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005n nLogWeb 5Supply ChainFerramentasde SupplyChainManagementPara melhorar sua vantagemcompetitiva, os gerentes buscam integrarcada vez mais o planejamentodas atividades da cadeia de abastecimento.Os objetivos são desenhare operar sua infra-estruturaindustrial e alterar as relações a seuredor de forma a minimizar o custototal, incluindo produção, armazenagem,transporte e distribuição, esatisfazer ao padrão desejado deserviço ao cliente.Os sistemas APS - AdvancedPlanning and Scheduling são a soluçãotecnológica vigente para enfrentaresta problemática, já que sãosistemas avançados de planejamentoque exploram as últimas tecnologiasde TI e o modelamento matemático-técnico-econômicode complexascadeias de abastecimento integradashorizontalmente e verticalmente,em uma ou mais localidades.Sua capacidade de otimização matemática,unida à sua capacidade derepresentar precisamente as relaçõesde custo e de volume, provêconfiança nos resultados otimizadosque não se pode obter sem a ajudade softwares de Supply ChainManagement. Seus serviços parageração de modelos se acoplam comhoras de cálculos, bases de dados eferramentas de geração de cenários,viabilizando um ambiente idealpara desenvolver, de forma rápida eeficaz, estudos de otimização da cadeiade abastecimento.Os APS estão orientados ao manejodos dados, já que permitem aosusuários desenvolver modelos deacordo com a complexidade de suacadeia de abastecimento e aos diferentesrequisitos de otimização damesma.Os APS podem ser utilizados nasolução de uma ampla faixa de problemasestratégicos e táticos.Nas próxima edições revisaremosalgumas aplicações típicas, fazendoreferência às capacidadesanalíticas que devem cumprir osAPS.Colaboração técnica: CristianoCecatto, consultor da QualilogConsulting, que desenvolve suasatividades no aconselhamento eimplementação de soluçõesem logística e supply chainmanagement no nível estratégico eoperacional. www.qualilog.com.br


6 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brBusiness IntelligenceExecplan lançasolução para atacado edistribuiçãoAExecplan, especializadano desenvolvimento desoluções de BusinessIntelligence (B.I.) e BalancedScorecard para diferentes segmentosde mercado, está lançandouma nova versão do RetailIntelligence.Trata-se de uma solução específicapara atender aos executivosde empresas de varejo/atacadistase de distribuição, em três modalidades:Enterprise, Professional eSmall Business para diferentesportes de empresas do segmento.De acordo com Antonio Augusto,presidente da Execplan, oRetail Intelligence conta com váriasnovas implementações nosmódulos que já existiam, “o quepropicia aos executivos mais poderde análise e agilidade decisóriacombinada com precisãopara mudança rápida de estratégias,devido ao uso extensivo deData Mining em várias áreas donegócio, possibilitando a identificaçãoautomática de fatores críticose o acompanhamento precisodas metas no dia-a-dia”.Ainda segundo Augusto, onovo B.I. é muito diferente da versãoanterior. “Fizemos uma pesquisaentre as várias empresas dosegmento e pudemosconstatar a necessidadede aprimorar algunsrecursos analíticos, bemcomo inserimos novosmódulos e submódulosno produto, principalmenteem Estoques eCompras, alem de váriasnovas implementaçõesnos módulos jáexistentes”, explica.O presidente informa que, entreos destaques da solução, estáo uso intensivo de Data Miningem áreas nas quais não era utilizado,como Finanças, RH, Compras,Estoques e outras, além dosnovos módulos de Análise deQualidade e de Serviço de Atendimentoao Consumidor (SAC),e vários novos recursos analíticospara Estoques e Compras. ■Skam disponibilizadois novos modelosde rebocadoresA Skam acaba dedisponibilizar dois novosmodelos de rebocadoreselétricos para facilitar aseparação de pedidos, bemcomo a distribuição de peças eaté reboque de carretas dentrode armazéns, seja no transporteinterno ou em setores deuma linha de produção.Tratam-se dos rebocadoreselétricos RE/OS 7000 e RE/OS10000, com capacidade detracionar até 10 000 kg edotados de motor tipo Sepex,com tração de alta potência efrenagem eletrônica, acopladoa um diferencial de fabricaçãoprópria, que aciona as rodastraseiras.MAIO 2005Gerenciamento de ResíduosPortuáriosPeríodo: 2 e 3 de maioLocal: São Paulo – SPRealização: ERM BrasilInformações:www.erm.com.br/mailcursos.htm -jacqueline.assumpcao@erm.comFone: (11) 5095.7926Curso de Formação emLogística AplicadaPeríodo: 3 de maio a 30 de junhoLocal: Rio de Janeiro – RJRealização: CetealInformações:www.ceteal.com –ceteal@ceteal.comFone: (11) 5581.7326A Circulação de Caminhões eas Leis de Trânsito SPPeríodo: 5 de maioLocal: São Paulo – SPRealização: SETCESPInformações:www.setcesp.org.br –treinamento@setcesp.org.brFone: (11) 6632.1088Supply Chain ManagementPeríodo: 5 e 6 de maioLocal: São Paulo – SPRealização: CetealInformações:www.ceteal.com –ceteal@ceteal.comFone: (11) 5581.7326Indicadores de DesempenhoLogísticoPeríodo: 7 de maioLocal: São Paulo – SPRealização: IMAMInformações:www.imam.com.br –imam@imam.com.brFone: (11) 5575.1400Básico em Logísticae Supply ChainPeríodo: 9 a 12 de maioLocal: São Paulo – SPRealização: SETCESPInformações:www.setcesp.org.br –treinamento@setcesp.org.brFone: (11) 6632.1088Técnicas e Métodos deInventário de MateriaisPeríodo: 11 e 12 de maioLocal: São Paulo – SPRealização: IMAMInformações:www.imam.com.br –imam@imam.com.brFone: (11) 5575.1400Gestão Estratégicade TransportesPeríodo: 11 e 12 de maioLocal: Rio de Janeiro – RJRealização: CEL-Coppead/RFRJInformações:www.cel.coppead.ufrj.brFone: (21) 2598.9812


www.logweb.com.brn EDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005n nLogWeb 720º Clube Supply ChainPeríodo: 12 de maioLocal: São Paulo – SPRealização: Ciclo Marketing &ComunicaçãoInformações:www.ciclo.srv.br –cintia@ciclo.srv.brFone: (11) 6941.7072Logística de Distribuição eTransportePeríodo: 14 de maioLocal: Recife – PERealização: Focus Consultoriae TreinamentoInformações:www.focustrigueiro.com.br –treinamento@focustrigueiro.com.brFone: (81) 3432.7308Logística InternacionalPeríodo: 14 e 21 de maioLocal: São Paulo – SPRealização: CetealInformações:www.ceteal.com –ceteal@ceteal.comFone: (11) 5581.7326Planejamento Colaborativoda DemandaPeríodo: 18 e 19 de maioLocal: Rio de Janeiro – RJRealização: CEL-Coppead/RFRJInformações:www.cel.coppead.ufrj.brFone: (21) 2598.9812EmpilhadeirasCriando emantendooperadores segurosOperadores novos e recém-qualificadosde empilhadeirasmerecem supervisãoespecial. Mesmo tendoconcluído seu curso, eles podemoperá-las de modo inadequado.Quando possível, deve-se nomearum ou mais supervisores quetenham passado pelo mesmo cursode treinamento – mesmo que nãoatuem como operadores – para garantira observância estrita das regrasbásicas de segurança. O motivoé simples: o programa de treinamentoe os testes de aprendizadopodem garantir que o operadorsabe como ser seguro, mas somenteuma supervisão competente comprovaque ele realmente aplica oque aprendeu. Muitos consideramuma supervisão competente atémais importante do que o própriotreinamento.Recomenda-se uma reciclagemquase imediata para operadores quese mostram menos atentos à segurançaou para aqueles envolvidosem acidentes ou incidentes. O mesmovale nos casos de mudança nascondições de trabalho, com a chegadade novos modelos de empilhadeirasou a alteração nas própriascondições de movimentação etransporte de cargas. De qualquerforma, todo operador deveria serreavaliado a cada três anos. O idealé repetir o treinamento original.Com o tempo, alguns tópicosde segurança enfatizados durante otreinamento tendem a ser deixadosde lado. Entre eles, destacam-se asdocas. Elas são um dos locais maisperigosos para os envolvidos emoperações com empilhadeiras: nãosó os operadores, como aqueles quetrabalham próximos.Um programa de treinamentoapropriado deve incluir a utilizaçãocorreta dos niveladores dasdocas, dos dispositivos de bloqueiodos veículos de transporte, a inspeçãodas carretas e outros recursosadicionais de sinalização e segurança.Mantendo a formaA operação de empilhadeirasdeve ser limitada a sua área de trabalho,o que vale, também, para osoperadores. Quem não opera regularmenteuma empilhadeira nãodeve ser autorizado a utilizá-la,mesmo numa situação emergencial.Permitir que alguém subanuma empilhadeira algumas vezesao ano é correr o risco de um acidente.O certo é fazer com que operadoresde reserva se mantenhamem forma, operando as empilhadeirasem períodos regulares. O ideal é quenão só eles, como todos os envolvidosem operações de armazenageme docagem passem pelos cursosnormais de treinamento.Uma empilhadeira não devetrafegar em área onde não é necessária,e nunca deve se tratada comoveículo de transporte. Não se pode,por exemplo, justificar a presençade uma selecionadora de pedidosnuma área de docagem e tampoucode uma máquina para carregar caminhõesem corredores estreitos.O uso de equipamentos de segurançapelo operador – quandosentado – ou dispositivos de retençãoquando sobre uma selecionadorade pedidos são imperativosque devem ser observados com rigor.A supervisão é especialmenteimportante nesses casos, pois muitosoperadores não gostam de sesentir “amarrados”. É por isso quedevem ser alvo de uma atençãoespecial.Outros itens de segurança fundamentais:a manutenção preventivados equipamentos, dos niveladoresde docas e de outros equipamentoscorrelatos, bem como alimpeza e a remoção de obstáculosno corredores – que devem serclaramente identificáveis por faixaspintadas no piso. Recomendase,ainda, que sejam instaladas barreirade proteção próximas às bordasdas docas e em outras áreas derisco para a proteção, tanto dosoperadores como dos pedestresmais próximos. ■Material fornecido pela Hyster,fabricante de empilhadeiraspertencente ao grupo Nacco.Venda Mais e Melhor!Marketing para Empresasde Logística e TransportesPeríodo: 20 de maioLocal: São Paulo – SPRealização: TigerlogInformações:www.tigerlog.com.br -kelly.bueno@tigerlog.com.brFone: (11) 6694.1381Custos Logísticos – Comoreduzi-los para tornar-secompetitivoPeríodo: 21 de maioLocal: Recife – PERealização: Focus Consultoria eTreinamentoInformações:www.focustrigueiro.com.br –treinamento@focustrigueiro.com.brFone: (81) 3432.7308Administração Financeirapara o TRCPeríodo: 21 de maioLocal: São Paulo – SPRealização: SETCESPInformações:www.setcesp.org.br –treinamento@setcesp.org.brFone: (11) 6632.1088No portal www.logweb.com.br,em “Agenda”, estão informaçõescompletas sobre osdiversos eventos do setor aserem realizados durante oano de 2005.


