Acidentes com Crianças no Brasil e o ... - Criança Segura

criancasegura.com.br

Acidentes com Crianças no Brasil e o ... - Criança Segura

Acidentes com Crianças no Brasile o Comportamento das MãesPercepção X Realidade dos NúmerosIniciativa:Patrocínio:


CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil• A CRIANÇA SEGURA Safe Kids Brasil é uma organização sem finslucrativos, dedicada à promoção da prevenção de acidentes comcrianças e adolescentes.• Atuante no Brasil desde 2001, a instituição é integrante de uma redeinternacional, a Safe Kids Worldwide, que soma mais de 15 paísesespalhados pelos 5 continentes.• Presente nas cidades de São Paulo, Recife e Curitiba, a CRIANÇASEGURA atua nacionalmente de maneira integrada por meio deprogramas de prevenção, campanhas de comunicação e articulaçãocom o governo.Mais informações: www.criancasegura.org.br


Panorama dos acidentes no mundo• 1 milhão de crianças até 14 anos morremem decorrência de acidentes todos osanos ao redor do mundo.• Cerca de 50 milhões ficam com seqüelaspermanentes.• Mais de 90% destas mortes acontecenos países em desenvolvimento.• Nestes países, o acidente é a principalcausa de morte de crianças de 1 a 14anos.• O número de mortes de crianças irácrescer dramaticamente em decorrênciade mudanças no ambiente e no aumentoda exposição ao risco.Fonte: World Health Organization, 2000Fonte: OMS – Organização Mundial da Saúde


Acidentes com Crianças no Brasil e oComportamento das MãesO estudo a seguir é inédito e apontainformações importantes sobre acidentescom crianças no Brasil. O principal objetivodeste material foi cruzar informações sobrea percepção das mães quanto ao tema e arealidade dos números. Para fazer estaanálise, a CRIANÇA SEGURA utilizou duasfontes de informação, detalhadas a seguir:


Fontes Utilizadas1. Pesquisa Comportamental com MãesObjetivo: Investigar o grau de preocupação dos pais em relação a acidentes com os filhos (0 a 14 anos) -entendimento da questão, cuidados e prevenção, necessidades quanto a informações sobre o temaMetodologia: Estudo qualitativo através da técnica de Discussão em Grupo.Universo estudado: 16 grupos com mães de filhos entre 0 e 14 anos, pertencentes às classes AB e CDInstituto de Pesquisa: IpsosRealização (datas e locais): 09 e 23 de setembro de 2008, nas cidades de: São Paulo, Rio de Janeiro,Recife e Curitiba.São Paulo Rio de Recife CuritibaJaneiroAB CD AB CD AB CD AB CD0 a 5 anos 1 1 1 1 1 1 1 16 a 14 anos 1 1 1 1 1 1 1 1TOTAL 4 4 4 4Patrocinado por:


Fontes Utilizadas2. Estudo de Mortalidade e Hospitalizações por Acidentes com Crianças no BrasilCoordenação: ONG CRIANÇA SEGURAFontes: IBGE e o Ministério da Saúde, por meio do Sistema de Informações sobre Mortalidade(SIM/MS) e do Sistema de Informações Hospitalares do SUS (SIH/SUS)Universo estudado: Dados de mortalidade e hospitalizações por acidentes, em todo territórioBrasileiro, na faixa etária de 0 a 14 anos no período de 2000 a 2005Pesquisadoras: Dra. Maria Helena de Mello Jorge, da Faculdade de Saúde Pública da USP,Dra. Maria Sumie Koizumi da Escola de Enfermagem da USP e a mestranda Vanessa LuizaTuono, da Faculdade de Saúde Pública da USPPatrocinado por:


Considerações iniciais:Antes de apresentar a análise realizada combase nos duas fontes utilizadas, sãonecessárias algumas consideraçõesimportantes relacionadas especificamente àpesquisa comportamental


Considerações iniciais:Em primeiro lugar, cabe ressaltar que: Não foram detectadas grandes diferenças entre as praçaspesquisadas (seja quanto aos acidentes relatados como maiscomuns, seja quanto ao grau de preocupação com prevenção) Por outro lado, pode-se perceber diferenças significativasentre as classes sociais estudas, bem como em função dafaixa etária dos filhos. Tais diferenças serão apontadas aolongo do relatório.


Sobre o papel das mães em relação aos filhos:‣ As mães consideram-se as grandes responsáveis peloscuidados com as crianças. Em geral intitulam–se as maioresresponsáveis por tudo que se refere aos filhos:‣ Alimentação‣ Higiene e outros cuidados pessoais‣ Educação / orientação – tanto para a vida comoacompanhamento escolar‣ Segurança – cuidados e dicas dentro e fora de casa‣ Etc...


