Cobertura do 6º Prêmio Top do Transporte - Logweb

logweb.com.br
  • No tags were found...

Cobertura do 6º Prêmio Top do Transporte - Logweb

edição nº 130 | Dez | 2012 | R$ 15,00 |Mercado de empilhadeiras:FabricantesDistribuidoresImportadoresLocadoresCobertura do6º Prêmio Top do TransporteTransmissão de ForçaA mais nova publicação da Logweb Editora


ENTREGA PORTA A PORTA: MAIS UM SERVIÇO PERSONALIZADO COM A MARCA PATRUS TRANSPORTES.A Entrega Porta a Porta da Patrus Transportes atende clientes deE-commerce e Venda Direta com encomendas de até 20 quilos para osestados de Minas Gerais, Espírito Santo e Bahia. Um serviço sob medidapara negócios que exigem agilidade, segurança e informação completaem tempo real.Seu pedido pode ser monitorado através do “TRACKING” via web, sendopossível obter a informação de rastreabilidade do pedido desde o momento informações detalhadas como data, hora, nome e até grau de parentescode quem recebeu a encomenda *.Entrega Porta a Porta Patrus Transportes. Na velocidade da web.(*) Esse serviço está disponível para encomendas de até 20 quilos.www.patrus.com.br


Editorial 3referência em logísticaPublicação mensal, especializada emlogística, da Logweb Editora Ltda.Parte integrante do portalwww.logweb.com.brtwitter: logweb_editoraA últimade 2012Tiragem: 10.000 exemplaresRedação, Publicidade,Circulação e AdministraçãoRua dos Pinheiros, 240 - conj. 1205422-000 - São Paulo - SPFone/Fax: 11 3081.2772Nextel: 11 7714.5379 ID: 15*7582RedaçãoNextel: 11 7714.5381 ID: 15*7949EditorWanderley Gonelli Gonçalves(MTB/SP 12068)jornalismo@logweb.com.brRedaçãoDanilo Cândido de Oliveira (MTB/SP 55394)redacao5@logweb.com.brMariana Mirrha (MTB/SP 56654)redacao2@logweb.com.brPriscilla Cardoso (MTB/SP 68731)redacao3@logweb.com.brDiretoria ExecutivaValeria Limavaleria.lima@logweb.com.brMarketingJosé Luíz Nammurjlnammur@logweb.com.brAdministração/FinançasLuís Cláudio R. Ferreiraluis.claudio@logweb.com.brAdministraçãoWellington Christian Borsariniadmin@logweb.com.brDiretoria ComercialMaria Zimmermann - Nextel.: 11 7714.5378Nextel: ID 55*15*7581maria@logweb.com.brAssistente ComercialJúlia Gonçalvescomercial@logweb.com.brGerência de NegóciosNivaldo Manzano - Cel.: 11 99701.2077nivaldo@logweb.com.brJosé Oliveira - Cel.: 11 99469.7719oliveira@logweb.com.brThais Carvalho - Cel.: 11 98859.1872thais@logweb.com.br(Estagiária)Diagramação e CapaAlexandre GomesVamos combinar: 2012foi um ano bastanteatribulado, acarretandobons resultados para uns, e não tãobons para outros – dependendo da áreade atuação e do período do ano a quenos referimos.Esta análise, digamos“desencontrada”, dos resultados daspelos depoimentos dos participantes dosdois grandes “blocos” de matéria queintegram esta última edição de Logwebde 2012.De um lado, os fabricantes,distribuidores, importadores e locadoresde empilhadeiras. Na nossa tradicionalmatéria anual, que inclui tabelas comos tipos de equipamentos oferecidosao mercado brasileiro, as análises sãobastante discrepantes, tanto entre ossetores abrangidos quando dentro dospróprios segmentos.Por outro lado, na cobertura daentrega do Prêmio Top do Transporte2012, organizado pelas revistas Logwebe Frota&Cia, os ganhadores, além deexaltarem a importância do Prêmio,também fazem um balanço dos 12segmentos abrangidos. E, novamente,as análises indicam um ano comresultados expressivos para uns, edecepcionantes para outros.Mas, no caso dos dois “blocos”de matéria, as perspectivas para 2013apontadas pelos representantes dasempresas participantes são otimistas,tomando com base possíveis iniciativaspor parte do governo, para injetarânimo na economia, e, até, ummenor impacto da crise econômicamundial. E, ainda mais, os bonsresultados podem ser impulsionadospelos investimentos em infraestruturapor parte do governo – visando àrealização da Copa do Mundo de2014 e às Olimpíadas de 2016 – epela iniciativa privada, visando aoincremento da participação em novossetores e ao atendimento de novasexigências do mercado.A propósito destaedição de Logweb, valeressaltar, ainda, a seção“Investimento”. Nãoque o foco da revistanão seja neste âmbito –Logweb semprese pautou por seruma publicaçãoque tambémincentiva, e muito,os negócios entreas empresas –mas, agora, otópico aparecedestacado, dandoa importância queele tem peranteos nossos leitores.Wanderley GonelliGonçalves, EditorNo mais, aproveito – em nome detodos os integrantes da Logweb Editora– para desejar ao nosso leitor um ano de2013 repleto de realizações, esperandoque, neste ano que se inicia, todos osnegócios sejam concretizados e queno bolso, saúde prá dar e vender”.Os artigos assinados e os anúncios não expressam,necessariamente, a opinião da revista.www.logweb.com.br DEZ/2012 130 LOGWEB


4Sumário38EspecialTop do transporteVencedores do Prêmio Top do Transporte 2012 sãohomenageados durante almoço em São PauloTransmissãode ForçaA mais nova publicação daLogweb Editora8 Alimentos & BebidasSistema Integrado de Logística da OpenTech éimplantado nos processos logísticos da Seara10 Investimento12 Logística & Meio AmbienteReylux adquire ERP da PC Sistemas paragestão de materiais de construção14 EmpilhadeirasFabricantes: 2012, crise para uns, crescimentopara outros. Mas, 2013 será melhor18 EmpilhadeirasDistribuidores: um 2012 abaixo de esperado,mas um 2013 melhor em volume de negócios24 EmpilhadeirasImportadores: 2013 deve ser melhor que2012, mas vai depender das medidasgovernamentaisAgenda do LogwebConsulte no portal www.logweb.com.br a agenda com informaçõessobre feiras, fóruns, seminários, cursos e palestras nas áreas de logística,Supply Chain, embalagem,movimentação, armazenagem,automação e comércio exterior.www.logweb.com.br28 EmpilhadeirasLocação: 2012 não foi bom, mas não chegoua comprometer as atividades do setor36 Negócio FechadoNotícias Rápidas9, 12 e 23Matéria WMS na edição 129Recebemos, de Marcelo Ferreira Gonçalves,diretor de marketing da S&A, o pedido deuma “errata” sobre a sua participação naPalavramatéria “WMS: mercado em crescimento edo Leitor tendências de adição de novas ferramentasao sistema”, publicada à página 24 daedição 129, novembro de 2012, da Logweb. “Na hora acheique estava em excesso e cortei a frase ... só que cortei errado”,diz ele. Assim, quanto ao texto publicado, “como todos osWMSs oferecidos hoje no mercado brasileiro, a tendência éa aplicação de novas tecnologias globais em seu sistema enovas ferramentas que aumentem a capacidade de operaçãoou maximização de despesas operacionais”, o correto é:“como todos os WMSs oferecidos hoje no mercado brasileiro,a tendência é a aplicação de novas tecnologias globais emseu sistema e novas ferramentas que aumentem a capacidadede operação, a maximização operacional de área útil eminimização de despesas operacionais”.LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


6Carta ao LeitorNem tudona crise é ruimCaro leitor,Oano está terminando e parece que todos estãoansiosos por este momento. Em 2012, a luta daindústria nacional foi grande para se manter de pé. Elaprocurou se sustentar em todos os pilares possíveis encontradospelo caminho e, ao que parece, está conseguindo se reergueragora no quarto trimestre.A crise econômica internacional mexeu bastante com onosso país, como não poderia deixar de ser, porém, este fatonão foi um “privilégio nacional”. A China, até então, soberanaem seu crescimento, viu sua economia crescer menos do que oprevisto e está refazendo os cálculos para o próximo ano.Mas, nem tudo é de se lamentar, longe disso. O mundoestá aprendendo a lição. É chegado o momento de analisar ocapitalismo sobre outro prisma. O “vale tudo” nas relaçõescomerciais já não faz tanto sentido como outrora, não muitodistante. Todos estão medindo a distância que seus passosalcançam, como antes, só que se fazia isso em metros, agora semede em centímetros e, por que não dizer, em milímetros.A tendência é que se continue assim.E por que isso é bom? Pelo simples fato de se minimizaros riscos que levaram a Europa e os EUA ao caos econômicoem que se encontram. Outra boa notícia para o Brasil é que,em 2013, novamente bateremos todos os recordes de produçãoagrícola, puxando as exportações, trazendo mais divisas,alavancando os investimentos em máquinas, equipamentos,transportes e serviços, ou seja, todasas frentes da economia nacionalestarão a pleno vapor. Resta-nos estarpreparados para receber tamanhademanda.Que 2013 seja de muitotrabalho de boa qualidade, de boaprodutividade, de boa repercussãointernacional e, sobretudo, de boarentabilidade, que nada mais é que adevida recompensa.Luís Cláudio Ravanelli FerreiraDiretor Administrativo/FinanceiroLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


8 - Alimentos & BebidasSistema Integrado de Logísticada OpenTech é implantado nosprocessos logísticos da SearaParceira da Seara desde 2007, a OpenTech passará a atuar ainda mais inserida nas questõeslogísticas da Seara, buscando dar agilidade e precisão aos processos logísticos e de transporteda companhia com nova tecnologia.Mariana MirrhaOplano logístico daSeara (Fone: 473344.7700), quehoje engloba toda a divisão deaves, suínos e industrializados doGrupo Marfrig, deverá recebermais uma tecnologia da OpenTech(Fone: 47 2101.6122), antigaparceira da companhia. Atuandoem conjunto com a Seara desde2007, a OpenTech agora estáintroduzindo na companhia o SIL– Sistema Integrado de Logística.“Através da Integração entre oSRP – Sistema da Seara com oSIL, que foi implantado nas 32Unidades Produtoras e está emfase de implantação nos CD’s,todo o processo de cadastramentode transportadores, motoristas ementode pedágios e rastreamentoe emissão das Autorizações deEmbarque (solicitações de rastreamento)passam a ser automatizados,sem qualquer ação manualpor parte das expedições dasunidades, fato que irá gerar umaeconomia no processo de liberaçãode carregamentos/viagens de 20a 25 minutos por viagem”, explicaCristiano de Oliveira, gerentecomercial da OpenTech.A tecnologia irá contribuirpara o controle das operaçõesde transporte da Seara, possibilitandoo controle de reserva deveículos para atendimentos dasa originação dos veículos comOliveira, da OpenTech: amultifuncionalidade do SIL fornecedados precisos para resolverquestões pontuais da operação etomada de decisões estratégicasbase no acompanhamento online;monitorar os veículos em trânsito,com detalhes como localização,hora de chegada ao destino/cliente,temperatura, parada indevida;melhorar o controle da frotaagregada à empresa, buscandorapidamente sua localizaçãoe situação; melhorar o aproveitamentoda frota agregada,aumentando a produtividade dotransportador e melhorando onível de serviço de atendimentoàs entregas e clientes e aumentara produtividade da frota contratada.“Nos processos de carregamentos(programação), o SILpermitirá à mesa de operaçõesda Seara a visualização precisa,com a viagem em andamento, dadata e horários que os recursoschegarão aos seus destinos epoderão ser utilizados para novasprogramações. As informaçõessão geradas de forma dinâmica noGRID, e a tecnologia aumentaráa produtividade da frota, levandoem consideração, também, as exigênciasdo controle de jornada emconformidade com a Lei 12.619”,O SIL está sendo implantadono Longo Percurso da companhia,que compreende as operaçõesno mercado interno, mercadoexterno (contêineres), Mercosul,matéria-prima e operações KITFestas, além das operações devarejo (distribuição) a partir de 25CD’s. “A OpenTech nos auxiliano gerenciamento de riscos ena integração de novas tecnologiaspara melhorar ainda mais aperformance dos nossos controleslogísticos. O SIL será integrado aonosso processo e deve contribuircom maior rapidez para osações dos operadores da mesaFrancisco Demmer, gerente detransportes da Seara.Atualmente, o fornecimentoda OpenTech à Seara abrangeas áreas de Transporte de LongoPercurso e Distribuição, gerenciandoe monitorando todas asentregas provenientes das 32unidades da companhia até osseus 25 Centros de Distribuiçãoe milhares de clientes. São aproximadamente7.500 viagens pormês, com previsão de evoluir para12.000 até dezembro deste ano.O fornecimento abrange, ainda,mais de 500 empresas de transportesparceiras da Seara, o quetorna a gestão logística ainda maiscomplexa. Além dos produtosSeara, também é feita a distribuiçãopara todo o Brasil de marcascomo DaGranja, Nhô Bento, PenaBranca, Rezende e Bassi.“Considerando os gargalos etransporte e logística, tanto paraos embarcadores quanto paraos transportadores, a utilizaçãode ferramentas como o SIL serácada vez mais imprescindívelpara as operações. O SIL traz àsoperações logísticas a possibilidadede análises com diferentesníveis de visualização e controle,indo, por exemplo, desde aatendimento dos transportadoresde determinada operação atéa análise detalhada online dotempo de entrega de uma notamultifuncionalidade do sistemafornece as informações necessáriasque auxiliam na resoluçãode problemas pontuais daoperação, bem como na tomadade decisões estratégicas, como,por exemplo, negociações deprazos ou avaliação da qualidadede atendimento nos prazos deOpenTech.LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


Notícias Rápidas 9Bridgestone oferece programade agenciamento de freteConsiderada a maior fabricante de pneumáticos domundo, a Bridgestone (Fone: 0800 161718), emparceria com a Visa e a Renaslog, disponibilizaum serviço de oferta de fretes para embarcadorese transportadores frotistas e autônomos, depequeno e grande porte.O Bolsa-Frete permite ao caminhoneiro buscar umnovo frete após a entrega de uma carga, ou seja,facilita a contratação do frete de retorno. Todosos meses, serão pelo menos 500 oportunidadesde fretes, que estarão disponíveis no Portal VisaCargo (www.visa.com.br/cargo). Para utilizaro serviço, o embarcador, a transportadora e omotorista (autônomo) devem ser usuários dequalquer cartão Visa e se associar ao programa.A Bridgestone Bandag, por meio de sua amplarede de revendedores, reformadoras e pontosde serviços BTS espalhados por todo o territóriobrasileiro, serve como ponto de inscrição e apoioao usuário Bolsa-frete Visa. Por ser um serviço decaráter associativo, é cobrada uma mensalidade,sem limite de transações.Avianca Cargo tem novo terminal de cargasem São Paulo, SPO novo terminal da Avianca Cargo(Fone: 11 4020.2021), unidade denegócios de transporte de cargas daAvianca Brasil, localizado próximoao Aeroporto de Congonhas, emSão Paulo, SP, conta com 400 m²de área de movimentação de cargaspara embarque e desembarque ecom máquina de raios-X. O espaçopossui uma ampla área para osescritórios, que permite maiorsetorização. Esse é o segundo maiorterminal da companhia – o primeiroé o de Guarulhos, com área de1.200 m² – para movimentação decargas. “Com essas mudanças, aAvianca Cargo pretende facilitar avida dos agentes de carga e clientesdiretos, em um espaço mais amploe com maior capacidade”, afirmao vice-presidente comercial e demarketing da Avianca, TarcísioGargioni. Segundo ele, desdeagosto de 2012, o faturamento daunidade Congonhas da AviancaCargo aumentou 30%. Para ospróximos seis meses, a expectativagira em torno de 60% decrescimento. Entre janeiro e agostode 2012, a unidade Congonhasmovimentou 1,2 mil toneladas decargas – 328 toneladas a mais doque no mesmo período de 2011.Neste período, todas as unidadesda Avianca Cargo – 22 no total– transportaram 7030 toneladas –1830 a mais que em 2011. Parao mesmo período de 2013, ameta é dobrar o faturamento e ocrescimento previsto é de 50%.O aumento de negócios foipossível graças à restruturação daAvianca Cargo, iniciada em abrildeste ano.


10 - InvestimentoEIF anuncia investimentos e parcerias parafortalecer atuação no BrasilA EIF (Fone: 19 3272.4424) – fabricante delocomotivas com capital 100% nacional –divulgou algumas ações para fortalecer e qualificarainda mais a sua atuação no mercadonacional. Entre elas está a assinatura do contratocom a suíça Speno, para a fabricaçãode esmerilhadeiras de trilhos no Brasil. “Coma fabricação desses equipamentos no País,poderemos oferecer tanto a venda do produtocomo os serviços às operadoras ferroviárias,a custos mais acessíveis”, comenta CarlosBraconi, diretor da empresa. Outra novidadeenvolve a parceria firmada com as brasileirasCFlex, provedora de soluções para melhoriado tráfego ferroviário, e a Sysfer, que atua naárea de engenharia de sistemas. Segundo Braconi,serão soluções completas de logística,que proporcionarão ganhos substanciais àsoperações dos clientes. Como exemplo elecita a negociação com uma grande indústria,que inclui a locação de locomotivas por 30anos, manutenção, operação e manutençãode cerca de 50 km de via até unir à ferroviaprincipal. “Este é o exemplo de ‘short-line’,modelo de negócio que já é realidade e parao qual estamos nos estruturando”, enfatiza.O último elo que faltava era o financeiro, quefoi suprido com a estruturação de um fundode investimento em fase final de conclusão.“E estamos negociando cinco projetos comescopo similares”, acrescenta. Em um dosprojetos, relata, houve redução de 25% nocusto operacional para o cliente, por meioda locação, por 30 anos, de locomotivasnovas, de alta tecnologia, o que resultará nadiminuição do consumo de combustível, docusto de manutenção e cumprimento das exigênciasde redução de emissão de poluentes.De acordo com Carlos Eduardo F. Carneiro,vice-presidente da CFlex, o modelo inclui,também, a otimização da operação ferroviáriado cliente com a automatização da operaçãoe inclusão de sistemas de controle. “Esse éo modelo que queremos ofertar para nossosclientes. Estamos atentos e prontos para participardo novo momento de grande impulsoda logística em nosso País”, diz.Já no que se refere ao desenvolvimento deprodutos, a EIF anunciou a parceria tecnológicacom a Sygnet, para a fabricação de quatrolocomotivas modelo EIF2000 no Brasil, paraatender à demanda de um importante cliente.As máquinas possuem potência de 2.000 HPe bitola de 1.600 mm e serão entregues noprimeiro trimestre de 2013. Ainda dentro dosprojetos de locomotivas, está estudando, paramuito em breve, a fabricação de locomotivascom 3.000 HP de potência.Kuehne + Nagel vai investir na ampliação dos terminaisrodoviários de Campinas, Santos e outros em 2013Com um crescimento acima da média domercado em 2012, a Kuehne + Nagel (Fone: 113468.8000) projeta para 2013 um crescimentoexpressivo, principalmente no setor doméstico.“Os setores rodoviário e aéreo doméstico vãocrescer, percentualmente, acima da média dosdemais produtos da Kuehne + Nagel no Brasil”,informa Alexandre Chami, diretor de vendas emarketing da empresa.Ele também destaca que a sua empresa vemcrescendo este ano acima do mercado em todosos produtos e serviços que comercializa comoOperador Logístico, como transporte aéreo, marítimo,desembaraço aduaneiro, rodoviário, corretagemde seguros, armazenagem e distribuição.“Fizemos uma aquisição em 2011 (Eichenberg)e parte do nosso crescimento veio com a integraçãodas empresas, mas também crescemos,organicamente e com novos clientes”, explicou.Para 2013, as principais incertezas dizemrespeito ao mercado argentino, por conta dosproblemas econômicos. O país é um forteparceiro comercial na exportação brasileira,especialmente de produtos manufaturados, transportadosvia rodoviário (principalmente), aéreo,marítimo e ferroviário. Em termos de investimentos,o diretor de vendas e marketing alega quea Kuehne + Nagel tem planos de consolidar aestrutura da empresa no setor rodoviário no próximoano, ampliando os terminais rodoviáriosde Campinas, Santos e outros no Estado de SãoPaulo. Sem contar os investimentos em capacitaçãode funcionários e ampliação de armazénsem projetos específicos.LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


Editoria - 11Transportadora Plimor investeR$ 8 milhões em Curitiba, PRCom investimentos de R$ 8 milhões,a Transportadora Plimor(Fone: 11 2131.8000) incorporana sua nova unidade em Curitiba,PR, aquele que é consideradoo primeiro Sorter (SistemaAutomatizado de Distribuiçãode Encomenda) do Sul do Brasilno setor de transporte.A unidade tem mais de30.000 m 2 de área total, sendo6.000 m 2 de área construída.O sistema propostotem capacidade de 60 milvolumes/dia para distribuição etransferência para as regiões deatendimento da Plimor no RioGrande do Sul, Santa Catarina,Paraná e São Paulo, no Brasil, ena Argentina.O equipamento italiano,fabricado em conjunto com ainteligência dos Estados Unidos,é um dos mais modernos emtecnologia aplicada, segundo aempresa, comandado porsoftware de última geraçãopara classificação e roteirizaçãodas mercadoriasdescarregadas no terminal,permitindo, assim, a flexibilidade,segurança e agilidadedas cargas, melhorandoa conferência de peso,cubagem e separação.JLG inaugura Centro de Distribuiçãorenovado em Indaiatuba, SPA JLG (Fone: 13 3935.2767), empresado grupo Oshkosh, especializadana fabricação de plataformasaéreas de trabalho e manipuladorestelescópicos, inaugurou seu novoCentro de Distribuição em Indaiatuba,SP, totalmente renovado.A nova instalação, de 11.200 m 2 ,inclui uma área de estoque renovada,que armazena uma quantidadesignificativamente maior deprodutos. O acesso a essas peçasé mais fácil, graças a um sistemaúnico de seleção.“A JLG é a primeira empresa noBrasil a implantar a solução de separaçãode pedidos por shuttle dentrode um Centro de Distribuição.Esta tecnologia de última geraçãodá suporte às operações comerciaiseficientes, por acelerar o processode separação e permitir que nossosfuncionários atendam pedidos emuma velocidade significativamentemaior. Ao mesmo tempo, nossoinventário maior de peças contribuipara melhorar a taxa atendimentoao nosso cliente”, explica DonnelMata, diretor de suporte de produtospara América Latina.A renovação da unidade emIndaiatuba também incluiu doisnovos centros de atendimento depeças e serviços, que irão melhoraro suporte ao cliente, fornecendoacesso direto à JLG para fazerpedidos e solucionar questões deserviço. O centro também dispõede uma área nova de treinamentoque apresentará às empresas deconstrução e aluguel de equipamentosos produtos JLG e disponibilizaráinstruções sobre operaçãoe manutenção de equipamentos.


12 - Logística & Meio AmbientePACTO SETORIAL ENTRE A ABRE E OMINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE COMPLETOU UM ANOO Pacto Setorial assinado pelaABRE – Associação Brasileirade Embalagem (Fone: 113082.9722) e o Ministério doMeio Ambiente, no âmbito doPlano de Produção e ConsumoSustentáveis, que promove oemprego da simbologia técnicade descarte seletivo e deembalagens, completou um anoem novembro último. Desde aassinatura, a ABRE vem fomentando,junto à cadeia produtivade embalagens, bens de consumoe entidades congêneres, o empregoda simbologia técnica nasB2BLUE.COM DESENVOLVE PLATAFORMA PARADESTINAÇÃO ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOSConsiderando que umaparte considerável do lixodescartado é composta pormateriais recicláveis quepoderiam retornar à cadeiade produção, gerando rendapara trabalhadores e lucropara empresas, a empresáriapaulistana Mayura Okurafundou a B2Blue.com (Fone:11 4113.6002), uma plataformaonline que negocia e comercializaos resíduos gerados pelasempresas e indústrias via B2B.A plataforma ainda disponibilizaprestadores de serviçosfacilitando a melhor destinaçãode resíduos sólidos.Além disso, incentiva novassoluções práticas e criativasas indústrias. O público-alvodo projeto é formado porpequenas e médias indústriase empresas que desejam seadequar à legislação e valorizarseus resíduos sólidos, uma vezgerenciamento de resíduossólidos interno. A expectativaé de que a B2Blue.com possaembalagens de produtos de bensde consumo não duráveis comvistas a orientar o seu descartecomo resíduo seco para a coletaseletiva municipal, conformeprevisto na PNRS – Política Nacionalde Resíduos Sólidos. O usocomum de uma única simbologiafavorece as campanhas de comunicaçãoe educação, bem comoo entendimento do consumidore sua participação no descarteadequado. O Pacto é baseado nacartilha de “Diretrizes de RotulagemAmbiental”, desenvolvidapelo Comitê de Meio Ambientee Sustentabilidade da ABRE.atingir um público de 300 milindústrias e empresas em umperíodo de dois anos. Paratornar esses números realidade,a empresa conta comimportantes apoiadores comoas associações e federações deindústrias, entre outros. Inicialmenteo foco de trabalho estáno Estado de São Paulo, mas jáa partir de 2013 estarão expandindopara as outras regiões doBrasil. O que torna a B2Blue.com uma solução real parao destino de resíduos sólidossão seus atributos: facilidadeem encontrar fornecedorescomendados;possibilidade derastrear as informações dispo-de todas as informações queo usuário desejar não revelar;disponibilização de documentosinstrutivos, conforme alegislação, para empresas quenão possuem a documentaçãoexigida para a comercializaçãode resíduos sólidos; manutençãocontínua das informaçõese anúncios do site; segurançade pagamento; entre outros.LUFTHANSA RECEBE PRÊMIOECOLÓGICO ÖKOGLOBEA Lufthansa Cargo foicondecorada com o prêmioambiental internacionalÖkoGlobe 2012 pelodesenvolvimento e utilização deseus contêineres leves. A empresalugar na categoria “Mobilidadee Estrutura Logística”, atrás daVolkswagen e da Deutsche Post.“Fica cada vez mais evidente quea indústria da mobilidade investefortemente em inovações e quefaz tudo o que é possível de formaproativa para reduzir as emissõesde CO 2”, disse o diretor daLufthansa Cargo, Markus Witte,sob cuja direção o contêiner foicodesenvolvido. A LufthansaCargo, juntamente com suaamplo programa de intercâmbioque prevê a utilização de cercade 5.000 destes contêineresleves. Com 13 kg a menos queos tradicionais contêineresde alumínio, eles contribuemsensivelmente para a reduçãodo consumo de combustível dosaviões. Por sua vez, o ÖkoGlobe éo prêmio ambiental internacionalvoltado para a indústria damobilidade e seus fornecedores.Ele é concedido em dezdiferentes categorias. Os prêmiossão oferecidos pelos segurosDEVK, pelo TÜV-Rheinlande pelo Instituto ÖkoGlobe daUniversidade de Duisburg-Essen.GUBERMAN LANÇA MÓDULOPARA CERTIFICAÇÕES DELICENÇAS AMBIENTAISCom o sucesso do Frota SaaS,software como serviço paragestão de frotas, a GubermanInformática (Fone: 27 3211.2662)lança mais um módulo queauxilia na redução de despesase contribui para a preservaçãodo meio ambiente. Trata-se doMódulo Licenças, que é voltadoambientais.NotíciasRápidasBlue Tec lança soluçãopara monitoramento deempilhadeirasA Blue Tec (Fone: 19 3213.5502),empresa de monitoramento defrotas de veículos de movimentaçãointerna, oferece o ForkLog,um computador de bordo queregistra tudo o que acontece coma empilhadeira ou veículo similar ea forma como está sendo operado,identificando o operador e a operação,emitindo alarmes ao condutorem tempo real e registrando, parauso permanente, cada violação doslimites pré-fixados pela empresa.Além disso, grava eventos epossibilita a análise de diversasvariáveis, como: velocidade, RPM,oscilações longitudinais e laterais,freadas e arrancadas bruscas, jornadasde trabalho, itens de manutenção(pressão de óleo e temperaturado motor) e outros eventos quepossam ser sensoriados.NETMOVE CRIA AÇÃOSUSTENTÁVEL PARA MUDANÇASA NetMove (Fone: 112532.4616), empresa prestadorade serviços na Área de MobilidadeInternacional, atuando no gerenciamentoe execução de mudançasinternacionais e nacionais, vistose documentações, realocação etreinamento intercultural, criou oprojeto EcoMove®, através do qualos clientes podem optar em reutilizarcaixas de papelão e engradados/caixas de madeira, em excelente estadode conservação, para mudançasexecutadas dentro do Estado deSão Paulo. Os clientes que aderemao programa pagam, em contrapartida,um preço menor pelos serviços,gerando uma economia de até 30%.“A aceitação é quase que unânime,pois nossos clientes se sentem partedo nosso programa ambiental”, dizArnaldo Petarnela diretor da empresa.A Netmove está desenvolvendogratidão, que será entregue a todosos clientes que aderirem ao programa.“Somos associados ao InstitutoEthos de Empresas e ResponsabilidadeSocial, e iremos solicitar acompleta Petarnela.LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


Tecnologia da Informação - 13Reylux adquire ERP da PC Sistemaspara gestão de materiais de construçãoDanilo Cândido de OliveiraOconstante crescimentodo mercado daconstrução civil noBrasil tem afetado positivamentena produção e no faturamentodas empresas ligadas ao setor.A Reylux (Fone: 73 3268.6400),varejista do segmento demateriais de construçãolocalizada em Porto Seguro, BA,é uma dessas companhias quetem aproveitado o bom momentoda construção para expandir seusnegócios. A meta da Reylux écontinuar aumentando sua fatiade mercado e seguir a tradiçãode ser considerada uma dasmelhores lojas do segmento nasregiões Norte e Nordeste, deacordo com o Ibope 2012.No ano passado, por exemplo, aloja faturou R$ 54 bilhões.Para impulsionar este crescimento,gerir melhor seu estoquee otimizar processos, a empresainvestiu recentemente na implementaçãodo software de gestãoWinThor Varejo Material deConstrução, desenvolvido pela PCSistemas (Fone: 0800 707 2707).A solução foi adquirida para atenderà demanda da loja, em umaárea de 2.000 m², e do Centro deDistribuição, localizado em umaárea de 10.000 m², além da comercializaçãode 30.000 itens.para o setor de materiaisde construção, que garanteorganização e a geração de dadosno controle operacional, logísticoapresenta tecnologia integradacom todos os setores da empresa.O diretor comercial da PCSistemas, Ademar de MouraAlves, detalha as atividades quepodem ser exercidas atravésda solução. “O WinThorVarejo Material de Construçãoé uma solução desenvolvidapara atender desde os pedidosde compras, recebimentosde mercadorias, controle dedepósito, vendas, logística,avaliações gerenciais via móduloplano de voo e agilizar processoscontrole de lotes, venda assistidae entrega imediata ou futura”,explica o executivo.A PC Sistemas também valorizao pós-implantação da solução eoferece suporte à Reylux atravésde Help Desk. De acordo coma desenvolvedora, a loja usufruida Metodologia de Implantação,que estabelece a transferênciado conhecimento aos usuários donovo sistema.


