download

dag.uem.br

download

III SIMPÓSIO GRANDES CULTURASSOJAMaringá, PR 17 e 18 de junho de 2010.Ademir Assis HenningEmbrapa Soja


SANIDADE E QUALIDADEDE SEMENTES


Use somente sementes certificadas: C1 & C2 ou S1 & S2(garantia de pureza genética, qualidade fisiológica e livre de doenças!)


Beneficiamento de semente Pirata!!!Ou semente “Caseira”


Beneficiamento


Os riscos do agricultor!• Fitossanitários– Disseminação de pragas e doenças• Ex: nematóides, plantas daninhas, doenças (CH, CS, PB, MB)• Pureza genética– Misturas, baixo desempenho, desuniformidade• Adaptação regional (Soja contrabandeada!)– Queda na produtividade• Cultivar falsificada – “Mandioquinha, Anta, Maradona”....)• Qualidade fisiológica – (Germinação & vigor)• Distanciamento da tecnologia e treinamento• Baixa produtividade !Carraro, , 2007


Os riscos da agricultura ...• Desestruturação da pesquisa• Desmantelamento do parque sementeiro• Vulnerabilidade frente a novas pragas edoenças (cancro da haste, olho de rã,Mofo Branco! etc.)• Evasão de impostos• Desinformação no campo• Redução de produtividade• Perda de competitividade externaCarraro, , 2007


A Semente é um “CHIP”Ciclo variadoEstabilidadeAmpla adaptaçãoTeor de ProteínaGeneEspecíficoTransgênicoRusticidadeTolerância aacamamentoResistência adoençasQualidade deSementesTeor de ÓleoProdutividadeLucratividadeTipo de soloVALOR (PI)


60.000,050.000,040.000,030.000,020.000,010.000,0-A Soja no Brasil3.0002.5002.0001.5001.000R 2 = 0,7884500-Carraro, , 2007Area Produção Produtividade Linear (Produtividade)1982/831984/851986/871988/891990/911992/931994/951996/971998/992000/012002/032004/052006/07(2) Previsão1980/811978/791976/77


Soja: Área, Produção e Produtividades:2009/10REGIÃO ÁREA PRODUÇÃO PRODUTIVIDADE(1,000 ha) (milhões tons) (KG/Ha)MT 6.160,4 18.961,7 3.078PR 4.490,8 13.876,6 3.090RS 3.976,2 9.781,5 2.460GO 2.460,0 7.380,0 3.000MS 1.731,2 4.933,9 2.850MG 1.016,0 3.007,4 2.960BA 1.015,6 2.926,5 2.882SP 589,7 1.620,5 2.748MA 413,4 1.170,3 2.831SC 439,6 1.252,9 2.850BRASIL 23.209,5 67.569,7 2.911Fonte: CONAB, Março, 2010


O grão pirata também é um “CHIP”!Cancro da hasteD.p. var. caulivoraFalsa economia!C.S. raças as 24 & 25Pústula bacterianaMofo brancoErvas daninhasNematóide de cistoC. sojinaQueda daProdutividadeBaixa qualidadefisiológicaCultivar falsificada


PRINCIPAIS PATÓGENOS EM SEMENTES DE SOJAAspergillus flavusPhomopsis sp.ColletotrichumtruncatumCercospora kikuchi


1) Phomopsis spp.- podridão de sementesProblemas no teste de germinação padrão:(rolo de papel/25°C)SOLUÇÃO?1) Emergência em areia2) DIACOM: Patologia + TZ


Comportamento de Phomopsis sp. durante o armazenamento:10080%604020Semente sadiaPhomopsis spGerminaçãoEmergência em areia0JUNHO SETEMBRO DEZEMBROMeses de armazenagemO fungo perde a viabilidade! E a germinação “aumenta”.... Se asemente tiver boa qualidade fisiológica...


Comportamento de Phomopsis sp. durante o armazenamento:10080%604020Semente sadiaPhomopsis spGerminaçãoEmergência em areia0JUNHO SETEMBRO DEZEMBROMeses de armazenagemO fungo perde a viabilidade! ... Mas a germinação não melhora qualidadefisiológica está comprometida....