8 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brEquipamentosToledo lançaindicador digitalpara balançasAToledo do Brasil está lançandoum indicador digitalpara balanças rodoviáriasque verifica, automaticamente,cada sensor de pesagem dabalança 15 vezes por segundo, garantindoprecisão nas pesagens.“Esta função elimina a chance dabalança estar operando com falhase evita perdas nos processos de recebimentoe expedição de produtos”,explica Michel Augusto Mathias,analista de produtos daToledo.O equipamento, denominadoIndicador 8540 Digital, é indicadopara empresas que necessitam controlare gerenciar o fluxo de entradae saída de produtos, como as dossetores de armazenagem e beneficiamentode grãos, agroindústria,logística, siderurgia, química, mineração,fertilizantes, papel e celulose,entre outros.“O Indicador 8540 Digitalpode ser utilizado em balanças rodoviárias,rodoferroviárias e ferroviáriasque operam com as célulasde carga digitais MTX da MettlerToledo. Durante o processo de pesagemde um caminhão, o indicadorregistra os seguintes dados:tara, peso líquido, peso bruto, sobrecarga,código numérico e quantidadede pesagens em seqüência(através da função numerador consecutivo).Também possui umacesso básico, sem senha, para configuraçãopelo operador, e um acessoavançado, com senha, para configuraçãopelo supervisor”, completaMathias. ■


www.logweb.com.brn EDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005n nLogWeb 9MetropolitanLogística investeem pessoalInvestindo em pessoal, aMetropolitan Logísticacontratou 500 funcionáriosem 2004. E, para 2005, aexpectativa é de mais 700contratações.Deputado MendesThame defendeadoção dobiodieselMinimizar os impactosambientais e reduzir adependência do país porcombustíveis fósseis(petróleo, carvão e gásnatural). Esse é o objetivo doprojeto de lei do deputadoMendes Thame (PSDB/SP),que cria o ProgramaBiodiesel. Essa matrizenergética - desenvolvida abase de plantas comomamona, palma e milho - já éproduzida comercialmentepor Argentina, EstadosUnidos e Malásia. “Em 2005,2% dos combustíveisconsumidos na UniãoEuropéia deverão serrenováveis e, em 2010, 5%”,afirma Thame. A proposta jáfoi aprovada, na forma desubstitutivo, pela Comissãode Meio Ambiente e DesenvolvimentoSustentável, etramita atualmente naComissão de Minas eEnergia.FerroviaTransnordestinaserá ampliada emtrês anosO Ministro dos Transportes,Alfredo Nascimento, anunciouo financiamento doBNDES para a ampliação daFerrovia Transnordestina, queligará o sul do Maranhão,passando pelo Estado doPiauí, aos portos de Suape,em Pernambuco, e de Pecém,no Ceará. O projeto tem custode R$ 4,5 bilhões e ofinanciamento do BNDES, seaprovado, deverá ser deaproximadamente R$ 1,250bilhão. Segundo o ministro,essa é uma obra para trêsanos que será usada paraescoamento de grãos e paradesenvolver a região.


10 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brEmpilhadeiraNova trilateral da BTtem elevação pornitrogênioABT do Brasil apresentou,em agosto último,ao mercado brasileiro, aempilhadeira trilateral para corredorultra-estreito BT Vector C15.Segundo a empresa, esta novamáquina tem, como inovação, umsistema de elevação da carga e dacabine do operador que utiliza umcilindro de nitrogênio para a elevaçãoe a descida, possibilitandoeconomia de até 40% do consumoda bateria.Além disso, aindasegundo representantesda BT, a nova máquinainclui a tecnologia AC –Corrente Alternada – de 48V, reduzindo em, no mínimo,30% os gastos de manutenção.A BT – que possui uma fábricadedicada exclusivamente àfabricação de trilaterais – já comercializouvárias unidades daVector C15 no Brasil. E tambémdisponibiliza sua consultoria paraauxilio na definição de equipamentoideal através de suas unidadesde São Paulo e Curitiba ede seus distribuidores em todo oBrasil, utilizando simuladoreslogísticos.PaleteirasTambém como novidade, valedestacar que, desde fevereiro último,a paleteira manual fabricadapela BT do Brasil tem os seuscomponentes com diversos prazosde garantia.Por exemplo, os garfos e aface dos garfos (tudo o que é vermelho)passaram a ter 99 anos degarantia funcional. Já a bomba ea barra do timão passaram de 3para 5 anos de garantia. Com umano de garantia ficaram somenteas buchas, as rodas, os rolamentose os demais itens de consumo.“Isto é revolucionário, poisnossos concorrentes nacionais geralmenteoferecem de 6 meses a 1ano de garantia”, diz Norival GeraldoCapassi, Reginal ManagerSouth America da BT do Brasil. ■PublicidadeJORNAL LOGWEBPREPARA EDIÇÕES ESPECIAISO jornal LogWeb - sempre preocupado em levar aos seusleitores informações referentes aos diversos segmentos queenvolvem a logística - está preparando algumas ediçõesespeciais.Elas serão distribuídas nas seguintes feiras: FTL - Feira deTransporte Intermodal e Logística, que acontecerá em maio noRecife; Intermodal South America 2005, que ocorrerá em junho,em São Paulo; Salão da Logística e Expo Logística, queacontecerão em agosto, respectivamente, em São Paulo e noRio de Janeiro; e Fenatran - Feira Internacional de Transporte,que terá lugar em São Paulo, no mês de setembro.Finalmente, em dezembro, estará circulando uma dasedições mais aguardadas do ano, o “Caderno EspecialEmpresa”. Trata-se de um catálogo de compras, onde estarãorelacionadas as principais empresas dos segmentos delogística, transporte, comércio exterior, embalagens,tecnologia de informação e Supply Chain, entre outras desuma importância para o mercado.O objetivo do jornal LogWeb é agregar valor, não só aosseus anunciantes, como, também, aos seus leitores, trazendo oque há de melhor em produtos e serviços do setor – afinal,contabilizamos 101 000 leitores (peça umacomprovação).Entre em contato conosco e se torne umanunciante do jornal e do portal LogWeb, edesfrute das vantagens de anunciar em umjornal inovador e ousado no que faz.Deivid Roberto SantosDiretoria comercial do jornal LogWebcomercial@logweb.com.br


