Revista Dental Press de Estética V olume 2 - Número 1 - Janeiro ...

dentalpress.com.br
  • No tags were found...

Revista Dental Press de Estética V olume 2 - Número 1 - Janeiro ...

ISSN 1807-2488EstéticaRevista Dental Press devolume 2 - número 1janeiro / fevereiro / março 2005Publicação oficial da Sociedade Brasileira de Odontologia EstéticaDENTAL PRESS INTERNATIONAL


EstéticaRevista Dental Press devolume 2- número 1janeiro / fevereiro / março 20052132597082105117SumárioAnálise instrumental da cor em Odontologia: considerações básicasCláudia Ângela Maziero Volpato, Luiz Narciso Baratieri, Sylvio Monteiro Jr.Transferência da topografia gengival da zona de pônticos ao modelomestre através do uso de restaurações provisóriasRicardo Mitrani Boyle, Luís Codina MarcetUtilização clínica dos princípios ortodônticos no dia-a-dia doconsultório odontológicoDickson Martins da Fonseca, Fábio Henrique de Sá Leitão Pinheiro, Simone Fujiwara deMedeiros, Keila Barreto Meira, Moema de Medeiros Gazzaneo CabralNovo conceito para retenção intra-radicular:Preparo endodôntico para pinos de fibraLeonardo MunizEstética em Ortodontia: Parte II. Diagramas de ReferênciasEstéticas Faciais (DREF)Carlos Alexandre Leopoldo Peersen da CâmaraResolução estética de severo diastema por suturaintermaxilar incompletamente fusionadaSanzio Marcelo Lopes Marques, José Carlos RomaniniFotografia e vídeo digital: a nova fronteira da OdontologiaJairo Pires de OliveiraSeções3 EditorialSidney Kina16 EntrevistaMário Fernando de Góes4753133Caso SelecionadoComo o olhar analítico da Odontologia Estética reconstrói um sorrisoMarcelo Moreira, Marcelo Kyrillos, Luis Eduardo Calicchio, Hélio Laudelino G. de Oliveira,Márcio J. A. de Oliveira, Adauto de Freitas Jr.Técnica LaboratorialPrimeiras experiências em Pilares “Ceramic-On®”sobreinjetados com Empress IIAugust BrugueraBiologia da EstéticaHá vida no esmalte: metabolismo e circulação própriaAlberto ConsolaroISSN 1807-2488R Dental Press Estét Maringá v. 2 n. 1 p. 1-136 jan./fev./mar. 2005


EDITOREDITORES ASSISTENTESPUBLISHERCONSULTORES CIENTÍFICOSCONSULTORES EM PRÓTESE DENTÁRIACONSULTOR DE TECNOLOGIACONSULTORES DE FOTOGRAFIASidney Kina - UEM / CESUMAR - PRRaquel Sano Suga Terada - UEM - PRRonaldo Hirata - UNICEMP - PROswaldo Scopin de Andrade - CES - SENAC - SPLaurindo Zanco Furquim - UEM - PRAlberto Consolaro - FOB - USP - SPAntônio Salazar Fonseca - APCD - SPCarlos Alexandre Leopoldo Peersen da Câmara - Clínica particular - Natal-RNCarlos Eduardo Francischone - FOB - USP - SPDavid A. Garber - Medical College of Georgia School of Dentistry - Atlanta - GeorgiaDickson Martins da Fonseca - Clínica Particular - Natal - RNDidier Dietschi - Geneva - SuíçaEduardo Passos Rocha - FOAr - UNESP - SPEuripedes Vedovato - APCD - SPEwerton Nocchi Conceição - UFRGS - RSGlauco Fioranelli Vieira - USP - SPJairo Pires de Oliveira - Clínica Particular - Ribeirão Preto - SPJoão Carlos Gomes - UEPG - PRJosé Arbex Filho - Clínica Particular - Belo Horizonte - MGJosé Roberto Moura Jr. - Clínica Particular - Taubaté- SPKatia Regina Hostilio Cervantes Dias - UERJ / UFRJ - RJLuiz Antônio Gaieski Pires - ULBRA - RSLuiz Fernando Pegoraro - FOB-USP - SPLuiz Narciso Baratieri - UFSC - SCMarcelo Fonseca Pereira - Clínica Particular - Rio de Janeiro - RJMarco Antônio Bottino - FOSJC - UNESP - SPMário Fernando de Góes - FOP - UNICAMP - SPMarly Kimie Sonohara - UEM - PRPaulo Kano - APCD - SPRenata Corrêa Pascotto - UEM - PRRicardo Mitrani - Cidade do México - MéxicoRodolfo Candia Alba Júnior - Clínica particular - SPSylvio Monteiro Junior - UFSC - SCWalter Gomes Miranda Jr. - USP - SPAugust Bruguera - Barcelona - EspanhaJosé Carlos Romanini - Londrina - PRLuiz Alves Ferreira - São Paulo - SPMarcos Celestrino - São Paulo - SPRolf Ankli - Belo Horizonte - MGVictor Hugo do Carmo - Cugy - SuíçaLivio Yoshinaga - Engenheiro e consultor técnico - SPAny de Fátima Fachin Mendes - Fotógrafa - PRDudu Medeiros - Fotógrafo - SPDados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)Revista Dental Press de Estética / Dental Press International. -- Vol. 1, n. 1 (out./nov./dez.)(2004) – . -- Maringá : Dental Press International, 2004-Trimestral.ISSN 1807-2488.1. Estética (Odontologia) – Periódicos I. Dental Press International. II. Título.CDD 21.ed. 617.643005Diretora Teresa R. D'Aurea Furquim - PRODUTOR E DESIGNER GRÁFICO Júnior Bianchi -ANALISTA DA INFORMAÇÃO Carlos Alexandre Venancio - Produção Gráfica e EletrônicaAnderson Luiz Marotti - Carlos Eduardo de Lima Saugo - Márcia Regina da Silva - MaykonPatrick de Oliveira Martins - Ronis Furquim Siqueira - Produção Gráfica e Eletrônica(SBOE) Elizabeth Salgado - JORNALISTA RESPONSÁVEL Ézio Coelho Ribeirete - Assistentede comunicação Andréa Miriam L. Siqueira - BANCO DE DADOS Ademir de Marchi - CléberAugusto Rafael - DEPARTAMENTO COMERCIAL Paulo Sérgio da Silva - Roseneide Martins Garcia- DEPARTAMENTO DE CURSOS E EVENTOS Gisele Nogueira de Oliveira - Roseneide Martins Garcia- BIBLIOTECA Marisa Helena Brito - Marlene Gonçalves Curty - Revisão Ronis Furquim Siqueira- DEPARTAMENTO FINANCEIRO Paulo Sérgio da Silva - CONSULTORA ADMINISTRATIVA EsterPacetti Dassa - SECRETÁRIA Priscila Maria Mecca Sartório - A Revista Dental Press de Estética(ISSN 1807-2488) é uma publicação trimestral (quatro edições por ano) da Dental Press EditoraLtda. Av. Euclides da Cunha, 1718 - Zona 5 - CEP 87015-180 -Maringá - Paraná - Brasil. Todasas matérias publicadas são de exclusiva responsabilidade de seus autores. As opiniões nelasmanifestadas não correspondem, necessariamente, às opiniões da Revista. Os serviços depropaganda são de responsabilidade dos anunciantes. Assinaturas: revestetica@dentalpress.com.br ou pelo fone/fax: (44) 262-2425.


Artigo InéditoAnálise instrumental da cor emOdontologia: considerações básicasCláudia Ângela Maziero Volpato*, Luiz Narciso Baratieri**, Sylvio Monteiro Jr.**ResumoA comunicação precisa da cor é umdos requisitos mais importantespara o desenvolvimento da harmoniaestética e do sucesso final dasrestaurações, tornando a realizaçãode reconstruções diretas e indiretasum processo complexo devido à naturezatridimensional da cor. Atravésdo procedimento tradicional deseleção da cor, escalas são utilizadaspor métodos comparativos, e estasinformações, nos casos de restauraçõesindiretas, são repassadas aotécnico que será encarregado dereproduzir a cor e suas variáveis.A falta de precisão comum na escolhada cor não deveria ser aceitacomo normal. Atualmente, os sistemasde análise digital imitam osolhos humanos e conseguem eliminaro efeito da subjetividade na escolhada cor, selecionando, atravésde mapas cromáticos, a informaçãoexata para permitir que o técnicopossa reproduzir precisamente acor escolhida. Os meios de percepçãoinstrumental colaboram com aseleção, transmissão, reprodução econtrole da cor, tanto em restauraçõesdiretas ou indiretas, bem comoem clareamentos dentários.Palavras-chave: Cor. Colorímetros. Espectrofotômetros.* Doutoranda em Dentística Restauradora da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis - SC.** Professor titular de Dentística da Universidade Federal de Santa Catarina – Florianópolis - SC.R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 21-31, jan./fev./mar. 200521


