Cooperativas constroem um mundo melhor

brasilcooperativo.coop.br
  • No tags were found...

Cooperativas constroem um mundo melhor

Cooperativas constroem um mundo melhor


elatório OCB 2012Cooperativas constroem um mundo melhorBrasília, abril de 2013


Relatório deGestão 2012PresidenteMárcio Lopes de FreitasSuperintendenteRenato NobileGerente GeralTânia ZanellaRealizaçãoGerência de Comunicação do Sistema OCBCoordenaçãoGuaíra FlorEquipe TécnicaAna Suelen TroianoAurélio PradoCláudio NóbregaCristina AlbuquerqueDaniela LemkeFernanda BelisárioGabriela PradoGisele JamesInformações TécnicasAdriano Campos Alves, Ana Paula Rodrigues, Aurélio Prado,Clara Maffia, Eduardo Lima, Emanuel Caloete, Fabíola Nader,Gabriela Prado, Gustavo Beduschi, Laudo Rogério dos Santos,Marco Olívio Morato, Paulo César Dias, Thiago BorbaRedaçãoNoeli NobreDesign GráficoChica Magalhães


Sumário.8Apresentação8. Mensagem da Diretoria12. Mensagem do Presidente.15Quem somos20. Perfil Institucional22. Conselhos, Diretoria e Quadro Gerencial24. Visão Panorâmica26. Governança Corporativa.31Resultados Estratégicos34. Destaques do Ano48. Focos de atuação49. EIXO 1- Representação66. EIXO 2 – Fortalecimento Institucional71. EIXO 3 – Serviços73. EIXO 4 – Organização e Gestão.77Resultados financeiros.94Anexos94. Nossos contatos


Cooperativas constroemum mundo melhor de pazHistoricamente, A frase serviu de as slogan cooperativas ao Ano Internacional se formam para das superardificuldades. Cooperativas Ao (2012), longo mas dos pode séculos, – e deve em diferentes – continuarpartes sendo usada do mundo, por todos elas surgiram nós para em reforçar contextos a importância dereestruturação do nosso movimento. econômica 2013 ou marca em situações o início da de década tensãosocial, do cooperativismo religiosa, econômica em todo e o política. mundo. E as ao cooperativasgeraremprego, seguem construindo renda e trabalho, um mundo contribuem melhor para ao mobilizar a reduçãode homens conflitos. e mulheres No presente em torno momento de um de objetivo crise mundial econômico e eatritos social comum, étnicos com e religiosos, base na as ajuda cooperativas mútua, na continuam democracia, naatuais igualdade, e necessárias. na equidade Nelas, e na pessoas solidariedade. de diferentes etniasou religiões podem atuar em benefício umas da outras.


8Mensagem da DiretoriaAtuaçãoApresentaçãonacionalcom respeitoà diversidaderegionalOano de 2012 foi expressivopara o Sistema OCB,onde várias ações foramimplantadas visando a maioreficácia da sua atuação em defesae representação do cooperativismobrasileiro. Com a aprovação donovo modelo organizacional, emassembleia geral, e a eleição danova diretoria, foram realizadasnecessárias mudanças. Coube àdiretoria a indicação do presidenteexecutivo (para referendo daassembleia geral) e aprovação dasdiretrizes indicadas pelos estados


9relatório anual ocb 2012durante os fóruns regionais. Foramdefinidas cinco áreas de atuaçãoprioritárias: Representação Política;Integração Regional; DefesaInstitucional;Fomento e Capacitação; eMercado, cujas diretrizes estãorelacionadas a seguir.RepresentaçãoPolíticaA representação política pressupõea defesa dos interesses econômicose sociais das cooperativas detodos os ramos de atividade, naesfera dos poderes constituídos.Para a consecução desse objetivo,o Sistema OCB organizou-se deforma sistêmica – em âmbitonacional e nas respectivasUnidades Estaduais – integrandoas funções da OCB, do Sescoope da CNCOOP em prol de todoo cooperativismo brasileiro. Paratanto, foi necessário reestruturaros serviços oferecidos peloSistema de forma a coordenare apoiar as demandas oriundasdas cooperativas. A busca deinformações mais consistentespara sustentar tecnicamente ospleitos permitiu agir de formaproativa, posicionando a OCBcomo entidade efetiva e presentena defesa institucional docooperativismo brasileiro.IntegraçãoRegionalCom a implementação demecanismos apropriados deplanejamento, tivemos condiçõesde colocar em prática açõesque contemplam os interessesde todo cooperativismobrasileiro. A participação ativadas Unidades Estaduais naelaboração do planejamentoestratégico sistêmico, além depermitir uma visão global dasdemandas regionais, contribuirápara o fortalecimento e paraa viabilização daquilo que,efetivamente, as cooperativasdemandam.O afloramento das questõesde interesse regional integrarámelhor as regiões onde temasespecíficos poderão ser discutidose viabilizados, fortalecendo aintegração tão necessária.Os diretores regionais da OCB têmpapel fundamental para que, apartir do planejamento de 2013,as ações regionais aconteçamde forma sistemática e com focoem resultados efetivos. Paratanto, a promoção e a troca deexperiências proativas devemestar como ações prioritáriasnesta atuação.


10Mensagem da DiretoriaDefesaInstitucionalApresentaçãoOrganização de sistema dinâmico,objetivando a defesa dos interessesdas cooperativas através da atuaçãode profissionais de diferentesáreas, na esfera federal, com forteapoio das Unidades Estaduais. Oposicionamento estratégico e derepercussão sistêmica de todas asentidades do Sistema OCB foramfundamentais à viabilização deinúmeras conquistas para as nossascooperativas. A interação entreo Sistema – com a participaçãoefetiva das Unidades Estaduais,em perfeita sintonia com as açõesda Presidência e área executiva– sinalizaram que estamos nocaminho certo para alavancarmose fortalecermos o cooperativismobrasileiro em seus diferentes ramos.Fomento eCapacitaçãoA sinalização obtida nas reuniõesregionais sobre a necessidade deinvestirmos fortemente no preparode pessoas merecerá atençãoespecial em 2013, como forma demelhorarmos a oferta de serviçosdo Sistema (OCB / OCE / Sescoop


11relatório anual ocb 2012/ CNCOOP / Federação / Sindicatos) àscooperativas brasileiras. É preciso terconsciência de que um forte programade treinamento para dirigentes,executivos e colaboradores é condiçãofundamental para acompanhar eviabilizar as demandas crescentes docooperativismo.MercadoEstruturar a área técnica e econômica,focando em resultados e nofortalecimento da visão sistêmica éuma das melhores formas de atender,objetivamente, aos interesses dascooperativas brasileiras. Entendemosser necessário oportunizar aparticipação de dirigentes eexecutivos das cooperativas e doSistema OCB em eventos, feiras eencontros internacionais, visando aofortalecimento da participação dascooperativas no comércio exterior.Gestão DiretivaDestacamos, aqui, a perfeita interaçãoentre a Diretoria e o Presidente da OCB.A abertura e o apoio na tomada dedecisões e deliberações, por mais difíceisque pudessem ser, foram fundamentaisà implementação das diretrizes traçadase aprovadas pela assembleia geralordinária (AGO) de 2012.O trabalho de articulação executiva– exercido pelas superintendências,gerências e colaboradores doSistema OCB, com as estruturasoperacionais das Unidades Estaduais– evidenciam a importânciana viabilização dos pleitos dascooperativas em Brasília.A compreensão e o apoio dosdirigentes e colaboradores dasUnidades Estaduais para estanova forma de agir permitiu umaevolução significativa em relaçãoàs conquistas. É certo que aindatemos desafios pela frente. Masde forma organizada e integrada,poderemos avançar ainda mais.A Diretoria não está só nessacaminhada.A participação de todos osintegrantes do Sistema OCB– sejam dirigentes, técnicos,colaboradores ou cooperados – éde fundamental importância paraapoiar as ações de todas as nossascooperativas. Com o apoio detodos e de cada um, queremostransformar nossas ações dodia a dia em benefícios para osnossos cooperados, objeto finalde todo nosso trabalho. Obrigadoa todos que vêm participandodeste importante momento docooperativismo brasileiro.A Diretoria


12Mensagem do presidenteNosso futuroApresentaçãocomeça agoraOque dizer sobre 2012?Sem dúvida, foi um marcopara o cooperativismomundial. A declaração do AnoInternacional das Cooperativas pelaOrganização das Nações Unidas(ONU) foi um reconhecimento àcapacidade de inclusão que temo nosso movimento. Somos oexemplo claro disso. Sabemos quea filosofia e a prática cooperativistadespertam nas pessoas um espíritoempreendedor e se mostram comoum caminho de inserção tantoeconômica quanto social.Os resultados dessereconhecimento foram muitos,com certeza. E nós, do SistemaOCB, trabalhamos fortementepara isso. Fizemos dessa umaoportunidade para divulgar a forçado cooperativismo na economianacional e sua importância emtantas comunidades brasileiras.Nossos objetivos foram alcançados.Conseguimos sensibilizar governo,parlamento e sociedade dopapel desempenhado por nossascooperativas no país.Os frutos dessa mais do quemerecida homenagem da ONUcomeçaram a ser colhidos ainda em2012. Em meio às comemoraçõesdo ano internacional, registramosvitórias determinantes para ocooperativismo. Conseguimos


13relatório anual ocb 2012a sanção da Lei 12.690/2012,que regulamenta as relaçõesdas cooperativas de trabalho.A medida garante maiscompetitividade e espaço nomercado às cooperativas do ramo.Outra conquista importante foia criação do Fundo Garantidorde Crédito das Cooperativas(FGCooop) pelo Banco Centraldo Brasil (BC), agora em fase deregulamentação. O FGCoop seráfundamental para vencermosa barreira dos 2% no SistemaFinanceiro Nacional, levando a maispessoas o acesso aos serviços eprodutos financeiros.Fora da área das leis, o anofoi marcado por uma sériede ações de divulgação docooperativismo. Podemos citar olançamento de um selo, de umamoeda e de uma extração daLoteria Federal comemorativosao Ano Internacional dasCooperativas. Tivemos, ainda,a nomeação de um brasileiro– o ex-presidente do SistemaOCB e da Aliança CooperativaInternacional (ACI) RobertoRodrigues – como embaixadorespecial da Organização dasNações Unidas para Agriculturae Alimentação, a FAO, para ocooperativismo mundial.Outro grande resultado foi colhidono início de 2013. Ao fazer suamensagem de abertura dostrabalhos do Congresso Nacionalpara o ano, a presidenta DilmaRousseff mencionou diversas vezeso cooperativismo. Mais que isso!Afirmou categoricamente que osparlamentares devem desenvolverações que fortaleçam a prática dacooperação e o associativismo.DÉCADA DOCOOPERATIVISMOPor tudo isso, devo dizer mais umavez: 2012 foi um marco para oscooperativistas. Tivemos um anointeiro para divulgar ao mundo osdiferenciais do nosso movimentoe as nossas conquistas. Agora,daremos início a uma nova era.O ano de 2013 marca o começoda década do cooperativismo, deacordo com a ACI. Muitas são asmetas a vencer nesses próximosdez anos. Destaco, em especial,duas delas: tornar o cooperativismoo modelo econômico preferido daspessoas e o modelo de negóciosque mais cresce mundialmente.Outro desafio importante –lançado pelo embaixador especialdo cooperativismo, RobertoRodrigues – é mostrar ao mundoque o cooperativismo é mais doque um modelo econômico bemsucedido.Somos um movimentomitigador da concentração dariqueza e da exclusão social. Ummovimento presente em diversospaíses, neutro em relação à religião,ideologia, raça e gênero. Ummovimento capaz de liderar umaonda mundial a favor da paz.Nós, do Sistema OCB, acreditamosnessa ideia e, assim como aACI e o embaixador RobertoRodrigues, defendemos que ocooperativismo receba o PrêmioNobel da Paz – honraria concedidaa pessoas ou organizaçõesde destaque na promoção dafraternidade entre as nações.É dessa forma, estimulados pelosnovos tempos de governança noSistema e orientados pelas diretrizestraçadas junto à Diretoria da OCB,que continuaremos trabalhandopara, cada vez mais e melhor,respondermos às necessidadesdas cooperativas brasileiras. E isso,faremos conjuntamente e em totalharmonia com nossas organizaçõesestaduais, fomentando todos osramos do cooperativismo.Atenciosamente,Márcio Lopes de FreitasPresidente do Sistema OCB


Cooperativas constroemum mundo de pazHistoricamente, as cooperativas se formam para superar dificuldades. Ao longodos séculos, em diferentes partes do mundo, elas surgiram em contextosde reestruturação econômica ou em situações de tensão social, religiosa,econômica e política. E ao gerar emprego, renda e trabalho, contribuem para aredução de conflitos. No presente momento de crise mundial e atritos étnicose religiosos, as cooperativas continuam atuais e necessárias. Nelas, pessoas dediferentes etnias ou religiões podem atuar em benefício umas da outras.


QuemSomos


Coooperativas Cooperativas constroemum mundo mais de paz justoHistoricamente, as cooperativas se formam para superardificuldades. Ao longo dos séculos, em diferentespartes do mundo, elas surgiram em contextos dereestruturação econômica ou em situações de tensãosocial, religiosa, econômica e política. E ao geraremprego, renda e trabalho, contribuem para a reduçãode conflitos. No presente momento de crise mundial eatritos étnicos e religiosos, as cooperativas continuamatuais e necessárias. Nelas, pessoas de diferentes etniasou religiões podem atuar em benefício umas da outras.


O sistema cooperativodesenvolve comunidadeslocais, evitando quepopulações inteirasprecisem migrar em buscade melhores condições devida. As contribuições paraas pequenas localidadesincluem estabilidadefinanceira e coesão. Ocooperativismo possui acapacidade de expandir asrelações entre produtorese consumidores. Muitasvezes, o que é produzidoem um determinado localé consumido ali mesmo,eliminando a necessidadede intermediadorese a especulação e,consequentemente,reduzindo preços.


20Quem SomosPerfil InstitucionalSistema OCB:trabalhandopela excelênciado cooperativismobrasileiroMissãoRepresentaro sistemacooperativistanacional,respeitando asua diversidadee promovendoa eficiênciae a eficáciaeconômicae social dascooperativas.Criada em 1969, aOrganização dasCooperativas Brasileiras(OCB) é a entidade derepresentação das cooperativasbrasileiras responsável pelapromoção, pelo fomento e peladefesa do sistema cooperativistaem todas as instâncias políticase institucionais, no Brasil e noexterior.Nos quase 45 anos de nossaexistência, temos investido nofuturo e desenvolvido produtose serviços estratégicos, que vãodesde o cadastro e o registro decooperativas até a articulaçãopolítica, em defesa dasmetas do setor.Hoje, nossa organização fazparte do Sistema OCB, instituiçãoprivada composta, ainda, porduas outras entidades: aConfederação Nacional dasCooperativas (CNCoop) – órgãode representação sindical– e o Serviço Nacional deAprendizagem do Cooperativismo(Sescoop), responsável pelaeducação, monitoramento epromoção social das cooperativasbrasileiras desde 1999.VisãoSer reconhecidacomo entidadede excelência,promotora dasustentabilidadedo cooperativismonacional eda promoçãosocioeconômicadas pessoas que ointegram.