www.logweb.com.brn EDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005n nLogWeb 11DistribuiçãoApós a Páscoa, Logistock seprepara para Dia das Mãese Dia dos NamoradosSediada em SãoJosé dos Pinhais,PR, a operadoralogística Logistockse recupera doperíodo maisintenso de trabalho,gerado em funçãoda Páscoa, já sepreparando para oDia das Mães e Diados Namorados,quando a venda dechocolates volta aficar acima damédia anual.Atendendo à fabricante dechocolates Salware, aLogistock movimentou,por conta da Páscoa, o triplo damédia do que é habitualmente trabalhadono restante do ano juntoa esse cliente.Para a Páscoa, cada caminhãocarregado pela Logistock transportoucerca de 28 mil ovos dechocolate, carga equivalente a 5toneladas. “Foram transportados800 mil ovos em 128 viagens,sendo 14 delas por carreta, outras50 por trucks e 64 em veículos menores”,explica Marcos Metzger,sócio-diretor da Logistock. Dosovos, barras e tabletes movimentados,80% foram encaminhadosàs Regiões Sul e Sudeste.Além de ser responsável pelatransferência da produção para armazenagemem sua unidade, aLogistock gerenciou o estoque,controlou o estoque mínimo decada produto, processou os pedidose separou os itens de cada umdeles, embalou, etiquetou e distribuiuos produtos até o clientefinal.“Da fábrica da Salware, a produçãofoi transportada de caminhãopara a Logistock. Em todoo processo, não foram utilizadasempilhadeiras. Na fábrica não hádocas para carga e descarga; porisso, o caminhão, que é isotérmico,trabalhou com uma plataformaacoplada. Como as mercadoriaseram paletizadas, elasforam colocadas nos veículos atravésde paleteiras. A operação todafoi gerenciada pelo WMS, umsoftware desenvolvido internamente.A montagem dos pedidos foifeita manualmente, assim como aembalagem e a etiquetagem, maso comando de separação foi realizadopelo sistema, que emitiaum documento próprio ondeconstavam os itens que a fábricamandou e sua localização no armazém.Com base nesse documentoé que os funcionários faziama coleta. Já a maneira comose desenvolveu a entrega dependeudo local de recebimento e dasquantidades solicitadas. Comoatendemos desde pequenos atégrandes clientes, utilizamos tantovans como caminhões (trucks ecarretas)”, explica.Segundo Metzger, uma dasdificuldades de operar com estetipo de produto está na necessidadede veículos especiais para otransporte. “Como a procura porveículos refrigerados é muitogrande na época de Páscoa, háuma disponibilidade pequena deles.Outra dificuldade surgiu emfunção da fragilidade dos produtos,que são muito sensíveis. Ocurto espaço de tempo para fazera entrega foi outro desafio, já queas lojas não fazem estoque antecipado.”Além deste aspecto, comoessa foi a primeira experiência daLogistock movimentando produtospara a Páscoa, o processocomo um todo pôde ser consideradoespecial. “Em função dele,dedicamos muita atenção à estruturade atendimento oferecida. Aprópria procura por veículos refrigerados,em função dessa demanda,foi uma novidade paranós”, diz o sócio-diretor.Ele informa, ainda, que aLogistock, caso necessário, tambémpromove a logística reversade produtos avariados e eventuaisrecolhimentos de mercadoriascom data de validade curta.No caso da distribuição deprodutos para o Dia das Mães eDia dos Namorados, o processoserá o mesmo. Porém, nestes casos,a utilização de caminhõesrefrigerados – usados para conservara integridade e o formatodos ovos de Páscoa – será dispensada,pois os produtos da linhanormal da Salware podem ser distribuídosem veículos convencionais.Isso poderá causar umadiminuição de até 50% nos custoslogísticos de distribuição.“Caso o clima se mantenha quenteem determinadas regiões, aempresa voltará a fazer uso decaminhões refrigerados, em funçãoda sensibilidade de algunsprodutos que serão lançados pelaSalware para as outras datascomemorativas mencionadas”,completa Metzger. ■


12 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brArmazenagemBertolini produz estruturaporta-paletes deslizantee automatizadaABertolini fabrica, comexclusividade na Américado Sul, o PowerRack 550 – uma estrutura portapaletesdeslizante e automatizada.“A Bertolini é detentora exclusivada tecnologia Power Rack 550,em parceria com uma empresaeuropéia, para a América do Sule Brasil, com patente requerida“,diz o gerente comercial da unidadeSistemas de Armazenagem,Filial 1, da empresa, NorbertoAntônio Marcolin.De acordo com ele, este sistema,num vocabulário simples,é uma estrutura metálica tipo porta-paletes.“A estrutura, através decarrinhos deslizantes, se movimentade uma lado para outro,possibilitando, assim, a utilizaçãodo armazém com um aproveitamentodo espaço de até 95%, poisé utilizado somente um corredoroperacional para a empilhadeira.Este sistema permite o acesso e aseletividade de 100% dos produtosque estão à disposição no armazém“,diz ele.O gerente também atribui outragrande vantagem a este tipode sistema de armazenagem. “Éque daqui a 30 ou 40 anos, oumais, este tipo de solução tem apossibilidade de se adequar normalmenteàs mudanças de mercadoou produtos, sempre dandoa possibilidade de seletividade de100%, que é o que interessa àsindústrias, operadores logísticos,centros de distribuição e outrossegmentos que utilizam deste tipode solução.“Este sistema pode ser manualou completamente automatizado,onde o próprio operador da empilhadeira,através de radiofreqüênciaou controle remoto, determinaa abertura do corredoroperacional e a mercadoria a sercoletada, sem sair do seu equipamento,tornando o processo altamenteprodutivo, aliando à relaçãocusto/benefício, bastanteinteressante para o que se propõe,o processo específico para determinadostipos de soluções dearmazenagens. ■Hand Heldlança coletorde dados quefunciona comoPDAA Hand Held Products estálançando no Brasil o Dolphin7900, um coletor de dados quefunciona como um PDA e temestrutura selada. Permite diversasaplicações, como tirar pedidos,fazer inventários, controlarestoques e fazer apontamento deprodução. Segundo Ary Gouvêa,diretor geral da subsidiáriabrasileira da Hand Held Products,o novo coletor permite acessorápido a informações, utilizandotrês tipos de tecnologias dedados e voz wireless: GSM/GPRS,usando a estrutura de operadorasde telefonia celular; Bluetooth,que possibilita a comunicação dedados com dispositivos móveisem um raio de até 10 metros; e Wi-Fi, com velocidade de até 11MBpor segundo. “Com exclusivatecnologia de captura de imagemAdaptus, lê simbologias lineares(1D), como os códigos de barrasconvencionais e bidimensionais(2D). Também identifica caracteresOCR A/B e captura imagens noformato JPG”, completa Gouvêa.Rio de JaneiroCurso do Coppeadintegra lista dosmelhores do“Financial Times”O mestrado do InstitutoCoppead da Universidade Federaldo Rio de Janeiro – UFRJ voltou aintegrar a lista dos melhores cursosdo “Financial Times”. O Institutoficou na 86ª posição, sua melhorcolocação desde 2001, quandoentrou pela primeira vez na lista dojornal britânico. No ano passado elenão conseguiu a pontuaçãonecessária e acabou ficando defora, mas este ano comemora avolta e o fato de ser o únicorepresentante da América do Sul noranking - a divisão por nacionalidadeficou: 58 dos EUA, 26 daEuropa, 7 do Canadá, 3 da AméricaLatina, 3 da China, 2 da Austrália e1 da África do Sul.Este ano encabeça a lista do FTa Universidade de Harvard, quedesde 2000 não chegava ao topo.Ela divide a liderança com o cursode Wharton, escola de negócios daUniversidade da Pennsylvania, quemanteve a liderança nos últimosquatro anos.O levantamento do FT levou emconta vários quesitos, como osalário dos alunos que se formaramhá três anos. O salário médio anualdos estudantes do Coppead, daturma de 2001, ficou em torno deUS$ 78 mil, segundo o FT. Por outrolado, no índice de satisfação dosalunos, o instituto conseguiu 91%de aprovação, percentual superadoapenas por dez escolas, entre elas,Stanford e Yale.A participação feminina quecorresponde a 35% dos professorese 44% dos alunos do Coppeadtambém contou pontos no quesitodiversidade.Um dos grandes méritos domestrado do Coppead é o tempo derecolocação dos alunos: 85% delesestão empregados três meses apóso curso. A idade média dos alunos é27 anos. No último período, aquelesque tiverem interesse bancam suaviagem e estadia para aproveitar umdos muitos convênios que o institutomantém com universidades comoWharton e Insead.O mestrado é gratuito e strictosensu, com defesa de tese no final,portanto, dá o título de mestre comoos MBAs listados pelo FT, queministram cursos em tempo integral.(Fonte: Stela Campos,Valor OnLine).