14 - EmpilhadeirasFabricantes: 2012, crise parauns, crescimento para outros.Mas, 2013 será melhorEnquanto alguns fabricantes destacam a queda nas vendas das empilhadeiras em 2012, outros apontamum crescimento “assustador” no número de equipamentos vendidos no segundo semestre do ano. E, para2013, a esperança é de que haja uma pequena melhora nos níveis de pedidos recebidos e entregues.Wanderley Gonelli GonçalvesInstabilidade econômica.Este foi o fatordominante no anode 2012, apontado pelosfabricantes de empilhadeirasque atuam no Brasil. Aliás, nãofoi só nestesetor que talinstabilidadese fezpresente.“Em2012, omercado deempilhadeiras,seconsiderarmoso períodode janeiroa outubro,caiu 20%em relaçãoao mesmoperíodo de2011. Estaqueda épuxadapelas máquinas a combustão,cujo segmento neste períodoteve um declínio de 34% emrelação a 2011. No campode máquinas elétricas dearmazenagem, observamos umcrescimento da ordem de 6%,impulsionado, principalmente,pelas máquinas retráteis”,informa Adriana Firmo, gerentegeral da Still Brasil (Fone: 114066.8100).Italo Faga, gerente regionalde vendas da Liugong LatinAmerica Maquinas paraConstrução Pesada (Fone:31 3225.4999), tambémaponta que, em virtude dacrise mundial, o mercadopassou por uma recessão queabalou, também, o negócio demovimentação de materiais.Outro fator negativo se deve àfalta de liberação de recursospor parte do governo parainvestimento em infraestrutura,o que acarretou uma quedade até 30% em relação aomesmo período no ano passado.O ponto positivo, segundoFaga, é que se tratou de umaexcelente oportunidade paraconsolidação das empresasbem estruturadas. “Essemomento foi importantepara dar continuidadeainda ao trabalho dedesenvolvimento eprospecção”, aponta.Roberto Ueda,gerente geral deSandra, da Byg: as empresasvoltaram a investir e tiveramexpansão significativa,principalmente nos segmentosvoltados à indústria alimentíciavendas e marketing daToyota Empilhadeiras (Fone:11 3511.0405), por sua vez,destaca que o ano de 2012teve um início muito bom, masdepois, principalmente com ainstabilidade econômica geradapela crise nos países europeus,os investimentos não foramrealizados de acordo com oesperado. Este foi o principalaspecto negativo ocorrido emque, mesmo com a redução dosinvestimentos, não tivemos criseno mercado brasileiro, apenas ocrescimento não foi de acordocom o esperado. O governotomou diversas medidas paraestimular o crescimento daatividade econômica”, diz ele.Ainda de acordo com Ueda,o mercado de empilhadeirasestá em constante crescimento,visto que ainda existem muitasempresas que não utilizamnenhum equipamento paramovimentação de carga ehouve, nos últimos tempos,a compra do primeiroequipamento por parte destasempresas. “A logística no Brasiltambém passou a ser maisbuscam equipamentos maisdiferenciados e de acordo comas suas necessidades”, completao gerente geral de vendas emarketing da Toyota.Quem também aponta quenão houve crise no mercadobrasileiro é Sandra de Oliveira,coordenadora de vendas daByg Transequip Indústria eComércio de Empilhadeiras(Fone: 11 3583.1312). Segundo ela, o ano de 2012iniciou o 1º semestre muitotímido e estável, enquantono 2º semestre cresceuassustadoramente o númerode equipamentos vendidos.“As empresas voltaram ainvestir e tiveram expansãosegmentos voltados à indústriaalimentícia. Conseguimos,também, consolidar a linha deempilhadeiras patoladas”, dizSandra.2013“A tendência é que 2013seja muito superior a 2012,LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


Empilhadeiras - 15uma vez que o setor demovimentação de cargastem crescido cada vezmais no mercado brasileiro.Crescimento tambémprevisto com a chegada degrandes eventos esportivose, consequentemente, como aumento da demandade vários segmentos”,continua a coordenadora devendas da Byg Transequip,agora se referindo aopróximo ano.Adriana, da Still Brasil,também se mantémotimista – “a expectativapara 2013 é de que hajauma pequena melhora nosníveis de pedidos recebidose entregues, porém nãosuperior a um crescimentode 5% em relação a 2012”.Ainda de acordo com agerente geral da Still Brasil,a aposta da empresa é deque o mercado de máquinasa combustão no Brasilvolte a crescer nos níveisde 2011 ao menos a partirdo primeiro trimestre de2013. Em paralelo, existeainda uma forte demandapor máquinas elétricas dearmazenagem para atenderao surgimento de novosCentros de Distribuição.“Um segmento quetambém vem despontandocomo uma alternativa parao uso da energia limpa é ode máquinas de contrapesoelétricas, que estãoconquistando, ano apósano, uma fatia do mercadobrasileiro”, completaAdriana.Por sua vez, emborapense que 2013 será umano difícil para todos,uma vez que a economiamundial ainda encontrasebastante vulnerável,Faga, da Liugong, acreditaem um crescimento emtorno de 10% comparadoaos números de 2012 – edestaca, ainda, que osprodutos chineses vêmconquistando o consumidorbrasileiro e já representampor volta de 25% domercado.Ueda, da ToyotaEmpilhadeiras, é maisotimista ainda. Este apostaem uma retomada daeconomia brasileira e navolta de investimentosde muitas empresas que,devido à instabilidadeeconômica ocorrida em2012, não os realizaram.“Teremos grandeseventos, que realmenteterão investimentosdedicados, principalmenteem infraestrutura, o que,para nós do mercadode empilhadeiras, émuito bom”, aposta ogerente geral de vendas emarketing.“No caso da Toyota– continua – para o anode 2013 temos grandesperspectivas, porqueteremos o início daprodução das primeirasempilhadeiras da Toyotaproduzidas no Brasil, comisto acreditamos na realretomada e crescimentoda atividade econômicabrasileira. E, tambémacreditando no crescimentodo mercado, a Toyotainiciou o seu negócio delocação de equipamentosno Brasil.”INFLUÊNCIAS EM 2013Sobre os fatos, em 2013,desempenho (negativo oupositivo) do setor, Faga, daLiugong, aponta primeiroos negativos: a extensãoda crise internacionalpor mais algum tempo ea falta de investimentose recursos por parte dogoverno no setor produtivo.“Um exemplo são asobras do PAC, que estãoparalisadas aguardandorecursos. Tal fato afetadiretamente o crescimentodo setor logístico”, dizo gerente regional defatos positivos, ainda deacordo com ele, incluemum plano mais arrojado dogoverno para sustentar ocrescimento interno, similarao realizado em 2009.“A manutenção doprograma BNDES PSIcom taxa de 2,5% a.a.em 2013, para máquinasfabricadas no Brasil,seria certamente um dospilares para alavancar omercado nos primeirosmeses do ano. Um pontopositivo é o crescimentodo mercado varejista e ainteriorização do consumo,o que, para o mercado dewww.logweb.com.br DEZ/2012 130 LOGWEB


16 - Empilhadeirasmovimentação e armazenagem,se traduz em aumento devendas das máquinas elétricasretráteis, paleteiras elétricas,empilhadeiras de operador apé e toda a linha voltada paraintralogística”, aposta, por suavez, Adriana, da Still Brasil.Ueda, da ToyotaEmpilhadeiras, por seu lado, dizque o setor de empilhadeirasestá diretamente ligado àatividade econômica do país.“Se tivermos, realmente, umaretomada dos investimentos,teremos, sim, um crescimentodeste mercado.”positivamente – aindasegundo o gerente geral devendas e marketing da ToyotaEmpilhadeiras –, é que o mercadode logística como um todo temcrescido e muitas empresas, demédio e grande porte, investemem logística porque acreditamque ela atualmente é umdiferencial competitivo frenteao aumento da concorrência nomercado brasileiro. A entrada degrandes multinacionais tambémda importância da logística nomercado atual –estas empresas jávêm comesta cultura dosseus países deorigem, completaUeda.Fabricantes de empilhadeiras que atuam no mercado brasileiroEmpilhadeira de contrapeso elétricaRebocadorelétricoSelecionadorade pedidosEmpilhadeiraSelecionadoradepedidosEmpilhadeiraPaleteira elétricaEmpilhadeira acombustãoClasse I24 V48 V80 Vaté 25000 kg X X XClasse IIaté 1000 kgX X X Xaté 1100 kg X X X Xaté 1200 kg X X X Xaté 1000 kg X X Xaté 1300 kg X X Xaté 1500 kg X X Xverticaltrilateralaté 1000 kg X X Xaté 1200 kg X X Xaté 1400 kg X X Xaté 1600 kg X X Xaté 1700 kg X Xaté 2000 kg X X X Xaté 2500 kg X X X X> 2500 kg X X XClasse IIIaté 1000 kg X X X Xaté 1600 kg X X X Xaté 2000 kgX X X XretrátilhorizontalpatoladaoperadorandandonaplataformaoperadorsentadoClasse VByg11 3583.1311Castell11 2526.1888Clark(Dabo)19 3856.9090Hyster(Nacco)11 5548.3000Jungheinrich11 4815.8200Linde11 3604.4755até 1000 kg X X X X Xaté 1300 kg X X X Xaté 1500 kg X X X Xaté 1600 kg X Xaté 1500 kg X X X Xaté 1600 kg X X X X Xaté 1800 kg X X X X Xaté 2000 kg X X X X Xaté 1600 kg X Xaté 1800 kg X Xaté 2000 kg X X X Xaté 2500 kg X X X X Xaté 3000 kg X X X Xaté 3500 kg X X X Xaté 4000 kg X X Xaté 4500 kg X X Xaté 5000 kg X X Xaté 2000 kg X X X Xaté 3000 kg x X X X Xaté 6000 kg X X X X Xaté 1000 kg x X X X Xaté 1200 kg x X X X Xaté 1400 kg X X X Xaté 1600 kg x X X X Xaté 2000 kg x X X Xaté 1600 kg X X X X Xaté 1800 kg X X X X Xaté 2000 kg x X X X X Xaté 2200 kg x X X X X Xaté 3000 kg x X X X X Xaté 2000 kg x X X X X Xaté 2400 kg X X X X Xaté 2700 kg X X X X Xaté 2000 kg X X X Xaté 3000 kg X X Xaté 3600 kgXXaté 1600 kg X X X Xaté 1800 kg X X X Xaté 2000 kg X X X Xaté 2500 kg X X X Xaté 3000 kg X X X Xaté 3500 kg X X X Xaté 4000 kg X X X Xaté 4500 kg X X X Xaté 5000 kg X X X Xaté 6000 kg X X X Xaté 7000 kg X X X X> 7000 kg X X X XLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


Empilhadeiras - 17Liugong31 3225.3392Menegotti47 3275. 8065Paletrans16 3951.9999Still(Kion SouthAmerica)11 4066.8100Toyota11 3511.0400UN Forklift Yale19 8111.9222 (Nacco)11 5683.8500X X X XX X XX X X XX X XX X X XX X XX X X X XX X X X X XXXX X XX X XX X x XX X X X XX X X XX X XX X XX X XX X XXXX X XXXX X XX X XX X XX X X XX X X XX X X XX X XX X X XX X X XX X X XX X XX X X X XX X X XXX X X XXXX X XX X X XX X X XX X X XX X X X XX X XX X X XX X X X XX X X XX X X XX X X XX X X XX X X X XX X XX X XXXXXX X XX X X XX X X X XX X X X XX X X X XX X X X XX X X XX X X XX X X X XX X X X XX X X X XX X Xwww.logweb.com.br DEZ/2012 130 LOGWEB


18 - EmpilhadeirasDistribuidores: um 2012 abaixode esperado, mas um 2013melhor em volume de negóciosEmbora as perspectivas para 2013 sejam melhores, como diz um dos entrevistados, a confiançadas empresas está contaminada pelos maus resultados de 2012, ocasionados pelo baixocrescimento econômico. Isso fará com que as tomadas de decisão sejam lentas e cautelosas.Wanderley Gonelli GonçalvesOano de 2012 chegafazer um balançotambém no setor de distribuiçãode empilhadeiras. É interessantenotar que apenas três empresasse dispuseram a analisar osegmento e a fazer projeçõesdeste setor estejam ocupadostentando fechar metas ainda de2012, em um ano complicado,como nos reportou um dosentrevistados.“De fato, 2012 foi abaixo doesperado pela grande maioria,mas, ao mesmo tempo, oportunopara aqueles que optaram poruma estratégia agressiva emrelação a preços e disponibilidade.No caso da BMC, continuamosem crescimento”, aponta RicardoSpadacci, gerente de vendas daBMC – Brasil Máquinas (Fone: 113036.4000).Cyro Aranha, gerentecomercial daCombilift (Fone:11 2308.9950), também apontaano que termina. “O ano de2012 começou com expectativapositiva, considerando-se osresultados do ano anterior.Surpreendentemente, osprimeiros meses mostraram umadesaceleração extremamenteforte, mas que ainda nãosinalizava o que realmenteteríamos pela frente. Umadesaceleração de vendas próximados 50% nas classes 4 & 5 atéjunho mostrou o tamanho dadesaceleração.”Ainda de acordo com Aranha,de junho em diante houve umsinal de reaquecimento, querealmente ocorreu, mas sem aforça necessária para compensaras perdas até então.Do outro lado desta visão,até certo ponto pessimista,está Andrigo Cremiatto,CEO/diretor comercial daPromov Empilhadeiras (Fone:11 3929.2080), que mantémo otimismo com base nodesempenho de sua empresa.De acordo com ele, o ano de2012 foi de crescimento paraa Promov. “Graças ao dólarmais elevado, quetrouxe novamenteas máquinas novasa um patamardecente, viu-seaumentar emmais de 50%a procuraAranha da Combilift: aproximidade dos eventos esportivosdeve agir como motivador aosinvestimentos. Paralelamente, hágrande oferta de equipamentospor equipamentos seminovos,área correspondente a 90%do faturamento da Promov.Por outro lado, com a entradaforte na distribuição dasnossa participação no mercadode máquinas novas saltar depraticamente zero para quase10 máquinas por mês até o meiodo ano.”Cremiatto também diz quehouve, ainda, um grande aumentode procura por máquinasgenuinamente nacionais, asmecânicas, pois é um setor quese encontra em franca expansão,pegando carona no aumentodo uso das empilhadeiras nospequenos e médios clientes.Ainda falando de 2012, o CEO/diretor comercial da Promovdiz que este foi um ano emque se comprovou que novastecnologias para empilhadeirassão uma tendência de nicho. Issose explica, segundo ele, pelo altoCusto Brasil de manutençãoe pela precariedade de nossalogística, muita vezes executadano meio a lama, de aclives e emmeio a intempéries. “Cada vezmais os clientes estão notandoque ‘joystick’, ‘computador debordo’ e empilhadeira são palavrasque não combinam. Privilegiamosmais uma vez o bom selvagem,a empilhadeira simples, porémrobusta, que está pronta paraexecutar qualquer tipo deserviço assim que for chamada,sem para isso depender da cara‘autorizada’.”Também se referindo às novastecnologias incorporadas àsempilhadeiras em 2012, Spadacci,da BMC, explica que, no caso daHyundai, da qual é distribuidor,“não incorporamos tecnologianos produtos, mas lançamosmodelos novos para ampliar anossa linha de produtos e ter umaabrangência melhor”, enquantoque Aranha, da Combilift,ressalta que o mercado estábuscando novas tecnologias.ENFIM, 2013Muda o ano, e mudamas perspectivas. “Temosexpectativas de um ano melhordo que 2012 em volumede negócios e, ainda, maiscompetitivo”, diz o gerente deLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


20 - EmpilhadeirasDistribuidores de empilhadeiras que atuam no mercado brasileiroClasse I24 VEmpilhadeira de contrapeso elétrica80 V48 VRebocadorelétrico80 VAuxter11 3602.6000MitsubishiBMC11 3036.4000HyundaiCombilift11 2308.9949CombiliftCommat11 2808.3333Crown/EPEquipmentLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brMovicarga11 5014.2477EmpilhadeirasNissanPiazzaEmpilhadeiras11.2954.8544PaletransPromovEmpilhadeiras11 3929.2080JACEmpilhadeirasTecnomacBrazhyu12 3909.4400EmpilhadeirasHyundaiaté 1000 kgXaté 1300 kg X Xaté 1500 kg X Xaté 1600 kg X Xaté 1500 kg X X X X X Xaté 1600 kg X X X X Xaté 1800 kg X X X X X Xaté 2000 kg X X X X X Xaté 1600 kg X Xaté 1800 kg X Xaté 2000 kg X X Xaté 2500 kg X X X Xaté 3000 kg X X X Xaté 3500 kg X X X X Xaté 4000 kg X X X X Xaté 4500 kg X X X X Xaté 5000 kg X X X X Xaté 2000 kgXaté 3000 kgXaté 6000 kg X Xaté 25000 kgXClasse IISelecionadorade pedidosverticalEmpilhadeiratrilateralretrátilAuxter11 3602.6000MitsubishiBMC11 3036.4000HyundaiCombilift11 2308.9949CombiliftCommat11 2808.3333Crown/EPEquipmentMovicarga11 5014.2477EmpilhadeirasNissanPiazzaEmpilhadeiras11.2954.8544PaletransPromovEmpilhadeiras11 3929.2080JACEmpilhadeirasTecnomacBrazhyu12 3909.4400EmpilhadeirasHyundaiaté 1000 kg X X Xaté 1100 kg X Xaté 1200 kg X X Xaté 1000 kgaté 1300 kg X Xaté 1500 kg X Xaté 1000 kg X xaté 1200 kg X xaté 1400 kg X X X X xaté 1600 kg X X X X X x Xaté 1700 kg X X xaté 2000 kg X X X X X x Xaté 2500 kg X X X x X> que 2500 kg x


Empilhadeiras - 21vendas da BMC, complementadopelo gerente comercial daCombilift: “as perspectivas para2013 são melhores, sem dúvida,está contaminada pelos mausresultados de 2012, ocasionadospelo baixo crescimentoeconômico. Isso fará com que astomadas de decisão sejam lentase cautelosas”.Por sua vez, o CEO/diretorcomercial da Promov esperano próximo ano um aumentoconsiderável no mercadode empilhadeiras novas eseminovas. “Temos planosda Promov no Sul do Brasil,assim como a implementaçãode um sistema inovadorde venda de empilhadeirasseminovas com garantia demáquina zero, quebrando todosos preconceitos sobre essaexcelente opção de adquirirempilhadeiras com custo de50% ou menos de uma zero.Além do mais, esperamosEmpilhadeiras em produzirempilhadeiras em solo pátrio,assim como investimos mais deR$ 1 milhão na nacionalizaçãodos componentes dos modelosde 2,5 t e 1,8 t. Desse modo,ano como a sexta maior força devenda de empilhadeiras novasem todo o território nacional”,ambiciona Cremiatto.Otimismo à parte, quais fatos,no desempenho (negativo oupositivo) do setor?Segundo Spadacci, da BMC,o pós-vendas se mostra cada vezmais como o grande diferencialao mercado. De acordo com ele,cada vez mais os equipamentosCremiatto, da Promov: “graçasao dólar mais elevado, viu-seaumentar em mais de 50%a procura por equipamentosseminovos”estão muito parecidos, e o quepassará a diferenciar é a qualidadedo serviço prestado.Pelo sua lado, Aranha,da Combilift, acredita quea proximidade dos eventosesportivos deve agir comomotivador aos investimentos.“Paralelamente – continuaele – há grande oferta deequipamentos, que deve mantergrande pressão sobre os preços.Empresas melhor preparadaspara o enfrentamento dasmelhor treinadas, divulgação dosseus produtos e, também, pelamudança de atitudes em relaçãoà nova sistemática de negócios,deverão ter melhores resultadosao longo do ano.”E Cremiatto, da Promov,completa esta análise: “o únicofator que a Promov teme é ofato de ainda dependermosna casa de 2 para 1, assim comoestamos atualmente. Uma fortevalorização do real implicariaem um congelamento na vendade usadas, assim como uma


22 - EmpilhadeirasDistribuidores de empilhadeiras que atuam no mercado brasileiroClasse IIIAuxter11 3602.6000MitsubishiBMC11 3036.4000HyundaiCombilift11 2308.9949CombiliftCommat11 2808.3333Crown/EPEquipmentMovicarga11 5014.2477EmpilhadeirasNissanPiazzaEmpilhadeiras11.2954.8544PaletransPromovEmpilhadeiras11 3929.2080JACEmpilhadeirasTecnomacBrazhyu12 3909.4400EmpilhadeirasHyundaiSelecionadorade pedidoshorizontalaté 1000 kg X Xaté 1600 kg X Xaté 2000 kg X Xaté 1000 kg X X X xEmpilhadeirapatoladaPaleteira elétricahorizontaloperador andandooperadorna plataformaoperadorsentadoaté 1200 kg X X X X xaté 1400 kg X X X xaté 1600 kg X X X X xaté 2000 kg X X X xaté 1600 kg X X xaté 1800 kg X X X xaté 2000 kg X X X xaté 2200 kg X X X xaté 3000 kg X X xaté 2000 kg X X X xaté 2400 kg X X xaté 2700 kg X X X xaté 2000 kg X X X xaté 3000 kgxaté 3600 kgxEmpilhadeira a combustãoClasse VAuxter11 3602.6000MitsubishiBMC11 3036.4000HyundaiCombilift11 2308.9949CombiliftCommat11 2808.3333Crown/EPEquipmentLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brMovicarga11 5014.2477EmpilhadeirasNissanPiazzaEmpilhadeiras11.2954.8544PaletransPromovEmpilhadeiras11 3929.2080JACEmpilhadeirasTecnomacBrazhyu12 3909.4400EmpilhadeirasHyundaiaté 1600 kg X xaté 1800 kg X X X X x Xaté 2000 kg X X X X x Xaté 2500 kg X X X X X x Xaté 3000 kg X X X X X x Xaté 3500 kg X X X X X x Xaté 4000 kg X X X X X x Xaté 4500 kg X X X X X x Xaté 5000 kg X X X X X x Xaté 6000 kg X X X X X xaté 7000 kg X X X X X x X> que 7000 kg X X X x X


desvalorização muito excessivaacabaria com a chance de vendade empilhadeiras zero”.NOVOS NICHOSConcluindo esta matériaespecial, os entrevistados tentamapontar novos nichos de mercadopara as empilhadeiras em 2013.“O mercado é dinâmicodemais, daí a importância deacompanhar de perto o queacontece para largar na frentefora das oportunidades”, revela ogerente de vendas da BMC.Para o gerente comercial daCombilift, é preciso atenção parasituação de crise. De acordo comele, o segmento de óleo & gás éum dos que efetivamente deveráapresentar grande crescimento,bem como provavelmente haveráo aumento das atividades dosOperadores Logísticos, quedeverão expandir seus negóciosna mesma velocidade em que sedesenvolve o e-commerce.Para a Promov, o grande nichoa ser explorado é o da construçãocivil. Na visão do CEO/diretorcomercial da empresa, “mais emais pessoas querem começara construir esse novo Brasil e,para isso, dependerão da forçade empilhadeiras para realizar oserviço pesado. Cada vez maisesse público consegue enxergarna logística uma solução paraseus problemas, ao invés detentar adaptar garfos em seusdesajeitados tratores. E caberessaltar que para isso estãoprocurando cada vez mais asespecialistas em empilhadeiras,não essas empresas ‘faz tudo’, queacham que máquina de construçãoe empilhadeira pertencem a umaúnica categoria”.Notícias Rápidas23Prêmio Qlicar, da Natura, elege Patrus Transportescomo melhor transportadora 2011/2012Executivos da Natura e da Patrus Transportes na entrega do Prêmio QlicarA Patrus Transportes (Fone: 11 que se destacaram na avaliação2167.1000) foi a vencedora do realizada pela empresa.Prêmio Qlicar, oferecido pela Os quesitos analisados naNatura Cosméticos (Fone: 0800 premiação são qualidade, logística,inovação, competitividade,115566), na categoria MelhorTransportadora 2011/2012. atendimento e relacionamentoEleita pela terceira vez consecutiva,a transportadora é O evento de entrega do Qlicarcom os fornecedores.responsável pela distribuição foi realizado na sede da Natura,em Cajamar interior dedos produtos Natura para asconsultoras nos estados de MinasGerais e Espírito Santo. Melhor Transportadora, foramSão Paulo. Além da categoriaO prêmio Qlicar é entregue premiados os segmentos de embalagense operador logístico,anualmente e prestigia fornecedoresde vários segmentos entre outros.


24 - Empilhadeiras“Importadores: 2013 deve sermelhor que 2012, mas vai dependerdas medidas governamentaisTais medidas seriam de cunho estratégico, visando ao desenvolvimento. Em particular para osetor, 2012 foi um ano em que foi possível ver muita especulação, muitas empresas importandoempilhadeiras para uso próprio e até mesmo para comercializar.Em virtude da recuperaçãolenta e difícil que aeconomia mundial vemenfrentando desde a crise econômicade 2008, o Brasil tem sido vistocom olhares otimistas, devido aoseu potencial de crescimento. Se ogoverno souber aproveitar isso, eadotar medidas estratégicas para onosso desenvolvimento, 2013 devefechar com um crescimento maiorda economia do que 2012.”Com esta análise otimista, VitorManuel Marques de Oliveira,da Sas Indústria e Comércio deMáquinas (Fone: 47 3397.3351),LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brcomeça esta matéria especialdestacando as perspectivas parao próximo ano. “Acreditamos emum aumento de pelo menos 30%,pois estamos com uma rede fortede vendedores”, completa Marcelode França Yoem, assistentecomercial da Zuba Comércio deImportadores de empilhadeiras que atuam no mercado brasileiroClasse I24 VEmpilhadeira de contrapeso elétrica80 V48 VRebocadorelétrico80 VBraslift41 3015.3822EmpilhadeirasTCMCMH19 3778.1300EmpilhadeirasHangcha ePegasoliftMovimenttar11 3695.0909DoosanSAS Ind. e Com.de Máquinas47 3397.3351SASSinergia48 3025.3043Empilhadeiras Baolie EmpilhadeirasHedesaWanderley Gonelli GonçalvesMáquinas e Equipamentos Industriais(Fone: 11 4719.9099), falandoSá, diretor da Sinergia Maquinase Logística (Fone: 48 3025.3043):ele tem ótimas perspectivas para2013. Mas, atenção, diz ele, algunsTCIM11 4224.6480EmpilhadeirasTCM e NichiyuZUBA11 4719.9099CHLaté 1000 kg X Xaté 1300 kg X X Xaté 1500 kg X X X Xaté 1600 kg X X X Xaté 1500 kg X X X X Xaté 1600 kg X Xaté 1800 kg X X X X Xaté 2000 kg X X X X Xaté 1600 kg X X Xaté 1800 kg X Xaté 2000 kg X X X Xaté 2500 kg X X Xaté 3000 kg X X X Xaté 3500 kg X X X Xaté 4000 kgXaté 4500 kgXaté 5000 kgXaté 2000 kg Xaté 3000 kg Xaté 6000 kg Xaté 25000 kg X


Empilhadeiras - 25penho(negativo ou positivo) domentobancário.Oliveira, da Sas, explica melhoreste fato: “em 2012, houve umagrande oferta de crédito, muitasramleasings e empréstimos e, logoem seguida, enfrentaram meses deresultados tímidos. É bem provávelque em 2013 haja um aumento nataxa de juros, empurrado, inclusive,pelo aumento da inadimplência”.O representante da Sas tambémlembra que a taxa de dólar éum fator delicado: se muito baixa,ela incentiva a especulação – muitasempresas que não são importadoresde máquinas se aventurame acabam afetando a indústrianacional e os importadores de longadata. Quando muito alta, a taxade dólar também acaba colocandoa indústria nacional em posição deconforto – devido ao aumento nocusto dos produtos importados,eles praticam preços com margemde lucro maior, e quem sai perdendoé o consumidor.“Em razão da troca no governodos Estados Unidos, talvez o dólaraumente um pouco em 2013, masno segundo semestre acredito quevá se estabilizar”, completa Yoem,da Zuba.Financiamento e dólar àparte, também é possível apontarnovos nichos de mercado para asempilhadeiras no próximo ano.Por exemplo, com a indústria daconstrução civil em alta, é possívelque empilhadeiras e equipamentospreparados para trabalhar em pisosirregulares se destaquem, apontaOliveira, da Sas. Ou, também, amodernização de terminais logísticose portos, na opinião de Sá,da Sinergia – segundo ele, a apostanestes setores é tanta que a empresainiciou a divisão de máquinasde grande porte (reach stackerse top loaders) para atendê-los.“Acho que 2013 será igual a 2012,e vamos continuar a vender maispara os locadores, pois os consumidoresestão locando mais, em vezde comprar. Acho difícil apareceremnovas oportunidades paraexplorarmos”, diz, sem ânimo, oassistente comercial da Zuba.2012mosanalisar, agora, o passado: 2012.“O ano de 2012, em um panoramageral, não foi tão bom paraa indústria brasileira quanto foipara as importações. O governocriou medidas para taxar mais osprodutos importados, mas nãoincentivar a produção nacional.Isto não ocorreu só em 2012, maseste foi um ano em que foi possívelver muita especulação, muitas empresasimportando empilhadeiraspara uso próprio e até mesmo paracomercializar. Num primeiro momento,isso parece interessante,pois o custo de aquisição é baratoe acaba obrigando a concorrênciaa praticar preços mais competitivos.Mas, com o passar do tempo,acaba gerando muitos problemas,pois essas empresas que não têma importação e comercialização deempilhadeiras como atividade principal,não estão preocupadas compós-venda e as peças de reposição.e as máquinas importadas viramsinônimo de problema, enquantona verdade existem, também,importadores sérios no mercadobrasileiro, mas que nem sempresão tão competitivos quantoas empresas que simplesmenteimportam máquinas de qualidadeduvidosa e não oferecem o mínimode suporte.” A análise, e a crítica,ou advertência, como quiser oleitor, é de Oliveira, da Sas.Armazenamos o que realmente importa:o patrimônio da sua empresa.Armazenagens | Eventos | InfláveisVão totalmente livre de 5 a 40 metros I Rápida entrega e montagem I Lona de maior resistência e durabilidadeAcesse o nosso site:www.topico.com.brFale com a Tópico:+55 11 2344.1200


26 - EmpilhadeirasImportadores de empilhadeiras que atuam no mercado brasileiroClasse IISelecionadorade pedidosverticalEmpilhadeiratrilateralEmpilhadeiraretrátilClasse IIISelecionadorade pedidoshorizontalEmpilhadeirapatoladaPaleteira elétricaoperador andandoPaleteira elétricaoperador naplataformaBraslift41 3015.3822EmpilhadeirasTCMCMH19 3778.1300EmpilhadeirasHangcha ePegasoliftMovimenttar11 3695.0909DoosanSAS Ind. e Com.de Máquinas47 3397.3351SASSinergia48 3025.3043Empilhadeiras Baolie EmpilhadeirasHedesaaté 1000 kg X Xaté 1100 kgXaté 1200 kgXTCIM11 4224.6480EmpilhadeirasTCM e NichiyuZUBA11 4719.9099CHLaté 1000 kg X Xaté 1300 kg X Xaté 1500 kg X Xaté 1000 kg X Xaté 1200 kg X X Xaté 1400 kg X X X Xaté 1600 kg X X X X Xaté 1700 kg X Xaté 2000 kg X X X X X Xaté 2500 kg X Xmaior que2500 kgXXBraslift41 3015.3822EmpilhadeirasTCMCMH19 3778.1300EmpilhadeirasHangcha ePegasoliftMovimenttar11 3695.0909DoosanSAS Ind. e Com.de Máquinas47 3397.3351SASSinergia48 3025.3043Empilhadeiras Baolie EmpilhadeirasHedesaTCIM11 4224.6480EmpilhadeirasTCM e NichiyuZUBA11 4719.9099CHLaté 1000 kg X Xaté 1600 kg X Xaté 2000 kg X Xaté 1000 kg X X Xaté 1200 kg X X X Xaté 1400 kg X X X X Xaté 1600 kg X X X X Xaté 2000 kg X X Xaté 1600 kg X X X Xaté 1800 kg X Xaté 2000 kg X X X Xaté 2200 kg X X Xaté 3000 kg X Xaté 2000 kg X X X Xaté 2400 kg X X XXXaté 2700 kgPaleteira elétricaoperador sentadoaté 2000 kg X Xaté 3000 kg X XXXaté 3600 kgLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


Empilhadeiras - 27Classe VEmpilhadeiraa combustãoBraslift41 3015.3822EmpilhadeirasTCMCMH19 3778.1300EmpilhadeirasHangcha ePegasoliftMovimenttar11 3695.0909DoosanSAS Ind. e Com.de Máquinas47 3397.3351SASSinergia48 3025.3043Empilhadeiras Baolie EmpilhadeirasHedesaTCIM11 4224.6480Empilhadeiras:TCM e NichiyuZUBA11 4719.9099CHLaté 1600 kg X X X Xaté 1800 kg X X X X X Xaté 2000 kg X X X X X Xaté 2500 kg X X X X X Xaté 3000 kg X X X X X Xaté 3500 kg X X X X X Xaté 4000 kg X X X X X Xaté 4500 kg X X X X X Xaté 5000 kg X X X X X Xaté 6000 kg X X X X Xaté 7000 kg X X X X X X> 7000 kg X X X X X XPor sua vez, Yoem, da Zuba, fazseu balanço do ano de 2012 no setorde importação de empilhadeirasapontando que, mesmo como dólar oscilando um pouco noprimeiro semestre e as crises mun-nas vendas. “E ainda conseguimosaumento de 10% em relação a2011 até o momento (novembrode 2012)”, comemora.O diretor da Sinergia realiza oseu balanço do ano de 2012 porpontos, sem esquecer, também,de citar o dólar: concorrênciabem acirrada, com mais marcas epara clientes, pois aumentaramas exigências cadastrais paraminimizar riscos de inadimplência;perspectivas de aumento dedemanda de elétricas; e mercado,no geral, estável.