2. Diaporthe phaseolorum var. meridionalis(cancro da haste)Sintomas nas hastes!


J.T. Yorinori


Controle:1. variedades resistentes!2. tratamento de sementesJ.T. YorinoriJ.T. Yorinori


CANCRO DA HASTEDiaporthe phaseolorum var. meridionalis (1988/89)Diaporthe phaseolorum var. caulivora (2006/07)J.T. YorinoriL.M.Costamilan


PRINCIPAIS PATÓGENOS EM SEMENTES DE SOJA 3. Fusarium semitectum4) Fusarium graminearum


PRINCIPAIS PATÓGENOS EM SEMENTES DE SOJA5. Cercospora kikuchii – crestamento foliar e...Mancha púrpurap


PRINCIPAIS PATÓGENOS EM SEMENTES DE SOJA6. Cercospora sojina (mancha olho de rã)Novas raças: as: 24 & 25 (PI & MA)•Risco de disseminação paraoutras localidades (via semente)


Patógenoque pode ser transmitido via semente mas não é“comum”- porém m está aumentando...7. Corynespora cassiicola – mancha alvo


Doenças benzimidazóis triazóis estrobilurinasferrugem ** *DFC ** * **mancha alvo **antracnose ** *oídio * ** *mela **mofo branco **(tratamento de semente)


PRINCIPAIS PATÓGENOS EM SEMENTES DE SOJA8. Colletotrichum truncatum (antracnose)


8) ANTRACNOSE (Colletotrichum truncatum)


9) Doenças de final de ciclo• Septoria glycinesmancha pardaA. A. Henning• Cercospora kikuchiicrestamento foliarA. A. Henning


10. Macrophomina phaseolinaRaíz com microescleróciosciosPapel de filtro


Poeira na colheita – maturação forçada, folhas‘Ademir Henning


Transmissão por sementes / tratamento fungicida


A transmissão por sementes somente ocorre assim: SEMENTES SUJAS COM SOLO


11) Mofo branco: Sclerotinia sclerotiorumMorte de plantasFotos: A.A. HenningProdução de escleróciosFotos: A.A. Henning


Mofo branco: transmissão por sementesFoto: A.A. HenningFoto: A.A. HenningFoto: A.A. Henning Esclerócios & Micélio internoFoto: A.A. HenningFoto: A.A. Henning


Germinação deescleróciosApotéciosJ.T. Yorinori


Ademir Henning


Principais características:1. Ampla gama de hospedeiros: 75 fam., 278 gen & 408 spp.Principais hospedeiros: girassol, canola, feijão e algodão,além de soja, ervilha, alfafa, tomate e batata. Além de ervasdaninhas: leiteiro, picão preto e joá de capote).2. Produção de estruturas de resistência esclerócios3. Transmissão por sementes: micélio dormente +esclerócios (misturados às sementes)4. Longevidade (11 anos!) enterrio pode ser pior!5. Condições favoráveis: alta umidade (> 70%) e temperaturasamenas (20ºC) para formação de apotécios e 18-25ºCdesenvolvimento de micélio. Cerrados acima de 800 m.


Como e por que o mofo evoluiu?1. Até 2003 ocorrência localizada (no SUL) e esporádica emregiões mais quentes: Minas Gerais e Brasil Central.2. Não adoção de práticas recomendadas: falta de cuidado com asemente (CESSOJA/PR em 06 de junho de 1981!).3. Ausência de rotação de culturas, sucessão com outras culturashospedeiras: feijão, algodão, girassol, canola, batata, etc.4. Clima mudanças climáticas?5. Aumento do uso de semente própria (Lei 10.711 de agosto 2003) eprincipalmente após lançamento da soja RR semente caseira,própria ou Pirata!


Como e por que o mofo evoluiu?5. Aumento do uso de semente própria (Lei 10.711 deagosto 2003) e principalmente após lançamento dasoja RR e também semente ....Pirata!


Medidas de controle (manejo)1. Uso de sementes Certificadas, sadias evitar introdução;2. Limpeza dos implementos agrícolas desinfestação;3. Rotação de culturas, especialmente com gramíneas, darpreferência aquelas que formam maior quantidade de palha(milho, milheto, Brachiaria spp.);4. Integração lavoura pecuária mais tempo sem hospedeiro;5. Escolha de cultivares: ciclo determinado (floração),arquitetura (porte baixo e folhas eretas), período defloração concentrado (reduz infecção);6. População e espaçamento evitar excesso de plantas!


Medidas de controle (manejo) cont.7. Formação de bastante palhada: aumenta teor de matériaorgânica do solo que favorece a proliferação de organismosantagonistas além de oferecer uma barreira física para adiseminação dos ascospóros!8. Manejo do solo: boas propriedades - QUÍMICA (Potássiolignificação dos tecidos), FÍSICA (não mexer no solo revolvendo esclerócios) e BIOLÓGICA mais matériaorgânica mais antagonistas (Trichoderma spp.)9. Controle biológicoantibiose, competição & parasitismo;


Controle Biológico (prós & contras)• Princípio básico usar um organismo vivo para controlaroutro organismo. No caso do mofo branco, normalmentefungos do gêneroTrichoderma spp. tem sido usados.1. PROBLEMAS OBSERVADOS:a) Existem vários produtos comerciais nem todosconfiáveis porque por se tratar de “organismo vivo”, énecessário que o mesmo se “estabeleça” no solo para tercondições de controlar o patógeno.b) Modo de aplicação: solo, semente, aérea? E os raios UV?casos de sucesso e insucesso em BA e MG.


