Views
2 years ago

Tradução de Ana Biscaia Tradução de Manuel Alberto Vieira

Tradução de Ana Biscaia Tradução de Manuel Alberto Vieira

densamente compostas formações do exército austríaco enquanto aguardavama sua vez para serem lançadas contra o flanco direito do GrandeExército. Os sobreviventes da divisão de Legrand e do corpo de Davoutnão se contentavam em conter os austríacos, mas já os tinham feito recuaratravés do Goldbach e estavam a tentar retomar as aldeias de Zokolnitz eTellnitz enfrentando o fogo fulminante das baterias do inimigo.Assim que os militares de Soult alcançaram a margem do Planalto,desdobraram-se em linha e começaram a avançar sobre os austríacos comas primeiras equipas de artilharia preparadas para agir a lançarem fogo sobreas formações inimigas em baixo. Era difícil falharem os alvos e, numcurto espaço de tempo, as baterias francesas varriam colunas de soldadosaustríacos e destruíam os canhões trazidos apressadamente para atacar asforças de Soult. A infantaria francesa desceu do Planalto, fazendo recuar oinimigo de baionetas apontadas. No momento em que os primeiros batalhõesaustríacos recuaram aos cambaleios do ataque ao seu flanco, dispersarame fugiram dos franceses, que não estavam a fazer prisioneiros. Osfugitivos correram diretamente para outras unidades que ainda se mantinhamfirmes, e à medida que o medo foi passando de homem para homemcomo uma doença contagiosa, o exército austríaco desintegrou-se, batalhãoatrás de batalhão, e escapuliu-se das forças francesas que o cercava.Existia apenas uma linha de fuga, através dos lagos e pauis congelados parasul, e, pouco tempo depois, a paisagem fervilhava de homens e cavalos desesperadamenteà procura de um caminho sobre o gelo.O marechal Soult cavalgou encosta acima ao encontro de Napoleãoe do seu rosto ressaiu uma expressão de pleno contentamento enquantoapontava para o espetáculo.— Derrotámo-los, sire! Conquistou uma notável vitória.— Ainda não — replicou Napoleão num tom carrancudo, de olhospostos no exército em fuga. — Temos de tornar a derrota deles aindamais esmagadora se quisermos convencê-los a aceitar os factos e pôr fimà guerra. — Permaneceu em silêncio por momentos, voltando-se em seguidapara Soult. — Ordene aos seus homens que abram fogo sobre aqueleshomens.Soult fitou o Imperador por instantes e depois respondeu em voz baixa:— Sire, eles foram derrotados. Não nos podem fazer qualquer mal.— Não hoje. Não amanhã, talvez. Mas não tardará muito até que sevoltem a formar, prontos a enfrentar-nos novamente. Temos de nos ver livresdessa ameaça, Soult. Agora dê as suas ordens, imediatamente.Os lábios de Soult contraíram-se numa fina linha ao mesmo tempoque fazia continência e acicatava o seu cavalo para longe do Imperadorrumo à mais próxima das sua baterias, que haviam cessado fogo na altu-140

a em que a infantaria francesa atacou as unidades austríacas que aindaofereciam resistência. Mal a ordem foi dada, Napoleão acompanhou comos olhos a aproximação de Soult à bateria mais próxima. Uma descarga detiros rugiu sobre as cabeças dos austríacos que se afastavam em torrente docampo de batalha. Milhares deles deslizaram com movimentos descoordenadosao longo dos lagos congelados enquanto as pesadas balas de ferro caíamà sua volta, quebrando o gelo e lançando homens, cavalos, vagões comarmamento e canhões para a água gélida por baixo. Muitos foram puxadospara baixo pelo peso dos seus uniformes e equipamento, mas os mais fortesprocuravam segurar-se nos instáveis pedaços de gelo, debatendo-se por algumtempo até que o frio lhes exaurisse a energia e deslizassem para o interiorda superfície escura da água, fazendo companhia aos seus camaradas.Napoleão observava em silêncio enquanto os seus inimigos se afogavam àscentenas. Era uma visão nauseante, e sentiu-se tentado a ordenar que os canhõescessassem fogo, porém lembrou a si próprio a brutal necessidade deaniquilar a vontade do inimigo para prosseguir com a luta. Quanto maior onúmero de austríacos que perecessem nesta batalha, maior a probabilidadede paz.Quando o Sol de fim de tarde se começou a estender obliquamenteao longo do campo de batalha, os canhões e os disparos dos mosquetessilenciaram-se por fim, e o emudecimento e a quietude revelavam-se estranhamenteinquietantes depois do estrompido de longas horas de combate.Na fria neblina azul de um crepúsculo de inverno, Napoleão examinavauma paisagem de cadáveres, canhões e vagões destruídos. Dos edifícios quehaviam sido incendiados durante o combate travado ao longo da correntedo Golbach, ainda redemoinhava fumo rumo ao céu. A maior parte dossoldados do Grande Exército encontrava-se sentada no chão, ou debruçadasobre os mosquetes enquanto contemplavam a devastação em seu redor.Os mais oportunistas já caminhavam por entre as pilhas de cadáveres inimigos,roubando o que estivesse nos corpos dos mortos e dando a estocadafinal nos feridos que tentavam resistir às suas rapinações. Num outro lugar,milhares de prisioneiros austríacos eram reunidos sob o olhar atento deuma cobertura de guardas.Napoleão inclinou a cabeça numa breve saudação na altura em queSoult chegou ao pé de si a cavalo.— Parabéns, sire. Uma notável vitória.— Será — concordou Napoleão. — Assim que Fouché fizer algumapressão junto dos jornais lá em França.Soult riu entre dentes diante daquilo que acreditava ser autodepreciaçãoda parte do seu Imperador.— Uma vitória a todos os títulos notável, sire.141

Tradução de: J. Espadeiro Martins, Ana Silva e Teresa Damásio
Tradução da doc de Perl
O Comodoro Alberto Manuel Silvestre Correia nasceu a 8 de Agosto ...
Caderno Lingua Portuguesa - Ana Paula Teixeira - Dom Alberto
ESTATUTO DO IDOSO: AVANÇOS COM CONTRADIÇÕES Ana ...
PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH - Ana
Evolução - RH Atlântico Sudeste - Ana
Irrigação no Plano Estratégico - Ana
Evolução - RH Tocantins-Araguaia - Ana
Evolução - RH Atlântico Leste - Ana
ANA vai regular serviços de irrigação Nova atribuição será para ...
plano nacional de recursos hídricos navegação interior - Ana
Evolução - RH Atlântico Nordeste Oriental - Ana
MACIEL, Ana Paula. Vacância residencial na RMBH. Dissertação ...
Evolução - RH Atlântico Sul - Ana
Diagnóstico das águas do Brasil - Ana
Evolução - RH São Francisco - Ana
Evolução - RH Atlântico Nordeste Ocidental - Ana
aNA - AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUA - LENHS UFPB