28 - EmpilhadeirasLocação: 2012 não foi bom, masnão chegou a comprometer asatividades do setorApesar de não conseguirem crescimento significativo no primeiro semestre, as empresas dosetor destacam que, no segundo, foram realizados alguns bons contratos, de um modo geral.Para 2013, as perspectivas são bastante otimistas.N do segmentode locaçãode empilhadeiras, como terásido o ano de 2012? Para osrepresentantes de algumasempresas que participam destesegmento, o ano apresentouqueda nas atividades, masnão chegou a haver umcomprometimento dasatividades.“O mercado de locaçãoapresentou uma queda em 2012,principalmente nos meses demaio a julho. Tal fenômeno sedeu devido à queda de produçãoda indústria como um todo.A queda do consumo de autosgerou um desconforto na cadeiade produção automobilística,ocasionando queda deprodução para montadoras efornecedores, obrigando-os amovimentar menos material.Desta forma, houve devoluçãode equipamentos locados, assimcomo queda na procura peloserviço.”Eduardo Makimoto, da AesaEmpilhadeiras (Fone: 113488.1466), para quem, noentanto, já no segundo semestreo mercado voltou a reagir, aindaque timidamente. A produçãofoi retomada e os equipamentoslocados voltaram a operar os trêsturnos.Análise semelhante faz CarlosFernandes, diretor comercialda Coparts Locações e Peçasde Empilhadeiras (Fone: 112633.4000). De acordo com ele,o ano de 2012 foi muito instável– eles acreditavam que seriade crescimento de vendas deempilhadeiras, peças e locações,o que não ocorreu, frustrandoas expectativas. “Apesar de nãoconseguirmos um crescimentono primeiro semestre, nosegundo alavancamos algunsbons contratos, e devemoscrescimento de 10 a 15%.Na realidade, prevíamos umcrescimento de 30% a 40%,então o ano foi frustrante,pois não chegamos ao nossoqual foi o aspecto negativomas o mercado todo sentiuuma retração contida, comose estivessem todosesperando um novomomento, um novoacontecimento ou, atémesmo, um novo pacotede medidas do governopara desencadearum boom nomercado,pois temosRosa Junior, da Logiservice:“em 2012 apresentamos umpequeno crescimento em relaçãoa 2011. Certamente estamos sobinfluência da crise mundial”uma grande demanda retraídaconsidera Fernandes.proprietário da LogiserviceServiços Logísticos (Fone: 114152.2677), diz que, para suaempresa, 2012 foi umano atípico, “pois nãoconseguimos mantero ritmo decrescimentodos anos anteriores.Apresentamos umpequeno crescimentoem relação a 2011.Certamente estamoscrise mundial”, aponta,complementado por CelinoLuiz Tirloni, diretor comercialda Marcamp Equipamentos(Fone: 19 3772.3333): “2012 foium ano onde muitas empresasatuaram com cautela paranão comprometerem seufuturo. Diante de todo cenárioeconômico internacional,entendo que esta é uma atitudecoerente, que trará bons frutospara todos”, diz.“Para nós, o ano de 2012, noinício, era muito promissor, masno decorrer do ano o quadrodo previsto e esperado, mesmoassim em ‘locação’ conseguimosnovos contratos, representandoum aumento em torno de 20%”,diz Sergio Martins, supervisor devendas da Tecnomac BrazhyuEquipamentos (Fone: 123909.4400).também considera o ano de 2012do departamento comercial daEmpicamp Comércio e Serviçosde Empilhadeiras (Fone: 193246.3113). Ele comenta:“notamos que, independentedo tipo de equipamento, nãohouve paradas longas depátio. Normalmente há umrevezamento de tipos (elétricas,combustão, warehouse), deacordo com a sazonalidadeproveniente de inventários,safras, produtos e outros. EmWanderley Gonelli GonçalvesLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


Empilhadeiras - 292012, no entanto, notamos queno pátio à espera de períodosde locação. Muito comum éo cliente solicitar um períodoequipamento locado. Notamos,também, um aumento nasvendas de equipamentos usados,o que nos permitiu investir emnovos para a frota de locação(renovação de frotas) – esentimos o mesmo para nossosclientes locadores”.gerente rental da Auxter Rental(Fone: 11 3206.6000), o mercadode locação manteve o seu ritmo,mesmo com a desaceleraçãoda economia em 2012, e issomostra que os clientes daindústria mantêm a necessidadede uso das empilhadeiras mesmoem época de crise e de baixoinvestimento, sendo a locaçãoBarbosa, da Elba: para aempresa, 2012 foi muito positivodevido à obtenção de novoscontratos, com diversificação desegmentos econômicosuma alternativa ao investimento.Ainda de acordo com Corrêa,a renovação dos contratos delocação é uma oportunidadede entrada em novos clientese independe do momento daeconomia.Bastante satisfeito com2012 está Andres Rojas,diretor superintendente daBauko Equipamentos deMovimentação e Armazenagempara ele, de um modo geral,o ano de 2012 para a Baukofoi formidável – “apesar deo mercado ter se retraído,conseguimos alcançar umcrescimento substancial, tantona busca de novos contratosquanto na renovação dosexistentes”. Francisco CarlosC. Danyi, diretor da EletrofranComércio e Serviços (Fone:11 3858.8132), completa estasetor de locação de empilhadeiracresceu de maneira vertiginosa”.Outra que comemoracrescimento em 2012 é Sandrade Oliveira, coordenadorade vendas da Byg TransequipIndústria e Comércio deEmpilhadeiras (Fone: 113583.1312). Ela diz que, no anode 2012, devido à expansãologística no Brasil e, em especial,no Estado de São Paulo, aempresa atingiu um crescimentode 35%!Crescimento parecido teve aElba Equipamentos e Serviços(Fone: 31 35 5526.00) em 2012.O diretor da empresa, FlávioMoraes Barbosa, explica: paraa Elba, 2012 foi muito positivodevido à obtenção de novossegmentos econômicos, gerandoum crescimento sobre a receitabruta na ordem de 33 %.“Apesar de termos queconsiderar os efeitos da criseeuropeia e seus impactos nocrescimento econômico e socialno Brasil, com a desaceleraçãoda economia, o país ainda estáSeja qual for a sua necessidadenós oferecemos a melhor solução.Conheça nossa linha de rodas para paleteiras e empilhadeiras.DGRAU3 - www.dgrau3.com.brRua Álvaro do Vale, 284. São Paulo - SP - BRwww.schioppa.com.brfacebook.com/schioppabrasil


30 - Empilhadeirasem condições privilegiadasem relação à maioria dospaíses de primeiro mundo.Temos importantes obrasde infraestrutura que,apesar de não estaremse realizando no ritmoesperado, têm geradoofertas de volumososserviços e empregos aomercado”, diz Barbosa.Marcelo Yamamoto,gerente da SDO ComércioImportação e Locaçãode Equipamentos(Fone: 19 3256.2800),também analisa 2012 comcrescimento: “apesar de umpouco mais tímido que 2011,foi um ano de crescimentopara a SDO, mantendo obalanço positivo dos últimosanos. Mesmo em meio àpaíses, a valorização dodólar, etc., algumas medidasdo governo, como reduçãode carga tributária de algunssetores, acabaram ajudandopositivamente a economiado país e 2012 acabou sendoainda um bom ano para osetor”, comemora.Fábio Pedrão, diretorexecutivo da RetrakEmpilhadeiras (Fone:11 2431.6464), faz umaanálise mais detalhada doano de 2012, começandopor dizer que ele registroufatos importantes, tantonegativos quanto positivos,os setores da economia,inclusive o de locação deempilhadeiras. Em ambosos casos, destaca Pedrão,locadores que estavampreparados para oferecerestrutura de serviços e frotapara pronto atendimento dademanda tiveram resultadospositivos.Quanto aos aspectosnegativos que marcarampresença em 2012, oYamamoto, da SDO: algumasmedidas do governo ajudarampositivamente a economia dopaís e 2012 acabou sendoainda um bom ano para o setordiretor executivo da Retrakrelaciona: a manutençãoda crise europeia, quecontinua travando projetose deixando nações dobloco da União Europeiaapreensivas (“todoo mundo, aliás”); asoscilações do mercadoamericano e, maisrecentemente, as eleiçõespara líder daquele país; osexpectativa de crescimentointerno; o aumento nana economia; e, também,importante, motivo depreocupação para muitosempreendedores, aelevação e instabilidade doscustos devido à oscilaçãocambial.“Em contrapartida,podemos citar comoaspectos positivos quecolaboraram para que asempresas se mantivesseminvestimento e avançono mercado nacional,a disponibilidade doque permitiu a continuidadee o aumento dosinvestimentos na renovaçãoda frota; economiamais sólida e preparadapara suportar as crisesglobais; e o aumento nosinvestimentos, em territórionacional, de empresasestrangeiras devido àestagnação das economiasem países do bloco europeue nos EUA”, completaPedrão.E 2013?Se 2012 não foi assim tãoruim para o segmento delocação de empilhadeiras, oque esperar de 2013?“A projeção da economiapara 2013 é de umcrescimento maior que2012, portanto, será umano mais favorável, gerandomais negócios com oaumento da demanda porempilhadeiras”, acredita,e comemora, Corrêa, daAuxter Rental, seguido porRojas, da Bauko, que esperaum ano ainda melhor, vistoque os investimentos paraos eventos esportivos queirão acontecer no Brasilem 2014 e 2016 estãocada vez maiores, além doexponencial crescimentoLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


Empilhadeiras - 31econômico brasileiro, seconsolidando entre as 10maiores economias do mundo,formam um cenário prósperopara que os investimentos naárea de movimentação de cargasse tornem ainda maiores nopróximo ano. “Pelo desempenhodo segundo semestre de 2012,deveremos ter um 2013 emascensão, não da forma comoesperávamos em 2012, porémum crescimento moderado ebem ponderado”, acrescentaFernandes, da Coparts.Sandra, da Byg Transequip, aexemplo dos outros participantesdesta matéria especial, tambémse mantém otimista: “para 2013,a intenção de crescimento ésuperarmos 2012. São muitas asempresas que precisam de rápidaresposta em sua necessidade demovimentação. Com a logísticajá estabelecida e a necessidadeconhecida, nossa expectativaé de um crescimento aindamaior”! E Danyi, da Eletrofran,completa: para 2013, aperspectiva é de crescimentona ordem de 8%. “Acreditoem um 2013 muito parecidocom 2012, talvez com umprimeiro semestre um poucomais agressivo, dado o fato deestarmos nos aproximandodos prazos de entregar obrasprontas para as Olimpíadas e aCopa do Mundo”, acrescentacomercial da Empicamp.E Tirloni, da Marcamp, tambémtem expectativa de um cenárioum pouco melhor que 2012, mascom algumas ressalvas, pois ocenário internacional deverámercado.“Em minha opinião,as economias europeias,Pedrão, da Retrak: a sazonalidadeé um fator importante e positivo,merece atenção das empresasque estão no mercado paraprestar este tipo de serviçoamericanas e asiáticascontinuarão estagnadas, combaixo nível de crescimento,mas a China merece atenção,pois seu crescimento podeser menor, mas continua aacontecer. Essa conjuntura, decerta forma, acarretaráum menor crescimentoda economia brasileira –relembrando que este ano oíndice de PIB projetado caiu e oDe qualquer forma, eventoscomo as Olimpíadas e a Copa doMundo exigirão investimentosem infraestrutura, mão-de-obratreinada e capacitada, além degrande necessidade de produtose insumos, movimentando aeconomia do país como umtodo.”A análise, agora, é de Pedrão,da Retrak, que também acreditaque o segmento de locaçãode empilhadeiras continuarácrescendo, demandandoconstantes investimentos emfrota de equipamentos paraatendimento da demanda.A sazonalidade é um fatorimportante e positivo, merece


32 - EmpilhadeirasLocadores de Empilhadeiras que atuam no mercado brasileiroEmpresaAesaEmpilhadeirasAuxterRentalBaukoBygTransequipCommatCopartsElbaEquipamentose ServiçosEletrofranEmpicampTelefone 11 3488.1466 11 3602.6000 11 3693.9339 11 3853.1312 11 2808.3333 11 2633.4000 31 3555.26 00 11 3858.8132 19 3246.3113Anos de mercado 55 6 22 33 18 27 52 18 15Número de funcionários 120 25 986 114 78 32 1.397 20 30Número de engenheirosde projeto2 1 6 5 2 1 10 0 2Certificação ISO 9000 Não Não Não Sim Não Não Sim Não NãoNúmero de clientes 190 23 122 350 64 1206 clientes comcontratos delongo prazoe diversos domercado SPOT457 380Principais clientesVolkswagendo Brasil; YokiAlimentos; MahleMetalAkzo Nobel;Saint Gobain;Itaipava;Coca-ColaAmBev;Klabin;UnileverJBS; Refrio;Pandurata;ID Logística;Cosmed; Spal;Carrefour;Braslo;Bombril;Búfalo; Tec FilSofapePSA PeugeotCitroen doBrasil; CBD –Cia. Brasileirade Distribuição(Pão deAçúcar);MClane doBrasilCorreios;Votorantim;EatonGerdauAçominas;Usiminas;ArcelorMittalBrasil; Vallourec& SumitomoTubos doBrasil; SamarcoMineração;MineraçãoUsiminasTAM LinhasAéreas;Pompom;Davene;Carglassn.i.Matriz Santo André, SP Osasco, SP Osasco, SP Cajamar, SPRio de Janeiro,RJSão Paulo, SPBelo Horizonte,MGSão Paulo, SPCampinas, SPNúmero de filiais - 7 4 2 1 0 5 – NãoMarcas de empilhadeirasque ofereceClark Mitsubishi Toyota BygCrown; EPEquipmentHyundai;PaletransHyster;Yale; Clark;Kalmar; Milan;PaletransMultimarcasFrota de empilhadeiras acombustão640 120 1.563 0 88 65 234 180 33Frota de empilhadeiraselétricas290 90 322 0 92 25 16 120 32Frota de paleteiras 95 35 159 9000 locadas 62 50 12 40 2Frota de rebocadores 170 - 9 0 65 0 6 - 0Outros equipamentos 17 36 73 0 - 0 325 - 2Idade média da frota 3 anos 1,5 ano 2,7 anos 18 meses 3 anos 5 anos 2,7 anos 4 anos 3 anosLindeRegiões atendidasSudesteTodo oterritórionacionalTodo oterritórionacionalTodo oterritórionacionalSudeste, SulGrande SãoPauloSudesteGrande SãoPauloGuaxupé - atéSorocabae Vale doParaíbaLocação de equipamentossem operadorLocação de equipamentoscom operadorServiços oferecidos: S (SIM), N (Não)S S S S S S S S SS N S N S S S N NLocação de mão-de-obra S N N N S N S N NProjetos S S S S S N S N NManutenção frota própria S S S S S S S S SManutenção frota clientes S S S S S S S N SLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


Empilhadeiras - 33Jungheinrich Logiservice Marcamp Movicarga Movimenttar PiazzaPrestbater/RentalEmpilhadeiras11 4815.8200 11 4152.2677 19 3772.3333 11 5014.2477 11 3695.0909 11 2954.8544 11 4496. 443011, com filialprópria8 25 38 11 6 13100 7 182 500 100 a 200 7 501 2 2 6 n.i. 1 1Sim Não Não Em certificação n.i. Não Nãon.i. 15 Mais de 1.000 100 Diversos 20 260n.i. n.i. n.i.AçúcarGuarani; RJRRefrescos(Coca-Cola);Grupo Orsan.i.C&A; Bancodo BrasilBasf; MFBMarfrig; GoldenCargo; Luft,ContinentalHamburgo,AlemanhaBarueri, SP Campinas, SP São Paulo, SP Sorocaba, SP São Paulo, SP Itupeva, SP1 no Brasil 1 4 4 5 0 0Jungheinrich Multimarcas - Nissan Doosan PaletransHyster; Yale;Still; Linde;Toyotan.i. 10 206 880 50 0 130n.i. 55 253 40 0 35 235n.i. 18 75 50 0 150 45n.i. Não 6 0 0 0Frota total: 900 Não 3 20 0 0 02 anos 3 anos 3 anos 2 anosEmpilhadeirasnovas4 anos 2 anosTodo oterritórionacionalSudesteSão Paulo,Sul de MinasGerais, Nortedo ParanáTodo oterritórionacionalTodo oterritórionacionalGrande SãoPauloEstado de SãoPauloServiços oferecidos: S (SIM), N (Não)N S S S S S SN N N S N N NN N N S N N NS S S S S S SS S S S S S SS S S S S S Nwww.logweb.com.br DEZ/2012 130 LOGWEB


34 - EmpilhadeirasLocadores de Empilhadeiras que atuam no mercado brasileiroAlugue HyundaiEmpresaRetrakSDOEquipamentosStill RentalTecnomacBrazhyuTradimaqTrax RentalTelefone 11 2431.6464 19 3256.2800 11 4066.8116 12 3909.4400 31 2104.8004 11 4468.7777Anos de mercado 19 5 10 4 25 4Número defuncionários178 25 145 10 1372 32Número deengenheiros de 2 1 8 0 3 2projetoCertificação ISO 9000 Não Não Não Não Sim NãoNúmero de clientes 169 36 n.i. n.i 71 1411 2633-4000www.coparts.com.bré naVendas elocação deempilhadeirase transpaletesmanuais eelétricos11 2954-8544ww.piazzaempilhadeiras.com.br(com loja virtual)Principais clientesMatrizCeva; Volkswagen;IDLogisticsGuarulhos,SPCorreios; Tecsis;LogimastersCampinas, SPDHL; ID Logistics;LeroyMerlimSão Bernardodo Campo,SPCameron doBrasil; EadiTaubate;InteraçãoAmbientalSão José dosCampos, SPLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brn.iContagem,MGEmbraer; FiatAuto; ThyssenKruppSanto André,SPNúmero de filiais - 0 1 0 4 -Marcas deempilhadeiras queofereceFrota deempilhadeiras acombustãoFrota deempilhadeiraselétricasStill Multimarcas StillHyundai;PaletransYaleYale; Hyster;Toyota265 104 128 35 564 1681.207 52 245 5 145 25Frota de paleteiras 600 55 347 - 71 18Frota de rebocadores 32 2 0 - 22 25Outros equipamentos36: selecionadorasde pedidose empilhadeirastrilateraisVeículos elétricose carroshidráulicos- - 94 15Idade média da frota 4 anos 3 anos 3,5 anos 3 anos 3 anos 3 anosRegiões atendidasTodo oterritórionacionalSPTodo oterritórionacionaln.i.Minas Gerais,Goiás,DistritoFederal, Riode Janeiro,São Paulo,ParanáRegiãoCentro Sul,Sudeste doBrasilServiços oferecidos: S (SIM), N (Não)Locação deequipamentos sem S S S S S SoperadorLocação deequipamentos N S N N S Ncom operadorLocação demão-de-obraS N N N N NProjetos S S S N S SManutenção frotaprópriaS S S S S SManutenção frotaclientesS S S S S S


Empilhadeiras - 35atenção das empresas que estãono mercado para prestar estetipo de serviço, alerta o diretorda Retrak. Mais e mais empresasestão encontrando na locaçãosoluções para suas necessidadesoperacionais, transformandomais uma razão que fortaleceessa modalidade de negócio,completa.perspectiva de crescimentomoderado, pois, ele diz, ogoverno tem manifestado quenão pretende elevar a taxabásica de juros nos próximosmeses e aponta que oferecerácondições para que a economiaretome uma trajetóriasatisfatória de crescimento,oportunizando o aumento dademanda, o que provavelmentemobilizará novos investimentos.Porém, de acordo com o diretorCorrêa, da Auxter: a renovaçãodos contratos de locação é umaoportunidade de entrada emnovos clientes e independe domomento da economiada Elba, serão necessárias váriasmedidas assertivas para se evitaras preocupantes perspectivasprincipalmente, o processo dedesindustrialização pelo qualpassamos.Com outra posição emda Logiservice, espera umano difícil, muito semelhantea 2012, sem perspectivas decrise mundial. Como aspectopositivo, ele cita a baixa dosdifícil para pequenos e médiostomadores.NOVOS NICHOSAinda com relação ao ano de2013, é possível apontar novosnichos de mercado para locaçãode empilhadeiras?“Podemos destacar asnovas leis de logística reversa,que começarão a vigorar nospróximos 3 anos. Tais leis farãocom que a movimentaçãode polímeros e metaisreciclados cresçam a umataxa muito alta, o que iráfavorecer, principalmente,o mercado de locação deempilhadeiras e equipamentosde movimentação em geral”,aponta Makimoto, da Aesa.-E Rojas, da Bauko, acrescentaque, apesar de não ser um novonicho, a área aeroportuáriaestá totalmente aquecida parao ano de 2013 – com os novosinvestimentos, a Infraeroirá representar uma parcelalocação de empilhadeira.Por seu lado, Corrêa, dapossível visualizar que nichosjá existentes podem aumentara demanda por estarem emexpansão, tais como os novoscentros de logística, queutilizam uma grande gama deempilhadeiras e sempre tendema optar por locação.


36 - Negócio FechadoBraskem e quantiQfirmam parceria paraotimizar a distribuiçãode PolibutenosPara aperfeiçoar a operaçãologística da resina Polibuteno,conhecida como PIB, a indústriapetroquímica Braskem (Fone: 113576.9000) e a quantiQ, consideradaa maior distribuidora químicado Brasil, fecharam parceria parainstalação de um novo armazémna Unidade de Insumos Básicos,localizada em Mauá, SP. As atividadesde preparação, armazenagem,expedição e faturamento dada distribuidora quantiQ, queinaugura esse tipo de serviço pormeio da parceria. O galpão, emestrutura de vinilona, possui1.350 m² e capacidade de armazenarcinco mil tambores.O PIB é um polímero muito usadona formulação de aditivos paranecidoem tambores e a granel.Paletrans Carretasrealiza venda deunidades paratransportar celuloseA Paletrans Carretas (Fone:16 3951.9976) realizou avenda de dez carretas para opara transportes de fardos decelulose, as carretas são demodelo bidirecional biaxial comcapacidade para 32 toneladas.O grupo Rodrimar ganhouuma concorrência para efetuaro armazenamento, transportee embarque de celulose atravésda primeira fábrica da Eldoradolocalizada em Três Lagoas,MS. O destino da celulose é aexportação para os mercadosprodutores localizados naAmérica do Sul, América doNorte, Europa e Ásia. Os fardosde celuloses vindos da fábricada Eldorado serão armazenadosnos armazéns da Rodrimar emSantos, SP e transportados pelascarretas da Paletrans até o porto.Ergos Tecnologia fecha contrato coma Stolthaven para gerenciamento do controlede acesso no terminal de SantosA Ergos Tecnologia (Fone:11 3251.1602) fechou contratocom a Stolthaven Santos parao gerenciamento do controlede acesso de veículos, incluindocaminhões, carros de passeioe pessoas para as três áreas deempresa na Baixada Santista.A Stolthaven Terminals ésubsidiária da Stolt-NielsenLimited (SNL) que possui,além de terminais marítimos,negócios em navegação(navios tanqueiros), tanquecontêinerese fazendas depiscicultura. Em Santos, SPa empresa está concentradaem armazenagem, incluindoCodical Atacadista, da Bahia,é nova cliente da HBSISgerenciamento de resíduos,limpeza de tanques,carregamento e descargade caminhões, entre outros.pessoas quando de veículos,será feira através de cartõesde proximidade e a aberturadas catracas será de formaautomática, com loops de pisoe sensores”, explica MaxwellRodrigues, diretor da ErgosTecnologia e vice-presidenteda HTS Brasil. O projeto daErgos para a Stolthaven prevêo uso de torniquetes para ocontrole de acesso de pessoase cancelas para os veículos.A HBSIS (Fone: 47 2123.5400), empresa de Blumenau, SC,especializada em sistemas de informação, concretizou negóciocom a empresa baiana de distribuição Codical Atacadista (Fone:75 3311.2811), envolvendo o software de gestão de entregas emtempo real HB.MDM, que já é utilizado em mais de 30 revendasda cervejaria Ambev – principal cliente e parceira da HBSISneste projeto – em todo o território nacional. Este é o primeirocliente da HBSIS na Bahia, fora do mundo das revendas Ambev.Segundo a empresa, o HB.MDM tem como diferencial darvisibilidade às atividades realizadas pelos motoristas durante aentrega de mercadorias. As empresas podem gerenciar o statusdas entregas, tratar devoluções e paradas não previstas em rota,além de controlar a jornada dos motoristas, tudo em tempo real.Além de ser a maior distribuidora Unilever para a Bahia, a CodicalAtacadista é a maior empresa de distribuição, atacado e varejo dointerior do Estado, com uma frota de 80 veículos e mais de 12 militens em seu catálogo de produtos. Conta com parceiros comopossibilitaram à companhia se tornar, também, o maior atacadistadistribuidor do Estado em faturamento e atendimento ao cliente,segundo pesquisa realizada pela Nielsen.Tigre investe emsolução da OpenTechpara apoiar operaçãologísticaA OpenTech (Fone: 113266.6846) acaba de fecharcontrato com a Tigre, que atuano mercado de tubos, conexõese acessórios. O projeto envolvea implantação do Open SIL(Sistema Integrado de Logística)e também o Open GR (Gerenciamentode Risco) para as cargas demaior valor agregado. Na primeiraetapa de implantação, o serviçoabrangerá quatro plantas da TigreSC, Rio Claro, SP, Camaçari, BA,e Escada, PE. O trabalho envolvesete transportadoras contratadaspela Tigre. “Nossa expectativaé possibilitar à Tigre e aos seustransportadores a gestão consolidadade todas as mercadoriasem trânsito, apontando, por meiode indicadores de performance,os gargalos e oportunidades demelhoria das operações”,OpenTech, Cristiano de Oliveira.RJP Automaçãoimplanta softwarena DHL3236.8988) forneceu à DHL osistema SCOA Packing, softwaredestinado a controlar o processoA unidade de negócios SupplyChain da DHL fornece serviçosde depósito e transporte, e estaclasse possui regras diferenciadasno que se refere à emissão de No-desenvolvimento do softwarefoi baseado nas regras exatas decontrole de trânsito das merca-controle e emissão de documen-legislação brasileira nas operaçõeslogísticas. Além disso, Ribeiroexplica que o software se destacapor contar com um banco deLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


Negócio Fechado - 37dados Oracle, EDI com sistemasERP e Fiscal responsáveis pelaescrituração dos documentos.Confenar anunciaparceria comPetrobras para comprade lubrificantesA área de negócios daConfenar – ConfederaçãoNacional das Revendas Ambeve das Empresas de Logísticada Distribuição (Fone: 115505.2521) anuncia parceria coma Petrobras para a compra deem complemento ao já existentepara aquisição de óleo diesel,possibilita a compra facilitada edireta por meio da Loja VirtualLubrax, além de garantir preçosespeciais para os revendedorese um canal diferenciadopara obter informações dosprodutos e esclarecer dúvidas.“Disponibilizamos para a redede revendas um Guia de Acessoà Loja Virtual com o objetivode auxiliá-los nas compras eaproveitar ao máximo a vantagemconquistada para a rede”, diz ovice-presidente e líder da área denegócios da Confenar, Pedro LuizCiccotti.Guberman Informáticafecha novos contratosno NordesteA Guberman Informática(Fone: 27 3211.2662) fechoucontrato com três novos clientese está expandindo seus negócios.A empresa, que é especializadaem software de gestão de frotas,está disponibilizando o FrotaSaaS para a Tijucana, empresa desoluções em logística, o Institutodo Câncer do Ceará e a MagnaLocações, fabricante e fornecedorade equipamentos para aconstrução civil.Ford fornece 33 caminhões Cargopara a Força Aérea BrasileiraA Ford (Fone: 11 4174.9591) entregou 33 caminhões CargoEuro 5 para a frota da Força Aérea Brasileira (FAB), emsolenidade na cidade de Taguatinga, no Distrito Federal.Os caminhões, dos modelos Cargo 2629, Cargo 1319 e Cargo816, foram fornecidos pelo distribuidor Mix Caminhões,por meio de investimentos do Programa de Aceleração doCrescimento (PAC Equipamentos) do Governo Federal. Elesvão equipar unidades de apoio, como o Hospital de Campanhada FAB, e transportar equipamentos para operações em lugaresdistantes das bases aéreas em todo o País.


38 - EspecialVencedores do Prêmio Top doTransporte 2012 são homenageadosdurante almoço em São PauloMais de 200 convidados presenciaram a entrega do Prêmio às melhores transportadorasrodoviárias do país, escolhidas pelos embarcadores de 12 setores da economia. Foramentregues diplomas aos três primeiros colocados das categorias cobertas pela premiação.Orgulho e satisfação.Esses foram osdois sentimentosque permearam todo o eventorealizado pela Logweb Editorae Editora Frota para a entregados prêmios aos ganhadoresda sexta edição do Prêmio Topdo Transporte, realizado noúltimo dia 7 de novembro emSão Paulo, SP. E os sentimentoseram visíveis tanto do lado dostransportadores rodoviáriospresentes, escolhidos pelosembarcadores votantes doPrêmio como os melhoresdo mercado, quanto do ladodas editoras que organizarama premiação e o almoço econseguiram unir no mesmosalão os principais players domercado de transporte do Brasil.Durante o evento, iniciadocom o um coquete, ostransportadores puderamtrocar experiências sobre omercado nacional e as principaisnovidades que o setor viu em2012. E não foram poucos ostemas que afetaram, positivaou negativamente, o segmento:crise europeia, vendas edemandas com altas e baixasdurante todo o ano e a criaçãoda Lei 12.619, que regulamenta aatividade do motorista.Após o coquetel, os cercade 200 convidados foramencaminhados ao salão principal,onde foram anunciados osvencedores das três primeirascolocações de cada um dos 12setores cobertos pelo PrêmioTop do Transporte 2012:calçados, metalurgia/siderurgia,farmacêutico, brinquedos, têxtil,papel e celulose, eletroeletrônica,química/petroquímica, móveis,automotiva, plásticos, ecosmético, perfumaria e higienepessoal. Além desses setores,uma nova categoria foi incluídaeste ano no Prêmio, a dePreferência Nacional.Antes da entrega dosprêmios aos vencedores, atéentão mantidos em sigilo pelaorganização do evento, ValeriaLima, diretora executiva daLogweb Editora, subiu ao palcopara dar as boas-vindas aosconvidados. “É com grandesatisfação que, pelo 6º anoconsecutivo, realizamos estaAlém de representantes das empresas transportadoras, o evento reuniu profissionais do mais diversos setores que integram a logísticaLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 39cerimônia de premiação aosmelhores transportadoresrodoviários de cargas de diversossegmentos da indústria brasileira.premiação é muito esperadapelo setor e as empresas aquipremiadas passam a fazer partede um seleto e prestigiado grupono segmento em que atuam.E a importância do Prêmio Topdo Transporte é tão grande que,desde a nossa primeira edição,nos tornamos referência paraas empresas contratantes defretes. Elas utilizam o resultadoda nossa pesquisa para acontratação dos fretes, e isso nosdeixa honrados, esse é o nossogrande retorno”, apontou.A importância dospatrocinadores e apoiadoresda premiação para a realizaçãodo evento também foiValéria, da Logweb Editora: “desde a nossa primeira edição, nos tornamosreferência para as empresas contratantes de fretes”agradecer aos patrocinadoresMercedes-Benz, CeMATSouth America, RandomImplementos, Dhollandia,Brasil, pelo importante apoioque possibilitou a realizaçãodesse evento. Também agradeçoàs associações ABIHPEC(Associação Brasileira daIndústria de Higiene Pessoal,Perfumaria e Cosméticos),ABIMAQ (Associação Brasileirada Indústria de Máquinas eEquipamentos), ABIQUIM(Associação Brasileira daIndústria Química), ABPO(Associação Brasileirado Papelão Ondulado) eANFARLOG (AssociaçãoNacional de FarmacêuticosAtuantes em Logística) peloapoio dado ao prêmio.”da Editora Frota, também fez


40 - Especialquestão de subir ao palco parasaudar os convidados, comentarsobre da evolução da premiaçãoe explicar a metodologiada Pesquisa Nacional deDesempenho dos Fornecedoresde Serviço de Transporte,que resulta nos vencedoresdo Prêmio Top do Transporte.(A metodologia completa dapremiação pode ser consultadana edição de novembro, nº 129,da revista Logweb).“O Prêmio Top doTransporte vem crescendo acada ano e o mesmo acontececom o transporte brasileiro.Podemos observar isso nocrescimento do númerode empresas de transporteindicadas ao Prêmio pelosembarcadores votantes. Em2012, chegamos ao recorde de1.642 empresas indicadas, o querepresenta grande crescimentoem relação a 2011, quando 1.088foram indicadas, e 2010, com971 companhias lembradas”,avaliou Ferraz. E continuou:“além de homenagear aquelascompanhias que foramescolhidas pelo mercado comoas melhores prestadoras dede atuação, criamos a categoriaPreferência Nacional, na qualfazemos um tributo àquelastransportadoras que se dedicama diversos setores e foram muitolembradas pelos embarcadoresdas mais diversas indústrias”.Durante o almoço, dezenasde prêmios foram entregues,divididos pelos três primeiroscolocados de cada setor cobertopelo Prêmio. O reconhecimentodas indústrias dado naqueledia para os vencedoresnão poderia ter vindo emmomento melhor, após mesesde uma atuação complicadano transporte brasileiro.E o discurso de Giuseppeda Braspress TransportesUrgentes, dado ao receber oFerraz, da Editora Frota: a categoria Preferência Nacional é um tributoàquelas transportadoras que se dedicam a diversos setoresPrêmio pela transportadoracomo primeira colocadana categoria PreferênciaNacional, expressa comexatidão essa pontualidade:“devemos parabenizar todosos transportadores queestão aqui hoje. Nós somosresponsáveis por carregar oPIB do Brasil. Aliás, não somossomente os responsáveis, semnós não haveria viabilidadepara que houvesse um PIBno país. Depois de um anodifícil, em que primeiro se viuociosidade nas transportadorase agora vemos um excessode trabalho, sendo ambos osmomentos muito difíceis delidar, é importante congratulara todos por ternos realizadoo que realizamos este ano.Dedico este Prêmio a todos ostransportadores”.As reações e discursos dosvencedores do Prêmio Top doTransporte 2012 podem serconferidos nas matérias especiaisa seguir, que além de detalhar aentrega do Prêmio em cada umadas 13 categorias, traz entrevistascom os vencedores de cada setor,onde falam sobre o trabalhoexecutado pela transportadora,a importância do Prêmio, osplanos de expansão, o mercadode transporte no Brasil em 2012e as previsões para os próximosanos.LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