Cláudia Ângela Maziero Volpato, Luiz Narciso Baratieri, Sylvio Monteiro Jr.Instrumental analysis of color in Dentistry:basic considerationsInstruments to analyze color have been developedin order to offer an objective method of selecting,transmitting, reproducing and controlling the colorof anterior and posterior restorations and dentalbleaching processes. This technology has advancedin a promising manner and the practicability of theuse of this equipment in the dental practice is nowbecoming a reality.KEY WORDS: Color. Spectrophotometer. Colorimeter.Referências1. JOHNSTON, W. M., KAO, E. C. Assessment of apparence match byvisual observation and clinical colorimetry. J Dent Res, Chicago,v. 68, no. 5, p. 819-822, May 1989.2. SPROULL, R. C. Color matching in dentistry. Part 1. The threedimensionalnature of color. J Prosthet Dent, St. Louis, v. 86,no. 5, p. 453-457, Nov. 2001.3. PARAVINA, R. D. Evaluation of a newly developed visual shadematchingapparatus. Int J Prosthodont, Lombard, v. 15, no. 6,p. 528-234, 2002.4. VAN DER BURGT, T. P. et al. A comparison of new andconventional methods for quantification of tooth color. JProsthet Dent, St. Louis, v. 63, no. 2, p. 155-162, Feb. 1990.5. BANGTSON, L. K.; GOODKIND, R. J. The conversion of chromascandesignations to CIE tristimulos values. J Prosthet Dent, St. Louis,v. 48, no. 5, p. 610-617, Nov. 1982.6. O’BRIEN, W. J.; GROH, C. L.; BOENKE, K. M. A one-dimensionalcolor order system for dental shade guides. Dent Mater,Washington, DC, v. 5, no. 6, p. 371-374, Nov. 1989.7. PENSLER, A. V. Shade Selection: Problems and solutions.Compend Contin Educ Dent, Lawrenceville, v. 19, no. 4,p. 387-396, Apr. 1998.8. KNISPEL, G. Factors affecting the process of color matchingrestorative materials to natural teeth. Quintessence Int, Berlin,v. 22, no. 7, p. 525-531, 1991.9. FONDRIEST, J. Shade matching in restorative dentistry: thescience and strategies. Int J Periodontics Restorative Dent,Illinois, v. 23, no. 5, p. 467-579, Oct. 2003.10. DOUGLAS, R. D.; BREWER, J. D. Variability of porcelain colorreproduction by commercial laboratories. J Prosthet Dent,St. Louis, v. 90, no. 4, p. 339-346, Oct. 2003.11. TUNG, F. F. et al. The repeatability of an intraoral dentalcolorimeter. J Prosthet Dent, St. Louis, v. 88, no. 6, p. 585-590,Dec. 2002.12. DANCY, W. M. et al. Color measurements as quality criteria forclinical shade matching of porcelain crowns. J Esthet RestorDent, Ontario, v. 15, no. 2, p. 114-122, 2003.13. DOUGLAS, R. D. Precision of in vivo colorimetric assessmentof teeth. J Prosthet Dent, St. Louis, v. 77, no. 5, p. 464-470, May1997.14. WEE, A. G.; MONAGHAN, P.; JOHNSTON, W. M. Variation in colorbetween intended matched shade and fabricated shade ofdental porcelain. J Prosthet Dent, St. Louis, v. 87, no. 6, p. 657-666, June 2002.15. CHU, S. J.; DEVIGUS, A.; MIELESZKO, A. J. Fundamentals of color:shade matching and communication in esthetic dentistry.St. Louis: Quintessence Books, 2004.16. RAGAIN Jr., J. C.; JOHNSTON, W. M. Minimum color differencesfor discriminating mismatch between composite and toothcolor. J Esthet Restor Dent, Ontario, v. 13, no. 1, p. 41-48, 2001.17. PARAVINA, R. D.; ONTIVEROS, J. C.; POWERS, J. M. Curingdependentchanges in color and translucent parameter ofcomposite bleach shades. J Esthet Restor Dent, Ontário, v. 14,no. 3, p. 158-166, 2002.Endereço para correspondênciaCláudia Ângela Maziero VolpatoRua Prof. Antenor Mesquita, 145, apto 1004BFlorianópolis, SC - CEP: 88015-150e-mail: claudiamvolpato@hotmail.comR Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 21-31, jan./fev./mar. 200531


Artigo InéditoTransferência da topografiagengival da zona de pônticos aomodelo mestre através do uso derestaurações provisóriasRicardo Mitrani Boyle*, Luís Codina Marcet**ResumoAs restaurações provisórias oferecemao laboratório a máximaferramenta de informação clínica.Devido ao fato do tecido gengivalpoder distorcer-se durante a tomadade impressões, e assim nãoregistrar corretamente o contornoobtido com as restaurações provisórias,uma forma previsível detransferir a topografia gengival nazona de pônticos consiste na transferênciada restauração provisóriaao modelo mestre, com a finalidadede registrar a base do pôntico,definindo a arquitetura gengivalcorrespondente. Dessa maneira, asrestaurações definitivas são fabricadas,facilitando ostensivamentea inserção da prótese.Palavras-chave: Arquitetura gengival. Pônticos. Restaurações provisórias.Comunicação com o laboratório.* Professor Afiliado à Pós-graduação de Prostodontia Universidade de WashingtonProfessor Colaborador do Master de Prótese Universidade de ValenciaPrática Privada em Prostodontia - Cidade de México** Prática Privada em Prostodontia - Lérida, Espanha32 R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 32-46, jan./fev./mar. 2005


Transferência da topografia gengival da zona de pônticos ao modelo mestre através do uso de restaurações provisóriasPontic site soft tissue topography transfer to themaster cast utilizing the provisional restorationsProvisional restorations represent the ultimatecommunication tool between clinician andtechnician. Assessment of contour, arrangement,and position is easily obtained by means of theprovisional restoration, and it should be consideredas a blue print of the definitive restoration.Management of the edentulous ridge with ovatepontics has become a standard procedure incontemporary restorative dentistry. This articledescribes a technique designed to accuratelytransfer the pontic site’s soft tissue architectureto the master cast allowing the technician to takethe ceramic restoration to completion minimizingadjustments during insertion of the prosthesis.KEY WORDS: Gingival architecture. Provisional restorations. Pontic site. Laboratory communication.Referências1. KOPP, F. R. Esthetic principles for full crown restorations. Part II:Provisionalization. J Esthet Dent, Philadelphia, v. 5, p. 258-264,19932. RUFENACHT, C. R Fundamentals of esthetics. Chicago:Quintessence 1990.3. CHICHE, G.; PINAULT, A. Esthetics of anterior fixedprosthodontics. Chicago: Quintessence, 1994.4. VAN DE VELDEN, U. Regeneration of the interdental softtissue following denudation procedures. J Clin Periodontal,Copenhagem, v. 9, no. 6, p. 455-459, 1982.5. KOIS, J. C. Altering gingival levels: the restorative connection. Part1. Biologic variables. J Esthet Dent, Philadelphia, v. 6, p. 3-9, 1994.6. TARNOW, D.; MAGNER, A. Fletcher: the effect of the distancefrom the contact point to the crest of the bone on thepresence or absence of the interproximal papilla. J Periodontol,Chicago, v. 63, no. 12, p. 995-996, 1992.7. CARLSSON, G. E.; BERGMAN, B.; HEDEGARD, B. Changes incontour of the maxillary alveolar process under immediatedentures: a longitudinal clinical and x-ray cephalometric studycovering five years. Acta Odontol Scand, Basingstoke, v. 25,no. 1, p. 45-75, June 1997.8. GARBER, D. A.; ROSENBERG, E. S. The edentulous ridge in fixedProsthodontics. Compend Contin Educ Dent, Lawrenceville, v. 2,p. 212-224, 1981.9. SEIBERT, J. S. Reconstruction of deformed, partially edentulousridges, using full thickness onlay grafts. Part I. Technique andwound healing. Compend Contin Educ Dent, Lawrenceville, v. 4,p. 437-453, 1983.10. ABRAHMS, H.; KOPCZYK, R. A. Incidence of anterior ridgedeformities in partially edentulous patients. J Prosthet Dent,St. Louis, p. 191-194, 1987.11. SPEAR, F. Maintenance of the Interdental Papilla followinganterior teeth removal. Pract Periodontics Aesthet Dent,Mahwah, v. 11, no. 1, p. 21-28, 1999.12. STEIN, R. S. Pontic: residual ridge relationship: a research report.J Prosthet Dent, St. Louis, v. 16, no. 2, p. 251-285, 1996.13. JOHNSON, G. K.; LEARY, J. M. Pontic design and localized ridgeaugmentation in fixed partial denture design. Dent Clin NorthAm, Philadelphia, v. 36, no. 3, p. 591-605, 1992.14. TRIPODAKIS, A. P.; CONSTANDTINEDES, A. Tissue responseunder hyperpressure from convex pontics. Int J PeriodonticsRestorative Dent, Chicago, v. 10, no. 5, p. 408-14, 1990.15. KOIS, J. C. Esthetic extraction site development: biologicvariables. Contemp Esthet Rest Pract, v. 2, [S.L.], no. 2, p. 10-15,1998.16. ZITZMANN, N. U.; MARINELLO, C. P.; BERGLUNDH, T. The ovatepontic design: a histologic observation in humans. J ProsthetDent, St. Louis, v. 88, no. 4, p. 375-380, 2002.17. DYLINA, T. J Contour determination for ovate pontics. J ProsthetDent, St. Louis, v. 82, no. 2, p. 136-142, 1999.18. MITRANI, R.; RUBENSTEIN, J. E.; KOIS, J. C.; PHILLIPS, K. M.Multipurpose use of a visible Light cure material. J ProsthetDent, St. Louis, v.85, p. 501-503, 2001.19. MITRANI, R.; PHILLIPS, K. M. The Utilization of an Implantsupported, screw retained fixed partial denture provisionalrestoration for pontic site enhancement. Pract Proced AesthetDent, Mahwah, 2004. In press.20. YUODELIS, R.; FAUCHER, R. Provisional restorations: anintegrated approach to periodontics and restorative dentistry.Dent Clin North Am, Philadelphia, v. 24, p. 285-303, 1980.21. RIEDER, C. E. The use of provisional restorations to developand achieve esthetic expectations. Int J Periodont Rest Dent,Chicago, v. 9, p.122-139, 1989.22. HIGGINBOTTOM, F. L. Quality provisional restorations: a mustfor successful restorative dentistry. Compend Contin EducDent, Lawrenceville, v. 16, p. 442-447, 1995.23. LUTHARDT, R. G.; STOSSEL, M.; HINZ, M.; VOLLANDT, R. Clinicalperformance and periodontal outcome of temporary crownsand fixed partial dentures: a randomized clinical trial. J ProsthetDent, St. Louis, v. 83, p. 32-39, 2000.24. KRUG, R. S. Temporary resin crowns and bridges. Dent ClinNorth Am, Philadelphia,v. 19, p. 313-320, 1975.25. ZINNER, I. D.; TRACHTENBERG, D. I.; MILLER, R. D. Provisionalrestorations in fixed partial prosthodontics. Dent Clin North Am,Philadelphia, v. 33, p. 355-377, 1989.26. FEDERICK, D. R. The provisional fixed partial denture. J ProsthetDent, St. Louis, v. 34, p. 520-526, 1975.Endereço para correspondênciaRicardo Mitrani BoyleAndes n 0 , 115Lomas de Chapultepec - México, D. F. - C. P. 11000e-mail: ricardomitrani@hotmail.com46 R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 32-46, jan./fev./mar. 2005


