Edição 121 download da revista completa - Logweb

logweb.com.br
  • No tags were found...

Edição 121 download da revista completa - Logweb

Editorial 3referência em logísticaPublicação mensal,especializada em logística,da Logweb Editora Ltda.Parte integrante do portalwww.logweb.com.brtwitter: logweb_editoraMuito trabalho.Ainda bem.Tiragem: 10.000 exemplaresRedação, Publicidade,Circulação e AdministraçãoRua dos Pinheiros, 240 - conj. 1205422-000 - São Paulo - SPFone/Fax: 11 3081.2772Nextel: 11 7714.5379 ID: 15*7582RedaçãoNextel: 11 7714.5381 ID: 15*7949EditorWanderley Gonelli Gonçalves(MTB/SP 12068)jornalismo@logweb.com.brRedaçãoMariana Mirrha (MTB/SP 56654)redacao2@logweb.com.brPriscilla Cardosoredacao3@logweb.com.brDiretoria ExecutivaValeria Limavaleria.lima@logweb.com.brMarketingJosé Luíz Nammurjlnammur@logweb.com.brAdministração/FinançasLuís Cláudio R. Ferreiraluis.claudio@logweb.com.brDiretoria ComercialMaria ZimmermannCel.: 11 7714.5378Nextel: ID 55*15*7581maria@logweb.com.brAssistente ComercialJúlia Gonçalvescomercial@logweb.com.brGerência de NegóciosNivaldo ManzanoCel.: 11 9701.2077nivaldo@logweb.com.brJosé OliveiraCel.: 11 9469.7719oliveira@logweb.com.brThais Carvalho (Estagiária)Cel.: 11 8859.1872thais@logweb.com.brDiagramação e CapaAlexandre GomesOs artigos assinados e os anúncios não expressam,necessariamente, a opinião da revistaMuitos dizem que oBrasil só começaa trabalhar depoisdo carnaval. E, como a maior festapopular do país ocorreu no final defevereiro, estaríamos começando2012 agora.Mas, não é isto o que nós, daLogweb, "assinamos embaixo".Afinal, nos dois primeiros mesesde 2012 produzidos duas edições darevista que realmente nos exigiram“muito trabalho. Ainda bem”.Foram, realmente, duas edições degrande porte, tanto em número depáginas, quando de matérias e, até, deanunciantes.E continuamos, agora "no anonovo", a produzir grandes edições e atrazer novidades aos nossos leitores.A novidade começa pela capa,quando destacamos, pela primeira vez,uma empresa. E vamos continuar afazer isto, a partir de agora, desde quea empresa ou o profissional tenhamalgo de interessante a apresentar aosnossos leitores.Outra novidade é a seção"Fique por dentro", onde destacamosas contratações nas empresas eoutros assuntos de interesse aosnossos leitores, mas que não caberiamnas páginas tradicionais da revista.E, dentre as matérias especiaisda presente edição, os destaques sãoos paletes e os contentores plásticos,além dos acessórios para embalagens.Aqui são feitas análises dos setores,bem como apontadas as tendênciase as novidades, os problemase as soluções, considerando aimportância que eles têm para alogística como um todo.Outro destaque daedição envolve os acessóriospara as empilhadeiras,não apenas aqueles usadospara a movimentaçãoda carga propriamentedita, mas também outrosinternos ao equipamento,como bancos, controladoresde tração,gás e sistemas paramonitoramento eregistro deutilização. Aqui éfeito um balançodo ano de 2011relativo ao setor, Wanderley Gonellibem como uma Gonçalves, Editoranálise (perspectivas)para 2012, e são apontadas asnovas tecnologias que estão surgindono segmento, sem esquecer as tendências.E, por fim, também destaquessão os Operadores Logísticos eas transportadoras que atuam nosegmento calçadista. Neste caso, sãorelacionadas as peculiaridades dasoperações neste setor, bem comoapontados os maiores problemas e assoluções.Assim, como dizemos no início,com "muito trabalho. Ainda bem",colocamos nas mãos do leitor maisuma edição com um pouco - que noconteúdo é muito - de cada segmentoque compõe este intrigante mercadoque é o de logística.


4SumárioEspecial Plástico44 Paletes50 Acessórios para EmbalagensOscilações nas vendas durante o ano nãoimpedem crescimento do setor em 201148Contentores e CaixasEmpresas crescem em 2011 e entrada denovos players deve acirrar concorrênciaNovas tecnologias e concorrênciaacirrada06 EntrevistaJoão Guilherme Araujo, do ILOS, falasobre como a falta de mão-de-obra virouproblema para a logística09 EtiquetasSoluções promovem eficiência da leiturade etiquetas10 Logística e Meio Ambiente12 DistribuiçãoDVA Express cresce 100% na área demanuseio para atender demanda14 Implementos RodoviáriosLabor triplica volume de vendas em 2011 econstrói nova fábrica em 2012, no interiorpaulista16 Alimentos e BebidasParceria entre Red&White e Tecsidel traznova solução para gerenciamento dedepósitos18 BalançoRandon quebra recordes financeiros ejá fala em novos investimentos para ospróximos anos22 Negócio Fechado26 DistribuiçãoLogística de gases industriais não podeser feita com VUC´s. Como atuar noscentros urbanos?30 SustentabilidadeEcoTech traz novo método de reparo deestradas a base de pneus descartados34 E-commerceSolução delogística dainformação daLedcorp permitebaixar custosgerenciaisAgenda do LogwebConsulte no portal www.logweb.com.bra agenda com informações sobre feiras,fóruns, seminários, cursos e palestras nasáreas de logística, Suplay Chain, embalagem,movimentação, armazenagem, automação ecomércio exterior.www.logweb.com.br36 TecnologiaOtimis é reeleita “Parceira Internacional doAno” pela HighJump Software37 CaseParceria FedEx e Beraca permiteexportação de óleos e sementes38 Negócio FechadoALL, Triunfo e Vetorial criam a VetriaMineração, para atuar em Corumbá, MS40 CapaVolvo quebra recordes de vendas decaminhões e conquista 17% do market sharebrasileiro52 EmpilhadeirasMercado de acessórios para empilhadeirasse consolida em 2011 e prevê maiscrescimento em 201256 DistribuiçãoSetor calçadista: uma logística com itensfracionados e regida pela moda66 Anúncios66 Fique por Dentro115, 17, 31, 33, 36 e 49 Notícias Rápidaslogweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.br


Editoria - 5Carta ao Leitor 5Ao que vaichegar...Este espaço comum para expressar a opinião de nossa Editorame traz ainda maior responsabilidade de que a transparênciamantenha-se presente.Estamos fortes na luta de levar a mensagem dos anunciantes edos participantes de nossas matérias jornalísticas a todos os locais ondepossam ter o mais absoluto retorno e reconhecimento, pois este é onosso retorno junto aos leitores e anunciantes.Programem-se para participar das próximas edições, poisestaremos nas mais importantes feiras e congressos do setor, e comestas ações temos a certeza de que estamos no caminho certo para omelhor retorno do seu negócio.1/3Brasilpack’12Congresso Supply Chain-WTC’12Intermodal South América’12Automec’12Pneushow’12Feira da Mecânica’12Feira BIT’s’12 (RS)( 7x28 cm)5Fispal’12Mercopar’12... e muitos outros.São estes alguns eventos em que sua empresaestará presente, através de consultas na revista digital eimpressa e no Portal, abrangendo todo o mercado.A revista, inovadora, está com novadiagramação e vale a pena conferir as novasseções. Trata-se de um espaço aberto paravocê divulgar suas novidades através de nossaincontestável parceria com os leitores.Maria ZimmermannDiretora ComercialUm ótimo ano a todos.www.logweb.com.br MAR/2012 121 logweb


Logística & Meio Ambiente - 11Unipac lança embalagem para Arla 32A Unipac (Fone: 11 4166.42600) – uma divisão denegócios do Grupo Jacto – anuncia o lançamento dasembalagens específicas para envase e transporte deArla 32 (Agente Redutor Líquido Automotivo), umaditivo que, ao ser injetado no escape dos veículosa diesel, reduz quimicamente as emissões de gasesprovenientes do motor, liberando nitrogênio e vaporde água, que não são prejudiciais ao meio ambiente.São apresentadas em capacidades para 10 e 20litros e atendem à demanda de mercado gerada pelaimplantação da norma Proconve P7 (Programa deControle da Poluição do Ar por Veículos Automotores) – regulamentada pelo ConselhoNacional do Meio Ambiente (Conama), órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente, e queé uma versão brasileira do Euro 5 adotado na Europa. Essa legislação passou a vigorar noBrasil em janeiro último e exige o uso do aditivo Arla 32 nos caminhões e ônibus com motoresmovidos a diesel para reduzir a emissão de poluentes.Veloce registra suasemissões de gases deefeito estufaA Veloce Logística (Fone:3818-8000) é uma dasprimeiras empresas dosetor no país a registrarpublicamente seu inventáriode emissões de gases deefeito estufa no ProgramaBrasileiro GHG Protocol, ametodologia mais utilizadamundialmente para medire gerenciar as emissões.O registro do inventário éo primeiro passo para umplano de gerenciamento eredução das emissões degases de efeito estufa.Em todo o Brasil, somente77 empresas, englobandotodos os segmentos daeconomia, registraramseus inventários nesseprograma até o momento.A Veloce registrou a emissãode 51,8 mil toneladas degás carbônico equivalente(CO 2e) em 2010. A mediçãolevou em conta não somenteas operações diretas delogística (como o transportee a movimentação decargas), mas tambémo consumo de energiaelétrica nas unidades daempresa, o impacto geradona produção de todos osmateriais consumidos pelosfuncionários e até o volumede poluentes emitidos porautomóveis e aeronavesnas viagens de executivos atrabalho.Indemetal fornecerótulos e etiquetasadesivas com Selo FSCA Indemetal Gráficos(Fone: 11 4013.9600)conquistou a certificaçãoFSC (Forest StewardshipCouncil, ou Conselhode Manejo Florestal),garantindo a procedênciados papéis utilizados paraa impressão de rótulos eetiquetas adesivas.A obtenção da certificaçãopermite aos clientes daempresa usar o selo da FSCem seus rótulos e etiquetasadesivas, tornando públicasua preocupação com ouso dos recursos florestaise garantindo que a madeirautilizada para a confecçãodo papel que a empresausa em seus processosprodutivos procede defloresta certificada e deoutras fontes controladas.A aplicação do selo serve,inclusive, como fatordecisório para o consumidorconsciente de seucompromisso com o meioambiente.DHL Expressapresenta frota“verde” no BrasilA DHL Express (Fone: 113618.3200) está implantando,também no Brasil, suafrota “verde”, com veículosque ajudarão a reduzir aemissão de CO 2e o seuimpacto no meio ambiente.A nova frota da DHLExpress, que vem crescendoa cada ano, irá sumarizar umaumento de 30% no númerototal de veículos desde 2008,e está mais padronizada,com veículos bicombustíveis(etanol e gasolina) e,também, movida a biodiesel,para carros de maior porte.Devido à alteração na escolhada engenharia do motor,de 1.8 para 1.4, e da reduçãono consumo de combustíveis,sem que haja perca dapotência dos carros, a DHLExpress acredita que a novafrota propiciará um avançosignificativo na redução daemissão de CO 2, com umaredução total de 10% dasemissões até 2014.1/3( 7x28 cm)11www.logweb.com.br MAR/2012 121 logweb