42 - EspecialCargolift ‘supera’ embarcadorexigente e conquista Top doTransporte automotivoTransportadora exaltou o título no segmento em que se especializou há 19 anos e mais dedicouseus esforços. A Expresso Mirassol ficou com a vice-liderança e a Jamef, com a terceira posição,em um ano em que as previsões de crescimento foram revisadas para baixo.Marques, da Cargolift: “é de umaimportância muito grande ternosso trabalho reconhecido destamaneira. Estamos muito felizescom este resultado”Na edição 2012 doPrêmio Top doTransporte, oembarcador do setor automotivomanteve o rigor na hora de avaliaro serviço de suas transportadorascontratadas como sua principalcaracterística. Consequentemente,o segmento elegeu seus trêsvencedores com médias de notasmais baixas em relação às dassegunda média mais baixa, à frenteapenas do segmento de cosméticos,perfumaria e higiene pessoal.4,04 – em uma pontuação quevai de zero a cinco –, a grandecampeã desta edição foi a CargoliftLogística (Fone: 41 2106.0700).Mirassol (Fone: 11 2141.1211),Transportes (Fone: 11 2121.6100),com 3,88. Estes números revelamcomo é exigente e criteriosa a avaliaçãodo transporte de autopeçase veículos.Também foram revelados napesquisa os quesitos de maiore menor importância para osembarcadores. O custo benefício éo parâmetro mais valioso, poucospontos à frente do nível de serviçoe da capacidade de negociação,da Informação aparece como oúltimo critério na visão dos embarcadores.Primeira colocada em uma áreaindustrial tão concorrida, a Cargoliftconsidera a premiação importantepara o seu desenvolvimento.Especializada exatamente nosegmento automotivo há 19 anos,a companhia garante que este diplomaé o reconhecimento de umtrabalho duro e sério. “Desde quea Cargolift nasceu, ela está focadano setor automotivo e nós conhecemosa avaliação extremamenteapurada das montadoras. Então, éde uma importância muito grandeser reconhecido no campo em quevocê mais dedicou seus esforços.Estamos muito felizes com esteresultado”, explica Marcelo Marques,diretor de negócios para SãoPaulo da Cargolift.O representante da ExpressoMirassol segue linha parecida paraexplicar os motivos que a levarama ser a segunda melhor transpor-Representantes das transportadoras Top do Transporte da indústria automotiva se reúnem no palco com seus diplomas. Cargolift foi a grande vencedoraLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 43tadora na visão dos embarcadores.Renato Sarahan Salgueiro, gestorde marketing da companhia,também atribui os resultados aotempo de mercado. “Estamos há25 anos no segmento automotivotrabalhando com marcas fortes.Além das montadoras de carros,atendemos fabricantes do setor decaminhões, aéreo e agroindustrialcom o mesmo nível rigoroso deexigência. O resultado da eleição émos”,destaca Salgueiro.O executivo da Mirassol revelaque a entrada na área automotivafoi um “curso natural”. O primeirotadorae a transportadora data dovisão da empresa, o compromissocom o embarcador sempre foiessencial. “Desde aquela época eaté hoje, o nível de informação eo relacionamento com o clientesão nossos diferenciais. Claro quea tecnologia só avançou, mas ocliente do segmento automotivosempre nos cobrou uma qualidadealtíssima de serviço”, avaliaSalgueiro.O bom atendimento às montadoraspassa por um plano muitobem detalhado de treinamento,especialização e reciclagem dosfuncionários das transportadoras.Como qualquer grandecompanhia, as áreas de recursoshumanos têm participado do processode capacitação, que envolveintegração de áreas e entendimentominucioso dos diversostipos de contratos e clientes. Paraa Cargolift, esse tipo de mãode-obraé restrito e acaba sendoescasso no Brasil. Daí a importân-Presente, também, no treinamentodas equipes está o focoIndústria de autopeçasapresenta queda de 17,2%De acordo com dados doSindipeças – SindicatoNacional da Indústria deComponentes para VeículosAutomotores, a indústriade autopeças deve registrarfaturamento de US$ 45,28bilhões em 2012, o querepresenta uma queda de17,2% em relação ao anopassado. Para o presidente doSindipeças, Paulo Butori, quetambém comanda a Abipeças– Associação Brasileira daIndústria de Autopeças, osetor deve ter uma retomadade atuação das transportadoras.Como a maioria dos embarcadoresestá concentrado nos estadosno crescimento em 2013, noentanto, a expansão deve sermenor que a queda deste ano.A entidade prevêinvestimentos de US$ 1,87bilhão em 2013, contra US$1,39 bilhão em 2012. Osnúmeros ainda estão aquémdos valores consolidadosde 2011: US$ 2,42 bilhões.Quanto ao número deempregos diretos, a estimativaé de queda de 4,2%, para219,9 mil, este ano, e derecuperação de 3,2% em2013, para 226,8 mil.do Sul e do Sudeste, é bastante


44 - EspecialSalgueiro, da Mirassol: “temos umameta baseada em aquisições paracrescer 300% em 5 anos. Somentecom o crescimento orgânicodevemos atingir 150%Concorrendo em vários setores eterceira colocada em automotivo, aJamef foi representada na premiaçãopor Marcos Matsumoto, da áreacomercialregiões. Há, também, atuação empolos produtivos na região Centro--Oeste, principalmente em Goiás,e em alguns estados do Nordeste.A matriz da Cargolift está sediadaem Curitiba, PR, local onde acompanhia nasceu e cresceu,enquanto a Mirassol mantém suabase de operações em Guarulhos,Contagem, MG, o trabalho édiferente, já que a empresa não éespecializada no setor automotivo.Como atua em vários segmentos,a transportadora atende o Brasilde carga que não movimenta.INVESTIMENTOSOs planos de expansão fazemparte da estratégia das transportadoras.São diversos os tiposde investimentos, sejam eles emfrota, tecnologia ou estrutura.“A produção automobilística nointerior do Estado de São Paulocresce constantemente e nós estamosatentos a este boom. Temosatender as regiões de Piracicaba,SP, e Sorocaba, SP, com a mesmaem outros locais. Uma possívelentrada na região Centro-Oeste éestudada em médio prazo”, revelao diretor da Cargolift.O investimento da primeira colocadano Top do Transporte 2012maior. De acordo com o Marques,a verba prevista para construçãoda nova matriz da Cargolift, emCuritiba, com 36.000 m², é deR$ 7 milhões. Também estãodestinados recursos no valor deR$ 15 milhões para renovação eaquisição da frota de veículos eR$ 4 milhões para Tecnologia daInformação.A estratégia da vice-campeã nosegmento automotivo é bastantesemelhante. Em estrutura, aMirassol deve investir de R$ 35Venda de caminhões tevequeda de 21% até outubroAs vendas de caminhõesem 2012 representam, atéo mês de outubro último,um percentual de queda de21% em relação ao mesmoperíodo do ano passado, deacordo com dados da Anfavea– Associação Nacional dosFabricantes de VeículosAutomotores. Em 2011haviam sido vendidos 143,7mil veículos, contra 113,9 milunidades este ano. Apesarda queda nesta temporada, omercado de caminhões vemrepresentando forte expansãoanual desde 2006, com exceçãodo ano de 2009, que tambémregistrou retração. Também éimportante ressaltar que em2011 foram vendidas 172.902unidades, recorde no setor decaminhões no Brasil.O avanço da economiabrasileira nos últimos anosimpulsionou o mercado detransporte de carga, masem 2012 alguns índicescolaboraram para a redução.Entres os principais fatores,estão: a queda da produçãoindustrial; a perda de ritmo daeconomia de modo geral; e asdificuldades na implantaçãoda etapa 7 do Proconve (Euroincluindo as áreas de Guaru-de Pindamonhangaba, SP, comprevisão de 53.000 m² de área útil,deve concentrar a maior partedos recursos. Em Tecnologia da5), que exige novo caminhão,novo diesel (S-50) e, em algunscasos, conforme a tecnologiaadotada pelo fabricante, oaditivo ureia.A Anfavea classifica o períodocomo “momento conjuntural”.De acordo com a Associação,os mercados de transporterodoviário e de caminhões sãopromissores em médio e longoprazo. A entidade tambémacredita que o transporterodoviário continuarárepresentando os atuais 60%da movimentação de carga noPaís nos próximos anos. Outraprevisão da Anfavea é queno início de 2013 o mercadodoméstico de caminhões possavoltar a crescer. O principalmotivo é a recuperação daeconomia, sobretudo naexpansão do agronegócio, quefará os empresários do setorresponder à altura.No campo do desenvolvimento,a Anfavea avalia que aindústria de caminhões estácapacitada para atender o setorde transportes com tecnologia,eficiência e durabilidade,além de atender as metasambientais da etapa 7 doProconve.Informação, o montante investidogira na casa dos R$ 2 milhões, e deR$ 5 milhões a R$ 10 milhões emfrota. “Nossa política interna é deinvestimentos cada vez menoresem frota, devido à idade média dosEleitos da Indústria Automotiva Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de ServiçoOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoMédia decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformaçõesMédia deserviçosMédia definal demercado1 1 Cargolifit Logística S/A 4 3,75 3,75 3,75 4,25 4,75 4,00 4,33 4,042 2 Expresso Mirassol Ltda. 3 3,67 3,67 3,67 4,33 4,33 4,00 4,22 3,943 3 Jamef Transportes Ltda. 4 3,75 3,75 3,75 4,00 4,25 3,75 4,00 3,88LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 45veículos. Com apenas dois anos,a frota é bem recente e, geralmente,veículos novos não gerammuitas preocupações. Em média,com cinco anos nós tiramos ocaminhão de operação”, comentao gestor de marketing da ExpressoMirassol.A frota da segunda colocada noPrêmio é bastante grande, comcerca de 700 veículos, enquanto ada Cargolift tem 550. Com umaentanto, tem pouco mais de 800veículos. Além desses caminhões,as empresas trabalham com váriosagregados. São 200 parceiros nacampeã e 450 na vice. “Estabelecemoscontratos por produtividadee considero isso um diferencial daCargolift. A boa gestão logística,de o trabalho ser interrompido,faz o agregado produzir mais emelhor”, exalta Marques. Outroponto destacado pela ExpressoMirassol é a intenção de aumentarem 20% a quantidade de agregados,considerados “vitais” para osnegócios da empresa.Em contrapartida, tanto oscaminhoneiros próprios como osparceiros terão que se enquadrarna nova Lei 12.619, a chamada“Lei do Motorista”. Diferentede muitos segmentos, os maisbem colocados no setor automotivoaprovam a legislação e acaso da Cargolift, por exemplo,existe até um gerenciamento defadiga. Nele, todo o motorista quecumpre os descansos previamenteestabelecidos é recompensadopela empresa. No entanto, o setorenxerga a falta de absorção da leipor parte dos embarcadores comoMERCADOOutro sentimento compartilhadoentre as transportadoras éa decepção com a expansão dosnegócios em 2012. Da metadedo ano para frente, as previsõesforam revisadas para baixo e reduzidasdrasticamente, em média15%. Mesmo assim, o crescimentodo esperado. A Cargolift registrouretração nos negócios em automó-uma queda do crescimento previstode 20% para 6%. Em númerosabsolutos, a transportadora devefechar o ano com um faturamentona ordem de R$ 150 milhões.Situação semelhante é vividapela Expresso Mirassol. “O ano foiruim economicamente. Registramosuma queda em torno de 40%nas operações com equipamentoscomerciais, além de outros setoresque também registraram baixasem menor escala. Nossa previsãode expansão para 2012 era dede 15%”, calcula Salgueiro.Os próximos passos preveemuma retomada no ritmo de crescimentoanterior a este ano.O gestor de marketing da ExpressoMirassol admite que já é possível“comemorar” um faturamentoao menos 20% maior que o atualem 2013. No momento, o planoestratégico da companhia estábaseado em aquisições. “Temosuma meta de crescer 300% emcinco anos. Para isso, focamosnosso planejamento em aquisições.A cada conquista nossa,incrementamos rapidamente oslucros futuros ao nosso faturamento.Se separarmos apenas ocrescimento orgânico, devemosexpandir 150% neste período”,vislumbra o executivo.Ainda para 2013, as transportadorastambém querem acabarcom os problemas causados porsazonalidade e informação imprecisa,considerados os principaisentraves.Aos clientes e amigos,Boas Festas!Se o final do ano é sinônimo de muitospresentes e muita festa, podemos dizer quehá muito o que comemorar. À você clienteCromo Steel, nosso muito obrigado.DGRAU3 - www.dgrau3.com.brRua Cobalto, 170 - Pq. São Pedro - Itaquaquecetuba - São Paulo - SP - Tel.: 55 11 4646.1600e-mail: cromosteel@cromosteel.com - www.cromosteel.comfacebook.com/cromosteel


46 - EspecialPaulista Express é considerada amelhor transportadora de brinquedospor embarcadores do setorRTE Rodonaves Transportes e Transcompras ficaram com o 2º e 3º lugares da categoria,respectivamente. Para os próximos anos espera-se que haja uma retomada desse segmento,principalmente em função da realização da Copa do Mundo e das Olimpíadas.Siqueira, da Paulista Express:“hoje, a concorrência é muitogrande, se você não temdiversificação do serviço para ocliente, se dispõe a quebrar”AtransportadoraPaulista Express(Fone: 114397.6600) foi a vencedora dacategoria brinquedos do 6º PrêmioTop do Transporte. E não forampoucos os motivos para que acompanhia conseguisse conquistaros embarcadores do setor elevar o Prêmio para casa: serviçoagregado e pontualidade foram osgrandes diferenciais que conquistaramo mercado, na opiniãode Felipe Siqueira, analista deprojetos da empresa. “Fazemos oserviço completo, desde a coletaaté o pós-venda. Cerca de 85%das nossas entregas de cargasfracionadas, que são realizadas nacidade de São Paulo e na BaixadaSantista, são feitas em até 24horas. Tornamo-nos especialistasem entrega de brinquedos e, nacarga fracionada, o setor é responsávelpor 54% do faturamento daempresa”, explica.Quem também recebeu oreconhecimento do mercado efoi homenageado com o PrêmioTop do Transporte foi a RTERodonaves (Fone: 11 2192.3100),a segunda colocada na categoriabrinquedos. “Para nós é sempreuma alegria muito grande serreconhecido assim, pois estamosfocados no mercado do distribuidorpara o varejo, na maioriados segmentos que atendemos e,mesmo assim, somos lembradosno Prêmio, apesar dele ser focadono trabalho da transportadora coma indústria”. A importância doPrêmio Top do Transporte para asegunda colocada da 6ª edição dapremiação explicitada na fala deFabio Pires de Andrade, gerenteé tão grande que o Prêmio foi umdos impulsionadores para que atransportadora passasse a prestarmais atenção à atuação direta coma indústria, que já fazia parte dacarteira de clientes da transportadora,mas em pequena escala.“Com o Prêmio, notamos nossaabertura para a indústria, percebe-podíamos aproveitar mais esse tipode2005 atuando com o transporteRepresentantes das indicadas do setor de brinquedos aguardam a indicação das transportadoras vencedoras desta edição do PrêmioLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 47de brinquedos, cujo primeiro clientede expressão foi a Mattel, a transportadoraatua hoje com clientescomo Longjump e Yellow, além doPara a terceira colocada na categoriabrinquedos do Prêmio Top doTransporte 2012, a Transcompras(Fone: 79 3114.4861), o mercadode brinquedos foi um dos únicosque superou as expectativas esteano. A transportadora cresceu de10% a 15% no volume transportadode brinquedos em 2012 e conseguiuramentogeral da empresa saltou deR$ 69 milhões em 2011 para R$ 75milhões em 2012. E não deve pararpor ai. Em 2013, espera-se mantero patamar de crescimento de 10a 15% em volume transportado,apenas no segmento de brinquedo.A companhia, que hoje atua comclientes como Grupo Longjump,Grow, Guliver, Homeplay, Líderbrinquedos, Conthey e Estrela,está no mercado de transporteshá 24 anos e possui unidades emquatro estados do Nordeste: Sergipe,Bahia, Alagoas e Pernambuco.cidades de São Paulo, Guarulhos eCOMO ATUAM ASVENCEDORASHá 18 anos no mercado e atuandocom grandes players, comoGrow, Estrela e Toyster, a PaulistaExpress realiza, também, toda aseparação dos itens dos clientes deacordo com a necessidade de cadaum. Além do transporte das cargas,a companhia atua com serviçosde armazenagem e operaçõeslogísticas, consultoria logística,consolidação e distribuição de produtosacabados e matérias-primas,movimentação interna e recepçãode materiais. Em 2010, abriu umaSP, com complexo de armazéme serviços logísticos com área de7.000 m², 8 portões de acesso decarga e descarga, segurança armadade 24 horas, área de veículosem espera e estrutura completapara quem necessita acondicionare manipular suas mercadorias comportapaletes, racks metálicos, salasfechadas para guarda-volumes, ovae desova de contêineres e área detransbordo de carga. “Hoje, a concorrênciaé muito grande, se vocêpara o cliente, se dispõe a quebrar.As empresas estão sendo obrigadasa disponibilizar outros serviços,já que somente o transporte nãoé mais capaz de suprir o mercado.serviço: a parte de facilidade para ocliente também é muito importante.É sempre possível encontrarpreços menores que o seu, então,você precisa ter um diferencialA Paulista Express possui sede emSão Bernardo do Campo, SP, eBuscando manter-se atualizadapara atuar no setor, a RTERodonaves acredita que o principaldiferencial do serviço prestado parao segmento de brinquedos está noatendimento, onde são realizadostreinamentos constantes. Na rotade entrega da companhia estãosete estados, além do Distrito Federal.Cerca de 140 unidades estãoespalhadas na malha de atuação,deixando a empresa sempre pertodos clientes – tanto do distribuidorquanto da indústria. “Por conta danossa malha, o cliente sabe que setransportar conosco, a entrega vaiser feita no momento estipulado”,com o site da companhia, possuium Centro de Distribuição emSão Paulo com 10.000 m² de áreaconstruída e participa com 55%


48 - EspecialAndrade, da RTE Rodonaves: “como Prêmio, notamos nossa aberturapara a indústria, nossa influência eque podíamos aproveitar mais essetipo de cliente”Cantuário, da Transcompras: “nóstrabalhamos sempre para garantirque a carga chegue ao destinatáriocom a mesma integridade que saiudo fabricante”no faturamento da empresa, queatualmente é uma das maiores nosetor de transporte de cargas deSergipe, com aproximadamente45% de participação do mercado.“Boa parte da nossa estruturafísica é própria. O diretor investee trabalha muito forte na estruturafísica e de distribuição paraatender a demanda e sazonalidadedos segmentos que atuamos”,comercial da unidade de Guarulhosda transportadora.Nascida no Nordeste, aTranscompras mantém cerca de700 colaboradores responsáveispelas operações da companhiaque, segundo Cantuário, temcomo maior diferencial o pósvendabem estruturado. “Comotransportador, temos dois clientes– o embarcador e o destinatário.Mantemo-nos atualizadossobre os períodos de comprada mercadoria pelo destinatárioe, assim, conseguimos criar umrelacionamento maior com eles.Com isso, o embarcador acabaque sempre nos ajuda, tendo emvista que precisamos atender apontualidade na coleta e entrega,mesmo lidando com problemascomo a falta de infraestrutura dase lenta nos postos, além da faltade pagamento do imposto antecipado,que, em alguns estados, éobrigatório para que a carga sejaliberada e entregue ao destinatá-TREINAR PARA ENTREGARO treinamento dos colaboradoresque irão manusear etransportar as cargas é um pontoque as transportadoras buscamdar a maior atenção possível,entrega, os pedidos cheguem aodestinatário de acordo com o quefoi estipulado no momento dacontratação do frete.No caso da Transcompras,lizadospara atender o segmentode brinquedos, ensinando aoscolaboradores a respeitar o pesoda mercadoria, a integridade daembalagem e a quantidade carregadapor caminhão. “Nada podeser forçado e justo demais noscaminhões para não causar avarias.Trabalhamos para garantir que acarga chegue ao destinatário coma mesma integridade que saiu domantidos programas de treinamentovoltados tanto para a áreacomercial da companhia, comopara os colaboradores que atuamno manuseio e transporte dascargas. De acordo com o site datransportadora, os motoristasparticipam do Programa Farolde Milha, que busca capacitá-lospara o dia a dia nas estradasbrasileiras e possui três cursos:direção defensiva, direçãoeconômica e aprimoramento nacondução de veículos. Na parteoperacional, há um programavidoscom a movimentação demercadorias, dando uma visãoabrangente e integrada de todasde capacitar seus novos assistentescomerciais, a RTE Rodonavesdesenvolve, também, o Vencer- Programa de Capacitação paraAssistentes Comerciais, cujosobjetivos são desenvolver enaisenvolvidos com atendimentode clientes e proporcionar aosparticipantes uma visão de todasas atividades da empresa.Nos trabalhos desenvolvidos naPaulista Express, os colaboradoresrecebem treinamentos espe-líder do armazém.FROTA E INVESTIMENTOSApesar de não ter planosem curto prazo para aumentarsua atuação, a RTE Rodonavesdeverá investir altas somas emautomação de armazéns paraconferência e movimentação decargas. A previsão é que a frotaseja mantida na política atual,sendo que a maioria dos veículos éprópria, pelos próximos dois anos.Ao todo, a empresa atua com 710equipamentos próprios e outros341 de terceiros, entre veículosextrapesados, pesados, médiose leves. Mesmo sem contar comgrandes aumentos na demandapelo transporte em relação a 2011nesse ano, a RTE Rodonavesespera um crescimento de 20% novolume transportado para 2013,previsão dada pelos clientes datransportadora.Os investimentos da PaulistaExpress estão voltados paraexpandir a sede em São Bernardodo Campo, que apresenta grandedemanda de trabalho. Hoje, acompanhia atua com frota queinclui 46 equipamentos próprios, decarretas a furgões, além de outros70 veículos terceirizados. Na frota,há utilitários de pequeno e médioporte, como caminhões baús,siders e carretas.Na Transcompras os investimentosdeverão ser feitos nasáreas de capacitação de colaboradorese para manter a estruturafísica atual da companhia, que atuaEleitos da Indústria de Brinquedos Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de ServiçoOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoMédia decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformaçõesMédia deserviçosMédia definal demercado1 1 Paulista Express Transportes Ltda. 3 4,33 4,67 4,50 5,00 5,00 4,67 4,89 4,692 2 Rodonaves Transportes e Encomendas Ltda. 4 4,25 4,50 4,38 4,75 4,25 4,50 4,50 4,443 3 Transcompras Transp. e Compras Comerciais Ltda. 4 4,00 4,25 4,13 4,50 4,50 4,00 4,33 4,23LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 49com equipamentos como carretas,trucks e vans, mantendo uma frotade cerca de 400 veículos próprios,mais de 100 agregados e mais de400 terceirizados.OS OBSTÁCULOS E ARETOMADA DO SETORMesmo com toda a estruturaque as transportadoras mantêm,dadespara atuar num mercadodemandas, como o de transportesde brinquedos. “O clientequer que a carga seja entregue.Mas, às vezes, não existe umagendamento em tempo hábilpor parte dele. Acabamos tendoque fazer o planejamento e aentrega em cima da hora e, porisso, sofremos com hora extrae desgaste do funcionário. Mas,sabemos como o mercado atua etemos que arcar com isso, mesmoenfrentando um custo maiselevado de transporte”, explicaSiqueira, da Paulista Express.Ainda segundo o analista de projetos,outro problema do setorestá nas entregas realizadas emlocais como mercados e grandesmagazines. A companhia sepreocupa em manter colaboradoresespecializados para manejaras cargas, mas nesses locais adescarga precisa ser feita pelosfuncionários da loja, obrigando aempresa a arcar com os valoresimpostos por ela. “Podemos levardois ajudantes nossos registrados,com o conhecimento da carga.Mas se eles não quiserem queeu use os meus ajudantes, tenhoque usar, obrigatoriamente, aforça de trabalho deles e pagaro que eles determinam. Ou façoisso, ou a carga do cliente não éentregue”, continua.Na opinião de Andrade, da RTERodonaves, além de lidar com adode brinquedos, as entregas nãosão tão fáceis de serem realizadasem shoppings, por exemplo. “Nemsempre as lojas têm estrutura parareceber a carga, pois os brinquedossão volumosos. O varejofaz grandes pedidos, a indústriadisponibiliza a carga, mas nãoconseguimos entregar porque nãoexiste espaço físico na loja parareceber tudo. Quando isso ocorre,precisamos desmembrar a entregae vamos entregando na medidada capacidade de recebimento decada loja”, explica.Num mercado em que o crescimentonão ocorre mais com tantafrequência como no passado, umalívio econômico pode ser trazidopela Copa do Mundo.De acordo com Siqueira, daPaulista Express, há cinco anos omercado está sentindo a quedada demanda e do faturamentono transporte de brinquedos, emfunção da economia do país. Essaqueda fez com que a transportadora,inclusive, começasse a atuarem outras áreas, com contêiner earmazenagem, para impedir queo faturamento caísse muito. “Temcinco anos que o mercado estásentindo a queda da demanda edo faturamento em brinquedos.Em função da economia do país, otinuamosfazendo entregas para asmesmas cidades, os clientes nãoestão dividindo a nossa carga comoutra transportadora e, mesmoassim, a demanda está caindo”,explica Siqueira. Para os próximosuma retomada desse segmento,principalmente em função daCopa do Mundo que aconteceráno Brasil. Os lançamentos demascotes e outros brinquedosrelacionados aos jogos, apesar denão terem um impacto tão grandeesperado, poderão ajudar a escalaro faturamento.30Anos100%NacionalProjeto completopara Salas de bateriasDieletro Eletro Eletrônico Ltda.Rua General Irulegui Cunha, 633,Cep: 03225-020, Jardim Independência, SP/SPwww.dieletro.com.br vendas@dieletro.com.brTel.: 11 2911.2048Fax.: 11 2916.4784


50 - EspecialTransportadora Rebecchi chegaao lugar mais alto do pódio nosegmento calçadistaPara a Rápido Labarca e a HRB Transportes, a chegada ao pódio, como segunda e terceiracolocadas no segmento, é resultado de muito esforço e responsabilidade. Já para acampeã, para ser a melhor, é preciso fazer a entrega perfeita.Sanches, da Rebecchi: “com essaconquista, acredito que estamosnos enquadrando na qualidadede serviço exigida pelos parceirosembarcadores”Campeã do Premio Topdo Transporte 2012 nosegmento de calçados,a Transportadora Rebecchi(Fone: 18 3642.2099) revelaque, para ser a melhor, é precisofazer a entrega perfeita, utilizandoas ferramentas disponíveise atendendo, com precisão,aos anseios do contratador. Serreconhecido é fator determinantepara aperfeiçoar aindamais a expertise no serviço - eeste reconhecimento exige, poroutro lado, comprometimento,conhecimento, seriedade, honestidadee muita informação.Aliás, a expertise da Rebecchino ramo de distribuição decalçados tem uma sólida razão:95% da receita da empresa éoriunda do segmento calçadista.Para garantir o lastro dequalidade no atendimento, atransportadora mantém umatreinada rede de colaboradores.A maior preocupação com ahabilitação dos funcionários,diretor da Rebecchi, é preservara excelência nos contatos como cliente.“Sempre buscamos ser umdos melhores transportadoresnesse segmento. Com essaconquista, acreditamos queestamos nos enquadrandona qualidade dos serviçosexigida pelos nossos parceirosembarcadores”, comemoraSanches. “É um Prêmio quenos trás muita satisfação ehonra perante nossos clientes”,acrescenta.O diretor destaca que oatendimento personalizado, quevaloriza e evidencia exigênciase peculiaridades de cadacliente, é uma das condutas datransportadora, que certamentedeterminou essa conquista.Ele ainda revela que aempresa procura estar o maispróximo possível dos seusparceiros. “Preservamos aomáximo o comprometimentode datas de entrega,com muita seriedade ehonestidade. Mantemos osclientes constantementeFinalistas da categoria aguardam no palco o anúncio dos vencedores do setor. Transportadora Rebecchi foi a grande escolhida dos embarcadoresLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 51abastecidos de informaçõessobre o percurso da cargae os estágios da operação.É comum os diretores daRebecchi se colocarem àfrente de qualquer situaçãomais exigente, para que seconcretize a recomendaçãodo cliente”, detalha. Mesmoque esta recomendaçãoimpossível”, como as cargascom agendamentos de entregana centro da cidade de SãoPaulo, no período da manhã,e embarcadas no dia anterior.“Procuramos nos modularcomo congestionamentos,rodizio e áreas de restriçãode circulação, embora sejamobstáculos que atrapalham eencarecem muito a operação”,admite o diretor.da Rápido Labarca Transportes(Fone: 11 4688.1899), asegunda colocada na categoria,o trabalho em equipe, muitadedicação e responsabilidadeserviram de passaporte para aconsagração da empresa. “Aesforço foi recompensadoe serve de incentivo paratrabalharmos ainda mais,buscando melhorar a cadadia”, reforça o dirigente daempresa, que está há 37 anosno mercado e concentraneste nicho calçadista 80% dovolume transportado.Da mesma forma, a HRBTransportes Rápidos (Fone:51 3545.6974) credita aconquista do Prêmio comofruto da intensa dedicação ecomprometimento de todaa equipe de colaboradores.“Estamos no caminho certo,a prova é o reconhecimentodos nossos clientes, quetemos pela frente, mas, comseriedade, honestidade ecomprometimento de toda aequipe, com certeza iremosalcançar nossos objetivose cada vez mais ser umaexcelente opção no mercado”,avalia Henrique Birck, diretorcomercial da transportadora.Ele destaca, ainda, que aagilidade é um dos pontosfortes da rotina diária datransportadora: envolvevelocidade nas entregase cumprimento precisodos prazos determinados,associados a um minuciosoEleitos da Indústria de Calçados Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de ServiçoOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoMédia decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformaçõesMédia deserviçosMédia definal demercado1 1 Transportadora Rebecchi Ltda. 3 4,67 4,67 4,67 4,67 4,67 4,00 4,44 4,562 2 Rápido Labarca Transportes Ltda. 10 4,40 4,20 4,30 4,50 4,50 4,20 4,40 4,353 3 HRB Transportes Rápidos Ltda. 3 4,67 4,33 4,50 4,33 4,33 3,67 4,11 4,31


52 - Especialcuidado com o manuseiode mercadorias, alémde informações rápidase detalhadas sobre oposicionamento da cargapara clientes, via web.Por outro lado, quandose fala em área de atuaçãoe infraestrutura, vale destacarque a Rebecchi operaatualmente com umafrota de 52 caminhões eutilitários, entre veículosde transferência, coletas eentregas, com uma idademédia de 5 anos, quepermite maior aproveitamentooperacional dosveículos e uma reduçãonas ocorrências de reparos.“Temos manutençãoprópria. Nossos veículossão revisados semanalmente”,detalha Sanches.A transportadora não abremão da contratação deagregados: “hoje trabalhamoscom uma média de30 contratados. Diante dainstabilidade do mercadotorna-se inviável manterveículos próprios, principalmentepara atenderdemandas no setor decoletas e entregas”, espe-de 2012, a movimentaçãomédia mensal de carga daempresa foi de 12,6 mildespachos, que totalizam140,5 mil volumes ou 1,7toneladas de carga. Ainterior do Estado de SãoNova Serrana, MG, e SãoPaulo, SP, regiões onde aRebecchi concentra atualmentesuas operações.Pelo seu lado, atendendodiversas cidades dosestados do Rio Grande doSul e Paraná, a HRB contadistribuição na região, poronde circula a frota de 15Birck, da HRB Transportes Rápidos:“estamos no caminho certo, a provaé o reconhecimento dos clientes,que confiam e acreditam no nossotrabalho”veículos próprios, com idademédia de 5 anos, e mais45 agregados. “Estamostransportando em médiaacima de 17.000 volumese um peso acima de 1.000de calçados responde poraproximadamente 18% detodo volume transportado”,constata Birck.Ele também adiantaque o resultado comercialde 2012 deverá chegar a28% sobre o faturamentode 2011. “Para 2013esperamos crescer 30%”,projeta o diretor comercialda HRB, destacandoque para chegar ao topoé preciso estar semprepronto para atender e sersempre transparente como cliente.MERCADO RETRAÍDOEmbora Birck semantenha otimistaquando ao faturamentoda HRB em 2012, osegmento calçadistaainda se ressente daforte retração comercialvivenciada em2011. Segundodados daAbicalçados– AssociaçãoBrasileira dasIndústrias deCalçados, o setorcalçadista faturouUS$ 368,6 milhõesno primeiroquadrimestredeste ano, o quede 18% em relaçãoà cifra alcançadano mesmoperíodo de 2011.A expectativade crescimento,concentrada nosegundo semestre,ainda nãoaconteceu.“Para este anotínhamos umaprojeção de aumentarnosso faturamentoem 10%, porém,como nos dedicamosmajoritariamente ao ramo,que vem registrandoqueda comercial emrelação ao ano passado,não foi possível atingirSanches, da Rebecchi,que ainda não tem umaprevisão fechada para oquando a empresa estarácompletando 20 anos deatividades, a expectativaé bem mais otimista, decrescimento de 15%.O diretor antecipa que,para isso, a Rebecchiestá se habilitandoinvestindo na matriz,todo nosso sistema delogística e administraçãoe projetamos, para breve,melhorias nas nossas duasLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brweb .com.br