Artigo InéditoUtilização clínica dos princípiosortodônticos no dia-a-dia doconsultório odontológicoDickson Martins da Fonseca*, Fábio Henrique de Sá Leitão Pinheiro**,Simone Fujiwara de Medeiros***, Keila Barreto Meira****,Moema de Medeiros Gazzaneo Cabral *****ResumoNa Odontologia, os pacientes têmentrado no século XXI com maioreschances de alcançar suas expectativasestéticas. Há pouco tempo,eram grandes as limitações para areabilitação integral de casos comproblemas estéticos e funcionaisavançados. Atualmente, diante deinúmeras possibilidades terapêuticasque a ciência odontológicaoferece, a integração entre as especialidadestem emergido comouma das soluções mais apropriadas.A literatura é vasta em casos desinergia entre a Periodontia e a Prótese,a Endodontia e a Dentística, masdeixa a desejar quando o assunto éOrtodontia. Neste ínterim, aproveitou-sea oportunidade para discutir acontribuição desta especialidade noconsultório odontológico, bem comoas situações em que as demais áreaspodem fazer a diferença num casode tratamento multidisciplinar. Umcaso clínico ilustrativo desta interaçãotambém será apresentado parademonstrar que a Odontologia personalizada,obrigatoriamente, tambémdeve ser integrada.Palavras-chave: Especialidades odontológicas. Reabilitação oral. Ortodontia.Sinergia em Odontologia* Mestre em Reabilitação Oral-Prótese pela Faculdade de Odontologia de Bauru-USP, atuando emclínica particular.** Mestre em Ortodontia pela Faculdade de Odontologia de Bauru-USP.*** Especialista em Dentística pela UFPE e aluna do Curso de Especialização em Ortodontia da EAP-ABO/RN.**** Mestre e Doutora em Periodontia pela Faculdade de Odontologia de Bauru-USP.***** Especialista em Endodontia pela Faculdade de Odontologia de Bauru-USP, Mestre em Endodontia pelaUNESP-SP, Especialista em Dentística pela EAP-ABO/RN.R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 59-69, jan./fev./mar. 200559


Dickson Martins da Fonseca, Fábio Henrique de Sá Leitão Pinheiro, Simone Fujiwara de Medeiros, Keila Barreto Meira, Moema de Medeiros Gazzaneo CabralClinical management of orthodontic conceptsin daily dental practiceDental patients have welcomed the 21st. century withbetter chances to attain esthetic goals. A few timeago, there were great difficulties to comprehensivelyrehabilitate cases with advanced esthetic and functionalproblems. Recently, given the existence of severaltherapeutic alternatives, the integration among dentalfields has emerged as one of the most suitable solutions.Literature has shown to be wide when the topic isa multidisciplinary approach involving Periodontics,Prosthodontics, Endodontics and Operative Dentistry.However, further orthodontic reports have beenlacking. This work decided to discuss this specialtyand its contribution to the dental set. An illustrativecase report was presented to demonstrate that theconcept of individualized Orthodontics must includethe integration of as many specialties as necessary.KEY WORDS: Dental specialties. Oral rehabilitation. Orthodontics. Teamwork.Referências1. BLANCHAERT, R.; SHAFER, D. M. Surgical-orthodontic correctionof adult facial deformities. Dent Clin North Am, Philadelphia,v. 40, no. 4, p. 945-959, Oct. 1996.2. BURCH, J. G.; BAGCI, B.; SABULSKI, D.; LANDRUM, C. Periodontalchanges in furcations resulting from orthodontic uprighting ofmandibular molars. Quintessence Int, Berlin, v. 23, no. 7, p. 509-513, July 1992.3. CAPELOZZA FILHO, L.; SILVA FILHO, O. G. da. Reabsorção radicularna clínica ortodôntica: atitudes para uma conduta preventiva.R Dental Press Ortodont Ortop Facial, Maringá, v. 3, n. 1, p. 104-126, jan./fev. 1998.4. CARDAROPOLI, D.; RE, S.; CORRENTE, G.; ABUNDO, R. Intrusion ofmigrated incisors with infrabony defects in adult periodontalpatients. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v.120, no. 6,p. 671-675, Dec. 2001.5. ENACAR, A.; ALTAY, O. T.; HAYDAR, B. Orthodontic interventionin adult patients as an adjunct to prosthetic and restorativedentistry. J Nihon Univ Sch Dent,Tokyo, v. 34, no.1, p.50-56, Mar.1992.6. FONSECA, D. M. Disfunção craniomandibular – (DCM):diagnóstico pela anamnese. 1991. Dissertação (Mestrado)– Faculdade de Odontologia de Bauru, Universidade de SãoPaulo, Bauru, 1991.7. FRANCISCHONE, C. E. et al. Controlled orthodontic extrusion tocreate gingival papilla: a case report. Quintessence Int, Berlin,v. 33, no. 8, p. 561-565, Sept. 2002.8. FREEMAN, J. E.; MASKERONI, A. J.; LORTON, L. Frequency ofBolton tooth-size discrepancies among orthodontic patients.Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v.110, no.1, p.24-27,July 1996.9. HOHLT, W. F.; HOVIJITRA, S. Management of anterior spacingwith orthodontics and prosthodontics. J Indiana Dent Assoc,Indianápolis, v.78, no. 3, p.18-23, Fall 1999.10. JANSSENS, F. et al. Use of an onplant as orthodontic anchorage.Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v.122, no.5, p.566-570,Nov. 2002.11. KASSAB, M. M.; COHEN, R. E. Treatment of gingival recession. JAm Dent Assoc, Chicago, v.133, no.11, p.1499-1506, Nov. 2002.12. KEIM, R. G. Aesthetics in clinical orthodontic-periodonticinteractions. J Periodontol, Chicago, v. 27, p. 59-71, 2000.13. LAI, Y.; CHU, M. P.; VIJAYARAGHAVAN, T. V.Uprighting molarswith twisted superelastic nickel titanium wires. J Clin Orthod,Boulder, v. 35, no. 2, p.100-105, Feb. 2001.14. LEE, B. W.The force requirements for tooth movement. Part II:Uprighting and root torque. Aust Orthod J, Brisbane, v.14, no.1,p. 34-39, Oct. 1995.15. MELSEN, B.; FIORELLI, G.; BERGAMINI, A.Uprighting of lowermolars. J Clin Orthod, Boulder, v. 30, no.11, p. 640-645, Nov.1996.16. ONG, M. M.; WANG, H. L. Periodontic and orthodontic treatmentin adults. Am J Orthod Dentofacial Orthop, St. Louis, v.122, no. 4,p. 420-428, Oct. 2002.17. PARK, H. S.; KYUNG, H. M.; SUNG, J. H. A simple method of molaruprighting with micro-implant anchorage. J Clin Orthod,Boulder, v. 36, no.10, p. 592-596, Oct. 2002.18. RE, S.; CORRENTE, G.; ABUNDO, R.; CARDAROPOLI, D. Orthodontictreatment in periodontally compromised patients: 12-yearreport. Int J Periodontics Restorative Dent, Chicago, v. 20, no.1,p. 31-39, Feb. 2000.19. RE, S.; CORRENTE, G.; ABUNDO, R.; DANIELE, C. The use oforthodontic intrusive movement to reduce infrabony pocketsin adult periodontal patients: a case report. Int J PeriodonticsRestorative Dent, Chicago, v. 22, no. 4, p. 365-371 Aug. 2002.20. REIKIE, D. F. Orthodontically assisted restorative dentistry. J CanDent Assoc, Ottawa, v. 67, no. 9, p. 516-520, Oct. 2001.21. SCHMEISSNER, H. On prosthetic measures for the correction ofthe position of upper front teeth. Dtsch Zahnarztl Z, München,v. 21, no. 4, p.607-611, Apr. 1966.22. SILVERSTEIN, L. H.; MOSKOWITZ, M. E.; KURTZMAN, D.Orthodontic treatment as a prelude to dental implantsupportedrestorations: the need for change in teamcommunication procedures. Dent Today, Montclair, v. 20, no. 2,p. 62-69, Feb. 2001.23. VAN SICKELS, J. E. Orthodontic and surgical camouflage fortreatment of skeletal discrepancies. Atlas Oral Maxillofac SurgClin North Am, Philadelphia, v. 9, no.1, p. 95-109, Mar. 2001.24. WARREN, K.; HOWAT, A. P. Multi-disciplinary treatment planningfor the restorative patient. Restorative Dent, Epsom, v. 6, no. 4,p.12-25, Nov. 1990.Endereço para correspondênciaDickson Martins da FonsecaRua Mossoró, 561 - Petrópolis - Natal - RN Cep: 59020-090e-mail: interodonto@digi.com.brR Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 59-69, jan./fev./mar. 200569