Controle Químico (Situação atual)1. PROBLEMAS A ENFRENTAR:• “Até o momento só há um princípio ativo registrado juntoao MAPA para o controle do mofo branco na cultura dasoja! Porém, o nível de controle deixa a desejar.2. RAZÕES?• Alto custo a cultura pagará aplicações preventivas esistemáticas?• E a eficiência?


Controle Químico (Situação atual – cont.)3. E A EFICIÊNCIA?Trabalhos desenvolvidos na FESURV (Carregal & Campos):• “A eficácia do CQ depende do P.A. usado, do número deaplicações, do momento da aplicação e da tecnologiaempregada”4. MELHORES RESULTADOS?• Fungicidas à base de fluazinam, iprodiona e procimidona.• Outros (benzimidazóis) também são eficientes porém,em níveis inferiores. Todavia esses fungicidasapresentam algumas vantagens:


Controle Químico (Situação atual – cont.)5. Vantagens dos benzimidazóis: segundo a FESURV (Carregal& Campos), as principais vantagens do uso dosbenzimidazóis são:• O custo baixo e amplo expectro de ação;• Auxílio no controle da mancha alvo, antracnose e doenças definal de ciclo (suprindo a deficiência das estrobilurinas etriazóis), amplamente utilizadas no controle da FAS;• Os benzimidazóis são mais eficazes quando aplicadospreventivamente, no início da floração;• Reaplicações (3 pelo menos) a cada 7-10 dias.


IMPORTANTE “evitar a introdução”1. Sementes Sadias – “Certificadas”2. Tratamento de sementes (benzimidazóis)3. Beneficiamento – Separador espiralUma vez introduzido na área só resta o manejo1. Aumentar o espaçamento2. Evitar excesso de população de plantas3. Quando possível, linhas sentido L & O4. Rotação Palhada (Brachiaria, milheto, milho)5. Escolha de cultivares (ciclo determinado)6. Controle biológico ?7. Controle químico Custo & benefício, MAPA8. Clima....


Grande problema dasemente malbeneficiada esclerócios


Grande problema da semente malbeneficiada esclerócios


Beneficiamento de semente Pirata!!!


Beneficiamento


Fluxo de BeneficiamentoRECEPÇÃOPRÉ-LIMPEZALIMPEZASEPARADOREM ESPIRALPADRONIZADORARMAZENAGEMÚMIDO(Silos Ventiláveis)SECAGEMARMAZENAGEMSECO(Silos Ventiláveis)MESADENSIMÉTRICAENSAQUE


BENEFICIAMENTO DA SEMENTEClassificação por FormaFotos: França Neto


MEDIDAS DE CONTROLE SUGERIDAS AO MAPA-GTPSS1. Inspeção da lavoura CFO2. Constatada a presença generalizada do mofo branco condenar ocampo3. Localização restrita: baixadas, reboleiras deixar 10 m (colheita)4. Acompanhar o BENEFICIAMENTO Separador Espiral (obrigatório)5. Análise de pureza Constatado um esclerócio em 500g Condenar olote!6. Obrigar o tratamento da semente com a mistura de um fungicidabenzimidazol (thiabendazole, carbendazim ou tiofanato metílico) + umfungicida de contato (thiram, tolylfluanide ou captan)Tabela a seguir...


Tabela 1. Fungicidas e respectivas doses, para o tratamento de sementes de soja.XXVI Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil.CORNÉLIO PROCÓPIO, PR. Agosto/2005.DOSE/100 KG DE SEMENTE 1NOME COMUM• PRODUTO COMERCIAL 2Ingrediente ativo (gramas)• Produto comercial (g ou ml)35 g + 10 gI. Fungicidas de ContatoCaptan 90 g• Captan 750 TS• 120 gThiram 70 g (SC) ou 144 g (TS)• Rhodiauran 500 SC• 140 ml• Thiram 480 TS• 300 mlTolylfluanid50 g• Euparen M 500 PM• 100 gII. Fungicidas sistêmicosCarbendazin30 g• Derosal 500 SC• 60 mlCarbendazin + Thiram30 g + 70 g• Derosal Plus 4• 200 mlCarbendazin + Thiram30 g + 70 g• Protreat 4• 200 mlCarboxin + Thiram75 g + 75 g ou 50 + 50 g• Vitavax + Thiram PM 4• 200 g• Vitavax + Thiram 200 SC 3,4• 250 mlDifenoconazole5 g• Spectro• 33 mlFludioxonil + Metalaxyl – M• Maxim XL 4 • 100 mlThiabendazole17 g• Tecto 100 (PM e SC)• 170 g ou 31 mlThiabendazole + Thiram17 g + 70 g• Tegram 4• 200 mlTiofanato metílico• Cercobin 700 PM• Cercobin 500 SC• Topsin 500 SC70 g• 100 g• 140 ml• 140 ml


PRINCIPAIS PATÓGENOS EM SEMENTES DE SOJA –Fungos de armazenamento11) Aspergillus spp.12) Penicillium


QualidadeFisiológica daSementeColaboração de Dr. José de Barros França NetoEmbrapa Soja – Londrina, PR.