21relatório anual ocb 2012ValoresO cooperativismo é ummodelo socioeconômicobaseado na uniãovoluntária de pessoas.Tem como referenciaisa participaçãodemocrática, asolidariedade, aindependência e aautonomia. Conformeessa regra, o que vemem primeiro lugar são asnecessidades do grupoe o bem-estar de cadaum de seus integrantes,não apenas o lucro. Nocooperativismo, busca-sealiar o economicamenteviável ao ecologicamentecorreto e socialmentejusto.Já as cooperativas sãoos empreendimentosque reúnem pessoas embusca de um objetivoeconômico e socialcomum. É um modeloempresarial diferenciado,onde cada pessoa contaum voto. As decisões sãocoletivas e os resultadossão igualitariamentedistribuídos, conforme aparticipação de cada um.RamosAs cooperativas se dividem em 13 ramos econômicos, a fim de darmaior visibilidade a cada tipo de negócio. São eles:Agropecuário: cooperativas de produtores rurais, agropastoris ede pesca. Os meios de produção pertencem ao cooperado.Consumo: destinam-se a compra em comum de artigos paraconsumo dos cooperados.Crédito: destinada a promover a poupança e a financiar asnecessidades e empreendimentos de seus cooperados.Educacional: formadas por profissionais da educação, alunos,professores, pais e empreendedores.Especial: constituídas por pessoas que precisam ser tuteladas ouque estejam em situação de desvantagem.Habitacional: destinam-se à construção, à manutenção e àadministração de conjuntos habitacionais para seus cooperados.Infraestrutura: atendem diretamente o seu quadro social comserviços essenciais, como energia e telefonia.Mineral: pesquisam, extraem, lavram, industrializam,comercializam, importam e exportam produtos minerais.Produção: cooperativas dedicadas à produção de um ou mais tiposde bens e produtos, quando detenham os meios de produção.Saúde: destinam-se à preservação e à promoção da saúdehumana.Trabalho: organizam e administram os interesses inerentes àatividade profissional dos associados para prestação de serviçosnão identificados com outros ramos.Transporte: atuam na prestação de serviços de transporte decargas e passageiros.Turismo e Lazer: prestam ou atendem o seu quadro decooperados com serviços de turismo, lazer e hotelaria, entre outros.


22Quem SomosConselhos, Diretoria e Quadro GerencialDiretoriaTITULARESRegião Sudeste: Edivaldo Del Grande (Ocesp)Região Nordeste: João Nicédio Alves Nogueira (OCB-CE)Região Norte: Petrúcio Pereira de Magalhães Junior (OCB-AM)Região Centro-Oeste: Celso Ramos Regis (OCB-MS)Região Sul: João Paulo Koslovski (Ocepar)SUPLENTESRegião Sudeste: Esthério Sebastião Colnago (OCB-ES)Região Nordeste: André Pacelli Bezerra Viana (OCB-PB)Região Norte: Ricardo Benedito Khouri (OCB-TO)Região Centro-Oeste: Haroldo Max de Sousa (OCB-GO)Região Sul: Marcos Antônio Zordan (Ocesc)Conselho FiscalMalaquias Ancelmo de Oliveira (presidente do Sescoop – PE)Raimundo Sérgio Campos (presidente do Cecremg – MG)Silvio Silvestre Carvalho (presidente do Sescoop – RR)Suplente: João Carlos Spenthof (presidente do Sicredi PA, MT, RO)Conselho de ÉticaRuiter Luiz Andrade Pádua (presidente da Cooperativa AgropecuáriaTocantinense – Coopernorte/Paraíso)Evaristo Câmara Machado Netto (ex-presidente da Ocesp)Marcio Antonio Portocarrero (diretor-executivo da Associação Brasileira dosProdutores de Algodão – Abrapa)Suplente: Dick Carlos de Geus (presidente da Cooperativa Batávia)


23relatório anual ocb 2012Quadro executivoMárcio Lopes de FreitasPresidente do Sistema OCBRenato NobileSuperintendente da OCBTânia Regina ZanellaGerente-geral:Fabíola da Silva Nader MottaGerente de Relações InstitucionaisTânia Regina Zanella (interina)Gerente Técnica e EconômicaAdriano Campos AlvesGerente JurídicoAna Cláudia D´Arce OliveiraGerente de PessoasCarlos Washington Santos MenezesGerente de Tecnologia da InformaçãoGuaíra FlorGerente de ComunicaçãoFabio Luis TrincaGerente de FinançasEmanuel Malta Falcão CaloêteGerente de Planejamento e ControleBelmira Neves de OliveiraGerência de LogísticaAssembleia GeralComposta pelos presidentes das 27 organizações estaduais (OCE) do SistemaOCB, localizadas nos 26 estados da federação e no Distrito Federal.


24Quem SomosVisão PanorâmicaO cooperativismo no BrasilCRESCIMENTOININTERRUPTO10,4milhões decooperados6.587cooperativas13ramosde atuaçãoCada vez mais brasileiros aderemao cooperativismo. Nossos dadosmostram que 10,4 milhões decidadãos estavam associadosa uma cooperativa emdezembro de 2012. Nãoé pouco, se pensarmosque o número equivaleà população de Portugale segue uma tendênciade crescimento há mais deuma década. Somente no anopassado, aproximadamente370 mil brasileiros tornaram-secooperativistas – um aumento de4% na comparação com 2011. Aexpectativa, até 2016, é chegar a12 milhões de cooperativistas.PODERECONÔMICOEm 2012, o cooperativismo injetouR$ 8 bilhões na economia nacional,apenas com salários e benefíciosao trabalhador. O modelocooperativista de produção eprestação de serviços está presenteem todos os setores da economia,em 13 ramos de atividades, commaior participação, com maiorparticipação de mercado nosramos agropecuário, créditoe saúde. Hoje, 50% de toda aprodução agropecuária brasileirapassa por uma cooperativa. Odado é do Instituto Brasileiro deGeografia e Estatística (IBGE).


25relatório anual ocb 2012EXPORTAÇÕESNo último ano, ocooperativismocontabilizou US$ 6 bilhõesem exportações, sendo98% dessa pauta oriundosda agropecuária. Juntas, asdez maiores cooperativasdo ramo agro registraramvendas líquidas de R$ 32,8bilhões. Os complexossucroalcooleiro, de soja ede carnes concentraram asvendas do cooperativismoa outros países comganhos de US$ 2,32bilhões, US$ 1,1 bilhãoe US$ 986,3 milhões,respectivamente.Os principais clientes dos produtos decooperativas brasileiras são os seguintes:15,1% 13,2% 6,5% 6,4%Estados Unidos(US$ 900 milhões)São Paulo(US$ 2 bilhões)China(US$ 791 milhões)Paraná(US$ 1,7 bilhão)Emirados Árabes(US$ 386,2 milhões)Minas Gerais(US$ 750,8 milhões)Alemanha(US$ 380,4 milhões)A produção comercializada externamente sai, principalmente, de:33,9% 29,2% 12,6% 6,2%Santa Catarina(US$ 370,5 milhões)


26Quem SomosVisão PanorâmicaR$8 bilhõesinjetados na economianacional, apenas com saláriose benefícios ao trabalhadorUS$6 bilhõesem exportaçõesASSOCIADOSEm número de associados o ramocrédito é o que mais se destaca,respondendo por quase 50% – ou4,9 milhões – da totalidade doscooperados do país. Em seguida,aparecem os ramos consumo (2,7milhões) e agropecuário (966 mil).Por região, o Sudeste apareceem primeiro lugar (cerca de4,9 milhões), seguido do Sul (4milhões) e do Centro-Oeste (cercade 713 mil). Já entre os estados,São Paulo está na liderança (3,4milhões). Rio Grande do Sul (2,1milhões) e Santa Catarina (1,2milhões) ocupam o segundo e oterceiro lugar, respectivamente.EMPREGOSDIRETOSA tendência de crescimentotambém se observa no quadro deempregados do setor. No últimoano, o cooperativismo gerou 304mil empregos diretos, número2,7% superior ao verificado em2011. As cooperativas de saúderegistraram o maior percentual decontratações (14,8%), totalizando77 mil empregados.Regionalmente, geram maisempregos no cooperativismo oSul (151 mil), o Sudeste (97 mil)e o Centro-Oeste (cerca de 20mil). Considerando os estados,os campeões na criação depostos de trabalho são Paraná(aproximadamente 61 mil), RioGrande do Sul (cerca de 52 mil) eSão Paulo (48 mil). A expectativapara os próximos quatro anos éresponder por 356 mil postos detrabalho, um incremento de 52mil novas oportunidades no setor.COOPERATIVASSe, por um lado, o número deassociados e de empregos sóaumenta; por outro, os dadosdo Sistema OCB apontamuma estabilização no total desociedades cooperativas noBrasil. O número se mantevepraticamente inalterado nosúltimos dois anos: 2012 seencerrou com 6.587 cooperativas e2011, com 6.586.Os ramos com mais cooperativassão o agropecuário (1.528), otransporte (1.097) e o crédito(1.049). Entre as regiões, destacamse,em número de associações, oSudeste (2,3 mil), o Nordeste (1,7mil) e o Sul (1 mil). Já os estadoscom mais cooperativas são SãoPaulo (949 mil), Bahia (788 mil) eMinas Gerais (775 mil).


27relatório anual ocb 2012Ramos com maior número de cooperados por estadoRRAPAMPAMACERNPIPBACROTOPEMTBAALSEDFAgropecuárioGOMGConsumoCrédito:MSESEducacionalSPRJEspecialHabitacionalInfraestruturaMineralProduçãoSaúdeTrabalhoTransporteTurismo e LazerPRRSSC


28Quem SomosGovernança CorporativaTransparência,independência,participação e ética2012marcouumamudançaestrutural no modelo de gestãoda Casa do Cooperativismo. AOCB passou a adotar um novomodelo de governança maisparticipativo, democrático e capazde considerar as realidades e asdemandas específicas de cadaregião do Brasil.O antigo Conselho deAdministração – composto por 10representantes – foi substituído poruma diretoria composta por cincomembros titulares (um de cadaregião do país) e cinco suplentes,eleitos em Assembleia Geral. Commandato de quatro anos, a novadiretoria é responsável por indicaro presidente executivo da OCB eesse referendado pela Assembleia.A estrutura vigente manteve osconselhos Fiscal e de Ética, comquatro membros cada: três titularese um suplente, também eleitospela Assembleia e escolhidospara um período de quatro anos,permitida a recondução.Por contar com um representantede cada região do país, a novadiretoria representa os interessesdos diferentes estados e tem aimportante missão de assegurara convergência de interessesda entidade nacional e dasunidades estaduais. Também cabeà diretoria definir as diretrizese as metas do cooperativismobrasileiro para cada exercício.Todos os diretores, conselheiros egestores da Casa estão inseridosem um modelo de gestãodemocrática, que preza pelosprincípios de transparênciana prestação de contas,independência, igualdade,participação, austeridade e ética.


RELATÓRIO ANUAL OCB 201225


Resultadosestratégicos


Cooperativas constroemum mundo sustentável de pazHistoricamente, As cooperativas as de cooperativas todo o se formam para superardificuldades. mundo realizam Ao longo negócios dos séculos, em diferentespartes de forma do sustentável, mundo, elas surgiram em contextos dereestruturação considerando não econômica apenas ou em situações de tensãosocial, as necessidades religiosa, econômica imediatas, e política. E ao geraremprego, mas o impacto renda de e trabalho, suas ações contribuem para a reduçãode e projetos conflitos. para No as presente gerações momento de crise mundial eatritos futuras. étnicos Cuidado e religiosos, este que as cooperativas continuamatuais não se e restringe necessárias. ao meio Nelas, pessoas de diferentes etniasou ambiente, religiões expandindo-se podem atuar à em benefício umas da outras.sustentabilidade humana efinanceira das operações.


34Resultados Estratégicosdestaques do ano2012um ano paraficar na históriaOs doze meses de 2012foram marcados portrabalhos intensos dentrodo Sistema OCB e, especialmente,dentro da Organização dasCooperativas Brasileiras. Por sermoso órgão de representação do setor,assumimos a liderança das açõesde promoção do Ano Internacionaldas Cooperativas, aqui, no Brasil.Mobilizamos nossos parceiros nogoverno e nos estados para darvisibilidade ao nosso movimentoe obtivemos excelentes resultados(veja item Atuação Parlamentar).Paralelamente, continuamosnossos trabalhos de defesa dosinteresses do cooperativismo juntoaos poderes Executivo, Legislativoe Judiciário, apoiando as unidadesestaduais no atendimento àsdemandas das nossas cooperativas.Temos uma equipe dedicadaa acompanhar de perto atramitação dos cerca de 400projetos de lei que se relacionam– direta ou indiretamente – comnosso modelo de atuação.Outra parte dos nossos técnicosnegocia projetos setoriais,organiza pleitos e busca soluçõespara melhorar a realidade docooperativismo brasileiro.Confira, abaixo, algumas dasprincipais conquistas do últimoexercício:


35relatório anual ocb 2012ANO INTERNACIONALDAS COOPERATIVASFoi com bastante antecedência,ainda em dezembro de 2009,que a Organização das NaçõesUnidas (ONU) declarou que 2012seria o Ano Internacional dasCooperativas. O lançamento oficialfoi realizado em outubro de 2011,em Nova York, nos Estados Unidos.Com a medida, a ONU buscougarantir o cumprimento dosseguintes objetivos:• Aumentar a consciênciapública acerca dascooperativas e das suascontribuições parao desenvolvimentosocioeconômico do mundo;• Promover a formação eo desenvolvimento dascooperativas;• Estimular os governos aestabelecer políticas, leis eregulamentos condizentescom a formação, odesenvolvimento e aestabilidade das cooperativas.O Sistema OCB se organizoupara garantir que os objetivosestabelecidos fossem alcançadose envolveu-se em uma série deações ao longo de 2012, a fim dedisseminar o cooperativismo nopaís. O resultado foi alcançado e aOCB conseguiu inserir o assuntona pauta nacional.Em palestras ou em seloscomemorativos, o cooperativismofoi tema de diversas homenagens:• Conferência Rio+20:o movimento cooperativistaesteve presente no eventointernacional para odesenvolvimento sustentável.Nosso presidente, MárcioLopes de Freitas, proferiupalestra no painel “SegurançaAlimentar e Sustentabilidadeno Agronegócio”. O eventocontou ainda, na programação,com a promoção do Dia doCooperativismo, no espaçoAgroBrasil da ConfederaçãoNacional da Agricultura (CNA).• Hotsite – Ano 2012:Desenvolvido paraconscientizar internautasda importância docooperativismo para odesenvolvimento econômico,


36Resultados Estratégicosdestaques do ano4.984total de moedascomemorativasproduzidas pelo BancoCentral em homenagemao Ano Internacionaldas Cooperativas.Inicialmente, seriamproduzidos 3,5 milexemplares.o hotsite Ano 2012 foi utilizadona divulgação das açõesdo Ano Internacional dasCooperativas.• Selo postal: o selo emcomemoração ao AnoInternacional das Cooperativasfoi lançado durante aRio+20, em parceria com oMinistério de Agricultura,Pecuária e Abastecimento.O tema escolhido foi asustentabilidade e o selotrouxe estampado umaimagem de ipê amarelo –espécie é muito utilizadaem projetos de recuperaçãoflorestal. Ao todo, osCorreios produziram 40 milunidades do selo.• Loteria Federal: nossaequipe articulou junto àCaixa Econômica Federaluma extração comemorativada Loteria Federal sobreo Ano Internacional dasCooperativas. O bilhetecorreu no primeiro sábado dejulho de 2012, dia em que secomemora o cooperativismointernacionalmente.• Moeda comemorativa:o Banco Central do Brasiltambém lembrou o AnoInternacional das Cooperativas,ao lançar, em outubro, umamoeda comemorativa emreconhecimento a essemomento tão especial parao sistema cooperativista.Cunhada em prata, a moedaapresenta a logomarca oficiale o slogan “Cooperativasconstroem um mundomelhor”. Inicialmente, foramproduzidas 3,5 mil unidades.A demanda pelo souvenir foitanta que o Banco Centralcunhou uma nova série. Nototal, foram comercializadas4.984 unidades da moedacooperativista.• Embaixador docooperativismo: em umasolenidade realizada em Roma(Itália), o ex-presidente doSistema OCB e único latinoamericanoa presidir a AliançaCooperativa Internacional,Roberto Rodrigues, foinomeado embaixador especialda Organização das NaçõesUnidas para Alimentaçãoe Agricultura (FAO) para ocooperativismo.