Artigo InéditoNovo conceito para retençãointra-radicular: Preparoendodôntico para pinos de fibraLeonardo Muniz*ResumoOs benefícios dos pinos de fibrassão reconhecidos, porém em dentescom mínimo remanescente coronáriotêm sido relatados freqüentesdeslocamentos desses pinos, queocorrem pela dificuldade de adesãono substrato intra-radicular. Dentreos diversos fatores que contribuempara estes deslocamentos, oelevado fator configuração cavitária(fator C) do canal radicular e aimpossibilidade de se utilizar umatécnica incremental de inserção docimento resinoso são determinantes.Aliado a isso, a falta de adaptaçãodo pino em relação às paredesdo canal radicular implica numamaior necessidade de cimento resinoso,aumentando o estresse nainterface adesiva durante a contraçãode polimerização. Considerandoa possibilidade de se melhorar alongevidade das restaurações associadaa pinos, este artigo apresentauma técnica de preparo para pinosde fibras que objetiva um desgasteplanejado durante o tratamentoendodôntico, favorecendo umajustaposição do pino em relação àsparedes do canal radicular, o queaumenta a retenção mecânica e reduzo volume de cimento resinosoe, conseqüentemente, o estressena interface adesiva durante a contraçãode polimerização.Palavras-chave: Pinos. Adesão. Retenção.* Mestre em Clínica Odontológica pela FO-UFBA,Professor de Dentística e Clínica integrada da FBDC,Especialista em Endodontia pela FO-UFBA.70 R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 70-81, jan./fev./mar. 2005


Leonardo MunizNew concept for intra-radicular retention:Endodontic preparation for fiber postsThe benefits of fiber posts are known, however inteeth with little coronary remainder, there havebeen frequent reports of displacements of theseposts occurring, because it is difficult for themto adhere to the intra-radicular substrate. Amongthe various factors that contribute towards thesedisplacements, the high cavitary configurationfactor (factor C) of the root canal and theimpossibility of using an incremental resin cementinsertion technique are determinant. In addition tothis, the lack of post adaptation to the root canalwalls means that more resinous cement is required,thus increasing the stress at the adhesive interfaceduring polymerization shrinkage. Consideringthe possibility of improving the longevity ofrestorations associated with posts, this articlepresents a preparation technique for fiber posts,whose object is planned wear during endodontictreatment, favoring a juxtaposition of the post inrelation to the root canal walls, which increasesthe mechanical retention and reduces the volumeof resinous cement and, consequently, the stressat the adhesive interface during polymerizationshrinkage.KEY WORDS: Posts. Adhesion. Retention.Referências1. BOUILLAGUET, S.; TROESCH, S.; WATAHA, J. C.; KREJCI, I.; MEYER,J.; PASHLEY, D. H. Microtensile bond strength between adhesivecements and root canal dentin. Dental Mater, Copenhagen,v. 19, no. 3, p. 199-205, May 2003.2. FERRARI, M.; VICHI, A.; GARCIA-GODOY, F. Clinical evaluation offiber-reinforced epoxy resin posts and cast post and core Am JDent, San Antonio, v. 13, p. 15-18, May 2000.3. FERRARI, M.; VICHI, A.; MANNOCCI, F.; MASON, P. N.Retrospective study of the clinical performance of fiber post.Am J Dent, San Antonio, v. 13, p. 9-13, May 2000.4. FERRARI, M.; VICHI, A.; GRANDINI, S. Efficacy of different adhesivetechniques on bonding to root canal walls an SEM investigation.Dental Mater, Copenhagen, v. 17, no. 5, p. 422-429, Sept. 2001.5. HEIDECKE, G.; BUTZ, F.; STRUB, J. R. Fracture strength andsurvival rate of endodontically treated maxillary incisors withapproximal cavities after restoration with different post andcore systems: an in-vitro study. J Dent, v. 29, no. 6, p. 427-433,Aug. 2001.6. LUI, J. L. Depth of composite polymerization within simulatedroot canals using light-transmiting posts. Oper Dent, Seattle,v. 19, no. 5, p. 165-168, Sept./Oct. 1994.7. NGOH, E. C.; PASHLEY, D. H.; LOUSHINE, R.J.; WELLER, R. N.;KIMBROUGH, W. F. Effects of eugenol on resin bond strengths toroot canal dentin. J Endod, Chicago, v. 27, no. 6, p. 411-414, 2001.8. MUNIZ, L.; MATHIAS, P. The Influence of sodium hypocloriteand root canal sealers on post retention in different dentineregions. Oper Dent, Seattle, 2004 (accepted for publication).9. TJAM, A. H. L.; NEMETZ, H. Effect of eugenol-containingendodontic sealer on retention of prefabricated posts lutedwith adhesive composite resin cement. Quintessence Int, Berlin,v. 23, no. 12, p. 839-844, 1992.Endereço para correspondênciaLeonardo MunizAv. ACM, 2671, Ed. Bahia Center, Sala 305, CidadelaSalvador-BA - CEP: 40180-100.e-mail: leomunizlima@hotmail.comR Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 70-81, jan./fev./mar. 200581


Artigo InéditoEstética em Ortodontia: Parte II.Diagramas de ReferênciasEstéticas Faciais (DREF)Carlos Alexandre Leopoldo Peersen da Câmara*ResumoNa primeira parte desse trabalhofoi apresentado o Diagrama de ReferênciasEstéticas Dentais (DRED)que está relacionado à avaliaçãoda estética dental e bucal. Nessasegunda parte serão apresentadosos Diagramas de ReferênciasEstéticas Faciais (DREF) que terãoo intuito de prover uma avaliaçãoda estética facial, de uma formasimples, individualizada e subjetivade cada paciente, e que servecomo instrumento de referênciapara todas as especialidadesodontológicas.Palavras-chave: Odontologia Estética. Ortodontia. Estética facial.* Especialista em Ortodontia pela FO-UERJ - Diretor da CAC.Ortodontia.82 R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 82-104, jan./fev./mar. 2005


Carlos Alexandre Leopoldo Peersen da CâmaraConclusãoO objetivo desse trabalho foi apresentaros Diagramas de Referências Estéticas Dentais(DRED) e Faciais (DREF). A utilização dosDiagramas de Referências Estéticas Dentais(DRED) e Faciais (DREF) é indicada para facilitaro diagnóstico e planejamento dos tratamentosodontológicos estéticos e não têm aintenção de substituirem ou serem consideradosformas definitivas de análises. O objetivodesses diagramas é facilitar a visualizaçãodos componentes dentofaciais e as suasrelações espaciais, dando condições parauma melhor avaliação estética e “artística”desses componentes, e conseqüentemente,permitindo uma maior integração entre asespecialidades odontológicas.Agradecimentos:Agradeço aos seguintes profissionais que tiveramuma participação direta ou indireta, fundamental,para a realização desse trabalho:Dr. Adilson Torreão (Recife/PE)Dr. Adilson dos Santos Torreão (Recife/PE)Dr. Aldino Puppin (Vitória/ES)Dr. Dickson Fonseca (Natal/RN)Dra. Ione Cabral (Natal/RN)Dr. Jolber Fonseca (Natal/RN)Dra. Keila Meira (Natal/RN)Dra. Nia Torquato (Natal/RN)Dr. Sérgio Varela (Natal/RN)Dra. Simone Fujiwara (Natal/RN)Dra. Silvia Reis (São Paulo/SP)Dudu Medeiros (fotógrafo - São Paulo/SP)Paulo Oliveira (fotógrafo - Natal/RN).Aesthetics in Orthodontics: Part II. Diagrams ofFacial Aesthetic References (DFAR)In the first part the Diagram of Dental AestheticReferences (DDAR) was presented which isrelated to the evaluation of the dental and buccalaesthetics. In the second part, Diagrams of FacialAesthetic References (DFAR) are presented withthe intention of providing an evaluation of thefacial aesthetics, in a simple way, individualizedand subjective of each patient, and serving asa reference instrument for all of the dentalspecialties.KEY WORDS: Aesthetic dentistry. Orthodontics, Facial aesthetics.Referências1. MAGNE, P.; BELSER, U. Restaurações adesivas de porcelana nadentição anterior: uma abordagem biomimética. São Paulo:Quintessence. 2003.2. GIDDON, D. B. Aplicações ortodônticas de estudos psicológicase perceptuais da estética facial. In: SADOWSKY, P. L.; PECK, S.;KING, C.; LASKIN, D. M. Atualidades em ortodontia. São Paulo:Premier, 1997. p. 79-88.3. CÂMARA, C. A. L. P.; FONSECA, D. M.; FAHL Jr., N. Abordageminterdisciplinar para o tratamento de diastema. Est Contemp,v. 1, no. 1, p. 51-57, 1999.4. CÂMARA, C. A. L. P.; FONSECA. D. M. Tratamentointerdisciplinar: ajuste estético de casos ortodônticos atípicos.R Dental Press Ortodon Ortop Facial, Maringá, v. 5, n. 5, p. 68-74, set./out. 2000.R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 82-104, jan./fev./mar. 2005103