54 - EspecialAtiva Logística se consagracampeã também no segmentode cosméticosA empresa também foi campeã no setor têxtil e vice-campeã na categoria indústriafarmacêutica. O segundo e o terceiro lugar ficaram com a Raça Transportes e a MiraTransportes, respectivamente. Eles falam das carateríticas do setor.Tosim, da Ativa Logística:“nosso resultado comercial podenão alcançar o nível de metaspropostas, mas conseguir essereconhecimento é primordial”Atuante nomercado há 16anos, a AtivaLogística (Fone: 11 2902.5004) foiconsiderada pelos embarcadoresdo segmento cosméticos,perfumaria e higiene pessoal amelhor empresa de transporteda categoria no Prêmio Top doTransporte 2012. Com médiaa empresa também se consagroucampeã no setor têxtil e vicecampeãna categoria indústriafarmacêutica.“O reconhecimento porparte dos clientes, para nós, éfundamental. Nosso resultadocomercial pode não alcançar onível de metas propostas, masconseguir esse reconhecimentoNewton Tosim, diretor da AtivaLogística.Segundo dados da ABIHPEC –Associação Brasileira daIndústria de Higiene Pessoal,Perfumaria e Cosméticos (Fone:11 3372.9899), o mercado decosméticos cresceu cerca de18,9% em 2011 no Brasil, sendoque o país está em terceirolugar no consumo desse tipode produto. Dentro da Ativacosméticos em sua carteiraevoluiu em torno de 15% nosúltimos 12 meses. E, emborao segmento de medicamentosainda seja o seu carro-chefe emtermos de receita – ele respondepor 45% do total –, o setor decosméticos já representa 30% dofaturamento atual da empresa.“A indústria brasileira decosméticos não para de crescer.tem uma demanda constante oano inteiro”, comenta Tosim.Para atender as operaçõesLogística trabalha com umafrota de 500 veículos, sendoque 45% desse volume sãopróprios. Os principais pontosde apoio da empresa estão noCentro de Distribuição centralFinalistas da categoria Cosméticos, Perfumaria e Higiene Pessoal sobem ao palco para receber certificado da premiaçãoLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 55Eleitos da Indústria de Cosméticos, Perfumaria e Higiene Pessoal Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de Serviço Média definal deOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoMédia decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformaçõesMédia deserviçosmercado1 1 Ativa Distribuição e Logística Ltda. 25 3,88 3,68 3,78 4,20 3,96 4,04 4,07 3,922 2 Raça Transportes Ltda. 3 2,67 4,00 3,33 4,33 4,33 4,67 4,44 3,893 3 Mira OTM Transportes Ltda. 9 3,56 3,56 3,56 4,00 4,11 4,11 4,07 3,81de Itapevi, interior de São Paulo –situado dentro de um condomíniologístico, com 5.000 posições/palete – e no novo CD do ParqueNovo Mundo, em São Paulo, com25.300 m 2 de área total e 13.000m 2 de área construída. Com 60docas, o novo CD é onde funcionatodos os caminhões.“Para acompanhar as exigênciasde restrição urbanas de trânsitonas marginais de São Paulo,mudamos, em apenas três meses,o local do nosso CD, que agoraMundo”, diz Tosim.Em segundo lugar na categoriaCosméticos, Perfumaria e Higiene(Fone: 11 2108.6655), com média1990, a empresa atualmente contaempresas do setor na distribuiçãode produtos do segmento, com ofoco na região Norte.Para Rangel Murad, diretoradministrativo da RaçaTransportes, a premiação é degrande importância devido aoscritérios utilizados na avaliação dasempresas eleitas. “A premiação éválida para todos os segmentos,principalmente por ser baseadano voto dos clientes, mensurandoo custo-benefício e os serviçosprestados. A maioria das outraspremiações se baseia no tamanhoda empresa, e não na qualidade doO executivo atribui aconquista do Prêmio aotrabalho, à experiência e àseriedade da companhia,além do tempo de atuação nomercado. “É importante que aempresa tenha know-how nosetor em que atua, uma vezque cada nicho de mercadodemanda suas particularidades”,completa Murad.Em terceiro lugar no segmento2142.9000), com 3,81 de médiapor três anos consecutivos dosegmento – 2009, 2010 e 2011 –,a transportadora trabalha comuma frota de 505 veículospróprios com idade média decinco anos.No início de 2012, a MiraTransportes começou a transiçãode sua gestão para a governançacorporativa, compondo um novoConselho Administrativo e umanova diretoria executiva.


56 - EspecialMurad, da Raça Transportes: “é importanteque a empresa tenha know-how no setorem que atua, já que cada nicho de mercadodemanda suas particularidades”Edson Pereira Jr., gerente comercial daMira Transporte, recebe a placa do Topdo Transporte 2012, pelo 3° lugar nacategoria cosméticosDESAFIOSNa Raça Transportes,entre os diversos empecilhosque a empresa enfrentouao longo de sua históriaestá a carência de estruturanas rodovias da região ede carga. “Especializamonosno setor e agregamosvalor nesse segmento notransporte à região Norte”,explica Murad.Dentro da Ativa Logística,a tecnologia é um dosrecursos mais importantespara preservar e melhoraro nível das operações.Mas, segundo o diretorda empresa, apesar de seressencial para o clienteesse tipo de tecnologia, omaior problema do setornão está no investimentodentro dessa área, e sim,na contratação de mãode-obracompatível comas funções do setor, quepassaram a exigir maisconhecimentos ao longodos anos. “Perdemosoutros nichos da economia,como a construção civil”,explica Tosim.Para diminuir oturnover, a empresa criourecentemente um programade benefícios que estimulao funcionário a continuartrabalhando na companhia.da empresa passam por umacordo com as exigênciasque seu cargo pede.“Temos de transitardentro de shoppings, nãopodemos escalar qualquerpessoa para a função.É preciso ter postura,boa aparência e cuidadoda carga, além de agilidadena entrega. Este funcionário,em particular, passa por umÉ um treinamento básico,mas muito repetitivo, porqueele tem de fazer a entregamuito bem feita. A entregabem feita é o nosso cartãode visitas”, explica o diretorda Ativa Logística.Com expectativa decrescer em torno de 18%este ano, a Ativa Logísticatem como meta para 2013aumentar sua atuação nomercado, agregando novosserviços. Além disso, aempresa tem planos de abrirGO, e uma nova unidade emEspírito Santo, onde irá atuarcomo Operador Logístico.“A concorrência na regiãode Goiânia é intensa e temosde entrar com um serviçodiferenciado nesse mercado.Fora o aporte para as novasinvestimentos de R$ 5(leasing) para a renovaçãode frota e, também,estamos realizando umupgrade no nosso sistemade informática”, revelaTosim.LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brweb .com.br


58 - EspecialCom empate, Trânsito Brasil eMerolli dividem primeira posição nosetor de eletroeletrônicosCom dois ganhadores do Prêmio Top do Transporte 2012, as transportadoras ficaram rigorosamenteiguais na média final de mercado, enquanto a Translovato ficou no segundo lugar e a Meridional emterceiro. Roubo de carga ainda é grande preocupação do segmento.Giancarlo, da Merolli: “o impactoda Lei dos Motoristas é enorme.Não temos como não repassar oscustos do frete, que ficam 25%acima do praticado”No setoreletroeletrônicodesta edição doPrêmio Top do Transportehouve um empate técnico naprimeira posição, entre a MerolliTransporte e Logística (Fone:41 328.6159) e a CHTransTransportes Rodoviários(Fone: 11 2138.7700), tambémconhecida como TrânsitoTransportes Translovato (Fone:11 2413.2727), com a viceliderança,e a Meridional Cargas(Fone: 11 2900.4141), com aterceira posição.As médias de notas atribuídaspelos embarcadores tambémcriaram outra particularidadeao segmento eletroeletrônico: adisputa apertada. A diferença depontuação entre as duas líderespara a quinta transportadorada eleição – primeira empresamuito pequena, de apenas 0,17parâmetros, o setor seguiua maioria, elegendo o Nívelde Serviço como o critériode maior valor na hora deavaliar a transportadora e aGestão de Qualidade comoo de menor. Também é nestaedição do Prêmio que o númerode transportadoras indicadasvoltou a crescer. De um totalde 1.642 empresas citadas, aindústria eletroeletrônica éresponsável por 173, númerosuperior aos 163 do ano passado,mas ainda abaixo das 240 de2010.Em um segmento pautadopela carga de alto valor agregadoe pelo cuidado de como é feito otransporte, a Merolli se destacoue chamou atenção por sua jovematuação. Sediada em Curitiba,PR, e com apenas 11 anosmovimentando cargas, a empresanasceu como braço logístico datransportadora Rodobras, possui150 veículos e 44 pontos de apoiodistribuídos entre os estadosde Santa Catarina, Paraná, RioVencedores do Prêmio Top do Transporte para a indústria eletroeletrônica sobem ao palco com seus diplomasLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 59Mezzomo, da Trânsito Brasil:“esse Prêmio mostra que nossotrabalho está sendo eficiente, poisconseguimos colocar em práticaaquilo que planejamos”Grande do Sul e São Paulo.A transportadora atribui suavitória no Top do Transporte àregionalização de sua atuação,de acordo com o diretor daempresa, Giancarlo Merolli.como no Sudeste e Centro-Oeste, mas percebemos que évantajoso focar o atendimentonos permite elevar o nível deserviço”, detalha o executivo.gerente nacional administrativoda Trânsito Brasil, enaltecea conquista em uma área deatuação difícil. “Esse prêmiomostra que nosso trabalhoconseguimos colocar em práticaaquilo que planejamos”, destaca.A transportadora tem 145veículos e trabalha com cercade 35 agregados, mas já planejainvestir e expandir para manter onível de excelência.A Translovato e a Meridionalseguem a linha de agradecimentodas primeiras colocadas. Nocaso da primeira, inclusive,o gerente comercial MarceloCarlos da Silva explica que atransportadora estava ansiosapela divulgação do resultado.Com a posição consolidada,a empresa já começou autilizar a vice-liderançaem eletroeletrônicos comomarketing. “Esse Prêmio éde alto nível e o principal doramo. Ficamos o ano inteiro naexpectativa do Prêmio Top doTransporte para ‘marquetizar’ eo executivo da Translovato. Eletambém ressalta o compromissocom o embarcador: “só é possívelpacote de fatores está presente,já que o embarcador costuma serbastante criterioso”, completa oexecutivo.A Meridional completa opódio do setor satisfeita com osresultados obtidos. “Não temosmedido esforços para ser umareferência de mercado nessesegmento e agradecemos a todosa participação nessa brilhante eautêntica festa”, festeja o gerenteregional da transportadora,Emanuel Pereira Madruga.transportadoras para seremreconhecidas as quatro melhoresdo ano na movimentação decargas eletroeletrônicas sãocarga transportada é apontadapela Merolli como ponto decisivopara o posicionamento comoTop do Transporte. Além disso,a transportadora desenvolveuuma solução para o clienteque combina diferentes cargasfracionadas para o maioraproveitamento do espaçoocioso nos caminhões, comoeletrônicos com linha branca ecalçados, por exemplo. “As cargassão compatíveis e existe umaharmonia na acomodação dosprodutos, na hora de transferir


60 - EspecialA melhor locação e venda*do BRASIL,da melhor empilhadeirado MUNDO.Só a TOYOTA oferece inúmerosSilva, da Translovato: “ficamos o anointeiro na expectativa do Prêmio Topdo Transporte para ‘marquetizar’ epublicar os resultados”Madruga, da Meridional: “não temosmedido esforços para ser referência demercado nesse segmento, e agradecemosa todos a participação nessa festa”sistemas de SEGURANÇA, como:SAS, que proporciona maior estabilidadeda máquina; OPS, quedetecta a presença do operadore Block System, que garante oseu correto funcionamento. ABAUKO entra com as melhorescondições de locação e venda*.Visite o site e conheça as vantagensdesta parceria.* Venda para os estados de RJ, BA e ES.11 3693 - 9339www.bauko.com.brou carregar os veículos”,explica Giamcarlo. Foraisso, a exclusividadeno atendimento aosembarcadores e ocompromisso com oscontratos também sãoressaltados.O diferencial da atuaçãoda Translovato no segmentode eletroeletrônicos é ainformação e a relaçãopontual que mantém com ocliente, segundo o gerentecomercial da transportadora.“Esse mercado precisade atendimento rápido einformações precisas”,ressalta Silva.ROUBO DE CARGASÀ medida que seexpande o mercado deeletroeletrônicos, crescetambém os casos de roubode cargas. Os equipamentosdo setor estão entre os maiscaros e, consequentemente,a carga torna-se mais visada.Cada transportador toma assuas precauções para evitaros crimes, além de deixaros armazéns apenas comos veículos assegurados.Na Merolli, a ideia foimesclar cargas. “Para sanara questão, resolvemospulverizar as cargas nosveículos, mesclandoeletrônicos com calçados”,revela o diretor da empresa.Outra posição é prepararo motorista, sobretudono trajeto São Paulo –Curitiba, consideradoum dos mais perigosos ecarentes de segurança noBrasil. “Trabalhamos com otreinamento dos motoristas,apontando os pontos deperigo presentes nas rotas,plantamos iscas nas cargas,entre outras estratégiasutilizadas pelo mercado”,alerta Giamcarlo.A segurança tambémpassou a ser o ponto fortena Meridional quando oassunto é atendimentoao segmento deeletroeletrônicos. “Temosuma apólice de segurosLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brweb .com.brcompatível com o alto valorda carga e todas as nossascondomínios fechados,para a maior proteção dascargas”, destaca Madruga.Com toda a frota equipadacom rastreadores, dizo dirigente, a empresapossui ferramentas quepermitem a transmissão dasinformações em tempo real.destaca que ogerenciamento de riscosé a principal preocupaçãodo transportador. Pelo altovalor agregado, a cargaeletroeletrônica torna-seum prejuízo grande paraa transportadora, não sópelos roubos, mas em casode avarias, por exemplo.“O transporte dessesprodutos exige muitoscuidados do transportador.O principal deles é o plano degerenciamento de risco, quetem de estar alinhado com asseguradoras do cliente e daTranslovato”, detalha Silva.


Especial - 61Eleitos da Indústria Eletroeletrônica Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de ServiçoOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoMédia decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformaçõesMédia deserviçosMédia definal demercado1Merolli Transporte e Logística Ltda. 3 4,33 3,67 4,00 4,33 4,33 4,33 4,33 4,1712 CHtrans Transportes Rodoviários Ltda. 3 4,00 4,00 4,00 4,67 4,00 4,33 4,33 4,173 2 Transportes Translovato Ltda. 7 4,14 3,86 4,00 4,14 4,29 3,86 4,10 4,054 3 Meridional Cargas Ltda. 5 4,00 4,20 4,10 4,20 4,20 3,60 4,00 4,05LEI DOS MOTORISTASA nova Lei dos Motoristasobrigou a adoção de medidaspaliativas, de acordo com odiretor da companhia. Com aestipulação de períodos máximosde direção por dia, intercaladospor paradas obrigatórias paradescanso e alimentação,a transportadora vem seadequando ao cumprimentodas novas normas. “O impactoé enorme. Trabalhamos emuma rota considerada de curtaa média distância, por isso oproblema é maior. Não temosoutra alternativa a não serrepassar os custos do frete, quedo praticado anteriormente àpromulgação da lei” adverteGiamcarlo.Enquanto isso, a direção dade pontos de apoio para atendera nova legislação. A quantidadede locais de parada alternativosdependerá das demandas decada cliente. A princípio, dizMezzomo, a ideia é trabalharcom mais de um motorista porveículo, mantendo o caminhãosempre em descolamento parapermitir a entrega dos produtosno prazo estipulado. “A questãoterá de ser alinhada com osclientes, caso queiram preservarexíguos prazos de entrega”,adianta.Além de cumprir a lei, aTrânsito Brasil também pretendeimpor seu plano estratégicono biênio 2013/2014.A transportadora já desenvolveuum projeto com o intuito deexpandir sua atuação territorial.“Em um primeiro momentovamos transportar para ascidades de Minas Gerais e Riodemanda, poderemos ampliar osinvestimentos nestes estados”,revela o gerente nacionaladministrativo da Trânsito Brasil.Por enquanto, é uma medidaque vem sendo minuciosamenteanalisada pela empresa, umavez que a expansão logísticano atendimento para longasdistâncias representará umacréscimo de custos paraa transportadora. “Em ummercado desconhecido, não sepode entrar arrojado. A iniciativapode não dar certo e preferimosmanter os pés no chão”,completa Mezzomo.


62 - EspecialIndústria farmacêuticaescolhe a Transportadora Minuanocomo a melhor do segmentoEm 2º e 3º lugares ficaram, respectivamente, as transportadoras Ativa Logística eTNT Mercúrio, que também receberam as justas homenagens durante a premiação.As três apresentaram bom desempenho de mercado em 2012Borges, da Minuano: “crescemos odobro que a indústria farmacêuticanacional cresce. Em 2013,devemos crescer o planejado,15% em relação a 2012”Na sexta ediçãodo Prêmio Topdo Transporte,coube à TransportadoraMinuano (Fone: 51 2121.0999)ser eleita a melhor companhiade transportes com atuação nosetor farmacêutico, segundo osembarcadores do segmento.Quem também teve muitasrazões para celebrar foram astransportadoras Ativa Logística(Fone: 11 4143.8727) e TNTMercúrio (Fone: 11 3573.7700),que também tiveram seusserviços reconhecidos econquistaram, respectivamente, o2º e 3º lugar na categoria.Os prêmios vieram para fecharo ano das escolhidas com chavede ouro, após meses de bonsdesempenhos no mercado porparte desses players. No casoda Transportadora Minuano,2012 representou um grandecrescimento no faturamento.A companhia deve fechar o anosaltando de R$ 46,2 milhões defaturamento total em 2011 paraAtiva Logística prevê terminaro ano com crescimento de 18%ante 2011. A terceira colocadada categoria, TNT, continuaampliando seus serviços coma aquisição de companhias emtodo mundo e hoje, no Brasil,atende a mais de 5.000 cidades,de 8.000 funcionários e frota de2.500 veículos próprios e 1.500terceirizados.“Acho que este é o maiorprêmio: ser reconhecido pelocliente como o melhor prestadorde serviço de transporte. Istonos enche de alegria e pensamosque estamos no caminho certo.Motiva-nos a investir cada vezmais para continuarmos a sermosreconhecidos pelo mercado. Estapremiação tem muito valor, pelaParabenizo a iniciativa das revistasLogweb e Frota&Cia pelacriatividade do Prêmio, que possuimuita veracidade e repercussãoBorges, sócio diretor comercialda Transportadora Minuano, quese surpreende pela rapidez comque a transportadora conseguiutal premiação na atuação comRepresentantes das finalistas recebem seus diplomas, resultado do reconhecimento dos embarcadores da indústria farmacêutica pelos serviços prestadosLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 63o segmento farmacêutico:“a Minuano decidiu em 2010atuar no mercado da indústriafarmacêutica, e o resultadofoi surpreendente. Mas, comcerteza, o nível de serviços e aqualidade contaram muito parasermos vencedores”.Quem também salienta aimportância do Prêmio Top doTransporte para o mercado éSonja Helena Madeira Macedo,gerente farma da Ativa Logística.“É de suma importância ganharo prêmio em farma, pois éuma premiação respeitada evalorizada pelo mercado por suametodologia e seriedade.O prêmio veio consolidar orespeito ao nosso trabalhono setor. Vamos continuaraprimorando nossos serviços e“o reconhecimento com o Prêmionossos clientes. E isso se deve aofato de que a Ativa está focadaem melhorar cada vez mais osetor farma, mercado muitoexigidas. Os embarcadorestêm diversas exigências queprecisamos cumprir e estamosinvestindo em diversos setorespara atender clientes dessa área”.Desde a fundação daAtiva Logística em 1996, acompanhia atua com a indústriafarmacêutica. E de lá paracá, conseguiu observar umavalorização do mercado paraempresas que estão capacitadas aatender esse segmento, algo que alevou a se especializar ainda maisnesse setor. “Os embarcadoresprecisam de transportadorascom expertise. Precisamosinvestir nesses dezesseis anosem capacitação técnica paraatendê-los”, explica SonjaHelena. Hoje, a Ativa Logísticaatende diretamente as regiões Sulpara demais regiões atua por meiode parceiros.As licenças exigidas paraatender este mercado sãotantas e tão difíceis de seremobtidas que são poucas ascompanhias de transportes queconseguem atuar com todasas exigências necessárias eatualizadas. Mesmo com poucascompanhias aptas para atuar comcargas farmacêuticas, ainda énecessário manter um diferencialde atuação para sobreviver nomercado, que mesmo com todasextremamente competitivo.“No Brasil, não é fácil obtersanitários por região que sãopedidos para transportaressas cargas. Esbarramos naburocracia lenta existente, queem certos casos é até exagerada.Portanto, conseguir as licenças ejá se torna um diferencial.E esse é o caso da Minuano. Alémdisso, temos outro diferencial:criamos uma estrutura exclusivana área operacional para atendereste segmento, que exigemuito controle e qualidade noTransportadora Minuano quetem sua sede instalada em Portocidades de São Paulo, SP, RioLondrina, PR, Maringá, PR,Florianópolis, SC, Blumenau, SC,A companhia tambémconta com uma frota própria de226 caminhões, com idade-média de 5 anos.A transportadora também atuaZelosolançaplataformaaérea autopropelida11 3694-6000Zeloso Indústria e Comércio LtdaRua José Pascowitch, 153 - Chácara Everest - Osasco/SP - 06149-070zeloso@zeloso.com.br - www.zeloso.com.br


64 - EspecialSonja, da Ativa Logística:“o reconhecimento veio daconfiança dos clientes, e issose deve a estarmos focados emmelhorar cada vez mais no setor”com 48 agregados, consideradosimportantes para que consigamelhorar a sua produtividade.A Ativa Logística tambémpossui estrutura própria paraatender a indústria farmacêutica.Uma gerência foi criada para sededicar exclusivamente ao setor,capacitados e técnicos voltadospara essa indústria em todas asunidades da transportadora queatuam no setor farma.Se o diferencial de cada playerdeste mercado é importante,o treinamento dado aose transportar este tipo de cargae a adequação dos locais dearmazenagem são igualmentenecessários. Como explica Sonjacapacitação de lugar e pessoal,gerenciamento de risco e limpezasão fundamentais. “A indústriaprecisa de um transportadorque cheque tudo isso. Sãofeitas auditorias presenciais nacontratação do transportador,pois o embarcador precisa verde perto a estrutura da empresapara saber se está tudo de acordo,tendo em vista que os produtosnão podem ser contaminados”,explica.OS PLANOS DOSVENCEDORESAs companhias vencedorasdo Prêmio Top do Transporte2012 na categoria farmacêuticojá estão fechando seus planos deinvestimentos para os próximosanos.Como foco nas regiões Sule Sudeste, a TransportadoraMinuano não pretende ampliarseu alcance de entregas, masjá planeja a construção de umnovo terminal de cargas emPorto Alegre, RS. O terminalnuma área de 16.000 m², sendo4.500 m² de área construída,e além da distribuição física,também terá capacidade dearmazenamento e gestão deestoque. “Como este segmentoainda é novo para nós, ele vemcrescendo na empresa acima dosoutros em que atuamos. Estamoscrescendo o dobro que a indústriafarmacêutica cresce no Brasil.Para 2013, devemos crescer,conforme previsto em nossoplanejamento, 15% em relação a2012”, indica Borges.aperfeiçoar as operações ejá está implantando diversossistemas de controle deoperação e rastreabilidade paraatender o cliente farmacêutico.Para concretizar as metas decrescimento, a transportadora“As licençasexigidassão tantas etão difíceisde se obterque poucascompanhiasde transportesconseguematuar comtodos osrequisitosnecessários”também pretende ampliar aatuação para outros segmentos,como o têxtil e de calçados.Estudos também estão emandamento para, em 2013,passar a atuar no Estado de Goiás,onde estão previstas aberturas deBuscando agilizar osistema de cross-docking e apara acompanhar o constanteaquecimento dos setores demedicamentos e cosméticos,concretizar a entrada em novossegmentos e atingir a meta decrescimento de 18% ainda em2012, a Ativa Logística investiuna duplicação do Centro deDistribuição em São Paulo, emoperação desde agosto de 2012.O espaço, de cerca de25.300 m², com 13.000 m²de área construída, abriga 24docas para carregamento, 14para descarregamento e 14 paratransferência. A montagem danova estrutura foi projetadapara atender o sistema dedistribuição que permite quea mercadoria recebida sejaredirecionada de forma maiságil, sem armazenagem prévia(cross-docking). A distribuiçãolocalizadas nos estados de SãoGerais, Espírito Santo, Paraná eSanta Catarina, movimenta cercade oito mil toneladas ao mês. EmItapevi, o centro de distribuiçãoe armazenagem da empresacomporta cerca de 5 milposições/paletes.Com o novo investimentoem infraestrutura, tecnologia egerenciamento de risco, a Ativapretende aumentar em 30%a sua capacidade de logísticae processamento de entrega,e entre as instalações da novaestrutura a área farma daempresa ganha destaque.“O segmento farmacêutico,um dos principais segmentosda empresa, deverá continuarcrescente. A Ativa estáparticipando de diversasconcorrências do segmentoe os retornos que estamosobtendo são muito satisfatóriosnas auditorias realizadas. Estesegmento deverá continuarcrescente e se mantendo comoprincipal foco de nossa empresa”,A empresa também pretendeinvestir na renovação e ampliaçãode sua frota, que hoje contacom mais de 500 veículos, pormeio do BNDES Finame (linhaspelo Banco Nacional deDesenvolvimento).Eleitos da Indústria Farmacêutica Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de ServiçoOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoMédia decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformaçõesMédia deserviçosMédiafinal demercado1 1 Transportadora Minuano Ltda. 3 4,67 5,00 4,83 4,33 4,67 5,00 4,67 4,752 2 Ativa Distribuição e Logística Ltda. 22 4,27 4,23 4,25 4,50 4,27 4,36 4,38 4,313 3 TNT Mercúrio Cargas e Encom. Expr. S/A 5 4,20 4,00 4,10 3,80 4,20 4,20 4,07 4,08LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


66 - EspecialCampeã em metalurgia/siderurgia,HDL prevê encerrar 2012 comcrescimento de 25% a 30%Transjoi Transportes, segunda colocada na categoria, planeja crescer em torno de 12% esteano. Já a Jamef, terceira colocada, projeta para até o final de 2013 estar presente em todos osestados da região nordeste do país.Matsumoto, da Jamef: “O fatode ser o cliente quem vota noPrêmio faz toda a diferença e nosdá ainda mais orgulho de receberuma premiação como esta”Primeira colocada noPrêmio Top do Transporte2012 na categoriametalurgia/siderurgia, a HDLTransportes (Fone: 11 2466.8180)mercado 4,25 pontos. Especialistaem carga fracionada, a empresaconta com uma frota compostapor 45 veículos próprios e cerca de30 agregados, com idade média dequatro anos.“Tive conhecimento da existênciado Prêmio no ano passado e éescolhidos por nossos clientescomo a melhor transportadora.Essa escolha do mercado pelosnossos serviços pode ser traduzidana constatação do aumento dovolume de carga transportadae fretes contratados este ano.Incrementamos, também, nossacarteira de clientes e nos orgulhamosem dizer que nunca perdemosum cliente”, comemora HugoHenrique Martins Acosta Baptista,diretor da HDL Transportes.Por sistematizar roteiros comdistâncias médias, a empresa nãoteve a rotina alterada pela Leisãodo motorista, com inclusão detempos de parada para descanso acada quatro horas de trabalho. “Asnossas operações envolvem transferênciasde carga entre os estadosEspírito Santo. São percursos relativamentecurtos, não excedendonossos motoristas descansam emtepara isso na própria empresa.Portanto, a lei não nos afetou,uma prática que já tínhamos”,argumenta Baptista.Na visão do diretor da HDL,um dos critérios mais sensíveis nosegmento de mineração e siderurgiaé o preço, seguido de perto pelanecessidade de pontualidade e aregularidade da entrega, além dasegmento havia uma carência muitogrande em serviços de entregade criar um diferencial em relaçãoà garantia de um serviço de coletase entregas de grande regularidadejunto aos home-centers. Todosos nossos veículos são rastreadose posso dizer que nosso índice desinistro é quase zero, em razãoFinalistas da categoria indústria metalúrgica e siderúrgica sobem ao palco para receber seus certificados do Prêmio Top do Transporte 2012LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 67Eleitos da Indústria Metalúrgica/Siderúrgica Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de ServiçoOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoMédia decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformaçõesMédia definal demercado1 1 HDLTransportes Ltda. 4 4,25 4,25 4,25 4,25 4,25 4,25 4,25 4,252 2 Transjoi Transportes Ltda. 3 4,33 4,00 4,17 4,00 4,33 4,00 4,11 4,143 3 Jamef Transportes Ltda. 6 4,00 3,50 3,75 4,33 4,33 4,50 4,39 4,07Média deserviçosdas políticas de segurança queadotamos para o transporte dacarga, seja no momento da coleta,na transferência da mercadoriaOferecemos o monitoramentocontínuo da carga e da operação”,conta ele.Segunda colocada na categoria,a Transjoi Transportes (Fone: 112109.5600) obteve uma médiaCom número reduzido de veículospróprios, dedicados à distribuiçãourbana, a Transjoi trabalha comuma frota de veículos agregados.Para Vanderlei Patty Santanae Rafael Isotton, executivos datransportadora Transjoi, a vitóriademonstra um reconhecimentodo trabalho desenvolvido por todaa equipe da empresa. “O Top doTransporte é o prêmio mais valorizadono setor e vem crescendoa cada ano em termos de númerode participantes e de divulgação.Conquistar essa premiação demonstraque estamos no caminhocorreto”, dizem eles.A regra na empresa é desenvolveruma dinâmica operacionalque garanta a segurança da carga,disponibilizando, de forma contínua,os dados relativos à operação.“A empresa investe regularmenteem treinamentos, para garantir umalto nível de qualidade, especialmentepara o setor de metalurgia,que exige conscientização sobre aimportância do cumprimento dasexigências inerentes à segurançapara o transporte dos materiais”,comentam os executivos.Na mesma linha de raciocínio,(Fone: 31 2102.8888) tambémfestejou o terceiro lugar, com 4,13“A premiação é um indicativo claroprevalece desde a sua formaçãoaté os dias de hoje. Temos porconduta valorizar os nossos colaboradores,o que gera satisfação eadmiração nos nossos clientes.O fato de ser o próprio clientequem vota no prêmio faz todaa diferença e nos dá ainda maisorgulho de receber uma premiaçãocomo esta”, comemora oexecutivo Marcos Matsumoto, doINVESTIMENTOSCom projeção de crescerna ordem de 12% em 2012, secomparado com o ano anterior,a Transjoi quer expandir suaatuação em algumas regiões dopaís e incrementar as opções delogística integrada com a atuaçãoNordeste.Esse é o nosso novo destino.A região Nordeste se destaca cada vez mais nocenário nacional e a Jamef acelera nessa direção.Especializada no transporte de cargasfracionadas de alto valor agregado, nossasunidades na região se multiplicam paratransportar calçados, confecção, cosméticos,eletroeletrônicos, informática, editoriais,autopeças e muito mais para todo o Brasil.Transportar com a Jamef é garantia de agilidade,atendimento individualizado, comprometimentocom os prazos, frota moderna monitoradavia satélite 24 horas e cuidado com a carga,da coleta à entrega em suas mãos.Saiba mais por que a gente sempre levao melhor para você.Acesse www.levaomelhorparavoce.com.br .Baixe um leitorde QR CODEe saiba mais.www.jamef.com.br


68 - Especialda Izolog, empresa do GrupoTransjoi. Entre os investimentosprevistos na empresaestá a construção de novosCentros de Distribuição eme a renovação e manutençãopreventiva da frota própriada empresa, hoje com idademédia de 3,5 anos.“O ano de 2012 foi deimportante diminuição nosvolumes transportados e quenão deve ser tomado comoreferência”, comentam Santanae Isotton.na operação este ano.A transportadora deu continuidadeao seu projeto deexpansão na região Nordestedo país e inaugurou unidadesem Fortaleza, Recife,Salvador, Aracaju, Maceió,os planos da transportadora,presente em todos os estadosda região.recursos para expandir a atualárea de armazéns cobertos,de 2.000 m 2 , localizada noampliação, a área passará ater 2.500 m 2 e acomodaráMercado em expansãoSegundo dados da Sindisider– Sindicato Nacional dasEmpresas Distribuidoras deProdutos Siderúrgicos (Fone:11 2273.0623), o setor dedistribuição de aços no Brasildeve fechar 2012 com umcrescimento da ordem de 3%em relação a 2011.“As empresas que atuam nosetor vêm crescendo muitoem qualidade e diversificaçãode produtos, visando,cada vez mais, agregar valorao aço vendido. A grandedificuldade que enfrentamossão as importações de produtosintensivos em aço, ouseja, itens fabricados na Chinaque chegam ao Brasil emcondições mais competitivasque os produzidos localmente.Isso gera uma retração naprodução dos nossos clientese, consequentemente,diminuição em nossas vendas”,explica Gilson SantosBertozzo, superintendente doSindisider.Com tendências ligadas àdiversificação do mix deprodutos oferecidos e à ampliaçãono beneficiamentodos produtos comercializados,em que a empresa deixade vender matéria-primapara vender partes e componentes,o segmento demetalurgia tem a logísticacomo parte fundamental nasua atividade.“O cliente precisa, em nívelnacional, do produto certo,entregue na hora e no lugarcerto, com alta qualidade eBertozzo, da Sindisider: “semestratégias adequadas e umeficiente sistema de logística,o setor metalúrgico nãoconsegue cumprir suas funções”com o menor custo possível.Sem estratégias adequadase um eficiente sistemade logística, o setor nãoconsegue cumprir suas funções.Discutir sistemas deabastecimento nas grandescidades, criação de centrosde distribuição, formasalternativas de melhoriase barateamento em nossotransporte modal são questõescotidianas em qualqueranálise de mercado realizadapelo Sindisider”, afirmaBertozzo.Para 2013, o Sindisider aindaLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brweb .com.brnão fechou suas previsõesoficiais, mas para o superintendentedo Sindicato ocrescimento do setor nãodeve ser inferior a 8%, emrelação a este ano.“Apesar das dificuldades emrelação às importações, somosotimistas com o futurodo Brasil e do nosso setor.O Governo Federal está atentopara o excessivo CustoBrasil e já sinaliza na direçãoda implementação de medidasque possam garantir acompetitividade e o desenvolvimentodo nosso parqueindustrial. Outra questãoimportante são as obras deinfraestrutura que o país precisarealizar para garantir oabastecimento de um mercadoem crescimento. Nãoestou me referindo apenasaos eventos como Copa doMundo e Olimpíadas. Estoupensando em tudo o que opaís precisa fazer, rodovias,escolas, hospitais, pontes,portos, etc., para garantir amanutenção e o crescimentode uma população que, anoa ano, vem melhorando seupoder aquisitivo e, com isso,passa a ter sede de consumo”,conclui Bertozzo.