37relatório anual ocb 2012Lançamento brasileiro do Ano Internacional das Cooperativas• Exposição no Congresso Nacional – a mostra “Cooperativas constroemum mundo melhor” foi mais uma iniciativa do Sistema OCB para divulgar aforça de nosso movimento, durante o Ano Internacional das Cooperativas.Realizada no Espaço Mário Covas, da Câmara dos Deputados, a exposiçãopermitiu aos visitantes interagir com o cooperativismo por meio de totenseletrônicos. As mídias traziam informações sobre o setor, as instituições quecompõem o Sistema OCB, jogo de perguntas – para avaliar o conhecimentodos participantes sobre o segmento – além de vídeos institucionais edepoimentos de parlamentares sobre o Ano 2012.Abertura do Prêmio Cooperativa do Ano• Histórias brasileiras em livro internacional – O Sistema OCB ajudou aAlianca Cooperativa Internacional a identificar histórias de cooperativasbrasileiras capazes de retratar a força do nosso movimento para a construçãode um mundo melhor. Dentre os cases coletados pela OCB, três foramescolhidas para compor o livro “Building a Better World: 100 stories of Cooperation”(Construindo um mundo melhor: 100 histórias de cooperação),lançado em outubro, durante a conferência “International Summit ofCooperatives 2012”, no Canadá. As cooperativas brasileiras escolhidas pela ACIpara representar o Brasil foram: Coopercentral Aurora (SC), Coop (SP) e SicrediPioneira (RS). Essas e outras 362 histórias de cooperativas coletadas peloSistema OCB estão disponíveis na internet no site www.ano2012.coop.br.


38Resultados Estratégicosdestaques do anoATUAÇÃOPARLAMENTARO Sistema OCB está sempre atento às propostasimportantes para o cooperativismo quetramitam na Câmara e no Senado. Afinal, doCongresso Nacional saem as leis capazes deestimular ou atrapalhar o crescimento do setor.Disposta a facilitar o acompanhamento dosprojetos e medidas provisórias, dentro e fora doSistema, a OCB publica anualmente a “AgendaLegislativa do Cooperativismo” – compilaçãodas proposições de maior interesse para onosso movimento, em cada ano.O documento traz, de forma clara e inequívoca,o posicionamento da Casa sobre cada projetoa ser votado e faz uma breve descrição deseu conteúdo. Por sermos uma organizaçãoapartidária, buscamos nos aproximar depolíticos, gestores e formadores de opinião detodas as correntes ideológicas. O importante– para nós – é mostrar ao maior número depessoas o importante papel que as cooperativasdesempenham para o crescimento do Brasil.Especificamente no âmbito legislativo, ocooperativismo conta com o apoio da FrenteParlamentar do Cooperativismo (Freencop),atualmente formada por 206 deputados e30 senadores. Com 27 anos de atividadecompletos em 2013, a Frencoop levanta abandeira do cooperativismo perante os atorespolíticos e a opinião pública, ajudando a fazervaler os anseios dos mais de 10 milhões debrasileiros associados a uma cooperativa.Conheça ascinco principaisconquistas docooperativismo noCongresso, em 20121Aprovação do novoCódigo Florestal (Lei12.651/2012) – apósquase dez anos de intensosdebates sobre a construçãode uma nova legislaçãoambiental, a Câmara e oSenado aprovaram, em 2012,o Código Florestal brasileiro.A legislação é um importanteavanço na busca pela efetivasegurança jurídica no campo,ao conciliar a preservaçãode recursos naturais com acontinuidade da produçãoagropecuária brasileira,garantindo assim segurançajurídica aos produtores rurais.Ao longo dos últimos anos,a equipe do Sistema OCB semobilizou e esteve atentaà tramitação da matéria,oferecendo apoio técnicoa deputados e senadores,sensibilizando-os sobre anecessidade de aprovaremuma nova lei capaz depromover a preservaçãoambiental, sim. Mas sem


39relatório anual ocb 2012inviabilizar o desenvolvimentosustentável do nosso País.Paralelamente, dialogamoscom autoridades do executivo,políticos e formadores deopinião sobre a importânciade um amplo e democráticodebate em torno da matéria.Em diversas ocasiões, ainstituição monitorou e atémesmo mediou a polêmica emtorno do assunto. Publicamos,inclusive, duas cartilhastécnicas para desmistificarpontos controversos damatéria. O novo CódigoFlorestal foi aprovado noCongresso Nacional em maio,transformando-se na Lei nº12.651/2012. Ao sancioná-la,a presidenta Dilma Rousseffvetou diversos artigos,inviabilizando a aplicabilidadeprática da lei. Para resolver aslacunas jurídicas existentes,criou-se a medida provisória571/2012 (veja destaquenúmero 4).2Regulamentaçãodo cooperativismode trabalho noBrasil – a Lei 12.690/2012esclarece as relações entreas cooperativas, seus sóciose tomadores nos contratosde prestação de serviçoscontinuados ou eventuais.Além de ampliar mercadose evitar a má utilização dosprincípios cooperativistas,o normativo beneficia ocooperado – reconhecendodireitos sociais previstos naConstituição Federal, comoretirada não inferior ao pisosalarial da categoria, descansoanual remunerado, dentreoutros benefícios. E a novalegislação pode fazer aindamais pelo cooperativismo. Aexpectativa do Sistema OCBé que ela possa clarificar oentendimento do MinistérioPúblico do Trabalho edemais órgãos do governosobre as especificidades docooperativismo de trabalho.Além disso, ela pode servir dealicerce à criação do ProgramaNacional de Fomento àsCooperativas de Trabalho(Pronacoop), como meio deincentivo ao desenvolvimentoeconômico e social dasentidades deste ramo.3Aprovação da MPV582/2012 – economiade R$ 700 milhões porano. Este será o resultado daaprovação da MPV 582/2012


40Resultados Estratégicosdestaques do anono Congresso Nacional,que reduz de 40% para10% na base de cálculo doImposto de Renda para ostransportadores rodoviáriosde cargas autônomos.Originalmente pleiteada peloSistema OCB sob a forma deprojeto de lei (PL 494/11),a inclusão do pedido naMPV agilizou a conquista dobenefício para o setor. Com aaprovação da proposta, serápossível minorar a tributaçãoexcessiva aplicada aostransportadores autônomos,diminuindo o preço daprodução e do consumo nopaís.4Aprovação da MPV571/2012 – editadapara evitar o vácuolegislativo ocasionadopelos vetos ao novo CódigoFlorestal, esta MPV alterou anova legislação ambiental.Entre os pleitos defendidospelo Sistema OCB, destaca-sea adequação do artigo quetrata dos objetivos gerais dalei e a alteração do artigo 4º,para esclarecer que várzeanão é área de preservaçãopermanente fora dos limitesde proteção da mata ciliar.A mudança beneficioumilhares de pequenosprodutores rurais queseriam penalizados pelafalta de aplicabilidadedo texto originalmenteproposto. Após aprovaçãopelo Congresso, emsetembro de 2012, a MPV517/2012 transformou-sena Lei 12.727/2012, quecoexiste e complementa aLei nº 12.651/2012. Juntas,elas regulam o CódigoFlorestal brasileiro.5Aprovação da MPV579/2012, que tratouda redução das tarifasde energia elétrica e darenovação das concessõesdo setor – acompanhadade perto pelo Sistema OCB,a proposição apresentoudiversas emendas paraincluir os consumidoresindustriais das cooperativasnos benefícios. Apósatuação conjunta coma Frencoop, o relator damatéria incluiu as emendasdo cooperativismo emseu relatório. Aprovadapelo Congresso Nacionalem dezembro de 2012,transformou-se na Lei12.783/2013.


41relatório anual ocb 2012PRÊMIO COOPERATIVA DO ANOUma premiação que começourestrita ao ramo agropecuárioganhou os holofotes e foi umdos eventos mais aguardados docooperativismo no ano passado.Estamos falando do PrêmioCooperativa do Ano, que em2012 teve participação recorde.Na oitava edição do prêmio,138 cooperativas de 20 estadosinscreveram 212 projetos paraconcorrer em sete categorias. Otema escolhido foi o slogan do AnoInternacional das Cooperativas:“Cooperativas constroem ummundo melhor”.A premiação reconheceua criatividade, opensamento estratégico, oempreendedorismo e a atençãodas cooperativas para com aspessoas, o meio ambiente e ofuturo. Criado em 2004, o PrêmioCooperativa do Ano premiou,em 2012, 21 projetos na etapanacional. Nas oito edições, maisde 150 cooperativas participaram,inscrevendo 1.050 projetos.PRÊMIO COOPERATIVA DO ANO 2012CategoriaAtendimento – o melhorrelacionamento entrecooperativa e cooperadosVencedor (primeiro colocado)Central Sicredi Brasil CentralRamo: créditoAssociados: 90.775Fundação: 1989Cidade: Campo Grande (MS)Projeto: Núcleo EmpresarialCooperativo (NEC)Objetivo: criar um núcleo deatendimento específico parao microcrédito visando aodesenvolvimento industrial,econômico e do turismo regional.


42Resultados Estratégicosdestaques do anoCategoriaBenefício – oferta dosmelhores benefícios a seusassociadosComunicação e difusão docooperativismo – iniciativasde divulgação dos ideaiscooperativistasCooperativa cidadã –projetos de interesse dacomunidadeVencedor (primeiro colocado)Cooperativa dos TransportadoresAutônomos de Cargas de São Carlos(Coopertransc)Ramo: transporteAssociados: 145Fundação: 1998Cidade: São Carlos (SP)Projeto: Fundo Frota SeguraObjetivo: criar um fundo pararessarcir danos em veículos sofridosexclusivamente pelos cooperados,por eventos como furto qualificado eroubo.Cooperativa de Crédito de LivreAdmissão de Associados ItapirangaRamo: créditoAssociados: 13.956Fundação: 1932Cidade: Itapiranga (SC)Projeto: Sicoob Creditapiranga 80AnosObjetivo: executar ações valorizando,difundindo e fortalecendo junto aosassociados e a comunidade o espíritocooperativista, com o mote dos 80anos da entidade.Unimed de Fortaleza Cooperativade Trabalho Médico LtdaRamo: saúdeAssociados: 3.838Fundação: 1978Cidade: Fortaleza (CE)Projeto: Programa Memória Viva –Livro À TardinhaObjetivo: resgatar a identidade culturalde Fortaleza por meio das memóriasdos idosos da cidade, utilizando, paratanto, a terapia ocupacional. A atividadetem grande impacto na vida dos idosos,melhorando sua qualidade de vida.


43relatório anual ocb 2012CategoriaDesenvolvimentosustentável – projetosde preservação do meioambiente ou racionalização doconsumo de recursos naturaisFidelização – iniciativas quelevem ao comprometimentodos cooperadosInovação e tecnologia– soluções inovadoras denegócioVencedor (primeiro colocado)Cooperativa Agroindustrial LarRamo: agropecuárioAssociados: 8.641Fundação: 1964Cidade: Medianeira (PR)Projeto: Aproveitamento de resíduosde tratamento de efluentes líquidos deabatedouro de aves para produção depetfood, biodiesel e geração de energiaObjetivo: transformar um passivoambiental em uma oportunidadede investimento, capaz de aliar aproteção do meio ambiente com ageração de renda.Cooperativa de Crédito de LivreAdmissão de Associados AltoUruguai RS/SCRamo: créditoAssociados: 52.024Fundação: 1981Cidade: Rodeio Bonito (RS)Projeto: Fidelização e perenidadeatravés da Organização do QuadroSocialObjetivo: ampliar a participação dosassociados junto à cooperativa pormeio de núcleos.Cooperativa Regional dosCafeicultores de São Sebastião doParaísoRamo: agropecuárioAssociados: 5.700Fundação: 1960Cidade: São Sebastião do Paraíso (MG)Projeto: Tecnologia a serviço doscafeicultoresObjetivo: desenvolver máquinas devarrição e recolhedora/abanadorade cafés caídos no chão, visando àredução de custos.


44Resultados Estratégicosdestaques do anoFORTALECIMENTO DO RAMO CRÉDITOImportante ferramenta de inclusãofinanceira, as cooperativas de créditoganharam visibilidade e estreitaramlaços com o Banco Central em 2012. Noúltimo mês de novembro, o presidente dainstituição, Alexandre Tombini, anuncioua criação do Fundo Garantidor doCooperativismo de Crédito (FGCoop), agoraem fase de regulamentação. O fundo seráfundamental para vencermos a barreirados 2% no Sistema Financeiro Nacional,levando a cada vez mais brasileiros o acessoaos serviços e aos produtos financeirosoferecidos pelas cooperativas de crédito.4,9 3ª R$103+milhões bilhõesde associadosmaior rede de atendimento emnúmero de agências, com mais de5.000 pontos de atendimentoem ativos, que correspondem aoconjunto de bens, valores, créditos,direitos e assemelhados que formam opatrimônio dessas cooperativas


45relatório anual ocb 2012DÉCADA DO COOPERATIVISMOAs ações do Ano Internacionaldas Cooperativas marcaram oinício de toda uma década voltadaao setor. A Aliança CooperativaInternacional (ACI) entende que omomento atual é histórico no quediz respeito a oportunidades parao movimento cooperativista. Emum contexto onde as instituiçõesde muitos países se esforçampara se manter atualizadas,iniciativa e empreendedorismosão características essenciais –qualidades que as cooperativastêm de sobra.Não faz sentido, portanto, na visãoda ACI, encerrar o trabalho dedivulgação do setor, iniciado em2012. Se o cooperativismo sair dapauta dos governos e da mídia,corre-se o risco de perder todosos esforços envidados na ocasião.E – ainda segundo a instituição– os anos vindouros podem sermarcados, cada vez mais, pelapobreza que aumenta, pelasdificuldades de inserção dos jovensno mercado de trabalho e pelosefeitos do aquecimento global.Na busca por um futuro mais justoe sustentável e visando aumentarprogressivamente a atenção globaldada ao cooperativismo, a ACIlançou recentemente o ‘Blueprintpara a Década do Cooperativismo’,que estabelece as bases de atuaçãoe promoção e os principais focosa serem alcançados ao longo dadécada dedicada ao Cooperativismoem todo o mundo. Para queuma forma mais abrangente deatuação fosse vislumbrada, foramestabelecidos cinco temas, paraos quais devem-se construirestratégias de implementação.Segundo a ACI, são eles: eles:• Elevar a um novo nível a participação dos cooperados e dos sistemas degestão;• Posicionar as cooperativas como construtoras da sustentabilidade;• Consolidar a mensagem cooperativista e definir a identidade das cooperativas;• Assegurar marcos jurídicos que deem base ao crescimento das cooperativas;• Conseguir capital para as cooperativas, ao mesmo tempo em que se garanta agestão por seus membros.