www.logweb.com.brn EDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005n nLogWeb 13Hazmat Labfaz testes ehomologações deembalagensAcaba de chegar ao mercadoa Hazmat Lab, empresahabilitada para testes ehomologações de embalagens,tanto para cargascomuns quanto cargasperigosas. Ela é fruto daparceria entre a AZTecnologia, o LaboratórioIDEA e a Slotter Embalagense oferece soluções completasem ensaios e homologaçõesde embalagens,produtos e equipamentos desalvatagem, em uma área de900 m². A empresa comercializae presta consultoriaem embalagem e transportede produtos perigosos, alémde oferecer laboratório paraensaios de embalagens,paletes, contentores,tanques e equipamentos desalvatagem, treinamento ecertificação em embalagens,produtos perigosos etransporte.Transfolhatem sistema deentrega nomesmo dia dacompraDesde fevereiro, aTransfolha – distribuidorado Grupo Folha especializadaem entregas domiciliares– está oferecendo oserviço D+Zero. Trata-se deum sistema que entrega aoconsumidor final, até as 21horas, os produtos adquiridosno dia da compra,desde que realizada até as16 horas. “O que possibilitaesta operação é a instalaçãode um posto avançado dosistema logístico dentro daprópria estrutura física denossos clientes”, diz ClovisToniolli, diretor da Transfolha.Ele também ressaltaque, além da região daGrande São Paulo, o D+Zeropode ser usado em qualquercidade onde os clientespossuam seus produtosestocados. A Transfolhagarante a entrega, pois cobrediariamente 1200 municípiospor meio de suas 60franquias”.EntrevistaGilberto Duarte:o responsávelpela logística dasCasas BahiaGilberto Duarte é o diretor de logística e um dosresponsáveis pelo sucesso das Casas Bahia.Entrevistado nesta edição deLogWeb, ele fala da importânciada logística para a sua empresae revela a infra-estrutura à sua disposiçãonesta área.LogWeb: Qual a importância da logísticapara as Casas BahiaDuarte: As Casas Bahia não têmuma logística integrada, mas, sim, umalogística de distribuição dos produtos parao abastecimento de lojas, produtos de retirada(por exemplo, os eletrodomésticosretirados pelos clientes diretamente naslojas) e para entrega direta nas residênciasdos nossos clientes. A alma de nossonegócio é conseguir movimentar 9 000itens, conseguir que as lojas tenham acimade 90% destes produtos em condiçõesde venda e retirada imediata da loja pelocliente, se for o caso, e entregar os itensde grande porte, como os da linha branca,por exemplo, na casa do cliente.LogWeb: Como é a infra-estrutura logísticadas Casas Bahia?Duarte: Dispomos de um CD no km52 da Via Anhangüera, próximo a Jundiaí,em São Paulo, com 300 000 m 2 de áreaconstruída – 260 000 m 2 são dedicados àarmazenagem. Também contamos com umCD no Rio de Janeiro, com 70 000 m 2 , eestamos construindo um outro, de 140 000m 2 , em Duque de Caxias, também no Riode Janeiro. Além destes, contamos comoutro CD de 30 000 m 2 em Ribeirão Preto,interior de São Paulo, e estamos terminandoa construção de um CD emBetim, Minas Gerais, de 24 000 m 2 , e iniciandooutro em São José dos Pinhais, noParaná, com 70 000 m 2 . Também temosáreas para a execução de cross-dockingem Goiânia, Brasília, Campo Grande,Maringá, Itajaí e Porto Alegre. Quanto ànosso frota – própria -, ela é composta de1 600 caminhões.LogWeb: Como funciona a logística dasCasas Bahia?Duarte: Executamos entregas diáriasnas residências em tempos que variam de24 a 48 horas. Este prazo de entrega dependedo cliente, já que ele pode escolhero prazo que seja melhor. Para nós, o queimporta não é o prazo, e sim o que foicombinado com o cliente na ocasião davenda. Ele pode querer o produto em 24horas ou não. No ato da venda é combinadaa data de entrega. Quanto às lojas,o reabastecimento é feito automaticamente,através de um sistema que atuade acordo com a localização da loja e oseu giro. O próprio sistema propõe oabastecimento, e nossos analistas avaliam.O gerente da loja também pode fazeruma solicitação extra, que também éavaliada pelos analistas.LogWeb: Quais os problemas enfrentadosna logística das Casas Bahia?Duarte: O básico é a estrutura viária– todos sofrem, como os transportadores,com os problemas das estradas deficientes,com a segurança, com a falta de qualidadedas rodovias e o desgaste maiorda frotas. Também há os problemas comcongestionamentos nas grandes cidades,como Rio de Janeiro e São Paulo, ondetemos um grande volume de entrega enão podemos atuar fora do horário comercial,considerando a nossa operação:temos que fazer a entrega para o clientedurante o dia, e não à noite.LogWeb: Quais as metas para se preservareste processo logístico?Duarte: Estamos sempre treinando aequipe de entrega com relação à responsabilidadede tratamento e ética no comandodos veículos, respeitando sempre os outrosmotoristas no trânsito. Tanto quemantemos um baixíssimo índice de acidentese perda de veículos com acidentes.É importante lembrar que as CasasBahia mantêm uma equipe de entregadoresprópria – e não terceirizada – em razão danossa responsabilidade, já que estes funcionáriosadentram a residência do cliente.Por isso, eles são treinados, qualificadose conscientizados de que, no momentoda entrega, estão representando aempresa, eles são a imagem da empresa.■


14 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brPneus industriaisPara a boa conservação,inspeções periódicassão imprescindíveisAlém disso, itens como calibragem, condições do piso, conscientização do operador erodízio também são fundamentais para prolongar a vida útil dos pneus industriais.FPneumáticoundamentais nos processoslogísticos, em razãoda importância dosequipamentos onde são instalados,os pneus industriais requeremcuidados especiais para a suaconservação.Por exemplo, Milko Jean, gerentede Marketing da Michelin,diz que, para conservar bem ospneus industriais, três medidas sãofundamentais: fazer inspeções periódicasnos pneumáticos, verificandoa existência de cortes e materiaisdentro da banda de rodagem;verificar e corrigir, quando necessário,as pressões de inflação conformeas orientações do fabricante;e girar os pneus traseiros na própriaroda, para um melhor aproveitamentoda borracha na banda derodagem. “Aconselhamos verificarsempre a pressão recomendada nastabelas de especificações, e a calibragemdeverá ser verificada semanalmente,com os pneus frios e,caso necessário, deverá ser ajustada”,diz Renato Alegre, analista demarketing da Maggion Industriasde Pneus e Máquinas.Pelo seu lado, MarceloTenchella, assistente de serviço aocliente da Continental do Brasil, dizque é preciso inspecionar periodicamenteos pneus, procurando porcortes na lateral, bolhas e desgastesirregulares e verificar a profundidaderemanescente nos sulcos dabanda de rodagem. “A pressão dospneus também deve ser checada nomáximo a cada quinze dias e, sempreque houver variação muitogrande de pressão entre uma mediçãoe outra, levar o veículo atéum especialista, pois poderá haveralguma perfuração não detectadaou vazamento nas válvulas. Alémdisso, é importante a realizaçãoperiódica do rodízio dos pneus, oalinhamento e balanceamento doveículo e a troca dos itens de suspensão,sempre que estes apresentaremfadiga, para não comprometera longevidade dos pneus. Emcaso de dúvida, sempre procurarum especialista”, diz Tenchella.Marcos Vinicius Dias da Silva,diretor superintendente daBrazil Trucks, lembra que as boascondições do piso e temperatura,Quadro comparativo dos pneumáticos convencionais,superelásticos ou maciços e pneumáticos radiaisMaciço PneumáticoConvencional Superelástico RadialRendimento: baixo 2,5 vezes maior em 4 a 5 vezes mais emrelação ao convencional relação ao convencionalParada dos Equipamentos:Por furos alto índice de não perfura carcaça de aço -perfuraçõesbaixo índiceManutenção/trepidações baixo alto baixoAderencia a pisosmolhados baixo baixo alta - escultura dabanda estabilizadaResistência aorolamento alta alta baixaConforto parao operador baixo nulo altoFonte: Michelinboa conscientização do operador,observar sempre as recomendaçõesdo fabricante, nocaso de pneumáticos, mantersempre a pressão correta emanter o bom estado de conservaçãoda empilhadeira são fundamentaispara a boa conservaçãodos pneus. Além disso, destaca ele,problemas nos rolamentos das rodas,sistema de direção e freio, entreoutros, podem provocar o desgasteprematuro do pneu.Para Marcos Silvano daSilva, gerente de qualidadeda Watts Brasil, os cuidadosvariam de acordo com ostipos de pneus. No caso dospneumáticos, segundo ele, o itemmais importante é a manutenção dapressão indicada pelo fabricante doequipamento, com calibragens periódicase ininterruptas. “Por exemplo,20% a menos de pressão ocasionaperda de 40% da vida útil,além da possibilidade de danosirreversíveis no artefato”, alerta.No caso dos pneus sólidos/Press on band, Silva diz que elesdispensam cuidados especiais.“Uma das vantagens dos pneussuperelásticos é justamente nãoexigirem maiores cuidados, poisnão necessitam de controle decalibragem, não furam e não rasgamcomo os pneumáticos”, completaPaulo Nobre, gerente nacionalde vendas da Rodaco.Uso indevidoSobre as conseqüências do usoindevido dos pneus Industriais,Jean, da Michelin, diz que não somenteo uso indevido, mas tambéma escolha indevida afetam diretamenteo custo/hora. “Entretanto,temos observado uma preocupaçãomuito grande por partedas empresas brasileiras em buscarsoluções para transportar maise melhor. Ou seja, transportarmais mercadorias com mais segurança:dos seus operadores, dosequipamentos e, naturalmente, de