Especial - 69Da esquerda para direita,Santana e Isotton da Transjoi:“A empresa investe regularmenteem treinamentos, para garantir umalto nível de qualidade”cargas de clientes atuais e novasdemandas.“Trata-se de uma a área nãointegralmente verticalizada, contendoestruturas portapaletes deapenas uma altura, uma vez que acarga não permanece muito tempono armazém, o que dá agilidadeà operação”, explica Baptista. “Otempo médio de permanênciada mercadoria nos armazéns daHDL é de 48 horas. A armazenagemnão é o nosso core business.A mercadoria simplesmenteé desembarcada para que sejaagendada e, em seguida, baldeadapara carros menores, e, assim,a distribuição e entrega possamacontecer”, completa ele.Além desses investimentos, aHDL planeja ampliar e renovarparte de sua frota com a comprade 20 caminhões. Os aportesprevistos para a aquisição somamR$ 2 milhões.Embora difícil para o setor detransportes, o ano de 2012 fecharábem para a transportadora, comcrescimento previsto de 25% a30% em relação ao ano passado,quando foram movimentadas500 mil toneladas. “Este ano, emoutubro, já havíamos superadoa marca de 2011”, comemora odiretor da HDL.Olhando para o próximo ano,o executivo acredita que o maiorde custos, ou seja, “conseguircrescer mantendo os custos emníveis razoáveis para poder darcombustível para a expansão donegócio”, avalia Baptista.A empresa também investedos funcionários envolvidos nasoperações e em tecnologia. “Periodicamente,temos programasalém de políticas de melhorias paraos nossos funcionários. Metade dosnossos motoristas começaram aquicomo ajudantes de caminhão, eforam incentivados a se aprimorar.Fazemos isso porque o motorista,de encontrar no mercado e senti-vagas que surgiram à medida quea empresa foi crescendo”, explicaBaptista. “Também incentivamosos ajudantes de caminhão que játinham habilitação categoria Ba avançarem no seu aperfeiçoa-a movimentação de produtosperigosos. Com isso, temos mo-conhecem a nossa operação e onosso cliente e que acabam tendoum nível de produtividade melhordo que aqueles motoristas que entramvindos de outras empresas”,completa Baptista.Quanto à possibilidade de operartambém em outras regiões dopaís, além do Sudeste, o diretor daHDL é categórico: “no momentonão temos planos de ampliar nossoraio de atuação. Nosso objetivo émelhorar ainda mais a distribuiçãonos três estados que estamosfocados”, conclui ele.


70 - EspecialTop do Transporte em móveis:Móbile destaca qualidade dainformação como diferencialA transportadora foi a primeira colocada da indústria moveleira ressaltando experiência,localização e expertise; com notas finais próximas, a Hora Transportes ficou com osegundo lugar e a Prattica Logística fechou o pódio na terceira posição.Cuidados adequados coma carga delicada, disponibilidadee bom tratocom o destinatário são alguns dosrequisitos básicos exigidos pelosfabricantes de móveis na horade contratar um transportador,assim como na hora de avaliá-lo.Este ano, a Móbile Transportes(Fone: 54 2105.3311) conseguiusuperar todos seus adversáriosna avaliação dos embarcadoresde carga e sagrar-se a transportadoravencedora do Prêmio Topdo Transporte 2012 na categoriamóveis. Com 4,36 de notaTransportes (Fone: 47 3635.0311),com 4,15, e da Prattica LogísticaComercial (Fone: 47 3635.1889),com 4,13, segunda e terceira colocadas,respectivamente.Em 26 anos de experiência,a Móbile conhece bem de pertoa dinâmica e as necessidades daindústria moveleira, já que é umatransportadora que se especializouno segmento. Além disso, aempresa está localizada em umdos maiores polos de produção daindústria de móveis do Brasil, o RioGrande do Sul. “Por estarmos emBento Gonçalves, RS, especializamo-nosno transporte destesprodutos frágeis, que exigemcuidados especiais no manuseio”,ra,Vinissius Gialdi. Porém, paraconquistar o posto de empresaTop do Transporte em móveis, aGialdi, da Móbile, recebe o PrêmioTop do Transporte em móveis.Sediada no Rio Grande do Sul, atransportadora ficou com a primeiracolocação no setorMóbile destaca a qualidade de suainformação. “Atualmente, o maisimportante é termos a informaçãoexata no menor espaço de tempo,e a certeza de que o produtoestá viajando em boas mãos. Poreste motivo, nossa frota possuirastreamento satelital monitorado24 horas por dia. Assim podemosfornecer total apoio logístico esegurança para todos”, argumentao diretor da empresa.A segunda colocada, a HoraTransportes, ressalta a importânciado Prêmio ao estrear naeleição já com a segunda posiçãoem móveis. Com uma frota de42 caminhões e desde 1998 nomercado, o reconhecimentorepresenta muito, de acordo como diretor da transportadora, LuisKitzberger. “É a primeira vez queestamos no Prêmio e é realmentemuito bom para a empresa, muitoGanhadores da indústria de móveis recebem seus prêmios no Top do Transporte 2012atrela a posição da Hora Transportesao cuidadoso trabalho junto aoembarcador. “Temos que priorizara segurança dos móveis em detrimento,muitas vezes, da melhorocupação do caminhão”, lembra oexecutivo.Completando o quadro de vencedoresda indústria moveleira, aPrattica destaca o relacionamentotransparente com os clientes parachegar à terceira posição. “Entendemosque é um reconhecimentopelo nosso trabalho, e isso se deveparêncianos serviços prestados”,comemora o diretor da Prattica,Andre Ricardo Ravanello. “O Prê-muito orgulhosos”, completa.LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 71Eleitos da Indústria de Móveis Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de ServiçoOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoMédia decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformaçõesMédia definal demercado1 1 Móbile Transporte de Móveis Ltda. 3 4,67 4,33 4,50 4,33 4,33 4,00 4,22 4,362 2 Hora Transportes Ltda. 4 4,25 4,00 4,13 4,25 4,25 4,00 4,17 4,153 3 Prattica Logística Comercial Ltda. 4 4,00 4,00 4,00 4,25 4,25 4,25 4,25 4,13Média deserviçosApesar de ter sido criada paraatender ao segmento de móveis,atualmente a Prattica tambématende aos setores alimentício evinícola. De acordo com Ravanello,o terceiro lugar no Top doTransporte 2012 está relacionado aquatro fatores: estrutura da frota,treinamento dos colaboradores eBoa performanceO setor de transporte dedicadoao segmento moveleiroacredita que tenharealizado uma boa performanceno ano. A produçãode móveis cresceu 2,8%em porcentagem de peçasem 2012. Para 2013, a projeçãoé ainda mais otimistae prevê um crescimentode 5,5%. Com relação aovarejo, a atividade cresceu4,5% em peças e 8% emfaturamento em 2012 edeve chegar aos 6,8% empeças e a 9,7% em faturamentono próximo ano.Os dados são resultado domonitoramento do setormoveleiro, realizado peloIEMI – Instituto de Estudose Marketing Industrial, emparceria com a Movergs –Associação das Indústriasde Móveis do Estado doRio Grande do Sul.Uma boa fonte de negóciospara os transportadoresdedicados ao setorcuidado com o processo logístico.“O setor moveleiro tem algumascaracterísticas pontuais para omanuseio da carga e evitar avarias.Por isso fornecemos treinamentomaçãoe acondicionamento damercadoria e contamos com equipamentoscomo cordas, carpetesmoveleiro são as exportações.O deslocamentoda carga até os pontos dedistribuição é um momentodelicado da logística dosetor e exige conhecimentoapurado das empresas.“Embora as exportaçõesbrasileiras de móveis tenhamatingido de janeiroaté outubro deste ano US$432 milhões, o que representauma queda de 3%em comparação ao mesmoperíodo do ano anterior,o total das vendas das 52empresas integrantes doBrazilian Furniture cresceu8,5% (de US$ 57,5 milhõespara US$ 62,3 milhões)quando contabilizados osmercados-alvo do projeto:África, América do Sul,Emirados Árabes Unidos,Estados Unidos e Rússia”,analisa Adriana Katekawa,responsável pela área deinteligência comercial doProjeto Brazilian Furniture.e a especialização neste segmentolevam ao sucesso neste setor tãofrágil, onde a mão-de-obra estámuito escassa”, explica o diretorda Prattica.EXPANSÃO E INVESTIMENTOSCada transportadora tem suamaneira de elaborar estratégiaspara 2013, visando à expansão dosnegócios. Na Prattica, por exemplo,a ideia é aumentar a área deatuação. Consolidada nos estadosde Goiás e Tocantins e no DistritoFederal, a empresa projeta atenderaos demais estados das regiõesCentro-Oeste e Sul. Fora isso,também há previsão de entrada decapital pesado em estrutura. “Osinvestimentos neste setor têm deser permanentes e constantes.Em especial para frota, estruturae sistemas devemos investir atéR$ 10 milhões no próximo ano”,estima Ravanello.O executivo da Prattica projetapara os próximos 12 meses umafase de bonança. “Este anotivemos de superar a fase deimplantação do Euro 5 no País,depois a crise internacional e, porúltimo, a Lei do Motorista. Mas,de uma maneira geral, conseguimosatingir nossas expectativas.Acredito que 2013 promete altosinvestimentos. O Brasil vai sediaras Olimpíadas e a Copa de 2014,e para atender a estas futuras demandasacredito que o transportesuperará o seu crescimento”,resume.Apesar dos bons resultadosobtidos em 2012, Kitzberger jápensa em investimentos paramanter a Hora Transportes emcrescimento. A compra de novosveículos é uma das principaismetas para 2013. “Este foi umRavanello, da Prattica: “entendemosque o Prêmio é o reconhecimentopelo nosso trabalho e isso sedeve à credibilidade, confiança etransparência nos serviços”ano excepcional para nós, comaumento tanto em termos devolume quanto de faturamento.Planejamos aumentar a frotano ano que vem, mas ainda nãoPara a Móbile, ao mesmo tempoem que se aumenta o raio deatuação, naturalmente incorporaseatividades logísticas. Todas asunidades da empresa recebeme expedem cargas, da matéria--prima ao produto acabado, porintermédio de linhas regulares,perfazendo cerca de 450 entregasdiariamente com uma frota demais de 80 veículos. A empresagarante que os investimentos degrande monta são feitos regularmentepara a ampliação e renovaçãodos veículos, que variamde semi-leves a extra-pesados.Atualmente, a idade média dosveículos é de cinco anos e todas asunidades contam com sistema derastreamento via satélite, monitorados24 horas por dia.www.logweb.com.br ww.l web .com.b DEZ/2012 130 LOGWEB


72 - EspecialTransmartins é a melhortransportadora de papel e celulosede acordo com mercadoEmpate técnico nas notas de avaliação dá o terceiro lugar para as transportadorasBarrense e Via Pajuçara, mostrando como o setor de transportes de papel e celulose écompetitivo. O mercado tem suas regras e todos precisam adaptar-se.Quando começou aoperar, em 1953, aEmpresa de TransportesMartins, a Transmartins(Fone: 11 2193.4444),tinha na garagem apenas quatroveículos: dois caminhões Chevrolete dois Internacional. Apósquase seis décadas de aperfeiçoamentos,a empresa cresceu e, hoje,conta com 116 unidades próprias,60 agregados e uma atuação consolidadana região Sudeste, comO trabalho árduo e o reconhecimentodo mercado lhe rendeu,este ano, o primeiro lugar no prêmioTop do Transporte na categoriapapel e celulose, segmento querepresenta cerca de 8% do totaldas operações da empresa. Para odiretor da transportadora, UlissesMartins Cruz, não há segredopara a longevidade da companhia,apenas a aptidão para escutar ademanda do mercado e para adaptar-seà conjuntura. “Em fevereirode 2013 completaremos 60 anosde existência e, ao longo de todosesses anos de atuação, com todasas exigências que o mercado foiadotando, nos aprimoramos commelhores condições estruturais eFinalistas da categoria papel e celulose do Prêmio Top do Transporte sobemao palco durante o anúncio dos vencedores. Transmartins é a campeã do setoroperacionais”, relata.E tudo isso atuando em ummercado cheio de peculiaridadese problemas. “O país tem umacultura rodoviarista de mais de 50anos, mas por um longo períodoviveu completamente desregulamentado.Foi apenas em 2007que se estabeleceram exigênciasmínimas para ser um transportadorno Brasil. É um mercado defácil entrada, no qual qualquer umpode se habilitar”, lamenta.O executivo acredita que intervençõespositivas do governofederal e das associações devemCom uma avaliação bastanteterceira colocação Prêmio Top doTransporte 2012 no segmento.As empresas do setor de papel ecelulose promoveram um empatetécnico na categoria entre astransportadoras Barrense (Fone:24 2447.9500) e Via Pajuçara(Fone: 11 3585.6900), quedividiram as honras de terem sidoescolhidas como referencial notransporte para o segmento.“Ficamos muito felizes com apremiação, pois coroa um trabalhode longo prazo que desenvolvemos,de aprimorar constantementeo atendimento ao cliente eo respeito às normas”, declara odiretor de logística da TransportadoraBarrense, Ubaldino EstevesVictorino. A Via Pajuçara tambémcomemorou sua vitória no PrêmioTop do Transporte: “a conquistado Prêmio e as indicações querecebemos são importantes namedida em que representam con-da qualidade das nossas ações,endossando práticas que adotamospara que possamos melhorarcontinuamente”, diz o diretorcomercial da Via Pajuçara, AltamirFundada em 1952, a TransportadoraBarrense já nasceu comfoco neste segmento, pulverizandoo atendimento entre os estados defoi ganhando mais abrangência àcouas áreas de atuação, como otransporte integrado, já na siste-participando estrategicamente daoperação dos clientes, entre elesas companhias do porte da Klabin,Suzano e Mauser.Para Victorino, o diferencial daBarrense se compõe de um conjuntode fatores, como a seleçãoe o treinamento de pessoal, aEleitos da Indústria Papel e Celulose Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de Serviço Média definal demercadoOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b Média decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformações1 1 Empresa de Transportes Martins Ltda. 2 4,00 5,00 4,50 5,00 4,50 5,00 4,83 4,673Empresa de Transportes Pajuçara Ltda. 2 3,00 4,00 3,50 5,00 5,00 5,00 5,00 4,2534 Transportadora Barrense Ltda. 2 3,50 4,50 4,00 4,50 4,50 4,50 4,50 4,25Média deserviços


Especial - 73de Tecnologia de Informaçãoque permitem a interligaçãoconstante monitoramentodos veículos via satélite.O diretor de logística da Barrensediz que a empresa vemevoluindo e incorporando oknow-how também da operaçãologística. “Somos umhíbrido entre transportador eOperador Logístico e, assim,conseguimos estar próximosao cliente, conhecer a suaoperação e atender proativamenteas suas necessidades”,observa.çaraatua na região Sudeste,com cobertura em mais de3 mil localidades entre osestados de São Paulo, Rio deritoSanto. Com mais de 400veículos para coleta, transferênciae distribuição de cargas,entre utilitários, leves, médiose pesados, aparelhadas comsistemas de segurança emonitoramento via satélite, aPajuçara investe regularmenteos processos e aumentar aINVESTIR PARA CRESCERNo primeiro quadrimestredeste ano, a Transmartinsinvestiu na expansão da frotaadquirindo 15 veículos Ford jácom motorização P-7. “Sempreestamos prontos paraexpandir a operação à medidaque os clientes demandarem”,adverte Cruz. Essa foiuma das medidas tomadaspara que a companhia conseguisseatuar de acordo com asprojeções do ano. “Este anofoi complicado, especialmentepara aquelas transportadorasdedicadas aos segmentos industriais,como nós”, admite.A empresa fecha 2012 dentrodo inicialmente planejado emtermos de volume operado:da meta de 113 mil toneladas,a Transmartins movimentou112,9 mil toneladas. Noentanto, quanto ao aspectomuito agitado este ano. Houveinvestimentos pesados porparte dos transportadores em2011 e constatamos, também,a retração da atividadeindustrial. As empresas simplesmentenão conseguiramamortizar seus investimentos.Isso ocasionou um excedentede oferta e a consequentequeda do frete. Fomos afetadospor isso”, constata Cruz.No Prêmio Top do Transportea companhia obteve asmelhores notas nos critérioscapacidade de negociação enível de serviço, o que é umpara enfrentar os momentosmais espinhados. “Semdúvida, temos que ser tipo‘bambolê’, uma hora aqui,outra lá. O mercado tem suasregras e todos precisam adaptar-se.Por exemplo, a tabelade reajuste que tínhamos nãopode ser aplicada. Passamoso ano de 2012 postergandoalgumas negociações e reajustes,tentando fazer cumprir oplanejado.”Para fechar a conta, aTransmartins olha paradentro. “Notadamente,buscamos essa compensaçãopor meio da produtividadeçãode mão-de-obra, seja nagestão da frota. Muitas vezes,conseguimos compensar, masnão é uma constante do setorentender de produtividade”,explica.A Transmartins dedica-seagora a fechar o planejamentopara o próximo anocom uma pitada de otimismo,mesmo que de formacautelosa. “Prevemos umcrescimento modesto para oano, no qual investiremos emprodutividade e na gestão defrota”, resume o executivo.Cruz acredita que a empresadeverá, no mínimo, repetir omesmo volume movimentadoeste ano, mas com uma me-já que deve concentrar esforçosno aumento de produtividadee na renegociação dascondições comerciais comalguns embarcadores. “Temosde sentar com o clientee conversar francamente,porque a nossa parceria écomercial, mas é fundamentalmenteestratégica”, avalia.A Transportadora Barrensesabe que para se manter emcrescimento e atender asnecessidades de seus clientesé necessário uma frotajovem. Apenas neste ano,a companhia já adquiriu 50novas carretas, que absorveramum investimento de R$que a renovação permitiráenfrentar o ano que vem comuma estrutura operacional2013, revela, é aumentar alucratividade. “Como este éum mercado extremamentecompetitivo, planejamosnos dedicar a estabelecermais parcerias entre nós, osOperadores Logísticos e osembarcadores, em busca deoperações que contemplemtambém cargas de retorno”,anuncia.A Pajuçara tambémbuscou investir e focou osrecursos nas suas unidades.Para aumentar a capilaridade,a empresa inaugurou este anoa unidade Anhanguera, naGrande São Paulo, com maisde 3.000 m², e ampliou a estruturada unidade de Vitória,no Espírito Santo, que passoua ter 450 metros dedicados aescritórios e 1.000 metros deplataforma.www.logweb.com.br ww.l web .com.b DEZ/2012 130 LOGWEB


74 - EspecialDestacando know-how, ExpressoJavali é eleita Top do Transporteno segmento de plásticosMaex Brasil fica no segundo lugar com ‘jogo limpo’ frente ao cliente, enquanto a Rápido Transpauloadmite surpresa com a terceira posição no prêmio. Empresas já pensam na manutenção da qualidade eprojetam investimentos pesados em 2013 para expandir suas áreas de atuação.Lima Filho, da Expresso Javali:“é importante dizer que essapremiação é vital para nós, poismostra o reconhecimento doembarcador ao nosso trabalho”Em um setor industrialno qual o valoragregado da carga nãoé alto, as transportadoras Top doTransporte 2012 da indústria deplásticos são cobradas, primeiramente,pelo nível de serviço apresentado.Porém, se, de um lado,os embarcadores não exigemo produto transportado, eles cobramo cumprimento de prazos emetas rígidas de entrega e coleta.Na eleição desta edição, o setoresteve pela primeira vez entre osavaliados com 170 empresas indi-como uma das maiores indústriasembarcadoras da premiação.As três primeiras transportadorascampeãs obtiveram médiasquatro pontos, em um universode zero a cinco. Para se ter umaideia da boa avaliação das eleitas,apenas a primeira colocada,3211.8200), e a terceira, a RápidoTranspaulo (Fone: 51 3538.5000),obtiveram notas pouco abaixo dequatro pontos em duas das cincocategorias avaliadas – no caso dacampeã, apenas uma, em gestão(Fone: 11 4133.2995), vice-líder,em nenhum quesito.Os números comprovam o porquêdas três companhias teremsido eleitas as melhores do ano nosegmento de plásticos. Se notarmosapenas o índice mais valiosona opinião dos embarcadores,facilmente constataremos as altasnotas aferidas pelas empresas àRápido Transpaulo. Outro pontoque valoriza o desempenho dastrês transportadoras foi a forteconcorrência para se chegar àsmais bem cotadas pelo mercado.Primeira colocada no segmento,com média geral 4,31, aa três fatores: know-how, área deum conhecimento de mercadoverdadeiramente amplo e sabemosutilizar nossas ferramentas,sobretudo de informação, aserviço do cliente. É importantedizer que essa premiação é vital,pois mostra o reconhecimento doSetor estreante na premiação, vencedores do Top do Transporte 2012 em plásticos mostram seu diplomasLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 75embarcador ao nosso trabalho enós estamos honrados com esteresultado”, explica o gerente daAldo Lima Filho.A maleabilidade nas negociaçõestambém é fator preponderantena Maex Brasil, enquantoa busca pela informação exata édestacada pela Rápido Transpaulo.Esta última, inclusive, admitesurpresa com a posição no setorde plásticos, premiada na terceiraposição do Top do Transporte2012. A supervisora comercialda companhia, Andréa Costa,revela que a satisfação é grandepelo momento que a transportadorapassou. “Para nós éuma surpresa subir ao palco emplásticos. Passamos por um anoturbulento, com bastante adrenalina,e mesmo assim fomos umdos vencedores. Isso indica quepauloestá fazendo bom trabalhoe sendo vista pelos clientes”,destaca Andréa.Atualmente, as transportadorasem todo o Brasil têmelaborado diversas estratégiaspara atender cada vez melhor oembarcador. Os planos de execuçãopassam por investimentos,processos de gestão e adequaçãoàs novas normas. No geral, asempresas customizam suas operaçõesaos moldes de cada clienteEsse sistema não é simples, mascompanhias.“A informação precisa, sempresem mentir ao cliente, cria umapreocupados em ser transparentespara que a indústria do plásticoorganize sua logística com base nainformação”, ressalta o administradorda Maex Brasil, MardonioAurélio de Oliveira Saraiva.Entre as três empresas vencedorasno setor de plásticos, nenhumadelas atua exclusivamentecom o produto, apesar de teremsido agraciadas neste segmento.Todas são transportadoras deoutros insumos e/ou equipamen-plástico como parte importantede toda a cadeia. A Maex Brasil,por exemplo, avalia a entrada nosetor como uma tendência demercado. Atualmente, são muitosclientes nesta área, mas o plásticonão foi um ponto de atuaçãopreviamente planejado.O foco das empresas é bemparte do País, com exceção daMaex Brasil. A transportadoraestá sediada em Campinas, SP, ealém da região em que está localizadae da cidade de São Paulo,SP, atende o Distrito Federal eos estados de Goiás e Tocantins.Transpaulo têm em comum suassedes gaúchas – em Caxias doSul e Canoas, respectivamente.A diferença é que a líder da pesquisarestringe sua atuação aosestados das regiões Sul e Sudeste,enquanto a terceira tambémengloba o Centro-Oeste do País.INVESTIMENTOSO desejo de expandir os negóciostambém está presente emtodas as transportadoras premiadas.A estratégia das empresas écomposta por planos fechados,alguns inclusive com processos jáem andamento. Por outro lado,a manutenção da qualidade dotrabalho que as levou ao pódioas empresas adiarem projetos deexpansão e melhoria em prol daestruturação das áreas já atendi-LEMBRAR DAEASYTEC É COMOUTILIZAR SEUSPRODUTOS,VOÇÊ NÃOPRECISA FAZERESFORÇOwww.easytec.ind.brTel. : 21 2683-2483Rua Ely do Amparo, Lt 05 - Guarajuba - Paracambi - RJ - CEP. : 26.6000-000


76 - EspecialEduardo Alves, químico da MaexBrasil, representou a segundacolocada no Prêmio. Empresa nãoficou abaixo dos 4,20 pontos emnenhum critérioAndréa, da Transpaulo: “foi umasurpresa subirmos ao palco emplásticos, mas o Prêmio indicaque a Transpaulo está fazendoum bom trabalho”“Pretendemos entrar na regiãoCentro-Oeste em breve. Noentanto, só podemos dar estepasso importante para o de-temos um trabalho consolidadonos locais onde já atuamos”,Brasil implantou seu projetopara atender demandas norestante do Estado de São Paulo,Preto, SP. Os estados de Minasestão na pauta da transportadoraem longo prazo, como a RápidoTranspaulo, que almeja atuar naem cada Estado.Não apenas as expansões deatuação, mas os recursos diretosnas empresas estão pré-agendados.As transportadorasinvestem constantemente emTecnologia da Informação erenovação e ampliação de frota,pois a média de idade dos veículoscresce rapidamente. Tomandocomo exemplo a Maex Brasil, adestinação de verbas para ampliara quantidade de caminhõesdeve alcançar a cifra de R$ 10milhões em 2013. Em seguida,há investimentos previstos parae melhor personalização dodos clientes.O trabalho de prevenção deacidentes e manutenção dosveículos é bem elaborado entreas campeãs. Com exceção daMaex Brasil, que atualmentetem uma frota de apenas seteveículos e bastante jovem, asempresas apresentam planosmocom caminhões bastante recentes,a Maex Brasil pauta seuscuidados através de um check listrigoroso. “Trabalhamos com caminhõesnovos, mas mesmo queobrigação de prevenir acidentes.A manutenção preventiva é cara,mas torna-se bem mais barata doque a corretiva”, avalia Saraiva.AGREGADOS E LEI DOSMOTORISTASIgualmente importante àfrota própria, as transportadorassempre utilizam parceiros paracumprir os prazos de entregados fretes. Não raro, as frotasagregadas chegam até a seremmaiores que as próprias, apesarremeste método como o ideal.Transportadoras grandes, como éo caso das três empresas Top doTransporte no setor de plásticos2012, chegam a trabalhar comcerca de 100 parceiras, com contratosbastante detalhados. É umserviço considerado importante,pois são raras as transportadorasque atendem toda sua área deatuação com frota própria.“Realmente, é um trabalhobastante comum e indispensávelpara nós, já que toda transportadoratrabalha com parceiros,e conosco não é diferente. Masa cobrança é muito grande emcima do agregado, bem maior doé um funcionário diretamentenosso, mas ele está entregandoprodutos com a marca Transpaulo.Precisamos ser rigorosos”,revela Andréa.Outro fator bastante destacadopelas transportadoras dosetor de plásticos é a nova Lei12.619, conhecida como “Lei dosMotoristas”. A grande maioriadas empresas não concorda coma imposição da nova legislação,apesar de reconhecerem que osmotoristas precisam de maiortambém são evidentes, masmenores que as críticas do setorde transportes.“No Brasil, cria-se uma lei enão dão condições para cumpri--la. Não existe suporte por aquipara que a lei seja cumprida. NoRodoanel, por exemplo, não tenhoonde parar. Daqui até Goiáscontam-se nos dedos os postosem que o caminhoneiro pode parare descansar. Na verdade, issosó fará os custos subirem para osembarcadores e transportadores.Somos a favor do descanso, masdesde que haja estrutura paraisso”, critica Saraiva, da MaexBrasil.MERCADOO sentimento é de queda nocomportamento do mercado deplásticos em 2012. As previsõesdas transportadoras não foramcumpridas em nenhuma das empresas.O aquecimento do setornão foi linear, sobretudo com umaespécie de divisão entre o primeiroe o segundo semestre.“Em um segmento que éacompanhou o mercado e apresentoudois momentos distintos.Foi surpreendentemente positivono primeiro semestre e recuouesperado, mas deve encerrar oEm contrapartida, para o próximoano, todas as transportadorasesperam crescimento forte.estabelecida na ordem de 15%a 18%, enquanto que a Maexprojeta 20% a 25%.Eleitos da Indústria de Plásticos Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de ServiçoOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b Média decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformaçõesMédia deserviçosMédiafinal demercado1 1 Expresso Javali S/A 3 4,67 4,33 4,50 4,33 3,67 4,33 4,11 4,312 2 Mardonio Cargo Express Transportes Ltda. - Maex Brasil 5 4,20 4,40 4,30 4,20 4,20 4,20 4,20 4,253 3 Rápido Transpaulo Ltda. 3 4,33 3,67 4,00 4,33 3,67 4,33 4,11 4,06