1/1(21x28 cm)13


16 - Alimentos e BebidasParceria entre Red&White eTecsidel traz nova solução paragerenciamento de depósitosPercebendo a altademanda no setor dealimentos e bebidaspor soluções que aperfeiçoassemo gerenciamento de depósitos eoutros fatores logísticos, devido àspeculiaridades desse segmento, aRed&White IT Solutions (Fone:62 3267.4444) desenvolveu,em conjunto com a espanholaTecsidel, a solução logística Tecsidel.“Essa solução, voltada parao gerenciamento de depósitosaltamente complexos, tem focona otimização dos tempos emovimentos na cadeia logística”,explica João Grego, superintendenteda Red&White.Composta por sistemas deGestão de Depósitos, Gerenciamentode Veículos no Pátioe Rastreabilidade, a soluçãobuscou unir tecnologia de ponta,inteligência estratégica e competitividade.Segundo Grego, umdos principais pontos positivosdo produto está no poder deproporcionar redução dos custose integração dos processosadministrativos e operacionais, demaneira automática, por meio deradiofrequência.Outro fator relevante do sistemaé o controle da rastreabilidadedos produtos e insumos, além dogerenciamento dos meios físicosJoão Grego: há uma demandacrescente no mercado nacionalpor soluções de logística,principalmente em indústrias,distribuidores e atacadistasinternos, como pessoas, equipamentose área física, e externos,como veículos, docas, pátio eponto de controle do complexode depósitos, dando confiabilidadee controle online a 100% doestoque.Por meio de uma interfacesimples com o usuário, é possívelobter um fácil entendimento dotrabalho a ser executado. Alémdisso, a solução é totalmente integradacom importantes tecnologiasdo mercado mundial, comoterminais de RF, etiquetas de códigosde barras e RFID, e tambémcom sistemas automáticos, comoUm trabalho bem feito.Um prêmio merecido.LGV’s, armazéns automáticos esistemas de fábrica.“Além do Gerenciamento deDepósitos, através da utilizaçãodo módulo de Warehouse Management(WM) do SAP tambémestão integrados em nossa soluçãoo Gerenciamento do Pátiode Veículos, utilizando o módulode Yard Management (YM); aRastreabiliadade dos Produtose Insumos, utilizando o módulode Handling Unit (HU); assimcomo a aplicação da solução deradiofrequência, através da tecnologiaSAP Internet TransactionServer (ITSMobile) e a instalaçãode etiquetadoras automáticas deprodução integradas ao SAP. Anossa solução ainda é integradacom os processos de negócio realizadosnos módulos de MaterialsManagement (MM), Sales andDistribution (SD), Transportation(TRA), Quality Management(QM) e Production Planning andControl (PP), do sistema SAP”,pontua Grego.Como mostra o superintendenteda Red&White, toda a soluçãoé modular e customizável, seguindoas necessidades dos clientes.Em função dessa característica, osvalores para obter a solução são deacordo com os módulos escolhidospara compor o sistema.TOP DO TRANSPORTE 2012Depoimentosrevista10 anos Logweb“A revista Logweb exerceum papel de fundamentalimportância no meio logístico.Através de matérias atuais,objetivas e de fácil compreensão,a revista contribui para acapacitação e reciclagem dosprofissionais da área de logística.E nesses 10 anos tem evoluídoem todos os aspectos possíveis.Na Tigerlog, entre a equipe deconsultores, é leitura obrigatória!Parabéns pelo trabalho de toda aequipe Logweb.”Marco Antonio OliveiraNeves, diretor-presidenteda Tigerlog Consultoriae Treinamento emLogística Ltda.“É fundamental a importânciada revista em nos manteratualizados sobre as novidades,inovações e tendências deuma das atividades que maiscresce no País. No mercadoimobiliário de condomíniosindustriais e logísticos, aatividade logística é responsávelpor 50% da ocupação dessesespaços. Dessa forma, aqui naHerzog, é obrigatório a leiturae o acompanhamento dessemercado.”Simone Santos, diretorade serviços corporativosda Herzog ImóveisIndustriais e Comerciaislogweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.br


18 - Editoria BalançoRandon quebra recordes financeirose já fala em novos investimentospara os próximos anosA receita líquida consolidada da empresa chegou a R$ 4,16 bilhões e o lucro líquido a R$ 269,1 milhões,com a Geração EURO V e as exportações tendo influência positiva nestes resultados. Por outro lado, oGuidance 2012 prevê receita bruta de R$ 6,1 bilhões e os investimentos somarão R$ 400 milhões.Durante um anoem que incertezaseconômicasrondaram os países de maneiraglobal, impulsionadas pela crisena Europa, e que representouperíodo de queda no faturamentode diversas companhias mundoafora, a Randon (Fone: 543209.2400) comemorou.O motivo para celebrar e jácomeçar a dar os primeirospassos para novos investimentosnos próximos anos é evidente:a companhia registrou recordespositivos em quase todos os seusindicadores financeiros de 2011,apresentados na cidade de Caxiasdo Sul, RS, no último dia 28 defevereiro, em encontro com aimprensa.Dentre alguns valores queo Grupo Randon nunca haviaalcançado até 2011 estão osR$ 6,38 bilhões em receita brutatotal, soma significativamentesuperior aos esperados R$ 5,9bilhões divulgados no Guidance2011 da companhia. Em relaçãoa 2010, a receita bruta cresceu14,1%. “Atingir esse valor foiuma surpresa. Ao final de 2010,havia uma convicção no mercadode que o próximo ano seriade retração, de que o país nãoteria taxas de crescimento tãoboas. Apesar disso, a indústriabrasileira de veículos comerciais,como caminhões, cresceu muitoe nós conseguimos superar nossoGuidance de 2011”, analisa AstorSchmitt, diretor corporativo e derelações com investidores da Randon.Durante o ano, a indústriade veículos comerciais produziu216.270 caminhões (+13,9%Gazzi: “vamos aumentar ocomércio de autopeças aindamais quando a fabricação dosveículos da geração EURO Vrealmente começar”sobre 2010), 47.565 chassis deônibus (+17,4%) e 64.711 veículosrebocados (+1,5% sobre 2010).A antecipação de vendase a produção promovida pelaalteração na legislação demotores para o segmento,denominada Proconve 7/EUROV, foi uma das responsáveis pelosbons resultados. A pré-comprade autopeças e sistemas daRandon em função da produçãodos novos motores EURO V, quedeverão, por lei, emitir menospoluentes no meio ambiente,aqueceu as vendas da companhia,influenciando ativamente nosresultados apresentados aofinal do ano. Apesar dos bonsresultados trazido pela novaregra, Alexandre Gazzi, diretorGeraldo: dezembro apresentouqueda nos financiamentose pressão para baixar ospreços dos produtos, mas nãoatrapalhou os resultadosexecutivo de autopeças, écauteloso sobre o assunto.“Sofremos indiretamente com amudança na legislação. Enquantonão tiver consumo total deveículo da geração EURO III,não venderemos peças para afabricação da geração EURO V.Os fabricantes não vão começara produzir um produto que vaificar encalhado enquanto o seuantecessor não for esgotado.Acredito que até março omercado já vai ter comercializadotodo o estoque de EURO IIIe passará a enfocar na novaprodução, afetando positivamenteas nossas vendas de autopeças”,analisa.Além dos 14,1 % decrescimento na receita brutaem relação a 2010, a receitalíquida consolidada tambémbateu recorde e ficou em R$ 4,16bilhões em 2011, com crescimentode 11,8 % em relação ao anoanterior.Mesmo com a queda de 6,6%nos lucros no quarto trimestre de2011 em comparação ao mesmoperíodo de 2010, o lucro brutoconsolidado do ano passado ficouem R$ 1,02 bilhões, crescendo12,4%. O quarto trimestre de2011 também foi de queda emlucro líquido em relação a 2010,com -37,3%. Mesmo assim,o ano de 2011 representourecorde de R$ 269,1 milhões ecrescimento de 7,9%. “Dezembrofoi o pior mês e puxou o trimestrepara baixo. Não houve desovados nossos produtos, pois osfinanciamentos não estavamsaindo. Houve, também,pressão para que os preços dealgumas linhas caíssem”, justificaGeraldo Santa Catharina, diretorfinanceiro da Randon.A empresa faturou 25.678veículos rebocados, mais7,6% que em 2010. Destemontante, 21.274 unidadesforam emplacadas no mercadodoméstico, resultando em umaparticipação de mercado de32,57%.logweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.br


Editorial Balanço - 19Atuação por segmentoO segmento de Veículos eImplementos, composto pelaRandon S.A. Implementos eParticipações, RS, Randon Argentina,Randon Implementos para oTransporte, SP, e Randon BrantechImplementos para o Transporte,SC, respondeu por 49,7% dareceita líquida da companhia em2011. Na distribuição de produtosdesse segmento, os veículosrebocados representaram 81% dareceita líquida, enquanto veículosespeciais e vagões ferroviários alcançaram,respectivamente, 10%e 9%. O lançamento da LinhaR alavancou vendas ao longo doano e promoveu a substituição detodas as linhas de veículosrebocados da marca Randon.O mercado doméstico de veículosrebocados consumiu 59.435unidades, resultado similar ao de2010. “A revisão dos subsídiosexistentes no ano de 2010, com aaplicação de taxas de juros menosatrativas a partir do segundotrimestre de 2011, não arrefeceuas vendas”, observa Schmitt.A produção nacional de vagõesferroviários ficou em 5.616 unidades,72% superior a 2010 (Abifer/Simefre). Enquanto o primeirosemestre desse segmento estavaaquecido, a segunda metade de2011 foi marcada pela queda nascompras, cenário alterado apenasem outubro, quando a Randonanunciou a venda de 168 vagões àMRS Logística. Durante o ano, acompanhia produziu 913 vagões,totalizando 16% de participaçãode mercado, a colocando como asegunda maior fabricante nacionalde vagões ferroviários. Já o segmentode autopeças da Randonrepresentou 48,8% das vendaslíquidas consolidadas, com receitade R$ 2 bilhões em 2011.O braço financeiro das empresasRandon respondeu por 1,49%da receita líquida consolidada noexercício de 2011. As vendas deconsórcios observaram um acentuadocrescimento durante o anode 2011. Foram comercializadas10.964 cotas, 42,6% superior aoexercício passado. Também partedesse segmento, o Banco Randonteve seu capital elevado em R$ 25milhões.Exportações e mercadoexternoUma das grandes responsáveispelos resultados do grupoforam as exportações realizadasdurante o período. Ao todo, elassomaram US$ 294 milhões, comcrescimento de 22,5%, a melhoralta obtida pela companhia em2011. Os países do Mercosulmais o Chile ficaram com a fatiade 45% do todo exportado pelogrupo, seguidos pelas nações doNafta (Estados Unidos, Canadá eMéxico), com 28%, e pela África,Schmitt: “havia um medo queo país não crescesse em 2012.Conseguimos superar nossoGuidance e as exportações forammuito importantes para isso”com 11%. “Tivemos uma granderetomada nas exportações em2011”, afirma Schmitt.Além de ser um impulsionadordos resultados por conta dasexportações, o mercado externotambém influenciou nos números1/2(21x14 cm)19


26 - Multimodal DistribuiçãoLogística de gases industriais nãopode ser feita com VUC´s. Comoatuar nos centros urbanos?“ revistaOs gases podem teraplicações medicinaisou industriais, começandoaí um fator de diferenciaçãono que envolve a sua logística dearmazenagem e de distribuição.”Com esta afirmação, Nilson deOliveira, diretor de distribuição elogística da IBG – Indústria Brasileirade Gases (Fone: 11 4582.8534),faz uma interessante análise decomo é a logística de uma indústriade produção de gases.Ele começa afirmando que afabricação e distribuição de gasesmedicinais estão passando pormudanças radicais que exigirá doprodutor e do distribuidor, a partirdo próximo ano, licenciamento daANVISA – Agência Nacional deVigilância Sanitária, o que implicaráem grandes investimentos na áreade produção e distribuição, exigindoa implantação da rastreabilidadedos gases produzidos e entregues.Já na indústria, na maioria dasvezes, os maiores requisitos sãopureza e grandes volumes.Oliveira também ressalta queos gases podem ser comercializadosno estado líquido, o que exigeequipamentos de armazenagemcriogênica, ou no estado gasoso,quando se empregam cilindros deaço – os de 50 litros têm peso emtorno de 60 kg – ou em alumínio.Os veículos para entrega de qualquerdestes produtos necessitamser especialmente fabricados.“Na verdade, são utilizadoscilindros de alta pressão e tanquescriogênicos. No caso dos cilindros,a melhor maneira de manuseá-losé pelo sistema paletizado, o quefacilita desde a fase de produçãoaté a distribuição. Os gasesmedicinais, por sua vez, tambémpor exigência da ANVISA para opróximo ano, deverão ser estocadosem ambiente coberto, e portaruma bula, caracterizando-o comomedicamento”, explica o diretor dedistribuição e logística.Os gases podem sercomercializados no estado líquido,o que exige equipamentos dearmazenagem criogênica, ougasoso, com o uso de cilindrosEle diz, ainda, que pelas característicasdos produtos, a distribuiçãodos gases, quer seja no estadolíquido, quer seja no estado gasoso,exige uma boa programação e roteirizaçãovisando minimizar os custosde transportes, que são significativos.“As empresas estão buscandoformas de monitorar os estoquesnos clientes, de modo a maximizaro volume entregue e, desta forma,minimizar os custos de frete”, completa.E, ressalta, ainda, existe umsistema continuado de treinamentopara todos os funcionários da empresa.Isto se estende também para osetor de logística.ProblemasA logística neste segmentotambém enfrenta problemas, como apraticada em outros setores.A começar pelas restrições de a cessoe circulação dos caminhões nos grandescentros urbanos – “sem haveruma preocupação com a característicado produto a ser entregue”.E Oliveira cita um caso peculiarque ocorre na cidade de SãoPaulo: “a maioria dos grandeshospitais está concentrada emlocais como a região da AvenidaPaulista e, algumas vezes, não setem como parar um veículo parafazer a entrega sem que se sejamultado. Gases liquefeitos exigemveículos tanques criogênicos quetêm uma tara mínima de 13 toneladas.Não são VUC’s (VeículosUrbanos de Carga) que irão fazera sua substituição. Mesmo paraveículos de cilindros, enquanto umtoco transporta até 120 cilindrosgrandes, um VUC terá a capacidademáxima para 16 destes cilindros,ou seja, são necessários 8 VUC’spara fazer o mesmo trabalho e,sem dúvida, eles demandam muitomais espaço no ‘trânsito da cidade’que um veículo toco. As pessoasque fazem as leis precisam ser maisbem informadas quanto às verdadeirassoluções para o trânsito: oque pode ser a solução para umtipo de produto, necessariamentenão será para o outro”, desabafa odiretor de distribuição e logística.Além dos problemas de limitaçõespara o tráfego de veículos,do sistema caótico dos centrosurbanos e rodovias de má qualidade,Oliveira aponta outro fatorproblemático, que é a qualidadedisponível de motoristas e ajudantes.“Existe uma grande dificuldadepara que eles entendam queo veículo é a sua ‘ferramenta’ detrabalho”, finaliza.Depoimentos10 anos Logweb“Atuo na área de logística játem algum tempo, e nos últimostrês anos venho acompanhandoa revista Logweb. Depois devários anos de puro sucesso ecompetência, é com muita satisfaçãoque parabenizo a revistaLogweb por seus 10 anos devida e credibilidade. Cada ediçãotraz informações importantes eelucidativas para que os profissionaisde logística estejam ligadosnos processos de transformaçãoque vêm ocorrendo no mercadoe nos sistemas logísticos e degerenciamento. Hoje mais donunca as empresas investemneste segmento e necessitammanterem-se atualizadas,buscando sempre a inovação, reduçãode custos e rentabilidade.Parabéns a todos da Logweb!”Elisangela do Rosário,coordenadora do departamento delogística da Resinas Yser Ltda. -Indústria Química (Embarcador)“A Logweb, sempre atual,reveladora de tendências, cominformações precisas e seguras,tem nos auxiliando no traçado ena conquista de nossas metas.Que o sucesso continue, paraque o setor tenha um veículoconfiável, com conteúdo querealmente faz a diferença.”Elenice Fernandes,gerente de marketing daRayflex Portas Flexíveislogweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.br