Estética em Ortodontia: Parte II. Diagramas de Referências Estéticas Faciais (DREF)5. PECK, S.; PECK, L. Aspectos selecionados da arte e da ciênciada estética facial. In: SADOWSKY, P. L. et al. Atualidades emOrtodontia. São Paulo: Premier, 1997. p. 65-78.6. BURSTONE, C. J. Integumental contour and extensionpatterns. Angle Orthod, Appleton, v. 29, no. 2, p. 93-104,Apr. 1959.7. BLOOM, L. A. Perioral profile changes in orthodontictreatment. Am J Orthod, St. Louis, v. 47, no. 5, p. 371-379,May 1961.8. HERZBERG, B. L. Facial esthetic in relation to orthodontictreatment. Angle Orthod, Appleton, v. 22, no.1, p. 3-22, Jan.1952.9. CAPELOZZA FILHO, L. Diagnóstico em Ortodontia. Maringá:Dental Press, 2004.10. GÜREL G. The science and art of porcelain laminate veneers.Berlin: Quintessence, 2003.11. AUGER, T. A.; TURLEY, P. K. The female soft tissue profileas presented in fashion magazines during the 1990s: Aphotografic analyzis. Int J Oral Surg, Copenhagen, v. 14,no.1, p. 7-18, 1999.12. NANDA, R. S.; GHOSH, J. Harmonia entre os tecidos molesda face e o crescimento no tratamento ortodôntico. In:SADOWSKY, P. L. et al. Atualidades em Ortodontia. SãoPaulo: Premier, 1997. p. 65-78.13. LEHMAN Jr., J. A. Soft – tissue manifestations of aestheticdefects of the jaws: diagnosis and treatment. Clin PlastSurg, Philadelphia, v. 14, no. 4, p. 767-783, Oct. 1987.14. FERRARIO, V. F. et al. Craniofacial morphometry byphotographic evaluations. Am J Orthod Dentofacial Orthop,St. Louis, v. 103, no. 4, p. 327-337, Apr. 1993.15. ZAREM, H. A. Standards of photography. Plast Reconstr Surg,Baltimore, v. 74, no. 1, p. 137-144, 1984.16. COOKE, M. S. Five – year reproducibility of natural headposture: A longitudinal study. Am J Orthod DentofacialOrthop, St. Louis, v. 97, no. 6, p. 489-494, June 1990.17. LUNDSTRÖM, A.; FORSBERG, C. M.; WESTERGREN, H.;LUNDSTRÖM, F. A comparison between estimated andregistered natural head posture. Eur J Orthod, London, v. 13,p. 59-64, 1991.18. PENG, L.; COOKE, M. S. Fifteen-year reproducibility ofnatural head posture: a longitudinal study. Am J OrthodDentofacial Orthop, St. Louis, v. 116, no. 1, p. 82-85, July1999.19. COOKE, M. S.; WEI, S. H. Y. The reproducibility of naturalhead posture. A methodological study. Am J OrthodDentofacial Orthop, St. Louis, v. 93, no. 4, p. 280-288, Apr.1988.20. CHIU, C. S. W.; CLARK, R. K. F. Reproducibility of natural headposition. J Dent, Chengtu, v. 19, p.130-131, 1991.21. LUNSDSTRÖM, A.; LUNDSTRÖM, F.; LEBRET, L. M. L.;MOORREES, C. F. A. Natural head posture and natural headorientation: basic considerations in cephalometric analysisand research. Eur J Orthod, London, v. 17, no. 2, p. 111-120,Apr. 1995.22. CLAMAN, L.; PATTON, D.; RASHID, R. Standardized portraitphotography for dental patients. Am J Orthod DentofacialOrthop, St. Louis, v. 98, no. 3, p. 197-205, Sept. 1990.23. ARNETT, W. G.; BERGMAN, R. Facial keys to orthodonticdiagnosis and treatment planning – Part I. Am J OrthodDentofacial Orthop, St. Louis, v.103, no. 4, p. 299-312, Apr. 1993.24. MORRIS, W. An orthodontic view of dentofacial esthetics.Compend Contin Educ Dent, Lawrencevillev. 15, no. 3, p.378-390, 1994.25. FERRARIO, V. F. et al. A three-dimensional evaluation ofhuman facial asymmetry. J Anat, Oxford, v. 186, p. 103-110.1995.26. EPKER, B. N.; STELLA, J. P.; FISH, L. C. Dentofacial DeformitiesIntegrated Orthodontic and Surgical Correction. 2nd ed. [S.l.]: Mosby, 1995. p. 8-1127. BURSTONE, C. J. Lip posture and its significance intreatment planning. Am J Orthod, St. Louis, v. 53, no. 4. p.262-284, Apr. 1967.28. LEGAN, H. L.; BURSTONE, C. J. Soft tissue cephalometricanalysis for orthognathic surgery. J Oral Surg, Chicago, v.38, no. 10,p. 744-751, Oct. 1980.29. MITANI, H. Preburbertal growth of mandibular prognatism.Am J Orthod, St. Louis, v. 80, no. 5, p. 546-553, Nov. 1981.30. MITANI, H.; SATO, K.; SUGAWARA, J. Growth of mandibularprognatism after pubertal growth peak. Am J OrthodDentofacial Orthop, St. Louis, v. 104, no. 4, p. 330-336, Oct.1993.31. SAKAMOTO, E. et al. Craniofacial growth of mandibularprognatism during pubertal growth period in Japoneseboys: longitudinal study from 10 to 15 yars of age. J JpnOrthod Soc, Tokyo, v. 5, no. 5, p. 372-286, 1996.32. ARNETT, W. G.; BERGMAN, R. Facial keys to orthodonticdiagnosis and treatment planning – Part II. Am J OrthodDentofacial Orthop, St. Louis, v. 103, no. 5, p. 395-411, May1993.33. EDDS, C. W. Determination of lip position in estheticsprofiles. Am J Orthod, St. Louis, v. 50, no. 10, p. 783-784, Oct.1964.34. TERRY, R. L.; DAVIS, J. S. Components of facial attractiveness.Percept Mot Skills, Missoula, v. 42, p. 918, June 1976.35. RICKETTS, R. M. Planning treatment on the basis of thefacial pattern and an estimate of its growth. Angle Orthod,Appleton, v.27, no.1, p. 14-37, Jan. 1957.36. TWEED, C. H. The diagnostic facial triangle in the control oftreatment objectives. Am J Orthod, St. Louis, v. 55, no. 6, p.651-667, June 1969.37. REIS, S. A. B. Análise facial numérica e subjetiva do perfil eanálise da relação oclusal sagital em brasileiros, adultos,leucodermas, não tratados ortodonticamente. 2001.Dissertação (Mestrado) – UMESP, São Paulo, 2001.38. PROFFIT W. R, TURVEY, T. B, PHILLIPS C. Orthognathicsurgery a hierarchy of stability. Int J Adult OrthodonOrthognath Surg, Lombard, v.11, no.3, p. 191-204. 1996.39. BOLTON, W. A. Disharmony in tooth size and its relation tothe analysis and treatment of malocclusion. Angle Orthod,Appleton, v. 28, no. 3, p.113-130, July 1958.40. BOLTON, W. A. The clinical use of a tooth size analysis. Am JOrthod, St. Louis, v. 48, no. 5 p. 504-529, July 1962.Endereço para correspondênciaCarlos Alexandre L. P. da CâmaraAv. Campos Sales 631, TirolNatal - RN - CEP 59020-300.e-mail: cac.ortodontia@digi.com.br104 R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 82-104, jan./fev./mar. 2005


Artigo InéditoResolução estética de severodiastema por sutura intermaxilarincompletamente fusionadaSanzio Marcelo Lopes Marques *, José Carlos Romanini **ResumoO tratamento estético dos diastemasdentários pode envolver umplano de tratamento multidisciplinar.A associação de movimentaçõesortodônticas com procedimentosrestauradores é muito comum nestescasos. Independente da modalidadede tratamento envolvida,o estabelecimento de um corretodiagnóstico da etiologia dos diastemasé fundamental para um resultadofinal satisfatório. Porém, emmuitos casos, o clínico pode estarenvolvido em situações complexas eextremamente limitadas em termosde plano de tratamento. Este artigodescreve a transformação estéticade um sorriso acometido por umsevero diastema entre os incisivoscentrais superiores, com etiologia desutura intermaxilar incompletamentefusionada. Por causa da ausênciade estrutura óssea entre os incisivoscentrais, foi contra-indicada a movimentaçãoortodôntica para reduçãodo diastema. A resolução do caso sedeu por meio da confecção de umaprótese fixa metalo-cerâmica dentogengival.Palavras-chave: Diastema. Prótese-fixa metalo-cerâmica dentogengival.Reabilitação estética. Porcelana gengival. Estética dental.* Mestre em Dentística Restauradora (FO-UFMG), Especialista em Prótese Dental (FORP-USP),clínica particular em Passos-MG.** Técnico em Prótese Dental, Laboratório em Londrina-PR.R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 105-116, jan./fev./mar. 2005105


Artigo InéditoFotografia e vídeo digital: a novafronteira da OdontologiaJairo Pires de Oliveira*ResumoA Odontologia deu um grande saltonos últimos dez anos em documentaçãoe arquivamento de dados.A revolução da informática e suasconseqüências desde a compilaçãode dados descrevendo condutasdiárias em prontuários, até o gerenciamentode imagens e vídeosde condutas e procedimentos, nostomam de surpresa a cada dia coma quantidade de recursos disponíveis,dando-nos uma sensação deimpotência perante a onda de informaçõescom que diariamente somosconfrontados e a dificuldade deabsorver e filtrar, separando o que érealmente aplicável em nossa profissão.O que realmente é significativo?Como deixar de lado o simplesmodismo passageiro evitando gastosdesnecessários e desta formaorientar nossos colegas no que realmenteé importante para continuarmosa praticar uma Odontologiade vanguarda, nos mantendo atualizadose vislumbrando novas formasde oferecer sempre as melhores opçõesde tratamento aos nossos pacientes?Como fazer com que todaesta informação seja compreendidae assimilada pelos colegas de formafácil, prazerosa e que possa geraruma maior qualidade de trabalho,uma vez que a digitalização de imagensé imediata e sua avaliação natela do computador nos orienta emum trabalho mais refinado, mostrandodetalhes que muitas vezes escapamde nossa vista já cansada porprocedimentos estéticos de grandedetalhamento e de muitas horas deintensa concentração. Uma simplesfotografia pode revelar detalhesque, corrigidos, fazem com que nossostrabalhos se tornem verdadeirasobras de arte elevando nossa autoestima, fazendo com que possamosauferir maiores ganhos profissionais,que nosso esforço adicional embuscar sempre o melhor para nossospacientes nos legitimou obtere o desalento que os anos causaramem muitos de nós, transformando anossa vida profissional em um círculovicioso de cansaço e reclamações,possam se transformar em um círculovirtuoso e termos orgulho deassociar em nossa profissão a ciênciae a arte de aliviar a dor restaurandoa saúde, função e a beleza donosso semelhante. Este será nossogrande desafio neste artigo!Palavras-chave: Máquina fotográfica digital. Vídeo digital. Sensores digitais. Computadores.* Especialista em Dentística Restauradora, Periodontia e Implantodontia pela Faculdade deOdontologia de Bauru – USP.Coordenador Científico da Associação Odontológica de Ribeirão Preto – AORP de 1998 a 2001.Diretor da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética – SBOE.Autor do livro “Fotografia Intra-oral”.R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 117-132, jan./fev./mar. 2005117


