download - OPEC

opec.eventos.com.br
  • No tags were found...

download - OPEC

WERNER SEMMELROTHCenso Varietal e Avaliação dos Programasde Melhoramento Genético da Cana deAçúcar Direcionados ao M.S.


TÓPICOS1. Origem, Evolução Varietal, Característicasdesejáveis e Histórico do Melhoramento.2. Os Programas de Melhoramento na atualidade.3. Censo Varietal do M.S.4. Considerações


OrigemEvolução VarietalCaracterísticas DesejáveiseHistórico do Melhoramento


CANA‐DE‐AÇÚCAROrigem e DisseminaçãoOMETO, J.C.; 1982


CANA‐DE‐AÇÚCARFamília Poaceae (Gramineae)Tribo AndropogonaceaeGênero SaccharumS. robustumS. barberi‐S. sinensisS. spontaneumS. officinarumVARIEDADESHÍBRIDOS INTERESPECÍFICOSFonte: PMGCA/UFSCar


EVOLUÇÃO VARIETAL1.915+ AçúcarCB41‐761970Resistênciaàs doençasNA56‐791980Resistênciaa ferrugemPRODUTIVIDADESP70‐11431990Colheita e plantiomecanizadosRB72 4542000FerrugemAlaranjada2009MELHORAMENTO CLÁSSICO2010RB855156RB835486RB 855453SP81‐3250SP83‐2847RB867515RB855536RB966928CTC 6RB92579CTC 9RB965902RB965917IACSP95‐50002020RBCTCCVIACOutrosVariedadesEspecíficas+Transgenia


PRODUTIVIDADE AGRÍCOLA ALTO TEOR DE SACAROSE RUSTICIDADE RESISTÊNCIA SATISFATÓRIA ÀPRAGAS E DOENÇAS VARIEDADES PRECOCES, MÉDIAS E TARDIAS BOA BROTAÇÃO DE SOQUEIRA LONGEVIDADE DO CANAVIAL FLORESCIMENTO AUSENTE OU EVENTUAL HÁBITO CRESCIMENTO ERETO ADAPTAÇÃO ÀCOLHEITA MECANIZADA E SEM QUEIMA ADAPTAÇÃO AO PLANTIO MECANIZADO


Programa Período SiglaEscada-PE 1913 - 1924 EBCampos-RJ 1916 - 1972 CBBarreiros-PE 1924 - 1933 EBSão Bento, Tapera-PE 1928 - ? SBPCurado, Recife-PE 1933 - 1974 PB-IANEEECAPO, Piracicaba-SP 1928 - 1935COPERESTE, Sertãozinho-SP 1963 - 1969 COPEECA, Rio Largo-AL 1968 - 1971PLANALSUCAR 1971 - 1990 RBUsina da Barra, Barra Bonita-SP 1975 - 1999 POCOPERSUCAR 1968 - 2004 SP


Os Programas de Melhoramentono BrasileM.S.


RB - RIDESAUFSCar / UFV / UFPRCTC – Centro de Tecnologia CanavieiraCV – CanaVialis – MonsantoInstituto Agronômico de Campinas


RB – RIDESARede Interuniversitária para o Desenvolvimentodo Setor SucroalcooleiroUFPIUFRPEUFMTUFGUFGDPresidente:Profª. Drª. Ana Dayse Resende DorcaUFPRUFSCarUFVUFALUFSUFRRJDiretor Executivo:Profº. Drº. Marcos Antonio Sanches VieiraFonte: PMGCA/UFSCar


RB 93 5744ORGÃO DEPESQUISAANO DOCRUZAMENTOCONTROLEINTERNOLiberação: 200613 anosFonte: PMGCA/UFSCar


Firmada em maio de 2007Fonte: PMGCA/UFSCar


FASEANO2006 2007 2008 20092010N°Clones Série N°Clones Série N°Clones Série N°ClonesSérieN°Clones SérieTOTALT1 (Seedlings) 0 0 20.000 2006 40.000 2007 42.000200840.000 2009 142.000T3 HP 93 2000 85 2001 141 2002 8720030 - 406T3 MT 193 1999 309 2000 383 2001 1952002356 2003 1.436FE HP 23 1998 24 1999 0 0 23200020 2001 90FE MT00251997261998261999262000103TOTAL CLONES 144.035Fonte: PMGCA/UFSCar


SÉRIE NÚMERO DE CLONES1994 MT 31997 HP 81997 MT 221998 MT 121998 HP 141999 HP 191999 MT 322000 HP 242000 MT 1262001 HP 492001 MT 382002 HP 412003 HP 472Clones diversos 16TOTAL 876 Fonte: PMGCA/UFSCar


SÉRIENÚMERO DE CLONES1999 HP 112000 MT 242001 HP 289Clones diversos 84TOTAL 408Fonte: PMGCA/UFSCar