1/1(21x28 cm)27


Informe publicitário - 29Sede e lojaOs colaboradores dacompanhia agora atuam emsede situada em terreno de7.000 m², sendo 3.280 m²já construídos. Apenas dearmazém, foram construídos2.280 m², com pé direitode 15,6 metros. Os outros1.000 m² pertencem à áreaadministrativa da empresa.As cerca de 10 mil peçasmovimentadas diariamente noarmazém ficam dispostas emracks, flow-racks, prateleirase gaveteiros projetados paradar agilidade à expedição dospedidos. Três pontos de docastambém foram projetados noarmazém e o fluxo de materiaispode ser feito por meio dessasdocas para vans e caminhõespequenos.“Usamos um sistemaimportado e as estruturaschegam a 11 metros de altura.No momento, nosso pickingacontece de forma mecânicae investimos continuamentepara garantir aperfeiçoamentooperacional", explica Santos.Com a estrutura atual, aempresa aumentou em quatrovezes o seu estoque e, casoseja necessário, a área doarmazém pode ser ampliada em1.000 m².A TVH do Brasil tambémse prepara para uma novaramificação dos negócios:a venda de balcão. Dentroda própria sede, uma áreafoi montada para atender aclientes que precisarem depeças unitárias prontamente.Todos os itens do estoque serãocomercializados ali e os preçosseguirão a política de fidelidadeda empresa, com descontosprogressivos a cada novacompra. A loja já está operando.ResponsabilidadesocialDando os últimos retoques na novasede, a empresa logo passará a atuarcom princípios de sustentabilidade.Todo o projeto da nova sede foidesenvolvido pensando de quemaneira as operações da empresapoderiam contribuir com o meioambiente. Assim, foram colocadostanques capazes de armazenar águada chuva que ajudarão na operação daempresa. Atualmente independenteda energia externa, em função deum gerador de energia a diesel, aTVH também aproveitará a energiasolar, com a utilização de placasfotoelétricas instaladas no topodo prédio. O descarte de resíduostambém será feito buscando nãoinfluenciar negativamente na natureza.Para isso, já foi contratada umaempresa, devidamente cadastrada,que fica responsável por recolhertodos os resíduos da companhia edescartá-los corretamente.Tel.: 19 3045.4250


30 - Editoria SustentabilidadeEcoTech traz novo método dereparo de estradas a base depneus descartadosP lanejamentoambicioso elançamento denovo produto, voltado para asustentabilidade, são os pilaresutilizados pela EcoTech (Fone:11 4393.4440), empresa dosegmento de manutenção econservação de vias públicas,para crescer no Brasil e passar aatender 15 estados até o final de2012, além de começar a atuaçãoem países como Argentina,Colômbia e Chile.Cerca de R$ 70 milhões estãona previsão de investimentono Brasil para este ano, sendoparte dessa verba voltada para aampliação da frota – dos atuais21 caminhões sustentáveispara 100 veículos. Para ospróximos anos, o objetivo édar continuidade ao plano decrescimento, com aportes demais R$ 350 milhões, cerca deR$ 70 milhões por ano até 2016.Parte dos investimentos dacompanhia emJoão: “nossofoco é atender15 estados noBrasil e chegarà Colômbia,Argentina e aoChile em 2012”Frota de 21 caminhões será aumentadapara 100 veículos sustentáveis2011 também foi direcionadapara ampliar as atividades danova unidade de Recife, PE.A cidade é a primeira do Brasil aadotar os serviços da EcoTechcomo solução para a manutençãoda sua malha viária. “A criaçãodessa nova unidade se deu emfunção da nossa atuação junto àPrefeitura do Recife, que firmoucom a EcoTech um contratode manutenção e prevençãodas vias públicas, o que incluio preenchimento de buracos,correção de ondulações edepressões, recapeamento detrincas (pele de jacaré), selagem defissuras e afundamentos”, explicaJoão Coragem, CEO da EcoTech.“Consideramos a regiãoestratégica para os nossosplanos de expansão e já fomosprocurados para atender outrascidades da região, como Abreu eLima, Cabo de Santo Agostinho,Paulista e Vitória de SantoAntão. Por isso, optamos por teruma presença regional por lá.Nossa base operacional contalogweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.brcom mais de 20 colaboradoresdiretos e indiretos e capacidadepara comportar nossa frota, quena região é formada por cincocaminhões”, continua.Novo produtoA EcoTech adquiriu os direitosexclusivos de licenciamentode um método americano deconservação e reparação deestradas: um spray com recursoe matérias-primas que nãoagridem o meio ambiente. Em2011, os investimentos enfocadospara a exclusividade do uso datecnologia no Brasil e América doSul chegaram a R$ 24 milhões.Reconhecido pela FederalHighway AdministrationRoads, dos Estados Unidos, ospray é aplicado por meio decaminhões sustentáveis queutilizam granulados de borracha,obtidos por meio da trituraçãode pneus descartados, comemulsões asfálticas modificadasa base de água. Os caminhõessustentáveis da EcoTech contamDepoimentosrevista10 anos Logweb“Com uma equipequalificada, comprometida,arrojada e extremamentecompetente, a Logwebcompleta seus 10 anos devida sendo reconhecidacomo mídia referência emlogística. Que nos próximos10 anos o processo decrescimento, aliado àexperiência, qualidade,garra e transparência, possadar continuidade ao trabalhoreconhecido e conquistado.Que a prosperidade estejasempre presente para osfuturos desafios e projetos.Parabéns a toda equipeLogweb.”Emerson Kleina,Qualidade daTransdotti – TransporteRodoviário Ltda.“Parabenizamos aLogweb pelos seus 10anos e o excelente trabalhoque vem desenvolvendo.A revista nos possibilitaconhecer o mercado cominformações confiáveis”GuilhermeBittencourt,gerente comercialda EmpilogEmpilhadeiras


com compartimentos separadospara cada matéria-prima e umbraço mecânico para realizara intervenção no asfalto. Osgranulados de borracha, obtidospor meio da trituração de pneusdescartados, são misturados àsemulsões asfálticas, modificadas abase de água e outros agregados.A partir daí, a intervenção emspray é aplicada no solo.De acordo com o CEO daempresa, uma das vantagensdo spray é a agilidade de reparodas vias, já que cada restauraçãoleva, em média, no máximo trêsminutos. Outra vantagem estána durabilidade do conserto e naeficiência em épocas de chuvas.“Para ter uma ideia, quandopassamos a atuar no Recife emjulho de 2011, em período deintensas chuvas, foram tapadoscerca de 22 mil buracos em2 meses e meio de trabalho.Segundo dados da própria Emlurb(órgão técnico da Prefeiturado Recife), cerca de 98% dostrabalhos mostraram-se realizadoscom sucesso”, diz João.Ainda segundo o CEO daempresa, o método prolonga avida útil das vias públicas em atétrês anos, reduzindo os custosanuais com recapeamentoasfáltico. Os gastos com omodelo tradicional, sem otrabalho de conservação, podemchegar a R$ 572 mil. Alémdisso, um caminhão da EcoTechsubstitui de quatro ou cincoequipes com seis trabalhadorescada, o que reduz os custosde todo reparo. O spray éconsiderado sustentável por nãoagredir o meio ambientee, ainda, retirar da naturezapneus descartados de formairregular, transformando-os emmatéria-prima para eliminarburacos e demais deficiências namalha viária.Projeto 2016Participando do Projeto 2016,a EcoTech se compromete aretirar da natureza 15 milhõesde pneus até 2016. Essa contaé baseada no desempenho dacompanhia que afirma que,no período de 12 meses, umcaminhão é capaz de removerdo meio ambiente 21 mil pneus.“De junho até agora, járeutilizamos em nossosprocessos de manutenção deruas e avenidas o equivalente a18 mil pneus”, explica João.A EcoTech certificou umaempresa no mercado brasileiropara proceder o recolhimentoe a reciclagem dos pneusrecolhidos. Em colaboraçãocom a Reciclanip, os pneussão transformados em granuladode borracha que serão usadosnos processos de reparo damanta asfáltica de ruas eavenidas.Peças para Empilhadeiras Notícias Editorial - 31RápidasToledo do Brasilapresenta balançadigital acopladaem paleteiraA Toledo do Brasil (Fone:11 4356.9404) lançou abalança digital PL-3000 compaleteira Paletrans (Fone:16 3951.9999), que oferecepraticidade no recebimento eenvio de cargas paletizadas.A PL-3000 pesa o palete nahora do transporte e evitaque esse processo tenha queser feito separadamente paraconferência da mercadoria.Pode ser fornecida comtransmissão wireless dos dadospara um computador, oque ajuda no controlede entradae saída deprodutos.1/2(21x14 cm)31