Sobre o papel das mães em relação aos filhos:Cabe ressaltar ainda que, em geral, as mães, além de sentiremseresponsáveis pelo cuidado com os filhos, costumamacreditar que ninguém é capaz de desempenhar esse papel tãobem quanto elasMuitas só ficam tranqüilas quando os filhos estão por perto,literalmente “embaixo das asas da mãe”


Sobre o papel das mães em relação aos filhos:‣ Porém como não podem ser onipresentes, muitas vezes precisamde ajuda. Nesse contexto costumam contar com:- Maridos ou pais das crianças- Mães ou sogras- Babás ou empregadas- Vizinhas


Acidentes com Crianças no BrasilPercepção dasMãesPercepção das MãesXRealidade dosNúmeros


1. Conhecimento sobre a RealidadePercepçãoTorna-se evidente odesconhecimento por parte damaioria quanto a incidência deacidentes Percepção com das crianças Mães queresultam em hospitalizações oumortesXRealidadeO número de crianças quemorrem vítimas de acidentesna faixa etária de 1 a 14 anosultrapassa qualquer outro tipode causa morteAcidentes = Principal causa demorte e a terceira dehospitalização de criançasde 1 a 14 anos no BrasilDiariamente, 16 crianças morreme 380 são hospitalizadasGráficos a seguir


Mortes e Hospitalizações por Acidentes, %, 2005Mortalidade - 0 a 14 anos - 20051%2%5%6%6%40%trânsitoafogamentosufocaçãoqueimadurasoutrasquedasintoxicaçãoarmas fogo14%Hospitalizações - 0 a 14 anos - 200526%13%12%16%4%55%0% 0%0% quedasoutrastransitoqueimadurasintoxicaçãosufocaçãoarmas de fogoafogamento


Mortes e Hospitalizações por Acidentes, números absolutos, 2005MortesTrânsito 2.326Afogamento 1.496Sufocação 806Queimadura 373Outras 349Queda 310Intoxicação 108Arma de fogo 40TOTAL 5.808HospitalizaçõesQueda 75.504Outras 21.946Trânsito 17. 781Queimadura 16.515Intoxicação 5.299Sufocação 585Arma de fogo 567Afogamento 407TOTAL 138.604Média de 16mortes pordia


2. Relação dos Acidentes com a ViolênciaPercepçãoRealidadeDe modo geral, independente daidade dos filhos, acidentes sempretendem a ser percebidos comoacontecimentos isolados e/oumenos Percepção graves/preocupantes das Mães do quequestões relacionadas a violência porexemploXEm 2005, 7395 crianças morreramvítimas de causas externas(acidentes + violência). Dessenúmero, 79% representaramacidentes.No caso das hospitalizações, aporcentagem foi ainda maior:93%.Gráficos a seguir


Mortes e Hospitalizações por causas externas(acidentes e violência), 2005Mortalidade por Causas Externas - 0 a 14 anos - 20058%13%AcidentesViolênciaIgnorados79%Hospitalizações por Causas Externas - 0 a 14 anos - 20054% 3% AcidentesViolênciaIgnorados93%


3. Percepção quanto à prevençãoPercepçãoDe modo geral, as mães parecemestar mais preocupadas em sercapaz de solucionar os problemasquanto estes ocorrem (primeirossocorros), do que propriamente agirpreventivamenteXPercepção de que “acidentes” seriamPercepção das Mãesquase que (ou ao menos na maioria dasvezes) “inevitáveis”, “fatalidades”, eque por mais que se tomem cuidados emedidas preventivas, a criança nãoestaria livre dos mesmosRealidadeSegundo Relatório do UNICEF,2001, experiências e pesquisasmostram que uma proporçãosubstancial das mortes ehospitalizações por acidentespodem ser prevenidasEste mesmo relatório apontaqueda de 50% nas mortes poracidentes de crianças commenos de 15 anos, de 1970 a1995, nos países membros daOrganização para a Cooperaçãoe o Desenvolvimento Econômico– OECD, após a adoção demedidas de prevenção


4. Ambiente domésticoPercepçãoOs riscos de acidentes no ambientedomésticos foram fonte de maiorpreocupação entre as mães de filhosmenores (0 a 5 anos)Ainda que os riscos “fora de casa”também se constituam em umapreocupação, Percepção percebe-se das que Mães tendema ser menos relevantes nesta fase davida dos filhos, especialmente para asmães de classe ABApenas entre algumas mães de classeCD de filhos mais novos, os riscospercebidos “fora de casa” já começama dividir as preocupações destas mãesXRealidadeDados mostram que, de 1 a 4 anos, asprincipais causas de morte estãorelacionadas ao ambiente externo:afogamentos (pelo menos 42%ocorreram em águas naturais) eatropelamentos.No entanto, essa percepção podeconfirmar-se:- no caso das hospitalizações de 0 a 4anos, já que acidentes comuns doambiente doméstico como quedas equeimaduras representaram a primeira esegunda causa de internaçõesrespectivamente;- no caso das mortes de criançasmenores de 1 ano, já que sufocação equeda prevaleceram como asprincipais causas respectivamente.