www.logweb.com.brn EDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005n nLogWeb 15suas mercadorias. E essa soluçãopassa, obrigatoriamente, pela escolhacorreta do tipo de pneu utilizado”,diz ele.Alegre, da Maggion, salientaque pneus com pressão incorretasofrem desgaste anormal e comprometema segurança do veículo.Por outro lado, a calibragem incorretapode acarretar problemas,como aquecimento excessivo, trincasno costado do pneu, rachadurasnos canais, vida útil mais curtae maior consumo de combustível.Já Tenchella, da Continental doBrasil, destaca que a inobservânciadas pressões dos pneus, a utilizaçãode pneus subdimensionados, aspéssimas condições do pavimento,os desgastes irregulares provocadospor falha no sistema de suspensão,as perfurações consertadasimpropriamente e a utilização dospneus além das profundidades mínimasrespondem pela maior parceladas avarias nos pneus. “Entreas conseqüências da má utilizaçãoestão o surgimento de bolhas ocasionadaspor quebra da carcaça, aseparação de componentes estruturais,o baixo rendimento quilométrico,a instabilidade direcional,vibrações, aumento na geração deruído dos pneus e maiores distânciasde frenagem no molhado, entreoutros. O resultado final é sempreo comprometimento da segurança”,adverte.Dias da Silva , da Brazil Tricks,lembra que a principal e mais graveconseqüência é que o uso indevidodo pneu pode colocar em riscoa integridade física do operador.As outras são danos e prejuízosmateriais com o próprio equipamentoe com a carga transportada.“O uso indevido de pneus ouprodutos de qualidade duvidosatem conseqüência direta e imediatanos custos operacionais e segurançaocupacional”, conclui, porsua vez, Silva, da Watts Brasil.Tipos de pneus fabricadosA Michelin fabrica pneus paratodo tipo de veículo, incluindoaviões, automóveis, bicicletas,tratores, máquinas de terraplenagem,empilhadeiras e os ônibusespaciais da NASA.Jean informa que, para o segmentoindustrial, a Michelin trouxea tecnologia radial, a mesma utilizadanos veículos rodoviários e


16 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brPneus industriaisde automóveis de passeio. “Atecnologia radial veio para substituiros dois tipos de construção(diagonal e maciço), apresentandoas vantagens de cada uma delas. AMichelin desenvolveu a gama radialStabil’X XZM, com pneusprojetados para aplicações emempilhadeiras a combustão em todasas situações industriais, comopiso interno de fábrica, bloquetesde pátios externos, asfalto, piso dechão batido, etc.”A Maggion fabrica pneusdiagonais com câmara de ar paraaplicação nos segmentos industrial,caminhão, agrícola, motocicletae passeio. “São pneus utilizadosem empilhadeiras, veículospara transporte de carga, passageirose movimentação em geral,implementos agrícolas, motocicletase veículos de passeio”,informa Alegre.Tenchella diz que a Continentaldo Brasil fabrica e comercializapneus de passeio da linha básicaaté os pneus de alta performance,para camioneta, comerciais levese pesados e industriais.A Brazil Trucks, por sua vez, édistribuidor exclusivo dos pneusindustriais Maxxis no Brasil. ”Ospneus por nós comercializados sãodo tipo pneumático e superelásticos,e utilizados em empilhadeiras,bob-cat e veículos industriais”,destaca Dias da Silva.Já a Rodaco é fabricante depneus superelásticos pretos e nãomanchantes,aplicados em empilhadeirase carros industriais demovimentação, enquanto que aWatts Brasil fornece pneumáticos,sólidos resilientes e Press-on -Band(Cushion), aplicados principalmenteem empilhadeiras e os maisdiversos tipos de equipamentospara movimentação de carga. ■


www.logweb.com.brn EDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005n nLogWeb 17Locação de EmpilhadeirasUma série debenefícios, e umafrota novaSão vários os benefícios proporcionados pela locação deempilhadeiras e de paleteiras. O principal deles, apontado pelosadeptos desta opção, é o fato de contar com equipamentossempre novos e com uma assistência técnica competente.Locar empilhadeiras epaleteiras deixou de serencarado como algo“sem sentido”, para se tornar partedo cotidiano das empresas, preocupadasque estão, face à competitividade,em dedicar-se a sua atividade-fim.Além do mais, locarestes equipamentos representa umasérie de benefícios, como pode sernotado pelo depoimento de algumasempresas ouvidas nesta matériaespecial de LogWeb.TNTPor exemplo, a TNT, que oferecesoluções no gerenciamento dacadeia logística, vem utilizando osserviços de locação de empilhadeirasda Brasif desde junho de2003. “São 77 equipamentos aGLP - sendo 72 de 2,5 toneladas,4 de 3,0 toneladas e um de 4,0 toneladas,todos em atividade na FiatAutomóveis”, explica Paolo Resmini,diretor de serviços integradosda TNT.Sobre o motivo da sua empresalocar, em vez de comprar asempilhadeiras, o diretor diz que aTNT possui uma quantidade consistentede equipamentos própriosque garantem uma proporção equilibradaentre locação e propriedade,constituindo um diferencialcompetitivo em relação aos seuscompetidores. “O foco da atividadeTNT é a movimentação eficienteatravés de soluções ou inovaçõesna engenharia dos processos.A gestão dos meios de movimentaçãonão é o nosso ‘core business’.A frota é uma ferramenta de trabalhoque requer cuidados específicos,manutenção e renovaçãoconstantes. Portanto, é melhor deixaresta tarefa para especialistasque nos garantem disponibilidade,atualização e serviço de qualidade”,explica Resmini.Ainda segundo ele, são váriosos benefícios alcançados com a locaçãode empilhadeiras. “O valorpara investimento em meios demovimentação (em boa parte importados)é muito alto para as empresasbrasileiras. A locação permitebeneficiar-nos da expertise deempresas que se concentram nestenegócio, liberando-nos para cuidarmosda excelência operacionalnos serviços aos nossos clientessem onerar excessivamente a aquisiçãode ativos fixos”, conclui.VolkswagenOutra empresa que loca equipamentosda Brasif Rental é aVokswagen, que está no mercadode fabricação de veículos no Brasilhá 51anos. São 12 empilhadeirasde 2,5 toneladas, além de 8rebocadores de 3 toneladas.Segundo Almir Roberto Soares,supervisor de logística, o seucontrato de locação – que já temtrês anos - é anual com faturasmensais, o que permite um poderde negociação e estartodo ano realizandonovas cotações e, comisso, ter faturas mensaise atualizadas.Sobre os motivos quelevaram a Volkswagen aoptar pela locação deempilhadeiras, Soarescita facilidades na aprovação,por não haver investimento e,sim, despesa mensal, podendo sercancelada ou reduzida conformedesaquecimento do mercado e nascondições do contrato, falta de liberaçãode investimentos e reduçãode mão-de-obra indireta.“Os benefícios da locação deempilhadeiras? São diversos: flexibilidadede recursos conformeaceleração ou desaceleração domercado, aprovisionamento dedespesas durante o período dedoze meses, atualização do parquede máquinas com tecnologiaatual, redução de máquinas paradasna oficina, ou seja, maior disponibilidade,redução da frota emvirtude da maior disponibilidade,maior satisfação dos operadoresde empilhadeiras e gestão realizadapor quem detém a tecnologia.Além disso, são equipamentos novoscom garantia e com manutenção´full service´, o que torna redutorna conta de despesas de manutençãopara a planta”, explica osupervisor de logística.Ele completa dizendo que,apesar destes benefícios, ainda seenfrenta um desafio na locação:discutir problemas que não foramincluídos no contrato ou ficaramobscuros.