Notícias RápidasCognex apresenta novo leitor de código debarras e sistema de visãoA Cognex Corporation(Fone: 11 8111.1010)anuncia o novo leitor decódigo de barras DataMan®300, utilizado em aplicaçõesde logística de altavelocidade, como leiturade caixas transportadoras,verificação da impressãoaplicação de etiquetase leitura de códigos emcaixas. A novidade é umcomplemento do leitorDataMan 500. “O DataMan500 lê códigos de 1-Dou 2-D apresentados emqualquer direção, têmaltas velocidades para aclassificação postal, deencomendas e embalagens,e também para estaçõesde leitura de apresentação.O modelo está disponívelagora para a leitura de altavelocidade dos códigosfixos 1-D em paletes e paraas linhas de impressão eaplicação”, explica Carl Gerst,vice-presidente e gerenteda unidade de negócios deprodutos de identificação daempresa. Já o In-Sight 500 éum sistema de visão de altodesempenho e suporte fixocolocado em um invólucrorobusto e com a classificaçãoIP65. É baseado em umatecnologia própria do chipde visão Cognex VSoC(Vision System on a Chip),que permite que o sistemaprocesse imagens em até 500quadros por segundo (fps) coma aquisição de janela. Alémda interface de programaçãopadrão In-Sight, do conjuntode ferramentas expandido edos métodos de comunicação,o sistema atinge velocidadesde 100 fps, na resolução totalde 1024 x 768 pixels, ede 200 fps, a 640 x 480.Etiquetas inteligentes Editorial - 33Honeywell amplia portfólio com o Voyager 1250gA Honeywell (Fone: 113584.8222) anuncia o Voyager1250g, um leitor linear comdesempenho superior, inclusivepara maiores profundidadesde campo. Com formaergonômica e extremamenteportátil, o Voyager 1250g éideal para leitura intensivanas mais diversas aplicações,principalmente varejo, gestãode documentos e serviçoscomerciais variados. Odispositivo também é compatívelcom o software RemoteMasterMind® da Honeywell, oque permite o gerenciamento,a atualização e a configuraçãode todos os leitores implantadosdentro de uma rede centralizadaem um único local, de formarápida, confiável e remota.Empilog Empilhadeiras investe R$ 2,5 milhõesem estoque de equipamentosA Empilog (Fone: 47 3326-3999)investiu cerca de R$ 2,5 milhõesem estoque de empilhadeirase já prevê novas aquisições deequipamentos de movimentaçãoainda no primeiro semestrede 2012. Com menos de umano de atuação, a empresavendeu 40 empilhadeiras e aexpectativa para 2012 é triplicaro número de vendas, motivopara o investimento. Sediadaem Blumenau, SC, a empresatrabalha com a venda e locaçãode empilhadeiras Feeler paratodo o Brasil.Entre Entre em contato em contato com com a Somov a Somov da sua da sua região! região!UMA MÁQUINA HYSTERMERECE UM UM PROGRAMA DE DEMANUTENÇÃO DE DE QUALIDADEGanhe Ganhe o máximo o máximo de de performance do do seu seu equipamento,invista no melhor programa de manutenção preventiva domercado.invista no melhor programa de manutenção preventiva do1/2Porque Porque o PMP o PMP é a é melhor a melhor escolha escolha para para seu seu negócio?Garante Garante o máximo o máximo de produtividade!de Identifica falhas falhas antes antes que que elas elas aconteçam!Possui equipe técnica altamente qualificada!Prioridade no atendimento!no Peças Peças 100% 100% genuínas!Possui equipe técnica altamente qualificada!(21x14 30%cm)na manutenção!*33de economia de economiana manutenção!*São São Paulo, Paulo, SP................................ 11 3718 11 3718 5090 5090Sumaré, Sumaré, SP................................... 19 3864 19 3864 6321 6321Belém, Belém, PA...................................... 91 3211 91 3211 9500 9500Campo Campo Grande, Grande, MS...................... 67 3303 67 3303 1800 1800Cuiabá, Cuiabá, MT.................................... 65 2121 65 2121 1400 1400Manaus, Manaus, AM.................................. 92 3183 92 3183 7600 7600Ribeirão Ribeirão Preto, Preto, SP........................ 16 2133 16 2133 2525 2525Contact Contact Center............................ 0800 0800 942 942 9001 9001http://www.somov.com.br*Comparada *Comparada à concorrência à concorrência durante durante o período o período de manutenção de manutenção completo completo (até 2000h) (até 2000h)


E-commerce Editorial - 35que o nível máximo de controleda operação em campo envolviao aparelho celular (comunicaçãopor voz) e um rastreador veicular(GPS). Segundo o diretor detecnologia e telecomunicações,o Anywhere é um dos poucosprodutos do mundo que não estávinculado a um único tipo oulinha de equipamentos, além deser constantemente submetidoa testes de qualidade de softwarerealizados pela Intel, o quegarante um nível de estabilidade,confiabilidade, desempenho esegurança alto.“Via de regra, saber onde umcaminhão está não respondesequer às mais básicas e principaisperguntas logísticas – Onde estáo produto (não o caminhão)? Elefoi entregue (ou coletado)? Foi noprazo? Houve algum problema?– quanto mais as mais sofisticadas– Temos como resolver remotamenteagora? Haverá atraso naspróximas entregas? Temos deenviar outro veículo para ‘cobrir’ arota do veículo em atraso? Temoscomo replanejar automaticamenteos prazos e a sequência deentrega em função de um eventoinesperado (congestionamento,queda de ponte, quebra do veículo)?Podemos comunicar esteatraso ao cliente? Temos comoinformar a posição atual da suaentrega/coleta em tempo real ede forma automática ao cliente?Que tal permitir a consulta deste‘status’ por SMS, por URA (Unidadede Resposta Audível) oupela internet?”, analisa Mello.A solução abrange desde a entradada carga no setor logísticoaté a entrega do produto na portado cliente final, aferindo os prazos,alertando sobre atrasos oudesvios do programado e evitandoque equívocos de embarque oudesembarque, dentre diversosoutros fatores, comprometam aoperação de entrega ou coleta.Sem estar vinculada auma única tecnologia, comorastreadores veiculares,celulares e coletores de dados,a solução abrange a integraçãode várias delas em função danecessidade efetiva do cliente.Caso seja importante para ocliente controlar o gasto da frotaprópria e a otimização de rota,pode-se utilizar um rastreadorveicular em conjunto com umequipamento portátil, onde asinformações da operação sãocoletadas. Por outro lado, se oobjetivo é o controle de umaoperação onde são utilizadosmotoboys, aparelhos celularespoderão ser utilizados. Outrosdiferenciais do produto estão notempo reduzido de implantação,entre 15 e 30 dias, e na forma decomercialização no modelo deSoftware com Serviço (SaaS).AquisiçãoComo explica Mello, umacaracterística importante doAnywhere é a facilidade de aquisiçãode apenas partes da solução,além da integração com outrossistemas e serviços já existentes,seja um WMS ou um sistema derastreamento veicular já contratado.Atualmente, o produto é comercializadocomo serviço (SaaS) eo que determina o custo doprojeto são dois fatores: o volumede entregas/coletas/produtos e aquantidade de móveis (caminhões,motos, vans, etc.) envolvidos, jáque eles influenciam diretamenteno custo de proces samento earmazenamento das informações.“Quanto maior o volume, menor ocusto unitário de processamento”,completa Mello.1/2(21x14 cm)35


36 - Editoria TecnologiaOtimis é reeleita “ParceiraInternacional do Ano”pela HighJump SoftwarePelo segundo anoconsecutivo, a Otimis(Fone: 11 3027.4197)– empresa focada em aplicarconhecimento e tecnologiapara otimizar os processoslogísticos – foi eleita “ParceiraInternacional do Ano” pelaHighJump Software. Os critériosutilizados pela HighJump paraesta premiação são os resultadosdo parceiro em termos de marketshare e de qualidade de serviçosna entrega dos projetos e nosuporte ao cliente.“Este prêmio significa umaoferta diferenciada para omercado brasileiro, uma vez quea HighJump é, dentre as líderesglobais do segmento de WMS, aúnica a ter presença consolidadaem nosso país, desde 2005, comuma expressiva base de clientessatisfeitos e uma completaestrutura de suporte 24x7 local”,explica Hélcio Fernando Lenz,CEO da empresa.E ele continua: “os principaisfatores que levaram a Otimisa receber este prêmio são oaumento da participação doWMS HighJump no mercado,conquistando novos clientes degrande relevância, e a qualidadedos serviços que oferecemos”.Lenz: empresa cresceu cerca de20% em faturamento em 2011,com uma lucratividade sustentávelque permitirá aumentar seu ritmode investimentosO prêmio foi entregue a Lenzpor ocasião do Annual ExecutiveMeeting da HighJump, realizadona cidade de Bloomington, MN,nos Estados Unidos, entre osdias 10 e 12 de janeiro de 2012,do qual participaram parceiros daHighJump de todo o mundo.CrescimentoO CEO também explica quea atuação da empresa consisteem aplicar com inteligência asmelhores tecnologias disponíveisno mercado mundial, visandogerar resultados reais nas cadeiasde suprimentos de seus clientes.“Deste modo, para aOtimis, este prêmio vemcoroar um ano muito especial,em que conquistamosimportantes clientes,como as Lojas Renner,e conseguimos manternosso ritmo de crescimentodos últimos anos,além de termos entreguecom sucesso projetos complexose importantes, como o WMS daAmbev”, comemora.Lenz destaca que a Otimiscresceu cerca de 20% emfaturamento em 2011, com umalucratividade sustentável quepermitirá aumentar seu ritmo deinvestimentos agora em 2012.“Acreditamos no crescimento dopaís, que aumenta a complexidadedas operações logísticas, eem 2012 seguiremos crescendoatravés da oferta de soluçõesque ajudam nossos clientes aadministrar esta complexidadecrescente. Seguiremos fortalecendoa aliança com a HighJump,trazendo para o Brasilnovas soluções complementaresao WMS, como Labor Managemente Performance.”Mais ainda: os investimentosda Otimis para 2012 estão focadosem programas de desenvolvimentoda equipe, visando aoaumento contínuo de qualidade eprodutividade e do market share.“Investiremos também em P&D,especificamente em áreas comoLabor Management, quecomplementam e estendem osbenefícios das soluções WMS.Além disso, já no primeirotrimestre estamos investindo emaumento de nossa sede, emvirtude do crescimento daequipe”, completa Lenz,acrescentando que a empresatem crescido constantementedesde a sua criação, em 2003,atendendo importantes clientesno Brasil, na América Latina, nosEstados Unidos, no Canadá, naÁfrica e Ásia.NotíciasRápidasSumitomo Rubberdo Brasil lança pedrafundamental da fábricaem Fazenda RioGrande, PREm evento ocorrido em janeiroúltimo, a Sumitomo Rubber doBrasil (Fone: 11 3179.1400)marcou o início da construçãoda fábrica de pneus da marcaDunlop em Fazenda Rio Grande,região metropolitana de Curitiba.A fábrica produzirá no Brasilpneus que abastecerão o mercadointerno e serão exportados para asAméricas do Sul e Central.A primeira fábrica da SumitomoRubber Industries fora da Ásiareceberá investimentos de R$ 560milhões e terá capacidade total deprodução inicial de 2 mil pneuspor dia. Ao final de três anos, afábrica deverá atingir a capacidadede 15 mil pneus por dia. Emsua primeira fase serão fabricadospneus para carros de passeio,caminhonetes e veículos de carga.O terreno em que a fábrica ficarálocalizada possui uma área deaproximadamente 500.000 m²e irá adotar um novo conceitoprodutivo chamado sistema“Taiyo”, que aumenta a eficiênciana produção de pneus radiais depasseio e camioneta. A previsão deconclusão da obra é abril de 2013,com início da produção previstopara outubro do mesmo ano.Ramos Transportesinaugura nova unidadeem São PauloA Ramos Transportes (Fone:11 2955.1500) investiu R$ 50milhões em novo terminal em SãoPaulo, SP, em parceria com a RBCapital. A nova estrutura – localizadaem um ponto estratégicona cidade de Guarulhos, entre asRodovias Dutra e Ayrton Senna epróxima ao minirrodoanel Jacu--Pêssego – está em funcionamentodesde janeiro último e possui50.000 m² de área útil, incluindoterminal cross-docking de 18.000m², e tem capacidade para atender160 caminhões simultaneamente.Com este novo prédio, a empresaunificou os três terminais quepossuía na região metropolitana deSão Paulo.logweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.br


Equipamentos - 37Editoria Case - 37Parceria FedEx e Beraca permiteexportação de óleos e sementesExportando matériasprimas100%brasileiras, como óleose sementes, para mais de 40países, a Beraca percebeu quepara continuar com seu forteritmo de crescimento na Europaprecisaria melhorar o tempo detrânsito de seus embarques.Segundo Filipe Sabará, diretorde Negócios da empresa, osprincipais produtos de exportaçãoda empresa são ligados à indústriade higiene, cosmético e cuidadospessoais, clientes conhecidospor serem bastante exigentesno que diz respeito aos prazos.“Precisávamos de um bom transittime por conta das característicasde negócios de nossosdistribuidores, que não costumammanter estoques por longosperíodos e precisam atender assuas demandas em um prazo bemcurto de tempo”, afirma o diretor.Papel da FedExCiente de que exportações eimportações são fundamentaispara a economia alemã, que éo segundo país no ranking decomércio exterior da OrganizaçãoMundial do Comércio, a FedExcriou, no início de 2011, umasolução diferenciada para cargaaérea acima de 68 quilos entreBrasil e Alemanha.Este serviço diferenciado,disponível nas cidades de SãoPaulo, Campinas, Rio de Janeiro,Blumenau e Porto Alegre, acabouusado pela Beraca para melhorara conexão com seus clientes eparceiros alemães que têm cadeiade suprimentos Just in time.“O tempo de trânsito, em médiade 4 a 6 dias mais rápido do quea média do mercado, foi essencialpara a escolha da solução FedExBrasil Alemanha, que ainda levouem consideração o benefício deter os envios realizados porta aporta e com garantia de devoluçãodo frete em caso de atraso, o quenenhum agente de carga pôdeoferecer”, diz Sabará. E finaliza:“reavaliando seus fornecedoresusuais de logística, a Beraca optoupor utilizar a solução da FedEx,com quem já trabalhava há 10anos”.Envie o seu caseA partir desta edição,passaremos a publicar casesrelacionados ao nosso setor.Envie o seu:jornalismo@logweb.com.br1/2LEMBRAR DAEASYTEC É COMOUTILIZAR SEUSPRODUTOS,VOÇÊ NÃOPRECISA FAZERESFORÇO(21x14 cm)37www.easytec.ind.brTel. : 21 2683-2483Rua Ely do Amparo, Lt 05 - Guarajuba - Paracambi - RJ - CEP. : 26.6000-000