Rápidas transformaçõesEditorialSidney KinaVocê já deve ter percebido que a Odontologiade hoje é uma Odontologia de transformaçõesrápidas. Em nenhum outro tempo os recursoscientíficos e tecnológicos estiveram tãoacessíveis às pessoas. Ainda assim, muita gente preferemanter velhas crenças, como por exemplo, que procedimentosclínicos nada ou pouco tem a ver com a teoria(diga-se ciência). Esquecem que o elo de união entre oempírico e a verdade é a ciência. É ela quem realiza acomprovação ou desmistificação dos fatos, traz à tona olimite entre o provável e o improvável.Olhar os avanços da Odontologia Estética contemporâneapela ótica da ciência é sempre um prazer, emboraum intrincado emaranhado de idéias, posições einteresses pareçam conturbar nossa visão natural sobreela. A proposta de qualquer publicação cientifica é justamenteesta: servir de fórum de debates, esclarecendoo leitor, dando-lhe suporte para criar uma visão sólida eembasada sobre determinado assunto. Discutir e apresentar(de forma imparcial) as várias faces da verdade.Quebrar paradigmas, dando liberdade de expressão, colocandoas idéias para o crivo do público. Sabendo disso,esperamos que esta publicação sirva, justamente, paraajudá-lo a conhecer melhor as nuances da clínica/ciênciae de alguma forma lhe ajude em suas necessidadesquando o assunto for Odontologia Estética.A ciência é o registro do mundo. Ela contém o passadoe o presente, e antevê o futuro.meses do lançamento, apresentamos seu segundo númerocom a grata surpresa da pronta resposta. Atravésde elogios e críticas, chegaram até nós diversas colocações,que seguramente nos levam a um primeiro estágiodo longo processo de amadurecimento. Dentro dasidéias colhidas, é com muito orgulho que comunicamosuma nova parceria. A partir deste número a Revista DentalPress de Estética passa a ser a publicação oficial daSociedade Brasileira de Odontologia Estética - SBOE. ASBOE, como é de conhecimento, representa uma dasmais importantes instituições da Odontologia Estéticada América Latina e mundial. Através de suas publicaçõese principalmente de seu encontro anual, se tornoupalco comum da ciência e arte na Odontologia. Estaparceria, que parece realçar-se de modo mágico, tratade escolher aqueles cuja aproximação é feliz, em parte,simplesmente pela presença de um e do outro. É saberque, na maioria das vezes, diversas opiniões podem comungarprazerosamente no mesmo prato. Desde já, nossentimos felizes com este intercâmbio de idéias e experiências,com o norte voltado para engrandecimento detodos nós, apaixonados por Odontologia.Em tempo, muito obrigado pela sua confiança e estímulo,e nosso desejo de um espetacular 2005.O debate democrático e sério da ciência se faz cadavez mais necessário, por isso, observavamos ao fim doeditorial da primeira revista, o quanto me encantaria aparticipação do leitor na sua construção. Passado trêsR Dental Press Estét - v.2, n.1, p. 3, jan./fev./mar. 20053


EntrevistaMário Fernando de GóesO nosso entrevistado, Dr. Mário Fernando de Góes, Professor Titular do Departamento de OdontologiaRestauradora, área de Materiais Dentários da Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP, eatual diretor associado da FOP-UNICAMP, tem sua vida profissional dedicada ao ensino e pesquisa nos materiaisdentários. Nessa entrevista, ele apresenta, com propriedade e visão crítica de um conhecedor, o desenvolvimentodos materiais restauradores e seu impacto sobre a Odontologia Estética, além de suas grandes paixões: o ensino e apesquisa. Para entrevistá-lo, outro grande conhecedor: Dr. Walter Gomes Miranda Junior, Professor daUniversidade de São Paulo, Faculdade de Odontologia, Departamento de Materiais Dentários.Qual é a importância do ensino da Área de Materiais Dentáriosnos Cursos de Graduação e Pós-Graduação?Durante quase um século a Odontologia Restauradoraficou estagnada em precipícios empíricos que valorizavamo material restaurador ao invés da estruturadental. Nesse período, os materiais metálicos (amálgamade prata e ligas metálicas a base de ouro ou alternativas)eram eleitos como a única forma apropriadapara restaurar os dentes com perda de tecido. Duranteo procedimento restaurador também eram usadoscimentos à base de água sobre o tecido dentinário paraprevenir possíveis reações adversas da polpa. Assim erao cenário da Odontologia Restauradora e, dentro dessavisão, a ciência dos Materiais Dentários era consideradauma área básica difícil, cuja teoria era assimilada maispelo processo da memorização do que pelo entendimento.Dessa forma, a única lembrança acadêmica dosprofissionais no contexto do ensino ficava limitada aodesenvolvimento das práticas de manipulação do pó edo líquido nos cimentos à base de água, na mistura dalimalha de prata e mercúrio e na técnica de fundiçãodas ligas metálicas. Como não havia opções maiores,o nível de conhecimento do profissional ficou praticamenteinalterado até a década de 70.16 R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 16-20, jan./fev./mar. 2005


Caso SelecionadoComo o olhar analítico da OdontologiaEstética reconstrói um sorrisoMarcelo Moreira*, Marcelo Kyrillos**, Luis Eduardo Calicchio***,Hélio Laudelino G. de Oliveira****, Márcio J. A. de Oliveira*****, Adauto de Freitas Jr. ******A análise facial completa direciona as possibilidadesde intervenção da Odontologia Estética e permite que oresultado obtido seja tanto melhor quanto maior for origor desse olhar. Por isso, é preciso saber observar dentese gengiva e também as relações estabelecidas globalmentecom os lábios e o rosto.O caso selecionado exigiu um planejamento detalhadopara solucionar: a falta de proporção entre os dentesdo segmento anterior superior, com presença de diastemaentre eles, causando um desnível entre as papilas;falta de paralelismo das linhas incisais em relação aocontorno do lábio inferior, devido à assimetria entre osdentes; dentes escurecidos na cor A3,5 da escala vita;dente 53 apresentando necrose pulpar e conseqüentementealteração de cor, observando ainda elemento 13incluso no palato.Foi realizada a exodontia do dente 13 no palato. Clareamentodos dentes até a cor A1. Test-Drive do sorrisoem resina composta. Lâminas de porcelana (D-Sign-Ivoclar-Vivadent)nos dentes 12, 11, 21, 22, 23. Exodontiado elemento 53 e colocação imediata de um implantereplace select tapered 4,3 x 16mm (nobel biocare), abutmentestético de zirconia previamente confeccionado(cirurgia reversa no modelo), e colocado em funçãoimediata com provisório para manutenção das papilas.Aguardada a osseointegração, foi confeccionada a coroaEmpress2 (Ivoclar-Vivadent) no elemento 13.No resultado final observa-se que as lâminas de porcelanae coroa no elemento 13 devolveram a proporçãode altura e largura entre os dentes anteriores, assimcomo o paralelismo das linhas incisais com o contornodo lábio inferior. Nota-se também a melhor relação daaltura das papilas, conseguida respeitando a distânciamáxima de 5 mm da base do ponto de contato à cristaóssea. A tonalidade de cor foi conseguida através do clareamentoe translucidez da porcelana.Figura 1 - Caso Inicial - Paciente apresentando diastemas e dente 53 (decíduo) com necrose pulpar e alteração de cor.R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 47-52, jan./fev./mar. 200547


Técnica LaboratorialPrimeiras experiências em Pilares“Ceramic-On ® ” sobreinjetadoscom Empress IIAugust Bruguera*ResumoNeste artigo, August Brugueratenta nos transmitir uma nova técnicapara obter pilares estéticossobre implantes. Com esta novatécnica, podemos conseguir umperfil de emergência ideal, ao mesmotempo em que aumentamosa resistência do pilar e obtemosuma cor dental. Veremos, passo apasso, a elaboração destes pilarese poderemos compreender que setrata de uma técnica simples querapidamente pode ser implantadadentro da produção cotidiana dolaboratório dentário.Palavras-chave: Pilar sobreinjetado de Empress II. Perfil de emergência. Pilar estético.Translucidez.* Realiza seus estudos de Técnico Especialista em Prótese Dental na Escola Ramón y Cajal de Barcelona.• Completa sua formação realizando estágios em laboratórios particulares da Alemanha, Itália e Suíça.• Sócio de honra da ACADEN.• Autor de diversos artigos publicados em revistas nacionais e internacionais.• Autor do livro “Sombras, un mundo de color” (Sombras, um mundo de cor).• Ministrou cursos e conferências em congressos nacionais e internacionais.• Membro consultor da revista americana “Signature International”.• Professor da pós-graduação do Dr. Tomas Escuín, da Universidade de Barcelona.• Diretor do laboratório e centro de formação “Disseny Dental bcn”, localizado na cidade de Barcelona.R Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 53-58, jan./fev./mar. 200553


EstéticaBiologia da EstéticaHá vida no esmalte: metabolismo ecirculação própriaAlberto ConsolaroFilósofos e cientistas em todos os tempos egerações, questionam, discutem e por fimnada concluem sobre o conceito de vida.A discussão é interminável. Em áreas maisespecíficas como a Biologia e Microbiologia ainda sediscute: o vírus representa uma forma de vida? Algumasperguntas são formuladas como condição parauma reposta: ele tem uma circulação própria? Temmetabolismo próprio? Se renova estruturalmente detempos em tempos? A resposta para estas perguntasé não e logo se afirma: então vírus não tem vidaprópria.Os vírus foram considerados a menor forma de vidapor muito tempo, apesar das dúvidas e contradições.Recentemente foram relatados os “prions” ou proteínas,que ao entrarem no organismo interagem comoutras proteínas teciduais e celulares e promovem adegeneração e morte, destruindo algumas partes docorpo e comprometendo funções vitais. Os prions ficarammais conhecidos por duas razões. A primeirapor ser a causa da Síndrome da Vaca Louca ou EncefalopatiaEspongiforme Bovina; a segunda razão por terdado a oportunidade a um de seus estudiosos ganharo Prêmio Nobel de Medicina. O termo prion é umaforma abreviada de “Proteína Infecciosa”. Tal como ovírus, os prions também não têm metabolismo próprioe circulação intrínseca de líquidos, permanecendoa conceituação contraditória: são ou não formasde vida?O esmalte dentário tem vida, apesar de muitos otratarem como um tecido inativo e amorfo. O cabeloe as unhas também têm vida.O esmalte uma vez produzido pelos ameloblastosé constituído pelos prismas, são verdadeiras vigasfortemente interligadas lateralmente umas às outras.Em cortes transversais os prismas têm uma formageométrica semelhante a um buraco clássico de fechadura.Entre os prismas há uma “bainha” ou substânciainterprismática. Cada prisma é constituído pormilhões de cristais hexagonais, como verdadeiros tijolos.Entre os prismas e entre os cristais há espaçospor onde circula um líquido, também denominado deR Dental Press Estét, Maringá, v.2, n.1, p. 133-135, jan./fev./mar. 2005133


