Views
3 years ago

Tradução de Ana Biscaia Tradução de Manuel Alberto Vieira

Tradução de Ana Biscaia Tradução de Manuel Alberto Vieira

após Nelson o ter

após Nelson o ter precedido, o funcionário regressou e conduziu-o pormais um lanço de escadas até aos gabinetes dos principais ministros. Castlereaghestava num amplo compartimento com duas janelas sobranceirasà Downing Street. Em frente às janelas encontrava-se um enorme mapa domundo conhecido. Havia bilhetes com anotações afixados em locais estratégicospara os governantes de Londres. O Secretário de Estado da Guerrae das Colónias fitou-o por breves instantes, após o que apontou para a cadeirado outro lado da sua secretária.— Bem-vindo de volta a Inglaterra, Sir Arthur.— Obrigado, milorde.— Merece ser congratulado pelas façanhas alcançadas na Índia. Mesmoalguns dos mais implacáveis opositores políticos à sua família de mávontade admitem o brilhantismo das suas vitórias sobre as forças nativasque se nos opõem.— É bom ouvir isso. Estou certo de que aqueles que acompanharamos acontecimentos na Índia compreendem que o mérito de tais façanhasdeveria ser equitativamente repartido entre mim e o meu irmão.— Lamentavelmente, não. — Castlereagh entrelaçou as mãos. — Porcerto tem conhecimento de que os diretores da Companhia das ÍndiasOrientais estão furiosos com o facto de ele se ter apropriado dos seus fundospara aplicação na expansão dos nossos interesses através do subcontinente.— Estou a ver — replicou Arthur calmamente. — Posso perguntarqual a sua posição relativamente a esta matéria, milorde?Castlereagh indicou uma grande pasta com relatórios sobre a secretária.— Tenho estado a analisar os elementos respeitantes ao mandato doseu irmão, e, francamente, consigo perceber o porquê de algumas pessoasdefenderem que as políticas dele não foram justificadas. Considere-se aguerra contra os maratas como exemplo. Os custos desse arriscado empreendimentoparecem exceder amplamente quaisquer benefícios percetíveispara a Companhia, e para a Grã-Bretanha. Seria, inclusive, legítimo pensarque a verdadeira razão pela qual combateu os maratas pouco mais foi doque a glorificação pessoal. Deve ser tentador para qualquer governador-geraldeixar a sua marca numa tela tão ampla e imaculada como as terras daÍndia. Quem pode censurá-lo? — Castlereagh pausou, e quando retomoua fala, o seu tom revestiu-se de uma insensibilidade gélida — Não obstante,os recursos financeiros, e humanos, da Companhia das Índias Orientaisnão são joguetes dos ambiciosos. O seu irmão será chamado para prestaresclarecimentos quando regressar, e se a explicação dele não satisfizer oparlamento, será a sua ruína… total. Para que fique bem claro, não sou umhomem vingativo, Sir Arthur, e não vejo razão para que a desonra do seu46

irmão o prejudique a si, ou à sua família. Particularmente se cooperar nainvestigação em torno das ações do seu irmão.Arthur pigarreou e olhou diretamente para o Secretário de Estado daGuerra.— Vivemos dias de tempestade na Grã-Bretanha, milorde. Estamosa lutar pela nossa sobrevivência contra um tirano e as suas hordas. Não somossimplesmente mais um entre os inimigos de Bonaparte. Somos a últimaesperança da Europa. Se formos derrotados, todas as outras nações que seopõem à França perderão ânimo. — Inclinou-se para a frente. — É por essemotivo que temos de fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para consolidaro poder da Grã-Bretanha por todo o mundo. Se o Richard não tivessepegado no touro pelos cornos e fortalecido o nosso domínio sobre a Índia,ver-nos-íamos forçados a disputar cada centímetro de terra com os francesese os seus aliados. Estou em crer… estou absolutamente convicto… deque o Richard teve razões que justificassem as suas políticas, e é, no mínimo,um escândalo, que os seus inimigos políticos estejam a tentar arruiná-lo. SeBonaparte algum dia derrotar a Grã-Bretanha, será devido tanto aos esforçosmal direcionados de ingleses invejosos como aos seus exércitos.Voltou a sentar-se na cadeira com uma expressão desafiadora. Oslábios de Lorde Castlereagh contraíram-se numa fina linha enquanto lheretribuía o olhar. Nenhum dos homens falou durante algum tempo, até queCastlereagh se ergueu da cadeira.— Dissemos tudo o que havia a dizer por agora, Wellesley. Esperosinceramente que não se venha a arrepender da decisão de defender o seuirmão.Arthur sorriu.— Quanto mais tempo durar a guerra, menor será a probabilidade deviver o suficiente para me arrepender de qualquer decisão, milorde. Umaperspetiva que poucos políticos têm de encarar, lhe garanto. Desejo-lhe umbom dia.Capítulo 6NapoleãoBolonha, agosto de 1805O acampamento do exército incumbido de invadir a Grã-Bretanha espalhava-senuma extensão de quilómetros em todas as direções. Desde o47

Tradução da doc de Perl
Tradução de: J. Espadeiro Martins, Ana Silva e Teresa Damásio
ESTATUTO DO IDOSO: AVANÇOS COM CONTRADIÇÕES Ana ...
Evolução - RH Atlântico Leste - Ana
Irrigação no Plano Estratégico - Ana
Evolução - RH Tocantins-Araguaia - Ana
O Comodoro Alberto Manuel Silvestre Correia nasceu a 8 de Agosto ...
Evolução - RH Atlântico Nordeste Ocidental - Ana
Caderno Lingua Portuguesa - Ana Paula Teixeira - Dom Alberto
Evolução - RH Atlântico Sul - Ana
Evolução - RH São Francisco - Ana
Diagnóstico das águas do Brasil - Ana
Evolução - RH Atlântico Sudeste - Ana
PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH - Ana
ANA vai regular serviços de irrigação Nova atribuição será para ...
aNA - AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUA - LENHS UFPB
plano nacional de recursos hídricos navegação interior - Ana
Evolução - RH Atlântico Nordeste Oriental - Ana
MACIEL, Ana Paula. Vacância residencial na RMBH. Dissertação ...