38 - Multimodal Negócio fechadoALL, Triunfo e Vetorial criam a VetriaMineração, para atuar em Corumbá, MSSantoro, da Vetria: pelosdiferenciais e vantagenscompetitivas, a empresaestá muito otimista com osucesso do projetoAregião de Corumbá,MS, tem umpotencial enormede produção de minério de ferro,porém ainda muito pouco exploradodevido à falta de alternativa logísticapara escoar a sua produção,hoje feita por barcaça.Por outro lado, o aumento dacapacidade da hidrovia esbarra emaltos investimentos, na sazonalidadee variância do calado do rio, emrazão da estação de seca, e nasrestrições ambientais existentes.Foi a partir desse cenário que asempresas Vetorial, Triunfo e ALLse uniram para criar a Vetria Mineração(Fone ALL: 0800 701.2255).Ela será responsável pela extração,pelo transporte e pela comercializaçãode minério de ferro provenientedo Maciço do Urucum, em Corumbá,MS, via Porto de Santos,SP. Com a associação, a propostaé criar uma solução integrada commina e logística, com o trio mina--ferrovia-porto.“Além disso, se estima que oEstado do Mato Grosso do Sulpossua aproximadamente 20%das reservas de minério de ferrobrasileiras, concentradas na regiãode Corumbá. O minério existentenestas reservas possui altaconcentração de ferro, e grandepercentual deste é do tipo Lump.O mercado paga um prêmio poreste tipo de minério, pois ele nãonecessita passar pelo processo deconcentração ou aglutinação antesdo processo siderúrgico. Esteproduto é comercializado principalmentenos mercados da Europae do Japão, que demandam umminério de qualidade superior.O restante da produção da Vetriaserá comercializado prioritariamenteno mercado internacional,principalmente com a China”,explica Alexandre Santoro, presidenteda nova companhia.Com a criação da logística integradade ferrovia e porto, a Vetriapermitirá que haja capacidade deescoamento do minério de ferro daregião em larga escala, nãosó sua, mas também de outrasmineradoras da região,que hoje não têm alternativalogística de larga escala.O sistema integradomina-ferrovia-porto serácriado com investimentosestimados em R$ 7,6 bilhões,sendo que esse valortotal engloba melhorias namina, ferrovia e no porto.A expansão da capacidadeatual de lavra da mina em20 milhões de toneladas porano demandará aproximadamenteR$ 1,1 bilhão. Jáa reforma da ferrovia paratransportar 27,5 milhões detoneladas de minério custarácerca de R$ 2,2 bilhões ea construção de terminal portuárioprivativo de uso misto dedicado aminério de ferro no Porto de Santos,com capacidade estática de 1,3milhões de toneladas, tem recursosestimados em R$ 2 bilhões.A previsão é de que, em quatroanos, a Vetria atinja sua capacidadeoperacional plena.Com capacidade para comercializaraté 27,5 milhões de toneladaspor ano, a Vetria terá uma estruturaadministrativa independente,combinando o know-how de seusacionistas na operação ferroviária,portuária e de mineração.A participação societária da empresafica em 50,4% para a ALL,33,8% para a Vetorial e a Triunfofica com 15,8%. A diretoria daVetria será composta por três diretores,sendo o diretor presidente(CEO), um diretor financeiro e derelações com o mercado e um diretorde operações. Para os primeirosdois mandatos, de 2 anos cada,O sistema integrado mina-ferrovia-portoterá investimentos de R$ 7,6 bilhões,sendo que esse valor total englobamelhorias na mina, ferrovia e no portoo diretor presidente será indicadopela ALL, o diretor financeiro seráindicado pela Triunfo e o diretor deoperações será uma indicação daVetorial. O atual CEO da Vetria,por indicação da ALL, é Santoro.A Vetria, com essa associação,passará a operar a mina da VetorialMineração na região de Corumbá,MS. Com reservas minerais estimadasem 1 bilhão de toneladas,a mina possui hoje capacidadeinstalada para extrair aproximadamenteum milhão de toneladas deminério por ano.Além da mina, a nova empresatambém será proprietária de umimóvel de 1,9 km² no estuário deSantos, SP, onde será construídoum complexo portuário para minériode ferro e derivados; e terágarantida uma capacidade de 27,5milhões de toneladas por ano auma tarifa de R$ 45 por tonelada,em moeda atual, na ferrovia.O terminal portuário terá capacidadeestática de 1,3 milhões de toneladasde minério de ferro. Alémdisso, o porto será estruturadocom dois tombadores duplos, umberço de 380 metros e calado paranavios de 125 mil toneladas. O terminaljá possui licença ambientalprévia para movimentar graneislíquidos, sólidos e contêineres.Já em relação à ferrovia, aVetria assinará um contrato deinvestimentos com a ALL paraexpansão da capacidade da ferroviaexistente entre Corumbá e oporto de Santos, assegurando otransporte de minério de ferro emlarga escala. Com isso, haverá umaumento na capacidade da ferroviapara o transporte de cargas detrês para 35 milhões de toneladaspor ano.logweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.br


1/1(21x28 cm)39


40 - Editoria CapaVolvo quebra recordes de vendasde caminhões e conquista 17%do market share brasileiroA empresa fechou 2011 com 25,213 mil caminhões vendidos na América Latina, 20,816 mil delesno Brasil. E se prepara para trazer novas marcas ao país: Renault e UD, em 2012, e Mack, em 2014Esse foi o melhor resultado apresentado pela empresa desde que começoua fabricar veículos no país, em 1979. Enquanto o mercado cresceu 50%em três anos, as vendas da Volvo dobraram no mesmo períodoAVolvo (Fone: 0800411.050) estácomemorandoos resultados de 2011 divulgadosna última quinzena de fevereirodurante coletiva para a imprensa,que contou com a presença dopresidente de vendas e marketingde caminhões do Grupo Volvona América Latina, Roger Alm.E não é para menos. A criseeconômica mundial não afetoua companhia, como se esperavaque fosse acontecer com osgrandes players fabricantes decaminhões, e a empresa terminouo ano com recordes em vendas emarket share.Durante os doze meses do anopassado, a Volvo vendeu 25,213mil caminhões para a AméricaLatina, sendo 20,816 mil apenaspara o Brasil. Do total de caminhõesvendidos e emplacados nopaís, cerca de 19,1 mil unidades, aVolvo conquistou o market sharede 17,1% em solo brasileiro,considerando os segmentos de semipesadoe pesado. O faturamentoda Volvo na América Latinaem 2011 ficou em US$5,2 bilhões.De acordo com Alm, o crescimentodas vendas teve razõesmuito claras: economia aquecidaem diversos setores, investimentosem infraestrutura e bomdesempenho da agricultura brasileira.Esse foi o melhor resultadoapresentado pela Volvo desde quecomeçou a fabricar veículos nopaís, em 1979. Enquanto o mercadocresceu 50% em três anos,as vendas da Volvo dobraram nomesmo período.Segundo maior mercado decaminhões para a Volvo, o Brasilrendeu ao grupo a receita deUS$ 5,2 bilhões, o que equivalea 18% do faturamento global dacompanhia no segmento.Em 2010, o país era o maiormercado da Volvo, mas caiu paraa segunda posição ao perder oposto para os Estados Unidos,que vendeu cerca de 700 unidadesa mais em 2011. A Françaocupa atualmente o terceiro lugarno ranking, com 6,053 mil caminhõesvendidos no ano passado.Em todo mundo, a Volvovendeu 115,346 mil caminhões damarca. Contando com as outrasmarcas do grupo, como Renault,UD, Eicher e Mack, foram vendidas238,390 mil unidades, 32% amais que em 2010. A fábrica deCuritiba, PR, cresceu 120% emexportação, com cerca de quatromil unidades vendidas para oexterior.A previsão para venda deveículos pesados no mundo em2012 é de 2 milhões de unidades.Delas, 250 mil devem ser vendidasna América do Norte, 220 milna Europa e 105 mil apenas noBrasil. A desaceleração na vendade caminhões no país, em tornode 6%, se deve ao início da novaetapa do programa de controle deemissões para veículos comerciais,o Proconve P7 ou Euro 5,que aumentou o preço doscaminhões.Alm: a presença dasmarcas no mercado localdepende de diversos estudosde viabilidade e demandaOs mais vendidosPelo terceiro ano seguido, omodelo FH 440cv foi o caminhãopesado mais vendido no país, deacordo com dados passados pelaVolvo durante a coletiva. “Apenasnesse modelo foram vendidas8,203 mil unidades”, relataBernardo Fedalto Jr., diretor decaminhões da Volvo no Brasil. Jáo VM, segundo Reinaldo Serafim,gerente de caminhões pesados esemipesados dessa linha, tambémconquistou considerável fatia domercado, com a comercializaçãode 6,027 mil unidades. “Em 2010,as vendas de VM haviam ficadoem 4,274 mil unidades. Houve umcrescimento de 41% nas vendasdo modelo, enquanto o mercadoneste segmento aumentouapenas 18,5%”, continua Serafim.“Somos líderes em fornecimentode tecnologias e soluções para aumentara produtividade do transportador,como a caixa I-Shift, quejá atinge 80% de nossas vendas nalinha F de caminhões”, complementaSérgio Gomes,diretor de estratégiae desenvolvimentode negócios de caminhõesda Volvo LatinAmerica.logweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.br


44 - EspecialPaletes de plástico chamam aatenção do mercado e fabricantesdevem fazer investimentosSegundo consenso entre os fabricantes destes tipos de paletes, os mesmos ganham espaçono mercado, sobretudo pelas novas exigências em termos de higiene, por exemplo, e tambémpela entrada em vigor da PRNS – Política Nacional de Resíduos Sólidos.Vida útil maislonga, facilidade nalimpeza, adequaçãoa temperatura e umidade dealgumas cargas. A lista debenefícios para empresas queutilizam paletes de plásticoé longa, e tantas vantagenscompetitivas de um novo materialusado para transportar e conterprodutos estão causando umagrande mudança no segmentode armazenamento: os velhos econhecidos paletes de madeiraestão perdendo espaço nomercado e dando aberturapara que o novo materialseja conhecido pelas grandescompanhias. Pelo menos é oque apontam os representantesdas empresasfabricantesde paletesplásticos ouvidosnesta matéria especialda revista Logweb.Como explica RicardoRoseira, gerente de vendas daEldorado Indústrias Plásticas(Fone: 11.3683.7990), o setorde paletes plásticos vemcrescendo devido à padronizaçãodo mercado e à utilização dematérias-primas que permitemmaior higienização. Com essenovo negócio surgindo, os paletesde madeira estão perdendoespaço por não terem umamedida padrão, a não ser os feitospor grandes empresas. Alémdisso, são grandes encubadoresde bactérias, por seremfabricados a partir de madeira enão permitirem higienização oulavagem, afirma Ricardo. “Muitasempresas aderiram ao seu usopensando na logística reversa e nocusto do produto em longo prazo,já que o palete plástico possuiuma vida útil muito maior”,continua.Na mesma linha de raciocíniosegue Marcelo Marsom,coordenador de vendas daSiris (Fone: 19 3518.8683).Segundo ele, o palete de plásticoatende principalmente aosegmento industrial, que nãopermite a utilização da madeirapor questões sanitárias, detemperatura e de umidade, entreoutros fatores. Nesses casos –ainda segundo ele –, as operaçõescom o palete de plástico são maisseguras devido à estabilidade,resistência e constância domaterial utilizado. “O paletede plástico ainda não é muitoutilizado, pois o principalcritério adotado na escolhaentre o plástico e a madeiraé o custo. Não se leva emconsideração os gastos geradoscom a utilização da madeira”,pondera. “Tecnicamente, amovimentação de carga com ouso de paletes plásticos no Brasiljá é validada, tanto nos setoresobrigatórios – manipulaçãode alimentos, farmacêutica ehospitalar – como nos demaissetores da economia. Mas, a suaaplicabilidade ainda é restritadevido à diferença econômicana aquisição do material, mesmoque ele tenha alta durabilidade enenhuma manutenção”,continua Ivo Meneghel, gerentede produtos da Marfinite(Fone: 11 4646.8600).Ainda que o fator custo sejamuito relevante no momento deescolha entre modelos de madeiraou plástico, a durabilidade domaterial também está modificandoas escolhas dos paletes. “Ossetores que necessitam detransporte e armazenagemde produto estão procurandoo custo benefício e optandopela durabilidade dos paletesem rotomoldagem, que já sãoconsagrados como um excelenteproduto, com uma boa resistênciamecânica”, afirma J. Camacho,coordenador de vendas da ICPIndústria de Plásticos – Stanplast(Fone: 47 2105.2500).Em comparação com os usuaispaletes de madeira, aquelesMarsom, da Siris: a importaçãode paletes, revendidos aqui apreços muito mais baixos queaqueles produzidos internamente,é um problema do setorfabricados a partir de plásticosrepresentam um segmento aindamuito jovem no Brasil. Comoexplica Luís Antônio de FreitasOliveira, do setor de vendas daSchoeller Plast do Brasil (Fone:11 3044.2151), o palete de madeiraPBR é subsidiado pela cadeia desupermercados e, também, pelogoverno, já que a incidência deimpostos na comercialização desteproduto é quase zero.“O desenvolvimento dosegmento de paletes plásticosanda a passos curtos devidoà falta de incentivos no setor,porém começamos a enxergaruma luz no fim do túnel por contada mobilização das empresas dosetor em montar uma associaçãoe uma câmara setorial paradiscutir alternativas para turbinaro segmento”, vislumbra.logweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.br