SÉRIE NÚMERO DE CLONES1994 MT 31997 HP 41997 MT 161998 HP 121998 MT 141999 HP 52000 MT 1262001 HP 46Clones diversos 19TOTAL 245Fonte: PMGCA/UFSCar


7065605550454035302520151050até199067 RB’s liberadasRIDESA19 RB’s liberadasaté 19901992 1993 1995 1996 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2005 2006Fonte: PMGCA/UFSCar


CTC – Centro de Tecnologia CanavieiraO estado do Mato Grosso do Sul é atendida por2 gerentes regionais:Glaycon Nery BrigagãoE-mailglaycon@ctc.com.brFone (14) 8122-7975Marcelo BocardoE-mailbocardo@ctc.com.brFone (18) 8129-86368636Equipe de 4 engenheiros agrônomos nas áreas deMelhoramento, Muda Sadia e Carta de solos eAmbiente de Produção EdafoclimáticoFonte CTC


PROGRAMA DE MELHORAMENTO DA CANA DE AÇÚCARCENTRO DE TECNOLOGIA CANAVIEIRA ‐ CTCEstação Camamú - BA50 hectaresAltitude: 125 mPrecipitação: 2.200 mm/anoLatitude: 14º SLongitude: 39º 08’ WMaior Banco deGermoplasma do Mundo• 5.000 genótipos;• 2.000 cruzamentos;• 300 cruzamentos por região;• 600.000 seedlings, em 12 regiões.Fonte CTC


‣Objetivo para região do Mato Grosso do Sul:• Variedades adaptadas à mecanização• Tolerância à frio, doenças e pragas• Vigor e fechamento• Riqueza e precocidadeFonte CTC


RESISTÊNCIA A SECA E TOLERÂNCIA A FRIO‣Utilização de marcadores molecularespreditivos nos cruzamentos e seleção assistida‣Desenvolvimento das variedades transgênica•Variedades resistentes a pragas (gene Bt)•Variedades com alta sacarose•Variedades tolerantes ao estresse hídricoFonte CTC


VARIEDADES CTCCTC1CTC2 CTC3 CTC4 CTC5CTC6CTC7CTC8 CTC9 CTC10 CTC11 CTC12 CTC13 CTC14CTC15CTC16CTC17CTC18CTC19CTC20


CV – ALELLYX E CANAVIALIS – MONSANTOMONSANTO, LÍDER MUNDIAL EM BIOTECNOLOGIA E PIONEIRA NOSETOR AGRÍCOLA COM INVESTIMENTOS EMPESQUISA DESDE A DÉCADA DE 70...Fonte Canavialis


ALELLYX E CANAVIALISADQUIRIDAS PELA MONSANTO EM DEZEMBRO DE 2008Marca científica e regulatória daMonsanto na área de cana‐deaçúcarMarca Comercial Etapa Agrícola eDesenvolvimento do ProdutoFonte Canavialis


BASE ATUAL DE CLIENTES CANAVIALIS55 USINAS = 12% DO SETOREquipe de Desenvolvimento Técnico da CanaVialis6 profissionais regionalizados para validação dematerias CV’s promissores para avanço rápido eassertivo destes materiais para a área comercial.T1 ‐ T4 ‐ FE ‐ Multiplicação ( 6 anos).Fonte Canavialis


O PORTFOLIO DIVERSIFICADO DE VARIEDADESINCLUINDO MELHORAMENTO GENÉTICO PARA O AUMENTO DEBIOMASSA.Necessidades produtivasSacaroseMaturaçãoprecoceSacaroseMaturaçãomédiaSacaroseMaturaçãotardiaBiomassaCana-FibraSolos pobres ¹VariedadesCVVariedadesCVVariedades CVVariedadesCVVariedades CVNecessidadesimpostas peloambiente deSolos secos ¹VariedadesCVVariedadesCVVariedades CVVariedadesCVproduçãoResistência adoençasVariedadesCVVariedadesCVVariedades CVVariedadesCVPlantio ecolheitamecanizadosVariedadesCVVariedadesCVVariedades CVVariedadesCVNotas: ¹ Grandes desafios principalmente para novas fronteiras agrícolasFonte Canavialis


2.010 Número de unidades:21 Área Total (ha): 430.000Áreas de Plantio (ha): 57.533Fonte:Biosul/IBGE/PMGCA/UFSCar


2.009CTC0,3%Outras2,0%SP34,3%RB63,4%Fonte: PMGCA/UFSCar


VariedadesTotal plantioÁrea (ha) % PosRB867515 11 450 19,9 1SP81-3250 10 565 18,4 2RB835054 6 690 11,6 3RB855453 5 857 10,2 4RB855536 3 283 5,7 5RB855156 2 515 4,4 6RB72454 2 233 3,9 7SP80-1842 2 200 3,8 8RB835486 2 173 3,8 9SP83-2847 1 669 2,9 10SP80-3280 1 571 2,7 11SP91-1049 1 398 2,4 12SP86-155 746 1,3 13RB855035 632 1,1 14RB966928 552 1,0 15PO88-62 539 0,9 16SP90-3414 477 0,8 17SP89-1115 383 0,7 18SP79-1011 377 0,7 19SP80-1816 373 0,6 20OUTRAS 1.850 3,2 -TOTAL 57.533 100,0 -