Ranking de Causa, Mortes e Hospitalizações,números absolutos, 2005MortesIdade 1º Posto 2º Posto 3º Posto 4º Posto 5º Posto 6º Posto< de 1ano1 a 4anosSufocação586Afogamento482HospitalizaçõesQueda56Atropelamento242Passageirode veículo34Sufocação128Afogamento28Passageirode veículo108Queimaduracom fogo26Queda83Choqueelétrico20Queimaduracom fogo80Idade 1º Posto 2º Posto 3º Posto 4º Posto 5º Posto 6º Posto< de 1ano1 a 4anosQueda2.650Queda14.106Queimaduracom líquidosquentes eoutras fontesde calor469Queimaduracom líquidosquentes eoutras fontesde calor3.186Choqueelétrico270Atropelamento1.857Atropelamento260Choqueelétrico1.489Envenenam.medicamentos pesticidas eoutros145Envenenam.1.081Queimaduracom fogo129Queimaduracom fogo1.051


5. Ambiente doméstico/ percepção quanto à gravidade daslesõesPercepçãoRealidadeA partir dos 5 anos, os acidentesdomésticos parecem deixar deassombrar a mente das mães epassam a ser encarados mais comotravessuras do dia-a-dia, quePercepção das Mãesgeralmente não têm conseqüênciastão sériasXO tempo de permanência emhospitais foi, de fato, elevado nocaso das hospitalizações poracidentes mais comuns doambiente doméstico, para ocaso de crianças com idade até4 anos.Mesmo assim, paradeterminados tipos deacidentes, caso dasqueimaduras por fogo oulíquidos quentes, o tempo depermanência permaneceuelevado para crianças comidade de 5 a 14 anosTabela a seguir


Tempo médio de permanência nas hospitalizações (em dias),0 a 14 anos, por acidentes, 2005Faixa etáriaAcidente0 a 1 1 a 4 5 a 9 10 a 14 TotalQuedas 3,7 3,1 2,7 2,8 2,8Afogamento 9,3 7,1 3,0 3,3 4,6Choque ele. 4,3 3,4 2,8 3,0 3,1Fogo 8,6 7,8 7,0 7,2 7,4Líq. quentes 7,2 7,0 5,2 4,8 6,2Animais/plantasSubstânciasnocivas8,1 3,2 3,7 3,9 3,83,4 3,0 3,2 3,0 3,1


6. Ambiente externoPercepçãoEm geral, o ambiente externo é fonte demaior preocupação entre as mães de filhosmais velhos (6 a 14 anos)Mais do que “acidentes” propriamente ditos,os perigos representados pelo fato deestarem “fora de casa” decorremessencialmente das preocupações com aPercepção violência em das geral MãesIsso se torna ainda mais evidente entre asmães de classe CD, visto que muitas vezesresidem em regiões da periferia que de fatoconvivem a violência de forma muito maisevidente.XRealidadeEm 2005, na faixa etária de 5 a14 anos, 2.880 criançasforam hospitalizadas vítimas deviolência; enquanto outras103.236 foramhospitalizadas vítimas deacidentesEntretanto, mesmo entre as mães declasse AB, essa tende a ser a maiorpreocupação nesta fase da vida dos filhos


7. Mães com filhos de 6 a 14 anos/ percepção quanto àincidênciaRepresentaram maior preocupação dessasmães:- Violência em geral- Más influências / amizades- Pedofilia / estupro- Assaltos- Brigas na ruaPercepção das Mães- Balas perdidasPercepção- Seqüestros- Envolvimento com drogas- Internet (uso em casa, mas perigo vemde fora)- Atropelamento (único acidente apontado)Quando estimuladas, apareceramoutros acidentesde trânsito e soltar pipasXRealidadeFaixa etária: 5 a 14 anosOs números indicam/ mortes:1. Afogamento - 9862. Atropelamento - 8493. Passageiro de Veículo - 4094. Queda - 1715. Ciclista - 1356. Choque elétrico - 94Os números indicam/hospitalizações:1. Queda – 58.7452. Atropelamento – 7.1713. Choque elétrico – 5.6544. Ciclista – 2.5705. Queimadura com líquidosquentes – 2.2666. Envenenamento por plantas eanimais venenosos – 2.078