1/1(21x28 cm)47


48 - EspecialContentores e caixas plásticasganham espaço no mercado, echegam a novos segmentosPara analistas, o setor deve crescer 30% em 2012 e temas como sustentabilidade e logísticareversa devem ser cada vez mais discutidos, alavancando, por outro lado, o desenvolvimentodo setor. O uso em novos segmentos também tende a estimular as vendas.Por terem uma vidaútil maior e porreduzirem os gastos,as caixas e os contentoresplásticos estão ganhando espaçono Brasil. O setor apresentounos últimos meses númeroselevados de crescimentoe, segundo especialistas domercado, a tendência é quehaja um aumento de até 30%em 2012 se comparado ao anoanterior.Para Alexandre M. deOliveira, gerente nacional devendas e marketing da Myersdo Brasil (Fone: 19 3847.9999),mensurar o mercado de caixase contentores plásticos nãoé simples. “Quesitos comosegurança e logística reversa sãoamplamente discutidos e semprerevisados, já que a tendênciaé de as empresas buscaremaperfeiçoar a produção eaumentar suas vendas, enquantoque para nós é sempre oferecera melhor opção no atendimentode acordo com nosso portfólio deprodutos” explica ele.Para Ricardo Roseira, gerentede vendas da Eldorado IndústriasPlásticas (Fone: 11 3683.7990),o crescimento apresentando nosúltimos meses se deve ao fato deo mercado estar mais interessadoem embalagens retornáveis ereutilizáveis. “O setor de plásticocresceu constantemente nosúltimos anos e isso se deve aofato de que vários segmentos domercado passaram a procurarembalagens retornáveis ereutilizáveis, entrando as caixasnesta cadeia. Daqui a algunsanos o uso de madeira seráinexistente, e o plástico será opadrão, como já acontece nosegmento de supermercados (dasgrandes redes) com as caixas detransporte, que hoje são 100% deplástico”, analisa ele.Outro fator apontadopara esse crescimento são asorganizações que trabalham comlogística reversa. Para JulianaSabbag Scanavini, diretoracorporativa da CartonaleIndústria de Plásticos (Fone: 114705.1170), essa pode ser umadas explicações para o bommomento do mercado.Januário, da Siris: a variaçãono custo da matéria-prima e orastreamento de caixas retornáveissão alguns dos principaisproblemas enfrentados no setor“Esse crescimento previstopara 2012 gira em torno dasnovas culturas nas organizaçõesque trabalham com logísticareversa e que precisam lançarmão de usar contentoresplásticos retornáveis, objetivandomelhora na relação custobenefício,sustentabilidade,economia de recursos e mão-deobra”,explica ela.ProblemasMas, apesar das expectativaspositivas, o setor ainda enfrentaproblemas. O alto custo damatéria-prima, a falta de culturade logística reversa e a resistênciaa mudanças apresentados pelasempresas fazem com que essecenário não seja perfeito.Para Fábio Moreira Januário,executivo de vendas da Siris(19 3518.8633), o custo dasmatérias-primas é uma dasprincipais preocupações dosetor. “A variação nesse custoe o rastreamento de caixasretornáveis são alguns dosprincipais problemas enfrentados,pois hoje não se tem no Brasilum sistema de logística reversaconfiável”, explica ele.Já para Ricardo, da Eldorado,há outro ponto que deve servisto como problema parao mercado: a falta de umaespecificação do peso doproduto. “Hoje nossa maiordificuldade está relacionada aopeso, pois muitos compradoresveem as especificações técnicas,medidas, e deixam o peso delado, e mais de 50% do custo donosso produto é matéria-prima”,analisa ele.SoluçõesPara alguns executivos domercado, o primeiro passo parauma possível solução dessesproblemas parece estar nosimples treinamento do setorlogístico no que diz respeito àcultura de sustentabilidade.“Multiplicar treinamentospara disseminação de uma novacultura do reaproveitamentodo plástico, da durabilidadee resistência infinitamentesuperiores às do papelão, douso consciente e do material dofuturo é uma das soluções paraesse problema. Outra serialogweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.br


in loco fazer experimentações edesenvolvimentos customizadospara garantir a eficácia doproduto em comparação commatérias tradicionais, comoferro, aço, madeira e papelão”,avalia Juliana, da Cartonale.Nos próximos meses, novastendências para o mercado decontentores plásticos devemsurgir. Segundo Ricardo, daEldorado, uma das novidadessão as matérias-primas usadas,com a possibilidade de serembiodegradáveis. Para Januário,da Siris, a sustentabilidade vaientrar de vez nesse mercado.“Com a tendência dessemovimento, onde se buscareduzir desperdícios, éimportante os fabricantes decaixas e contentores plásticosdesenvolverem produtosreciclados e recicláveis queatendam às necessidades dosdiversos segmentos do mercado”analisa ele.Seguindo nessa mesmalinha, o executivo da Myersacredita que o tema é de sumaimportância. “Hoje, falarsobre meio ambiente é muitoimportante e cada vez mais iráse questionar a utilização damadeira e do papelão”, avaliaOliveira.Já para a diretora daCartonale, existe a tendênciatambém dos contentorescustomizados. “As novidadessão os contentores em PPcorrugado, mercadologicamenteconhecidos como packtainersou mangas de paletes”, explicaJuliana.Mas, para Oliveira, daMyers, ainda existem muitossegmentos do setor paraserem trabalhados.“O mercado industrialainda é o mais bem servidoem matéria de embalagense alguns outros começam aperceber as necessidades e osbenefícios, porém, a velocidadeainda não é grande, uma vezque se necessita estudar toda acadeia, as suas áreas envolvidas,os profissionais que precisamavaliar e testar, e para muitasaplicações estas embalagenspodem significar investimentose ativos fixos, ou seja,dependendo do segmento, esteciclo pode levar mais tempo”,finaliza.Notícias Especial - 49RápidasLiftcom é o novodistribuidor HeliA Liftcom (Fone: 11 3729-2822) é o novo distribuidorautorizado deempilhadeirasHeli no Brasil.Depois de 8anos comHyundai,a Liftcomassinoucom a Helium contratode importação edistribuição. Em 2011, a Helifoi pelo 21º ano consecutivoo maior fabricante deempilhadeiras da China e umdos maiores do mundo e seufaturamento anual é de cercade 500 milhões de dólares,segundo a revista DHFIntralogistik. A capacidadede fabricação da empresaé de 70.000 empilhadeiraspor ano, suficiente paraatender quase 4 vezes toda ademanda do Brasil.A CLARK DÁUMA MÃOZINHA.Só uma empresa inovadora, moderna e tradicionaltem o equipamento certo para o seu negócio.São empilhadeiras que suportam cargas de até8 toneladas movimentando materiais com maioreficiência e segurança.1/2(21x14 cm)49AESA - GDE. SÃO PAULO - ABCBAIXADA SANTISTA - (11) 3488.1466ALPHAQUIP - GDE. SÃO PAULOOSASCO - BARUERI - (11) 4198.3553DAFONTE - PE - RN - PB - AL(81) 3087.0266 / (83) 3232.3500DINÂMICA - RO - AC(69) 3535.5490 / (68) 3221.1157FORMÁQUINAS - CE - PI(85) 3474.3819LINCK - SC - RS(51) 2118.3333 / (48) 3203.7000LVM - AM - RR - (92) 3236.1455MAPEL - VALE DO PARAÍBAINTERIOR DE SP - GDE. SÃO PAULO(19) 3278.1822 / (11) 3642.1100NOVA FASE - PR(41) 3344.4988 / (43) 3339.3046TECNOESTE - MT - MS(67) 3041.2688 / (65) 3661.0661TRATORMASTER - BA - SE(71) 3291.7200 / (79) 2107.9898TRATOMAQ - PA - AP - MA(91) 3342.4400 / (98) 3248.1769TRACBEL - MG - ES - RJ - GO - DF - TO(31) 2104.1800 / (27) 2123.9800(21) 2123.9400 / (62) 4011.3550ACESSE NOSSO SITEWWW.CLARKEMPILHADEIRAS.COM.BR


Especial - 51Folhas separadoras antiderrapantesNovidade no mercado deacessório e embalagens, oStop Gliss é comercializadoexclusivamente pela Ankauf. Criadocomo um produto substitutoou complementar que reduz aquantidade a ser utilizada do filmestretch, o Stop Gliss é uma folhaseparadora antiderrapante que,colocada entre algumas camadasdas cargas, aumenta o coeficiente defricção entre elas e elimina qualquerManga com palete e tampaEspecialista em embalagens complástico corrugado, a Cartonale(Fone: 11 4705.1170) oferece umnovo produto nessa área: é a mangacom palete e tampa termoformadopara portas de refrigeradores efreezers. Com palete com encaixespara empilhamento e comeia internapara separar e proteger as portas, adano causado pelo transporte. AAnkauf também oferece o SlipSheet – que elimina o deslizamentoe aumenta a segurança da carga– e o Grip Pad que, sendo a provade água, consegue proteger amercadoria de qualquer umidade.manga é desmontável e ainda possuium rebaixamento na comeia paraauxiliar na retirada das portas.Tarcha, da Ankauf: a retiradadas sacolas plásticas do mercadoem São Paulo é a primeirade muitas iniciativas ligadas àsustentabilidade que devem surgirembalagens ainda enfrentaalguns problemas. Comogrande parte dos materiaisutilizados é importada, oscustos podem ser altos.“Muitas tecnologias utilizadasvêm de outros países, oque pode gerar dificuldadeslogísticas para desenvolvermosnossas atividades”, analisaLima, da Best Pack.Para Tarcha, da Ankauf,as dificuldades do mercadotambém estão na cultura dealgumas empresas que nãoconseguem ver a importânciaem se investir no setor deacessórios para embalagens.“O desenvolvimento deum produto novo torna-se,muitas vezes, um processomuito moroso, já que paramuitas áreas o acessório éalgo supérfluo, que apenasagrega custos ao produto.As empresas não levamem consideração o temponecessário para refazer o seuproduto, os custos de fretes deretorno de materiais avariados,o custo de mão de obra e horasextras para o recebimentodesse material danificado”,completa ele.1/2(21x14 cm)51