78 - EspecialTransportadoras da indústriaquímica/petroquímica comemoramPrêmio Top do Transporte 2012Representantes das vencedoras na categoria – Cavalinho, Salvan - Transal e a Transduarte – falamsobre a importância da premiação, dos investimentos e das dificuldades dentro do segmento.Afinal, transportar produtos perigosos não é fácil.Quadros, da TransportesCavalinho: “essa premiação éde grande importância. Ela nóstranquiliza, porque mostra queestamos fazendo um bom serviço”Transportar produtosperigosos no Brasilnão é uma das tarefasmais fáceis. As empresas detransporte que atendem asindústrias desse segmento têmde investir em treinamentosobter as licenças ambientais,estaduais e federais e, ainda, lidarque qualquer tipo de transporteexige.Dentro desse cenário,é de grande valia ter oreconhecimento dos clientescomo uma das melhorestransportadoras a atender aomercado, como é o caso dasvencedoras do Prêmio Top doTransporte 2012 na categoriaindústria químico/petroquímica.Através da média dos votos de51 embarcadores do segmento,a Transportes Cavalinho (Fone:19 3874.3579), a TransportadoraSalvan – Transal (Fone: 483411.1000) e a Transduarte(Fone: 11 3643.0404)consagraram-se vencedorasdentro do segmento.“Uma premiação como essaé de grande importância. Elanós tranquiliza, porque mostraque estamos fazendo um bomserviço. Acredito que recebemoso Prêmio por conta do nossotrabalho e do nosso atendimento,dentro dos quais o cliente tem sesentido satisfeito”, comemoraIvan de Quadros, gerenteoperacional da Transportes“O Top do Transporte é umapremiação fundamental para onosso setor, porque ninguémmelhor que o mercado para falarquais são as transportadorasmais bem avaliadas de cadasegmento. Essa é a legitimidadedo Prêmio, quem escolhe sãoos embarcadores”, tambémcomenta Carlos Panham Neto,gerente da unidade São Paulocategoria, com média de 4,22pontos.Com um volume mensal decinco mil cargas, a Cavalinho,que durante 10 anos focouseu trabalho na entrega derefrigerantes, hoje dedica 95%Representantes das transportadoras indicadas na categoria Indústria químico/petroquímica recebem certificado da premiaçãoLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 79do serviço à indústria química.Para manter o bom nível deserviço, a empresa investeconstantemente no treinamentode seus funcionários.“Temos um centro detreinamento em nossasede, no Rio Grande dodias tendo diversos tipos deaulas e orientações, comode orçamento econômico,carregamento dos produtose até a maneira correta de sealimentar. E a cada dois anoseles refazem esse treinamento”,explica Quadros.Prêmio, a Salvan - Transal, comno setor, mesma posição quealcançou em 2011. “Acreditoque o reconhecimento quetivemos através do Prêmioé fruto do nosso trabalhojunto aos clientes nessesúltimos 20 anos. Investimosconstantemente na qualidadedo serviço de transporte,na reparação da frota, noatendimento e na negociação.Tudo para atender melhor”,explica Lucas Salvan, diretorVoltada para cargasfracionadas, a Salvan-Transalpossui 250 veículos próprios etem 90% de suas mercadoriasindústria químico/petroquímica.Segundo Lucas, anualmente aempresa investe cerca de R$650 mil apenas com licenças eseguros.“Trabalhamos com todas aslicenças que o mercado exige,com o intuito de conseguirmossempre transportar comsegurança e qualidade. Alémdisso, temos um calendáriode treinamento para todasas equipes, inclusive a dosmotoristas. O treinamentoocorre de quatro em quatromeses”, explica ele.Dentro da Transduarte, aindústria química também éfoco, ocupando 60% das trêsmil toneladas de entregas feitasmensalmente. Para PanhamNeto, a empresa conquistouo Prêmio devido à agilidadena informação e ao bomatendimento oferecido, o queclientes.“Prestamos há 16 anos umbom serviço, e nosso cliente temvai chegar ao destino. No casode acidente, sempre fazemoscom que qualquer reembolsoseja realizado o mais rápidoINVESTIMENTOSPara conseguirem atendertodas as exigências que aindústria impõe e se manterementre as melhores do segmento,as vencedoras do Prêmio Topdo Transporte neste segmentotêm investido constantementena renovação de suas frotase equipamentos e já planejamnovidades para 2013.Com a inauguração recenteCatarina, nas cidades deBatista, a Transduarte já templanos de expandir sua atuaçãopara o Vale do Paraíba, nointerior de São Paulo, e, também,pelo Noroeste do Estado.“A expansão da empresacomeçará logo no início de2013. Os investimentos desseano foram ligados à renovaçãoda frota. Compramos 50


80 - EspecialLucas, da Salvan - Transal:“investimos constantemente naqualidade do serviço, na frota,no atendimento e na negociação.Tudo para atender melhor”Panham Neto, da Transduarte:faltam estímulos do governopara as empresas de transporteinvestirem em novos veículos etraçarem mais rotascaminhões, utilizados tanto nasubstituição de veículos antigos,como na ampliação. Tambémtrabalhamos constantementeno treinamento dos motoristasdentro da matriz. Empresascomo a Suatrans são parceirasnesses treinamentos”, dizPanham Neto, que tambémfala sobre as expectativas decrescimento da empresa. “Esteano tivemos até um crescimento,da retração do mercado. Nossasperspectivas são de 15% a 17%e, para 2013, queremos seguir namesma linha de crescimento”,Com um faturamento de R$130 milhões em 2011, as expectativasdentro da TransportesCavalinho é que a empresa cresçaentre 8% e 10% em 2012, se comparadocom o ano anterior.“No primeiro semestre desteano a demanda foi baixa, fazendocom que o mercado praticassepreços menores, o que nãoatendeu as nossas expectativas.Mas, com nossos investimentosem equipamentos, compra de100 veículos e, também, com amelhora do atendimento, temosexpectativas de crescer.E queremos continuar ganhandoo Top do Transporte nospróximos anos”, diz Quadros.Na Salvan – Transal, asexpectativas também são decrescimento. A empresa temperspectivas de crescer 10% esteano e mais 10% em 2013. “Comotrabalhamos por semestre, possojaneiro a julho não tivemos umacrise no mercado, ele apenas semanteve estável, e em agostohouve uma reação. Mas esseano não foi ruim, tivemos umcrescimento positivo”, diz Lucas.DIFICULDADES DO MERCADOMesmo comemorando osresultados, as transportadorasque atendem a indústria químicae petroquímica sabem que otransporte para esse setor temproblemas.Entre os destacados pelosexecutivos das três empresasdiversas licenças exigidas, anova Lei dos Motoristas e ainfraestrutura das estradasbrasileiras.“Para se transportar produtosperigosos no Brasil são exigidasinúmeras licenças para cadaEstado. Falta uma legislaçãomais integrada, porqueestamos dentro do territórionacional, assim seria mais fácildas licenças. Na Argentina,por exemplo, não existe tantaburocracia de um estado para ooutro”, comenta Quadros, daTransportes Cavalinho.Para Lucas, da Salvan -Transal, além das licenças, arestrição de veículos e a novaLei dos Motoristas tambémprodutos. “Os clientes,hoje, exigem uma qualidade,transportadoras que trabalhamcom produtos perigosos e,na verdade, as licenças estãomais ligadas a essa exigênciapouco é feita. Outro ponto é arestrição de trafego em cidadescomo São Paulo e a nova Leidos Motoristas que, devidoàs restrições na jornada detrabalho, nos obriga a ter doismotoristas em cada veículo,o que nem para eles é bom,já que antes podiam ter umdia de folga a cada viagem eagora não, porque mesmo quenão estejam dirigindo, têm deacompanhar o outro na estrada.nosso custo aumentar quase30%”, explica ele.Dentro da Transduarte, asexigências da nova Lei doscom que a empresa colocassedois motoristas em cadaveículo, aumentando os custosdo frete, o que não tem sidobem aceito pelo mercado.“As tentativas de repassaresses custos para o mercadonão tem sido aceitas, issoporque algumas empresasainda não se adequaram àsexigências da lei. Por contadessa diferença de valores, aconcorrência direta com elasgera desvantagens. Tambémsofremos com as estradasbrasileiras. Como nossamatriz fica no Rio Grandedo Sul, sempre temos quefazer o trajeto até a filialde São Paulo, e o númerode acidentes na RodoviaRégis Bittencourt causadiversos atrasos”, diz PanhamNeto. “Acredito que faltamestímulos do governo paraque as empresas de transportepossam investir em novosveículos, traçar mais rotas deentrega e, assim, contratarmais funcionários. Caso astransportadoras tivessementrado na desoneração dafolha de pagamento anunciadapelo governo, já teria sido umagrande ajuda para o setor.Transportamos o PIB do país,se o governo não se preocuparcom nós, é difícil havergrandes mudanças”, concluiele.Eleitos da Indústria Química/Petroquímica Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de Serviço Média definal demercadoOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoMédia decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformações1 1 Transportes Cavalinho Ltda. 3 4,33 4,00 4,17 4,67 4,33 4,33 4,44 4,312 2 Transportadora Salvan Ltda. - Transal 5 4,20 4,40 4,30 4,00 4,00 4,40 4,13 4,223 3 Tede Transportes Ltda. - Transduarte 3 4,33 4,33 4,33 4,33 4,33 3,67 4,11 4,22Média deserviçosLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


82 - EspecialVencedoras na categoria indústriatêxtil esperam crescer de 10% a18% até o fim do anoComemorando a vitória no Prêmio Top do Transporte 2012, executivos da Ativa,da Patrus e da Expresso Jundiaí falam sobre as dificuldades do mercado nacional,investimentos e perspectivas para o ano de 2013.Cilene, da Ativa: “ficamos muitofelizes em receber o Prêmio. Adivulgação e o marketing queele traz para a empresa sãomuito importantes”Através da médiados votos de 42embarcadoresdo setor, as transportadorasAtiva Distribuição e Logística(Fone: 11 2902.5000), Expresso(Fone: 11 2152.6128) e a PatrusTransportes Urgentes (Fone:31 2191.1001) foram eleitas asvencedoras do Prêmio Top doTransporte 2012 na categoriaindústria têxtil.com 4,28 pontos, e pela Patrus3,99 pontos.A Ativa opera com 40%de frota própria e os outros60% com veículos agregados.Em suas operações, atransportadora trabalhacom cerca de 500 veículose equipamentos, com umamovimentação média de oito miltoneladas de produtos por mês.“Ficamos muito felizesem receber o Prêmio. Ele éo reconhecimento de todo otrabalho que fazemos.A divulgação e o marketingque ele traz para a empresa sãomuito importantes”, comemoraCilene Raucci, gerente comercialda Ativa Logística.indústria têxtil ocupa quase 10%das cerca de dez mil toneladasde produtos transportadosmensalmente.“É muito importante receberuma premiação como essa,em que o nosso própriocliente reconhece o trabalhosermos para o cliente umatransportadora com nível deinformação de uma consultoria.Nosso objetivo é sempreantecipar o problema paracontrolar a situação antes”,nacional comercial da ExpressoNa Patrus, que trabalhacom 800 veículos e cercade 500 mil entregas porRepresentantes das transportadoras finalistas na categoria indústria têxtil sobem ao palco receber o certificado da premiaçãoLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 83mês, a indústria têxtil e deconfecções ocupa 20% de tudoo que a empresa transporta.“Mas essa porcentagempode ser diferente por contadas classificações de cadaindústria. A Alpargatas, porexemplo, está inserida dentrodo setor têxtil no Prêmio, maspara nós ela entra em outracategoria, já que é responsávelpela fabricação de produtoscomo as Havaianas”, explicaMarcelo Patrus, diretor daPatrus Transportes.Há cinco anos realizandoo tracking dos pedidos, odiretor da Patrus acreditaque a transportadora foivencedora do Prêmio devido aoalto nível de serviço. “Temoshoje um desempenho de98% dos pedidos acordados,cumpridos no prazo certo”,DESAFIOSApesar de atenderem a 2ªindústria de transformação quemais emprega no país, perdendoapenas para alimentos e bebidas(dados da ABIT – AssociaçãoBrasileira da Indústria Têxtil ede Confecção), os vencedoresda categoria indústria têxtil doPrêmio Top do Transporte 2012sabem que o setor enfrentaapontadas pelos executivos estáa mobilidade urbana dentro decidades como São Paulo e anova Lei dos Motoristas.“Com as restrições deveículos em várias cidadestemos problemas com as cargasagendadas, em que os produtossó podem ser transportadossozinhos, e dentro da Expresso20% a 30% de todo o volumetransportado. Tivemos deaumentar o número de veículosurbanos de carga (VUCs), oque piora o trânsito e aumentaos custos da operação. Outroproblema que enfrentamos écom a malha viária brasileira.Não existem novas construções,elas são as mesmas há 20, 30longo desse tempo aumentouA gerente comercial da AtivaLogística diz que a empresatambém sofre com as restrições.“O problema não é com osembarcadores, mas com alegislação. Temos várias áreascom restrição nos horários deentregas. Para um cliente dentrode um shopping, por exemplo,tenho que entregar num horárioem que o veículo de grandeporte não tem permissão paracircular, então, sou obrigada aenviar quatro, cinco veículosao mesmo local para conseguirfazer a entrega. Tudo isso oneraos custos dessa operação”,Transportes, além dasrestrições urbanas e à mudançana jornada de trabalho dosmotoristas, também existe umamarginalização do setor detransportes no Brasil.“Somos o elo entre a indústriae o varejo, temos dois clientesao mesmo tempo: o nossodireto e o cliente do nossocliente, que se não receber amercadoria em dia, se queixa domau atendimento. E a nova Leidos Motoristas e as restriçõesde circulação de determinadosLinha Completa de Carrinhos e SuportesA melhor tecnologiaNova linhade carregadoresde bateriastradicionaisNew Charger S 9.1www.jlweletromax.com.brInformaçõesSoft-StartTempo de descanso da bateria programadaControle e gerenciamento microcontroladoDesligamento automáticoMaior economia de energia elétricaHistórico de operações e falhasStatus da alimentação da redePlaca de circuito impressa em SMDQuatro estágios de cargaAlarmes de falhasSistemas de rede (RS-485)RetrofitingModernização e nacionalização emqualquer tipo de carregador nacional ouimportado, implantando toda tecnologiaJLW em seu equipamento, aumentandoassim o rendimento e durabilidade de seuscarregadores prolongamento a vida útilde sua bateriaAcessóriosSonda de temperaturaTermômetro, DensímetroConectores nacionais e importadosPlaca de circuitoCabo de redeCarrinhos e SuportesLinha completa para movimentação eorganização de carregadores e bateriasManutençãoPreventiva e corretivaEquipe treinada para realização demanutenção de carregadores de bateriasde qualquer marca ou modeloTerceirizaçãoProjetos de salas de bateriasTerceirização de mão de obraespecializada para sala de bateriasTreinamento especializadoTel.: +55 19 3491-6163 Fax: +55 19 3491-6118comercial2@jlweletromax.com.br


84 - EspecialPanzan Jr., da Expresso Jundiaí:“é muito importante receber umapremiação como essa, em que onosso próprio cliente reconheceo trabalho realizado”Marcelo, da Patrus: “apesarda importância que tem naeconomia, nosso setor ainda émuito marginalizado. Por isso, ainiciativa do Prêmio é única”com relação ao cumprimentodos prazos”, explica. “Apesardo setor de transportes ter umagrande importância na economia,ele ainda é muito marginalizado,por isso, a iniciativa da Logwebe da Frota&Cia é única. Vocêsajudam a mostrar que nãoplayer do mercado mundial.Reconhecem o bom desempenhodo transporte de carga, queé uma das mais complexas edifíceis operações de se realizarno Brasil”, completa Marcelo.INVESTIMENTOSPara conseguir suprir asna hora da entrega, aTransportadora Patrus investeconstantemente no treinamentoe aprimoramento de suas equipese na compra de equipamentos eveículos, além de em programase benefícios motivacionais paraseus funcionários.Segundo Marcelo, o objetivoda empresa é sempre obter omaior nível possível de serviço.“Cumprir os prazos está naalma da Patrus. Estamos semprepreocupados em ter um grandenível de serviço, e para issoinvestimos constantemente emTI, em equipamentos e frota.Outro ponto é o investimentonos funcionários. Empresas sãopessoas. Você precisa investirem treinamentos e benefícios,como participação nos lucros,refeitórios, dormitórios paramotoristas. Também tem quecumprir com os compromissos,como salário em dia. Compessoas motivadas, você temmenos acidentes nas rodovias”,também há investimentosligados aos funcionários. “Parao motorista ser contratado,ele precisa atender algunspré-requisitos, como ter ocurso MOPP – MovimentaçãoApesar deatenderem a2ª indústria detransformaçãoque maisempregano país, osvencedoresem indústriatêxtil enfrentammuitosdesafiosOperacional de ProdutosPerigosos e de direção defensiva.Após a contratação, ele receberáum treinamento supervisionado,em que durante todo o tempoque estiver trabalhando conoscoseu desempenho na estradaserá acompanhado e avaliado.Caso ocorra algum incidente, elereceberá uma nova orientação”,em agosto fez a mudança desuas instalações para um novoCD com cerca de 25.300m², sendo 13.000 m² de áreaconstruída, localizado no ParqueNovo Mundo, em São Paulo,SP, os investimentos para ospróximos anos estão ligados àespecialização da empresa naentrega para outros setores daindústria. “Para entrarmos nomapeamento das empresas dosegmento. Agora queremosfazer esse mesmo trabalho nasindústrias de eletrônica, TI,calçadista e na de autopeças,onde vamos buscar omontadoras. Esse processo devecomeçar logo no início de 2013”,explica Cilene.Com esses investimentos, asexpectativas dentro da AtivaLogística são de que a empresaobtenha um crescimento de 18%em 2012, se comparado com oano anterior.não atingindo os númerosesperados, a transportadoraainda tem perspectiva deapresentar um bom crescimento.“Nossa expectativa inicial para2012 era de 18%, se comparadocom o ano anterior. Mas omercado esteve muito receosoao longo desse ano, houvemuita estagnação da economia,então devemos crescer 10% emter um aumento de 15% noDentro da Patrus, a previsãode crescimento para este anoé de 15%, se comparado como ano anterior, e para 2013 asexpectativas são de 20%. “Aolongo dos últimos cinco anos,crescemos sempre 20%, mascom a crise econômica mundial ea retração do mercado brasileiro,achamos esse crescimento, umpouco abaixo do esperado umavitória. Em 2013 iremos investirR$ 30 milhões na ampliaçãode terminais, em automaçãoe TI, frota e no treinamentode funcionários. Estamos nospreparando para voltar aopatamar de 20% de crescimento,mas sem perder o nível deserviço que temos”, concluiMarcelo.Eleitos da Indústria Têxtil Notas de Perfomance de Custos Notas de Performance de Serviço Média definal demercadoOrdem Ranking Transportadora VotosCustobenefícioCapacidade denegociaçãoMédia decustosNível deserviçosGestão dequalidadeTecnologia einformações1 1 Ativa Distribuição e Logística Ltda. 10 4,50 4,50 4,50 4,40 4,30 4,50 4,40 4,452 2 Expresso Jundiaí Logística e Transporte Ltda. 5 4,20 4,00 4,10 4,60 4,40 4,40 4,47 4,283 3 Patrus Transportes Urgentes Ltda. 6 4,17 3,33 3,75 4,50 4,00 4,17 4,22 3,99Média deserviçosLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Uma feira como você quer:muito movimentada.www.presenca.com.brEventosimultâneoA primeira edição da CeMAT SOUTH AMERICAfoi um sucesso. Em 2013 promete ser ainda maismovimentada. A área de exposição aumentou e, desdejá, um forte esquema de visitação está sendo preparado.Fora isso o evento acontece em conjunto com a MDA -Motion, Drive & Automation, que estreia por aqui.Reserve já o seu estande. E movimente seus negócios.CeMAT SOUTH AMERICA 2013Feira Internacional de Movimentação de Materiais e Logística19- 22 Março 2013Centro de Exposições Imigrantes - São Paulo - SP14h às 21hINFORMAÇÕES E E RESERVAS cemat@hanover.com.br | 41 | 3027-6707 41 | 41 3027-6707 | 11 | 3521-8000 11 | 11 3521-8000www.cemat-southamerica.com.brwww.hanover.com.br


86 - EspecialNova categoria, PreferênciaNacional, premia Braspress, TNT eAtlas como as mais lembradasCriada para homenagear as transportadoras com maior número de indicações em todaa Pesquisa do Prêmio, a categoria mostra a importância das maiores companhias detransporte do país para os embarcadores de cada setor.Anova categoriado Prêmio Topdo Transporte2012, Preferência Nacional,revelou a transportadora maislembrada entre os embarcadoresde carga do país: a paulistanaBraspress (Fone: 11 2188.9000).atendidos pela companhia foifundamental para que essereconhecimento chegasse àsmãos da Braspress, de acordocom o presidente UrubatanHelou.“Este é um planejamentoestratégico antigo de nossaempresa. Em 2012 devemoschegar perto de 1 bilhão defaturamento e nosso maiorcliente não representa mais que1,3% sobre esse montante. Issorevela como a nossa carteiracomercial é pulverizada”,relata. Para o dirigente, nãose pode depender apenas deuma atividade econômica,pois no momento em queessa atividade vivenciar umprocesso de recessão, todo seuramo econômico sofrerá asconsequências.Por esse e outros motivos,Helou dirige seu negócio comfoco na pluralidade econômica.“Todos os segmentoseconômicos do mercadooferecem bons e maus produtospara serem transportados.Em cada um desses segmentos,pinçamos aquilo que podemostransportar com a maiorÀ direita, Helou, presidente da Braspress. À esquerda, Giuseppe Lumare Jr,diretor comercial da empresa, que recebeu o prêmio por ocasião do eventoqualidade possível. E é porisso que somos lembrados emtodos eles”, analisa. E o queé indispensável para ser topof mind? “Trabalhar 24 horaspor dia em seu negócio”, diz,sem pestanejar, o dirigente datransportadora preferida doBrasil.A TNT Mercúrio (Fone:Fone: 11 3573.7700) foi asegunda empresa mais citadapelos embarcadores de cargado país, feito que também nãoocorre por acaso: a companhiaé referência mundial e umadas maiores transportadorasde carga expressa do Brasil,com mais de 8 mil funcionáriose 2,5 mil veículos próprios,e a estrutura operacionalda companhia disponibilizaopções em transporterodoviário e aéreo, domésticoe internacional. Na festa deentrega do Prêmio Top doTransporte 2012, concedidopelas revistas Logweb eFrota&Cia, Álvaro Gotuzzo,representante da TNT Brasil,subiu ao palco para receber oprêmio.A terceira colocada nacategoria Preferência Nacional,a Atlas Transportes e Logística(Fone: 11 2795.3100), possuiseu lugar assegurado entre osmais notáveis transportadoresde cargas do Brasil há mais deseis décadas. E a excelência ealta performance nos serviçosforam os responsáveis peloreconhecimento vindo com oprêmio Top do Transporte, emcategoria tão louvável. “Esteprêmio é motivo de orgulhoe alegria para a Atlas, poisacreditamos que a excelência ea alta performance nos serviçosque prestamos são diferenciaisreconhecidos pelo mercado”,ressalta Cleantho Camargo,“É também um reconhecimentodo esforço de nossas equipes,que trabalham com o foco nosindicadores de desempenho e namelhoria continua dos serviços”,acrescenta.O TRABALHO DASVENCEDORASNa Braspress, novosclientes surgem na mesmaproporção em que novosnegócios são prospectadospela empresa, explica Helou.“Há uma simbiose: somos umaempresa com uma estruturanacional. Atendemos o paísinteiro, através de uma rede7 mil funcionários em todoo território nacional. Dentrodesse quadro temos pelomenos entre 700 e 800 pessoasligadas à área comercial, queLOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.brww.l web .com.b


Especial - 87RankingPrêmio Top doTransporte 2012Ranking Preferência Nacionalvão ao mercado atrás de novospotenciais clientes. Ao mesmosão procurados pelos novosprospects. O setor de transportesé muito desconcentrado e essapulverização cria a necessidade deirmos atrás de novos e possíveisO presidente da companhiatambém enfatiza que oscolaboradores têm de estarIndicaçõesSegmentosindustriais1 Braspress Transportes Urgentes Ltda. 76 112 TNT Mercúrio Cargas e Encomendas Expressas S/A 64 123 Empresa de Transportes Atlas Ltda. 61 9em perfeita sintonia com otrabalho e com as necessidadesde aperfeiçoamento, emtodos os níveis, para que osserviços sejam bem realizados.“Essencialmente, todos têmde estar profundamentecomprometidos com o negócio.Como complemento, é essencialque possuam formaçõestécnicas. Uma empresa deserviços é fundamentalmenteuma empresa de gente, detradição e recursos tecnológicosde ponta se integram e compõemo conjunto de ferramentassucesso da Braspress. “Sãorecursos que tem de estar juntos.A tradição não se mantémsem qualidade, assim como aqualidade não sobrevive semboa mão-de-obra”, pondera.Hoje, a frota da companhia écomposta por 1,3 mil caminhões,com idade média de 3 anos.“Costumo dizer que temos umafrota nova e atualizada, uma belatecnologia de gestão, a melhortecnologia de movimentação decargas, os melhores terminaisde apoio e de cargas, mas tudoisso é efêmero e tem uma valormaterial, ou seja, pode seradquirido com dinheiro. Mesmosem o dinheiro, é possível ir aobanco e fazer um empréstimopara a aquisição desses bens.O que não é possível comprarsão as pessoas. Esse é o maiorpatrimônio, o maior ativo de umaempresa de serviços”, ressaltaHelou. A Braspress aindatrabalha com aproximadamente900 agregados, em regimede exclusividade. “É umrecurso absolutamenteindispensável para onegócio e lamentavelmenteé uma categoria que estádesaparecendo, em processode autofagia. A idade média dafrota do autônomo é a maior dopaís, porque está sendo vítimada baixa remuneração dastransportadoras”, pondera.Por sua vez, a TNT, atravésdas divisões operacionais TNTMercúrio e TNT Araçatuba,trabalha atingindo mais de5.000 municípios em todo oBrasil. Segundo informações


88 - Especialdivulgadas pela assessoria deimprensa, a empresa cobre seispaíses da América Latina nomodal rodoviário (Argentina,Bolívia, Chile, Paraguai, Peru eUruguai), e, por meio da TNTExpress, alcança mais de 200países em todo o globo. A TNTmundial transporta, por semana,4,7 milhões de documentos,amostras e cargas em mais de 200países, utilizando uma rede de2.653 terminais, hubs e sorters.Com mais de 30.000 veículos e46 aeronaves, a companhia possuiuma das maiores frotas rodoviáriae aérea para entregas expressasporta a porta na Europa. Nomundo, a empresa emprega cercade 77 mil funcionários e registroureceita de 7,246 bilhões de eurosem 2011.Com capital 100% nacional,a Atlas oferece soluções emlogística integrada e viabiliza adistribuição rodoviária e aéreaEsta novacategoria dapremiação dádestaque àsempresas maislembradas pelosembarcadores,por sua atuaçãonos mais diversossegmentosabrangidos peloPrêmio Top doTransportede produtos para clientes dediversos setores da economia.Iniciando suas atividadesem 1952, trafegando pelaprimeira linha interestadualque ligava São Paulo aAracaju, SE, a companhiaaumentou substancialmentesua participação na divisãologística desenvolvendooferecendo soluções deCentros de Distribuição,exclusivos ou compartilhados,e passou a assumir operaçõesde armazenagem e controlede estoque nas instalaçõesdo próprio cliente. “Nossafrota movimenta quase 1milhão de toneladas por anoe atuamos fortemente nossetores de eletroeletrônicos,automotivo, têxtil,cosméticos, higiene pessoale na indústria farmacêutica”,explica Camargo. No iníciodos anos 90, recorda ele, aAtlas fechou parcerias comimportantes companhias deaviação e incluiu o modalaéreo às suas atividades,incrementando ainda mais assoluções oferecidas aos seusclientes.Camargo, da Atlas: “esse é o reconhecimento doesforço de nossa equipe, que trabalha com o foco nosindicadores de desempenho e na melhoria contínua”Hoje, a companhia fazparte de uma seleta lista juntoàs maiores transportadorasestrategicamente localizadasnas cinco regiões do País,3.500 funcionários e 1,8 milveículos (500 próprios e 1,3 milagregados) para operações decoleta, transferência e entregade cargas.OS INVESTIMENTOS DASVENCEDORASCom o prêmio de primeirocolocado no Ranking dePreferência Nacional nasmãos, Helou, da Braspress,revela uma responsabilidadeanos de existência, não há umna Braspress que não tenhasido milimetricamente pensadoe avaliado. Todas nossasconquistas aconteceram porforça de um planejamento e umesforço pessoal e conjunto, meue de minha equipe, e por forçadaquilo que economicamentefoi propiciado pelo país. A partirde 1994, com o Plano Real,LOGWEB 130 DEZ/2012


Especial - 89tivemos uma estabilizaçãomonetária e a grandemaioria dos empresários queapostaram na produtividadeconseguiu bons resultados, aocontrário dos que apostaramna especulação. Nósapostamos na produção, nainiciativa, no desenvolvimentoda empresa e este (diz,apontando para o Prêmio) éo resultado que alcançamos”,avalia.Para os próximos anos, aestratégia é de consolidaçãoda estrutura nacional daempresa. “Vamos ampliarum pouco mais nossa rede,2013. Queremos melhorar oatendimento de cada ponto dede mercados promissores. Namedida em que percebemosas necessidades efetivas paramelhorias, elas passam aintegrar nosso planejamento”,anuncia. A Braspress deveráfechar 2012 com um aumentoentre 14% e 15% no volume decarga, segundo o presidente daempresa.A TNT vem realizando noBrasil e no mundo uma sériede investimentos nos últimosanos. Em 2007, a companhiaadquiriu a Expresso Mercúrio,tradicional empresa líderdo mercado de transporterodoviário, e em 2008 mudoua razão social para TNTMercúrio, iniciando umnovo ciclo de negócios nopaís. Neste mesmo ano, naHolanda, a TNT inaugurouseu primeiro terminalecológico. Os conceitosde sustentabilidade foramnorteadores de todo o projetode construção do novo hub,que dispõe de um modernosistema de coletores de águadas chuvas, aquecimento solarem todas as dependências,coleta de lixo seletiva eutilização de papel reciclado.Em 2009, a companhiadivulgou a compra da LITCargo no Chile, conquistando,assim, uma posição privilegiadano Mercado ExpressoDoméstico daquele país – umaplataforma estratégica paraa Expansão na América doSul, e, no Brasil, a aquisiçãoda Expresso Araçatuba, umadas transportadoras maissólidas da América Latina.O negócio conferiu à TNT ofortalecimento da liderançaregional e criação da únicarede de atendimento própriae completa em todo o Brasil.Novos investimentos devemser anunciados em breve paramanter o patamar de serviçosprestados em todo o globo.explica Camargo, se mantémde forma contínua ao longodos anos. Apenas este ano,os aportes somarão R$ 32milhões, sendo 12 milhõesapenas em renovação defrota, com a aquisição de125 novos caminhões, e 20milhões em ampliações determinais, previstas paraos centros de distribuiçãolocalizados em Salvador, BA,Manaus, AM, Espírito Santo,Cuiabá, MT, Natal, RN,Maceió, AL, e Porto Velho,RO. “Pretendemos fechar2012 com faturamento naordem de R$ 630 milhões. Nomomento estamos trabalhandocom projeção de crescimentopróximo a 15%”, concluiCamargo.