Cooperativas constroemCriatividade eempreendedorismosão palavras-chave nocooperativismo. Tudo começaum mundo de pazcom a ideia de juntar pessoasem torno de uma atividadecomum. Em seguida, épreciso definir o que e comoproduzir, como baixar custos,Historicamente, as cooperativas se formam para superarquais tecnologias empregar.dificuldades. Ao longo dos séculos, em diferentesNão importa o tamanho dapartes do mundo, elas surgiram em contextos decooperativa. Dela podemreestruturação econômica ou em situações de tensãoresultar novos métodos desocial, religiosa, econômica e política. E ao gerarorganização e produção – umemprego, renda e trabalho, contribuem para a reduçãonovo maquinário, uma novade conflitos. No presente momento de crise mundial efonte de energia – capazes deatritos étnicos e religiosos, as cooperativas continuamrevolucionar todo um sistema.atuais e necessárias. Nelas, pessoas de diferentes etniasou religiões podem atuar em benefício umas da outras.


Cooperativas constroemum mundo mais inovador


48Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃOVisão sistêmica a favordo cooperativismoNenhum vento sopra a favorde quem não sabe onde querchegar. Justamente por isso,a Organização das CooperativasBrasileiras desenha – todos os anos– um plano de trabalho com metasque ajudam a nortear os trabalhosdos gestores da Casa. Os projetosdevem se encaixar em quatro eixosestratégicos permanentes definidosem 2009 e referendados em 2010pelos dirigentes de todas as unidadesestaduais e por representantes dascooperativas brasileiras, duranteo XIII Congresso Brasileiro doCooperativismo. São eles:1 – Representação: constitui arazão de ser da OCB, possibilitandoque o cooperativismo contribua demodo competitivo e sustentável aodesenvolvimento econômico e socialda população. Seu objetivo principalé inserir o cooperativismo na agendagovernamental, permitindo a definiçãode marcos regulatórios adequados àsnecessidades das nossas cooperativase dos nossos cooperados.2 – FortalecimentoInstitucional: garantirum Sistema eficiente eadaptável aos novos desafiosinstitucionais, viabilizandoum cooperativismo comimagem positiva junto àsociedade. Imagem forte,pautada pela integridade epela transparência da gestão.3- Serviços: disseminarconhecimentos dealta relevância parao cooperativismobrasileiro, organizandoestrategicamente as trêsentidades do SistemaOCB. As informações eprojetos devem estaralinhados às diretrizes doXIII Congresso Brasileiro doCooperativismo, visandoao desenvolvimento delideranças e à formaçãotécnica e gerencial, naquantidade e na qualidadenecessárias.


49relatório anual ocb 20124 – Organização e gestão: criarum sistema mais ágil e orientadopara resultados, desenvolvendoa gestão interna do sistemacooperativista, estimulando oalinhamento ao plano estratégico,investindo fortemente na atração,no desenvolvimento e naretenção de profissionais comoforma de garantir o alcance dosdesafios estratégicos almejados.A união desses quatroeixos estratégicosfortalece a atuaçãoda OCB. A entidadecresce quandomarca presençano Legislativo,interagindo comparlamentarespara colocar ocooperativismo napauta do Congresso.Cresce também quando sereúne com os diferentes órgãosdo Executivo e do Judiciário,discutindo assuntos técnicos,ou com cooperativas de outrospaíses, trocando experiência. Eaparece quando disponibilizacanais de comunicação com asociedade, firmando-se comorepresentante maior do sistemacooperativista – nossa aposta dedesenvolvimento para o país.Eixo 1RepresentaçãoO que visa:Identificar e implantar estratégias para fortalecer omovimento cooperativista perante os três poderes darepública, opinião pública, lideranças cooperativistas,governos e organismos internacionais. É importante ressaltarque o papel de representação política não está ligadosomente à atuação da entidade como grupo de pressão naarena de deliberações e na formulação de políticas públicas.Para tornar uma demanda do cooperativismo legítimapara os diversos atores políticos, é necessário à instituiçãotransmitir uma imagem positiva, agindo com transparênciaem todos os seus processos. Somente dessa maneira, épossível obter reconhecimento e credibilidade junto aonosso público-alvo e à sociedade, como um todo.Objetivos estratégicos:1) Inserir o tema cooperativismo na agenda estratégica dodesenvolvimento do país2) Contribuir para o aperfeiçoamento do marco regulatório deinteresse do cooperativismo3) Propor e induzir a implementação de políticas públicasvoltadas para o fortalecimento do cooperativismo4) Apoiar, acompanhar e reconhecer as ações dosparlamentares da Frente Parlamentar do Cooperativismo(Frencoop) e de representantes dos poderes executivo ejudiciário.


50Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃOO que a OCB fez em2012 para atingiressES OBJETIVOS?Dando sequência ao processode implantação da novaestrutura organizacionalestabelecida pelo PlanejamentoEstratégico 2011-2013, aOCB avançou de maneirasignificante nos processosde representação políticado cooperativismo no Brasil.Atuamos de forma estratégica,como o objetivo de construirmarcos regulatórios positivosao desenvolvimento dascooperativas brasileiras. Paratanto, realizamos diversasatividades de relacionamentoinstitucional, tais como:acompanhamento da pautado executivo e do legislativo;divulgação de boletinsperiódicos, materiais de apoioà atuação parlamentar, estudose publicações; interlocuçãocom stakeholders e apoio àFrencoop; realização de eventosinstitucionais e reuniõesde trabalho; intercâmbioconstante de informações como governo e o parlamento, oque aproximar ainda mais osistema cooperativista brasileirodo processo político-decisórionacional.TRABALHO NOLEGISLATIVONúmeros• 450 proposições, relacionadasàs cooperativas, foramacompanhadas pelo SistemaOCB no Congresso Nacional.Destas, 57 compõem aAgenda Legislativa doCooperativismo 2012• 7 das proposições daAgenda foram aprovadasem Comissões Temáticas daCâmara dos Deputados e doSenado Federal e 5 viraramlei em 2012, beneficiandoos cerca de 10 milhões debrasileiros vinculados à umacooperativa (veja o capítuloDestaques de 2012).• 44 Medidas Provisórias editadasem 2012 e acompanhadaspelo Sistema OCB. Destas, 13contaram com atuação diretada instituição para a defesa epromoção do cooperativismoe adequação das propostas àsespecificidades do setor.• Mapeamento, gestão edivulgação de mais de400 pronunciamentos deparlamentares sobre temas


51relatório anual ocb 2012relacionados ao cooperativismonos plenários da Câmarados Deputados e do SenadoFederal. Destes, 77 citaram aOrganização das CooperativasBrasileiras.• Cerca de 25% dos deputadosbrasileiros são associados auma cooperativa, porcentagemsignificativamente superior aode cooperados na populaçãobrasileira (5%).• Mais da metade dos deputadosbrasileiros (55,2%) possuibom conhecimento acercado cooperativismo. Entre osdeputados reeleitos esse índicesobe para 56%. No grupo dosnovatos gira em torno dos 36%– sinal claro de que o trabalhorealizado pela OCB junto aoCongresso Nacional amplia avisibilidade do movimento.Principais proposiçõesda agenda cooperativistaaprovadas em comissões daCâmara e do Senado:• PL 3.067/2011: A Comissãode Agricultura da Câmaraaprovou projeto quepossibilita o acesso diretoaos recursos provenientesdo Fundo de Amparo aoTrabalhador (FAT) pelosbancos cooperativos, pelasconfederações e pelascentrais de cooperativasde crédito. O Sistema OCBtrabalhou intensamentepela aprovação da matéria,que ratifica o fato de ascooperativas de créditoreunirem condiçõesde cumprir a tarefa depromover a inclusãofinanceira, promovendoo acesso ao crédito demaneira efetiva, gerandodesenvolvimento para o País.O projeto aguarda análiseda Comissão de Trabalho,de Administração e ServiçoPúblico.• PL 5/2011: A Comissãode Agricultura, Pecuária,Abastecimento eDesenvolvimento Rural daCâmara aprovou projetoque cria o Programa deProdução de Biocombustíveispor Cooperativas (PNBC). OSistema OCB atuou diretae decisivamente para aaprovação da matéria.Por meio do programa, osprodutores rurais poderãoassociar-se em cooperativasagropecuárias para aprodução e comercializaçãode biocombustíveis, comisenção de tributos indiretos


52Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃOsobre a produção e aconsequente reduçãode custos e do valoragregado do produto final.O projeto aguarda análiseda Comissão de Minas eEnergia.• PLS 250/2009: Apósintensas negociações, aComissão de Educaçãodo Senado aprovou oprojeto que garante àscooperativas educacionaisacesso ao ProgramaUniversidade para Todos(Prouni). O Sistema OCBatuou em todos os debatesa respeito da proposta,por entender que ascooperativas educacionaistêm atuação importanteem áreas onde o poderpúblico é ausente ou tempresença meramenteformal. O projeto aguardainclusão na pauta dedeliberações do Plenáriodo Senado.• PL 1.435/2011: AComissão de Turismoe Desporto da Câmaraaprovou a proposta, quetrata dos fundamentos eda política do turismo rural.O projeto foi aprovado naforma de um substitutivo,acatado anteriormentepela Comissão deAgricultura, que beneficiao setor cooperativista.A alteração foi feita porsolicitação do SistemaOCB. A proposta aguardadeliberação na Comissãode Finanças e Tributação.• PL 6.327/2009: Aproposta que isentaas cooperativas degarimpeiros em operaçãodo pagamento da TaxaAnual por Hectare (TAH)na autorização ou alvaráde pesquisa foi aprovadana Comissão de Minase Energia da Câmara. Amedida beneficia o setormineral, permitindo oavanço sustentável denovas cooperativas. Amatéria aguarda análiseda Comissão de Finanças eTributação.• PLP 271/2005 – dentreos temas prioritários daAgenda Legislativa doCooperativismo, foramdestaque, em 2012, osdebates relativos aoadequado tratamentotributário ao atocooperativo. Isto porque– passados mais de 23


53relatório anual ocb 2012anos da promulgaçãoda Constituição de 1988– o Congresso Nacionalainda não aprovou LeiComplementar queregule tal dispositivoconstitucional. Assim,foram realizadas reuniõescom a Casa Civil e com oentão relator da matériana Comissão de Finanças eTributação da Câmara dosDeputados, na tentativa deelaborarmos um texto queatenda aos pleitos do setor.• Medida Provisória549/2012: o SistemaOCB conseguiu criar eaprovar dispositivo quepermite a exclusão do atocooperativo da base decálculo do PIS/COFINS empara o ato cooperativodas cooperativas de táxi.A exclusão é cumulativa eas cooperativas do setorconseguiram a remissão dadivida com estes tributos.Sancionada sem vetos, amatéria foi convertida naLei 12.649/2012.• Medida Provisória545/2011: com importantecontribuição do SistemaOCB, o Congresso Nacionalaprovou medida provisóriaque estabeleceu novasistemática de incidência doPIS/COFINS para o café. Otexto aprovado suspende aincidência da contribuiçãode tais tributos sobre asreceitas da venda do cafénão torrado, exceto quandose tratar da venda para oconsumidor final. Com asanção, a matéria passoua vigorar como Lei nº12.599/2012.• Medida Provisória595/2012 – a matériadispõe sobre portos,instalações portuárias eatividades desempenhadaspor seus operadores,assuntos que afetamdiretamente a atividadecooperativista. Acreditamosque a referida propostarepresenta uma importanteoportunidade demodernização do setor.Contudo, para garantir queas cooperativas possamcontinuar utilizando einvestindo em estruturasportuárias, o SistemaOCB apresentou diversasemendas à referidaproposição e vem atuandojunto ao relator para garantirque a nova lei seja favorávelao movimento.


54Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃODEBATES NOCONGRESSODesoneraçãotributáriaEm um cenário econômicoglobal adverso, o governoadotou em 2012 uma sériede ações para aumentar acompetitividade da economiae construir um ambientefavorável ao investimentono país. Dentre essas ações,está a desoneração de R$ 45bilhões da atividade produtivabrasileira. Aqui, é importanteressaltar a atuação do SistemaOCB em busca de umtratamento tributário adequadoàs cooperativas. No ramoagropecuário, por exemplo, oprocesso foi intensificado com50bilhõesé a previsão de desoneraçãoda atividade produtivabrasileira prevista pelogoverno federal em 2012a desoneração de PIS/Cofins dacadeia tributária de produtos comocarnes, café, biodiesel, grãos e soja.Na mesma linha de desoneração, ogoverno editou em 2012 medidasprovisórias alterando a base decálculo de tributos incidentessobre os salários dos trabalhadores,com o objetivo de estimular ageração de empregos e melhorara competitividade das empresasbrasileiras.NOMEAÇÃOREPRESENTATIVAEm julho de 2012, a OCB foiescolhida para coordenar,por um ano, as atividades doFórum das ConfederaçõesPatronais, que reúne as seguintesinstituições de representação:Confederação Nacional doComércio (CNC), ConfederaçãoNacional do Transporte (CNT),Confederação Nacional daIndústria (CNI), ConfederaçãoNacional da Agricultura (CNA),Confederação Nacional dasInstituições Financeiras (CNF) enós, da OCB. Periodicamente,representantes dessas instituiçõesde representação se para discutirtemas em tramitação no CongressoNacional e definir estratégiasconjuntas de atuação.