Se você não for,nós mandaremos as fotos...O11 ENCONTO ANUAL DA SBOESociedade Brasileira de Odontologia EstéticaLOCAL:Costão do Santinho Resort-Florianópolis/SC2005EstheticsinINFORMA ES E INSCRI ESSociedade Brasileira de Odontologia Estética-SBOESecretaria Executiva>> Tel/Fax: (21) 2239-4370E-mail: info@sboe.com.br / Site: www.sboe.com.brHOSPEDAGENS E TRANSLADOSAgência Official TurismoTel: (51) 3268-2220e3268-1585Site:www.officialturismo.com.brE-mail: agencia.official@terra.com.brwww.sboe.com.br18 a 21 de maio


Assim foi...EstheticsinAngraOo10 Encontro Anual daSBOE, realizado emAngra dos Reis -RJ, foirealmente um sucesso!Foi oevento de Odontologiamais divulgado em todamídia impressa etelevisiva.Então ficamos nosperguntando oporquê dessadivulgação em massa? Edescobrimos aresposta.Tivemos participação devárias “Personalidades”.Não foi somente oLuigiBaricelli que prestigiou nossoevento.Contamos também com asilustres presenças de: MarilynMonroe, Elvis Presley, MichaelJackson, Whoopi Goldberg,Dr. Marcelo Fonseca,Sra. Catarina Sanches,Sra. Andrea Baricelli,Dra. Débora de Paula,Dr. Pinhas Cohen,Dr. José Arbex, Sra. MariaHelena, Dr. Lívio Yoshinaga,Dr. Flávio Cintra,Dra. Lucimar Teixeiraentre outros...Aquivocê encontraa melhor formapara seaperfeiçoardescontrair &Por este motivo, iremoscompartilhar com vocês essaslembranças, nos próximosexemplares de 2005.Até lá!!!Faça sua inscrição para oEsthetics in Floripa ligando para:(21)2239-4370 ou envie e-mail:congresso@sboe.com.br


Grade’SBOEAlém da chance de participar demomentos únicos de relacionamentocom colegas de todo oBrasil eseaperfeiçoar com profissionais que sãoreferência em suas áreas, uma dasprincipais preocupações que aSBOE temhoje em organizar seus eventos, éfazercom que aunião entre aperfeiçoamento+ lazer seja realmente realizada.Procuramos um local com uma infraestruturaque comporte todo nossoevento eque nos proporcione momentosde lazer edescontração, aquelasensação de “estar em casa”.No Costão do Santinho nos sentimosrealmente assim. Somos recebidos porpessoas que estão sempre de bomhumor, demonstrando que estãofazendo seu trabalho com satisfação.Lá conseguimos repor nossas energias,relaxar, buscar saúde euma melhorqualidade de vida. Também não podiaser diferente, éum legítimo paraísobrasileiro.Enfim, oque você está esperando paradesfrutar deste paraíso eainda seaperfeiçoar em sua área?Corra!! Pois as vagas são limitadas.Luiz Narciso Baratieri - BRASILUso de Compósitos emDentes Anteriores: Fundamentospara a“Excelência”.Didier Dietschi - SUÍÇAAbordagem Estética Diretae Indireta em DentesPosteriores eAnteriores.Newton Fahl - BRASILAtingindo aExcelênciacom Resina Compostano Segmento Anterior.Gerald Denehy - EUAAtingindo aExcelênciacom Resina Compostano Segmento Anterior.Aula em conjuntoJosé Scarso Filho - BRASILProtocolo para Estética eFunção em Implantodontia.José G. Malagutti - BRASILExcelência Estéticacom ImplantesOsseointegrados.Aula em conjuntoLaércio Vasconcellos - BRASILPlanejamento Cirúrgico paraObtenção da Estética naImplantodontia.JairoPires - BRASILFotografia eVídeo Digital:A Arte de Escrever com Luz.


Junto com oconforto eatendimentodiferenciado por estarparticipando do congresso,você terá:Oportunidade de levar afamília etodos juntosdesfrutarem de grandesmomentos de lazer.Possibilidade de viver diasde cuidados especiais comvocê mesmo nomaravilhoso SPA.Opções de esporte elazerdos mais tranquilos aosmais radicais, na terra, céuemar.Ofertas exclusivas aoevento de produtos eserviços das empresasexpositoras.Grandes oportunidades deinteragir com osprofessores em momentosfora da aula.Carlos Francischone - BRASILArte em Pesquisar e PlanejarSoluções Estéticas emOsseointegração.Nitzan Bichacho - SUIÇAReabilitação Oral.MauroTosta - BRASILCurso Interativode Estética emImplantodontia.Alessandro Januário - BRASILCurso Interativode Estética emImplantodontia.Aula em conjuntoSidney Kina - BRASILPropriedades Físicas eMecânicas das CerâmicasNas restaurações Estéticas.Francisco Massola - BRASILApresentação do CasoVencedor daGaleria do Sorriso 2004.Ronaldo Hirata - BRASILTendência de Técnicas eVisãoClínica das Pesquisas emMateriais Resinas Compostas.Oswaldo Scopin - BRASILEstratégias RestauradorasAdesivas para RestauraçõesIndiretas.2005Estheticsin18 a 21 de maio


RESTAURACOES ESTETICASQual cimento mais indicado??EntrevistadoDr. Oswaldo ScopinMestre eDoutorem PróteseEntrevistadorHerbert MendesGerente deMarketing eVendasIvoclar VivadentBrasilivoclarvivadentApoioÀ SBOE em parceria com a Ivoclar Vivadent, trazem para oo11 EncontroAnual da SBOE oDr. Oswaldo Scopin.Desfrute de alguns tópicos que serão abordados por estemestre em prótese.Herbert Mendes> Com ocrescimento pela demanda derestaurações estéticas, há sempre um questionamentosobre qual seria o melhor cimento para fixação derestaurações metal-free. Qual éocimento mais indicadopara restaurações estéticas?Oswaldo Scopin> Quando se fala em restaurações estéticasé sempre importante lembrar que uma restauração metalocerâmicatambém é uma restauração estética,principalmente aquelas com ombro cerâmico. Uma coroametalo-cerâmica sem o ombro cerâmico pode ser cimentadacom qualquer um dos cimentos odontológicos disponíveis nomercado, como por exemplo os cimentos de ionômero devidro modificado com resina composta, ou mesmo o cimentode fosfato de zinco, que é usado há muito anos com índicede sucesso aceitável. Entretanto quando consideramosrestaurações metalo-cerâmicas com ombro cerâmicodevemos lembrar que um cimento com boas qualidadesópticas se faz necessário. Então, entramos realmente emqual seria o cimento mais indicado para restauraçõesestéticas, que do meu ponto de vista, baseado emexperiência clínica eem trabalhos científicos, éaresinacomposta para fixação ou o cimento resinoso, comopodemos chamá-lo, por se tratar de um agente cimentante abase de resina composta.HM> O cimento resinoso pode ser usado tanto em dentesposteriores como anteriores?OS> Sim. Porém alguns profissionais preferem para dentesposteriores a facilidade de trabalho dos cimentos à base deionômero de vidro, principalmente no tópico da remoção deexcessos nas áreas proximais. Eu pessoalmente prefiroutilizar o cimento resinoso em todas as minhas restauraçõesestéticas indiretas tanto em anteriores como em posteriores,acho que a facilidade de trabalho depende muito doconhecimento do material, e isso éum aprendizado afreqüência de uso traz a facilidade técnica.HM> Esta união ao tecido dental através dos sistemasadesivos também ocorre nas cerâmicas odontológicas?OS> Não em todas, a cerâmica necessita ser passível detratamento de superfície ede silanização, como por exemploas cerâmicas feitas sobre troquel refratário, como porexemplo IPS d.SIGN eas cerâmicas do Sistema Empress,tanto o sistema original como o Empress 2.HM> O Empress 2, a base de dissilicato de lítio, segundorecomendações da própria Ivoclar Vivadent pode sercimentado com qualquer cimento odontológico, vocêcompartilha desta opinião?OS> Sim tecnicamente, devido à alta resistência dacerâmica, a mesma pode ser fixada com qualquer cimentocomo uma metalo-cerâmica por exemplo. Porém a utilizaçãodo cimento resinoso nos permite um selamento quase quecompleto da margem da restauração, visto que podemoscondicionar tanto acerâmica como a estrutura dental. Euprefiro utilizar sempre que possível cerâmicas passíveis decondicionamento e silanização.HM> Outro ponto questionado sempre por profissionais équal cor de cimento utilizar, visto que sistemas comoVariolink II da Ivoclar Vivadent, possuem uma variedadegrande de cores ?OS> A cor do cimento realmente éum ponto de extremaimportância para quem trabalha com Odontologia Estética.Acor mais utilizada sem dúvida é o transparente, pararestaurações parciais de cerâmica ou resina composta comoinlays e onlays, as margens ficam com uma qualidadesurpreendente.O transparente também é muito utilizado para laminados emcerâmica já que não interfere em nada o resultado final dotratamento.HM> A pasta de prova como, por exemplo, Variolink Try-intem influência no resultado final da restauração ?OS> Sem dúvida nenhuma. As pastas de prova, ou try-in,servem como um ensaio de aprovação do resultado final,tanto para o dentista como para o paciente, que tem a realsimulação do aspecto final da restauração. Em restauraçõesanteriores, como laminados a utilização errada de umcimento pode alterar as qualidades ópticas da cerâmica,prejudicando o resultado estético desejado.HM> Ésóemlaminados que se torna importante a utilizaçãodas pastas de prova ?OS> Não. Hoje com cerâmicas onde posso realizar preparosmais conservadores. Por exemplo, em coroas feitas comEris/Empress 2 podem ser realizados desgastes menoresque 1 mm, assim a cor do cimento se torna importante. Eéuma tendência utilizar preparos mais conservadores paracerâmicas com alto grau de translucidez, e associandosistemas adesivos aos cimentos resinosos nestes casosalém de resistência e boa adaptação, mantenho asqualidades ópticas da cerâmica.HM> Desta forma é importante um cimento ter dois tipos deopção de trabalho, podendo ser de polimerização física ededupla polimerização?OS> Sim isso torna o material versátil possibilitando a suautilização em um número maior de situações clínicas.www.sboe.com.br