52 - Editoria EmpilhadeirasMercado de acessórios paraempilhadeiras se consolida em 2011e prevê mais crescimento em 2012Apesar das oscilações, devido à crise econômica mundial, o setor fechou o ano de 2011 combalanço positivo. E as empresas apresentam planos de investimento na área tecnológica paraexpandirem e se fortalecerem.Oano de 2011 foi de crescimentono mercadode acessórios paraempilhadeiras. A Cascade Brasil(Fone: 13 2105.8800), por exemplo,obteve um aumento de 48% novolume de negócios quando comparadoa 2010. Já a HGX (Fone: 513072.3552) obteve um crescimentode 120% nos serviços demanutenção de controladores detração e de 60% na venda dessescontroladores. Apesar da retraçãoocorrida no último mês e das oscilaçõeseconômicas, devido à crisemundial, a tendência de crescimentodeve se manter em 2012 e asnovidades do setor são boas.Para Caio Lima, diretor geralda MSI-Forks América do Sul(Fone: 11 5694.1000), esse cenárioenfatiza a força do fabricantelocal. “O ano de 2011 foi bastantepositivo para a MSI-Forks, mesmocom as constantes ‘subidas edescidas’ do mercado. Esse tipode cenário, instável e incerto,mostra a força do fabricantee/ou fornecedor local que poderesponder commaior agilidade aqualquer alteração de demanda,minimizando, assim, o excesso e afalta de produto”, analisa ele.Comparado com 2010, aMSI-Forks obteve expressivocrescimento em seu lucro e faturamentode 2011. Segundo Lima,esse resultado foi obtido atravésdo aumento da capilaridade darede de distribuidores e melhorana agilidade de entrega para garfosfora de padrão.A HGX avaliou os seusnúmeros positivos como fruto dobom desempenho da equipe demarketing comercial da empresa.“Houve um grande empenho denosso departamento comercialnesse último semestre, que executouum forte trabalho em feirase divulgou a nossa parceria com aPG-Drivers Technology”, informaVagner Ferreira dos Santos, sóciogerenteda HGX.Empresas como a Saur (Fone:55 3376.9300), a Consigaz (Fone:11 4197.9300), a Brazil Trucks(Fone: 12 3939.2110) e a Blue Tec(Fone: 19 3213.5502) tambémconseguiram obter um balançopositivo no último ano.Para GustavoCoelho,diretor comercialda SascarTecnologia(grupo quecontrola a BlueTec), o mercadocontinuouativo no anologweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.brHeinen, da Saur: o aquecimentoda economia refletiu, também,na logística, que exigiu processosmais eficientes, levando aoincremento das vendasde 2011, mesmo com a criseeconômica mundial. “Foi possível,com ajustes no nosso modelo denegócios e algum investimento,crescer expressivamente emfaturamento com relação ao anode 2010 e aumentar o númerode novos contratos gerados emmais de 10 vezes se comparado aomesmo período. Incluem-se nessesnúmeros contratos de maiorduração com grandes clientes”,explica o diretor.Na Brazil Trucks, o ano foi deconsolidação das parcerias. “Pudemosreforçar a sociedade comvários fornecedores, de modo aoferecer um melhor custo/benefícioao mercado. Também foi umano em que pudemos fortalecerrelações comerciais com grandesclientes”, explica José EduardoKezerle, gerente de marketing daempresa.Para Enio André Heinen,gerente comercial da Saur, o setorde acessórios para empilhadeirasobteve um crescimento significativo.“O aquecimento em todosos setores da economia refletiu,também, na logística, que exigiuprocessos mais eficientes, o quenos levou a incrementar as vendas.Além disso, as parcerias com empresaseuropeias para transferênciade tecnologia resultaram emequipamentos com mais qualidadee possibilitaram a ampliação dagama de produtos para otimizaros processos de movimentação decargas, principalmente a intralogística”,diz o gerente comercial.NovidadesCom o cenário positivo doúltimo ano, o mercado já pensaem novas tecnologias que possamgerar mais economia e agilidadepara o setor, como é o caso dosistema Pit Stop da Consigaz.Criado com o intuito de melhoraro sistema de abastecimento dasempilhadeiras, ele dispensa asubstituição dos cilindros vaziospelos cheios.“O operador apenas reabasteceo cilindro, como estamosacostumados a abastecer nossoscarros no posto. Esta instalaçãoé feita em comodato, sem custoadicional para os nossos clientes”,explica Julio F. Papavero, gerentecomercial da empresa.Outra novidade são os dispositivosde controle para acoplar nos


1/1(21x28 cm)53


54 - Editoria54 - Empilhadeirasequipamentos, oferecidospela Saur. Com o intuitode reduzir os danos nasmercadorias, eles incluemsensores de posicionamentoe aproximação, alarmes ecâmaras para visualização.Para Coelho, da SascarTecnologia, uma das grandestendências no mercadosão os chips de GPS. Cadavez mais precisos, eles jáconseguem determinar até ocorredor onde o implementose encontra. “Eles estãoQuem fornece o quê?1/3CascadeGarra para barris; garrapara bobinas; garrapara caixas; garra parafardos; posicionadormúltiplo de garfos(single-double); pushpull;selecionador decamadas (layer picker).HGX Sistemas de ControleControladores de tração paraempilhadeiras e veículos elétricos.Blue TecAutomaçãoSistema paramonitoramento eregistro de utilizaçãocom transmissãoautomática viaGSM; sistema paramonitoramento eregistro de utilizaçãocom transmissãoautomática via rádio delonga distância.( 7x28 cm)Brazil TrucksAssentos paraempilhadeiras cominstalação universal.54SaurGarra para blocos de concreto;garra hidráulica para tubos deconcreto de diversos diâmetros;garfos telescópicos; dispositivoautomático para carregamento debig-bags; spreader; posicionadortriplo e quádruplo de garfos;garra para caixas; garra paratijolos; garra para bobinas; garrapara fardos; caçamba hidráulica;garra giratória para montantes;inversor/empurradorde cargas; garra paraeletrodomésticos;garra de rodas; garfospara empilhadeira;kit sistemade câmeras;kit sistemade controleautomático deforça; fixadorde tubos.ConsigazGás para empilhadeiras, embotijões ou no sistema Pit Stop.MSI-ForksGarfos paraelevação decargas.logweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.br


Empilhadeiras Editorial - 55aumentando a sensibilidade, oque permite o funcionamentodentro de galpões. Além disso,módulos de conectividade comoWi-Fi, GSM e RF também estãomais velozes e robustos. Essascaracterísticas permitem fazerum controle logístico em temporeal dos implementos, aumentandodrasticamente a produção.Outra tecnologia que não é novano mundo, mas só agora estáse popularizando no Brasil, é oRFID, que permite a identificaçãode produtos transportados, o quecontribui ainda mais para o controlelogístico e para o controle deestoque”, explica ele.Para os próximos meses atendência é que novas tecnologiassurjam. Segundo os especialistasentrevistados nessa reportagem,entre as principais novidadesestarão a utilização de aplicativosde operações como do acessóriopush pull na indústria alimentícia,eletrônica, química e cimenteira,o monitoramento das empilhadeirasatravés de salas de operações,a existência de indicadores dedirigibilidade dos operadores e deprodutividade das empilhadeiras.O mercado também já analisao conforto dos trabalhadores.Segundo estudos, operadores emcondições desconfortáveis têmsua capacidade funcional prejudicada,com queda de rendimento.Assim, algumas empresas já trabalhamcom assentos projetadose fabricados dentro de conceitosde ergonomia. Desde 2011, aBrazil Trucks disponibiliza quatromodelos dos assentos BTConfortque possuem configurações desuspensão mecânica, sensor depresença do operador e portadocumentos.Tendências e perspectivasEm 2012, as tendências domercado são de mais crescimentoe mais aprofundamento na áreatecnológica. Segundo Lima, daMSI-Forks, nos últimos quatroanos houve um amadurecimentodo mercado no Brasil, eessa é uma tendência que devecontinuar. “Houve um aumentovertiginoso de novas empresasentrando em nosso segmento, fabricantesde máquinas, acessóriose prestadores de serviços, o quetornou o mercado mais atraente,porém mais competitivo e exigente”,analisa ele.A Cascade do Brasil planejavários lançamentos para 2012.“No mês de fevereiro foi lançadoo modelo 22H e 24H da garrapara bobina de papel, ideal parafábricas, operação de armazenageme gráficas. Trata-se deum equipamento mais leve, combraços e placas de contatos maisfinas, maior capacidade de carga emelhor residual, giro mais rápido,melhor visibilidade e vida útil maislonga” explica Ramatis PedrosaFernandes, gerente geral daempresa.Na HGX, as perspectivas sãode mais crescimento. “Temosuma perspectiva de continuarmoscrescendo no mínimo 30%a 40% sobre 2011, isso devido àboa aceitação de nossos produtose serviços. Para 2012 já teremosvárias empresas utilizando oscontroladores AC que importamosda PG-Drivers Technology”,analisa Santos.Segundo Heinen, da Saur, aperspectiva da empresa é continuarinvestindo em processosde modernização. “A empresaterá como foco a inovação e asatisfação de seus clientes, paracontinuar com a maior linha deequipamentos para empilhadeirasdo Brasil. Estamos prevendopara este ano um crescimentoreal de 8% em relação a 2011”,finaliza.1/2(21x14 cm)55


SOL, CHUVA, FRIO, CALOR:COMO ESCOLHER O PNEUNa edição de abril da revista Logweb você poderá ler tudo sobrepneus para caminhões, empilhadeiras e demais veículos.LOGWEBShow Logistics: ComércioE AINDA:• Participação e distribuição da RevistaLogweb nos seguintes eventos:Intermodal South América10 a 12 de abril no Expo Center NorteAutomec10 a 14 de abril no AnhembíPneuhow11 a 13 de abril no Expo Center NorteE MAIS:• Setor: Cosmético,Perfumaria e HigienePessoal – seusOperadores Logísticose TransportadoresExteriorTudo o que acontece na logística estánas páginas da revista LogwebNão perca tempo, reserve agora o seu espaçoRua dos Pinheiros, 240 - conj. 12 - Tel.: 11 3081.2772Contato comercial: comercial@logweb.com.brwww.logweb.com.br - Twitter: logweb_editora


60 - Multimodal DistribuiçãoDepoimentosrevista10 anos Logweb“Sinto-me muito honradopela oportunidade departicipar de maneira diretana composição de colunas ematérias deste importante canalde informações direcionadoao público da área logística.Através da revista Logwebapareceram outros trabalhosna área literária, o que nãoimaginava ser possível lápelo ano de 2003, quando,ainda apenas leitor, recebia arevista e guardava com muitocarinho todas as edições. Háuma repercussão positivados conteúdos expostos, numjornalismo sério, dinâmico everdadeiro, para um públicovariado e crítico.”Prof. Palmério Gusmão,coordenador do Curso Superiorde Logística na UniversidadeBandeirantes – GrupoAnhanguera Educacional earticulista do Portal Logweb“O INPG – InstitutoNacional de Pós-Graduaçãovem parabenizar a revistaLogweb pelo aniversário de dezanos. No mundo competitivodas publicações editoriaissegmentadas, atingir umadécada de vida e conquistar acredibilidade junto ao público/leitor e seus anunciantes é umamarca importante de que arevista tem desempenhado cominteligência e profissionalismoo papel de contribuir paradisseminar informações dequalidade e de fundamentalrelevância para grandessetores da economia brasileira.Desejamos pleno sucesso e maisdécadas de comemoração ecrescimento”.Prof. Dr. José LeônidasOlinquevitch, presidentedo INPG Business Schoolserviços logísticos no segmento calçadistaé bem maior do que a oferta.Temos certeza que nos próximosanos a terceirização da logísticaneste segmento será um diferencialestratégico para todas as empresase, no curto prazo, o mercado buscaráeste serviço por conta de umaestratégia de crescimento de médioe longo prazo, já que o aumentodo volume e dos pontos de vendasserá uma consequência natural dosvarejistas, portanto, sem o suportelogístico necessário o crescimentoserá, com certeza, prejudicado”,explica o CEO da LOG Fashion.Maudonnet, da TransportadoraAmericana, também fala de um setorem forte expansão. “Em virtudede constante pesquisa (nacional einternacionalmente), há tendênciade aquecimento nas vendas eampliação do mix de vendas.O setor apresenta fortetendência de renovação (design,matéria-prima, acessórios)”, diz ele.Por fim, para Brito, da Total Express,a tendência é, cada vez mais,estar mais próximo do consumidore o e-commerce proporciona estaexperiência. “Observamos não só asgrandes lojas, mas o pequeno varejistatambém partindo para a vendaonline de calçados, buscando atingirnão só aquela clientela fiel da suaregião, mas, investindo e buscandosuperar os desafios de uma logísticadireta para atingir os consumidoresde todas as regiões do país.”Problemas do setorAo apontarmos os problemas dosetor calçadista, vamos desconsideraros relacionados à falta deinfraestrutura, como a precariedadedas rodovias brasileiras, o atraso dasentregas provocadas pelas barreirasfiscais e as restrições de tráfegonas áreas urbanas, como em SãoPaulo e em outras grandes cidadesbrasileiras. Afinal, eles são comunsa todas as empresas que atuam como transporte. Portanto, vamos nosater aos específicos do setor.Como, por exemplo, a forteconcorrência, como aponta Prado,da Atlas. Neste caso, para ele, asolução passa pela busca da melhorsolução logística, considerando seusfornecedores, parceiros e, principalmente,clientes de forma a gerarganhos de resultado na operação,ou seja, buscar menores custos emelhores níveis de serviço.Ainda segundo o diretor geral delogística da Atlas, outro problema é adiversidade de produtos. “Obviamenteque o maior volume de coleções,modelos e cores está associadoao aumento de vendas proposto,normalmente, pela área de marketing.Entretanto, é importante queprofissionais de logística sejam envolvidosnessas decisões para, atravésde sua experiência, reduzir custos(e garantir qualidade de serviço)desde o momento de planejamentoaté as operações de movimentação,transporte e distribuição.”Por falar em concorrência,Bernardi, da MTR Transportes,também aponta como problemasdo setor o nível de preço praticadopela concorrência e a segurança.“As soluções passam pela proteçãocontra dunping de produtos asiáticose investimentos em segurançapública”, comenta.Para o diretor comercial & projetosda Keepers, o maior problemaé conciliar o custo da operaçãologística com o preço cobrado seminterferir no valor agregado doproduto. Segundo Perez, a soluçãoé, cada vez mais, buscar soluçõesintegradas e condizentes com cadasituação, época, enfoque publicitárioe política de lucro da empresa.Por seu lado, Mayo, da Linx, dizque os principais problemas estãovoltados à grande quantidade deSKU. “Muitos calçadistas estãoinvestindo em projetos de automação,permitindo uma distribuiçãocada vez mais fracionada sem sepreocupar com a quantidade crescentede SKU”, diz ele.Outra visão tem Montarroios,da Rapidão Cometa. Segundo ele,o maior problema para as empresascalçadistas é encontrar operadoresque cumpram as exigências de armazenageme de rapidez na entregados produtos, além de abrangertodo o território nacional. Segundoo diretor de vendas, as soluçõessão as empresas se adequarem àsnecessidades específicas do setorcalçadista, que acompanham asmudanças de coleções, além deinvestimentos desde o setor deplanejamento e treinamento de colaboradoresaté o de infraestrutura.Já a lista de problemas de Maudonnet,da Transportadora Americana,é bastante ampla. Inclui:grandes volumes movimentados;grande quantidade de diferentesitens devido às cores, aos modelose tamanhos; contínua renovaçãodo portfólio de produtos acabados,devido às coleções outono/invernoe primavera/verão; produtosde diferentes valores agregados(alguns muito caros e outros muitobaratos); roubo de carga crescente;dificuldade de entrega nosgrandes distribuidores; e produtoperecível – por se tratar de moda, énecessário ter uma eficiente cadeialogística, garantindo o cumprimentodos prazos acordados. Assoluções passam pela tecnologiaaplicada ao transporte e aumento/adequação da frota.Simabukulo, da TNT Mercúrio eTNT Araçatuba, lembra como problemaa gestão da cadeia de transportecom muitos parceiros. A solução?Busca por automação nos processosde transporte rodoviário.Finalizando, Brito, da Total Express,lembra que, para o e-commerce, alogística reversa é a principal dificuldade.“Normalmente, o mercadotrabalha com o índice médio paralogística reversa em torno de 3%(troca ou desistência), e observamoseste índice um pouco maiorpara o setor calçadista. As soluçõespassam por melhorias nos sites comrecursos visuais cada vez melhoresna exposição dos produtos, para queo consumidor tenha uma percepçãomais realista. A própria experiênciado e-consumidor nestes sites leva acompras mais assertivas”, completao gerente comercial.logweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.br