90AnúnciosAlphaquip ........................................... 19Ativa .................................................... 31Bauko ................................................. 60Belenus .............................................. 56Brasil Máquinas ................................... 8Braspress ............................................41Brucai ................................................ 47Cargomax ........................................... 15CeMAT ................................................ 85Central ................................................73Cobmetalg ......................................... 88Cooparts ............................................ 34CromoSteel ........................................ 45Dieletro .............................................. 49Easytec ................................................75Empilhadeiras Online ........................ 43Empitec ............................................... 21FortPalets ...........................................37Global Conexxion .............................. 89Gumaplastic ....................................... 59Jamef ................................................. 67JLW ..................................................... 83Linde .................................................. 79Linx ...................................................... 17Logweb .................................. 61, 77 e 81Logweb MDA ......................................53Mapel ................................................. 39Marksell ............................................. 68Matra ................................................. 30MBigucci .................................... 3ª CapaMinuano .............................................. 13Movimenttar.......................................33Nautika ................................................35Neoband ............................................ 65Otimis ..................................................57Patrus ......................................... 2ª CapaPrattica................................................27 ................................................52Retrak ...................................................5Rodaco ................................................. 9Rodafer .............................................. 87Schioppa ............................................ 29SDO .................................................... 69Somov .................................................55Spallo ................................................... 6Still ........................................................7Topico .................................................25Travema .............................................. 51Tyresfer ...............................................23Via Pajuçara .........................................11Viastore ...................................... 4ª CapaZeloso ................................................ 63HTS BrasilO presidente mundial da HTS,Phil Elovic, e o vice-presidente devendas, Jacob Bros, estiveram noBrasil para conferir os resultados daHTS Brasil nos primeiros 10 meses deoperações. Os executivos da empresaisraelense especializada em automaçãoportuária se disseram surpresoscom os resultados alcançados emcurto período de tempo. A HTS Brasilfoi a empresa escolhida pelo Tecondie Grupo Libra para os projetos deautomação dos gates.LocarA Locar, especializada em içamentospor meio de guindastes, temnovo diretor de transportes – JulioCezar Teixeira Pereira. Ele temnova dimensão ao departamento detransporte da empresa, com foco nassoluções integradas para o transportemultimodal. Segundo ele, as diversasáreas da Locar cresceram muito nosintegrá-las cada vez mais. “Vamostrabalhar, por exemplo, muitopróximos da área marítima, especial-na movimentação de módulos e componentessuperpesados para plataformas”,disse o novo diretor.OpenTechDando continuidade ao seu planode expansão, a OpenTech, que atuano mercado de logística e gestão deriscos, criou a diretoria de Relacionamentocom o Mercado Segurador,cialda companhia. Para a sua vaga naárea, a empresa contratou Silvio Mota,executivo com mais de 22 anos dede 16 anos na área de TI. SegundoAlfredo Zattar, presidente da empresa,a criação de uma nova diretoria,a sexta na estrutura da autarquia daOpenTech, acontece em um momentoem que a empresa vê crescer em suaestrutura comercial os serviços desoftware, ao mesmo tempo em que omercado de Gerenciamento de Risco,a exigir uma atenção ainda maior ededicação exclusiva aos clientes.FIQUE por DENTROCEVA LogisticsA CEVA Logistics anunciou a aposentadoriade John Pattullo, diretorexecutivo (CEO). Marvin O. Schlanger,então presidente do conselho daempresa, assumiu como CEO. Pattullocontinua na CEVA como membrodo Conselho Administrativo. Sob asua liderança, a integração da TNTLogistics e da EGL foi executada comsucesso, assim como a combinaçãode soluções com foco único no clientee o modelo operacional “end toend”, que foram desenvolvidos coma nomeação de Edson Dias comovice-presidente de Finanças parareportará a Brett Bissell, vice-pre-Latina, e a Alejandro Castro, DiretorOwens-IllinoisLuiz Fernando Magalhães assumiua diretoria de vendas e marketingGlass Container da Owens-IllinoisBrasil – produtora de embalagensde vidro. Dentre as suas missões àfrente da área de marketing da O-Iestão: fortalecer o posicionamentodo vidro como material de embalagempreferido pelos consumidores;desenvolver novos negócios comfoco nos lançamentos, produtos etecnologias e serviços inovadorespara o mercado onde a O-I atua;dar sequência ao desenvolvimentocrescente da região Nordeste.CAP de ItajaíO superintendente da APM TerminalsItajaí, Ricardo Arten, foi empossadomembro do Conselho de AutoridadePortuária – CAP de Itajaí. Ele passaa fazer parte do bloco dos OperadoresPortuários e foi nomeado pelaportaria ministerial número 196, de19 de julho de 2012, da Secretaria dePortos da Presidência da República(SEP). Com larga experiência no setormembro dos CAPs de Santos e do Riode Janeiro. Tem em seu currículo 20anos de atuação na empresa LibraTerminais, mais cinco anos no segmentode navegação, e há cerca deseis meses responde pela superintendênciada APMT Itajaí.LOGWEB 130 DEZ/2012 www.logweb.com.br


TRANSMISSÃO DE FORÇAEdição nº 8 | Dezembro | 2012Carregando...Destaque paraos veículos elétricosMDA SOUTH AMERICA terá pavilhões sobre“Surface Technology” e “Industrial Automation”


MDA SOUTHAMERICA 2013Motion, Drive & AutomationFeira dedicada à propulsão de negócios.O conceito que tornou a MDA referência mundial,agora na América Latina. Venha impulsionar negócios,relacionamentos e trocar tecnologia com significativosplayers do mercado. Reserve já o seu estande.Internacional Alemanha, China, Rússia, Índia, Turquia e agora Brasil.Trajetória 65 anos de experiência.Destaque Estandes temáticos com abordagens de outrastecnologias - Surface Technology e Industrial Automation.SetoresTransmissão de Forças Mecânicas, Elétricas,Fluido-Hidráulicas e Pneumáticas.Tecnologias de Ar Comprimido e Vácuo. Motores, rolamentos, acoplamentos, engrenagens, correias,freios, sensores, sistemas de acionamento elétrico e serviços. Bombas, cilindros, válvulas, acumuladores, mangueiras,pressostatos, câmbios, conectores, mecanismos e sistemashidráulicos e serviços. Compressores, secadores, filtros, vedação e sistemas completosde ar comprimido.Trade show by:ExclusividadeCeMAT SOUTH AMERICA -movimentação, logística e armazenagem.Feira simultânea à MDA.19 - 22 Março 2013Centro de Exposições Imigrantes - São Paulo-SP14h às 21hmda-southamerica.com.brPromoção e Organização Apoio OficalApoioApoio Institucional Operadora deTursimo Oficialmda@hanover.com.brCuritiba 41 3027-6707São Paulo 11 3521-8000Porto Alegre 51 3347-1668Empresa Oficial deTransporte Aéreo


Destaque aoveículo elétricoGrande destaque nestaedição de Transmissão deForça, o veículo elétrico(VE) aparece como alternativaao uso dos combustíveis poluidores.Mas, como se pode constatarpela matéria especial, eles aindaapresentam fatores impeditivos quedevem postergar, ainda por algumtempo, sua ampla aceitação no mercado:a baixa autonomia e os altosimpostos para que os importadospossam circular pelo país.Nesta ampla matéria, queanalisa a história, as característicastécnicas e as várias iniciativas para secriar este veículo “limpo” ecologicamente,discutimos, ainda, os veículoshíbridos, movidos tanto a combustível,quando a energia elétrica.Ainda assunto desta edição deTDEF são os pavilhões temáticosinseridos na MDA SOUTH AME-RICA, que acontecerá em março dopróximo ano em São Paulo, SP.O evento terá como destaquedois deles. O primeiro é o “SurfaceTechnology”, onde serão apresentadasas tecnologias de superfície,que abrangem os segmentos degalvanoplastia, revestimento deplasma, sistemas de automação emanipulação, limpeza e pré-tratamento,pintura e revestimento, pro-especiais, além de equipamentos deteste, medição e análise.Por outro lado, no espaço denominado“Industrial Automation”,os temas de apresentação serão osnovos sistemas de automação industrial,robótica, tecnologia a lasere serviços, tecnologia de microssis-nanotecnologia, sistemas elétricos,iluminação, testes eletroeletrônicos,equipamentos de mensuração,software e TI industrial, software dereconhecimento de voz, de videoconferênciae operacional.Completando esta edição,apresentamos uma nova seção darevista: “Acontece”. Aqui, vamosWanderley Gonelli Gonçalves, EditorEditorial 3Apoio:destacar, em poucas linhas, asnovidades dos setores abrangidospela publicação: mecânica,elétrica, hidráulica, pneumática ear-condicionado, além de tecnologiasde vácuo. Convidamos as empresasque atuam nestes segmentosa nos mandarem informaçõesimportantes para os nossos leitores.O e-mail é: jornalismo@tdef.com.br.Aproveitamos para desejar aosnossos leitores um ano de 2013 demuito sucesso, em todos os sentidos.Que a realização de grandes negóciosseja a pauta a guiar o destinodas empresas no próximo ano.Matéria Sensus e CASNa matéria “Aliança entre Sensuse CAS Tecnologia traz novoprojeto de Smart Grid e SmartErrarataWater para o Brasil”, publicadana edição de novembro, nº 7,pág. 6, da revista Transmissão de Força, houve umainversão nas legendas das fotos dos entrevistados.Na foto em que está indicado o presidente da CASTecnologia, Welson Régis Jacometti, o correto é ovice-presidente executivo da Sensus, José AntonioHernandez, e vice-versa.TRANSMISSÃO DE FORÇAPublicação mensal,especializada em Transmissãode Forças – Elétrica, Mecânica,Hidráulica e Pneumática –,da Logweb Editora Ltda.Os artigos assinados e os anúncios não expressam,necessariamente, a opinião da revista.Redação, Publicidade,Circulação e AdministraçãoRua dos Pinheiros, 240 - conj. 1205422-000 - São Paulo - SPFone/Fax: 11 3081.2772Nextel: 11 7714.5379 ID: 15*7582RedaçãoNextel: 11 7714.5381 ID: 15*7949EditorWanderley Gonelli Gonçalves(MTB/SP 12068)jornalismo@tdef.com.brRedaçãoDanilo Cândido de Oliveira (MTB/SP 55394)redacao5@tdef.com.brMariana Mirrha (MTB/SP 56654)redacao2@tdef.com.brPriscilla Cardoso (MTB/SP 68731)redacao3@tdef.com.brDiretoria ExecutivaValeria Limavaleria.lima@tdef.com.brMarketingJosé Luíz Nammurjlnammur@tdef.com.brAdministração/FinançasLuís Cláudio R. Ferreiraluis.claudio@tdef.com.brAdministraçãoWellington Christian Borsariniadmin@tdef.com.brDiretoria ComercialMaria Zimmermann - Nextel.: 11 7714.5378Nextel: ID 55*15*7581maria@tdef.com.brAssitente ComercialJúlia Gonçalvescomercial@tdef.com.brGerência de NegóciosNivaldo Manzano - Cel.: 11 99701.2077nivaldo@tdef.com.brJosé Oliveira - Cel.: 11 99469.7719oliveira@tdef.com.brThais Carvalho - Cel.: 11 98859.1872thais@tdef.com.br(Estagiária)Diagramação e CapaAlexandre GomesDEZ/2012 Nº 8 TDEF


4TRANSMISSÃO DE FORÇAMDA SOUTH AMERICA 2013contará com pavilhões temáticosJá consagrada na Alemanha,China, Rússia, Índia e Turquia,a MDA é considerada aprincipal feira internacional focadaem transmissão de forças elétricas,mecânicas, fluido-hidráulicas epneumáticas.E será realizada pela primeira vezem São Paulo, SP, no período de 19a 22 de março de 2013, no Centrode Exposições Imigrantes, comoMDA SOUTH AMERICA. O evento xterá como destaque dois pavilhõestemáticos: o “Surface Technology”,onde serão apresentadas as tecnologiasde superfície, que abrangem os segmentosde galvanoplastia, revestimento de plasma,sistemas de automação e manipulação,limpeza e pré-tratamento, pintura erevestimento, proteção ambiental e plantaspara fins especiais, além de equipamentos deteste, medição e análise.Por outro lado, no espaço denominado“Industrial Automation”, os temas deapresentação serão os novos sistemasde automação industrial, robótica,tecnologia a laser e serviços, tecnologiade microssistemas, microssensores, fibraótica, nanotecnologia, sistemas elétricos,iluminação, testes eletroeletrônicos,equipamentos de mensuração, software e TIindustrial, software de reconhecimento de voz,de videoconferência e operacional.“Mercados em crescimento precisam deplataformas de negócios eficazes. Apesar deatualmente tudo ser tratado em rede, as feirasde negócios são um importante ponto deencontro para os participantes de mercadoschave. Criamos tais plataformas – em todo omundo – com base em nossa rede, extensaexperiência e marcas comerciais fortes”, dizTessa Marheineke, diretora global de Feiras daalemã Deutsche Messe AG – maior promotorado mundo e detentora da marca MDA.Plataformas internacionais“Esses dois pavilhões que estarão emdestaque na MDA têm extrema sinergiacom o público da feira e são uma excelenteoportunidade, principalmente para pequenase médias empresas experimentarem asvantagens da promoção de produtos, serviçosWanderley Gonelli Gonçalvese tecnologia”, diz Constantino Bäumle, diretorda Hannover Fairs Sulamérica (Fone: 413027.6707), subsidiária no País da DeutscheMesse AG e responsável pela organização epromoção da MDA SOUTH AMERICA.De acordo com ele, os dois pavilhões contamcom o apoio da VDMA - Associação dosFabricantes Alemães de Máquinas eEquipamentos e ZVEI – Associação dosFabricantes Alemães de Eletroeletrônicos.“O ‘Surface Technology’ e o ‘IndustrialAutomation Pavilion’ são uma amostra das feirasque acontecem bienalmente na Hannover Messe– Feira Industrial de Hannover, na Alemanha.Versões internacionais destas feiras tambémforam exportadas para outras economiasemergentes, e a atual situação econômica doBrasil nos coloca como o próximo local emque grandes empresas internacionais desejaminvestir e realizar negócios”, explica Bäumle.A primeira edição da MDA SOUTH AMERI-CA ocorre em paralelo à segunda edição daCeMAT SOUTH AMERICA - Feira Internacionalde Movimentação de Materiais e Logística,também organizada pela Hannover FairsSulamérica e cuja primeira edição no Brasil foiconsiderada um sucesso pelos organizadores.De acordo com Bäumle, os estandes coletivosda MDA garantem aos profissionais do setor aoportunidade de interagir com os expositorese público aguardados para ambas as feiras, eainda, usufruir de toda a estrutura e know-howinternacional oferecido por elas.A expectativa do executivo é de que a primeiraedição da MDA SOUTH AMERICA reúna cercade 80 expositores, de 20 países, ocupando opavilhão 2 do Centro de Exposições Imigrantes,em São Paulo.AconteceGas Energy anuncia parceriacom NatGas EconomicsGas Energy, grupo brasileiroA de consultoria na área degás natural, que também atua nossegmentos de petróleo, química eenergia, acaba de firmar parceria coma NatGas Economics, do consultorMarcio Balthazar da Silveira.A aliança busca potencializar osnegócios das duas empresas no setor,assim como de seus clientes, criandoum ambiente propício para a capturade novas oportunidades.Segundo Douglas Abreu, diretorpresidenteda Gas Energy, “a parceriavem em um momento bastanteoportuno, já que o mercado de gásdo Brasil é um dos mais promissoresdo mundo, sobretudo por conta dasrecentes descobertas do pré-sal”.Mais informações:Fone: 21 2509.5399SKF do Brasil inauguraprodução de rolamentospara veículos pesadosSKF do Brasil inaugurouA no País sua primeira linhadedicada à produção de rolamentospara atender ao segmento deveículos pesados. O novo canal,instalado no complexo industrialde Cajamar, SP, terá capacidade deproduzir 1,8 milhão de rolamentospor ano para atender à demandados mercados interno e externo.Foram feitos investimentos de R$ 9,2milhões para a SKF produzir essesrolamentos localmente.“A partir de agora, poderemosabastecer os fabricantes deveículos pesados com rolamentosproduzidos no Brasil. Existe ainda apossibilidade de exportarmos paraoutros mercados na América Latinae Ásia, incluindo o mercado chinês.Com esse novo canal, deixamos deimportar rolamentos da Alemanha,Índia, Polônia e França”, informaMurilo Fonseca, diretor de vendasautomotivas da SKF do Brasil. Aindade acordo com ele, a expectativa éde que em 2013 o canal já estejacom 60% de sua capacidadeocupada. “A intenção é chegar a80% do limite em 2014.”A SKF do Brasil também comercializaem seu portfolio de produtos osrolamentos unitizados de roda,rolamentos de embreagem,vedações e outros produtos voltadosao segmento de caminhões, ônibus eimplementos rodoviários.Mais informações:Fone: 11 4619.9100TDEF Nº 8 DEZ/2012


TRANSMISSÃO DE FORÇA5Projetos tentam viabilizar a comercialização de veículos elétricosDesenvolvidos como alternativa aos veículos a combustão, os veículos elétricosainda enfrentam problemas, como a baixa autonomia e os altos impostos para entrarem no Brasil.Imagine olhar para o horizonte de umacidade como São Paulo e ver o céu sem afamosa mancha cinza de poluição. Ligaro carro e não ter que conviver com qualquerbarulho do motor. Nenhuma poluição sonora,nem do ar gerada pelo automóvel. Parecesonho, mas não é.Na busca por alternativas para substituir oscombustíveis fósseis e, ainda, contribuir coma preservação do meio ambiente, empresasprivadas e o governo de alguns países têminvestido cada vez mais no desenvolvimentode veículos elétricos (VEs).Com uma história não tão recente – oprimeiro carro elétrico foi criado em 1830– o VE só começou a ser estudado comoalternativa para os carros movidos a dieselem 1970, quando ocorreu a primeira crise dopetróleo. De lá para cá, diversos protótiposjá foram desenvolvidos na tentativa de criarum modelo ideal que possa finalmente servendido em grande escala.Os atuais modelos funcionam basicamenteatravés de um sistema composto porbaterias recarregáveis, um regulador demotor e um motor elétrico. O regulador éo responsável por transmitir e controlar ofluxo de energia passada da bateria parao motor, que, quando a recebe, transformaesta mesma energia elétrica em mecânica,para movimentar o veículo.A direção não difere dos convencionais.A alavanca de câmbio indica apenas asposições à frente, ponto morto e ré. Parafazer o carro se movimentar, basta girara chave, colocar a alavanca na posição ‘àfrente’ e acelerar. A grande diferença estáno painel do carro, que indica, por exemplo,a carga, a corrente e a voltagem dasbaterias.“O motoristas são muitomais felizes dirigindo umveículo desses, porqueeles são mais fáceis deconduzir, já que não há trocade marcha”, explica FábioNicora, engenheiro sênior doproduto da área de inovaçãoda Iveco América Latina(Fone: 31 2123.4004).Para os defensores doVE, entre as principaisvantagens está no fatode que, ao contrário dosveículos movidos a diesel, o elétrico nãogera gases poluentes – segundo dadosdo Inventário Nacional de EmissõesAtmosféricas por Veículos Rodoviários de2011, desenvolvido pelo Ministério do MeioAmbiente (MMA), em 2009 foram lançadoscerca de 170 milhões de toneladas de CO 2através dos veículos motorizados.“O elétrico é mais saudável até que osmovidos a etanol. A liberação de gasestóxicos produzidos por esses carros chegaa quase zero, mas no elétrico não existequalquer emissão de poluentes”, afirmaCelso Novais, coordenador do ProjetoVE da Usina Itaipu Binacional (Fone: 453520.5252).Outra vantagem está no custo dereabastecimento desses veículos. “Paraabastecer um carro a diesel, hoje na Europa,se gasta cerca de 20 euros para rodar 100km, enquanto no elétrico são gastos nomesmo percurso apenas 2 euros”, explicaNicora, da Iveco.Segundo Novais, ainda que a energiaNicora, da Iveco: “jávendemos 50 unidades deveículos elétricos na Europa,e o feedback das empresastêm sido positivo”Primeiro modelo criadoatravés do Projeto VeículoElétrico, o Palio Weekend foiconstruído em parceria coma Fiat AutomóveisPriscilla Cardosoabastecedora do VE nãofosse gerada de forma limpa,o abastecimento do carrocontinuaria sendo mais limpoe mais barato que o dos carrosconvencionais. “Mesmo queessa fonte de energia não fosserenovável, o carro, ainda assim,estaria sendo sustentável,porque estaria economizandono mínimo a metade de energiaque um convencional utilizapara se locomover”, explica ocoordenador do Projeto VE.VEs no BrasilCriado em 2004 pela Kraftwerke Oberhasli(KWO) – empresa que controla nove usinasna região dos Alpes, na Suíça – em conjuntocom a Usina Itaipu Binacional, o ProjetoVeículo Elétrico (Projeto VE) é responsávelpela construção dos veículos movidos aenergia elétrica que circulam dentro dasimediações de Itaipu, com objetivo final dedesenvolver e aprimorar a tecnologia dessesveículos no Brasil.“A KWO precisava de carros que não fossemmovidos a diesel para operarem nas usinasque controla, onde o acesso é feito atravésde túneis e o acúmulo de CO 2 poderiacausar acidentes e problemas de saúde.O convite para participamos do Projeto foifeito em 2005 e formalizado em maio de2006”, conta Novais.O primeiro modelo criado através doProjeto foi o Palio Weekend, construídoem parceria com a Fiat Automóveis (Fone:0800 282 100). Funcionando através deum kit mecânico – composto por chassi,carroceria, suspensão e demaiscomponentes mecânicos – e um kiteletroeletrônico – com motor elétrico,bateria, módulo inversor de traçãoe demais sistemas de controle, oprotótipo tem autonomia de 100 kme pode chegar a uma velocidade deaté 110 km/h.A recarga das baterias, que são desódio, pode ser feita através de umatomada comum de 220 V, e demoraDEZ/2012 Nº 8 TDEF


6TRANSMISSÃO DE FORÇAcerca de 8 horas, no chamado modo cargalenta. Já no modo carga rápida, feito emuma tomada industrial, o carregamentopode ser feito com duração de 15 minutos.“A desvantagem do modo carga rápidaé que ela causa um desgaste maior nasbaterias. Assim, ao invés de durarem 10anos, elas podem durar bem menos”,explica Novais, da Usina Itaipu.Além do Palio Weekend, o Projeto VEdesenvolveu, junto com a Iveco, o IvecoDaily Eletric. O protótipo – feito no modeloIveco Daily 55C, que na versão elétricaganhou a denominação 55C/E – é equipadocom três baterias Fiam Sonick (tecnologiasódio e níquel), tem autonomia de 100 km evelocidade máxima de 70 km/h.Ao contrário do veículo comum, em que adesaceleração provocada pela ação dosfreios gera calor perdido na atmosfera, noDaily Elétrico este calor é transformadoem energia e vai para as baterias, comoforma de aumentar a eficiência energética eaproveitar essa energia na tração do veículo.A caixa de direção elétrico-hidráulica foiigualmente idealizada para consumir amenor quantidade de energia possível.“Começamos esse protótipo no Brasil em2009, quando fomos convidados porItaipu a participar da segunda fase doEquipado comtrês baterias FiamSonick, o DailyElétrico desenvolvidono Projeto VE temautonomia de 100 kme velocidade máximade 70 km/hProjeto VE. Foi umaparceria interessanteporque eles já tinhaminfraestrutura paraconstrução dessesveículos. Utilizamosdela para desenvolvernosso primeiro VEna América do Sul”,afirma Nicora, da Iveco.Em países como a Itália, a Iveco já possuimodelos de carro elétrico circulando pelascidades. A DHL Express utiliza dez unidadesde veículos elétricos da linha Daily paraa entrega de correio. Já a FCC CitizenServices comprou 12 unidades para utilizarna limpeza urbana.“Percebemos em 2006 queModeloestava nascendo na Europa europeu doum mercado que precisava de Iveco DailyElétrico. Oveículos como estes para circularveículo foino centro das cidades, onde o apresentadoveículo fica parado durante um no últimoSalão deHannover, naAlemanhaAlém do ElétricoComo forma de fugirdos problemas deabastecimento ebaixa autonomia que osveículos elétricos aindatêm, muitas montadorastêm investido na criação deveículos híbridos, movidostanto a combustível, quantoa energia. O pioneiro nessesegmento é o Prius, da Toyota(Fone: 0800 703 02 06).Lançado em 1997, eletrabalha com bateriasde níquel e possui doismotores, um elétrico e um acombustão, que trabalhamem conjunto.Previsto para sercomercializado no Brasila partir de 2013, oToyota Prius possuidois motores, umelétrico e um acombustão, quetrabalham emconjunto.“O próprio veículo vai definirem que momento deve usarum motor ou o outro e emquais proporções. Até cercade 50 km/h, por exemplo,o Prius funciona exclusivamentecom o motor elétrico,ou seja, não gasta nada decombustível e não emitenenhum poluente. A partirdessa velocidade o carroentende que é necessáriamais potência e acionaautomaticamente o motora combustão. A partir deentão eles trabalham emconjunto”, explica RicardoBastos, gerente geralde Relações Públicas eAssuntos Governamentaisda Toyota do Brasil.Entre as principais diferençasdo híbrido da Toyotacom os veículos elétricosestá na recarga da bateria.Como possui dois motores,a bateria do Prius nãoprecisa ser carregada emtomada, o motor a combustãoé quem faz essetrabalho. “A recarga dabateria não é feita atravésde uma tomada, e, sim, automaticamentepelo motora combustão e pelo sistemaregenerativo de freios”,explica Bastos.Desde que foi lançado, oPrius já vendeu 3,2 milhõesde unidades no mundoBastos, da Toyota: “o Priusconsome até 50% menoscombustível que um veículoconvencional de mesmo portee emite até 40% menos CO 2 ”todo. No Brasil, ele começaa ser comercializado emjaneiro de 2013 pelo valorde R$ 120 mil (no exterior,a média fica em torno deUS$ 26 mil).Apesar do preço salgado, ohíbrido oferece benefíciospara o consumidor nosgastos com combustível.“O Prius consome atéTDEF Nº 8 DEZ/2012


TRANSMISSÃO DE FORÇA7Novais, da Usina ItaipuBinacional: “o Projeto VE éum programa que não temfim, são conjuntos de projetossendo constantementedesenvolvidos”bom tempo.Já vendemos50 unidadesde veículoselétricos, e ofeedback dasempresas têmsido positivo”,diz Nicora.Além dosprotótiposcom a Fiat e aIveco, o ProjetoVE já trabalhacom outrasmontadoras para a construção denovos modelos. Entre os protótipos emdesenvolvimento está a construção de umminiônibus com a Mascarello (Fone: 453219.6000), um Veículo Leve sobre Trilho(VLT), em parceria com a empresa cearenseBom Sinal (Fone: 88 3532.7900), e um aviãoelétrico, em conjunto com a ACS Aviation(Fone: 12 3944.7270), de São José dosCampos, interior de São Paulo.“Dentro de Itaipu temosdiversos modelos de VEs. Ocarro produzido hoje nãotem quase nada do primeiroprotótipo. O Projeto VE é umprograma que não tem fim,são conjuntos de projetossendo constantementedesenvolvidos. Nossoobjetivo é conseguirnacionalizar todas as peçasque compõem os VEs. Já temos motor,inversor e ar condicionado nacionalizados.Estamos em curso com as baterias”, explicaNovais, da Usina Itaipu.Na corrida para lançar o primeiro veículoelétrico 100% nacional, a empresa catarinenseVez do Brasil (Fone: 41 3308.6186) prometecomeçar a fabricação dos primeiros carros nosegundo semestre de 2013.Batizado de Seed, o VE desenvolvido pelaVez tem autonomia de 100 km, atingevelocidade de até 130 km/h e pode serrecarregado em tomadas convencionais de110 V e 220 V.O Projeto de Itaipujá trabalha com a construção de“Este é novos VEs. Entre eles está um VeículoLeve sobre Trilho (VLT), em parceriaum VEcom a empresa Bom Sinalproduzidototalmente no Brasil, nenhum parafusoé importado. Estamos há 11 anosdesenvolvendo a tecnologia capaz de produzirum veículo elétrico totalmente nacional”, dizTony Saad, presidente da Vez do Brasil.De uso urbano e com espaço para apenas doispassageiros, o Seed trabalha com bateriasde chumbo-ácido, desenvolvidas pela filial daJohnson Controls (Fone: 11 3475.6700) noBrasil. “As baterias de chumbo são considerasuma tecnologia verde, por serem recicláveis,50% menos combustível queum veículo convencional demesmo porte e emite até 40%menos CO 2”, afirma Bastos.Sobre um possível carrototalmente elétrico da Toyota,o executivo diz que a empresajá detém dessa tecnologia,mas que a montadora considerao Prius o mais adequadopara o mercado brasileiro.“A Toyota detém a tecnologiapara trazer ao Brasil umveículo 100% elétrico. Noentanto, entendemos que oPrius é o carro mais adequadoao Brasil nesse momentoporque ele não demandanenhum tipo de investimentoem infraestrutura. Um veículoelétrico tem autonomia baixae obrigatoriamente o Brasilprecisaria ter tomadas pararecarregar a frota”, explica ele.Dentro da Unicamp, oLaboratório de Hidrogênio doInstituto de Física trabalhadesde 1992 no protótipo deum carro híbrido dotado decélula-combustível, que utilizaeletricidade e hidrogênio parase locomover.O Vega-2, último protótipodesenvolvido pela Universidade,tem como vantagemsob os veículos elétricos, aautonomia, que se iguala àDesenvolvido pela Unicamp,o Vega-2 é um carro híbridodotado de célula-combustível,que utiliza eletricidade ehidrogênio para se locomover.dos convencionais movidosa diesel.“Ao contrário dos elétricos,que ainda têm uma autonomiabaixa, de 100 km, o Vega-2consegue manter o mesmo nívelque os carros comuns, de450 a 500 km. Outra vantagemestá no reabastecimento.Ele é recarregado igualmenteaos veículos convencionais,com engate de uma mangueirapara colocação do hidrogênio,sem precisar ficar horasreabastecendo”, explica Silva,da Unicamp.A célula-combustíveltrabalha transformandoelementos químicos, comohidrogênio e oxigênio,em água e, dentro desseprocesso, gera eletricidade.Como libera apenas água, oVega-2, assim como os VEs,não polui o meio ambiente.A vantagem com relaçãoaos demais híbridos está nautilização do hidrogênio, queé uma substância inesgotávelno ambiente e que não diminuio rendimento do motor.“O Vega-2 tem as mesmasconfigurações do Honda Clarity,que também é um hibridoque envolve eletricidade ehidrogênio. Já existem carroscom essa tecnologia no Japãoe nos Estados Unidos e outrasmontadoras, além da Honda,estão desenvolvendo os seusprojetos. O grande desafioagora é diminuir os custosde produção, porque hoje umveículo movido a hidrogêniosai mais caro do que umelétrico”, completa Silva.DEZ/2012 Nº 8 TDEF


8TRANSMISSÃO DE FORÇAo que não acontece coma demais. Além disso, aprodução delas tem um custoaté dez vez menor do queo das convencionais, o queajuda a diminuir o preço doveículo”, explica Saad.Ainda segundo o presidenteda Vez, o Seed deve começara ser comercializado noBrasil com preço de R$ 48mil, inclusos os impostos.“A única diferença deimpostos que temos comrelação aos demais é que nãoiremos pagar a alíquota deimportação. O que esperamosagora é que o projeto deisenção de IPI para veículoselétricos seja aprovado pelapresidente”, diz ele.DesafiosApesar de já seremdesenvolvidos por diversasmontadoras, os veículoselétricos ainda não atraíramos consumidores. Mesmoem países como os EstadosUnidos, em que o governooferece incentivos para acompra desses automóveis, e na Inglaterra,onde eles não pagam a taxa de circulaçãono centro de cidades como Londres, o VEnão emplacou totalmente.Para Ennio Peres da Silva, professor chefedo Laboratório de Hidrogênio do Instituto deFísica da Unicamp – Universidade Estadualde Campinas (Fone: 19 3521.2121), a baixaautonomia desses veículos é o que causa afalta de interesse em sua compra.“Os modelos existentes hoje não têm futuro.Isso porque a bateria tem pouca autonomia,e a recarga pode demorar até 10horas, o que torna totalmenteinviável para o consumidor.Ninguém vai ficar paradodurante todo esse tempopara abastecer. OutroDe uso urbano e comespaço para apenasdois passageiros,o Seed pode sero primeiro veículoelétrico 100% nacionala ser comercializadoSaad, da Vez do Brasil: “o Seedé um VE produzido totalmenteno Brasil, nenhum parafuso éimportado. Estamos a 11 anosdesenvolvendo tecnologia paraproduzi-lo”Silva, da Unicamp: “aocontrário dos elétricos, quetêm baixa autonomia, oVega-2 mantém o mesmonível dos carros comuns,de 450 a 500 km”ponto é a troca da bateria.Após cinco anos de uso, elaprecisa ser substituída, eelas são a parte mais cara docarro”, analisa ele.No Brasil, além dos problemascom a autonomia, os VEssofrem também com o altovalor dos impostos quedeixa o veículo com o preçoinacessível para boa partedos consumidores. Um VEimportado hoje teria que pagar55% de IPI (Imposto sobreProdutos Industrializados)– incluindo os 30 pontosporcentuais em vigor paraimportados – além de ICMS(Imposto Sobre Circulaçãode Mercadorias e Serviços) ePIS/Cofins, cobrados de todosos veículos zero-quilômetro.“Sem os impostos, um carrodesses sairia por R$ 65mil. Com a inclusão deles,o valor chega a R$ 150 mil.Se comparado com outrospaíses, que dão incentivospara a compra dessesveículos, o brasileiro é o quepaga mais caro num modelodesses em todo o mundo”, afirma Novais,da Usina Itaipu.Já para Nicora da Iveco, além da reduçãodos impostos, o governo deveria incentivara indústria brasileira na produção dessesveículos. “É preciso ajudar a indústria paraque ela possa fabricar no Brasil as peçasque compõem esses automóveis. Já existeum projeto para desenvolver bateriasnacionais e incentivar o uso delas. Um bomincentivo seria a inclusão dos VEs no InovarAlto”, conclui o executivo.AconteceBelo Horizonte terá a primeiraestação de tratamento deesgoto capaz de gerar energiaelétrica do BrasilEstação de Tratamento de Esgoto Arrudasda Copasa. O biogás já é aproveitadoem uma de suas termelétricas, que aindaestá em fase de testesCom investimentos da ordem deR$ 65 milhões, a Copasa – Companhiade Saneamento de Minas Gerais terá aprimeira estação de tratamento de esgotocapaz de gerar energia elétrica no Brasil.A usina, que terá capacidade de suprira demanda de aproximadamente 15 milhabitantes, será utilizada apenas na própriaestação de tratamento de esgoto – emque deverá responder por até 90% daeletricidade presente.A Copasa tem dado diversos incentivospara a geração de eletricidade a partir dobiogás, uma das substâncias que resultamdo tratamento do esgoto coletado na redeurbana. O material, com alto potencialenergético, já é aproveitado em umatermelétrica que ainda está em fase de testes,instalada na Estação de Tratamento de EsgotoArrudas, na cidade de Belo Horizonte.O uso do biogás na geração de energiapara a estação de esgoto deverá trazeruma economia média de R$ 2,7 milhõesanuais para a empresa. Além dessa redução,o aproveitamento do esgoto, segundoa Copasa, diminui as emissões de gasespoluentes na atmosfera, já que a produçãodo biogás utiliza processos de limpeza,eliminando gases altamente tóxicos, comoo metano. O mecanismo da usina faz comque as substâncias sejam purificadas edirecionadas às microturbinas, nas quais sãotransformadas em energia.A empresa também afirma que o caloremitido pela combustão dos gases não élançado na natureza, mas aproveitado em umdispositivo utilizado na geração de energia.A usina de cogeração faz parte de umplano de ações sustentáveis da Copasa, quetambém inclui investimentos em um sistemade desodorização do esgoto, beneficiando osvizinhos da estação de tratamento.Mais informações:Fone: 31 3348.9696TDEF Nº 8 DEZ/2012


THE POWER OF DELIVERYIntralogística: viastore.viastore está entre os provedores internacionaislíderes em projetos turn-key de armazénse centro de distribuição, sistemas degerenciamento de armazéns, sistemas defluxo de materias e máquinas automáticasde armazenamento e retirada..www.br.viastore.cominfo.br@viastore.comGerencimaneto de Projeto, Consultoriae PlanejamentoGestor único do ContratoSistemas de Gerenciamento de ArmazénsSAP – Soluções LogísitcasModernização e Upgrade de SistemasMáquinas Automática de Armazenamentoe RetiradaServiços Hot-Line 24/7 e ManutençãoPeças e Acessórios

More magazines by this user
Similar magazines