18 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brLocação de empilhadeirasEichenberg & TranseichOutra empresa adepta dalocação de empilhadeiras – nestecaso, da Makena - é o CentroLogístico Eichenberg & Transeich,que está há 72 anos nomercado e é considerado o maioroperador logístico da região suldo País.Jorge Almeida, diretor daDivisão de Projetos Logísticos,explica que o contrato é anual com pagamentomensal, e assim, “pela confiabilidade que temosno nosso fornecedor, e pela garantia deserviço que disponibilizamos, também conseguimosvalores adequados para podermosser competitivos dentro do nosso segmento”.Hoje, a Eichenberg & Transeich contacom 10 máquinas locadas, com capacidadepara 2,5 toneladas cada e a combustão.“Optamos pela locação há quatro anos, enosso pensamento é que as empresas devemse preocupar com o seu core business - nonosso caso, é prestamos as melhores práticasem termos de logística, com atividades bemestruturadas e com tecnologia de ponta -, eno caso das empilhadeiras, estes equipamentosdevem ser fornecidos por empresasque possuam seu core competence -neste caso, a Makena”, diz Almeida.Sobre os benefícios da locação, eleaponta que o principal é poderem contarcom backup, e ainda os custos variáveis naoperação. “Quantos aos problemas, poderíamosconsiderar o fato de, nos contratosde manutenção, às vezes não ficarem muitoclaras as responsabilidades”, completa.WheatonCliente da Somov, a Wheaton do Brasiltem locadas 9 empilhadeiras a combustãointerna, GLP, com capacidade para 2500 kg.A empresa atua no Brasil desde 1952 e éespecializada na produção de embalagensde vidro para produtos farmacêuticos,cosméticos, alimentícios e outros.No caso desta empresa, o contrato de locaçãoé por três anos e, salvo raras exceções,trata-se de praxe do mercado. “As contrataçõesesporádicas e emergenciais são distintasdos contratos de aluguel a longo prazo.A contratação do aluguel remunera o investimentodo locador, reembolsa os gastos demanutenção e proporciona a margem de contribuiçãodo negócio à empresa locadora.Como regra, o combustível e o operador daempilhadeira são por conta do locatário”,explicam, de comum acordo, ReynaldoAversa Barsuglia, diretor de operações e negócios,Wagner Delmo Abreu Croce, gerentede operações, e Fábio Alexandrino dosSantos, supervisor de logística da Wheaton.Quantos aos motivos que levaram a empresaa optar pela locação de empilhadeiras,eles enfatizam que estes equipamentos,em sua empresa, sãoencaradas como uma utilidade.“Utilizamos o transporte de empilhadeirassete dias por semana,24 horas por dia, 365 diaspor ano. Trata-se de utilidade essenciale estratégica. Nossa frotade empilhadeiras já com algumuso mereceu a intervençãoda empresa para tomada de decisão.A avaliação entre contratar o aluguelou adquirir o equipamento trazem análisesfinanceiras muito assemelhadas. Ospontos que nortearam a decisão pelo aluguelforam: a contratação do aluguel renovoua frota toda, enquanto que a aquisiçãose daria em etapas, o que sempre trariaa contaminação de equipamentos comuso para frota em operação. Além disso, ocontrato de aluguel foi perante o representantedo equipamento, o que nos garanteconhecimento e pronta atenção do locadorpara reparos do equipamento no caso dequebra. A frota é alugada desde agosto de2004”, explicam eles.Como é possível verificar, a contrataçãodo aluguel no caso da Wheaton proporcionoua renovação integral da frota, padronizouo equipamento, facilitou o treinamentodos operadores e a manutenção do equipamentoficou a cargo do locador representantedo equipamento.AlpinoTambém cliente da Somov, a AlpinoMetalúrgica é fabricante de autopeçastubulares para caminhões, ônibus, tratores,utilitários e motores, bem como de componentespara sistema de gás para fogões. Aempresa estará completando 50 anos em junhopróximo. “Temos locadas duas empilhadeirasa gás, com capacidade de 2,5 toneladas,e duas paleteiras elétricas com capacidadede 1,6 toneladas. O contrato é de 24meses, podendo e devendo ser renovado”,explica Heliton Maziero, supervisor delogística da Alpino.Entre os principais motivos que levarama sua empresa a optar pela locação dasempilhadeiras ele cita que deixaram deinvestir em equipamentos, “que não sãonossa atividade principal, e passamos a utilizarequipamentos modernos sem necessidadede inversão de capital. Tambémdeixamos de ter estoque de peças de reposição,nossa manutenção passou a se dedicaraos equipamentos-chaves de nossa operaçãoe contamos com uma assistênciatécnica mais competente que a nossa equipede manutenção, face à especializaçãodo prestador de serviço”, pondera. E acrescenta,ainda, mais benefícios: redução decustos, como um fator importante, e a


www.logweb.com.brn EDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005n nLogWeb 19possibilidade de a cada dois ou três anospassar a utilizar equipamentos novos.“Como problema na locação, destacamosa possibilidade de atraso na assistênciatécnica e entrega de peças de reposição”,conclui Maziero.Mira TransportesCom 26 anos de atividades, o MiraTransportes é especializado no transportede cargas e encomendas e também faz alocação de paleteiras, da Disktrans. São 59equipamentos, sendo 53 para até 2 000 kge 6 para até 3 000 kg. Todas com rodagemsimples e em nylon.“Nosso contrato é anual e com renovaçõesautomáticas. Optamos por esse modelo,uma vez que nosso negócio não podeparar por problemas desse tipo”, destacaAndré Sorato, encarregado de manutençãoda matriz do Mira.Ele também informa que os motivosque os levaram a locar paleteiras foramcusto, velocidade na reposição de equipamentoscom defeito e o atendimento da locadora.“Tudo isto resulta em vários benefícios,como custo muito menor do que repararequipamentos próprios em empresasdo ramo, que só garantem o serviço por, nomáximo, seis meses, Além disso, nossa frotade paleteiras estava envelhecida, apresentandoproblemas constantes. Outra vantagemé saber que estamos rodando comuma frota nova”, completa Sorato. ■Marksell lançaplataformasniveladoras de docaA MKS Equipamentos Hidráulicos –Marksell esta lançando a linha deplataformas niveladoras de doca tipofrontal, modelos Marksell MKS 6000PND E e MKS 9000 PND E. Para usoem docas de carga/descarga,servindo de ponte entre a doca e acarroçaria do veículo, oscilam paracompensar a alteração e a variaçãoda altura do piso da carroçaria,permitindo o acesso de carrinhos,paleteiras, empilhadeiras, etc.Apresentam capacidade de carga/trafego de 6000 ou 9000 kg.Schenker atua na áreade projetos de logísticaA Schenker atua na área de projetosde logística: pode coordenar oembarque de um cilindro por viaférrea e o transporte do mesmo até olocal onde será instalado nosEstados Unidos, ou o transporte deuma estação hidroelétrica da Croáciapara a Índia. No Brasil, opera com umDepartamento de Projetos em seuescritório central em São Paulo.Recentemente, lançou o SchenkerProjects, onde o foco principal dosembarques é a carga que não podeser transportada em contêineres.Comércio ExteriorTransaex abre canalpara exportaçõesbrasileiras em BerlimEnvolvida, há 12 anos, com atividades e negóciosrelacionados ao comércio exterior no Brasil,nos Estados Unidos e em países da Europa, ogrupo brasileiro Transaex acaba de anunciar o iníciode sua expansão nas operações internacionais:a empresa inaugurou, em fevereiro último,uma filial em Berlim, na Alemanha.“O novo escritório do Transaex Group será aprimeira porta para a conquista de mais espaçona comunidade européia, um mercado que tendea crescer com a valorização do Euro. A região émuito atraente para os exportadores brasileiros”,afirma o presidente do Grupo, Paulo Eduardo Pinto,destacando que a nova filial já abre as portascom fortes clientes em carteira, entre eles, produtoresde alumínio, argamassas e produtos pré-moldadose café, produzido no Sul de Minas Gerais.Através desse novo canal, que terá como focoprincipal a comercialização internacional, o Grupoespera um incremento de 10% em sua atuaçãoglobal. Em 2004, a Transaex obteve umfaturamento de R$ 2,3 milhões de reais, atingindoum crescimento de 30% em relação a 2003.“Nossa meta é atingir um crescimento de 20% em2005, e chegarmos a um índice de 40% em 2006”,salienta Paulo Eduardo.O presidente informa, também, que, ainda em2005, o Grupo pretende abrir três novos escritóriosinternacionais na Europa e nos Estados Unidos.“As novas filiais européias darão apoio aotrabalho realizado em Berlim e ajudarão acapilarizar a exportação de produtos brasileirosnaquele continente. Ainda estamos avaliandoquais cidades vão sediar os novos escritórios”,completa.