LOCAÇÃO E VENDADE COBERTURAS1/1(21x28 cm)Mais de 1 milhão de m612de galpões instalados.Você imagina,a Tópico protege.Armazenagens | Eventos | InfláveisFale com a Tópico:+55 11 2344.1200Acesse o nosso site:www.topico.com.brSOLUÇÕES EM COBERTURAS


62 - Multimodal Distribuição62 - DistribuiçãoGuia de Operadores Logísticos e Transportadores no setor CalçadistaPerfil da empresa Atlas Braspress Elog Sudeste HiperconKeepersLogísticaTelefone 11 2795.3100 11 2188.9000 11 3305.9999 13 3228.4100 11 4151.9030Transportadora (T) ouOperador Logístico (OL)?OL T OL T e OL OLEstruturaLocalização da matriz São Paulo, SP São Paulo, SP Barueri, SP Santos, SPNúmero de filiais e Estadosonde estão localizadasQuantidade de CDs e Estadosonde estão localizados44 em todos os estadosbrasileirosSantana deParnaíba, SP103 em todo o Brasil 17: SP, PR, RS 4: SP 2: SP12; SP, PA, MG, PR, GO, RS, PE 103 em todo o Brasil 3: SP (2), PR 4: SP 2: SPRegiões atendidas pelaempresaTodo o território nacionalTodo o territórionacionalTodo o territórionacionalTodo o territórionacionalTodo o territórionacionalServiços OferecidosEspecialidades de transportes(de uma forma geral)Transporte fracionado (LTL);transporte lotação (TL);transporte de carga aéreaconvencional e expresso;distribuiçãoTransporte deencomendasTransporteTransporte comrastreamento;transporte de cargaseca, em contêinerfrigorificadoCarga secafracionadaServiços agregadosaos transportes(de uma forma geral)Armazenagem; formação depedidos (picking, packing); gestãode inventário (forecast, estoqueregulador); nacionalização;embalagem; suporte fiscal edesenvolvimento de projetoscustomizados para operaçõescompartilhadas, “in house” ededicadas em todo territórionacional; operações especiaisem transporte (logística reversa ecross-docking)Rodoviário; rodoaéreoGerenciamento derisco; agendamentos;Webtracking; gestãodo processo junto aoembarcadorTransporte DTA;desembaraçoaduaneiro; terminaispara armazenagem;desova e pré-stackingem área REDEXn.i.Principais clientes no setorCalçadistaAdidas do Brasil; Klin ProdutosInfantis; Calçados Blue Marine;Kidy Calçados; Calçados IrmãosSoaresn.i. Puma n.i.Pontal Calçados;Felipe Krein;Julia Arnald;JorgittoDonadelliOperaçãoTotal veículos frota própria 385 1.200 25 80 0Total veículos frota agregada 1.460 500 400 100 100Frota rastreada? Sim Sim Sim Sim SimTecnologias usadasno rastreamentoTecnologias utilizadas nasoutras operações executadaspela empresaCertificaçãoRastreamento via satélite;consulta serviços por celularSoftwares de simulação eotimização; WMS; TMS; ERP;Consulta de serviços pelainternetOmnilink; Sighra Control Loc Sascarga n.i.SORTER - SistemaAutomatizado deEncomendas nas filiaisde São Paulo, Rio deJaneiro e no CAOBTamboré, em Barueri,SPWMS; TMS; ERP; coletorde dados; webtracking;rastreamento via satélite;radiofrequênciaCâmeras demonitoramento; planode gerenciamento deriscoTMS; WMSISO 9000 Sim Não Sim Sim SimISO 14000 Não Não Não Em implementação NãoServiços/diferenciaisoferecidos especificamente nosetor Calçadistan.i.n.i.Etiquetagem; batimentofiscal; logísticaintegrada inbound eoutbound; atendimentoao cliente dedicadoÁrea REDEX; préstacking;monitoramento;transporte rodoviário;desembaraço aduaneiroPickingfracionado porpar, pé ou gradeEquipamentos/acessóriosespecíficos que possui paraatuar no setor Calçadistalogweb 121 MAR/2012 www.logweb.com.brn.i.n.i.Carrinho hidráulico;paleteira elétrica;coletores; estruturaportapaletes; paletes;sistema de gerenciamentode estoqueEmpilhadeiras de 2a 45 toneladas paracontêineres de 20’ e40’ de todos os tipose cargas especiais;carretas de 2 e 3 eixosSelecionadora depedidos; carrinhosde pickingLegenda: n. i. = Não Informado; n. a.: = Não se Aplica


Distribuição Multimodal - 63Kuehne + Nagel Lagexpress Linx Fast Fashion Log Fashion11 3037.3300 11 2714.3200 11 2103.2455 11 360.84741OL T OL T e OLEstruturaSão Paulo, SP Osasco, SP São Paulo, SP Carapicuíba, SPMais de 30 localidades, emmais de 10 estadosMais de 30 localidades, emmais de 10 estadosTodo o território nacional3 Não há filiais 2: SP3 1: SP 2: SP + 2 operações In-house SPGoiás, DistritoFederal,Tocantins,Triângulo mineiroTodo o territórionacionalServiços OferecidosTodo o território nacionalTransporte aéreo; transportemarítimo; transporte rodoviárioTransportes;logísticaCoordenação;distribuição porta aporta; transferênciaTransporte especializado em entregas em shoppings centers;transporte especializado para desfiles e feiras(Fashion Week, Couro Moda, Francal e Desfiles Regionais)Supply Chain Management;corretagem de seguros;desembaraço aduaneiro;logística de armazenagem;soluções de TI; logística deperecíveis; projetos; logísticapara segmentos-chave, comoaeroespacial, automotivo, bensde consumo, de tecnologia,industrial, químico, de petróleo eenergia, varejista, farmacêuticoe cuidados com a saúdeArmazém geralArmazenagem;controle de estoque;embalagem;montagem dekits e conjuntos;paletização;logística reversa;suporte fiscal;desenvolvimentode projetos;monitoramento dedesempenhoGestão integrada da logística; recebimento, armazenagem, separação e embalagem de peças;controle de estoques para venda pela internet (e-commerce); consolidação de fornecedores edistribuição; logística reversa de produtos, alarmes de segurança, embalagens retornáveis, etc.Datelli; Uncle K; City Shoes n.i. n.i.Carmim; La Martina; Lojas Besni; Tensor; Champion; Zara; Havaianas; Unika Trading; Pratiquenet;Charanga; Lojas Caedu; Fatal Surf e HD.Operação80 30 Não há frota própria 20300 30 n.i. 80Sim Sim Não SimAutotrac; Jabursat Sascar n.i. Omnilink integrado ao TMS da Avacorp; sistema de gestãoEm alguns casos, usa o Sascarcomo segunda opção emlocalizadorTrava baú;satélite hibridoERP Linx GlobalFashion; coletoresde dados comradiofrequênciaERP; WMS; TMSSim Sim Não Em processo de certificaçãoNão Sim Não NãoLogística reversa nacional;malotes; envio de amostras/documentos a nível Brasil;rodoviário nacional; rodoaéreonacional; feirasEmbarques em todas ascompanhias aéreas -comerciais e cargueiras;redespachos rodoviárioscom cobertura nacional;transporte rodo-aéreo; coletasdiferenciadas/ armazenagemn.i.Rastreamento detoda carga onlineIdentificação;etiquetagem;montagem de packs/gradeERP com tratamentode grade (cor etamanho); estruturade armazenagemespecial projetadapara calçadosRecebimento, separação e embalagem de peças em caixas ou em área climatizada; controle dequalidade; armazenagem e controle de aviamentos para calçados; armazenagem e controle deembalagens (sacolas, caixas para presentes, etc.); armazenagem e controle de insumos paraa operação (caixas de papelão e fitas lacre); manuseio de produtos importados; controle doacervo de estilistas (catalogação com fotos e data da coleção); reabastecimento automático delojas; colocação de alarmes de segurança; colocação de etiquetas de código de barras e tags;reagrupamento de peças de coleções descontinuadas; operação especializada para bazares, lojasde temporada, feiras e outlets; consolidação de produtos para inaugurações de lojas; armazenagemde material de visual, merchandising e uniformes de vendedores (dress code).Armazenagem em equipamentos especiais para calçados (flow racks e drive-in);WMS operado por radiofrequência com controle de grade (tamanhos dos produtos); sala especialpara realização de controle de qualidadewww.logweb.com.br MAR/2012 121 logweb


1/1(21x28 cm)67


Uma feira como você quer:muito movimentada.www.presenca.com.brEventosimultâneo1/1A primeira edição da CeMAT SOUTH AMERICAfoi um sucesso. Em 2013 promete ser ainda maismovimentada. A área de exposição aumentou e, desdejá, um forte esquema de visitação está sendo preparado.Fora isso o evento acontece em conjunto com a MDA -Motion, Drive & Automation, que estreia por aqui.Reserve já o seu estande. E movimente seus negócios.(21x28 cm)CeMAT SOUTH AMERICA 201368Feira Internacional de Movimentação de Materiais e Logística19- 22 Março 2013Centro de Exposições Imigrantes - São Paulo - SP14h às 21hINFORMAÇÕES E RESERVAS cemat@hanover.com.br | 41 3027-6707 | 11 3521-8000www.cemat-southamerica.com.brwww.hanover.com.br


Transportar bemé o melhor remédioNa edição de maio da revista Logweb, você vai saberquais são e como fazem os Operadores Logísticose os Transportadores para realizar com sucesso adistribuição no setor Farmacêutico.E MAIS:Especial Tecnologia: ShowLogistics ( FISPAL ) – Préviados expositores da feira1/1E AINDA:A revista Logweb estará presente e vai circular na Feira daMecânica, de 22 a 26 de maio, no Anhembí; e, também, naBIT’S South América em Porto Alegre, RS, de 15 a 17 de maio(21x28 cm)Tudo o que acontece na logísticaestá nas páginas da revista Logweb69Não perca tempo, reserve agora o seu espaçoTel.: 11 3081-2772Tel.: 11 3081-2772Rua dos Pinheiros, 240 - conj. 12Contato comercial:3081-2772comercial@logweb.com.brwww.logweb.com.br - Twitter: logweb_editora


1/1(21x28 cm)70

More magazines by this user
Similar magazines