55relatório anual ocb 2012TRABALHONO EXECUTIVOCréditoO Sistema OCB estáconstruindo umrelacionamento cada vezmais afinado com o BancoCentral do Brasil, visandoao fortalecimento dascooperativas de crédito.Uma das conquistas maismarcantes desta parceriaocorreu em 2012, quando oConselho Monetário Nacional(CMN) aprovou a criaçãodo Fundo Garantidor deCrédito das Cooperativas(FGCoop), a fim de garantiros depositantes e realizaroperações de assistênciae de suporte financeiro àscooperativas de crédito.Alimentado por contribuiçõesdas próprias cooperativas erecursos representados pelataxa de serviço, o FGCooppermitirá uma atuaçãomais sólida e alinhada docooperativismo de crédito,inclusive no processo derevitalização de cooperativasem dificuldade e incentivar asindispensáveis aglutinações(veja mais informações nosDestaques de 2012).Reuniões emnúmeros• O Sistema OCBacompanhou 110audiências públicas– importantes fórunspara a construçãolegislativa – na Câmarae no Senado. Dozedessas audiênciascom a participaçãode expositoresdo Sistema OCB.Dentre eles, esteveo presidente MárcioLopes de Freitas, quedebateu, na Comissãode Agricultura daCâmara, o AnoInternacional dasCooperativas.• Durante todo o anode 2012, diretores etécnicos do SistemaOCB se reuniramcom parlamentaresa fim de debatertemas de interesse dosistema cooperativistaem tramitaçãono Congresso.Foram realizadasaproximadamente 40audiências.


56Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃORegulamentaçãodas cooperativas detrabalhoCom relação às cooperativas detrabalho, o Sistema OCB contribuiudiretamente na elaboração daLei nº 12.690/2012, que trata daorganização e do funcionamentodas cooperativas de trabalho. Otema continua na pauta este ano,já que será regulamentado pormeio de decreto. O Sistema OCBcontinuará presente em discussõescom a Casa Civil e o Ministériodo Trabalho e Emprego, a fim degarantir o reconhecimento dedireitos e políticas públicas paraessas cooperativas.Revisão tarifária daenergia elétricaJuntamente com a Confederaçãodas Cooperativas de Infraestrutura(Infracoop), o Sistema OCB temdefendido a adequação dametodologia de revisão tarifáriadas cooperativas de eletrificação.Tal revisão é fundamental aoequilíbrio econômico-financeirodo setor e imprescindível àhabilitação das cooperativasnos benefícios decorrentes daredução da tarifa de energiaelétrica, preconizada pelogoverno federal. Estima-seque desoneração das tarifaspossibilitará descontos em até32% na conta de energia. Aredução foi proposta em medidaprovisória acompanhada deperto pelo Sistema OCB, queapresentou diversas emendaspara incluir os consumidoresindustriais das cooperativas entreos beneficiários. Após intensotrabalho junto à Agência Nacionalde Energia Elétrica (Aneel), ogoverno anunciou, noinício de 2013, a inclusão dascooperativas de eletrificaçãona redução das tarifas deenergia elétrica. A medidabeneficiava inicialmente apenasconcessionárias de energia.Atenção ao ramotransporteTrês conquistas marcaramo exercício de 2012 para ascooperativas do ramo transporte.O primeiro deles diz respeito aocomunicado SUCAR/ANTT 2012,que dispõe sobre o transporterodoviário de cargas por terceiros,mediante remuneração. A referidaresolução obriga alguns agentes dosetor – dentre eles as cooperativas– a emitir o Código Identificadorda Operação de Transporte (CIOT)


57relatório anual ocb 2012para toda viagem realizada. Damaneira que foi originalmenteredigido, o texto acarretava emuma perda de competitividadedas cooperativas, quandocomparada aos demais agentesdo setor obrigados a expedir ocódigo em questão. Dispostoa defender os interesses dasnossas cooperativas, o ConselhoConsultivo do Ramo Transporteda OCB encaminhou ofício àAgência Nacional de TransportesTerrestres (ANTT) solicitando arevisão do comunicado. Fomosatendidos de pronto e, hoje,a emissão destes certificadospelas cooperativas é facultativo– fato que reestabeleceu acompetitividade do setor.Outro ponto importante é omonitoramento dos debates emtorno da Lei 12.619/2012, tambémconhecida como “Estatuto doMotorista”. Vários pontos destalegislação são problemáticos parao ramo transporte, especialmentea questão dos pontos de paradapara os caminhoneiros e dadefinição das horas de descansodos motoristas. Ciente darelevância do tema, o SistemaOCB tem participado ativamentedeste debate, levando sempre oposicionamento das cooperativasàs autoridades competentes.Por fim, estamos acompanhandoo andamento da MP 582/2012que, dentre outros temas, tratada redução da base de cálculodo Imposto de Renda para asoperações de transporte de cargas.Plano Agrícola ePecuário e PlanoSafra da AgriculturaFamiliarTodos os anos, o Sistema OCBcontribui ativamente à construçãodesses planos, apresentando aspropostas do cooperativismopara os técnicos do Mapa e doMDA. Como resultado da atuaçãoem 2012, o governo anunciou aexpansão dos recursos destinadosao Plano Agrícola e Pecuário2012-2013, com repasse de R$ 115bilhões para custeio e investimentos(volume 7,5% superior ao daúltima safra); e a ampliação doPlano Safra da Agricultura Familiar2012-2013, que disponibilizouR$ 22,3 bilhões para crédito rural,assistência técnica, seguros e apoioà comercialização. Em 2012, nossasprincipais conquistas foram:• redução das taxas de jurosdas linhas de financiamentodestes planos de 6,75% para5,5% ao ano;


58Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃO• elevação dos limites decontratação do Prodecoopde R$ 50 milhões para R$ 100milhões;• elevação dos recursosprogramados para o Procap-Agro de R$ 2 bilhões (Safra2011/12) para R$ 3 bilhões(Safra 2012/2013). Além disso,os limites de contrataçãopassaram de R$ 25 milhõespara R$ 50 milhões;• Elevação dos limites decontratação do PronafAgroindústria de R$ 10 milhõespara R$ 30 milhões;• Aumento do total de recursosdisponibilizados para oPrograma de Financiamentoao Médio Produtor de R$ 8,31bilhões para R$ 11,15 bilhões;• Elevação dos recursos parasubvenção do seguro ruralpara R$ 400 milhões. Para a safrade inverno 2013, os recursosforam elevados de R$ 60 milhõespara R$ 90 milhões;• Ampliação dos limites decrédito para suinoculturaintegrada de R$ 70 mil parfaR$ 150 mil. Já para avicultura, oslimites foram transitoriamenteampliados para R$ 150 milAproximaçãocom o BNDESComo qualquer outro setor daeconomia, o cooperativismobrasileiro precisa ampliar seuacesso a linhas de financiamentode longo prazo para alcançartodo o seu potencial decrescimento. Ciente disso, nossaequipe vem construindo umrelacionamento de diálogo eparceria com o Banco Nacionalde Desenvolvimento Econômicoe Social (BNDES) – principalfinanciador de investimentosde longo prazo do governofederal brasileiro. E o momentopara reforçar esses laços nãopoderia ser melhor, já que obanco elegeu fomentar, até 2014,setores e projetos que aliem osseguintes atributos: inovação,desenvolvimento local e regionale iniciativas que estimulem odesenvolvimento socioambientaldo País. Atributos que ocooperativismo traz em seu DNA.Em 2012, a OCB se reuniu diversasvezes com representantes doBNDES nas áreas de InfraestruturaSocial, Meio Ambiente eAgropecuária e de Inclusão Social.Na oportunidade, apresentouum leque de suas prioridades.São elas: acesso ao BNDESPAR,


59relatório anual ocb 2012Procap-Agro, BNDES automático,Fundo de Amparo ao Trabalhador,ProcapCred e outros.Ainda durante o ano, veio oprimeiro resultado concreto dessaaproximação: o BNDES incluiu associedades cooperativas no roldos beneficiários do Programade Apoio ao Fortalecimentoda Capacidade de Geração deEmprego e Renda (Progeren). Estalinha de financiamento financiarácapital de giro para as cooperativasem até R$ 50 milhões ou 20% dareceita operacional bruta.Plano Nacional deArmazenagemO Brasil já é um dos maiores “celeirosagrícolas do mundo”, liderandomercados importantes como soja,café e açúcar, segundo o PlanoAgrícola Pecuário 2012/2013 doMinistério da Agricultura, Pecuáriae Abastecimento (Mapa) . Paratermos uma ideia, a safra nacionalde cereais e oleaginosas cresceu238% em 20 anos, conformedados da Companhia Nacionalde Abastecimento (Conab).As condições de estocagem earmazenamento disponíveis no país,no entanto, não acompanharam ocrescimento da produção. Por isso,no dia 8 de maio de 2012, foi criadoum grupo de trabalho para propormelhoria em nosso parque dearmazenagem. O grupo – compostopor onze membros, incluindo umrepresentante do Sistema OCB –ficou encarregado de elaborar oPlano Nacional de Armazenagem.Para melhor representar osinteresses da base, nossa equipepromoveu diversas reuniões comas Unidades Estaduais e reuniu ospleitos das cooperativas de todoBrasil no material “Propostas doSistema Cooperativista para o PlanoNacional de Armazenagem”. Odocumento propõe 14 sugestõesde melhorias, distribuídas em trêstópicos: investimentos, pesquisa,por fim, desenvolvimento eadequações normativas. Odocumento foi muito bemrecepcionado pelo Governo Federal.Pesca e aquiculturaOutro grande destaque no ramoagropecuário foi o lançamento,pelo governo, do PlanoSafra da Pesca e Aquicultura2012/2013/2014. O plano deumaior efetividade às políticasvoltadas à cadeia produtiva dapesca e aquicultura e estímuloao empreendedorismo deaproximadamente 300 mil


60Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃOfamílias. Os investimentossão de R$ 4,1 bilhões emfinanciamentos para expandira aquicultura, modernizar apesca e fortalecer a indústria eo comércio pesqueiros. No quediz respeito ao cooperativismo,o governo prioriza a ampliaçãode compras institucionais paraapoio ao pescador artesanal e aoaquicultor familiar.RegularizaçãoAmbientalCom o objetivo de contribuirpara a regulamentação do novoCódigo Florestal, o SistemaOCB tem desenvolvido umtrabalho contínuo junto aoMinistério do Meio Ambiente(MMA) para inserir os interessesdos produtores cooperados naagenda governamental. Por meiode uma permanente troca deinformações com os atores-chaveque vão definir, por exemplo,o funcionamento do Programade Regularização Ambiental(PRA) e do Cadastro AmbientalRural (CAR), o Sistema OCBtem se colocado à disposiçãopara apresentar os números dosetor ao governo e esclarecerdúvidas técnicas acerca daoperacionalização do novocódigo. A atuação resultou naassinatura, em 2013, do Acordode Cooperação entre OCB eMMA para a Implantação do CAR,beneficiando 1.528 cooperativasagropecuárias.Resíduos sólidosO governo deu amplo espaçoao cooperativismo de trabalhona regulamentação da Políticade Resíduos Sólidos, descritapela presidenta Dilma Rousseffcomo alternativa viável para acoleta de material reciclável,com geração de renda para ostrabalhadores envolvidos. Orespaldo do governo no assuntopode representar uma boaoportunidade para a inserçãodo Sistema OCB em fóruns,conselhos e câmaras temáticasgovernamentais, principalmenteno âmbito do Ministériodo Trabalho e Emprego.Consequentemente, o maiorenvolvimento do Sistema OCB naregulamentação pode fortalecera imagem do cooperativismoperante os formadores de opiniãoe as autoridades nacionais, alémde agregar mais cooperados aosistema. Estima-se que hoje maisde 600 mil pessoas trabalhem nacoleta de materiais recicláveis emcooperativas no Brasil.


61relatório anual ocb 2012O leite e ocooperativismoO Brasil é o quinto produtormundial do setor lácteo, comuma produção anual superiora 32 bilhões de litros de leite,considerando-se a UniãoEuropeia como um único blocode produção. Hoje, a atividadeleiteira está presente em maisde 1,3 milhão de propriedadesno país e é parte da realidade de99% dos municípios brasileiros,empregando 4,3 milhões depessoas, somente no campo.Atualmente, mais de 40% daprodução brasileira de lácteospassa – de alguma maneira– por uma cooperativa. Nolevantamento de 2012, dentre asdoze maiores captadoras de leitedo país, quatro estão vinculadasao nosso modelo econômico. Porisso, a equipe técnica da OCB estáem constante diálogo com osministérios de Desenvolvimento,Indústria e Comércio (MDIC),Agricultura, Pecuária eAbastecimento (MAPA) e com aAgência Brasileira de Promoçãode Exportações e Investimentos(Apex-Brasil) para representaros interesses das cooperativasnesse mercado.Em 2012, atuamos ativamente nodebate sobre o aumento excessivoda importação do leite e de seusderivados da Argentina e doUruguai. Neste sentido, iniciamosas tratativas para a renovaçãodo acordo de volume e preçopara importação de leite em póargentino. O acordo foi finalizadoem janeiro de 2013, sem quehouvesse aumento no volume dacota, o que beneficia as nossascooperativas.Ainda no exercício anterior,começamos a desenhar convêniopara estimular a exportação doleite brasileiro: o Projeto Setorialde Promoção de Exportações deProdutos Lácteos (PS-Lácteos) –uma parceria entre MDA, Apex-Brasil e OCB, oficialmente assinadoem fevereiro de 2013. O objetivodo projeto é investir no aumentodo volume do leite produzidoe na melhoria da qualidade doproduto, focando na ampliação dasexportações em cerca de 30%, nospróximos dois anos.Aberto a cooperativas de laticíniose empresas individuais de todos osportes, o PS-Lácteos já conta com11 participantes que compartilhamum objetivo ambicioso: exportarUS$ 82,5 milhões em produtos atéo final de 2014.


62Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃONÚMEROSAcompanhamento de:3processosno STF, quediscutema tributaçãode PIS/COFINS,contribuiçãosocial sobre lucroe imposto de rendapessoa jurídica2processos quepropõem adiscussão datributabilidade doato cooperativono STJ, somenteem relação aoPIS;CONFINS.JUDICIÁRIOAdequada tributação doato cooperativo – O sistemaOCB monitora e acompanhaprocessos específicos, noSupremo Tribunal Federal (STF)e no Superior Tribunal de Justiça(STJ), capazes de prejudicar asdecisões existentes favoráveisao cooperativismo, em relaçãoao PIS/COFINS e outros tributos.Hoje, o STJ já entende que ascooperativas – quando praticam“atos cooperativos” – não devemser tributadas. O STF, por sua vez,está para debater a matéria, sobo ponto de vista constitucional.Cabe à nossa equipe, garantir quenão se gere jurisprudência capazde afetar direitos garantidos àscooperativas por lei.Vale destacar: a OCB, naqualidade de entidadede representação docooperativismo, realiza oacompanhamento dessesprocessos como amicus curiae– entidade que atua auxiliandoe fornecendo subsídios aoTribunal sobre a questão dedireito debatida, com o objetivode contribuir para a soluçãomais adequada a todas as partesenvolvidas no litígio.INTERNACIONALFevereiro – o Sistema OCBparticipou do Fórum deCrescimento Inclusivo em Dili,Timor Leste, debatendo comoo cooperativismo é um modelode negócios que promove odesenvolvimento econômicoe, ao mesmo tempo, a inclusãosocial. O evento contou comparticipação de representantesdo movimento cooperativistade cinco diferentes países: TimorLeste, Malásia, Filipinas, Indonésiae Brasil, além de representantesde diversas agências da ONU e decooperação internacional.O fórumfoi uma iniciativa do Ministérioda Economia e Desenvolvimento(MED) e do Programa das NaçõesUnidas para o Desenvolvimento(PNUD) das Nações Unidas,Maio – o presidente do SistemaOCB, Márcio Lopes de Freitas,representou o cooperativismobrasileiro em reunião promovidapela Organização das NaçõesUnidas para Agricultura eAlimentação (FAO) em Roma, paraa apresentação de ações para oAno Internacional das Cooperativas2012. Na reunião, o cooperativistaRoberto Rodrigues, que já foiministro da Agricultura, presidenteda OCB e da Aliança Cooperativa


63relatório anual ocb 2012IntercooperaçãoAtendendo ao objetivode disseminar a culturada intercooperação –construindo parceriase redes estratégicasinternacionais para aconquista de novosmercados – nossa equiperecebeu, em 2012, comitivasinternacionais em visitastécnicas e/ou institucionaisda Alemanha, Portugal, Cubae Panamá.Mantendo nossocompromisso de fortalecero movimento cooperativistano Brasil, na Argentinae no Uruguai, seguimosparticipando das reuniõesespecializadas de cooperativasdo Mercosul. O colegiadoreforça a intecooperação entreessa nações e, ao longo de2012, debateu temas como oEstatuto das Cooperativas doMercosul, o envolvimento dascomunidades empresariaisdos países do bloco e projetosde cooperação técnica.Vale destacar: durante o 2ºsemestre, o Brasil presidiuas reuniões do Mercosul,sediando os encontros docolegiado.Internacional (ACI), foi nomeado embaixadorespecial da FAO para as cooperativas.Setembro – Participação no 2º EncontroLatino-Americano e Caribe de Mulheres daEconomia Solidária. O evento contou com apresença de aproximadamente 400 mulheres.Elas debateram a realidade da participaçãofeminina na construção de políticas públicasadequadas ao cooperativismo.Setembro – participação na II CumbreCooperativa de lãs Americas, realizada nacidade de Guadalajara, no México. Durante oevento, foram discutidos os paradigmas dedesenvolvimento e a nova ordem mundial. Ascooperativas foram tema de um debate sobrea importância desses empreendimentospara desenvolvimento econômico e socialdo mundo. No encerramento, cerca de 200mil cooperativas das Américas assinarama Declaração de Guadalajara, firmando ocompromisso do setor de trabalhar para asuperação das crises mundiais.Outubro/ novembro – o Sistema OCBparticipou em Manchester, na Inglaterra,da feira internacional do cooperativismo –ICA Expo 2012 – , promovida pela AliançaCooperativa Internacional. Ao divulgarprodutos de cooperativas de todo omundo, a feira visou ao estreitamento delaços comerciais entre os cooperados,abrindo oportunidades de negócios. Oevento marcou, também, o encerramentodas comemorações do Ano Internacionaldas Cooperativas.


Cooperativas geramriqueza e aumentam afelicidade das pessoasQuem se associa a uma cooperativa fica mais forte paraconquistar o mercado e tem melhores expectativas derenda. Ao gerar riqueza para a sociedade, as cooperativasmelhoram a qualidade de vida das pessoas e geram obem mais precioso que existe: felicidade.


66Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃOEIXO 2FortalecimentoInstitucionalO que visa:Fortalecer o trabalho da OCBem todo o país, consolidandoa entidade como referêncianacional e internacional noassunto cooperativismo. Talfortalecimento se dá com basena excelência dos trabalhosrealizados, na qualidade dasalianças no atendimento aocooperado e na seleção doseventos do quais a OCB participa.A meta é tornar a Organizaçãoreconhecida como uma entidadede excelência que representaos seus cooperados de formatransparente e coerente,promovendo a sustentabilidadedo cooperativismo nacional.Objetivos estratégicos:• Preservar e aprimorar aidentidade, a imagem ea integridade do sistemacooperativo• Ampliar e fortalecer arepresentatividade e acapacidade de agregação deinteresses cooperativos• Aprimorar a governançae a gestão do sistemacooperativistaO QUE A OCB FEZPARA ATINGIR ESSESOBJETIVOS?O cooperativismo tem orespaldo não só da Organizaçãodas Nações Unidas (ONU) –que declarou 2012 como AnoInternacional das Cooperativas– como também do governobrasileiro. Na mensagemenviada ao Congresso noinício das atividades de 2013, apresidente Dilma Rousseff nãose esqueceu de mencionar ocooperativismo como parteintegrante das políticas voltadaspara a geração de empregos, a


67relatório anual ocb 2012distribuição de renda, a reduçãoda pobreza e o combate afome. Ao reconhecer a força docooperativismo, o governo vaiao encontro da missão das 6.587cooperativas brasileiras, em seupapel de inclusão social e dedesenvolvimento econômico.Para nós da OCB, o cenário ébastante positivo. Novas frentesde interlocução do Sistema como governo se abrem. Surgemtambém novas oportunidadesde consolidarmos o movimentocooperativista como alternativasocioeconômica sustentável.Aproveitando o apoio do governo,temos como meta ampliar oreconhecimento da populaçãobrasileira sobre a importânciaeconômica e social dascooperativas. Queremos mostrarque o alimento que chega às casase que os serviços de crédito oude transporte podem vir de umacooperativa, com maior retornopara a sociedade.Da mesma maneira, temoscomo exemplo o atendimentoprestado por um profissional desaúde, por uma operadora deeletrificação rural, entre tantosoutros setores que abrangem ocooperativismo.Este reconhecimento temgerado frutos. Por exemplo, norelacionamento com o BancoCentral e com os ministériosda Agricultura, Pecuáriae Abastecimento (MAPA),Desenvolvimento Agrário (MDA)e Meio Ambiente (MMA); enos acordos de cooperação enas parcerias realizadas com aAgência Brasileira de Promoçãode Exportações e Investimentos(Apex-Brasil) e com a EmpresaBrasileira de PesquisaAgropecuária (Embrapa).Esse trabalho, porém, não é deagora. O Sistema OCB atua hámais de 40 anos na promoçãodo setor perante as instituiçõespolíticas. O resultado sãoprodutos e serviços quegarantem a credibilidade doSistema OCB em longo prazo,tendo em vista sua reputaçãoperante autoridades nacionais eformadores de opinião.É fundamental ainda dizerque todo esse trabalho érealizado em parceria com asOrganizações Estaduais (OCEs),que se orientam pelos mesmosprincípios e valores da entidadenacional, mas cada uma comsuas especificidades econômicas,sociais e culturais.


68Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃOPARTICIPAÇÃOEM FÓRUNS ECONSELHOSDisposta a fomentar ummaior conhecimento sobreo cooperativismo no Brasil, aequipe técnica da OCB participade conselhos, fóruns e espaçospúblicos de debates. Nessesmomentos, posicionamoso cooperativismo como ummovimento social sustentável,com elevada capacidade detransformação e crescimento.Dentre os fóruns dos quaisparticipamos, destacam-se ascâmaras setoriais e temáticasdo Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento(MAPA), que propõem, apoiame acompanham ações para odesenvolvimento das atividadesdas cadeias produtivas doagronegócio brasileiro.Foro de caráter consultivo,essas câmaras reúnemrepresentantes dos organismos,órgãos e entidades, públicas eprivadas, para tratar de grandestemas como infraestrutura,abastecimento e logística,cooperativismo e associativismo,financiamento, seguro e créditorural, dentre outros.Devido à importância docooperativismo agropecuário parao desenvolvimento da produçãoagrícola brasileira, por meio daPortaria de 28 de novembro de2012, o MAPA instituiu a CâmaraTemática de CooperativismoAgropecuário, designandoo presidente da OCB, MárcioLopes de Freitas, para presidiro colegiado por um mandatode dois anos. Além da OCB,ministérios, a CNA, o Sicoob,o Sebrae, a Unicafes e a Unisoltambém fazem parte da Câmara.A OCB também participade fóruns em outros órgãosgovernamentais, como noMinistério da Fazenda, debatendoa contribuição previdenciáriado produtor rural; no Ministériodo Desenvolvimento, Indústriae Comércio Exterior, em temasrelacionados à exportação e àsmicro e pequenas empresas; noMinistério do Trabalho e Emprego,discutindoquestões de relações do trabalho;dentre outros.Em 2012, o presidente da OCBtambém participou das reuniõesdo Conselho de DesenvolvimentoEconômico e Social (CDES), quecontam com a participação dapresidenta da República, DilmaRousseff. Durante o encontro,


69relatório anual ocb 2012debatem-se perspectivas para odesenvolvimento da economiabrasileira, por meio de propostasde políticas públicas e de reformasestruturais, com vistas à articulaçãodas relações de governo comrepresentantes da sociedade.No acumulado do ano,representantes do Sistema OCBparticiparam de 21 câmarassetoriais e 7 câmaras temáticas.COMUNICAÇÃOESTRATÉGICASeguindo o novo modelo degovernança adotado em 2012, oSistema OCB trabalha com açõesde comunicação sistêmicas,respeitando as particularidadesdas suas três entidades – OCB,Sescoop e CNCoop. Assim,atuamos constantementecom o objetivo de divulgar oimportante papel desempenhadopelo cooperativismo no paíse as estratégias adotadas pornossa equipe técnica, sempreno sentido de potencializar odesenvolvimento do setor. Aintenção é fortalecer a imagem domovimento junto a importantesstakeholders, como a sociedade,o governo, os representantespolíticos e formadores de opinião.COMUNICAÇÃOEXTERNA1.117reportagens publicadas nosprincipais jornais do paíscom informações oficiais ouentrevistas com porta-vozes doSistema OCB48entrevistas concedidaspor porta-vozes da OCBno ano de 201250%das reportagens publicadassobre o SIstema OCB em2012 mencionaram o AnoInternacional das Cooperativas


70Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃOCOMUNICAÇÃOINTERNA550notícias sobre cooperativismopublicadas no portal BrasilCooperativo4edições da revista SaberCooperar, produzidaspelo Sescoop56reportagens produzidasdivulgando atividades em 20estadosNo Ano Internacional dasCooperativas, esse processoganhou ainda mais força.Para dar publicidade àhomenagem das NaçõesUnidas e, consequentemente,aos diferenciais e benefíciosda cooperação, buscamos,por exemplo, sensibilizar aimprensa brasileira. A metatraçada foi atingida e promoveua disseminação dos princípios evalores dessa filosofia e práticade vida chamada cooperativismo.Fomos destaque em 1.117matérias publicadas nos principaisveículos de comunicação dopaís. Destas, para se ter ideia,praticamente 48% faziamreferência direta às comemoraçõesdo Ano 2012.Notícias sobre o cooperativismotambém foram divulgadasintensivamente em nossosveículos de comunicação, assimcomo as atividades promovidaspelo Sistema OCB na defesa dasbandeiras do setor. No total,contabilizamos mais de 550matérias, publicadas no Portal BrasilCooperativo e replicadas em 269edições de uma newsletter diária.Simultaneamente, ressaltamosa relevância do movimento narevista Saber Cooperar nas quatroedições da publicação.


71relatório anual ocb 2012EIXO 3ServiçosO que visa:Contribuir com a comunidadecooperativista brasileira a partirda produção e divulgação deconhecimentos e boas práticas,além da formação de líderes.Objetivos estratégicos:• Produzir e disseminarconhecimentos dealta relevância para ocooperativismo brasileiro• Identificar e disseminarsoluções compartilhadas eboas práticas• Preparar e desenvolverlideranças do sistemacooperativo• Assegurar a ofertaadequada de formaçãogerencial e profissional àsOCEs, cooperativas e seuscooperadosPreocupada com a relação comos cooperados, a OCB publicou,em 2012, cartilhas educativas emanteve abertos os canais decomunicação com a sociedade.O objetivo aqui é contribuir coma comunidade cooperativistabrasileira a partir da produção e dadivulgação de conhecimentos.As publicações de 2012 visaramprincipalmente a orientar oscooperados acerca dos detalhesdos processos político e eleitoralbrasileiros. A OCB tem convicçãode que a escolha certa derepresentantes políticos faz toda adiferença para o setor.Conheça as principais publicações eos canais de comunicação de 2012:• Cartilha Cooperativismo eEleições 2012: desenvolvidapara orientar as cooperativasno processo de participaçãonas eleições municipais doexercício, de forma legal edemocrática. Foram impressos10 mil exemplares, distribuídosa todas as cooperativas do paíse a suas organizações estaduais.


72Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃO• Tendências do Cenário PolíticoNacional: o documentoapresenta uma análiseda OCB sobre o cenáriopolítico nacional e sobreo funcionamento práticodo Parlamento, indicandooportunidades e desafiospara o setor cooperativistano Congresso Nacional e noâmbito executivo.• Nota Técnica sobre o novo ritode tramitação das medidasprovisórias: o estudo detalhaas recentes alterações natramitação de medidasprovisórias e explica como elaspodem interferir na atuaçãolegislativa do Sistema OCB.• Panorama das EleiçõesMunicipais 2012: a publicaçãotraça a participação dosparlamentares durante oprocesso eleitoral municipal,demonstrando o desempenhodos integrantes da FrenteParlamentar do Cooperativismo(Frencoop) nas candidaturas.De acordo com o estudo, coma eleição de 25 deputados parao cargo de prefeito, a Câmaraapresentou alteração de apenas4,8% de suas 513 cadeira. Comonão houve disputa de vagaspara o Senado, a composição daCasa continuou inalterada.• Blog OCB no Congresso:Trata-se de um instrumentode interação com o públicoalvoda OCB, com informaçõesrápidas e atualizadas arespeito do andamentodos trabalhos legislativos. Oobjetivo é facilitar o acessoaos produtos e às publicaçõesproduzidas pela Gerência deRelações Institucionais. Em2012, houve 198 postagense aproximadamente 24 milvisualizações da página.INVESTINDONO FUTUROOs esforços da OCB para inserir equalificar jovens para o movimentosão muitos. O sistema cooperativistabrasileiro desenvolve açõesespecíficas para esse grupo. OCooperjovem, por exemplo,estimula a prática da cooperaçãonas escolas.Apoio à saúdeEm 2012, o Sistema OCB atuouintensamente na criação de umcanal de comunicação diretocom a Agência Nacional de SaúdeSuplementar (ANS) e está em


73relatório anual ocb 2012vias de formatar um acordo decooperação técnica para melhoraro entendimento da agência quantoao modelo cooperativista na área desaúde. Diferentemente dos gruposfinanceiros que atuam na saúdeprivada, as cooperativas operadorasde planos de saúde prezam peladisponibilização adequada dotrabalho dos profissionais desaúde – como médicos e dentistas– sem atuar dentro da lógicatradicional do mercado.O desenvolvimento docooperativismo de saúde é um dosnortes do trabalho do Sistema OCBe, por isso, ao longo do último ano,apoiamos diversos projetos dascooperativas, com destaque para asconvenções nacionais, encontros eintercâmbios internacionais. Existe,ainda, um projeto nacional decapacitação para o ramo saúde.Também realizamos,internamente, encontros comas cooperativas da saúde paradebater assuntos prioritários,como a adequada tributação doato cooperativo. Em um desseseventos, os Sistemas Unimed ea OCB fecharam entendimentosobre o texto do PLP 271/2005– que trata do ato cooperativo –para aperfeiçoar o entendimentodo setor sobre a matéria.Eixo 4Organizaçãoe GestãoO que visa:Assegurar a oferta adequada de formação gerencial eprofissional às organizações estaduais (OCEs), cooperativase seus cooperativados.Objetivos estratégicos:• Ampliar a atuação em redes (internas e externas)• Atrair, desenvolver e reter profissionais nascompetências críticas para os objetivos e desafiosestratégicos da organização• Ampliar e diversificar as fontes de recursos• Modernizar, profissionalizar e agilizar a gestãoO QUE A OCB FEZ EM 2012PARA ATINGIR ESSES OBJETIVOS?A OCB sabe que o capital humano constitui ariqueza de qualquer negócio. Por isso, tem entresuas metas a formação gerencial e profissional deseus quadros de pessoal. Um dos objetivos é atraire reter os bons profissionais. Ao mesmo tempo,o sistema se moderniza e amplia sua atuação,profissionalizando a gestão.