20 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brRodas e RodíziosO cuidado naescolha éfundamentalA escolha inadequada da roda ou do rodízio pode trazer sériasconseqüências, incluindo o fraco desempenho do equipamento ondeestão instaladas e até problemas físicos aos resposáveis pelamovimentação deste equipamento.Empregadas nas mais diversassituações, tanto em indústriasquanto em armazéns,centros de distribuição, residênciase hospitais, apenas para citaralguns exemplos, as rodas, bem comoos rodízios, constituem elementosfundamentais para a movimentaçãode materiais de maneira correta e semdanos aos produtos transportados, aopiso e ao próprio equipamento ondesão instalados.Por isso, as conseqüências do usoindevido das rodas e dos rodízios sãosérias. “Escolhendo o rodízio inadequadoou fazendo uso de forma incorreta,além do equipamento nãocorresponder ao desempenho esperado,poderá ocorrer quebra tanto dorodízio como do equipamento, comprometendotoda a operação de movimentação”,alerta Vera Bites, supervisorade marketing e exportação daNovex.Já Luiz Eugenio Swinerd Martins,gerente nacional de vendas daTellure Rota do Brasil diz que, com aescolha inadequada ou o uso formaerrada, na maioria dos casos há umadurabilidade inferior e o desgaste prematurodo acessório. “Uma indicaçãoerrada de um rodízio ou roda,normalmente ocasiona problemas físicosaos funcionários responsáveispela movimentação dos equipamentos- rodízios errados fazem com queo funcionário empurre ou puxe maisdo que os 20 kg indicados pelas normasinternacionais como peso máximopossível. Também coloca em riscoa segurança das empresas – a possívelquebra de rodízio pode acarretarno tombamento de um equipamento,ferindo um funcionário -,além de provocar contaminação dealimentos, quando os rodízios zincadosenferrujam, sem contar um gastomaior com manutenção corretiva”, dizMartins.Ademilson Altair Diogo, projetistada Schioppa, também enfatiza quea escolha errada pode levar à quebraprematura da roda ou do rodízio. “Alémdisso, muitas vezes, o uso ergonomicamenteincorreto causa queda naprodução, devido ao esforço do funcionáriopara empurrar os equipamentos.Também há os danos aos pisos,causados pelo uso de rodas muito duras,e até ruídos em ambientes onde é necessáriosilêncio absoluto”, informa.ConservaçãoJá sobre o que fazer para conservarbem as rodas e os rodízios, Vera,da Novex, destaca que o primeiro emais importante passo é o corretodimensionamento e escolha do acessórioa ser utilizado. “Isto garante queo produto seja adequado à aplicaçãoa que se destina”, diz ela.A supervisora também informaque, durante o uso, é só observar algunscuidados para a conservação dosmesmos, como: instalar os rodízios deforma alinhada, para boa distribuiçãoda carga; evitar soltar a carga de formabrusca sobre o equipamento; não arrastaro equipamento sem que os rodíziosestejam na posição de rolagem;não movimentar o equipamento comfreios acionados; inspecionar, com freqüênciaadequada, a integridade dorodízio, os elementos de fixação, lubrificaçãoe dispositivos de freios; limparos rodízios periodicamente paraevitar travamento do cubo da roda;evitar sobrecargas, distribuição irregularda carga sobre o equipamento, choquese colisões; e evitar transitar pordegraus ou obstáculos.Por sua vez, Martins, da TellureRota do Brasil, ressalta que a durabilidadedas rodas e dos rodízios depende,principalmente, da correta indicaçãotécnica na hora da venda,pois rodas e rodízios indicados paraaplicações erradas ocasionam desgasteprematuro, pouca durabilidadee, muitas vezes, riscos graves de acidentedentro de uma empresa. “Paracada aplicação - tipo de pavimento,tipo de tração, ambiente de utilização,carga do equipamento, etc. -existe uma roda correta com um respectivosuporte correto”, completa ogerente nacional de vendas.Já Diogo, da Schioppa, lembra queé muito importante utilizar as rodase os rodízios adequadamente paraque tenham uma vida útil maior, nãoexcedendo a sua capacidade de carga,observando as condições dos ambienteem que vão ser submetidos(ambientes úmidos, de temperaturasextremas de trabalho e com ataquesquímicos). Segundo o projetista,também é fundamental escolher arodas com o revestimento adequadoao tipo de piso que ela vai rodar, fazerperiodicamente a lubrificação, alimpeza e a calibragem.


www.logweb.com.brn EDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005n nLogWeb 21HistóriaA Novex atua desde 1936 naárea de fabricação de rodas e rodízios.A sua linha de produtos incluirodas plásticas, de borracha, depoliuretano, de ferro e especiais, emceleron, aço e zamak, entre outrosmateriais.Já os rodízios desenvolvidospela empresa são apresentados emvárias séries, como a InstitucionalSuper, para até 150 kg; InstitucionalLeve, até 170 kg; Industrial Leve,até 300 kg; Industrial Média, paraaté 600 kg; Industrial Pesado, ExtraPesado e Duplos. Também há asérie Especial, envolvendo rodíziospara aeroportos, absorção de impacto,compactos e outros.A Tellure Rota está presente noBrasil desde dezembro de 2000, e éfilial da Tellure Rota SPA, empresaItaliana com sede em Modena eespecializada na fabricação e comercializaçãode rodas e rodízios parauso industrial e civil, contando commais de 4.000 artigos em linha deprodução.Atualmente, no Brasil, são fabricadosprodutos que atendem aosmais variados e diferentes setoresindustriais, como indústrias automobilísticas,alimentares, farmacêuticas,químicas, mecânica pesada eaeroportuários. “Fabricamos rodasem poliuretano, nylon, borracha,ferro fundido, polipropileno e poliuretanomoldado e suportes com capacidadesde carga que chegam a3.000 kg. No Brasil, já com produçãonacional de mais de 50% dositens vendidos, estamos fazendo investimentosmaciços para completar a linhade produtos”, completa Martins.Por último, a Schioppa foi fundadaem 1950. A sua linha de produçãoinclui os rodízios Avanttech, emrodagem dupla ou simples; os da LineaMobili, para móveis; os da sérieExtremes, dotados de superfície derodagem com dureza de 65 Shore A;os da série Ambiental, com embutimentoprofundo; os da série Futura,injetados em nylon com fibra devidro; os da linha Cargo Sky, paramanuseio e transporte de cargas emcondições climáticas extremas e emaplicações menos severas; e em outrostipos. Já as rodas da Schioppasão apresentadas nos tipos em borrachamoldada simples ou dupla,pneumáticas, Decauville, estampadasmédias e leves, em poliuretanomoldado, ferro fundido e outros. ■Logística reversaElsys usa Correios paraoferecer serviços deassistência técnica para CDConsiderada a mais novamarca de CD players domercado brasileiro, e játendo fabricado produtos para terceiros,como Sky, Net, Motorola eMultibrás, a Elsys firmou um acordocom a ECT – Empresa Brasileirade Correios e Telégrafos paraproporcionar atendimento pósvendada linha Elsys ExtremePower.Segundo o gerente de pós-vendada Elsys, Rubens Eduardo Lourenço,com o uso das 12 mil agênciasdos Correios em todo o Brasilcomo postos de coleta, a Elsys inovae coloca à disposição dos consumidoreso maior serviço de assistênciatécnica do país. “O departamentode assistência técnica daElsys garante a entrega do produtoconsertado em seis dias úteis, emmédia, sem nenhum custo para ocliente que possuir aparelho no prazode garantia. Já para os produtoscom o prazo excedido, o consumidorterá que pagar apenas o valordas despesas referentes ao conserto.Os custos de retirada e entregado produto serão por conta daElsys. O cliente só precisa providenciara retirada e a reinstalaçãodo produto”, afirma Lourenço.Para utilizar o sistema e recebertodas as informações do processo, oconsumidor deverá entrar em contatocom a Central de Relacionamento.“Nossos atendentes acionarão osCorreios e a coleta será feita no endereçoque o consumidor desejar, sejasua residência ou escritório comercial.Com isto, conseguimos atenderao consumidor em todo o territórionacional”, garante o gerente. ■Cesa Logísticafecha contrato com aKibon e a ItambéAmpliando suas atividades, aCesa Logística, de Minas Gerais,fechou contratos com a Kibon, daUnilever, e a Itambé. As operaçõessão qualificadas como decomplexidade alta, por envolveremfatores como a temperatura etempo de escoamento damercadoria – como ocorre nocaso dos 3 milhões de litros deleite tipo C, transportadosmensalmente para a Itambé, cujomaior movimento de venda ocorreno começo do dia. O transportedo leite é feito da fábrica daempresa, em Pará de Minas, até ocentro de distribuição, nasimediações de Contagem, de ondeo produto é enviado para ospontos de venda. No caso da Kibon,o trabalho consiste na distribuiçãode sorvetes a 640 pontos de vendaspor dia em Belo Horizonte e naregião metropolitana da capitalmineira – excluído o município deBetim – e em cidades como OuroPreto e Mariana, a uma distância deaproximadamente 100 km.