Ranking de Causa, Mortes e Hospitalizações,números absolutos, 2005MortesIdade 1º Posto 2º Posto 3º Posto 4º Posto 5º Posto 6º Posto5 a 9anos10 a 14anosAtropelamento427Afogamento601Afogamento385Atropelamento422Passageirode veículo158Passageirode veículo251Queda75Queda96Sufocação52Ciclista91CiclistaeQueimaduracom fogo44Choqueelétrico64Hospitalizações5 a 9anosQueda30.910Atropelamento3.841Choqueelétrico2.697Queimaduracomlíquidosquentes eoutrasfontes decalor1.368Queimaduracom fogo1.176Ciclista1.10410 a 14anosQueda27.838Atropelamento3.330Choqueelétrico2.957Ciclista1.466Envenenam.por plantas eanimaisvenenosos1.064Passageirode veículo991


8. Percepção quanto aos acidentes de trânsitoPercepçãoCom exceção dos atropelamentos (preocupaçãomais presente entre as mães de filhos entre 6 e14 anos), torna-se evidente que outros tipos deacidentes de trânsito tendem a ser percebidoscomo menos relevantes, ou menos preocupantesentre as entrevistadas (poucas mençõesespontâneas)XMulheres que em geral usam transporte público,Percepção das Mãesnão mencionaram possibilidades de acidentescomo uma preocupação evidente, e ainda menoscomo um motivo de prevenção.Mães (mesmo de filhos de 0 a 5 anos), queusam carros particulares, tampouco mencionamestes acidentes espontaneamente. Quandoestimuladas, verifica-se que de fato, poucas sãoas medidas preventivas adotadas.RealidadeEntre os acidentes, o trânsito éa principal causa de morte decrianças até 14 anos,representando 40% do totalou 2326 óbitos.No caso das hospitalizações, defato, os atropelamentosaparecem em maior número:9.288 em 2005. Mas outrostipos de acidentes de trânsito –criança como passageira deveículo e ciclista – somaram5.131 hospitalizações.


Mortalidade por acidentes de trânsito, por idade e tipo, 2005Idade/tipoPedestrePassageirode VeículoCiclista Outros TotalMenor que 1 18 34 2 37 911 a 4 anos 242 108 10 111 4715 a 9 anos 427 158 44 155 78410 a 14 anos 422 251 91 216 980Total 1.109 551 147 519 2.326Acidentes com a criança na condição de passageiraresultam mais em morte do que acidentes com acriança na condição de ciclista...


...que aparecem em maior número no caso dashospitalizações, se comparado ao número deacidentes com a criança na condição de passageira.Hospitalizações por acidentes de trânsito, por idade e tipo, 2005Idade/tipo Pedestre CiclistaPassageirode VeículoOutrosTotalMenor que 1 260 35 103 148 5461 a 4 anos 1.857 317 374 588 3.1365 a 9 anos 3.841 1.104 741 1.223 6.90910 a 14 anos 3.330 1.466 991 1.403 7.190Total 9.288 2.922 2.209 3.362 17.781


9. Diálogo como medida de prevenção/ no ambientedoméstico ou externoPercepçãoRealidadeDe modo geral, os maiores receios relacionados àacidentes domésticos graves são normalmenteassociados à crianças de até 4 ou 5 anos de idade(ainda nesta fase, muitas vezes são de fatotomadas algumas medidas preventivas concretas)Xmaternas, dispensando assim, muitas vezesDepois disso as mães acreditam que osfilhos começam a ter noção do perigo e jápodem entender as argumentaçõesPercepção das Mãesmedidas preventivas concretasPrevenir esses tipos de acidentes ouintercorrências aos que os filhos estãosujeitos fora do ambiente doméstico, torna-seuma tarefa quase impossível, justamentepela falta de controle do ambiente e de todasas variáveis que o cercam. Assim sendo, aprincipal atitude preventiva tomada tende aser o diálogo e a orientação dos filhosAo longo dos primeiros anos devida, a criança passa por diversasfases, com características,referências e necessidadesdiferentes dos adultos. Com opassar do tempo, os pequenospassam a desenvolver suashabilidade motoras, cognitivas esensoriais. Mas enquanto esseprocesso não está completo, acriança fica vulnerável a uma sériede perigos exigindo, portanto,cuidados especiais e atençãototal.Por exemplo, a capacidade deuma criança de atravessar a ruasozinha só se dá por volta dos10 anos.


www.criancasegura.org.br

More magazines by this user
Similar magazines