74Resultados EstratégicosFOCOS DE ATUAÇÃOEncerramos o ano de 2012 comuma força de trabalho compostapor 62 colaboradores, sendo46 efetivos, 2 estagiários e 14terceirizados. O quadro funcional écomposto por dois executivos (umpresidente e um superintendente),um gerente geral, sete gestores/assessores, 24 analistas, onzetécnicos, e um auxiliar. Do totalde colaboradores, 50% (24) sãodo sexo feminino e 50% (24) dosexo masculino. Os colaboradoresterceirizados somaram 14, sendoonze contratados para serviçosgerais, dois jovens aprendizes e umcontrato de pessoa jurídica (ProjetoApex).Quadro funcional da OCBColaboradoresQuantitativoEfetivos 46foi de 1,18%, percentual considerado dentro dos parâmetrosadotados pelas organizações para renovarem e oxigenarem asua força de trabalho.Atualmente, 75% dos colaboradores da OCB têm cursosuperior completo. Destes, 6% concluíram o mestrado e 19%têm cursos de especialização.PROMOÇÕES E TREINAMENTOSA Casa do Cooperativismo estimula o crescimento de seusprofissionais e tem uma cultura interna de valorização detalentos. Sempre que uma vaga é aberta, busca-se identificardentro do quadro funcional pessoas com espírito de liderançae competências adequadas ao preenchimento do cargo. Noúltimo exercício, dois colaboradores foram promovidos acargos estratégicos e, hoje, ocupam as funções de gerentede relações institucionais e gerente geral.A empresa também investe significativamente naqualificação de seus funcionários. Ao longo do últimoexercício, foram realizadas 64 ações de capacitação quebeneficiaram quase 100% do quadro funcional ao longoEstagiários 2Terceirizados 14Total 62Ao longo do exercício, tivemosseis desligamentos, sendo um apedido do colaborador, um porfalecimento e quatro por demissãosem justa causa. A movimentaçãomédia anual de pessoal (turnover)Percentual de colaboradores por escolaridade 2012Ensino SuperiorEnsino MédioEspecializaçãoMestradoEstágiário21%19%6%4%50%


75relatório anual ocb 2012do ano. Como um mesmo colaborador costumaparticipar de diversas capacitações, contabilizamosum total de 1.103 participações em evento , comcarga horária total de 667,5 horas. Todas essas açõesforam realizadas em parcerias com o Sescoop,entidade do Sistema OCB e responsável pelaformação profissional de seus integrantes.Tipo de Evento Carga Horária Número deParticipantesTécnico 220,5 20Gerencial 38 27Cooperativista 30,5 603IntercâmbioInternacional162 5EducaçãoContinuadaEncontros dealinhamentoGraduação 3Especialização 7216,5 437Total 667,5 1.103QUALIDADE DE VIDAUm ambiente de trabalho saudável, atrativoe motivador impulsiona a produtividadeorganizacional e aumenta o nível de satisfaçãode seus colaboradores. Por isso, a OCB investeconstantemente na valorização e na melhoria daqualidade de vida do seu quadro de pessoal.Além de terem direito a plano de saúde, planoodontológico e seguro de vida, nossos colaboradoresagora contam com a proteção da UTI Vida, serviçode assistência emergencial à domicílio, disponível24 horas por dia, sete diaspor semana. A instituiçãotambém contratou serviçosde medicina e segurança dotrabalho. Por fim, no segundosemestre, instalou um postode enfermagem na sede daunidade nacional, para melhoratender seus colaboradores.Disposto a estimular seusfuncionários a adotaremhábitos mais saudáveis,durante o ano de 2012 aOCB investiu nas seguintesações: “Corrida de Rua”,evento realizado em parceriacom a Unimed Seguros;Aquecimento Cooperjogos,no 12º Cooperjogos;solenidade de escolha doMister e Miss Cooperativismo,em comemoração aoDia Internacional doCooperativismo e aparticipação de colaboradoresna Maratona de RevezamentoPão de Açúcar.Dentre as atividades quecontribuem para a melhoria doclima organizacional, destacamseas comemorações de datasespeciais, aniversários e oseventos de integração realizadosno fim do ano, no dia dascrianças e nas festas juninas.


ResultadosFinanceiros


O sétimo princípio docooperativismo – interesse pelacomunidade – defende que ascooperativas devem trabalharpelo crescimento da regiãoonde está localizada. Essecompromisso com as pessoase com a responsabilidadesocioambiental é parte do DNAdas quase sete mil cooperativasvinculadas ao Sistema OCB.


Cooperativas constroem ummundo socialmente responsável


80Resultados FinanceirosDEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISBALANÇO PATRIMONIALAtivo31/12/2012 31/12/2011CIRCULANTE 11.639.519,40 11.145.061,54Disponível 11.157.752,59 8.512.509,65Caixa 48.612,99 38.477,45Bancos Conta Movimento 51.307,78 78.370,39Aplicação Financeira 11.057.831,82 8.395.661,81Outros Créditos 464.521,22 2.616.836,73Contribuição Cooperativista a Receber 182.275,45 160.726,42Contribuição Cooperativista a Receber – Parcelamento – 35.200,08( – ) Provisão para Crédito de Liquidação Duvidosa – Parcelamento – (35.200,08)Créditos Diversos 282.245,77 2.456.110,31Almoxarifado 17.245,59 15.715,16NÃO CIRCULANTE 20.263.108,11 19.908.455,92INVESTIMENTOS 37.909,86 21.600,00Participação Societária 37.909,86 21.600,00ATIVO IMOBILIZADO 19.715.270,83 19.331.844,12Imóveis (Terreno e Edificações) 6.523.218,52 5.473.218,52Terreno – Custo Atribuído 3.027.533,92 3.027.533,92Edificações – Custo Atribuído 12.011.145,38 12.011.145,38Obras em Andamento 45.000,00 –Bens Móveis 1.787.775,54 1.705.828,55( – ) Provisão para Perdas com Desvalorização de Ativo (5.495,02) (5.495,02)( – ) Depreciação Acumulada (3.673.907,51) (2.880.387,23)INTANGÍVEL 509.927,42 555.011,80Marcas e Patentes 164.946,71 159.214,48Software 620.407,51 573.407,51Desenvolvimento de Marca 23.360,00 23.360,00( – ) Amortização Acumulada (298.786,80) (200.970,19)TOTAL DO ATIVO 31.902.627,51 31.053.517,46As Notas Explicativas são partes integrantes das Demonstrações Contábeis


81relatório anual ocb 2012Passivo31/12/2012 31/12/2011CIRCULANTE 1.273.131,10 916.813,99Fornecedores 131.733,23 231.683,71Convênio DGRV 18.450,38 –Convênio APEX 450.803,82 –Obrigações Tributárias/Contribuições 347.275,51 384.576,04Provisões para Férias e Encargos Sociais 321.602,52 298.939,24Outras Obrigações 3.265,64 1.615,00PATRIMÔNIO LÍQUIDO 30.629.496,41 30.136.703,47Patrimônio Social Acumulado 16.551.709,41 15.578.470,17Patrimônio Social 15.574.553,39 13.280.091,60Superavit/Déficit do Exercício Corrente 977.156,02 2.298.378,57Ajuste de Avaliação Patrimonial 14.077.787,00 14.558.233,30TOTAL DO PASSIVO 31.902.627,51 31.053.517,46As Notas Explicativas são partes integrantes das Demonstrações Contábeis


82Resultados FinanceirosDEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISDEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIODESCRIÇÃO 31/12/2012 31/12/2011RECEITAS OPERACIONAIS 20.643.384,46 17.872.317,81Contribuições Cooperativistas 16.674.006,42 14.437.587,99Contribuições do Sescoop 3.820.240,35 3.239.008,92Taxa de Credenciamento de Auditores 9.330,00 4.900,00Recuperação de Despesas 49.662,75 –Reversão de Provisões 35.200,08 23.687,60Patrocínio e Apoio – Receitas 9.800,00 –Outras Receitas Operacionais 45.144,86 167.133,30DESPESAS OPERACIONAIS (17.461.320,28) (15.282.035,82)Pessoal (7.863.692,00) (7.643.589,76)Administrativas (6.203.753,71) (5.530.336,56)Tributárias (315.178,69) (219.209,69)Contribuições/Doações Diversas (215.733,78) (130.861,73)Apoio e Patrocínio – Despesas (2.862.962,10) (1.758.038,08)RECEITA/DESPESAS FINANCEIRAS (2.204.908,16) (1.852.746,23)Receitas Financeiras 1.132.213,89 1.035.955,60Despesas Financeiras (1.462,09) (1.807,84)Despesas c/Arrecadação da Contribuição Cooperativista (3.335.659,96) (2.886.893,99)OUTRAS RECEITAS E DESPESAS – 1.560.842,81Receita de Alienação de Investimento – 3.106.323,95Custo de Alienação de Investimento – (3.090.963,14)Reversão de Provisão de Investimento – 1.545.482,00RESULTADO OPERACIONAL LIQUIDO 977.156,02 2.298.378,57SUPERÁVIT OU DEFICIT DO EXERCÍCIO 977.156,02 2.298.378,57As Notas Explicativas são partes integrantes das Demonstrações Contábeis


83relatório anual ocb 2012DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDODescrição Patrimônio Social Resultado doExercícioSaldo em 31/12/2011 30.136.703,47 – 30.136.703,47Ajuste de Exercícios Anteriores (3.916,78) (3.916,78)Ajuste de Avaliação Patrimonial no Exercício (480.446,30) (480.446,30)Resultado Apurado em 31/12/2012 – 977.156,02 977.156,02Superávit do Exercício Corrente 977.156,02 (977.156,02) –Saldo em 31/12/2012 30.629.496,41 0,00 30.629.496,41As Notas Explicativas são partes integrantes das Demonstrações ContábeisTotalDEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO ATIVO:INVESTIMENTOS/IMOBILIZADO E INTANGÍVELDiscriminação 31/12/2011Aquisições/ CustoAtribuído ouDepreciaçõesBaixas/Ajustes 31/12/2012InvestimentosParticipação Societária no SicoobJudiciário21.600,00 16.309,86 _ 37.909,86Total 21.600,00 16.309,86 – 37.909,86ImobilizadoTerreno 842.700,00 – – 842.700,00Terreno – Custo Atribuído 3.027.533,92 – – 3.027.533,92Edificações 4.630.518,52 1.050.000,00 – 5.680.518,52Edificações – Custo Atribuído 12.011.145,38 – – 12.011.145,38Obras em Andamento – 45.000,00 – 45.000,00Máquinas e Equipamentos 186.198,05 9.927,40 – 196.125,45Móveis e Utensílios 704.116,51 9.640,49 (249,90) 713.507,10Veículos 88.900,00 – – 88.900,00


84Resultados FinanceirosDEMONSTRAÇÕES CONTÁBEISDiscriminação 31/12/2011Aquisições/ CustoAtribuído ouDepreciaçõesBaixas/Ajustes 31/12/2012Sistema de Comunicação 41.654,07 1.999,00 – 43.653,07Provisão P/Perda c/Desval. S.Comunicação(5.495,02) – – (5.495,02)Equipamentos de Informática 564.690,06 60.630,00 – 625.320,06Biblioteca 117.404,89 – – 117.404,89Pinacoteca 2.864,97 – – 2.864,97Total 22.212.231,35 1.177.196,89 (249,90) 23.389.178,34Depreciação AcumuladaImóveis/Edificações 1.718.664,46 668.602,12 – 2.387.266,58Máquinas e Equipamentos 134.755,24 9.086,05 – 143.841,29Móveis e Utensílios 575.619,38 29.174,56 – 604.793,94Veículos 40.005,09 17.780,04 – 57.785,13Sistema de Comunicação 12.264,82 3.987,96 – 16.252,78Equipamentos de Informática 375.382,35 64.753,11 – 440.135,46Biblioteca 23.695,89 136,44 – 23.832,33Total 2.880.387,23 793.520,28 – 3.673.907,51Total do Imobilizado Líquido 19.331.844,12 383.676,61 (249,90) 19.715.270,83IntangívelMarcas e Patentes 159.214,48 5.732,23 – 164.946,71Sofwares/Sistemas 573.407,51 47.000,00 – 620.407,51Desenvolvimento de Marca 23.360,00 – – 23.360,00Total 755.981,99 52.732,23 – 808.714,22Amortização 200.970,19 97.816,61 – 298.786,80Total 200.970,19 97.816,61 – 298.786,80Total do Intangível Líquido 555.011,80 (45.084,38) – 509.927,42Total Geral Líquido 19.908.455,92 354.902,09 (249,90) 20.263.108,11As Notas Explicativas são partes integrantes das Demonstrações Contábeis


85relatório anual ocb 2012DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXADESCRIÇÃO 2012 2011Resultado Líquido 977.156,02 2.298.378,57Ajustes ao Resultado Líquido:(+) Depreciação do Exercício 313.073,98 320.275,82(+) Amortização 97.816,61 76.540,60( +/- ) Ajuste ref. Baixas: Imobilizado, Investimento e Ajuste PatrimônioSocial(3.916,78) –Resultado Líquido Ajustado 1.384.129,83 2.695.194,99Fluxo de Caixa do Ativo e Passivo Operacional (circulantes) –Contribuição Cooperativista a Receber (21.549,03) (19.018,44)Contribuição Cooperativista a Receber Parcelamento (35.200,08) (2.173,75)Provisão Para CLD – Parcelamento 35.200,08 2.173,75Credito Diversos 2.173.864,54 (2.263.271,44)Almoxarifado (1.530,43) (15.715,16)Fornecedores (99.950,48) 48.296,35Convênio DGRV 18.450,38 (1.117,79)Convênio APEX 450.803,82 –Obrigações Tributárias/Contribuições (37.300,53) 6.867,77Provisão Férias e Encargos Sociais 22.663,28 8.212,09Credores Diversos 2.258,64 690,00Outras Obrigações (608,00) 847,02Caixa Liquido das Atividades Operacionais 2.507.102,19 (2.234.209,60)Fluxo de Caixa das Atividades de InvestimentoVariação de Participação Societária (16.309,86) 1.543.081,14Variação de Imobilizado (1.176.946,99) (84.074,12)Variaçao de Intangível (52.732,23) (254.667,35)Caixa Líquido nas Atividades de Investimento (1.245.989,08) 1.204.339,67Aumento Líquido ao Caixa e Equivalente de Caixa 2.645.242,94 1.665.325,06Caixa e Equivalente de Caixa no Fim do Período 11.157.752,59 8.512.509,65Caixa e Equivalente de Caixa no Início do Período 8.512.509,65 6.847.184,59Variação das Contas Caixa/Bancos/Equivalente de Caixa 2.645.242,94 1.665.325,06As Notas Explicativas são partes integrantes das Demonstrações Contábeis