CENSO VARIETAL 2006RBFonte: PMGCA/UFSCar


CENSO VARIETAL 2009/10OutrasCTC 1,3%1,1%SP34,1%RB63,5%Fonte: PMGCA/UFSCar


CONSIDERAÇÕES


Perfis de Solos x CulturasLATOSSOLO VERMELHO Distroférrico rrico textura muito argilosa(Latossolo Roxo Álico muito argiloso)Prof.(cm)CorArgilaSilteGranulometria (%)AreiaTotal MG G M F MFH2OpHKCl?pHpHCaCl2M.O.g/dm3PS-- mg/dm 3 -CaMgK Al H+Al SB CTC--------------- mmol c /dm 3 --------------Vm---- % ----Área de Pastagem 300-14 10R 3/3 40 11 49 - 19 - 30 - 5,1 4,0 -1,114-32 10R 3/4 a 3/3 50 8 42 - 9 - 33 - 5,2 4,1 -1,132-66 10R 3/4 53 9 38 - 6 - 32 - 5,3 4,1 -1,266-150 10R 3/4 58 6 36 - 6 - 30 - 5,4 4,2 -1,2Área de Agricultura (Soja)0-10 10R 3/3 70 17 13 - 5 - 8 - 5,9 5,0 -0,910-29 10R 3/3 a 3/4 78 13 9 - 2 - 7 - 5,0 4,1 -0,929-54 10R 3/4 a 3/3 84 9 7 - 2 - 5 - 4,9 4,2 -0,754-89 10R 3/4 84 9 7 - 2 - 5 - 4,9 4,3 -0,689-150 10R 3/4 85 7 8 - 2 - 6 - 5,2 4,4 -0,8224,3 30 6 3 6 2 0,8 21 82 9 91 10 704,3 22 3 3 5 2 0,3 20 69 7 76 10 734,4 152442 0,113 52 6 58 11684,5 10 2 3 9 3 0,2 9 41 12 53 23 4310256323336592230,80,30,221205,3 25 10 6 15 6 8,4 1 22 29 51 57 34,3 15152842,017 38 14 52 27554,3 3 35 6 41 724,4 12 9 312342 0,10,313 16 27 6 33 15 18 684,4 7 3 3 4 3 0,2 7 23 7 30 24 4997103362315446233,40,10,191137101023571824Área recém plantada com cana‐de‐açúcarAp 0-15 10R3/3 58 13 29 1 1 4 14 9 6,6 5,4 -1,2BA 15-35 10R3/4 63 13 25 0 0 3 12 9 5,3 4,3 -1,0Bw1 35-80 10R4/4 62 14 24 0 0 2 12 9 4,9 4,1 -0,8Bw2 80-150 10R4/4 65 11 25 0 0 3 12 10 4,5 4,1 -0,55,9 30 32 6 53 17 2,1 0 20 72 92 78 04,6 20 3 39 15 7 1,2 4 35 24 59 40 134,2 18 2 6 3 2 1,2 12 48 6 54 11 664,1 13 2 4 2 1 1,1 9 50 4 54 8 69


Estado do Mato Grosso do Sul (Interação CLIMA x SOLOS x VARIEDADES)27,026,025,0Temperatura Média Mensal em algumas regiões do Estado de Mato Grosso do SulParanaíba / Inocência - MS 330mNova Andradina / Ivinhema - MS 370mDourados - MS 450m24,023,0Ponta Porã - MS650m23,3Temperatura (ºC)22,021,020,022,122,020,619,018,017,016,0RISCO GEADA15,0JanFevMarAbrMaiJunJulAgoSetOutNovDezMÉDIAFernandes & Mazza, 2010Fernandes & Mazza, 2010


Estado do Mato Grosso do Sul (Interação CLIMA x SOLOS x VARIEDADES)300Precipitação (mm) em algumas regiões do Estado de Mato Grosso do SulParanaíba / Inocência - MS250Nova Andradina / Ivinhema - MSDourados - MS200Ponta Porã - MSPrecipitação (mm)150100500AbrMaiJunJulAgoSetOutNovDezJanFevMarAbrMaiFonte: Fernandes & Mazza, 2010


OBRIGADOWERNER SEMMELROTH

More magazines by this user
Similar magazines