EntrevistadoDr. MauroTostaEspecialista emImplantodontia,Periodontia;Coordenador doCurso deImplantodontia daAPCD eMestreem DiagnósticoBucalEntrevistadoDr. Alessandro JanuárioMestre eDoutor emPeriodontia; Coord. doCurso de Esp. emImplantodontia doHGEB/IPESP; Prof.resp.depto ImplantodontiaePeriodontia da UCB eFellow do InternationalTeam for Implantology.EntrevistadorDr. Luiz Antonio G. PiresMestre eDoutor emOdontologia e VicePresidente da SBOE.ApoioDuranteo“Esthetics in Floripa” em workshop conjunto, oDr.Mauro Tosta irá compartilhar seus conhecimentos com orenomado Dr.Alessandro Januário.Eles demonstrarão técnicas e materiais do que há de maismoderno no mercado.Saiba um pouquinho mais da participação dessesoespecialistas no 11 EncontroAnual da SBOE:Straumann> Na sua opinião, qual o estado atual daimplantodontia?MauroTosta> Muito bom.O sucesso atual da implantodontia deve-se por atender arequisitos funcionais e estéticos com bons resultados alongo prazo. A evolução de novas técnicas e biomateriais,sustentada por evidências científicas sólidas,proporcionaram impressionantes avanços naImplantodontia nos últimos anos.Em um passado não muito distante, o cirurgião-dentistatinha de esperar de 06 a08 meses para instalação daprótese sobre os implantes.Atualmente, as novas superfícies, de alta tecnologia,permitem um período de reparação óssea reduzido de, porexemplo, 06 semanas (superfície SLA®), ou ainda, de 02 a03 semanas com a nova superfície SLActive®, que serálançada mundialmente em junho /2005 no ITI® WorldSimposium em Munique.Além disso, componentes protéticos cada vez maisversáteis para o uso na clínica diária, e mais confiáveis naavaliação de longo prazo, tornaram a prótese sobreimplantes ainda mais fácil, confiável e estética.SM> Considerando que os pacientes também desejam umresultado estético, quais os fatores mais importantes naestética em implantodontia?MT> Aestética na Implantodontia é especialmente relevantequando inserida no contexto atual do mundo moderno, ondeé nítido o aumento da procura por cirurgias plásticas,produtos de beleza e rejuvenescimento, spas, academias;enfim, por serviços voltados ao bem estar do indivíduo.Isto está intimamente relacionado com uma “sensação deconforto”, experimentada por quem está satisfeitoIMPLANTODONTIANa Estéticacom sua aparência, com sua estética facial, especialmentecom a estética de seu sorriso.Os resultados alcançados atualmente são muito bons,devido à evolução dos implantes e componentes protéticos,mas principalmente, devido à maior experiência doscirurgiões implantodontistas e dos protesistas envolvidos notratamento de pacientes.Entre os fatores mais importantes estão: o posicionamentoadequado do implante do ponto de vista protético, bem comoa condição tecidual no leito receptor. Oposicionamentotridimensional do ombro do implante interfere diretamente noresultado estético final. Outro fator importante éadetecçãode eventuais defeitos ósseos ou de tecidos moles no rebordoalveolar,oque freqüentemente acarreta na necessidade derealização de procedimentos reconstrutivos previamente, oumesmo durante a instalação dos implantes.SM> Aimplantação imediata é uma boa opção?MT> Sim.É uma técnica que vem sendo cada vez mais utilizada.Novos implantes de formato cônico-cilíndrico projetadosespecificamente para colocação em alvéolos frescos ou emáreas de exodontias recentes, aprimoram a estabilidadeprimária e asseguram um preenchimento mais adequado doalvéolo.Outra inovação importante éapossibilidade de preservaçãodos tecidos periimplantares por meio da aplicação da técnicade restauração imediata pós-implantação.Estas novas possibilidades otimizaram os resultados obtidoscom a abordagem imediata. Evidentemente, um adequadoplanejamento pré-operatório, e alguns aspectos tais como:nível de inserção e biótipo periodontal, presença deretrações gengivais, processos infecciosos entre outros,devem ser analisados.SM> Como será o curso durante o evento da SBOE noCostão do Santinho?MT> Trata-se de um curso interativo, que compreende duaspalestras com cirurgiões implantodontistas que trabalhamcom implantes a mais de dez anos e acompanharam aevolução dos produtos e técnicas na área, portanto aliam umgrande conhecimento dos recursos cirúrgicos e protéticos,bem como uma visão abrangente da estética naImplantodontia.Após as palestras, serão realizados workshops cirúrgicos eprotéticos considerando todos os aspectos relevantes notratamento em áreas estéticas. Uma oportunidadeimperdível para cirurgiões e colegas da área restauradora.www.sboe.com.br


EntrevistadoDr. José G. MalaguttiDoutor em PróteseDental, Periodontia eImplantodontiaEntrevistadoDr. José Scarso FilhoDoutor emImplantodontia pelaUFSC; Mestre emCTBMF pela PUC-RS;Professor de CTBMFna Faculdade deOdontologia deAraraquaraApoioO tema em conjunto a ser abordado pelos Drs. José Malaguttioe José Scarso durante o11 Encontro Anual da SBOE será:“Protocolo para excelência estética com implantesosseointegrados e função”Conheça alguns dos tópicos que serão abordados por essesgrandes professores:Nobel> De uma visão estética, o que alterou recentemente demais significativo nos implantes osseointegrados?José G. Malgutti> Os implantes osseointegrados foraminicialmente desenvolvidos para resolução do edentulismototal mandibular, com grande preocupação biológica efuncional, porém sem grandes requisitos estéticos, e estavisão permaneceu durante muitos anos. Somente no iníciodos anos 90 éque surgiram os primeiros componentes parareabilitação do edentulismo unitário. Inicialmentepadronizados, sem grandes possibilidades depersonalização.No final dos anos 90, com o lançamento do sistema Procera –Nobel Biocare, a personalização de pilares protéticos foidifundida, sendo possível elaborar restaurações que melhorreproduzam desde a cervical do elemento dental perdido, nãosomente em titânio mas também em alumina e zircônio, quepor serem semi-translúcidos melhor mimetizam com osdentes vizinhos.Caso inicial: agenesia doincisivo lateral direito.NB> Então poderíamos afirmar que a personalização depilares protéticos seja uma evolução?JGM> Claro, pois quando pensamos em estética, temos queter uma avaliação ampla.O paciente que perdeu um elemento dental certamenteperdeu estruturas de suporte ede composição periodontalimportantes estéticamente, como por exemplo, as papilasgengivais.Ai que entram os pilares personalizados que melhor podemtridimencionalmente reproduzir a anatomia cervical dental,proporcionando a estabilização mecânica de tecido mole quetanto pode favorecer a manutenção de papilas gengivais.NB> Pilares protéticos personalizados podem garantir aprevisibilidade na obtenção de papilas gengivais?JGM> Certamente a previsibilidade é resultante daobservação de um conjunto de varáveis, que vão desde oplanejamento inicial atéafinalização de restaurações.PILARES PROTÉTICOSUma evoluçãoRemoções dentais atraumáticas e que preservem aarquitetura gengival, evitam deslocar junção mucogengival,técnicas cirúrgicas refinadas mesmo em situações ondeprocedimentos de enxertia óssea se fazem necessários, ocuidado na reprodução do perfil emergente como citadoanteriormente, assim como outros fatores, que serãooanalizados durante nossa apresentação no 11 Encontro daSBOE.Pilar protético personalizado em zircônio.NB> O que você diria em relação à extração dental seguida deinstalação de implante osseointegrado com temporizaçãoimediata?JGM> Quando bem indicado, é uma técnica que por evitarincisões preserva tanto tecido duro quanto mole, e isto é ótimo.O fundamental está na obtenção de alta estabilidade primáriaede uma superfície que promova estabilidade secundária omais rápido possível.Estabilidade primária pode ser obtida com técnicas cirúrgicasde subpreparação do leito cirúrgico e mais facilmente aindacom a utilização de implantes cônicos, como por exemplo, osistema Replace tapered que proporciona maior estabilidadeprimária quando comparado com implantes cilíndricosconvencionais, estabilidade esta também obtida em osso tipoIIIeIV.Em relação à superfície, talvez seja a área de maiorinvestimento das companhias, porém atualmente éinquestionável que as superfícies rugosas apresentem maiorcrescimento ósseo quando comparadas com superfícies lisas,que somente apresentam aposição óssea. Pesquisasapontam alto índice de contato ósseo (64,9%) com asuperfície anodizada TiUnite em curto período de cicatrização(6 semanas), sendo consequentemente ade primeira eleiçãopara temporização imediata de unitários.Instalação de implante osseointegrado ReplaceTapered NP, com temporização imediata.Nesta foto com restauração final.Obs> Todas as matérias encontram-se na íntegrano site da SBOE.www.sboe.com.br

More magazines by this user
Similar magazines