22 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brArtigoManutenção comopeça chave noprocesso de LogísticaMuito já se falou sobre tecnologia e logística, abordando osconceitos decisivos neste processo, mas pouco se falou sobre aimportância da manutenção neste contexto, uma face quaseoculta, mas que vêm se tornando uma peça chave nesteprocesso. Uma logística eficiente é aquela que tem uma visãoclara dos objetivos e sobre eles desenha estratégias e táticas quemostrem um dimensionamento exato de suas necessidades.Épreciso ampliar a nossa visão sobreo que é a logística, romper as barreirasque limitam este processo entrea etapa posterior à produção até a entrega aoconsumidor e abordar a logística sob o pontode vista de toda cadeia de valor da entrega doproduto, compreendendo todas as áreas quetrabalham simultaneamente para que este objetivoseja atingido, como abastecimento, produção,manutenção e até sua distribuição física.A razão pela qual inserimos a manutençãose deve à importância que esta área tem ematender aos objetivos de logística das empresasem termos de tempo e satisfação com a entrega.As empresas podem parar a produçãopor falha na manutenção? Podem correr o riscode não chegar ao seu destino por problemasde manutenção constante em sua frota?Observando o processo de logística internamente,no que diz respeito à entrega de quantidadese preços competitivos, verificamos quemuitas empresas precisaram se reorganizar paraatingir níveis mais elevados de produtividadee, quando não tinham mais como reduzir custosnem investir em máquinas mais modernas,passaram a buscar novas alternativas. Um passofoi analisar as paradas na produção de formamais crítica, percebendo o impacto que issotraria nos resultados da empresa.E como melhorar estas paradas? Com umamanutenção mais planejada, sabendo o momentocerto de parar, saindo da manutençãocorretiva para a preditiva. A manutenção deuum passo a mais e conquistou uma posiçãofundamental no âmbito industrial, preenchendouma lacuna de produtividade, pois com oseu histórico de atividades foi possível não sóplanejar atividades futuras, como também medira performance dos ativos da indústria.A tecnologia é fundamental para otimizareste processo. As informações provenientes derelatórios fornecidos por alguns softwares sãocapazes de transformar os dados em decisões.É uma evolução permanente e atual, pois todosos dias aparecem dispositivos e softwaresque colaboram e ajudam a aumentar a eficiênciado setor. Em especial os dispositivos móveise softwares de otimização de rotas, como o GPS(Sistema de Localização por Satélite).Até, então, pouca novidade. A grande oportunidadehoje em dia é justamente usar atecnologia em manutenção para melhorar ainfra-estrutura relacionada à logística. Quandonão existe investimento para o seu desenvolvimentoe ampliação, pelo menos a tecnologiapara a manutenção pode ajudar a mantêlafuncionando perfeitamente.Quando analisamos o fluxo de entregasentre as empresas percebemos que existemmuitas delas envolvidas neste processo queutilizam rodovias, portos, gruas, navios, trense frotas em geral para realizarem suas atividadese não podem interromper o fluxo de seunegócio pela deficiência de um fator macroalém de suas responsabilidades. A manutençãoajuda a garantir a continuidade do processo,seja durante o armazenamento de peças ematérias-primas, bem como no processo deentrega entre empresas.Durante a entrega, existem diversos fatoresque levam ao sucesso e, mais uma vez, amanutenção chega imponente, fornecendoinformações para que atrasos não aconteçam epara que os custos da operação sejam os mínimospossíveis. Quando uma frota tem suamanutenção planejada, ela pode garantir umaentrega mais segura em termos de tempo, umavez que esse planejamento possibilita a corretagestão do desgaste das peças e componentesda frota, contribuindo para que sejam mantidosou trocados no momento certo.Desta forma, a boa manutenção é um fatorde sucesso num processo de logística, pois asempresas não podem perder suas vendas porqueo produto não está na prateleira. A chavepara esse sucesso pode-se chamar de disponibilidadedos ativos e dos recursos que fazemparte da cadeia logística e, neste contexto, amanutenção é essencial para garantir a qualidadedeste processo. ■Claudio Umaschi - Diretor regional daDatastream Systems do Brasilgrace.knoblauch@datastream.netInternetBaterias tracionáriasAs baterias tracionárias Moura LOG,com elementos individuais, as bateriasestacionárias da linha MouraClean para altas temperaturas e asbaterias monobloco da linha MouraLOG, também tracionárias, são destaqueno portal das Baterias Moura,incluindo dados como especificaçõestécnicas, características, garantia eaplicações. Também estão inseridasnotícias e dicas para a conservaçãode baterias, além de informaçõessobre baterias automotivas comprata e baterias náuticas.www.moura.com.brTransporte rodoviárioTransporte rodoviário, distribuição,serviços portuários, transporte florestal,milk-run, just-in-time/Kanban,movimentação e gestão interna,emergencial, aéreo, operações dedicadas,desenvolvimento de projetose locação. Estes são os serviços oferecidospela Expresso Mirassol edetalhados em seu portal. Além denotícias, também estão informaçõessobre a estrutura da empresa,incluindo unidades, frota, TI, rastreamentoe gerenciamento de risco,entre outras informações.www.expressomirassol.com.brPróximaedição:■ Empilhadeiras: quandoreformar? Quando trocar?■ Radiofreqüência eCódigo de Barras■ Tecnologias e/ou softwaresespecíficos■ Embalagens e AplicaçõesEnvie catálogos, releases,artigos e sugestões parajornalismo@logweb.com.br


www.logweb.com.brn EDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005n nLogWeb 23LivroLogística na Cadeia deSuprimentos:Uma Perspectiva GerencialAutor: David A. TaylorEditora: Pearson EducationNº Páginas: 370Informações: 11 3613.1222Segundo o autor desta obra, lançadasob o selo Addison Wesley, a batalhapelo domínio do mercado deixoude ser travada entre empresas rivais.Agora, a nova concorrência pressupõecadeias de suprimentos versuscadeias de suprimentos. A chavepara o sucesso é estabelecer um altonível de cooperação dentro da empresa.Assim, Taylor oferece um guiatático com informações e explicaçõespara ajudar na tomada de decisões,evitar falhas e possibilitar a compreensãoe a solução dos problemasreferentes a essa área. Rico emexemplos de empresas conhecidasmundialmente (Dell, Wal-Mart, SiemensCT, Chrysler, Apple, etc.), olivro aborda os desafio dos negócios,descreve as ferramentas necessáriaspara superar esses desafiose explica o gerenciamento da cadeiade suprimentos em três níveis: operações,planejamento e projeto. Tambéminclui glossário de termostécnicos e 160 exercícios.CatálogoProdutos paraarmazenagemA Esmena do Brasilacaba de disponibilizarno mercado o“Esmena Directo”,catálogo que contémtoda sua linhade produtos para armazenagem.Incluidados sobre umaampla variedade de artigos, desdeestantes modulares sem parafusospara carga manual até instalaçõespara paletização, complementandocom alguns acessórios, como caixaarquivo,carrinhos industriais e estantescromadas, entre outros.Fone: 0800 770 6870


24 LogWeb n nEDIÇÃO 38 — ABRIL — 2005 n www.logweb.com.brLFValleRepresentaçõesdistribuiequipamentosLocalizada em Alphaville,São Paulo, SP, a LFValleRepresentações atua com aprestação prévia de serviçosde consultoria e assessoria aseus clientes, e está apta afornecer, através de suasrepresentadas, equipamentoscomo niveladores de doca,portas industriais, seccionaise rápidas, divisórias e portaisde selamento, transportadorese sistemas de transporte,sistemas de armazenagem,incluindo cantilever, portapaletes,drive-in/thru,mezaninos, estantes edivisões industriais, racksdesmontáveis e fixos, paletesmetálicos, contentores degrade ou chapa, paleteiras,carrinhos (inclusive aluguel),plataformas e empilhadeirasa combustão e elétricas. Aempresa também prestaserviços de instalação,montagem, manutençãocorretiva e preventiva deequipamentos.Tacex está emnovo endereçocomercialEspecializada em distribuiçãoe logística, a TacexInternational Courier estáatendendo em novo endereço:Av. Paulista, 777 - 15 º andar -01311-100 São Paulo – SP.Fone: 11 3145.1975.Site da Confrariados Transportes eda Logística jáestá “no ar”Instalada em Porto Alegre,RS, a “Confraria dosTransportes e da Logística”surgiu com o objetivo deintegrar pessoas ligadas aosegmento dos transportes eda logística, desenvolvendocontatos e promovendo atroca de conhecimentos eexperiências. E, recentemente,lançou o seu site –www.confrariadostransportes.com.br- como uma ferramenta paraa integração e a tr oca deinformações entre os modaisviário, hidroviário, ferroviário,aéreo e da logística.

More magazines by this user
Similar magazines