86Resultados FinanceirosNotas ExplicativasDEMONSTRAÇÕESCONTÁBEISLEVANTADAS EM 31 DEDEZEMBRO DE 2012NOTAS EXPLICATIVASÀS DEMONSTRAÇÕESCONTÁBEIS1. Contexto OperacionalA Organização das CooperativasBrasileiras – OCB com sede nacidade de Brasília-DF, é o órgão derepresentação, controle, registroe cadastramento do SistemaCooperativista Brasileiro.2. Apresentação dasDemonstrações Contábeis:As Demonstrações Contábeisforam elaboradas com observânciaaos princípios de contabilidadeadotados no Brasil e adaptadas àsatividades da Organização.3. Principais Práticas Contábeisa) Ativo e Passivo Circulantes• O ativo e passivo circulantesestão compostos por valoresvencíveis no prazo de 360 dias.b) Depreciação e Amortização• As depreciações doimobilizado foram calculadaspelo método linear,observando-se as taxasestabelecidas em função dotempo de vida útil fixado porespécie de bens, perfazendoo montante de R$ 313.073,98,contabilizada como DespesaOperacional do Exercício. AAmortização do Intangível foide R$ 97.816,61.c) Valor Recuperável (ImpairmentTest) dos Ativos Imobilizados• Em consonância com asNormas, Interpretações eComunicados Técnicos deforma convergente com asNormas Internacionais deContabilidade e a promoçãode uso dessas normas nasdemonstrações contábeispara fins gerais no Brasil,e adaptando-as à OCB noque lhe diz respeito, à luzdo que determina a NBC T19.41 Contabilidade paraPequenas e Médias Empresas,Seção 27 Redução do ValorRecuperável para Ativo emseu item 27.7 Indicadoresde desvalorização que diz“Se não existir indicaçãode desvalorização, nãoé necessário estimar ovalor recuperável” e combase nas informaçõesgeradas pela Gerência deLogística – Gelog, de nãohaver indicação de que osativos fixos (imobilizado eintangível) apresentassemperda de representatividadeeconômica, estacontabilidade manterá osmesmos parâmetros para osvalores dos bens do grupodo imobilizado e intangívele respectivos métodos para


87relatório anual ocb 2012depreciação e amortizaçãodestes, contudo recomendasepara o final do anoseguinte o procedimento dese testar e avaliar a reduçãodo valor recuperável do ativofixo, salvo se não houvernecessidade.d) Apuração do Resultado• É adotado o regime decompetência para registro dasreceitas e despesas.4. CréditosDestaca-se no Ativo Circulante aconta Outros Créditos no montantede R$ 464.521,22, nesta abarca-se ocrédito sob o título de:• Contribuição Cooperativistaa Receber, com saldo final deR$ 182.275,45, correspondea 39,2394%, representaos valores arrecadados deContribuição Cooperativistaque serão repassados a OCB apartir de janeiro de 2013.• Credito Diversos no montantede R$ 282.245,77, correspondea 60,7606%, onde a maiorparcela é representadapelos contratos de mútuosconcedidos às UnidadesOCB-TO, OCEMA e OCERJ nomontante de R$ 278.063,93.5. Informação de ObrigaçõesO montante do Passivo Circulantena ordem de R$ 1.273.131,10destacam-se as seguintes contas:• Fornecedores na ordem deR$ 131.733,23, corresponde a10,3472%, com vencimentoem 2013.• Convênio Apex com saldo finalde R$ 450.803,82, correspondea 35,4091% destinado acontrolar a execução doProjeto Setorial OCB 2012-2014, conforme Convêniode Cooperação Técnica eFinanceira nº 23-13/2012firmado entre OCB e APEX(Agência de Promoção deExportações do Brasil).• Convênio DGRV com saldo finalde R$ 18.450,38 corresponde a1,4492%, destinado a controlara execução da realização doTermo de Cooperação Técnicae Financeira processo nº32/2011 entre OCB e DGRV(Confederação Alemã dasCooperativas).• Obrigações Tributárias/Contribuições no montantede R$ 347.275,51,corresponde a 27,2773%, ecompõem-se das seguintesrubricas a vencer em 2013:


88Resultados FinanceirosNotas ExplicativasConta Valores em R$Encargos e Impostos sobre terceiros 14.940,74Encargos, Consignações e Impostos sobre folha de pagamento 332.334,77• Provisão de férias e encargos sociais no montante de R$ 321.602,52,corresponde a 25,2608%.• Outras obrigações na ordem de R$ 3.265,64 correspondente a 0,2565%referente a Contribuição Cooperativista à Repassar OCEMA, Taxa deInscrição Cooperativista – OCEMA e UTI Vida – Empregados OCB.6. Patrimônio Sociala) Foi procedida a baixa na conta Ajuste de Avaliação PatrimonialEdificações no montante de R$ 480.446,30 referente ao exercício de2012, pela realização através da depreciação do bem avaliado.b) Resultado do ExercícioO resultado do exercício foi apropriado na conta Superávit do ExercícioCorrente à disposição da Assembleia.Márcio Lopes de FreitasPresidenteCPF: 046.067.008-58Renato NobileSuperintendenteCPF: 057.178.698-78Jonny Sousa BritoContadorCRC/MG 053494/O-1 T-DFCPF: 385.309.701-44


elatório anual ocb 201289


90Resultados Financeiros


elatório anual ocb 201291


Cooperativas constroem ummundo com mais trabalho e renda


Além de recursos financeiros, as cooperativas movimentam recursoshumanos. Lideranças locais ganham destaque e populações delocalidades específicas são empregadas em número significativo.Além disso, no cooperativismo, os jovens encontram um vastoleque de atividades onde podem encontrar seu lugar.


94Anexonossos contatosOrganização das Cooperativas Brasileiras – OCBSetor de Autarquias Sul, Quadra 04, Bloco I70070-936 – Brasília-DFTel.: (61) 3217-2100Fax: (61) 3217-2121Homepage: www.brasilcooperativo.coop.brE-mail: ocb@ocb.coop.brRegião Centro-OesteSindicato e Organização das Cooperativas do Distrito Federal – OCDFEQS 102/103, Bloco A, Sobreloja 200 – Centro Empresarial São Francisco70330-400 – Brasília-DFTel.: (61) 3345-3036Fax: (61) 3245-3121Homepage: www.dfcooperativo.coop.brE-mail: ocdf@ocdf.org.brSindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado deGoiás – OCB/GOAv. H com rua 14, nº 550, Qd. C9, Lt. 09 – Jardim Goiás74810-070 – Goiânia-GOTel (62) 3240-2600Fax.: (62) 3240-2602Homepage: www.ocbgo.org.brE-mail: ocbgo@ocbgo.org.brSindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado deMato Grosso – OCB/MTRua 2, Quadra 4, Lote 3, Setor A, Centro Político Administrativo (CPA)78049-050 – Cuiabá-MTTel.: (65) 3648-2400Fax: (65) 3648-2306Homepage: www.ocbmt.coop.brE-mail: secretaria@ocbmt.coop.br


95relatório anual ocb 2012Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Mato Grossodo Sul – OCB/MSRua Ceará, 2245 – Vila Célia79022-390 – Campo Grande-MSTel.: (67) 3389-0200Fax: (67) 3389-0210Homepage: www.ocbms.org.brE-mail: ocbms@ocbms.org.brRegião NorteOrganização das Cooperativas Brasileiras no Estado do Acre – OCB/ACRua Coronel Alexandrino, 580, 1º andar – Bairro Bosque69909-730 – Rio Branco-ACTel.: (68) 3223-8189 / 3224-9151Fax: (68) 3223-7697E-mail: sescoop.ac@globo.comSindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Amapá – OCB/APRua Jovino de Noá, 1770, 3º andar68900-075 – Macapá-APTel/Fax: (96) 3223-0110Homepage: www.sescoop-ap.coop.brE-mail: ocb@sescoop-ap.coop.brSindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Amazonas –OCB/AMAvenida Japurá, 241 – Centro69025-020 – Manaus-AMTel/Fax: (92) 3611-2226 / 3631-8518Homepage: www.ocbam.coop.brE-mail: secretariaam@ocbam.coop.brSindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Pará – OCB/PATv. Humaitá nº 2778, próximo à Av. João Paulo II, no bairro do Marco66093-047– Belém-PATel.: (91) 3226-5280Fax: (91) 3226-5014Homepage: www.paracooperativo.coop.brE-mail: secretaria@paracooperativo.coop.br


96Anexonossos contatosSindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado deRondônia – OCB/RORua Quintino Bocaíuva, 1671 – São Cristóvão76804-076 – Porto Velho-ROTel/Fax: (69) 3229-2866Homepage: www.ocb-ro.org.brE-mail: sistemaocb@ocb-ro.org.brSindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado deRoraima – OCB/RRAvenida Major Williams, 1018 – São Francisco69301-110 – Boa Vista-RRTel.: (95) 3623-2912/ 3623-2312Fax: (95) 3623-0978E-mail: ocbroraima@yahoo.com.brSindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado doTocantins – OCB/TOAvenida JK, 110 Norte, Lote 1177006-130 – Palmas-TOTel/Fax: (63) 3215-3291Homepage: www.ocbto.coop.brE-mail: secretaria@ocbto.coop.brRegião NordesteSindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Alagoas –OCB/ALAvenida Governador Lamenha Filho, 1880 – Feitosa57043-600 – Maceió-ALTel.: (82) 2122-9494Fax: (82) 2122-9464Homepage: www.ocb-al.coop.brE-mail: secretaria@ocb-al.coop.brSindicato E Organização das Cooperativas do Estado da Bahia – OcebRua Boulevard Suísso, 129, Nazaré40050-330 – Salvador -BATel/Fax.: (71) 3321-1769 / 3321-9118Homepage: www.bahiacooperativo.coop.brE-mail: oceb@svn.com.br


97relatório anual ocb 2012Sindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado doCeará OCB/CERua Ildefonso Albano, 1585 – Aldeota60115-000 – Fortaleza-CETel (85) 3535-3650Fax: (85) 3535-3666Homepage: www.ocbce.coop.brE-mail: ocbce@ocbce.coop.brSindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Maranhão –OcemaRua do Alecrim, 415 – Sala 31065010-040 – São Luís-MATel/Fax: (98) 3221-3292Homepage: www.ocema.com.brE-mail: marlon.aguiar@ocb.coop.brSindicato e Organização das Cooperativas do Estado da Paraíba –OCB/PBAvenida Coremas, 498, Centro58013-430 – João Pessoa-PBTel/Fax: (83) 3222-3660Homepage: http://paraibacooperativo.wordpress.comE-mail: ocbpb@ocbpb.coop.brSindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras em Pernambuco– OCB/PERua Manuel Joaquim de Almeida, 165 – Iputinga50670-370 – Recife-PETel.: (81) 3032-8300Fax: (81) 3271-4142Homepage: www.pernambucocooperativo.coop.brE-mail: luiza.gomes@pernambucocooperativo.coop.brSindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Piauí –OcepiRua Alto Longá, S/N – Edifício Cidapi – Bairro Àgua Mineral64006-140 – Teresina-PITel.: (86) 3225-3034Email: ocepi@sescoop-pi.coop.br


98Anexonossos contatosSindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Rio Grande doNorte – OCB/RNAvenida Jerônimo Câmara, 2994 – Nazaré59060-300 – Natal-RNTel/Fax: (84) 3605-2531Homepage: www.sescooprn.coop.brE-mail: sescooprn@sescooprn.org.brSindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Sergipe – OceseRua Dr. Leonardo Leite (antiga Vila Cristina) 368, São José49015-000 – Aracaju-SETel: (79) 3259-6463/ 3259-1134Fax: (79) 3259-6434E-mail:ocese@sescoopse.org.brRegião SudesteSindicato e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado doEspírito Santo – OCB/ESAvenida Marechal Mascarenhas de Moraes, 2501 – Bento Ferreira29050-625 – Vitória-ESTel: (27) 2125-3200Fax: (27) 2125-3201Homepage: www.ocbes.coop.brE-mail: ocbes@ocbes.coop.brSindicato e Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais– OcemgRua Ceará, 771 – Funcionários30150-311 – Belo Horizonte-MGTel: (31) 3025-7118Fax: (31) 3025-7120Homepage: www.minasgerais.coop.brE-mail: ocemg@minasgerais.coop.brFederação e Organização das Cooperativas Brasileiras do Estado doRio de Janeiro – OCB/RJAvenida Presidente Vargas, 583, Sala 1.202 a 1.20520071-003 – Rio de Janeiro-RJTel/Fax: (21) 2232-0133Homepage: www.ocbrj.coop.brE-mail: ocbrj@ocbrj.coop.br


99relatório anual ocb 2012Organização das Cooperativas do Estado de São Paulo – OcespRua Treze de Maio, 1376 – Bela Vista01327-002 – São Paulo-SPTel.: (11) 3146-6200Fax: (11) 3146-6222Homepage: www.portaldocooperativismo.org.brE-mail: atendimento@ocesp.org.brRegião SulSindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná – OceparAvenida Cândido de Abreu, 501 – Centro Cívico80530-000 – Curitiba-PRTel.: (41) 3200-1105Fax: (41) 3200-1199Homepage: www.ocepar.org.brE-mail: ocepar@ocepar.org.brSindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Rio Grande doSul – OcergsRua Félix da Cunha, 12 – Bairro Floresta90570-000 – Porto Alegre-RSTel.: (51) 3323-0000Fax: (51) 3323-0026Homepage: www.ocergs.com.brE-mail: ocergs@ocergs.coop.brSindicato e Organização das Cooperativas do Estado de SantaCatarina – OcescAvenida Almirante Tamandaré, 633, Bairro Capoeiras88080-161 – Florianópolis-SCTel.: (48) 3878-8800Fax: (48) 3224-8815Homepage: www.ocesc.org.brE-mail: ocesc@ocesc.org.br


OCBOrganização dasCooperativas BrasileirasOCBOrganização dasCooperativas BrasileirasOCBOrganização dasCooperativas Brasileiraswww.brasilcooperativo.coop.br

More magazines by this user
Similar magazines