A qualidade da sementede soja possui atributos:fisiológicos, sanitários,físicos e genéticos. Objetivo


Obtenção do estande adequado


Vigor inicial mais altodas plântulas:‣Vantagem em situações de estresse:• Profundidade de semeadura• Compactação superficial• Baixas temperaturas• Ocorrência de seca após asemeadura


Vigor X Maiores ProdutividadesEfeito do Vigor Sobre a ProdutividadeProdutividade (Kg/ha)25002000Semente de Alta Qualidade: até 20%1500a mais de produtividade!10005000Paraná Davis BossierVigor Baixo Vigor Médio Vigor AltoFonte: França Neto et al., 1983


Produtividade X VigorSemente de Alta Qualidade: até 30% a maisde produtividade!Fonte: Modificado de Kolchinski, Schuch, Peske, 2005 (UFPel)


Controle de Qualidade• Cérebro do sistema deprodução: decisões• Envolve leis e padrões: purezafísica, varietal, sanitária egerminação


ARMAZENAGEMPRÉCOMERCIALIZAÇÃOBENEFICIAMENTOPRÉSEMEADURALASSECAGEMPRÉCOLHEITACOLHEITARECEPÇÃO


DIACOM• Diagnóstico da qualidade‣ Germinação‣ TZ-Vigor‣ TZ-Viabilidade‣ TZ DM, DU, DP‣ Sanitária e outros AÇÕES CORRETIVAS


Etapas do Sistema deProdução de Sementes deSoja:• Campo• Colheita• Recepção• Secagem• Beneficiamento• Armazenagem• Transporte• Semeadura


No Campo:• Deterioração por Umidade• Insetos• Nutrição• Ação de Patógenos


DETERIORAÇÃOPORUMIDADE


Chuva em Pré-Colheita


Conseqüências• presença de enrugamento• redução de produtividade• maior suscetibilidade aodano mecânico• redução na germinação e novigor


PossíveisSoluções


Evitar oRetardamento deColheita !


Retardamento de Colheita e oVigor de Sementes de SojaTZ-Vigor (%)100908070605040300 5 10 15 20Retardamento de Colheita (dias)Paraná Davis FT-1 LancerAdaptado de: Costa et al (1983).


DANOSDEPERCEVEJO


PercevejoinoculaNematospora coryliEnzimasNecrose nas Sementes


Sementes Verdes:• Estresses: fisiológicos,climáticos e patológicos• Resposta varietal


● UFLA e Embrapa Soja (2005)100Germinação (%)8060402000 20 40 60 80 100Sementes Esverdeadas (%)Tucunaré CD 206


NUTRIÇÃO DAPLANTA* Potássio* Fósforo e acidez* Micronutrientes


100Percentagem %8060402000 40 80 120 160 200K 2 O - kg/haEmergência em Areia % Envelhecimento Acerado %Phomopsis sp. TZ-Percevejo (6-8) %


DANOSMECÂNICOS


Como reduzir a ocorrência dedanos mecânicos:• Ajustar o sistema de trilha e debeneficiamento: elevadores e quedas• Colhedora adequada e número suficiente• Adaptações no sistema de trilha• Boa manutenção do equipamento (barras)• Velocidade adequada - motor regulado• Avaliar o índice de sementes quebradas• Evitar o retardamento de colheita• Colher com grau de umidade apropriado• Usar cvs. com boa qualidade - lignina


Armazenamento


Tratamento de Sementes‣ Fungicidas, inseticidas, micronutrientes‣ Qualidade, teste produto, comodidade‣ Menor risco intoxicação‣ Bom CQ‣ Articulação com o Depto. Comercial


Durante o Transporte


• Longas distâncias• Longos períodos: 2 a 4 d• Trepidação• Altas temps.: > 50ºC• Chuvas e altas UR


Danos Mecânicos:Semeadoras


Sumário• Para a produção de sementes desoja de alta qualidade:‣É fundamental investir em: Tecnologias de produção Controle de qualidade


OBRIGADO PELA ATENÇÃO!Contato: Ademir Assis HenningFone: xx (43) 3371-6261Fax: xx (43) 3371-6100E-mail: henning@cnpso.embrapa.br

More magazines by this user
Similar magazines